Linhas Gerais do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Ílhavo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linhas Gerais do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Ílhavo"

Transcrição

1 DGEstE - Direção de Serviços da Região Centro A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E Í L H A V O Linhas Gerais do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Ílhavo Introdução Nos termos do Decreto-lei nº 137/2012, de 2 de julho, que procede à segunda alteração ao Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, e que aprova o regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré -escolar e dos ensinos básico e secundário, o projeto educativo é o documento que consagra a orientação educativa do agrupamento de escolas ou da escola não agrupada, elaborado e aprovado pelos seus órgãos de administração e gestão para um horizonte de três anos, no qual se explicitam os princípios, os valores, as metas e as estratégias segundo os quais o agrupamento de escolas ou escola não agrupada se propõe cumprir a sua função educativa. Considerando o processo de agregação a que foram sujeitos o antigo Agrupamento de Escolas de Ílhavo e a Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes, no âmbito da reorganização da rede escolar pública do Ministério da Educação e Ciência, e tendo por base os dois projectos educativos daquelas unidades orgânicas, ainda vigentes no corrente ano letivo, gizaram-se as linhas gerais do projeto educativo do atual Agrupamento de Escolas de Ílhavo. Assim, nesta fase prévia à eleição dos órgãos de administração e gestão do agrupamento, designadamente do Conselho Geral e do Diretor, assumir-se-á que este documento consagra a orientação educativa do mesmo. Missão Prestação de serviço público, com o objetivo de dotar todos e cada um dos cidadãos das competências e conhecimentos que lhes permitam explorar plenamente as suas capacidades, integrar-se ativamente na sociedade e dar um contributo para a vida económica, social e cultural do País. Princípios -Criação de uma comunidade educativa com personalidade própria e prestigiada -Qualidade nos processos de ensino/aprendizagem, visando a preparação para a vida ativa -Promoção da igualdade de oportunidades, solidariedade, disponibilidade e cooperação -Educação para a cidadania -Colaboração ativa da escola/família/comunidade Página 1 de 24

2 Valores - Dignificação do trabalho -Justiça e tolerância -Aceitação da diferença -Saúde e bem-estar Caracterização do Agrupamento O Agrupamento O actual Agrupamento de Escolas de Ílhavo - que integra a Educação Pré-Escolar, os 1º, 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e o Ensino Secundário - foi constituído por despacho de Sua Excelência, o Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, em 28 de junho de Também por despacho ministerial, foi ainda considerado Agrupamento de Escolas de Referência para a Educação Bilingue de Alunos Surdos e Agrupamento de Referência para a colocação de docentes na Intervenção Precoce. Constituem o Agrupamento de Escolas de Ílhavo doze estabelecimentos de ensino: - Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes (3º CEB e Secundário) - Escola Básica José Ferreira Pinto Basto (2º e 3º CEB) - Escola Básica Nossa Senhora do Pranto (Centro Escolar: Pré Escolar e 1º CEB) - Escola Básica da Coutada (Centro Escolar: Pré Escolar e 1º CEB) - Escola Básica da Légua (Centro Escolar: Pré Escolar e 1º CEB) - Escola Básica de Vale de Ílhavo (Centro Escolar: Pré Escolar e 1º CEB) - Escola Básica de Ílhavo (1º CEB, Ensino Bilingue de Alunos Surdos 1º CEB e Pré Escolar) - Escola Básica da Gafanha de Aquém (1º CEB) - Escola Básica da Chousa Velha (1º CEB) - Escola Básica Senhora dos Campos (1º CEB) - Jardim-de-infância da Chousa Velha - Jardim-de-infância da Gafanha de Aquém Página 2 de 24

3 Localização geográfica O Agrupamento localiza-se na freguesia de S. Salvador, do concelho de Ílhavo, situado na região centro litoral do país e pertence ao distrito de Aveiro. O Município, que dista cerca de 5 quilómetros da capital de distrito, tem uma área de 73,46 Km2, e é constituído por quatro freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo, registando uma densidade populacional de 525,1 habitantes por Km2 (município com a maior densidade populacional da Região de Aveiro, de acordo com os Censos 2011). Atendendo à sua localização geográfica e à ligação privilegiada com a Ria de Aveiro, o Município de Ílhavo integra a Comunidade Intermunicipal da Ria de Aveiro. A pesca do bacalhau e toda a sua epopeia vivida nos mares frios da Gronelândia e da Terra Nova, está presente na memória coletiva, sendo um património dos portugueses, onde os pescadores e capitães desta terra foram baluartes. Paralelamente à existência de uma agricultura intensiva (pois eram estas terras as melhores do Baixo Vouga), nascia, nos finais do século XIX, a Fábrica de Porcelana da Vista Alegre (VA), que pela sua dimensão na época e influência cultural exercida, foi um fator de forte desenvolvimento do concelho, bem como das zonas limítrofes. Ao longo das últimas duas décadas do Século XX, Ílhavo sofreu profundas mutações sociais, culturais e económicas, que ficaram a dever-se à diminuição da oferta de emprego no setor das pescas, obrigando as gentes Ilhavenses, que quase nasciam com o destino marcado no mar, a virar-se para outras atividades ligadas ao comércio marítimo e a outros sectores, nomeadamente a indústria. Ílhavo tem também uma oferta cultural diversificada onde se destaca o Museu Marítimo, o Museu da Vista Alegre, o Centro Cultural, a Biblioteca Municipal e o Navio-Museu Santo André. COMUNIDADE ESCOLAR 1. Alunos A população escolar deste Agrupamento é formada por crianças e jovens cujas idades se situam, na sua maioria, entre os 3 e os 18 anos, sendo de referir ainda que, no âmbito da Intervenção Precoce, são acompanhadas crianças com menos de 3 anos. Página 3 de 24

4 Na sua maioria, os alunos do Agrupamento são residentes na Freguesia de São Salvador, provenientes dos diferentes lugares. Os alunos que integram a Escola de Referência de Educação Bilingue para Alunos Surdos e a Intervenção Precoce residem noutros concelhos do distrito, nomeadamente: Aveiro, Vagos, Ovar, Águeda e Oliveira do Bairro. Os 1831 alunos que frequentam as escolas e jardins-de-infância do Agrupamento encontram-se distribuídos da seguinte forma: Educação Pré-escolar Total de alunos 183 Ensino Básico Total por ano 1º ano: 140 2º ano: 157 3º ano: 161 4º ano: 149 5º ano: 127 6º ano: 164 7º ano: 148 8º ano: 138 9º ano: 148 Total por Ciclo Ensino Secundário Total por ano 10º ano: 98 11º ano: º ano: 106 Total 316 Página 4 de 24

5 2. Pessoal docente e técnicos especializados Homem % Mulher % Ed. Pré- Escolar 0 0% 8 5% 1º Ciclo 4 10% 34 20% 2º Ciclo 11 26% 30 18% 3º Ciclo e Secundário 22 52% 74 44% Ed. Especial 2 5% 11 6% Técnicos especializados 3 7% 12 7% Total Tipo de Vínculo Q. Agrupamento QZP Contratado Pré-escolar º CEB º CEB º CEB e Sec a) + 15b) a) Educação especial; b) Técnicos especializados (terapeutas, intérpretes LGP, Formadores LGP e Cozinha) 3. Pessoal não docente Homem % Mulher % Técnicos Superiores 0 0% 2 3,3% Assistentes Técnicos 3 30% 10 16,7% Assistentes Operacionais 6 60% 46 27,6% Outros (CEI) 1 10% 2 3,3% Total Página 5 de 24

6 4. Representação de alunos e pais/ee na vida do Agrupamento 4.1. Associação de Estudantes (Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes) 4.2. Associações de Pais e Encarregados de Educação das várias escolas e jardins-de-infância do Agrupamento Salienta-se o grande envolvimento das várias Associações de Pais no que diz respeito à dinamização de projetos/atividades do PAA do Agrupamento, assegurando ainda a Componente de Apoio à Família na educação pré-escolar e primeiro ciclo (prolongamento de horário e serviço de refeições) em parceria com a Câmara Municipal de Ílhavo. Oferta Educativa e Formativa A Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes e a EB José Ferreira Pinto Basto oferecem formação de nível básico e secundário para jovens. A formação de nível básico concretiza-se nas modalidades de ensino regular ou de cursos de educação e formação (Hotelaria e Restauração Cozinheiro, nível 2 Tipo 3). Prevê-se ainda a possibilidade, a partir do próximo ano letivo, da implementação da modalidade de ensino vocacional (2º e 3º CEB). No 2º e 3º ciclos, no presente ano letivo, existe a oferta de um leque de Áreas Curriculares Alternativas para alunos que usufruem de Currículo Específico Individual, a saber: Arte Culinária, Oficinas, Artes Manuais, Têxteis, Artes Plásticas, Artes dos Tecidos, Jogo Dramático, Psicomotricidade, Oficina de Construção e Restauro, Oficina de Mecânica e Artes Aplicadas, Oficina de Artes Tradicionais, O Homem e o Meio, O Homem e o Ambiente e Ciências da Vida. No que respeita à formação de nível secundário, a escola secundária disponibiliza, em regime diurno, Cursos Científico-Humanísticos, Cursos Profissionais (Técnico de Programação e Gestão de Sistemas Informáticos, Técnico de Secretariado, Apoio à Gestão Desportiva) e um Curso Tecnológico de Desporto. Este Agrupamento de Escolas de Referência de Educação Bilingue para Alunos Surdos, e de acordo com o previsto no Decreto-lei 3/2008, de 7 de janeiro, promove uma resposta educativa especializada, desenvolvida em grupos ou turmas de alunos surdos, aplicando-se metodologias e estratégias de intervenção interdisciplinares adequadas e em continuidade pedagógica, graças à intervenção de docentes e técnicos especializados (terapeuta da fala, intérprete de LGP, formador de LGP). Esta resposta educativa é desenvolvida desde a Educação Pré-Escolar ao Secundário (Escola Básica de Ílhavo Jardim de infância de Página 6 de 24

7 Educação Bilingue de Alunos Surdos e 1º CEB; Escola Básica José Ferreira Pinto Basto e Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes). No âmbito do Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI), o Agrupamento disponibiliza educador(es) de infância que integra(m) a Equipa Local de Intervenção de Ílhavo, juntamente com outros técnicos (enfermeiro/a, médico/a, fisioterapeuta, psicólogo/a, técnico superior de serviço social, terapeuta de fala e educador/a social). A Intervenção Precoce na Infância, de acordo com o Decreto-lei nº281/2009, de 6 de outubro, promove um conjunto de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família, incluindo ações de natureza preventiva e reabilitativa, designadamente no âmbito da educação, da saúde e da ação social, visando detetar alterações nas funções e estruturas do corpo, bem como ambientais, e que possam implicar um grave atraso no desenvolvimento. Atividades e Projetos de Complemento e Enriquecimento Curricular Será importante realçar, a este nível, a iniciativa do Município através do respetivo Plano Municipal de Intervenção Educativa, abarcando em especial o Pré-escolar e o 1º CEB, com as suas numerosas dinâmicas e iniciativas. No 1º ciclo, e em conformidade com o Despacho n.º 8683/2011, de 28 de Junho, são desenvolvidas Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) diariamente, das 15.30h até às h, em parceria com a entidade promotora, a Câmara Municipal de Ílhavo e as Associações de Pais. As Atividades de Enriquecimento Curricular oferecidas aos alunos, em regime facultativo e através de inscrição, são as seguintes: Apoio ao Estudo (1º ao 4º ano assegurado pelos professores titulares de turma e/ou outros docentes) Música (3º e 4º anos) Atividade Física e Desportiva (1º ao 4º ano) Atividades lúdico-expressivas (1º e 2º anos) Inglês (1º ao 4º ano) Na escola-sede do Agrupamento, assim como na EB José Ferreira Pinto Basto, proporcionam-se aos alunos atividades de enriquecimento e de complemento curricular, desenvolvidas/coordenadas por professores, as quais têm como objetivo estimular o desenvolvimento sócio afetivo dos alunos, complementar a sua Página 7 de 24

8 formação pessoal, social e artística e contribuir para a plena integração na escola, combatendo o abandono escolar, o absentismo e o insucesso. Destacamos as seguintes atividades/projetos: Clube da Matemática, Clube Europeu, Desporto Escolar, Clube de Teatro MarAlegre, Gabinete de Informação e Apoio ao Aluno, Bibliotecas Escolares, Parlamento de Jovens, Escolíadas, Projeto Eco Escolas, Projeto de Educação para a Saúde, Clubes de Língua Gestual Portuguesa e projeto Sapo Campus. Recursos e Modalidades de Apoio Educativo No que respeita aos recursos, destacam-se: Bibliotecas Escolares/Centros de Recursos Educativos Serviços de Psicologia e Orientação Gabinete do Aluno Salas de Estudo Quanto às modalidades de apoio educativo, salientam-se: Apoio ao Estudo e coadjuvância no 1º CEB Apoio Educativo em diferentes modalidades nos restantes níveis e ciclos de ensino (aulas de apoio pedagógico acrescido, aulas de apoio individualizado, tutorias, complemento de competências curriculares, coadjuvância e assessorias pedagógicas). Educação Especial Intervenção precoce na infância Educação bilingue de alunos surdos Apoio a alunos com limitações significativas ao nível da atividade e da participação num ou vários domínios de vida, decorrentes de alterações funcionais e estruturais, de carácter permanente. Página 8 de 24

9 Parcerias e protocolos Um recurso inestimável é aquele que decorre da existência de parcerias e protocolos assumidos com algumas entidades do meio, mas também para além deste. Destacamos a proximidade com a Câmara Municipal de Ílhavo; a Junta de Freguesia de S. Salvador; o Centro de Saúde de Ílhavo; o CFAECIVOB (Centro de Formação de Associação de Escolas dos Concelhos Ílhavo, Vagos e Oliveira do Bairro); o CASCI; a Escola Segura; a CPCJ de Ílhavo; os Bombeiros Voluntários de Ílhavo; o Centro Cultural de Ílhavo; o Illiabum Clube; Os Ílhavos; a Rede de Bibliotecas de Ílhavo, PT Inovação, Universidade de Aveiro e outros Estabelecimentos de Ensino Superior, entre outros parceiros. Para além das já referidas, existem ainda protocolos celebrados com outras instituições e empresas no âmbito da formação em contexto de trabalho dos alunos que frequentam os cursos profissionais e de educação e formação (Hotel de Ílhavo, TEKA Portugal, Worten, Rádio Terra Nova, Hospital de Aveiro, Rádio Popular, Ginásio Knock-Out, GimClube, Ginásio Fly High, Media Markt ). LINHAS ORIENTADORAS DA POLÍTICA EDUCATIVA DO AGRUPAMENTO 1. Prestação do Serviço Educativo - Melhorar os níveis de desempenho e a qualificação dos alunos, de modo a atingir as metas, os valores e os princípios definidos pelo Agrupamento - Desenvolver estratégias que visem diminuir o absentismo e o abandono escolar - Promover a regulação do comportamento dos alunos em sala de aula, de forma a rendibilizar os tempos de aprendizagem e melhorar os resultados escolares - Promover, junto dos alunos, a importância do mérito e da excelência - Desenvolver, nos alunos e formandos, competências básicas em literacia da informação, literacia informática e literacia da leitura - Reforçar as modalidades/atividades de apoio pedagógico e/ou complemento educativo Página 9 de 24

10 - Aumentar a prática de supervisão pedagógica das atividades letivas - Sistematizar práticas de reflexão (auto e heteroavaliação) e de trabalho colaborativo 2. Oferta Educativa e Formativa - Adequar a oferta formativa às necessidades dos alunos e aos recursos humanos e materiais existentes no Agrupamento, respeitando as orientações da tutela - Contribuir para elevar os níveis de educação e formação, recorrendo às ofertas educativas vigentes - Promover a oferta de novas áreas educativas 3. Políticas de Saúde, Segurança e Disciplina - Fomentar Políticas de Saúde, Segurança e Disciplina, promovendo o desenvolvimento de competências essenciais nestas áreas, através de atividades e programas específicos 4. Programas/Plano de Formação -Favorecer a formação do pessoal docente e não docente em áreas consideradas prioritárias e essenciais, nomeadamente as TIC e a LGP. - Promover iniciativas de formação junto dos pais/ee 5. Organização administrativa - Modernização dos serviços de administração escolar do Agrupamento - Operacionalizar a gestão de todos os processos administrativos e didático-pedagógicos, apostando na inovação tecnológica e recurso às TIC 6. Relação escola/ família / comunidade - Envolver os Pais/EE no processo de ensino-aprendizagem dos seus educandos - Envolver o pessoal docente, não docente, os alunos e os seus Pais/EE nas atividades do PAA do Agrupamento e da comunidade envolvente - Incrementar o voluntariado dos Pais na escola/agrupamento, nomeadamente através das Associações de Pais Página 10 de 24

11 - Abertura à comunidade e desenvolvimento de parcerias e projetos, com impacto relevante na prestação do serviço educativo e nas aprendizagens dos alunos. 7. Instalações escolares - Proceder à manutenção e/ou melhoria das instalações escolares dependentes da tutela 8. Imagem e comunicação - Promover a imagem institucional do Agrupamento e melhorar os circuitos de comunicação e informação com toda a comunidade educativa - Divulgar de forma eficaz o serviço educativo prestado pela escola 9. Avaliação interna do agrupamento - Realizar regularmente a avaliação interna da instituição - Conferir à avaliação as finalidades/oportunidades de melhoria 10. Liderança e gestão -Incrementar o envolvimento das lideranças intermédias na melhoria das práticas docentes em sala de aula, com impacto nos resultados escolares ANEXOS: - RESULTADOS ESCOLARES 2011/ PONTOS FORTES, PONTOS FRACOS E OPORTUNIDADES DE MELHORIA Documento elaborado em reunião do Conselho Pedagógico, realizada em 13 de março de 2013 A Presidente do Conselho Pedagógico, Lúcia Maria Dias Rodrigues Aprovado pelo Conselho Geral Transitório em 8 de abril de 2013 O Presidente do Conselho Geral Transitório, José Manuel Feijó Esteves Página 11 de 24

12 ANEXOS Página 12 de 24

13 1º CEB 2011/2012 ANEXO 1 RESULTADOS ESCOLARES 2011/2012 Taxas de Transição/Conclusão dos alunos do 1º CEB, por ano de escolaridade: Ano Total alunos (2011/2012) Alunos transitados (2011/2012) Sucesso (%) Qualidade de Sucesso * 1º % 74,8% 2º ,3% 56,6% 3º ,2% 58,7% 4º ,5% 58,4% * Nº de alunos avaliados com os níveis de Satisfaz Bem e Satisfaz Muito Bem. Percentagem de sucesso, no 1º CEB, por área curricular disciplinar em 2011/2012: 1ºAno 2ºAno 3º Ano 4º Ano Língua Portuguesa Matemática Estudo do Meio 83,10% 79,4% 82,4% 88,3% 82,4% 77,2% 78,9% 85,5% 94,9% 88,2% 88,4% 91,0% Relativamente ao total de alunos do 1º Ciclo do ensino básico: Transferência de alunos Anos de escolaridade 1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano 2011/ Nº alunos % alunos 2,11% 1,7% 0,7% 1,57% Página 13 de 24

14 CLASSIFICAÇÕES CLASSIFICAÇÕES CLASSIFICAÇÕES Linhas Gerais do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Ílhavo PROVAS DE AFERIÇÃO - 4º ANO DE ESCOLARIDADE Português 75,2% Língua Portuguesa Matemática Matemática 50,7% CIF Prova CIF Prova Nº de alunos Total de positivas Nº de alunos com nível A Nº de alunos com nível B Nº de alunos com nível C Nº de alunos com nível D 141 aval ext./144 (avaliação interna) 124 (86,1%) 30 (20,8%) 43 (29,9%) 51 (35,4%) Sat. pouco 13 (9,0%) Nº de alunos com nível E 7 (4,9%) 103 (73,0%) 10 (7,1%) 51 (36,2%) 42 (29,8%) 36 (25,5%) 2 (1,4%) 148 aval ext./144 (avaliação interna) 111 (77,1%) 25 (17,4%) 46 (31,9%) 40 (27,8%) 19 (13,2%) 14 (9,7%) 80 (55,6%) 4 (2,8%) 28 (19,4%) 48 (33,3%) 59 (41,0%) 5 (3,5%) TESTES INTERMÉDIOS 2º ANO DE ESCOLARIDADE Compreensão do Oral LÍNGUA PORTUGUESA Leitura Conhecimento Explícito da Língua Escrita N.º UG Nac N.º UG Nac N.º UG Nac N.º UG Nac SB ,4% 92,6% ,1% 85,1% ,1% 69,2% ,6% 56,4% S 9 5,1% 6,5% 21 12,0% 11,4% 17 9,7% 22,6% 35 20,0% 26,8% NS 3 1,7% 1,9% 12 6,9% 3,6% 23 13,1% 8,2% 34 19,4% 16,8% Conhecimento e Compreensão de Conceitos Matemáticos Resolução de Problemas MATEMÁTICA Raciocínio Matemático Comunicação Matemática N.º UG Nac N.º UG Nac N.º UG Nac N.º UG Nac SB 74 42,3% 28,7% 23 13,1% 20,3% 91 52,0% 51,8% 60 34,3% 22,7% S 65 37,1% 54,5% 29 16,6% 34,8% 40 22,9% 25,3% 64 36,6% 50,8% NS 36 20,6% 16,8% ,3% 44,9% 44 25,1% 22,9% 51 29,1% 26,5% Números e Operações MATEMÁTICA Geometria e Medida Organização e Tratamento de Dados N.º UG Nac N.º UG Nac N.º UG Nac SB 87 49,7% 47,0% 50 28,6% 30,5% 43 24,6% 31,4% S 45 25,7% 33,2% 73 41,7% 47,4% ,3% 50,0% NS 43 24,6% 19,9% 52 29,7% 22,1% 30 17,1% 18,6% Página 14 de 24

15 EB José Ferreira Pinto Basto /2012 Testes Intermédios Teste por disciplina/ano Média escola Média nacional Matemática 8º 36,8 39,3 Matemática 9º 34,6 31,1 Língua Portuguesa 9º 44,6 46,7 Ciências Naturais 9º 53,3 48,0 Ciências Físico-químicas 9º 36 36,7 Geografia 9º 54,4 52,3 História 9º 48,3 46,3 Inglês 9º (escrita) 48 54,7 Taxas de Transição/Conclusão dos alunos por ano de escolaridade: Ano 5º 6º 7º 8º 9º CEF 2011/ % 72% 72% 77% 77% 100% Percentagem de sucesso por disciplina e área curricular não disciplinar em 2011/2012: 5ºAno 6ºAno 2º Ciclo 7ºAno 8ºAno 9ºAno 3º Ciclo Língua Portuguesa /Português (3º ciclo) , ,6 Língua Inglesa Língua Francesa ,6 Língua Espanhola História e Geografia de Portugal / História (3º ciclo) , ,3 Geografia ,6 Matemática Ciências da Natureza / Ciências Naturais (3º ciclo) ,6 C. Físico-químicas Ed. Visual e Tecnológica / Educação Visual (3º ciclo) Ed. Musical , Ed. Tecnológica ,5 Técnicas de Expressão Artística Página 15 de 24

16 5ºAno 6ºAno 2º Ciclo 7ºAno 8ºAno 9ºAno 3º Ciclo Ed. Física , EMRC , ,6 Formação Cívica ,6 Estudo Acompanhado , ITIC AAE ,5 Quanto à avaliação do absentismo e abandono escolar e processos de transferências para outros estabelecimentos de ensino, que resultam numa diminuição efetiva do número de alunos da escola, em processo de avaliação de aprendizagens, registou-se, em 2011/2012: Relativamente ao total de alunos do 2º Ciclo do ensino básico: - 5º ano 14 transferências, ou seja, 8,8%; - 6º ano 3 transferências, ou seja, 1,6%; - Total de Ciclo 17 transferências, ou seja, 5%; - 5º ano 6 alunos não avaliados por falta de assiduidade, ou seja, 4,1%; - 6º ano 6 alunos não avaliados por falta de assiduidade, ou seja, 3,3%; - Total de Ciclo 12 alunos não avaliados por falta de assiduidade, ou seja, 3,7%; No 3º Ciclo do ensino básico: - 7º ano 6 transferências, ou seja, 7,1% ; - 8º ano 2 transferências, ou seja, 3,2% ; - 9º ano 10 transferências, ou seja, 12,9% ; - Total de Ciclo 18 transferências, ou seja, 8%; - 7º ano 1 aluno não avaliado por falta de assiduidade, ou seja, 1,2%; - 8º ano 2 alunos não avaliados por falta de assiduidade, ou seja, 3,3%; - 9º ano 2 alunos não avaliados por falta de assiduidade, ou seja, 2,9%; - Total de Ciclo 5 alunos não avaliados, ou seja, 2,4% Página 16 de 24

17 Resultados dos Exames Nacionais Ensino Básico 2º Ciclo - 6º ano Ensino Básico 3º Ciclo 9º ano Língua Portuguesa Matemática Língua Portuguesa Matemática CIF Exame CFD CIF Exame CFD CIF Exame CFD CIF Exame CFD Nº de alunos Total de positivas Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Página 17 de 24

18 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOÃO CARLOS CELESTINO GOMES Testes Intermédios Teste por disciplina/ano Média escola Média nacional Matemática 8º 39,8 39,3 Matemática 9º 30,1 31,1 Língua Portuguesa 9º 41,0 46,7 Ciências Naturais 9º 43,9 48,0 Ciências Físico-químicas 9º 37,1 36,7 Geografia 9º 53,7 52,3 História 9º 45,2 46,3 Inglês 9º (escrita) 45,1 54,7 Filosofia 11º 10,9 10,7 Biologia e Geologia 10º 9,1 9,6 Biologia e Geologia 11º 9,0 9,8 Físico-química 10º 7,4 7,8 Físico-química 11º 6,7 7,1 Matemática 10º 10,0 9,6 Matemática 11º 7,3 9,0 Matemática 12º Março 11,3 11,8 Matemática 12º Maio 9,1 9,6 Português 12º 12,7 11,0 Taxas de Transição/Conclusão dos alunos por ano de escolaridade: Ano 7º 8º 9º 10º 11º 12º 2011/ % 96% 86% 88% 87% 62% Percentagem de sucesso por disciplina e área curricular não disciplinar em 2011/2012: o Ensino Básico 7ºAno 8ºAno 9ºAno 3º Ciclo 7ºAno 8ºAno 9ºAno Língua Portuguesa C. Físico-químicas Língua Inglesa Ed. Visual Língua Francesa Ed. Tecnológica História Ed. Física Geografia Formação Cívica º Ciclo Página 18 de 24

19 7ºAno 8ºAno 9ºAno 3º Ciclo 7ºAno 8ºAno 9ºAno Matemática ITIC Ciências Naturais º Ciclo o Ensino Secundário 10º Ano 11º Ano 12º Ano Secundário 10º Ano 11º Ano 12º Ano Secundário Português MACS Inglês Hist. A Espanhol Geog. A Filosofia Mat. B Ed. Física Biol. Hum Matemática A Psicologia A F. Q. A ODD Biologia e Geologia PDR Biologia PDD Física PT Química Estágio Psicologia B Economia C Quanto à avaliação do absentismo e abandono escolar e processos de transferências para outros estabelecimentos de ensino, que resultam numa diminuição efetiva do número de alunos da escola, em processo de avaliação de aprendizagens, registou-se, em 2011/2012: Relativamente ao total de alunos do ensino básico: - 13 transferências, ou seja, 5%; - 3 anulações de matrícula e 6 exclusões por excesso de faltas, ou seja, 3%. No ensino secundário: - 11 transferências, ou seja, 3%; - 14 anulações de matrícula e 3 exclusões por excesso de faltas, ou seja, 5%. Página 19 de 24

20 Resultados dos Exames Nacionais o Ensino Básico Língua Portuguesa Matemática CIF Exame CFD CIF Exame CFD Nº de alunos Total de positivas Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível Nº de alunos com nível o Ensino Secundário 1º fase / 2º fase Alunos inscritos Provas realizadas Nº de provas realizadas por alunos internos Média nacional/m édia nacional internos Média escola Média dos alunos internos Taxa de reprovação dos alunos internos 501 Alemão (iniciação-bienal) ,3/10,2 16,3 302 Biologia 2 / 1 2 / 1 0 / 0 Prova de equivalência à frequência 6,8 / 13,6 702 Biologia e Geologia 74 / / / 16 9,3/9,8 7,5/7,9 9,0 / 7,2 9,8 / 7,6 8,9% / 12,5% 706 Desenho A ,0/12,3 12,3 712 Economia A ,1/11,7 9,5 714 Filosofia 11 / 8 8 / 7 4 / 5 7,8/8,9 7,6/9,0 5,8 / 7,9 7,9 / 8,7 0% / 0% 715 Física e Química A 81 / / / 29 7,5/8,1 7,3/7,8 6,4 / 6,4 6,5 / 6,5 38,6% / 44,8% 719 Geografia A 19 / 4 17 / 3 16 / 3 10,3/10,7 10,0/10,5 11,0 / 11,4 11,1 / 11,4 6,3% / 0% 623 História A 10 / 1 9 / 1 8 / 1 11,0/11,8 9,4/10,0 13,5 / 10,8 14,0 / 10,8 0% / 0% 724 História da Cultura e das Artes ,9/10,9 14,5 335 Matemática B 4 / 3 4 / 3 0 / 0 Prova de equivalência à frequência 4,0 / 4,2 Página 20 de 24

21 635 Matemática A 65 / / / 20 8,7/10,4 8,3/9,7 8,0 / 7,5 11,0 / 9,7 7,9% / 15% 735 Matemática B 25 / / 11 0 / 0 6,0/8,8 7,0/9,0 4,9 / 7,6 835 MACS 19 / 9 17 / 7 13 / 5 9,5/10,6 8,4/9,4 9,1 / 9,8 10,2 / 11,2 7,7% / 20% 239 Português ,1/13,6 0,5 639 Português 108 / / / 14 9,5/10,4 9,9/10,6 9,1 / 9,9 10,1 / 10,8 1,7% / 0% 340 Psicologia B Prova de equivalência à frequência 6,0 550 Inglês (continuação-bienal) ,6/9,4 14,0 358 Inglês (continuação-12º) Total 439 / (89%) / 170 (90%) 227 (52%) / 93 Prova de equivalência à frequência 15,6 Resultados do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino superior 2012 o Totais gerais 1º fase 2º fase Alunos inscritos no exame para acesso Aluno que tencionavam candidatar-se % 72 56% Alunos que apresentaram candidatura 59 49% 24 33% Alunos colocados 52 88% 12 50% o Colocação por opção 1º fase 2º fase 1º opção 30 58% 2 17% 2º opção 12 23% 4 33% 3º opção 3 6% 2 17% 4º opção 5 10% 1 8% 5º opção 2 4% 2 17% 6º opção 0 0% 1 8% Página 21 de 24

22 o Colocação por estabelecimento de colocação Estabelecimento de ensino superior Nº alunos colocados Universidade de Aveiro 30 Universidade de Coimbra 5 Universidade da Beira Interior 2 Universidade do Porto 5 Universidade de Lisboa 1 Universidade dos Açores 1 Instituto Politécnico de Coimbra 5 Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Aveiro 3 Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda 3 Escola Superior de Saúde de Aveiro 1 Instituto Politécnico do Cávado e do Ave 1 Instituto Politécnico da Guarda 1 Instituto Politécnico de Portalegre 1 Instituto Politécnico de Viana do Castelo 1 Instituto Politécnico de Viseu 1 Página 22 de 24

23 ANEXO 2 PONTOS FORTES, PONTOS FRACOS E OPORTUNIDADES DE MELHORIA Os relatórios elaborados pela Inspeção Geral da Educação e Ciência (ex IGE), a propósito da Avaliação Externa levada a cabo nas duas anteriores unidades orgânicas (Agrupamento de Escolas de Ílhavo e Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes), permitem identificar os aspetos estratégicos que caracterizavam/caracterizam o atual Agrupamento de Escolas de Ílhavo e definem as áreas onde devem incidir os seus esforços de melhoria. Assim, de acordo com o Relatório de Escola, no âmbito da Avaliação Externa das Escolas, levado a cabo pela IGE, entre os dias 27 e 29 de janeiro de 2010, para o antigo Agrupamento de Escolas de Ílhavo, foram elencados os seguintes aspetos: Pontos fortes: Resultados nos exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática, nos dois últimos anos letivos, notoriamente superiores aos nacionais, com um efeito positivo na imagem do Agrupamento junto da comunidade; Diversidade e abrangência dos projetos e parcerias, como forma de estimular e valorizar as aprendizagens das crianças e dos alunos e, em simultâneo, melhorar as expetativas da comunidade escolar; Excelente trabalho desenvolvido, enquanto Escola de Referência para o Ensino Bilingue de Alunos Surdos, com crianças e alunos portadores de dificuldades auditivas, promotor da igualdade de oportunidades e do convívio com a diferença; Contributo relevante da biblioteca escolar para a melhoria do serviço prestado pelo Agrupamento à comunidade educativa; Liderança da direção, mobilizadora da articulação entre as estruturas internas e do trabalho em torno dos objetivos da organização, com impacto positivo nos resultados escolares. Pontos fracos: Resultados nas provas de aferição de Matemática do 1º ciclo, que, no último triénio, se situaram abaixo dos nacionais, com efeito negativo na imagem do Agrupamento junto da comunidade; Indisciplina focalizada num grupo de alunos, associada ao aumento do número de medidas sancionatórias aplicadas, que poderá comprometer o clima de tranquilidade necessário à ação educativa; Insuficiente aproveitamento dos recursos disponíveis no âmbito das ciências experimentais, que não fomenta uma atitude positiva face ao método científico; Ausência de um processo de autoavaliação global e sistemático, que impossibilita o conhecimento sustentado do Agrupamento e pode condicionar o seu progresso. Página 23 de 24

24 Oportunidade: Alargamento da rede de parcerias a instituições de ensino superior, como desafio à dinamização do processo de autoavaliação. De acordo com o relatório onde são expressos os resultados da avaliação externa da Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Ílhavo, realizado pela equipa de avaliação da IGEC, da Área Territorial do Centro, nos dias 10 e 11 de maio de 2012, foram reportados os seguintes aspetos: Pontos fortes: Introdução da prática de observação de aulas pelos coordenadores de departamento, indiciadora de uma liderança pedagógica efetiva e de uma avaliação formativa do desempenho dos docentes; Adoção de medidas estratégicas transversais, orientadas diretamente para a melhoria dos resultados, tais como as assessorias pedagógicas em sala de aula e o trabalho colaborativo semanal; Uso generalizado de ferramentas informáticas, o que tem contribuído para a agilização dos procedimentos de gestão pedagógica e administrativa, o apoio ao estudo autónomo dos alunos e a melhoria da comunicação; Existência de uma liderança muito apostada na melhoria e na qualidade, com reflexos na coerência, rigor e pertinência dos documentos estruturantes da Escola e na capacidade para executar as ações programadas; Abertura à comunidade e desenvolvimento de parcerias e projetos, com impacto relevante na prestação do serviço educativo e nas aprendizagens dos alunos; Progressos notórios no desempenho da Escola, nos últimos anos, nos domínios da prestação do serviço educativo e da liderança e gestão. Áreas de melhoria: Resultados nos exames nacionais de Língua Portuguesa e de Matemática do 9º ano de escolaridade; Regulação do comportamento dos alunos em sala de aula, de forma a rendibilizar os tempos de aprendizagem e melhorar os resultados escolares; Cooperação e articulação com a escola de origem dos alunos tendo em vista assegurar a sequencialidade do ensino e das aprendizagens; Desenvolvimento da capacidade das lideranças intermédias de passar do diagnóstico dos problemas e da definição de planos de melhoria para mudanças efetivas nas práticas docentes em sala de aula, com impacto nos resultados escolares. Página 24 de 24

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO

Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Programa de Formação Líderes Inovadores 2015-2016 PLANO DE MUDANÇA E INOVAÇÃO Melhorar a Comunicação entre as unidades orgânicas do Agrupamento de Arcozelo Manuel Fernandes de Amorim Agrupamento de Escolas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012

Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012 Anexo A1 RESULATADOS ESCOLARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. RESULTADOS ESCOLARES 1.1 Taxa de sucesso global 1.2 Taxa de alunos sobreviventes 1.3 Taxa de sucesso / ciclo de ensino 2. APROVEITAMENTO MÉDIO

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar...

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar... Anexos ÍNDICE Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2 Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2 Alunos por escalão da Ação Social Escolar... 2 Alunos com Necessidades Educativas Especiais... 3

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa

Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa Projeto Educativo 2012-2015 Querendo, quero o infinito Fernando Pessoa CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO Estabelecimentos de ensino EB2,3 de Fernando Pessoa EB1 com JI Infante D. Henrique EB1 com JI Adriano

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos

Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. Reunião 25 setembro. Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro Reunião 25 setembro Representantes Encarregados de Educação 2.º e 3.º ciclos Projeto Educativo Saber Ser, Saber Estar e Saber Fazer Projeto Educativo Alicerces:

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES

ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES AUTOAVALIAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA GABRIEL PEREIRA RESULTADOS ESCOLARES 2008/09 20/ BREVE CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA- dados estatísticos SÍNTESE DE RESULTADOS ESCOLARES Gabinete de Formação, Autoavaliação

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória

Programa de Apoio Educativo. Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Programa de Apoio Educativo Escola Básica Integrada da Praia da Vitória Ano Letivo 2013/2014 Índice 1- Fundamentação Legal 2 2- Definição de Programa de Apoio Educativo 2 3- Finalidades. 2 4- Destinatários.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Escola Básica Frei André da Veiga PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 A. Currículo, literacias e aprendizagem Problemas identificados Falta

Leia mais

CONTRATO DE AUTONOMIA

CONTRATO DE AUTONOMIA CONTRATO DE AUTONOMIA PREÂMBULO O Decreto-Lei N.º 75/2008, alterado pelo Decreto-Lei N.º 137/2012, define autonomia como: ( ) a faculdade reconhecida ao agrupamento de escolas ou à escola não agrupada

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

PLANOS de ESTUDO. Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012. Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580

PLANOS de ESTUDO. Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012. Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 PLANOS de ESTUDO Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012 Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 tomascabreira@mail.telepac.pt www.tomascabreira.net CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Impacto das Atividades nos resultados escolares

Impacto das Atividades nos resultados escolares Impacto das Atividades nos resultados escolares O Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro (AEVP) sistematiza e analisa os resultados relativos ao desempenho escolar dos alunos no ano letivo que agora

Leia mais

Departamento de Psicologia e de Educação Especial

Departamento de Psicologia e de Educação Especial Departamento de Psicologia e de Educação Especial 1- Avaliação e acompanhamento psicológico Avaliação e acompanhamento psicológico e psicopedagógico individual (promoção da autoestima e comportamentos

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais