RELAÇÃO ENTRE DOENÇA PERIODONTAL E ANEMIA Relationship between periodontal diseases and anemia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO ENTRE DOENÇA PERIODONTAL E ANEMIA Relationship between periodontal diseases and anemia"

Transcrição

1 Braz J Periodontol - March volume 24 - issue 01 RELAÇÃO ENTRE DOENÇA PERIODONTAL E ANEMIA Relationship between periodontal diseases and anemia Rosana Costa Casanovas de Carvalho 1, Sandra Augusta de Moura Leite 1, Karlinne Maria Martins Duarte 2, Marcus Gomes Bastos 3, Cláudia Maria Coelho Alves 4, Bruno Braga Benatti 4, Antônio Luiz Amaral Pereira 4 1 Doutorandos em Odontologia da UFMA. 2 Mestre em Odontologia da UFMA. 3 Professor Doutor da Nefrologia da UFJF. 4 Professores Doutores da Periodontia da UFMA. Recebimento: 17/01/14 - Correção: 24/02/14 - Aceite: 14/03/14 RESUMO Doença Periodontal é um grupo de doenças inflamatórias de origem infecciosa que afetam os tecidos de proteção e sustentação do dente. A perpetuação da resposta do hospedeiro devido à infecção bacteriana persistente interrompe os mecanismos homeostáticos e resulta na liberação de citocinas pró-inflamatórias, proteases e prostanóides, que podem promover destruição da matriz extracelular na gengiva e estimular a reabsorção óssea, além de estimular a produção de proteínas de fase aguda, sendo a IL-6 seu principal indutor. Dentre as proteínas de fase aguda cuja produção é intensamente aumentada durante a infecção e inflamação está a hepcidina que é predominantemente produzida pelo fígado, tendo como principal função a regulação homeostática do metabolismo de ferro, a modulação da defesa orgânica e contribuindo para a patogênese de anemias de causas diversas. O objetivo do estudo foi realizar uma revisão da literatura utilizando uma consulta às bases de dados Cochrane, Bireme e MedLine, tendo como eixo as seguintes palavras-chaves em associação: periodontite crônica, Inflamação e hemoglobina. Foram encontradas 101 publicações científicas por meio de busca eletrônica, sendo 9 da Bireme, 21 do Pubmed e 71 da Cochrane, além de títulos oriundos de referências de outros artigos. Concluiu-se que há indícios que hepcidina esteja associada ao processo inflamatório sendo responsável pela homeostase do ferro e, desta forma, contribuindo para processo patológico da anemia da inflamação crônica. Constatou-se ainda a escassez de artigos que investiguem a possível associação entre a doença periodontal e a anemia. UNITERMOS: Periodontite Crônica. Inflamação. Hemoglobina. R Periodontia 2014; 24: INTRODUÇÃO As doenças periodontais são um grupo de doenças inflamatórias de origem infecciosa, incluindo gengivite e periodontite, que afetam os tecidos de proteção e sustentação do dente. O biofilme microbiano que se acumula ao redor dos dentes e penetra no sulco gengival é o agente etiológico primário das doenças periodontais, sendo causada por microrganismos específicos, principalmente por bactérias Gram - negativas e anaeróbias, como Porphyromonas gingivalis, Tannerella forsythia, Treponema denticola e Aggregatibacter actinomycetemcomitans (Socransky, Haffajee, 1991; Löe, 1993; Socransky et al., 1998). Inicialmente ocorre um desequilíbrio entre as bactérias e a defesa do hospedeiro que leva a alterações vasculares e à formação de exsudato inflamatório com alteração da cor da gengiva, hemorragia e edema, sendo essa fase definida como gengivite. (Löe,1965). A gengivite promove a fragilização das estruturas e maior acesso de bactérias e seus subprodutos à áreas subjacentes, podendo resultar na migração do epitélio, consequente formação de bolsas periodontais e perda óssea. Este processo culmina com a destruição dos componentes do periodonto, ou seja, cemento radicular, ligamento periodontal e osso alveolar, caracterizando a Periodontite, que é considerada a segunda maior causa de patologia dentária na população humana em todo o mundo (Petersen, Ogawa, 2005; Almeida et al., 2006). A perpetuação da resposta do hospedeiro devido à infecção bacteriana persistente interrompe os mecanismos homeostáticos e resulta na liberação pelos macrófagos e monócitos de mediadores, incluindo as citocinas pró- 48 An official publication of the Brazilian Society of Periodontology ISSN

2 inflamatórias (IL-1, IL-6, fator de necrose tumoral alfa [TNF-α]), proteases (metaloproteinases [MMPs]) e prostanóides (prostaglandina E 2 [PGE2]) que podem promover destruição da matriz extracelular na gengiva e aumentar a reabsorção óssea (Page, 1998), além de estimular a produção de proteínas de fase aguda, sendo a IL-6 seu principal indutor (Forner et al., 2006). Dentre as proteínas de fase aguda cuja produção é intensamente aumentada durante a infecção e inflamação, está a hepcidina, que é predominantemente produzida pelo fígado, tendo como principal função a regulação homeostática do metabolismo de ferro e a modulação da defesa orgânica. A hepcidina é um regulador negativo predominante da absorção de ferro no intestino delgado, controlando o transporte de ferro através da placenta e retendo o ferro nos enterócitos, macrófagos e hepatócitos (Ganz, 2003). O hormônio peptídeo hepático hepcidina regula a absorção, as concentrações plasmáticas e a distribuição de ferro nos tecidos e age causando a degradação do seu receptor, a ferroportina, exportador de ferro celular. A perda de ferroportina diminui fluxo de ferro no plasma para os enterócitos de absorção, para os macrófagos que reciclam o ferro de eritrócitos senescentes, e para os hepatócitos que estocam o ferro, diminuindo assim a concentração de ferro no plasma, contribuindo para a patogênese de anemias de causas diversas (Nemeth et al., 2004). Desta forma, considerando a alta prevalência da periodontite crônica na população e sendo ela um processo infeccioso local com resposta inflamatória sistêmica, traduzida por aumento de PCR, IL-6 e Hepcidina, esta última envolvida na homeostase de ferro, este estudo propôs-se fazer uma revisão de literatura para investigar a possível relação entre a periodontite e a anemia. O objetivo do estudo foi realizar uma revisão de literatura utilizando uma consulta às bases de dados Cochrane, Bireme e MedLine, tendo como eixo as seguintes palavraschaves em associação: Periodontite Crônica, Inflamação, Hemoglobina. REVISÃO DA LITERATURA E DISCUSSÃO A patogênese da doença periodontal consiste em uma cascata de reações inflamatórias e imunológicas, que ainda não foram completamente elucidadas (Lappin et al., 2000). Aspectos protetores da resposta do hospedeiro incluem recrutamento de neutrófilos, produção de anticorpos e, possivelmente, a liberação de citocinas, incluindo o fator de transformação do crescimento beta (TGF-β), interleucina-4 (IL-4), IL-10 e interleucina 17 (IL-17) (Page, 1998; Xiong, Wei, An official publication of the Brazilian Society of Periodontology ISSN Peng, 2009). A destruição dos tecidos parece resultar de uma interação complexa entre estas bactérias e o sistema imuneinflamatório do hospedeiro (Pozo et al., 2005). Pacientes com DP crônica têm uma produção aumentada de citocinas inflamatórias (IL-1b, TNF-a, IL-6) (Offenbacher et al., 1996; Gorska et al., 2003), e que podem induzir a elevação plasmática do nível de proteínas de fase aguda, como por exemplo, a Proteína C Reativa (Amar et al., 2003; Buhlin et al,, 2003; Craig et al., 2003), promovendo uma resposta inflamatória sistêmica moderada (Noack et al., 2001; Loos et al., 2005). Tal fato demonstra que a DP crônica é um protótipo de infecção local de baixo grau associado com uma resposta inflamatória sistêmica moderada (Gemmell et al.,1997; Mattila et al., 2002; D Aiuto et al., 2005; Vilela et al., 2011). Em humanos, o fígado tem um papel central na resposta imune inata e é responsável pela síntese elevada de muitas proteínas de fase aguda que estão envolvidas na defesa do organismo. A hepcidina é uma proteína de fase aguda que está diretamente envolvida no metabolismo do ferro e sua síntese é aumentada substancialmente durante infecção e inflamação reduzindo o ferro no soro sanguíneo (Pigeon et al., 2001; Nicolas et al., 2002) A hepcidina, um peptídeo catiônico pequeno e rico em cisteína recentemente descoberto, foi isolada independentemente por dois grupos que procuravam novos peptídeos antimicrobianos. Krause et al. (2000), isolaram um peptídeo novo no plasma que era produzido pelo fígado e tinha propriedades antimicrobiais, sendo nomeado liverexpressed antimicrobial peptide-1 (LEAP-1). Já Park et al. (2001) isolaram este peptídeo na urina humana e o nomearam hepcidina (hepatic bactericidal protein). A forma bioativa madura da hepcidina é um peptídeo de 25 aminoácidos que deriva de um precussor (preprohepcidina) de 84 aminoácidos, que por clivagem N-terminal de um peptídeo de 24 aminoacidos, origina a prohepcidina. Ocorrendo em seguida a segunda clivagem de um peptídeo de 35 aminoacidos para a forma de hepcidina 25, que é excretada na urina e soro humanos. Outras duas isoformas com 20 e 22 aminoácidos são detectáveis na urina e soro humanos, tendo significado biológico ainda incerto (Ganz, 2003; Nemeth, 2010). A citocina inflamatória IL-6, aparentemente, é um indutor fundamental da síntese da hepcidina durante a inflamação (Nemeth et al., 2004). A IL-6 regula diretamente a hepcidina por meio da indução do promotor pela ligação do fator de ativação da transcrição STAT3 (signal transducer and activator of transcription 3) (Wrighting, Andrews, 2006). A principal função da hepcidina é a modulação da defesa orgânica e a regulação homeostática do metabolismo de ferro. O ferro é o metal de transição mais abundante no corpo 49

3 humano, sendo o mediador de enzimas e proteínas catalíticas cruciais para a síntese do DNA, transporte do oxigênio na hemoglobina, transporte de elétrons, respiração da célula, fosforilação oxidativa, ciclo do ácido tricarboxílico e outras reações bioquímicas (Roy, Enns, 2000; Bridges, Seligman, 2007). A maioria do ferro absorvido da dieta ou reciclado de hemoglobina está destinada à produção de glóbulos vermelhos. Durante o processo da inflamação e infecção a hepcidina em níveis elevados determina decréscimo na liberação do ferro dos enterócitos, hepatócitos e macrófagos. Como consequência, há um aumento da concentração de ferritina sérica, fortemente relacionada com os níveis protéicos de hepcidina, tanto no soro como na urina. A IL-6 é requerida para a indução da hepcidina e hipoferremia durante a inflamação tanto em animais quanto em humanos (Ganz, 2003). Os níveis de hepcidina no plasma são regulados por diferentes estímulos incluindo citocinas, concentração de ferro no plasma, anemia e hipóxia. O desequilíbrio da expressão de hepcidina resulta em desordens de ferro. A super expressão induz a anemia da doença crônica, enquanto a baixa produção de hepcidina na hemocromatose hereditária leva a acúmulo de ferro nos órgãos vitais (Domenico, Ward, Kaplan, 2007). O principal exportador do ferro para o plasma é a ferroportina (FTP) localizada na extremidade basolateral de vários tipos de célula, incluindo sinciciotrofoblastos placentários, enterócitos duodenais, hepatócitos e macrófagos. A expressão do mrna da FTP está aumentada na deficiência de ferro e hipóxia, sendo também seletiva para o ferro divalente. Uma vez exteriorizado pela ferroportina para o plasma, o ferro é novamente oxidado para Fe 3+ por meio da hefaestina e então ligado e transportado pela transferrina sérica (Oates, 2007). Desta forma, a homeostase do ferro é regulada por dois mecanismos principais: um deles intracelular, de acordo com a quantidade de ferro que a célula dispõe, e outro sistêmico, onde a hepcidina tem papel crucial (Grotto, 2008). Vários pesquisadores investigaram a hepcidina como uma molécula de ligação entre inflamação e anemia (Deicher, Hörl, 2004; Pietrangelo, Trautwein, 2004; Malyszko et al., 2005; Vyoral, Petrák, 2005; Zaritsky et al., 2009; Zaritsky et al., 2010; Kuo et al., 2012), sendo negativamente relacionada com a hemoglobina, hematócrito e eritrócitos e positivamente relacionada com as doses de eritropoetina e ferritina (Malyszko et al., 2005). Na regulação do transporte de ferro transmembrana, o complexo ferroportina-hepcidina é degradado nos lisossomos e o ferro é mantido dentro das células (principalmente enterócitos, hepatócitos e macrófagos). Isto leva à diminuição de absorção de ferro no intestino e a uma diminuição na concentração de ferro sérico. Assim, a hepcidina regula os níveis de ferro sérico durante a inflamação, infecção e possivelmente também no câncer (Malyszko et al., 2005; Malyszko, Mysliwiec, 2007). A deficiência na produção de hepcidina causa sobrecarga sistêmica de ferro, levando a instalação de anemias como a beta-talassemia. Já o excesso de hepcidina causa a redução do ferro circulante e contribui para o desenvolvimento da anemia em doenças inflamatórias crônicas e doença renal, e pode causar resistência à eritropoetina. O diagnóstico das diferentes formas de anemia será facilitado pela melhoria dos ensaios de hepcidina, e o tratamento deve ser reforçado através do desenvolvimento de agonistas e antagonistas da hepcidina (Nemeth, 2010; Camashella & Silvestri, 2011; Ganz & Nemeth, 2011). Desde a descoberta de hepcidina, há aproximadamente 10 anos atrás, vários grupos de cientistas têm tentado desenvolver ensaios adequados para a mensuração deste peptídeo em fluidos biológicos. As primeiras tentativas foram frustradas pela dificuldade de produzir anticorpos contra esse peptídeo pequeno, e embora isso tenha sido resolvido, a preocupação agora é que o ensaio está detectando outras formas de hepcidina além da hepcidina biologicamente ativa (Macdougall et al., 2010). Primeiramente foram utilizados os radioimunoensaios, sensíveis e altamente específicos, mas que caíram em desuso pelos riscos inerentes ao uso de radioisótopos (Grebenchtichkov et al., 2009). Mais recentemente foram utilizadas técnicas de espectometria de massa para determinação dos níveis de hepcidina. Essas são técnicas analíticas para determinação da composição elementar e elucidação estrutural de pequenas moléculas, incluindo peptídeos. Apesar de serem considerados os ensaios mais precisos para mensurar especificamente a hepcidina-25, são mais trabalhosas, exigem instrumental mais sofisticado e de maior custo, tornando-os inviáveis na prática clínica (Swinkels et al., 2008). Atualmente, os imunoensaios (ELISAS) são mais frequententes utilizados devido a sua alta reprodutibilidade, estabilidade, sensibilidade e possibilita a medição quantitativa da hepcidina bioativa. O exercício de comparação das medidas de hepcidina entre os diferentes ensaios em todo o mundo apresentam alta variabilidade, alcançando uma variação de 10 vezes entre os mais sensíveis métodos de espectometria de massa e os imunoensaios, como o ELISA (Zaritsky et al., 2009; Macdougall et al., 2010). 50 An official publication of the Brazilian Society of Periodontology ISSN

4 Embora estas limitações não impeçam as comparações de amostras, elas tornam difícil determinar o intervalo de referência preciso para os níveis plasmáticos de hepcidina, sendo necessário aperfeiçoar a metodologia dos diferentes ensaios. Se isso for alcançado, é possível que medição da hepcidina sérica seja mais sensível e informativa que os marcadores tradicionais de status de ferro que foram usados ao longo das últimas duas décadas (ferritina, saturação da transferrina, hemácias hipocrômicas, eritrócitos, hemoglobina), e que as estratégias futuras para o gerenciamento de anemias ferroprivas em pacientes sejam direcionadas de modo a reduzir os níveis plasmáticos desse peptídeo (Macdougal l et al., 2010). Alguns artigos já mostraram uma associação entre a doença periodontal e o desenvolvimento da anemia da inflamação crônica (Pradeep et al., 2011; Vilela et al., 2011), mas até o momento nenhum estudo relacionou este processo à hepcidina, embora Vilela tenha demonstrado a associação da periodontite crônica com um precursor da hepcidina, a prohepcidina. Neste estudo, Vilela et al. (2011) estudaram o impacto da terapia periodontal não cirúrgica sobre a Prohepcidina e marcadores inflamatórios (IL-6, PRC-us) em pacientes com periodontite crônica de moderada a severa, sendo um grupo com paciente portadores de Doença Renal Crônica (Grupo 1) e outro com pacientes sem doenças sistêmicas (Grupo Controle).Os resultados apontaram que a instituição da terapia periodontal se mostrou eficaz para reduzir, de modo estatisticamente significante, os níveis de Prohepcidina, IL-6,e PCR-us em ambos os grupos, além de trazer melhorias nos parâmetros clínicos periodontais e um aumento significante de hemoglobina e ferritina no grupo controle. Com o objetivo de verificar se pacientes com doença periodontal têm um estado anêmico e subsequentemente avaliar o efeito da terapia periodontal não-cirúrgica sobre a anemia, Pradeep et al. (2011) analisaram 187 pacientes portadores de periodontite crônica, e verificaram que 33,6% apresentavam níveis de hemoglobina abaixo dos valores normais. Após a terapia periodontal, todos os parâmetros hematológicos e clínicos apresentaram melhorias após 6 meses, principalmente nas mulheres, cuja prevalência de anemia pré-tratamento era maior. O presente estudo fortalece a hipótese que periodontite crônica pode levar a anemia e a terapia periodontal não-cirúrgica pode melhorar os níveis de hemoglobina nestes pacientes. - A hepcidina está associada ao processo inflamatório e é responsável pela homeostase do ferro, desta forma está associada ao processo patológico da anemia da inflamação crônica; - Esta revisão de literatura constatou a escassez de artigos que investiguem a possível associação entre a doença periodontal e a anemia. ABSTRACT Periodontal diseases can be defined as inflammatory disease from infectious origin that affect the protection and support tooth tissues. The host response perpetuation due to persistent bacterial infection disrupts the homeostatic mechanisms and results in releasing of the proinflammatory cytokines, proteases and prostanoids that can promote the destruction of extracellular matrix in the gingiva and cause bone resorption, also stimulate the production of acute phase proteins, being the IL-6 the main inductor. Among the acute phase proteins whose production is widely increased during infection and inflammation, there is hepcidin which is predominantly produced by the liver, having as main function the homeostatic regulation of iron metabolism, organic defense modulation and contributing to the pathogenesis of various causes of anemias. The aim of the study was to perform a literature review by using databases Cochrane, Bireme and MedLine, and the following keywords in combination: chronic periodontitis, inflammation and hemoglobin. A total of 101 scientific publications was found by electronic search, 9 from Bireme, 21 from PubMed and 71 from Cochrane, also titles from references by other articles. It was concluded that the hepcidin is associated to inflammatory process and it is responsible for the iron homeostasis therefore leading is associated to the pathologic process of the chronic disease anemia. Also, it was noted the lack of manuscripts that investigate the possible association between periodontal diseases and anemia. UNITERMS: Chronic periodontitis. Inflammation. Hemoglobin. CONCLUSÃO Concluiu-se que: An official publication of the Brazilian Society of Periodontology ISSN

5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- Socransky, S.S.; Haffajee, AD. Microbial mechanisms in the pathogenesis of destructive periodontal diseases: a critical assessment. J. Period. Rese.1991; 26: Löe H, Theilade E, Jensen SB. Experimental gingivitis in man. J Periodontol. 1965; 36: Löe H. Periodontal disease; a brief historical perspective. Periodontol ; 2: Socransky SS, Haffajee AD, Cugini MA, Smith C, Kent Jr RL. Microbial complexes in subgingival plaque. J Clin Periodontol 1998; 25: Carranza FA. Classificação das doenças e condições que afetam o periodonto. In: Caranza FA, Newman MG, Takei HH. Periodontia clínica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; p Petersen PE, Ogawa H. Strengthening the prevention of periodontal disease:the WHO approach. J Periodontol 2005; 76: Almeida RF, Pinho MM, Lima C, Faria I, Santos P, Bordalo C. Associação entre doença periodontal e patologias sistêmicas. Rev Port Clin Geral 2006; 22: Page RC. The pathology of periodontal diseases may affect systemic diseases: inversion of a paradigm. Ann Periodontol 1998; 3: Forner L, Nielsen CH, Bendtzen K, Larsen T, Holmstrup P. Increased plasma levels of IL-6 in bacteremic periodontis patients after scaling. J Clin Periodontol 2006; 33: Ganz, T. Hepcidin, a key regulator of iron metabolism and mediator of anemia of inflammation. Blood 2003; 102: Nemeth E, Rivera S, Gabayan V, Keller C, Taudorf S, Pedersen BK et al. IL-6 mediates hypoferremia of inflammation by inducing the synthesis of the iron regulatory hormone hepcidin. J Clin Invest 2004; 113: Lappin DF., Kjeldsen ML, Sander DF, Kinane. Inducible nitric oxide synthases expresion in periodontits. J Periodontol Res 2000; 35: Page RC. The pathology of periodontal diseases may affect systemic diseases: inversion of a paradigm. Ann. Periodontol. 1998; 3: Xiong H, Wei L, Peng B. Immunohistochemical localization of IL-17 in induced rat periapical lesions. J Endod 2009; 35(2): Pozo P., Valenzuela M. A., Melej C., Zaldívar M., Puente J., Martínez B., et al. Longitudinal analysis of metalloproteinases, tissue inhibitors of metalloproteinases and clinical parameters in gingival crevicular fluid from periodontitis-affected patients. J Periodont Res 2005; 40: Offenbacher S, Katz V, Fertik G, Collins J., Boyd D., Maynor G. et al. Periodontal infection as a possible risk factor for preterm low birth weight. J Periodontol 1996; 67: Gorska R., Gregorek H., Kowalski J., Laskus-Perendyk A., Syczewska M., Madaliński K. Relationship between clinical parametersand cytokine profiles in inflamed gingival tissue and serum samples from patients with chronic periodontitis. J Clin Periodontol 2003; 30: Amar S, Gokce N, Morgan S, Loukideli M, Van Dyke TE, Vita J. Periodontal disease is associated with brachial artery endothelial dysfunction and systemic inflammation. Arterioscler Thromb Vasc Biol 2003; 23: Buhlin K, Gustafsson A, Pockley AG, Frostergard J, Klinge B. Risk factors for cardiovascular disease in patients with periodontitis. Eur Heart J 2003; 24: Craig RG, Yip JK, So MK, Boylan RJ, Socransky SS, Haffajee AD. Relationship of destructive periodontal disease to the acute phase response. J Periodontol 2003; 74: Loos BG. Systemic markers of inflammation in periodontitis. J Periodontol 2005; 76: Noack B, Genco RJ, Trevisan M, Grossi S, Zambon JJ, De Nardin E. Periodontal infections contribute to elevated systemic C-reactive protein level. J Periodontol 2001; 72: Gemmell E., Roderick I., Gregory J. S. Cytokines and prostaglandins in imune homeostasis and tissue destruction in periodontal disease. Periodontol ; 14: Matilla K., Vesanen M., Valtonen V., Nieminen M., Palosuo T., Rasi V. et al. Effect of treating periodontitis on C-reactive protein levels: a pilot study. BMC Infect Dis 2002; 2: D Aiuto FD., Nibali L., Parkar M., Suvan J., Tonetti MS. Short-term effects of intensive periodontal therapy on serum inflammatory markers and cholesterol. J Dent Res 2005; 84: Vilela EM, Bastos JA, Fernandes N, Ferreira AP, Chaoubah A, Bastos MG.Treatment of chronic periodontitis decreases serum prohepcidin levels in patients with chronic kidney disease. CLINICS 2011; 66(4): Pigeon C, Ilyin G, Courselaud B, Loroyer P, Turlin B, Brissot P et al. A new mouse liver-specific gene, encoding a protein homologous to human antimicrobial peptide hepcidin, is overexpressed during iron overload. J Biol Chem 2001; 276: Nicolas G, Chauvet C, Viatte L, Danan JL, Bigard X, Devaux I. The gene encoding the iron regulatory peptide hepcidin is regulated by anemia, hypoxia, and inflammation. J Clin Invest 2002; 110: Krause A, Neitz S, Mägert HJ, Schulz A, Forssmann WG, Schulz-Knappe P et al. LEAP-1, a novel highly disulfide-bonded human peptide, exhibits antimicrobial activity. FEBS Lett 2000; 480: Park CH, Valore EV, Waring AJ. Hepcidin, a urinary antimicrobial peptide synthesized in the liver. J Biol Chem 2001 ; 276: Nemeth E. Targeting the hepcidin-ferroportin axis in the diagnosis and treatment of anemias. Adv. Hemat. 2010: An official publication of the Brazilian Society of Periodontology ISSN

6 32- Wrighting DM, Andrews NC. Interleukin-6 induces hepcidin expression through STAT3. Blood 2006; 108: Roy CN, Enns CA. Iron homeostasis: new tales from the crypt. Blood 2000; 96: Bridges KR, Seligman PA. Disorders of iron metabolism. In: Handin RI, Lux S E, Stossel TP. (eds) Blood: principles and practice of hematology, Philadelphia: Lippincott, Cap.49 apud Malyszko J, Mysliwiec M. Hepcidin in anemia and inflammation in chronic kidney disease. Kidney Blood Press Res 2007; 30: Grebenchchikoy N, Geursts-Moespot AJ, Kroot JJ, DenHeijer M, Tjalama H, Swinkela DW et al. Highsensitive radioimmunoassay for human serum hepcidin. Br J Haematol. 2009: 146 : Swinkels DW, Girelli D, Laarakkers C, Kroot J, Campostrini N, Kemna EH et al. Advances in quantitative hepcidin measurements by timeof-flight mass spectrometry.plos One 2008: 3: e Pradeep AR, Anuj S, Raju PA. Anemia of chronic disease and chronic periodontitis: does periodontal therapy have an effect on anemic status? J Periodontol 2011; 82(3): Grotto HZW. Metabolismo do ferro: uma revisão sobre os principais mecanismos envolvidos em sua homeostase. Rev Bras Hematol Hemoter 2008; 30(5): Domenico I, Ward DM, Kaplan J. Hepcidin regulation: ironing out the details. J. Clin. Invest. 2007; 177: Oates PS. The role of hepcidin and ferroportin in iron absorption. Histol Histopathol 2007, 22(7): Deicher R, Hörl W. Hepcidin: a molecular link between inflammation and anaemia. Nephrol Dial Transplant 2004; 19: Pietrangelo A, Trautwein C. Mechanisms of disease: the role of hepcidin in iron homeostasis implications for hemochromatosis and other disorders. Nat Clin Pract Gastroenterol Hepatol 2004; 1: Malyszko J, Malysko JS, Hryszko T, Pawlak K, Mysliwiec M. Is hepcidin a link between anemia, inflammation and liver function in hemodialysed patients? Am J Nephrol 2005; 25: Vyoral D, Petrák J. Hepcidin: a direct link between iron metabolism and immunity. Int J Biochem Cell Biol 2005; 37: Zaritsky J, Young B, Wang HJ, Westerman M, Olbina G, Nemeth E et al. Hepcidin- a potential novel biomarker for iron status in chronic kidney disease. Clin J Am Soc Nephrol 2009; 4: Zaritsky J, Young B, Gales B, Wang HJ, Rastogi A, Westerman M et al. Reduction of serum hepcidin by hemodialysis in pediatric and adult patients. Clin J Am Soc Nephrol 2010; 5: Kuo HC, Yang YL, Chuang JH, Tiao MM, Yu HR, Huang LT et al. Inflammation-Induced Hepcidin is Associated with the Development of Anemia and Coronary Artery Lesions in Kawasaki Disease. J Clin Immunol 2012; 32(4): Malyszko J, Mysliwiec M. Hepcidin in anemia and inflammation in chronic kidney disease. Kidney Blood Press Res 2007; 30: Camashella C; Silvestri L. Molecular regulating hepcidin revealed by hepcidin disorders. Scient. Wor. J., 2011; 11: Ganz T, Nemeth E. The hepcidin-ferroportin system as a therapeutic target in anemias and iron overload disorders. Amer. Soc. Hemat. 2011; Macdougall IC, Malyszko J, Hider RC, Bansal SS. Current status of the measurement of blood hepcidin in chronic kidney disease. Clin J Am Soc Nephrol 2010; 5: Endereço para correspondência: Rosana Costa Casanovas de Carvalho Rua dos Rouxinóis, 3574 Bl. 2 Ap. 404 Cond Alphaville Jardim Renascença CEP: São Luís MA BRASIL An official publication of the Brazilian Society of Periodontology ISSN

O papel da IL-1β em pacientes com comprometimento periodontal

O papel da IL-1β em pacientes com comprometimento periodontal 257 O papel da IL-1β em pacientes com comprometimento periodontal Fúlvio B. Miguel * Ana Karina Cardoso ** Luciana R. Koser ** Patrícia M. Alves ** Rhyna C. Costa ** Resumo As citocinas, em especial a

Leia mais

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto PESQUISA 1º colocado Título do Trabalho: Avaliação dos conhecimentos relativos aos cuidados com as escovas dentais, após sua utilização, em adultos, crianças e pacientes especiais. Autor (a): Dr. Jerônimo

Leia mais

ESTUDO DO METABOLISMO DO FERRO

ESTUDO DO METABOLISMO DO FERRO ESTUDO DO METABOLISMO DO FERRO Patrícia Gigliotti Resumo Os mecanismos decorridos no organismo com a finalidade de manter a homeostase de ferro é claramente descrita neste artigo de revisão, que visa uma

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva

Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva 17 Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Letícia Grando Mattuella 1, Léder Leal Xavier 1 (orientador) 1 Faculdade

Leia mais

ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz O termo doença periodontal descreve uma diversidade de entidades clínicas distintas que afetam o periodonto, incluindo

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

A doença periodontal e o fumo

A doença periodontal e o fumo A doença periodontal e o fumo Hubert Chamone Gesser ( h_gesser@hotmail.com ) - Cirurgião Dentista - Especialista em Odontologia em Saúde Coletiva pela ABO-SC - Mestrando em Engenharia de Produção Bioestatística

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

Fisiologia e Metabolismo do Ferro. Dr. Kleber Yotsumoto Fertrin Médico Hematologista Hemocentro UNICAMP

Fisiologia e Metabolismo do Ferro. Dr. Kleber Yotsumoto Fertrin Médico Hematologista Hemocentro UNICAMP Fisiologia e Metabolismo do Ferro Dr. Kleber Yotsumoto Fertrin Médico Hematologista Hemocentro UNICAMP fertrin@unicamp.br Introdução O ferro é um elemento fundamental em muitos processos biológicos; A

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Bone Resorption in Periodontal Disease: the Role of Cytokines and Prostaglandins

Bone Resorption in Periodontal Disease: the Role of Cytokines and Prostaglandins Atividade ósteo-reabsortiva na doença periodontal: o papel das citocinas e prostaglandinas Bone Resorption in Periodontal Disease: the Role of Cytokines and Prostaglandins Recebido em 04/10/2006 Aprovado

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de concentração: Saúde Brasileira

Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de concentração: Saúde Brasileira Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de concentração: Saúde Brasileira EDUARDO MACHADO VILELA EFEITOS DO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL SOBRE MARCADORES INFLAMATÓRIOS

Leia mais

Doença Periodontal e Diabetes A influência do tratamento periodontal no controle glicêmico

Doença Periodontal e Diabetes A influência do tratamento periodontal no controle glicêmico Doença Periodontal e Diabetes A influência do tratamento periodontal no controle glicêmico O Diabetes é uma doença metabólica, caracterizada pelo aumento do nível glicêmico no sangue, a hiperglicemia.

Leia mais

Diagnóstico Molecular em Transplantação. Paulo Santos Laboratório de Genómica Funcional Centro de Histocompatibilidade do Centro

Diagnóstico Molecular em Transplantação. Paulo Santos Laboratório de Genómica Funcional Centro de Histocompatibilidade do Centro Diagnóstico Molecular em Transplantação Paulo Santos Laboratório de Genómica Funcional Centro de Histocompatibilidade do Centro Histocompatibilidade Serologia Genética Molecular Virologia Bioquímica Genómica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE DOENÇAS CARDIOVASCULARES E PERIODONTITE: REVISÃO DE LITERATURA

ASSOCIAÇÃO ENTRE DOENÇAS CARDIOVASCULARES E PERIODONTITE: REVISÃO DE LITERATURA Artigo de Revisão ASSOCIAÇÃO ENTRE DOENÇAS CARDIOVASCULARES E PERIODONTITE: REVISÃO DE LITERATURA THE ASSOCIATION BETWEEN CARDIOVASCULAR DISEASE AND PERIODONTAL DISEASE: LITERATURE REVIEW Resumo 1 Candice

Leia mais

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Bruno Gualano Universidade de São Paulo Gualano et al., 2010. Autoimmunity Reviews, 569-573 Temas de pesquisa Espondiloartrite Síndrome Antifosfolípíde Sjogrën

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais CASO COMPLEXO 7 Samuel : Ilíria Salomão Feist Dividiremos nosso conteúdo referencial em duas partes: na primeira definiremos, segundo a Academia Americana de Periodontia (AAP), os itens que devem ser seguidos

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS.

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. Autor: ANA LUIZADA SILVA Orientador: Sâmia Macedo Queiroz Mota Castellão Tavares Coautor(es): Ana Luiza da Silva,

Leia mais

Alexandre Pinto Maia 1, Eduardo Gomes Seabra 2

Alexandre Pinto Maia 1, Eduardo Gomes Seabra 2 R. Periodontia - Março 2008 - Volume 18 - Número 01 RELAÇÃO ENTRE DOENÇA PERIODONTAL E DOENÇA CARDIOVASCULAR. HÁ UMA PREOCUPAÇÃO POR PARTE DOS QUE FAZEM CLÍNICA MÉDICA E ODONTOLÓGICA? Relationship between

Leia mais

EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA

EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA GOMES, André PARRA, Brenda Silvia FRANCO, Fernanda de Oliveira BASILE, Laís JOSÉ, Luana Trombini ROMERO, Vinícius Lovizutto Acadêmicos da Associação Cultural

Leia mais

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Novo Tratamento para Estomatite Aftosa Recorrente Ômega-3 Reduz os Sinais

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico

RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico Informações Técnicas RESISTAID Modulador natural do sistema imunológico CAS NUMBER: 9036-66-2 SINÔNIMOS: Arabinogalactana, Lariço arabinogalactana, Galactoarabinina, Fibra lariço, Goma lariço NOME BOTÂNICO:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

VITAMINA B2. Riboflavina. Informações Técnicas. INCI NAME: Riboflavin ou Lactoflavin CAS NUMBER: 83-88-5

VITAMINA B2. Riboflavina. Informações Técnicas. INCI NAME: Riboflavin ou Lactoflavin CAS NUMBER: 83-88-5 Informações Técnicas VITAMINA B2 Riboflavina INCI NAME: Riboflavin ou Lactoflavin CAS NUMBER: 83-88-5 INTRODUÇÃO A vitamina B2 faz parte de vários sistemas enzimáticos (oxidases e desidrogenases); participa

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

ANEMIA DA DOENÇA CRÔNICA

ANEMIA DA DOENÇA CRÔNICA ANEMIA DA DOENÇA CRÔNICA Sandra Regina Loggetto Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia Hemo 2006 Recife-PE Definição ADC ou anemia da inflamação crônica Adquirida Doenças inflamatórias como

Leia mais

DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES

DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES DOENÇA PERIODONTAL EM CÃES GARCIA, Claudia Zeferino JÚNIOR, José Maria Fernandes ALMEIDA, Marcio Fernando SIMAS, Rafael de Carvalho GIMENEZ, Tiago Favaro BERMEJO, Vanessa Justiniano Discentes do curso

Leia mais

RESPOSTA INFLAMATÓRIA

RESPOSTA INFLAMATÓRIA RESPOSTA INFLAMATÓRIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INFLAMAÇÃO É uma reação dos tecidos a uma agente agressor caracterizada morfologicamente

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA

ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA ANEMIA DE DOENÇA CRÔNICA Prof. Archangelo P. Fernandes Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Definição Anemia presente em: - Distúrbios infecciosos crônicos, - Doenças auto-imunes

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Cirurgião Dentista; Doutor em Periodontia (UERJ); Professor do curso de Especialização em Periodontia da Odontoclínica Central do Exército

Cirurgião Dentista; Doutor em Periodontia (UERJ); Professor do curso de Especialização em Periodontia da Odontoclínica Central do Exército Braz J Periodontol - March 2013 - volume 23 - issue 01 CONHECIMENTO E CONDUTA DOS NEFROLOGISTAS FRENTE À RELAÇÃO BIDIRECIONAL ENTRE A DOENÇA PERIODONTAL E A DOENÇA RENAL CRÔNICA Knowledge and conduct of

Leia mais

Matrilisinas e correlação com metástase em carcinoma de células escamosas de língual

Matrilisinas e correlação com metástase em carcinoma de células escamosas de língual Matrilisinas e correlação com metástase em carcinoma de células escamosas de língual Thaís Gomes Benevenuto* Rivadávio F.B. de Amorim M. Cristina Cavalari Eduardo Augusto Rosa Sérgio Bruzadelli Brasília,

Leia mais

Antibióticos na Doença Periodontal Canina

Antibióticos na Doença Periodontal Canina Atualização em Terapêutica Veterinária Distribuído por Farmácia Veterinária de Manipulação Antibióticos na Doença Periodontal Canina A adequação ao tratamento é muito importante na obtenção da recuperação

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

TEMA: ERITROPOETINA NO TRATAMENTO DA ANEMIA EM PACIENTE PORTADOR DE DOENÇA ONCOLÓGICA

TEMA: ERITROPOETINA NO TRATAMENTO DA ANEMIA EM PACIENTE PORTADOR DE DOENÇA ONCOLÓGICA Data: 27/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X TEMA: ERITROPOETINA NO TRATAMENTO DA ANEMIA EM PACIENTE PORTADOR DE DOENÇA ONCOLÓGICA Sumário 1. Resumo executivo... 2 1.1 Recomendação...

Leia mais

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3)

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica IMED PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) 1 - Aluna de graduação da Faculdade Meridional-IMED, Brasil. E-mail: maitepiazza@gmail.com

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Resistência à Insulina e Câncer

Resistência à Insulina e Câncer Resistência à Insulina e Câncer Prof. Adaliene 1 Resistência à Insulina e Câncer Câncer Sobreviventes 11 milhões Resistência à insulina Obesidade 2 1 Obesidade/ Resistência à Insulina e Câncer OVERWEIGHT,

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores ASTRAZENECA, CNPq e CAPES Unidos pelo desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação ASTRAZENECA Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Cristiano Gabriel Azevedo Pereira Teixeira Alves. O papel das metaloproteinases na doença periodontal. Universidade Fernando Pessoa

Cristiano Gabriel Azevedo Pereira Teixeira Alves. O papel das metaloproteinases na doença periodontal. Universidade Fernando Pessoa Cristiano Gabriel Azevedo Pereira Teixeira Alves O papel das metaloproteinases na doença periodontal. Universidade Fernando Pessoa Porto, 2010 1 2 Cristiano Gabriel Azevedo Pereira Teixeira Alves O papel

Leia mais

INTRODUÇÃO. cardiovasculares.

INTRODUÇÃO. cardiovasculares. R. Periodontia - Março 2008 - Volume 18 - Número 01 O PAPEL DA PROTEÍNA C-REATIVA NA RELAÇÃO ENTRE AS DOENÇAS PERIODONTAIS E CARDIOVASCULARES The c-reactive protein role in the relationship between periodontal

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

A DOENÇA PERIODONTAL COMO FATOR DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES PERIODONTAL DISEASE AS FACTOR OF RISK TO THE CARDIOVASCULAR DISEASE RESUMO

A DOENÇA PERIODONTAL COMO FATOR DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES PERIODONTAL DISEASE AS FACTOR OF RISK TO THE CARDIOVASCULAR DISEASE RESUMO REVISÃO DE LITERATURA/ Review Article A DOENÇA PERIODONTAL COMO FATOR DE RISCO PARA AS DOENÇAS CARDIOVASCULARES PERIODONTAL DISEASE AS FACTOR OF RISK TO THE CARDIOVASCULAR DISEASE Emmanuel Luiz Bezerra

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

Prevenção da deficiência de ferro em doadores: opções, estratégias e soluções

Prevenção da deficiência de ferro em doadores: opções, estratégias e soluções Prevenção da deficiência de ferro em doadores: opções, estratégias e soluções Sheila Soares Silva Hemocentro Regional de Uberaba/Fundação Hemominas Universidade Federal do Triângulo Mineiro Belo Horizonte

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PROTEINA C- REATIVA ULTRA-SENSÍVEL EM PACIENTES COM PERIODONTITE CRÔNICA SEVERA GENERALIZADA E SEM PERIODONTITE

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PROTEINA C- REATIVA ULTRA-SENSÍVEL EM PACIENTES COM PERIODONTITE CRÔNICA SEVERA GENERALIZADA E SEM PERIODONTITE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO EM PERIODONTIA AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE PROTEINA C- REATIVA ULTRA-SENSÍVEL EM PACIENTES

Leia mais

DADOS LABORATORIAIS - Anemia inicialmente normocrómica/normocítica, caminhando para hipocrómica (talvez microcítica)

DADOS LABORATORIAIS - Anemia inicialmente normocrómica/normocítica, caminhando para hipocrómica (talvez microcítica) ANEMIAS HIPOCRÓMICAS - anemia das doença crónica ANEMIA DAS DOENÇA CRÓNICA (ADC) - ADC está associada com um doença subjacente (normalmente uma inflamação, infecção ou neoplasia), mas sem causa aparente

Leia mais

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão.

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão. Código Disciplina CH CR Nat Ementa BIQ808 BIOQUÍMICA CELULAR (DOMÍNIO CONEXO) BIQ826 TÓPICOS DE BIOQUÍMICA AVANÇADA EFI804 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FAE914 DIDÁTICA ENSINO SUPERIOR FAR815 IMUNOFARMACOLOGIA

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

Doença periodontal em gestantes e fatores de risco para o parto prematuro

Doença periodontal em gestantes e fatores de risco para o parto prematuro Doença periodontal em gestantes e fatores de risco para o parto prematuro Periodontal disease in pregnant women and risk factors for the preterm birth Micheline Sandini Trentin* Silvana Alba Scortegagna**

Leia mais

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO 1 LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO IVAN BRAGA RODRIGUES DE SOUZA 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1,2, SANDRA CASTRO POPPE 1,2 1 Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo (SP), Brasil; 2 Universidade

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

Cardiopatia na ß-Talassemia

Cardiopatia na ß-Talassemia HEMO.educa Talassemia parte 1 Cardiopatia na ß-Talassemia 23/01/2013 Juliano Lara Fernandes, MD, PhD, MBA Radiologia Clinica de Campinas Brasil jlaraf@fcm.unicamp.br CONFLITOS DE INTERESSE Comitê Consultivo

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE

Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos. Copyright AMBULATÓRIO DE PSORÍASE MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE Monitorização do Paciente em uso de Imunobiológicos MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL MARCELO DAS CLÍNICAS ARNONE FMUSP AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Moduladores de

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

PATOGÊNESE DA DOENÇA PERIODONTAL

PATOGÊNESE DA DOENÇA PERIODONTAL 1 PATOGÊNESE DA DOENÇA PERIODONTAL Introdução: As reações inflamatórias e imunológicas à placa bacteriana representam as características predominantes da gengivite e da periodontite. A reação inflamatória

Leia mais

Diversidade do sistema endócrino

Diversidade do sistema endócrino Diversidade do sistema endócrino Importância Biomédica - hormônio palavra de origem grega despertar para a atividade - Definição clássica Conceito célula alvo - ação bioquímica ou fisiológica Importância

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Que você come e a sua saúde: A experiência da Nefrologia

Que você come e a sua saúde: A experiência da Nefrologia Que você come e a sua saúde: A experiência da Nefrologia Rosa M. A. Moysés rosa.moyses@uol.com.br Conflitos de Interesse Grants de Pesquisa: CNPq, Fapesp, Fresenius, Genzyme-Sanofi Consultoria: Abbott

Leia mais

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica

As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Células e Membranas As membranas são os contornos das células, compostos por uma bicamada lipídica Organelas são compartimentos celulares limitados por membranas A membrana plasmática é por si só uma organela.

Leia mais

ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA

ÁREAS DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA 28 Conseqüências Sistêmicas da Doença Periodontal Resumo Bactérias da placa dental alcançam a corrente sanguínea nas doenças periodontais, nas intervenções odontológicas, e mesmo durante a mastigação e

Leia mais

A DEPRESSÃO COMO FATOR DE RISCO PARA PERIODONTITE REVISÃO DE LITERATURA Depression as a risk factor for periodontitis literature review

A DEPRESSÃO COMO FATOR DE RISCO PARA PERIODONTITE REVISÃO DE LITERATURA Depression as a risk factor for periodontitis literature review Braz J Periodontol - March 2013 - volume 23 - issue 01 A DEPRESSÃO COMO FATOR DE RISCO PARA PERIODONTITE REVISÃO DE LITERATURA Depression as a risk factor for periodontitis literature review Fabiano Araújo

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NAS CITOCINAS DO FLUIDO GENGIVAL CREVICULAR DE INDIVÍDUOS COM PERIODONTITE AGRESSIVA GENERALIZADA

EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NAS CITOCINAS DO FLUIDO GENGIVAL CREVICULAR DE INDIVÍDUOS COM PERIODONTITE AGRESSIVA GENERALIZADA ANA PAULA DE LIMA OLIVEIRA EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NAS CITOCINAS DO FLUIDO GENGIVAL CREVICULAR DE INDIVÍDUOS COM PERIODONTITE AGRESSIVA GENERALIZADA FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

RESENHA: Novas perspectivas na luta contra a dependência química provocada pela cocaína.

RESENHA: Novas perspectivas na luta contra a dependência química provocada pela cocaína. RESENHA: Novas perspectivas na luta contra a dependência química provocada pela cocaína. FONTE: Yao, L. et al. (2010) Nature Medicine 16 (9), 1024. Contribuição de Rodolfo do Couto Maia (Doutorando do

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

EFEITO DA PERIODONTITE SOBRE O DIABETES MELLITUS:

EFEITO DA PERIODONTITE SOBRE O DIABETES MELLITUS: Braz J Periodontol - December 2013 - volume 23 - issue 04 EFEITO DA PERIODONTITE SOBRE O DIABETES MELLITUS: ANÁLISE CRÍTICA DE ESTUDOS OBSERVACIONAIS Effect of Periodontitis on the Diabetes Mellitus: critical

Leia mais

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR Saara Barros Nascimento (bolsista do PIBIC/CNPQ), Raimundo Nonato da Silva (colaborador, UFPI), Rubens de Sousa

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP Tema Citológico : Diagnóstico laboratorial diferencial entre anemia

Leia mais

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro

HEMOGRAMA ANEMIA FERROPRIVA. Hemoglobina. PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com. Ferro HEMOGRAMA Profª. Francis Fregonesi Brinholi fbrinholi@hotmail.com. Hb = 0,8 g/dl Microcítica VCM < 78fL VCM:? Dosagem de ferritina Baixa Normal Alta Microcítica VCM < 78fL Normocítica VCM: 78-98fL Macrocítica

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais