RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA"

Transcrição

1 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista francano 05) Grau de instrução dos funcionários das indústrias de calçados 06) Número de indústrias de calçados 07) Número de Prestadoras de Serviços para as indústrias de calçados 08) Capacidade de produção instalada e utilizada 09) Tipos de calçados produzidos 10) Distribuição da produção de calçados por modelo 11) Produção anual de calçados 12) Vendas para o mercado interno 13) Vendas para o mercado externo 14) Histórico de exportações de calçados 15) Exportações de calçados em ) Comparativo mensal de Exportação ) Comparativo mensal de Exportação ESTADO DE SÃO PAULO 18) População 19) Faturamento na exportação de Calçados BRASIL 20) População 21) Salário Mínimo Governo 22) Exportação de calçados (Milhões de Pares) 23) Importações de calçados 24) Comparativo de Importaçõeas brasileiras de calçados de couro 25) Comparativo de Exportaçõeas brasileiras de calçados de couro Página 1 de 14

2 Setor Calçadista FRANCA 01) População habitantes* *IBGE - Estimativa ) Piso salarial do sapateiro (R$) A partir de 01 de Fevereiro/12 R$ 751,50 03) Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca (CAGED e RAIS/MTE) Os dados abaixo informados foram obtidos através de consulta realizada no site do CAGED/MTE. Para a pesquisa foram consideradas as empresas estabelecidas no município de Franca/SP, Subsetor de atividade econômica segundo o IBGE - Nº12 - Indústria de Calçados. A partir de 2006, para a pesquisa de movimentação de funcionários mensal, foram utilizadas as informações do CAGED. Para o saldo remanescente de cada ano, foram utilizados os dados da RAIS, que são os dados completos de encerramento de cada ano. Data JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Média RAIS Data JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Média OUTUBRO Fonte: CAGED-RAIS/MTE. - **Dados da Rais 2011 ainda não disponíveis *** Movimentação da Indústria de Calçados de Franca no mês de Agosto/2012 (CAGED): Admitidos Desligados Total Página 2 de 14

3 CAGED e RAIS 04) Estimativa de admissões e demissões do setor calçadista francano Média simples anual de Funcionários da Ind. Calçado de Franca Dados admissões / demissões em Franca - Setor Calçadista 2007 Admissões Demissões Saldo Parcial Saldo Total 2008 Admissões Demissões Saldo Parcial Saldo Total JAN JAN FEV FEV MAR MAR ABR ABR MAI MAI JUN JUN JUL JUL AGO AGO SET SET OUT OUT NOV NOV DEZ DEZ Média Média Admissões Demissões Saldo Parcial Saldo Total 2010 Admissões Demissões Saldo Parcial Saldo Total JAN JAN FEV FEV MAR MAR ABR ABR MAI MAI JUN JUN JUL JUL AGO AGO SET SET OUT OUT NOV NOV DEZ DEZ Média Média Admissões Demissões Saldo Parcial Saldo Total 2012 Admissões Demissões Saldo Parcial Saldo Total JAN JAN FEV FEV MAR MAR ABR ABR MAI MAI JUN JUN JUL JUL AGO AGO SET SET OUT OUT NOV NOV DEZ DEZ Média Média Fonte: CAGED/MTE. - Página 3 de 14

4 RAIS Os dados abaixo informados foram obtidos através de consulta realizada no site do Ministério do Trabalho, aplicativo PDET - RAIS. Para a pesquisa foi considerado o número de empregos da Indústria de Calçados, Município de Franca. Saldo de empregos em Franca nos meses de DEZEMBRO de cada ano: Saldo de ANO funcionários Página 4 de 14

5 05) Grau de instrução dos funcionários das indústrias de calçados Analfabetos... 0,13% Ensino Fundamental Incompleto... 25,10% Ensino Fundamental Completo... 27,42% Ensino Médio Incompleto... 18,44% Ensino Médio Completo... 25,48% Ensino Superior Incompleto... 1,62% Ensino Superior Completo... 1,81% Fonte: MTE - Rais ) Número de Indústrias de Calçados: Porte Indústrias Micro 212 Pequena 195 Média 54 Grande 6 07) Número de Prestadoras de Serviço para as Indústrias de Calçados Porte Indústrias Micro 234 Pequena 27 Média 4 Grande 0 Fonte: Mapeamento da Cadeia Produtiva Coureiro Calçadista de Franca/SP e Região Fonte: 08) Capacidade de produção instalada e utilizada: Ano Capacidade Instalada Produção de Calçados Capacidade Utilizada (1.000 pares) (1.000 pares) (%) ,3% ,5% ,0% ,1% Fonte: Mapeamento da Cadeia Produtiva Coureiro Calçadista de Franca/SP e Região 09) Tipos de Calçados produzidos (%): Segmento Ano (%) Calçados de Couro ,20% Calçados de outros materiais ,80% Fonte: Mapeamento da Cadeia Produtiva Coureiro Calçadista de Franca/SP e Região 10) Distribuição da produção de Calçados por modelo (%) Modelos Volume de produção Feminino Total 21,8% Feminino Adulto 21,1% Feminino Infantil 0,7% Masculino Total 75,7% Masculino Adulto 74,1% Masculino Infantil 1,6% Unissex Total Unissex Adulto 1,7% 1,6% Unissex Infantil 0,1% Bebê 0,8% Total de Calçados 100,0% Fonte: Mapeamento da Cadeia Produtiva Coureiro Calçadista de Franca/SP e Região Página 5 de 14

6 11) Produção anual de calçados (Milhões de Pares) Ano Pares Ano Pares , , , , , ,5 Calçados Masculinos 76% , ,5 Calçados Femininos 21% , ,0 Calçados Infantis 3% , , , , , , , , , , , , EM 2011, Franca representou: , , , , , ,2 Produção de Calçados de Franca Estimativa de Produção de calçados em 2011 PARES *estimativa de produção pela média de funcionários de JANEIRO à DEZEMBRO de 2011 * 4,5% da produção nacional em pares, e 10% da produção nacional em valor. * 19,2% da produção decalçados do estado de São Paulo, e 34% em reais. A produção de calçados em Franca em 2011 foi de 37,2 milhões de pares, o que representa 2,2 bilhões de reais. 12) Vendas para o Mercado Interno Milhões Ano (%) Milhões Ano (%) de Pares de Pares ,5 64, ,5 84, ,2 70, ,3 82, ,3 78, ,2 77, ,0 52, ,5 78, ,6 65, ,6 80, ,6 65, ,6 79, ,2 67, ,6 72, ,8 70, ,4 69, ,9 57, ,3 75, ,9 50, ,8 79, ,6 59, ,2 84, ,5 51, ,2 87, ,6 66, ,2 90, ,3 76, ,1 91,90 Os dados abaixo informados foram obtidos através de consulta realizada junto ao MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e SECEX - Secretaria de Comércio Exterior. Para a pesquisa foram consideradas as empresas estabelecidas no município de Franca/SP, e os produtos classificados na NCM ) Vendas para o Mercado Externo CALÇADOS Partes Compon. Total Ano Pares Dólares Preço Dólares Dólares , , Estimativa em 2011: , , , , Mercado Interno: de pares (91,90%) , , , , , Mercado Externo: de pares (8,13%) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Fonte: MDIC/SECEX Página 6 de 14

7 14) Histórico de exportações de calçados Dados da Exportação de Calçados de Franca Países US$-2007 Participação US$-2008 Participação US$-2009 Participação US$-2010 Participação US$-2011 Participação Estado Unidos ,60% ,96% ,61% ,49% ,17% Arabia Saudita ,21% ,31% ,98% ,92% ,54% França ,78% ,18% ,71% ,84% ,73% Colombia ,46% ,98% ,36% ,44% ,49% Chile ,60% ,42% ,45% ,93% ,49% Reino Unido ,82% ,05% ,98% ,70% ,46% Venezuela ,49% ,41% ,18% ,03% ,35% Uruguai ,15% ,56% ,92% ,48% ,80% Emirados Arabes ,65% ,66% ,02% ,76% ,29% Bolivia ,33% ,91% ,43% ,99% ,18% Espanha ,39% ,55% ,87% ,19% ,12% Paraguai ,84% ,29% ,90% ,19% ,11% Equador ,86% ,15% ,33% ,80% ,85% Cuba ,04% ,19% ,98% ,32% ,74% Outros ,56% ,38% ,04% ,80% ,72% Australia ,27% ,70% ,95% ,55% ,66% Costa Rica ,85% ,50% ,59% ,84% ,15% Argentina ,70% ,09% ,86% ,51% ,05% Mexico ,15% ,19% ,36% ,17% ,03% Rep. Dominicana ,50% ,22% ,28% ,01% ,01% Alemanha ,84% ,18% ,10% ,47% ,55% Kwait - 0,00% 0,00% ,79% ,62% ,54% Portugal ,33% ,99% ,08% ,24% ,53% Africa do Sul ,81% ,49% ,44% ,06% ,51% Russia ,93% ,15% ,40% ,68% ,45% Italia ,28% ,76% ,66% ,64% ,39% Noruega ,51% ,57% ,25% ,56% ,39% Panama ,11% ,92% ,81% ,55% ,35% Libano ,02% 0,00% ,18% ,19% ,32% Grecia ,02% ,21% ,45% ,86% ,32% Peru ,23% ,18% ,12% ,16% ,31% Suriname ,27% ,33% ,20% ,30% ,26% Porto Rico ,51% ,62% ,65% ,48% ,25% Cingapura ,33% ,47% ,07% ,21% ,25% Canada ,20% ,79% ,22% ,36% ,22% Moçambique ,06% 0,00% ,16% ,16% ,20% Jordania ,25% 0,00% ,33% ,08% ,18% Angola ,08% 0,00% 0 0,00% ,20% ,18% Suiça ,00% 0,00% ,02% - 0,00% ,18% Finlandia ,12% ,28% ,42% ,13% ,17% Trindad Tobago ,04% 0,00% ,03% ,05% ,16% Guatemala ,61% ,40% ,13% ,20% ,16% Turquia ,50% ,47% ,06% ,15% ,14% Israel ,10% ,21% ,06% ,12% ,13% Taiwan - 0,00% 0,00% 0 0,00% ,03% ,13% Japao ,33% ,21% ,11% ,16% ,10% Filipinas ,19% ,07% ,12% ,11% ,10% Hong Kong ,05% ,04% 700 0,00% - 0,00% ,09% Omã ,04% 0,00% ,09% ,11% ,09% Holanda ,92% ,71% ,34% ,26% ,08% Guiana ,07% 0,00% 0 0,00% ,03% ,07% Ucrania ,28% ,02% ,13% ,01% ,07% Belgica ,01% 0,00% ,08% ,06% ,07% Nova Zelandia ,16% ,18% ,04% ,08% ,05% Chipre ,60% ,38% ,07% ,04% ,05% China ,19% ,04% ,17% - 0,00% ,02% El Salvador ,13% ,12% 0 0,00% ,06% ,02% Antilhas - 0,00% 0,00% ,02% ,02% ,01% Croacia ,41% ,27% ,01% ,05% - 0,00% Gabao - 0,00% 0,00% 0 0,00% - 0,00% - 0,00% Honduras ,05% 0,00% ,02% ,08% - 0,00% Hungria ,20% ,14% 0 0,00% ,02% - 0,00% ilhas mauricio ,24% 0,00% 0 0,00% - 0,00% - 0,00% Marrocos 363 0,00% 0,00% 233 0,00% - 0,00% - 0,00% Martinica 0,00% 0,00% 0 0,00% - 0,00% - 0,00% Nigeria 0,00% 0,00% 0 0,00% - 0,00% - 0,00% Rep. Tcheca ,06% 0,00% 0 0,00% - 0,00% - 0,00% Suecia ,19% ,15% ,11% ,15% - 0,00% Total % % ,77% % % Fonte: MDIC/SECEX Janeiro-Dezembro 2007 a 2011 Países Importadores - Elencado em ordem de maior participação em 2011 POR VALORES Página 7 de 14

8 15) Exportações de calçados em 2012 EXPORTAÇÕES FRANCA - ACUMULADO DE JANEIRO A AGOSTO Países Pares-2011 Participação Pares-2012 Participação Comparativo da exportação de calçados em: 1 Estados Unidos ,05% ,77% 2 Arabia Saudita ,45% ,45% PARES: 3 França ,01% ,54% 4 Chile ,74% ,50% > Uruguai ,16% ,41% > ,58% 6 Venezuela ,20% ,26% 7 Bolivia ,09% ,62% 8 Reino Unido ,97% ,58% 9 Emirados Arabes ,93% ,52% DÓLARES: 10 Colombia ,13% ,16% 11 Outros ,84% ,21% > Paraguai ,05% ,67% > ,30% 13 Alemanha ,54% ,64% 14 Australia ,31% ,56% 15 Espanha ,85% ,45% 16 Coveite (Kuwait) ,46% ,44% PREÇO MÉDIO EM DÓLARES: 17 Cuba ,60% ,36% 18 Costa Rica ,17% ,21% > 30,63 19 Equador ,33% ,92% > 31,47 2,73% 20 Cingapura ,32% ,92% 21 Croacia 0 0,00% ,80% 22 Rep. Dominicana ,64% ,74% 23 Mexico ,83% ,72% Franca atualmente exporta para 81 países. 24 Argentina ,71% ,54% 25 Africa do Sul ,45% ,54% 26 Grecia ,66% ,48% 27 Suriname ,29% ,41% 28 Tailandia ,14% ,35% Franca representa: 29 Porto Rico ,18% ,33% 30 Noruega ,27% ,32% 31 Líbano ,29% ,31% 2,4 % da exportação brasileira em pares 32 India 0 0,00% ,29% 33 Russia ,39% ,23% 34 Portugal ,39% ,19% 7,5 % da exportação brasileira em dólares 35 Turquia ,17% ,18% 36 Finlandia ,24% ,17% 37 Filipinas ,13% ,16% 38 Peru ,14% ,15% 39 Canada ,26% ,15% 40 Israel ,10% ,10% 48,5 % da exportação paulista em pares 41 Italia ,45% ,08% 42 Japao ,05% ,08% 43 Canárias, Ilhas ,06% ,07% 70,7 % da exportação paulista em dólares 44 Omã ,12% ,06% 45 Guatemala ,05% 925 0,05% 46 Moçambique ,08% 847 0,05% 47 Sérvia 0 0,00% 840 0,05% 48 Vietnã 0 0,00% 744 0,04% 49 Chipre 412 0,02% 636 0,04% 50 Ucrania ,10% 513 0,03% 51 China 348 0,02% 443 0,03% 52 Trinidad e Tobago ,11% 381 0,02% 53 Nova Zelandia ,06% 380 0,02% 54 Coréia do Sul 297 0,01% 347 0,02% 55 Panamá ,33% 276 0,02% 56 Suecia 0 0,00% 12 0,00% 57 Belarus 0 0,00% 0 0,00% 58 Holanda 0 0,00% 0 0,00% 59 Síria 784 0,04% 0 0,00% Total % % Fonte: MDIC/SECEX Queda de 16,5% em 2012, comparando com o mesmo período de 2011 em dólares. Página 8 de 14

9 16) Comparativo mensal de Exportação 2011/2012 Exportação de Calçados em Franca Comparativo Acumulado Comparativo Mensal PARES PARES DATA %11/12 DATA %11/12 JAN ,65% JAN ,66% FEV ,77% FEV ,10% MAR ,85% MAR ,69% ABR ,80% ABR ,52% MAI ,36% MAI ,09% JUN ,91% JUN ,69% JUL ,55% JUL ,81% AGO ,58% AGO ,88% SET. SET. OUT. OUT. NOV. NOV. DEZ. DEZ. DÓLARES DÓLARES DATA %11/12 DATA %11/12 JAN ,90% JAN ,90% FEV ,09% FEV ,03% MAR ,22% MAR ,04% ABR ,69% ABR ,91% MAI ,97% MAI ,97% JUN ,95% JUN ,82% JUL ,26% JUL ,57% AGO ,30% AGO ,20% SET. SET. OUT. OUT. NOV. NOV. DEZ. DEZ. PREÇO MÉDIO PREÇO MÉDIO DATA %11/12 DATA %11/12 JAN. 25,59 29,97 17,11% JAN. 21,84 24,08 10,27% FEV. 28,24 31,08 10,08% FEV. 29,73 31,76 6,85% MAR. 29,46 31,66 7,49% MAR. 31,55 32,70 3,63% ABR. 29,42 31,32 6,46% ABR. 29,32 30,48 3,96% MAI. 29,46 31,53 7,03% MAI. 29,56 32,15 8,76% JUN. 29,86 31,78 6,44% JUN. 31,81 32,96 3,62% JUL. 30,29 31,53 4,09% JUL. 33,72 30,13-10,65% AGO. 30,63 31,47 2,73% AGO. 33,28 31,08-6,62% SET. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! SET. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! OUT. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! OUT. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! NOV. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! NOV. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! DEZ. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! DEZ. #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Fonte: MDIC - SECEX Página 9 de 14

10 17) Comparativo mensal de Exportação 2010/2011 Exportação de Calçados em Franca e 2010 Comparativo Mensal Comparativo Acumulado PARES PARES DATA %10/11 DATA %10/11 JAN ,66% JAN ,66% FEV ,54% FEV ,75% MAR ,05% MAR ,07% ABR ,88% ABR ,38% MAI ,01% MAI ,22% JUN ,11% JUN ,18% JUL ,01% JUL ,47% AGO ,12% AGO ,15% SET ,12% SET ,90% OUT ,81% OUT ,57% NOV ,57% NOV ,74% DEZ ,54% DEZ ,89% DÓLARES DÓLARES DATA %10/11 DATA %10/11 JAN ,05% JAN ,05% FEV ,24% FEV ,11% MAR ,28% MAR ,10% ABR ,69% ABR ,47% MAI ,44% MAI ,03% JUN ,31% JUN ,94% JUL ,15% JUL ,32% AGO ,67% AGO ,20% SET ,88% SET ,34% OUT ,42% OUT ,55% NOV ,24% NOV ,28% DEZ ,57% DEZ ,10% PREÇO MÉDIO PREÇO MÉDIO DATA %10/11 DATA %10/11 JAN. 26,64 25,59-3,96% JAN. 26,64 25,59-3,96% FEV. 26,47 28,24 6,67% FEV. 26,34 29,73 12,85% MAR. 27,33 29,46 7,76% MAR. 29,06 31,55 8,56% ABR. 27,89 29,42 5,49% ABR. 29,58 29,32-0,86% MAI. 28,09 29,46 4,89% MAI. 28,70 29,56 3,00% JUN. 28,49 29,86 4,80% JUN. 30,20 31,81 5,34% JUL. 28,79 30,29 5,22% JUL. 30,10 33,72 12,01% AGO. 28,89 30,63 6,04% AGO. 29,46 33,28 12,96% SET. 28,83 30,96 7,37% SET. 28,47 33,40 17,30% OUT. 28,73 30,92 7,60% OUT. 28,00 30,62 9,36% NOV. 28,67 30,96 8,01% NOV. 28,13 31,56 12,18% DEZ. 28,74 30,98 7,79% DEZ. 29,62 31,29 5,64% Fonte: MDIC - SECEX Página 10 de 14

11 Setor Calçadista ESTADO DE SÃO PAULO 18) População habitantes (IBGE/2007) 19) Faturamento na exportação de calçados. PARES - Milhões PARES Acumulado > 15,00 Período JAN - AGO > 19,00 Comparativo com > 24, > Franca > 21, > no mesmo período > 17,77 Variação -7,71% > > 15, > > 10,82 Variação -16,6% > 7, > 6, > 5,73. DÓLARES - Milhões DÓLARES > 116,00 Acumulado > 146,00 Período JAN - AGO > 221,17 Comparativo com > 237, > Franca > 209, > no mesmo período > 201,60 Variação -8,73% > > 185, > > 118,94 Variação -14,3% > 130, > 124,87. PREÇO MÉDIO - Dólares PREÇO MÉDIO > 7,79 Acumulado > 7,58 Período JAN - AGO > 9,16 Comparativo com 2005-> 10, > 21,81 Franca > 11, > 21,57 no mesmo período > 12,61 Variação -1,10% > 30, > 17, > 31, > 16,23 Variação 2,7% > 19, > 21,79 Fontes: MTb-Rais, MDIC/SECEX *O Estado de São Paulo represetna 23,6% dessa produção em número de pares e 29,7% em reais Página 11 de 14

12 Setor Calçadista BRASIL 20) População milhões (IBGE Dez/2010) 21) Salário Mínimo Governo (R$) abr/00 151,00 abr/03 240,00 abr/06 350,00 fev/09 465,00 abr/01 180,00 abr/04 260,00 abr/07 380,00 jan/10 510,00 abr/02 200,00 mai/05 300,00 mar/08 415,00 jan/11 545,00 * Brasil - 819,1 milhões de pares produzidos em 2011, com um valor de produção de 21,8 bilhões de reais. 22) Exportações Calçados Pares (em milhões) PARES > > > 166 Acumulado de JAN - AGO > > > > > > > > ,17% > > > 113 Faturamento (em milhões) DÓLARES > > > Acumulado de JAN - AGO > > > > > > > > ,87% > > > Preço Médio (US$) PREÇO MÉDIO > 9, > 8, > 11,35 Acumulado de JAN - JUL > 9, > 9, > 10, > 11, > 8, > 10, > 10, > 10,14-14,45% > 8, > 10, > 11,47 Fonte: MICT/SECEX Dados Setor Calçadista Brasileiro/2011. Número de indústrias - 8,2 mil empresas. Emprego direto - 337,5 mil funcionários. Produção - 819,1 milhões de pares. Valor da produção - R$ 21,8 bilhões. Investimentos - R$ 521,2 milhões. Exportações - US$ 1,5 bilhão. Importações - US$ 427,8 milhões Fonte: IEMI/RAIS/SECEX Página 12 de 14

13 23) Importações de calçados Importações de Calçados no Brasil Evolução das Importações em Dólares Evolução das Importações em Pares / 07 Crescimento de 48,85% 06 / 07 Crescimento de 54,45% 07 / 08 Crescimento de 46,77% 07 / 08 Crescimento de 37,16% 08 / 09 Queda de -3,56% 08 / 09 Queda de -22,79% 09 / 10 Crescimento de 2,72% 09 / 10 Queda de -5,54% 10 / 11 Crescimento de 18,50% 10 / 11 Queda de 40,40% Acumulado por período: JANEIRO A AGOSTO Comparativo Importações 2011/2012 Comparativo mês a mês (Pares) PARES: (em milhões) Jan Fev > Aumento de Mar > ,1% Abr Mai Jun DÓLARES: (em milhões) Jul Ago > Aumento de Set > ,0% Out Nov Dez Importação por países em 2011 Acumulado JAN-AGO em pares e parte de calçado Importação por países em 2012 Acumulado JAN-AGO em pares e partes de calçado Paraguai 7% Itália 1% Indonésia 13% Outros 16% Vietnã 23% China 40% Outros Paraguai 7% 10% Itália 0% Indonésia 13% Vietnã 28% China 42% Página 13 de 14

14 Calçados de Couro 24) Comparativo de Importações brasileiras de Calçados de Couro - Acumulado de Janeiro a Agosto Em dólares $ ,00 $ ,00 Queda de -7,3% em dólares Em pares Queda de -11,0% em pares 25) Comparativo de Exportações brasileiras de Calçados de Couro - Acumulado de Janeiro a Agosto Em dólares $ ,00 $ ,00 Queda de -27,9% em dólares Em pares Queda de -28,2% em pares Página 14 de 14

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011.

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011. Rentabilidade com Preservação de Capital José Márcio Camargo Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo Abril 2011 Abril 2011 1 Admirável Mundo Novo 1. Taxas de juros reais negativas em todos os países

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA

Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA DE PÓ DE PEDRA, DA PORCELANA E DA LOUÇA DE BARRO NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINDILOUÇA C S E R Departamento Central de Serviços Grupo de Apoio Técnico aos Sindicatos - GAT Dados de Comércio de Importação & Exportação Setor de Louças Solicitante: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CERÂMICA DE LOUÇA

Leia mais

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim VISTOS CONSULARES - Você vai para o exterior? Uma das primeiras providências a ser tomada é procurar saber se o país de seu destino exige visto no passaporte junto à embaixada ou ao consulado para permitir

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX

EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO. Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX EXPORTAÇÕES DE MEL MAIO Elaboração: SEBRAE/UAGRO FONTE: MDIC/SECEX 2 fonte: MDIC / SECEX elaboração: UAGRO / SEBRAE NA 42,23 51,00 2,86 8.243.232,00 23.588.292,00 2,53 25.987.193,00 65.791.416,00 2,38

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2014 1. Exportações de carnes BRASIL Ao longo dos últimos dez anos as exportações de carne no Brasil aumentaram. Para a carne de frango o aumento

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional A. Empresa: DESKTOP-SIGMANET COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA LTDA B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Longa Distância Internacional C. Identificação para

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano Plano Básico de Serviço Local A. Empresa: BLUE TELECOMUNICAÇÕES B. Nome do Plano: Plano Básico de Serviço Local BLUE C. Identificação para a Anatel: Plano Básico de Serviço Local BLUE 01/2015 D. Modalidade

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas

Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas São Paulo, janeiro de 2013 Índice Etiquetas adesivas impressas o Produção anual e mensal do segmento de etiquetas o Mercado Externo o Balança Comercial

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Ciclo do Projeto MDL Validação

Ciclo do Projeto MDL Validação Brasil e o MDL MDL Baseado na proposta brasileira de 1997 de estabelecimento de um Fundo de Desenvolvimento Limpo, adotada pelo G77 e China e, modificada como mecanismo, adotada em Quioto Brasil foi o

Leia mais

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Resultados de 2015 Perspectivas para 2016 Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Agronegócio na Balança Comercial 300 250 37,9% 37,1% 39,5% 41,3% 43,0% 45,9% 50% 45% 40% 200 35% 30% US$ Bilhões

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007.

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007. ICC 119-3 6 março 2017 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 119. a sessão 13 17 março 2017 Londres, Reino Unido Acordo Internacional do Café de 2007 Participação aos 3 de março de 2017 Antecedentes

Leia mais

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR AMCHAM BRASIL SÃO PAULO PALESTRA OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 30 de agosto de 2016 2 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ PELO PORTO DE VITÓRIA RELATÓRIO MENSAL AGOSTO 2008

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ PELO PORTO DE VITÓRIA RELATÓRIO MENSAL AGOSTO 2008 EXPORTAÇÃO DE CAFÉ PELO PORTO DE VITÓRIA RELATÓRIO MENSAL AGOSTO 2008 Vitória, 9 de setembro de 2008 Prezado Associado, Temos a satisfação de passar às mãos de V.S. ª o RELATÓRIO MENSAL contendo resumos

Leia mais

Previdência Social Reformar para Preservar

Previdência Social Reformar para Preservar Previdência Social Reformar para Preservar 15 de Fevereiro de 2017 Ministro Eliseu Padilha Ministro-chefe da da Presidência da República Déficit da Previdência e a necessidade da Reforma para não estrangular

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Junho 2017

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Junho 2017 >> Exportações de produtos industriais Grupos de Produtos Industriais Junho - US$ Janeiro a Junho - US$ 2016 2017 Var. % 2016 2017 Var. % Celulose e Papel 84.431.684 90.047.004 7% 522.390.072 501.962.469-4%

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Novembro/2017 Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2016 FOB - US$

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

O MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA. Agosto de 2016

O MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA. Agosto de 2016 O MERCADO MUNDIAL DE CARNE BOVINA Agosto de 2016 Pastagens 168 Mi ha Rebanho 209 Mi Cabeças Abates 39 Mi Cabeças CadeiadevalordeR$483,5bilhões Perfil do Setor 2015 Produção de Carne Bovina 9,56 Mi TEC

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

INFORMATIVO EXPORTAÇÕES

INFORMATIVO EXPORTAÇÕES INFORMATIVO EXPORTAÇÕES DEZEMBRO 2011 ÍNDICE: 1. Exportações Brasileiras de Rochas Dezembro 2010 X 2011 Pg.02 2. Exportações Capixabas Rochas Dezembro 2010 X 2011 Pg.02 3. Participação das Exportações

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17

Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Ranking Mundial de Juros Reais Jul/17 Divulgamos hoje o Ranking Mundial de Juros Reais, o qual após 12 anos renova tanto parte dos países participantes, como a metodologia de cálculo e referenciais nas

Leia mais

O Setor em Grandes Números 2015

O Setor em Grandes Números 2015 O Setor em Grandes Números 2015 Apresentação Esta publicação reúne dados oficiais de fontes no Brasil e no exterior sobre o desempenho do Setor de Gemas, Joias e Metais Preciosos em 2015. Muitos dos números

Leia mais

Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem

Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem Brasil Estudo do Mercado de Maquiagem O setor de HPPC no mundo Maiores consumidores de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Top 15 países Mundo USA China Japão Brasil 32,1 30,2 50,7 80,0 2º. Proteção

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

Cinema, Soft Power e os BRICS

Cinema, Soft Power e os BRICS Seminário Cinema, Soft Power e os BRICS Mostra Internacional de Cinema de São Paulo Debora Ivanov 27/10/2016 Diretrizes Diretrizes das ações internacionais realizadas pela ANCINE 1. Estímulo à realização

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de outubro de 2014. COMPARAÇÃO DO MÊS OUTUBRO COM O MÊS

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Julho Janeiro a Julho 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var. % Celulose

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE VINHO EM 2012

EXPORTAÇÃO DE VINHO EM 2012 EXPORTAÇÃO DE VINHO EM 2012 EVOLUÇÃO NO ANO PRODUTOS VOLUME 2011 (Jan-Set) 2012 (Jan-Set) VARIAÇÃO VALOR PREÇO MÉDIO VOLUME VALOR PREÇO MÉDIO VOLUME VALOR PREÇO MÉDIO (hl) (1 000 EUR) (EUR/Lt.) (hl) (1

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Dezembro Janeiro a Dezembro 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas Administração Pública e Saúde Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Ministério dos Negócios Estrangeiros Os casos de estudo Consulado Virtual e Sistema de Localização de Portugueses como

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS JANEIRO DE 2015 COM

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO DE

Leia mais

Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil:

Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil: Conheça as embaixadas estrangeiras com representações no Brasil: ÁFRICA DO SUL www.africadosulemb.org.br SES - Av. das Nações, quadra 801, lote 6 CEP: 70406-900 Brasília DF Telefone(s): (061) 312-9500

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Benfica Telecom Destino preço por minuto / sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,190 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,084 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,193 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,145 SMS Todas as redes nacionais 0,098 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional temas de economia aplicada 11 Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional Rogério Nagamine Costanzi (*) Trata-se de fato amplamente conhecido que existe

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2015

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2015 Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2015 1. Exportações de carnes de janeiro a dezembro de 2015 BRASIL As exportações brasileiras de carnes somaram US$ 14,7 bilhões no período de janeiro

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de dezembro de 2014. COMPARAÇÃO DO MÊS DEZEMBRO COM O MÊS

Leia mais

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores EUROPA ALEMANHA Martins Soares Telereserva Alemanha 31/10/04 ÁUSTRIA Vimatur Alpes Austríacos 31/10/04 BÉLGICA Prestige BULGÁRIA Solférias Pelos caminhos de 30/03/04 CHIPRE CROÁCIA Club 1840 Terra Nova

Leia mais