A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira"

Transcrição

1 Edição 1 - Outubro de 2015 ESPECIAL A Importância da Parceria Transpacífico para a agropecuária brasileira A conclusão das negociações da Parceria Transpacífico (TPP), anunciada formalmente na segunda-feira, dia 5 de outubro, demonstra a urgência de avançar e ampliar a agenda de negociações do Brasil para evitar a perda de espaço para produtos agropecuários brasileiros no mercado internacional. A TPP foi concebida como uma plataforma para a integração econômica regional e foi projetada para incluir outras economias em toda a região da Ásia-Pacífico. A importância desse acordo pode ser medida pelo fato de os 12 países signatários da TPP - Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Cingapura, Estados Unidos, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru e Vietnã - representarem 40% da economia mundial e mais de 800 milhões de habitantes. A TPP é o maior acordo comercial negociado nos últimos 20 anos, no qual a maioria dos produtos e serviços, comercializados entre os seus membros, está incluída no texto final. Contudo, nem todas as tarifas serão removidas e alguns países vão demorar mais tempo do que outros na liberalização do comércio. Figura 1 Países membros da Parceria Trans-Pacífico e a posição do Brasil Elaboração: CNA O Acordo inclui 30 capítulos que abrangem o comércio e temas relacionados, começando com comércio de bens e continuando com facilitação de comércio e alfandegária; medidas sanitárias e fitossanitárias; barreiras técnicas ao comércio; defesa comercial; investimento; serviços; comércio eletrônico; compras governamentais; propriedade intelectual; trabalho; e meio ambiente. Além desses temas, estão incluídos no acordo capítulos horizontais destinados a assegurar que a TPP cumpra o seu potencial de desenvolvimento

2 e competitividade, dentre eles: resolução de litígios, exceções e disposições institucionais. Com o fim das negociações, o texto ainda precisa ser ratificado pelos doze países signatários. Na data de publicação deste boletim, o texto final do Acordo ainda não havia sido divulgado. A expectativa é que o texto final, juntamente com as listas de produtos e prazos de desgravação, seja publicado até meados de novembro. Isso ocorre, pois recentemente foi promulgada a lei Trade Promotion Authority (TPA), que obriga o governo americano a publicar o texto completo e os cronogramas de acordos antes da ratificação do Acordo. Desse modo a população americana, o setor privado e outras instituições podem fazer manifestações em relação ao conteúdo do acordo. É de extrema importância que o Brasil acompanhe os desdobramentos dessa pauta nos EUA, uma vez que o país deverá ser o principal concorrente dos produtos agropecuários brasileiros já exportados para os países da Parceria Transpacífico. A TPP deverá afetar o fluxo de comércio agrícola devido, principalmente, a expectativa de elevação das barreiras não tarifárias por exemplo, sanitárias, fitossanitárias e técnicas - para importações de fora do bloco. Para o Brasil, além da perda de competitividade em acesso tarifário, os padrões estabelecidos e exigidos pelo Acordo poderão representar fonte de preocupação por serem distintos daqueles acordados no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC). Dessa forma o país terá de se adaptar às novas regras comerciais internacionais criadas pelo Acordo para acessar os mercados do TPP, mesmo sem ter participado de sua formulação. As dificuldades ocorrerão porque as normas contidas no Acordo serão utilizadas como base para as relações comerciais junto aos países signatários. Diante desse cenário, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) reforça sua posição favorável à celebração de acordos comerciais pelo Brasil, especialmente junto à União Europeia, União Aduaneira Euroasiática, China e Estados Unidos. Apesar dos esforços recentes do governo em atuar de forma mais ativa, o Brasil tem estado isolado das negociações comerciais mundiais. Atualmente, o país possui apenas três acordos comerciais 1 vigentes com países membros do TPP Peru, Chile e México. Porém, esses são acordos com baixa cobertura de produtos agropecuários, dado que para a maioria dos países o setor agrícola é identificado como sensível. Porém, na contramão do que ocorre com o Brasil, os negociadores do TPP anunciaram eliminação e redução de tarifas e de outras políticas restritivas para bens industriais e produtos agrícolas. O governo brasileiro está negociando a expansão do Acordo com o México, mas ainda não é possível saber quais os produtos estarão contemplados no novo acordo com o país. Existe a possibilidade de que a cobertura da TPP inclua produtos excluídos das negociações entre Brasil e México, assim como no caso da renegociação de acordos brasileiros com Chile e Peru. O fim das negociações da TPP é mais um indicador da importância da aceleração dos cronogramas de desgravação, da ampliação dos acordos vigentes do Brasil e da concretização das negociações em curso. As análises abaixo estão limitadas aos dados atuais de comércio, sem previsões específicas de redução de participação de mercado aos produtos agropecuários brasileiros já que ainda não tivemos acesso aos capítulos negociados, como acesso a mercado (que inclui a lista de produtos, tarifas e cronogramas de desgravação) e os capítulos sobre medidas sanitárias e fitossanitárias. O mercado de produtos agropecuários brasileiros nos Dentre os países da Parceria estão importantes países produtores, importadores e exportadores de produtos agropecuários. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), os EUA são o principal exportador mundial de alimentos, seguido pelo Brasil. O Canadá aparece na sexta posição, a Austrália em 12º, a Nova Zelândia em 17ª e o México em 19ª. Analisando os principais im- 1 O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) está com consulta pública aberta para manifestações do posicionamento do setor privado para a negociação de acordo comercial com Canadá, além do EFTA, Líbano e Tunísia. 2

3 portadores mundiais de alimentos, EUA estão na segunda posição, o Japão na 4ª, Canadá na 11ª, México na 13ª e Malásia na 18ª. Os dados de comércio mostram que nos últimos três anos, período de 2012 a 2014, os importaram, em média, US$ 339,2 bilhões em produtos agropecuários 2, 22,8% do total das importações mundiais, metade desse valor, US$ 167,7 bilhões, é importado dos próprios, uma espécie de comércio intra-bloco. O Brasil exportou US$ 12,8 bilhões em produtos agropecuários para os, 3,7% do total das importações, do setor, desses países. Essas exportações representam 13,8% do total das vendas externas da agropecuária brasileira para o mundo. O café não torrado é o principal produto 3 exportado para os países da TPP, com uma fatia de 25,8% do mercado e US$ 1,9 bilhão em vendas. O Brasil também exporta milho, exceto para semeadura, US$ 1,4 bilhão (14,5%); pedaços e miudezas de frangos US$ 1,34 bilhão (56,2%); álcool etílico, US$ 1,33 bilhão (66,4%); soja, US$ 992,8 milhões (18,5%); outros açúcares de cana, US$ 656,6 milhões (39,8%); sucos de laranja congelados, US$ 389,2 milhões (57,1%); carne bovina desossada, US$ 344,2 milhões (6,2%); tortas do óleo da soja, US$ 274,7 milhões (4,8%); preparações e conservas de carne bovina, US$ 245,8 milhões (37,5%); extratos, essências e concentrados de café, US$ 222,7 milhões (20,8%); milho para semeadura, US$ 181,7 milhões (14,4%); açúcar de cana bruto, US$ 165,5 milhões (51%) e carnes de suíno congeladas, US$ 114,4 milhões (2,6%). Os 15 produtos acima, representam 83,2% das exportações agropecuárias brasileiras para os países da TPP, mas apenas 3,1% do total das importações desses países em produtos agropecuários. Os membros da TPP importaram do mundo US$ 51,4 bilhões, desses produtos, o Brasil supriu 20,5% dessas importações. Acredita-se que a parcela do comércio intra bloco, que já representa 50% das importações desses países, aumente após a entrada em vigor do Acordo. Desse modo, foram identificados produtos da agropecuária brasileira que poderão sofrer com alterações no fluxo de comércio devido ao aumento de concorrência com os membros da TPP. Partindo dos produtos apresentados acima, foram analisados os 15 principais grupos de produtos 4 agropecuários brasileiros exportados para os países da TPP. Esses correspondem a 90,2% do valor total das vendas externas brasileiras para o grupo de países da Parceria Transpacífico. Na tabela 1 são apresentados os valores de comércio do Brasil nos, na tabela 2 estão os valores da participação de mercado calculados para esses grupos. Tabela 1 - Principais produtos da agropecuária brasileira exportados para os países da TTP Importações dos países da TPP do Brasil Importações dos dos países da TTP US$ bilhões (média ) Importações dos países da TPP do Mundo Total 12,69 167,66 339,21 CAFÉ VERDE E CAFÉ TORRADO 2,04 2,62 9,73 CEREAIS 1,45 14,56 21,46 CARNE DE FRANGO 1,42 2,00 6,11 ÁLCOOL 1,34 0,21 2,01 AÇÚCAR DE CANA OU BETERRABA 1,20 1,73 5,14 SOJA EM GRÃOS 0,99 3,75 5,49 FUMO NÃO MANUFATURADO E DESPERDÍCIOS DE 0,68 0,35 2,14 FUMO CARNE BOVINA 0,68 10,71 13,90 SUCOS DE LARANJA 0,58 0,45 1,16 FARELO DE SOJA 0,27 1,61 5,94 EXTRATOS DE CAFÉ E SUCEDÂNEOS DO 0,23 0,49 1,33 CAFÉ SEMENTES 0,21 6,57 10,04 ESPECIARIAS 0,13 0,62 2,72 CARNE SUÍNA 0,12 7,89 10,76 NOZES E CASTANHAS 0,11 1,83 3,58 SUBTOTAL 11,44 55,37 101,52 Fonte: ITC/Trade Map; Elaboração: SRI/CNA Foi calculado um índice de concentração, que mostra a importância, em participação no valor de comércio, do principal produto exportado para cada um dos grupos de produtos analisados. Posteriormente foram encontrados os principais importadores desses produtos. 2 As linhas tarifárias que compõe o setor agropecuário foram definidas com base nos produtos discriminados pelo Acordo Agrícola da Organização Mundial do Comércio (OMC) incluindo pescados. 3 As suposições são códigos de classificação do Sistema Harmonizado compostos por seis dígitos (SH 6). Neste documento, as subposições serão tratadas como produtos. 4 Foram agrupadas subposições (SH 6). 3

4 Para complementar a análise, pesquisou-se os principais que também exportam os 15 produtos brasileiros selecionados, para os próprios. Desse modo é possível identificar quais serão os possíveis concorrentes dos produtos agropecuários brasileiros, que já são exportados para a TPP. Essas informações são apresentadas na tabela 3. Constatou-se que para os grupos de produtos analisados, o Brasil possui uma participação de mercado superior ao do agrupamento dos membros da TPP, em apenas três produtos álcool; fumo não manufaturado e desperdícios de fumo e sucos de laranja. Para os outros produtos as exportações desses países ultrapassam a participação do Brasil no bloco. Café e produtos do café Concorrência com a agropecuária brasileira Cereais - Milho Ainda que o Brasil seja o principal exportador de café não torrado, para os, o produto poderá sofrer com a concorrência, principalmente, do Vietnã, México e Peru. Para o agrupamento desse produto, a participação do Brasil nesse mercado, 21,0%, é inferior a participação dos, 26,9% ou US$ 2,62 bilhões. Os Estados Unidos e o Japão são os principais importadores. Tabela 2 Participação de mercado dos principais produtos da agropecuária brasileira exportados para os países da TTP (%) Participação nas importações totais do Brasil Participação do Brasil nas importações totais da TPP Participação dos nas importações totais da TPP Total 100% 3,7% 49,4% CAFÉ VERDE E CAFÉ TORRADO 16,1% 21,0% 26,9% CEREAIS 11,4% 6,7% 67,8% CARNE DE FRANGO 11,2% 23,3% 32,7% ÁLCOOL 10,5% 66,4% 10,2% AÇÚCAR DE CANA OU BETERRABA 9,4% 23,3% 33,7% SOJA EM GRÃOS 7,8% 18,1% 68,3% FUMO NÃO MANUFATURADO E DESPERDÍCIOS DE 5,4% 32,0% 16,3% FUMO CARNE BOVINA 5,3% 4,9% 77,0% SUCOS DE LARANJA 4,6% 49,8% 38,7% FARELO DE SOJA 2,2% 4,6% 27,2% EXTRATOS DE CAFÉ E SUCEDÂNEOS DO 1,8% 17,0% 36,7% CAFÉ SEMENTES 1,7% 2,1% 65,4% ESPECIARIAS 1,0% 4,7% 22,6% CARNE SUÍNA 0,9% 1,1% 73,3% NOZES E CASTANHAS 0,8% 3,0% 51,2% SUBTOTAL 90,2% 11,3% 54,5% Fonte: ITC/Trade Map; Elaboração: SRI/CNA No caso dos cereais, o milho em grãos (exceto para semeadura) representa 93,4% das exportações agrícolas brasileiras de cereais para os. Os EUA são o principal exportador do cereal para esses países, seguido pelo Brasil. Mas países como Canadá e México poderão ter suas exportações impulsionadas pelo Acordo. Os principais importadores do produto são Japão, México, Vietnã e Peru. O Peru importou nos últimos anos, em média, US$ US$ 554,7 milhões em milho dos. A Argentina era o principal país fornecedor de milho para o Peru até o fim de Em 2009, entrou em vigor o Acordo de Livre Comércio (ALC) entre EUA e Peru. No Acordo foram definidas cotas para a importação de milho americano que crescem anualmente. As importações realizadas dentro da cota recebem isenção de tarifa de importação. Em 2014 os EUA passaram a exportar 70% do que esse mercado consome, a cota naquele ano chegou a 631 mil toneladas, em 2015 essa cota já supera 700 mil toneladas. Em 2014 as importações peruanas de milho foram impulsionadas pelo aumento da demanda da indústria avícola peruana, que utiliza o cereal como insumo para ração. Em publicação sobre a Parceria, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) informa que as tarifas de importação no Vietnã para os produtos de milho de membros do Acordo cairão de mais de 30% para 0% em até 7 anos. O Vietnã é o principal importador do milho brasileiro entre os países da Parceria. A Malásia, segundo principal destino das exportações brasileiras de milho, eliminará suas tarifas de importação, assim que o Acordo for ratificado. Os EUA eliminarão em 10 anos suas tarifas de importação. Apesar da expectativa de aumento do consumo de milho no México, o cereal deverá perder participação nesse mercado devido ao aumento do consumo, per 4

5 capita, de outros cereais, como trigo, soja e arroz. O México é o segundo principal importador do cereal, entre os. Atualmente, o Brasil quase não exporta o produto para o México. Isso ocorre pois os produtos de milho dos EUA acessam o México por meio do Tratado Norte Americano de Livre Comércio (NAFTA), sem incidência de tarifas de importação. Soja em grãos e farelo de soja O Brasil exportou US$ 994,9 milhões em soja em grãos para os, 7,8% do total das compras do bloco. Os principais importadores dos são Japão, México Vietnã, Canadá e EUA, mesmo esse sendo o principal país exportador de soja da TPP. Os EUA é o principal concorrente do Brasil e o principal exportador para os países da Parceria, seguido pelo Canadá. O farelo de soja brasileiro representa 4,6% do total das importações do produto dos do mundo, US$ 5,9 bilhões. Devido a existência de acordos de comércio, os EUA já exportam para Canadá, Chile, México e Cingapura sem a incidência de tarifas, e com o novo Acordo terão grande abertura nos mercados japonês e vietnamita. Como contrapartida os EUA eliminarão em 10 anos suas tarifas de importação, acima de 19%, para a soja e seus produtos. Álcool e açúcares O Álcool etílico não desnaturado brasileiro corresponde por quase 70% do total das exportações de álcool do mundo para os. Os principais importadores do produto são os Estados Unidos, Japão, México e Cingapura. O Brasil também exportou US$ 1,2 bilhão em açúcar de cana ou beterraba para os países da TPP, 23,3% do total consumido pelo bloco. No comércio intra-bloco, os principais países exportadores de açúcares são México e Peru e os importadores são EUA, Japão, Malásia, Canadá e Nova Zelândia. Devido à existência de acordos de comércio, o açúcar e produtos de açúcar americanos já são exportados sem tarifas para Canadá, México, Chile, Austrália e Cingapura. Com a TPP, as tarifas para importações, dos EUA, serão imediatamente eliminadas em Brunei, Nova Zelândia e Malásia. Para o açúcar refinado e para produtos que contém açúcar americano, o Vietnã eliminará em 11 anos suas tarifas intra- -cota, superiores a 40% e 20%, respectivamente. Na contra parte, os EUA abrirão seu mercado de açúcar, através de cotas tarifárias específicas e maior acesso para grande variedade de produtos que contêm açúcar. Carne de frango Assim como para o milho, os EUA são o principal concorrente paras as exportações brasileiras de carne de frango congelada para os, seguidos por Chile e Canadá. Aproximadamente 68% da demanda por importações de carne de frango, US$ 14,6 bilhões, é suprida por comércio intra-bloco. O Brasil possui apenas 6,7% desse mercado. Os principais importadores são Japão, México e Vietnã, mercados que deverão ter aumento de demanda nos próximos anos. Carne bovina e carne suína Aproximadamente 4,9% da carne bovina importada, em valor de comércio, pelos, é proveniente do Brasil. Esse valor cai para 1,1% para carne suína. Para ambas as carnes, os já são responsáveis por mais de 73% das exportações para os seus membros, gerando um valor de importação de US$ 10,7 bilhões para carne bovina e US$ 7,89 bilhões para carne suína. Para carne bovina, os principais exportadores para os são EUA, Austrália, Canadá, México e Nova Zelândia. Para carne suína, os principais exportadores são EUA, Canadá, México e Chile. O USDA informou que para carne bovina e seus produtos, todos os eliminarão até 2020 suas tarifas de importação. O próprio EUA, que possuem tarifas acima de 26,4%, as eliminará em 15 anos, após a ratificação do Acordo. O Japão reduzirá sua tarifa específica de importação, aplicada à carne de porco e seus produtos em 864%. Os EUA e Nova Zelândia eliminarão suas tarifas de 6,4% e 5%, em 10 e três anos, respectivamente. Sucos de laranja O Brasil é responsável por metade da produção mundial de suco de laranja, exportando mais de 80% da sua produção. O país é responsável por quase 50% das importações dos, US$ 1,2 bilhão. Mas desse valor, US$ 450 milhões já são dos próprios países da Parceria, sendo o México e os EUA os principais exportadores para esse mercado. Os principais importadores são os EUA, com quase 60% do valor importado, seguido por Japão, Canadá, Austrália, Chile e Nova Zelândia. Os EUA são o maior consumidor mundial de suco de laranja, o que explica as importações americanas do produto, mesmo sendo o país um importante exportador. O suco de laranja é a bebida à base de frutas mais tomada no mundo, porém, devido ao lançamento de 5

6 outros sucos e bebidas, tem sido observada uma queda no consumo. Com a TPP, os EUA eliminarão em 10 anos suas tarifas de importação para frutas cítricas e sucos. Os americanos já exportam, isentos de tarifa, para Austrália, Canadá, Chile, Cingapura e México. O Japão deverá eliminar as tarifas de importação de laranja em até oito anos. O Vietnã eliminará suas tarifas, atualmente acima de 25%, para sucos de cítricos no mesmo período. Brunei, Malásia e Nova Zelândia eliminarão suas tarifas imediatamente após a entrada em vigor do Acordo. Conclusão Além de competirem diretamente com os principais produtos exportados pelo Brasil para os países da TPP, os EUA deverão ter suas exportações agropecuárias impulsionadas após a promulgação da Parceria Transpacífica. Em relatório recente, o USDA informou que as reduções tarifárias são um elemento central do Acordo e que a existência de tarifas elevadas em alguns tem interferido nas exportações agrícolas do país. Os resultados encontrados nessa análise mostram que os EUA já possuíam, antes da TPP, acesso livre de tarifas na Austrália, Canadá, Chile, Cingapura para os principais produtos brasileiros exportados para os países da Parceria. Isso ocorre, pois o país já possuía acordos de livre comércio com esses países. Ao contrário da abertura que será realizada por meio da TPP, não existe expectativa de que os EUA abram seu mercado para os produtos agropecuários brasileiros. É importante ressaltar que seis dos 12 Austrália, Canadá, Chile, Estados Unidos, México e Peru foram definidos como mercados prioritários para o Brasil pelo Plano Nacional de Exportações (PNE). A partir dessa definição, o Plano tem como objetivo abrir, consolidar, manter e recuperar mercados. Porém, a TPP pode dificultar ainda mais o acesso brasileiro a mercados além de poder interferir no comércio que já é realizado. Os se comprometeram, com os Estados Unidos, a proporcionar acesso a mercado de forma substancial, eliminando de forma progressiva maior parte das tarifas, inclusive com desgravação imediata. Devem ocorrer reduções tarifárias significativas, ou onde a eliminação tarifária não é possível, deve ser concedido acesso preferencial por meio de tarifas intra-cota mais baixas, geralmente zeradas. Na contra parte, o possível desenvolvimento econômico dos países emergentes da TPP, gerado pelo Acordo, pode aumentar a demanda por alimentos, principalmente carnes e outros produtos influenciados pelo aumento de renda da população. Esse fator pode gerar uma oportunidade para o Brasil que deve ser acompanhada de perto. No entanto, o potencial das exportações dos produtos agropecuários brasileiros só será alcançado, se existir garantia de acesso competitivo a esses mercados, por meio da eliminação de barreiras tarifárias e não tarifárias. Dado que as preferências concedidas aos membros da Parceria Transpacífico devem gerar uma assimetria no comércio que beneficiará os países da Parceria, as exportações brasileiras podem ser prejudicadas. Mais do que nunca, o Brasil precisa se engajar na ampliação dos acordos existentes, em novas negociações e na eliminação das barreiras tarifárias e não tarifárias. O setor produtivo tem demonstrado sua competência em atender às mais exigentes demandas dos mercados consumidores, mas não podemos continuar isolados de negociações como a da Parceria Transpacífico. Tabela 3 Principais produtos da agropecuária brasileira exportados para os países da TTP Principal linha tarifária do produto exportada pelo Brasil para os paises da TPP Descrição (SH6) Exportações brasileiras para os US$ bilhões Indice de concentração das exportações brasileiras para os Principais importadores Principais exportadores da TPP no comércio intrabloco CAFÉ VERDE E CAFÉ TORRADO ' Café não torrado, não descafeinado 1,41 69,2% EUA, Japão, Canadá, Austrália e Malásia Vietnã, México, Peru, EUA e Canadá CEREAIS ' Milho, exceto para semeadura 1,35 93,4% Japão, México, Vietnã, Peru, Malásia, EUA e Chile EUA e Canadá CARNE DE FRANGO ' Pedaços e miudezas comestíveis de galos e galinhas da espécie doméstica, congelados 1,34 94,1% Japão, Vietnã, México, Cingapura, EUA, Chile, Malásia e Canadá EUA, Chile, Canadá e Nova Zelândia 6

7 Principal linha tarifária do produto exportada pelo Brasil para os paises da TPP Descrição (SH6) Exportações brasileiras para os US$ bilhões Indice de concentração das exportações brasileiras para os Principais importadores Principais exportadores da TPP no comércio intrabloco ÁLCOOL ' Álcool etílico não desnaturado com volume de teor alcoólico => 80% 0,94 70,0% EUA, Japão, México, Cingapura, Canadá, e Chile EUA, Canadá, Vietnã,Cingapura e México AÇÚCAR DE CANA OU BETERRABA ' Outros açúcares de cana 0,99 82,9% EUA, Japão, Malásia, Canadá, Nova Zelândia, Chile e Austrália México e Peru SOJA EM GRÃOS ' Soja, mesmo triturada, exceto para semeadura 0,03 66,0% Japão, México, Vietnã, EUA, Canadá, Peru e Malásia EUA e Canadá FUMO NÃO MANUFATURADO E DESPERDÍCIOS DE FUMO ' Fumo não manufaturado, total ou parcialmente destalado 0,34 50,3% EUA, Japão, Malásia, Vietnã, Cingapura, México, Canadá e Nova Zelândia EUA, México, Cingapura, Austrália e Canadá CARNE BOVINA ' Carnes de bovino, desossadas, frescas ou refrigeradas 0,39 57,6% EUA, Japão, México, Chile, Canadá e Cingapura EUA, Austrália, Canadá, México e Nova Zelândia SUCOS DE LARANJA ' Sucos de laranjas, congelados, não fermentados 0,27 47,4% EUA, Japão, Canadá, Austrália, Chile, Nova Zelândia e Malásia México, EUA e Canadá FARELO DE SOJA ' EXTRATOS DE CAFÉ E SUCEDÂNEOS DO CAFÉ ' Tortas e outros resíduos sólidos da extração do óleo de soja Extratos, essências e concentrados de café 0,22 81,0% 0,18 80,7% SEMENTES ' Milho para semeadura 0,11 49,9% ESPECIARIAS ' Pimenta (do gênero piper), seca, não triturada nem em pó 0,11 89,2% Vietnã, Japão, México, Malásia, Peru, Canadá, Austrália, Chile, EUA e Nova Zelândia EUA, Japão, Austrália, Canadá, Cingapura, Malásia, Nova Zelândia, México, Chile, Vietnã e Peru EUA, Malásia, Canadá, Vietnã, México, Chile, Peru e Japão EUA, Cingapura, Vietnã, Japão, Canadá, Malásia, México e Austrália EUA e Canadá México, EUA, Malásia, Vietnã, Cingapura, Austrália e Japão Chile, EUA, Canadá e México Vietnã, Malásia, Cingapura, EUA e México CARNE SUÍNA ' Outras carnes de suíno, congeladas 0,09 75,4% Japão, Austrália, EUA, México, Cingapura, Nova Zelândia, Canadá e Chile EUA, Canadá, México e Chile NOZES E CASTANHAS ' Castanha de caju, fresca ou seca, sem casca 0,04 38,4% EUA, Austrália, Canadá, Japão, Vietnã, Cingapura e Nova Zelândia, Vietnã, Peru, EUA, Cingapura, México e Canadá Fonte: ITC/Trade Map; Elaboração: SRI/CNA Boletim do Agronegócio Internacional Especial é elaborado pela Superintendência de Relações Internacionais. 7 CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL SGAN - Quadra Módulo K CEP: Brasília/DF (61)

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales *

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales * Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais Institute for International Trade Negotiations INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro

Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Os Megablocos Comerciais e o Agronegócio Brasileiro Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos Inteligência Institucional BRF Abril 2014 INDEX Introdução aos PTAs PTAs hoje -

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Intercâmbio Comercial do Agronegócio principais mercados de destino Edição 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações

Leia mais

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual

e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Estado e Indústria de classe mundial Plenária Políticas de fomento, uso do poder de compras, e encomendas: perspectivas diante do cenário econômico atual Desempenho Conjuntural da Indústria Participação

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO:

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: REFLEXÕES, OPORTUNIDADES E DESAFIOS Marcelo Fernandes Guimarães Coordenador Geral de Estudos e Informações Agropecuárias Secretaria de Política Agrícola Principais Perspectivas

Leia mais

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja

Universidade Federal do Pampa. Cadeia Produtiva da Laranja Universidade Federal do Pampa Cadeia Produtiva da Laranja Acadêmicos: Aline Alóy Clarice Gonçalves Celmar Marques Marcos Acunha Micheli Gonçalves Virginia Gonçalves A laranja é uma fruta cítrica produzida

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Agronegócio, competividade e Plano Nacional de Exportações foram destaques no ENAEX 2015

Agronegócio, competividade e Plano Nacional de Exportações foram destaques no ENAEX 2015 Edição 16 - Setembro de 2015 Agronegócio, competividade e Plano Nacional de Exportações foram destaques no ENAEX 2015 Em agosto deste ano a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou

Leia mais

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Edição 04 - Outubro de 2014 Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Mais de 100 milhões de pessoas deixaram de passar fome na última década. É o que revela o relatório O estado

Leia mais

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR

O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O BRASIL E O MUNDO NO COMÉRCIO EXTERIOR Durval de Noronha Goyos Jr. Aula Magna - Universidade de

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização

Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização Grupo 1 Cadeias que sofreriam menores ameaças com a liberalização 1.1 Café Diagnóstico Desde meados da década de 90, a produção mundial de café tem apresentado aumentos significativos, mas que não estão

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Mercosul debate relacionamento com Tunísia, Líbano, União Aduaneira Euroasiática e América Central (SICA)

Mercosul debate relacionamento com Tunísia, Líbano, União Aduaneira Euroasiática e América Central (SICA) Edição 07 - Dezembro de 2014 Mercosul debate relacionamento com Tunísia, Líbano, União Aduaneira Euroasiática e América Central (SICA) Na próxima semana, o Mercosul realizará as últimas reuniões sob a

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Mercosul aprova texto do Acordo de Livre Comércio com Egito

Mercosul aprova texto do Acordo de Livre Comércio com Egito Edição 10 - Março de 2015 Mercosul aprova texto do Acordo de Livre Comércio com Egito No dia 20 de fevereiro, a Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul aprovou texto do Acordo de Livre Comércio

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

China: a giant also in agriculture

China: a giant also in agriculture China Gigante também na agricultura 1 Eliana Valéria Covolan Figueiredo 2 Elisio Contini 3 Resumo O presente artigo identifica as principais forças motrizes da demanda por produtos agrícolas por parte

Leia mais

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja Conselho Empresarial Brasil China ABIOVE Carlo Lovatelli Presidente Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais 1 de Junho de 2005 1 Brasil

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Pedro Viana Borges Esp. Pol. Públicas P e Gestão Governamental Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul

Leia mais

1.3 Cítricos. Diagnóstico

1.3 Cítricos. Diagnóstico 1.3 Cítricos Diagnóstico A cadeia de cítricos contempla as frutas in natura, a produção de sucos (concentrados, reconstituídos, pasteurizados e frescos) e de óleos essenciais e pellets de polpa seca os

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE

INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Departamento de Cooperativismo e Associativismo - DENACOOP INTEGRAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA COM USO DE CONSÓRCIO Raul de Oliveira Fontoura

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2014 1. Setor de Sucos Exportações em US$ 1.000 Produtos 2010 Part% 2013 2014 Part% 2014 2014/ 13 Var % anual 14/10 Alimentos Industrializados 37.853.764 100,00 43.005.652 41.136.370

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Tarifas elevadas dificultam acesso da carne de frango brasileira ao mercado sul-africano

Tarifas elevadas dificultam acesso da carne de frango brasileira ao mercado sul-africano Edição 12 - Maio de 2015 Tarifas elevadas dificultam acesso da carne de frango brasileira ao mercado sul-africano O mercado consumidor de carne de aves na África do Sul A indústria avícola sul-africana

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 PRODUTOS Jan-Jun 2013 Jan-Jun 2014 Crescimento 2013/2014 Outras frutas de casca rija e outras sementes, preparadas ou

Leia mais

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012 ¹ Ano: 2012 1 HENRIQUE REZEZINSKI é membro do Conselho Curador do CEBRI e presidente da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (Amcham-Rio). CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais +55

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO

EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO EMBAIXADA DO BRASIL EM TÓQUIO S E T O R D E P R O M O Ç Ã O C O M E R C I A L BOLETIM DE MERCADO O MERCADO DE ÁLCOOL NO JAPÃO 1. Definição da Categoria do Produto A categoria enquadra-se no Grupo 22 da

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

AVII 8º ANO Globalização Qual é a mais próxima da realidade? Como será o futuro? Escola do futuro de 1910 Cidade-prédio de 1895 A era das redes aumentou ou diminuiu o tamanho do mundo?

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais