SETOR APÍCOLA BRASILEIRO EM NÚMEROS INTELIGÊNCIA COMERCIAL GUSTAVO CUBA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETOR APÍCOLA BRASILEIRO EM NÚMEROS INTELIGÊNCIA COMERCIAL GUSTAVO CUBA"

Transcrição

1 SETOR APÍCOLA BRASILEIRO EM NÚMEROS GUSTAVO CUBA

2 FONTE: ALIECEWEB EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL NATURAL 2013 A 2016 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL (NCM ) ANO Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg Janeiro , , , , , , , ,39 Fevereiro , , , , , , , ,39 Março , , , , , , , ,45 Abril , , , , , , , ,47 Maio , , , , , , , ,52 Junho , , , , , , , ,60 Julho , , , , , , , ,71 Agosto , , , , , , , ,81 Setembro , , , , , , , ,03 Outubro , , , , , , , ,40 Novembro , , , , , , , ,42 Dezembro , , , , , , , ,58 TOTAL , , , , , , , ,80 As de mel no mês de dezembro foram 38,06% superiores ao mês anterior, representando em valor uma diferença de US$ ,00. Em volume, o aumento foi de 33,0% no total de toneladas exportadas frente a novembro, uma diferença de kg. Considerando os totais consolidados quanto ao fechamento do ano de 2016, e comparando com o ano anterior, observamos um aumento de 12,62% em valor exportado (US$), e um aumento de 8,99% em volume exportado (ton) no ano. A média sobre o preço exportado em 2016 registrou um aumento de 3,32% comparado à média do ano anterior. Em 2015, o preço médio foi de US$ 3,68 enquanto que em 2016 o preço médio foi de US$ 3,80/kg.

3 FONTE: ALIECEWEB EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL NATURAL POR PAÍS 2011 A 2015 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO MEL NATURAL POR PAÍS ANO PAÍSES - Ordem Alfabética US$ KG US$/KG US$ KG US$/KG US$ KG US$/KG US$ KG US$/KG US$ KG US$/KG ALEMANHA , , , , , , , , , ,75 ANGOLA , , , , , , , ,78 0,00 0 0,00 ARABIA SAUDITA 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 ARGENTINA 3.480, , , , , ,70 0,00 0 0, , ,70 AUSTRALIA , , , ,70 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,92 AUSTRIA , ,39 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 BELGICA , , , , , , , , , ,92 BOLIVIA 943, ,72 92, ,83 0,00 0 0, , , , ,38 CABO VERDE 1.901, ,37 65, ,50 461, ,63 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 CANADA , , , , , , , , , ,77 CHILE 61, ,20 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 CHINA , , , , , , , , , ,73 COLOMBIA 413, ,33 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 551,00 0 0,00 COREIA DO NORTE 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,50 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 COREIA DO SUL 6.000, , , , , , , ,50 0,00 0 0,00 DINAMARCA 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,54 EGITO 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,40 EMIRADOS ARABES 7.560, , , ,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 EQUADOR 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,90 0,00 0 0,00 ESPANHA , , , , , , , , , ,90 EUA , , , , , , , , , ,64 FRANÇA , , , , , , , , , ,87 HONG KONG 2.806, , , , , , , , , ,74 IRLANDA 0,00 0 0, , , , , , , , ,44 ISRAEL , , , , , , , , , ,50 ITALIA 0,00 0 0, , ,01 0,00 0 0, , , , ,93 JAPAO , , , , , , , , , ,84 JORDANIA 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,02 LUXEMBURGO 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 MACAU 4.301, ,37 0,00 0 0, , , , , , ,96 MALASIA 314, ,67 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 MEXICO 3.075, ,15 0,00 0 0, , , , ,33 0,00 0 0,00 NORUEGA 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , , , ,76 OMA 0,00 0 0,00 325, ,11 0,00 0 0,00 0,00 0 0, , ,03 PAÍSES BAIXOS (HOLANDA) , ,45 0,00 0 0, , , , , , ,65 PANAMA , ,21 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 PARAGUAI 441, ,03 563, ,85 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 PERU 733, ,77 0,00 0 0,00 37,00 5 7,40 0,00 0 0,00 0,00 0 0,00 REINO UNIDO , , , , , , , , , ,69 SUIÇA 0,00 0 0, , , , , , , , ,00 TAIWAN (FORMOSA) 0,00 0 0,00 35, ,50 0,00 0 0,00 861, , , ,78 TOTAL , ,08 3, , ,12 3, , , , , , ,68

4 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL NATURAL POR PAÍS 2016 COMPORTAMENTO 2º SEMESTRE E TOTAL ANO PAÍS - Classificação por país EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO MEL NATURAL POR PAÍS JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO TOTAL ANO POR PAÍS US$ FOB KG US$ FOB KG US$ FOB KG US$ FOB KG US$ KG US$ KG US$ FOB KG ALEMANHA , , , , , ANGOLA 0,00 0 0, , , , , ARGENTINA 0, , ,00 0 0, , AUSTRALIA 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , BELGICA , ,00 0 0,00 0 0, , , BOLIVIA 0,00 0 0,00 0 0, , , CANADA , , , , , CHINA , , , , , COLOMBIA 0,00 0 0, ,00 0 0, ,00 0 COREIA DO SUL 0,00 0 0, , , , DINAMARCA 0, , , , , EMIRADOS ARABES 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , EGITO 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , ESPANHA , ,00 0 0,00 0 0, , EUA , , , , , FRANÇA , , , , , HONG KONG 647, , , , , IRLANDA 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , ITALIA 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , JAPAO 336, , ,00 0 8, , MACAU 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, ,00 35 MEXICO 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , PORTO RICO 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0, , REINO UNIDO , , , , , SUIÇA 0, , ,00 0 0,00% , TAIWAN (FORMOSA) 0, ,00 4 0,00 0 0, , TOTAL , , , , , FONTE: ALIECEWEB As do produto mel para os Estados Unidos no ano de 2016 representam 81,52% de todo volume exportado no ano. Os estados brasileiros que se destacaram como maiores exportadores do produto para os EUA neste ano foram São Paulo e Santa Catarina, com 51,37% deste total. Em valores, US$ ,00. Para os países europeus as de mel em 2016 totalizaram US$ ,00, o que representa 10,36% do total exportado no ano. Em volume, o total foi de kg. Comparando o resultado acumulado de 2016 frente ao ano anterior, observa-se uma redução de 40,63% sobre o valor exportado, e redução de 37,73% sobre o volume, representado respectivamente pelos totais US$ ,00 e kg.

5 EVOLUÇÃO DA EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL NATURAL POR PAÍS 2009 A 2015* PAÍSES - Ordem Alfabética FONTE: ALIECEWEB EVOLUÇÃO DA EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL NATURAL POR PAÍS A e e e e e e 2015 Incremento nas Queda nas Total em 2015 US$ ALEMANHA -6,9% -0,7% -26,7% -58,3% 89,7% 7,2% ,00 ANGOLA 4,7% 217,0% -94,6% 932,0% 14,1% -100,0% 0,00 ARABIA SAUDITA 100,0% -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00 ARGENTINA -26,0% 100,0% -50,0% 0,0% -100,0% 100,0% 1.740,00 AUSTRALIA 0,0% 100,0% -50,0% -100,0% 0,0% 100,0% ,00 AUSTRIA 560,2% -90,5% -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00 BELGICA -45,9% 275,2% -14,1% 0,4% 75,4% -45,2% ,00 BOLIVIA -100,0% 100,0% -90,2% -100,0% 100,0% -64,7% ,00 CABO VERDE -68,9% 1782,2% -96,6% 609,2% -100,0% 0,0% 0,00 CANADA -28,8% 17,4% -40,0% 144,9% 60,9% -1,7% ,00 CHILE -100,0% 100,0% -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00 CHINA 585,7% -3,8% 21,5% 38,9% 189,6% 13,1% ,00 COLOMBIA 0,0% 100,0% -100,0% 0,0% 0,0% 100,0% 551,00 COREIA DO NORTE 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% -100,0% 0,0% 0,00 COREIA DO SUL -83,0% 0,0% 283,3% -45,3% -40,4% -100,0% 0,00 DINAMARCA -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% ,00 EMIRADOS ARABES -75,8% 113,2% -50,0% -100,0% 0,0% 0,0% 0,00 EGITO 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% 1.550,00 EQUADOR 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% -100,0% 0,00 ESPANHA 100,0% -25,5% -72,4% -42,7% 317,3% 1,7% ,00 EUA -26,8% 57,0% -24,8% 12,0% 86,9% -22,6% ,00 FRANÇA 131,4% 22,7% -89,5% -36,9% 1504,1% 15,1% ,00 HONG KONG -35,9% -72,7% 1405,9% -46,0% 633,5% -90,7% ,00 IRLANDA 0,0% 0,0% 100,0% 29,8% 458,2% -46,5% ,00 ISRAEL 100,0% 68,7% -35,4% 44,2% 34,0% -86,6% ,00 ITALIA 0,0% 0,0% 100,0% -100,0% 100,0% 142,7% ,00 JAPAO -53,9% -56,0% 450,2% -65,2% 23,9% -68,4% ,00 JORDÂNIA 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% ,00 LUXEMBURGO 100,0% -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00 MACAU 0,0% 100,0% -100,0% 100,0% 54,5% -47,5% ,00 MALASIA 0,0% 100,0% -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00 MEXICO -50,7% 23,0% -100,0% 100,0% 0,0% -100,0% 0,00 NORUEGA 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% 8,1% ,00 OMA 0,0% 0,0% 100,0% -100,0% 0,0% 100,0% ,00 PAÍSES BAIXOS (HOLANDA) -72,7% 9,6% -100,0% 100,0% 461,4% 65,1% ,00 PANAMA -100,0% 100,0% -100,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,00 PARAGUAI 100,0% 26,0% 27,7% -100,0% 0,0% 0,0% 0,00 PERU 338,3% -7,1% -100,0% 100,0% -100,0% 0,0% 0,00 REINO UNIDO 4,1% -19,4% -18,9% 25,3% 6,0% -17,8% ,00 SUIÇA -40,9% -100,0% 100,0% -32,2% 62,1% -65,2% ,00 TAIWAN (FORMOSA) 170,6% -100,0% 100,0% -100,0% 100,0% 473,3% 4.936,00 TOTAL -16,3% 28,7% -26,1% 3,4% 82,1% -17,1% ,00 *Dados de 2016 ainda não consolidados

6 Posição do Ano 2010 RANKING DOS PAÍSES EXPORTADORES - EM VALOR Período 2010 a 2014* US Dollar Países Exportadores Incremento/ Valores Posição do Incremento/ Valores Redução exportados Redução País Exportador exportados em (diferença entre em e 2011 (diferença entre e 2011) 2011 e 2012) Exportação Mundial , ,00 13,8% Ano 2011 Exportação Mundial , ,00 3,5% 1 China , ,00 10,3% 1 Argentina , ,00-3,7% 2 Argentina , ,00 28,8% 2 China , ,00 6,8% 3 Germany , ,00 9,9% 3 Germany , ,00 5,4% 4 Mexico , ,00 6,6% 4 Mexico , ,00 12,3% 5 Spain , ,00-3,1% 5 New Zealand , ,00 19,3% 6 New Zealand , ,00 24,5% 6 Spain , ,00 0,8% 7 Hungary , ,00 0,01% 7 India , ,00-21,4% 8 India , ,00 35,6% 8 Brazil , ,00-26,1% 9 Canada , ,00-29,9% 9 Viet Nam , ,00-13,4% 10 Brazil , ,00 28,8% 10 Hungary , ,00 4,5% 11 Viet Nam , ,00 31,8% 11 Belgium , ,00-0,4% 12 Belgium , ,00 11,7% 12 Romania , ,00 8,2% 13 Romania , ,00-1,7% 13 Canada , ,00 87,4% 14 Italy , ,00 4,3% 14 Italy , ,00 18,0% 15 Bulgaria , ,00-11,0% 15 Saudi Arabia , ,00 27,5% 16 Chile , ,00-3,9% 16 Chile , ,00-10,0% 17 United States of America , ,00-15,2% 17 Ukraine , ,00 11,8% 18 Australia , ,00-3,7% 18 France , ,00 1,0% 19 France , ,00 10,3% 19 Bulgaria , ,00 19,8% 20 Ukraine , ,00 39,4% 20 Australia , ,00 0,8% Incremento nas Queda nas 2011 e 2012

7 RANKING DOS PAÍSES EXPORTADORES - EM VALOR Período 2010 a 2014* US Dollar Posição do Ano 2012 País Exportador Valores exportados em 2012 Incremento/ Redução (diferença entre 2012 e 2013) 2012 e 2013 Valores exportados em 2013 Incremento/ Redução (diferença entre 2013 e 2014) 2013 e 2014 Exportação Mundial , ,00 14,9% Ano 2013 Exportação Mundial , ,00-8,6% 1 Argentina , ,00-1,2% 1 China , ,00 5,6% 2 China , ,00 14,6% 2 Argentina , ,00-3,9% 3 Germany , ,00 5,6% 3 New Zealand , ,00 20,6% 4 New Zealand , ,00 34,1% 4 Germany , ,00 3,5% 5 Mexico , ,00 10,7% 5 Mexico , ,00 30,9% 6 Spain , ,00 14,6% 6 Hungary , ,00-9,3% 7 Canada , ,00-19,8% 7 Spain , ,00 31,6% 8 Hungary , ,00 51,4% 8 Viet Nam , ,00 48,6% 9 India , ,00 26,4% 9 India , ,00 2,8% 10 Viet Nam , ,00 55,8% 10 Belgium , ,00-4,8% 11 Belgium , ,00 33,1% 11 Italy , ,00-22,0% 12 Brazil , ,00 3,4% 12 Canada , ,00-22,4% 13 Romania , ,00 22,4% 13 Romania , ,00-1,2% 14 Italy , ,00 53,9% 14 Brazil , ,00 82,1% 15 Saudi Arabia , ,00-75,8% 15 Ukraine , ,00 75,9% 16 Bulgaria , ,00 44,1% 16 Bulgaria , ,00-10,6% 17 Ukraine , ,00 70,3% 17 Uruguay , ,00-1,4% 18 Uruguay , ,00 30,2% 18 France , ,00 3,8% 19 France , ,00 16,4% 19 Poland , ,00 64,5% 20 Chile , ,00 8,1% 20 Chile , ,00 1,2% Posição do Incremento nas Queda nas

8 RANKING DOS PAÍSES EXPORTADORES - EM VALOR Período 2010 a 2014* US Dollar Posição do Ano 2014 Valores exportados em 2014 Exportação Mundial ,00 1 China ,00 2 Argentina ,00 3 New Zealand ,00 4 Mexico ,00 5 Germany ,00 6 Viet Nam ,00 7 Spain ,00 8 Brazil ,00 9 Ukraine ,00 10 Hungary ,00 11 India ,00 12 Belgium ,00 13 Romenia ,00 14 Poland ,00 15 Italy ,00 16 Canada ,00 17 Bulgaria ,00 18 Uruguay ,00 19 Thailand ,00 20 France ,00 Face ao resultado positivo das nacionais de mel em 2014, o Brasil passa a ser o 8º maior exportador de mel em termos de valor. De 2013 para 2014, o país subiu 6 posições no de de mel.

9 EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES MUDIAIS 2010 A 2014* VALOR US$ Ranking Mundial Ano 2014 mundiais entre 2010 e 2011 mundiais entre 2011 e 2012 mudiais entre 2012 e 2013 mudiais entre 2013 e 2014 Valores exportados em US$ Exportações Mundo 13,8% 3,5% 14,9% -8,6% ,00 1 China 10,3% 6,8% 14,6% 5,6% ,00 2 Argentina 28,8% -3,7% -1,2% -3,9% ,00 3 New Zealand 24,5% 19,3% 34,1% 20,6% ,00 4 Mexico 6,6% 12,3% 10,7% 30,9% ,00 5 Germany 9,9% 5,4% 5,6% 3,5% ,00 6 Viet Nam 31,8% -13,4% 55,8% 48,6% ,00 7 Spain -3,1% 0,8% 14,6% 31,6% ,00 8 Brazil 28,8% -26,1% 3,4% 82,1% ,00 9 Ukraine 39,4% 11,8% 70,3% 75,9% ,00 10 Hungary 0,01% 4,5% 51,4% -9,3% ,00 11 India 35,6% -21,4% 26,4% 2,8% ,00 12 Belgium 11,7% -0,4% 33,1% -4,8% ,00 13 Romania -1,7% 8,2% 22,4% -1,2% ,00 14 Poland 78,0% 23,5% 54,8% 64,5% ,00 15 Italy 4,3% 18,0% 53,9% -22,0% ,00 16 Canada -29,9% 87,4% -19,8% -22,4% ,00 17 Bulgaria -11,0% 19,8% 44,1% -10,6% ,00 18 Uruguay 0,0% 100,0% 30,2% -1,4% ,00 19 Thailand 49,5% 5,4% 28,4% 60,2% ,00 20 France 10,3% 1,0% 16,4% 3,8% ,00 Incremento nas Queda nas

10 RANKING DOS PAÍSES EXPORTADORES - EM QUANTIDADE Período 2010 a 2014* Toneladas Posição do país no Ano 2010 Volume Incremento/ exportado em Redução (diferença 2010 entre 2010 e 2011) 2010 e 2011 Posição do país no Ano 2011 Volume exportado em 2011 Incremento/ Redução (diferença entre 2011 e 2012) 2011 e 2012 Exportação Mundial ,9% Exportação Mundial ,9% 1 China ,1% 1 China ,2% 2 Argentina ,2% 2 Argentina ,8% 3 Mexico ,4% 3 India ,3% 4 Spain ,4% 4 Mexico ,2% 5 Germany ,1% 5 Brazil ,4% 6 India ,7% 6 Viet Nam ,6% 7 Brazil ,2% 7 Germany ,8% 8 Belgium ,8% 8 Spain ,6% 9 Viet Nam ,3% 9 Belgium ,8% 10 Canada ,8% 10 Hungary ,0% 11 Hungary ,6% 11 Romania ,8% 12 Malaysia ,4% 12 Ukraine ,1% 13 Romania ,1% 13 Canada ,5% 14 United States of America ,5% 14 Thailand ,0% 15 Chile ,6% 15 New Zealand ,3% 16 Bulgaria ,8% 16 Chile ,7% 17 Ukraine ,1% 17 Bulgaria ,9% 18 Italy ,4% 18 Italy ,6% FONTE: 19 TRADEMAP Thailand ,0% 19 United States of America ,5% 20 New Zealand ,3% 20 Cuba ,8% Incremento nas Queda nas

11 RANKING DOS PAÍSES EXPORTADORES - EM QUANTIDADE Período 2010 a 2014* Toneladas Posição do Ano 2012 Volume exportado em 2012 Incremento/ Redução (diferença entre 2012 e 2013) 2012 e 2013 Posição do Volume exportado em 2013 Incremento/ Redução (diferença entre 2013 e 2014) variação entre 2013 e 2014 Exportação Mundial ,7% Ano 2013 Exportação Mundial ,0% 1 China ,00 13,4% 1 China ,00 3,9% 2 Argentina ,00-13,2% 2 Argentina ,00-16,4% 3 Mexico ,00 4,4% 3 Viet Nam ,00 40,6% 4 India ,00 22,8% 4 Mexico ,00 17,0% 5 Germany ,00 1,6% 5 India ,00-10,4% 6 Viet Nam ,00 64,0% 6 Germany ,00-0,4% 7 Spain ,00 8,3% 7 Belgium ,00-9,1% 8 Canada ,00-32,9% 8 Ukraine ,00 67,6% 9 Belgium ,00 31,7% 9 Spain ,00 22,7% 10 Brazil ,00-3,1% 10 Hungary ,00-13,5% 11 Hungary ,00 42,6% 11 Brazil ,00 56,5% 12 Ukraine ,00 62,5% 12 Bulgaria ,00-19,9% 13 Romania ,00 10,4% 13 Romenia ,00-12,1% 14 Uruguay ,00 10,7% 14 Uruguay ,00-13,2% 15 Bulgaria ,00 35,9% 15 Canada ,00-23,0% 16 Thailand ,00 29,7% 16 Thailand ,00 53,3% 17 Chile ,00-5,9% 17 Italy ,00-29,4% 18 New Zealand ,00 11,5% 18 New Zealand ,00-0,9% 19 Italy ,00 37,3% 19 Poland ,00 48,9% 20 Cuba ,00-13,1% 20 Chile ,00-14,2% Incremento nas Queda nas

12 RANKING DOS PAÍSES EXPORTADORES - EM QUANTIDADE Período 2010 a 2014* Toneladas Posição do Ano 2014 Volume exportado em 2014 Exportação Mundial China Argentina Viet Nam Mexico Ukraine India Spain Brazil Germany Belgium Hungary Thailand Poland Romenia Uruguay Bulgaria New Zealand Canada Italy Chile Em termos de volume de mel exportado, o Brasil subiu 3 posições no de maior exportador saindo da posição de 11º maior exportador em 2013, para 8º lugar no das.

13 Ranking Mundial Ano 2014 EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES MUDIAIS 2010 A 2014* VOLUME (TONELADAS) mundiais entre 2010 e 2011 mundiais entre 2011 e 2012 mudiais entre 2012 e 2013 mudiais entre 2013 e 2014 Incremento nas Queda nas Volume exportado em 2014 Tons World Exports 30,9% 9,9% 13,7% 5,0% China -1,1% 10,2% 13,4% 3,9% Argentina 26,2% 3,8% -13,2% -16,4% Viet Nam 20,3% 5,6% 64,0% 40,6% Mexico 1,4% 19,2% 4,4% 17,0% Ukraine 40,1% 35,1% 62,5% 67,6% India 54,7% -15,3% 22,8% -10,4% Spain -14,4% 6,6% 8,3% 22,7% Brazil 20,2% -25,4% -3,1% 56,5% Germany -2,1% 10,8% 1,6% -0,4% Belgium -8,8% -0,8% 31,7% -9,1% Hungary -10,6% 17,0% 42,6% -13,5% Thailand 28,0% 2,0% 29,7% 53,3% Poland 72,8% 34,5% 47,8% 48,9% Romania -10,1% 15,8% 10,4% -12,1% Uruguay 0,0% 100,0% 10,7% -13,2% Bulgaria -19,8% 35,9% 35,9% -19,9% New Zealand 28,3% 2,3% 11,5% -0,9% Canada -36,8% 91,5% -32,9% -23,0% Italy -7,4% 29,6% 37,3% -29,4% Chile -12,6% 15,7% -5,9% -14,2% 7.034

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

TABELA - Destinos das exportações brasileiras de Laranja em NCM 8 dígitos: Sucos de laranjas, congelados, não fermentados

TABELA - Destinos das exportações brasileiras de Laranja em NCM 8 dígitos: Sucos de laranjas, congelados, não fermentados País Via de Volume Valor Preço Médio Transporte Bélgica Marítima 141.569.475 235.767.952 1.665,39 Estados Unidos Marítima 93.624.168 162.298.316 1.733,51 Países Baixos (Holanda) Marítima 78.144.511 139.108.254

Leia mais

DIRETORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS, INFORMAÇÕES E DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DEPARTAMENTO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES

DIRETORIA DE ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS, INFORMAÇÕES E DESENVOLVIMENTO URBANO E RURAL DEPARTAMENTO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES PRINCIPAIS PAÍSES DE DESTINO DA EXPORTAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA - 2005 2005 Estados Unidos 421.693.481 25,29 México 124.421.946 7,46 Argentina 73.091.226 4,38 Federação da Rússia 59.379.834 3,56

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX 2 fonte: MDIC / SECEX elaboração: UAGRO / SEBRAE NA 42,23 51,00 2,86 8.243.232,00 23.588.292,00 2,53 25.987.193,00 65.791.416,00 2,38

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JUNHO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE

BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE DADOS DAS IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ARTEFATOS DE COURO MALAS Mercadoria: 42021100 - MALAS,MALETAS E PASTAS,DE COURO NATURAL/RECONST/ENVERN. 2005 2006 2007 País Kg US$ US$/Kg Part. Kg US$ US$/Kg Part.

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MAIO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES OUTUBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO 2018 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS JULHO 2018 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES SETEMBRO / 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO / 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS JULHO 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JULHO 2017 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINO

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS E PAÍSES DE DESTINO Julho / 2004

EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS E PAÍSES DE DESTINO Julho / 2004 EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS E PAÍSES DE DESTINO 2002-2004 Julho / 2004 EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS COMENTÁRIOS A - EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES ABRIL / 2016 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS ABRIL 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JANEIRO 2019 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ SER REPRODUZIDA, DESDE QUE CITADO COMO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MARÇO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES DEZEMBRO 2018 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 QUALQUER PARTE DESTA OBRA PODERÁ SER REPRODUZIDA, DESDE QUE CITADO COMO

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2017 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES NOVEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 ANÁLISE 3 2 CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 DESTINOS.. 5 4 COURO BOVINO POR TIPO 6 5 DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2013 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO Número de indústrias de calçados no Brasil por estado. 13 Faturamento na exportação de Calçados RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA JUNHO 2017 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JANEIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE JULHO 2015 Página População... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados de Franca... 2 Dados do emprego na indústria

Leia mais

IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES SETEMBRO 2017 SUMÁRIO PÁG. 1 CAPÍTULO 41 COMPLETO 3 2 ORIGENS 4 3 ORIGENS POR TIPO DE COURO 5 4 ESTADOS 6 5 POR CLASSIFICAÇÃO DAS NCMs 7 1 IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %)

PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %) PIB PIB PAÍSES DESENVOLVIDOS (4 trimestres, %) dez/92 jun/93 dez/93 jun/94 dez/94 jun/95 dez/95 jun/96 dez/96 jun/97 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES MARÇO 2017 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS MARÇO 2016 As Exportações de Couros e Peles apresentadas

Leia mais

Indices de Felicidade

Indices de Felicidade Indices de Felicidade FELICIDADE PRESENTE NotaMédiadeFelicidadePresente(de0a10)3-55-66-77-88-9Seminformação Denmark Felicidade Presente (Nota de 0 a 10) Italy Brazil Russia China Fonte: CPS/FGV Processando

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

INFORMATIVO EXPORTAÇÕES

INFORMATIVO EXPORTAÇÕES INFORMATIVO EXPORTAÇÕES DEZEMBRO 2011 ÍNDICE: 1. Exportações Brasileiras de Rochas Dezembro 2010 X 2011 Pg.02 2. Exportações Capixabas Rochas Dezembro 2010 X 2011 Pg.02 3. Participação das Exportações

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11,75% 13,00% 13,75% 12,75% 11,25% 10,25% 8,75% 9,50% 10,25% 10,75% 11,25% 12,50% 11,00% 10,50% 9,75% 9,00% 8,50% 8,00% 7,25% 8,00% 8,50% 9,00%

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mai/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mai/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mai/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

RICARDO PAES DE BARROS

RICARDO PAES DE BARROS RICARDO PAES DE BARROS Avaliação de Impacto do Projeto Jovem de Futuro sobre a Aprendizagem Ricardo Barros (IAS/Insper), Samuel Franco (OPESociais), Gabriela Gall (Insper) e Rosane Mendonça (UFF) Impacto

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 22/10/12 22/11/12 22/12/12 22/01/13 22/02/13 22/03/13 22/04/13 22/05/13 22/06/13 22/07/13 22/08/13 22/09/13 22/10/13 22/11/13 22/12/13 22/01/14 22/02/14 22/03/14 22/04/14

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE CAMPINA GRANDE - PB INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE CAMPINA GRANDE PB OUTUBRO DE

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE CAMPINA GRANDE - PB INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE CAMPINA GRANDE PB OUTUBRO DE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE CAMPINA GRANDE PB OUTUBRO DE 218 1 Sumário Exportação e Importação:... 3 Exportação (Jan - Set/218):... 3 Importação (Jan - Set/218):... 4 Saldo (Jan - Set/218):... 5 Exportação

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADAS / PROCESSED, MIÚDOS / OFFALS,, Periodo: jan/1998 - dez/1998 1 de 15 1998 1997 Janeiro / January US$ (000) TONNES US$/Ton US$ (000) TONNES US$/Ton US$ (000) TONNES

Leia mais

2º ENAPA ENCONTRO DE ANÁLISE DE PERFORMANCE ADUANEIRA PERSPECTIVAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR EM 2017

2º ENAPA ENCONTRO DE ANÁLISE DE PERFORMANCE ADUANEIRA PERSPECTIVAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR EM 2017 2º ENAPA ENCONTRO DE ANÁLISE DE PERFORMANCE ADUANEIRA PALESTRA PERSPECTIVAS PARA O COMÉRCIO EXTERIOR EM 2017 JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 11 de abril de 2017 COMPOSIÇÃO DAS RECEITAS TOTAIS DE

Leia mais

O Setor em Grandes Números 2015

O Setor em Grandes Números 2015 O Setor em Grandes Números 2015 Apresentação Esta publicação reúne dados oficiais de fontes no Brasil e no exterior sobre o desempenho do Setor de Gemas, Joias e Metais Preciosos em 2015. Muitos dos números

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Outubro de 2015

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Outubro de 2015 Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Outubro de 2015 1. Exportações de carnes de janeiro a outubro de 2015 BRASIL As exportações brasileiras de carnes somaram US$ 11,9 bilhões no período de janeiro

Leia mais

FFI Future Felicity Index

FFI Future Felicity Index FFI Future Felicity Index http://www3.fgv.br/ibrecps/retcm/index_eng.htm Marcelo Neri mcneri@fgv.br CPS/IBRE and EPGE Getulio Vargas Foundation mauritania uzbekistan egypt montenegro switzerland denmark

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION

PERIGOS DA PERCEPÇÃO PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2016 PERILS OF PERCEPTION ESTUDO REALIZADO EM 40 PAÍSES PERILS OF PERCEPTION 2016 1 ESTES SÃO OS RESULTADOS DA NOVA EDIÇÃO DA PESQUISA PERIGOS DA PERCEPÇÃO DA IPSOS. OS RESULTADOS

Leia mais

A Previdência Social ao redor do mundo

A Previdência Social ao redor do mundo A Previdência Social ao redor do mundo Pinheiro IBRE/FGV IE/UFRJ Brasília, 17 de abril de 2017 17 abr 2017 1960 1964 1968 1972 1976 1980 1984 1988 1992 1996 2000 2004 2008 2012 2016 2020 2024 2028 2032

Leia mais

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR AMCHAM BRASIL SÃO PAULO PALESTRA OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 30 de agosto de 2016 2 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional A. Empresa: DESKTOP-SIGMANET COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA LTDA B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional C. Identificação para

Leia mais

LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU

LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU África do Sul 1 Alemanha 1 Angola 1 Arábia Saudita 1 Argélia 1 Argentina 1 Bangladesh 1 Brasil 1 Camboja 1 Canadá 1 Cazaquistão 1 China 1 Congo 1 Coreia do Norte 1 Coreia

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADAS / PROCESSED, MIÚDOS / OFFALS,, Periodo: jan/1997 dez/1997 1 de 15 1997 1996 Janeiro / January US$ () TONNES US$/Ton US$ () TONNES US$/Ton US$ () TONNES US$/Ton

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2015

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2015 Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2015 1. Exportações de carnes de janeiro a dezembro de 2015 BRASIL As exportações brasileiras de carnes somaram US$ 14,7 bilhões no período de janeiro

Leia mais

Global Innovation Index 2018 rankings

Global Innovation Index 2018 rankings RANKINGS Global Innovation Index 2018 rankings Country/Economy Score (0 100) Rank Income Rank Region Rank Efficiency Ratio Rank Median: 0.61 Switzerland 68.40 1 HI 1 EUR 1 0.96 1 Netherlands 63.32 2 HI

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

A RECONSTRUÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA

A RECONSTRUÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA A RECONSTRUÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA RECUPERAÇÃO CÍCLICA E NECESSIDADE DE REFORMAS MARÇO DE 2017 FERNANDO HONORATO BARBOSA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 2 CENÁRIO GLOBAL 3 ECONOMIA

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2014 1. Exportações de carnes BRASIL Ao longo dos últimos dez anos as exportações de carne no Brasil aumentaram. Para a carne de frango o aumento

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Adalberto Estampados Junho 2014 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2013 Volume de Negócios: 6.128 M * Produção: 5.934 M * Emprego:

Leia mais

País_Acondicionamento_Fev_2012 (valores em quilogramas)

País_Acondicionamento_Fev_2012 (valores em quilogramas) País/Acondicionamento Carrega Descarrega Total Geral Alemanha 28.679.316 13.003.023 41.682.339 Carga geral fraccionada 6.145.879 6.145.879 Granel sólido 12.024.535 3.440.000 15.464.535 Roll on/off (c/propulsor)

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro. ano 2 Nº15 27/março/2012

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro. ano 2 Nº15 27/março/2012 Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

PROPOSTA DE PRIORIZAÇÃO DE MERCADOS PARA O SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS

PROPOSTA DE PRIORIZAÇÃO DE MERCADOS PARA O SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS Informe 19/2009 PROPOSTA DE PRIORIZAÇÃO DE MERCADOS PARA O SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS Avenida Paulista, 1313 8º andar sala 802 Bela Vista

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DO SECTOR DE MOBILIÁRIO

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DO SECTOR DE MOBILIÁRIO Balança Comercial Portuguesa do Sector (Milhares de Euros) Exportação 813.207 914.677 909.921 836.887 917.672 3,4 9,7 Importação 569.862 644.676 676.482 625.479 579.139 0,8-7,4 Saldo 243.345 270.001 233.439

Leia mais

Formação dos Estados e do Poder. Problemática da formação dos Estados latino-americanos. Prof.: Rodrigo Cantu

Formação dos Estados e do Poder. Problemática da formação dos Estados latino-americanos. Prof.: Rodrigo Cantu Formação dos Estados e do Poder Problemática da formação dos Estados latino-americanos Prof.: Rodrigo Cantu Arrecadação fiscal 50 45 40 Carga tributária (2001): Países da OCDE vs América Latina 35 30 25

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 16 de Setembro Agenda HOJE HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 08h45 09h10 Abertura Brasoftware Salão Nobre 09h10 09h30 Big Data: Neoway Salão Nobre 09h30 09h50 Gestão de Conteúdo:

Leia mais

Energia no Mundo Indicadores. Matrizes Energéticas. Matrizes Elétricas. Edição de 13 de dezembro de Ministério de Minas e Energia

Energia no Mundo Indicadores. Matrizes Energéticas. Matrizes Elétricas. Edição de 13 de dezembro de Ministério de Minas e Energia Energia no Mundo 215-216 Matrizes Energéticas Matrizes Elétricas Indicadores Edição de 13 de dezembro de 217 Ministério de Minas e Energia MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Ministro FERNANDO COELHO FILHO Secretário

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais OUT/14

Ranking Mundial de Juros Reais OUT/14 Ranking Mundial de Juros Reais OUT/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA C S E R Departamento Central de Serviços Grupo de Apoio Técnico aos Sindicatos - GAT Dados de Comércio de Importação & Exportação Setor de Louças Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA

Leia mais

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ - o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA Oscar Tupy1 INTRODUÇÃ O Este trabalho tem por objetivo mostrar de forma compacta as tendências mundiais de consumo, produção e comércio de carne bovina.

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

MERCADO INTERNACIONAL

MERCADO INTERNACIONAL MERCADO INTERNACIONAL JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 15/08/14 05/09/14 26/09/14 17/10/14 07/11/14

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - FIEP Edson Campagnolo Presidente ECONOMIA, DESENVOLVIMENTO E FOMENTO

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - FIEP Edson Campagnolo Presidente ECONOMIA, DESENVOLVIMENTO E FOMENTO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - FIEP Edson Campagnolo Presidente Marcelo Ivanildo dos Santos Alves Evânio Felippe Paola Castro de Oliveira CONTATOS Economia, Desenvolvimento e Fomento (41)

Leia mais

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini

Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Trabalho da Disciplina de Economia Internacional e Geopolítica. Professor: Fernando Seabra Alunos: Ricieri Pereira Francisco Paulini Produtos Exportados por Santa Catarina: 2002 e 2009 e Análise de Mercados

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS

INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUANDOS II SEMINÁRIO: INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA BRASILEIRA INTERNACIONALIZAÇÃO DA CIÊNCIA E DA PÓS-GRADUAÇÃO: AVANÇOS E DESAFIOS Prof. Dr. Joviles Vitorio Trevisol Presidente

Leia mais

16/2009 BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO-SETEMBRO DE

16/2009 BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO-SETEMBRO DE Informe 16/2009 BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO-SETEMBRO DE 2009 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

Desafios do Financiamento a Longo Prazo

Desafios do Financiamento a Longo Prazo Desafios do Financiamento a Longo Prazo Luciano Coutinho IBEF São Paulo, 27 de Agosto 2010 A trajetória recente da economia brasileira As perspectivas do Investimento Os desafios do financiamento a longo

Leia mais

CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO

CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO CRESCIMENTO SUSTENTADO, JUROS E CÂMBIO //3 Preocupação do IEDI com o fato de que o Brasil, que registrou o terceiro maior crescimento econômico no séc. XX (1º lugar entre 19 e 1973), nas duas últimas décadas

Leia mais

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação Membros da IFC Corporação Financeira Internacional Membro Data de afiliação Afeganistão 23 de setembro de 1957 África do Sul 3 de abril de 1957 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 20 de julho de 1956

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ A PARTIR DO ESPÍRITO SANTO RELATÓRIO MENSAL OUTUBRO 2014

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ A PARTIR DO ESPÍRITO SANTO RELATÓRIO MENSAL OUTUBRO 2014 EXPORTAÇÃO DE CAFÉ A PARTIR DO ESPÍRITO SANTO RELATÓRIO MENSAL OUTUBRO 2014 Vitória, 6 de novembro de 2014 Prezado Associado, Temos a satisfação de encaminhar o RELATÓRIO MENSAL contendo resumos e demonstrativos

Leia mais

Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia

Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia Cristina Fróes de Borja Reis 3º congresso Internacional do Centro Celso Furtado Amazônia Brasileira e Pan-Amazônia: riqueza,

Leia mais