"Aqui Também é Portugal"

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""Aqui Também é Portugal""

Transcrição

1 A "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000

2 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista Capítulo 1 O Salazarismo e o lugar do emigrante no ideal de "Nação" do Estado Novo Estado Novo e ideologia : a ideia fascista como referencial O Salazarismo: a doutrina e a caracterização do "ser salazarista" O Salazarismo como proposta de continuidade: o lugar do emigrante.. 52 Capítulo 2 Da prática política à Propaganda: a imagem do emigrante O Estado Novo e a emigração : alternativas e propostas A prática legal : a legislação do regime em relação à emigração O Estado como "engajador" : o papel da Junta de Emigração A mensagem do Estado Novo para o candidato à emigração A acção consular : o controlo da colónia à distância O perigo da desnacionalização : os consulados e a manutenção da identidade nacional 98

3 8 "Aqui Também é Portugal" 7. "O emigrante português, cidadão de Portugal e cidadão do mundo": da imagem oficial à realidade 101 Parte II A colónia portuguesa do Brasil Capítulo 1 Brasil, Brasis : os dois lados da emigração Da imagem do inferno à visão do paraíso A visão de quem acolhe: a legislação brasileira e a figura do emigrante Portugal no Brasil: a representação consular portuguesa em terras de Vera Cruz 152 Capítulo 2 Os "Portugueses do Brasil", o rosto da colónia portuguesa dos anos trinta aos cinquenta O rosto da colónia: quem são e como vivem os "patrícios" As associações: sobrevivência e preservação da identidade O Real Gabinete Português de Leitura e as Beneficências Portuguesas As escolas: o Liceu Literário Português e as tentativas de implantação de um ensino para imigrantes As associações de assistência, os Grémios, as Bandas e as "Casas de Portugal" As Casas Regionais As Associações de cunho político : os Grémios Republicanos, as Ligas Monárquicas e o caso do Centro Lusitano Don Nun'Alvares Pereira A Sociedade Luso-Africana do Rio de Janeiro As Câmaras Portuguesas de Comércio e Indústria As sociedades recreativas e desportivas Os periódicos: instrumentos de coesão da colónia A "Federação das Associações Portuguesas do Brasil": em prol da unidade, a favor do regime Os grandes nomes da colónia: de beneméritos a comendadores Rádio, teatro e televisão: vozes para a colónia A Colónia portuguesa e os governos brasileiros: tácticas de adaptação e convivência 215

4 índice 7.1. A colónia portuguesa e a primeira era Vargas ( ) Ao lado dos "Pracinhas": a colónia portuguesa no Brasil em guerra Os portugueses e os governos do Brasil no pós-guerra: a procura de uma Comunidade Luso Brasileira 237 Parte III Propaganda salazarista e "oposição" Capítulo 1 Da aldeia à Pátria: o terreno e as formas para a divulgação do salazarismo na colónia O culto da Aldeia : um bom campo para a divulgação do salazarismo regionalismo: "uma norma político-social" ou a garantia de uma identidade social? Uma imagem de Portugal: o referencial da colónia O culto à Pátria: da aldeia ao regime Em busca da Pátria: a permanência dos cultos cívicos e a reinvenção de tradições As datas históricas: do 1. de Dezembro à I. a Grande Guerra Os vultos históricos: de Afonso Henriques a Gago Coutinho O desejo de se fazer sentir: a presença do emigrante em Portugal "Selecções Portuguesas": vivências para um Portugal salazarista em terras brasileiras A imprensa e a rádio O Cinema: uma contradição de visões O Teatro Português no Brasil: duas vezes censurado A música : a subtileza de uma mensagem 314 Capítulo 2 A procura de uma propaganda adequada à colónia A relação do emigrante com o regime: a primeira forma da propaganda A propaganda pró-salazarismo em acção: a procura de laços com o regime ou a busca da Pátria Os demais meios de propaganda: do som à imagem A imagem da Pátria: o trunfo do salazarismo na colónia 371

5 "Aqui Também é Portugal" Capítulo 3 Salazar: a edificação de uma imagem na colónia O perfil de Salazar: a imagem construída em Portugal A construção da imagem: do Salazar político ao Salazar biografado Do "Homem" Salazar Do Salazar messiânico O Retrato do Chefe A imagem de Salazar na colónia portuguesa do Brasil Salazar: um nome nos jornais Oliveira Salazar, o Homem e o Ditador A reconstrução do Retrato: a imagem de Salazar na colónia A "presença" do "Chefe" na colónia portuguesa do Brasil: o culto a Salazar A União Portuguesa Dr. Oliveira Salazar e a Legião 28 de Maio As visitas de saudação: a colónia vai a Salazar. 446 Capítulo 4 "Aqui também é Portugal!", a resposta cívica ao apelo da propaganda salazarista As grandes demonstrações do apoio político: da Guerra Civil de Espanha à invasão de Goa O apoio da colónia aos "viriatos": o movimento dos emigrantes durante a Guerra Civil Espanhola As Comemorações do Duplo Centenário: a campanha pró-centenários A edificação do Cristo Rei: entre a motivação política e a questão religiosa O caso de Goa e da União Indiana: "Por Portugal e pelos portugueses da índia" As campanhas eleitorais: de Norton de Matos a Humberto Delgado A colónia e o salazarismo na entrada de uma nova década: um ponto da situação 507 Capítulo 5 O outro lado da moeda: o discurso da oposição no exílio, dos anos Trinta ao movimento democrático da década de cinquenta As vozes da República: a oposição nos anos trinta 521

6 n_ índice Centro Republicano Dr. Afonso Costa O Portugal Republicano e o Boletim do Centro Republicano Dr. Afonso Costa A Verdade sobre Salazar, de José Jobim A oposição e a esperança de redemocratização após 1945: do ressurgimento à desilusão Da Guerra ao fim do "Estado Novo" no Brasil: a luta contra todos os autoritarismos A visita de Craveiro Lopes e as manifestações contrárias A oposição e a imprensa brasileira A literatura contra o regime Humberto Delgado: a esperança e a realidade da oposição no Brasil Humberto Delgado: a violência e a utopia de um "pintão do regime" O "horror efeminado" ou as limitações da oposição no estrangeiro 554 Conclusão Os e(i)migrantes e Salazar, uma leitura de Portugal no Brasil Fontes e Bibliografia 569 Apêndice 601

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

ÍNDICE. B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade

ÍNDICE. B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade ÍNDICE Índice de quadros Índice de figuras Agradecimentos Resumo/Abstract Introdução A. Encruzilhadas do Marcelismo B. Marcello Caetano e Imprensa: relações de proximidade C. Eleições de 1969: esperanças

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

JOÃO MEDINA. (Acerca da Identidade Nacional)

JOÃO MEDINA. (Acerca da Identidade Nacional) JOÃO MEDINA (Acerca da Identidade Nacional) Ensaio sobre sobre as imagens de marca identitárias, os emblemas, os mitos e outros símbolos nacionais seguido de O ZÉ POVINHO, ESTEREÓTIPO NACIOIVAL E AUTOCARICATURA

Leia mais

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia 1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia As principais razões que levaram à Revolução Republicana e queda da monarquia foram: Apesar do desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século

Leia mais

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ELEIÇÕES REGIONAIS ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ELEIÇÕES REGIONAIS 2 0 1 5 ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos para escolher quem nos vai representar e falar em nosso nome.

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Génese e implantação do fascismo. e do nazismo

Génese e implantação do fascismo. e do nazismo Génese e implantação do fascismo FASCISMO: - Regime político que vigorou em Itália de 1922 a 1945 e que influenciou fortemente outros países. - Símbolo: o fascio romano. e do nazismo NAZISMO: - Regime

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA MANUAL ADOTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL HGP 6º ANO AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE EDITORA: TEXTO EDITORES 6º ANO ANO LETIVO 2013-2014 1º Período Subtema Conteúdos Conceitos Operacionalização

Leia mais

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem QUESTÃO IRLANDESA A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem cerca de 1,8 milhão de habitantes,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

FESTIVIDADES CÍVICAS EM MINAS GERAIS (1937 1945): ESCOLA, CULTURAS E PRÁTICAS

FESTIVIDADES CÍVICAS EM MINAS GERAIS (1937 1945): ESCOLA, CULTURAS E PRÁTICAS FESTIVIDADES CÍVICAS EM MINAS GERAIS (1937 1945): ESCOLA, CULTURAS E PRÁTICAS Aline Choucair Vaz UNIFEMM No período do Estado Novo política e escola estavam muito próximas, acentuadamente em ocasião do

Leia mais

A IMPRENSA COMO UM MECANISMO DE CONTROLE SOBRE A COLÔNIA PORTUGUESA DURANTE O ESTADO NOVO NO BRASIL

A IMPRENSA COMO UM MECANISMO DE CONTROLE SOBRE A COLÔNIA PORTUGUESA DURANTE O ESTADO NOVO NO BRASIL A IMPRENSA COMO UM MECANISMO DE CONTROLE SOBRE A COLÔNIA PORTUGUESA DURANTE O ESTADO NOVO NO BRASIL (Carmem Gessilda Burgert Schiavon. Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL. DIRECÇÃO DE JOEL SERRÃO e A. H. DE OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E A INSTAURAÇÃO DO LIBERALISMO

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL. DIRECÇÃO DE JOEL SERRÃO e A. H. DE OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E A INSTAURAÇÃO DO LIBERALISMO NOVA HISTORIA DE PORTUGAL f, DIRECÇÃO DE JOEL SERRÃO e A. H. DE OLIVEIRA MARQUES Volume IX.....A354164 PORTUGAL E A INSTAURAÇÃO DO LIBERALISMO COORDENAÇÃO DE A. H. DE OLIVEIRA MARQUES POR A. H. DE OLIVEIRA

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

MANOLO FLORENTINO. Douglas Mansur da Silva, A Oposição ao Estado Novo no Exílio Brasileiro 1956-1974, Lisboa, ICS, 2006, 162 páginas.

MANOLO FLORENTINO. Douglas Mansur da Silva, A Oposição ao Estado Novo no Exílio Brasileiro 1956-1974, Lisboa, ICS, 2006, 162 páginas. 1144 cantes de Rio de Janeiro, Salvador e Recife passaram a dominar o fundamental das etapas empresariais que garantiam o comércio negreiro, provendo-o de naus, de bens para o escambo, arregimentando tripulantes

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

Projeto Eleições 2014 e o Exercício da Cidadania

Projeto Eleições 2014 e o Exercício da Cidadania Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto e Cruzeiro Centro de Ensino Fundamental Polivalente Projeto Eleições 2014

Leia mais

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. PUC - Rio - 2012 Rio VESTIBULAR 2012 PROVAS DISCURSIVAS DE HISTÓRIA 2 o DIA MANHÃ GRUPO 2 Novembro / 2011 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este

Leia mais

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

2008-actual Investigador do Centro de Estudos de História Contemporânea ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa. David Mourão Ferreira Castaño Data de nascimento: 25/01/1979 Nacionalidade: Portuguesa Estado civil: Casado 3 filhos Morada: Av. das Túlipas, 41, 1º Dto. 1495-161 Miraflores Telemóvel: 96 402 23 88 E-mail:

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

ETAPAS DO MÉTODO DE ENSINO DOS NÚCLEOS DO CIRCULO MONÁRQUICO BRASILEIRO

ETAPAS DO MÉTODO DE ENSINO DOS NÚCLEOS DO CIRCULO MONÁRQUICO BRASILEIRO ETAPAS DO MÉTODO DE ENSINO DOS NÚCLEOS DO CIRCULO MONÁRQUICO BRASILEIRO Este é o método de ensino a ser aplicado pelos Núcleos do CMB em todas as Regionais: São sete os graus honoríficos e funcionais do

Leia mais

A AÇÃO DOS DITOS INSUBMISSOS PORTUGUESES DURANTE O ESTADO NOVO NO BRASIL Carmem Gessilda Burgert Schiavon FURG cgbschiavon@yahoo.com.

A AÇÃO DOS DITOS INSUBMISSOS PORTUGUESES DURANTE O ESTADO NOVO NO BRASIL Carmem Gessilda Burgert Schiavon FURG cgbschiavon@yahoo.com. A AÇÃO DOS DITOS INSUBMISSOS PORTUGUESES DURANTE O ESTADO NOVO NO BRASIL Carmem Gessilda Burgert Schiavon FURG cgbschiavon@yahoo.com.br Portugal e Brasil, durante o século XX, com peculiaridades próprias,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FEDERATIVO FEETINS

PLANO DE TRABALHO FEDERATIVO FEETINS PLANO DE TRABALHO FEDERATIVO FEETINS 2013 a 2017 1. FINALIDADE Para melhor atender o Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro 2013-2017 do Conselho Federativo Nacional, a FEETINS, através

Leia mais

REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - SALÃO NOBRE

REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - SALÃO NOBRE REITORIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA - SALÃO NOBRE 23, 24 E 25 DE ABRIL. 18h30 Entrada livre PROGRAMA 23 ABRIL 18h 30 - Quem é Ricardo de José Barahona 19h 15 48 de Susana Sousa Dias 24 ABRIL 18h 30 - Antes

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

José sacchetta Ramos mendes

José sacchetta Ramos mendes anti-salazarismo no Brasil e o governo Juscelino KuBitscheK: a conferência Pró-anistia aos Presos PolÍticos ibéricos (1960) nos documentos do deops-sp José sacchetta ramos Mendes O autoritarismo politicamente

Leia mais

A lição de Salazar. colorido, organizado, moderno. Um dos grandes problemas enfrentados pela 1ª República foi. a desorganização financeira, que

A lição de Salazar. colorido, organizado, moderno. Um dos grandes problemas enfrentados pela 1ª República foi. a desorganização financeira, que A lição de Salazar Para assinalar os dez anos de governo de Salazar, é editada, em 1938, uma série de sete cartazes intitulada A Lição de Salazar, distribuída por todas as escolas primárias do país. Estes

Leia mais

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO

RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO RESOLUÇÃO SOBRE O CONTEÚDO DE TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE DO PARTIDO 1 FICHA TÉCNICA Regulamento Geral de Organização e Funcionamento das Estruturas do MPLA Edição: COMITÉ CENTRAL DO MPLA Ano de

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

Regimes Autoritários/ Totalitários EUROPA NO ENTREGUERRAS PROF. SARA

Regimes Autoritários/ Totalitários EUROPA NO ENTREGUERRAS PROF. SARA Regimes Autoritários/ Totalitários EUROPA NO ENTREGUERRAS PROF. SARA O que mais diferencia o totalitarismo de outras formas de ditadura é que o Estado totalitário invade a privacidade das pessoas, controlando-as

Leia mais

Prova Escrita de História

Prova Escrita de História PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História 9.ºAno de Escolaridade Prova 19 / 1ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. 2014 Identifica, claramente,

Leia mais

Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua

Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua Dia da implantação da República (5 de Outubro de 1910) Até 1910, Portugal encontrava-se governado por reis, tendo sido nesta data que mudou a sua forma de governo, de uma Monarquía para uma República.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

ORGANIGRAMA DA LEGIÃO PORTUGUESA

ORGANIGRAMA DA LEGIÃO PORTUGUESA LEGIÃO PORTUGUESA A Legião Portuguesa foi fundada por proposta de J. Botelho Moniz e é criada oficialmente pelo Decreto-Lei nº 27058 de 30 de Setembro de 1936, na sequência de ideias favoráveis à criação

Leia mais

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS

AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS JOÃO ESTEVES AS ORIGENS DO SUFRAGISMO PORTUGUÊS A Primeira Organização Sufragista Portuguesa: a Associação de Propaganda Feminista (1911-1918) EDITORIAL BIZANCIO LISBOA, 1998 ÍNDICE Introdução 11 Capítulo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO

PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO PLANO DE ESTUDOS - HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO O aluno, no final do 6º ano, deve ser capaz de: Conhecer e compreender as características do império português dos séculos XVII e XVIII Conhecer

Leia mais

Apresentação do livro D. Duarte e a democracia uma biografia portuguesa

Apresentação do livro D. Duarte e a democracia uma biografia portuguesa Apresentação do livro D. Duarte e a democracia uma biografia portuguesa de Mendo Castro Henriques Perguntaram um dia a D. Duarte se tinha sido educado para ser rei. Ele respondeu: Fui educado para ser

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS, COOPERAÇÃO E COMUNIDADES SÍNTESE DAS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES INTRODUÇÃO O Iº Encontro dos Órgãos de Comunicação e Informação de Caboverdianos na Diáspora, realizado

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Ano lectivo 2014/2015 Introdução A Educação para a Cidadania é um processo ao longo da vida. Começa em casa e no meio próximo das crianças com as questões da identidade, relações

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 630/XII/3.ª TRANSPARÊNCIA DA PROPRIEDADE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PROJETO DE LEI N.º 630/XII/3.ª TRANSPARÊNCIA DA PROPRIEDADE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 630/XII/3.ª TRANSPARÊNCIA DA PROPRIEDADE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Não existe democracia sem imprensa. O conhecimento informado do mundo que nos rodeia não existe

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Setembro Outubro 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Setembro Outubro 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua vigésima segunda edição. Este veículo tem a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o MI, destacando ainda as atividades e ações

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H LOCAL: AUDITÓRIO PRÉDIO 5 DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H Luís Aguiar Santos (Universidade de Lisboa) Antonio de Ruggiero (PUCRS) - Decadência de Portugal e a solução cesarista: um estudo sobre história

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Análise Social, vol. XLIII (2.º), 2008

Análise Social, vol. XLIII (2.º), 2008 Goffredo Adinolfi, Ai confini del fascismo. Propaganda e consenso nel Portogallo salazarista (1932-1944) (prefácio de António Costa Pinto), Milão, Ed. Franco Angeli, 2007, 245 páginas. Os estudos sobre

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 124, Toledo PR Fone: 277-810 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA º Ano PROFESSORAS: JESSICA ALINE

Leia mais

CONHECIMENTO DE LÍNGUAS / knowledge of languages

CONHECIMENTO DE LÍNGUAS / knowledge of languages Curriculum Vitae CRISTINA PORTELLA portella53@gmail.com NOME / name Maria Cristina Portella Ribeiro DATA DE NASCIMENTO / date of birth 20/01/1953 LOCAL DE NASCIMENTO / Place of birth Rio de Janeiro / Brasil

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

ARQUIVO MÁRIO SOARES

ARQUIVO MÁRIO SOARES ARQUIVO MÁRIO SOARES PASTA N.º 2367,003 Imagem n.º: 2 Informar para Vencer - Partido Socialista/CTE N.º ou Ref.ª: 1, Ano 80 Data: 0/0/0 Descrição: Contém os seguintes artigos: Os Preços Sobem: Eis a Mudança

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto DOSSIER DE IMPRENSA ICAL, 25 anos em imagens Museu dos Transportes e Comunicações do Porto De 1 ao 22 de Dezembro de 2014 DOSSIER DE IMPRENSA Índice 1. Apresentação da exposição 2. Ical, 25 anos contando

Leia mais

Lançamento da Campanha de Educação Cívica Nacional Hotel Malaika, Bissau, 25 de Maio de 2009.

Lançamento da Campanha de Educação Cívica Nacional Hotel Malaika, Bissau, 25 de Maio de 2009. 1 Lançamento da Campanha de Educação Cívica Nacional Hotel Malaika, Bissau, 25 de Maio de 2009. Prezados Senhores, Sinto-me honrado pelo convite que me foi dirigido no sentido de participar no lançamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Rogério Marinho) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Rogério Marinho) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Rogério Marinho) Tipifica o crime de Assédio Ideológico e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei tipifica o crime de Assédio Ideológico

Leia mais

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008

Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais. LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 Pesquisa sobre mecanismos de eleição de conselhos nacionais Conselho Nacional de Saúde (CNS) LEGISLAÇÃO Criado pela Lei nº 378/ 1937 atualmente regido pela Resolução Nº 407/ 2008 COMPOSIÇÃO 50% Usuário

Leia mais

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Aurea Maria da Rocha Pitta aureapitta@fiocruz.br Grupo de Pesquisa Governos e Sociedade

Leia mais

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970)

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970) HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO

Leia mais

Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ!

Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ! Eleições 2006 CIDADÃO AGORA É A NOSSA VEZ! A Igreja e as eleições O presente texto tem como objetivo animar e orientar os membros das nossas comunidades, e a população em geral, a respeito da participação

Leia mais

INVESTIMENTOS FINANCEIROS PÚBLICOS CULTURA DE DEFESA PATRIMONIAL

INVESTIMENTOS FINANCEIROS PÚBLICOS CULTURA DE DEFESA PATRIMONIAL INVESTIMENTOS FINANCEIROS PÚBLICOS CULTURA DE DEFESA PATRIMONIAL PONTO DE PARTIDA Quando um hóspede deixar de ser tratado pelo nome para ser conhecido pelo número de quarto que ocupa, estaremos completamente

Leia mais

AGENDA. DDCSCD Serviços da Biblioteca Municipal de Montalegre. Agosto 2015. Agosto, frio no rosto. AUTOR em Destaque. Miguel Torga

AGENDA. DDCSCD Serviços da Biblioteca Municipal de Montalegre. Agosto 2015. Agosto, frio no rosto. AUTOR em Destaque. Miguel Torga AGENDA DDCSCD Serviços da Biblioteca Municipal de Montalegre Agosto 2015 Agosto, frio no rosto. AUTOR em Destaque Miguel Torga Poeta, contista e memorialista. Escreveu também romances, peças de teatro

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Objecto e Princípios Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Código estabelece os princípios e as regras disciplinadoras

Leia mais

Caderno de Aprendizagem

Caderno de Aprendizagem Caderno de Aprendizagem Módulo IV Unidade 3 Nome tutor data de entrega / / Governo Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Módulo IV Unidade 3 3 LINGUAGENS E CÓDIGOS Leia o poema

Leia mais

Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil

Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil Adoniran Barbosa, reconhecido compositor paulista, ganhou muita notoriedade na São Paulo dos anos 40 interpretando personagens cômicos

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Licenciatura em Ciências da Comunicação, Vertente Jornalismo, pela Universidade Autónoma de Lisboa, completada com média final de 13 valores

Licenciatura em Ciências da Comunicação, Vertente Jornalismo, pela Universidade Autónoma de Lisboa, completada com média final de 13 valores Informação Pessoal Nome Nuno Miguel Fernandes Aires Data de Nascimento 24 de Julho de 1971 Morada Avenida 5 Outubro, 25 6º andar 8000 Faro Nacionalidade Portuguesa Telemóvel 915 333 112 E-mail naires@msn.com

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970).

A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970). A RESISTÊNCIA PORTUGUESA EM SÃO PAULO: O JORNAL PORTUGAL DEMOCRÁTICO E A COLUNA O OBSCURANTISMO SALAZARISTA (1964-1970). THAÍS TEIXEIRA DIAS DA CONCEIÇÃO* Este artigo pretende discutir sobre a resistência

Leia mais

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se

A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência. diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se 1 A guerra holandesa no Brasil ajudou a pôr ainda com mais evidência diante dos nossos olhos o problema racial, já que brancos, negros e índios se envolveram na arrumação da sociedade étnica que estava

Leia mais

ln\ ! ' I. i Actualidade A/462363

ln\ ! ' I. i Actualidade A/462363 ln\ 1! ' I. i A/462363 Actualidade Das Origens à Reconquista Cristã ( 1095) 3 Das Origens à Reconquista Cristã 5 A localização da Península Ibérica 5 A vegetação natural 5 Os rios 5 O clima ibérico 6 O

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Sociologia: conceito, objeto, objetivo e métodos. 2 A sociologia pura, prática e aplicada. 3 Sociologia e política. 4 O processo

Leia mais

Migrações Alguns números

Migrações Alguns números Migrações Alguns números Dados gerais: Mundo» Há 232 milhões de migrantes internacionais no mundo (ONU, 2013), ou 3.2% da população mundial» Os migrantes internacionais compõem 10.8% da população das regiões

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL ELIANNE MARIA MEIRA ROSA Professora Titular de Direito Internacional Público da Faculdade de Direito da Universidade Braz Cubas. Mogi das Cruzes-SP. Professora de Ética Geral e Profissional da Faculdade

Leia mais

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE:

EUA NO SÉC. XIX 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1. INTRODUÇÃO A. DOUTRINA MONROE: 1) Combate às políticas de recolonização do continente americano; 2) Aproximação com a América Latina; defesa do não-intervencionismo europeu na América como expressão

Leia mais

CENSURE, PROPAGANDE et REPRESSION dans les MONDES LUSOPHONES XXe XXIe s. ------------------------ SELECTION BIBLIOGRAPHIQUE

CENSURE, PROPAGANDE et REPRESSION dans les MONDES LUSOPHONES XXe XXIe s. ------------------------ SELECTION BIBLIOGRAPHIQUE 1 CENSURE, PROPAGANDE et REPRESSION dans les MONDES LUSOPHONES XXe XXIe s. ------------------------ SELECTION BIBLIOGRAPHIQUE AU PORTUGAL «Conspiração/Tomé Vieira» [En ligne : http://purl.pt/13871/2/bn-acpc-

Leia mais

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2004/1 HISTÓRIA CURSO História Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão

Leia mais

OS CLUBES TOASTMASTER PARA APRENDER A FALAR EM PÚBLICO

OS CLUBES TOASTMASTER PARA APRENDER A FALAR EM PÚBLICO 56 OS CLUBES TOASTMASTER PARA APRENDER A FALAR EM PÚBLICO Existe uma organização mundial com clubes por todo o mundo para as pessoas treinarem as suas capacidades de falar em público. Poderá fazer o download

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20D Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

ANEXO 2 - GUIA DE RECURSOS LOCAIS. No âmbito do Programa Rede Social, a elaboração do Guia de Recursos Locais

ANEXO 2 - GUIA DE RECURSOS LOCAIS. No âmbito do Programa Rede Social, a elaboração do Guia de Recursos Locais ANEXO 2 - GUIA DE RECURSOS LOCAIS No âmbito do Programa Rede Social, a elaboração do Guia de Recursos Locais do Concelho de Vouzela, pretende ser um instrumento facilitador da articulação entre os recursos

Leia mais

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo,

Leia mais

O que falta é uma nova lei para garantir a liberdade de expressão do nosso povo. A lei que regulamenta o serviço de radiodifusão completou 50 anos!

O que falta é uma nova lei para garantir a liberdade de expressão do nosso povo. A lei que regulamenta o serviço de radiodifusão completou 50 anos! Para construir um país mais democrático e desenvolvido, precisamos avançar na garantia ao direito à comunicação para todos e todas. O que isso significa? Significa ampliar a liberdade de expressão para

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais