LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FAN Faculdade Nobre

2 As linhas de transmissão são os equipamentos empregados para transportar grandes blocos de energia por grandes distâncias, entre os centros consumidores e os centros geradores. No Brasil, em função do parque gerador ser baseado na energia hidrelétrica, o sistema de transmissão desempenha um papel muito importante pois as distâncias entre os centros consumidores e geradores são elevadas. FAN Faculdade Nobre

3 REDE DE TRANSMISSÃO A rede de transmissão liga as grandes usinas de geração às áreas de grande consumo. Em geral apenas poucos consumidores com um alto consumo de energia elétrica são conectados às redes de transmissão. A segurança é um aspecto fundamental para as redes de transmissão. Qualquer falta neste nível pode levar à descontinuidade de suprimento para um grande número de consumidores. A energia elétrica é permanentemente monitorada e gerenciada por um centro de controle. O nível de tensão depende do país, mas normalmente está estabelecido entre 220 kv e 765 kv. FAN Faculdade Nobre

4 REDE DE SUB-TRANSMISSÃO A rede de sub-transmissão recebe energia da rede de transmissão com objetivo de transportar energia elétrica às pequenas cidades ou importantes consumidores industriais. O nível de tensão está entre 35 KV e 160 kv. A estrutura dessas redes e em geral em linhas aéreas, por vezes cabos subterrâneos próximos a centros urbanos fazem parte da rede. A permissão para novas linhas aéreas está cada vez mais demorada devido ao grande numero de estudos de impacto ambiental e oposição social. FAN Faculdade Nobre

5 REDE DE DISTRIBUIÇÃO As redes de distribuição alimentam consumidores industriais de médio e pequeno portes, consumidores comerciais e de serviços e consumidores residenciais. Segundo o Prodist, os níveis de tensão são: Alta tensão de distribuição (AT): tensao entre fases cujo valor eficaz é igual ou superior a 69kV e inferior a 230kV. Média tensão de distribuição (MT): tensão entre fases e cujo valor eficaz e superior a 1kV e inferior a 69kV. Baixa tensão de distribuição (BT): tensão entre fases cujo valor eficaz e igual ou inferior a 1kV. FAN Faculdade Nobre

6 Diagrama com a representação dos vários segmentos de um sistema de potência com seus respectivos níveis de tensão. FAN Faculdade Nobre

7 MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO O Sistema Elétrico de Potência é composto por três camadas distintas: Geração, Transmissão Distribuição No Brasil, o processo de reestruturação do setor elétrico passou por uma desestatização das empresas do setor. FAN Faculdade Nobre

8

9 1. Conselho Nacional de Política Energética CNPE Orgã de assessoramento do Presidente da República para a formulação de políticas nacionais e diretrizes de energia, visando, dentre outros, o aproveitamento natural dos recursos energéticos do país, a revisão periódica da matriz energética e a definição de diretrizes para programas específicos. 2. Ministério das Minas e Energia MME Encarregado de formulação, do planejamento e da implementação de ações do Governo Federal no âmbito da política energética nacional. O MME detém o poder concedente. FAN Faculdade Nobre

10 3. Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico CMSE Constituído no âmbito do MME e sob sua coordenação direta, com a função precípua de acompanhar e avaliar permanentemente a continuidade e segurança eletroenergética em todo o território nacional. 4. Empresa de Pesquisa Energética EPE Empresa pública federal vinculada ao MME que tem por finalidade prestar serviços na área de estudos e pesquisas destinados a subsidiar o planejamento do setor energético. FAN Faculdade Nobre

11 5. Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Autarquia vinculada ao MME, com finalidade de regular a fiscalização, a produção, a transmissão, a distribuição e comercialização de energia, em conformidade com as políticas e diretrizes do Governo Federal. A ANEEL detém os poderes regulador e fiscalizador. 6. Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Pessoa jurídica de direto privado, sem fins lucrativos, sob a regulação e fiscalização da ANEEL, tem por objetivo realizar as atividades de coordenação e controle da operação de geração e transmissão, no âmbito do SIN (Sistema Interligado Nacional). O ONS é responsável pela operação física do sistema e pelo despacho centralizado de energia produzida. FAN Faculdade Nobre

12 7. Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, sob a regulação e fiscalização da ANEEL, com a finalidade de viabilizar a comercialização de energia elétrica no SIN. Administra os contratos de compra e venda de energia elétrica, sua contabilização e liquidação. A CCEE é responsável pela operação comercial do sistema. 8. Agências Estaduais de Energia Elétrica Nos estados foram criadas as Agencias Reguladoras Estaduais com a finalidade de descentralizar as atividades da ANEEL. FAN Faculdade Nobre

13 Uma LT de energia elétrica possui quatro parâmetros básicos: resistência série, indutância série, capacitância em derivação e condutância em derivação. Estes parâmetros influem diretamente no seu comportamento como componente de um sistema de energia elétrica mas, a condutância em derivação (representa a fuga pelos isoladores e corona de linhas aéreas ou isolação dos cabos subterrâneos) geralmente é desprezada por ser muito pequena. Assim, para a análise do regime permanente de uma LT serão considerados apenas três parâmetros: resistência série, indutância série e capacitância em derivação. FAN Faculdade Nobre

14 CONDUTORES Na construção de LTs são empregados largamente os condutores de alumínio devido aos seguintes fatores: Menor custo e peso; Maior diâmetro que equivalente em cobre (portanto menor densidade de fluxo elétrico na superfície, proporcionando um menor gradiente de potencial e menor tendência à ionização do ar efeito corona). Os tipos mais comuns de condutores de alumínio são: CA Condutor de Alumínio (AAC All Aluminium Conductor) CAA Condutor de Alumínio com alma de Aço (ACSR Aluminium Conductor Steel Reinforced) FAN Faculdade Nobre

15 Os nomes código dos cabos CA são nomes de flores (por exemplo: 4 AWG Rose; 266,8 MCM Daisy; 636 Orchid) E o nome dos cabos CAA são nomes de aves (por exemplo: 1 AWG Robin; 636 MCM Grosbeak; 1590 Falcon). FAN Faculdade Nobre

16

17

18 Em corrente alternada (CA), devido ao efeito pelicular (skin), a corrente tende a concentrar-se na superfície do condutor. Isto provoca um acréscimo na resistência efetiva (proporcional à freqüência) observável a 60 Hz (em torno de 3%). FAN Faculdade Nobre

19 EXEMPLO Para o cabo de alumínio Marigold 1113 MCM (61 x 3,432mm), a resistência em CC a 20 oc é igual a 0,05112 Ω/km e a resistência CA a 60 Hz a 50 oc é 0,05940 Ω/km. Determinar: a) O acréscimo percentual na resistência devido ao encordoamento. b) O acréscimo percentual na resistência devido ao efeito pelicular. FAN Faculdade Nobre

20

21

22 A expressão linha de transmissão se aplica em todos os elementos de circuitos, que se destinam ao transporte de energia, independente da quantidade transportada. Nosso enfoque será dado apenas às linhas clássicas, considerando apenas aquelas formadas por ligações físicas entre uma fonte geradora de energia e um elemento consumidor dessa energia. Os termos fonte e consumidor de energia devem ser entendidos como transmissor e receptor de energia respectivamente. Essa ligação física é feita por meio de condutores, os quais são mantidos sob diferença de potencial e pelos quais circula corrente elétrica. FAN Faculdade Nobre

23

24 ANÁLISE QUALITATIVA As soluções matemáticas dos fenômenos físicos exigem, em geral, simplificações e idealizações. Assim, a obtenção de uma expressão matemática, a partir de princípios fundamentais deve, além da fórmula, fornecer todas as informações referentes às restrições, aproximações e limitações que são impostas, sob pena de fazer-se uso indevido da mesma. Assim, é conveniente efetuar-se uma análise qualitativa dos fenômenos eletromagnéticos que ocorrem nas linhas antes de partir para uma solução matemática. FAN Faculdade Nobre

25 ENERGIZAÇÃO DE UMA LINHA Considere uma linha de transmissão ideal (resistência nula não existe perdas por efeito Joule), perfeitamente isolada (afastada de qualquer influência externa) e imersa em um meio dielétrico perfeito (não existe perdas de energia no dielétrico entre os condutores), está representada na figura a seguir. Seja C [F/km] a capacitância entre condutores, L [H/km] sua indutância, l [km] o seu comprimento e R2 um dissipador de energia colocado junto ao terminal receptor da linha. FAN Faculdade Nobre

26

27 Aplicando-se no instante t=0, uma tensão V [kv] nos terminais 1 e 1, esta irá aparecer nos terminais do 1 o elemento infinitesimal Δt [s] depois, e assim sucessivamente até o terminal receptor da linha, isto porque a corrente através do elemento LΔx não pode atingir instantaneamente seu valor Io [A]. Uma vez atingido o valor Io [A] este se mantém constante. Esta corrente denomina-se corrente de carga da linha. Cargas elétricas dão origem a campos elétricos e a movimentação delas da origem a campos magnéticos que se propagam do gerador para o receptor. FAN Faculdade Nobre

28 Define-se velocidade de propagação pela seguinte relação: FAN Faculdade Nobre

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto I. Fatores a serem considerados durante o Projeto 1. Adaptação do projeto ao meio ambiente; 2. Escolha do nível de tensão; 3. Seleção dos condutores fase (tipo e tamanho); 4. Seleção dos cabos pára-raios;

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 03 Ementa do Curso 1. Introdução

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica.

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Ímã: Princípios de Eletromecânica Ímã é um objeto formado por material ferromagnético que apresenta um campo magnético à sua volta.

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE Aula 4 Subestações Definição de Subestação (SE) Uma subestação é o conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é controlar os níveis de tensão

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

2. Introdução a Sistemas Elétricos de Potência

2. Introdução a Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Elétricos de Potência 2. Introdução a Sistemas Elétricos de Potência Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/raphaelbenedito

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Princípios de Eletricidade Magnetismo

Princípios de Eletricidade Magnetismo Princípios de Eletricidade Magnetismo Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua Professor: Cristiano Faria Corrente e Movimento de Cargas Elétricas Embora uma corrente seja um movimento de partícula

Leia mais

Empreendimentos do Rio Madeira

Empreendimentos do Rio Madeira Empreendimentos do Rio Madeira Sistema de Transmissão Associado (Leilão ANEEL n 007/2008) Abordagem Conceitual AGENDA Introdução Aspectos Gerais Considerações sobre os Empreendimentos de Geração Considerações

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

Cap. 5. Capacitores e Dielétricos

Cap. 5. Capacitores e Dielétricos Cap. 5. Capacitores e Dielétricos 1 5.1. Definição de Capacitância Um capacitor consiste de dois condutores em oposição, separados por um meio isolante (dielétrico) e possuindo cargas de mesmo módulo mas

Leia mais

Figura Circuito para determinação da seqüência de fases

Figura Circuito para determinação da seqüência de fases A C B R N C R N Figura 4.1 - Circuito para determinação da seqüência de fases Exercício 4.2 No circuito da Figura 4.2, quando ocorre um defeito fase-terra franco na barra P, pede-se determinar: a) a corrente

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNESDADE FEDEAL DE JU DE FOA Graduação em Engenharia Elétrica TANSMSSÃO DE ENEGA ELÉTA POF. FLÁO ANDESON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 07 urso de Transmissão de Energia Elétrica Aula

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 16 / 04 / 2013 1 de 7 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de alumínio reforçado CAA utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR/CELPA.

Leia mais

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO

CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO CUSTOS E TARIFAS DE TRANSMISSÃO Mario Veiga mario@psr-inc.com Fórum APINE-Canal Energia 20/11/2006 Objetivos do modelo setorial Segurança de suprimento Modicidade tarifária 2 Estratégia do novo modelo

Leia mais

Seção 6 Armaduras, Emendas, Reparos e Protetores Preformados

Seção 6 Armaduras, Emendas, Reparos e Protetores Preformados Transmissão: Seção 6 PLP BRASIL Seção 6 Armaduras, Emendas, Reparos e Protetores Preformados Índice Página Armadura Preformada para Condutor de Alumínio e Cordoalha de Aço AR 6-2 Emenda Preformada para

Leia mais

MANUTENÇÃO BÁSICA Aula teórica de revisão 02 Parte I

MANUTENÇÃO BÁSICA Aula teórica de revisão 02 Parte I MANUTENÇÃO BÁSICA Aula teórica de revisão 02 Parte I Revisão de Corrente e tensão Contínua e Alternada e Aterramento Tensão Contínua Na tensão continua ou constante o seu valor não se altera com o tempo.

Leia mais

Transformador Monofásico [de Isolamento]

Transformador Monofásico [de Isolamento] Transormador Monoásico [de Isolamento] Transormação de Tensão Transormação de tensão para várias tensões de entrada:, 3, 3 = ( 1 ) Inormação 1.1. Generalidades Além da conversão de energia natural - carvão,

Leia mais

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural

Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Cabos nus de alumínio para eletrificação rural Introdução Este catálogo apresenta os cabos nus de alumínio (CA) e alumínio com alma de aço (CAA), de fabricação Prysmian, nas bitolas padronizadas para distribuição

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

Exercícios 6 1. real 2. Resp: 3. o sentido convencional Resp: 4. Resp: 5. (a) (b) (c) Resp: (b) (c) Resp:

Exercícios 6 1. real 2. Resp: 3. o sentido convencional Resp: 4. Resp: 5. (a) (b) (c) Resp: (b) (c) Resp: Exercícios 6 1. A corrente elétrica real através de um fio metálico é constituída pelo movimento de: a) Cargas positivas do maior para o menor potencial. b) Cargas positivas. c) Elétrons livres no sentido

Leia mais

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA 1 INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA Na eletricidade básica existem três grandezas fundamentais que são a tensão elétrica, a corrente elétrica, a resistência elétrica. Para estuda-las utilizaremos o conceito

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua em Ultra-Alta Tensão Panorama Atual e Perspectivas Futuras no Brasil Transmissão em Corrente Contínua em Ultra-Alta Tensão Transmissão em CCAT Panorama Atual e Perspectivas

Leia mais

ProLine Tecnologia de Interface. Transmissores de Temperatura para Alta Tensão. ProLine P 44000

ProLine Tecnologia de Interface. Transmissores de Temperatura para Alta Tensão. ProLine P 44000 ProLine Tecnologia de Interface Transmissores de Temperatura para Alta Tensão Medição precisa de temperatura sob altas tensão de até 6,6 kv. Quando é preciso medir temperaturas com termômetros de resistência

Leia mais

CONDUTORES TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO

CONDUTORES TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO AMRTEC Tecnologia, Importação e Exportação Ltda. www.amrtec.com.br CONDUTORES TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO a empresa A AMRTEC é uma provedora de alta tecnologia e serviços diferenciados que atua no mercado

Leia mais

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 4

Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 4 Sistemas Elétricos de Potência 1 Lista de Exercícios No. 4 1 Um transformador trifásico de distribuição de 50 KVA, 2400:240 V, 60 Hz, tem uma impedância de dispersão de 0,72 + j 0,92 Ω no enrolamento da

Leia mais

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI

ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. INTERLIGAÇÃO BRASIL - URUGUAI 0b Renumeração dos anexos 08/12/2010 KCAR/SMMF 08/12/2010 AQ 0a Revisão do item 6 e anexo 6 02/12/2010 KCAR/SMMF 02/12/2010 AQ 0 Emissão inicial 05/11/2010 KCAR/SMMF 05/11/2010 AQ N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRANSMISSÃO - GLT VALIDAÇÃO DE ENSAIOS

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 00 MONTAGEM DE BANCO DE CAPACITORES SEM CONTROLE AUTOMÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Estabelecer a padronização da montagem de bancos de capacitores

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Corrente Elétrica Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-0116/ Corrente elétrica

Leia mais

CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE PLANTA BAIXA MEDIDAS EM: cm BEP 1 x Ø4" VISTA FRONTAL MEDIDAS EM: cm VISTA CORTE LATERAL: A-A" MEDIDAS EM: cm Av.

Leia mais

3ª Ficha. Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua

3ª Ficha. Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua 3ª Ficha Corrente, resistência e circuitos de corrente contínua 1- Um condutor eléctrico projectado para transportar corrente elevadas possui um comprimento de 14.0 m e uma secção recta circular com diâmetro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ECUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS FLORIANÓPOLIS ELETRICIDADE E ELETRÔNICA EMBARCADA E-mail: vinicius.borba@ifsc.edu.br

Leia mais

Título: Atestado de Homologação de fornecedores de materiais

Título: Atestado de Homologação de fornecedores de materiais 1 de 1 Atestamos, para devidos fins, que a empresa ELETROCAL IND.COM.MATERIAIS ELET LTDA, registrada no CNPJ/MF sob nº 83.060.012/0001-39, com sede à AV. ENG. LOURENÇO FAORO, nº 4567, CAÇADOR SC, CEP 89500-000,

Leia mais

Resumo de Eletrodinâmica

Resumo de Eletrodinâmica Resumo de Eletrodinâmica i = Corrente Elétrica (A) Δq = quantidade de carga elétrica no fio em movimento (C = coulomb) milicoulomb: microcoulomb: nanocoulomb: n = número de elétrons e = carga elementar

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Fluxos de Potência entre dois Barramentos LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Fluxos de Potência entre dois Barramentos Tópicos da Aula (parte 1) Modelos de Linhas de Transmissão Linhas Curtas: Fluxos da LT sem perdas ativas Diagrama Fasorial

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Tecnologias de electrificação Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

Propriedades Elétricas. Condutores

Propriedades Elétricas. Condutores Propriedades Elétricas Condutores Condutores - 0 K Nivel de Fermi Estados vazios Estados preenchidos Mar (Gás) de Fermi Bandas cheias e gaps (abaixo) Condutividade Elétrica em CONDUTORES (Metais) Metais:

Leia mais

Noções de corrente alternada

Noções de corrente alternada Noções de corrente alternada Corrente alternada, ou CA (em inglês AC) é uma corrente elétrica cuja intensidade e sentido variam periodicamente, ao contrário da corrente contínua cuja direção permanece

Leia mais

Conteúdo. N.º do art.: MLC500T EX2 Cortina de luz de segurança, emissor

Conteúdo. N.º do art.: MLC500T EX2 Cortina de luz de segurança, emissor N.º do art.: 68040318 MLC500T30-1800-EX2 Cortina de luz de segurança, emissor A imagem pode divergir Conteúdo Dados técnicos Receptores apropriados Desenhos dimensionados Ligação elétrica Diagramas de

Leia mais

Conteúdo. N.º do art.: MLC510R14-450H/A Cortina de luz de segurança, receptor

Conteúdo. N.º do art.: MLC510R14-450H/A Cortina de luz de segurança, receptor N.º do art.: 68017104 MLC510R14-450H/A Cortina de luz de segurança, receptor A imagem pode divergir Conteúdo Dados técnicos Emissores apropriados Desenhos dimensionados Ligação elétrica Operação e indicação

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

1 Exercícios. Carlos Marcelo Pedroso. 17 de abril de 2010

1 Exercícios. Carlos Marcelo Pedroso. 17 de abril de 2010 Exercícios Carlos Marcelo Pedroso 17 de abril de 2010 1 Exercícios Exercício 1: Quais os dois principais mecanismos que proporcionam a condução de corrente em materiais? Quais as características (microscópicas)

Leia mais

Cabo Telefônico CTP-APL

Cabo Telefônico CTP-APL Cabo Telefônico CTP-APL Descrição ABNT NBR 9124/ANATEL: RESOLUÇÃO - sem escala Figura ilustrativa Condutor: Cobre eletrolitico com diâmetros nominais de 0,40, 0,, 0,65 ou 0,90 mm. Isolamento: Material

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 600A

Acessórios Desconectáveis 600A 600A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

Acessórios para amarração por estribo de cabo alumínio-aço, alumínio e liga de alumínio. Designação

Acessórios para amarração por estribo de cabo alumínio-aço, alumínio e liga de alumínio. Designação 1 PINÇAS DE AMARAÇÃO Acessórios para amarração por estribo de cabo alumínio-aço, alumínio e liga de alumínio. Designação Pinça amarração estribo (4-12mm) Pinça amarração estribo (10-16mm) Pinça amarração

Leia mais

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções

Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções Enunciados de problemas sobre cálculo aproximado de correntes de curto-circuito e dimensionamento de canalizações eléctricas e suas protecções J. Neves dos Santos J. Rui Ferreira M. Costa Matos J. Tomé

Leia mais

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE

Curso Técnico em Mecânica ELETRICIDADE Curso Técnico em Mecânica 2016 ELETRICIDADE Aula 04 Fontes de alimentação Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT/MT Características complementares Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão:

Leia mais

EEC4262 Radiação e Propagação. Lista de Problemas

EEC4262 Radiação e Propagação. Lista de Problemas Lista de Problemas Parâmetros fundamentais das antenas 1) Uma antena isotrópica no espaço livre produz um campo eléctrico distante, a 100 m da antena, de 5 V/m. a) Calcule a densidade de potência radiada

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

Resistor e resistência

Resistor e resistência LEIS DE OHM Resistor e resistência O resistor é um dispositivo cujas principais funções são: dificultar a passagem da corrente elétrica e transformar energia elétrica em energia térmica por efeito Joule.

Leia mais

Corrente elétrica pode ser entendida como sendo a quantidade de elétrons que atravessa a secção de um condutor em um segundo.

Corrente elétrica pode ser entendida como sendo a quantidade de elétrons que atravessa a secção de um condutor em um segundo. Corrente, Tensão, Resistência, Potência e Freqüência. Conceitos Básicos Mesmo pensando somente em Informática, temos que conhecer algumas grandezas elétricas básicas. Essas grandezas são: Corrente, tensão,

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 09 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de luva de emenda à compressão para cabos de alumínio nas Redes de Distribuição

Leia mais

2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata

2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata 2 Linhas de Transmissão na Região da Bacia do Prata O procedimento inicial para a metodização proposta consiste no levantamento das linhas de transmissão existentes e das expansões previstas para a rede

Leia mais

Sensor transmissor sensor do valor de medição Construção

Sensor transmissor sensor do valor de medição Construção Sensor transmissor sensor do valor de medição Construção GEMÜ 12 Sensor transmissor com contato Reed (alternador) biestável instalado. GEMÜ 1251-1257 Sensor transmissor com contato Reed (NA) biestável

Leia mais

Conteúdo. N.º do art.: MLC500T H/A Cortina de luz de segurança, emissor

Conteúdo. N.º do art.: MLC500T H/A Cortina de luz de segurança, emissor N.º do art.: 68016115 MLC500T14-1500H/A Cortina de luz de segurança, emissor A imagem pode divergir Conteúdo Dados técnicos Receptores apropriados Desenhos dimensionados Ligação elétrica Operação e indicação

Leia mais

Seccionadoras Compactas Chaves Seccionadoras Compactas MSW. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Seccionadoras Compactas Chaves Seccionadoras Compactas MSW. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Seccionadoras Compactas Chaves Seccionadoras Compactas MSW Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Seccionadoras Compactas MSW As chaves da linha MSW foram desenvolvidas de

Leia mais

Turma: Pré-vestibular Tema: Corrente Elétrica e Resistores Professor: Leonardo Santos Data: 27 de julho de 2012

Turma: Pré-vestibular Tema: Corrente Elétrica e Resistores Professor: Leonardo Santos Data: 27 de julho de 2012 Curso Predileção Turma: Pré-vestibular Tema: Corrente Elétrica e Resistores Professor: Leonardo Santos Data: 27 de julho de 2012 Q1. (IME) A intensidade da corrente elétrica em um condutor metálico varia,

Leia mais

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO

A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 1 A GERAÇÃO EÓLICA E OS DESAFIOS PARA A OPERAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Angela C. S. L. Guimarães Pedro Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco - Chesf 2 PROPOSTA DO TRABALHO MOTIVAÇÃO

Leia mais

Aula 04: Circuitos Trifásicos Equilibrados e Desequilibrados

Aula 04: Circuitos Trifásicos Equilibrados e Desequilibrados UNIERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 Aula 04: Circuitos Trifásicos Equilibrados e Desequilibrados P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l :

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO T Í T U L O REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL POSTE DUPLO T CÓDIGO PT.PN.03.13.0012 VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-27/05/2011 27/05/2011

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores 1. (Unicamp 2013) O carro elétrico é uma alternativa aos veículos com motor

Leia mais

4. Variando-se a ddp aplicada a um condutor e medindo-se as intensidades de corrente, obtêm-se os resultados da tabela abaixo:

4. Variando-se a ddp aplicada a um condutor e medindo-se as intensidades de corrente, obtêm-se os resultados da tabela abaixo: AS RESPOSTAS ESTÃO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. 1. Um resistor tem resistência igual a 50Ω, sob ddp U = 60V. Calcule a intensidade de corrente que o atravessa. 2. Um resistor ôhmico, quando submetido a uma

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD CONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD CONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EMD -.037 1/19 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD.037 EMD -.037 2/19 1. OBJETIVO Esta EMD padroniza as características mínimas exigíveis para os conjuntos de aterramentos

Leia mais

PROJETO ELETROMECANICO PLOTAÇÂO (CatenariaVBA)

PROJETO ELETROMECANICO PLOTAÇÂO (CatenariaVBA) PROJETO ELETROMECANICO PLOTAÇÂO (CatenariaVBA) APRESENTAÇÃO O programa CatenariaVBA foi desenvolvido para a locação dos perfis e plantas compactos, usando os cálculos de tensões e flechas dos cabos, entrando

Leia mais

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Abril de 2017

Apresentação de Itaipu e Furnas. Wilson Komatsu Abril de 2017 Apresentação de Itaipu e Furnas Wilson Komatsu Abril de 2017 Organização da Apresentação Introdução Itaipu Barragem Geração Furnas Transmissão CA Transmissão CC Observação: dados e imagens desta apresentação

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica (EEL7071)

Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica (EEL7071) Introdução aos Sistemas de (EEL7071) Objetivo Geral Desenvolver o aprendizado básico das técnicas de modelagem e análise da operação em regime permanente equilibrado e desequilibrado de sistemas de energia

Leia mais

COMPONENTES SIMÉTRICAS

COMPONENTES SIMÉTRICAS COMPONENTES SIMÉTRICAS COMPONENTES SIMÉTRICAS Uma das melhores ferramentas para lidar com circuitos polifásicos desbalanceados é o método das componentes simétricas introduzido por C. L. Fortescue; Neste

Leia mais

PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS

PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS UNIDADE II PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS 1. INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros elétricos, relacioná-los, analisar os seus resultados

Leia mais

Aula02.! Tensão, Corrente Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Aula02.! Tensão, Corrente Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Aula02 Tensão, Corrente slide 1 OBJETIVOS Tomar conhecimento da estrutura atômica básica de condutores como o cobre e o alumínio e compreender por que eles são usados tão extensivamente nessa área. Compreender

Leia mais

Válvulas solenoides de 2/2 vias de operação direta tipo EV210B

Válvulas solenoides de 2/2 vias de operação direta tipo EV210B Ficha técnica Válvulas solenoides de 2/2 vias de operação direta tipo A cobre uma ampla linha de válvulas solenoides de 2/2 vias de operação direta para uso universal. A é uma válvula muito robusta com

Leia mais

PARÂMETROS ELÉTRICOS PARA SELEÇÃO DE CONDUTORES

PARÂMETROS ELÉTRICOS PARA SELEÇÃO DE CONDUTORES Instalações Elétricas Internas UNIDADE II PARÂMETROS ELÉTRICOS PARA SELEÇÃO DE CONDUTORES 1. INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros

Leia mais

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova

Leia mais

Ferramentas Isoladas para Trabalhos em Tensão Detectores de Tensão (B.T./M.T./A.T.)

Ferramentas Isoladas para Trabalhos em Tensão Detectores de Tensão (B.T./M.T./A.T.) Ferramentas Isoladas para Trabalhos em Tensão Detectores de Tensão (B.T./M.T./A.T.) Nota: Materiais não tabelados sob consulta Ferramentas Isoladas Caixa Fêmea Longa 50,0 55, 55, Radio 44,50 2 44,50 MS

Leia mais

Relé Bloqueio RB-86 ANSI ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé Bloqueio RB-86 ANSI ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Bloqueio pode ser utilizado nos mais diversos circuitos de CA ou CC que tenham por finalidade bloquear o funcionamento de um equipamento

Leia mais

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA

VESTIBULAR UFPE UFRPE / ª ETAPA VESTIBULAR UFPE UFRPE / 1998 2ª ETAPA NOME DO ALUNO: ESCOLA: SÉRIE: TURMA: FÍSICA 1 VALORES DE ALGUMAS GRANDEZAS FÍSICAS Aceleração da gravidade : 10 m/s 2 Número de Avogadro : 6,0 x 10 23 /mol Constante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LUCA SANTOS MATZENBACHER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LUCA SANTOS MATZENBACHER UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LUCA SANTOS MATZENBACHER PROJETO DE DIPLOMAÇÃO SISTEMA DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DE LINHAS AÉREAS

Leia mais

AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI ( )

AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI ( ) AULA DO CAP. 15-2ª Parte Fluidos Ideais em Movimento DANIEL BERNOULLI (1700-1782) Radicada em Basiléia, Suíça, a família Bernoulli (ou Bernouilli) tem um papel de destaque nos meios científicos dos séculos

Leia mais

Projeto de Transformadores para Alta Frequência

Projeto de Transformadores para Alta Frequência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desen. de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas Projeto

Leia mais

CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO

CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO CATÁLOGO DE CABOS MÉDIA TENSÃO ALUB Além de atender as concessionárias e empreiteiras, nossa atuação busca ampliar as atividades no mercado de energia renovável, a fim de

Leia mais

Principais características DADOS TÉCNICOS Características elétricos Características mecânicas

Principais características DADOS TÉCNICOS Características elétricos Características mecânicas Botões de Comando e Sinalização Ø 22mm HB2-E (Plastico) A linha de Botões de comando e Sinalizações HB2-E com seu design moderno, alta confiabilidade e baixo custo, com grandes variedades de configurações,

Leia mais

3 CONDUTORES ELÉCTRICOS

3 CONDUTORES ELÉCTRICOS 3 CONDUTORES ELÉCTRICOS 3.1 CONDUTORES ELÉCTRICOS METAIS MAIS USADOS EM CONDUTORES ELÉCTRICOS Os metais mais usados como condutores em cabos eléctricos são o Cobre e o Alumínio. 3.1.1 COBRE O Cobre é obtido

Leia mais

TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios. Fator de Potência

TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios. Fator de Potência TE 158 Operação de sistemas elétricos de potência Lista de exercícios Fator de Potência Cargo: Engenheiro Pleno - Eletricista Ano: 2006 Órgão: CORREIOS/DF Instituição: AOCP 1. Determine a potência ativa

Leia mais

Sumário. 1 Introdução Álgebra Vetorial Cálculo Vetorial 62

Sumário. 1 Introdução Álgebra Vetorial Cálculo Vetorial 62 Sumário 1 Introdução 18 1-1 Linha do Tempo Histórico 19 1-1.1 Eletromagnetismo na Era Clássica 19 1-1.2 Eletromagnetismo na Era Moderna 20 1-2 Dimensões, Unidades e Notação 21 1-3 A Natureza do Eletromagnetismo

Leia mais

LBC 34xx/12 Altifalantes de corneta

LBC 34xx/12 Altifalantes de corneta Sistemas de Comunicação LBC 34xx/12 Altifalantes de corneta LBC 34xx/12 Altifalantes de corneta Unidades de motor de alta eficiência Até 45 W (potência máx.) Amplo ângulo de abertura Excelente reprodução

Leia mais

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V)

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V) Acesse. www.professorarnon.com Eletricidade Básica. Associação de Resistências em Série Vários resistores estão associados em série quando são ligados um em seguida do outro, de modo a serem percorridos

Leia mais

Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estados 1

Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estados 1 Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estado Os estados de um sistema podem ser definidos como o conjunto mínimo de sinais que descrevem o comportamento dinâmico do sistema. Sendo assim, dado o valor

Leia mais

TRANSDUTORES TRU Família TRU LOEFER do Brasil Indústria e Comércio Ltda

TRANSDUTORES TRU Família TRU LOEFER do Brasil Indústria e Comércio Ltda LF0225 REV.1 Nov/03 FL. 1 de 4 Família TRU LF0225 REV.1 Nov/03 FL. 2 de 4 TRANSDUTOR DE POSIÇÃO TIPO TRU (sensor resistivo universal) INTRODUÇÃO. Com a criação da linha de transdutores cuja corrente de

Leia mais