Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)"

Transcrição

1 Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) são dispositivos elétricos com a finalidade de proteger instalações elétricas e os equipamentos alimentados por elas contra surtos de tensão e corrente, causados por descargas atmosféricas ou chaveamentos internos. Os DPSs são parte das medidas necessárias para a proteção de uma estrutura contra os efeitos de uma descarga atmosférica e eles deverão estar em toda instalação elétrica de baixa tensão. Por este motivo as informações sobre a utilização dos DPSs estão contidas nas normas brasileiras ABNT NBR e ABNT NBR , e as suas características são tratadas na ABNT NBR / IEC Os DPSs são divididos, de acordo com a sua aplicação, em três tipos I, II e III sendo instalados a partir da sua origem até os equipamentos que se deseja proteger. Para o projeto de um sistema de proteção contra surtos, é preciso conhecer as características necessárias para cada tipo de DPS. Este artigo não discorre sobre os três tipos de DPSs existentes ou faz uma comparação entre eles, mas trata dos principais aspectos e detalhes do DPS do tipo I. Zonas de proteção contra raios Para se especificar corretamente um Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS), é preciso utilizar o conceito de Zonas de Proteção contra Raios (ZPR) ver Figura 1. ZPRs são regiões eletromagneticamente definidas (Figura 2) que possibilitam determinar o valor do campo eletromagnético no seu interior criado por descargas atmosféricas. Desta forma é possível definir valores máximos de tensões e de correntes induzidas em cada uma destas zonas. O valor do campo eletromagnético criado pela descarga atmosférica se reduz ao passarmos de uma ZPR para outra de índice superior, pois na fronteira entre as ZPRs existem estruturas metálicas interligadas e equipotencializadas que formam uma blindagem, natural ou proposital, entre estes ambientes. Um equipamento está cada vez mais protegido quanto mais internamente ele se encontrar dentro das respectivas ZPRs. Existem basicamente cinco ZPRs: ZPR0A, ZPR0B, ZPR1, ZPR2 e ZPR3. Partindo de fora para dentro em uma edificação, a intensidade da indução da corrente da descarga atmosférica em

2 um condutor é máxima nas ZPR0A e ZPR0B, se reduz na ZPR1, é mínima na ZPR2 e desprezível na ZPR3. O que diferencia as ZPR 0A e 0B é o fato de na primeira um objeto ou pessoa poder ser atingido por uma descarga atmosférica direta, enquanto na segunda esta possibilidade é reduzida, pois esta zona está dentro do volume de proteção de um Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA). O que define a fronteira entre as ZPRs é a própria estrutura que constrói o ambiente, sejam as ferragens das paredes externas de uma edificação ou as internas de um apartamento ou sala, até chegar à caixa metálica de um painel. Desde que interligadas e aterradas, as ferragens de um prédio, por exemplo, constituem uma 77 blindagem metálica que define o que chamamos de fronteiras entre zonas (ZPR). Os DPSs são utilizados justamente na transição de uma ZPR para outra, de modo a impedir que uma corrente seja conduzida entre dois ambientes, já que a própria blindagem entre as ZPRs limita as tensões e correntes induzidas. A partir da proteção criada pela aplicação das ZPRs, resta então voltar para a utilização dos DPSs a fim de impedir que correntes elevadas, criadas por descargas atmosféricas, atinjam os equipamentos por meio de condutores que passem de uma ZPR para outra. Para podermos aplicar estes conceitos na prática, é preciso especificar os DPSs dos tipos I, II e III. Zonas de proteção contra raios Características Zona externa à edificação. Local passível de ser atingido por uma descarga atmosférica direta. Não ZPR0A existe nenhuma blindagem contra interferências causadas por pulsos eletromagnéticos criados por descargas atmosféricas. ZPR0B Zona sob a influência de um SPDA externo, mas ainda sem a proteção de uma blindagem. Transição ZPR0B ZPR1 DPS Tipo I ZPR1 Zona interna à edificação. A energia das descargas atmosféricas é relativamente baixa. Transição ZPR1 ZPR2 DPS Tipo II ZPR2 Zona interna à edificação. Somente podem aparecer pequenos surtos. Transição ZPR2 ZPR3 DPS Tipo II Zona interna à edificação (ou o interior de um ZPR3 armário metálico). Nenhuma corrente induzida em seu interior (causada por uma descarga) ou existência de surtos de tensão. Figura 1 Zonas de Proteção contra Raios (ZPR). Figura 2 Zonas de Proteção contra Raios (ZPR).

3 Proteção 78 Características do DPS tipo I Os DPSs do tipo I protegem toda a instalação contra os efeitos de uma descarga atmosférica direta na edificação, na rede de distribuição da concessionária ou no aterramento da instalação. Este tipo de DPS tem o objetivo de realizar a equalização de potenciais entre os condutores normalmente energizados, que entram em uma edificação e a barra de equipotencialização principal. Dessa forma, os DPSs do tipo I realizarão a equipotencialização principal dos condutores normalmente energizados, já que os outros condutores (tubulações de gás ou agua, etc.) serão ligados diretamente ao barramento de equipotencialização principal. Devido à sua aplicação, o DPS tipo I deve ser projetado, construído e ensaiado para conduzir uma parcela da própria corrente da descarga atmosférica e, por isso, deve ter uma capacidade de energia superior aos DPSs tipos II e III quando aplicados na mesma edificação. A especificação completa de um DPS, independentemente do seu tipo, deve conter principalmente sua capacidade de corrente e seu nível de proteção. Estas características em conjunto definirão o comportamento do DPS quando ele atuar para desviar as correntes de surto diretamente para o sistema de aterramento. Ao contrário dos outros dois tipos de DPSs, os do tipo I são ensaiados em laboratório com a aplicação de uma corrente com a forma de onda 10/350 µs (Figura 3). Esta corrente é denominada corrente de impulso e diferencia-se de outras correntes conduzidas pelos DPSs tipo II e III por ser uma parcela da própria corrente da descarga atmosférica e não de uma corrente, total ou parcial, induzida por ela. Mais importante do que definir a intensidade da corrente que o DPS deve conduzir é especificar o período em que esta corrente deve ser conduzida. Os DPSs tipo I conduzem a corrente de impulso por um período significativamente maior do que os dos tipos II e III conduzem a corrente de surto. Por este motivo os DPS tipo I são muitas vezes chamados de descarregadores de corrente de raio, enquanto os DPSs tipo II e III são considerados protetores contra sobretensão. Enquanto um DPS ideal deveria ter uma capacidade de condução de corrente infinita e um nível de proteção igual a zero, um DPS real com suas limitações tecnológicas, que se refletem no custo do dispositivo, deve apresentar os seguintes valores máximos: Iimp = 50 KA (10/350 µs) e Up 4 KV. A corrente máxima para um DPS tipo I é estabelecida levando-se em consideração uma corrente máxima para o projeto de um SPDA de 200 KA, corrente esta que se divide em 50% da corrente, conduzidos diretamente para o sistema de aterramento e 50% também conduzidos para o sistema de aterramento (Figura 4), mas por meio dos condutores internos da edificação atingida pela descarga. Considerando-se o pior caso em que a instalação é alimentada por apenas dois condutores de energia e nenhum condutor de sinal ou serviço (água, esgoto, gás, etc.), a parcela da corrente entrando na edificação, 100 KA (50% de 200 KA da corrente total), divide-se em dois condutores, cada um conduzindo 50 KA, que será a corrente conduzida para o sistema de aterramento pelo DPS tipo I. As considerações feitas anteriormente no tocante aos valores máximos de corrente que os DPSs tipo I devem conduzir são objeto de inúmeras controvérsias entre os profissionais envolvidos na área de proteção contra surtos, principalmente entre fabricantes de DPS, dentro e fora do Brasil. Atualmente, o maior consenso existente aponta para a utilização dos critérios supracitados. Esta filosofia está consagrada nas normas técnicas de diversos países, principalmente aqueles que utilizam normas IEC, que consideram como um parâmetro razoável utilizar estes valores para estimativa da corrente máxima na especificação de um DPS tipo I. Já o nível de proteção de um DPS tipo I, ou a máxima tensão que deve aparecer em seus terminais durante a condução da corrente de surto, deverá ser aquele que os componentes da instalação, equipamentos eletroeletrônicos incluídos, devem suportar no exato ponto em que os DPSs tipo I são instalados. Neste caso a tensão máxima nos terminais de um DPS tipo I não poderá ultrapassar 4 KV (pulso de tensão com a forma de onda 1,2/50 µs), sendo benéficos mas não indispensáveis valores de tensão menores que 4 KV. Este valor máximo não é uma decisão do fabricante, mas sim um valor determinado em normas, como na própria ABNT NBR Quando é necessária a instalação de DPSs tipos I e II no mesmo quadro ou quando a distância dos condutores entre estes DPSs for inferior à distância de coordenação informada pelo fabricante, é fundamental a utilização de DPSs tipo I especiais, com menor nível de

4 Proteção 80 proteção, para permitir a coordenação entre as atuações dos DPSs tipo I e II. Por conta das suas características intrínsecas, a utilização de diversas formas de centelhadores (Figura 5) foi privilegiada na construção de DPSs tipo I, a ponto de se considerar centelhador sinônimo de DPS tipo I, o que nunca correspondeu à realidade. Existem no mercado DPSs tipo I fabricados à base de varistores e ainda é possível, mas não é comum, a utilização de diodos supressores na fabricação deste tipo de DPS. Supressores de óxido metálico e de varistores apresentam um grande volume quando comparados a centelhadores para a mesma intensidade de corrente. Por isso, os DPSs para correntes acima de 10 KA (10/350 µs) são fabricados principalmente com a utilização de centelhadores. Pela sua utilização em quadros de entrada, em que o nível de curto-circuito é o mais elevado, um ponto importante a observar no comportamento de um DPS tipo I é a sua capacidade de interromper as correntes que se seguem ao surto, sejam elas as correntes de regime (60 Hz), sejam correntes de curto-circuito. Existem muitas soluções no mercado que ainda utilizam o arco de um gap aberto para interromper as correntes de seguimento. As tecnologias mais modernas utilizam centelhadores com placas de carbono ou circuitos eletrônicos de disparo para garantir menores níveis de proteção e a interrupção das correntes de seguimento. O que definirá se um DPS será tipo I, II, III ou até mesmo se será classificado simultaneamente em dois tipos, DPS tipo I + II (Figura 6), será a série de ensaios que será aplicada a eles para confirmar se o seu projeto, desenvolvimento e concepção atenderam aos requisitos definidos em norma, permitindo a instalação destes DPSs na fronteira entre as ZPRs OA e I. Figura 3 Formas de ondas características para ensaio de DPSs. Figura 4 Divisão da corrente de uma descarga atmosférica. Conclusão Os dispositivos de proteção contra surtos que conduzem uma parcela da própria corrente da descarga atmosférica para o sistema de aterramento são classificados como DPS tipo I. Estes DPSs têm características especiais, principalmente com relação à sua onda de ensaio, que devem ser observadas no projeto de um sistema de proteção contra descargas atmosféricas para que este dispositivo cumpra a sua função. Figura 5 DPS Tipo I Centelhador. Glossário Capacidade de curto-circuito DPSs devem conduzir correntes de curto-circuito até que elas sejam interrompidas pelo próprio DPS ou por um Figura 6 DPS Tipo I + II Varistor de óxido de zinco. dispositivo de proteção contra sobrecorrentes internas ou externas. Corrente de Impulso (Iimp) Uma corrente

5 padronizada na forma de onda 10/350 μs referente a um impulso de corrente. Seus parâmetros são: valor de pico, carga, energia específica. Ela simula o stress causado pela corrente do próprio raio. O DPS tipo I deve ter a capacidade de desviar estas correntes determinadas vezes sem se destruir. Corrente de seguimento (If) A corrente de seguimento é a corrente conduzida pelo DPS após uma descarga, cuja fonte é a rede elétrica à qual o DPS está conectado. A corrente de seguimento é diferente da corrente nominal do sistema e depende das impedâncias existentes no circuito. A corrente de seguimento é diferente da corrente nominal do sistema e depende das impedâncias existentes no circuito. Corrente nominal de descarga (In) Valores de pico da corrente conduzida por um DPS com a forma de onda 8/20μS. Essa corrente é usada para ensaio dos DPSs tipo II e III. DPS tipo I DPS cujo projeto o possibilita desviar correntes de impulso causadas por descargas atmosféricas diretas na instalação. DPS tipo II DPS cujo projeto o possibilita desviar correntes de surto causadas por descargas atmosféricas indiretas ou surtos de manobra. DPS tipo III DPS cujo projeto o possibilita desviar correntes de surto causadas por eventos internos à instalação, incluindo a atuação de DPSs tipo I e II. Ligação equipotencial Uma conexão elétrica de baixa impedância que une partes metálicas de uma instalação, incluindo condutores externos à edificação, eliminando ou reduzindo a diferença de potencial entre elas. Ligação equipotencial para proteção contra descargas atmosféricas Medida essencial para minimizar os perigos de fogo e explosão em cômodos ou edifícios a serem protegidos. Esta ligação é obtida por meio de condutores de equipotencialização ou DPSs que são conectados ao SPDA externo da edificação, unindo o SPDA, a estrutura metálica do prédio ou cômodo e os condutores de energia ou sinal que entram ou saem da edificação. Nível de proteção (Up) O mais alto valor de tensão atingido nos terminais de um DPS antes que ele atue. Tempo de resposta (Tr) O tempo de resposta caracteriza o tempo necessário para o elemento de proteção usado no DPS começar a atuar. O tempo de resposta pode variar dentro de certos limites dependendo da inclinação da função dv/dt do surto de tensão ou di/dt do surto de corrente. Tensão Nominal (Vn) A tensão nominal é a tensão para qual um dispositivo é projetado. Ela pode ser a tensão DC ou o valor RMS de uma tensão alternada senoidal. Tensão residual (Vr) O valor de pico da tensão residual que aparece nos terminais do DPS durante a condução da corrente de surto. Zona de proteção contra raios (ZPR) O termo zona de proteção contra raios refere-se àquelas áreas na qual o ambiente eletromagnético causado pelo raio pode ser definido e controlado. Referências ABNT NBR Instalações elétricas de baixa tensão. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR IEC :2007 Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão. Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de distribuição de energia de baixa tensão. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. SANTOS, S. R. S. Os dispositivos de proteção contra surtos. Portal Abracopel. Disponível em: < abracopel.org.br>. SANTOS, S. R. S. Zonas de proteção contra raios. Portal Abracopel. Disponível em: < SANTOS, S. R. S. Especificação de um dispositivo de proteção contra surtos (DPS). Portal Abracopel. Disponível em: < SANTOS, S. R. S. Segurança e confiabilidade em sistemas fotovoltaicos. Revista O Setor Elétrico. São Paulo, p , 30 nov TBS, Dispositivos de Proteção contra Sobretensões DPS; OBO Bettermann. *Sérgio Roberto Santos é engenheiro eletricista especializado em proteção de equipamentos eletrônicos contra surtos de tensão. Atualmente é gerente de vendas na OBO Bettermann do Brasil Ltda.

DPS Dispositivo de proteção contra surto de tensão

DPS Dispositivo de proteção contra surto de tensão Produtos de Baixa Tensão DPS Dispositivo de proteção contra surto de tensão Por: Sergio Prestes Engenheiro de Aplicação 1. Danos causados por sobretensão Sobretensão é a maior causa de danos em equipamentos

Leia mais

GABARITO - DEF30. Questão 1

GABARITO - DEF30. Questão 1 GABARITO - DEF30 Questão 1 a) Ensaio em aberto: Um dos lados do transformador é deixado em aberto, normalmente o lado de alta tensão. Instrumentos de medição são conectados para medir a corrente I 1, V

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Siemens Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Processo: 48500.000560/2015-44 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS)

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) FONTES DE IGNIÇÃO ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) Área na qual uma atmosfera explosiva de gás está presente ou na qual é provável sua ocorrência a ponto de exigir precauções especiais

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações A nova NBR 5419:2015 Proteção contra descargas atmosféricas Jobson Modena GUISMO Engenharia NBR 5419:2015 Proteção contra descargas atmosféricas

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

PRINCIPAIS FONTES GERADORAS DE DISTÚRBIOS ELÉTRICOS:

PRINCIPAIS FONTES GERADORAS DE DISTÚRBIOS ELÉTRICOS: Proteção Elétrica de Equipamentos Por: Manuel Martinez Luiz Engenharia de aplicação (MTM) A proteção elétrica de equipamentos consiste em soluções técnicas para evitar danos elétricos causados por distúrbios

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

Protecção de Sobretensões. Luis Cabete Nelson Vieira Pedro Sousa

Protecção de Sobretensões. Luis Cabete Nelson Vieira Pedro Sousa Protecção de Sobretensões Luis Cabete Nelson Vieira Pedro Sousa Sobretensões São as diferenças de potencial anormais que se produzem num circuito eléctrico, como consequência de diversas perturbações,

Leia mais

Diretrizes da nova ABNT NBR 5410:2004 a respeito de Proteção contra Surtos

Diretrizes da nova ABNT NBR 5410:2004 a respeito de Proteção contra Surtos 1. ABNT e NBR 5410 A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização responsável pela elaboração das Normas Brasileiras. A Norma Brasileira - Instalações elétricas de

Leia mais

SPDA PARA RAIOS CATALOGO DE SERVIÇOS. www.terasts.com.br

SPDA PARA RAIOS CATALOGO DE SERVIÇOS. www.terasts.com.br SPDA PARA RAIOS CATALOGO DE SERVIÇOS www.terasts.com.br SUÁRIO 1 Raios 2 Normas 3 Sobre a Empresa 4 Serviços especializados 4.1 Projetos 4.2 Instalações 4.3 Medição Ôhmica 4.4 Inspeções e Laudo Técnico

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

Estudo de Caso das Falhas em Transformadores de Corrente de Neutro em Banco de Capacitores de 138kV

Estudo de Caso das Falhas em Transformadores de Corrente de Neutro em Banco de Capacitores de 138kV XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 010 a 6 de novembro São Paulo - SP - Brasil Estudo de Caso das Falhas em Transformadores de Corrente de Neutro em Banco de Capacitores de

Leia mais

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons Elétrica Quem compõe a instalação elétrica - quadro de luz - centro nervoso das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material incombustível, e nunca de madeira (na sua parte interna ou externa).

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

M.Sc. Jose Eduardo Ruiz Rosero 1. ENG1116 Tópicos especiais Energia solar

M.Sc. Jose Eduardo Ruiz Rosero 1. ENG1116 Tópicos especiais Energia solar 1 ENG1116 Tópicos especiais Energia solar M.Sc. Jose Eduardo Ruiz Rosero 2 Ementa o Conquistas e desafios da energia solar o Conceitos básicos o Radiação solar o Física das células solares o Circuitos

Leia mais

Aterramento Elétrico. Prof.: Ademir Justino Site: www.ademirjustino.com.br

Aterramento Elétrico. Prof.: Ademir Justino Site: www.ademirjustino.com.br Aterramento Elétrico O terra é um conector que possui valor igual a zero Volt absoluto, ele é o responsável por eliminar a sujeira elétrica dos componentes, pois toda carga eletrostática acumulada neles

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra

Descrição do Produto. Dados para Compra Descrição do Produto Os módulos supressores para pontos analógicos AL-3492 e AL-3493 foram desenvolvidos para oferecer alta proteção contra surtos de tensão em pontos de entrada ou saída analógicos. Por

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

TÍTULO DA PALESTRA. Logomarca da empresa

TÍTULO DA PALESTRA. Logomarca da empresa IV ENADSE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS CONCEITOS E APLICAÇÕES Nome Empresa Eng. Renato de Brito Sanchez 2014 1. Conceitos ESCOPO 2. Aspectos normativos 3. Aplicações: Corrente Alterna 4. Aplicações:

Leia mais

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição Transformadores a seco Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição 2 Indutores e reatores (chokes) a seco Reatores ABB para requisitos

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

www.rfv.com.br PROTEÇÃO MAIS RÁPIDA QUE UM RAIO.

www.rfv.com.br PROTEÇÃO MAIS RÁPIDA QUE UM RAIO. www.rfv.com.br PROTEÇÃO MAIS RÁPIDA QUE UM RAIO. Proteção contra efeitos dos raios DPS - Dispositivos de Proteção contra Surtos elétricos Os DPS são dispositivos que protegem os equipamentos eletroeletrônicos

Leia mais

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA.

ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO 2 PARA QUE SERVE O ATERRAMENTO ELÉTRICO? 3 DEFINIÇÕES: TERRA, NEUTRO, E MASSA. 1 INTRODUÇÃO O aterramento elétrico, com certeza, é um assunto que gera um número enorme de dúvidas quanto às normas e procedimentos no que se refere ao ambiente elétrico industrial. Muitas vezes, o desconhecimento

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16.

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16. TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SISTEMA ININTERRUPTO DE ENERGIA - NO-BREAK, PARA A SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO NORTE, PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas

Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas 26 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Compatibilidade Eletromagnética em Sistemas Elétricos Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas Por Roberto Menna Barreto* Entre as diferentes fontes de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli*

Redes subterrâneas em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* 46 Capítulo VI em loteamentos e condomínios particulares Por Caius V. S. Malagoli* Tendência irreversível no mercado da construção civil, as redes subterrâneas a cada dia ganham mais terreno em obras em

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Curso de Projetos Elétricos Prediais. Eng. Patrícia Lins

Curso de Projetos Elétricos Prediais. Eng. Patrícia Lins Curso de Projetos Elétricos Prediais Eng. Patrícia Lins http://patricialins.org http://www.daeelunifacs.com.br APRESENTAÇÃO 1. Formação acadêmica 2. Experiência com pesquisa 3. Experiência profissional

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de equipamentos que utilizam sistemas de controle para o seu funcionamento, julgue o item abaixo. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 5 As modernas máquinas de lavar roupa, em que é possível controlar desde

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos(DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos(DPS) Title page 2016 06 LFS Masterkatalog Länder / en / 15/06/2016 (LLExport_04353) / 15/06/2016 Dispositivos de Proteção contra Surtos(DPS) TBS Always indicate the item number when ordering. 1 O que é um Dispositivo

Leia mais

Motores Automação Energia Tintas. Automação Soluções WEG para Construção Civil

Motores Automação Energia Tintas. Automação Soluções WEG para Construção Civil Motores Automação Energia Tintas Automação Minidisjuntores - MDW Os Minidisjuntores termomagnéticos MDW foram desenvolvidos para proteção de instalações elétricas contra sobrecargas e curto-circuitos.

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

G1092 TUBO DE RAIOS-X PARA PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

G1092 TUBO DE RAIOS-X PARA PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DESCRIÇÃO DETALHADA DO PRODUTO: O tubo de raios -X para procedimentos especiais, marca Varian, modelo G1092 é um tubo de raios - X de anodo giratório com invólucro de metal especialmente desenhado para

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Aula 1 Introdução. Análise de redes em condições transitórias. rias:

Aula 1 Introdução. Análise de redes em condições transitórias. rias: Proteção de Sistemas Elétricos Aula 1 Introdução Análise de redes em condições transitórias condições transitórias: rias: chaveamento CC falta de fase formas de ondas anormais descargas atmosféricas origem:

Leia mais

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens.

Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1. Equipamento de média tensão. Totally Integrated Power SION. Catálogo HG 11.02. Edição 2015. siemens. Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 Equipamento de média tensão Totally Integrated Power SION Catálogo HG 11.0 Edição 015 siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 R-HG11-8.tif Siemens HG 11.0

Leia mais

NORMA TÉCNICA 40/2014

NORMA TÉCNICA 40/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 40/2014 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento de Condutores Elétricos Dimensionamento técnico baixa tensão Seção mínima Capacidade

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

www.siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1 Equipamento de média tensão Catálogo HG 11.02 2014 Answers for infrastructure and cities.

www.siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION 3AE5 e 3AE1 Equipamento de média tensão Catálogo HG 11.02 2014 Answers for infrastructure and cities. www.siemens.com/sion Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 Equipamento de média tensão Catálogo HG 11.0 014 Answers for infrastructure and cities. Disjuntores a vácuo SION AE5 e AE1 R-HG11-8.tif Siemens HG

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL

ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL painel de resulados painel de resultados Por Maria Clara de Maio, colaborou Edson Martinho Fotos: Rubens Campo ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL UUma instalação elétrica mal dimensionada,

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

Especialistas em Protecio

Especialistas em Protecio Artigo técnico Manutenção de Sistemas de Protecção Contra o Raio Ricardo Purisch Gerente de Exportaçao Manutenção de Sistemas de Protecção Contra o Raio com pára-raios com dispositivo de ionização (PDI).

Leia mais

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência

Capítulo IV. Dispositivos de proteção Parte II. Proteção e seletividade. 26 O Setor Elétrico / Abril de 2010. Relé direcional de potência 26 Capítulo IV Dispositivos de proteção Parte II Por Cláudio Mardegan* Relé direcional de potência Quando instalado na interconexão com Em concepção, os relés direcionais de potência são relés que operam

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA 3214 - NR 7 - ANEXO I - QUADRO II Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS FUNCIONAIS QUANTO A CONFIGURAÇÕES DE BARRAS PARA SUBESTAÇÕES DA REDE BÁSICA DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO.

REQUISITOS MÍNIMOS FUNCIONAIS QUANTO A CONFIGURAÇÕES DE BARRAS PARA SUBESTAÇÕES DA REDE BÁSICA DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. 1 GAT/017 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT REQUISITOS MÍNIMOS FUNCIONAIS QUANTO A CONFIGURAÇÕES DE BARRAS

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer?

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? Você sabia que denominamos bateria ao conjunto de pilhas associadas em série ou paralelo? Dessa forma, podemos dizer que bateria é o coletivo de pilhas,

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Proudly made in Portugal. Dossier de Produto DP MGS P 04/2007 Sinta a Sua Segurança. O Sistema de Segurança MasterGuardian MGS foi concebido para proporcionar segurança, tranquilidade e conforto aos seus

Leia mais

DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS

DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS HENRIQUE RAMOS VILELA LARISSA MARIA ELIAS SOARES Lavras 2016 Em uma tempestade, as fortes correntes de convecção elevam as menores gotículas

Leia mais

PROTÓTIPO DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA E A DISTÂNCIA, DO CONSUMO DE ÁGUA, GÁS E ELETRICIDADE EM CONJUNTO HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL

PROTÓTIPO DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA E A DISTÂNCIA, DO CONSUMO DE ÁGUA, GÁS E ELETRICIDADE EM CONJUNTO HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL PROTÓTIPO DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA E A DISTÂNCIA, DO CONSUMO DE ÁGUA, GÁS E ELETRICIDADE EM CONJUNTO HABITACIONAL DE INTERESSE SOCIAL COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL E URBANO DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia

Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Jornadas Técnicas Novas perspectivas Drive Technology Mundo em Motores elétricos Siemens e a Economia de Energia Tópicos Instalando o motor elétrico com inversor de freqüência Princípio de funcionamento

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível. No dimensionamento das tubulações, são encontrados freqüentemente os seguintes equívocos:

Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível. No dimensionamento das tubulações, são encontrados freqüentemente os seguintes equívocos: Equívocos cometidos em tubulações de gás combustível Houve, no Brasil, uma lacuna na normalização de Instalações Internas de Gás Combustível durante um grande período, pois a norma brasileira que tratava

Leia mais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais Controle II Estudo e sintonia de controladores industriais Introdução A introdução de controladores visa modificar o comportamento de um dado sistema, o objetivo é, normalmente, fazer com que a resposta

Leia mais

TUBINA TORRE DE ENERGIA

TUBINA TORRE DE ENERGIA Sistema Híbrido de Geração de Energia Fotovoltaica e Eólica + Utilização de fontes de energia renováveis; + Ferramenta única de marketing ("Green + Propaganda"); + Produtos inovadores com alta qualidade;

Leia mais

Trabalho sobre No-breaks

Trabalho sobre No-breaks Trabalho sobre No-breaks Grupo: Leandro Porto Cristiano Porto Diego Martins Diogo Rubin Os nobreaks protegem os equipamentos contra quatro problemas principais causados pela variação da energia elétrica.

Leia mais

Chaves comutadoras sob carga 3 posições (I-0-II) Linhas OT, OTM e OEM

Chaves comutadoras sob carga 3 posições (I-0-II) Linhas OT, OTM e OEM Chaves comutadoras sob carga 3 posições (I-0-II) Linhas OT, OTM e OEM As comutadoras da ABB possuem manobra e isolação confiáveis entre a rede primária e a rede secundária de energia, assegurando, assim,

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 5: INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Este material contém informações classificadas como NP-1 INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Aproximações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 01 ENSAIO DO DISJUNTOR DE BAIXA TENSÃO 1 INTRODUÇÃO Esta aula no laboratório

Leia mais

Pára-raios para aplicação em Subestações

Pára-raios para aplicação em Subestações V Pára-raios para aplicação em Subestações Atualmente quase todos os pára-raios adquiridos pelas empresas concessionárias de energia elétrica e grandes consumidores industriais para novos projetos de subestações,

Leia mais

d) F 4 ; F 9 e F 16 e) 4F; 6F e 8F Dado: Lei de COULOMB F = K.Q Q d CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS - Vol. II 39

d) F 4 ; F 9 e F 16 e) 4F; 6F e 8F Dado: Lei de COULOMB F = K.Q Q d CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS - Vol. II 39 Aula n ọ 09 01. Em um experimento realizado em sala de aula, um professor de física mostrou duas pequenas esferas metálicas idênticas, suspensas por fios isolantes, em uma situação de atração. Na tentativa

Leia mais

séries JKW5 V5.0 Controlador Automático de Correção do Fator de Potência Manual de Operação

séries JKW5 V5.0 Controlador Automático de Correção do Fator de Potência Manual de Operação séries JKW5 V5.0 Controlador Automático de Correção do Fator de Potência Manual de Operação 1. Geral A série JKW5 de controlador automático de correção do fator de potência é utilizado para comandar automaticamente

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Sistema de Distribuição de Energia Elétrica com Barramentos Blindados para Edifícios de Uso Coletivo com Medição Centralizada. Dicas para

Leia mais

Capítulo XII. Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações

Capítulo XII. Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações 38 Capítulo XII Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações Este é o último capítulo desta série iniciada em janeiro de 2015, em que foram apresentados conceitos de engenharia para

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. :: Detectores de tensão. :: Isoladores capacitivos. :: Conjunto de aterramento de ferragem

CATÁLOGO DE PRODUTOS. :: Detectores de tensão. :: Isoladores capacitivos. :: Conjunto de aterramento de ferragem CATÁLOGO DE PRODUTOS :: Detectores de tensão :: Isoladores capacitivos :: Conjunto de aterramento de ferragem :: Transformadores de corrente e potencial :: Detectores e Medidores de tensão MT 500 / MT

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz ATERRAMENTO ELÉTRICO Sistema de aterramento elétrico ATERRAMENTO ELÉTRICO Mas o que é o terra? Qual a diferença entre terra, neutro, e massa(carcaça do Equipamento)?

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DECARGAS ATMOSFÉRICAS SPDA PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DO LESTE MT CUIABÁ, ABRIL DE 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 3 2. METODOLOGIA E TIPO

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE

APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE Autores José Eduardo Chaves Costa (42049633) José Nunes dos Santos Júnior (962334.8) Petrobras/Unidade de Negócios Sergipe e Alagoas RESUMO

Leia mais

Informações de segurança e conformidade do Cisco TelePresence MCU 5300 Series

Informações de segurança e conformidade do Cisco TelePresence MCU 5300 Series Informações de segurança e conformidade do Cisco TelePresence MCU 5300 Series Nesta página: Símbolos de informações de segurança Diretrizes operacionais Avisos de segurança Especificação técnica Informações

Leia mais