Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica"

Transcrição

1 Isabel L.A.Corrêa Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica PRO MATRE

2 Síndrome dos Ovários Policísticos The Rotterdam ESHRE/ASRM sponsored PCOS consensus workshop group, 2004 Oligoamenorréia e / ou anovulação Sinais clínicos e/ou laboratoriais de hiperandrogenismo Ovários policísticos à ultra-sonografia 2 dos 3 critérios configura a SOP Exclusão de outras etiologias de hiperandrogenismo!!!!!!! (Ex: hiperplasia adrenal congênita, Síndrome de Cushing e tumores secretores de androgênios)

3 DIAGNÓSTICO Anamnese: irregularidade menstrual: oligoamenorréia desde a menarca manifestações de hiperandrogenismo: hirsutismo, acne, pele oleosa, queda de cabelos infertilidade

4 DIAGNÓSTICO Exame Físico: IMC = peso (Kg) / altura (m 2 ) subpeso < 18 normal = 18 a 24 sobrepeso = 25 a 30 obesidade > 30

5 DIAGNÓSTICO Exame Físico: IMC = peso (Kg) / altura (m 2 ) subpeso < 18 normal = 18 a 24 sobrepeso = 25 a 30 obesidade > 30 Avaliar hirsutismo: Índice de Ferriman > 8

6 DIAGNÓSTICO Exame Físico: IMC = peso (Kg) / altura (m 2 ) subpeso < 18 normal = 18 a 24 sobrepeso = 25 a 30 obesidade > 30 Avaliar hirsutismo: Índice de Ferriman > 8 Outros sinais de hiperandrogenismo Acantose nigricans

7 Acantose nigricans

8 DIAGNÓSTICO DOSAGENS HORMONAIS: FSH, PRL E LH TSH na presença de hiperprolactinemia 17α hidroxiprogesterona, DHEA-S e Testosterona na presença de sinais de hiperandrogenismo

9 Síndrome dos Ovários Policísticos Critérios ultrassonográficos: Microcistos ( 2 a 9 mm) nº de 12 no mínimo Aumento do estroma Volume > 10 cc Unilateral ou não Balen et al, 2003

10

11 Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) 5 a 8 % das mulheres durante sua vida reprodutiva 50 % entre as hirsutas Das mulheres com SOP, % tem resistência insulínica e aproximadamente 50% são obesas

12 Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) Diagnóstico de SOP ligado à prevenção da obesidade, infertilidade, hiperinsulinemia, Diabetes Tipo II e aumento do risco cardiovascular.

13 Resistência Insulínica

14 Insulina [N] X Hiperinsulinemia Resistência Insulínica

15 Erro na ligação substrato-receptorreceptor Defeitos pós- tranducionais

16 Atresia Folicular SOP Insulina E 2 LH Androgênios

17 Hipófise Hiperandrogenismo amplitude dos pulsos de LH Síndrome Metabólica SOP Obesidade Resistência Insulínica Ovário Androstenediona Testosterona Adrenal DHEA SDHEA Fígado SHBG IGFBP-I Citocromo P450c17 Testosterona livre IGF-I

18 Avaliação da Resistência à Insulina Parâmetros clínicos Clamp euglicêmico hiperinsulinêmico Métodos simplificados (basais)

19 Avaliação da Resistência à Insulina Parâmetros clínicos Acantose nigricans

20 Avaliação da Resistência à Insulina Clamp euglicêmico hiperinsulinêmico Metodologia gold standardpara avaliar a sensibilidade insulínica Tecnicamente complexo Impraticável na clínica

21 Avaliação da Resistência à Insulina Métodos simplificados (basais) Índice QUICKI HOMA teste Insulina e glicemia 2 h após sobrecarga de glicose ( 75 g)

22 Quantitative insulin sensitivity check index (QUICKI) QUICKI = 1 ( logg basal + log I basal ) (RI < 0,34) Homeostasis model assessment HOMA IR= G basal x I basal 22,5 (RI > 3,2)

23 Insulina e glicemia 2 h após sobrecarga glicose ( 75 g) Glicemia: Normal < 140 mg/dl Alterada mg/dl DM > 200 mg/dl Insulina: Provável RI µu/ml RI µu/ml RI severa > 300 µu/ml Speroff L, 2005

24 SÍNDROME METABÓLICA

25 Síndrome Metabólica(SM) Third Report of the National Cholesterol Education Program Adult Treatment Panel (NCEP-ATP III) : Obesidade central: Cintura > 88 cm Triglicérides > 150 mg/dl Colesterol HDL < 50 mg/dl Pressão Arterial > 130 X 85 mm Hg Glicemia jejum > 110 mg/dl O achado de 3 dos 5 critérios caracteriza SM na mulher.

26 Síndrome Metabólica(SM) Nos E.U.A. a prevalência da SM em pacientes com SOP varia de 33-46% Risco de 4,5 vezes maior de SM em adolescentes com SOP quando comparadas ao grupo controle sem SOP com o mesmo índice de massa corpórea 368 pacientes com SOP, 33,4% com SM 80% cintura superior a 88 cm

27 Síndrome Metabólica(SM) ASSOCIAÇÃO ENTRE A SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS E A SÍNDROME METABÓLICA NO RIO DE JANEIRO - VARIÁVEIS Idade Média (Anos) IMC ( Kg/m 2 ) Triglicérides 150 mg/dl HDL Colesterol< 50 mg/dl PA sist 130 mmhgou PA diast 85mmHg PACIENTES n=33 26,9 +/- 4,592 29,78+/-6, (39,3%) 15(45%) 8 ( 24%) Ambulatório de Infertilidade Glicemia (9%) Conjugal da Pro Matre mg/dl Diabetes Mellitus tipo II Cintura > 88 cm 2( 6%) 26 (78,7%) Relação Cintura/Quadril> 0,85 Antec.Familiares DCV/DMII SÍNDROME METABÓLICA 28 (84,8%) 25 (75%) 15 (45%) ISABEL L. A. CORRÊA, RICARDO OLIVEIRA E SILVA, LUIZ GUILHERME PESSOA E SILVA,2006

28 Aspectos da Síndrome metabólica Obesidade Central: -Fator de risco independente para doença cardiovascular - Gordura visceral = Intensa atividade lipolítica aumento na produção de ácidos graxos livres aumento de triglicérides Aumento gluconeogênese hiperglicemia hiperinsulinemia -Efeito lipotóxico no pâncreas deterioração produção insulina

29 Aspectos da Síndrome metabólica -Distúrbios do metabolismo da glicose: compensatório na produção insulina + clearance hepático =HIPERINSULINEMIA - Estado pró-trombótico : PAI 1 Alterações partículas de LDLc Proliferação de células musculares favorecendo ateroesclerose

30 Aspectos da Síndrome metabólica -Hipertensão Arterial Sistêmica: Reabsorção renal de sódio Atividade simpática Efeitos tróficos na musculatura lisa vascular Produção de Óxido nítrico

31 Aspectos da Síndrome metabólica -Microalbuminúria - Anormalidades sistema fibrinolítico - Aumento do Ácido Úrico - Aumento da Homocisteína - Aumento Marcadores da Inflamação ( proteína C reativa, adiponectina, FNT) - Aumento da Endotelina 1

32 Tratamento da Síndrome dos Ovários Policísticos e Síndrome Metabólica

33 Atividade física Dieta e modificações do estilo de vida Drogas sensibilizadoras da ação da insulina Tratamento da HAS / Dislipidemia / Obesidade/Diabetes/suspensão tabagismo

34 Atividade física

35 Dieta e modificações do estilo de vida

36 Drogas sensibilizadoras da ação da insulina Metformina-dosede850mg/diaa2,5g/dia (cp.de500e850mg-de12/12a8/8h) seguimento é clínico: restabelecimento dos ciclos ovulatórios, melhora do hirsutismo e perda de peso Pode-se associar aos ACO ou anti-androgênios

37 Metformina a a sensibilidade periférica a insulina por da gliconeogênse. Diminui produção hepática de glicose Aumenta captação periférica de glicose Aumenta sensibilidade à insulina à nível pós receptor Secreção de LH Secreção de androgênios produção de SHBG Hiperandrogenismo

38 Resistência X Insulínica Tratamento com hipoglicemiantes orais Fígado SHBG IGFBP-I Testosterona livre IGF-I Hipófise amplitude dos pulsos de LH Ovário Androstenidiona Testosterona Citocromo P450c17 Hiperandrogenismo Adrenal DHEA SDHEA

39 > Metformina Taxa de ovulação (54%) SHBG Hiperandrogenismo Nestler et al., 2002 Falhas de tratamento 50% dos casos Obesas

40 > Metformina Efeitos colaterais: Sintomas gastrintestinais (30%) Absorção de B 12 e ácido fólico Acidose lática Naci; Koyunc, 2002

41 Outras drogas sensibilizadoras da insulina Diazóxido Tiazolidinedionas ( Roziglitazona, Pioglitazona, Troglitazona) D-chiro-Inositol Acarbose

42 NIH Sponsored Diabetes Prevention Program Risco de desenvolvimento de Diabetes em pacientes com Intolerância à glicose: Metformina- 31% Dieta/Atividade Física- 58%

43 69 mulheres obesas com SOP-Metformina 1,7g/d X 74 mulheres obesas com SOP-PlaceboPlacebo Atividade física+dieta hipocalórica Perda de peso SUPERIOR à metformina na restauração dos ciclos ovulatórios Tang et al, 2006

44 Obesidade/SM Tratamento medicamentoso

45 Outros Rimonabant Rimonabant, the first of the endocannabinoid receptor antagonists, reduces weight by 4 5 kg on average and improves waist circumference and concentrations of HDL cholesterol and triglyceride; however, an increased incidence of mood-related disorders has been reported. Padwal R S et al, Lancet, 2007 X TH / SERMS / Antioxidantes / Ácido fólico

AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade. Policísticos. Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina

AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade. Policísticos. Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade nasíndrome Síndromedos Ovários Policísticos Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina Síndromede OváriosPolicísticos(SOP): Anovulação Hiperandrogênica

Leia mais

HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO

HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO Prof. Dr. Marcos Felipe Silva de Sá Setor de Reprodução Humana Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP CONCEITO Síndrome HIPERANDROGÊNICA

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

ANA MARIA DOS SANTOS RODRIGUES EFETIVIDADE DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM CURTO E LONGO PRAZO DE PACIENTES COM SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS

ANA MARIA DOS SANTOS RODRIGUES EFETIVIDADE DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM CURTO E LONGO PRAZO DE PACIENTES COM SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS ANA MARIA DOS SANTOS RODRIGUES EFETIVIDADE DA INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM CURTO E LONGO PRAZO DE PACIENTES COM SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS Belo Horizonte 2012 ANA MARIA DOS SANTOS RODRIGUES EFETIVIDADE

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Sistema Endócrino II - Hormônios

Sistema Endócrino II - Hormônios Ciências Morfofuncionais III Sistema Endócrino II - Hormônios Natureza, química e funções Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia Endocrinologia Estudo das secreções internas do organismo Hormônios São

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Fígado Estômago e Intestino delgado Localização Córtex

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA

SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA Síndrome metabólica: terapêutica fatmacológica 115 SÍNDROME METABÓLICA: TERAPÊUTICA FARMACOLÓGICA M.ª Helena Ramos Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo, Hospital Geral de Santo António Porto

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS

DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO COM DROGAS HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA TRATAMENTO QUAIS OS OBJETIVOS?

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DM: Conceitos Doença causada pela falta, absoluta ou relativa, de insulina no organismo. Insulina: é um hormônio, responsável pelo controle do açúcar no

Leia mais

INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009

INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 INFORMATIVO PROFERT - VOLUME 1 - NÚMERO 5-22/10/2009 Prezado(a) colega, Você recebe agora o QUARTO capítulo do programa "Reprodução Assistida no Consultório". O tema abordado aqui é: "Estimulação ovariana

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ESTEATOSE HEPÁTICA

FUNDAMENTOS DA ESTEATOSE HEPÁTICA FUNDAMENTOS DA ESTEATOSE HEPÁTICA GORDURA BRANCA X MARROM SINDROME METABÓLICA RESISTÊNCIA INSULÍNICA HIPERINSULINISMO ÍNDICE GLICÊMICO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan & EQUIPE MULTIDISCIPLINAR MEDICINA

Leia mais

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 ASPECTOS GERAIS: Mamas presentes/ FSH nl/ útero ausente: Agenesia mülleriana e sínd de resistência completa aos androgênios. Dosar testosterona.

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

RESISTÊNCIA INSULÍNICA Fisiopatologia, Diagnóstico e Tratamento

RESISTÊNCIA INSULÍNICA Fisiopatologia, Diagnóstico e Tratamento RESISTÊNCIA INSULÍNICA Fisiopatologia, Diagnóstico e Tratamento Izidoro de Hiroki Flumignan Aula para o Curso de Pós-Graduação em Endocrinologia do Hospital da Lagoa Rio de Janeiro RJ - 2008 - O ADIPÓCITO

Leia mais

Alessandra Lorenti Ribeiro MIELOPEROXIDASE E SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS

Alessandra Lorenti Ribeiro MIELOPEROXIDASE E SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS Alessandra Lorenti Ribeiro MIELOPEROXIDASE E SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS Tese apresentada ao Curso de Pós- Graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo para obtenção do título

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE UM PCMSO INTEGRADO AO SÉCULO S

A ELABORAÇÃO DE UM PCMSO INTEGRADO AO SÉCULO S A ELABORAÇÃO DE UM PCMSO INTEGRADO AO SÉCULO S XXI (PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO M DE SAÚDE OCUPACIONAL - NR-7) Dr. José Carlos T. Dias Ferreira CRM 46.101 DEPTO. DE MEDICINA E SEGURANÇA DO TRABALHO - CIESP

Leia mais

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 355-366, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 355 IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina INTRODUÇÃO O controle da hiperglicemia em longo prazo é essencial para a manutenção

Leia mais

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007)

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Leusink GL, Oltheten JMT, Brugemann LEM, Belgraver A, Geertman JMA, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE?

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE? Obesidade O QUE É? Denomina-se obesidade uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo. COMO

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE :.:4:. GP-RI-2007/14 Senhor Presidente, J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER S a, 22 de dezembro de 2014. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE Em ate 'ã ao requerimento n 2070/2014, de autoria do Vereador FERNANDO L S

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse

Declaração de Conflitos de Interesse Declaração de Conflitos de Interesse Nada a Declarar AVANÇOS LABORATORIAIS NO DIAGNÓSTICO DO PACIENTE COM RESISTÊNCIA À INSULINA José Gilberto Henriques Vieira Fleury Medicina e Saúde 41 o CBPC/ML, Salvador,

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Hirsutismo. Deborah C. de L. A. Queiroz E1. Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador

Hirsutismo. Deborah C. de L. A. Queiroz E1. Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador Hirsutismo Deborah C. de L. A. Queiroz E1 Francisco Bandeira, MD, PhD, FACE Coordenador Hirsutismo INTRODUÇÃO O hirsutismo é definido como a presença de pêlos terminais na mulher, em áreas anatômicas características

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é:

AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é: RESPOSTAS OBTIDAS AS SOLUÇÕES... 1. A prevalência da diabetes na população portuguesa entre os 20-79 anos é: a) inferior a 10% b) superior a 20% c) entre 13-14% d) nenhuma das anteriores 2. Em Portugal

Leia mais

6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01. Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y.

6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01. Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y. 6 de Fevereiro de 2009. Apostila 01 Amenorréia e SOP Embriologia Sexo genético O óvulo sempre carrega 23X e o sptz pode carregar 23X ou 23Y. Sexo gonadal Tem Y? Reações dão origem ao sexo masculino testículos

Leia mais

PROTOCOLO DE DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DE PESSOAS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM SERVIÇOS DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

PROTOCOLO DE DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DE PESSOAS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM SERVIÇOS DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE SAÚDE COMUNITÁRIA PROTOCOLO DE DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DE PESSOAS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM SERVIÇOS DE ATENÇÃO PRIMÁRIA

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

Hipogonadismo Feminino

Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Luíz Antônio de Araújo Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente do Clube da Hipófise

Leia mais

Francisco de Assis Costa Souza

Francisco de Assis Costa Souza Francisco de Assis Costa Souza AVALIAÇÃO CLÍNICA-EPIDEMIOLÓGICA E LABORATORIAL DO EIXO HIPOTÁLAMO-HIPÓFISE-GONADAL DE PACIENTES COM OBESIDADE CLASSE III DISSERTAÇÃO APRESENTADA AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Interpretação de Exames Complementares na Síndrome Plurimetabólica

Interpretação de Exames Complementares na Síndrome Plurimetabólica Interpretação de Exames Complementares na Síndrome Plurimetabólica Vamos lembrar Hipócrates Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja o seu remédio Integração É importante buscar um estado

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

EVA APARECIDA TROMBETA CORREIA NUTRIÇÃO E SINDROME METABOLICA: DIETOTERAPIA E MUDANÇA NO ESTILO DE VIDA

EVA APARECIDA TROMBETA CORREIA NUTRIÇÃO E SINDROME METABOLICA: DIETOTERAPIA E MUDANÇA NO ESTILO DE VIDA EVA APARECIDA TROMBETA CORREIA NUTRIÇÃO E SINDROME METABOLICA: DIETOTERAPIA E MUDANÇA NO ESTILO DE VIDA LONDRINA 2009 EVA APARECIDA TROMBETA CORREIA NUTRIÇÃO E SINDROME METABOLICA: DIETOTERAPIA E MUDANÇA

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

Exame Médico Periódico e Risco Cardiovascular em Trabalhadores de uma Grande Empresa do Rio de Janeiro. por. Ana Cecilia Rocha Bruno

Exame Médico Periódico e Risco Cardiovascular em Trabalhadores de uma Grande Empresa do Rio de Janeiro. por. Ana Cecilia Rocha Bruno Exame Médico Periódico e Risco Cardiovascular em Trabalhadores de uma Grande Empresa do Rio de Janeiro por Ana Cecilia Rocha Bruno Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre em Ciências

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

Diabetes Mellitus na Infância e Adolescência

Diabetes Mellitus na Infância e Adolescência Diabetes Mellitus na Infância e Adolescência Diabetes Mellitus Síndrome metabólica caracterizada por hiperglicemia, resultante de deficiência absoluta ou relativa de insulina Alteração de metabolismo de

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

A neurohipófise tem comunicação

A neurohipófise tem comunicação A aula de hoje é sobre o eixo hipotálamohipófise - ovário. Porque que nós vamos falar desse eixo? Porque é ele que rege toda a fisiologia hormonal feminina, então pra nós falarmos do ciclo menstrual, nós

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Hipófise. 1.1. Relações anatômicas. Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino. Remoção cirúrgica morte 1 a 2 dias

Hipófise. 1.1. Relações anatômicas. Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino. Remoção cirúrgica morte 1 a 2 dias 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SISTEMA HIPOTÂMICO HIPÓFISÁRIO 1.1. Relações anatômicas Hipófise Hipotálamo interface entre os sistemas nervoso e endócrino Infundíbulo Controla a função hipofisária através

Leia mais

Editor. Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SBC. Editores. Membros do Comitê. Coordenação Geral. Esta diretriz deverá ser citada como:

Editor. Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SBC. Editores. Membros do Comitê. Coordenação Geral. Esta diretriz deverá ser citada como: Diretriz sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular 137 Coordenador de Normatizações e Diretrizes da SC Harry Correa Filho Editores Guilherme Fenelon e Silvana. D. Nishioka Coordenação Geral na

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais