UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Coordenação de Pós-Graduação em Psicologia MESTRADO EM PSICOLOGIA APCN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Coordenação de Pós-Graduação em Psicologia MESTRADO EM PSICOLOGIA APCN"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Coordenação de Pós-Graduação em Psicologia MESTRADO EM PSICOLOGIA APCN Curitiba PR 2008

2 SUMÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO IDENTIFICAÇÃO DOS DIRIGENTES IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA INFRAESTRUTURA ADMINISTRATIVA E DE ENSINO E PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO E LINHAS DE PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DISCIPLINAS CORPO DOCENTE PRODUÇÃO DOCENTE PRODUÇÃO TECNICO CIENTIFICA OU TECNOLOGICA PROJETO DE PESQUISA

3 1) IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA Nome: UFPR/ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Endereço: Rua XV de novembro, 1299 Bairro: Centro Cidade: Curitiba/PR CEP: institucional: Telefone: (41) Fax: (41) Esfera Administrativa: Federal 3

4 2) IDENTIFICAÇÃO DOS DIRIGENTES DIRIGENTE Nome: Márcia Helena Mendonça, Vice-reitora no exercício da Reitoria Tipo de documento: CPF Número: : Telefone: Institucional: PRÓ-REITOR Nome: Maria Consuelo Andrade Marques Tipo de documento CPF Número: Telefone: Institucional: COORDENADOR Nome: Miriam Aparecida Graciano de Souza Pan Tipo de documento: CPF Número: Telefone: Institucional: 4

5 3) IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA Identificação da Proposta: Psicologia Área Básica: Psicologia Nível: Mestrado Acadêmico IES: UFPR/UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ -PR Esta proposta corresponde a um curso novo vinculado a programa recomendado pela CAPES? Não Nome do Programa: Psicologia Área Básica: Psicologia Área de Avaliação: Psicologia Tem graduação na área ou área afim? Sim Ano de início da graduação: 1974 Níveis: Nível: MESTRADO ACADÊMICO Situação: Em projeto Histórico do curso na CAPES: Proposta Nova 5

6 4) INFRA-ESTRUTURA ADMINISTRATIVA E DE ENSINO E PESQUISA Dispõe de: Infra-Estrutura exclusiva para o programa? Sim Salas para docentes? Sim Quantas: 6 Sala para alunos equipadas com computadores? Sim Quantas: 1 Laboratório para pesquisa recursos disponíveis: 1. Laboratório I: Núcleo de Análise do Comportamento - NAC Objetivo: Desenvolve projetos de extensão e pesquisa em Análise do Comportamento e questões aplicadas. Espaço físico: sala de 40 m2. Equipamentos: 04 computadores com acesso à Internet, 01 impressora a tinta, 01 rádio portátil. 2. Laboratório II: Núcleo de Psicologia do Trânsito NPT Objetivo: Desenvolver atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão na área de Psicologia do Trânsito, articuladas com a Política Nacional de Mobilidade Urbana Sustentável. Para tal, faz articulação com pesquisadores de outros departamentos da UFPR, alunos e ex-alunos de graduação da UFPR. Espaço físico: sala de 50 m2. Equipamentos: 04 computadores conectados à Internet e 01 impressora. 3. Laboratório III: Núcleo de Estudos do Desenvolvimento Humano NEDHU Objetivo: Aprofundamento teórico-metodológico no estudo das diversas facetas do desenvolvimento humano, promover intercâmbio entre pesquisadores, docentes e alunos de diferentes áreas e instituições de ensino e pesquisa. Complementar o ensino de graduação e pós-graduação em Psicologia e áreas afins. Espaço Físico: 03 salas sendo uma de recepção, uma de aula/grupo e uma de reunião (total de 40 m2). Equipamentos: 01 computador e 01 impressora. 4. Laboratório IV: Núcleo de Psicologia, Educação e Trabalho NUPET Objetivo: Desenvolver projetos de ensino, pesquisa, extensão e produção de tecnologias, tendo como foco básico a relação entre processos subjetivos, trabalho e educação, com vistas ao atendimento de demandas (internas e externas) de produção teórica de conhecimento, aplicação e ampliação do campo de atuação da psicologia na educação e no trabalho. Além disso, busca desenvolver práticas interdisciplinares que congreguem a participação de professores, pesquisadores, estagiários e alunos (graduação e pós-graduação) de psicologia e áreas afins, visando o desenvolvimento de competências pessoais, interpessoais, profissionais e científicas que possibilitem uma análise crítica das demandas que se apresentam para a intervenção da psicologia. Espaço Físico: duas salas, uma de 15 m2 e a outra de 30m2. Equipamentos: 04 micro computadores, 04 impressoras, 01 filmadora digital formato de gravação em DVD, 01 scanner modelo hp 3400 e 02 mini gravadores. 5. Laboratório V: Laboratório de Neuropsicologia LABNEURO Objetivo: O Laboratório de Neuropsicologia tem por finalidade realizar um trabalho técnico de cunho científico para prevenção, diagnóstico e tripé fundamental que caracteriza a ideologia e a realidade da Universidade em geral: Ensino, Pesquisa e Extensão. Espaço Físico: 2 salas totalizando 36 m2. Equipamentos: 01 Retroprojetor, 02 aparelhos de TV, 01 filmadora, 01 aparelho de vídeo cassete, 05 computadores, 02 impressoras e biblioteca de testes psicológicos. 6. Laboratório VI: Centro de Psicologia Aplicada CPA Objetivo: Atender as necessidades de formação dos alunos do curso de Psicologia da UFPR no que se refere às atividades práticas de todas as áreas de Psicologia. 6

7 Promover a integração do CPA com a comunidade através da prestação dos serviços nas áreas da Psicologia. Espaço Físico: 212,43 m2; 02 salas de espelhos, com câmeras de vídeos fixas e som instalado; 01 sala de espelho com som instalado; 09 salas de atendimento; recepção e secretaria. Equipamentos: 05 mini-gravadores, 01 mini-biblioteca para consultas locais e 01 computador na secretaria. Biblioteca ligada à rede mundial de computadores? Sim Quantidade de computadores: 10 Biblioteca: Caracterização do acervo Dados gerais (Número de livros, periódicos e áreas nas quais eles se concentram) Áreas do conhecimento TÍTULOS EXEMPLARES Psicologia Filosofia Ciências Sociais Antropologia Grupos e outros Lingüística Artes TOTAL Disponibilizando o acesso as seguintes bases de dados em Psicologia: - Psycinfo - Web of Science - Wilson Humanities Full Text - Medline / Pub Med - Human Resources Abstracts - REBAP - Portal da Rede brasileira de Bibliotecas da Área de Psicologia (a Biblioteca HE faz indexação de 1 título como cooperadora desta base). - Portal de Periódicos da Capes - Portal da Pesquisa Disponibiliza também exemplares e volumes em : teses, apostilas, slides, testes psicológicos, Cdrom e vídeos. Possui também um Serviço de Solicitação de Cópias, que atende pedidos de teses e periódicos de acervos de outras instituições públicas e particulares Além disso, possui em seu acervo exemplares de 137 títulos de periódicos em Psicologia, vários com assinatura constante e outros nos quais ela foi descontinuada. Acervo geral: Os títulos são os seguintes: 1. ALETHEIA Univ Lut do Br, Canoas, RS 2. AMERICAN JOURNAL OF PSYCHOLOGY Univ Illinois 3. AMERICAN PSYCHOLOGIST Amer Psyc Ass, Virginia 4. ANALES DE PSICOLOGIA Fac Filos Psic, Múrcia, ESP 5. ANIMAL LEARNING AND BEHAVIOR Psyc Soc Inc, Texas 6. ANNEE PSICHOLOGIQUE Press Univ de France, Paris 7. ANNUAL REVIEW OF PSYCHOLOGY Annual Revi Psyc Inc, California 8. APPLIED PSYCHOLOGY Psych Press, London 9. ARCHIVES DE PSYCHOLOGIE Jean Piaget, Geneve 10. ARCHIVIO DI PSIC, NEUROL E PSICHIATRIA Univ Cat S Cuore, Milano 11.ARQUIVOS BRASILEIROS DE PSICOLOGIA Fund Getulio Vargas, RJ 12. ARQUIVOS BRAS DE PSICOLOGIA APLICADA Fund Getulio Vargas, RJ 13. ARQUIVOS BRASILEIROS DE PSICOTÉCNICA Fund Getulio Vargas, RJ 14. BEHAVIOR THERAPY Ass for Advanc of Behavior Therap, NY 15. BEHAVIORAL AND COGNITIVE PSYCHOTHERAPY Brit Ass for Beh and Cogn Psyc, London 7

8 16. BIOLOGICAL PSYCHOLOGY North Holland, Amsterdam 17. BOLETIM CEPA Cent Psic Aplicada, RJ 18. BOLETIM DE PSICOLOGIA Soc de Psic, SP 19.BOLETIM DE PSICOLOGIA E ANTROPOLOGIA UFPR 20. BOLETIM DE PSICOLOGIA ESCOLAR UNESP 21. BOLETIM DO INSTITUTO DE PSICOLOGIA Ins Psic, SP 22. BOLETIN DEL INSTITUTO INTERARMERICANO DEL NINO Montevideo 23. BRITISH JOURNAL OF EDUCATIONAL PSYCHOLOGY Scot Acad, Edimburgo 24. BRITISH JOURNAL OF PSYCHOLOGY Cambr Univ, London 25. BULLETIN DE PSICHOLOGIE Univ Paris 26. CADERNOS DE PSICOLOGIA PUC MG 27. CADERNOS DE PSICOLOGIA APLICADA UFRGS 28. CADERNOS DE PSICOLOGIA SOCIAL DO TRABALHO - USP 29. CAHIERS DE LA FONDATION ARCHIVES JEAN PIAGET Suiça 30. CAHIERS DE PSYCHOLOGIE Univ Neuchatel, Suiça 31. CANADIAN JOURNAL OF EXPERIMENTAL PSYCHOLOGIE Canad Psy, Canadá 32. CANADIAN JOURNAL OF PSYCHOLOGIE Canad Psych Ass, Quebec 33. CHILD DEVELOPMENT Univ Chicago, Illinois 34. COGNITIVE PSYCHOLOGY Acad Press, NY 35. CONTEMPORARY EDUCATIONAL PSYCHOLOGY 36. CONTRAPONTOS Univ Vale do Itajaí 37. DEVELOPMENTAL PSYCHOLOGY Amer Psyc Ass, Washington 38. DIÁLOGO UEL, Londrina 39. DOXA Univ Est Paulista, Araraguara 40. ENFANCE Enfance, Paris 41. ESTUDOS DE PSICOLOGIA PUC Campinas 42. ESTUDIOS DE PSICANALISE Circ bras de Psican, Belo Horizonte 43. EXCEPTIONAL CHILDREN Counc for Excep Children, Virginia 44. GIORNALE ITALIANO DI PSICOLOGIA Soc Edit il Mulino, Bologna 45. HUMAN DEVELOPMENT The Human Fact Soc, California 46. IMAGINARIO IP, SP 47. INTERAÇÃO UFPR 48. INTERAÇÃO EM PSICOLOGIA UFPR 49. INTERAÇÕES Univ San Marcos, SP 50. INTERNATIONAL JOURNAL OF BEHAVIOR DEVELOPMENT Lawr Frib, London 51. INTERNATIONAL JOURNAL OF GROUP PSYCHOTHERAPY Int Univ Press, NY 52. INTERNATIONAL JOURNAL OF PSYCHOLINGUISTIC Cent for Acad Soc, Osaka 53. INTERNATIONAL JOURNAL OF PSYCHOLOGY Cent d Edit Dun Gault, Paris 54. JORNAL DO PSICÓLOGO Cons Reg Psic, Belo Horizonte 55. JOURNAL DE PSYCHOLOGIE NORMALE ET PATHOLOGIQUE Amer Psy Ass, Washington 56. JOURNAL OF ABNORMAL AND SOCIAL PSYCHOLOGICAL Amer Psy Ass, Washington 57. JOURNAL OF ABNORMAL PSYCHOLOGY Amer Psy Ass, Washington 58. JOURNAL OF APPLIED BEHAVIOR ANALYSIS Soc for the Exp Anal of Beh, Kansas 59. JORNAL OF CHILD AND FAMILY STUDIES Hum Scien Press, NY 60. JORNAL OF CHILD PSYCHIATRY The Amer Acad of Chil Psy, New Haven 61. JORNAL OF CREATIVE BEHAVIOR NY 62. JOURNAL OF EDUCATIONAL PSYCHOLOGY Amer Psyc Ass, Washington 63. JOURNAL OF EXPERIMENTAL CHILD PSYCH Acad Press, NY 64. JOURNAL OF EXPERIMENTAL PSYCH HUMAN Amer Psy Ass, Washington 65. JOURNAL OF EXPERIMENTAL PSYCH ANIMAL BEHAVIOR Amer Psy Ass 66. JOURNAL OF EXPERIMENTAL PSYCH GENERAL Amer Psych Ass, Washington 67. JOURNAL OF EXPERIMENTAL PSYCH LEARNING, MEMORY AND COGNITION Amer Psych Ass, Washington 68. JOURNAL OF EXPERIMENTAL SOCIAL PSYCH Acad Press, NY 69. JOURNAL OF FAMILY ISSUES Serge Period Press, California 70. JOURNAL OF GENETIC PSYCHOLOGY Held Pub, Washington 71. JOURNAL OF PERSONALITY AND SOCIAL PSYCH Amer Psy Ass, Washington 72. JOURNAL OF PSYCHOLOGY Columbia Univ, NY 8

9 73. JOURNAL OF PSYCH INTERDISCIPLINARY AND APPLIED The Journal Press, Massachusets 74. JOURNAL OF SCHOOL PSYCHOLOGY Pergamon Press, London 75. JOURNAL OF SOCIAL PSYCH The Journal Press, Massachusets 76. JOURNAL OF THE EXPERIMENTAL ANALYSIS OF BEHAVIOR Indiana Univ, Bloomington 77. LEARNING DISABILITY QUARTERLY Counc for Learn Disabil, Kansas 78. MENTAL, REVISTA DE SAÚDE MENTAL E SUBJETIVIDADE UNIPAC, MG 79. MUDANÇAS Univ Metodista de SP, São Bernardo do Campo 80. NATUREZA HUMANA Grupo Pesq em Fil e Prát Psicoter, SP 81. PERCURSOS Inst Sed Sapientae, SP 82. PERFIL UNESP, SP 83. PSICHE FMU, SP 84. PSICHE Univ São Marcos, SP 85. PSI, REVISTA DE PSICOLOGIA DA VETOR EDITORA SP 86. PSI, REVISTA DE PSIC SOCIAL E INST PSIC - UEL 87. PSICO PUC RS, 88. PSICO Univ S Francisco, Bragança Paulista 89. PSICO, REVISTA DE PSIC SOCIAL E INST UEL, Londrina 90. PSICOLOGIA, CIÊNCIA E PROFISSÃO Cons Fed Psicol, Brasília 91. PSICOLOGIA, REFLEXÃO E CRÍTICA UFRGS 92. PSICOLOGIA, REVISTA DA ASS PORT DE PSIC Lisboa 93. PSICOLOGIA, TEORIA E PESQUISA UnB 94. PSICOLOGIA, TEORIA E PRÁTICA Univ Presb de SP 95.PSICOLOGIA & SOCIEDADE Ass Bras de Psic Social, SP 96. PSICOLOGIA ARGUMENTO PUC PR 97. PSICOLOGIA EDUCATIVA Cent Invest y Planej Admin, Colombia 98. PSICOLOGIA EM ESTUDO Cent Ens Uniif de Brasília 99. PSICOLOGIA EM REVISTA PUC MG 100. PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL Abraped, Campinas 101. PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO PUC, SP 102. PSICOLOGIA INDUSTRIAL Siam di Tella, Argentina 103. PSICOPEDAGOGIA Ass Bras de Psicopedagogia, SP 104. PSYCHIATRIE DE L ENFANT Press Univ de France, Paris 105. PSYCHOLOGICA Fund Arche, Buenos Aires 106. PSYCHOLOGICAL ABSTRACTS Amer Psych Ass, Washington 107. PSYCHOLOGICAL RECORD Kenyon College 108. PSYCHOLOGICAL REVIEW Amer Psych Ass, Washington 109. PSYCHOLOGIE FRANÇAISE Soc Franc de Psy, Paris 110. PSICOMETRIKA Psychometrica So, Virginia 111. REVERSO, revista de psicanálise Circ Psican de MG, Belo Horizonte 112. REVISTA BRAS DE DEFICIÊNCIA MENTAL Ass Bras Est Cient Def Ment, SP 113. REVISTA BRAS DE PESQUISA EM PSICOLOG Fac Fil Cien Let, S Caetano Sul 114. REVISTA BRAS DE PSICANALISE Ass Bras Psicanalise, SP 115. REVISTA BRAS DE PSICOTERAPIA - UFRGS 116. REVISTA BRAS DE SAÚDE MENTAL Serv Nac de Doenças Mentais, SP 117. REVISTA CUBANA DE PSICOLOGIA Univ Habana 118. REVISTA DA ASS PSICANAL DE CTBA Ass Psican de Curitiba 119. REVISTA DE PSICOLOGIA UFC, Fortaleza 120. REVISTA DE PSIC GENERAL Y APLICADA Inst Nac Psic, Madrid 121. REVISTA DE PSIC NORMAL E PATOLOGICA PUC SP 122. REVISTA DO DEPARTAMENTO DE PSIC UFF, RJ 123. REVISTA MOSAICO Soc Bras de Psicomotricidade 124. REVISTA PSIC, ORGANIZ E TRABALHO UFSC, Trindade 125. REVUE DE PSYCHOLOGIE APPLIQUEE Cent de Psych, Paris 126. REVUE INTERNATIONALE DE PSY APPLIQUEE The Univ Press, Belgica 127. SAUVERGARDE DE L ENFANCE Ass Reg pour la Sauv de l Enf et Adol, Paris 128. SCANDINAVIAN JOURNAL OF PSYCH Psyc Ass of Denmark, Find, Norw and Sweden 129. SPANISH JOURNAL OF PSYCHOLOGY Univ Complut de Madrid 130. TERAPIA SEXUAL CLINICA Inst Paul de Sexual, SP 9

10 131. TORRE DE BABEL UEL, Londrina 132. TRAVAIL HUMAN, LE PUF, Paris 133. VERTENTES Funrei, São João del Rei, MG 134. VIRTUS Unisul, Tubarão, SC 135. VIVÊNCIA Fund Cat de Est Esp, São José, SC 136. VIVER, PSICOLOGIA Ediouro, SP 137. VIVER, MENTE & CEREBRO Ediouro, SP Financiamentos: 1. Revista Interação em Psicologia : recurso do CNPq R$ , Projeto de pesquisa Efeitos dos sub-tipos de HIV nos distúrbios cognitivos e neurológicos no sul do Brasil, : recurso da Universidade da Califórnia San Diego. Valor: R$ , Projeto de pesquisa Validando a Intervenção Projeto Transformando o Trânsito, : Recurso CNPq. Valor: R$ 2.000, VII Congresso Brasileiro de Psicologia do Trânsito e I Congresso Ibero-americano de Psicologia e Transporte. Curitiba Recurso da Fundação Araucária: R$ 12.00,00. Informações Adicionais: O departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná vem, desde 1999, investindo esforços para assegurar uma infra-estrutura de ensino, pesquisa e extensão que assegure a implementação do atual currículo do curso de Psicologia sustentado por práticas de investigação e intervenção sediadas em Núcleos e Laboratórios de pesquisa, com vistas a integrar a graduação com a pós-graduação. Até este período o Centro de Psicologia Aplicada CPA atendia as necessidades de formação dos alunos do curso de Psicologia da UFPR no que se refere às atividades de estágio profissional especialmente na área clínica. Com a ênfase do atual currículo de graduação em Pesquisa e com a criação do Programa anterior de pós-graduação, quatro Núcleos e um Laboratório de pesquisa se constituíram reunindo inúmeras pesquisas, programas, projetos e Eventos de Extensão, Congressos Nacionais e Internacionais. Estas ações vêm tornando estes núcleos e laboratórios uma referência regional e nacional em determinadas áreas clássicas da psicologia como a clínica, a educação e o trabalho, assim como vêm lançando temáticas e áreas inovadoras como a Psicologia do Trânsito e a Neuropsicologia, que já se constituem referência nacional e internacional. O Núcleo de Psicologia do Trânsito organizou o VII Congresso Brasileiro e I Ibero-americano de Psicologia do Trânsito, em 2007, contando com apoio do Ministério da Saúde e da Fundação Araucária. O Núcleo de Estudos do Desenvolvimento Humano é vinculado à Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental e irá organizar o IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental, sediado na UFPR em O acervo da biblioteca ampliou-se significativamente na área da Psicologia e em áreas afins nos últimos cinco anos, favorecendo o desenvolvimento dos projetos de pesquisa e a estrutura física prevista para a Psicologia teve um ampliação de 50% em sua metragem, o que permitiu a implantação destes Núcleos e Laboratórios e a reserva de infra-estrutura física exclusiva para o Mestrado. Desse modo, a proposta do atual programa de pós-graduação em Psicologia nasce das práticas investigativas desenvolvidas nestes núcleos e laboratórios, com reserva de espaço exclusivo para o programa, o que demonstra uma infra-estrutura administrativa, de ensino e de pesquisa já assegurados para sustentar as linhas de pesquisa delineadas no projeto. 10

11 5) CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA 1. Contextualização Institucional e Regional da Proposta O sistema atual de Pós-graduação em Psicologia no Brasil apresenta uma distribuição regional com significativa concentração de programas na região Sudeste. Esta região possui 53 programas, com 53,6% dos cursos de pós-graduação em Psicologia no Brasil (Yamamoto & Tourinho, 2007). Como conseqüência há uma grande concentração de titulados mestres e doutores nessa região: mais de 80% em Dos novos programas aprovados na área para 2006 e 2007, três concentram-se na região Sudeste. Frente a isso, o Plano Nacional de Pós-Graduação PNPG incentiva e apóia a indução de programas de forma a diminuir as desigualdades regionais na formação (CAPES, 2006). Considerando que a população da região Sul é de aproximadamente 25 milhões de habitantes ou 15% da população total do Brasil, a assimetria na formação disponível da área é notável, pois dos 47 programas avaliados em 2006, apenas 5 (10,6%) encontram-se nessa região; e dos novos programas não avaliados em 2006, apenas 2 (20%) pertencem ao Sul. Na formação superior em Psicologia, a região Sul possui 111 cursos, 39 no Rio Grande do Sul, 35 em Santa Catarina e 37 no Paraná. Dos cursos de Psicologia localizados no Estado do Paraná, 10 estão em Curitiba, implicando numa grande necessidade de capacitação e formação científica e acadêmica para suprir a necessidade desse sistema de ensino superior (MEC, 2007). Além da necessidade acadêmica, é fundamental a qualificação dos egressos dos cursos de Psicologia para os diversos setores da sociedade. A região metropolitana de Curitiba, com aproximadamente 3,26 milhões de habitantes (estimativa IBGE/2006), obteve uma taxa de crescimento anual de 3,4% de 2000 a 2006 e seu PIB em 2003 foi de R$ 32,7 bilhões, segundo o IBGE (PMC, 2007), o que destaca a necessidade desta qualificação. O PNPG considera que o sistema educacional é fator estratégico no processo de desenvolvimento sócio-econômico e cultural da sociedade brasileira e atribui à pós-graduação a responsabilidade pela tarefa de produzir os profissionais aptos a atuar nos diferentes setores da sociedade, a partir da formação. Entretanto, não há em Curitiba e regiões próximas nenhum programa de pós-graduação em Psicologia, existindo apenas dois em todo o Estado do Paraná, a saber: na Universidade Estadual de Maringá - UEM e na Universidade Estadual de Londrina-UEL, ambos na Região Norte do Estado, sediados em universidades estaduais. Desse modo, constata-se uma grande lacuna na formação de Psicologia, em Pós-graduação stricto sensu nas demais regiões do estado, o que leva à necessidade de deslocamento aos centros de formação tais como São Paulo (400 km de Curitiba) e Florianópolis (300 km de Curitiba). No Paraná e na Região Sul a Universidade Federal do Paraná é referência no ensino e na produção de conhecimento. Fundada em 1912, é considerada a primeira universidade do Brasil. Atualmente, possui 71 cursos de graduação com alunos e 115 cursos de especialização com alunos. Em relação aos programas de pós-graduação strito sensu, oferece 44 cursos de mestrado com mestrandos e 26 de doutorado com doutorandos. Destes programas, 23 foram avaliados pela CAPES com conceito 5 ou 6, 34 com conceito 4 e 11 com conceito 3. Dois programas encontram-se em fase de avaliação. O corpo docente é altamente qualificado, possuindo um total de docentes, dos quais 256 (13,6%) possuem graduação ou especialização, 569 (30,2%) são mestres e a maioria dos docentes (56,8%) - possuem o doutorado ou qualificação superior (UFPR, 2007). O Departamento de Psicologia da UFPR (DEPSI) apresenta-se também como referência na qualidade de ensino e pesquisa na graduação, o que tem sido evidenciado pelos resultados do INEP. O corpo docente é composto por trinta (30) professores, sendo vinte e quatro (24) efetivos e seis substitutos. Do quadro de efetivos, 75% dos docentes possui doutorado e duas professoras encontras-se em fase final de capacitação. No mês de fevereiro está prevista a nomeação de mais dois professores efetivos, os quais serão selecionados atendendo aos critérios de titulação e produtividade da pós-graduação. Nos últimos cinco anos houve uma renovação de 50% de professores no corpo docente do Departamento de Psicologia o que configura um grupo de jovens doutores, com produção científica e um conjunto de pesquisas que justificam a proposta de um programa de pós-graduação em Psicologia. Dos 24 docentes efetivos, dezessete professores integram esta proposta de Mestrado, todos DE, sendo 16 permanentes e um colaborador. O professor colaborador e mais três professores do departamento poderão vir a integrar o corpo de professores permanentes nos próximos três anos. 11

12 Outros doutores das áreas de educação, saúde e administração da UFPR já registraram interesse em compor linhas de pesquisa no programa que está sendo proposto, demonstrando um lastro de sustentabilidade para o programa a curto e médio prazo. A qualificação dos professores e a adoção de critérios para credenciamento no programa de pósgraduação passam a fazer parte das políticas do Departamento de Psicologia com a implantação do Mestrado, o qual passa a priorizar a contratação de professores com doutorado e a investir na qualificação dos docentes ainda não titulados. Os critérios para credenciamento e re-credenciamento docente no programa estão definidos nas normas internas, de acordo com os critérios da Capes. Estes foram amplamente discutidos junto aos integrantes da proposta, e divulgados junto àqueles que pretendem se integrar no programa futuramente. Quanto à produção científica do grupo, os 16 docentes permanentes que compõem o programa possuem uma produção média anual de 1.3 produtos nos últimos 5 anos, considerando livros, capítulos de livros e artigos em periódicos nacionais Qualis A e B e internacionais. Soma-se a isto o fato de dois docentes serem líderes de grupos de pesquisa no CNPq, seis professores compõem conselho editorial e vários outros são consultores de periódicos Nacionais de Psicologia. Cabe ressaltar que o próprio departamento edita a Revista Interação em Psicologia, avaliada como Qualis A Nacional. Dois professores integram grupos de trabalho da ANPEP, o que retrata a inserção do corpo docente no cenário da pesquisa nacional. Um docente pós-doutor do Departamento de Psicologia que possui relevante produção científica encontra-se vinculado ao programa de Mestrado e Doutorada em Educação desta Universidade, podendo vir a se integrar nesta proposta assim que aprovada. Estes fatores asseguram uma estabilidade ao programa em termos de número de docentes, qualificação e em termos de previsão de produção futura, uma vez que um corpo docente composto de jovens pesquisadores pressupõe um período produtivo promissor para os próximos anos. Além disso, a formação deste corpo docente retrata a configuração contemporânea da Psicologia em sua diversidade, pluralidade teórica, e na tendência ao diálogo interdisciplinar. Como pode ser observado na tabela abaixo, os pesquisadores apresentam sua formação em abordagens teóricas diversas, em diferentes campos da Psicologia e em interface com outras áreas do conhecimento. Tabela de Docentes e suas áreas de formação Docente Universidade de Doutoramento Ano de TérminoArea de Doutoramento Experiência de orientação na pós-graduação LS SS Adriano Furtado de Holanda PUC-Campinas 2002 Psicologia 1 2 Alessandra Sant Anna Bianchi Universidad de Barcelona-Espanha 2005 Psicologia 1 0 Alexandre Dittrich UFSCAR2004 Filosofia 0 0 Amer Cavalheiro Hamdan UNIFESP 2003 Psicologia 0 0 Ana Paula Almeida de Pereira University of Wisconsin-EUA 2008 Psicologia da Reabilitação 3 0 Iara Pichionni Thielen UFSC 2002 Psicologia 17 0 Jamil Zugueib Neto Universite Toulouse lê Mirail - França 2000 Psicologia Social 0 1 João Henrique Rossler UNESP 2003 Educação 7 1 Jocelaine Martins da Silveira USP-SP 2003 Psicologia Clínica 4 0 Luciana Albanese Valore USP-SP 2005 Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano 15 0 Maria Virginia Filomena Cremasco UNICAMP 2002 Psiquiatria 22 0 Miriam Aparecida Graciano de Souza Pan UFPR 2003 Lingüística, Letras e Artes 14 0 Nadja Nara Barbosa Pineiro PUC-Rio de Janeiro 2003 Psicologia 2 0 Norma da Luz Ferrarini UFPR 2005 Educação 3 0 Sidney Nilton de Oliveira USP-SP 1998 Psicologia Social e do Trabalho 0 0 Vinicius Anciães Darriba UFRJ 2003 Teoria Psicanalítica 1 0 Tatiana Izabele Jaworski de Sá Riechi UNICAMP 2008 Neurologia 2 0 Esta configuração do corpo docente formação diversificada, campos de pesquisa diferentes, abordagens teóricas múltiplas conduz a um projeto de mestrado que elege como valor primordial a 12

13 diversidade da Psicologia, o que irá configurar as quatro linhas de pesquisa desta proposta, reunidas em uma área de concentração, a saber: A) área de concentração: PSICOLOGIA; B) Linhas de Pesquisa: 1) Práticas educativas e produção da subjetividade, composta por cinco (5) docentes permanentes; 2) Psicologia Clínica, composta por seis (6) docentes permanentes; 3) Avaliação e Reabilitação Neuropsicológica, composta por dois (2) docentes permanentes e um colaborador; 4) Psicologia do Trânsito: avaliação e prevenção, composta por dois (2) docentes permanentes. As linhas de pesquisa foram construídas em torno de temáticas, práticas e/ou campos de investigação/intervenção, valorizando a multireferencialidade teórica, a interface dos campos de intervenção e a interdisciplinariedade, constituindo-se assim, a principal política pedagógica do curso. A área de concentração reúne justamente um conjunto de pesquisas que expressam a pluralidade tanto teórico-metodológica desta ciência quanto em termos de definição de objeto e de interesse, o que propiciará a produção de conhecimentos sobre fundamentos da Psicologia e sua multiplicidade teórico-metodológica. Um projeto isolado compõe esta proposta com o objetivo de levar ao aprofundamento da reflexão epistemológica fundamental na formação dos pesquisadores possibilitando a reflexão sobre suas escolhas filosóficas relativas à delimitação de objeto e método que fundamentam as práticas de pesquisa em suas respectivas orientações teóricas. 2. Histórico de inserção do Curso de Psicologia na Pós-graduação Em resposta à crescente demanda local e regional de formação de psicólogos, em 1974, criou-se, no Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes (SCHLA) da Universidade Federal do Paraná, o curso de graduação em Psicologia. Em 1976, no intuito de garantir a qualidade da formação de seus alunos e o atendimento gratuito à comunidade paranaense, por meio da realização de estágios supervisionados nas áreas Clínica, Escolar e Organizacional, seu corpo docente inaugurou o Centro de Psicologia Aplicada - CPA. Desde o seu início, a interlocução entre o ensino dos fundamentos que instituem a Psicologia como ciência e as necessidades sociais que legitimam suas práticas como profissão constituiu foco privilegiado do curso. O atendimento à comunidade, a busca de entendimento de suas demandas e o desenvolvimento de posturas críticas e comprometidas com a transformação social têm sido sua preocupação constante, conferindo-lhe destaque, dentre os demais cursos que integram o SCHLA, nas atividades de extensão universitária. Ao mesmo tempo, os esforços empreendidos, para a titulação de seu corpo docente e para a produção de conhecimentos científicos em Psicologia, têm lhe garantido crescimento e qualidade nas atividades de pesquisa, conferindo-lhe visibilidade e reconhecimento, regional e nacional, também nesse campo. Por fim, na atividade de ensino - a qual, convém ressaltar, tem sido realizada de modo articulado à pesquisa e à extensão universitárias - inestimáveis esforços têm sido igualmente empreendidos, sobretudo com as reformulações curriculares, objetivando de assegurar o aprimoramento e a atualização contínuos da formação de psicólogos. Em 1987, o Departamento de Psicologia inseriu-se na caminhada para consolidação da pós-graduação com a oferta de seu primeiro curso de pós-graduação, lato sensu, denominado Origens Filosóficas e Científicas da Psicologia, sob os auspícios do CNPq. Em 1993, ampliou seus horizontes ofertando seu segundo curso de pós-graduação, lato sensu, denominado Marginalidade na infância e na Adolescência. Tal iniciativa, associada a uma quantidade significativa de atividades de ensino, pesquisa e extensão relacionadas à área, estimulou e favoreceu a criação, em 1997, do Mestrado em Psicologia da Infância e da Adolescência. Paralelamente, deu-se uma nova expansão do curso com a criação, em 1998 de um outro curso de especialização, ainda em vigor, denominado Psicologia do Trabalho. Diversas e relevantes produções científicas resultaram deste Mestrado, o que contribuiu, em muito, para a projeção do curso de Psicologia no cenário nacional da pós-graduação stricto sensu. Nesse ínterim, foram constituídos seis Núcleos e Laboratórios de ensino-pesquisa-extensão (a saber: Centro de Psicologia Aplicada; Núcleo de Psicologia, Educação e Trabalho-NUPET; Núcleo de Desenvolvimento Humano-NEDHU; Núcleo de Análise do Comportamento-NAC; Núcleo de Psicologia 13

14 do Trânsito; Laboratório de Neuropsicologia) com intuito de consolidar pesquisas e práticas com vistas à vinculação da graduação com a pós-graduação. Durante 2003 e 2004, as mudanças trazidas pela Reforma Previdenciária refletiram-se no corpo docente do Departamento de Psicologia (DEPSI) acarretando várias aposentadorias, as quais abarcaram, de modo especial, os professores do Mestrado (em sua maioria, mais antigos no curso). A impossibilidade de reposição imediata de suas vagas, associada ao significativo número de professores em doutoramento nesse período, culminou na drástica redução do corpo docente do DEPSI, o que resultou no encerramento do Mestrado em Psicologia da Infância e da Adolescência. Os conflitos gerados neste período e seus efeitos nas políticas do curso foram notáveis. Notáveis foram, também, os esforços do reduzido corpo docente restante em reverter aquele quadro: assumir posições políticas decisivas para recomposição do quadro de professores e superar os conflitos e divisões de interesses anteriormente dominantes, demonstrando progressivo amadurecimento e segurança para a apresentação da atual proposta de pós-graduação. A gradativa inserção de novos professores doutores no curso de Psicologia a partir de então levou a uma nova configuração das pesquisas e das áreas de intervenção que não a Infância e Adolescência. Levou também à consolidação e reorganização dos núcleos e laboratórios com novos projetos de extensão e de pesquisa, o que possibilitou a retomada das discussões em torno da reabertura do curso de Mestrado. Este entendeu-se - não poderia, porém, configurar-se como continuidade do anterior. Tanto o corpo docente como as práticas desenvolvidas no curso de Psicologia, conquanto preservassem seus objetivos originais, traziam inovações e contribuições significativas para a formação de psicólogos, acompanhando a dinâmica da própria profissão e das demandas sociais a ela atreladas, as quais não poderiam ser ignoradas, pois implicavam o redimensionamento de tal formação, quer no âmbito da graduação, quer no da pós-graduação. No bojo de todas essas mudanças, dá-se uma outra cujos efeitos consideráveis- redirecionaram a reflexão sobre a proposta de um novo Mestrado, ao mesmo tempo em que possibilitaram a configuração de uma outra proposta para a graduação. Tal mudança consistiu na reformulação curricular da graduação em Psicologia (em 1999), a qual, antes mesmo da proposição das Diretrizes Curriculares Nacionais (em 2000), antecipava muitas de suas exigências. Assim, as mesmas preocupações presentes na discussão dos parâmetros norteadores da graduação faziam-se ouvir na discussão dos parâmetros e dos objetivos do projeto de Mestrado: uma proposta sendo pensada em seus efeitos na outra. Por fim, cabe destacar uma outra importante conquista para a implantação e a manutenção de uma proposta de Mestrado: o exercício e o aprendizado do trabalho coletivo, por parte do corpo docente do DEPSI. Assim, se, por um lado, o fechamento do antigo programa de Mestrado trouxe prejuízos, por outro, oportunizou crescimento, diálogo e integração entre os docentes. Estes atributos possibilitaram a concretização de trabalhos conjuntos como a abertura e ampliação de núcleos e de grupos de pesquisa junto ao CNPq, os quais favoreceram a elaboração desta proposta. Cabe também observar que esta conquista coletiva resultou na ampliação de convênios e intercâmbios a serem listados a seguir, que fortaleceram e consolidaram os Projetos e Programas desenvolvidos por este Departamento. 3. Apresentação do corpo docente, Cooperação e Intercâmbios já consolidados pelos grupos de pesquisa da proposta. A seguir será apresentado o corpo docente vinculado ao Mestrado em Psicologia, por linha de pesquisa, ressaltando as atividades de cooperação e intercâmbios já consolidados pelos grupos de pesquisadores das linhas. I - Práticas educativas e produção da subjetividade A presente linha de pesquisa vem sendo desenvolvida desde 2005 no Núcleo de Psicologia, Educação e Trabalho NUPET, do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná. Vinculada ao Grupo de Pesquisa do CNPQ Psicologia, Educação e Trabalho atua sistematicamente na produção e divulgação do conhecimento, contribuindo tanto para avanços epistemológicos quanto conceituais, a partir do princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão que rege o ensino superior público. Tem como matriz norteadora o estudo dos processos formativos como condição de produção da subjetividade. A partir de uma análise histórica e crítica reúne um conjunto de pesquisas, com vistas a produzir inovações sobre os fundamentos teórico-metodológicos das práticas educativas e psicológicas nos contextos da educação e do trabalho. Com estudos referenciados nos pressupostos da Psicologia Sócio-Histórica, da Análise do Discurso e da Psicanálise desenvolve investigações de diversas naturezas em que os processos de produção da subjetividade na formação do indivíduo para 14

15 o mundo do trabalho contemporâneo, desde as práticas de letramento aos processos de escolha, formação e inserção profissional, constituem o principal foco. Pesquisadores: Prof. Dr. João Henrique Rossler; Profª Drª Luciana Albanese Valore; Profª Drª Miriam Aparecida Graciano de Souza Pan; Profª Drª Norma da Luz Ferrarini Zandoná; Prof. Dr. Sidney N. de Oliveira Cooperação e Intercâmbios: Os professores desta linha já possuem intercâmbio de pesquisa com outras universidades e institutos de pesquisa, onde participam de bancas de mestrado e doutorado, além de publicações conjuntas. São elas: o Instituto Paulo Freire; Universidade Tuiuti do Paraná Programa de Pós-graduação em distúrbios da comunicação -; Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo e o programa de pós-graduação em educação escolar da UNESP de Araraquara. Além disso, outras parcerias consolidadas no plano da extensão, também se constituem demandas relevantes de pesquisa para este grupo como Secretaria de Estado da Educação, a Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, e Secretarias de Educação da região metropolitana, junto as quais são desenvolvidos projetos e eventos de extensão que conferem aos professores um papel de liderança na definição/ análise/ crítica das políticas públicas na área da educação básica. É também no nível do ensino médio e superior que este grupo vem ocupando posição de destaque na investigação do fenômeno da evasão e na análise inovadora das políticas públicas afirmativas para o ensino superior. Cabe ressaltar ainda a prática de trabalho coletivo deste grupo, que tende a se consolidar ainda mais com o início do programa de mestrado. Pesquisas: 1) Trabalho, Educação e Psicologia na Sociedade Contemporânea: a formação do indivíduo para o mundo do trabalho contemporâneo. 2) Orientação Profissional e Projeto de Vida: contribuições possíveis, desafios necessários 3) "Não era bem isso o que eu queria"... A dúvida quanto ao curso universitário: uma análise institucional de discursos. 4) Práticas de letramento e processos subjetivos: um estudo sobre exclusão escolar. 5) Processos subjetivos e instituições contemporâneas: um estudo das Políticas Públicas Inclusivas 6) O sentido da Psicologia e a Configuração da subjetividade nos alunos de Psicologia da Universidade Federal do Paraná. 7) O sistema de cotas da Universidade Federal do Paraná 8) A formação do professor diante do modelo industrial de referência gerencial e didático-pedagógico na escola. 9) Psicanálise, Educação para a Paz e Direitos Humanos 10) Contribuições da psicanálise e da pedagogia libertadora para compreensão das subjetivações e identificações dos adolescentes escolares com atores, produtos e ideologias do rock na região metropolitana de Curitiba. II - Psicologia Clínica A Psicologia Clínica é um dos campos de excelência da práxis psicológica na abordagem do sofrimento humano. A clínica engendra problemas e questionamentos de pesquisa que requerem constante investigação tanto em suas sistematizações teóricas quanto em sua prática. A proposta de uma linha de pesquisas em Psicologia Clínica encontra sua relevância destacada na aplicação a contextos diferenciados para além do setting clínico tradicional, tais como a Saúde Mental e Coletiva, Grupos de Risco ou Religião; bem como no desenvolvimento de um programa de pesquisas que visem a elaboração de questões teóricas e empíricas sobre a prática clínica, seus fundamentos, suas bases teóricas e conceituais, nas mais diferenciadas abordagens. Busca ainda aquilatar questionamentos relativos às diversas epistemologias que constituem o campo clínico. Pesquisadores: Prof. Dr. Adriano Furtado Holanda; Prof. Dr. Jamil Zugueib Neto; Profª Drª Jocelaine Martins da Silveira; Profª Drª Maria Virgínia Filomena Cremasco; Profª Drª Nadja Nara Barbosa Pinheiro; Prof. Dr.Vinicius.Anciães Darriba. Cooperação e Intercâmbios: Os pesquisadores desta linha possuem vínculo consolidado de cooperação com o Lebanese Center for Societal Research; Lebanneze Emigration Recherches Center (University Notre Dame, Beirute, Líbano) ; com o Centro de Estudos da Violência Urbana e das Crises, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ); San Jose State University CA (Estados Unidos); Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental. Interesses comuns de pesquisa e estudos equivalentes vêm consolidando estas cooperações que deverão avançar com a abertura do Mestrado. A linha de 15

16 pesquisa, sob a coordenação da Profª Drª Maria Virgínia Cremasso, organizará IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental, que será sediado pela UFPR em Além disso, Projetos desenvolvidos em conjunto à Secretaria de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social do Paraná vêm consolidando demandas de pesquisa para a equipe de pesquisadores desta linha. Pesquisas: 1) Enfrentamento do Traumático na Clínica Psicanalítica 2) A Experiência com Ayahuasca sob a Perspectiva da Psicopatologia Fundamental 3) Sexualidade Masculina e Contemporaneidade 4) A Noção de Self e o Comportamento Perceptivo: Um estudo sobre a mudança clínica 5) Efeitos de um treino em FAP no relato de comportamentos clinicamente relevantes do cliente 6) Fenomenologia e Ciências do Homem 7) Fenomenologia da Experiência Religiosa e Saúde Mental 8) Psicanálise e corpo: reflexões sobre os fenômenos psicossomáticos a partir do trabalho clínico 9) A Experiência Psicanalítica, a Formação do Analista e a Psicanálise na Universidade 10) Memória, sofrimento étnico e assimilação cultural. Libaneses na guerra do pente em Curitiba 11) Processos identitários, saúde mental e resistência psíquica em situações de violências sociais extremas. Reflexões e distinções entre populações do sul do Líbano e uma favela brasileira. III - Avaliação e Reabilitação Neuropsicológica A linha Avaliação e reabilitação neuropsicológica pretende: i) adaptar e desenvolver testes de avaliação neuropsicológica; ii) obter dados e comparar o desempenho nos testes neuropsicológicos indivíduos saudáveis e com comprometimento cognitivo; iii) estabelecer valores normativos de desempenho em testes neuropsicológicos; iv) desenvolver e avaliar programas de reabilitação neuropsicológica. O campo da Neuropsicologia foi apenas recentemente delimitado no Brasil. A criação de uma linha de pesquisa em Avaliação e reabilitação neuropsicológica responde a uma crescente demanda para formar docentes qualificados e desenvolver instrumentos e estratégias adequados ao contexto sociocultural brasileiro. Sendo assim, constitui-se em um dos poucos centros de pesquisa do país específico na área e vinculado a um Mestrado em Psicologia. A linha pretende: i) adaptar e desenvolver testes de avaliação neuropsicológica adequados ao contexto nacional; ii) obter dados e comparar o desempenho nos testes neuropsicológicos indivíduos saudáveis e com comprometimento cognitivo; iii) estabelecer valores normativos de desempenho em testes neuropsicológicos; iv) desenvolver e avaliar programas de reabilitação neuropsicológica. Atraves dessas contribuições, a linha poderá consolidar-se como formadora de pesquisadores e produtora de conhecimento em Neuropsicologia. Pesquisadores: Prof. Dr Amer Cavalheiro Hamdan; Profª Drª Ana Paula Almeida de Pereira; Profª Drª Tatiana Riechi Cooperação e Intercâmbios: Esta linha de pesquisa apresenta intercâmbio de pesquisa junto à Universidade da California San Diego - HIV Neurobehavioral Research Center e atividades de cooperação com a Universidade de Wisconsin. Pesquisas: 1) As Funções Executivas como Fator Preditivo da Integração no Mercado de Trabalho de Pessoas com Traumatismo Cranio-Encefálico 2) O Diagnóstico Precoce de Problemas Cognitivos em Grupo de Crianças com Infecção por HIV: Estudo Preliminar 3) Efeito dos subtipos de HIV nos distúrbios cognitivos e neurológicos no sul do Brasil 4) Avaliação neuropsicológica do controle executivo e da memória episódica no envelhecimento, no comprometimento cognitivo leve e na Doença de Alzheimer IV - Psicologia do Trânsito: avaliação e prevenção Esta linha de pesquisa atende a um dos grandes problemas de saúde pública no país, pois o trânsito constitui a segunda causa de mortalidade no Brasil, entre as causas externas. É urgente, portanto, a produção de conhecimento sobre o comportamento humano, já que mais de 85% dos chamados acidentes, estão relacionados a fatores humanos. Esse conhecimento deve ser capaz de orientar o gerenciamento de ações que resultem em redução da morbimortalidade. A importância social do tema está constatada pelo posicionamento da Organização Mundial da Saúde que considera o trânsito como um problema de Saúde Pública. A Psicologia do Trânsito é reconhecida pelo CFP como uma especialidade dentro da Psicologia. Atualmente o CFP tem conduzido discussões que 16

17 culminaram na criação do MNDT: Movimento Nacional pela Democratização do Trânsito. A Resolução 267/2008 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito) define o papel da Psicologia no âmbito das ações regulamentadoras para obtenção da CNH. O Código de Trânsito Brasileiro destaca a importância de ações da Psicologia, e até mesmo instiga a criação de Núcleos Interdisciplinares para desenvolver ações no âmbito das Universidades. Não existe no Brasil nenhum curso de pósgraduação stricto sensu com uma linha de pesquisa voltada para a problemática do comportamento humano no trânsito. É preciso formar pesquisadores na área. O Núcleo de Psicologia do Trânsito (NPT) da UFPR atua desde 2001 sendo referência, na comunidade interna e externa da universidade, em psicologia do trânsito. O NPT tem recebido apoios diversos para o desenvolvimento de suas atividades indicando assim o reconhecimento da importância de serem desenvolvidas pesquisas na área. Pesquisadores: Profª Drª Alessandra Sant'Anna Bianchi; Profª Drª Iara Picchioni Thielen Cooperação e Intercâmbios: Universidade de Helsinque, Finlândia; Universidade de Talca, Chile; Universidade de Valência, Espanha, UnB e UNIFESP. O Núcleo de Psicologia do Trânsito (NPT) da UFPR atua desde 2001 sendo referência, na comunidade interna e externa da universidade, em psicologia do trânsito. Esta linha se desenvolve por meio das ações do Núcleo de Psicologia do Trânsito, o qual tem recebido apoios diversos para o desenvolvimento de suas atividades, indicando o reconhecimento da importância de serem desenvolvidas pesquisas na área. O VII Congresso Brasileiro e o I Ibero-americano de Psicologia do Trânsito foram promovidos pelo Núcleo de Psicologia do Trânsito em 2007, com apoio do Ministério da Saúde e da Fundação Araucária. Pesquisas: 1) Percepção de risco e comportamento no trânsito 2) Desenvolvimento moral e comportamento no trânsito 3) O que é ser bom motorista 4) Percepção de risco e comportamento humano 5) Validação da intervenção "Projeto Transformando o Trânsito" (CNPq) 6) Comportamento no trânsito: a busca de um perfil de Pedestres e Motoristas V - Projeto Isolado: Título: Fundamentos conceituais do behaviorismo radical: epistemologia, ética e cultura Justificativa: A presença do professor Alexandre na proposta de Mestrado em Psicologia da UFPR justifica-se, sobretudo, por dois motivos: (1) Sendo doutor em Filosofia, o professor privilegiou, em sua formação, estudos sobre história e epistemologia da psicologia, tendo, portanto o perfil adequado para possibilitar o diálogo epistemológico proposto pelo presente projeto de mestrado em Psicologia; (2) Sendo membro ativo da comunidade dos analistas do comportamento, compondo o Grupo de Trabalho na ANPEP - Investigações Conceituais e Aplicadas em Análise do Comportamento, já com reconhecimento de sua produção científica no país, cria-se a perspectiva de fortalecimento de pesquisas direcionadas ao behaviorismo radical e à análise do comportamento no mestrado. Além disso, como editor da revista Interação em Psicologia, do Departamento de psicologia da UFPR, o professor consolida sua posição de liderança na produção e divulgação de conhecimento na psicologia nacional. Pesquisador: Prof. Dr.Alexandre Dittrich Como pode ser observado acima, os professores do mestrado apresentam diversos vínculos de cooperação em pesquisa em nível municipal, estadual, nacional e internacional. Muitos destes vínculos, por um lado, iniciados através de projetos de extensão junto à comunidade local, têm propiciado o desenvolvimento de projetos de pesquisa e consolidado parcerias, levando ao reconhecimento do trabalho realizado no Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná pela comunidade da região. Por outro lado, atividades de cooperação e intercâmbio nacionais e internacionais já fazem parte da realidade deste grupo, consolidando uma base sólida de práticas de investigação, com inserção e reconhecimento local, regional, nacional e internacional. Considerando o histórico do Departamento de Psicologia, sua crescente capacidade de superação e recriação em face dos obstáculos vividos; sua capacidade de contribuir para a produção de conhecimento e formação do profissional docente em Psicologia, considerando ainda os avanços alcançados na organização dos grupos de pesquisa e na renovação de seu corpo docente, o Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná vem propor sua re-inserção na pósgraduação stricto sensu através da criação do MESTRADO EM PSICOLOGIA. 17

18 6) AREA DE CONCENTRAÇÃO E LINHAS DE PESQUISA Área de Concentração 1. Nome: PSICOLOGIA Descrição: Esta Área de Concentração irá concentrar práticas investigativas de quatro linhas de pesquisa que se tangenciam por seu caráter de aprofundamento no debate sobre a PSICOLOGIA, em seus fundamentos epistemológicos e históricos, sua multiplicidade teórico-metodológica e na análise, aplicação, criação e re-criação de suas práticas de investigação e intervenção. Linhas de Pesquisa I - PRÁTICAS EDUCATIVAS E PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE Área de Concentração: PSICOLOGIA Descrição: Estudo dos processos de produção da subjetividade para o mundo do trabalho na sociedade contemporânea, desde o letramento à escolha, formação e inserção profissional. Objetivos: Investigar, de modo particular e à luz de distintos referenciais teórico-metodológicos, os processos de produção da subjetividade nas práticas de formação do individuo para o mundo do trabalho contemporâneo; Identificar os efeitos produzidos pelas práticas psicológicas, nos contextos da educação e do trabalho, na constituição desses processos; Produzir inovações sobre os fundamentos teórico-metodológicos das práticas educativas e psicológicas; Qualificar pesquisadores e professores de Psicologia no âmbito da Psicologia Escolar e Educacional e da Psicologia do Trabalho. II - Psicologia Clínica Área de Concentração: PSICOLOGIA Descrição: A clínica, em suas diferentes modalidades, como campo de investigação conceitual e empírica fundamentada em referenciais teóricos diversos. Objetivos: Produção de conhecimento a partir da articulação entre teorias e práticas clínicas; Formação de pesquisadores na área de Psicologia Clínica; Preparação de profissionais para a atividade da docência na área. III - AVALIAÇÃO E REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA Área de Concentração: PSICOLOGIA Descrição: Desenvolvimento e atualização de instrumentos para diagnóstico e tratamento da interação cérebro comportamento em indivíduos que apresentam comprometimento cognitivo. Objetivos Ampliar os modelos já conhecidos e criar novas hipóteses sobre as interações cérebrocomportamentais; Levantar dados clínicos que permitam diagnosticar e estabelecer tipos de intervenção para indivíduos e grupos de pessoas que apresentam comprometimento cognitivo para que possam melhorar, compensar, contornar ou adaptar-se às dificuldades; 18

19 Desenvolver materiais e instrumentos, tais como testes, jogos, livros e programas de computador que auxiliem na avaliação e reabilitação neuropsicológica. IV - PSICOLOGIA DO TRÂNSITO: AVALIAÇÃO E PREVENÇÃO Área de Concentração: PSICOLOGIA Descrição: Investigação das percepções e comportamentos associados à mobilidade humana, tendo em vista a prevenção de acidentes e educação psicológica para o trânsito. Inclui a construção de instrumentos e a análise conceitual em diferentes perspectivas psicológicas. Objetivo: Aprofundar a investigação sobre os fatores relacionados aos comportamentos no trânsito, visando gerar conhecimento para orientar políticas públicas, gerenciamento de riscos, educação para adoção de comportamentos seguros, intervenções multidisciplinares. V - PROJETO ISOLADO: Área de Concentração: PSICOLOGIA Objetivo: Promover a dicussão e pesquisa epistemológica entizando as contribuições do behaviorismo radical. Título: Fundamentos conceituais do behaviorismo radical: epistemologia, ética e cultura 19

20 7) CARACTERIZAÇÃO DO CURSO 1. Nível: Mestrado em PSICOLOGIA 2. Objetivos/Perfil profissional a ser formado O Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná tem o objetivo geral a qualificação para pesquisa e para o ensino em Psicologia. Nesse intento parte-se de uma reflexão crítica do saber científico em psicologia, considerando sua multiplicidade de objetos e abordagens teóricas e metodológicas. Objetivos específicos: Produzir e divulgar conhecimento científico com relevância social na área específica da Psicologia, fomentando a pesquisa em psicologia na região sul do Paraná; Integrar graduação e pós-graduação, articulando a produção do conhecimento com a ênfase em pesquisa do atual currículo de graduação; Formar professores de Psicologia para o exercício docente no sistema de ensino superior; Formar pesquisadores em Psicologia que atuem com rigor científico, ético e autonomia intelectual e ideológica sobre os temas investigados, em consonância com questões atuais dos campos e áreas da Psicologia; Produzir conhecimento que subsidie teoricamente intervenções profissionais em diferentes contextos e sobre diferentes temáticas; Contribuir para o aprofundamento do debate sobre a educação nacional, seus fundamentos e práticas, em diferentes instâncias e níveis. Perfil do Aluno O perfil do pesquisador a ser formado envolve as seguintes competências: Compreensão teórica dos processos psicológicos, considerando-se fatores biológicos, sociais, históricos e culturais; Capacidade de investigação, análise e proposições de formas diferenciadas de encaminhamento para as diversas demandas sociais que se apresentam à psicologia; Capacidade de identificar, a partir do trabalho de pesquisa, as transformações necessárias ao enfrentamento de problemas concernentes aos diferentes campos e áreas da Psicologia, identificando possíveis formas de intervenção; Capacidade para formular propostas de investigação com base em princípios éticos da prática científica, e segundo os desafios da ciência contemporânea. Compreensão da complexidade e da multireferencialidade que compõem o objeto de estudo da Psicologia; Capacidade de reflexão crítica no âmbito da docência e da pesquisa; Capacidade de identificar problemas relevantes ao desenvolvimento da Psicologia como ciência; 3. Estrutura curricular: 3.1 Total de Créditos = Créditos para Disciplinas = Obrigatórias = Optativas = Créditos para Atividades formativas complementares = Créditos para Dissertação = Periodicidade de Seleção: Anual 3.6 Vagas: 20 O número inicial de vagas previstas no projeto é de 20, sendo que na segunda seleção o curso contará com 40 alunos, o que resultará em três orientandos para 50% do corpo docente e dois orientandos para o restante. No terceiro ano este número será ampliado, possibilitando uma média de três orientandos por orientador. Descrição sintética de oferta do curso: O Curso de Mestrado em Psicologia da UFPR terá duração de dois (02) anos, exigindo o cumprimento de um total de 24 créditos, sendo 04 créditos correspondentes às atividades de dissertação. 20

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação LINHA 1 - PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS, HISTÓRICAS E POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI ANÁLISE DAS REFERÊNCIAS DAS DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Trabalho integrado da Rede Brasileira de Bibliotecas

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR Campus Nova Iguaçu

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR Campus Nova Iguaçu UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR Campus Nova Iguaçu Projeto de Implementação do Campus da UFRRJ em Nova Iguaçu política de interiorização da UFRRJ através de convênios

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MESTRADO EM EDUCAÇÃO

MESTRADO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O CURSO 1. Recomendação pela Capes: ofício nº 115-20/2012/CTC/CAAII/CGAA/DAV/ CAPES de 2 de outubro de 2012. 2. Objetivo geral: formar o pesquisador, o docente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Legislação Constituição Federal 1988 LDB Lei nº 9.394 de 1996 SINAES Lei nº 10.861

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

CURSO DE MESTRADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL b CURSO DE MESTRADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a MASTER ASSESSORIA EDUCACIONAL criou o Curso de Mestrado em Comunicação Social, na intenção de suprir a

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO COM ÊNFASE EM ECONOMIA SOLIDÁRIA EJA CAMPO/ECOSOL Nível: Especialização Modalidade: Presencial / A distância Parte 1 Código / Área Temática 34/Educação de Jovens e

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU PROF.

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Proposta Substitutiva para as Diretrizes Curriculares em Educação Física. Por Comissão Especial do Ministério do Esporte 2003

Proposta Substitutiva para as Diretrizes Curriculares em Educação Física. Por Comissão Especial do Ministério do Esporte 2003 Proposta Substitutiva para as Diretrizes Curriculares em Educação Física Por Comissão Especial do Ministério do Esporte 2003 Cenário LDB 9394/96 desencadeia processo de mudanças no ensino superior. Parecer

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB. Pró-Reitoria de Graduação

Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB. Pró-Reitoria de Graduação Universidade Estatual do Sudoeste da Bahia UESB Pró-Reitoria de Graduação ESTRUTURA PROGRAD A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) é um órgão assessor da Reitoria responsável pelo Ensino de Graduação. Atualmente

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB).

RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). RELATO DE EXPERIÊNCIAS NA GESTÃO DA EAD: NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA(UFSM) E NA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL(UAB). Profa. Dra. Maria Medianeira Padoin 1 RESUMO: Relato e análise de experiências

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Amália Madureira Paschoal 1 Em defesa da Universidade gratuita, autônoma e de qualidade, em todos

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais