Direitos autorais e domínio público: a questão da promoção do saber. Enid Abreu Universidade São Francisco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direitos autorais e domínio público: a questão da promoção do saber. Enid Abreu Universidade São Francisco enid_abreu@yahoo.com.br"

Transcrição

1 Direitos autorais e domínio público: a questão da promoção do saber. Enid Abreu Universidade São Francisco Resumo: A cultura transmitida pela escola é organizada principalmente com base em um sistema de obras o cânone literário indissociável da idéia de autor. Defendemos que no processo de constituição dessa idéia, na sua concepção moderna, exerceu papel importante a questão dos direitos autorais, primeiramente nascida na Inglaterra do século XVIII. Apresentamos um resumo dos argumentos levantados até então nos processos movidos pelos editores e os presentes nos debates que levaram à primeira lei de direitos autorais, o Statute of Anne, base das atuais leis de direitos autorais, com ênfase nas declarações acerca da promoção do saber. Concluimos com considerações acerca da relação dos direitos autorais com as condições da leitura pura, nos termos de Pierre Bourdieu. palavras-chave: direitos autorais; promoção do saber; leitura Direitos autorais e domínio público: a questão da promoção do saber. Direito autoral : direito exercido pelo autor ou por seus descendentes sobre suas obras, no tocante à publicação, tradução, venda, etc. Novo Aurélio Copyright : the exclusive legal right, given to the originator or their assignee for a fixed number of years, to print, publish, perform, film, or record literary, artistic, or musical material, and to authorize others to do the same. The New Oxford Dictionary of EnglishClarendon Décadas antes das discussões que têm envolvido as modernas concepções de autor e de literatura como formações culturais, Northrop Frye sublinhava a importância fundamental do quanto elas devem à noção de direitos autorais e às políticas editoriais, ocultas pela crença no ato de criação ex nihilo de um indivíduo imerso numa atividade puramente intelectual. (Frye, 1957: 99) O objetivo deste ensaio - que faz parte de uma 1

2 pesquisa teórico-bibliográfica mais extensa acerca da formação da moderna concepção de autor - é trazer para as discussões acerca das condições de leitura das obras literárias e da construção do cânone literário a questão dos direitos autorais, mediante um breve resumo dos principais pontos de inflexão que marcaram o longo processo pelo qual se formularam seus princípios básicos. As duas citações em epígrafe são emblemáticas de dois entendimentos de direitos autorais. É possível dizer que sua diferença se deve apenas ao grau de detalhamento dessa noção, mas, de nosso ponto de vista, trata-se de algo mais fundamental. Contrariamente ao Novo Aurélio, que define direitos autorais de maneira vaga, dando margem a seu entendimento como algo naturalmente concebível, o New Oxford marca seu aspecto essencialmente legal, o que implica igualmente sua formação histórica. A noção de direitos autorais consiste, antes de mais nada, no estabelecimento de limites entre uma obra e outra, e esse ato é essencialmente jurídico: sua existência deriva da consideração das obras literárias - na forma de textos, livros - como mercadorias e portanto tal concepção é coetânea ao desenvolvimento da economia de mercado, que atingiu seu estágio até hoje vigente nos séculos XVII e XVIII. Trata-se portanto de uma idéia especificamente moderna, nascida do comércio livreiro, a partir do final do século XV, como conseqüência da revolução gutenberguiana, pela qual a reprodução dos materiais escritos pelos scriptoria monacais foi substituída pela das oficinas dos impressores. Essa tese tem sido amplamente desenvolvida nas últimas décadas por estudiosos como Mark Rose, Peter Jaszi, Trevor Ross, Lyman Ray Patterson, Carla Hesse e Martha Woodmansee. Para este artigo, utilizamonos principalmente dos estudos dos cinco primeiros, em virtude de nos limitarmos ao caso britânico. Nossa exposição concentra-se em duas afirmações principais dos autores mencionados. A primeira é de que há uma relação intrínseca e direta entre profissionalização do autor e instituição das leis de direitos autorais. A segunda, de que tal processo não se completou antes que se atingisse um certo nível de produção e consumo de impressos, situação que primeiramente se efetuou na Inglaterra, onde se desenvolvera mais rapidamente a economia de mercado. (Rose, 1993: 4) Foi lá que se promulgou, em 1710, a primeira lei de direitos autorais, o Statute of Anne Anne porque durante seu reinado. 1 Porém o Statute foi apenas a culminância de um longo processo, do qual fazem parte três modalidades de direitos autorais: os direitos autorais da Stationers Company 1 A referência a esse decreto específico será marcada por seu título em inglês, Statute. 2

3 (Sociedade dos Papeleiros); a patente de impressão, também chamada de privilégio; e o controle governamental da imprensa. (Patterson, 1968: 4) Na Idade Média, qualquer pessoa munida de pena e papel (ou pergaminho) podia produzir cópias de textos. O sistema de impressão mecânica, no entanto, requeria grandes investimentos de capital e garantia de lucros financeiros. Após a introdução da imprensa na Inglaterra por William Caxton em 1476, os livreiros e impressores sentiram a necessidade de proteger seus interesses. Em 1557, em resposta a uma petição sua, instituiu-se por concessão régia uma guilda, a Stationers Company, que limitava a permissão de publicação de livros aos seus membros formalmente registrados. Nesse período, o que se entende por copyright/direitos autorais, era designado pelo termo copy/cópia, e a expressão stationer s copy right indicava o direito de cópia permitido aos membros registrados da associação dos papeleiros. Tratava-se de uma propriedade regulamentada pela guilda, vedada aos escritores, que implicava direitos perpétuos. O aspecto mecânico dos novos meios de reprodução de escritos deu origem também a um tipo concomitante de copyright: a patente de impressão (printing patent), concedida exclusivamente pelo rei. Instituídas para proteção e promoção do desenvolvimento do comércio livreiro nacional, as patentes serviram igualmente de instrumento de controle governamental, em outras palavras, de censura, em períodos de agitação política e religiosa. Embora a patente de impressão pudesse ser concedida a qualquer pessoa, era na maioria das vezes dada aos membros da Stationers Company, e assim ambos os primeiros tipos de direitos de publicação sustentaram e reforçaram o monopólio que caracterizou a vigência da Stationers Company. Nesse primeiro período do século XVI ao século XVII, que Patterson chama de regulamentação, os direitos autorais constituíam uma prerrogativa do editor-impressor. Assim, durante todo o tempo em que prevaleceu a Stationers s Company cerca de dois séculos - os autores não detinham direitos legais sobre suas obras. Ainda que no século XVII alguns indícios houvesse de que os escritores começavam a pensar em obter o controle da primeira publicação de suas obras, não existiam ainda formas legais de impedir impressões de suas obras sem sua permissão. Somente a Stationers Company podia ceder direitos autorais. O que não quer dizer que o autor fosse inteiramente desconsiderado: os impressores reconheciam a obrigação de pagar o autor e obter sua permissão para publicação de sua obra, mas essa permissão, de um ponto de vista legal, era antes negativa do que positiva. Em outras palavras, a anuência do autor era na verdade um acordo negativo, um contrato em que declarava não se opor à publicação da obra, e não um contrato que cedia um direito a publicá-la. (Patterson, 1968: 73) Como observa Rose, a figura do autor proprietário 3

4 depende de um conceito do indivíduo como essencialmente independente e criativo, algo incompatível com a ideologia do estado absolutista. (Rose, 1996: 28) O fato de o pagamento aos autores pelos seus manuscritos ser considerado mais propriamente como uma recompensa corresponde perfeitamente à condição de produção cultural anterior ao regime de mercado. Como bem observa Rose, o produto do trabalho do escritor era considerado mais um ato do que uma coisa: os textos podiam servir para enobrecer ou imortalizar grandes mecenas e, com isso, talvez redundar em cargos ou outros favores a seus autores. (Rose, 1993: 13) Ao contrário do que comumente se pensa, a figura do autor como proprietário de sua obra e detentor de direitos autorais não foi uma conquista dos escritores, mas um subproduto dos debates ocorridos durante os processos movidos por editores contra impressores piratas. Foi também nesse processo que emergiu a concepção moderna de autor como profissional das letras. A história detalhada dos processos judiciais que se acumularam desde fins do século XVII até meados do século XVIII e que se estenderam por todo o século XIX é fascinante e tem sido explorada por historiadores do livro e da chamada história cultural. Contudo, nos limitaremos a apenas alguns processos mais próximos ao nosso tema. Todos eles se deram em torno da questão do monopólio dos livreiros e impressores. A patente de impressão instituída no século XVI era um prerrogativa real. Da parte do Rei, era uma garantia de controle de publicações julgadas sediciosas; da parte dos livreiros editores, uma garantia de monopólio e, portanto, de uma propriedade econômica que protegia seus investimentos contra competidores. Do ponto de vista dos autores, ela não tinha nenhuma importância, uma vez que o detentor dos direitos autorais, ou seja, os editores, não podiam um acordo de cavalheiros, mais ou menos honrada - alterar ou mudar a obra. Tudo mudou quando, em fins do século XVII, a questão do monopólio passou a ser discutida em termos de perpetuidade. O Statute of Anne e o monopólio O primeiro Decreto de Direitos Autorais inglês, o Statute of Anne, de 1709 e promulgado em 1710, é geralmente tido como um divisor de águas na história dos direitos autorais, pela qual se estabeleceram os autores como proprietários de suas obras. Mas, argumenta Patterson entre outros -, isso não é inteiramente verdade. O Statute teve um duplo propósito: regulamentar o comércio livreiro, que se encontrava em situação caótica devido aos inúmeros os litígios entre livreiros londrinos e das províncias, assim como entre livreiros detentores de privilégios e editores piratas - e impedir a continuação do monopólio dos editores e impressores. 4

5 Com relação ao monopólio, como sublinha Patterson, a lei promulgada em 1710 tratou-o mediante duas decisões. Em primeiro lugar, cancelou o monopólio da Stationers Company, tornando os direitos autorais acessíveis a qualquer pessoa portanto, também aos autores. Em segundo lugar, substituiu o monopólio perpétuo dos livreiros pelos direitos autorais limitados a vinte e um anos, a fim de impedir monopólios futuros. (Patterson, 1968: 150) Assim, diz ele, Quando a lei foi finalmente interpretada, os direitos autorais, a princípio mediante os esforços dos livreiros, cessara de ser considerada como um direito de um editor e se tornara direito de um autor. (Patterson, 1968: 150) Mas essa mudança não eliminou as contradições da lei, pois ela abrangia não apenas os dos autores, mas também os dos editores, na medida em que ele podia comprá-los do autor. Permanecia pois a questão do monopólio. Tanto que os editores mais poderosos fundaram, ainda no século XVIII, um conglomerado o Conger para adquirir direitos autorais dos autores e passaram a controlar a publicação de obras não cobertas pelo período de vinte e anos e que tinham um público cativo. De qualquer modo, com o Statute reconhecia-se pela primeira vez o direito legal do autor sobre sua obra. A ele era assegurado o monopólio de impressão por catorze anos, e, no caso em que o autor ainda continuasse vivo, por mais catorze anos. Quanto a obras antigas, os proprietários (autores ou livreiros) teriam o direito exclusivo de imprimi-las por um período de vinte e um anos, a partir de 10 de abril de A figura do autor e os direitos autorais Julga-se comumente que no princípio as obras literárias eram de domínio público e que só depois, com as leis de direitos autorais passaram a constituir propriedade privada. Mas, sublinha Rose não é isso que apontam os estudos sobre a questão. Pelo contrário, direitos autorais e domínio público nasceram juntos. (2003: 76). Em outras palavras, ambas as noções só podem existir em contraste: o domínio público é definido pela cessação dos direitos autorais. Os argumentos levantados pelos defensores de uma e de outra posições são igualmente convincentes. Do lado do autor, a reivindicação da justa recompensa por seu trabalho e por sua contribuição ao conhecimento e ao bem comum. Do lado do público, os interesses da humanidade e o direito ao conhecimento. E, para tornar essa contenda ainda mais complexa, ambas as posições estiveram historicamente ligadas às antiga questão do monopólio e da perpetuidade dos direitos autorais. A seguir, procuraremos resumir as linhas de argumentação da parte dos autores e da parte dos editores e livreiros. 5

6 Peter Jaszi aponta para o dilema estrutural presente na doutrina dos direitos autorais instituida pelo Statute: De um lado, os direitos autorais visa a promover o acesso público e a difusão de obras de autores; de outro, eles busca conceder aos criadores o poder de restringir ou impedir a distribuição de suas obras. Esse conflito reflete-se na tensão entre o benefício público e a recompensa privada inscrita no título integral da primeira lei britânica de direitos autorais, o Statute of Anne de 1709: An Act for the Encouragement of Learning by vesting the Copies of printed Books in the authors or Purcharsors of such Copies during the Times therein mentioned [Um Decreto para a Promoção do Conhecimento ao dar a posse das Cópias de Livros impressos aos autores ou Adquirentes de tais Cópias durante os Períodos mencionados neste documento]. (Jaszi, 1991: 464) Foi no Statute de 1709 que pela primeira vez se mencionou o termo authorship/autoria como figura jurídica. Antes de 1710, os editores normalmente compravam dos escritores o direito da primeira publicação, mas após o Statute essa compra acarretava também uma transferência dos direitos autorais em si. Satisfeitos com a posse de um instrumento legal contra competidores piratas, os editores aparentemente não se deram conta da mudança radical provocada pela transferência da propriedade do impressor para o escritor efetuada pelo Statute. No entanto, esse fato teve conseqüências fundamentais. Embora desde o século XV os escritores se denominassem autores, após o Statute os conceitos de autor e authorship/autoria adquiriram um peso especial, como observa Jaszi (1991: 455-6): esse fato alçou os autores à posição central nos debates legais. Traços dessa mudança encontram-se nas metáforas pelas quais se referiram ao trabalho do qual resulta uma obra literária. Dentre os estudiosos consultados por nós, o que melhor resume esse desenvolvimento é Rose, em seu artigo Nine-tenths of the law (1993). A comparação entre trabalho intelectual e propriedade privada aparece em um panfleto de Defoe, escrito logo após ter saído da prisão, em 1704, intitulado Essay on the Regulation of the Press [Ensaio sobre a Regulamentação da Imprensa], em que compara as publicações piratas ao adultério e à invasão do lar alheio. (Rose, 1993: 35) Em seu periódico Review, logo em seguida, essa comparação aparece novamente: Por que temos leis contra invasores de lares, ladrões de estrada, batedores de carteira, estupradores e todos os tipos de violências, e no entanto nenhuma proteção para o autor? Quando nesse caso um homem é roubado de seus bens, seu bolso esvaziado, sua propriedade arruinada, suas expectativas de progresso arrebatadas, 6

7 após infindáveis esforços, estudos e despesas? (apud Rose, 1993: 37) Addison, em artigo do periódico Tatler, no mesmo ano, emprega a comparação entre trabalho intelectual e trabalho manual: enquanto os trabalhadores manuais têm assegurado seus proventos como fruto de seu labor, os escritores são expostos a roubos e provações devido à pirataria. (Rose, 1993: 36-7) Como bem observa Rose, as metáforas sobre propriedade autoral, desde o primeiro momento, revelam algo sobre as fontes de um novo discurso sobre autorship/autoria, (1993: 37), quando comparadas com as empregadas comumente nos séculos XVI e XVII em referência à relação entre autor e seus escritos, como inspiração divina e magia. Mas uma metáfora antiga comum, a da paternidade o livro como filho -, continua a ser empregada tanto por Defoe quanto por Addison, com uma diferença significativa, porém. Se em Philip Sidney e Cervantes ela comparece no contexto de uma sociedade patriarcal, em Defoe e Addison, ela adquire a acepção da domesticidade, claramente de classe média. (Rose, 1993: 40) Em ambas encontra-se a representação do autor como proprietário que cultiva seus bens fundiários. Nos cinqüenta anos seguintes, essa figuração da obra literária será reiterada e elaborada para a formação do novo conceito de autor como profissional e da obra literária como commodity. O produto do trabalho do autor é uma obra. Mas, em termos legais, no entanto, configurou-se historicamente o inverso: a definição de autor foi tributária da definição de obra. Autor era o produtor de uma obra. Em outras palavras, só poderia ser considerado autor aquele que possuía uma obra, ou seja, um produto a ser comercializado. Jaszi define com clareza a relação historicamente construída pela economia de mercado entre autoria, obra e direitos autorais: Copyright começou com authorship. Mas, com o desenvolvimento da lei de direitos autorais (copyright law), uma nova terminologia serviu para solidificar a noção de propriedade literária. Especificamente, criou-se uma tendência a definir o autor, num movimento contrário, em termos da obra um termo que significa a abstração que recebe uma manifestação concreta em cópia ou cópias. (Jaszi, 1991: ) A perspectiva dos estudos sobre a história do livro nos oferece uma prova concreta desse processo. As primeiras pouco têm a ver com aquelas a que estamos familiarizados: o principal interesse dos livreiros era, de um lado, fazer a propaganda de seu produto, mas de forma confusa pareciam ter aversão ao vácuo, nas palavras de Martin (Martin, 1994: 314) -; de outro, tornar sua aparência agradável, e essa preocupação estética muitas vezes levava a melhor sobre a funcionalidade e a informação. De qualquer modo, o nome do autor não constituía um dado importante na apresentação do livro. A definição da página de rosto, nos 7

8 moldes mais ou menos atuais, não se completou antes do século XVII, e mesmo então o nome do autor tinha de disputar espaço com as dedicatórias (em geral a nobres, segundo o regime de mecenato) e com os atestados de privilégio de impressão, como mandava a lei. Direitos autorais, domínio público e promoção do saber Se é o trabalho que confere ao homem o direito de propriedade, os autores têm, a justo título, direito de propriedade sobre suas obras. Mas e quanto ao direito da sociedade ao conhecimento, que só pode ser promovido pela a circulação das idéias? Eis o conflito final até hoje não resolvido inteiramente resultante dos debates sobre direitos autorais que vimos resumidamente expondo. Neste ponto, as discordâncias se instalaram até mesmo entre os próprios escritores. Os direitos autorais deveriam ser perpétuos ou limitados por um período de tempo, após o qual se tornariam domínio público? Uma das questões levantadas mais importantes era a categoria em que se enquadravam os direitos da parte dos autores: se fosse um direito consuetudinário (common-law), seria perpétuo; se promulgado por decreto, seria passível de limitação no tempo de sua vigência. Uma declaração do grande crítico inglês, Samuel Johnson, define o dilema: Parece (...) haver nos autores um direito mais forte de propriedade do que nas outras profissões: um direito metafísico, um direito como que de criação, que deveria, por sua natureza, ser perpétuo; mas o consenso das nações lhe é contrário e, de fato, também os intereses do conhecimento; pois, a ser perpétuo, nenhum livro, embora útil, poderia ser universalmente difundido entre os homens, caso o proprietário se decidisse a restringir sua circulação. Nenhum livro poderia tem o benefício de ser editado com notas, ainda que necessárias a sua elucidação, se o proprietário perversamente a isso se opusesse. Pelo bem geral do mundo, portanto, toda obra valiosa criada por um autor e por ele publicada deveria ser considerada como não mais a ele pertencente, mas propriedade do público; ao mesmo tempo, o autor tem direito a uma justa recompensa. A ela lhe é assegurado o direito exclusivo por um período considerável de tempo. (Boswell, 1952: 225) Além da clareza com que expõe um conflito - até hoje não resolvido -, as palavras de Johnson nos sugerem três observações finais. Em primeiro lugar, que os direitos de propriedade do autor tal como definidos juridicamente não são ilimitados, principalmente no tocante ao período de validade. Referindo-se a essa questão, conforme as afirmações de Rose, Roger Chartier corrobora-a também no que diz respeito aos direitos autorais na França: 8

9 (...) o direito do autor nada tem de um direito absoluto de propriedade; nem na Inglaterra, visto que a duração do copyright mesmo se é concedido a um autor é limitada; nem na França, já que, quando o autor cede seu manuscrito a um livreiro, o privilégio dado a este que não pode ter uma duração de menos de dez anos só vale durante a vida dos autores, no caso destes sobreviverem à expiração dos privilégios. Em nenhuma das duas legislações, a propriedade literária é, portanto, identificada às propriedades imobiliárias, imprescritíveis e livremente transmissíveis. (Chartier, 1994: 39) Em segundo lugar, eles ainda sofrem modificações diante de novos meios de reprodução, como bem sabemos. No que diz respeito ao período limitado por este artigo o da chamada Batalha dos Livreiros ) -, o capítulo final ocorreu por ocasião do famoso processo Donaldson v. Becket, em 1774, movido por editores importantes de Londres, representados por Becket, contra um editor escocês, Donaldson. A decisão foi, definitivamente, contra o monopólio dos editores e estabeleceu o direito do autor. Em terceiro, a noção de domínio público está, como nos indica a passagem em que Johnson se refere às edições com notas, está implicitamente relacionada à base da formação dos cânones literários, a saber, tanto sua sobrevivência ao teste do tempo quanto ao valor metafísico que se supõe terem adquirido e acrescido das notas de incontáveis comentadores que os acompanham na versão escolar da cultura literária. A importância dos estudos que vimos consultando e aqui resumindo está no fato de que eles trazem à luz um aspecto até pouco tempo negligenciado nos estudos literários: o do papel do discurso jurídico na construção da figura moderna de autor e de obra literária. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOSWELL, James Life of Samuel Johnson LL.D. London: Encyclopaedia Britannica, Great Books of The Western World. CHARTIER, Roger A ordem dos livros. Brasília: UnB. FRYE, Northrop Anatomia da crítica. Tradução de Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix (ed. ingl: 1957). JASZI, Peter Toward a theory of copyright: the metamorphoses of `authorship. Duke Law Journal, vol. I, no. 2, p MARTIN, Henri-Jean The history and power of writing. Chicago : The University of Chicago Press. Translation by Lydia G. Cochrane 9

10 PATTERSON, Lyman Ray Copyright in historical perspective. Nashville: Vanderbilt University Press. ROSE, Mark The author as proprietor: Donaldson v. Becket and the genealogy of modern authorship. Representations, vol.0, Issue 23 Summer, pp ROSE, Mark Authors and owners. The invention of copyright. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. ROSE, Mark Nine-tenths of the law: the English copyright debates and the rhetoric of the public domain. Law & Contemporary Problems, 66 Winter/Spring, pp ROSS, Trevor Copyright and the invention of tradition. Eighteenth- Century Studies, vol. 26, Issue 1, Autumn, pp

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral Noções Gerais de Direitos Autorais Módulo1 Direito Autoral Brasília 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Paulo Sergio de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Gerencial Paulo

Leia mais

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio.

Trademarks: protege logotipos e outros símbolos que identificam um produto, empresa ou negócio. DIREITOS AUTORAIS As informações a seguir foram elaboradas para ajudar a esclarecer as dúvidas mais frequentes sobre ilustração, contratos e direitos autorais. Para maiores informações jurídicas aconselhamos

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 SABER TECNOLÓGICO PARA QUEM E PARA O QUÊ? A QUESTÃO DAS PATENTES

Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 SABER TECNOLÓGICO PARA QUEM E PARA O QUÊ? A QUESTÃO DAS PATENTES Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 SABER TECNOLÓGICO PARA QUEM E PARA O QUÊ? A QUESTÃO DAS PATENTES Introdução Ronaldo Fiani 1 A apropriação privada do conhecimento tecnológico

Leia mais

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012 FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO 1 PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA FONTE: Expressão vem do latim (fons, fontis, nascente). Significado: tudo aquilo que origina,

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO

A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL E TECNOLÓGICO USO DA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA CONTIDA NOS DOCUMENTOS DE PATENTES Florianópolis 12 de maio de 2009 Propriedade

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS

Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS Marcos Puglisi de Assumpção 9. OFF SHORES, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS 2010 OFF SHORE, TRUSTS E FUNDAÇÕES INTERNACIONAIS 1 EMPRESAS OFF SHORE A globalização do comércio mundial; a integração política,

Leia mais

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 2013 Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 1 ÍNDICE Direitos Do Autor... 2 1-Copyright... 2 Representação do símbolo... 3 Aspectos Jurídicos... 4 1-Reprodução...

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

O MANIFESTO DO DOMÍNIO PÚBLICO

O MANIFESTO DO DOMÍNIO PÚBLICO O MANIFESTO DO DOMÍNIO PÚBLICO O Manifesto do Domínio Público foi elaborado no contexto das atividades da COMMUNIA, rede temática da União Européia sobre Domínio Público. Preâmbulo O livro, como um livro,

Leia mais

William J. Chambliss, A Sociological Analysis of the Law of Vagrancy Social Problems, volume 12, pp. 67-77, Summer, 1964

William J. Chambliss, A Sociological Analysis of the Law of Vagrancy Social Problems, volume 12, pp. 67-77, Summer, 1964 Exemplos de sumários de leitura Eu acrescentei exemplos de bons e maus sumários do artigo de William Chambliss, cuja leitura é requerida no tópico lei e mudança social. Você deve se esforçar para produzir

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Estrutura do INPI Propriedade Intelectual Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade resultante da atividade intelectual nos campos industrial,

Leia mais

Dar Crédito a Quem Merece:

Dar Crédito a Quem Merece: Série de Melhores Práticas da AJE Dar Crédito a Quem Merece: Melhores Práticas de Atribuição de Autoria Michaela Panter, PhD Sobre a autora A Dra. Panter é editora da AJE desde 2008. Ela se formou na Yale

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade!

Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade! Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade! Agradeço a presença Fátima Conti ( Fa ) - fconti@gmail.com @faconti ( identi.ca, twitter ), Fa Conti ( diaspora, facebook ) Site: http://www.ufpa.br/dicas

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

1º PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESAFIO UNIVERSITÁRIO EMPREENDEDOR

1º PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESAFIO UNIVERSITÁRIO EMPREENDEDOR 1º PRÊMIO DE ARTIGOS CIENTIFICOS DO DESAFIO UNIVERSITÁRIO EMPREENDEDOR O presente Regulamento tem por objeto regular as relações entre o SEBRAE e os participantes do 1º Prêmio de Artigos Científicos do

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

CONTRATO DE SERVIÇO GESTOR MPE

CONTRATO DE SERVIÇO GESTOR MPE CONTRATO DE SERVIÇO GESTOR MPE Este documento tem por finalidade tornar público e dar ciência a todos os CONTRATANTES do GESTOR MPE, ofertado pela empresa META TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA (CNPJ/MF nº05.703.562/0001-15)

Leia mais

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos,

Altamente profissionalizados e por dependerem dos recursos oriundos da comunicação de massa - especialmente a TV, os eventos esportivos modernos, O esporte é um poderoso filão a ser explorado na criação publicitária - e também caminho certo para custosas dores de cabeça se for utilizado sem autorização de quem detém os direitos de uso de marcas

Leia mais

EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014

EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC-IF EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO INSTITUTO FLORESTAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO

Leia mais

Proteção do Conhecimento: Operacionalizando Registros de Programas de Computador

Proteção do Conhecimento: Operacionalizando Registros de Programas de Computador Proteção do Conhecimento: Operacionalizando Registros de Programas de Computador Elvira Andrade Divisão de Registro de Programas de Computador - INPI Fortaleza 2007 PROPRIEDADE INTELECTUAL 1. Propriedade

Leia mais

SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS

SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS MERCOSUL/CMC/DEC Nº 56/00 SEGUNDA RODADA DE NEGOCIAÇÃO DE ROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE SERVIÇOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 13/97, 9/98, 12/98

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

Alterações à primeira versão do Anteprojecto de Regime Especial para. a Definição da Titularidade de Bens Imóveis. (Lei de Terras)

Alterações à primeira versão do Anteprojecto de Regime Especial para. a Definição da Titularidade de Bens Imóveis. (Lei de Terras) REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA AlteraçõesàprimeiraversãodoAnteprojectodeRegimeEspecialpara adefiniçãodatitularidadedebensimóveis (LeideTerras) AprimeirafasedeConsultaPúblicasobreoAnteprojectodeLeideTerrasteveinícionodia12

Leia mais

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia Salvador 2010 RAFAEL RIBEIRO SILVA ASCE SÃO SEMÂ TICA E O PRI CÍPIO DO CO TEXTO A OBRA DE MICHAEL DUMMETT Salvador

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

Assuntos Acadêmicos. Edson H. Watanabe Diretor para Assuntos Acadêmicos

Assuntos Acadêmicos. Edson H. Watanabe Diretor para Assuntos Acadêmicos Assuntos Acadêmicos Edson H. Watanabe Diretor para Assuntos Acadêmicos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Jurkiewicz 12 13 AVALIAÇÃO CAPES A pós-graduação brasileira é avaliada a cada 3 anos com conceitos que vão

Leia mais

Convenção da Organização Mundial de Propriedade Intelectual

Convenção da Organização Mundial de Propriedade Intelectual Convenção da Organização Mundial de Propriedade Intelectual Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Tratado internacional que rege o funcionamento da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Patente: uma breve introdução

Patente: uma breve introdução Patente: uma breve introdução Maria Fernanda Gonçalves Macedo A. L. Figueira Barbosa SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MACEDO, MFG., and BARBOSA, ALF. Patentes, pesquisa & desenvolvimento: um

Leia mais

Escola Preparatória para Futuros Cientistas DIREITOS AUTORAIS

Escola Preparatória para Futuros Cientistas DIREITOS AUTORAIS Escola Preparatória para Futuros Cientistas DIREITOS AUTORAIS Introdução A proteção dos Direitos Autorais aparece com o Estatuto da Rainha Ana 1710 na Inglaterra. Num contexto onde é fácil a reprodução

Leia mais

RESENHA. Regiane Cristina Custódio

RESENHA. Regiane Cristina Custódio RESENHA CHARTIER, Roger. A aventura do livro. Do leitor ao navegador. Conversações com Jean Lebrun. 1ª reimpressão. Tradução Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado n 689, de 2011, do Senador Vital do Rêgo, que acrescenta 3º ao art. 84 da Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996, para

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL P R E S I D Ê N C I A

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL P R E S I D Ê N C I A Ato Normativo 128/97 05/03/1997 ATO NORMATIVO Nº 128 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL P R E S I D Ê N C I A Assunto: Dispõe sobre aplicação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COMUNICAÇÃO, DECLARAÇÕES E UTILIZAÇÃO DA MARCA MEB PELOS MEMBROS

PROCEDIMENTOS DE COMUNICAÇÃO, DECLARAÇÕES E UTILIZAÇÃO DA MARCA MEB PELOS MEMBROS PROCEDIMENTOS DE COMUNICAÇÃO, DECLARAÇÕES E UTILIZAÇÃO DA MARCA MEB PELOS MEMBROS O presente procedimento apresenta as declarações que os participantes MEB- Brasil poderão fazer na qualidade de membros.

Leia mais

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet

Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Faculdade de Tecnologia Lei 9609, Lei 9610, Lei 12.737 e Marco Cívil da Internet Alunos: Anderson Mota, André Luiz da Silva, Misael Bezerra, Rodrigo Damasceno Kaji. GTI 5 Noturno Noções de Direito Prof.

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO SOBRE PRODUÇÃO LEGISLATIVA E REMUNERAÇÃO PARLAMENTAR EM PAÍSES SELECIONADOS DA EUROPA, AMÉRICA DO NORTE E AMÉRICA LATINA

ESTUDO COMPARATIVO SOBRE PRODUÇÃO LEGISLATIVA E REMUNERAÇÃO PARLAMENTAR EM PAÍSES SELECIONADOS DA EUROPA, AMÉRICA DO NORTE E AMÉRICA LATINA ESTUDO COMPARATIVO SOBRE PRODUÇÃO LEGISLATIVA E REMUNERAÇÃO PARLAMENTAR EM PAÍSES SELECIONADOS DA EUROPA, AMÉRICA DO NORTE E AMÉRICA LATINA Ricardo José Pereira Rodrigues Consultor Legislativo da Área

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

Indústria das Ciências Vegetais Guia de Propriedade Intelectual

Indústria das Ciências Vegetais Guia de Propriedade Intelectual Indústria das Ciências Vegetais Índice 1. Objetivo 2. O que é Propriedade Intelectual? 3. Propriedade Intelectual Visão Geral 4. A influência do TRIPS 5. Patentes 6. Segredos Comerciais 7. Proteção de

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP

Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual O que é/para que serve? Renata Reis Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual GTPI/ABIA/REBRIP Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações

Leia mais

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SÉRGIO BRANCO Parte 1 INTRODUÇÃO Stephanie Lenz e seu filho Holden: O Caso Let s go Crazy US$ 150,000.00 Parte 2 A PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Intelectual

Leia mais

Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação

Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação Grupo de Estudos Direito, Tecnologia e Inovação O Centro de Tecnologia e Sociedade (CTS) tem como missão estudar as implicações jurídicas, econômicas, sociais e culturais advindas do avanço das tecnologias

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976

CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976 CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976 Em sua decisão no Caso da Plataforma Continental do Mar Egeu a Corte concluiu,

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 011/2012

RESOLUÇÃO CA Nº 011/2012 RESOLUÇÃO CA Nº 011/2012 Dispõe sobre a regulamentação da propriedade intelectual no âmbito da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR O Presidente do Conselho Acadêmico, no uso de suas atribuições

Leia mais

Brasília, agosto de 2005.

Brasília, agosto de 2005. Brasília, agosto de 2005. A Proteção Legal das Jóias As jóias podem ser protegidas, legalmente, por duas naturezas jurídicas: 1. Registro de Desenho Industrial O desenho industrial protege a forma nova

Leia mais

Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971

Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971 Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971 Os Estados Contratantes, animados pelo desejo de assegurar, em todos os países, a protecção dos direitos dos autores sobre

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLOGICO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

Glossário - OMC. Cartel

Glossário - OMC. Cartel Glossário - OMC C Cartel Cartel é uma prática comercial semelhante ao Truste, porém consistindo na cooperação de empresas independentes, podendo ser utilizado tanto para fixação de preços quanto para a

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas COOPERATIVISMO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.655 R E S O L V E U: 1 RESOLUÇÃO Nº 1.655 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em vista o disposto

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson Informática I Aula 26 Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 26-17/07/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS. REQUERIMENTO (Da Sra. Iracema Portella) Senhor Presidente:

CÂMARA DOS DEPUTADOS. REQUERIMENTO (Da Sra. Iracema Portella) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Da Sra. Iracema Portella) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, para sugerir fomento específico para a publicação de livros inéditos de novos escritores brasileiros. Senhor Presidente:

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais