Proteção de dados e acesso à informação. Mario Viola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proteção de dados e acesso à informação. Mario Viola"

Transcrição

1 Proteção de dados e acesso à informação Mario Viola Seminário sobre a Lei de Acesso à Informação Anvisa 06 de agosto de 2013

2 Leis de Acesso à Informação David Banisar

3 Acesso à Informação Declaração Universal dos Direitos Humanos Art. 19. Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão.

4 Informação Titularidade da informação Proteção da informação pessoal Acesso à informação

5 Lei Geral de Acesso à Informação - Lei /2011 Objetivos Garantir o pleno acesso pelo cidadão a informação e documentos públicos Obrigar o Estado a buscar de forma ativa a transparência das informações Estabelecer procedimentos administrativos para o acesso e a responsabilidade dos agentes públicos

6 Características Aplica-se a todos os órgãos públicos, em todos os Poderes - Executivo, Legislativo e Judiciário - da União, Estados e Municípios; Obriga a disponibilização de informações básicas sobre atuação do Poder Público na Internet (Transparência ativa); Obriga a criação de um Serviço de Informação ao Cidadão (SIC) para atendimento e orientação do público e para receber pedidos de acesso a informação (Transparência passiva); Estabelece procedimentos para amplo acesso pelo cidadão; Exige que a decisão que negar o acesso deva ser fundamentada; Prevê o cabimento de recurso contra decisão negativa de acesso; Assegura gratuidade à população de baixa renda.

7 Sigilo Proíbe a restrição de acesso sobre informações que versem sobre condutas de violação de direitos humanos ou sejam necessárias à defesa dos direitos fundamentais Trata o sigilo como exceção, quando a restrição de acesso, justificadamente, seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado (art. 3º, I da Lei nº /2011) A desclassificação é automática após vencido o prazo de sigilo ou após a ocorrência de evento específico Toda decisão que classifique informação como ultra-secreta deverá ser comunicada à Comissão de Reavaliação de Informações

8 Informações Pessoais Restringe o acesso quando a divulgação de determinada informação pessoal for ofensiva à intimidade, vida privada, honra e imagem. Estabelece prazo máximo de restrição de 100 anos, mas prevê diversas situações em que a informação deva ser divulgada por ser de interesse público. A restrição não será aplicada nos seguintes casos: Consentimento expresso do titular, Tratamento médico, estatísticas e pesquisa, Interesse público, Ordem judicial, Apuração de irregularidades ou ações voltadas à recuperação de fatos históricos de maior relevância

9 Proteção de Dados Pessoais David Banisar

10 Marco Jurídico da Proteção de Dados Previsão constitucional de proteção à vida privada, à intimidade, à honra e à imagem como direitos fundamentais (art. 5º, X) Ação de Habeas data (art. 5º, LXXII) Privacidade como um direito da personalidade (art. 21 do Código Civil) Lei Complementar nº 105, de 10 de Janeiro de 2001 Artigos 43 e 44 do Código de Defesa do Consumidor regulam a manutenção de bases de dados e de cadastros de consumidores e estabelecem direitos para os consumidores com relação ao uso de seus dados pessoais Lei nº /2011 (Cadastro Positivo) Lei nº12.527/2011 (Lei de Acesso a Informações) Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais (APL) em elaboração pelo Ministério da Justiça.

11 O que é informação pessoal? Não há no ordenamento brasileiro uma definição legal para informação ou dado pessoal «Dados pessoais», qualquer informação relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável («pessoa em causa»); é considerado identificável todo aquele que possa ser identificado, directa ou indirectamente, nomeadamente por referência a um número de identificação ou a um ou mais elementos específicos da sua identidade física, fisiológica, psíquica, económica, cultural ou social (Diretiva Europeia 95/46/CE)

12 Que tipos de informações pessoais estão sujeitas ao sigilo? Somente aquelas que estiverem relacionadas à intimidade, vida privada, honra, imagem ou a liberdades e garantias individuais (art. 31, caput da Lei nº /2011)

13 Quais seriam as informações relacionadas à intimidade, vida privada, honra, imagem ou a liberdades e garantias individuais? Intimidade trata-se da informação daqueles dados que a pessoa guarda para si e que dão consistência à sua pessoalidade, dados de foro íntimo, expressões de auto-estima, avaliações personalíssimas com respeito a outros, pudores, enfim, dados que quando constantes de processos comunicativos, exigem do receptor extrema lealdade e confiança, e que, se devassados, desnudariam a personalidade, quebrariam a consistência psíquica, destruindo a integridade moral do sujeito. (Tércio Sampaio Ferraz Júnior) Vida privada referentes às opções da convivência, como a escolha de amigos, a frequência de lugares, os relacionamentos familiares, ou seja, de dados que, embora digam respeito aos outros, não afetam (embora no interior da própria convivência, possam vir a afetar) direitos de terceiros (exclusividade da convivência). Tércio Sampaio Ferraz Júnior Honra princípio que leva alguém a ter uma conduta proba, virtuosa, corajosa e que lhe permite gozar de bom conceito junto à sociedade (Dicionário HOUAISS) Imagem o direito de não vê-la mercantilizada, usada, sem o seu exclusivo consentimento, em proveito de outros interesses que não os próprios. Assim, a privacidade, nesse caso, protege a informação de dados que envolvam avaliações (negativas) do comportamento que, publicadas, podem ferir o bom nome do sujeito, isto é, o modo como ele supõe e deseja ser visto pelos outros. (Tércio Sampaio Ferraz Júnior)

14 Um caminho... informações sensíveis, assim consideradas aquelas pertinentes à origem social e étnica, à saúde, à informação genética, à orientação sexual e às convicções políticas, religiosas e filosóficas. (art. 3º, 3º, II da Lei nº12.414/2011) Princípio da finalidade

15 Agravo de Instrumento nº /RS Relatora: Desembargadora Federal Marga Inge Barth Tessler Os argumentos do SIMERS, no ponto, apresentam considerável relevância, tendo em vista que a exigência de revelação do diagnóstico (CID da doença) dos beneficiários de planos de saúde, ora permitida pela Resolução rechaçada, sem autorização expressa do doente ou hipóteses de justa causa ou imposição legal, implica evidente ofensa ao sigilo médico e violação à intimidade e à dignidade de todos os titulares de planos congêneres.

16 MARIO VIOLA Brasília,

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO N 12.527/2011 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO N 12.527/2011 CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO N 12.527/2011 REGRAS ESPECÍFICAS PARA OS ESTADOS Art. 45 da LAI: Cabe aos Estados, em legislação própria, definir regras específicas, observadas as regras gerais estabelecidas

Leia mais

CONARQ OGU AGOSTO - 2014

CONARQ OGU AGOSTO - 2014 CONARQ OGU AGOSTO - 2014 Experiência Internacional Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo 19): Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade

Leia mais

CONCEITOS RELEVANTES. Informação pública. Informação produzida pela Administração

CONCEITOS RELEVANTES. Informação pública. Informação produzida pela Administração CONCEITOS RELEVANTES Informação. Dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato (Lei 12.527/2011, art. 4º,

Leia mais

LAI e PAD OGU MAIO - 2014

LAI e PAD OGU MAIO - 2014 LAI e PAD OGU MAIO - 2014 Experiência Internacional Declaração Universal dos Direitos Humanos (artigo 19): Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade

Leia mais

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição As presentes orientações aplicam-se ao tratamento de dados pessoais pelos candidatos a deputado da Assembleia Legislativa

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Os aspectos da Lei de Proteção de Dados Pessoais

Os aspectos da Lei de Proteção de Dados Pessoais Os aspectos da Lei de Proteção de Dados Pessoais PL n. 4060/2012 Veridiana Alimonti Coletivo Intervozes 25 de agosto de 2015 2 Nossas ações cotidianas geram ou podem gerar arquivos, registros e bancos

Leia mais

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro)

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) Código Deontológico (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) SECÇÃO II Do código deontológico do enfermeiro Artigo 78.º Princípios gerais 1 - As intervenções

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

BIOBANCOS E SUAS REPERCUSSÕES BRASILEIRO. Maria de Fátima Freire de Sá PUCMinas

BIOBANCOS E SUAS REPERCUSSÕES BRASILEIRO. Maria de Fátima Freire de Sá PUCMinas BIOBANCOS E SUAS REPERCUSSÕES JURÍDICAS NO DIREITO BRASILEIRO Maria de Fátima Freire de Sá PUCMinas PANORAMA GERAL: Conselho Nacional de Saúde. Resoluções n 196, de 10 de outubro de 1996; n 340, de 08

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS)

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) Cartagena das Índias, 15 de Outubro de 2013 Carlos Campos Lobo Índice Enquadramento Direito ao esquecimento Quadro normativo

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

Insurance Service Meeting 2012. Renato Pita e Mario Viola Central de Serviços e Proteção ao Seguro da CNseg - Ceser

Insurance Service Meeting 2012. Renato Pita e Mario Viola Central de Serviços e Proteção ao Seguro da CNseg - Ceser Insurance Service Meeting 2012 Renato Pita e Mario Viola Central de Serviços e Proteção ao Seguro da CNseg - Ceser Central de Serviços e Proteção ao Seguro Central de Serviços e Proteção ao Seguro A Central

Leia mais

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público RIO DE JANEIRO 2015 Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público APL DE DADOS Resumo Esta é uma contribuição do ITS ao debate público sobre o anteprojeto

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

PARECER A UTILIZAÇÃO DE CÂMERAS DE VÍDEO DE VIGILÂNCIA DENTRO DA SALA DE AULA

PARECER A UTILIZAÇÃO DE CÂMERAS DE VÍDEO DE VIGILÂNCIA DENTRO DA SALA DE AULA PARECER A UTILIZAÇÃO DE CÂMERAS DE VÍDEO DE VIGILÂNCIA DENTRO DA SALA DE AULA A Instituição de ensino que procede à instalação de câmeras de vídeo de vigilância dentro da sala de aula, infringe direitos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICAS Y PROCEDIMENTOS DO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA INTERAMERICANA

MANUAL DE POLÍTICAS Y PROCEDIMENTOS DO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA INTERAMERICANA MANUAL DE POLÍTICAS Y PROCEDIMENTOS DO TRATAMENTO DE DADOS PESSOAIS DA ORGANIZAÇÃO UNIVERSITÁRIA INTERAMERICANA Artigo 1: Quadro normativo O presente Manual contem as disposições aplicadas pela Organização

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade Proteção de Dados Pessoais e Privacidade João Paulo Ribeiro joao.ribeiro@cnpd.pt 22 Novembro/2012 HISTÓRIA 1888: o direito de ser deixado só - Juiz Thomas Cooley, USA 1890: The Right to Privacy (O Direito

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006 I - Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem recebido, com muita frequência, um grande número de pedido de acessos a dados pessoais de saúde de titulares

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do

Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Jaime Antunes da Silva Diretor-Geral do Arquivo Nacional Presidente do Conselho Nacional de Arquivos CONARQ Presidente da Comissão de Coordenação do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo - SIGA, da

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet

Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Marco Civil da Internet Oficina sobre Governança da Internet e o Marco Civil da Internet GETEL/UnB Impressões iniciais sobre a Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014 Marco Civil da Internet Marcus A. Martins Consultor Legislativo

Leia mais

DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE

DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE DECRETO Nº 2.134, DE 24 DE JANEIRO DE 1997 (Revogado Pelo Decreto nº 4.553, de 27.12.2002) Regulamenta o art. 23 da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a categoria dos documentos públicos

Leia mais

Instruções para classificação de processos quanto ao nível de acesso no SEI-MP

Instruções para classificação de processos quanto ao nível de acesso no SEI-MP Instruções para classificação de processos quanto ao nível de acesso no SEI-MP O SEI-MP é uma ferramenta que traz inúmeras vantagens para a Administração Pública, e em diversos campos. Talvez as melhorias

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações:

CÓDIGO DE ÉTICA. Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: CÓDIGO DE ÉTICA Adoptado a 25 de Junho de 1999 pelas três Associações: APDIS Associação Portuguesa de Documentação e Informação na Saúde BAD Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Leia mais

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007.

DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. DECRETO Nº 6.044, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2007. Aprova a Política Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos - PNPDDH, define prazo para a elaboração do Plano Nacional de Proteção aos Defensores

Leia mais

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 25 o (Direito à integridade pessoal) 1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável. 2. Ninguém pode ser

Leia mais

Economia Digital e Privacidade. Laura Fragomeni

Economia Digital e Privacidade. Laura Fragomeni Economia Digital e Privacidade Laura Fragomeni Roteiro Economia Digital Cenário Mundial O MercadoLivre Privacidade Propostas Legislativas Considerações Finais Economia Digital Cenário Mundial Usuários

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CONSELHO JURISDICIONAL

CONSELHO JURISDICIONAL PARECER CJ 194 / 2010 SOBRE: Segurança da Informação em Saúde e Sigilo Profissional em Enfermagem O Conselho Jurisdicional, enquanto supremo órgão jurisdicional da Ordem dos Enfermeiros e decorrente da

Leia mais

PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO

PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO PRÊMIO CCBB CONTEMPORÂNEO CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL PREÂMBULO O Banco do Brasil torna público o concurso Prêmio CCBB Contemporâneo, que visa selecionar trabalhos inéditos de artistas brasileiros

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA ANATEL ABRIL 2016 O QUE É PRIVACIDADE E PROTEÇÃO DE DADOS? POR QUE PROTEGÊ-LAS? COM O QUE PROTEGÊ-LAS? LEI E LEGISLAÇÃO O QUE É PRIVACIDADE

Leia mais

"Catch me if you can! -2 nd level. Cloud Computing and Social Networks: Privacy s Death. Cloud Computing and Social Networks: Privacy s Death

Catch me if you can! -2 nd level. Cloud Computing and Social Networks: Privacy s Death. Cloud Computing and Social Networks: Privacy s Death INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COIMBRA "Catch me if you can! -2 nd level Cloud Computing and Social Networks: Privacy s Death "Catch me if you can! -2 nd level Cloud Computing and

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL 1. Disposições Preliminares Este Código de Ética tem como principal objetivo informar aos colaboradores, prestadores de serviço, clientes e fornecedores da Petronect quais são os princípios éticos que

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público:

Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Excelentíssimo Dr. Roberto Monteiro Gurgel Santos, DD. Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público: Venho à presença de Vossa Excelência, nos termos do Regimento Interno deste Conselho, apresentar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

Parecer n.º 02/P/2008/GPDP. Assunto: Pedidos de fornecimento dos dados de cliente do hotel por parte do Serviço Competente A à Companhia B

Parecer n.º 02/P/2008/GPDP. Assunto: Pedidos de fornecimento dos dados de cliente do hotel por parte do Serviço Competente A à Companhia B Parecer n.º 02/P/2008/GPDP Assunto: Pedidos de fornecimento dos dados de cliente do hotel por parte do Serviço Competente A à Companhia B A Companhia B vem pedir a nossa opinião sobre a situação de que,

Leia mais

Regulamento Interno da Universidade Sénior de Almodôvar. Capítulo I:

Regulamento Interno da Universidade Sénior de Almodôvar. Capítulo I: REGULAMENTO INTERNO - Universidade Sénior de Almodôvar - Capítulo I: 1ª - Pertença 1. A Universidade Sénior de Almodôvar é um projeto socioeducativo e cultural promovido pela Câmara Municipal de Almodôvar,

Leia mais

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio)

PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) *C0050960A* C0050960A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 12, DE 2015 (Do Sr. Lucas Vergilio) Dispõe sobre a utilização de sistemas de verificação biométrica e dá outras providências. DESPACHO: ÀS

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

O que é uma administração transparente?

O que é uma administração transparente? O que é uma administração transparente? Uma prefeitura transparente É quela que respeita o cidadão Expõe as suas contas para toda a população Uma prefeitura transparente É aquela que publica seus atos

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

Acesso do público aos documentos e protecção de dados

Acesso do público aos documentos e protecção de dados AEPD - Autoridade Europeia para a Protecção de Dados Acesso do público aos documentos e protecção de dados Série documentos de fundo Resumo Julho de 2005 n. 1 Introdução A Autoridade Europeia para a Protecção

Leia mais

PROJETO CRIANÇA FELIZ ANSELMO RODRIGUES GIOVANNA DE VASCONCELOS VERA LUCIA COSTA FERREIRA DA LUZ

PROJETO CRIANÇA FELIZ ANSELMO RODRIGUES GIOVANNA DE VASCONCELOS VERA LUCIA COSTA FERREIRA DA LUZ PROJETO CRIANÇA FELIZ ANSELMO RODRIGUES GIOVANNA DE VASCONCELOS VERA LUCIA COSTA FERREIRA DA LUZ PONTA GROSSA 2010 PROJETO MÊS DA CRIANÇA TÍTULO: CRIANÇA FELIZ JUSTIFICATIVA Este projeto visa atender ao

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. CÓDIGO DE ÉTICA APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. Índice 1. Preâmbulo 2. Disposições Gerais 2.1. Âmbito de aplicação 2.2. Objectos do 2.3. Dimensões éticas da empresa 2.4. Cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A FUNCIONAL, com o escopo de firmar o compromisso junto aos USUÁRIOS visando a segurança e privacidade das informações transitadas e recepcionadas através de seus sites www.funcionalcorp.com.br

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS DEZEMBRO DE 2008 PREÂMBULO O presente Código visa clarificar as normas de conduta que devem orientar os comportamentos e as atitudes de todos os Colaboradores da GEBALIS, independentemente

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS

A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS A ATUAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FAZENDÁRIA APÓS A LEI Nº 12.527/2011 - ACESSO ÀS INFORMAÇÕES FISCAIS DENISE LUCENA CAVALCANTE Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa. Doutora pela PUC/SP Mestre pela UFC. Procuradora

Leia mais

Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria

Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria I - Factos e pedido A Universidade do Porto (UP), através de Lígia Maria Ribeiro, Pró-Reitora

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrições.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Sem restrições. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99923.000637/2014-65 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão

Leia mais

Sites de Terceiros A presente Declaração de Privacidade não é extensível aos sites de terceiros que estiverem ligados a este web site.

Sites de Terceiros A presente Declaração de Privacidade não é extensível aos sites de terceiros que estiverem ligados a este web site. Declaração de Privacidade Este web site é gerido pela LeasePlan Portugal-Comércio e Aluguer de Automóveis e Equipamentos, Lda. A LeasePlan poderá proceder à recolha dos seus dados pessoais quer directamente

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8

Capacitação em Educação em Direitos Humanos. FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 Capacitação em Educação em Direitos Humanos FUNDAMENTOS HISTÓRICO- FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Módulo 1.8 1 FUNDAMENTOS HISTÓRICO-FILOSÓFICOS DOS DIREITOS HUMANOS Direitos Humanos: sua origem e natureza

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS PROCEDIMENTOS CONHEÇA SEU CLIENTE ( KYC )

CÓDIGO DE ÉTICA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS PROCEDIMENTOS CONHEÇA SEU CLIENTE ( KYC ) CÓDIGO DE ÉTICA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS PROCEDIMENTOS CONHEÇA SEU CLIENTE ( KYC ) RIO DE JANEIRO FEVEREIRO 2010 A PRISMAINVEST GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( PRISMAINVEST ) redigiu este documento

Leia mais

Esta POLÍTICA DE PRIVACIDADE se aplica ao levantamento de dados e uso do site FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h.

Esta POLÍTICA DE PRIVACIDADE se aplica ao levantamento de dados e uso do site FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h. A FERRAMENTA/WEBSITE YOU 24h é composta por várias páginas web, em HTML e outras codificações, operadas por YOU24h Tecnologia Ltda., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o nº 14.994.971/0001-09,

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO REF.: REPRESENTAÇÃO N.º 717/2006 CLASSE 16 REPRESENTANTE: PARTIDO DOS TRABALHADORES - PT REPRESENTADO: PARTIDO SOCIAL DA DEMOCRACIA

Leia mais

Parecer N. 02/P/2011/GPDP

Parecer N. 02/P/2011/GPDP Parecer N. 02/P/2011/GPDP Assunto: Criação do sistema de consulta online do Título de Identificação de Trabalhador Não-Residente (TI/TNR) pelo Corpo de Polícia de Segurança Pública O Corpo de Polícia de

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Código Civil Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Código Civil Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Código Civil Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 70. o (Tutela geral da personalidade) 1. A lei protege os indivíduos contra qualquer ofensa ilícita ou ameaça de ofensa à sua

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

6 Conclusão. autenticidade dos atos jurídicos e declarações para eles transpostos.

6 Conclusão. autenticidade dos atos jurídicos e declarações para eles transpostos. 6 Conclusão A presente pesquisa procurou discutir a privacidade dos registros públicos disponibilizados na Internet, especialmente, acerca dos dados pessoais sensíveis que alguns daqueles registros contêm.

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

Tópicos Jurídicos de Propriedade Intelectual (e outros temas derivados) em Big Data Ciclo de Seminários do GEOPI/UNICAMP 12/06/2013

Tópicos Jurídicos de Propriedade Intelectual (e outros temas derivados) em Big Data Ciclo de Seminários do GEOPI/UNICAMP 12/06/2013 Tópicos Jurídicos de Propriedade Intelectual (e outros temas derivados) em Big Data Ciclo de Seminários do GEOPI/UNICAMP 12/06/2013 José Augusto de Lima Prestes Advogado A Era do Eu... Multiplicação da

Leia mais

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 João Cadete de Matos Director Departam ento de Estatística Banco de Portugal A protecção de informação estatística confidencialno

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DAS LICITAÇÕES. Roberto Costa de Freitas Júnior J Juiz de Direito

CONTROLE SOCIAL DAS LICITAÇÕES. Roberto Costa de Freitas Júnior J Juiz de Direito CONTROLE SOCIAL DAS LICITAÇÕES Roberto Costa de Freitas Júnior J Juiz de Direito REGIME DEMOCRÁTICO = PARTICIPAÇÃO POPULAR EXERCÍCIO CIO DA DEMOCRACIA Por meio de representação ou diretamente LEGITIMAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais