Felipe Galesco São Paulo: 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br"

Transcrição

1 O suicídio é coberto ou não pelo seguro de vida dentro do período de carência? Felipe Galesco São Paulo: 2012

2 Para responder esta pergunta, vamos entender qual a sistemática do Código Civil. Em primeiro lugar, é necessário mencionar que o novo Código Civil mudou o sistema de realização e interpretação de contratos. Foi instituído, como preceito básico, o princípio da boafé objetiva. Princípio este que deve prevalecer em todo e qualquer negócio jurídico praticado neste país. Mas o que é o princípio da boa-fé objetiva e o que muda no conceito da relação de seguros?

3 Doutrinariamente, podemos conceituar a boa fé como sendo o princípio que deve nortear as relações humanas, sejam elas contratuais ou não. Esta regra faz com que as pessoas pratiquem atos dotados de honestidade, lisura, sinceridade, etc. Para o mercado de seguros, temos que o legislador Para o mercado de seguros, temos que o legislador reforçou que o contrato é regido pelo princípio da boa fé, tanto para o segurado quanto para o segurador, que devem agir com probidade e lealdade no seu cumprimento. O segurado deve primar pela lisura ao passar as informações ao segurador no momento da adesão ao contrato e o segurador deve cumprir sua obrigação prevista contratualmente.

4 Mas onde está isso na lei? Art Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé. Artigo 765 Boa fé no seguro: Art O segurado e o segurador são obrigados a guardar na conclusão e na execução do contrato, a mais estrita boa-fé e veracidade, tanto a respeito do objeto como das circunstâncias e declarações a ele concernentes.

5 Pela leitura dos citados artigos e aplicando-os ao contrato de seguro de vida, é nítido que não pode subsistir no clausulado qualquer premissa que duvide da boa fé do segurado que frustre o principal efeito jurídico pretendido: dar-lhe segurança. Dessa forma, pode-se dizer que no caso de dúvida, deve-se, sempre, interpretar a atitude dos segurados como sendo de boa fé. Essa é a regra prevista na lei! A regra, hoje, com o novo código civil é a da boa fé. Assim, a presunção que se pode ter é de que sempre houve boa fé na adesão ao contrato de seguro.

6 Se a boa-fé é presumida no momento da assinatura do contrato, a má-fé deve ser provada pela seguradora, para que os beneficiários percam o direito ao capital segurado. É assim que funciona em todos os contratos de seguro. Vocês sabem disso melhor do que eu. Se o segurado agiu de má-fé e isso é entendido como fraude, ele perderá o direito ao seguro. Logo, caso a seguradora alegue má-fé do segurado, tal alegação configurará fato impeditivo do seu direito, e com isso, o ônus da prova é da seguradora, pois terá de obedecer a regra normal do ônus da prova prevista no artigo 333, II, do Código de Processo Civil.

7 Conclui-se, de forma lógica, que se houver dúvidas com relação ao sinistro e, não havendo provas de que o segurado agiu com má-fé, o capital segurado é devido sempre. DA INTERPRETAÇÃO CONJUNTA DAS NORMAS Hoje, os melhores professores de interpretação legal ensinam que as normas devem ser interpretadas de forma conjunta, objetivando extrair o que se tem de melhor a respeito de um específico tema. Por exemplo, temos que visualizar o contrato de seguro de vida não apenas nos poucos artigos que o Código Civil lhe conferiu. Temos que equalizá-lo com o código de defesa do consumidor, com o estatuto do idoso e com os demais artigos do próprio código civil.

8 Torna-se necessário entender, então, que a lei não está jogada em nosso ordenamento jurídico, ela tem uma função e acima disso, ela faz parte de um conjunto de normas que regem os negócios jurídicos. No que tange ao contrato de seguro de vida, podemos, então, dizer que é regido pelo Código Civil e pelas demais fontes normativas que o envolvem. Podemos, ainda, pensar que o contrato de seguro de vida sofre influência do princípio da boa-fé, além das diretrizes do código de defesa do consumidor. Nunca esquecendo que o consumidor é aquele que possui prerrogativas de proteção, haja vista ser leigo no assunto de seguros.

9 Dessa forma, conclui-se que não se pode estabelecer um argumento único a respeito de qualquer tema, tem que se observar de maneira global o contexto das normas e aplicá-las corretamente ao caso concreto. A partir daqui, tendo feito esta base para o tema principal, podemos entrar na cobertura dentro do período de 02 anos.

10 O código civil revogado (de 1916) regulava o suicídio no contrato de seguro de vida e estipulava que haveria cobertura e obrigação de pagar o capital segurado ao beneficiário de segurado que suicidou-se sem premeditação. Ou seja, se o suicídio fosse premeditado, o beneficiário perdia o direito ao recebimento do capital segurado. A prova da premeditação ficava sob responsabilidade da seguradora. Porém, no código civil de 2002 foi incluído o artigo 798, que gerou e ainda gera muita discussão acerca de sua interpretação.

11 O artigo 798: O beneficiário não tem direito ao capital estipulado quando o segurado se suicida nos primeiros dois anos de vigência inicial do contrato, ou da sua recondução depois de suspenso, observado o disposto no parágrafo único do artigo antecedente. A partir da entrada em vigor do novo Código Civil, o mercado segurador interpretou esse período de 02 anos como sendo um período de isenção de cobertura, uma carência. Porém, por esta interpretação isolada do artigo 798, percebe-se que o prazo de 02 anos é um prazo de presunção da má-fé do segurado, pois se o sinistro ocorrer nesses 02 primeiros anos, a má-fé estava presumida e o capital seria negado.

12 Entretanto, como já visto, a presunção de má-fé é ilegal, restando claro que a única presunção permitida na lei é a de boa-fé. Mas então, por que o segurado tem que aguardar 02 anos para ter a total eficácia de seu contrato de seguro de vida? Não há explicação legal para isso. O Superior Tribunal de Justiça assim entendeu: A única forma de se negar o direito é se a seguradora comprovar que o segurado já tinha a intenção de tirar a sua vida no momento da adesão ao contrato de seguro de vida.

13 A interpretação literal do disposto no artigo 798 do Código Civil de 2002 representa exegese estanque, que não considera a realidade do caso com os preceitos de ordem pública, estabelecidos pelo Código de Defesa do Consumidor, aplicável obrigatoriamente aqui, em que se está diante de uma relação de consumo (REsp Ministro Massami Uyeda)

14 E, recentemente, a ministra Nancy Andrigui também decidiu na linha dos seus colegas, que com base no princípio da boa-fé, acataram o pedido dos beneficiários: Essa premissa é extremamente importante Essa premissa é extremamente importante para a hipótese de indenização securitária decorrente de suicídio, pois dela extrai-se que a presunção de boa-fé deverá também prevalecer sobre a exegese literal do artigo 798 do CC/02. (REsp )

15 CONCLUSÃO A regra contida no artigo 798 do Código Civil deve ser interpretada de acordo com todos os preceitos e fontes do direito, isto significa que não se pode analisá-lo de maneira literal e individual. Resta nítido que o legislador pretendeu resolver a discussão acerca da fraude no contrato de seguro de vida, porém o artigo deve ser analisado caso a caso, que, em muitos deles, pode não ter havido a premeditação ao suicídio do segurado, devendo ser reconhecido o direito de seus beneficiários.

16 Através da lógica e da hermenêutica jurídica aplicadas aos artigos do Código Civil de 2002, cumulados com o Código de Defesa do Consumidor e demais legislações específicas ao contrato de seguro, o beneficiário do segurado de vida apenas perderá o direito ao recebimento do capital segurado se o próprio segurado agir de má-fé no momento da contratação do seguro, momento em que não poderá omitir ou mentir quando estiver preenchendo a proposta ou passando as informações para seu corretor de seguros. Caso contrário, ou seja, se aderiu corretamente ao contrato, não poderá a seguradora eximir-se do pagamento aos beneficiários quando ocorrer o sinistro.

17 FIM! Obrigado a todos! Felipe Galesco Galesco Advogados Associados

Ronei Danielli RELATOR

Ronei Danielli RELATOR Apelação Cível n. 2014.020063-4, de Rio do Campo Relator: Des. Ronei Danielli SEGURO DE VIDA. SUICÍDIO. PERIODO DE CARÊNCIA PREVISTO NO ART. 798 DO CÓDIGO CIVIL. NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO DA VOLUNTARIEDADE

Leia mais

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003 COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos Capitulo XV - Do seguro Seção I Disposições gerais ART. 757 - PELO CONTRATO DE SEGURO,

Leia mais

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP.

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. Na mesma esteira dos planos de previdência privada, é comum os contratos de seguro de pessoas conterem, juntos

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL

O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL Voltaire Marensi e César Peixoto Embora muito antigo, o tema suicídio ressurgiu com força total e mostra

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.188.091 - MG (2010/0056466-0) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : SANDRA MARIA RAMOS BRAGA ADVOGADO : RENATO SIFFERT GIRUNDI DO NASCIMENTO E OUTRO(S) RECORRIDO : PORTO

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CONTRATOS DE SEGURO FRENTE AO SUICÍDIO DO SEGURADO

RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CONTRATOS DE SEGURO FRENTE AO SUICÍDIO DO SEGURADO RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CONTRATOS DE SEGURO FRENTE AO SUICÍDIO DO SEGURADO Karine Pires CREMASCO 1 Rafael Aragos 2 RESUMO: Tal questão é amplamente debatida e extremamente envolvida no âmbito da responsabilidade

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.077.342 - MG (2008/0164182-3) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : PAULO CEZAR FRAIHA : JOSÉ MAURO REAL ADAIR SIQUEIRA DE QUEIROZ FILHO E OUTRO(S)

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

826 Art. 798 CÓDIGO CIVIL INTERPRETADO CC2002 CC1916

826 Art. 798 CÓDIGO CIVIL INTERPRETADO CC2002 CC1916 826 Art. 798 volução da reserva técnica prevista no parágrafo único do 797 do CC/2002. Adoção de interpretação restritiva para impor a obrigação apenas nos seguros de vida em grupo. Impossibilidade. Recurso

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO

MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Nov./14 2 MANUAL DO CLIENTE BIZVOX, UBOOK E UMBARATO O produto disponibilizado pelas empresas Bizvox, Ubook

Leia mais

A doença pré-existente e a boa-fé objetiva no contrato de seguro de vida

A doença pré-existente e a boa-fé objetiva no contrato de seguro de vida Raquel Grellet Pereira Bernardi mestre em Direito Civil Comparado pela PUC-SP; mestre em Direito Comparado pela Universidade de Samford (EUA), professora de Direito Civil das Faculdades Integradas de Ourinhos,

Leia mais

A DOENÇA PRÉ-EXISTENTE E A BOA-FÉ OBJETIVA NO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA

A DOENÇA PRÉ-EXISTENTE E A BOA-FÉ OBJETIVA NO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA A DOENÇA PRÉ-EXISTENTE E A BOA-FÉ OBJETIVA NO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA Raquel Grellet Pereira Bernardi Mestre em Direito Civil Comparado pela PUC-SP; Mestre em Direito Comparado pela Samford University-USA;

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.050455-8/001 Númeração 0504558- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 19/05/2015 29/05/2015 EMENTA:

Leia mais

BILHETEPREMIÁVEL. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Ago./14

BILHETEPREMIÁVEL. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Ago./14 BILHETEPREMIÁVEL Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Ago./14 2 BILHETE PREMIÁVEL CAPEMISA MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O Bilhete Premiável Capemisa é um Seguro de Acidentes

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11 2 BEM TOTAL MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência que protege a sua família, caso algum imprevisto

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Seguro Seguro Seguro: latim securus - tranqüilo, sem receio, isento de cuidados, fora de perigo. Gramaticalmente exprime o sentido de livre e isento de perigos e cuidados, posto a salvo, garantido.

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 544, de 2013, do Senador Vicentinho Alves, que altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 2 Registro: 2015.0000086160 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0011047-84.2013.8.26.0011, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ORDALIA REGINA DA SILVA BUSO, são

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL Bruno Henrique Andrade Alvarenga O presente trabalho se pauta no estudo dos artigos 757 a 802 do Código Civil, mais especificamente no tocante ao Contrato de Seguro.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO Nº 75 Protocolo: 11913003347-0 Recurso Indeferido, conforme motivação a seguir explicitada. Os bens coletivos

Leia mais

SEGURO DE VIDA X EMBRIAGUEZ DO MOTORISTA - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ E O EQUILÍBRIO CONTRATUAL DIANTE DO AGRAVAMENTO DO RISCO

SEGURO DE VIDA X EMBRIAGUEZ DO MOTORISTA - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ E O EQUILÍBRIO CONTRATUAL DIANTE DO AGRAVAMENTO DO RISCO SEGURO DE VIDA X EMBRIAGUEZ DO MOTORISTA - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ E O EQUILÍBRIO CONTRATUAL DIANTE DO AGRAVAMENTO DO RISCO Janaína Rosa Guimarães Em decisão publicada no DJe de 15 de setembro de 2008, o

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

Apelação Cível n. 2014.010194-1, de São João Batista Relator: Des. Trindade dos Santos

Apelação Cível n. 2014.010194-1, de São João Batista Relator: Des. Trindade dos Santos Apelação Cível n. 2014.010194-1, de São João Batista Relator: Des. Trindade dos Santos COBRANÇA. SEGURO DE VIDA. MORTE ACIDENTAL DA CONTRATANTE. POSTULAÇÃO ACOLHIDA. RECURSO DA SEGURADORA. SUICÍDIO DA

Leia mais

Aspectos Contraditórios da Exclusão de Doenças Preexistentes

Aspectos Contraditórios da Exclusão de Doenças Preexistentes Aspectos Contraditórios da Exclusão de Doenças Preexistentes JOÃO MARCELO DOS SANTOS E ANA PAULA COSTA Respectivamente Sócio e Advogada do Demarest Advogados I Introdução Atualmente, e com cada vez mais

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12 2 SIGA SEGURO MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O SIGA SEGURO é um seguro de acidente pessoal coletivo por prazo certo, garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre

Leia mais

Serão aceitos no seguro todos os proponentes que estejam em boas condições de saúde e em plena atividade de trabalho.

Serão aceitos no seguro todos os proponentes que estejam em boas condições de saúde e em plena atividade de trabalho. Estipulante: 0 Ramo de Atividade: Serviços Relacionados a Comunicação Corretora: Opipari Corretora de Seguros Ref.: Condições Gerais do Seguro de Pessoas GRUPO SEGURADO Poderão ser incluídos no presente

Leia mais

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL TERCEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N º 42.390-7/2009, DE VITÓRIA DA CONQUISTA. APELANTE: UNIBANCO AIG SEGUROS S/A. APELADO: GERALDO BASTOS GUIMARÃES E OUTRO. RELATOR: JUIZ JOSEVANDO SOUZA ANDRADE SUBSTITUINDO

Leia mais

Manual do Cliente. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Jul./14

Manual do Cliente. Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Jul./14 Manual do Cliente Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A Versão Jul./14 2 FAMILIA NALIN MULHER MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela

Leia mais

ANEXO B. Condições Gerais do Seguro Coletivo para Cartões de Crédito (seguro facultativo) Cobertura 72 horas

ANEXO B. Condições Gerais do Seguro Coletivo para Cartões de Crédito (seguro facultativo) Cobertura 72 horas ANEXO B Condições Gerais do Seguro Coletivo para Cartões de Crédito (seguro facultativo) Cobertura 72 horas Central de Atendimento aos Clientes: 0800 729 7000 Cláusula 1ª - Objeto do Seguro Nº. Processo

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

SUIC DIO, SEGURO DE VIDA, INDENIZAÇ O E A NOVA LEI CIVIL

SUIC DIO, SEGURO DE VIDA, INDENIZAÇ O E A NOVA LEI CIVIL 6 SUIC DIO, SEGURO DE VIDA, INDENIZAÇ O E A NOVA LEI CIVIL Vasco Della Giustina Segundo dados do Ministério da Justiça, das três causas de mortalidade violenta, os suicídios foram os que mais cresceram

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO E/OU CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO E/OU CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO E/OU CONTRATO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Este Contrato de Prestação de Serviços de Administração de Apólice de Seguro

Leia mais

DA PREEXISTENCIA DA DOENÇA/LESÃO X DO RISCO ASSUMIDO PELA SEGURADORA AO REALIZAR CONTRATO DE SEGURO DISPENSANDO EXAMES PRÉVIOS.

DA PREEXISTENCIA DA DOENÇA/LESÃO X DO RISCO ASSUMIDO PELA SEGURADORA AO REALIZAR CONTRATO DE SEGURO DISPENSANDO EXAMES PRÉVIOS. DA PREEXISTENCIA DA DOENÇA/LESÃO X DO RISCO ASSUMIDO PELA SEGURADORA AO REALIZAR CONTRATO DE SEGURO DISPENSANDO EXAMES PRÉVIOS. Braulio Aragão Coimbra Conforme previsão legal, o Contrato de seguro é aquele

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO À PORTABILIDADE DE CARÊNCIAS (TODOS OS CAMPOS DEVERÃO SER PREENCHIDOS) Nº da Proposta:

PROPOSTA DE ADESÃO À PORTABILIDADE DE CARÊNCIAS (TODOS OS CAMPOS DEVERÃO SER PREENCHIDOS) Nº da Proposta: I. Dados do Proponente: 1. 1/5 4. 2. 5. do Responsável Legal (se o proponente for incapaz) 3. CPF 6. Endereço para Correspondência 7. N 8. Complemento 9. Bairro 10. CEP 11. Cidade 12.UF 13. Telefone 1

Leia mais

SEGURO DE VIDA PRESTAMISTA

SEGURO DE VIDA PRESTAMISTA SEGURO DE VIDA PRESTAMISTA Condições Gerais PROCESSO SUSEP: 15414.100997/2003-63 ÍNDICES CONDIÇÕES GERAIS 1. Objetivo do seguro... 3 2. Definições... 3 3. Coberturas do seguro... 6 4. Riscos excluídos...

Leia mais

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula

Disciplina: Direito e Processo do Trabalho 3º semestre - 2011 Professor Donizete Aparecido Gaeta Resumo de Aula 1. Princípio da norma mais favorável. 2. Princípio da condição mais benéfica. 3. Princípio de irrenunciabilidade. 4. Princípio da primazia da realidade. 5. Princípio da continuidade da relação de emprego.

Leia mais

A APLICAÇÃO DO ART. 783 DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, E AS ARMADILHAS NA CONTRATAÇÃO DO SEGURO DE DANO

A APLICAÇÃO DO ART. 783 DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, E AS ARMADILHAS NA CONTRATAÇÃO DO SEGURO DE DANO A APLICAÇÃO DO ART. 783 DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, E AS ARMADILHAS NA CONTRATAÇÃO DO SEGURO DE DANO Gilberto de Jesus O Código Civil de 2002 classificou o contrato de seguro privado em duas categorias, uma

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS * juktts ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO EXMO. DES. MÁRCIO MURILO DA CUNHA RAMOS ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2009.043133-5/001 16 Vara Cível da Capital Relator: Exmo. Des. Márcio Murilo

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 13 de agosto de 2015. OJ-GER/030/15 Orientações Jurídicas Legitimidade da cobrança da taxa de adesão nos planos de saúde. Devido a inúmeros questionamentos acerca da licitude da cobrança da

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY. fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000230468 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0015157-53.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

2.2. Beneficiário: pessoa física ou jurídica designada para receber os valores dos capitais segurados na ocorrência do sinistro coberto.

2.2. Beneficiário: pessoa física ou jurídica designada para receber os valores dos capitais segurados na ocorrência do sinistro coberto. PARA OS CASOS NÃO PREVISTOS NESTAS CONDIÇÕES GERAIS, SERÃO APLICADAS AS LEIS QUE REGULAMENTAM OS SEGUROS NO BRASIL. O REGISTRO DESTE PLANO NA SUSEP NÃO IMPLICA, POR PARTE DA AUTARQUIA, INCENTIVO OU RECOMENDAÇÃO

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

Seguro Vida Servidor Federal

Seguro Vida Servidor Federal Seguro Vida Servidor Federal Condições Gerais do Produto Produto: Seguro de Vida Público-Alvo Servidores Públicos Federais Civis - SIAPE Coberturas Morte Qualquer Causa Sorteio mensal no valor de R$ 10.000,00*,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE. Operadora: Unimed Campo Grande MS Cooperativa de Trabalho Médico. CNPJ: 03.315.918/0001-18 Nº de registro na ANS: 312851 Site: http://www.unimedcg.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO SUSEP Nº 205, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO SUSEP Nº 205, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO SUSEP Nº 205, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 205, de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 205, de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 205, de 2009. Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed Curitiba Sociedade Cooperativa de Médicos CNPJ: 75.055.772/0001-20 Nº de registro na ANS: 30470-1 Site: http://www.unimedcuritiba.com.br Tel:(41) 3019-2000 Exclusivo para liberações de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Marcelo Aguiar)

PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Marcelo Aguiar) PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Marcelo Aguiar) Altera a Lei nº 9.656, de 03 de junho de 1998, que dispõe sobre os Planos e Seguros Privados de Assistência à Saúde e dá outras providências. O Congresso

Leia mais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Convidado para Diretor Sem Fronteiras Dr. Lodi Maurino Sodré Comissão indicou para os Grupos de Trabalhos e demais Comissões. A questão está na aplicação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239 PARECER N.º 14.239 CONTRATO DE LOCAÇÃO EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É LOCATÁRIA. PRORROGAÇÃO. DURAÇÃO DO CONTRATO. REVISÃO DO PARECER 10.391. O presente expediente, proveniente da Secretaria da Justiça

Leia mais

SUICÍDIO INVOLUNTÁRIO

SUICÍDIO INVOLUNTÁRIO 1 SUICÍDIO INVOLUNTÁRIO Fabiola Fernandes Takeda 1 Wilson Nakamura 2 André Luís M attos Silva 3 Resumo O presente artigo visa demonstrar os efeitos do suicídio no contrato de seguro de vida; um tema que

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 968.307 - SP (2007/0116144-2) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO COSESP : WANDO DIOMEDES E OUTRO(S) : SIRENE MARTINS

Leia mais

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989

CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 CIRCULAR 005 DE 09 DE MARÇO DE 1989 O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, na forma do disposto no art. 36, alínea "c" do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66; RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

Sistema de Saúde Suplementar (Algumas Considerações)

Sistema de Saúde Suplementar (Algumas Considerações) Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I Sistema de Saúde Suplementar (Algumas Considerações) 81 Camila Novaes Lopes 1 O sistema de Saúde Suplementar revela a existência

Leia mais

CERTIFICADO DE SEGURO TROCO DA SORTE

CERTIFICADO DE SEGURO TROCO DA SORTE CERTIFICADO DE SEGURO TROCO DA SORTE A Cardif do Brasil Vida e Previdência S.A., doravante denominada Seguradora e o BR Home Centers S/A., doravante denominada Estipulante, especificam nestas Condições

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos de seguros de automóvel, com inclusão ou não,

Leia mais

CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004

CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR Nº 241, DE 9 DE JANEIRO DE 2004 Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos

Leia mais

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO 4. * 8 3(21 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2003.018359-0/001 i a Vara Cível da Comarca da Capital RELATOR : Des. MANOEL

Leia mais

Assinatura: RELATÓRIO

Assinatura: RELATÓRIO Gerência/Diretoria: NUCLEO-RJ/SEGER Protocolo nº: 33902.566210/2012-01 Data: 23/11/2012 Hora: 14:33:25 Diretoria de Fiscalização Assinatura: Processo n.º: 33902.113433/2010-08 Demanda/Protocolo: 963822/959019

Leia mais

Destaque da primeira quinzena de Abril

Destaque da primeira quinzena de Abril Destaque da primeira quinzena de Abril - Nº 08 - www.cnf.org.br SFH: Não é necessário comum acordo em escolha do agente fiduciário para promover execução extrajudicial A Corte Especial do Superior Tribunal

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente PME Versão Out./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente PME Versão Out./12 2 PME MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O PME Pequenas e Médias Empresas é um seguro de vida coletivo garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre a melhor opção

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO

TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO O presente Termo indica as condições do Seguro de Proteção contra Perda ou Roubo de CARTÃO DE CRÉDITO oferecido pelo Banco

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 256, de 16 de junho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 256, de 16 de junho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 256, de 16 de junho de 2004. Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos de Seguros de Danos e dá outras providências. O

Leia mais

O Judiciário e o Mercado de Seguros: Temas para reflexão

O Judiciário e o Mercado de Seguros: Temas para reflexão O Judiciário e o Mercado de Seguros: Temas para reflexão O Judiciário e o Mercado de Seguros Um pouco de filosofia... A separação ou tripartição dos três poderes é uma teoria desenvolvida por Charles de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 Acrescenta o art. 799-A à Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para dispor sobre a realização de exame de saúde previamente à contratação de

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS Operadora: ELOSAÚDE - CNPJ: 11.593.821/0001-03 03 - N ANS: 41729-7 - Site: www.elosaude.com.br - Tel.: (48) 3298-5555 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE DIFERENÇAS ENTRE PLANOS INDIVIDUAIS

Leia mais

Contradição. Seguro de vida

Contradição. Seguro de vida Contradição Ao julgar um recurso especial no ano passado (REsp 1.192.678), a Terceira Turma decidiu que a assinatura irregular escaneada em uma nota promissória, aposta pelo próprio emitente, constitui

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO. Edição: 25/02/14 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Edição: 25/02/14 Direito de migrar para plano individual ou familiar aproveitando carência do plano coletivo empresarial Os beneficiários

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.061.500 - RS (2008/0119719-3) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO CITIBANK S/A ADVOGADO : EDUARDO GRAEFF E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINA FARINA RUGA ADVOGADO : MARCOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº, DE.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº, DE. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº, DE. Dispõe sobre as regras e os critérios para estruturação, comercialização e operacionalização do Seguro de Vida Universal.

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS PODER JUDICIÁRIO. Boa-Fé Objetiva-Princípio Fundamental-Especial STJ

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS PODER JUDICIÁRIO. Boa-Fé Objetiva-Princípio Fundamental-Especial STJ VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS PODER JUDICIÁRIO Orientador Empresarial Boa-Fé Objetiva-Princípio Fundamental-Especial STJ PRINCÍPIO DA BOA-FÉ OBJETIVA É CONSAGRADO

Leia mais

SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE

SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE 006246 SEGURADORA SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE ESTIPULANTE Valor da USR R$0,52965 Valor da USR R$0,52965 196,65 307,84 316,22 321,54 331,25 335,77 481,79 489,25 606,67 1.179,93 154,61 242,04 248,61

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde

Manual de Orientação para contratação de Plano de Saúde Operadora: Allianz Saúde CNPJ: 04.439.627/0001-0 Nº de registro na ANS: 00051-5 Nº de registro do produto: conforme contratado pelo estipulante Site: www.allianz.com.br Telefone: 0800 7228148 Manual de

Leia mais

APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5042118-49.2013.404.7000/PR RELATOR : CARLOS EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ APELANTE :

APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5042118-49.2013.404.7000/PR RELATOR : CARLOS EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ APELANTE : APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5042118-49.2013.404.7000/PR RELATOR : CARLOS EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ APELANTE : CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ - CRM/PR APELADO : ASSOCIACAO BRASILEIRA

Leia mais

Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo

Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo 471 Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo Sonia Maria Monteiro 1 O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO No plano coletivo de assistência à saúde,

Leia mais

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade, Vigência, Eficácia e Vigor 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade Sob o ponto de vista dogmático, a validade de uma norma significa que ela está integrada ao ordenamento jurídico Ela

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 707.286 - RJ (2004/0169313-7) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA EMENTA DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais