Universo das Crianças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universo das Crianças"

Transcrição

1 Universo das Crianças Um jogo em prol dos direitos da criança A criança tem direito à liberdade de expressão. Este direito compreende a liberdade de procurar, receber e expandir informações e ideias de toda a espécie, sem considerações de fronteiras, sob forma oral, escrita, impressa ou artística ou por qualquer outro meio à escolha da criança. Artigo 13ª da Convenção dos Direitos da Criança

2 Entidade Promotora e Executora: Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais Projecto: Puerpolis Financiamento: Programa Escolhas Entidades Parceiras: Agrupamento de Escolas do Vale de S. Torcato Agrupamento vertical das Escolas de Briteiros Associação Fórum Briteiros Sto. Estevão Câmara Municipal de Guimarães Casa do Povo de Briteiros Citânia Associação Juvenil Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) Centro de Saúde Professor Arnaldo Sampaio Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Junta de Freguesia de S. Torcato Junta de Freguesia de Gonça Junta de Freguesia de Briteiros, Sta. Leocádia Programa para Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil (PETI) Apoio Pé de Mosca Coop. de Design, Artes Gráficas e Formação Ficha Técnica Título: O Universo das Crianças Copyright: Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais Coordenação: Projecto Puerpolis: Gabriela Nunes, Virgínia Santos, Diana Cunha e Ana Claudia Pereira Impressão: Molo Gráfica, S.A. Embalagem: Indústria de Embalagem dos Anjos, Lda Tiragem: 200 exemplares Data de edição: Novembro 2009

3 Indice Agradecimentos Prefácio A Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais (ADCL) e o Projecto Puerpolis A História dos Direitos da Criança Versão Resumida dos Direitos A construção do Jogo - Objectivos e Metodologia A)Oficina de Desenho A Componente Gráfica B )Oficina de Escrita Os Conteúdos C) Resultado Final_ Aprender brincando Os autores p. 4 p. 5 p. 7 p. 9 p.11 p.15 p.16 p.18 p. 20 p.22

4 Agradecimentos A todas as crianças que participaram na construção do jogo. Ao designer Nuno Ramos que, voluntariosamente, adaptou as propostas à imagem final de todo o jogo. Aos professores Jaime Saro e Vinagreiro da EB2/3 de S. Torcato que orientaram e acompanharam as crianças nas propostas de tabuleiros. À Prof. Doutora Natália Fernandes do Instituto de Estudos da Criança, da Universidade do Minho, que nos orientou e acompanhou na estrutura dos conteúdos. 4 Ao Professor Doutor Manuel Sarmento, Presidente da ADCL, pelo contributo e permanente investigação e entusiasmo em prol da infância e da juventude. A todos quanto, de uma forma ou de outra, contribuíram para a construção deste projecto e para a realização deste jogo. A todas as crianças, jovens, pais e professores que irão jogar este jogo, pela sua (re) descoberta e reflexão sobre os direitos das crianças.

5 Prefácio Criança. Jogo. Direitos. Três palavras que se conjugam na mesma frase: este é um jogo feito por e para as crianças em torno dos Direitos. Mas três palavras que se conjugam também na vida e na sociedade. As crianças jogam e ao jogar definem-se como seres criativos, capazes de projectar as maiores proezas, fortes nas relações que estabelecem com os seus parceiros, insuperáveis em criar mundos de fantasia, competentes em criar, aplicar e descobrir regras da vida em comum. As crianças têm direitos e nisso se afirmam como membros da sociedade, de quem se exige a atenção, o cuidado e o respeito pelas suas características, pela sua voz, pelo seu desejo e a sua capacidade de, com todos, participar na vida em comunidade. Um jogo das crianças, pelas crianças, sobre os direitos das crianças, não é uma redundância. É o modo mais certo de comemorar os 20 da Convenção sobre os Direitos da Criança. Porque há ainda muitas crianças que não podem brincar; porque há muitas crianças que, quando brincam, não jogam os seus jogos, mas só aqueles que o mercado e a indústria organizam para transformar as crianças apenas em consumidores; porque às crianças não é geralmente reconhecida a capacidade de participar, de fazer coisas, de fazer jogos, por exemplo; porque os Direitos da Crianças são, ainda, um desejo, ou uma utopia, ou, pior, uma expressão vã em discursos sem alma; porque há tantas crianças para quem o que fazem é considerado inútil pelos adultos. Ou redundante Mas um jogo sobre os direitos das crianças feitas pelas crianças é, outrossim, um modo das crianças se apresentarem como seres brincantes, como criadores das suas próprias formas de expressão, nos desenhos, nas regras do jogo, como sujeitos de direitos. As crianças têm direitos e porque os têm, neles se configura o universo das crianças. Ora, quando o universo das crianças for o universo dos direitos, então o universo de todos os homens e mulheres, dos meninos e meninas e das pessoas idosas, o universo todo, em suma, será mais feliz, mais harmonioso, mais justo, com mais presente e mais futuro. A Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais tem orgulho em lançar este jogo. E tem também uma enorme gratidão para com todas as crianças e todos os técnicos e técnicas que o tornaram possível. 5

6 O jogo é feito no âmbito do projecto Puerpolis, co-financiado pelo Programa Escolhas. Puerpolis quer dizer Cidade das Crianças. A cidade das Crianças com Direitos é verdadeiramente a Cidade dos Homens. Vamos construi-la, todos nós. Quem disse que a brincar não se fazem cidades a sério? Professor Manuel Martins Sarmento (Presidente da ADCL) 6

7 A Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais (ADCL) e o Projecto Puerpolis A Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais (ADCL), com sede em S. Torcato Guimarães, tem vindo a desenvolver, desde 1994, um vasto trabalho em rede nas áreas da Educação/Formação, Animação Sociocultural, Intervenção Comunitária e Infância e Juventude. Entre as suas acções, promoveu o Projecto Puerpolis, no âmbito do Programa Escolhas, destinado a crianças e jovens entre os 10 e os 24 anos de idade, com uma duração de três anos - Dezembro de 2006 a Novembro de Este projecto surgiu para dar resposta a um conjunto de necessidades identificadas na área de abrangência dos Agrupamentos de Escolas de S. Torcato e de Briteiros, abarcando as freguesias que integram a Comissão de Freguesia de S. Torcato e as Comissões Inter freguesias de Nascente e Castreja, num total de 16 freguesias. O Puerpolis procurou uma intervenção sistémica e articulada entre as várias entidades da região, de forma a criar um dispositivo de diagnóstico integrado e permanente sobre a situação infanto-juvenil da região onde, através de uma participação activa, as crianças e jovens se desenvolvam e se afirmem como cidadão informados, autónomos, responsáveis, tolerantes e respeitadores dos seus direitos e dos direitos dos outros. Para a concretização dos seus objectivos o projecto Puerpolis, dinamizou um conjunto alargado de actividades: Sinalização, encaminhamento e acompanhamento de crianças/ jovens (e respectivas famílias) em situação de risco/abandono escolar, negligência e comportamentos desviantes. Formação para Agentes educativos, Grupos de Pais e Jovens mediadores da participação Oficinas de Escrita Criativa, Desenho, Teatro, Dança e Ginástica Desportiva e Acrobática, entre outras. Dinamização do Clube do Cidadão e do Clube de Comunicação e Multimédia e realização de Jornadas Juvenis anuais. Iniciativas de promoção da mobilidade territorial e acesso à cultura (visitas. a locais/eventos de interesse, intercâmbio internacional, campo de férias para pais e filhos) Divulgação e apoio à participação dos jovens em acções do Programa Juventude em Acção e Intervenção nas aulas de Formação Cívica. 7

8 Dinamização de um Centro de Inclusão Digital para apoio às crianças e jovens, onde são promovidas actividades ligadas às novas tecnologias, nomeadamente Oficinas de Vídeo e Fotografia Digital e Formação em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC). Organização de eventos de Animação Comunitária. Construção de uma Carta de Cidadania Infanto-Juvenil da área de abrangência do projecto. Construção e disseminação de materiais e práticas que promovam a infância e juventude. Este projecto dinâmico espelha a preocupação da Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais, em promover o lugar da Criança na Sociedade. 8 O presente jogo, é fruto da acção do projecto e de um trabalho realizado pelas crianças, com as crianças e para as crianças. A sua construção representa as oportunidades/direitos de informação, reflexão e participação, e o seu resultado o direito a brincar, aprender, e de usufruir de todos os direitos fundamentais das Crianças, os quais deverão ser reconhecidos para serem respeitados.

9 A História Dos Direitos Das Crianças A história dos direitos das crianças é, já, uma longa história! Nesta história há algumas personagens e alguns momentos que tiveram um papel muito importante na tarefa de defender a ideia de que os mais novos têm direitos. Foi no início do século XX, mais concretamente em 1923, que surgiu a primeira Declaração dos Direitos da Criança, que ficou conhecida como a Declaração de Genebra. Foi através do trabalho desenvolvido por uma senhora inglesa, Eglantine Jebb, que esta declaração surgiu. Nessa altura consideravam-se como direitos fundamentais dos mais novos o direito a ser protegido e a receber auxílio em 1º lugar. Passados alguns anos, em 1959, surgiu um novo documento, a Declaração Universal dos Direitos da Criança, que, apesar de ser semelhante ao primeiro, acrescenta outros direitos, nomeadamente, o direito a ter um nome e uma nacionalidade, o direito a crescer com saúde, o direito à educação, entre outros. Mas, à medida que o tempo foi passando, as pessoas foram percebendo que estes dois documentos não protegiam, ainda, todas as necessidades dos mais novos. Então, em 1979, Ano Internacional da Criança, iniciou-se um trabalho de construção de um documento mais completo, que se iria prolongar durante 10 anos! Interessante é, também, perceber porque é que isto aconteceu. Sabias que a proposta foi feita pelo governo da Polónia? Pois é, tal aconteceu porque a Polónia quis prestar uma homenagem a um defensor dos direitos da criança, Janus Korzack, que na altura da 2º Guerra Mundial era director de um centro que acolhia crianças judias abandonadas, e que as protegeu de 9

10 uma forma incrível, acabando por morrer com elas no campo de concentração de Treblinka. Pois bem, voltando à história, em 20 de Novembro de 1989 é, finalmente, aprovado um novo documento de direitos para os mais novos: a Convenção dos Direitos da Criança (CDC). Este documento é mais completo do que os anteriores, porque possui direitos que vão desde o direito a ser protegido contra qualquer tipo de dano, a direitos que defendem respostas necessárias para que todas as crianças possam sobreviver e crescer de uma forma feliz, a direitos que defendem que as crianças devem crescer junto das suas famílias, respeitando a sua cultura, linguagem e religião, sempre que seja possível. 10 Mas tu sabias que o principal contributo da CDC é defender direitos que nunca antes tinham sido defendidos para as crianças? Pois é, a CDC defende também, pela primeira vez na história dos direitos da criança o direito a participar, a dar opinião acerca dos assuntos que são importantes para os mais novos. Este aspecto é muito importante, porque comunica aos adultos que os mais novos devem ser encarados como indivíduos activos, que devem ser informados e ouvidos acerca dos aspectos da sua vida que lhe dizem respeito, que devem participar na sociedade. Assim, para que a história dos direitos da criança não seja somente uma história das acções dos adultos para protegerem as crianças, estas devem conhecer os seus direitos e reivindicá-los, porque somente através da participação poderão zelar para que todos os direitos se tornem uma realidade nas suas vidas. Prof. Doutora Natália Fernandes (Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho)

11 Versâo Resumida Dos Direitos A UNICEF, inicialmente conhecida como Fundo Internacional de Emergência para as crianças, foi criada em Dezembro de 1946 para ajudar as crianças da Europa vítimas da I Grande Guerra. Quando os países europeus estavam em condições de tomar conta das suas crianças, passa a ocupar-se especialmente das crianças dos países mais pobres da África, Ásia, América Latina e Médio Oriente. Em 1953, torna-se uma agência permanente das Nações Unidas, passando a chamar-se Fundo das Nações Unidas para a Infância, mas mantendo a sigla que a tornara conhecida em todo o mundo UNICEF. Hoje em dia, a UNICEF trabalha em mais de 140 países em desenvolvimento em programas de saúde, educação, nutrição, água e saneamento que procuram melhorar a vida de muitas crianças e, quando há guerras ou catástrofes, vai em auxílio das vítimas. Todo o dinheiro que a UNICEF utiliza vem de contribuições dadas pelos governos, organizações muito diversas e do público. O Comité Português para a UNICEF recolhe fundos para aqueles programas, mas também procura informar e sensibilizar as pessoas para as necessidades e direitos de todas as crianças, onde quer que vivam. 11 Texto adoptado da UNICEF ARTIGO 1º - Todas as pessoas com menos de 18 anos têm todos os seus direitos escritos nesta convenção. ARTIGO 2º - Tens todos esses direitos seja qual for a tua raça, sexo, língua ou religião. Não importa o país onde nasceste, se tens alguma deficiência, se és rico ou pobre. ARTIGO 3º - Quando um adulto tem qualquer laço familiar ou responsabilidade sobre uma criança, deverá fazer o que for melhor para ela. ARTIGO 6º - Toda a gente deve reconhecer que tens direito à vida. ARTIGO 7º - Tens direito a um nome e a ser registado, quer dizer, o teu nome, o dos teus pais e a data em que nasceste devem ser registados. Tens direito a uma nacionalidade e o direito de conheceres e de seres educado pelos teus pais. ARTIGO 8º - Deves manter a tua identidade própria, ou seja, não te podem mudar o nome, a nacionalidade e as tuas relações com a família, a

12 12 menos que seja melhor para ti. Mesmo assim, deves poder manter as tuas próprias ideias. ARTIGO 9º - Não deves ser separado dos teus pais, excepto se for para o teu próprio bem, como por exemplo, no caso dos teus pais te maltratarem ou não cuidarem de ti. Se decidirem separar-se, tens de ficar a viver com um deles, mas tens o direito de contactar facilmente com os dois. ARTIGO 10º - Se os teus pais viverem em países diferentes, tens direito a regressar e viver junto deles. ARTIGO 11º - Não deves ser raptado mas, se tal acontecer, o governo deve fazer tudo o que for possível para te libertar. ARTIGO 12º - Quando os adultos tomam qualquer decisão que possa afectar a tua vida, tens o direito a dar a tua opinião e os adultos devem ouvir seriamente o que tens a dizer. ARTIGO 13º - Tens direito a descobrir coisas e dizer o que pensas através da fala, da escrita, da expressão artística, etc., excepto se, quando o fizeres, estiveres a interferir com o direito dos outros. ARTIGO 14º - Tens direito à liberdade de pensamento e a praticar a religião que quiseres. Os teus pais devem ajudar-te a compreender o que está certo e o que está errado. ARTIGO 15º - Tens direito a reunir-te com outras pessoas e a criar grupos e associações, desde que não violes os direitos dos outros. ARTIGO 16º - Tens direito à privacidade. Podes ter coisas como, por exemplo, um diário que mais ninguém tem licença para o ler. ARTIGO 17º - Tens direito a ser informado sobre o que se passa no mundo através da rádio, dos jornais, da televisão, dos livros, etc. Os adultos devem ter a preocupação de que compreendes a informação que recebes. ARTIGO 18º - Os teus pais devem educar-te, procurando fazer o que é melhor para ti. ARTIGO 19º - Ninguém deve exercer sobre ti qualquer espécie de maus tratos. Os adultos devem proteger-te contra abusos, violência e negligência. Mesmo os teus pais não têm o direito de te maltratar.

13 ARTIGO 20º - Se não tiveres pais, ou se não for seguro que vivas com eles, tens direito a protecção e ajuda especiais. ARTIGO 21º - Caso tenhas de ser adoptado, os adultos devem procurar ter o máximo de garantias de que tudo é feito da melhor maneira para ti. ARTIGO 22º - Se fores refugiado (se tiveres de abandonar os teus pais por razões de segurança), tens direito a protecção e ajuda especiais. ARTIGO 23º - No caso de seres deficiente, tens direito a cuidados e educação especiais, que te ajudem a crescer do mesmo modo que as outras crianças. ARTIGO 24º - Tens direito à saúde. Quer dizer que, se estiveres doente, deves ter acesso a cuidados médicos e medicamentos. Os adultos devem fazer tudo para evitar que as crianças adoeçam, dando-lhes uma alimentação conveniente e cuidando bem delas. ARTIGO 27º - Tens direito a um nível de vida digno. Quer dizer que os teus pais devem procurar que não te falte comida, roupa, casa, etc. Se os pais não tiverem meios suficientes para estas despesas, o governo deve ajudar. ARTIGO 28º - Tens direito à educação. O ensino básico deve ser gratuito e não deves deixar de ir à escola. Também deves ter possibilidade de frequentar o ensino secundário. ARTIGO 29º - A educação tem como objectivo desenvolver a tua personalidade, talentos e aptidões mentais e físicas. A educação deve, também, preparar-te para seres um cidadão informado, autónomo, responsável, tolerante e respeitador dos direitos dos outros. ARTIGO 30º - Se pertenceres a uma minoria, tens o direito de viver de acordo com a tua cultura, praticar a tua religião e falar a tua própria língua. ARTIGO 31º - Tens direito a brincar. ARTIGO 32º - Tens direito a protecção contra a exploração económica, ou seja, não deves trabalhar em condições ou locais que ponham em risco a tua saúde ou a tua educação. 13

14 14 A lei portuguesa diz que nenhuma criança com menos de 16 anos deve estar empregada. ARTIGO 33º - Tens direito a ser protegido contra o consumo e tráfico de droga. ARTIGO 34º - Tens o direito a ser protegido contra abusos sexuais. Quer dizer que ninguém pode fazer nada contra o teu corpo como, por exemplo, tocar em ti, fotografar-te contra a tua vontade ou obrigar-te a dizer ou a fazer coisas que não queres. ARTIGO 35º - Ninguém te pode raptar ou vender. ARTIGO 37º - Não deverás ser preso, excepto como medida de último recurso e, nesse caso, tens direito a cuidados próprios para a tua idade e visitas regulares da tua família. ARTIGO 38º - Tens direito a protecção em situação de guerra. ARTIGO 39º - Uma criança vítima de maus tratos ou negligência, numa guerra ou em qualquer outra circunstância, tem direito a protecção e cuidados especiais. ARTIGO 40º - Se fores acusado de ter cometido algum crime, tens direito a defender-te. No tribunal, a polícia, os advogados e os juízes devem tratar-te com respeito e procurar que compreendas o que se está a passar contigo. ARTIGO 42º - Todos os adultos e crianças devem conhecer esta Convenção. Tens direito a compreender os teus direitos e os adultos também.

15 A Construção Do Jogo Objectivos e Metodologia A ideia No decorrer do Projecto Puerpolis, promovido pela Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais (ADCL) e co-financiado pelo Programa Escolhas, comemorou-se o 18.º aniversário da ratificação da Convenção dos Direitos da Criança, em 20 de Novembro de 2007, por parte de vários países, incluindo Portugal. Reconhecendo a importância da Convenção e considerando que, apesar de serem reconhecidos por todos, nem sempre os direitos da criança são respeitados, entendeu a equipa técnica dinamizar uma série de iniciativas para assinalar o acontecimento. Entre elas, iniciaram-se dois projectos: a construção de dois painéis de azulejos e o desenvolvimento de um jogo lúdico-pedagógico, ambos sobre os direitos da criança Os painéis construídos em parceria com a EB2/3 de S.Torcato e a EB2/3 de Briteiros, em contexto escolar, foram inaugurados no Verão de 2008 e estão localizados em dois locais distintos: um em frente às instalações da Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais, em S. Torcato (Fig.1), e o outro na Casa do Povo de Briteiros, em S. Salvador de Briteiros (Fig.2). 15 (Fig.1) (Fig.2) A construção do jogo teve início no decorrer do ano lectivo de , em estreita colaboração com a Escola EB2/3 de S. Torcato, desenvolvendo-se no âmbito de duas oficinas dinamizadas pelo projecto PUER- POLIS: a Oficina de Escrita Criativa e a Oficina de Desenho. A metodologia adoptada teve como principal preocupação, envolver as crianças no processo de criação, discussão e reflexão em torno do tema e do desafio colocado.

16 À semelhança do que acontece com outras actividades, estas oficinas organizam-se sob a forma de Projecto. Neste sentido, foi proposto a dois grupos de crianças/jovens que se envolvessem num projecto comum: a construção de um jogo lúdico-pedagógico que contribuísse para um maior conhecimento por parte das crianças e das suas famílias sobre os direitos da criança, proporcionando discussão e reflexão sobre este assunto. Participaram na Oficina de Desenho jovens do 6.º ano de escolaridade e na oficina de Escrita Criativa jovens do 7.º ano de escolaridade, ambos da EB2/3 de S. Torcato. O primeiro grupo apresentou propostas para a dimensão gráfica do jogo, enquanto que o segundo grupo deu os primeiros passos para a construção dos conteúdos. A) Oficina de Desenho Componente Gráfica 16 1.ª FASE Lançado o desafio, toda a turma colaborou em trabalhos de grupo, sob a orientação dos Professores Vinagreiro e Jaime Saro, apresentando propostas para a construção do tabuleiro do jogo, sugerindo desenhos e formas, bem como, outros elementos que acompanham o jogo. Propostas essas que aqui apresentamos brevemente:

17 2.ª FASE Depois de construídas as 18 propostas para os tabuleiros e outros acessórios (ex. cartas, dados, legendas ), a equipa técnica do projecto Puerpolis seleccionou 8 jogos, tendo em consideração as seguintes dimensões: apresentação gráfica, regras de jogo e originalidade. Estes 8 jogos, em conjunto com os conteúdos entretanto criados, foram depois testados pelos participantes da Oficina de Desenho para aferir eventuais problemas e definir o que mais se adequava aos objectivos inicialmente propostos. No final deste período experimental foi eleita a seguinte proposta, a partir da qual se estruturou o jogo apresentado. Proposta gráfica eleita Autoras: Vera e Tânia 17

18 3.ª FASE Definida a base gráfica, partiu-se para o melhoramento das propostas, no sentido de potencializar o jogo para os objectivos a que se propunha, dando inicio à digitalização da proposta, considerando as alterações necessárias e contando, para o efeito, com o apoio do designer Nuno Ramos que, voluntariosamente, nos apoiou na preparação da edição final do jogo. Participaram nesta última fase, para além da equipa técnica, as quatro crianças autoras da proposta de tabuleiro eleito e de uma outra proposta que mereceu a nossa atenção pelos contributos apresentados. B) A Oficina de Escrita Criativa Os Conteúdos 18 1.ª FASE Na Oficina de Escrita Criativa os jovens começaram por conhecer de forma mais pormenorizada os direitos e reflectir sobre os mesmos. Este trabalho foi realizado através de dinâmicas de grupo e de exercícios individuais que, de forma lúdica e participativa, implicaram sobretudo o recurso à leitura e à escrita, mas também ao desenho. Apresentamos aqui um breve resumo das principais dinâmicas. 1. Num primeiro momento formaram-se grupos de dois elementos e distribuiu-se por cada grupo um envelope com um conjunto de figuras relacionadas com o dia-a-dia, por exemplo, a televisão, a escola, os alimentos, os amigos, vestuário, etc. Cada grupo colocou as figuras com a face para baixo, virando uma figura de cada vez e discutindo se a consideravam uma vontade ou uma necessidade, justificando as suas decisões e colocando-a no lote correspondente. Em seguida, os grupos juntaram-se dois a dois e compararam as suas categorias: Em que é que são semelhantes? O porquê das suas decisões? Em que é que são diferentes? Após este trabalho o debate alargou-se a todos os grupos, discutindo-se, em conjunto, diferentes questões como por exemplo: Qual a lista mais longa (necessidades ou vontades)? Porquê? Se tivessem de colocar duas necessidades na lista das vontades conseguiriam fazê-lo? Em que é que isso afectaria as suas vidas? 2. Apresentou-se à turma a Convenção sobre os Direitos das Crianças (CDC) e fez-se uma analogia com a actividade anterior, explicando que

19 ela surgiu de uma lista de necessidades elaborada pela ONU cujo objectivo é exactamente lembrar as necessidades das crianças. Em seguida, comparou-se a CDC com as listas elaboradas na actividade anterior e orientou-se um debate abordando as seguintes questões: Porque é que a ONU pensou ser importante fazer uma lista dos direitos das crianças? Porque é que vocês acham que a Convenção é uma lista de necessidades e não de vontades? Acham que todas as crianças no Mundo têm todos esses direitos? Porquê? O que é que pode ser feito para assegurar que todas as crianças tenham esses direitos garantidos? 3. Os artigos da Convenção sobre os Direitos da Criança foram escritos em pedaços de papel e recortados, sendo depois escondidos em diferentes locais do espaço de encontro. Quando as crianças/jovens entraram no espaço, foram convidados a encontrar os artigos escondidos, dando-se assim início à Caça ao Tesouro. Depois de todos os direitos terem sido encontrados, cada criança/jovem partilhou o seu direito com o grupo. Posteriormente, cada elemento representou o direito que encontrou em forma de desenho. Por último, cada jovem explicou o seu trabalho respondendo às seguintes questões: Qual o artigo da Convenção a que se refere o desenho? Qual a tua opinião sobre esse artigo? Achas que os adultos respeitam esse Direito? O que desenhaste para ilustrar o teu artigo? 19 2.ª FASE Depois de todas as crianças estarem já familiarizadas com a Convenção dos Direitos da Criança, deu-se início à interpretação de cada um dos direitos expressos na Convenção e a reestruturação desses direitos na forma de conteúdos para o jogo, através de dinâmicas que aqui apresentamos de forma muito breve. 1. Os participantes dividiram-se em pequenos grupos. A cada grupo foi entregue um conjunto de artigos da Convenção a partir dos quais os jovens propuseram os conteúdos que dão forma ao jogo, nomeadamente, perguntas e respectivas opções de resposta, questões de sorte e de azar e desafios.

20 2. Num segundo momento, as questões foram partilhadas e discutidas entre todos. Resultando daí novas orientações para o trabalho final. 3.ª FASE Formaram-se grupos de quatro elementos. A cada grupo foi entregue um dos oito jogos previamente seleccionados (construídos na Oficina de Desenho) e um envelope com as cartas pergunta, azar, sorte e desafio, anteriormente desenvolvidas. Cada grupo ficou responsável por jogar um dos jogos e, no final, identificar possibilidades de melhoria, tanto ao nível da organização do tabuleiro como ao nível dos conteúdos das cartas. No final, cada grupo partilhou a experiência e discutiu-se a mais-valia desta forma lúdica de aprendizagem. Importa ainda referir que todo este processo contou com a orientação do Instituto de Estudos da Criança, da Universidade do Minho, na pessoa da Prof. Doutora Natália Fernandes. 20 C) Resultado Final - Aprender brincando Finalizada a sua construção, jogar o Universo das Crianças é aprender, brincando. Este jogo foi construído para miúdos e graúdos e, portanto, pode ser jogado por crianças, jovens, adultos e famílias. A imagem gráfica do tabuleiro representa um Universo de paz e amizade, segundo as autoras do tabuleiro. Optaram por fazer assim, porque no universo não há desigualdades e guerras porque achamos que era diferente e é um sítio que as crianças muitas vezes imaginam. Por exemplo, como é que eu hei-de explicar Estávamos com a ideia de fazer outro tipo de jogo, mas achamos que o Universo é infinito e lá podese encontrar amizade Também pensamos no universo como um sítio diferente dos outros. Às vezes pensamos no paraíso, paraíso é céu e céu é o Universo. Vera e Tânia O jogo inicia-se no sol, passando pelas estrelas, onde o Universo nos vai colocando várias questões (através das cartas pergunta) e nos vai presenteando com momentos de sorte e de azar. Pelo caminho poderemos ainda encontrar pequenos desafios, à medida que a nossa viagem implica

21 uma paragem nos planetas do sistema solar. Por fim, o jogo termina num simbólico foguetão, através do qual poderemos seguir caminhos para voos maiores, usufruindo dos nossos direitos e respeitando a liberdade de cada um. Em cada carta a ser jogada (pergunta, sorte, azar e/ou desafio) há sempre uma referência à Convenção dos Direitos da Criança (CDC). As questões colocadas poderão fazer referência a direitos expressos na Convenção, à história da CDC ou à história das entidades ligadas à CDC, nomeadamente a UNICEF. Desta forma, ao longo da viagem que se vai percorrendo, cada momento de paragem implica uma nova aprendizagem sobre os direitos da criança ou uma reflexão sobre as aprendizagens já adquiridas. 21

22 Os Autores Não podemos deixar de agradecer, uma vez mais, às crianças e jovens que deram o seu grande contributo na construção do jogo, desde a proposta da imagem gráfica até à finalização da mesma, passando pela construção dos seus conteúdos que implicaram bons momentos de discussão e de reflexão. A saber: 22 Adriana Gonçalves Mendes. 10 anos, Aldão André Salvador Pereira Lopes, 10 anos, Fermentões Andreia Sofia Castro Fernandes, 10 anos, Gominhães Armando Augusto Almeida Sousa, 14 anos, Gonça Catarina Alexandra Silva Gonçalves, 10 anos, Gominhães Catarina Isabel Gonçalves Mendes, 10 anos, Gominhães Cláudia Rafaela Freitas Silva, 11 anos, Aldão Daniela da Pinheira Freitas, 10 anos, Penselo Gil Manuel Costa Martins, 11 anos, S. Torcato Joana Cristina Marinho Gonçalves, 12 anos, Aldão João Carlos Leite Sá, 11 anos, Souto, S. Salvador João Luís Freitas Marques, 11 anos, S. Torcato João Pedro Oliveira Ribeiro, 11 anos, Aldão Leandro da Costa Ribeiro, 10 anos, Aldão Leandro Pinto Ferreira, 12 anos, S. Torcato Marco Daniel da Silva Abreu, 11 anos, Rendufe Pedro Jesus Sousa Leite, 11 anos, Rendufe Rafaela Catarina Carvalho Ribeiro, 11 anos, Aldão Sara Filipa Freitas Azevedo, 11 anos, Rebdufe Tânia Raquel Pereira Gonçalves, 11 anos, Atães Tiago de Sousa Bastos, 11 anos, Selho, S. Lourenço Tiago Manuel Gonçalves Oliveira, 13 anos, Aldão Vanessa Filipa Afonseca Castro, 13 anos, Aldão Vera Alexandra Salgado Castro, 10 anos, Mesão-Frio

23 Anabela Lopes Fernandes, 13 anos, Rendufe Andreia Sofia Gomes dos Santos, 14 anos, S. Torcato Bruno José da Fonseca Jacinto Rodrigues, 12 anos, Pencelo Carlos Alberto Tavares Machado, 14 anos, Atães Cláudia Sofia Ferreira Silva, 12 anos, Gonça Hugo Daniel Poças Lima, 13 anos, Gonça Jerome da Silva Antunes, 13 anos, Taíde José Luís Guimarães Fernandes, 14 anos, S. Torcato Juliana Gravelina Costa Fernandes, 12 anos, Gonça Márcia Catarina Oliveira Novais, 13 anos, S. Torcato Mário Rafael Mendes Martins, 13 anos, Gonça Miguel Ângelo Cardoso Martins, 13 anos, S. Torcato Miguel Ângelo Vieira Leite, 13 anos, Gonça Nuno Alexandre Oliveira Lopes, 14 anos, Atães Nuno Miguel Fernandes Lopes, 13 anos, Rendufe Patrícia da Silva Antunes, 13 anos, Taíde Rafael António Alves Ferreira, 13 anos, Aldão Rui Carlos Gomes Fernandes, 12 anos, Gonça Sofia Catarina Martins Ribeiro, 12 anos, S. Torcato Tânia Raquel Lopes de Sousa, 13 anos, Rendufe Vânia Isabel Mendes Fernandes, 14 anos, Rendufe Vítor Miguel Ribeiro Ferreira, 14 anos, Atães Luis Miguel Ribeiro da Silva,12 anos, Briteiros S. Salvador 23

24

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos...

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Uma introdução aos direitos da criança Todas as pessoas têm direitos. Se fores um rapaz ou uma rapariga com menos de 18 anos, tens também certos

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Flash RH Responsabilidade Social

Flash RH Responsabilidade Social Flash RH Responsabilidade Social No seguimento da nossa campanha de recolha de bens interna, inserida no âmbito da responsabilidade social, a SPIE conseguiu recolher bens para chegar a 8 instituições de

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS. A Motivação no Ensino Aprendizagem. Questionário sobre as aulas de Inglês

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS. A Motivação no Ensino Aprendizagem. Questionário sobre as aulas de Inglês Anexo 2 INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AOS ALUNOS A Motivação no Ensino Aprendizagem Questionário sobre as aulas de Inglês O objectivo deste questionário é ajudar-te a teres um conhecimento melhor de ti próprio

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

1. No último ano, alguém fez uso da força para te tirar algo (roubar) que tu transportavas ou vestias?

1. No último ano, alguém fez uso da força para te tirar algo (roubar) que tu transportavas ou vestias? Questionário de Vitimação Juvenil Versão curta, Formato retrospectivo para Jovens (Magalhães, 2008; Adaptado de Hamby, Finkelhor, Ormrod & Turner, 2004) De seguida serão apresentadas algumas questões acerca

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas

Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Projecto de Desenvolvimento Escolar Comenius Acção Comenius 1 - Parcerias entre escolas Avaliação: um passo determinante para a implementação da qualidade no ensino O objectivo deste projecto é a compreensão

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

Levantamento do Impacto Plataforma de Beijing no desenvolvimento da rapariga

Levantamento do Impacto Plataforma de Beijing no desenvolvimento da rapariga Levantamento do Impacto Plataforma de Beijing no desenvolvimento da rapariga Há 20 anos atrás, no mês de Setembro, as Nações Unidas realizaram a Quarta Conferência sobre a Mulher em Beijing, China. Neste

Leia mais

Cursos Profissionais Turma 1P1 Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos

Cursos Profissionais Turma 1P1 Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Turma 1P1 Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Nome * Bruno Miguel de Sá Gonçalves b 3,818 TGPSI Fábio Daniel de Sá Gonçalves b 3,727 TGPSI Leandro Filipe da Silva Veiga b 3,364 TGPSI

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Ano lectivo 2014/2015 Introdução A Educação para a Cidadania é um processo ao longo da vida. Começa em casa e no meio próximo das crianças com as questões da identidade, relações

Leia mais

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas,

Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL. Odivelas, 20 de Novembro de 2010. Caros Colegas, Aos Órgãos Sociais da FAPODIVEL Odivelas, 20 de Novembro 2010 Caros Colegas, Estando a terminar este ano de trabalho na Federação Concelhia de Odivelas, da qual eu fiz parte dos seus Órgãos Sociais neste

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Newsletters PROGRAMA FESTA DE NATAL NO SBCD

Newsletters PROGRAMA FESTA DE NATAL NO SBCD AMRT ENTIDADE PROMOTORA Newsletters PROJETO SAI DO BAIRRO CÁ DENTRO - EDIÇÃO Nº20, DEZEMBRO 12 TRAVESSA DE VINHA, Nº172B, R/C DTº - CATUJAL TLF: 219419233 O U T R O S D E S T A Q U E S Festa de natal interna

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

5ª Edição do Projeto "Energia com vida"

5ª Edição do Projeto Energia com vida 5ª Edição do Projeto "Energia com vida" Maria Isabel Junceiro Agrupamento de Escolas de Marvão No presente ano letivo 2014-15, quatro turmas do Agrupamento de Escolas do Concelho de Marvão (8º e 9º anos),

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês

Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Ação 1 Foral andante o que eu escrevo, o que tu lês Criar ambientes de partilha; Proporcionar momentos de incentivo à leitura e ao relevo das ilustrações; Facilitar e promover a criatividade e imaginação;

Leia mais

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens

Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens Juventude em Movimento: apoio da Europa aos jovens ESTUDAR FORMAR-SE TRABALHAR PARTICIPAR OS TEUS DIREITOS APRENDER VIAJAR VOLUNTÁRIO CRIAR na EUROPA Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que atue

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

O dia foi dos mais novos

O dia foi dos mais novos O dia foi dos mais novos Diversas atividades marcaram ontem as comemorações do Dia da Criança em Ponta Delgada, com cerca de 3050 meninos. Cidade ganhou colorido especial PÂGINAS2E3 Diversas atividades

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO. Necessidades Educativas Especiais CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CARTA EDUCATIVA DE ÉVORA 2017-2027 RESUMO PAINEL TEMÁTICO Évora, junho 2015 1. Enquadramento geral A realização deste painel temático enquadra-se no processo de elaboração da

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

atuarte jovens ativos na inclusão pela arte

atuarte jovens ativos na inclusão pela arte 2 Os TUB possuem um autocarro convertido num teatro que é um excelente recurso para levar aos bairros da periferia da cidade (Enguardas, Santa Tecla, Andorinhas, Parretas ou outros), oficinas de artes

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14320023 ALEXANDRE VAZ MARQUES VASCONCELOS Colocado em 1105 Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia 9897 Ciências de Engenharia - Engenharia de Minas e Geoambiente 13840715 ANA CLÁUDIA DIAS MARTINS

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

Eleição. para o Presidente da República

Eleição. para o Presidente da República Eleição para o Presidente da República O que é uma eleição? Uma eleição é quando votamos na melhor pessoa para defender os nossos interesses. Podemos decidir votar numa pessoa porque concordamos com as

Leia mais

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas.

Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Este manual dirige-se aos jovens que, vendo o futebol como muito mais do que um mero jogo, se voluntariam para ajudar a treinar os seus colegas. Manual elaborado pela equipa técnica do projeto MAIS JOVEM.

Leia mais

Propostas de Escrita Criativa. Envelope com as possíveis propostas de texto de escrita criativa

Propostas de Escrita Criativa. Envelope com as possíveis propostas de texto de escrita criativa Propostas de Escrita Criativa Envelope com as possíveis propostas de texto de escrita criativa Exploração da História - O Gato Gonçalves Reconstituição da História em grande grupo e a pares Reconstituição

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo]

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] [Visionamento das fotos] [Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] E- Então o que é que achaste das fotos? E7- Boas. Tá fixe. E- Faz-te lembrar coisas boas ou más? E7-

Leia mais

Projecto. M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação. Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga

Projecto. M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação. Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Candidatura Orçamento Tu Decides 2015 Município de Braga Projecto M3 - Mais Encontro: Mais Participação: Mais Ação 1. IDENTIFICAÇÃO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO E PROBLEMÁTICA 3. PROPOSTA 4. OBJECTIVOS E RESULTADOS

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA OLHAR PARA VER OBJECTIVOS O desafio passa por analisar o meio construído segundo as suas

Leia mais

Editor Direção-Geral de Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos

Editor Direção-Geral de Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Ficha Técnica Titulo À DESCOBERTA Editor Direção-Geral de Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Conceção Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Artigo 1º Enquadramento As atividades letivas com as educadoras no Jardim de Infância António

Leia mais

A Cidade pensada para as Crianças Câmara Municipal de Águeda 10 de Novembro de 2011

A Cidade pensada para as Crianças Câmara Municipal de Águeda 10 de Novembro de 2011 A Cidade pensada para as Crianças Câmara Municipal de Águeda 10 de Novembro de 2011 Rosa Madeira Universidade de Aveiro Resistir à fascinação para assumir a incompletude Águeda: Trajectória de reconhecimento

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Resultados da Candidatura a Alojamento

Resultados da Candidatura a Alojamento Resultados da Candidatura a Alojamento Unidade Orgânica: Serviços de Acção Social RESIDÊNCIA: 02 - ESE ANO LECTIVO: 2015/2016 2ª Fase - Resultados Definitivos >>> EDUCAÇÃO BÁSICA 14711 Ana Catarina Mendes

Leia mais

Eu sei o que quero! Eu compro o que quero!

Eu sei o que quero! Eu compro o que quero! Eu sei o que quero! Eu compro o que quero! As pessoas com dificuldades de aprendizagem têm o poder para escolher os seus serviços de apoio. Este folheto está escrito em linguagem fácil. O que é um consumidor?

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

agenda de junho férias de verão no museu

agenda de junho férias de verão no museu agenda de junho férias de verão no museu :: um chapéu por um sorriso Moda solidária no Museu da Chapelaria O Museu da Chapelaria comemora o seu terceiro aniversário no mês de Junho e a data vai ser assinalada

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

Declaração dos Direitos da Criança (1959)

Declaração dos Direitos da Criança (1959) Declaração dos Direitos da Criança (1959) Preâmbulo Visto que os povos das Nações Unidas, na Carta, reafirmaram a sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor do ser humano, e resolveram

Leia mais

CIDADANIA. na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo

CIDADANIA. na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo CIDADANIA na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo Ser cidadão é ter direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade perante a lei, ou seja, ter direitos civis. É também participar no destino da

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Promover o sucesso escolar e educativo

Promover o sucesso escolar e educativo Viver em família na escola Escola Comunidade Educativa Organização caracterizada pelos princípiosp de aprender a ser, aprender a aprender, de educação para a vida e de educação educação permanente. Promover

Leia mais

esta escola é o bicho!

esta escola é o bicho! esta escola é o bicho! PROJETO ESTA ESCOLA É O BICHO! Porto Alegre, Março de 2015. Marina Favarini Tathiana Jaeger apresentação Com este escrito, Gerência de Programas Educacionais da Secretaria Especial

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51 Nº Horário: 51 4625160693 Sofia Margarida Santos Ferreira Admitido 7197226139 Mónica Sofia Jesus Mateus Admitido 6392341730 Gonçalo Jorge Fernandes Rodrigues Fiúza Admitido 7816555741 Dora Maria Gonçalves

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO)

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES (3ª ACTUALIZAÇÃO) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PÚBLICAS DO CONCELHO DE PROENÇA-A-NOVA (3ª ACTUALIZAÇÃO) (3ª Actualização JULHO/2008) 1 Mês: Abril/2008 ANULAR (Estava na 1ª versão sem data) ANULAR (estava na 2ª versão para o 3º

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Jornal das Novidades Abril de 2010 Sala de 2 anos 2

Jornal das Novidades Abril de 2010 Sala de 2 anos 2 EDIÇÃO N.º: 7 AUTORES: SALA 2 30 DE ABRIL DE 2010 Centro de Bem Estar Social Creche, Jardim de Infância e CATL JORNAL DAS NOVIDADES Notícia de Última Hora Chegamos ao final do mês e a nova edição do JORNAL

Leia mais

ORadioActive é um projeto educativo que

ORadioActive é um projeto educativo que 80 anos da Rádio Projeto RadioActive Aprender a fazer rádio aprender para a vida Ensinar crianças e jovens em contextos desfavorecidos a produzir rádio é um dos objectivos do RadioActive, um projeto que

Leia mais