Coordenadora do Curso de Medicina e Presidente do Evento: Profª Drª Jussara Vono Toniolo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenadora do Curso de Medicina e Presidente do Evento: Profª Drª Jussara Vono Toniolo"

Transcrição

1

2 Diretor da FACIMPA: Prof. Manoel Francisco de Paiva Secretária: Tereza Camargo Santiago Pereira Coordenadora do Curso de Medicina e Presidente do Evento: Profª Drª Jussara Vono Toniolo Coordenador de Extensão: Prof. Antônio Homero Rocha de Toledo Secretária de Extensão: Acredilene Maria de Souza Martins Coordenação Científica : Prof. Dr. Fábio Herbst Florenzano Prof. Dr. Taylor Brandão Schnaider Profª. Drª. Beatriz Bertolaccini Martinez

3 Caros participantes da 36 semana médica do Curso de Medicina da Facimpa, É com grande prazer que iniciamos mais uma semana médica, tradicional evento na nossa escola. Nesse ano procuramos dar ênfase ao aspecto técnico-científico, com temas atuais de atualização médica. Ao mesmo tempo, sabendo das incertezas e dificuldades dos alunos que estão terminando a graduação, será abordado o tema da residência médica. A relação médico-paciente será discutida juntamente com a abordagem científica. Para finalizarmos teremos o antar de confraternização, cujo objetivo é exatamente esse: confraternizar, trocar idéias e nos divertirmos todos juntos Esperamos que a programação seja do agrado de todos. Conto com a presença de vocês, Profª. Drª. Jussara Vono Toniolo

4

5 26 DE SETEMBRO SEGUNDA FEIRA 19h30 ABERTURA OFICIAL 20h00 FORMAÇÃO MÉDICA E RESIDÊNCIA MÉDICA UMA REFLEXÃO Profa. Dra. Lydia Masako UNIFESP 27 DE SETEMBRO TERÇA FEIRA 19h30 20h30 INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Prof. Dr. Adauto Barros Amim UFJF HIPERTENSÃO ARTERIAL NA INFÂNCIA Prof. Dr. José Maria Penido Silva UFMG NA 19h30 20h30 28 DE SETEMBRO QUARTA FEIRA SINERGIA ENTRE A PRÁTICA COTIDIANA E A TEORIA FORMAÇÃO ACADÊMICA Prof. Dra Munira T. Guilhon e Sá ABDIM-SP A IMPORTANCIA DA AUTÓPSIA Prof. Dr. Marcello Franco UNIFESP Pazzanese 19h30 29 DE SETEMBRO QUINTA FEIRA MORTE SÚBITA NO ESPORTE Dr.Júlio Cézar Assad Medeiros - Inst. Dante 20h30 21h00 PLANEJAMENTO FAMILIAR Drª Adriana Wagner COFFEE- BREAK 30 DE SETEMBRO SEXTA FEIRA 19h30 20h30 21h00 CONCEITOS ATUAIS NA FIBROMIALGIA Prof. Dr. José Eduardo Martinez - PUC - São Paulo TRATAMENTO DA FRATURA EXPOSTA Prof. Edegmar Nunes Costa - Univ. Fed. De Goiás JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO

6 1. PARACOCCIDIOIDOMICOSE ÓSSEA: RELATO DE CASO 2. USO DA ELETROCONVULSOTERAPIA COMO TRATAMENTO DA SÍNDROME NEUROLÉPTICA MALIGNA ASSOCIADA A CISTO ARACNÓIDE 3. DOENÇA DE DARNIER: RELATO DE CASO 4. TROMBOSE DE JUGALAR INTERNA RELATO DE CASO. 5. CETAMINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA E SEDAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA DE COLECISTECTOMIA 6. CETAMINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA NALGESIA INTRA-OPERATÓRIA DE COLECISTECTOMIA 7. CLONIDINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA INTRA-OPERATÓRIA DE HISTERECTOMIA ABDOMINAL 8. CLONIDINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA E SEDAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA DE HISTERECTOMIA ABDOMINAL 9. SEPSE POR KLEBSIELLA SPP. EM UNIDADES NEONATAIS: ANÁLISE DE 3 ANOS 10. AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS PACIENTES APÓS O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE TUMORES MALIGNOS DA EPIDERME

7 11. ESTUDO DA CORRELAÇÃO ENTRE O PADRÃO DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR E INFILTRADO LINFOCITÁRIO COM O PROGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MALIGNAS DA EPIDERME 12. SÍNDROME DAS BANDAS DE CONTRIÇÃO CONGÊNITA (SBCC) 13. CALCINOSE PERITENDÍNEA DO TENDÃO CALCÂNEO ASSOCIADA À DERMATOMIOSITE. CORRELAÇÃO ENTRE RADIOGRAFIA CONVENCIONAL, ULTRA-SONOGRAFIA, RESSONÂNCIA MAGNÉTICA E MACROSCOPIA CIRÚRGICA. 14. HEPATITE AGUDA POR ROSUVASTATINA 15. O FONOAUDIÓLOGO COMO FACILITADOR DA RELAÇÃO MÃE- BEBE DE ALTO RISCO 16. CARCINOMA NEUROENDÓCRINO DO RETOSIGMÓIDE 17. CARCINOMA BASOCELULAR DE MARGEM ANAL SIMULANDO TROMBO HEMORROIDÁRIO ROTO 18. INTUSSUSCEPÇÃO COLON-COLÔNICA POR LIPOMA GIGANTE PEDICULADO 19. RELATO DE CASO PSEUDOPELADA 20. SÍNDROME DE CHILAIDITI 21. ESTENOSE MITRAL NA GRAVIDEZ 22. HIPERTROFIA BILATERAL DO MÚSCULO MASSETER 23. LEIOMIOMA DE INTESTINO DELGADO APRESENTAÇÃO DE UM CASO 24. PROJETO DERMACAMP 25. SEQÜELAS DA TUBERCULOSE MULTIRRESISTENTE RELACIONADAS AO SNC

8 26. ESPONDILODISCITE POR ESPINHA DE PEIXE, RELATO DE CASO. 27. ESTUDO DESCRITIVO DA SAÚDE DA CRIANÇA NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA BÁRBARA 28. LESÕES INTRA EPITELIAIS GLANDULARES: INTERPRETAÇÃO E DIAGNÓSTICO ATRAVÉS DA CITOLOGIA CERVICOVAGINAL. RELATO DE CASOS. 29. SÍNDROME DE PATAU: RELATO DE UM CASO 30. QUALIDADE DE VIDA E NÍVEL DE SATISFAÇÃO SEXUAL EM PACIENTES COM DIFERENTES TEMPOS DE HEMODIÁLISE 31. HEMIAGENESIA TIREÓIDEA ASSOCIADA À TIREOIDITE SUBAGUDA 32. MANUAL DE BASES DA TÉCNICA CIRÚRGICA, EM VÍDEO 33. RELATO DE 4 CASOS DE HIBERNOMAS 34. RECONSTRUÇÃO NASAL RELATO DE CASO 35. ASSOCIAÇÃO ENTRE ESCLERODERMIA E CARCINOMA ESCAMOCELULAR 36. BLASTOMICOSE SULAMERICANA HEPÁTICA: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE ICTERÍCIA 37. UM CASO RARO: TUMOR RENAL DE CÉLULAS CLARAS EM PACIENTE JOVEM DO SEXO FEMININO 38. VAGINOSE BACTERIANA: DIAGNÓSTICO CLÍNICO X CRITÉRIOS DE AMSEL 39. ESTENOSE POR REFLUXO GASTROESOFÁGICO RELATO DE CASO 40. RECIDIVA DE LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU DE COLO UTERINO APÓS CONIZAÇÃO POR CIRURGIA DE ALTA FREQÜENCIA COM MARGENS CIRÚRGICAS COMPROMETIDAS

9 41. RELATO DE CASO: PÊNFIGO VULGAR VULVAR 42. PLÁSTICA ABDOMINAL PÓS-HERNIOPLASTIA INCISIONAL 43. RECONSTRUÇÃO DO ESCROTO PÓS-FOURNIER 44. REPARAÇÃO CUTÂNEA DA PERNA COM ENXERTO AUTÓLOGO DE PELE PARCIAL - VÍTIMA DE ACIDENTE AUTOMOBILÍSTICO 45. REPARAÇÃO PLÁSTICA DA PÁLPEBRA SUPERIOR E COURO CABELUDO PÓS- ESCALPELAMENTO 46. TRATAMENTO CLÍNICO-CIRÚRGICO DE UMA CRIANÇA QUEIMADA 47. TRATAMENTO CLÍNICO-CIRÚRGICO DE UM GRANDE QUEIMADO 48. PERFIL DA MICROBIOTA HOSPITALAR DA UTI-ADULTO DO HOSPITAL DAS CLINICAS SAMUEL LIBANIO, NO ANO DE PARAPARESIA ESPÁTICA TROPICAL POR HTLV-I 50. EVOLUÇÃO NEUROLÓGICA DOS PACIENTES VÍTIMAS DE TCE SUBMETIDOS À NEUROCIRURGIA 51. RELATO DE DOIS CASOS DE FIBROSE HEPÁTICA CONGÊNITA ISOLADA 52. ESTIMULAÇÃO DIAFRAGMÁTICA ELÉTRICA TRANSCUTÂNEA (EDET) EM CRIANÇA COM DOENÇA DE WERDNIG-HOFFMANN : RELATO DE CASO 53. CISTOADENOMA MUCINOSO DO PÂNCREAS. 54. PSEUDOANEURISMA TRAUMÁTICO DA ARTÉRIA FACIAL 55. TRAUMATISMO DA ARTERIA FEMORAL COM PULSO DISTAL PRESENTE. 56. SÍNDROME DE MIRIZZI RELATO DE CASO

10 57. ECTOPIA DO APÊNDICE COMO FATOR COMPLICADOR DO DIAGNÓSTICO. 58. PENTOXIFILINA EM RATO MUSCULOCUTÂNEO ABDOMINAL TRANSVERSO (TRAM) MONOPEDICULADO EM RATOS 59. TERAPIA GÊNICA DO FATOR DE CRESCIMENTO VASCULAR ENDOTELIAL (VEGF) EM RETALHOS MUSCULOFASCIOCUTÂNEOS DO MÚSCULO RETO-ABDOMINAL (TRAM) NO RATO 60. QUELÓIDE NO HAMSTER (MESOCRICETUS AURATUS): INÍCIO DA VASCULARIZAÇÃO DO ENXERTO NA FASE DE INTEGRAÇÃO 61. O EFEITO DO ZAFIRLUKAST NA CONTRATURA CAPSULAR AO REDOR DE IMPLANTES MAMÁRIOS, EM RATAS 62. RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DOS COMPONENTES MÚSCULO- APONEURÓTICOS DA PAREDE ABDOMINAL EM CADÁVERES. 63. TRATAMENTO DE QUEIMADURAS EM PACIENTES SEGUIDORES DA RELIGIÃO TESTEMUNHAS DE JEOVÁ RELATO DE 2 CASOS. 64. AVALIAÇÃO DA AUTO-ESTIMA, DEPRESSÃO, QUALIDADE DE VIDA E CICATRIZAÇÃO EM PACIENTES SUBMETIDAS A BLEFAROPLASTIA POR VIA TRANSCONJUNTIVAL E POR INCISÃO INFRACILIAR COM RETALHO MUSCULOCUTANEO, ASSOCIADAS OU NÃO AO USO DE DERMABOND (ESTUDO PRELIMINAR) 65. A CIRURGIA VÍDEO ASSISTIDA COMO TRATAMENTO DE HEMATOMA DE PAREDE ABDOMINAL TARDIO PÓS DERMOLIPECTOMIA 66. RECONSTRUÇÃO DE COURO CABELUDO APÓS ESCALPELAMENTO POR MORDEDURA DE CACHORRO. 67. AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL EM PACIENTES SUBMETIDAS À RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA COM RETALHO MUSCULOCUTÂNEO TRANSVERSO DO RETO ABDOMINAL 68. QUELÓIDE SUBMETIDO A ESTRESSE NA BOLSA JUGAL DO HAMSTER (MESOCRICETUS AURATUS): ESTUDO MORFOLÓGICO *

11 69. ENALAPRIL NO QUELÓIDE: ESTUDO EXPERIMENTAL EM HAMSTER (MESOCRICETUS AURATUS)* 70. QUELÓIDE NO HAMSTER (MESOCRICETUS AURATUS): INÍCIO DA VASCULARIZAÇÃO NA FASE DE INTEGRAÇÃO* PARACOCCIDIOIDOMICOSE ÓSSEA: RELATO DE CASO Juliana Maia Luz*, Paloma Iemimi de Pádua, Breno César Diniz Universidade do Vale do Sapucaí UNIVÁS - Hospital das Clínicas Samuel Libânio Rua Dr. Antônio Barros Lisboa, n35-bairro: Fátima I - Pouso Alegre - MG Introdução-A Blastomicose sul-americana foi descrita pela primeira vez por Adolfo Lutz em 1908, ela é uma micose sistêmica causada por um fungo dimórfico, o Paracoccidioides brasiliensis. O envolvimento ósseo é raro e tem sido relatado esporadicamente na literatura

12 nacional, motivo este que motivou o presente relato. Acredita-se que a porta de entrada seja a mucosa bucofaringeana e a via respiratória. As manifestações clínicas são bastante variadas, indo desde doença localizada benigna até quadro sistêmico multifocal, de difícil tratamento e de alta letalidade. As drogas comumente utilizadas no tratamento da paracoccidioidomicose são os derivados sulfamídicos, os imidazólicos e a anfotericina B.Relato de caso: J.C.C., 62 anos, leucoderma, casado, auxiliar de limpeza, natural e procedente de Pouso Alegre-MG. Procurou HCSL em 17/06/04 com queixa de nódulo +8 cm na região ântero-lateral do úmero esquerdo com presença de sinais flogísticos, o qual havia aparecido há +60 dias, apresentava associado febre (39 0 C), emagrecimento (11 kg em 3 meses), anorexia e náuseas. Paciente nega traumas na região da lesão. Foi internado para investigação, sendo realizado os seguintes exames: RaioX de ombro e úmero esquerdo: Lesão osteolítica na diáfise medial do úmero com destruição da cortical. Excisão cirúrgica e biópsia: Tecido ósseo apresentando denso processo inflamatório granulomatoso com freqüentes células gigantes multinucleadas, focos de supuração, necrose e estruturas arredondadas, birrefringentes, compatíveis com P. brasiliensis.discussão: O presente relato destaca o comprometimento ósseo pelo P. brasiliensis e ressalta a importância de se pensar nesta doença nos casos de lesão tumoral óssea com presença de processo inflamatório do tipo granulomatoso.referências Bibliográficas:1)Barbosa W, Daher RR. Blastomicose sulamericana (Paracoccidioidomicose). In: Veronesi, R. Doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1991, p David A, Teloken MA, Dalmina V, de Oliveira GK, de Oliveira RK. In : Rev. Bras. Ortop 1997; vol 32 : Amstalden EM, Xavier R, Kattapuram SV, Bertolo MB, Swartz MN, Rosemberg AG, In: Paracoccidioidomycosis of Bones and Joints, A Clinical, Radiologic and Pathologic Study of 9 cases. Medicine (Baltimore), 1996, Jul; vol 75, Severo LC, Agostini AA, Landero AT, In: Bone involvement in chronic disseminated Paracoccidioidomycosis. A report on the first cases in Rio Grande do Sul. Rev. Soc Bras Med Trop. 1996, May-Jun, vol 29, Pecoraro C, Pinto A, Tortora G, Ginolfi F. In : A case of south American Blastomycosis of the bones and lungs. Radiol Med (Torino), 1998, May, vol 93, Cimermam S, Cimermam B. Paracoccidiodomicose in: Medicina Tropical. Atheneu, São Paulo, , USO DA ELETROCONVULSOTERAPIA COMO TRATAMENTO DA SÍNDROME NEUROLÉPTICA MALIGNA ASSOCIADA A CISTO ARACNÓIDE Paloma Iemimi de Pádua*, Juliana Maia Luz, Rodrigo Schefer Gameiro, Walter Girardelli,Claudinei Leôncio Beraldo, Milton Santos Lambert. Universidade do Vale do Sapucaí UNIVÁS - Hospital das Clínicas Samuel Libânio Rua Dr. Antônio Barros Lisboa, n35 Bairro: Fátima I - Pouso Alegre - MG Introdução: A síndrome neroléptica maligna (SNM) é um efeito adverso raro a agentes neurolépticos, provavelmente relacionada ao bloqueio dos receptores dopaminérgicos. Foi descrita pela primeira vez em 1960 por Delay. As características incluem rigidez muscular,

13 febre, instabilidade autônoma, alterações do estado mental, leucocitose e evidência laboratorial de lesão muscular.o diagnóstico baseia na clínica e na exclusão dos diagnósticos diferenciais como catatonia letal aguda e síndrome da serotonina. Relato de Caso: O presente trabalho apresenta a história de G.A.R., 38 anos, leucoderma, masculino, natural e procedente de Córrego do Bom Jesus-MG, solteiro, lavrador. Portador de transtorno do humor do tipo afetivo atípico com historia de reação adversa às drogas neuroléptica desenvolvendo eritema polimorfo com uso de haloperidol e síndrome de Steven Johnson com uso de carbamazepina. Deu entrada no HCSL em 05/01/05 com quadro de agitação psicomotora, foi tratado com haloperidol e prometazina desenvolvendo quadro de distonia aguda, febre (39,5 0 C), leucocitose caracterizando a SNM. Foi suspenso o Haloperidol e administrado Biperideno e antibiótico terapia com melhora da distonia aguda, normalização da leucocitose, porém com pouca melhora dos reflexos, das reações do paciente e desenvolvendo mutismo. Após sessenta dias foi indicado TC de crânio sendo evidenciado cisto aracnóideo na região do sistema límbico. Paciente foi submetido a cinco sessões de eletroconvulsoterapia (ECT) ocorrendo melhora significativa dos reflexos e da coordenação motora com desaparecimento do mutismo. Conclusão: Concluímos que a ECT na SNM é uma conduta que acelera a recuperação do paciente, evitando maiores seqüelas. Referências Bibliográficas: 1) Kaplan, Harold I. Compêndio de Psiquitria: Ciências do comportamento e psiquiatria clinica/ Harold I. Kaplan, Benjamin J. Sadock e Jack A. Grebb; Trad. Dayse Batista - 7. ed , Artes Médicas - Porto Alegre, ) httpwww.neuropsiconews.org.br. 3) http-www.hsvp.com.br/scripts. 4) http-www.emedicine.com DOENÇA DE DARIER: RELATO DE CASO André C. C. Piancastelli, Paulo César Tedesco Raposo, Denio Braga, Alexandre Abreu Álvares da Silva, Juliana Maia Luz Hospital da Policia Militar - Belo Horizonte - MG Rua Dr. Antônio Barros Lisboa, n35 Bairro: Fátima I - Pouso Alegre MG Introdução: A Doença de Darier (DD) é uma desordem autossômica dominante rara que se caracteriza pela alteração da queratinização. Ela inicia-se geralmente na infância e tende a agravar-se com a idade, acometendo mais comumente a face, testa, tórax e costas. A lesão fundamental é uma pápula que se desenvolve em torno do folículo piloso de cor marrom que exala odor de ranço, resultante da ação de bactérias sobre o seu conteúdo gorduroso. As unhas apresentam-se frágeis, quebradiças, com alterações de coloração, presença se sulcos

14 longitudinais e hiperqueratose subungueal. O exame histopatológico constitui recurso decisivo para a confirmação diagnóstica, ele revela hiperqueratose, disqueratose (corpos redondos e grãos), presença de lacunas e proliferação irregular de pápulas dérmicas para o interior dessas lacunas. Relato de caso: A.B.S., Masculino, 76 anos, Viúvo, Natural de Conselheiro Lafaete, Residente em Belo Horizonte, Cabo Reformado da Policia Militar. Procurou o ambulatório do HPM em jan./2003 apresentando lesões papulares pruriginosas agrupadas em região auricular, dorsal, face, membros superiores e inferiores com odor característico, apresentava ainda, unhas com sulcos longitudinais, hiperqueratose subungueal e pápulas hiperqueratósicas nas palmas das mãos e plantas dos pés, algumas lesões escoriadas devido ao prurido. À biópsia: pele com hiperceratose, acantose, leve papilomatose, com áreas acantolíticas e fendas suprabasais. Presença de células ceratinizadas intraepidérmicas (grãos). Conclusão: Dermatose disceratótica acantolítica, compatível com Doença de Darier. O presente relato destaca o comprometimento cutâneo causado pela Doença de Darier e ressalta a importância de se pensar nesta doença nos casos de lesões disqueratósicas disseminadas pelo corpo. Referências bibliográficas: 1) Sampaio, S.A.P. & Riviti, E.A. Doenças Bolhosas Hereditárias in: Dermatologia, Editora Artes Médicas, São Paulo, 2a ed., p , ) Freedberg, I.M., Eisen, A.Z., Wolff, K., Austen, K.F., Goldsmith, L.A., Katz, S. Darier-White Disease (Keratosis Follicularis) and Acrokeratosis Verruciformis in: Fitzpatrick s Dermatology In General Medicine, 6ª ed, vol.1, McGraw-Hill Professional,2003.3) Zeglaoui F, Zaraa I, Fazaa B, Houimli S, El Fekih N, Ezzine N, Kamoun; MR.Dyskeratosis follicularis disease: case reports and review of the literature. J Eur Acad Dermatol Venereol Jan;19(1): )Piskin S, Saygin A, Doganay L, Kircuval D, Gurkan E.Coexistence of Darier's disease and acrokeratosis verruciformis of Hopf. Yonsei Med J Oct 31;45(5): )Hovnanian A. Darier's disease: from dyskeratosis to endoplasmic reticulum calcium ATPase deficiency.biochem Biophys Res Commun Oct 1;322(4): TROMBOSE DE JUGULAR INTERNA RELATO DE CASO. Claudinei Leôncio Beraldo; Marina Moreira Costa; Eugênio Fernandes de Magalhães; Marcela Mendes; Patrícia Viégas Rezende. HCSL - Hospital das Clínicas Samuel Libânio. Rua Celene de Paula Costa, 25 apto 104. Bairro Medicina. Cep Pouso Alegre MG. Introdução: Trombose da Veia Jugular Interna (TVJI) é uma doença vascular extremamente rara e de difícil percepção. Como toda trombose, esta é precipitada pela tríade de Virchow: com danos endoteliais, alteração do fluxo sanguíneo e hipercoagulação. Os pacientes podem apresentar edema doloroso em região cervical, com sinais inflamatórios progressivos e, uma limitação funcional importante dos músculos cervicais. Podem também ser absolutamente assintomáticos. As complicações como sepse, e embolismo para diferentes

15 órgãos e tecidos, como também a propagação intracranial do trombo, associado ao edema cerebral, podem ser fatais. Atualmente, não há nenhum tratamento específico. O Tratamento usual envolve anticoagulação e antibióticoterapia. Cirurgia não é freqüentemente necessária. Relato do Caso: M.C.R.A., 56 anos, viúva, leucoderma, natural e residente em Pouso Alegre - MG. Paciente internada em abril de 2005, no serviço de Pneumologia do HCSL, apresentando sonolência, sudorese, dispnéia aos pequenos esforços, palidez cutânea, cianose, além de edema sacral e de MMII. Ao exame físico apresentava ausculta cardíaca normal e murmúrio vesicular diminuído em ambos os pulmões. Foi realizado então, ecocardiograma, sendo visualizado trombo em ventrículo direito. Foi medicada com anticoagulante oral, inibidor de angiotensina II e diurético. Em maio, a paciente retornou ao HCSL com quadro de edema facial e palidez cutânea associado à dor a movimentação ativa, que melhorava ao decúbito dorsal. Foi realizada ultra-sonografia de artéria carótida e veia jugular direitas, no qual se observou a presença de trombo em jugular interna. Recebeu alta com as mesmas medicações anteriores. Em junho deste mesmo ano, a paciente retornou novamente com dispnéia aos médios esforços, cianose de extremidades, edema facial e de MMII, confusão mental e hipotensão postural. Evoluiu com melhora clínica recebendo alta hospitalar. No mês seguinte, julho, a paciente foi a óbito por morte de causa indeterminada, não sendo realizada necropsia para investigação. Discussão: São poucos os casos relatados na literatura, e sabemos que na maioria das vezes, a doença é fatal. Referências Bibliográficas: 1. Boedeker CC, Ridder GJ, Weerda N, Maier W, Klenzner T, Schipper J. Etiology and therapy of the internal jugular vein thrombosis [case reports; journal article]. Laryngorhinootologie; 83(11):743-9, 2004 Nov. 2.Guyton AC, Hall JE. Tratado de Fisiologia Médica. 10a ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan S/A; Unsal EE, Karaca C, Ensarí S. Spontaneous internal jugular vein thrombosis associated with distant malignancies. [case reports;journal article] Eur Arch Otorhinolaryngol;260(1):39-41, 2003 Jan. CETAMINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA E SEDAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA DE COLECISTECTOMIA Taylor Brandão Schnaider, Antonio Mauro Vieira, Antonio Carlos Aguiar Brandão, Aretusa Chediak Roquim*, Anelise Bazoli de Andrade CET/SBA Serviço de Anestesiologia do HC da FCM de Pouso Alegre UNIVAS MG Av. Francisca R. de Paula, 289 Medicina Pouso Alegre MG Justificativa e Objetivos Estudos em seres humanos, utilizando cetamina, morfina e anestésicos locais, por via peridural, em cirurgias de abdômen superior, constataram redução da dor e sedação no pós-operatório 1,2. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a analgesia e a sedação pós-operatórias causadas pela cetamina e cetamina-morfina associadas à ropivacaína, por via peridural, em cirurgias de colecistectomia por via subcostal. Método Participaram do experimento 70 pacientes, de ambos os gêneros, com idade variando de 18 a 50 anos, peso entre 50 kg e 100 kg, estado físico ASA I e II. Foram

16 administradas por via peridural: ropivacaína a 0,75% (20ml) associada ao cloreto de sódio a 0,9% (1ml) no Grupo Controle (GC); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à cetamina (0,5mg.kg -1 ) no Grupo Cetamina (GK); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à cetamina (0,5mg.kg -1 ) e à morfina (2mg) no Grupo Cetamina-Morfina2 (GKM2); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à cetamina (0,5mg.kg -1 ) e à morfina (3mg) no Grupo Cetamina-Morfina3 (GKM3). A analgesia e a sedação foram observadas às 2h, 6h e 24h após o término do ato operatório. Resultados Ocorreu sedação no tempo de observação de 2h após o término do ato operatório nos grupos GK, GKM2 e GKM3, não havendo diferença estatística significante entre os mesmos. Quanto à analgesia: no GC ocorreu às 2h; no GK ocorreu às 2h e 6h; nos GKM2 e GKM3 ocorreu às 2h, 6h e 24h; foi observada diferença estatística significante entre o GC e os demais grupos no tempo de 2h, entre o GK e os GKM2 e GKM3 nos tempos 6h e 24h. Conclusões A cetamina, cetamina-morfina (2mg) e cetaminamorfina (3mg) causam sedação no tempo de observação de 2h após o término de ato operatório; a cetamina causa analgesia especialmente no tempo de observação de 2h e a cetamina-morfina (2mg) e a cetamina-morfina (3mg) causam analgesia principalmente nos tempos de observação de 2h e 6h após o término do ato operatório. Referências 01. Taurá P, Fuster J, Blasi A et al. Postoperative pain relief after hepatic resection in cirrhotic patients: the efficacy of a single small dose of ketamine plus morphine epidurally. Anesth Analg 2003; 96: ; 02. Shigihara A, Susuki M, Kumada Y et al. Use of ketamine combined with local anesthetics in epidural anesthesia. Masui 1995; 44: CETAMINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA INTRA-OPERATÓRIA DE COLECISTECTOMIA Taylor Brandão Schnaider, Antonio Mauro Vieira, Antonio Carlos Aguiar Brandão, Flavia Helena dos Santos*, Marcelo Pacheco Lagares Barbosa CET/SBA Serviço de Anestesiologia do HC da FCM de Pouso Alegre UNIVAS MG Av. Francisca R. de Paula, 289 Medicina Pouso Alegre MG Justificativa e Objetivos Em pacientes submetidos a cirurgias abdominais, sob anestesia geral, utilizando remifentanil e desflurano numa concentração alveolar mínima constante de 0,5%, associados ou não à cetamina, foi observado que quando foram administradas pequenas doses de cetamina, ocorreu diminuição do consumo intra-operatório do opióide 1. O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito analgésico e a redução da necessidade de halogenados, após a administração da cetamina e cetamina-morfina, por via peridural, no intra-operatório de cirurgias de colecistectomia por via subcostal. Método - Participaram do experimento 70 pacientes, de ambos os gêneros, com idade variando de 18 a 50 anos, peso entre 50 kg e 100 kg, estado físico ASA I e II. Foram administradas por via peridural: ropivacaína a 0,75% (20ml) associada ao cloreto de sódio a 0,9% (1ml) no Grupo Controle (GC); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à cetamina (0,5mg.kg -1 ) no Grupo Cetamina

