Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia"

Transcrição

1 Cadeias globais de valor, áreas econômicas especiais e inserção da Amazônia Cristina Fróes de Borja Reis 3º congresso Internacional do Centro Celso Furtado Amazônia Brasileira e Pan-Amazônia: riqueza, diversidade e desenvolvimento humano Manaus, 16 de setembro de 2016.

2 Introdução As cadeias globais e as zonas especiais Que tipo de inserção é desejável? Padrões de inserção O lugar do Brasil Análise do comércio da Amazônia brasileira Reflexão sobre oportunidades

3 CGVs ou DIT Final dos anos 70: reafirmação da hegemonia dos EUA Globalização produtiva e financeira Maior velocidade e complexidade das atividades, em termos geográficos, setoriais e funcionais Maior fragmentação, sob lideranças de empresas transnacionais oligopolistas (80% do total comercializado) Mudança de foco de cadeia para redes Determinantes Técnico/econômicos: queda nos custos de comercialização e às novas tecnologias de comunicação e logística Político/ militares: disputas geopolíticas durante a Guerra Fria e após seu final, com a ascensão de novas potências econômicas principalmente a China.

4 Cenário do comércio e da produção internacionais

5 Cenário do comércio e da produção internacionais Parcelas do Investimento Direto Estrangeiro e do Comércio mundiais sobre o PIB mundial, de 1990 a 2011 (em %).

6 Cenário do comércio e da produção internacionais Parcelas de mercado nas exportações globais (OCDE na margem direita), em %.

7 As maiores economias destino de IED, em US$ bilhões FONTE: UNCTAD.

8 As maiores economias ORIGEM de IED em US$ bilhões FONTE: UNCTAD.

9 Cenário do comércio e da produção internacionais Participação das economias emergentes na indústria de transformação mundial, em termos de VA, em 1990, 2000 e 2009/2010 (em % do total).

10 Cenário do comércio e da produção internacionais Participação das economias emergentes na indústria de transformação mundial, em termos de emprego, em 1990, 2000 e 2009/2010 (em % do total).

11 Cenário do comércio e da produção internacionais Participação das economias emergentes na indústria de transformação mundial, em termos de emprego, em 1990, 2000 e 2009/2010 (em % do total).

12 Cenário do comércio e da produção internacionais Investimentos Diretos Estrangeiros dos EUA, Europa e Japão para os BRICS, de 2003 a 2009, em US$ milhões.

13 Zonas Econômicas Especiais Economias com Zonas de Processamento de Exportações e sua parcela nas exportações totais do país (2011)

14 Globe of complexity, Harvard.

15 CGVs: indicadores A curva sorridente: valor adicionado ao longo da CGV.

16 Indicadores gerais de inserção nas CGV Reexportação de bens intermediários importados em relação ao total importado de bens intermediários (%), 1995 e

17 Indicadores gerais de inserção nas CGV Reexportação de bens intermediários importados em relação ao total importado de bens intermediários (%), 1995 e 2011.

18 Indicadores gerais de inserção nas CGV Valor adicionado importado nas exportações brutas em relação ao total exportado de bens e serviços (%), 1995 e

19 Indicadores gerais de inserção nas CGV Valor adicionado importado nas exportações brutas em relação ao total exportado de bens e serviços (%), 1995 e 2011

20 Re-exportação de bens intermediários importados nas exportações de bens intermediários (em %) Indicadores gerais de inserção nas CGV Indicadores de inserção nas CGV e exportações brutas em U$, 2011 Tamanho X Luxemburgo Singapura Irlanda Malásia Hungria R² = 0, México Suíça Suécia Alemanha Bélgica Taipei Coreia Rússia Itália China Espanha Reino Unido Canadá 20 Arábia Saudita Indonésia EUA Índia 10 Brasil Valor adicionado importado nas exportações brutas (em %)

21 Re-exportação de bens intermediários importados nas exportações de bens intermediários (em %) Indicadores gerais de inserção nas CGV Indicadores de inserção nas CGV e PIB per capita em U$, 2011 PIB per capita Luxemburgo Singapura Irlanda Malásia R² = 0, Noruega México Suíça Suécia Alemanha Bélgica Taipei Coreia Brunei Rússia Itália China Espanha Reino Unido Canadá Arábia Saudita Indonésia Colômbia Brasil EUA Índia Valor adicionado importado nas exportações brutas (em %)

22 Indicadores gerais de inserção nas CGV Relação entre o Índice de complexidade econômica (2008) e renda per capita (em US$, 2009). Em vermelho, países em que as exportações de recursos naturais é maior do que 10% do PIB. Em azul, o restante dos países. Fonte: Hausmann, Hidalgo et al, Atlas da Complexidade Econômica 2014, p. 28, 2015.

23 Ranking da complexidade, Japão 31 Estônia 61 Argentina 91 Senegal 2 Suíça 32 Romênia 62 Chile 92 Equador 3 Alemanha 33 Malásia 63 El Salvador 93 Venezuela 4 Suécia 34 Latvia 64 Jamaica 94 Peru 5 Áustria 35 Bósnia 65 Macedônia 95 Irã 6 Rep. Tcheca 36 Sérvia 66 Indonésia 96 Algéria 7 Finlândia 37 Portugal 67 Vietnã 97 Gana 8 Coreia do Sul 38 Canadá 68 Ilhas Maurício 98 Zâmbia 9 Hungria 39 Bulgária 69 Egito 99 Madagascar 10 Reino Unido 40 Panamá 70 Qatar 100 Nicarágua 11 Eslovênia 41 Noruega 71 Rep. Dominic 101 Paquistão 12 Singapura 42 Ucrânia 72 Guatemala 102 Zimbábue 13 EUA 43 Turquia 73 Síria 103 Tanzânia 14 Eslováquia 44 Filipinas 74 Namíbia 104 Bolívia 15 França 45 Líbano 75 Quênia 105 Camboja 16 Irlanda 46 Rússia 76 Kuwait 106 Mongólia 17 Itália 47 Nova Zelândia 77 Cuba 107 Bangladesh 18 Dinamarca 48 Tunísia 78 Sri Lanka 108 Iêmen 19 Polônia 49 Grécia 79 Albânia 109 Laos 20 Israel 50 Índia 80 Trin. e Tobago 110 Nova Guiné 21 Bélgica 51 Costa Rica 81 Austrália 111 Costa Marfim 22 Hong Kong 52 Jordânia 82 Paraguai 112 Etiópia 23 Bielorrússia 53 Uruguai 83 Marrocos 113 Gabão 24 Holanda 54 Emirado Árabes 84 Camarões 114 Malauí 25 México 55 Brasil 85 Uganda 115 Líbia 26 China 56 Moldova 86 Botswana 116 Azerbaijão 27 Espanha 57 Arábia Saudita 87 Cazaquistão 117 Turcomenistão 28 Croácia 58 Geórgia 88 Omã 118 Moçambique

24 Ranking da complexidade econômica, Fonte: Atlas da Complexidade.

25 Que tipo de inserção é desejável? A divisão centro/periferia permanece, porém remodelada. Ainda há uma expressiva diferença de renda entre países ricos e os demais, que coincide com: as diferenças no padrão complexidade das exportações estruturas de emprego e produto mais concentrada em serviços diferenciais de produtividade na agricultura.

26 Que tipo de inserção é desejável? PERMANECEM AS INQUIETUDES ESTRUTURALISTAS Elevar emprego e renda no setor exportador Regime macroeconômico condizente Efeitos de encadeamento/ transbordamento: produtivo, fiscal, tecnológico Contribua para superar a heterogeneidade estrutural Redistribuição de renda e alívio de assimetrias Especialização intra-industrial => integração regional profunda

27 Empresas Multinacionais e Cadeias globais de valor Determinantes-chave para alocação das atividades e tarefas nas CVGs. TODOS SEGMENTOS, Fonte: UNCTAD Determinantes econômicos Determinantes de política e facilitação de negócios Estabilidade política, econômica e social Distância e acesso ao mercado ou ao próximo estágio da cadeia de valor Presença e capacitação de firmas locais Disponibilidade e qualidade de infraestrutura de transporte e logística (para exportação de bens) Sustentabilidade das características da força de trabalho disponível (custos, nível de habilidades, proficiência em línguas, educação, ciência e tecnologia, competências) Restrições e promoção de comércio Políticas de investimento Leis comerciais estáveis e enforcement de regimes contratuais Condições gerais para os negócios Condições gerais de apoio a filiais estrangeiras (como promoção do investimento, trabalho pós-instalação, provisão de amenidades sociais) Condições gerais de apoio a firmas locais (p.e. desenvolvimento de empreendimentos locais, esquemas para melhorar a qualidade, produtividade, capacitação das firmas locais, incentivos para start-ups, apoio ao cumprimento de padrões de trabalho, responsabilidade social corporativa)

28 Padrões de inserção geral nas CGV 6 tipos de inserção exportadora: mineradores, fornecedores de alimentos, fábricas, especializados em serviços, exportadores de serviços, com talento industrial diversificados em serviços e manufaturas.

29 Padrões de inserção Tipo de exportador MINERADORES Exportadores de minérios com participação relativa das manufaturas bem abaixo da média mundial (Valor adicionado importado em exportações de extração e mineração) Países e parcela do setor na pauta (%) VA importado no setor característico (%)* Ranking ICE Brunei (90%), 2,62 ND Arábia Saudita 0,58 57 (76,7%); Austrália (24,6%), 11,64 81 Canadá (19,1%), 9,65 38 África do Sul 12,06 60 (28%), Colômbia 1,98 59 (30,6%); Indonésia 4,88 66 (27,9%); Noruega (43,4%); 7,37 41 Rússia (29,4%). 6,49 46

30 Padrões de inserção Tipo de exportador FORNECEDORES DE ALIMENTOS Exportadores de alimentos e produtos do gênero (VA importado em exportações de agricultura/ caça/ pesca/ florestal e alimentos/ bebida/ tabaco) Países e participação do setor na pauta (em %) Argentina (15,7% e 23,8%, respectivamente); Brasil (7,7% e 14%); Costa Rica (11,3% e 7,2%); Nova Zelândia (11,5% e 26,1%). VA importado no setor característico (%)* 9,61 e 11,05 9,54 e 9,76 20,67 e 20,05 12,46 e 8,74 Ranking ICE

31 Padrões de inserção Tipo de exportador FÁBRICAS Exportadores de manufaturados: parcela das manufaturas bem acima da média mundial (VA importado nas exportações de manufaturas) Países e participação do setor na pauta (em %) VA importado no setor característico (%)* Ranking ICE China (76%); 40,12 26 Hungria (71,8%); 57,85 9 Rep. Tcheca (75%); 52,34 6 Alemanha (70%); 30,26 3 Eslováquia 54,76 14 (76,6%); Taiwan (77%); 51,04 ND Finlândia (68,1%); 41,84 7 Itália (69,4%); 31,99 17 Japão (69,9%); 18,03 1 México (69,1%); 43,45 25 Coreia (79,6%); 46,95 8 Polônia (67%); 40,08 19 Romênia (67,5%). 26,78 32

32 Padrões de inserção Tipo de exportador ESPECIALIZADOS EM SERVIÇOS Exportadores de serviços, com média de participação das manufaturas bem abaixo da mundial (Valor adicionado importado em serviços) Países e participação do setor na pauta (em %) VA importado no setor característico (%)* Ranking ICE Chipre (76,8%), 19,70 ND Irlanda (52,8%); 40,52 16 Dinamarca (54,6%); 34,3 18 Grécia (53,6%); 17,77 49 Hong Kong 18,49 22 (87,8%); Croácia (60,5%); 14,78 28 Malta (69,3%); 34,63 ND Singapura (50,6%); 35,28 12 Luxemburgo (86%). 59,15 ND

33 Padrões de inserção Tipo de exportador EXPORTADORES DE SERVIÇOS, COM TALENTO INDUSTRIAL Exportadores com média de participação das manufaturas em linha à mundial e com alto peso de serviços (Valor adicionado importado em serviços) Países e participação do setor na pauta (em %) VA importado no setor característico (%)* Ranking ICE Bélgica (42,7%); 21,31 21 Suíça (38,3%); 11,7 2 Espanha (39,5%); 13,7 27 Estônia (40,2%); 24,7 31 Índia (40,4%); 12,3 50 Islândia (42,9%); 28,7 ND Latvia (44,4%); 20,5 34 Holanda ( 48,5%); 14,6 24 Filipinas (41,5%); 17,7 44 Tunísia (34,4%); 17,9 48 Reino Unido 11,5 10 (44%); Israel (39,9%). 10,4 20

34 Padrões de inserção Tipo de exportador DIVERSIFICA- DOS EM SERVIÇOS E MANUFATURAS Exportações de manufaturas e serviços em linha com a pauta mundial (VAImp total) Países e participação do setor na pauta (em %) VA importado no setor característico (%)* Ranking ICE EUA 15,03 13 França 25,13 15 Lituânia 23,74 30 Malásia 40,62 33 Portugal 32,78 37 Eslovênia 36,18 11 Suécia 29,20 4 Tailândia 38,99 29 Turquia 25,73 43 Vietnã 36,26 67 Áustria 27,82 5

35 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, dataviva, Manaus: 3ª cidade com exportações mais complexas, 2ª maior importadora Parauapebas (5ª ) e Barcarenas (13º) maior em valor das exportações Estados (valor das exportações): PA 7º AM 18º MA 13º AP 23º RO 16ª AC 26º TO 17º RR 27º

36 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, dataviva, 2015.

37 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, dataviva, 2015.

38 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

39 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

40 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

41 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

42 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

43 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

44 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

45 Comércio da Amazônia brasileira Fonte: Secex, Dataviva, 2015.

46 Reflexões Perfis distintos AM/PA => ambas inserções têm oportunidades de aumentar qualidade Necessidade de sofisticar p/ gerar renda, emprego e superar heterogeneidade estrutural Para além das VC, mas não muito Encontrar nichos estratégicos Integração profunda => sul-sul Condicionalidades dos benefícios estatais Preocupações socio-ambientais, defesa, propriedade intelectual, condições de trabalho

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação Membros da IFC Corporação Financeira Internacional Membro Data de afiliação Afeganistão 23 de setembro de 1957 África do Sul 3 de abril de 1957 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 20 de julho de 1956

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2015 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINO

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 2016 SUMÁRIO Pág. 1 - ANÁLISE 3 2 - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 - DESTINOS 5 4 - COURO BOVINO POR TIPO 6 5 - DISTRIBUIÇÃO POR ESTADO 7 1 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Leia mais

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim VISTOS CONSULARES - Você vai para o exterior? Uma das primeiras providências a ser tomada é procurar saber se o país de seu destino exige visto no passaporte junto à embaixada ou ao consulado para permitir

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00%

META DA TAXA SELIC 14,5% 14,25% 13,75% 13,75% 13,5% 13,00% 13,25% 12,75% 12,25% 11,75% 12,75% 12,25% 12,75% 12,50% 12,5% 12,00% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 abr-16 ago-16 dez-16 META DA TAXA

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,5% abr-08 ago-08 dez-08 abr-09 ago-09 dez-09 abr-10 ago-10 dez-10 abr-11 ago-11 dez-11 abr-12 ago-12 dez-12 abr-13 ago-13 dez-13 abr-14 ago-14 dez-14 abr-15 ago-15 dez-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25%

META DA TAXA SELIC 14,5% 13,75% 14,25% 13,75% 13,5% 13,25% 12,75% 13,00% 12,75% 12,50% 12,00% 12,25% 11,75% 12,5% 11,25% 11,00% 10,50% 11,25% 11,25% mar-08 jul-08 nov-08 mar-09 jul-09 nov-09 mar-10 jul-10 nov-10 mar-11 jul-11 nov-11 mar-12 jul-12 nov-12 mar-13 jul-13 nov-13 mar-14 jul-14 nov-14 mar-15 jul-15 nov-15 META DA TAXA SELIC Cenário básico

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007.

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007. ICC 119-3 6 março 2017 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 119. a sessão 13 17 março 2017 Londres, Reino Unido Acordo Internacional do Café de 2007 Participação aos 3 de março de 2017 Antecedentes

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO EM EVENTOS CIENTÍFICOS

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO EM EVENTOS CIENTÍFICOS NORMAS PARA SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO EM EVENTOS CIENTÍFICOS Prezado Professor, Bem-vindo ao Programa de Fomento à Pesquisa da FMP/FASE. Ele foi desenvolvido para estimular os docentes que desenvolvem investigação

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,193 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,145 SMS Todas as redes nacionais 0,098 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai IX-5 Lista de Consulado Geral e s em Kansai 1. Consulado Geral, e consulado em Kansai Consulado Geral Endereço Telefone Australia Ed. Twin 21 MID Tower 16º andar, 06-6941-9271 Consulado Geral da Austrália

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Em atendimento às Portarias CAPES n 156 de 28 de novembro de 2014 e n 132 de 18 de agosto de 2016, que aprova o regulamento

Leia mais

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág.

ABRIL 2016 RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA FRANCA SÃO PAULO BRASIL. Pág. RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ABRIL 2016 FRANCA População e PIB do município de Franca Piso salarial do sapateiro Estimativa do número de funcionários na indústria de calçados de Franca Dados do

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS

REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS ÁFRICA DO SUL n.º 53/08 22 Setembro n.º 222/2008 publicado em 20-11-2008 EM VIGOR DESDE 22-10-2008 ALEMANHA ANDORRA Lei 12/82 03 Junho n.º 20/2017 14 fevereiro publicado em 14-10-1982 EM VIGOR DESDE 08-10-1982

Leia mais

Ciclo do Projeto MDL Validação

Ciclo do Projeto MDL Validação Brasil e o MDL MDL Baseado na proposta brasileira de 1997 de estabelecimento de um Fundo de Desenvolvimento Limpo, adotada pelo G77 e China e, modificada como mecanismo, adotada em Quioto Brasil foi o

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Benfica Telecom Destino preço por minuto / sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,190 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,084 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 a Página da Educação www.apagina.pt Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acaba de publicar o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Humano

Leia mais

RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO

RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO RESUMO DA PESQUISA GLOBAL DE ALIMENTAÇÃO 2014 Resultados RESULTADOS DE LA da ENCUESTA Pesquisa GLOBAL Global SOBRE de ALIMENTO Alimentação BALANCEADO da DE Alltech ALLTECH 2014 2014 RESUMO No final de

Leia mais

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR GEM 2015 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Fevereiro/2016 Objetivo: Estudo da atividade empreendedora no âmbito mundial 60 países em 2015 (83% do PIB mundial) No ano anterior participaram 70 países Criação

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008 Brasil e o MDL Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo Britcham São Paulo 30 de setembro de 2008 Gustavo Mozzer Ministério da Ciência e Tecnologia Assessor Técnico da Secretária Executiva da Comissão

Leia mais

Apoio Mobilidade Docente com recursos CAPES-PROAP - PRPG EDITAL PRPG 01/2017

Apoio Mobilidade Docente com recursos CAPES-PROAP - PRPG EDITAL PRPG 01/2017 Apoio Mobilidade Docente com recursos CAPES-PROAP - PRPG EDITAL PRPG 01/2017 OBJETIVO Este edital tem por finalidade apoiar 22 (vinte e dois) docentes dos programas de pósgraduação da USP/São Paulo, Pirassununga

Leia mais

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009

AMNISTIA INTERNACIONAL. LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) Embargado para 24 de Março de 2009 Embargado para 24 de Março de 2009 Público AMNISTIA INTERNACIONAL LISTA DOS PAÍSES ABOLICIONISTAS E RETENCIONISTAS (31 de Dezembro de 2008) 24 de Março de 2009 ACT 50/002/2009 SECRETARIADO INTERNACIONAL,

Leia mais

Spirax Sarco Medidor de Vazão VIM20. Medição de vazão descomplicada e sem parada de processo

Spirax Sarco Medidor de Vazão VIM20. Medição de vazão descomplicada e sem parada de processo Spirax Sarco Medidor de Vazão VIM20 Medição de vazão descomplicada e sem parada de processo M e d i d o r d e V a z ã o V I M 2 0 O VIM20 O medidor de vazão VIM20 Vortex do tipo inserção pode medir vazões

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

Anexo estatístico do desenvolvimento humano

Anexo estatístico do desenvolvimento humano Anexo Estatístico Anexo estatístico do desenvolvimento humano Guia do leitor 129 Legenda dos países e classificações do IDH, 2011 132 Tabelas estatísticas 133 Notas técnicas Cálculo dos índices de desenvolvimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJC - POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n. º 206/2016-SIC/DIREX/PF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação protocolado

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Países (ordem alfabética) Diploma legal Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Redução de taxas Dividendos Juros Royalties Art. º Taxa Art. º Taxa Art. º Taxa ÁFRICA DO SUL n.º 53/08

Leia mais

Consulta Diárias Internacionais * Os Países marcados com asterisco possuem classes de diárias específicas para esse Órgão.

Consulta Diárias Internacionais * Os Países marcados com asterisco possuem classes de diárias específicas para esse Órgão. País Consulta Diárias Internacionais * Os Países marcados com asterisco possuem classes de diárias específicas para esse Órgão. Classe I CD-1 Classe II CD-2 Classe III CD-3/4 Classe IV NS Classe V Afeganistão

Leia mais

GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Agosto/2017 A Pesquisa em 2016 Objetivo: Empreendedorismo (criação de negócios) como propulsor do crescimento Estudo da atividade empreendedora no âmbito

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

O Setor em Grandes Números 2015

O Setor em Grandes Números 2015 O Setor em Grandes Números 2015 Apresentação Esta publicação reúne dados oficiais de fontes no Brasil e no exterior sobre o desempenho do Setor de Gemas, Joias e Metais Preciosos em 2015. Muitos dos números

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional

Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional temas de economia aplicada 11 Estrutura Demográfica e Despesa com Previdência: Comparação do Brasil com o Cenário Internacional Rogério Nagamine Costanzi (*) Trata-se de fato amplamente conhecido que existe

Leia mais

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas

Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas Administração Pública e Saúde Modernização na Secretaria de Estado das Comunidades Ministério dos Negócios Estrangeiros Os casos de estudo Consulado Virtual e Sistema de Localização de Portugueses como

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1

A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1 A Evolução da Abertura ao Exterior da Economia Portuguesa 1 Elsa de Morais Sarmento 2 Joaquim Reis 3 1. Introdução A economia mundial não poderia existir sem a interdependência entre os Estados. Este facto

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

INVESTIMENTO REDE INTERNACIONALIZAÇÃO

INVESTIMENTO REDE INTERNACIONALIZAÇÃO Parcerias Estratégicas Filiações Internacionais INVESTIMENTO REDE INTERNACIONALIZAÇÃO INCOTERMS DESENVOLVER O COMÉRCIO INTERNACIONAL POUPA TEMPO POUPA DINHEIRO APLICA-SE A QUASE TUDO Conceitos O que

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 366, DE 24 DE ABRIL DE 2009

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 366, DE 24 DE ABRIL DE 2009 Publicada no D.O.U. nº 79, de 28/04/09 Seção 1 Página 83 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 366, DE 24 DE ABRIL DE 2009 Dispõe sobre o pagamento de Diárias Nacionais e Internacionais, de Adicional de Deslocamento,

Leia mais

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011.

Rentabilidade com Preservação de Capital. José Márcio Camargo. Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo. Abril 2011. Rentabilidade com Preservação de Capital José Márcio Camargo Opus Gestão de Recursos Admirável Mundo Novo Abril 2011 Abril 2011 1 Admirável Mundo Novo 1. Taxas de juros reais negativas em todos os países

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

Ambientes Livres do Fumo

Ambientes Livres do Fumo FRAMEWORK CONVENTION ALLIANCE BUILDING SUPPORT FOR TOBACCO CONTROL Ambientes Livres do Fumo Relatório da Situação Internacional de de dezembro de 00 Os ambientes livres de fumo são uma parte vital do combate

Leia mais

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores

Index de Brochuras e Operadores. Index de Brochuras e Operadores EUROPA ALEMANHA Martins Soares Telereserva Alemanha 31/10/04 ÁUSTRIA Vimatur Alpes Austríacos 31/10/04 BÉLGICA Prestige BULGÁRIA Solférias Pelos caminhos de 30/03/04 CHIPRE CROÁCIA Club 1840 Terra Nova

Leia mais

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL

Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de Exportações de carnes BRASIL Exportações de Carnes agronegócio Janeiro a Dezembro de 2014 1. Exportações de carnes BRASIL Ao longo dos últimos dez anos as exportações de carne no Brasil aumentaram. Para a carne de frango o aumento

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço.

A sua capacidade jurídica e o estatuto internacional da organização são reconhecidos por um acordo de sede celebrado com o Conselho Federal Suíço. UNIÃO INTERPARLAMENTAR A União Interparlamentar foi criada em 1894 mas as suas origens remontam a 1889, quando, por iniciativa do Reino Unido e da França, se celebrou a primeira Conferência Interparlamentar

Leia mais

Principais Descobertas e Recomendações

Principais Descobertas e Recomendações Principais Descobertas e Recomendações A Pesquisa do Orçamento Aberto 2008, uma avaliação compreensiva da transparência orçamentária em 85 países, revela que o estado da transparência orçamentária ao redor

Leia mais

8º WORLD ALL STYLES CHAMPIONSHIPS & FICD 22, 23, 24 e 25 de março º WAC 2018 Caldas da Rainha

8º WORLD ALL STYLES CHAMPIONSHIPS & FICD 22, 23, 24 e 25 de março º WAC 2018 Caldas da Rainha 8º WORLD ALL STYLES CHAMPIONSHIPS & FICD 22, 23, 24 e 25 de março 2018 www.wac.world-allstyleschampionship.com www.wac.world-allstyleschampionship.com APRESENTAÇÃO Feira Internacional de Cultura e Desporto

Leia mais

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)*

16 de maio de Gráfico 1 Total das Exportações Brasileiras /2001(f.o.b.)* 16 de maio de 22 As exportações brasileiras têm crescido substancialmente desde 1981 com diversificação observada no período de 1995 a 2. Baseado em dados anuais obtidos da aliceweb (http://aliceweb.desenvolvimento.gov.br/default.asp),

Leia mais

Rainforest Alliance Países Autorizados para Atividades de Auditoria e de Certificação de Fazendas Individuais e Administradores de Grupo

Rainforest Alliance Países Autorizados para Atividades de Auditoria e de Certificação de Fazendas Individuais e Administradores de Grupo Rainforest Alliance Países Autorizados para Atividades de Auditoria e de Certificação de Fazendas Individuais e Administradores de Grupo Julho, 2017 Versão 1 D.R. 2017 Red de Agricultura Sostenible, A.C.

Leia mais

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil:

I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: I Cenário Mundial. II Contexto Internacional e o Brasil. III Brasil: Situação Externa e Interna. Tendências. IV Paraná em Destaque V Brasil: Projeções e Reflexões Fonte: FMI G7: EUA. Alemanha, Japão,

Leia mais

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou

Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou Experts em EB-5 Divisão do InterManagement Group focada na prestação de Serviços EB-5 para investidores (imigrantes), empresas e empreendedores (estrangeiros ou americanos) Especializada no desenvolvimento

Leia mais

Lista dos Países-membros da Union Postal Universal

Lista dos Países-membros da Union Postal Universal União Postal Universal Lista dos Países-membros da Union Postal Universal com indicação da sua classe de contribuição, do seu grupo geográfico e da sua situação jurídica em relação aos Actos da União Situação

Leia mais

DUPLA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL EM PORTUGAL

DUPLA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL EM PORTUGAL SOCIEDA ADVOGADOS, RL ROGÉRIO FERNANS FERREIRA & ASSOCIADOS DUPLA TRIBUTAÇÃO INTERNACIONAL EM PORTUGAL CONFIANÇA EFICIÊNCIA COMPETÊNCIA Foram recentemente aprovados e ratificados, respectivamente, pela

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 147 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - AVICULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa Brasileira

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E BLOCOS ECONÔMICOS

GLOBALIZAÇÃO E BLOCOS ECONÔMICOS GLOBALIZAÇÃO E BLOCOS ECONÔMICOS PUC GO 2015 LOZANO EXERCÍCIOS ESSENCIAIS (Unicamp-SP) GLOBALIZAÇÃO As transformações representadas na figura a seguir permitiram ao autor considerar que há aniquilamento

Leia mais

ESTADOS MEMBROS DAS NAÇÕES UNIDAS

ESTADOS MEMBROS DAS NAÇÕES UNIDAS ESTADOS MEMBROS DAS NAÇÕES UNIDAS Segue-se a lista (de acordo com a ordem alfabética em português) dos 191 Estados Membros das Nações Unidas com as datas em que aderiram à Organização: Membros Data de

Leia mais

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR

AMCHAM BRASIL SÃO PAULO OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR AMCHAM BRASIL SÃO PAULO PALESTRA OBJETIVOS E METAS DO GOVERNO TEMER PARA O COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 30 de agosto de 2016 2 EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Em milhões

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

Uzo Original. Uzo 8. Tarifário Uzo Destino Voz. Preço por Minuto/SMS/MMS 0,176 0,133 0,09 0,067 0,433 0,654 1,07 0,032 0,664

Uzo Original. Uzo 8. Tarifário Uzo Destino Voz. Preço por Minuto/SMS/MMS 0,176 0,133 0,09 0,067 0,433 0,654 1,07 0,032 0,664 Tarifário Uzo 2012 1 Uzo Original Voz Voz (tarifa reduzida) SMS SMS (tarifa reduzida) MMS - Video Internet Telemóvel / Valor diário Dados UZO / TMN / PT Dados CS (Inosat) Outras redes Chamadas taxadas

Leia mais