Influência da Estratificação do Solo na Impedância. Impulsiva de Aterramentos de Linhas de Transmissão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência da Estratificação do Solo na Impedância. Impulsiva de Aterramentos de Linhas de Transmissão"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Influência da Estratificação do Solo na Impedância Impulsiva de Aterramentos de Linhas de Transmissão Paulo José Clebicar Nogueira Dissertação de Mestrado CEMIG PUC/PPGEE 04 de Março de 2002 Orientador : Prof. Dr. Mário Fabiano Alves - PUC Co-Orientador : Prof. Dr. Jaime Arturo Ramirez - UFMG

2

3

4

5 "Tente ser uma pessoa de sucesso, mas prioritariamente, tente ser uma pessoa de valor." "Algo só é impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário." Albert Einstein

6 Agradecimentos e Dedicatória I Agradecimentos e Dedicatória Gostaria de agradecer de forma geral a todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente para a concretização deste trabalho. Aos professores Jaime Ramirez e Mário Fabiano Alves pela orientação, dedicação, compreensão, interesse e estímulos. A CEMIG, pelo suporte financeiro. Aos colegas da CEMIG pela confiança e apoio, em particular : Ana, Artur, Gernan, Edino, Renato, Osvaldo, Carlos Alexandre, Elma, Coutinho, Francisco, Weber e demais colegas do ER/LT Ao Simon Fortin da SES, pelo apoio técnico. À minha esposa Mirela pelo apoio e compreensão. Aos meus filhos Thays, Thamyres, Thalys e Maria Clara. Ao meu Pai e a todos os meus familiares. A Deus, por tudo. Quero dedicar este trabalho à minha mãe Dora Cecília Levenhagen Clebicar, símbolo de luta, persistência e busca dos ideais.

7 Resumo II Resumo Este trabalho apresenta um estudo da influência da estratificação do solo nos valores de impedâncias impulsivas de aterramentos de torres de linhas de transmissão, quando submetidas a fenômenos impulsivos do tipo descargas atmosféricas. Foi avaliada a dependência da impedância impulsiva de aterramento no maior número de parâmetros possíveis que a afetam diretamente. O arranjo de aterramento atualmente utilizado pela Companhia Energética de Minas Gerais é analisado, e uma proposta para a redução da impedância, através da utilização de camadas resistividades mais baixas de solos estratificados é apresentada. Com objetivo de obter menores índices de desligamentos nas linhas de transmissão, quando submetidas a descargas atmosféricas, é apresentada uma proposta para o aproveitamento de camadas de resistividade com valores reduzidos em relação à primeira, dentro de limites práticos exeqüíveis, proporcionando menores impedâncias impulsivas com relação ao estudo considerando solo homogêneo (reduções de até 50%). O principal diferencial deste trabalho com relação a trabalhos anteriores é a consideração do solo estratificado em camadas para análise de transitórios em sistemas de aterramentos de linhas de transmissão. Outro diferencial foi a utilização do sistema de aterramento incluindo a representação da grelha de forma completa, sem simplificações.

8 Abstract III Abstract This work presents a study of the influence of the soil stratification in the impulsive impedance of transmission line towers grounding, when submitted to impulsive phenomena such as lightning. The dependence of the grounding impulsive impedance in relation to a large number of parameters that may influence it is discussed. The grounding arrangements currently used by Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG is analyzed and a proposal to reduce the impedance, through the use of lower soil's layers, is presented. In a attempt to obtain a smaller rate of outage for transmission lines when submitted to lightning strokes, it is proposed a better use of the soil's lower layers with reduced values in relation to the first layer, within practical limits, in relation to the study which considers the soil as being homogeneous,. The consideration of the soil stratification for the analysis of transients in transmission line s grounding systems is the main differential presented by this work in relation to previous ones. Another differential was the use of the grounding system including the representation of tower's grille in its complete and not simplified version.

9 Sumário IV Sumário Agradecimentos e Dedicatória...I Resumo...II Abstract...III Sumário...IV Glossário...VIII Lista de Tabelas... XII Lista de Figuras...XIII Capítulo 1 : Introdução 1.1 Objetivos do Trabalho Relevância do Tema Escopo Metodologia Contribuição Organização do Trabalho...9

10 Sumário V Capítulo 2 : Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão 2.1 Introdução Influência do Aterramento no Desligamento de Linhas de Transmissão Introdução Incidência da Descarga na Torre Reflexões no Aterramento da Torre Comportamento do Aterramento de LTs Frente a Solicitações Impulsivas Uma Visão Histórica do Assunto : Impedância de Aterramento O Contrapeso Comportamento do Contrapeso frente a Correntes Impulsivas Ionização do Solo Resistividade do Solo : Dependência da Permissividade e Resistividade com a Freqüência Conclusões

11 Sumário VI Capítulo 3 : Cálculo de Transitórios em Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão 3.1 Introdução Definição do Problema Modelo Adotado Arranjo de Aterramento Grelhas da Estrutura Torre Descarga Atmosférica Resistividade do Solo Modelo Computacional Introdução Modelo Matemático Simulações Computacionais Arranjo de Aterramento para Linhas de 69 / 138 kv Caso 1 : L 1 = 20 m e ρ 1 = 250 Ωm Caso 2 : L 1 = 30 m e ρ 1 = 500 Ωm Caso 3 : L 1 = 40 m e ρ 1 = 1000 Ωm Caso 4 : L 1 = 50 m e ρ 1 = 2000 Ωm Caso 5 : L 1 = 80 m e ρ 1 = 5000 Ωm Caso 6 : L 1 = 90 m e ρ 1 = Ωm Comparação de Resultados Conclusões...98

12 Sumário VII Capítulo 4 : Conclusões 4.1 Conclusões Sugestões para Trabalhos Futuros Referências Bibliográficas Apêndice A: Programa Sigma SLP Apêndice B: Validação do Modelo Para Solo Homogêneo...113

13 Glossário VIII Glossário Nesta seção serão apresentados os termos e símbolos utilizados no decorrer do texto, para melhor compreensão do trabalho. ANEEL : Agência Nacional de Energia Elétrica. Órgão regulamentador do setor elétrico energético Brasileiro. Backflashover : Processo de rompimento da suportabilidade elétrica de uma cadeia de isoladores a partir de um sobre-tensão de origem atmosférica ou de manobra no sistema, causando um curto circuito em freqüência industrial (60 Hz) C : Capacitância em F (F = Faraday) CEMIG : Companhia Energética de Minas Gerais CIGRÈ : Conseil International des Grands Réseaux Électriques. Órgão Internacional com sede em Paris. d 1 : Espessura da primeira camada de um solo estratificado, em metros. Desligamento Transitório : Desligamento momentâneo de uma linha de transmissão seguido de seu religamento (sem novo desligamento) após alguns mili-segundos. E : Intensidade de campo elétrico (Volt/metro) E 0 : Intensidade de campo elétrico crítico (Volt/metro). Valor de campo elétrico no qual excedido, causa a ionização do solo. Efeito Corona : Processo de ionização do ar nas proximidades de partes energizadas, quando o gradiente elétrico excede determinado valor (kv/cm), causando uma visível luminosidade Equações de Maxwell : James C. Maxwell ( ). Físico escocês que se baseou nos trabalhos e experiências de Ampère, Gauss

14 Glossário IX e Faraday para legar às Leis da Eletricidade e Magnetismo uma base matemática sólida, em quatro equações. f : Freqüência, em Hz. G : Condutância (1/R), em 1/Ω. Grelhas / Tubulões : Sistema de sustentação das torres de linhas de transmissão. GPR : Ground Potencial Rise, ou em português, Elevação de Potencial do Aterramento. Hz : Unidade de freqüência Hertz. I : Corrente, em Amperes I pico : Corrente de pico, em ka. Índice de Desligamento (AK) : Números de desligamentos/100km/ano de uma linha de transmissão, caracterizando sua indisponibilidade em relação ao sistema elétrico. K : Coeficiente de reflexão para um solo estratificado em duas camadas. l : Comprimento de contrapeso, em metros l e : Comprimento efetivo de contrapeso, em metros L : Indutância em µhenry LT : Linha de Transmissão Aérea de Energia Elétrica. Nível Ceráunico : Número de dias com trovoadas ouvidas no período de um ano

15 Glossário X Pára-raios de Óxido de Zinco (ZnO) : Equipamento instalado em torres de LTs para evitar o desligamento da Linha de Transmissão, composto do material Óxido de Zinco R : Resistência elétrica, em Ω Resistência de aterramento ou Resistência de Terra (R t ou R at ) : Valor da resistência de aterramento, medido em baixa freqüência, do conjunto de ferragens e eletrodos que constituem o sistema de aterramento de uma estrutura de linha de transmissão, em relação a um outro eletrodo situado a uma distância teoricamente infinita. Unidade em Ω. t : Tempo, em µs. T 1 : Tempo de Frente de Onda, ou seja, tempo em µs que a frente de onda leva para atingir seu valor máximo. T 2 : Tempo da Cauda, ou seja, tempo em µs que a frente de onda leva para atingir a metade do seu valor máximo. V pico : Tensão de pico, em kv. Z at : Impedância de impulso do sistema de aterramento da estrutura da linha de transmissão. Z P : Impedância Impulsiva do sistema de aterramento, correspondente à máxima elevação de potencial do aterramento no ponto de alimentação dividido pelo valor de pico da corrente injetada. Z S : Impedância de surto do cabo contrapeso, correspondente a (L/C) 1/2 Ω. Z t : Impedância de surto de uma torre de linha de transmissão. Impedância da torre para fenômenos em alta freqüência.

16 Glossário XI r - Resistividade do Solo: Resistência elétrica entre faces opostas de um cubo homogêneo e isótropo com solo, cuja aresta mede um metro. Unidade: Ωxmetro. r 1 : Resistividade da primeira camada de um solo estratificado, em Ωxmetro. Esta primeira camada possui uma espessura, denominada d 1, em metros. r 2 : Resistividade da segunda camada de um solo estratificado, em Ωxmetro. m r : Permeabilidade magnética relativa do solo. e r : Permissividade elétrica relativa do solo. s : Condutividade elétrica do solo, equivalente a 1/ρ, em Mho.

17 Lista de Tabelas XII Lista de Tabelas Capítulo 1 Tabela 1.1 Índices Ceráunicos e Densidades de Descargas de Alguns Países [2]...2 Tabela 1.2 Valores de Resistividade do Solo (ρ) em Minas Gerais [2]...2 Capítulo 2 Tabela 2.1 Parâmetros Adotados em [25]...35 Capítulo 3 Tabela 3.1 Valores de Resistividade do Solo (Ωm) e Comprimentos de Contrapesos Propostos para as Análises...59 Tabela 3.2 Identificação dos Casos e Parâmetros Adotados nas Simulações...76 Tabela 3.3 Resumo dos Máximos GPR Transitórios

18 Lista de Figuras XIII Lista de Figuras Capítulo 1- Introdução Figura 1.1 Curvas de Isodensidade de Descargas Atmosféricas em MG [1]...3 Figura 1.2 Mapa Geológico do Estado de Minas Gerais [4]...3 Capítulo 2 Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão Figura 2.1 Representação da LT no Campo...13 Figura 2.2 Estilização da Torre e Incidência da Descarga...14 Figura 2.3 Forma de Onda I total Descarga, I pé da Torre para Z at = 5 Ω e Z at = 30 Ω...15 Figura 2.4 Elevação de Potencial no Aterramento da Torre para Z at = 5 Ω e Z at = 30 Ω...15 Figura 2.5 Solicitação na Cadeia de Isoladores para os Casos de Z at = 5 Ω e Z at = 30 Ω...16 Figura 2.6 Resistência Final de Contrapeso e Pé de Torre em Paralelo [31]...26 Figura 2.7 Circuito Equivalente do Contrapeso [31]...27 Figura 2.8 Redução da Impedância de Surto com o Aumento de Ramos de C. Peso [31]...28 Figura 2.9 Impedância Transitória de Contrapesos Enterrados [31]...30 Figura 2.10 Circuito Equivalente de um Eletrodo Enterrado Horizontalmente [20]...32 Figura 2.11 Diagrama Elétrico Representativo Modelo Linha de Transmissão [25]...35 Figura 2.12 Resistividade Dinâmica Curva para Corrente Impulsiva [37]...39 Figura 2.13 Curvas de Dados Experimentais V x I para um eletrodo [36] R LF =R 60Hz...40 Figura 2.14 Parâmetros de Atenuação de uma Onda Eletromagnética...44 Figura 2.15 Ilustração do Efeito de Comprimento Efetivo de um Contrapeso Figura 2.16 Efeito da Propagação no Solo [27] Figura 2.17 Dependência dos Parâmetros do Solo com f [27] Figura 2.18 Resposta do Aterramento no Domínio da Freqüência [27]...49

19 Lista de Figuras XIV Figura 2.19 Resposta do Aterramento no Domínio do Tempo [27]...49 Capítulo 3 Cálculo de Transitórios em Sistemas de Aterramento para LTs Figura 3.1 Situação Considerada para Otimização do Arranjo de Aterramento Frente a Descargas Atmosféricas [8]...53 Figura 3.2 Situação Típica de um Aterramento em Solo de 2 Camadas...54 Figura 3.3 Situação Típica de um Aterramento em Solo de 2 Camadas para o Trabalho Proposto...54 Figura 3.4 Arranjo Típico do Sistema de Aterramento de Torres Metálicas da CEMIG...56 Figura 3.5 Arranjo Típico Completo com a Representação e Detalhe da Grelha...57 Figura 3.6 Representação da Descarga Típica em Minas Gerais [1]...58 Figura 3.7 Configuração dos Eletrodos [42]...63 Figura 3.8 Distribuição de Corrente no Eletrodo [42]...67 Figura 3.9 Macro Fluxograma do Modelo Computacional [42]...72 Figura 3.10 Identificação do Ponto de Injeção da Descarga no Sistema de Aterramento...73 Figura 3.11 Caso 1: 69/138kV 250 Ωxm e L 1 =20 m para d 1 = 1m (lado esquerdo) e d 1 =6m(lado direito)...77 Figura 3.11a Caso 1 Zoom : Freqüências entre 200kH e 2.5 MHz Figura 3.11b Caso 1 Contribuições das Grelhas e Contrapesos, separadamente...79 Figura 3.12 Máxima Elevação de Potencial para as Análises do Caso Figura 3.13 Caso 2: 69/138kV 500 Ωxm e L 1 =30 m para d 1 = 1m (lado esquerdo) e d 1 =6m(lado direito)...81 Figura 3.13a Caso 2 Zoom : Freqüências entre 200kH e 2.5 MHz Figura 3.13b Caso 2 Contribuições das Grelhas e Contrapesos, separadamente...82 Figura 3.14 Máxima Elevação de Potencial para as Análises do Caso

20 Lista de Figuras XV Figura 3.15 Caso 3: 69/138kV 1000 Ωxm e L 1 =40 m para d 1 = 1m (lado esquerdo) e d 1 =6m(lado direito)...84 Figura 3.15a Caso 3 Zoom : Freqüências entre 200kH e 2.5 MHz Figura 3.15b Caso 3 Contribuições das Grelhas e Contrapesos, separadamente...85 Figura 3.16 Máxima Elevação de Potencial para as Análises do Caso Figura 3.17 Caso 4: 69/138kV 2000 Ωxm e L 1 =50 m para d 1 = 1m (lado esquerdo) e d 1 =6m(lado direito)...87 Figura 3.17a Caso 4 Zoom : Freqüências entre 200kH e 2.5 MHz Figura 3.17b Caso 4 Contribuições das Grelhas e Contrapesos, separadamente...89 Figura 3.18 Máxima Elevação de Potencial para as Análises do Caso Figura 3.19 Caso 5: 69/138kV 5000 Ωxm e L 1 =80 m para d 1 = 1m (lado esquerdo) e d 1 =6m(lado direito)...90 Figura 3.19a Caso 5 Zoom : Freqüências entre 200kH e 2.5 MHz Figura 3.19b Caso 5 Contribuições das Grelhas e Contrapesos, separadamente...91 Figura 3.20 Máxima Elevação de Potencial para as Análises do Caso Figura 3.21 Caso 6: 69/138kV Ωxm e L 1 =90 m para d 1 = 1m (lado esquerdo) e d 1 =6m(lado direito)...93 Figura 3.21a Caso 6 Zoom : Freqüências entre 200kH e 2.5 MHz Figura 3.21b Caso 6 Contribuições das Grelhas e Contrapesos, separadamente...94 Figura 3.22 Máxima Elevação de Potencial para as Análises do Caso Figura 3.23 Caso 1 Comparação Critério Solo Homogêneo x Solo Estratificado...96 Figura 3.24 Caso 5 Comparação Critério Solo Homogêneo x Solo Estratificado...96

21 Capítulo 1 Introdução 1 Capítulo 1 Introdução 1.1 Objetivos do Trabalho Este trabalho tem como objetivo a avaliação dos valores de impedância impulsiva de aterramento dos sistemas de aterramento típicos de linhas de transmissão levando em consideração solos estratificados em duas camadas. Pretende-se com esta avaliação, uma possível otimização do arranjo de aterramento, obtendo a menor impedância impulsiva de aterramento, visando minimizar a sobre-tensão na cadeia de isoladores de LTs. Desta forma, pretende-se dar seqüência ao estudo que gerou as configurações atuais de aterramento para as LTs da CEMIG [8-9]. Este trabalho abordará os seguintes itens : a) Estudo do Estado da Arte em sistemas de aterramento para linhas de transmissão; b) Estudo da dependência da resistividade do solo e da permissividade em função da freqüência; c) Avaliação, através de simulações computacionais, do arranjo de aterramento utilizado na CEMIG (nas LTs de 69 e 138 kv) em solos estratificados. Este arranjo foi definido conforme referência [8]; d) Definição de novos critérios para definição de um sistema de aterramento otimizado para torres de linhas de transmissão, visando a menor impedância impulsiva em função da estratificação do solo.

22 Capítulo 1 Introdução Relevância do Tema Sistemas de aterramento desempenham funções bem definidas em um sistema elétrico tais como proteção de equipamentos, aterramento de sinal e segurança de pessoas. Uma das importantes funções do aterramento é a proteção contra descargas atmosféricas (prédios, antenas, torres de transmissão, etc.), proporcionando um caminho de baixa impedância para a corrente de descarga através dos eletrodos de aterramento em direção ao solo. As descargas atmosféricas são responsáveis em Minas Gerais, conforme dados estatísticos, por cerca de 70% dos desligamentos transitórios (contra 65% das estatísticas internacionais) das LTs [1], causando elevados transtornos nos sistemas industriais, no que diz respeito à retomada de processos interrompidos. O estado de Minas Gerais possui índices de densidade de descargas atmosféricas e níveis ceráunicos superiores a muitos países. As Tabelas 1.1 e 1.2 e Figuras 1.1 e 1.2 ilustram respectivamente as características geometeorológicas de alguns paises e do Estado de Minas Gerais. A Tabela 1.2 refere-se a locais em alto de morros e montanhas. Tabela 1.1 Índices Ceráunicos e Densidade de Descargas de Alguns Países [2] Local Nível Ceráunico Descargas/km 2 /ano Brasil (MG) Alemanha ,5 Itália França Finlândia Austrália ,2-4 Tabela 1.2 Valores de Resistividade do Solo (ρ) em Minas Gerais [2] Resistividade r (W x metro) Número de Localidades % % Acumulado ,3 12, ,6 66, ,0 85,9 > ,1 100,0 Total ,

23 Capítulo 1 Introdução 3 Figura 1.1 Curvas de Isodensidade de Descargas Atmosféricas em MG Descargas/km 2 /ano - Período [1] Figura 1.2 Mapa Geológico do Estado de Minas Gerais - [4] Elevados índices de densidade de descargas aliado aos altos valores de resistividade do solo (média de 3500 Ωm em Minas Gerais [3]), proporcionam um elevado Índice de Desligamentos de LTs (AK), comprometendo a qualidade da energia ofertada. Após a incidência da descarga, seja ela direta ou indireta na linha de transmissão, a probabilidade de um backflashover é considerável.

24 Capítulo 1 Introdução 4 Em função deste número elevado de desligamentos no sistema elétrico causado por estes fatores, foi necessário o desenvolvimento de técnicas e equipamentos para minimizar o impacto devido às descargas atmosféricas. Uma das técnicas utilizadas é a atuação direta no sistema de aterramento das torres das LTs, utilizando configurações otimizadas e o conceito de comprimento efetivo de contrapeso. Outra técnica utilizada é a otimização da instalação de pára-raios de Óxido de Zinco (ZnO) em LTs em projeto, aliada a um sistema de aterramento que proporcione uma baixa impedância de aterramento. Esta técnica foi utilizada pela CEMIG (de forma pioneira no Brasil) no projeto da LT Itutinga Três Corações 2, 138 kv [6,7]. Este projeto resultou em Índices de Desligamentos (AK) bem inferiores a um projeto convencional de Linha de Transmissão (índices estimados em projeto e comprovados na prática após 2 anos de operação da LT). Modelos e estudos desenvolvidos para configurações otimizadas utilizaram um modelo de solo uniforme, não considerando o efeito da estratificação [8]. Esta desconsideração ocorreu devido a quantidade de cálculos adicionais que seriam necessários. Contudo, tal consideração é importante pois, dependendo da profundidade da primeira camada (d 1 ), pode-se alcançar, através das ferragens das grelhas ou tubulões das torres (ou até mesmo através de hastes profundas), valores de resistividade da segunda camada bastante inferiores ao da primeira, proporcionando uma baixa resistência de aterramento.

25 Capítulo 1 Introdução Escopo O trabalho apresenta uma análise sobre a impedância de aterramento dos sistemas de aterramentos típicos utilizados em linhas de transmissão, considerando o solo estratificado em duas camadas. Uma modelagem do problema, utilizando técnicas no domínio da freqüência e no domínio do tempo, conforme descrito em [13], é utilizada para analisar os arranjos típicos adotados como sistema de aterramento para as estruturas das linhas de transmissão de 69 e 138 kv da CEMG, em solos estratificados. De forma a subsidiar a otimização destes arranjos de aterramento na obtenção da menor impedância impulsiva frente a fenômenos do tipo descargas atmosféricas, são propostos critérios para a determinação do melhor arranjo a ser instalado nas torres de transmissão como sistema de aterramento.

26 Capítulo 1 Introdução Metodologia A metodologia que foi utilizada nesta dissertação tem como base simulações numéricas utilizando pacote computacional específico para análise de transitórios em sistemas de aterramento. Os objetivos desta dissertação, cujos itens foram explicitados na seção 1.1, foram alcançados da seguinte maneira : a) Estado da Arte em Sistemas de Aterramento para LTs : Uma revisão bibliográfica do histórico de sistemas de aterramento em linhas de transmissão foi realizada, desde suas primeiras aplicações até as mais novas técnicas utilizadas. Este estudo incluiu também o comportamento do aterramento frente a fenômenos impulsivos, tipo descargas atmosféricas. Esta revisão constou também de uma pesquisa bibliográfica, envolvendo os principais autores de assuntos referentes ao tema e também formulações clássicas. Uma explanação sobre a importância do aterramento de torres de LTs na solicitação da suportabilidade da cadeia de isoladores e conseqüentemente no seu desligamento também foi feita. b) Dependência da Resistividade do solo e permissividade em função da freqüência. Um estudo da dependência da resistividade do solo e permissividade em função da freqüência é apresentado. Este estudo proporcionou uma avaliação do comportamento da resistividade do solo quando submetida a altas correntes de elevada freqüência e avaliação do fenômeno de disrupção do solo. c) Simulações computacionais. Os arranjos de aterramentos definidos por [8] para as LTs da CEMIG de 69 e 138 kv foram avaliados, levando em consideração solos estratificados em camadas. Foi utilizado o software descrito em [13] para as simulações computacionais. Este software é especifico para estudo de sistemas de aterramento em alta freqüência.

27 Capítulo 1 Introdução 7 d) Otimização do Arranjo. A partir dos estudos e análises dos dados obtidos em (c) são propostos critérios para escolha do contrapeso a ser lançado e o valor mais preciso da impedância impulsiva, levando em consideração a estratificação do solo em duas camadas.

28 Capítulo 1 Introdução Contribuição Na atual legislação do setor elétrico brasileiro, regulamentada pela ANEEL [5], estudos para a minimização da impedância de aterramento de LTs, é um fator que interessa às concessionárias de energia elétrica bem como aos consumidores industriais. Ao fornecerem produtos e serviços (LTs / Energia com qualidade) com maiores índices de qualidade e confiabilidade de operação, as concessionárias permitem que os consumidores industriais minimizem os níveis de interrupção de seus processos. No atual contexto do sistema elétrico nacional, é de fundamental importância a otimização do arranjo de aterramento de LTs em função do maior número de parâmetros possíveis, visando a minimizar o impacto de impulsos atmosféricos nos desligamentos transitórios das LTs. Esta dissertação apresenta um estudo científico crítico que proporcionará opções de melhorias para as concessionárias de energia elétrica para a redução da impedância de aterramento de Linhas de Transmissão e, conseqüentemente, a diminuição dos níveis de desligamentos por descargas atmosféricas.

29 Capítulo 1 Introdução Organização do Trabalho A dissertação está estruturada em 4 capítulos, descritos sucintamente a seguir. No presente capítulo, Introdução, são apresentados os objetivos do trabalho, a importância dos sistemas de aterramento, de uma forma geral, bem como os impactos causados em LTs aéreas pelos desligamentos provenientes de descargas atmosféricas. É apresentada também uma breve explanação a respeito da composição do solo no estado de Minas Gerais, onde o trabalho é focado. São discutidas experiências atuais como forma de minimizar os índices de desligamentos por descargas atmosféricas em LTs. São discutidas também a metodologia e a contribuição do trabalho. No capítulo 2, Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão, é apresentado a influência e a importância do sistema de aterramento de uma linha de transmissão no mecanismo de desligamento por descargas atmosféricas. São apresentadas simulações de casos extremos de impedâncias nos quais os valores de impedância de aterramento de pé de torre são alterados. Parâmetros típicos de descargas atmosféricas do Estado de Minas Gerais são utilizados nesta análise. É apresentado também o Estado da Arte com relação ao tema em questão, bem como uma visão histórica do assunto, sendo citados vários trabalhos e autores relacionados com o tema e que serviram de referência para o presente trabalho. É discutido o histórico sobre os cabos contrapesos, desde sua conceituação até seu comportamento quando submetidos a correntes impulsivas (tipo descargas atmosféricas). Finalmente, é feita uma breve explanação sobre o mecanismo de disrupção do solo quando submetidos a elevados gradientes de tensão (devido a altas correntes) e sobre a dependência da resistividade do solo e permissividade com a freqüência.

30 Capítulo 1 Introdução 10 No Capítulo 3, Cálculo de Transitórios em Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão, é apresentado o modelo proposto para os cálculos computacionais (modelos físicos do sistema de aterramento e modelo matemático do software a ser utilizado), o problema típico de um sistema de aterramento de LTs enterrado em um solo homogêneo e num solo estratificado e simulações efetuadas. Os resultados das simulações são apresentados em forma de gráficos e/ou tabelas. Finalmente, é apresentada a conclusão de toda a simulação realizada. No Capítulo 4, Conclusões, são abordados os resultados obtidos no trabalho e conclusões objetivas a respeito das simulações efetuadas. Sugestões para trabalhos futuros também são apresentadas. Apêndice A : Programa Sigma SLP. Apêndice B : Validação do Modelo Para Solo Homogêneo.

31 Capítulo 2 Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão 11 Capítulo 2 Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão 2.1 Introdução Conforme discutimos no capítulo anterior, o aterramento exerce várias funções em um sistema elétrico (segurança de pessoas, aterramento de sinal, etc.). Vimos também que existem vários fatores que influenciam os níveis de desligamentos de linhas de transmissão no Estado de Minas Gerais e algumas técnicas adotadas auxiliam a amenizar tais desligamentos e seus transtornos. Estes índices de desligamentos estão diretamente relacionados com o sistema de aterramento de uma linha de transmissão. Neste capítulo, será apresentada a importância dos sistemas de aterramento para LTs bem como uma análise simplificada de sua influência nos desligamentos transitórios. Complementando o capítulo, será apresentado o Estado da Arte sobre sistemas de aterramento para LTs frente a solicitações impulsivas.

32 Capítulo 2 Sistemas de Aterramento para Linhas de Transmissão Influência do Aterramento no Desligamento de Linhas de Transmissão Introdução A principal causa de desligamentos de linhas de transmissão devido a curtocircuito nas estruturas originado por solicitações do tipo descarga atmosférica constitui-se fundamentalmente na sobre-tensão resultante (solicitação ou stress) na cadeia de isoladores da LT, devido ao impacto da descarga atmosférica. A magnitude desta sobre-tensão determinará ou não a ocorrência do backflashover. A sobre-tensão resultante na cadeia de isoladores depende de fatores como a intensidade da corrente de descarga que atinge a linha de transmissão, impedância de surto da estrutura (Z t ), impedância de impulso do sistema de aterramento da estrutura (Z at ) e reflexões no sistema de aterramento da torre. Para a análise a seguir o valor típico de Z t =182 Ω [39] é adotado, Z at entre 5 e 50 Ω (valores típicos para o estado de Minas Gerais). A ampla faixa de valores de Z at existentes estimula o estudo de sua dependência em relação a um grande número de parâmetros. Os parâmetros para simulação de uma descarga atmosférica são considerados com forma de onda triangular 2.6/62 µs com valor médio de corrente de 40 ka [1]. O impacto desta descarga em uma torre de linha de transmissão gera o tráfego de ondas de tensão com valores bastante elevados, da ordem de centenas de kv. Ilustraremos a seguir algumas análises de sobre-tensões realizadas através do software Sigma SLP [40], um pacote computacional específico para análises de desligamentos em linhas de transmissão devido a descargas atmosféricas. Este software utiliza a teoria eletromagnética para os cálculos das tensões resultantes e induzidas nos cabos pára-raios e condutores e a análise relativa a desempenho de linhas de transmissão é feita através do Método Estatístico de Monte Carlo [40]. No Apêndice A é apresentado o modelo físico do software. Para a simulação proposta usaremos apenas a determinação das tensões resultantes nas fases e cabos pára-raios.

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO POJETO BÁSICO CAPÍTULO 15 SISTEMA DE ATEAMENTO Capítulo 15 Pág.1/13 CONTEÚDO 1. OBJETIVO 2. DADOS 3. ESISTIVIDADE DO SOLO DA EGIÃO 4. METODOLOGIA DE CÁLCULO DA ESISTÊNCIA DOS CABOS CONTAPESOS 5. SISTEMA

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

DESEMPENHO DE ATERRAMENTOS DE TORRES DE AEROGERADORES

DESEMPENHO DE ATERRAMENTOS DE TORRES DE AEROGERADORES DESEMPENHO DE ATERRAMENTOS DE TORRES DE AEROGERADORES Paulo E. Freire 1, Matheus R. Bueno 1, Edgar Pane 2, Wagner Franklin 3, Rinaldo Botelho 4, 1 PAIOL Engenharia, 2 Geoanalisys, 3 FAW-7, 4 Fastweld Indústria

Leia mais

Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas

Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas Title Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas Registration Nº: (Abstract) 54 Company UNIVERSIDADE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

ATERRAMENTO EM ELEVADORES

ATERRAMENTO EM ELEVADORES ATERRAMENTO EM ELEVADORES Rodrigo D Carlo Bessa Rodrigues¹ Eduardo Henrique Gonçalves² RESUMO: O trabalho em questão trata o tema aterramento de sistemas elétricos, sendo realizado um estudo geral sobre

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0a Revisão do item 5 10/12/2010 KCAR/SMMF 10/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 19/11/2010 KCAR/SMMF 19/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS

Leia mais

DPS Dispositivo de proteção contra surto de tensão

DPS Dispositivo de proteção contra surto de tensão Produtos de Baixa Tensão DPS Dispositivo de proteção contra surto de tensão Por: Sergio Prestes Engenheiro de Aplicação 1. Danos causados por sobretensão Sobretensão é a maior causa de danos em equipamentos

Leia mais

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA Kaisson Teodoro de Souza, Msc; Ricardo Frangiosi de Moura,Msc; Gabriel Cintra Escola Técnica

Leia mais

ATERRAMENTO DE TORRES DE TELECOMUNICAÇÃO JOSÉ OSVALDO SALDANHA PAULINO-EEUFMG

ATERRAMENTO DE TORRES DE TELECOMUNICAÇÃO JOSÉ OSVALDO SALDANHA PAULINO-EEUFMG ATERRAMENTO DE TORRES DE TELECOMUNICAÇÃO JOSÉ OSVALDO SALDANHA PAULINO-EEUFMG OUTUBRO 1993 SUMÁRIO Introdução 1-A descarga atmosférica 2-A torre e a descarga 2.1-Tensões induzidas por descargas laterais

Leia mais

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS

00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS 00 15/03/13 EMISSÃO INICIAL JCS/OSM JCS N.º DATA REVISÃO ELAB./ VERIF. ENGEPRO APROV. ENGEPRO APROV. CLIENTE ENG10A-LT-013 ATE XVI PROJETO BÁSICO - LOTE A LEILÃO Nº 007/2012 - ANEEL ELAB. VERIF. LT S 500

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

EMC e proteção contra raios

EMC e proteção contra raios A proteção de sistemas de telecomunicações contra descargas atmosféricas e seus efeitos (raios) é normalmente considerada fora da área EMC (EMC Electromagnetic Compatibility) uma vez que na área EMC objetivamos

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas

Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas 26 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Compatibilidade Eletromagnética em Sistemas Elétricos Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas Por Roberto Menna Barreto* Entre as diferentes fontes de

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FAN Faculdade Nobre As linhas de transmissão são os equipamentos empregados para transportar grandes blocos de energia por grandes distâncias, entre os centros

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

José Simão Filho(ITAIPU) RESUMO

José Simão Filho(ITAIPU) RESUMO MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS EM HIDROGERADOR DA USINA DE ITAIPU UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DAS LIMITAÇÕES, DIFICULDADES DE MEDIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS Marcelo Fabiano Latini* (ITAIPU) Juan Carlos

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Pára-raios para aplicação em linhas de transmissão

Pára-raios para aplicação em linhas de transmissão VIII Pára-raios para aplicação em linhas de transmissão Nos Capítulos anteriores foram apresentadas informações referentes aos aspectos a serem considerados no estudo de desempenho das linhas de transmissão

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Desempenho de Linhas de Transmissão que Utilizam Pára-Raios de ZnO

Desempenho de Linhas de Transmissão que Utilizam Pára-Raios de ZnO esempenho de Linhas de Transmissão que Utilizam Pára-Raios de ZnO J. L. P. Brittes, J. E. Ribeiro, CPFL Resumo: Este artigo apresenta o resultado de projeto de Pesquisa e esenvolvimento para desenvolvimento

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 5: INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Este material contém informações classificadas como NP-1 INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Aproximações

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

Ar quente e Åmido sobe formando cristais de gelo no interior das nuvens; Cristais de gelo subindo e gotas de Çgua caindo no interior da nuvem colidem

Ar quente e Åmido sobe formando cristais de gelo no interior das nuvens; Cristais de gelo subindo e gotas de Çgua caindo no interior da nuvem colidem Ar quente e Åmido sobe formando cristais de gelo no interior das nuvens; Cristais de gelo subindo e gotas de Çgua caindo no interior da nuvem colidem promovendo a troca de Éons; A base fica negativa e

Leia mais

ESTUDO DA ABSORÇÃO DE ENERGIA DE PARA-RAIOS DE ZNO INSTALADOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 138 KV.

ESTUDO DA ABSORÇÃO DE ENERGIA DE PARA-RAIOS DE ZNO INSTALADOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 138 KV. ESTUDO DA ABSORÇÃO DE ENERGIA DE PARA-RAIOS DE ZNO INSTALADOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE 138 KV. RODRIGO DE OLIVEIRA PEDROSA ESTUDO DA ABSORÇÃO DE ENERGIA DE PARA-RAIOS DE ZNO INSTALADOS EM LINHAS DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

MODELAGEM ELETROMAGNÉTICA DE ATERRAMENTOS ELÉTRICOS NOS DOMÍNIOS DO TEMPO E DA FREQÜÊNCIA

MODELAGEM ELETROMAGNÉTICA DE ATERRAMENTOS ELÉTRICOS NOS DOMÍNIOS DO TEMPO E DA FREQÜÊNCIA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET/MG DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - DPPG PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL - PPGMMC MODELAGEM ELETROMAGNÉTICA

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO

ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO ATPDRAW APLICADO À ANÁLISE BÁSICA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS UM PREPARO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO Eduardo Contar econtar@gmail.com Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

ATERRAMENTO FUNCIONAL PARA EQUIPAMENTOS SENSÍVEIS UTILIZANDO TLM

ATERRAMENTO FUNCIONAL PARA EQUIPAMENTOS SENSÍVEIS UTILIZANDO TLM ATERRAMENTO FUNCIONAL PARA EQUIPAMENTOS SENSÍVEIS UTILIZANDO TLM UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Escola de Engenharia Elétrica e de Computação ANTÔNIO MELO DE OLIVEIRA, CARLOS RENATO B. DOS SANTOS, LUIS

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNEDADE FEDEAL DEJUDEFOA Graduação em Engenharia Elétrica TANMÃO DE ENEGA ELÉTCA POF FLÁO ANDEON GOME E-mail: flaviogomes@ufjfedubr Aula Número: 04 Curso de Transmissão de Energia Elétrica Aula Número:

Leia mais

Proteção de Redes Elétricas de Baixa Tensão Contra Descargas Atmosféricas

Proteção de Redes Elétricas de Baixa Tensão Contra Descargas Atmosféricas Proteção de Redes Elétricas de Baixa Tensão Contra Descargas Atmosféricas S Visacro F, A R De Conti, C S Pereira, F H Silveira 1, J V P Duarte 2 RESUMO Neste trabalho, os autores descrevem os aspectos

Leia mais

Pára-raios para aplicação em redes de distribuição

Pára-raios para aplicação em redes de distribuição IV Pára-raios para aplicação em redes de distribuição IV.1 Aspectos construtivos: Existem atualmente três tipos construtivos de pára-raios sendo produzidos para aplicação em redes de distribuição: pára-raios

Leia mais

Linhas de Transmissão

Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão 1. Objetivo Medir a capacitância, indutância e a impedância num cabo coaxial. Observar a propagação e reflexão de pulsos em cabos coaxiais. 2. Introdução Uma linha de transmissão

Leia mais

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel.

Manual de proteção contra raios DPS STAL ENGENHARIA ELÉTRICA. Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Manual de proteção contra raios DPS Saiba como proteger você, seus aparelhos eletroeletrônicos e o seu imóvel. Nuvens carregadas e muita chuva em todo o pais A posição geográfica situa o Brasil entre os

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Software para Posicionamento Ótimo de Pararaios em Linhas de Transmissão e de Distribuição

Software para Posicionamento Ótimo de Pararaios em Linhas de Transmissão e de Distribuição 1 Software para Posicionamento Ótimo de Pararaios em Linhas de Transmissão e de Distribuição J. A. Vasconcelos, UFMG, A. E. A. Araújo, UFMG, M. A. F. Braga, UFMG, F. L. R. Lima, UFMG, G. V. M. Lavarini,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Pára-raios para aplicação em Subestações

Pára-raios para aplicação em Subestações V Pára-raios para aplicação em Subestações Atualmente quase todos os pára-raios adquiridos pelas empresas concessionárias de energia elétrica e grandes consumidores industriais para novos projetos de subestações,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

1 OSCILADOR SEM AMORTECIMENTO. 1.1 A equação do oscilador harmónico e o movimento harmónico simples. 1.2 O plano complexo

1 OSCILADOR SEM AMORTECIMENTO. 1.1 A equação do oscilador harmónico e o movimento harmónico simples. 1.2 O plano complexo 1 OSCILADOR SEM AMORTECIMENTO 1.1 A equação do oscilador harmónico e o movimento harmónico simples 1.2 O plano complexo 1.3 Movimento harmónico simples, fasores e movimento circular uniforme 1.4 O circuito

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

MÉTODO PARA CÁLCULO DA IMPEDÂNCIA DE MALHAS DE ATERRAMENTO DE TORRES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO

MÉTODO PARA CÁLCULO DA IMPEDÂNCIA DE MALHAS DE ATERRAMENTO DE TORRES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO ESCOLA DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia Elétrica - CPDEE MÉTODO PARA CÁLCULO DA IMPEDÂNCIA DE MALHAS DE ATERRAMENTO DE TORRES DE LINHAS

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g.

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g. Questão 01 008 Um astronauta, de pé sobre a superfície da Lua, arremessa uma pedra, horizontalmente, a partir de uma altura de 1,5 m, e verifica que ela atinge o solo a uma distância de 15 m. Considere

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUTENÇÃO EM CADEIAS DE ISOLADORES DE LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA RICARDO INFORZATO GREJO 1 JOSÉ JOÃO BARRICO 2 RESUMO O investimento em tecnologias modernas é fundamental para a melhoria

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores Introdução Circuitos Elétricos e Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e indutores: elementos passivos, mas e indutores não dissipam energia

Leia mais

Estudo de Caso das Falhas em Transformadores de Corrente de Neutro em Banco de Capacitores de 138kV

Estudo de Caso das Falhas em Transformadores de Corrente de Neutro em Banco de Capacitores de 138kV XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 010 a 6 de novembro São Paulo - SP - Brasil Estudo de Caso das Falhas em Transformadores de Corrente de Neutro em Banco de Capacitores de

Leia mais

Exogel - Gel Despolarizante

Exogel - Gel Despolarizante 1. Introdução Tendo em vista a sofisticação crescente dos sistemas de energia elétrica, bem como de comunicações e instalações industriais e prediais, torna-se fundamental que do ponto de vista operativo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III Distribuição de Potencial e Campo Elétrico Conceitos: Potencial e Campo Elétricos Equipotenciais e

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

Aterramentos. por Rafael Alves

Aterramentos. por Rafael Alves Aterramentos por Rafael Alves Dentre as causas mais comuns que podem ocasionar distúrbios e danos à segurança das pessoas e equipamentos numa estação de telecom estão as descargas atmosféricas, as sobretensões

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 4 MÓDULO III LINHAS DE TRANSMISSÃO Referências utilizadas: LEÃO, R. GTD Geração, Transmissão e Distribuição da Energia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará, Ceará,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Parque Eólico Água Doce Medições de Resistividade do Solo e de Resistências de Aterramento

Parque Eólico Água Doce Medições de Resistividade do Solo e de Resistências de Aterramento Parque Eólico Água Doce Medições de Resistividade do Solo e de Resistências de Aterramento Ariel Costanzo 1, Marcos Villarreal 1, Paulo Edmundo Freire 2, Marco Aurélio Lima 2, Edgar Pane 3, Suzana Domingues

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

MONOGRAFIA PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS UTILIZANDO PARA-RAIOS DE ÓXIDO DE ZINCO

MONOGRAFIA PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS UTILIZANDO PARA-RAIOS DE ÓXIDO DE ZINCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA FABIANO MARCARINI MONOGRAFIA PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS UTILIZANDO PARA-RAIOS DE

Leia mais

Conceitos básicos sobre aterramentos

Conceitos básicos sobre aterramentos Conceitos básicos sobre aterramentos (Estudo Técnico 2: Aterramento de cercas e currais.) José Osvaldo S. Paulino 1 Aspecto físico de aterramento industrial PROGRAMA: Conceitos básicos sobre aterramento.

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Leandro do Nascimento Silva leandro.nasciment o@vmetais.com.b r Patrick Pena Gomes patrick.gomes@csn.c om.br Hélio de Paiva Amorim

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa

PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa PROVA DE FÍSICA 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Um cano de irrigação, enterrado no solo, ejeta água a uma taxa de 15 litros por minuto com uma velocidade de 10 m/s. A saída do cano é apontada para cima fazendo

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 6 Sistema de Proteção contra Descarga Atmosférica (SPDA) Graduação em Eng. Elétrica 1 Conograma Definições básicas Mitos e Verdades Efeito dos raios nas

Leia mais

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico F. Sato, Unicamp e J. P. Mamede, ELEKTRO Resumo Na previsão da manutenção de disjuntores utiliza-se

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

APLICAÇÃO DE PÁRA-RAIOS ZnO EM LINHAS DE 138kV

APLICAÇÃO DE PÁRA-RAIOS ZnO EM LINHAS DE 138kV FL / GSI / 22 BELÉM PA / BRASIL / 1997 GRUPO XI SOBRETENSÕES, COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO E INTERFERÊNCIAS (GSI) APLICAÇÃO DE PÁRA-RAIOS ZnO EM LINHAS DE 138kV Oscar Kastrup Filho Armando Nigri Paulo Maldonado

Leia mais

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência 1 Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência H. P. Amorim Júnior *, Pesquisador, CEPEL, A. T. Carvalho, Pesquisador, CEPEL, T. B.

Leia mais

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre

67.22-4300 67.23-4300. 2 NA Distância entre contatos abertos 3 mm Montagem em circuito impresso. Vista do lado do cobre Série 67 - Relé de potência para PCI 50 SÉRIE 67 Características 67.22-4300 67.23-4300 Montagem em circuito (abertura 3 mm) 50 Relé de potência para PCI Versões com 2 e 3 contatos N, com dupla abertura

Leia mais

Diretoria de Operação e Manutenção

Diretoria de Operação e Manutenção Os Benefícios da Inteligência Aplicada em Localização de Falhas Elétricas em Cabos Subterrâneos de 13,8 a 145 kv 11ª Edição do Redes Subterrâneas de Energia Elétrica - 2015 Diretoria de Operação e Manutenção

Leia mais

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista Lista 3 Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista 1) Considere uma fonte de tensão alternada senoidal. A partir do gráfico abaixo, faça o que se pede. a) Estime o período da onda. b) Estime

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

ART487-07 - CD 262-07 - PÁG: 1

ART487-07 - CD 262-07 - PÁG: 1 ART487-07 - CD 262-07 - PÁG: 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESCOLHA DA TENSÃO NOMINAL DE UM PÁRA-RAIOS PARA SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Manuel Luís Barreira Martinez João Roberto Cogo EFEI - Escola Federal de Engenharia

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

Evolução dos dispositivos de proteção contra sobretensões

Evolução dos dispositivos de proteção contra sobretensões II Evolução dos dispositivos de proteção contra sobretensões A função básica dos dispositivos de proteção contra sobretensões é a de reduzir as amplitudes das sobretensões de frentes lenta e rápida nos

Leia mais

Simulação de faltas no modelo proposto para projeto de distribuição de energia elétrica em plataforma de lançamento de foguetes

Simulação de faltas no modelo proposto para projeto de distribuição de energia elétrica em plataforma de lançamento de foguetes 1 Simulação de faltas no modelo proposto para projeto de distribuição de energia elétrica em plataforma de lançamento de foguetes Francisco Carlos Parquet Bizarria 1,2 José Walter Parquet Bizarria 1 Francisco

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem sempre temos proteção suficiente. O Brasil é o país com

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA

Leia mais