Direito Do trabalho e Direito empresarial. sob o enfoque dos direitos fundamentais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito Do trabalho e Direito empresarial. sob o enfoque dos direitos fundamentais"

Transcrição

1 Direito Do trabalho e Direito empresarial sob o enfoque dos direitos fundamentais

2

3 GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA RÚBIA ZANOTELLI DE ALVARENGA ORGANIZADORES Direito Do trabalho e Direito empresarial sob o enfoque dos direitos fundamentais

4 EDITORA LTDA. Todos os direitos reservados Rua Jaguaribe, 571 CEP São Paulo, SP Brasil Fone (11) Produção Gráfica e Editoração Eletrônica: LINOTEC Projeto de Capa: FABIO GIGLIO Impressão: PIMENTA GRÁFICA Janeiro, 2015 Versão impressa - LTr ISBN Versão digital - LTr ISBN Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Garcia, Gustavo Filipe Barbosa Direito do trabalho e direito empresarial : sob o enfoque dos direitos fundamentais / Gustavo Filipe Barbosa Garcia, Rúbia Zanotelli de Alvarenga. -- São Paulo : LTr, Bibliografia 1. Direito empresarial 2. Direitos fundamentais 3. Direito do trabalho I. Alvarenga, Rúbia Zanotelli de. II. Título CDU-34:331(81) Índice para catálogo sistemático: 1. Brasil : Direito do trabalho 34:331(81)

5 Colaboradores André de Melo Ribeiro: Mestre em Direito do Trabalho pela USP. Advogado em São Paulo. Ben-Hur Silveira Claus: Juiz do trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. RS. Mestre em direito pela Unisinos. Carlos Francisco Berardo: Advogado. Desembargador do Trabalho jubilado. Ex-corregedor e ex-vice-presidente administrativo do TRT/SP. Doutor em Direito do Trabalho pela Faculdade de Direito da USP. Diretor Cultural da AMATRA-2 Associação dos Magistrados do Trabalho da 2ª Região. Associado do Instituto Cesarino Júnior. Carlos Henrique Bezerra Leite: Doutor e Mestre em Direito (Puc/SP). Professor de Direitos Humanos Sociais e Metaindividuais do Mestrado e Doutorado (FDV). Professor de Direito Processual do Trabalho da Graduação (FDV). Ex-professor Associado de Direitos Humanos e Direito Processual do Trabalho (UFES). Desembargador do Trabalho do TRT da 17ª Região/ES. Ex-procurador regional do Ministério Público do Trabalho/ES. Ex-diretor da Escola Judicial do TRT/ES. Titular da Cadeira n. 44 da Academia Brasileira de Direito do Trabalho. Ex-coordenador estadual da Escola Superior do MPU/ES. Autor de livros e artigos jurídicos. Blog: <http://www.professorbezerraleite.blogspot.com.br/>. Cássio Mesquita Barros: Professor titular da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Advogado. Cibele Carneiro da Cunha Macedo Santos: Professora assistente da Universidade Federal Fluminense. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito PPGSD/UFF. Pesquisadora do Laboratório Fluminense de Estudos Processuais LAFEP/UFF. Mestre em Direito das Relações Sociais Puc/SP. Elizabeth de Mello Rezende Colnago: Advogada e administradora de empresas, especialista em Direito Processual Civil, mestranda em Ciências Sociais pela Puc-SP/UVV. Francisco Antônio de Oliveira: Presidente do TRT 2ª Região no período 2000/2002. Mestre e doutor em Direito do Trabalho pela Puc/SP. Membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho. Membro do Instituto Iberoamericano de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social. Membro do Instituto de Direito do Trabalho do Mercosul Sócio fundador da Academia Paulista de Letras Jurídicas. Consultoria. Pareceres. Advogado em São Paulo e Campinas. Site: <franciscoantoniooliveira.adv>. Gabriela Neves Delgado: Doutora em Filosofia do Direito pela UFMG. Mestre em Direito do Trabalho pela Puc/Minas. Líder do Grupo de Pesquisa Trabalho, Constituição e Cidadania da UnB. Professora adjunta de Direito do Trabalho dos programas de graduação e pós-graduação da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília. Gustavo Filipe Barbosa Garcia: Livre-docente pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Doutor em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Pós-doutorado em Direito pela Universidad de Sevilla. Especialista em Direito pela Universidad de Sevilla. Membro pesquisador do IBDSCJ. Membro da Academia Brasileira de Direito do Trabalho, titular da Cadeira n. 27. Professor universitário em cursos de graduação e pós-graduação em Direito. Ex-juiz do Trabalho das 2ª, 8ª e 24ª Regiões. Ex-procurador do trabalho do Ministério Público da União. Ex-auditor fiscal do trabalho. José Affonso Dallegrave Neto: Mestre e doutor em Direito pela UFPR; membro da ANDT Academia Nacional de Direito do Trabalho e da JUTRA Associação luso-brasileira de juristas do trabalho. Advogado membro do IAB Instituto dos Advogados Brasileiros. Colaboradores \ 5

6 Luiz Eduardo Gunther: Professor do Centro Universitário Curitiba Unicuritiba; Desembargador do Trabalho junto ao TRT da 9ª Região. Doutor em Direito do Estado pela UFPR. Membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho, da Academia Paranaense de Direito do Trabalho, do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná, do Centro de Letras do Paraná e da Associação Latino-Americana de Juízes do Trabalho (ALJT). Marco Antônio César Villatore: Pós-doutorando em Direito pela Universidade de Roma II, Tor Vergata, doutor pela Universidade de Roma I, La Sapienza e revalidado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e mestre pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor titular do curso de mestrado e do doutorado em Direito da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR). Líder do Grupo de Pesquisa Desregulamentação do Direito, do Estado e Atividade Econômica: Enfoque Laboral. Professor da graduação da Facinter. Professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Advogado. Nadia Regina de Carvalho Mikos: Mestre em Direito pelo Centro Universitário Curitiba e aluna do Programa de Doutorado da PUC/PR. É pesquisadora bolsista da Capes, integrante do Núcleo de Estudos Avançados de Direito do Trabalho e Socioeconômico PUC/PR. É orientadora de monografias na Escola da Magistratura do Trabalho do Paraná Ematra. Paulo Sergio João: Professor doutor da PUC/SP. Renata Queiroz Dutra: Mestranda em Direito, Estado e Constituição Universidade de Brasília. Integrante do Grupo de Pesquisa Trabalho, Constituição e Cidadania, da UnB. Graduada em Direito pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Analista judiciário do Tribunal Superior do Trabalho e assessora de ministro. Renato Rua de Almeida: Advogado trabalhista em São Paulo, doutor em Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Paris I (Panthéon-Sorbonne), professor da Faculdade de Direito da PUC de São Paulo e do Núcleo de Pesquisa em Direito do Trabalho do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito da Faculdade de Direito da PUC de São Paulo. Rúbia Zanotelli de Alvarenga: Doutora em Direito do Trabalho pela PUC/Minas. Professora adjunta da UFF. Membro pesquisadora do Instituto Brasileiro de Direito Social Cesarino Júnior. Advogada. Sergio Pinto Martins: Desembargador do TRT da 2ª Região. Professor titular de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da USP. Vitor Salino de Moura Eça: Pós-doutor em Direito Processual Comparado pela Universidad Castilla-La Mancha, na Espanha. Professor adjunto IV da PUC-Minas, lecionando nos cursos de mestrado e doutorado em Direito. Professor visitante na Universidad Nacional de Córdoba Argentina, e na Faculdade de Direito de Vitória/ES. Professor conferencista na Escola Nacional de Magistratura do Trabalho Enamat, na Escola Superior de Advocacia da Ordem dos Advogados do Brasil. Membro do Conselho Consultivo da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região e pesquisador junto ao Centro Europeo y Latinoamericano para el Diálogo Social España. Membro efetivo, dentre outras, das seguintes sociedades: Asociación Iberoamericana de Derecho del Trabajo y de la Seguridad Social (AIDTSS); Asociación de Laboralistas (AAL); Associação Latino-Americana de Juízes do Trabalho (ALJT) Brasília/DF; Equipo Federal del Trabajo (EFT) Buenos Aires/Argentina; Escuela Judicial de América Latina (Membro Fundador) Coordenador da Área de Direito Processual do Trabalho e do Consejo de Investigación EJAL; Instituto Brasileiro de Direito Social Júnior IBDSCJ São Paulo; Instituto Paraguayo de Derecho del Trabajo y Seguridad Social e da Red Latinoamericana de Jueces para Cooperación Judicial e Integración (REDLAJ). 6 / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

7 O que segue a justiça e a bondade achará a vida, a justiça e a honra. Pv. 21:21

8

9 Sumário Apresentação Prefácio parte i Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho Capítulo 1 Eficácia Horizontal dos Direitos Fundamentais na Relação de Emprego e a Responsabilidade do Empregador Carlos Henrique Bezerra Leite Introdução Eficácia vertical dos direitos fundamentais de primeira dimensão Eficácia vertical dos direitos fundamentais de segunda dimensão Eficácia horizontal dos direitos fundamentais Eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações de emprego Eficácia horizontal direta e indireta Análise de um caso difícil Conclusão Referências Capítulo 2 O Trabalho Decente como Paradigma da Humanidade no Século XXI Luiz Eduardo Gunther 1. A Importância das Normas Internacionais do Trabalho A Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho Como se promoverá a Declaração de 1998 da OIT O princípio da liberdade sindical e do reconhecimento efetivo do direito de negociação coletiva (Convenções 87, de 1948, e 98, de 1949) O princípio da eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou obrigatório (Convenções 29, de 1930, e 105, de 1957) O princípio da abolição efetiva do trabalho infantil (Convenções 138, de 1973, e 182, de 1999) O princípio da eliminação da discriminação em matéria de emprego e ocupação (Convenções 100, de 1951, e 111, de 1958) O Significado da Expressão Trabalho Decente Referências Sumário \ 9

10 Capítulo 3 Direitos Laborais Inespecíficos dos Trabalhadores no Âmbito da Empresa Renato Rua de Almeida Bibliografia Capítulo 4 Função Social da Empresa como Princípio Constitucional (art. 170, III, da CF) José Affonso Dallegrave Neto 1. Função social da propriedade e da empresa A empresa como sujeito do contrato de trabalho A substituição da figura do comerciante pela do empresário Responsabilidade social da empresa Empresa sustentável Ética e pós-modernidade Ética nas relações de trabalho Código de conduta ética nas empresas Capítulo 5 Sustentabilidade e Função Social Proposta de um novo Modelo de Pensar em Negócios Rumo ao Futuro que Queremos Elizabeth de Mello Rezende Colnago 1. Introdução A terceira dimensão dos direitos humanos observada por organizações a um novo modelo de negócio como consequência de um efeito spill over A sustentabilidade corporativa ultrapassar fronteiras ambientais com perspectiva socialmente centrada rumo ao futuro que queremos sem causar impactos negativos aos interesses dos stakeholders Conclusão Referências Bibliográficas parte ii O Empregador e o Exercício do Poder Empregatício Capítulo 6 O Empregador e o Regime Trabalhista das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Gustavo Filipe Barbosa Garcia 1. Introdução Empregador e empresa Empregador por equiparação Microempresas e empresas de pequeno porte: tratamento jurídico diferenciado Definição de microempresa e de empresa de pequeno porte Microempresas e empresas de pequeno porte: Simples Nacional Microempresas e empresas de pequeno porte: regime jurídico trabalhista Conclusão Bibliografia Capítulo 7 Poderes do Empregador: do Uso ao Abuso e suas Consequências Socioeconômicas Nadia Regina de Carvalho Mikos Marco Antônio César Villatore 1. Introdução Do poder diretivo Fundamentos / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

11 2.2. Natureza jurídica Momento do exercício do poder diretivo Do uso ao abuso O direito fundamental ao trabalho As ocorrências do abuso Acosso psíquico As consequências socioeconômicas do abuso e os modos de evitá-lo Considerações finais Referências bibliográficas Capítulo 8 O Grupo Econômico no Direito Comparado Cássio Mesquita Barros 1. Introdução Grupo econômico O grupo econômico no direito comparado Bibliografia Capítulo 9 Obrigações Constitucionais Extrapatrimoniais das Empresas Prestadoras e Tomadoras de Serviços nas Relações de Trabalho Terceirizadas Gabriela Neves Delgado Renata Queiroz Dutra 1. Introdução O fenômeno da terceirização: contornos sociológicos e a regulação estatal patrimonialística A dignidade da pessoa humana e as obrigações trabalhistas extrapatrimoniais dela decorrentes: a dimensão extrapatrimonial dos direitos sociais dos trabalhadores terceirizados A saúde do trabalhador terceirizado Integridade física e higidez do meio ambiente de trabalho A afetação da saúde mental dos trabalhadores terceirizados face às técnicas de gestão toyotistas Identidade dos trabalhadores terceirizados: o sentido de pertencimento e a organização coletiva Considerações finais Referências bibliográficas Referências jurisprudenciais Capítulo 10 Controle Extralaboral Realizado pelo Empregador sobre a Vida Privada do Empregado Rúbia Zanotelli de Alvarenga Introdução Direito à vida privada Limitações aos direitos fundamentais do trabalhador Controle extralaboral realizado pelo empregador sobre a vida privada do empregado Conclusão Referências Bibliográficas Capítulo 11 Assédio Moral e a Responsabilidade Civil Empresarial Cibele Carneiro da Cunha Macedo Santos 1. Introdução O princípio da dignidade da pessoa humana e o trabalhador Assédio moral no trabalho. definição. caracterização. classificação. diferenciação com o assédio sexual Sumário \ 11

12 4. Responsabilidade decorrente da prática do assédio moral Responsabilidade trabalhista Responsabilidade civil Conclusão Referências Bibliográficas parte iii Direito Empresarial e Trabalho Capítulo 12 Natureza do Stock Options no Direito do Trabalho Sergio Pinto Martins 1. Introdução Conceito Distinção Espécies Características Vantagens e desvantagens Natureza jurídica Óbice determinado pelo empregador Projeção do aviso prévio indenizado Competência Conclusão Capítulo 13 Participação nos Lucros ou Resultados. Verificação do Desenvolvimento Histórico Legislativo e Jurisprudencial. Algumas das Últimas Alterações no Direito Positivo Carlos Francisco Berardo 1. Introdução Definição Inclusão no Direito Positivo A legislação ordinária regulamentadora: Lei n / As alterações posteriores Conclusões Capítulo 14 Participação nos Lucros ou Resultados: Evolução e Compreensão Jurídica Paulo Sergio João 1. Natureza jurídica segundo a ordem constitucional e a legislação ordinária Casuística e jurisprudência Conclusões Capítulo 15 O Novo Eixo Axiológico de Interpretação do Fenômeno da Empresa e a Modulação Necessária entre o Direito do Trabalho e o Direito Concursal após a Lei n / André de Melo Ribeiro 1. Direito do Trabalho e as transformações do ambiente produtivo A crise do Direito do Trabalho Cenário brasileiro A necessária conexão entre o Direito Concursal e o Direito do Trabalho O Direito Concursal no Brasil Da necessária harmonização entre o Direito do Trabalho e o Direito Concursal / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

13 Conclusão Bibliografia Capítulo 16 A Nova Cara da Falência. A Execução Trabalhista. A Recuperação Judicial de Conformidade com a Lei e sob a Ótica do STF Francisco Antônio de Oliveira 1. Do enfoque introdutório Da classificação dos créditos Da permanência da execução em sede trabalhista Da restrição imposta ao crédito trabalhista Do crédito por acidente do trabalho Da legitimação do administrador judicial Do administrador judicial e a confissão ficta Dos créditos trabalhistas adquiridos após a falência Da concordata Do enfoque crítico ao art. 83, I, VI, C, da Lei n /2005 (LF) Da Súmula 388 do TST Da recuperação judicial sob a ótica do STF Da inclusão de restrição não prevista na lei defalências Da reengenharia legislativa Da recuperação judicial com os benefícios de empresa falida Do enfoque crítico Capítulo 17 A Aplicação da Medida Legal de Indisponibilidade de Bens Prevista no Art. 185-A do CTN à Execução Trabalhista Uma boa Prática a Serviço do Resgate da Responsabilidade Patrimonial Futura Ben-Hur Silveira Claus Introdução A juridicidade da aplicação subsidiária do art. 185-A do CTN à execução trabalhista A fecundidade da dimensão prospectiva da medida legal de indisponibilidade de bens: o resgate da responsabilidade patrimonial futura A indisponibilidade de bens e o princípio da proporcionalidade Como fazer a comunicação de indisponibilidade de bens Uma boa prática a serviço da efetividade na execução trabalhista Conclusão Referências bibliográficas Capítulo 18 Ativação Executiva contra Sócios e Ex-sócios na Justiça do Trabalho Vitor Salino de Moura Eça Introdução Indicação de bens Bens do devedor Sócios, ex-sócios, cônjuges e sucessores em geral Empresas do mesmo grupo econômico Conclusão Capítulo 19 Desconsideração da Personalidade Jurídica Gustavo Filipe Barbosa Garcia 1. Introdução Denominação Sumário \ 13

14 3. Considerações históricas e de Direito estrangeiro Teoria da desconsideração da personalidade jurídica na legislação brasileira Conceituação Natureza jurídica Requisitos para a aplicação da teoria da desconsideração da personalidade jurídica Desconsideração da personalidade jurídica no Código de Defesa do Consumidor Desconsideração da personalidade jurídica no Código Civil de Aspectos processuais Conclusão Bibliografia / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

15 Apresentação É nítida e deveras importante a relação entre o Direito do Trabalho e o Direito Empresarial. O próprio empregador, segundo o disposto na Consolidação das Leis do Trabalho, é considerado, em regra, como a empresa (art. 2º), o que apresenta relevantes consequências, por exemplo, nas hipóteses de mudança na sua titularidade, isto é, de sucessão trabalhista. Ainda exemplificando, a falência e a recuperação de empresa geram diversas implicações quanto ao contrato de trabalho, e mesmo no que tange ao processo e à execução trabalhista. O empregador, identificado como empresa, muitas vezes possui a condição formal de pessoa jurídica. Essa personalidade jurídica, não obstante, pode ser desconsiderada, por exemplo, em casos de fraude e confusão patrimonial, o que permite alcançar o patrimônio dos sócios, para o adimplemento dos créditos trabalhistas, que possuem privilégio diferenciado, tendo em vista a sua natureza alimentar. A Constituição da República Federativa do Brasil também prevê o tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte (art. 170, inciso IX), cabendo examinar as possíveis consequências diferenciadas, quanto às obrigações trabalhistas, legalmente previstas para essas modalidades empresariais. Ademais, diversas parcelas são pagas, no âmbito da relação de emprego, com forte conotação empresarial, como a participação nos lucros e resultados e a stock option. Por outro lado, enfatiza-se que a pessoa humana, ao ingressar na empresa, como empregado, não perde os seus direitos humanos e fundamentais, o que dá origem ao enfoque de cidadania na empresa. Nesse enfoque, cabe frisar que, na atualidade, a atividade empresarial deve ser exercida em consonância com a sua função social, sendo o trabalho um importante fator de dignidade e de valorização do ser humano, em todos os aspectos de sua vida, seja profissional ou pessoal. Denota-se, por derradeiro, o trabalho decente como um direito da personalidade do trabalhador por lhe assegurar o completo bem-estar, assim como o desenvolvimento de suas potencialidades e de sua realização pessoal, além do direito à sua integração social. Não mais se admite a simples busca pelo lucro, por si só, sendo imprescindível que a empresa também desempenhe o seu imprescindível papel de colaborar para o progresso social, pois o desenvolvimento econômico deve caminhar aliado à ideia de humanização do trabalho em condições de segurança, higiene e saúde no trabalho. No viés desta temática, faz-se necessário reavaliar as práticas flexibilizadoras que vêm contribuindo para a precariedade do trabalho decente. O labor a ser executado pelo trabalhador deve ser digno em todos os sentidos. Aliás, não só no plano material; todavia, em especial, no aspecto imaterial físico, mental e social. A Carta Magna de 1988 alçou o trabalho humano à categoria de princípio ao afirmar que a República Federativa do Brasil tem como um dos fundamentos a dignidade da pessoa humana e o valor social do trabalho, segundo dispõe o inciso IV, do art. 1º, da CR/88; e, como objetivos, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, a redução das desigualdades sociais, a erradicação da pobreza e da marginalização social, bem como a promoção do bem de todos (art. 3º, I, III e IV, CR/88). Também a ordem econômica encontra-se fundada na valorização do trabalho, observada a busca do pleno emprego, nos termos do caput e inciso VIII, do art. 170, da Carta Magna de Já a ordem social tem como base o primado do trabalho e como objetivo o bem-estar e a justiça social (art. 193). Sabe-se, contudo, que os direitos fundamentais do trabalhador não podem ser exercidos de forma ilimitada, em decorrência da colisão entre tais direitos. Essa tensão, por certo, é solucionada por meio da aplicação do princípio da ponderação, que Apresentação \ 15

16 consiste no critério solucionador entre os direitos fundamentais em choque. Assim sendo, o juiz, ao concretizar um direito fundamental, deve estar ciente de que sua ordem precisa ser adequada, necessária e proporcional em sentido estrito. Trata-se, por exemplo, do controle extralaboral que é realizado pelo empregador sobre a vida privada do empregado, responsável em acarretar a colisão entre direitos fundamentais, quais sejam: de um lado, o direito fundamental à vida privada assegurado ao empregado; de outro, o direito à propriedade privada e o direito à livre iniciativa assegurados ao empregador. Ambos estão protegidos pela Constituição Federal de 1988, mas um dos dois terá que ceder diante do caso concreto. Esses e outros temas, da maior relevância e atualidade, são habilidosamente examinados por juristas de renome, por meio de artigos específicos, contendo lições cujo conhecimento se torna imprescindível no atual estágio das relações trabalhistas presentes na esfera empresarial. Foram escolhidas temáticas essenciais, pertinentes à relação entre o Direito do Trabalho e o Direito Empresarial sob o enfoque dos Direitos Fundamentais, para a sua análise criteriosa e interdisciplinar. Espera-se, portanto, que a presente obra se torne um referencial científico, tratando de matérias da maior importância para a harmonia e a compreensão das relações envolvendo o capital e o trabalho. Boa leitura. São Paulo, abril de Gustavo Filipe Barbosa Garcia e Rúbia Zanotelli de Alvarenga. 16 / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

17 Prefácio Profundamente honrado e com imensa alegria recebi o convite para prefaciar esta importante obra coletiva que reúne estudos sobre Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o enfoque dos Direitos Fundamentais, organizada pelos competentes professores Gustavo Filipe Barbosa Garcia e Rúbia Zanotelli de Alvarenga. Trata-se de obra que é fruto de oportunas e profícuas pesquisas realizadas por renomados juslaboralistas pátrios que, a um só tempo, aliam aspectos teóricos e práticos sobre temas atuais e de alta relevância para a interpretação e aplicação dos direitos e deveres fundamentais oriundos das relações de trabalho em nosso país. Na verdade, o leitor e a leitora logo perceberão que esta obra coletiva busca aproximar dois setores científicos (Direito e Economia) que outrora, sob os paradigmas do Estado Liberal (e do Estado Social), eram investigados de forma isolada e estanque, prevalecendo em ambos a ideologia liberal burguesa no sentido de que a efetividade dos direitos trabalhistas estaria condicionada às regras da Economia (mercado). Daí a prevalência, v. g., da cultura individualista e patrimonialista do chamado direito potestativo do empregador para extinguir a relação empregatícia. Consequentemente, o empregador é, em essência, o grande beneficiado por um sistema político e econômico que tem a propriedade como direito natural, sagrado e absoluto. Logo, os princípios da liberdade e da igualdade são investigados sob os prismas da legalidade estrita e da mera formalidade. Ocorre que estamos vivendo no Brasil o novo paradigma do Estado Democrático de Direito em cujo epicentro encontra- -se o princípio da dignidade humana ladeado pelos princípios fundamentais da cidadania, do valor social do trabalho e do valor social da livre iniciativa, da solidariedade e igualdade substancial, como se infere dos artigos 1º e 3º da Constituição republicana de outubro de Tais princípios passaram, como venho sustentando, à condição de normas fundamentais de introdução ao ordenamento jurídico brasileiro, porquanto dotadas de supremacia em relação às demais normas infraconstitucionais, além de atuarem como alicerce para a adequada interpretação e aplicação dos direitos humanos fundamentais. Reconhece-se, assim, o triunfo do Direito Constitucional, também conhecido como fenômeno da constitucionalização do Direito, que, inaugurando o pós-positivismo no nosso sistema jurídico, repercute diretamente na hermenêutica de todos os ramos e sub-ramos da árvore jurídica nacional. Eis a grandiosa proposta desta obra coletiva: o compromisso doutrinário assumido pelos seus organizadores e coautores em promover a interdisciplinaridade do Direito do Trabalho e do Direito Empresarial sob o enfoque da filtragem constitucional e dos Direitos Fundamentais. Para tanto, os organizadores dividiram didaticamente a obra em três partes. A primeira é dedicada aos direitos fundamentais nas relações de trabalho, abordando temas relativos à eficácia horizontal dos direitos sociais trabalhistas e à responsabilidade do empregador, ao trabalho decente, aos direitos laborais inespecíficos, à função social da empresa e à sustentabilidade. A segunda parte analisa o empregador e o exercício do poder empregatício, contendo estudos preciosos sobre o regime das microempresas e empresas de pequeno porte, o abuso do poder empregatício e suas consequências socioeconômicas, o grupo econômico no direito comparado, as obrigações constitucionais extrapatrimoniais das empresas prestadoras e tomadoras de serviços nas relações de trabalho terceirizadas, o controle extralaboral realizado pelo empregador sobre a vida privada do empregado, o assédio moral e a responsabilidade civil empresarial. A terceira e última parte destina-se a estudos específicos do direito empresarial e a prestação do trabalho humano com repercussões, inclusive, no processo do trabalho, como a natureza do stock options sob o enfoque do direito laboral, a participação nos lucros ou resultados, repercussões da recuperação e falência nos direitos laboral, empresarial e na execução traba- Prefácio \ 17

18 lhista, a medida legal de indisponibilidade de bens prevista no art. 185-A do CTN à execução trabalhista, a ativação executiva contra sócios e ex-sócios na Justiça do Trabalho e a desconsideração da personalidade jurídica. Não tenho dúvida em afirmar que a presente obra, por oferecer significativa contribuição jurídica diferenciada para a interpretação e adequada aplicação dos direitos fundamentais nos sítios do direito do trabalho e do direito empresarial, merecerá ampla acolhida da comunidade jurídica, razão pela qual parabenizo os organizadores e os coautores André de Melo Ribeiro, Ben-Hur Silveira Claus, Carlos Francisco Berardo, Cássio Mesquita Barros, Cibele Carneiro da Cunha Macedo Santos, Elizabeth de Mello Rezende Colnago, Francisco Antônio de Oliveira, Gabriela Neves Delgado, Gustavo Filipe Barbosa Garcia, José Affonso Dallegrave Neto, Luiz Eduardo Gunther, Marco Antônio César Villatore, Nadia Regina de Carvalho Mikos, Paulo Sergio João, Renata Queiroz Dutra, Renato Rua de Almeida, Rúbia Zanotelli de Alvarenga, Sergio Pinto Martins e Vitor Salino de Moura Eça pela colaboração inestimável na socialização do conhecimento jurídico em nosso País. Boa leitura! Carlos Henrique Bezerra Leite Doutor e mestre em Direito (PUC/SP). Professor de Direitos Humanos Sociais e Metaindividuais do Mestrado e Doutorado (FDV). Professor de Direito Processual do Trabalho da Graduação (FDV). Desembargador do Trabalho do TRT da 17ª Região/ES. Blog: <www.professorbezerraleite.blogspot.com.br> 18 / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

19 parte i Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho

20

21 Capítulo 1 Eficácia Horizontal dos Direitos Fundamentais na Relação de Emprego e a Responsabilidade do Empregador Carlos Henrique Bezerra Leite (1) Introdução Questão importante acerca da eficácia das normas jurídicas é que diz respeito à eficácia vertical e horizontal dos direitos fundamentais, sendo certo que a questão torna-se ainda mais relevante quando se está diante dos direitos fundamentais sociais trabalhistas. Buscar-se-á no presente artigo analisar, em primeiro lugar, a eficácia vertical dos direitos fundamentais sociais e, em seguida, a eficácia horizontal desses direitos. Ato contínuo, examina-se a aplicação da eficácia dos direitos fundamentais no âmbito das relações sociais tuteladas pelo Direito do Trabalho brasileiro. Ao final, propõe-se a adoção da eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações empregatícias, como forma de efetivação dos princípios que sustentam o Estado Democrático de Direito. 1. Eficácia vertical dos direitos fundamentais de primeira dimensão Entende-se por eficácia vertical dos direitos fundamentais a limitação imposta pelo ordenamento jurídico à atuação dos governantes em relação aos governados, pois se reconhece que entre eles há uma relação vertical de poder, ou seja, entre Estado (mais forte) e indivíduo (mais fraco). A eficácia vertical, portanto, está vinculada à evolução do Estado Absoluto ao Estado Liberal, cabendo a este último o dever de respeitar e assegurar os direitos fundamentais de primeira dimensão, também chamados de direitos civis e políticos, especialmente o direito à vida, à propriedade, à liberdade, à igualdade formal. Noutro falar, a eficácia vertical dos direitos fundamentais tem por efeito impedir interferência estatal na vida privada dos cidadãos. Por isso, a doutrina tradicional sustenta que os direitos de primeira dimensão são direitos de defesa do indivíduo frente ao Estado. (1) Doutor e mestre em Direito (PUC/SP). Professor de Direitos Humanos Sociais e Metaindividuais do Mestrado e Doutorado (FDV). Professor de Direito Processual do Trabalho da Graduação (FDV). Ex-professor Associado de Direitos Humanos e Direito Processual do Trabalho (UFES). Desembargador do Trabalho do TRT da 17ª Região/ES. Ex-procurador regional do Ministério Público do Trabalho/ES. Ex-diretor da Escola Judicial do TRT/ES. Titular da Cadeira n. 44 da Academia Brasileira de Direito do Trabalho. Ex-coordenador estadual da Escola Superior do MPU/ES. Autor de livros e artigos jurídicos. Blog: <http://www.professorbezerraleite.blogspot.com.br/> Capítulo 1 - Eficácia Horizontal dos Direitos Fundamentais na Relação de Emprego e a Responsabilidade do Empregador \ 21

22 Nesse sentido, a eficácia vertical dos direitos fundamentais guarda relação com a teoria do status negativo, de JELLI- NEK, pois o Estado atua apenas no aspecto negativo, ou seja, limitando-se a respeitar (e assegurar) as liberdades individuais, especialmente o direito à vida e à propriedade. No Estado liberal, nessa perspectiva, as relações entre os particulares eram regidas pelos princípios da autonomia plena da vontade e do pacta sunt servanda, não podendo o Estado intervir ou interferir em tais relações. Havia, pois, uma separação quase estanque entre o Direito Constitucional (regulador das relações enter o Estado e os particulares) e o Direito Civil (regulador das relações entre particulares). Como bem lembra CARLA MAIA DOS SANTOS: No Estado liberal a Constituição regulava apenas as relações entre o Estado e os particulares, enquanto o Código Civil disciplinava as relações privadas. Os direitos fundamentais funcionavam como limites à atuação dos governantes em favor dos governados, tratava-se de direitos públicos subjetivos, oponíveis em face do Estado. No Direito Privado o princípio fundamental era o da autonomia privada, ou seja, a liberdade de atuação dos particulares, que deveriam pautar suas condutas apenas nas leis civis. (2) Nesse passo, o papel do Direito do Trabalho seria apenas o de regular o contrato de trabalho, assegurando a plena autonomia da vontade dos seus sujeitos na sua elaboração, execução e extinção. 2. Eficácia vertical dos direitos fundamentais de segunda dimensão Com o advento do Estado Social, cuja característica marcante é a inserção de direitos sociais nas Constituições, surge a chamada teoria do status positivo, ou seja, o Estado, além de proteger os direitos (liberdades) individuais, passa a atuar positivamente em prol dos direitos sociais, seja intervindo nas relações entre os particulares (dirigismo contratual), seja atuando diretamente por meio de prestações estatais positivas. Verifica-se, então, que os ordenamentos jurídicos passam a permitir que o indivíduo exija do Estado, além do dever de abstenção nos seus direitos de primeira dimensão, uma atuação positiva, a fim de assegurar diretamente a realização de um direito fundamental social. Vale dizer, o Estado Social passa a promover, diretamente, prestações de serviços, por meio de políticas públicas, para a realização de direitos, como o direito à saúde, à educação, ao trabalho, à assistência social, ao lazer, à cultura etc. Os direitos sociais, portanto, passam a ser exigíveis, cabendo aos Poderes do Estado, inclusive o Judiciário, asseguar a sua plena fruição. Daí a correta observação de INGO WOLFGANG SAR- LET, para quem é possível falar de uma dupla significação de eficácia vinculante dos direitos fundamentais. Assim, se de acordo com um critério formal e institucional os detentores do poder estatal formalmente considerados (os órgãos dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário) se encontram obrigados pelos direitos fundamentais, também em um sentido material e funcional todas as funções exercidas pelos órgãos estatais também o são [...] Do efeito vinculante inerente ao art. 5º, 1º, da CF decorre, num sentido negativo, decorre que os direitos fundamentais não se encontram na esfera de disponibilidade dos poderes públicos, ressaltando-se, contudo, que, numa concepção positiva, os órgãos estatais se encontram na obrigação de tudo fazer no sentido de realizar os direitos fundamentais (.3) 3. Eficácia horizontal dos direitos fundamentais Além da eficácia vertical, até aqui estudada, que consiste na vinculação dos Poderes estatais aos direitos fundamentais, podendo os particulares exigi-los diretamente do Estado, surgiu na Alemanha, com expansão na Europa e, atualmente, no Brasil, a teoria da eficácia horizontal dos direitos fundamentais. Com o evolver das relações econômicas, políticas e sociais, que implicou o surgimento do chamado neoconstitucionalismo ou pós-positivismo, verificou-se que não apenas o Estado tem o dever de proteger e promover a efetivação dos direitos fundamentais, como também os particulares entre si. A eficácia horizontal dos direitos fundamentais, também chamada de eficácia dos direitos fundamentais entre terceiros ou de eficácia dos direitos fundamentais nas relações privadas, decorre do reconhecimento de que as desigualdades estruturantes não se situam apenas na relação entre o Estado e os particulares, como também entre os próprios particulares, o que passa a empolgar um novo pensar dos estudiosos da ciência jurídica a respeito da aplicabilidade dos direitos fundamentais no âmbito das relações entre os particulares. Nesse passo, adverte DANIEL SARMENTO, em excelente monografia sobre o tema: O Estado e o Direito assuem novas funções promocionais e se consolida o entendimento de que os direitos fundamentais não devem limitar o seu raio de ação às relações políticas, entre governantes e governados, incidindo também em outros campos, como o mercado, as relações de trabalho e a família. (4) (2) SANTOS, Carla Maia dos. Qual a distinção entre eficácia vertical e eficácia horizontal dos direitos fundamentais? Disponível em: Acesso em: 16 de novembro de (3) SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p (4) SARMENTO, Daniel. Direitos fundamentais e relações privadas. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

23 4. Eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações de emprego No âmbito das relações de trabalho, especificamente nos sítios da relação empregatícia, parece-nos não haver dúvida a respeito da importância do estudo da eficácia horizontal dos direitos fundamentais, mormente em razão do poder empregatício (disciplinar, diretivo e regulamentar) reconhecido ao empregador (CLT, art. 2º), o qual, por força dessa relação assimétrica, passa a ter deveres fundamentais em relação aos seus empregados. Afinal, a Constituição da República consagra, no Título II, Capítulo I, um catálogo não apenas de Direitos, como também de Deveres Individuais e Coletivos, a cargo não apenas do Estado, como também da sociedade e das pessoas naturais ou jurídicas, sobretudo quando estas últimas desfrutam de posições econômicas, políticas e sociais superiores (poderes) em relação a outros particulares Eficácia horizontal direta e indireta Há duas teorias que se ocupam da eficácia horizontal dos direitos fundamentais: a teoria da eficácia indireta ou mediata e a teoria da eficácia direta ou imediata. Para a teoria da eficácia indireta ou mediata, os direitos fundamentais são analisados na perspectiva de duas dimensões: a) dimensão negativa ou proibitiva, que veda ao legislador editar lei que viole direitos fundamentais; b) dimensão positiva, impondo um dever para o legislador implementar direitos fundamentais, ponderando, porém, quais deles devam se aplicar às relações privadas. Nos termos da proposta da teoria da eficácia direta ou imediata, como o próprio nome sugere, alguns direitos fundamentais podem ser aplicados diretamente às relações privadas, ou seja, sem a necessidade da intervenção legislativa. Adverte, com razão, ARMANDO CRUZ VASCONCEL- LOS que as violações aos direitos fundamentais podem partir tanto do Estado soberano como, também, dos agentes privados. Essa tendência atual de aplicação horizontal dos direitos fundamentais não visa se sobrepor à relação anterior, uma vez que o primordial nessa questão é nos atentarmos para que a aplicação dos direitos fundamentais, no caso concreto, esteja sempre ponderada com os demais princípios. Diversas questões precisam ser melhores desenvolvidas, como qual a forma dessa vinculação e seu alcance. (5) Eis alguns exemplos em que o STF reconheceu a eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações privadas: SOCIEDADE CIVIL SEM FINS LUCRATIVOS. UNIÃO BRA- SILEIRA DE COMPOSITORES. EXCLUSÃO DE SÓCIO SEM GARANTIA DA AMPLA DEFESA E DO CONTRADITÓRIO. EFICÁCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELA- ÇÕES PRIVADAS. RECURSO DESPROVIDO. I. EFICÁCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVA- DAS. As violações a direitos fundamentais não ocorrem somente no âmbito das relações entre o cidadão e o Estado, mas igualmente nas relações travadas entre pessoas físicas e jurídicas de direito privado. Assim, os direitos fundamentais assegurados pela Constituição vinculam diretamente não apenas os poderes públicos, estando direcionados também à proteção dos particulares em face dos poderes privados. II. OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS COMO LIMITES À AUTONOMIA PRI- VADA DAS ASSOCIAÇÕES. A ordem jurídico-constitucional brasileira não conferiu a qualquer associação civil a possibilidade de agir à revelia dos princípios inscritos nas leis e, em especial, dos postulados que têm por fundamento direto o próprio texto da Constituição da República, notadamente em tema de proteção às liberdades e garantias fundamentais. O espaço de autonomia privada garantido pela Constituição às associações não está imune à incidência dos princípios constitucionais que asseguram o respeito aos direitos fundamentais de seus associados. A autonomia privada, que encontra claras limitações de ordem jurídica, não pode ser exercida em detrimento ou com desrespeito aos direitos e garantias de terceiros, especialmente aqueles positivados em sede constitucional, pois a autonomia da vontade não confere aos particulares, no domínio de sua incidência e atuação, o poder de transgredir ou de ignorar as restrições postas e definidas pela própria Constituição, cuja eficácia e força normativa também se impõem, aos particulares, no âmbito de suas relações privadas, em tema de liberdades fundamentais. III. SOCIEDADE CIVIL SEM FINS LUCR ATI- VOS. ENTIDADE QUE INTEGRA ESPAÇO PÚBLICO, AINDA QUE NÃO ESTATAL. ATIVIDADE DE CARÁTER PÚBLICO. EXCLUSÃO DE SÓCIO SEM GARANTIA DO DEVIDO PRO- CESSO LEGAL. APLICAÇÃO DIRETA DOS DIREITOS FUN- DAMENTAIS À AMPLA DEFESA E AO CONTRADITÓRIO. As associações privadas que exercem função predominante em determinado âmbito econômico e/ou social, mantendo seus associados em relações de dependência econômica e/ou social, integram o que se pode denominar de espaço público, ainda que não estatal. A União Brasileira de Compositores UBC, sociedade civil sem fins lucrativos, integra a estrutura do ECAD e, portanto, assume posição privilegiada para determinar a extensão do gozo e fruição dos direitos autorais de seus associados. A exclusão de sócio do quadro social da UBC, sem qualquer garantia de ampla defesa, do contraditório, ou do devido processo constitucional, onera consideravelmente o recorrido, o qual fica impossibilitado de perceber os direitos autorais relativos à execução de suas obras. A vedação das garantias constitucionais do devido processo legal acaba por restringir a própria liberdade de exercício profissional do sócio. O caráter público da atividade exercida pela sociedade e a dependência do vínculo associativo para o exercício profissional de seus sócios legitimam, no caso concreto, a aplicação direta dos direitos fundamentais concernentes ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa (art. 5º, LIV e LV, CF/88). IV. RECURSO EXTRAORDINÁRIO DESPROVIDO (STF-RE /RJ, rel. Min. ELLEN GRACIE, rel. p/ acórdão Min. GIL- MAR MENDES, j. 11/10/2005, 2ª T., DJ 27/10/2006, p. 64). (5) VASCONCELLOS, Armando Cruz. A eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações privadas de subordinação. Jus Navigandi, Teresina, ano 13, n. 2107, 8 abr Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=12595>. Acesso em: 11 ago Capítulo 1 - Eficácia Horizontal dos DireitosFundamentais na Relação de Emprego e a Responsabilidade do Empregador \ 23

24 CONSTITUCIONAL. TRABALHO. PRINCÍPIO DA IGUAL- DADE. TRABALHADOR BRASILEIRO EMPREGADO DE EM- PRESA ESTRANGEIRA: ESTATUTOS DO PESSOAL DESTA: APLICABILIDADE AO TRABALHADOR ESTRANGEIRO E AO TRABALHADOR BRASILEIRO. C.F., 1967, art. 153, 1º; C.F., 1988, art. 5º, caput. I. Ao recorrente, por não ser francês, não obstante trabalhar para a empresa francesa, no Brasil, não foi aplicado o Estatuto do Pessoal da Empresa, que concede vantagens aos empregados, cuja aplicabilidade seria restrita ao empregado de nacionalidade francesa. Ofensa ao princípio da igualdade: C.F., 1967, art. 153, 1º; C.F., 1988, art. 5º, caput. II. A discriminação que se baseia em atributo, qualidade, nota intrínseca ou extrínseca do indivíduo, como o sexo, a raça, a nacionalidade, o credo religioso etc., é inconstitucional. Precedente do STF: Ag (AgRg)-PR, Célio Borja, RTJ 119/465. III. Fatores que autorizariam a desigualização não ocorrentes no caso. IV. R.E. conhecido e provido (STF-RE /DF, rel. Min. CARLOS VELLOSO, j. 29/10/1996, 2ª T., DJ , p. 57). Parece-nos corretas as considerações de PEDRO LENZA, para quem, sem dúvida, cresce a teoria da aplicação direta dos direitos fundamentais às relações privadas ( eficácia horizontal ), especialmente diante de atividades privadas que tenham um certo caráter público, por exemplo, em escolas (matrículas), clubes associativos, relações de trabalho etc. (6) Lembra INGO WOLFGANG SARLET (7) que há duas considerações a respeito da aplicação da teoria da eficácia dos direitos fundamentais às relações privadas. Primus, quando há relativa igualdade das partes figurantes da relação jurídica, caso em que deve prevalecer o princípio da liberdade para ambas, somente se admitindo eficácia direta dos direitos fundamentais na hipótese de lesão ou ameaça ao princípio da dignidade da pessoa humana ou aos direitos da personaliade. Secundum, quando a relação privada ocorre entre um indivíduo (ou grupo de indivíduos) e os detentores de poder econômico ou social, caso em que, de acordo com o referido autor, há certo consenso para se admitir a aplicação da eficácia horizontal, pois tal relação privada assemelha-se àquela que se estabelece entre os particulares e o poder público (eficácia vertical). Como as relações de trabalho subordinado são marcadas pela desigualdade entre os particulares, de um lado o empregador, que detém o poder empregatício (econômico, regulamentar, diretivo e disciplinar), e do outro o empregado, hipossuficiente econômico, vulnerável e subordinado juridicamente, parece-nos inegável a plena aplicação da eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações empregatícias. Aliás, a própria CLT, em seu art. 2º, deixa claro que o empregador é a empresa que, assumindo os riscos da atividade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço. Vale dizer, o empregador detém o poder de direção sobre a prestação pessoal de serviços do trabalhador. Há de se destacar a acertada observação de PEDRO LEN- ZA, para quem, na aplicação da teoria da eficácia horizontal, poderá o magistrado deparar-se com inevitável colisão de direitos fundamentais, quais sejam, o princípio da autonomia da vontade privada e da livre iniciativa de um lado (CF, arts. 1º, IV, e 170, caput) e o da dignidade da pessoa humana e da máxima efetividade dos direitos fundamentais (art. 1º, III) de outro. Diante dessa colisão, indispensável será a ponderação de interesses à luz da razoabilidade e da concordância prática ou harmonização. Não sendo possível a harmonização, o Judiciário terá que avaliar qual dos interesses deverá prevalecer. (8) Importa referir que no campo das relações de trabalho subordinado, nomeadamente nas relações empregatícias, há amplo espaço para a adoção da teoria da eficácia horizontal dos direitos fundamentais, tanto no plano individual quanto no plano metaindividual. À guisa de exemplo, podemos citar o direito dos empregados à indenização por danos morais e materiais decorrentes de assédio moral ou sexual (CF, arts. 1º e 5º, X). Neste caso, se a lesão a um direito fundamental (e da personalidade) é perpetrada pelo empregador, cabe a este, e não ao Estado, o dever de reparar os danos morais e materiais sofridos pelo trabalhador assediado. Outros exemplos: o direito do empregado à reintegração ou indenização por motivo de discriminação de raça, sexo, idade, religião etc. praticado diretamente pelo empregador no ambiente de trabalho (CF, art. 1º, 3º, IV, 5º, X); o direito dos trabalhadores à sadia qualidade de vida no meio ambiente de trabalho (CF, arts. 1º, III e IV; 5º, XXIII; 7º, XXII; 200, VIII; 225). Em todos estes casos, é facilmente factível a adoção da teoria da eficácia horizontal dos direitos fundamentais para responsabilizar diretamente a parte (empregador) que detém poder na relação empregatícia Análise de um caso difícil Há, porém, situações que se situam em uma linha cinzenta para a aplicação da eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas relações de emprego. É o que ocorre, por exemplo, na hipótese de responsabilização do empregador pelas lesões físicas ou psíquicas sofridas pelo empregado em razão de um assalto ocorrido dentre de um ônibus pertencente ao empregador. Neste caso, há colisão de direitos fundamentais do empregador e do empregado, já que ordenamento jurídico reconhece o direito à segurança de todas as pessoas, físicas (6) LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. 13. ed. São Paulo: Saraiva, p (7) SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p (8) LENZA, Pedro. Direito constitucional esquematizado. 13. ed. São Paulo: Saraiva, p / Direito do Trabalho e Direito Empresarial sob o Enfoque dos Direitos Fundamentais

SUMÁRIO. Professor de Direito Tributário da UFMG. Coordenador do Curso de Pós- Graduação em Direito Tributário do CEAJUFE 09

SUMÁRIO. Professor de Direito Tributário da UFMG. Coordenador do Curso de Pós- Graduação em Direito Tributário do CEAJUFE 09 SUMÁRIO PREFÁCIO Paulo Roberto Coimbra Silva Professor de Direito Tributário da UFMG. Coordenador do Curso de Pós- Graduação em Direito Tributário do CEAJUFE 09 APRESENTAÇÃO Carolina Pereira Lins Mesquita

Leia mais

EFICÁCIA HORIZONTAL DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA RELAÇÃO DE EMPREGO HORIZONTAL EFFECTIVENESS OF FUNDAMENTAL RIGHTS IN RESPECT OF EMPLOYMENT

EFICÁCIA HORIZONTAL DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA RELAÇÃO DE EMPREGO HORIZONTAL EFFECTIVENESS OF FUNDAMENTAL RIGHTS IN RESPECT OF EMPLOYMENT EFICÁCIA HORIZONTAL DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NA RELAÇÃO DE EMPREGO HORIZONTAL EFFECTIVENESS OF FUNDAMENTAL RIGHTS IN RESPECT OF EMPLOYMENT Recebido para publicação em abril de 2011. RESUMO: Trata-se de

Leia mais

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho

Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho 1 Diálogo das fontes e eficácia dos direitos fundamentais: síntese para uma nova hermenêutica das relações de trabalho Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista, doutor em direito pela Faculdade de Direito

Leia mais

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores 1 Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores Renato Rua de Almeida (*) O Direito do Trabalho distinguiu-se do Direito Civil, porque, enquanto o Direito Civil regulou de forma igual e recíproca os

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz

1. RESUMO. na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz 1. RESUMO Os direitos fundamentais trabalhistas estão inseridos na Constituição Federal, portanto, a análise do tema deve ser estudada à luz do Direito do Trabalho e dos princípios que orientam o Direito

Leia mais

Bruno Cavalcanti Marcelo Magalhães Peixoto Sérgio Augusto Zampol Pavani

Bruno Cavalcanti Marcelo Magalhães Peixoto Sérgio Augusto Zampol Pavani DIREITO DO TRABALHO EMPRESARIAL Coordenadores Bruno Cavalcanti Marcelo Magalhães Peixoto Francisco das C. Lima Filho William de Almeida Brito Júnior Mário Paiva Gilberto de Castro Moreira Junior Marcelo

Leia mais

Eficácia dos direitos fundamentais nas relações de trabalho

Eficácia dos direitos fundamentais nas relações de trabalho Eficácia dos direitos fundamentais nas relações de trabalho RENATO RUA DE ALMEIDA, advogado trabalhista, professor de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da PUC-SP, doutor em Direito do Trabalho

Leia mais

EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EDITAL N. 02 /2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DE ESTÁGIO DE DIREITO DO ESCRITÓRIO MODELO - DOM PAULO EVARISTO ARNS Área de TUTELA COLETIVA - Projetos Sociais Para futuras contratações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Projeto de Pesquisa Individual Prof. FREDERICO VIEGAS DIREITO CIVIL- CONSTITUCIONAL

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão ÍNDICE SISTEMÁTICO Capítulo I Noções Fundamentais e Objeto do Direito Internacional Privado 1.1 Considerações iniciais 1.2 Conceito 1.3 Objeto 1.4 Normas de DIPr na Constituição Federal de 1988 1.5 Direitos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA

RELAÇÃO DE EMPREGO RELAÇÃO JURIDICA RELAÇÃO DE EMPREGO A partir do momento em que o trabalho começou a existir, surgiram também as relações de emprego. Sob o ponto de vista do direito, a relação de emprego é um regramento jurídico que envolve

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br

ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br A DESCONSIDERAÇÃO DA PESSOA JURÍDICA POR DÍVIDAS TRABALHISTAS ANTONIO CARLOS ANTUNES JUNIOR www.antunes.adv.br antunes@antunes.adv.br Apresentação Palestrante: Antonio Carlos Antunes Junior Pós-graduado

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

1ºMódulo. Direito Internacional dos Direitos Humanos*

1ºMódulo. Direito Internacional dos Direitos Humanos* Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado Direito Cronograma 2015 1ºMódulo 2ª feira (noite) - 19h Teoria dos Direitos Humanos* 3 a feira (manhã) - 8h CAMPUS POA Temas de Antidiscriminação I 3ª feira

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI)

ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) ASPECTOS CONTROVERSOS DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (EIRELI) DIEGO BISI ALMADA Advogado, Professor Universitário, Palestrante e Sócio-Diretor da Almada & Teixeira Consultoria Empresarial.

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

Meio ambiente e proibição do retrocesso. Um olhar sobre a Lei Federal n 12.651/2012

Meio ambiente e proibição do retrocesso. Um olhar sobre a Lei Federal n 12.651/2012 Meio ambiente e proibição do retrocesso Um olhar sobre a Lei Federal n 12.651/2012 PROIBIÇÃO DO RETROCESSO Denominações: vedação da retrogradação, vedação do retrocesso, não retrocesso, não retorno da

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 18º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROCURADOR DO TRABALHO ESPELHO DE CORREÇÃO 2ª PROVA SUBJETIVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 18º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROCURADOR DO TRABALHO ESPELHO DE CORREÇÃO 2ª PROVA SUBJETIVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 18º CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROCURADOR DO TRABALHO ESPELHO DE CORREÇÃO 2ª PROVA SUBJETIVA As respostas às questões devem respeitar a centralidade temática

Leia mais

50 ANOS DO CASO LÜCH

50 ANOS DO CASO LÜCH Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ FORTALEZA 2008 2 Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ 1 1 Aluna: Bruna

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Noções Básicas de Direito para Servidores Públicos: Aspectos Práticos

Noções Básicas de Direito para Servidores Públicos: Aspectos Práticos Prefeitura Municipal de Campinas Secretaria de Gestão e Controle 18.09.2012 Noções Básicas de Direito para Servidores Públicos: Aspectos Práticos Gustavo Justino de Oliveira Pós-Doutor em Direito Administrativo

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa

ESTADO DO PIAUÍ CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA Assessoria Jurídica Legislativa PARECER AJL/CMT Nº 031/2015. Teresina (PI), 04 de março de 2015. Assunto: Projeto de Lei nº 029/2015 Autor: Vereadora Teresa Britto Ementa: Dispõe sobre a obrigatoriedade, no âmbito do Município de Teresina,

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Reclamação trabalhista I: petição inicial

Reclamação trabalhista I: petição inicial Reclamação trabalhista I: petição inicial Denominação Daniele Sehli* A petição inicial ordinária na Justiça do Trabalho, consoante artigo 840 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), recebe a denominação

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

- temas relevantes -

- temas relevantes - MARCELO MAGALHÃES PEIXOTO Membro do CARF - Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda Juiz do TIT!SP - Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo Mestre em Direito Tributário

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO

REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO REDUÇÃO DE VANTAGENS TRABALHISTAS COMO MECANISMO DE COMBATE AO DESEMPREGO Por: ; Docente da PUC-Minas em Poços de Caldas Gestão e Conhecimento, v. 3, n. 2, art. 2, março/ junho 2007 www.pucpcaldas.br/graduacao/administracao/nupepu/online/inicial.htm

Leia mais

Prof. Murillo Sapia Gutier

Prof. Murillo Sapia Gutier Prof. Murillo Sapia Gutier Conceito: Completo bem-estar físico, mental e espiritual; Constitucionalização do Direito à Saúde; Higidez como direito fundamental; Valor vida humana: acarreta no direito subjetivo

Leia mais

Material Disponibilizado pelo Professor:

Material Disponibilizado pelo Professor: Material Disponibilizado pelo Professor: Tema: Empregado: conceito e caracterização. Empregado doméstico: conceito. Empregador: conceito e caracterização. Empresa e estabelecimento. Grupo econômico. 1.

Leia mais

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas.

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas. 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA DF Proc. No. 01920-51.2009.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: Vistos etc. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DOS ESTADOS DOS PARANÁ E SANTA CATARINA impetrou ajuizou ação

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 1. Fontes do Direito Processual do Trabalho A abordagem relativa às fontes processuais trabalhistas é de extrema relevância para a compreensão das

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada.

Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Pessoa jurídica: Constituída regularmente Sujeito de direitos e obrigações. Responsabilidade dos sócios ou acionistas: limitada ou ilimitada. Obrigação: débito compromisso do devedor responsabilidade -

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS 1 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS Fábio Lucas Telles de Menezes Andrade Sandim ( * ) O art. 1º da Constituição Federal dispõe

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

I Simpósio de Direitos Fundamentais

I Simpósio de Direitos Fundamentais FRENTE I Simpósio de Direitos Fundamentais DIA 28 DE OUTUBRO/2014 MANHÃ E NOITE PROGRAMAÇÃO DO EVENTO MANHÃ 08h00 CREDENCIAMENTO 08h30 ABERTURA (Composição da mesa) 09h00 às 09h40 PRIMEIRA EXPOSIÇÃO O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Revista. Artigo. Conclusão

Revista. Artigo. Conclusão Artigo Revista Apontamentos sobre a necessidade de divulgação da pesquisa de preços no edital do pregão, apesar da jurisprudência do Tribunal de Contas da União em contrário. Gabriela Moreira Castro Elaborado

Leia mais

CURRÍCULO RESUMIDO. Curso de Direito FIC 2004 a 2006 FAROL FAFIBE

CURRÍCULO RESUMIDO. Curso de Direito FIC 2004 a 2006 FAROL FAFIBE CURRÍCULO RESUMIDO I DADOS PESSOAIS Nome: Andrea das Graças Souza Camacho Gimenez Garcia e-mail: II QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇAÕ ÁREA/SUBÁREA CONHECIMENTO INSTITUIÇÃO ANO INÍCIO ANO CONCLUSÃO Graduação

Leia mais

ADRIANA WYZYKOWSKI RENATO DA COSTA UNO DE GOES BARROS RODOLFO PAMPLONA FILHO

ADRIANA WYZYKOWSKI RENATO DA COSTA UNO DE GOES BARROS RODOLFO PAMPLONA FILHO ADRIANA WYZYKOWSKI Professora substituta da Universidade Federal da Bahia - (UFBA) e da Universidade Salvador UNI-FACS. Mestre em Relações Sociais e Novos Direitos pela Universidade Federal da Bahia -

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES Claudia Beatriz de Lima Ribeiro 1 ; Graziella

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Grupo de Pesquisa Institucional de Acesso à Justiça e Tutela de direitos Proposta de implementação I Objeto: Realização de estudos e pesquisas pela comunidade acadêmica da Faculdade de Direito de Campos

Leia mais

MANUAL DE DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

MANUAL DE DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO MANUAL DE DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO TATIANA WAISBERG Advogada e Professora da Faculdade de Direito da FP. Mestre em Direito Internacional PUC-MG e Universidade de Tel Aviv, Israel. MANUAL DE DIREITO

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

A Súmula Vinculante n. 33 e a contagem diferenciada de tempo especial para o servidor público

A Súmula Vinculante n. 33 e a contagem diferenciada de tempo especial para o servidor público A Súmula Vinculante n. 33 e a contagem diferenciada de tempo especial para o servidor público Thiago Martinelli Veiga 1 Resumo: o presente artigo é o resultado da interpretação da recém editada súmula

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA EMBED CorelDRAW.Graphic.12 Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001.

Leia mais

RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL/ DPU Disciplina: Direito Previdenciário Profª: Flávia Cristina Data: 25.02.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Artigo Correlato 1.1 Repercussões da Lei nº

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial.

contrato é uma declaração unilateral de vontade, cabendo tão somente ao administrador judicial. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Empresarial / Aula 14 Professor: Thiago Carapetcov Conteúdo: - Falência: Efeitos da sentença em relação aos contratos. Falido e bens. Sentença Positiva - Decretação

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/1 DISCIPLINA: DIREITO CONSTITUCIONAL II PROFESSOR: SERGIO ROBERTO LEAL DOS SANTOS TURMA: 4º

Leia mais

MEIO AMBIENTE DO TRABALHO EM FACE DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO.

MEIO AMBIENTE DO TRABALHO EM FACE DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO. MEIO AMBIENTE DO TRABALHO EM FACE DO DIREITO AMBIENTAL BRASILEIRO. Prof.Dr. Celso Antonio Pacheco Fiorillo 1º professor Livre-Docente em Direito Ambiental do Brasil(pela PUC/SP). Doutor e Mestre em Direito

Leia mais

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA Paulo Mazzante de Paula Advogado; Especialista em Direito Processual Civil; Mestrando pela Unespar/Fundinop;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL COLEÇÃO PREPARANDO PARA CONCURSOS QUESTÕES DISCURSIVAS COMENTADAS MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL PROMOTOR DE JUSTIÇA ESTADUAL 140 questões discursivas comentadas. Extraídas exclusivamente de concursos para

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 60/09-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 60/09-CEPE RESOLUÇÃO Nº 60/09-CEPE Estabelece o Currículo Pleno do Curso de Direito, do Setor de Ciências Jurídicas, O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO RELIGIOSA NO AMBIENTE DE TRABALHO

DISCRIMINAÇÃO RELIGIOSA NO AMBIENTE DE TRABALHO DISCRIMINAÇÃO RELIGIOSA NO AMBIENTE DE TRABALHO GUSTAVO FAVINI MARIZ MAIA DR. ILTON GARCIA DA COSTA 1. INTRODUÇÃO As relações de trabalho configuram um aspecto de grande relevância na vida em sociedade.

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre as Garantias e Direitos Fundamentais ao Livre Exercício da Crença e dos Cultos Religiosos, estabelecidos nos incisos VI, VII e VIII do art. 5º e no 1º do art. 210 da Constituição da República

Leia mais

DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1

DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1 DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1 Daniela Da Rosa Molinari 2, Aline Antunes Gomes 3, Luana Rambo Assis 4, Luciano Almeida Lima 5. 1 Projeto de pesquisa

Leia mais

SOBRE OS AUTORES. Mestre em Direito. Advogada da União. Professora de Direito Internacional da Universidade do Rio dos Sinos UNISINOS.

SOBRE OS AUTORES. Mestre em Direito. Advogada da União. Professora de Direito Internacional da Universidade do Rio dos Sinos UNISINOS. SOBRE OS AUTORES Anderson Furlan Magistrado Federal no Paraná. Especialista, Mestre e Doutorando em Ciências Jurídico- Econômicas pela Faculdade de Direito de Lisboa Portugal. Diretor da Escola da Magistratura

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais