INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009"

Transcrição

1 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o QUARTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório". O tema abordado aqui é: "Estimulação ovariana em estados hiperandrogênicos" Lembramos que o programa completo contempla os seguintes temas: 1. Investigação básica do casal infértil 2. Avaliação da reserva ovariana na prática 3. Estimulação ovariana no consultório (este número) 4. Estimulação ovariana em estados hiperandrogênicos 5. Indicações, técnica e resultados de inseminação terapêutica 6. Quando encaminhar o casal para fertilização in vitro Você pode acessar os temas das últimas semanas, para isso, basta clicar nos respectivos títulos acima. O número 1, introdutório, pode ser acessado clicando aqui. Este é um programa muito sério e com importantes informações médico-científicas, mas se não quiser receber nossos informativos, basta clicar em "responder" e escrever no assunto ou no campo de texto "Não quero mais receber mensagens". Seu endereço será imediatamente removido de nossa base de dados. Um grande abraço, Prof. Dr. Dirceu Henrique Mendes Pereira Diretor da Profert - (11) ESTIMULAÇÃO OVARIANA EM ESTADOS HIPERANDROGÊNICOS A síndrome dos ovários policísticos ( SOP ) acomete 4 a 12 % de mulheres em idade reprodutiva, sendo a mais freqüente endocrinopatia hiperandrogênica. É necessário afastar a hiperplasia congênita adrenal tardia, mediante a dosagem de 17-OH-progesterona, e tumor funcionante de ovário ou adrenal. A síndrome é constituída de: anovulação crônica, excesso de androgênios evidenciados clínica ou laboratorialmente e a presença de dez ou mais cistos de 8 a10 mm em um ou ambos os ovários evidenciados pela ultrassonografia pélvica. A SOP é uma desordem crônica que parece surgir por ocasião da adrenarca, sendo a sua etiopatogenia complexa, caracterizada por disfunção da liberação de gonadotrofinas e da síntese de esteróides. Atualmente admite-se que o pano de fundo seja a resistência periférica à insulina, levando à hiperinsulinemia, cujos efeitos deletérios atingem várias etapas do ciclo reprodutivo. O mais relevante é anovulação decorrente da hipersecreção de hormônio

2 luteinizante (LH) secundada pela diminuição dos níveis da globulina transportadora de hormônios sexuais (SHBG), condicionando o aumento da testosterona livre. As mulheres portadoras de SOP apresentaram obesidade em 38% e hirsutismo em 29%, segundo Diamanti-Kandakaris e cols (1999). É muito importante diferenciar a mulher portadora da SOP daquela que apresenta ovários multicísticos, pois a abordagem terapêutica e a evolução são diferentes. Daí a necessidade de caracterizar principalmente o estado hiperandrogênico e os seus comemorativos clínicos. Algumas mulheres não manifestam sobrepeso ou obesidade, apresentando-se astênicas ou magras com ovários policísticos volumosos; constituindo um grupo com elevado risco de hiperestimulo. A caracterização da resistência periférica à insulina é encontrada em 20 a 40% das mulheres obesas (IMC > 30) e 10 a 15% das pacientes magras (IMC 20 a 25). Diante de uma paciente com SOP torna-se imprescindível incutir-lhe mudanças nos hábitos de vida. A redução do peso corporal associada a exercícios físicos são estratégias preliminares antes da estimulação controlada dos ovários (ECO), visando melhorar a sensibilidade à insulina, diminuir o hiperandrogenismo, restaurar os ciclos menstruais e minimizar os fatores de risco. A perda de peso corporal de 5 a 7% é suficiente para melhorar a capacidade reprodutiva da mulher, podendo ser obtida com dieta pobre em gordura saturada, rica em fibras, hiperprotéica e pobre em carboidratos refinados. Se houver resistência podem-se prescrever sensibilizadores da insulina, sendo a metformina 850 mg duas vezes ao dia, a mais usual. Estudos com esse fármaco mostram resultados controversos, talvez em decorrência da heterogeneidade nos grupos estudados. Mulheres com IMC acima de 40 não respondem adequadamente ao medicamento. Casos mais graves de obesidade mórbida podem se beneficiar da cirurgia bariátrica, obviamente sendo medida de exceção. Vários trabalhos tentaram comprovar o efeito da metformina na anovulação, concepção e taxa de recém-nascido em casa, mas estudos baseados em evidência, como os de Moll e cols (2006)e Legro e cols (2007), não demonstraram eficácia significativa em relação ao citrato de clomifeno. Pasquali e cols(2000) e Hoeger e cols (2004) concluíram que a metformina se mostrou eficaz quando associada a dieta adequada e exercícios físicos. Portanto não se deve esperar por resultados satisfatórios com o uso isolado da metformina. Após o ajuste endócrino-metabólico a paciente está preparada para o início da ECO. Aquelas que estavam utilizando metformina devem continuar inclusive durante o pré-natal, pois não existe risco de teratogênese, segundo alguns trabalhos relatados. Vamos abordar os principais esquemas: 1. Citrato de clomifeno (CC).- É o agente farmacológico de escolha na SOP, na dose de 50 a 100 mg por 5 dias, iniciando o seu uso no 5º dia de um ciclo espontâneo ou induzido. Geralmente há recrutamento de poucos folículos dominantes suficientes para expor a paciente a um coito programado ou a uma inseminação terapêutica. Embora a paciente tenha níveis mais elevados de LH deve-se administrar UI de HCG urinário ou 250 mcg de HCG rec quando houver folículo de 18 a 20 mm de diâmetro médio. Excepcionalmente pode ocorrer número exagerado de folículos dominantes, daí a necessidade de monitorar a ECO com ultrassonografia transvaginal (USTV), cancelando-se o ciclo ou migrando para fertilização in vitro (FIV) se houver mais de três folículos dominantes. Infelizmente pode

3 ocorrer resistência ao uso de CC após três ciclos de tratamento; fazendo-se necessária a utilização de esquemas com gonadotrofinas(gnt). 2. Gonadotrofinas (GNT) - Como relatamos em boletim anterior temos várias opções de GNT (recombinante, urofolitrofina e menotrofina). Durante algum tempo acreditou-se que a droga com FSH isolado, rec ou urinário, fosse mais interessante em decorrência de níveis elevados de LH sérico habitualmente presentes na SOP. Porém, trabalhos mais recentes chamaram a atenção para a ação de frações de gonadotrofina coriônica (HCG) existentes na menotrofina que causam apoptose em folículos antrais, diminuindo o risco de hiperestímulo ovariano. Mais uma vez, ficamos reféns de trabalhos contraditórios e aguardando metanálises que possam esclarecer esse nebuloso assunto. A estimulação controlada dos ovários (ECO) nas portadoras de SOP exige muito cuidado e experiência em decorrência da heterogeneidade de resposta de cada paciente. Reconhecendo que o principal risco é a gestação múltipla, vários protocolos de estimulação têm sido utilizados para maximizar o número de ciclos monofoliculares. Além da mudança de estilo de vida, acima proposta, e do eventual uso de metformina, pode-se prescrever anticoncepcional oral combinado, contendo citrato de ciproterona ou drospirenona, durante 2 a 3 meses para diminuir os níveis de LH e aumentar a SHBG. Seguindo rigorosamente essas medidas profiláticas o tocoginecologista terá maior segurança para utilizar a ECO com gonadotrofinas. No entanto, alguns casos constituem verdadeiros desafios, inclusive para o especialista em medicina reprodutiva, motivando a indicação de FIV. Existem dois protocolos mais usuais para a ECO nos procedimentos de baixa complexidade: 2.1. Step-down ou doses decrescentes, iniciando-se a GNT com 150 a 225 UI durante três dias seguidos de diminuição (30 a 50%) a cada três dias até a administração de HCG (5000 UI urinária ou 250 mcg rec.) quando houver folículos com 17 a 19 mm de diâmetro médio. Esse protocolo condiciona maior risco de hiperestímulo em virtude de recrutar mais folículos antrais, razão pela qual deve ser monitorado mediante a USTV e estradiol sérico a cada 3 dias. Diante do risco iminente da síndrome (ovários aumentados de volume, número excessivo de folículos dominantes, desconforto abdominal) deve-se suspender a ECO ou encaminhar a paciente para FIV Step-up ou doses crescentes com ajuste fino, iniciando-se a GNT com 37,5 a 75 UI durante 5 dias, seguida de elevação (30 a 50%) a cada três dias até a administração de HCG, obedecendo o mesmo critério estabelecido no esquema step-down. A duração desse protocolo é mais longa, podendo chegar a dias e o número de folículos é diminuto, não raro sendo monofolicular. É um esquema mais seguro de ECO, porém em algumas oportunidades os folículos antrais não decolam, obrigandonos a cancelar o ciclo e re-iniciar com uma dose 30 a 50% maior. Estudos recentes indicam taxas de 70% de ovulação, 20% de gravidez por ciclo e 6% de gestação múltipla (Guzick,2007). 3. Anastrazole e letrozole.- São drogas inibidoras da aromatase, enzima responsável por converter os androgênios em estrogênios, suprimindo o nível sérico de estradiol. Em decorrência da descrição de malformações fetais relacionadas ao uso de letrozole, o laboratório fabricante da droga não recomenda o seu uso como indutor de ovulação, após a divulgação de um trabalho de Biljan e cols, no congresso da American Society of Reproductive Medicine (ASRM) em Por esse motivo não vamos abordar

4 protocolos. 4. Perfuro-cauterização laparoscópica.- Stein e Leventhal (1935) propuseram a ressecção cuneiforme para o tratamento da SOP; embora esse tratamento tenha sido exitoso no passado, no tocante a obtenção de ovulação e gravidez, foi abandonado em decorrência da alta prevalência de formação de aderências. Fundamentada no mesmo princípio, essa técnica foi revivida pela perfuração dos cistos via laparoscopia, empregando a cauterização ou o laser. Embora este último meio seja mais sofisticado, os trabalhos demonstraram taxas de ovulação e gravidez similares, sem aumentar os riscos de formação de aderências (Campo, 1998). As principais indicações para a cirurgia laparoscópica são a resistência ao citrato de clomifeno e níveis elevados persistentes de LH. Após a cirurgia, os níveis de LH diminuem significativamente criando condições favoráveis para a ovulação espontânea e para a estimulação farmacológica, segundo o último consenso sob os auspícios da ESHRE-ASRM, realizado em Thessaloniki, Grécia, Por outro lado, alguns pesquisadores têm observado que essa técnica fornece resultados transitórios e não corrige os distúrbios metabólicos, além de criar condições para a formação de aderências, atenuando os benefícios potenciais do procedimento. Assim a cirurgia laparoscópica é uma indicação de exceção limitando-se aos casos que não responderam ao CC e às gonadotrofinas ou a uma imposição social (serviço público). 5. Antioxidantes.- A síndrome metabólica está associada à ativação das vias de estresse oxidativo. Alguns estudos mostram que mulheres portadoras de SOP apresentam diminuição da capacidade antioxidativa em comparação com grupo controle. Polak e cols (2001) encontraram aumento da atividade de substâncias oxidativas, avaliadas pela quimioluminescência e ácido malonilaldeido, no líquido peritoneal de mulheres inférteis, portadoras de endometriose ou SOP. O uso de antioxidantes poderia diminuir o estresse oxidativo, e consequentemente minimizar a resistência periférica a insulina. A N-acetilcisteina (NAC) é um antioxidante eficaz, que eleva a glutationa no interior das células, principalmente nos hepatócitos. Fulghesu e cols (2002) sugerem que a NAC promove melhora significativa da sensibilidade à insulina de mulheres portadoras de SOP, predispostas a apresentar respostas inadequadas à estimulação ovariana e expor-se a risco de desenvolver diabete tipo 2 e acidente cardiovascular. A dose recomendada de NAC é de 10 a 15 mg/kg/dia em adultos. Essas observações ensejam a realização de pesquisas consistentes com outros antioxidantes com capacidade de diminuir o estresse oxidativo visando melhorar a resposta aos indutores de ovulação. Conclusões: A ECO em mulheres portadoras de SOP requer abordagem diferenciada e cautelosa. Devem-se corrigir os distúrbios endócrino-metabólicos antes de iniciar o uso de indutores da ovulação mediante mudanças no estilo de vida e eventualmente a prescrição de metformina. Se o nível sérico de LH for muito elevado, deve-se utilizar um anticoncepcional oral combinado, contendo ciproterona ou drospirenona, durante 2 a 3 meses. Para indução da ovulação, ainda hoje a droga de escolha é o citrato de clomifeno, pela simplicidade de uso e baixo preço. Se houver resistência, após 3 meses, deve-se optar pelas gonadotrofinas dando preferência ao esquema de doses crescentes com ajuste fino. A monitorização deve ser rigorosa, mediante USTV e estradiol, para evitar a hiperestimulação

5 ovariana e gestação múltipla. A perfuro-cauterização ovariana por via laparoscópica é uma indicação de exceção, restrita a casos especiais. O uso de antioxidantes, principalmente a NAC, é promissor no sentido de corrigir o estresse oxidativo. E não perca o próximo capítulo: "Indicações, técnica e resultados de inseminação terapêutica" Um grande abraço, Prof. Dr. Dirceu Henrique Mendes Pereira Diretor da Profert - (11)

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso?

Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Hospital Regional da Asa Sul (HRAS) Setor de Reprodução 46 o Congresso Humancopia de Ginecológica Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Uso de Citrato de Clomifeno: existe abuso? Natalia I. Zavattiero

Leia mais

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO

QUANDO INDICAR FERTILIZAÇÃO IN VITRO 1 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 7-20/12/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o SEXTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório", com o tema "Quando encaminhar o casal para

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Fígado Estômago e Intestino delgado Localização Córtex

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Câncer de mama e fertilidade Por que? Como o tratamento

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica

Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica Isabel L.A.Corrêa Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica PRO MATRE Síndrome dos Ovários Policísticos The Rotterdam ESHRE/ASRM sponsored PCOS consensus workshop group, 2004 Oligoamenorréia

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

Indux (citrato de clomifeno) EMS Sigma Pharma Ltda. comprimido 50 mg

Indux (citrato de clomifeno) EMS Sigma Pharma Ltda. comprimido 50 mg Indux (citrato de clomifeno) EMS Sigma Pharma Ltda. comprimido 50 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Indux Nome genérico: citrato de clomifeno APRESENTAÇÕES: Comprimidos de 50 mg: embalagem

Leia mais

Clomifeno Citrato. Aplicações. Possibilidade do uso de diferentes dosagens de acordo com a necessidade do paciente. Indicações

Clomifeno Citrato. Aplicações. Possibilidade do uso de diferentes dosagens de acordo com a necessidade do paciente. Indicações Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 26 H 28 ClNO.C 6 H 8 O 7 Peso molecular: 598,08 DCB/ DCI: 02293 citrato de clomifeno CAS: 50-41-9 INCI: Não aplicável Sinonímia: Citrato de Clomifeno

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

USO ORAL - ADULTO. Forma farmacêutica: Comprimidos.

USO ORAL - ADULTO. Forma farmacêutica: Comprimidos. USO ORAL - ADULTO Forma farmacêutica: Comprimidos. Apresentações: Caixa contendo 1 blister com 10 comprimidos. Caixa contendo 3 blísteres com 10 comprimidos cada. Cada comprimido contém 50 mg de citrato

Leia mais

6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01. Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y.

6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01. Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y. 6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01 Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y. Sexo gonadal Tem Y? Reações dão origem ao sexo masculino testículos

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 7: Suprarrenal e tireoide Prof. Carlos Castilho de Barros Algumas pessoas podem apresentar distúrbios que provocam a obesidade. Estórias como Eu como pouco mas continuo

Leia mais

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

ANEXO I - RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO (Artigo 4º-A da Directiva 65/65/CEE na sua última redacção)

ANEXO I - RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO (Artigo 4º-A da Directiva 65/65/CEE na sua última redacção) ANEXO I - RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO (Artigo 4º-A da Directiva 65/65/CEE na sua última redacção) RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DA ESPECIALIDADE FARMACÊUTICA GONAL-F

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE Data: 04/12/2013 NOTA TÉCNICA 242 /2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0433.13.017726-7/001 Medicamento Material Procedimento Cobertura X EXAMES PARA DIAGNÓSTICO

Leia mais

Avaliação da Reserva Ovariana e Manejo da Má Respondedora. Dr. Alvaro Petracco

Avaliação da Reserva Ovariana e Manejo da Má Respondedora. Dr. Alvaro Petracco Avaliação da Reserva Ovariana e Manejo da Má Respondedora Dr. Alvaro Petracco Quem é uma má respondedora? Literatura controversa Cautela na interpretação de dados Definição Relacionada a idade Níveis de

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões

Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21. Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Élsio Paiva Nº 11 Rui Gomes Nº 20 Tiago Santos Nº21 Disciplina : Área de Projecto Professora : Sandra Vitória Escola Básica e Secundária de Fajões Introdução ; O que é a obesidade? ; Índice de massa corporal

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade no consultório: como conduzir Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade Definição: Ausência de concepção após um ano mantendo relações sexuais sem proteção PRIMÁRIA

Leia mais

HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO

HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO Prof. Dr. Marcos Felipe Silva de Sá Setor de Reprodução Humana Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP CONCEITO Síndrome HIPERANDROGÊNICA

Leia mais

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Projeto PIBID - UNICAMP Projeto Licenciatura em Química Instituto de Química IQ Unicamp PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS Bolsista ID: Juliana Mukai de Mattos Supervisora: Profª.

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

Os exames que avaliam a fertilidade do casal

Os exames que avaliam a fertilidade do casal CAPÍTULO 4 Os exames que avaliam a fertilidade do casal Na pesquisa da fertilidade, os fatores são estudados levando-se em consideração cada uma das etapas no processo de reprodução. Para cada uma delas,

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Conceito: ausência de menstruação em uma época na qual ela deveria ocorrer. Exclui-se períodos de amenorréia fisiológica, como na gravidez e lactação, antes da menarca

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS Marcelo Cidade Batista Laboratório de Hormônios LIM/42 Disciplina de Endocrinologia Divisão de Laboratório Central LIM/03 Hospital das Clínicas Faculdade de

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 ASPECTOS GERAIS: Mamas presentes/ FSH nl/ útero ausente: Agenesia mülleriana e sínd de resistência completa aos androgênios. Dosar testosterona.

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos HISTOLOGIA No ovário identificamos duas porções distintas: a medula do ovário, que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sangüíneos, célula hilares (intersticiais), e a córtex do ovário,

Leia mais

Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml acetato de triptorrelina

Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml acetato de triptorrelina Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml acetato de triptorrelina APRESENTAÇÕES E FORMAS FARMACÊUTICAS Gonapeptyl Daily 0,1 mg/ml: Cada seringa contém 1 ml de solução injetável S.C. contendo 105 mcg de acetato de triptorrelina

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste:

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste: Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais O teste consiste na dosagem dos níveis séricos de cortisol e ACTH, após um estímulo hormonal ou farmacológico in vivo

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA

AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA AVALIAÇÃO DO CASAL INFÉRTIL PONTO DE VISTA DA IMAGIOLOGIA GINECOLÓGICA Renato Silva Martins Julho 2013 Introdução: Problemática da Infertilidade ESHRE European Society of Human Reproduction and Embriology

Leia mais

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA Estudo da variação herdável que ocorre sem mudança na sequência do DNA Mudanças de longo

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Introdução Geralmente, as pessoas descobrem estar diabéticas quando observam que, apesar

Leia mais

DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS

DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO QUAIS OS OBJETIVOS?

Leia mais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais

2- Causas A Acne é causada por alteração em 4 fatores principais ACNE Autor: Prof. Dr. Miguel Francischelli Neto Mestre e Doutor em Cirurgia Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Campinas Professor do Curso de Pós-Graduação em Medicina Estética da Universidade

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Testes para identificar a gravidez Como é possível identificar se uma mulher está grávida? Após os sintomas apresentados acima, normalmente

Leia mais