PROGRAMA DE EXTENSÃO EDUCACIONAL NÚCLEO DE ARTE, DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO: LUXO OU NECESSIDADE?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE EXTENSÃO EDUCACIONAL NÚCLEO DE ARTE, DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO: LUXO OU NECESSIDADE?"

Transcrição

1 PROGRAMA DE EXTENSÃO EDUCACIONAL NÚCLEO DE ARTE, DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO: LUXO OU NECESSIDADE? Renata Wilner EBA/UFRJ O título desta comunicação é uma paródia do livro de Louis Porcher, Educação Artística: luxo ou necessidade?, cuja publicação original francesa data de O livro procura oferecer argumentos sociológicos, políticos e pedagógicos para justificar a introdução da Educação Artística no currículo escolar obrigatório, que ocorria na época, inclusive no Brasil. Hoje, a área da Arte já se encontra plenamente incorporada como disciplina escolar, ainda que resíduos de desvalorização e marginalização se façam ambiguamente presentes. O avanço é possível se nos perguntarmos a respeito de como está sendo oferecido o ensino de arte. Qual sua conceituação, metodologia, estrutura, estratégias de ensino e relação com o contexto social em que se insere. Minha pesquisa focaliza particularmente a experiência do Programa de Extensão Educacional Núcleo de Arte, na Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro, no qual trabalhei entre 2002 e A manutenção de dez unidades especializadas em ensino de arte, com turmas de quantitativo reduzido de alunos, recursos aprimorados (como instrumentos musicais, sala de dança com espelhos na parede, espaço cênico, ateliê com materiais diversificados, equipamento de produção de vídeo), seria um luxo desnecessário, já que na grade curricular obrigatória é oferecida a disciplina Arte? Apresentação do Programa de Extensão Educacional Núcleo de Arte O Programa de Extensão Educacional da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro compreende três modalidades, mantendo em funcionamento, atualmente, 10 Núcleos de Arte (um ainda em fase de implantação, em 2008), 19 Pólos de Educação pelo Trabalho (experiências que dialogam com o mundo do trabalho) e 13 Clubes Escolares (práticas desportivas), distribuídos entre as dez Coordenadorias Regionais de Educação. 1 As Unidades de Extensão são pluriescolares, atendendo a alunos de várias escolas, que se inscrevem opcionalmente nas oficinas de seu interesse, oferecidas em horários alternativos ao que estão matriculados na grade curricular obrigatória. As Unidades de Extensão Educacional atendem prioritariamente, mas não exclusivamente, a alunos matriculados na Rede Municipal de Ensino. Os Núcleos de Arte oferecem oficinas de Artes Visuais, Teatro, Dança, Música, Arte Literária e Vídeo. É muito comum alunos freqüentarem mais de uma oficina, e os professores planejarem conjuntamente trabalhos que integrem diferentes linguagens. Mas o espaço, tempo, recursos e especificidades metodológicas de cada linguagem são resguardados. Como existe a disciplina Arte na grade curricular obrigatória, estou propondo a discussão do papel do ensino de arte em caráter de extensão, seu locus e jogo de relações com o ensino nas Unidades Escolares. Trajetória e transformações estrutural-metodológicas A origem do Programa Núcleo de Arte data de 1992, ainda na gestão do Prefeito Marcello Alencar, quando Carlos Silveira elaborou o projeto Núcleo de Arte. Na estrutura de então, na Secretaria Municipal de Educação, Carlos Silveira integrava o Departamento Cultural, subordinado a um Departamento Geral de Ação Comunitária, que criou vários projetos culturais 1 A distribuição regional não é homogênea, há CREs (Coordenadorias Regionais de Educação) que não possuem unidades em alguma das modalidades de extensão, enquanto outras possuem mais de uma unidade na mesma modalidade. O quantitativo de unidades de extensão ainda não atingiu o número previsto na Lei Municipal nº 2619 de 16/01/1998 quatorze Núcleos de Arte, quatorze Clubes Escolares e vinte e quatro Pólos de Educação pelo Trabalho.

2 na Rede Municipal de Ensino, alguns ainda em vigor - como a Mostra de Dança, o Festival da Canção das Escolas Municipais (FECEM), o Poesia na Escola, entre outros. Esses projetos culminam em grandes eventos e em publicações. Diante da receptividade desses projetos culturais por alunos e professores, a equipe do Departamento Cultural resolveu criar um pólo com oficinas de linguagens artísticas, e encontrou disponibilidade na Escola Municipal Didia Machado Fortes, na Barra da Tijuca. Ali foi implantado um projeto piloto do Núcleo de Arte em 1993, que funcionou até Nesse período, houve transição para a gestão do Prefeito Cesar Maia e da Secretária Regina de Assis. Diante da inviabilidade da expansão do ensino integral, a idéia foi tomando corpo e deu origem aos programas de extensão educacional. Em 1994, foram implementados mais dois Núcleos de Arte, um em um pavilhão desocupado no Centro Psiquiátrico Pedro II, no Engenho de Dentro (atual Núcleo de Arte Nise da Silveira), e outro na E.M. Souza da Silveira, em Piedade (ambos ainda se encontram em funcionamento). As dificuldades iniciais de aceitação advinham da direção das escolas, da desconfiança das comunidades e em parte da própria Secretaria Municipal de Educação (SME). A conquista das comunidades atendidas se deu rapidamente através da repercussão do trabalho e satisfação dos alunos, com o recrutamento paulatinamente crescente e trabalho de divulgação dos professores. Já as direções de escolas são mais resistentes ao que consideram um corpo estranho em suas dependências, à circulação de alunos e responsáveis oriundos de outras unidades escolares, ou ao próprio tipo de atividade - envolvendo ações corporais, vocais e ambientais que contrariam a ordem disciplinar estabelecida na cultura escolar, de silêncio, limpeza, controle do corpo (a posição sentada e estática como dominante). Alguns Núcleos de Arte, por conta dessa incompreensão, tiveram duração efêmera. Foram os casos da experiência piloto na E.M. Didia Machado Fortes (1993 a 1995), e do Núcleo de Arte instalado na E.M. Gonçalves Dias, em São Cristóvão ( ). Como espaço exclusivamente dedicado ao ensino de arte, o Núcleo de Arte confere uma marca institucional diferente da escola, onde a arte é uma das várias disciplinas (e geralmente desvalorizada e relegada ao segundo plano) que compõem uma formação geral dos alunos. O caráter de formação não é dispensado no Núcleo de Arte, já que se trata de instituição educacional, mas é uma formação específica, direcionada para o aprimoramento de competências em linguagens artísticas. Na fase inicial, Carlos Silveira definiu o trabalho como de ateliê livre, priorizando o aspecto artístico e relegando o pedagógico, que ficaria a cargo da escola obrigatória. Há uma ênfase na expressão e no ensino de técnicas artísticas, ainda desvinculada da contextualização histórica, estética, cultural, principalmente nas faixas etárias menores. O critério inicial de seleção de professores era sua atividade e formação artística paralela, independente da licenciatura e da disciplina para a qual foram concursados e atuavam na grade, o que posteriormente esbarrou em impedimentos legais. A esse respeito, podemos considerar que embora, por um lado, a licenciatura na linguagem artística não seja uma garantia de qualidade profissional (mas seja o critério mais objetivo de comprovação de preparação para o desempenho da função), por outro lado, o fato de possuir uma trajetória artística por si não é garantia de domínio do processo pedagógico de arte. Pode, inclusive, limitar o programa de ensino e o direcionamento das propostas aos interesses do professor (se for um pintor, por exemplo, enfatizará experiências nesse meio de expressão, e assim por diante). No período em que José Henrique de Freitas Azevedo e Jurema Holperin, subseqüentemente, coordenaram o Programa Núcleo de Arte, a partir de 1995, iniciou-se uma ênfase no pedagógico. A estrutura interna da Secretaria Municipal de Educação mudou, surgiu o Projeto Linguagens Artísticas (PLA), que concentrava todos os projetos e ações relativas à arte e cultura na Rede Municipal, promovendo diversas ações como capacitações para os professores, discussões metodológicas sobre o ensino de arte, organização de seminários e palestras, manutenção dos projetos culturais para os alunos. O PLA continha uma equipe especialmente dedicada à coordenação geral do Programa Núcleo de Arte, com responsáveis por cada linguagem artística. A discussão desse grupo, principalmente entre 1999 e 2002, período sob coordenação geral de Jurema Holperin, constituiu um processo que, articulado com os demais professores

3 dos Núcleos de Arte, desenhou a estrutura pedagógica do programa. Em linhas gerais, esta consiste na divisão dos níveis de ensino no Módulo Básico, Módulo de Continuidade e Prática de Montagem, e na estratégia de elaboração de um fio condutor definido anualmente, de forma a dar uma coerência e estruturação geral das ações do programa (como palestras e capacitações sobre o tema; por exemplo, em 2006, o fio condutor abordou arte da África). A orientação do projeto definido em cada Núcleo de Arte também é favorecida pelo mote do fio condutor. Para cada linguagem, foram elaborados também conceitos-chave e diretrizes metodológicas. Esses ajustes foram necessários, e a implementação dessa estruturação pedagógica se deu através de intenso diálogo entre os professores lotados no Nível Central e os coordenadores e professores atuando nos Núcleos de Arte, com constantes reuniões, relatórios, avaliações, discussões, sugestões. Essa maior estruturação foi estrategicamente necessária, porque em 1995 houve mudanças administrativas na SME e o Programa Núcleo de Arte necessitou afirmar sua eficácia e seriedade, a fim de garantir sua permanência. 2 A balança começou então a pender para o pólo pedagógico, o que gerou conflito com um modelo anteriormente mais informal, aberto e de prioridade à arte como finalidade. O crescente grau de formalização começou a preocupar alguns professores, pois temiam que os Núcleos de Arte reproduzissem estruturas questionáveis do sistema escolar, como as avaliações classificatórias. Havia uma preocupação também com a perda da especificidade artística, embora a instituição seja exclusivamente voltada para essa área. A tônica da discussão entre os professores recai sobre o grau de liberdade necessário ao desenvolvimento das atividades artísticas e a identificação do Núcleo de Arte de forma diferenciada do currículo escolar obrigatório. Posteriormente, com a reestruturação da Diretoria de Educação Fundamental (DEF) do Departamento Geral de Educação, em 2002, o PLA foi extinto e suas ações desmembradas em equipes dissociadas. O programa Núcleo de Arte passou a ser supervisionado por uma equipe interna (coordenada por Marco Miranda), que é responsável também pelos outros programas de extensão educacional, o Pólo de Educação pelo Trabalho e o Clube Escolar, perdendo o foco exclusivo sobre a questão do ensino de arte no Nível Central da SME. Isto revela, no tratamento administrativo, a preponderância do aspecto pedagógico (o critério qualificativo da extensão escolar) sobre o aspecto da especificidade das atividades artísticas. Tal alteração implicou em algumas perdas de ações que eram promovidas pelo extinto PLA, diminuindo a freqüência de capacitações, palestras, seminários, encontros e eventos destinados aos professores de arte da Rede Municipal e de Núcleos de Arte, em particular. O gerenciamento dos recursos, a partir de 1995, ficou sob responsabilidade de cada Coordenadoria Regional de Educação, o que torna os investimentos dependentes da percepção de cada gestor. A discussão a respeito do grau de formalidade do ensino no Programa Núcleo de Arte revela uma tensão entre arte e educação, que se reflete na concepção das suas diretrizes metodológicas ao longo de fases distintas. Duas leituras se entrecruzam nesse processo de redefinição institucional. A primeira delas diz respeito às concepções de ensino de arte: na proposta inicial, de ateliê livre, do ensino modernista de arte e livre expressão; e na etapa seguinte, do ensino pós-moderno de arte, levando em conta os aspectos cognitivos, além dos expressivos, e contextuais na criação e leitura dos múltiplos códigos de arte, com um direcionamento pedagógico mais coeso. A segunda via de entendimento do processo diz respeito à própria inserção no sistema escolar, que se dá de forma ambígua: ao mesmo tempo em que mantém laços com o aparato institucional da Rede Municipal, como as diretrizes curriculares gerais para a área de arte, a finalidade prioritariamente educacional, os Núcleos de Arte procuram manter uma autonomia e marcar sua diferenciação da escola regular obrigatória. A indefinição inicial diz respeito também à abertura para a experimentação do novo e da ruptura com um modelo estabelecido expresso pela escola obrigatória, com normatização rígida. O Núcleo de Arte sempre procurou uma estrutura alternativa, mesmo porque necessita conquistar a adesão voluntária dos alunos. A constatação de necessidades a partir da própria experiência foi direcionando a estruturação peculiar que propiciou sistematizar uma 2 A oficialização dos Programas de Extensão Educacional só ocorreu posteriormente, através da Lei Municipal nº 2619, publicada em 16 de janeiro de 1998.

4 metodologia de trabalho e garantir a continuidade do mesmo. Mas há uma preocupação recorrente em não intensificar a formalização do ensino nos Núcleos de Arte, de modo a manter uma diferenciação do caráter institucional da escola. Consideramos que é possível superar essa dissociação de interesses artísticos e pedagógicos, a partir de uma adequação conceitual e metodológica, com a ação pedagógica fundamentada no lúdico, no prazer, no estímulo ao potencial criativo, no pensamento divergente, na pesquisa da linguagem artística. Relevância e identidade institucional Embora seja necessário resguardar uma nítida distinção da escola regular obrigatória, há que se considerar que o Núcleo de Arte faz parte de uma mesma rede pública de ensino, o que gera vínculos e compromissos. Desde o projeto inicial, estava previsto que os Núcleos de Arte se transformassem em referência para o ensino de arte na Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro. Essa referência se daria através de acervo bibliográfico, audiovisual e sonoro específico, configurando bibliotecas regionais de arte, bem como de constituir fóruns de discussão sobre ensino de arte, estabelecendo vínculos entre os professores dos Núcleos de Arte e os demais professores da Rede Municipal. Além disso, o Núcleo de Arte tem condições de oferecer um trabalho de qualidade diferenciada, comparativamente ao trabalho da grade curricular, devido a condições mais favoráveis, como a redução do quantitativo de alunos por turma, ampliação da carga horária semanal, a disponibilidade maior de recursos e materiais específicos, um projeto pedagógico institucional voltado exclusivamente para a arte e o caráter optativo, que aumenta o grau de interesse envolvido no desenvolvimento das atividades. Na escola regular obrigatória geralmente não é possível o oferecimento de todas as linguagens artísticas, por impossibilidade administrativa de lotação de profissionais, enquanto nos Núcleos de Arte são oferecidas as diferentes linguagens e elaborados projetos integrando-as. Alunos e professores se enriquecem com essa possibilidade das diferentes linguagens em contato em um mesmo espaço e projeto pedagógico. É também compreensível, embora polêmico, que a Secretaria Municipal possa incrementar a qualidade de dez unidades, o que se complica em relação ao atendimento de 1062 escolas e alunos (dados de 2008). Desse total, os Núcleos de Arte atendem a 5386 alunos (média de 2008). Além disso, a organização estrutural das escolas regulares impõe uma série de limitações às condições para o ensino de arte, que vão do espaço e materiais adequados, ao tempo de aula de apenas 50 minutos, o qual dificulta as etapas preparatórias e o desenvolvimento de processos de criação artística. Essas limitações da escola são vencidas, em unidades especialmente estruturadas para o ensino de arte. A possibilidade do aprofundamento do trabalho no Núcleo de Arte reforça a importância da continuidade do funcionamento do programa. Entretanto, não se trata de uma substituição, e sim de uma complementação para a formação do aluno. O Núcleo de Arte não elimina a necessidade do trabalho de base e amplitude do ensino de arte na grade curricular obrigatória, direito garantido pela legislação e fruto do reconhecimento da arte como um saber constituinte da formação humana. As condições favoráveis nos Núcleos de Arte podem levar a um esforço de melhoria das condições do ensino de arte na rede como um todo, por parte dos gestores. Isto seria inerente ao papel de referência, que articularia transformações na Rede a partir das experiências bem-sucedidas e a visibilidade das condições que as geraram. Além disso, falta incrementar um maior intercâmbio entre Núcleo de Arte e escolas da Rede Municipal, através de ações como projetos em parceria, apresentação de experiências, debates e oficinas para professores (principalmente os generalistas das faixas etárias menores, Coordenadores Pedagógicos e Diretores), oficinas com convidados externos à Rede (artistas, agentes culturais, críticos e teóricos de arte). Algumas dessas ações já ocorrem, mas o Núcleo de Arte ainda não atingiu plenamente seu papel de referência na Rede Municipal (em parte, por resistência das escolas e professores que não atuam em Núcleos de Arte, mas também pela

5 timidez em assumir tal papel, encerrando-as dentro do próprio Programa). Torna-se premente retomar o entusiasmo dos anos iniciais (apagado em parte pela crescente formalização e burocratização assinaladas), que levou a ações como, por exemplo, a montagem de uma exposição com produção dos Núcleos de Arte no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em Por outro lado, há que reconhecer que os Núcleos de Arte lidam com problemas próprios, como a flutuação dos alunos, devido ao caráter optativo, comprometendo a qualidade do trabalho que requer continuidade, dedicação e freqüência regular. Outro problema diz respeito às dificuldades de circulação de crianças e jovens na cidade, principalmente devido ao quadro de violência. Os jovens de camadas populares têm sua movimentação restrita a territórios codificados pela dominação das quadrilhas do narcotráfico, e sofrem estigma principalmente através de abordagens policiais. Tais características dos conflitos sociais no Rio de Janeiro afetam o alcance da pluriescolaridade das unidades de extensão educacional, que ficam restritas basicamente ao atendimento dos alunos da escola que as sediam e de poucas unidades mais próximas. Diante do caráter optativo, faz-se necessária uma grande seriedade e eficiência no trabalho, para que o aluno estabeleça um vínculo de compromisso. Experiências pedagógicas pautadas nas liberdades de escolha dos alunos têm sido bem sucedidas, como é o caso da Escola da Ponte, em Portugal, e de Summerhill, na Inglaterra. A aprendizagem da liberdade é um desafio para a escola contemporânea. Ela pode introduzir a dialética da necessidade do não obrigatório. E pode contribuir, também para uma práxis educacional que contemple a diversidade, ao oferecer opções de escolha aos alunos. Nesse ponto é que se insere a justificativa da manutenção dessas unidades de extensão pela Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, e o desejo e prazer do aluno como motores do interesse e da aprendizagem, que podem ser pensados em um âmbito que as transcendem. Nesse sentido, as qualidades inerentes à atividade artística são fundamentais à condução de um processo pedagógico renovador e libertário. Em suma, o Núcleo de Arte adquire um locus de ação institucional específica, na medida em que se distingue tanto da escola regular obrigatória, como também de outros projetos extracurriculares de ensino de arte. Os projetos promovidos por ONGs são geralmente circunscritos a atuações localizadas e pontuais, e vários deles dão margem a uma série de equívocos, por não estarem submetidos diretamente ao controle estatal (que vão desde profissionais desqualificados aos problemas de financiamento e continuidade, além de falta de embasamento conceitual, formulações paternalistas e concepções instrumentalizantes da arte). Já os inúmeros cursos privados de arte oferecidos na cidade são inacessíveis aos jovens e crianças de camadas economicamente desfavorecidas, e não possuem o mesmo direcionamento pedagógico dos Núcleos de Arte, restringindo-se geralmente ao aprimoramento técnico e aquisição de habilidades como investimento em uma possibilidade profissional futura, sem estímulos a reflexões críticas. Tal panorama institucional reforça o papel político específico do Programa de Extensão Educacional Núcleo de Arte, como instituição capaz de atender a uma demanda de ensino extracurricular de arte sem perder os vínculos com princípios curriculares, com objetivos educacionais amplos, com diretrizes metodológicas definidas, com integração entre as linguagens, e pela garantia de contar com profissionais formados, concursados, selecionados e supervisionados. Nesse sentido, o papel dos Núcleos de Arte vai muito além do preenchimento de tempo ocioso com atividades lúdicas. Inclusão e diversidade Estas são duas palavras em voga. Porém, quais os sentidos delas, no âmbito institucional concreto aqui analisado? Um senso comum de arte e criatividade gira em torno do mito do talento. Isso influencia não apenas a crença de alunos e familiares, como a conduta equivocada de muitos professores de arte. Alguns professores insistem em uma finalidade do Núcleo de Arte de captação de alunos talentosos. Porém, como instituição pública de ensino não profissionalizante, o Núcleo de Arte é obrigado a incluir todos os alunos interessados, o único

6 critério consistindo na ordem de inscrição até o preenchimento das vagas. Com seu caráter opcional, o interesse do aluno é o motivo de atendimento, e não qualquer suposto talento, conceito mistificador e que carrega valores tão duvidosos em si, quanto levanta um questionamento sobre os parâmetros culturais que o definem. Enquanto espaço inclusivo, o Núcleo de Arte admite diversidades entre o alunado, quanto ao grau de aprendizagem, à faixa etária, de características sociais e culturais, abrangendo também a inserção social e educacional dos portadores de necessidades especiais, físicas ou mentais. O que acarreta, em metodologia de ensino de arte, a necessidade de lidar com diversidade estética, abrindo mão de uma centralidade nos valores, concepções e preferências do próprio professor (que é constituída tanto por seus hábitos de classe social como por sua formação, geralmente pautada em uma história da arte eurocêntrica). O papel do professor é de mediador e, se a prática pedagógica requer a seleção de conteúdos, propostas e procedimentos, que esta seja a mais plural e participativa possível. Nesse sentido, uma perspectiva multicultural, que vem sendo adotada de forma ainda bastante intuitiva e assistemática, contribui para problematizar os referenciais de arte que são trabalhados no Programa Núcleo de Arte. Ao propor fios condutores sobre Arte Popular, Arte da África e Arte das Américas, por exemplo, a SME força um descentramento dos códigos eurocêntricos e elitistas de arte, embora uma folclorização, exotismo e essencialismo sejam um reverso do etnocentrismo. Por isso a necessidade de uma abordagem multicultural crítica e de uma preparação teórica, nesse sentido. Esta seria direcionada de modo a propiciar um diálogo intercultural na experimentação artística, que leve em conta uma multiplicidade de códigos estéticos e culturais, entre os quais os dos alunos (compreendidos na sua heterogeneidade), dos professores, e de outros grupos e indivíduos em vários contextos histórico-culturais. Tal estratégia é capaz de produzir um alargamento da percepção estética, que por sua vez potencializa os processos de criação. Também opera uma desierarquização nos códigos de arte, promovendo a inclusão efetiva, através do fortalecimento da identidade do aluno (como processo dinâmico e aberto) e de uma compreensão não discriminatória da diversidade cultural. Por suas características de instituição de ensino público de arte extracurricular, integrante de uma rede oficial, os Núcleos de Arte exercem uma importante contribuição no sentido de uma melhor distribuição do capital cultural. Entretanto, sem a perspectiva multicultural de arte e de educação, tal objetivo se evanesce no reforço de um modelo hegemônico de arte e cultura. Este aspecto precisa ser mais explicitado enquanto direcionamento propositivo, para que não fique vulnerável a métodos apenas intuitivos dos professores.

7 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BARBOSA, Ana Mae. Arte e educação no Brasil: do modernismo ao pós-modernismo. Revista Digital Art&, Número 0, Outubro de Disponível em: <http: www. revista.art.br/>.. Arte-educação: conflitos/ acertos.são Paulo : Max Limonad, Tópicos utópicos. Belo Horizonte : C/ Arte, BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo : Perspectiva, CANDAU, Vera Maria (org.). Cultura(s) e educação: entre o crítico e o pós-crítico. Rio de Janeiro : DP&A, (org.). Sociedade, educação e cultura(s): questões e propostas. Petrópolis, RJ : Vozes, CASSAB, Maria Aparecida Tardin. Jovens pobres e a cidade: a construção na desigualdade. In: CASTRO, Lucia Rabello (org.). Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro : NAU Editora : FAPERJ, 2001, p CASTRO, Lucia Rabello. Da invisibilidade à ação: crianças e jovens na construção da cultura. In:. (org.). Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro : NAU Editora : FAPERJ, 2001, p CORRÊA, Ayrton Dutra (org.). Ensino de artes: múltiplos olhares. Ijuí, RS : Ed. Unijuí, EFLAND, Arthur D. Cultura, sociedade, arte e educação em um mundo pós-moderno. In: Cadernos do seminário: A compreensão e o prazer da arte. São Paulo : SESC-SP, FERNANDES, Angela Maria Dias; CUNHA, Nadiane Martins; FERREIRA, Cíntia Millena. Arte, educação e projetos de intervenção social no Rio de Janeiro. Paper - pesquisa realizada no Departamento de Psicologia da UFF/ Niterói, Disponível em: <www.uff.br/ichf/publicacoes/revista-psi-artigos/ cap3.pdf>. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo : Paz e Terra, FUSARI, Maria Felisminda de Rezende; FERRAZ, Maria Heloísa Corrêa de Toledo. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, MASON, Rachel. Por uma arte-educação multicultural. Campinas, SP : Mercado de Letras, OSINSKI, Dulce. Arte, história e ensino: uma trajetória. São Paulo : Cortez, PODER Executivo. Lei Nº 2619 de 16 de janeiro de Dispõe sobre a estrutura organizacional, pedagógica e administrativa da rede pública municipal de educação. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 1998, p PORCHER, Louis. Educação Artística: luxo ou necessidade? São Paulo : Summus, RICHTER, Ivone Mendes. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino das artes visuais. Campinas, SP : Mercado das Letras, 2003.

8 RIO DE JANEIRO, Secretaria Municipal de Educação. Multieducação: Núcleo Curricular Básico. Rio de Janeiro, ROSA, Maria Cristina da. A perspectiva multicultural crítica no ensino de artes. In: Arte em pesquisa: especificidades. Ensino e Aprendizagem da Arte; Linguagens Visuais / Maria Beatriz de Medeiros (org.) Brasília, D.F. : Editora da Pós-Graduação em Arte da UnB, 2004, v. 2. SANTAELLA, Lucia. A fenomenologia e a semiose das instituições. In:. Semiótica aplicada. São Paulo : Pioneira Thomson Learning, 2002, p SEMPRINI, Andrea. Multiculturalismo. Bauru, SP : EDUSC, SILVEIRA, Carlos; AZEVEDO, JOSÉ Henrique de Freitas; HOLPERIN, Jurema. A trajetória do Programa Núcleo de Arte. Mesa no Núcleo de Arte Copacabana em 05 de novembro de Sites: Secretaria Municipal de Educação: <http://www.rio.rj.gov.br/sme> Escola da Ponte: < Summerhill: <

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

NuCA PROJETO CONSTRUTIVISTA E MULTICULTURAL. G. Oliveira Penna 1. L. Maria Filipetto 2. C. Souza 3. E. Carpes Camargo 4

NuCA PROJETO CONSTRUTIVISTA E MULTICULTURAL. G. Oliveira Penna 1. L. Maria Filipetto 2. C. Souza 3. E. Carpes Camargo 4 NuCA PROJETO CONSTRUTIVISTA E MULTICULTURAL G. Oliveira Penna 1 L. Maria Filipetto 2 C. Souza 3 E. Carpes Camargo 4 RESUMO: O Projeto NuCA Núcleo de Cultura e Arte tem como objetivo levar a cultura para

Leia mais

NuCA PROJETO CONSTRUTIVISTA E MULTICULTURAL

NuCA PROJETO CONSTRUTIVISTA E MULTICULTURAL NuCA PROJETO CONSTRUTIVISTA E MULTICULTURAL G. Oliveira Penna 1 L. Maria Filipetto 2 C. Souza 3 E. Carpes Camargo 4 RESUMO: O Projeto NuCA Núcleo de Cultura e Arte tem como objetivo levar a cultura para

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR Marcos Legais Resolução

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 13/09/2013-17:59:14 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2606 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05

TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 TÉCNICO EM DESENVOLVIMENTO INFANTIL (TEDI) 1.200 Horas (dois semestres) CBO: 3311-05 1 JUSTIFICATIVA 1. SUPEN/SEDUC.PI mediação tecnológica do Programa Mais Saber; 2. PI quarto lugar: índice de 35,9 matriculadas

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO

OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO OFICINAS DE APOIO À EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONSTRUINDO A INCLUSÃO SOCIAL. PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DE EDUCADORES EM SERVIÇO GLEIDIS ROBERTA GUERRA (CEMEI CLEBERSON DA SILVA - PMM), DEIGLES GIACOMELLI

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 06/2009 - CME Estabelece a Matriz Curricular para o Ensino Fundamental nas Unidades Escolares da Rede Municipal de Natal/RN. O CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Projetos de apoio ao SUS

Projetos de apoio ao SUS Carta Convite: Facilitação dos Cursos de Especialização em Gestão da Vigilância em Saúde, Gestão da Clínica nas Redes de Atenção à Saúde, Regulação em Saúde no SUS e Gestão do Risco e Segurança do Paciente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO REGULAMENTO 1. O RECONHECIMENTO PÚBLICO DE OLHO NOS PLANOS 1.1. O Reconhecimento Público é uma ação da iniciativa De Olho nos Planos, composta pelos seguintes parceiros: Ação Educativa, UNICEF, Campanha

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO EIXO: GESTÂO Fortalecer a parceria entre e instituições parceiras para o desenvolvimento de ações educacionais Formalização de Termo de Cooperação Técnica entre e SEC do Estado para a efetivação de políticas

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESCOLA SUPERIOR DE CIENCIAS DA SAUDE COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE 1- Introdução: contextualização a iniciativa O curso

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM PATRIMÔNIO, DIREITOS CULTURAIS E CIDADANIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS E PESQUISAS EM DIREITOS HUMANOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública

A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 A construção de um espaço artístico extracurricular dentro da escola pública Uma proposta pedagógica de ensino de artes visuais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - As Atividades Complementares constituem ações que devem ser desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Proposta de curso de especialização em Educação Física com ênfase em Esporte Educacional e projetos sociais em rede nacional.

Proposta de curso de especialização em Educação Física com ênfase em Esporte Educacional e projetos sociais em rede nacional. Proposta de curso de especialização em Educação Física com ênfase em Esporte Educacional e projetos sociais em rede nacional. JUSTIFICATIVA Esporte Educacional & Projetos Sociais Esporte como meio de inclusão

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais