O DOMÍNIO PÚBLICO COMO INTEGRANTE DA POLÍTICA URBANA: UMA ANÁLISE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DOMÍNIO PÚBLICO COMO INTEGRANTE DA POLÍTICA URBANA: UMA ANÁLISE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE"

Transcrição

1 O DOMÍNIO PÚBLICO COMO INTEGRANTE DA POLÍTICA URBANA: UMA ANÁLISE DO PRINCÍPIO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE THE PUBLIC DOMAIN AS INTEGRAL OF THE URBAN POLICY: AN ANALYSIS OF THE PRINCIPLE OF THE SOCIAL FUNCTION OF PROPERTY THALES JOSÉ PITOMBEIRA EDUARDO RESUMO A pesquisa sobre a aplicação do princípio da função social da propriedade ao domínio público é de fundamental relevância por analisar os bens públicos como integrantes da política urbana, baseando-se na concepção de que o Poder Público, muitas vezes, se dissocia da finalidade social a qual está vinculado. O que se pretende neste trabalho, em sentido amplo, é analisar a possibilidade do princípio da função social da propriedade ser aplicado aos bens públicos. E, em sentido estrito, espera-se comprovar, diante do confronto da lei, jurisprudência e doutrina, se há possibilidade de sanções serem impostas ao ente político que possui seus bens alheios à afetação social, considerando-se de que forma se dá a intervenção no ente, quais seus efeitos e as conseqüências por ela trazidas. PALAVRAS-CHAVES: Domínio Público. Política Urbana. Princípio da Função Social da Propriedade. ABSTRACT The research on the application of the principle of social function of property in the public domain, is of fundamental importance for analyzing public goods such as integral of urban policy, based on the idea that the Public Power, often dissociate from the social purpose which is bound. The aim in this work, in a broad sense, is to analyze the possibility of the principle of social function of property be applied to public goods. And, strictly speaking, it is expected to prove, before the confrontation of the law, jurisprudence and doctrine, on the possibility of sanction being imposed on the political entity that has its goods away from the social affectation, considering in which way is the intervention in the entity, what are its effects and the consequences it brought. KEYWORDS: Public Domain. Urban Policy. Principle of the Social Function of Property. Introdução A função social da propriedade foi inserida na Constituição Cidadã pelo constituinte originário como forma de limitar a atuação desenfreada do particular, combatendo as desigualdades sociais e promovendo o bemestar social local. Contudo, muito se percebe a inércia e omissão dos entes federativos na administração dos bens que integram seu patrimônio. Muitas vezes, eles não são, por longo período, desprovidos de destinação pública ou, quando afetados, não se permite uma maior exploração dos mesmos. Assim, a doutrina vem admitindo a extensão da aplicação do princípio da função social da propriedade aos bens públicos, máxime no que se refere aos bens dominicais, em razão do Poder Público supostamente está agindo com desprestigio aos fins a ele impostos, quais sejam, aqueles que asseguram a satisfação e promoção do interesse social. Neste diapasão, analisa-se acerca da possibilidade desta regra já aplicada aos bens particulares serem estendidos aos bens públicos e quais os efeitos a eles gerados, notadamente no que se refere às espécies de domínio público e as sanções previstas no ordenamento jurídico. Função social da propriedade na Constituição Federal de 1988 A função social da propriedade é princípio do direito que operacionaliza o urbanismo e se faz ser cumprido através das diretrizes do plano diretor. A Constituição Republicana enaltece este princípio em seu texto normativo, trazendo-o expressamente nos artigos 5º, inciso XXIII; 170, inciso III; 182, 2º; 184; 185, parágrafo único; e 186. Consoante doutrina de Márcia Walquiria Batista dos Santos (2006), a palavra função tem origem no latim functione, que traduz a ação natural e própria de qualquer coisa. Na visão sociológica, entende ser a contribuição prestada por um elemento cultural para a perpetuação de uma configuração sócio-cultural. No que se refere à etimologia da palavra social, verifica-se ser um adjetivo que se refere a uma sociedade, configurando-se para a sociologia como uma manifestação advinda das relações entre seres humanos. Dessa forma, conjugados os dois significados, tem-se que a função social significa que o imóvel, enquanto coisa, possui sua natureza sujeita às necessidades sociais. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal traduz, nas palavras do Ministro Celso de Mello, que o imóvel atende às necessidades sociais, pois nele incide um gravame social que trilha os passos do possuidor no que tange a sua forma de utilização: * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

2 [...] O direito de propriedade não se reveste de caráter absoluto, eis que, sobre ele, pesa grave hipoteca social, a significar que, descumprida a função social que lhe é inerente [...] legitimar-se-á a intervenção estatal na esfera dominial privada [...] O acesso à terra, a solução dos conflitos sociais, o aproveitamento racional e adequado do imóvel rural, a utilização apropriada dos recursos naturais disponíveis e a preservação do meio ambiente constituem elementos de realização da função social da propriedade [...] (BRASIL. STF. ADI 2213 MC, Relator(a): Min. CELSO DE MELLO, Tribunal Pleno, julgado em 04/04/2002, DJ [...]). Analisando o entendimento firmado acima, constata-se que a propriedade possui duas formas de entendimento: uma idéia de vínculo entre o homem e o bem, em que aquele extrai deste níveis de satisfação para seu bem-estar; e, em outra dimensão, este mesmo bem possui relevante função no que se refere a sociedade em comum. Analise-se, ainda, a doutrina de Edmilson de Almeida Barros Júnior (2004, p.71) quanto ao conceito de função social: "[...] conjunto de normas jurídicas que visam, por vezes até com medidas de gravidade jurídica, a recolocar a propriedade na sua trilha normal de serviência à coletividade". Quanto ao termo "função social", conforme salienta Giovanni Pellerino (2005), seria mais correto falar em "função estrutural" da propriedade, pois esta é estrutura da sociedade e indispensavelmente necessária ao funcionamento do sistema social. Haveria uma junção estrutural entre o direito e a economia, ambos colaborando para constatação de premissas decisivas para a ulterior seleção se há ou não direito de propriedade quando cumpridas as diretrizes legais. Consoante doutrina de Éderson Pires (2006), a função social da propriedade resulta do encontro das perspectivas liberal e socialista, representando uma flexibilização do direito de propriedade, resultado das pretensões resistidas pelas lutas de classes do século XIX e marcada pela liberdade, igualdade e fraternidade entre os homens. Victor Carvalho Pinto (2005) comenta a origem da função social da propriedade na filosofia política positivista, que via com simpatia a concentração da propriedade pela facilidade da direção geral da economia do Estado, desenvolvida na França, durante a revolução industrial do século XIX, tendo como principais formuladores Saint-Simon e Comte. À época, a propriedade privada era vista como a principal causa dos problemas econômicos, inclusive o funcionamento imperfeito do mercado, em razão das pessoas não estarem sujeitas, até então, ao comando geral. Os saint-simonianos acreditavam numa propriedade intermediária da privada clássica e da pública, em que o possuidor era um depositário e administrador do bem de forma vitalícia, porém sem caráter hereditário, já que, após sua morte, a propriedade voltaria ao Estado. Comte, secretário de Saint-Simon, demonstrou indiferença quanto ao caráter público ou privado da propriedade, dando verdadeira importância ao seu aspecto produtivo e não distributivo. Assim, seu uso deveria estar voltado ao beneficio da sociedade, conclui Victor Carvalho Pinto (2005). Conforme visto acima, a doutrina positivista falhava por pregar desenvolvimento produtivo na realidade da propriedade não distribuída, o que impedia a possibilidade da produção variar e não ser monopolizada por certo grupo de pessoas. Além disso, com a diversidade de gestores da produção, não só tendo beneficiários, mas também atuantes na participação da obra, a geração de emprego fluiria, bem como a visão diferenciada dos propulsores geraria melhores conhecimentos e desenvolvimentos de técnicas que seriam mais proveitosas à economia. Imperiosa se mostra a análise da teoria acerca da função social formulada por Léon Duguit, conforme comenta Francisco Luciano Lima Rodrigues (2003), a qual não negava a propriedade, mas a adequava a um interesse que se sobressaia aos interesses individuais. Essa teoria se revela em maior compatibilidade com a linha adotada pelo nosso ordenamento, conforme se verifica na tradução de Orlando Gomes (1988 apud RODRIGUES, 2003, p. 76): A propriedade deixou de ser o direito subjetivo do indivíduo e tende a se tornar a função social do detentor da riqueza mobiliária e imobiliária; a propriedade implica para todo detentor de uma riqueza a obrigação de empregá-la para o crescimento da riqueza social e para a interdependência social. Só o proprietário pode executar uma certa tarefa social. Só ele pode aumentar a riqueza geral utilizando a sua própria; a propriedade não é, de modo algum, um direito intangível e sagrado, mas um direito em contínua mudança que se deve modelar sobre as necessidades sociais às quais deve responder. Nesta esteira, a propriedade passou a expressar um direito-dever, deixando de ser individual para se transformar numa função, prevalecendo o interesse coletivo sobre o individual. Jorgina de Fátima Marcondes Guidio (2003, p. 117) assevera o papel social da propriedade trazido pela Constituição Cidadã, além de corroborar com a idéia da propriedade, para existir, dever corresponder à sua função social: Eduardo Espínola destaca que 'o pressuposto de confiança e boa fé, que integra no moderno conceito de obrigação, encontra-se correspondência na função social, implícita no direito de propriedade, no sentido de consideração à solidariedade social, compreendendo os direitos do proprietário e os deveres que lhe são impostos pela política legislativa.' * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

3 Importante a análise de Uadi Lammêgo Bulos (2005) do magistério de Celso Antônio Bandeira de Mello, no qual se considera a propriedade um direito apto a exercer uma função social, já que a proteção não é dada à propriedade que cumpre a função social, mas a que não a cumpre, pois esta é que será indenizada, nos moldes do artigo 182, 4º, inciso III, da Lei Maior. Saliente-se que a função social não se contrapõe ao direito subjetivo da propriedade, impedindo seu exercício, mas se complementam. Como pensa André Osório Gondinho (2000 apud RODRIGUES, 2003, p. 81), a função social está atrelada ao respeito à dignidade da pessoa humana, pois, em conseqüência, contribui para o desenvolvimento social e promove a diminuição das desigualdades sociais e da pobreza. Imperiosa se mostra a análise feita por Sílvio Luís Ferreira da Rocha (2005), acerca dos ensinamentos de Celso Antônio Bandeira de Mello, que afasta a idéia da propriedade ser uma função social; isto é, o bem só seria protegido se cumprisse a função social. Tal entendimento mostra-se equivocado, pois se levaria a conclusão que as propriedades não cumpridoras da função social estariam desprotegidas à luz do ordenamento jurídico, o que não representa a realidade, já que a indenização, neste caso, far-se-á em títulos especiais da dívida pública, resgatáveis em vinte anos. A propriedade é garantida, mesmo não cumprindo sua função social; pois ninguém, no atual Estado Democrático de Direito, pode ser privado arbitrariamente de seus patrimônios. Seria, portanto, mais adequado referir-se que a propriedade cumpridora da função social possui uma proteção maior, já que o valor da indenização será pago na ocasião do ato expropriatório; contudo, em ambas as propriedades, cumpridoras ou não da função social, a indenização é justa, inclusive com o acréscimo de juros nos casos do artigo 182, 4º, inciso III e artigo 184, ambos da Constituição Federal de 1988, vulgarmente denominados desapropriação sanção. Para o cumprimento da função social da propriedade pelo titular, é exigida uma política estratégica, até mesmo para não gerar revolta por parte do particular, senão analise-se a doutrina de Victor Carvalho Pinto (2005, p. 174): O proprietário só vai obedecer voluntariamente ao plano na medida em que as determinações neste contidas coincidam com seus interesses. Assim sendo, o cumprimento do plano, nas demais hipóteses, depende de algum tipo de sanção contra o proprietário recalcitrante, sanção esta que em geral redunda na própria perda da propriedade. Pela prescrição do artigo 184, caput, da Constituição Federal e pelo entendimento acima citado, percebe-se que se torna grave o descumprimento do titular das diretrizes do plano diretor, amparadas pela norma constitucional e infraconstitucional, uma vez que são necessárias à ordenação da cidade. Le Corbusier (1989 apud PINTO, 2005, p. 175) mostra a necessidade de ordenação espacial do município para garantia do bem-estar coletivo: "Hoje, o mal está feito. As cidades são desumanas, e da ferocidade de alguns interesses privados nasceu a infelicidade de inúmeras pessoas". A propriedade, portanto, seria um direito que tem uma função social, pois não seria permissível que aquela fosse tida absoluta de forma que a sua exploração desenfreada ou sua inutilização prejudicasse a sociedade. A propriedade não pode ser intangível e nem se submeter aos interesses privados para utilização inadequada (uso anormal) e para especulação imobiliária. Para conceituar a propriedade imobiliária que não cumpre a função social e, portanto, sujeita a sanções, a lex mater trouxe em seu texto a expressão geral "subutilizado". Não abrange somente, neste conceito, o imóvel sem qualquer utilização por parte do proprietário, mas também um imóvel residencial localizado numa área restrita pelo plano diretor (zoneamento) ao funcionamento de fábricas, sendo a recíproca também verdadeira. Se o imóvel possuir dimensões incompatíveis para área aeroportuária, este, também, será subutilizado. Para que sejam aplicadas as sanções ao imóvel subutilizado, é necessário que haja edição de uma lei municipal específica, zoneando cada área para definir como deve ser a sua utilização, bem como as alíquotas progressivas do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU), aplicado ao proprietário por não utilizar seu imóvel, não bastando a simples imputação do imóvel subutilizado. Isto traduz cumprimento ao princípio da legalidade. Em caso de desapropriação, enquanto sanção constitucional pelo descumprimento ao princípio da função social da propriedade, o Estado, na condição de ente interveniente, assume um compromisso com a ordem econômica e social, uma vez que deverá afetar o bem desapropriado para um fim relevante à sociedade, garantido cumprimento aos pressupostos constitucionais atinentes ao instituto interventivo citado, máxime no que se refere à necessidade e utilidade pública acrescido do interesse social. Consoante jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, o proprietário deverá seguir determinados preceitos para proceder com o cumprimento da função social em relação à sua propriedade: [...] só se tem por atendida a função social que condiciona o exercício do direito de propriedade, quando o titular do domínio cumprir a obrigação (1) de favorecer o bem-estar dos que na terra labutam; (2) de manter níveis satisfatórios de produtividade; (3) de assegurar a conservação dos recursos naturais; e (4) de observar as disposições legais que regulam as justas relações de trabalho entre os que possuem o domínio e aqueles que cultivam a propriedade. (BRASIL. STF. ADI 2213 MC, Relator(a): Min. CELSO DE MELLO, Tribunal Pleno, julgado em 04/04/2002, DJ [...]) A progressividade do referido imposto com fim extrafiscal está legalmente prevista no artigo 156, 1º, inciso I, da Lei Maior, vedando, inclusive, o Estatuto da Cidade, em seu artigo 7º, 3º, a concessão de anistia ou isenção relativa à tributação progressiva por parte do legislador municipal, ficando, neste ponto, limitado em * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

4 sua discricionariedade. Ressalte-se que a natureza da progressividade do referido imposto é extrafiscal diante de uma atitude omissiva do particular, ou seja, para desacorçoar o descumprimento às diretrizes do plano diretor; por isso, desestimular a imobilização da propriedade privada para fins meramente especulativos, diferentemente da natureza do imposto propriamente dito que tem intuito meramente arrecadatório. Analise-se a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal quanto ao objetivo extrafiscal do IPTU progressivo: [...] Esta Corte, ao finalizar o julgamento do Re , firmou o entendimento de que a progressividade do IPTU [...] só é admissível, em face da Constituição, para o fim extra-fiscal de assegurar o cumprimento da função social da propriedade [...] Recurso extraordinário conhecido e provido, declarando-se a inconstitucionalidade dos artigos 2º, 3º e 4º da Lei 6.747, de 21 de dezembro de 1990, do município de Santo André (SP). (BRASIL. STF. RE , Relator(a): Min. MOREIRA ALVES, TRIBUNAL PLENO, julgado em 05/06/1997, DJ [...]) Consoante o magistério de Uadi Lammêgo Bulos (2005), dois são os destinatários da função social da propriedade: o Estado e o particular. Quanto ao primeiro, subdivide-se em Executivo, que cumpre o desempenho da função administrativa a quem cabe fiscalizar; ao Legislativo, a que se impõe a edição de leis para concretização do referido princípio; e o Judiciário, que diz o direito, nas questões intersubjetivas litigiosas. Quanto ao segundo compete cumprir a função social. Vê-se que o plano diretor, fazendo-se cumprir a função social da propriedade, em seu regramento espacial, acaba se relacionando com a própria segurança da sociedade, não só garantindo o seu bem-estar. Porém, nenhuma serventia se extrai do cumprimento do citado princípio sem canalizar a sua potencialidade em benefício dos outros, pois esta característica figura da sua própria essência. Sem aquela sequer há função social, tampouco a existência de uma sociedade mais equilibrada e igualitária. A função social, na doutrina de Uadi Lammêgo Bulos (2007), canaliza a propriedade para uma destinação economicamente útil da propriedade, em nome do interesse público, objetivando otimizar seu uso a fim de que não possa ser utilizada em detrimento do progresso e da satisfação da comunidade. Assim, a propriedade deve cumprir sua função economicamente útil e produtiva, de modo a satisfazer as necessidades sociais atinentes à tipologia do bem e a promoção da sua utilidade especifica de acordo com o fim social; ou seja, haveria uma otimização dos recursos disponíveis em mãos dos proprietários. A instituição dos meios jurídicos que sancionam o particular pelo uso do bem em desacordo com o plano diretor é meio excepcional para redistribuição de riquezas, principalmente quando se fala em IPTU progressivo, que vai impactar na situação financeira do proprietário; e a desapropriação, que pode ser útil para a afetação do bem à destinação pública necessária, como, por exemplo, à moradia popular. Os bens públicos no meio social A propriedade privada possui importante função no meio privado, pois ela está intimamente ligada à própria sobrevivência do homem. A simples relação que se tem ao comprar um alimento, uma vestimenta ou um objeto qualquer caracteriza propriedade e garante ao titular direitos e deveres inerentes. A questão se mostra mais relevante juridicamente quando se trata de propriedade imobiliária, pois a relação satisfativa que o titular aufere do bem é tão proeminente que difícil seria imaginar a existência de uma vida digna se o vínculo entre pessoa e coisa não fosse reconhecida pela ordem jurídica, tanto constitucional como infraconstitucional. Assim, se a propriedade para o particular é de tamanha importância para sua sobrevivência, da mesma forma os bens para a Administração Pública são importantes instrumentos para o desempenho da sua função. Isto se verifica tanto no uso dos bens públicos quanto nos bens privados, ocasião em que o Poder Público se vale de bens particulares para o cumprimento das finalidades de interesse público em nome do princípio da supremacia do interesse público sobre o privado. A relação proveniente dos bens públicos com a Administração Pública difere do direito de propriedade no sentido tradicional, pois constitui vínculo de natureza administrativa que permite ao Poder Público garantir o regular uso do bem, protegendo-o de quaisquer ingerências de particulares. Primordialmente, em Roma, o ente público detinha domínio análogo àqueles dos particulares sobre seus bens. Na idade média, o príncipe cobrava pedágio sobre o uso dos bens, indistintamente. No Brasil colonial, havia os bens do rei, da coroa - administrados pelo rei -, e aqueles frutos dos impostos. No império, a influência francesa alterou a repartição para domínio do Estado, Coroa e público. Em 1916, o Código Civil estabeleceu os bens de uso especial, comum e dominical. Os bens públicos são divididos em três espécies: os de uso comum do povo, os de uso especial e os dominicais. Consoante doutrina Odete Medauar (2007), o regime da dominialidade dos bens públicos não é equivalente ao da propriedade privada, pois se trata de vínculo específico, de natureza administrativa, permitindo ao Poder Público a proteção contra quaisquer ingerências e garantindo a sua destinação voltada à atenção ao interesses públicos. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

5 Conceitualmente, tem-se que os bens públicos de uso comum do povo são aqueles utilizados por todos, indistintamente. Embora se tenha tal característica, o uso pode ser gratuito ou remunerado. O artigo 103 do Código Civil é norma permissiva e autorizadora da cobrança de pedágios, não destoando a natureza do bem. Ainda sim, a Administração Pública poderá promover a fiscalização e a imposição de sanções a fim de garantir a segurança e ordem na utilização, evitando a destruição, inutilização ou poluição do bem. Por fim, é importante esclarecer que o uso de bens públicos pelos particulares, embora de uso comum, não deverá contrariar o interesse público, tampouco retirar as características próprias de destinação do bem. Os bens públicos de uso especial são utilizados para prestação dos serviços que são disponibilizados pela Administração Pública. A sua utilização depende das regras e condições impostas pelo Poder Público. Consoante doutrina de José Cretella Júnior (2000), os usuários dos bens de uso comum são o povo em geral, sem qualquer discriminação, e não especificamente o indivíduo. Cada pessoa se beneficia de tal uso na qualidade de membro de uma coletividade. Diferente relação ocorre com os bens de uso especial, em que os usuários são um determinado público específico, representados pelos titulares dos respectivos direitos, genericamente determinado. Por fim, os bens públicos dominicais são aqueles que não possuem destinação, pois estão desprovidos de uma finalidade pública. Tratam-se, assim, de patrimônio disponível da Administração Pública e sujeitos à alienação. Mister se faz, ainda, comentar acerca das características dos bens públicos com base na doutrina de Odete Medauar (2007). A inalienabilidade significa afirmar que não pode haver disponibilidade dos referidos bens, porém não se apresenta de modo absoluto, pois os bens dominicais, conforme relatado acima, estão sujeitos à alienação, dependendo, naturalmente, da manifestação volitiva da Administração Pública. A imprescritibilidade significa a impossibilidade dos bens públicos serem usucapidos, independentemente da sua condição ou localidade, ou seja, embora não tenham afetação pública, conforme preceitua os artigos 182, 3º e 191, parágrafo único, da Constituição Federal de 1988 e artigo 102, do Código Civil. Também não há possibilidade de haver, em caso de execução forçada contra o Poder Público, penhora dos bens integrantes do domínio público, pela característica da impenhorabilidade. A lei constitucional admite, excepcionalmente, em seu artigo 100, 2º, o seqüestro de bens em caso de preterição ou ferimento à ordem cronológica do pagamento dos precatórios. Não há possibilidade, também, de pesar sobre os bens públicos um gravame real de garantia (hipoteca, penhor ou anticrese). Chama-se impossibilidade de oneração. Já a chamada polícia dos bens públicos destina-se à manutenção do patrimônio e não à limitação ao exercício de direitos, como se habitualmente costuma entender, completa a doutrinadora Odete Medauar (2007). Por fim, os bens públicos estão imunes de impostos instituídos pelos entes federativos, conforme artigo 150, inciso VI, da Constituição Federal de 1988; ou seja, gozam de imunidade de imposto. A doutrina de Renan Lotufo (2003) remete importante comentário no que tange ao regime jurídico sobre o qual os bens estão sujeitos ao Estado. Ao passo que analisa acerca do artigo 99, do Código Civil, ensina que os bens públicos de uso comum do povo e os de uso especial são considerados de domínio público do Estado; enquanto que os bens dominicais são de domínio privado do referido ente. Tal distinção é feita notadamente, em razão primordial, pelo fato dos bens públicos de uso comum do povo e de uso especial serem afetados com uma destinação social específica e, portanto, insuscetíveis de alienação, daí seu regime jurídico de domínio público. No que se refere aos bens dominicais, seu caráter é de domínio privado, já que não estão afetados com nenhuma destinação pública específica, o que lhe possibilita a alienação, daí o seu caráter disponível. Aqui, entende-se que a Administração Pública exerce "poderes de proprietário", expressão utilizada por Clóvis Beviláqua, dado o caráter semelhantemente privado ao bem dominical. O domínio público e o princípio da função social da propriedade O princípio da função social da propriedade, expressamente previsto na Constituição Federal, indiscutivelmente é norma que sujeita a propriedade privada a limites concernentes ao seu uso, gozo e disposição, relativamente compatíveis ao interesse e bem-estar da coletividade. Porém, no que tange ao domínio público, o princípio da função social da propriedade não goza de previsão expressa, muito menos de certeza quanto à sua aplicabilidade. Não há dúvida que todo patrimônio público está a serviço do interesse coletivo da sociedade no que se refere ao seu bem-estar. Assim, primordialmente, parece até redundante falar em função social da propriedade pública. O que existe entre a propriedade particular e a pública é uma diferenciação quanto ao tratamento da função social da propriedade, posto que, na primeira, há visivelmente confronto quanto ao interesse individual do titular do domínio e o interesse público. Já na segunda, não se vislumbra referido conflito com tamanha dimensão, uma vez que os bens públicos, pela sua própria natureza, atendem primordialmente ao interesse coletivo, na medida em que lhes atribuir função social não se mostra de certa estranheza, conforme defende Maria Sylvia Zanella di Pietro (1989). Inicialmente, a propriedade particular não detinha o caráter social preconizado na norma. Com a intervenção * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

6 estatal em razão da escassez de riquezas, do alastramento da miséria, da ambição desenfreada do homem, do mau uso dos bens e dos conflitos decorrentes destes indicadores, a propriedade privada passou a servir como meio para a promoção do bem comum, diferentemente da propriedade pública, que já nasceu com o aspecto social. Conforme defende Maria Sylvia Zanella di Pietro (1989), ao passo que o princípio da função social começou a ser aplicado à propriedade privada, na Constituição de Weimar de 1919, a concepção doutrinária que atribuía às pessoas jurídicas estatais a titularidade dos bens públicos estava em pleno crescimento, por isso, não se cogitava em estender referido princípio à propriedade pública. À época das monarquias absolutas, os bens pertenciam à Coroa; e esta relação não se coadunava com a natureza da propriedade pública, já que grande parte dos bens era destinada ao uso de todos, cumprindo uma função social, consoante as linhas doutrinárias de Maria Sylvia Zanella di Pietro (1989). Na verdade, as pessoas jurídicas de direito público interno são meras gestoras do uso, conservação e funcionamento adequado e organizado dos referidos bens, pois, em razão de serem utilizados pela coletividade, necessitam de administração, até mesmo para garantir a segurança das pessoas e da preservação dos mesmos. Entender que a propriedade pública possui uma função social seria, na doutrina de Carlos Ari Sundfeld (2002, p ): [...] possibilitar a sanção jurídica da inércia do Poder Público (omissão em ordenar o emprego do solo e proteger o patrimônio coletivo; [...] fornecer parâmetros normativos para controle das orientações seguidas pela política urbana, com isso viabilizando a invalidação das normas e atos a eles contrários; ainda, permitir o bloqueio dos comportamentos privados que agridam o equilíbrio urbano [...]. Ou seja, o poder público teria o dever de regular a utilização de bens públicos e de fiscalizá-la a fim de reprimir as infrações, tudo com o intuito de que a propriedade se faça para fins públicos e garantir a cidade sustentável. A propriedade não é um direito subjetivo do possuidor, mas uma função a ele imposta, de forma que a sua utilização necessitará está de acordo com o interesse público, máxime no que se refere a não possibilidade de abuso dos poderes inerentes à propriedade. A Administração Pública não pode dispor livremente do domínio público, pois, além de servir como meio à consecução de fins públicos, referido ente está obrigado a usá-lo de modo a privilegiar o interesse social. Os bens públicos estão, também, submetidos ao cumprimento da função social da propriedade, pois serve para que a Administração Pública realize os fins os quais está obrigada a cumprir, notadamente pelo fato daqueles estarem predestinados a atender a objetivos eminentemente públicos, dada a sua própria natureza. Analisando-se o artigo 182, da Lei Maior, percebe-se que a política de desenvolvimento urbano definiu por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais e garantir o bem-estar dos administrados. Conclui-se, portanto, que, consoante doutrina de Sílvio Luís Ferreira da Rocha (2005, p. 127): [...] a finalidade cogente informadora do domínio público não resulta na imunização dos efeitos emanados do princípio da função social da propriedade, previsto no texto constitucional. Acreditamos que a função social da propriedade é princípio constitucional que incide sobre toda e qualquer relação jurídica de domínio, pública ou privada, não obstante reconheçamos ter havido um desenvolvimento maior dos efeitos do princípio da função social no âmbito do instituto da propriedade privada, justamente em razão do fato de o domínio público, desde a sua existência, e, agora, com maior intensidade, estar, de um modo ou de outro, voltado sempre ao cumprimento de fins sociais, pois, como visto, marcado pelo fim de permitir à coletividade o gozo de certas utilidades. É incontestável que, por premissa lógica, toda e qualquer ação do Poder Público deverá estar direcionada ao desenvolvimento social, com o objetivo primordial de promover o bem-estar social. Éderson Pires (2006) exemplifica, em sua doutrina, que o Estado, justificadamente no atendimento ao seu mister, necessite dispor de bens imóveis, estes estariam sim atendendo a função social, respeitados os tramites formais atinentes ao procedimento. Verifica-se, neste diapasão, que os imóveis públicos devem, por meio da atuação da Administração Pública, ser usados da melhor forma possível para que cumpram a função social da propriedade, não significando que os bens públicos percam as suas características essenciais e prerrogativas legais quando verificado que não estão cumprindo referido princípio constitucional. Neste aspecto, o Estado age com híbrida função, tanto como responsável pelo cumprimento da norma abstrata como titular do direito, fiscalizado pelos cidadãos e órgãos institucionais encarregados de defender os interesses difusos e coletivos. Os entes federativos exercem uma cooperação com o objetivo de velar pelos interesses sociais, podendo, segundo as lições de Helly Lopes Meirelles (1992), observado a hierarquia federativa e autorização legislativa para o ato expropriatório, haver desapropriação, por entidades estatais superiores, de bens públicos que não cumprem a função social da propriedade e verificada a governabilidade tendenciosa a interesses individuais, já que a concepção contemporânea do Estado Social não pode desassociar-se do seu objetivo maior, qual seja, a utilidade púbica. Há, ainda, a possibilidade dos governantes serem compelidos judicialmente a corrigir o ato administrativo desprovido de utilidade pública, em razão da má gestão administrativa voltada a interesses individuais, que afrontam os princípios constitucionais norteadores da função pública, esculpidos no artigo 37, da * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

7 Constituição Federal de Uma vez analisado o domínio público e suas implicações atinentes ao administrador, resta, por fim, considerar acerca dos bens públicos, distintamente, à luz do princípio da função social da propriedade. Quanto aos bens de uso comum do povo e aos de uso especial, pode-se afirmar que estes desempenham, em razão da sua afetação pública, por si só, uma função social que lhes é inerente. Contudo, não impede que se amplie essa função, assegurando-se a possibilidade de utilização privativa que não contrarie o interesse público. Ou seja, dos bens públicos devem-se extrair o máximo de benefícios à coletividade, desdobrando-se em tantas quantas forem as possibilidades de utilização compatíveis com a destinação e conservação do bem. A doutrina de Maria Sylvia Zanella Di Pietro (2006, p.07) ensina acerca das possibilidades de atuação da Administração Pública face os bens públicos: [...] o poder público tanto pode restringir como pode ampliar o uso de bens públicos. Quando restringe, está exercendo o poder de polícia sobre o patrimônio público. Tais restrições abrangem medidas de diferentes modalidades, como regras sobre circulação, sobre tráfego, sobre remuneração. Quando amplia, está atendendo ao princípio da função social da propriedade pública, uma vez que está cumprindo o dever de garantir que a utilização dos bens públicos atenda da forma mais ampla possível ao interesse da coletividade. Tais alargamentos das modalidades de uso privativo de bens públicos certamente não podem dar margem a lesões ao patrimônio público, sob pena de gerar medidas judiciais capazes de frear a permissão ilegal do Poder Público. Complemente-se, também, acerca do princípio da supremacia do interesse público sobre o privado que, na concepção moderna, a Administração Pública atua como parceira do particular e não somente com atos impositivos que se sobrepõem ao interesse privado. Há, aqui, o entendimento de que o indivíduo pode se utilizar da permissiva do Poder Público e usar o bem público, maximizando o seu melhor aproveitamento, atendendo, ao máximo o interesse público e promovendo uma melhor e maior utilização do bem. Além do mais, o Estado não possui um fim em si mesmo, não se tolerando que se coloque a propriedade de bens públicos com valor superior à vida humana e ao bem-estar da população; ocasião em que os imóveis públicos não aproveitados deverão ceder lugar ao aproveitamento privado, uma vez que se se permite o uso de terrenos de marinha para a construção de casas de veraneio, não há lugar para se inadmitir a concessão de bens públicos desafetados para fins de uso especial de moradia - que encontra guarida no artigo 183, da Lei Maior e na Medida Provisória nº 2.220, de 4 de setembro de , locação - com previsão no artigo 64, 1º, do Decreto-Lei nº 9.760, de 5 de setembro de , e cessão de uso - previsto no artigo 64, do Decreto-Lei nº 9.760/46 e artigo 18, da Lei nº 9.636, de 15 de maio de , dentre outras modalidades descritas no artigo 4º, do Estatuto da Cidade, estando compatíveis a utilização com o bem ao qual ela se destina. Embora o regime jurídico que regula a propriedade privada seja diferente da pública, notadamente pelo fato dos princípios que a esta informam são próprios e específicos do direito administrativo, portanto incompatíveis com os princípios informadores do direito privado, o princípio da função social da propriedade é também aplicado ao domínio público, como analisado acima, em atendimento a outra norma abstrata que se refere à dignidade da pessoa humana. De outro lado, entende-se que os bem públicos estariam, também, vinculados ao disposto no plano diretor e ao Estatuto da Cidade, uma vez que o texto constitucional não reservou aos imóveis públicos a prerrogativa de não se sujeitarem ao princípio da função social da propriedade, afinal o desenvolvimento das cidades também é interesse dos entes federativos detentores do domínio dos bens públicos, pois é fim social. Quanto aos bens dominicais, em arremate, os quais o Estado exerce sobre eles direito real de propriedade semelhantemente ao do particular, não cumprem, a priori, a finalidade pública concernente ao princípio da função social da propriedade. Referidos bens compõem o patrimônio disponível do Estado, pois não estão destinados a cumprir nenhum fim público específico. Impossível tolerar que tais bens exercem puramente uma função patrimonial ou financeira do Estado, embora componham o erário público, os bens públicos devem atender, utilitariamente, à finalidade pública. Assim, os bens dominicais, diferentemente dos bens de uso comum e especiais, estão sujeitos a sanções, consoante as lições de Sílvio Luís Ferreira da Rocha (2005, p. 146): "Portanto, é possível que o ente público, titular de tais bens, veja-se forçado, mesmo contra a sua vontade, a ter que realizar neles obras de parcelamento compulsório, edificação ou ter os mesmos desapropriados." Há de se ponderar acerca das sanções acima citadas, uma vez que a aplicação da tributação progressiva do Imposto Predial Territorial Urbano é medida impossível de ser aplicada dada a existência da imunidade reciprocamente concedida aos entes federativos (princípio da isonomia das pessoas políticas). Acrescente-se, ainda, o parcelamento e a edificação ou utilização compulsórios, como dependem de previsão orçamentária e fontes de custeio, não são possíveis de aplicação, enquanto execução de sanção aos entes públicos. A usucapião não seria, também, possível, dada a dicção dos artigos 183, 3º e 191, parágrafo único, da Lei Magna e artigo 102 do Código Civil. Entende-se aqui, que o princípio da função social da propriedade não autorizaria, por si só, a usucapião de bens dominicais, embora não cumpridores de tal norma abstrata, já que haveria incompatibilidade de tais normas constitucionais. * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

8 Entender-se-ia, numa análise apressada da questão, que o princípio da função social da propriedade, por ser uma norma mais abstrata e geral que os artigos 183, 3º e 191, parágrafo único, da Lei Fundamental e artigo 102, do Código Civil, se sobressaia; contudo não se deve olvidar acerca dos princípios interpretativos da constituição, o que se verifica na leitura de Konrad Hesse, Friedrich Muller e J.J. Gomes Canotilho. As regras não podem ser ponderadas e sua aplicação deve ocorrer na medida exata da sua prescrição. Além disso, a Constituição Federal de 1988 deve ser interpretada de forma a evitar contradições entre as suas normas (princípio da unidade), interpretando-a como um todo, segundo o método sistemático formulado por Hans Kelsen. Acrescente-se, ainda, que, diante da colisão entre normas constitucionais, o interprete deve coordenar os bens em conflito, realizando uma redução proporcional de cada um deles, evitando uma exegese prejudicial ao texto constitucional (princípio da concordância prática ou harmonização). Entender que o descumprimento ao princípio da função social da propriedade pelos bens dominicais ensejaria guarida à usucapião seria admitir que o parágrafo primeiro, do artigo 217, da Lei Maior, que condiciona, às causas relativas ao desporto, o esgotamento das instâncias da justiça desportiva a apreciação do Poder Judiciário, estaria em desconformidade com o disposto no artigo 5º, inciso XXXV, do mesmo diploma, que consagra o princípio da inafastabilidade do Poder Judiciário. Tal limitação não ofende o princípio acima, pois a própria lei constitucional prevê a exceção, embora não especifique regra. Analisem-se as linhas doutrinárias de Humberto Ávila (2009, p. 05) acerca da problemática em liça: No caso de regras constitucionais, os princípios não podem ter o condão de afastar as regras imediatamente aplicáveis situadas no mesmo plano. Isso porque as regras têm a função, precisamente, de resolver um conflito, conhecido ou antecipável, entre razões pelo Poder Legislativo Ordinário ou Constituinte, funcionando suas razões (autoritativas) como razões que bloqueiam o uso das razões decorrentes dos princípios (contributivas). Daí se afirmar que a existência de uma regra constitucional elimina a ponderação horizontal entre princípios pela existência de uma solução legislativa prévia destinada a eliminar ou diminuir os conflitos de coordenação, conhecimento, custos e controle de poder. E daí se dizer, por conseqüência, que, num conflito, efetivo ou aparente, entre uma regra constitucional e um princípio constitucional, deve vencer a regra. Dessa forma, admite-se que os bens dominicais sofram certas intervenções, já que, em regra, não cumprem a função social da propriedade. Contudo, a aplicação destas interferências deve ser compatível à natureza da sanção, respeitando-se o status do ente político descumpridor e sua obrigação de fazer garantir o caráter social bens públicos. Conclusão Verificou-se, portanto, que a função social da propriedade é princípio constitucional que se faz ser cumprido através do plano diretor, como forma de promover o urbanismo das cidades para a consecução do bem-estar social. A priori, referido princípio é aplicado às propriedades particulares, sendo entendimento pacífico, inclusive por ser forma de trilhar a atuação do proprietário na extração de satisfações atinentes ao bem possuído, compatibilizando com o gravame social o qual a propriedade está conformada. Apesar desta limitação, não se retira do secular direito seu caráter protetivo, uma vez que, mesmo aquele bem que não cumpre o princípio da função social, tem protegida a relação com seu possuidor, ocasião em que há o pagamento de indenização com títulos da dívida pública. A questão nuclear que se coloca é a extensão da aplicação do princípio da função social da propriedade aos bens públicos, considerando que estes são importantes instrumentos para o cumprimento do interesse público. Neste diapasão, não obstante o vínculo de natureza administrativa dos bens públicos ser diferente do sentido tradicional aplicado do bem particular em relação ao seu possuidor, sente-se, aqui, que o princípio da função social da propriedade é extensivo ao domínio público. Dessa forma, os bens de uso comum do povo, em razão da sua afetação, por si só, já cumprem citada norma; todavia nada impede que se amplie a função que lhes é inerente, assegurando uma utilização privativa com o intuito de extrair o máximo de benefícios possíveis, sem que haja contrariedade ao interesse social. Há, aqui, um verdadeiro desdobramento de tantas quantas forem as formas de utilização compatíveis com a destinação, utilização e conservação do bem, notadamente pelo fato da coisa pública não possuir um fim em si mesmo, sendo, portanto, sujeita ao bem-estar da população. Repousa a maior controvérsia quanto aos bens dominicais; entretanto, verificando-se que o Estado possui híbrida função - tanto é responsável pelo cumprimento da norma abstrata como titular do direito, fiscalizado pelos cidadãos e órgãos institucionais encarregados de defender os interesses difusos e coletivos, podendo, inclusive, se ver compelido pelo Poder Judiciário a corrigir o ato administrativo dissociado de proporcionalidade e razoabilidade -, resta, portanto, afirmar que tais bens vão sim de encontro ao princípio * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

9 da função social da propriedade. Assim, sujeitos ao citado princípio, o Poder Público se vê vinculado aos ditames da Constituição Federal de 1988, do Estatuto da Cidade e do Plano Diretor. Ou seja, tais diplomas não reservaram a prerrogativa do domínio público não se sujeitar ao princípio da função social da propriedade, afinal o desenvolvimento equilibrado e distributivo das cidades é fim social; portanto, interesse dos entes federativos. No que se refere à aplicação de sanções, entende-se que são, relacionando o Poder Público e o particular, aplicadas de forma restritiva, uma vez que não é possível a aplicação da tributação progressiva do Imposto Predial Territorial Urbano, em razão do princípio da isonomia das pessoas políticas e a imunidade recíproca dos entes federativos; também não é possível obras de parcelamento e edificação compulsórias, já que dependem de previsão orçamentária e fontes de custeio. Atinente a desapropriação, entende-se que, uma vez existente a relação de cooperação entre os entes federativos que têm o objetivo de velar pelos interesses sociais, há a possibilidade, observada a hierarquia federativa e autorização legislativa para o ato expropriatório, das entidades estatais superiores desapropriarem os bens públicos não cumpridores do princípio da função social da propriedade, quais sejam, os bens dominicais, verificada a governabilidade tendenciosa a interesses individuais, sob o pretexto de atender ao interesse público. A desapropriação, e somente ela no atual ordenamento jurídico brasileiro, seria admissível aos bens públicos não cumpridores da função social da propriedade. Mesmo o instituto da usucapião também não poderia ser aplicado em desfavor do Poder Público, dado o caráter imprescritível dos bens públicos e do referido princípio não ser suficiente para permitir tal fim em relação aos particulares, consoante prescrição do artigo 183, 3º e artigo 191, parágrafo único, da Lei Fundamental e artigo 102 do Código Civil. Referências ÁVILA, Humberto. "Neoconstitucionalismo": entre a "ciência do direito" e "direito da ciência". Revista Eletrônica do Direito do Estado. Salvador, nº 17, p , jan/fev/mar, BARROS JÚNIOR, Edmilson de Almeida. O IPTU progressivo como instrumento essencial ao estatuto da cidade e da política urbana. Revista Cearense Independente do Ministério Público, Fortaleza, v.6, n , p , abr./jul BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 2213, julgada pelo Tribunal Pleno do Supremo Tribunal Federal, sob a relatoria do ministro Celso de Mello, DF, 04 de abril de Disponível em:. Acesso em: 01 fev Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº , julgado pelo Tribunal Pleno do Supremo Tribunal Federal, sob a relatoria do ministro Moreira Alves, DF, 05 de junho de Disponível em:. Acesso em: 24 jan BULOS, Uadi Lammêgo.Constituição Federal Anotada. 6. ed. São Paulo: Saraiva, Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Ed. revista e atualizada. Rio de Janeiro: Forense, DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Função Social da Propriedade Pública. Revista Eletrônica de Direito do Estado. Salvador, nº 6, p. 1-13, abril/maio/junho, A gestão jurídica do patrimônio imobiliário do Poder Público. Cadernos FUNDAP. São Paulo, ano 9, nº 17, p , dez, GUIDIO, Jorgina de Fátima Marcondes. A evolução do conceito de propriedade. Argumentum Jure, Rondonópolis, v. 2, n.2, p , jul./dez * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

10 LOTUFO, Renan. Código Civil Comentado, Parte Geral (arts. 1º a 232). vol. 1. São Paulo: Saraiva, MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. 11. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, PELLERINO, Giovanni. Evolução do conceito de propriedade: da "função social" à "função estrutural". Veredas do direito, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p , jan./jul PINTO, Victor Carvalho. Direito Urbanístico: Plano Diretor e Direito de Propriedade. São Paulo: Revista dos Tribunais, PIRES, Éderson. A origem da função social da propriedade e sua aplicabilidade à propriedade pública. Revista Univille, Joinville, v. 11, n.2, p , ROCHA, Sílvio Luís Ferreira da. Função Social da Propriedade Pública. São Paulo: Malheiros, RODRIGUES, Francisco Luciano Lima. Função social da propriedade - notas sobre a sua evolução conceitual. Themis: revista da ESMEC, Fortaleza, v.3, n. 2, p , SANTOS, Márcia Walquiria Batista dos. A propriedade e a evolução da sua função social. Boletim de Direito Administrativo BDA, São Paulo, v. 22, n. 4, p , abr SUNDFELD, Carlos Ari. O Estatuto da Cidade e suas Diretrizes Gerais. In Estatuto da Cidade (Comentários à Lei Federal /2001). Org: Adilson Abreu Dallari e Sérgio Ferraz. São Paulo: Malheiros, 2002, p * Trabalho publicado nos Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI realizado em Fortaleza - CE nos dias 09, 10, 11 e 12 de Junho de

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE

INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Administrativo Prof. Flávia Cristina Data: 07/10/2009 Aula nº. 04 INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE 1. Modalidades a) Requisição b) Servidão c) Ocupação Temporária

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO.

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. 1 AS SANÇÕES APLICÁVEIS NO CASO DE SOLO NÃO EDIFICADO, SUBUTILIZADO, OU NÃO UTILIZADO. Gina Copola (outubro de 2.012) I Tema atual

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO 19 A DISPENSA DE EMPREGADOS EM EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA PRESTADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS OU EXPLORADORAS DE ATIVIDADES ECONÔMICAS EM REGIME DE MONOPÓLIO Adib Pereira Netto Salim*

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Leonardo Costa Schüler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA Carolina Tavares Assis 1 Emerson de Morais Granado 2 SUMÁRIO Introdução; 1 O direito de propriedade; 2 A função social da propriedade; 3 A supremacia do interesse

Leia mais

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL FUNÇÃO DOS TRIBUTOS FUNÇÃO FISCAL OU ARRECADATÓRIA; FUNÇÃO EXTRAFISCAL OU REGULATÓRIA NECESSIDADE ARRECADATÓRIA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Resolução das questões de Direito Administrativo do VII Exame Unificado da OAB, realizado em 27/05/2012.

Resolução das questões de Direito Administrativo do VII Exame Unificado da OAB, realizado em 27/05/2012. Resolução das questões de Direito Administrativo do VII Exame Unificado da OAB, realizado em 27/05/2012. Prof. Tiago Schubach DIREITO ADMINISTRATIVO 1- É correto afirmar que o poder de polícia, conferindo

Leia mais

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO

UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO UTILIZAÇÃO PARTICULAR DE BEM PÚBLICO Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Particular pode utilizar, com exclusividade, loja pertencente à prefeitura municipal localizada no terminal rodoviário? Há necessidade

Leia mais

OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL

OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL JOSÉ DOS SANTOS CARVALHO FILHO Procurador de Justiça/RJ, Professor da UFF, da Universidade Estácio de Sá e da EMERJ 1. Não é difícil a nenhum intérprete jurídico admitir

Leia mais

OS DIREITOS REAIS E A LEI 11.481/2007

OS DIREITOS REAIS E A LEI 11.481/2007 OS DIREITOS REAIS E A LEI 11.481/2007 Professor Mestre Washington Carlos de Almeida 1 Professor da Faculdade de Direito - UPM A sociedade, tal como a conhecemos atualmente sempre foi marcada por uma complexa

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário 1 ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário Posição histórica Também conhecido como sisa, até 1988 era da competência dos Estados. A partir da Constituição Federal de 1988, passou

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Poder de Polícia: conceito, características e meios de atuação e divisão no atual sistema administrativo brasileiro Ricardo Pontes de Almeida* INTRODUÇÃO A partir do estudo do sistema

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Objetivos O presente curso tem por objetivo apresentar os princípios constitucionais do Direito Administrativo iniciando-se com um breve relato sobre

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

Alexandre Levin. Sumário. 1. Introdução os institutos de política urbana previstos nos artigos 5º, 7º e 8º da Lei 10.257/2001.

Alexandre Levin. Sumário. 1. Introdução os institutos de política urbana previstos nos artigos 5º, 7º e 8º da Lei 10.257/2001. A aplicação dos institutos de política urbana previstos nos artigos 5º, 7º e 8º do Estatuto da Cidade aos bens imóveis de autarquias e fundações públicas Alexandre Levin Sumário. Introdução os institutos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Maria Amélia da Silva Castro A função controle exercida pelo parlamento: o papel

Leia mais

POTENCIAL DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEADE IMOBILIÁRIA PARA MOBILIZAÇÃO DE RECEITA MUNICIPAL. Cintia Estefania Fernandes cintia@pgm.curitiba.pr.gov.

POTENCIAL DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEADE IMOBILIÁRIA PARA MOBILIZAÇÃO DE RECEITA MUNICIPAL. Cintia Estefania Fernandes cintia@pgm.curitiba.pr.gov. POTENCIAL DO IMPOSTO SOBRE A PROPRIEADE IMOBILIÁRIA PARA MOBILIZAÇÃO DE RECEITA MUNICIPAL Cintia Estefania Fernandes cintia@pgm.curitiba.pr.gov.br TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA: ANÁLISE LEGAL COMPARATIVA BRASIL

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

PARECER PARECER SOBRE LEGALIDADE DAS CÂMARAS MUNICIPAIS FILIAREM Á ABRACAM E CONTRIBUIREM FINANCEIRAMENTE COM A INSTITUIÇÃO.

PARECER PARECER SOBRE LEGALIDADE DAS CÂMARAS MUNICIPAIS FILIAREM Á ABRACAM E CONTRIBUIREM FINANCEIRAMENTE COM A INSTITUIÇÃO. PARECER PARECER SOBRE LEGALIDADE DAS CÂMARAS MUNICIPAIS FILIAREM Á ABRACAM E CONTRIBUIREM FINANCEIRAMENTE COM A INSTITUIÇÃO. REFERÊNCIA AO PARECER DO TCE/MG, QUE MANIFESTOU EM RESPOSTA A CONSULTA DA CÂMARA

Leia mais

As organizações sociais e o contrato de gestão

As organizações sociais e o contrato de gestão As organizações sociais e o contrato de gestão Nina Novaes Coutinho Resumo Este trabalho visa mostrar a importância da Organização Social para o desenvolvimento social. Para tanto, o trabalho apresenta

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA.

O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA. O PRINCÍPIO DA ORDEM ECONÔMICA CONSTITUCIONAL E A FUNÇÃO SÓCIO-AMBIENTAL DA PROPRIEDADE PRIVADA URBANA. TEREZA EMÍLIA LIJMA DE PAULA Fortaleza - CE 01. OBJETIVOS Outubro, 2007 4.1 OBJETIVO GERAL: Apresentar

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI ANDRÉIA GOMES LIMA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI ANDRÉIA GOMES LIMA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI ANDRÉIA GOMES LIMA O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL ECONÔMICO

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF

DIREITO TRIBUTÁRIO Técnico TRF SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 1. Conceito de Direito Tributário 1 É ramo do Direito Público, uma vez que presente o Poder de Império do Estado na relação jurídica, prepondera o interesse da coletividade.

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A criação de área de proteção ambiental e o dever estatal de indenizar Bruno Quiquinato Ribeiro* A partir de um exemplo prático de intervenção estatal na propriedade, qual seja a

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

PODER DE POLÍCIA NA ARGENTINA E NO BRASIL. Luciano Machado Ferreira Doutorando, Especialista em Ciências Criminais e Direito Público - Professor IPTAN

PODER DE POLÍCIA NA ARGENTINA E NO BRASIL. Luciano Machado Ferreira Doutorando, Especialista em Ciências Criminais e Direito Público - Professor IPTAN PODER DE POLÍCIA NA ARGENTINA E NO BRASIL Luciano Machado Ferreira Doutorando, Especialista em Ciências Criminais e Direito Público - Professor IPTAN Emerson dos Santos Ribeiro Especialista - Professor

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II Código: DIR-369-b Pré-requisito: Direito Administrativo I Período

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada*

Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Progressividade fiscal de imposto de natureza real Kiyoshi Harada* Em inúmeros textos escritos anteriormente deixamos bem claro que a progressividade fiscal nada tem a ver com a natureza real ou pessoal

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL RECOMENDAÇÃO/ORIENTAÇÃO Nº 002/2008 PGJ/CGMP/CACOP/MP-PI Recomendação aos agentes públicos e dirigentes de entidades, órgãos públicos e Poderes, que detenham a atribuição de nomear e exonerar ocupantes

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Direito Administrativo I

Direito Administrativo I Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Público Direito Administrativo I Carga Horária: 60 h/a 1- Ementa 1 Estado. 2 Poderes

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 IMUNIDADE TRIBUTÁRIA: UM ENTRAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DE PEQUENO E MÉDIO PORTE À LUZ DO ARTIGO 170 DA INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971/2009 Victor Leão Teles Cruvinel Ferreira¹ Patrícia Spagnolo Parise²

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

Saúde, vida e patrimônio. A convicção de que o direito à vida é superior ao direito patrimonial é lógica. Mais

Saúde, vida e patrimônio. A convicção de que o direito à vida é superior ao direito patrimonial é lógica. Mais Saúde, vida e patrimônio. Marcelo Moscogliato. (Artigo publicado pelo Ministério da Saúde no Boletim de Direitos Humanos nº 01, de Maio de 1997, em Brasília DF.) A convicção de que o direito à vida é superior

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade.

Princípios da Administração Pública. Direito Administrativo. Princípios da Administração Pública. Legalidade. Impessoalidade. Direito Administrativo Princípios da Administração Pública Armando Mercadante Fev/2010 Princípios da Administração Pública Princípios expressos no caput do art. 37, CF Legalidade Impessoalidade Moralidade

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO O EXMO. SR. MINISTRO DIAS TOFFOLI: Ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Procurador-Geral da República em face da Emenda

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

Da Possibilidade de Reajuste de Contrato de Plano de Saúde Anterior à Vigência do Estatuto do Idoso

Da Possibilidade de Reajuste de Contrato de Plano de Saúde Anterior à Vigência do Estatuto do Idoso 420 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I Da Possibilidade de Reajuste de Contrato de Plano de Saúde Anterior à Vigência do Estatuto do Idoso Rafael Estrela Nobrega 1

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96)

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Fernando José Araújo Ferreira Procurador da República no Paraná Recentemente o Ministério Público Federal

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

O DIREITO À SAÚDE E O PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL 2 O DIREITO À SAÚDE COMO GARANTIA FUNDAMENTAL

O DIREITO À SAÚDE E O PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL 2 O DIREITO À SAÚDE COMO GARANTIA FUNDAMENTAL O DIREITO À SAÚDE E O PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL Patrícia Gomes Ribeiro * 1 INTRODUÇÃO No ordenamento jurídico pátrio, a Constituição Federal de 1988 prevê em seu artigo 196, a saúde como direito

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO Introdução O Direito Administrativo reservou a expressão contrato administrativo para designar os ajustes que a Administração Pública celebra

Leia mais

PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA TELEFONIA CELULAR CONTRATAÇÃO PELO PODER LEGISLATIVO DE OPERADORA PARA ATENDER AOS VEREADORES, SERVIDORES E SEUS

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 164/2014/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Assunto: Licença por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro. Referência: Documento nº

NOTA TÉCNICA Nº 164/2014/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Assunto: Licença por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro. Referência: Documento nº Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral Aplicação das Normas NOTA TÉCNICA Nº 164/2014/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP

Leia mais

Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes

Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes Doação e cessão de direito real de uso de bens imóveis públicos a pessoas carentes CONSULTA N. 835.894 EMENTA: Consulta Câmara Municipal Doação de bens imóveis públicos a pessoas comprovadamente carentes

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

NORMAS CONSTITUCIONAIS I. REGRAS. I.1. Subsunção (tudo ou nada) VALORES: saúde, segurança e sossego

NORMAS CONSTITUCIONAIS I. REGRAS. I.1. Subsunção (tudo ou nada) VALORES: saúde, segurança e sossego NORMAS CONSTITUCIONAIS REGRAS PRINCÍPIOS I. REGRAS I.1. Subsunção (tudo ou nada) VALORES: saúde, segurança e sossego REGRA: é proibida a emissão de ruído superior a 85 decibéis depois das 22 horas VALORES:

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

BENS PÚBLICOS PARTE II ROTEIRO DE AULA

BENS PÚBLICOS PARTE II ROTEIRO DE AULA BENS PÚBLICOS PARTE II ROTEIRO DE AULA 5. REGIME JURÍDICO - CONTINUAÇÃO 5.1. INALIENABILIDADE RELATIVA - preenchidas algumas condições, é possível alienar o bem. Exige-se autorização legislativa quando

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi 1 1. Introdução Princípio é a regra básica implícita ou explícita que, por sua grande generalidade, ocupa posição de destaque

Leia mais

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação.

A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. www.apd.adv.br +55 (27) 3019-3993 A inconstitucionalidade na fixação de alíquotas progressivas para o Imposto sobre transmissão causa mortis e doação. RESUMO: Atualmente muitos contribuintes realizam o

Leia mais

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL

EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL EDUARDO RAFAEL WICHINHEVSKI A APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS DA UNIVERSALIDADE E DA PRECEDÊNCIA DA FONTE DE CUSTEIO NA SEGURIDADE SOCIAL CURITIBA 2013 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2UNIVERSALIDADE DE COBERTURA

Leia mais

Art. 1º - Ficam acrescidos ao artigo 1º da Lei Municipal nº 1.424, de 25 de março de 2010, os incisos III e IV:

Art. 1º - Ficam acrescidos ao artigo 1º da Lei Municipal nº 1.424, de 25 de março de 2010, os incisos III e IV: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 001 /2015 Altera a redação do artigo 1º da Lei Municipal nº 1.424, de 25 de março de 2010, ampliando as hipóteses de isenção de pagamento de taxa de inscrição em concursos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress.

Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress. Direito & Cotidiano Diário dos estudantes, profissionais e curiosos do Direito. http://direitoecotidiano.wordpress.com/ Rafael Adachi PRINCÍPIOS DO DIREITO ADMINISTRATIVO Supremacia do Interesse Público

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO/GOIÁS

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO/GOIÁS RECOMENDAÇÃO EXPEDIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS A RESPEITO DA ILEGALIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE CHÁCARAS E SÍTIOS DE RECREIO NA ZONA RURAL Santo Antônio do Descoberto 26, de agosto de 2013.

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

O parcelamento do imóvel rural via fração mínima de parcelamento frente à função social da propriedade

O parcelamento do imóvel rural via fração mínima de parcelamento frente à função social da propriedade O parcelamento do imóvel rural via fração mínima de parcelamento frente à função social da propriedade Élcio Cruz de Almeida e Crysthian Drummond Sardagna Sumário 1. Introdução. 2. Imóvel rural e função

Leia mais