Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------"

Transcrição

1 4 MÓDULO III LINHAS DE TRANSMISSÃO Referências utilizadas: LEÃO, R. GTD Geração, Transmissão e Distribuição da Energia Elétrica, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Ceará, Ceará, 009. Apostila de GTD, Geração, Transmissão e Distribuição da Energia Elétrica ET70 Sistemas de Energia Elétrica, Capitulo 5: Linhas de Transmissão., Unicamp, Campinas. HAFFNER, S., Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente A Linha de Transmissão, Universidade do Estado de Santa Catarina, Joinville, 007. CARNEIRO, A. A. F. M. Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica, EESC USP. FUCHS, R. D. Transmissão de Energia Elétrica - Linhas Aéreas, Livros Técnicos e Científicos, Escola Federal de Engenharia de Itajubá, Volume, p. Demais/outros conteúdos, imagens e apostilas disponíveis na Web/Internet Características Físicas das Linhas de Transmissão O desempenho elétrico de uma linha aérea de transmissão depende de sua geometria, ou seja, de suas características físicas Componentes da Linha de Transmissão (LT) (1) Condutores () Isoladores (cadeia de isoladores de porcelana ou vidro) (3) Estruturas de suporte (4) Cabo pára-raios (cabos de aço colocados no topo da estrutura para proteção contra raios) (4) () (1) (3) Fig. 3.1 Linha de transmissão.

2 Classe de tensão As diferentes classes de tensão em Linhas de Transmissão são apresentadas na Tabela 3.1. Tabela 3.1 Classes de tensão em LT s Sigla Denominação Valores típicos de tensão de (linha) LV Low Voltage < 600V MV Medium Voltage 13,8kV 3kV 34,5kV 69kV HV High Voltage 115kV 138kV 30kV EHV Extra High Voltage 345kV 440kV 500kV 600kV 765kV UHV Ultra High Voltage 1100kV Cabos e Condutores Material: Cobre e alumínio. O alumínio é mais barato, mais leve, requer área da seção reta maior que o cobre para as mesmas perdas. Aéreo e Subterrâneo. Unidades mais comumente usadas: Comprimento: metro [m], pé [ft], milha [mi]; 1ft = 0,3048m 1mi = 1609m Área da seção reta: milímetro quadrado [mm ], circular mil [CM] (*) : (*) 1 CM = área de um condutor de um milésimo de polegada de diâmetro; Tabela 3. Condutores de linhas aéreas. Sigla (Português/Inglês) CA / AAC AAAC / AAAC CAA / ACRS ACAR / ACAR Material Alumínio puro Liga de alumínio puro Alumínio com alma de aço Alumínio com alma de liga de alumínio (alumínio+magnésio/silício) O condutor mais utilizado é o CAA (alumínio com alma de aço), pois o aço contido em seu interior é mais barato que o alumínio e consequentemente o custo do condutor é reduzido. Além disso, a alma de aço é mais resistente a tração (admite lances maiores). Os condutores são nus (não há isolação) Os condutores são torcidos para uniformizar a seção reta. Cada camada é torcida em sentido oposto à anterior (evita que desenrole e o acoplamento entre as camadas). (a) CAA Fig. 3. Condutores. (b) CA Cabos de cobre (linhas subterrâneas): sólidos ou encordoados. Condutores isolados com papel impregnado em óleo. Existem outros tipos de isolação Isoladores Os materiais empregados na fabricação dos isoladores são : Porcelana vitrificada; Vidro temperado.

3 6 Tipos de Isoladores 1. Isolador de pino. Isolador tipo pilar 3. Isolador de disco (a) Isolador de pino. (b) Isolador tipo pilar. (c) Isolador de disco. Fig. 3.3 Isoladores. 3. Estrutura das Linhas de Transmissão 3..1 Disposição dos Condutores A disposição dos condutores é classificada em três tipos: 1. Triangular: Fig. 3.4 LT triangular.. Horizontal Fig. 3.5 LT horizontal.

4 7 3. Vertical Fig. 3.6 LT vertical. 3.. Dimensão das Estruturas A dimensão das estruturas depende principalmente de dois fatores: 1. Tensão nominal de operação.. Sobretensões previstas. Fig. 3.7 Linhas a circuito duplo Classificação das Estruturas Quanto a Forma de Resistir a) Estruturas autoportantes (a) Fig. 3.8 Estrutura autoportante. (b)

5 8 a) Estruturas estaiadas (a) 3..4 Materiais para Estruturas a) Madeira b) concreto armado c) estruturas metálicas Fig. 3.9 Estrutura estaiada. (b) 3..5 Cabos Pára-raios Ocupam a parte superior das estruturas e se destinam a interceptar descargas de origem atmosféricas e descarregá-las para o solo, evitando que causem danos e interrupções nos sistemas. 3.3 Parâmetros de Linhas de Transmissão Resistência (R) Dissipação de potência ativa devido a passagem de corrente. Condutância (G) Representação das correntes de fuga entre condutores e pelos isoladores. É muito variável em função das condições de operação da linha (clima, umidade relativa do ar, poluição, etc.). Seu efeito em geral é desprezado, pois sua contribuição no comportamento geral da linha é muito pequena. Fig Representação de uma LT. Indutância (L) Deve-se aos campos magnéticos criados pela passagem de corrente. Capacitância (C) Deve-se aos campos elétricos: carga nos condutores por unidades de diferença de potencial entre eles.

6 9 Fig Campo elétrico e magnético entre condutores. Com base nessas grandezas que representam fenômenos físicos que ocorrem na operação de linhas, pode-se obter um modelo equivalente para a mesma, como ilustrado na figura a seguir: FONTE CARGA Fig. 3.1 Modelo equivalente de LT. 3.4 Resistência (R) Causa a dissipação de potência ativa: (3.1) Resistência em corrente contínua (CC):..Ω (3.) Sendo: resistividade do material (Ω.m); l comprimento (m) ou (m/km); A área da seção reta (m ). Tabela 3.3 Resistividade do cobre e alumínio. Material Temperatura (resistividade do material) Cobre 0 C 1, Ω.m Alumínio 0 C, Ω.m depende da temperatura R CC varia com a temperatura. Se aumenta, então R CC aumenta: Sendo: R 1 resistência do material devido à temperatura t 1; R resistência do material devido à temperatura t ; T constante do material [ C]. (3.3) Em cabos encordoados, o comprimento dos fios periféricos é maior que o comprimento do cabo (devido ao encordoamento helicoidal). Isto acresce à resistência efetiva em 1 a %.

7 30 Em corrente alternada (CA), devido ao efeito skin, a corrente tende a concentrar-se na superfície do condutor. Isto provoca um acréscimo na resistência efetiva (proporcional a frequência) observável a 60Hz (em torno de 3%). Exercício 1. O alumínio Marigold 1113 MCM (61x3,43mm) apresenta as seguintes características: Resistência em CC a 0 C 0,0511 Ω/km Resistência em CA-60Hz a 50 C 0,05940 Ω/km Temperatura constante do alumínio = 8 C Determine: a) O acréscimo percentual na resistência devido ao encordoamento. b) O acréscimo percentual na resistência devido ao efeito skin. 3.5 Indutância (L) Indutância de uma Linha Monofásica Considere a linha monofásica: i r a r b -i Hipótese Simplificadora: D Fig Linha monofásica. Fig Fluxo concatenado entre condutores. Simplificações: Admitir:, ( ) ( ) Considerar condutor com um ponto, localizado a um distância D do centro do condutor 1. Então, as indutâncias externas produzidas pelos condutores a e b são, respectivamente:.. (3.4) (3.5)

8 31 Nas indutâncias internas, cada condutor enxerga o outro como um ponto. O fluxo externo de um condutor não afetará o fluxo interno do outro. Então: / / A indutância total devido ao condutor a é: (3.6) (3.7) (3.8). Considerando / : (3.9) (3.10) (3.11) E, o raio médio geométrico do condutor a é:. 0,77. (3.1) A equação (3.11) é parecida com a do fluxo externo, só que engloba também fluxo interno. Equivalente, portanto, ao fluxo externo de um condutor com raio que é chamado de raio efetivo ou Raio Médio Geométrico Efetivo. A indutância total devido ao condutor b é: (3.13) (3.14) (3.15) (3.16) Onde:. 0,77. é o Raio Médio Geométrico efetivo do condutor b. Indutância total é a soma das indutâncias dos condutores a e b. (3.17) (3.18) (3.19) / (3.0) A indutância depende da distância entre os fios, do raio dos condutores e do meio. A indutância depende da corrente.

9 3 Se os condutores tiverem o mesmo raio: (3.1) Exercício. Determine a indutância média por fase de uma linha monofásica cuja distância entre os condutores é de 1,5m e o raio dos condutores é de 0,5cm. 1 D m = 1,5m Indutância de Condutores Compostos Um condutor constituído de dois ou mais elementos ou fios em paralelo é chamado condutor composto (isto também inclui os condutores encordoados). Sejam dois condutores compostos, conforme ilustrado na Fig O condutor x é formado por n fios cilíndricos e idênticos, cada um transportando a corrente. O condutor Y é formado por M fios cilíndricos e idênticos, cada um transportando a corrente. a b D bc A B c Condutor x D bn n C M Condutor Y Fig Seção transversal de uma linha monofásica constituída por dois condutores compostos. Considerando as distâncias indicadas na Fig. 3.15, as indutâncias dos fios a e b que fazem parte do condutor x são dadas por: / (3.) / (3.3) Sendo:. Permeabilidade do meio (geralmente é usada apenas a permeabilidade do vácuo , pois a permeabilidade relativa do ar 1. Distância entre os fios e [m]. Raio de um condutor fictício (sem fluxo interno), porém com a mesma indutância que o condutor, cujo raio é [m] (para condutores cilíndricos. [m]). É imprescindível que e estejam na mesma unidade.

10 33 A indutância do condutor composto x é igual ao valor médio da indutância dos fios dividido pelo número de fios (associação em paralelo), ou seja: é = / (3.4) Segue daí que:.. (. )(. )(. ) (. ). (. ). (. ) / (3.5) Onde =. O numerador da equação (3.5) é chamado Distância Média Geométrica (DMG) e é notado por D m. O denominador da equação (3.5) é chamado Raio Médio Geométrico (RMG) e é notado por D S. Deste modo,. / (3.6) Sendo f a frequência de operação da linha, a reatância indutiva é dada por:.. (3.7) Exercício 3. Calcule a indutância da seguinte linha monofásica: r X = 0,5 cm a 9 cm r Y = 0,5 cm d 6 cm b e 6 cm c Lado X Lado Y Indutância de Linhas Trifásicas Em uma linha trifásica, com espaçamento assimétrico, a indutância das fases é diferente e o circuito é desequilibrado. Por intermédio da transposição da linha, é possível restaurar o equilíbrio das fases, do ponto de vista dos terminais da linha. A transposição consiste em fazer com que cada fase ocupe cada uma das posições nas torres por igual distância (para uma linha trifásica são três as posições possíveis e deve-se fazer com que cada fase ocupe 1/3 do comprimento da linha em cada uma das três posições). Observe a Fig

11 34 1 Condutor A Posição 1 D 1 D 13 Condutor B Posição D 3 3 Condutor C Transposição 1/3 comprimento 1/3 comprimento 1/3 comprimento Transposição Posição 3 Fig Transposição de fases numa LT trifásica. Para a linha da Fig. 3.16, a indutância média por fase é dada por:. / (3.8) D - Distância média geométrica entre os condutores... - Raio médio geométrico do condutor [m]. Em linhas constituídas por mais de um condutor por fase, o raio geométrico deve ser calculado como anteriormente, ou seja: (. ). (. ). (. ) E os termos empregados no cálculo da DMG (D 1, D 3 e D 31) correspondem às distâncias médias geométricas entre cada uma das combinações das fases, ou seja, D xy é dado por: (. )(. )(. ) No entanto, para o caso de linhas trifásicas com condutores com espaçamento equilátero equivalente, considera-se apenas a distância entre o centro das fases. Os valores do RMG de cada condutor (D aa, D bb, etc.) podem ser obtidos diretamente nas tabelas dos fabricantes, juntamente com os demais dados dos cabos (nome, código, seção transversal, formação, número de camadas, diâmetro externo e resistência elétrica), ou podem ser determinados através da seguinte equação: 0,5.. (3.9) Onde: é o diâmetro externo do condutor α e K uma constante que depende de sua formação (quantidade e tipo de fios), cujos valores, encontram-se na Tabela 3.4.

12 35 Tabela 3.4 Valores de K para a determinação RMG de um cabo. Disponível em: Condutor de alumínio (CA) Condutor de alumínio com alma de aço (CAA) Formação (n de fios) Fator de Formação (K) 7 0, , , , ,7743 Formação (fios alumínio/aço) Fator de Formação (K) /7 0,7949 6/7 0, /7 0,850 45/7 0, /7 0, /19 0, Exercício 4. Determinar o raio médio geométrico do condutor de alumínio com alma de aço Pheasant 17 MCM, formado por 54 fios de alumínio e 19 de aço (54/19) que possui um diâmetro externo de 3,5103cm Exercício 5. Determine a reatância indutiva por fase a 60Hz da linha trifásica mostrada a seguir: 0' 1 0' 3 38' O raio médio geométrico é 0, ,304 m. Exercício 6. Determine a reatância indutiva da linha trifásica mostrada a seguir: Fase A Fase B Fase C d a a b b c c Dados: d = 45 cm D = 8 m Comprimento da linha = 160 km Raio Médio Geométrico de cada condutor 0,046 D 3.6 Capacitância (C) Na LT existem cargas em movimento e uma diferença de potencial entre condutores Capacitância (carga/ diferença de potencial): / (3.30)

13 Capacitância de uma Linha Monofásica Considere uma linha para a qual: Os raios dos condutores são iguais: r a = r b =r q a = - q b = q Utilizando a definição de capacitância: a D Fig Seção transversal de uma linha monofásica. b (3.31) Sabendo que, ε ε r. ε o e, assumindo que a permisividade do ar é ε r = 1 e que a permisividade do meio é ε o = 8, [F/m]. a C ab b a b N (a) Linha/linha. (b) Linha/neutro Capacitâncias. A capacitância de qualquer um dos fios ao neutro corresponde ao dobro do valor determinado pela equação (3.31), ou seja: C an C bn (3.3) A reatância capacitiva e a susceptância capacitiva são dadas, respectivamente, por: (3.33) (3.34) Exercício 7. Determine a capacitância, a reatância capacitiva e a susceptância capacitiva por metros de uma linha monofásica que opera a 60Hz. Os dados do condutor são: - Espaçamento entre centro dos condutores 0 - Diâmetro externo do condutor 0, Capacitância de Linhas Trifásicas Para uma linha trifásica espaçada igualmente e formada por condutores idênticos de raio r, conforme mostra a Fig a capacitância entre fase-neutro pode ser obtida também pela equação (3.34).

14 37 a D D c D Fig Seção transversal de uma linha trifásica simétrica. Para linhas trifásicas simétricas, a capacitância fase-terra é idêntica a capacitância para linhas monofásicas, ou seja: / b Para uma linha trifásica assimétrica e formada por condutores idênticos de raio r, é necessário transpor a linha afim de equilibrar as fases novamente (igual ao caso da indutância) e obter a capacitância média. a D ac D ab c D cb Fig. 3.0 Seção transversal de uma linha trifásica assimétrica. Cada tensão recebe contribuição de três fases. A capacitância fase-neutro vale: b (3.35) Onde o espaçamento eqüilátero da linha após transposição de fases é:.. (3.36) Exercício 8. Determine a capacitância, reatância capacitiva da linha por Km da linha trifásica mostrada a seguir. Determine também a reatância total da linha. Dados: 1 Comprimento da linha = 8 km 0' 0' Tensão de operação = 0 V Frequência = 60Hz 3 Diâmetro externo do condutor 1,10 38'

15 Condutores Múltiplos por Fase Para n condutores, considera-se que a carga em cada um seja de q a/n (para a fase a). O procedimento para a obtenção da capacitância é semelhante ao que já foi feito até agora e o resultado final é: / (3.37) Em que: Para condutores:. Para 3 condutores:. Para 4 condutores: 1,09. Exercício 9. Determine a reatância capacitiva por fase da linha trifásica mostrada a seguir: Fase A Fase B Fase C d a a b b c c D Dados: d = 45 cm D = 8 m Comprimento da linha = 160 km Raio Médio Geométrico de cada condutor= 0,0176m Efeito do Solo sobre a Capacitância de Linhas Trifásicas A consideração do efeito terra não, geralmente não provoca alterações significativas no valor da capacitância (em outras palavras, a capacitância entre as fases é muito maior que a capacitância fase-terra), é possível determinar esta componente determinando o método das imagens. b a H ca c H ab H b H c solo H a a H bc c b Fig. 3.1 Método das imagens.

16 39 Considerando os condutores fase e as imagens mostrados na Fig. 3.19, a capacitância média com relação ao neutro é dada por:..... (3.38) 3.7 Modelo da Linha de Transmissão Pode-se associar a uma linha de transmissão todos os parâmetros discutidos anteriormente: Resistência parâmetro série perda de potência ativa com passagem de corrente. Indutância parâmetro série campos magnéticos com passagem da corrente. Capacitância parâmetro shunt campos elétricos com diferença de potencial. Condutância parâmetro shunt correntes de fuga. As linhas de transmissão são classificadas de acordo com seu comprimento: Linhas curtas até 80km Linhas médias até 40km Linhas longas mais de 40km 3.8 Linha de Transmissão com Parâmetros Distribuídos As linhas de transmissão de corrente alternada (CA) possuem resistência, indutância e capacitância uniformemente distribuídas ao longo da linha. A resistência consome energia, com perda de potência de R.I. A indutância armazena energia no campo magnético. A capacitância armazena energia no campo elétrico. I S 1 R L R R L R L R L V S U1 C C C C C V R R Carga 1' x ' x (km) Fig. 3.3 Linha de Transmissão com parâmetros distribuídos. A impedância característica da linha é dada por: Ω (3.39) Sendo: z Impedância série da LT por unidade de comprimento; y Admitância shunt da LT por unidade de comprimento. A constante de propagação que define a amplitude e a fase da onda ao longo da linha é dada por:. (3.40) A expressão matemática que define : ( ). ( ) ( ) ( ) (3.41)

17 40 As equações gerais de tensão e corrente das linhas de transmissão CA, senoidal, operando em regime permanente e com parâmetros distribuídos se forem fornecidos dados do INÍCIO da linha são: ( ) cosh( ).. ( ). (3.4) ( ) 1. ( ). cosh( ). (3.43) V T Tensão no terminal transmissor da linha I T Corrente no terminal transmissor da linha As equações gerais de tensão e corrente das linhas de transmissão CA, senoidal, operando em regime permanente e com parâmetros distribuídos se forem fornecidos dados de UM PONTO x da linha são: ( ) cosh( ).. ( ). (3.44) ( ) 1. ( ). cosh( ). (3.45) Onde: V(x) Tensão em qualquer ponto da linha, medido a partir do terminal receptor. I(x) Corrente em qualquer ponto da linha, medido a partir do terminal receptor. V R Tensão no terminal receptor da linha I R Corrente no terminal receptor da linha As funções hiperbólicas são definidas por: cosh( ) (3.46) senh( ) (3.47) As ondas viajantes em uma LT são atenuadas com mudança de ângulo à medida que se propagam ao longo da linha. A causa primária são as perdas na energia da onda devido a resistência, dispersão, dielétrico, e perda corona. A solução das equações em V(x) e I(x) permite relacionar tensões e correntes em qualquer ponto da linha em função de seus valores terminais de tensão V R e corrente I R. A potência complexa em um ponto x da linha é dada por: ( ) ( ). ( ) ( ) ( ) (3.48) Exercício 10. Considere uma linha monofásica cujos condutores tem um raio de cm e estão espaçados de 1m, e: A resistência e a condutância são desprezadas A frequência é de 60Hz A tensão no início da linha (x = 0) V(x) = kv A corrente no início da linha (x = 0) I(x) = 50-0 A Determine as expressões de corrente e tensão ao longo da linha.

18 41 Exercício 11. Uma LT trifásica apresenta os seguintes parâmetros característicos por fase: R = G = 0 L = 1, [H/m] C = 8, [F/m] Sabendo que no início da linha (x = 0) tem-se 17 0 kv (de fase) e S = 150+j50 MVA (por fase), determine: a) A constante de propagação b) A impedância característica Z c c) A tensão, a corrente e a potência no final da linha se o seu comprimento é de 300km. Comente os resultados. É possível interpretar as formas de onda de tensão e corrente como ONDAS VIAJANTES pode-se decompor a onda em onda INCIDENTE e onda REFLETIDA. Se carga apresenta impedância igual à impedância característica não há onda refletida linha plana ou linha infinita formas de tensão e corrente planas, se a linha for sem perdas. De outra forma: Se a impedância da fonte é igual à Z C não há onda refletida linha plana ou linha infinita formas de tensão e corrente planas. Valores típicos de Z C são de 400Ω para linhas aéreas de circuito simples e 00Ω para dois circuitos em paralelo. O ângulo de fase Z C está normalmente entre 0 e 15. Cabos múltiplos têm Z C menor porque L é menor e C é maior. Comprimento da onda: distância entre dois pontos da linha correspondente a um ângulo de fase de 360 ou radianos: (3.49) Para linhas sem perdas: 1 (3.50) A velocidade de propagação da onda é:. (3.51) Exercício 1. Para a LT monofásica estudada no exercício 10. Calcule o comprimento da LT e a velocidade de propagação da onda Linha de Transmissão com Quadripolo As equações gerais de uma LT com parâmetros distribuídos podem ser escritas na forma matricial como: ( ) ( ) cosh ( ) ( ) 1 ( ) cosh ( ) (3.5) A equação matricial representa o modelo de um quadripolo com duas portas (entrada/saída), quatro variáveis (V T, I T, V R, I R) e com as constantes genéricas do quadripolo dadas por:

19 4 V T + _ I T A, B, C, D I R + _ V R cosh ( ) ( ) 1 ( ) Fig. 3.4 Quadripolo representando uma LT. (3.53) cosh ( ) Os parâmetros genéricos ABCD são conhecidos como parâmetros distribuídos da linha. Para um quadripolo com elementos passivos tem-se que: 1 (3.54) A representação da linha como quadripolo é totalmente adequada para o cálculo de seu desempenho, do ponto de vista de seus terminais transmissor e receptor. 3.9 Linha de Transmissão com Parâmetros Concentrados Seja uma linha de transmissão representada por parâmetros concentrados segundo o modelo π como mostra a Fig I T Z I R + V T _ Y 1 Y _ V R Fig. 3.5 Circuito π de uma LT. Aplicando-se ao circuito π da Fig. 3. a Lei de Kirchhoff para as tensões e correntes tem-se: (. ) (1. ). (3.55) (. ) (. ). (1. ) (1. ) (3.56) A representação da linha como um circuito π em uma linha de transmissão simétrica, ou seja, Y1 =Y = a metade da admitância shunt total, torna-se: + I T Z I R + V T _ Y/ Y/ _ V R Fig. 3.6 Circuito π de uma LT.

20 43 E as equações (3.55) e (3.56) tornam-se: 1 (3.57) (3.58) Na forma matricial: (3.59) Assim, os parâmetros genéricos do circuito π são: 1 Ω (3.60) Circuito π Equivalente de LT s (LT longa) Da equivalência entre as constantes genéricas da linha de parâmetros distribuídos e aqueles da linha de parâmetros concentrados tem-se que: 1 cosh( ) ( ) 1 1 ( ) 4 (3.61) Explicitando Z e Y/ resulta em valores de parâmetros concentrados obtidos a partir de parâmetros do modelo distribuído, com Z C sendo a impedância característica da linha, γ a constante de propagação e x o comprimento da linha.. ( ) 1 (3.6) Os parâmetros concentrados do modelo π quando definidos a partir dos parâmetros distribuídos da linha é denominado de π Equivalente. O modelo π. Equivalente representa o modelo de parâmetros concentrados de uma linha longa (x > 40 km). Exercício 13. Para uma LT trifásica, 60Hz, tem-se R = 0, Ω/m, L 1, [L/m] e C = 8, [F/m]. A tensão no início da linha é igual a 0kV e o seu comprimento é de 36 km. Determine: a) Z C e b)determine o circuito π equivalente da LT

21 Circuito π Nominal de LT s (LT média) Quando uma linha tem comprimento médio ( 0 km x 40 km), os parâmetros da linha Z e Y podem ser obtidos simplesmente pelo produto da impedância z e admitância y por unidade de comprimento vezes o comprimento x da linha... Neste caso o circuito π é denominado de π Nominal. (3.63) V T + _ I T Z z. x Y y. x Y y. x I R + _ V R Fig. 3.7 Circuito π nominal Circuito de LT s Curtas Para linhas curtas (x 0 km), a capacitância pode ser desprezada e a linha representada por somente uma impedância série Z=z.l como mostrado na Fig I T Z I R + V T V R Fig. 3.8 Circuito equivalente de uma LT curta. Neste caso tem-se que:. Na forma matricial, tem-se: As constantes genéricas são: 1 Ω 0 (3.64) (3.65) (3.66) (3.67) Nas linhas de transmissão tem-se normalmente que a relação X/R é maior do que 5. Para valores maiores de relação X/R a resistência da impedância série pode ser desconsiderada. Os circuitos de distribuição são, em geral, modelados como na Fig. 3.5, desprezando-se a admitância shunt da linha. Nos circuitos de distribuição a relação X/R é pequena, o que pode levar à desconsideração de X em relação a R.

22 45 Exercício 14) Para a LT trifásica do exercício anterior (Exercício 13), os seguintes dados foram obtidos: (1,07 5,0 95). 10 Ω/ 3, / 404,0493 5,94 Ω 1, ,06 (1,331 1, 09). 10 Determine os circuitos π equivalente e π nominal da LT. E compare os resultados obtidos. Considerar a LT com x = 36 km e x = 100 km.

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FAN Faculdade Nobre As linhas de transmissão são os equipamentos empregados para transportar grandes blocos de energia por grandes distâncias, entre os centros

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores

Circuitos Elétricos Capacitores e Indutores Introdução Circuitos Elétricos e Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e indutores: elementos passivos, mas e indutores não dissipam energia

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40

CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE 1/40 1/40 Os valores de capaci dade de condução de correntes constantes das tabelas a seguir, foram calculados de acordo com os critérios estabelecidos pela NBR 11301. Para os cálculos foram consideradas aterradas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

CEL 062 - Circuitos trifásicos

CEL 062 - Circuitos trifásicos CEL 062 - Circuitos trifásicos Alexandre Haruiti alexandre.anzai@engenharia.ufjf.br Baseado no material dos Profs. Pedro Machado de Almeida e Janaína Gonçalves de Oliveira pedro.machado@ufjf.edu.br janaina.oliveira@ufjf.edu.br

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 14/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Dimensionamento dos Condutores FASE Ampacidade Queda de Tensão Seção Mínima Dimensionamento dos Condutores

Leia mais

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo.

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Capacitores e Dielétricos Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Imaginemos uma configuração como a de um capacitor em que os

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UERSDDE FEDERL DE JU DE FOR nálise de Sistemas Elétricos de Potência 5. omponentes Simétricas P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS:

DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: DIMENSIONAMENTO OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410 relativos à escolha

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Linhas de Transmissão

Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão 1. Objetivo Medir a capacitância, indutância e a impedância num cabo coaxial. Observar a propagação e reflexão de pulsos em cabos coaxiais. 2. Introdução Uma linha de transmissão

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNEDADE FEDEAL DEJUDEFOA Graduação em Engenharia Elétrica TANMÃO DE ENEGA ELÉTCA POF FLÁO ANDEON GOME E-mail: flaviogomes@ufjfedubr Aula Número: 04 Curso de Transmissão de Energia Elétrica Aula Número:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA EXERCÍCIOS NOTAS DE AULA I Goiânia - 014 1. Um capacitor de placas paralelas possui placas circulares de raio 8, cm e separação

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE

Lista de Eletrostática da UFPE e UPE Lista de Eletrostática da UFPE e UPE 1. (Ufpe 1996) Duas pequenas esferas carregadas repelem-se mutuamente com uma força de 1 N quando separadas por 40 cm. Qual o valor em Newtons da força elétrica repulsiva

Leia mais

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal

- SISTEMA TRIFÁSICO. - Representação senoidal - SISTEMA TRIFÁSICO - Representação senoidal As ligações monofásicas e bifásicas são utilizadas em grande escala na iluminação, pequenos motores e eletrodomésticos Nos níveis da geração, transmissão e

Leia mais

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO POJETO BÁSICO CAPÍTULO 15 SISTEMA DE ATEAMENTO Capítulo 15 Pág.1/13 CONTEÚDO 1. OBJETIVO 2. DADOS 3. ESISTIVIDADE DO SOLO DA EGIÃO 4. METODOLOGIA DE CÁLCULO DA ESISTÊNCIA DOS CABOS CONTAPESOS 5. SISTEMA

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO

Curso de Engenharia Civil. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil CAPÍTULO 6: TORÇÃO Curso de Engenharia Civil Universidade Estadual de Maringá Centro de ecnologia Departamento de Engenharia Civil CPÍULO 6: ORÇÃO Revisão de Momento orçor Convenção de Sinais: : Revisão de Momento orçor

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius

Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição. Professor Jorge Alexandre A. Fotius Aula 08 Instalações Elétricas de Distribuição Professor Jorge Alexandre A. Fotius Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Redes Aéreas Em áreas urbanas com baixa densidade

Leia mais

18 a QUESTÃO Valor: 0,25

18 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a A 0 a QUESTÃO FÍSICA 8 a QUESTÃO Valor: 0,25 6 a QUESTÃO Valor: 0,25 Entre as grandezas abaixo, a única conservada nas colisões elásticas, mas não nas inelásticas é o(a): 2Ω 2 V 8Ω 8Ω 2 Ω S R 0 V energia

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

BAIXA TENSÃO Uso Geral

BAIXA TENSÃO Uso Geral Dimensionamento OS SEIS CRITÉRIOS TÉCNICOS DE DIMENSIONA- MENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS: Chamamos de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR 5410/2004 relativos à escolha

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410

TABELA 1 Os métodos de referência são os de instalação indicados na NBR - 5410 CAPACIAE E CONUÇÃO E CORRENTE PARA CABO E BAIXA TENÃO O dimensionamento de uma instalação elétrica alimentada sob tensão nominal igual ou inferior a 00V, em corrente alternada é a 0V em corrente contínua,

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

Problemas de eletricidade

Problemas de eletricidade Problemas de eletricidade 1 - Um corpo condutor está eletrizado positivamente. Podemos afirmar que: a) o número de elétrons é igual ao número de prótons. b) o número de elétrons é maior que o número de

Leia mais

Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas

Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas Title Efeito do aterramento do sistema de distribuição na mitigação das sobretensões em consumidores de baixa tensão devidas a descargas atmosféricas Registration Nº: (Abstract) 54 Company UNIVERSIDADE

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

CAPACIDADE ELÉTRICA. Unidade de capacitância

CAPACIDADE ELÉTRICA. Unidade de capacitância CAPACIDADE ELÉTRICA Como vimos, a energia elétrica pode ser armazenada e isso se faz através do armazenamento de cargas elétricas. Essas cargas podem ser armazenadas em objetos condutores. A capacidade

Leia mais

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR

TC 3 UECE - 2013 FASE 2 MEDICINA e REGULAR TC 3 UECE - 03 FASE MEICINA e EGULA SEMANA 0 a 5 de dezembro POF.: Célio Normando. A figura a seguir mostra um escorregador na forma de um semicírculo de raio = 5,0 m. Um garoto escorrega do topo (ponto

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais Física II Eng. Química + Eng. Materiais Carga Eléctrica e Campo Eléctrico Lei de Gauss Potencial Eléctrico Condensadores 1. Nos vértices de um quadrado ABCD, com 10 cm de lado, estão colocadas cargas pontuais

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

FÍSICA 3. Capacitância e Dielétricos

FÍSICA 3. Capacitância e Dielétricos FÍSICA 3 Capacitância e Dielétricos Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba Ementa Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência Circuitos

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

Lista 2 - FCC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA

Lista 2 - FCC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA UNIESIDADE DO ESTADO DE SANTA CATAINA CENTO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Lista - FCC 1. Um eletrômetro é um instrumento usado para medir carga estática: uma carga desconhecida é colocada

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

CAPACITORES. Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br

CAPACITORES. Vestibular1 A melhor ajuda ao vestibulando na Internet Acesse Agora! www.vestibular1.com.br CAPACITORES DEFINIÇÕES Quando as placas do capacitor estão carregadas com cargas iguais e de sinais diferentes, estabelece-se entre as placas uma diferença de potencial V que é proporcional à carga. Q

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Flash de máquina fotográfica

Flash de máquina fotográfica FÍSICA (Eletricidade e Eletromagnetismo) de Souza CAPACITORES Capacitor, antigamente chamado condensador, é um componente que armazena energia em um campo elétrico, acumulando um desequilíbrio interno

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS

Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS 02.111-TD/AT-3013a Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição TD ND-3.3 - TABELAS Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição TD/AT Belo Horizonte Setembro/2013

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g.

Pelo princípio da independência dos movimentos, na horizontal, temos: V. = 0, o corpo se comporta como em queda livre, por isso: F g. Questão 01 008 Um astronauta, de pé sobre a superfície da Lua, arremessa uma pedra, horizontalmente, a partir de uma altura de 1,5 m, e verifica que ela atinge o solo a uma distância de 15 m. Considere

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Cabos telefônicos. Sérgio Gonçalves da Silva

Cabos telefônicos. Sérgio Gonçalves da Silva Cabos telefônicos Este tutorial apresenta um estudo sobre os Cabos Telefônicos com o objetivo de demonstrar os cálculos para alcançar os parâmetros mínimos necessários a uma conversação telefônica. Sérgio

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Informações e Tabelas Técnicas

Informações e Tabelas Técnicas As instalações e dimensionamentos de fios e cabos elétricos de baixa tensão devem obedecer as recomendações indicadas na NBR 5410/2004. Características dos condutores de cobre mole para fios e cabos isolados

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 )

BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Agência Vila Buritis REVISÃO DA NOVA AGÊNCIA ( REFERENTE A OES ANTERIOR DE N 070/ 2011 ) Código do

Leia mais

C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO

C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO C HAVE FUSÍVEL T IPO MZ PARA DISTRIBUIÇÃO A Chave fusível tipo MZ foi desenvolvida para operar em redes de distribuição com tensões de 15, 27 e 38 kv. Especialmente projetada para proteger transformadores,

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Eletricidade Aplicada

Eletricidade Aplicada Eletricidade Aplicada Profa. Grace S. Deaecto Instituto de Ciência e Tecnologia / UNIFESP 12231-28, São J. dos Campos, SP, Brasil. grace.deaecto@unifesp.br Novembro, 212 Profa. Grace S. Deaecto Eletricidade

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa E. alternativa C Questão 46 O movimento de uma partícula é caracterizado por ter vetor velocidade e vetor aceleração não nulo de mesma direção. Nessas condições, podemos afirmar que esse movimento é a) uniforme. b) uniformemente

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 01)A força elétrica que provoca o movimento de cargas em um condutor é: A ( ) A condutância B ( ) A temperatura C ( ) O campo elétrico D ( ) A tensão elétrica

Leia mais

= R. Sendo m = 3,3. 10 27 kg, V = 3,0. 10 7 m/s e R = 0,45m, calcula-se a intensidade da força magnética. 3,3. 10 27. (3,0. 10 7 ) 2 = (N) 0,45

= R. Sendo m = 3,3. 10 27 kg, V = 3,0. 10 7 m/s e R = 0,45m, calcula-se a intensidade da força magnética. 3,3. 10 27. (3,0. 10 7 ) 2 = (N) 0,45 37 a FÍSICA Em um cíclotron tipo de acelerador de partículas um deutério alcança velocidade final de 3,0 x 10 7 m/s, enquanto se move em um caminho circular de raio 0,45m, mantido nesse caminho por uma

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física I PROFESSOR(A) Raphael ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Em um determinado local do espaço, existe

Leia mais