17 (GK); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à cetamina (0,5mg.kg -1 ) e à morfina (2mg) no Grupo Cetamina-Morfina2 (GKM2); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à cetamina (0,5mg.kg -1 ) e à morfina (3mg) no Grupo Cetamina-Morfina3 (GKM3). Com relação à anestesia geral, a indução foi realizada com a administração de etomidato, alfentanil e rocurônio; para manutenção, foi utilizado oxigênio associado ao isoflurano, assim como alfentanil e rocurônio quando necessários. A analgesia foi observada por meio dos sinais clínicos e a concentração inspirada do agente inalatório por meio do analisador de gases ins e expirados, durante o ato operatório. Resultados Não houve necessidade de administrar opióide durante a manutenção da anestesia geral e ocorreu diminuição da concentração inspirada de isoflurano, nos grupos GK (0,65 vol.%), GKM2 (0,70 vol.%)e GKM3 (0,52 vol.%); foi observada diferença estatística significante entre os GK e GKM3, assim como entre os grupos GKM2 e GKM3 no que tange à concentração inspirada do agente inalatório. Conclusões A administração de cetamina, cetamina-morfina (2mg) e cetamina-morfina (3mg), por via peridural, produz analgesia e reduz a concentração inspirada de isoflurano. Referências 01. Guignard B, Coste C, Costes H et al. Supplementing desfluraneremifentanil anesthesia with small-dose ketamine reduces perioperative opioid analgesic requirements. Anesth Analg 2002; 95: CLONIDINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA INTRA-OPERATÓRIA DE HISTERECTOMIA ABDOMINAL Taylor Brandão Schnaider, Antonio Mauro Vieira, Antonio Carlos Aguiar Brandão, Sérgio Augusto Olímpio de Carvalho* CET/SBA Serviço de Anestesiologia do HC da FCM de Pouso Alegre UNIVAS MG Av. Francisca R. de Paula, 289 Medicina Pouso Alegre MG Justificativa e Objetivos Estudo em seres humanos submetidos a cirurgias abdominais, utilizando clonidina em diferentes doses crescentes, por via peridural, constatou que a analgesia intra e pós-operatória proporcionadas por esse fármaco foram dose-dependentes 1. O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito analgésico e a redução da necessidade de halogenados, após a administração da clonidina e clonidina-morfina associadas à ropivacaína, por via peridural, no intra-operatório de cirurgias de histerectomia total abdominal. Método Participaram do experimento 50 pacientes, do gênero feminino, com idade variando de 18 a 50 anos, peso entre 50 kg e 100 kg, estado físico ASA I e II. Foram administradas por via peridural: ropivacaína a 0,75% (20ml) associada ao cloreto de sódio a 0,9% (1ml) no Grupo Controle (GC); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à clonidina (150µg) no Grupo Clonidina (GCl); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à clonidina (150 µg) e à morfina (3mg) no Grupo Clonidina-Morfina (GClM). Com relação à anestesia geral, a

18 indução foi realizada com a administração de etomidato, alfentanil e rocurônio; para manutenção, foi utilizado oxigênio associado ao isoflurano, assim como alfentanil e rocurônio quando necessários. A analgesia foi observada por meio dos sinais clínicos e a concentração inspirada do agente inalatório por meio do analisador de gases ins e expirados, durante o ato operatório. Resultados Não houve necessidade de administrar opióide durante a manutenção da anestesia geral e ocorreu diminuição da concentração inspirada de isoflurano, nos grupos GC (0,87 vol.%), GCl (0,60 vol.%) e GClM (0,51 vol.%); foi observada diferença estatística significante entre o grupo GC e os grupos GCl e GClM, assim como entre os grupos GCl e GClM no que tange à concentração inspirada do agente inalatório. Conclusões A administração de clonidina e clonidina-morfina, por via peridural, produz analgesia e reduz a concentração inspirada de isoflurano. Referências- 01. De Kock M, Wiederkher P, Laghmivhe A et al. Epidural clonidine used as the sole analgesic agent during and after abdominal surgery. Anesthesiology 1997;86: CLONIDINA E MORFINA, POR VIA PERIDURAL, PARA ANALGESIA E SEDAÇÃO PÓS-OPERATÓRIA DE HISTERECTOMIA ABDOMINAL Taylor Brandão Schnaider, Antonio Mauro Vieira, Antonio Carlos Aguiar Brandão, Daniel Sebbe Mecatti*, Adriana Moreira CET/SBA Serviço de Anestesiologia do HC da FCM de Pouso Alegre UNIVAS MG Av. Francisca R. de Paula, 289 Medicina Pouso Alegre MG Justificativa e Objetivos Estudo em seres humanos, submetidos à anestesia peridural com associação da clonidina à ropivacaína, concluiu que ocorreu sinergismo evidente entre a clonidina e a ropivacaína nesse tipo de anestesia regional e prolongamento da duração da analgesia pós-operatória, apresentando como vantagem adicional o aumento da sedação dos pacientes 1. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a analgesia e a sedação pósoperatórias causadas pela clonidina e clonidina-morfina associadas à ropivacaína, por via peridural, em cirurgias de histerectomia total abdominal. Método Participaram do experimento 50 pacientes, do gênero feminino, com idade variando de 18 a 50 anos, peso entre 50 kg e 100 kg, estado físico ASA I e II. Foram administradas por via peridural: ropivacaína a 0,75% (20ml) associada ao cloreto de sódio a 0,9% (1ml) no Grupo Controle (GC); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à clonidina (150µg) no Grupo Clonidina (GCl); ropivacaína a 0,75% (20ml) associada à clonidina (150µg) e à morfina (3mg) no Grupo Clonidina-Morfina (GClM). A analgesia e a sedação foram observadas às 2h, 6h e 24h após o término do ato operatório. Resultados Ocorreu sedação no tempo de observação de 2h após o término do ato operatório nos grupos GCl, GClM, não havendo diferença estatística significante entre os mesmos. Quanto à analgesia: no GC ocorreu às 2h; no GCl ocorreu às

19 2h e 6h; no GClM ocorreu às 2h, 6h e 24h; foi observada diferença estatística significante entre o GC e o GClM, assim como o GCl e o GClM nos tempos de observação de 6h e 24h. Conclusões A clonidina e a clonidina-morfina causam sedação no tempo de observação de 2h após o término de ato operatório; a clonidina causa analgesia especialmente no tempo de observação de 2h e a clonidina-morfina causa analgesia principalmente nos tempos de observação de 2h e 6h após o término do ato operatório. Referências 01. Alves TCA, Braz JRC. Efeitos da associação da clonidina à ropivacaína na anestesia peridural. Rev Bras Anestesiol 2002; 52: SEPSE POR KLEBSIELLA SPP. EM UNIDADES NEONATAIS: ANÁLISE DE 3 ANOS Marcelo Couto Luna de Almeida*;Vera Lúcia Jornada Krebs;João Marcelo de Almeida Matozzo; Alessandra Tellian A Klebsiella sp. é freqüentemente associada com infecções adquiridas nos hospitais, sendo um dos principais microorganismos envolvidos na gênese da infecção nosocomial em Unidade de Terapia Intensiva neonatal. Este estudo demonstra elevada incidência, evolução clínica, fatores de risco e complicações de sepse hospitalar por Klebsiella spp. em 3 unidades neonatais.justificativa: Apesar da importância da infecção hospitalar neonatal por esta bactéria, há poucos estudos realizados no Brasil sobre o tema. Objetivos: Descrever a incidência das diferentes espécies de Klebsiella causadoras de sepse de origem hospitalar em recém-nascidos, os fatores de risco possivelmente relacionados à sepse de origem hospitalar por KlebsielIa sp. e a evolução clínica de acordo com o perfil de sensibilidade aos antimicrobianos.métodos: Métodos: Estudo retrospectivo e prospectivo em 45 recémnascidos com sepse de origem hospitalar por Klebsiella sp.internados entre janeiro de 2002 a dezembro de 2004 em três unidades neonatais. Foi realizada a análise de prontuário de todos os recém-nascidos com o diagnóstico de sepse de origem hospitalar e hemocultura positiva para Klebsiella spp.resultados: Durante o período do estudo, a taxa geral de sepse hospitalar por Klebsiella spp. foi de 3,7%, sendo identificadas Klebsiella pneumoniae (91%) e Klebsiella oxytoca (9%). Entre os fatores de risco destacam-se : uso prévio de antibióticos (95,6%), prematuridade (84,4%), catéter venoso central (48,9%). Os sinais e sintomas mais freqüentes foram : letargia (91%), taquipnéia (75,6%), icterícia (75,6%), distensão abdominal (66,7%), hepatomegalia (46,7%) e crises de apnéia (44,4%). As complicações infecciosas multissistêmicas foram freqüentes, tendo ocorrido principalmente plaquetopenia (82,2%),

20 pneumonia e enterocolite necrosante (8,9%). Observou-se alterações hematológicas importantes: Além de plaquetopenia, todos os recém-nascidos apresentaram valores de PCR > 10 mg/l: 45(100%). A mortalidade ocorreu em 5 (11%) neonatos, todos portadores de infecção por cepas multiresistentes. Conclusões: A sepse por Klebsiella spp. foi freqüente nas unidades neonatais, com taxa elevada de complicações e mortalidade.todos os neonatos que faleceram eram portadores de cepas multiresistentes. AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS PACIENTES APÓS O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE TUMORES MALIGNOS DA EPIDERME Karina de Sousa Fonseca*; Marina M. Costa; Dra. Mirian F. B. Engelman;Dra. Adriana R. Anjos Hospital das Clínicas Samuel Libânio Cel. Alfredo Custódio de Paula 86 apto Pouso Alegre MG Introdução: Melanoma é a neoplasia com maior malignidade e possui 4 tipos: melanomas do lentigo maligno, Maligno extensivo superficial,maligno nodular e acral lentiginoso. Basocelular é a proliferação de células basalóides, não causando metástases. O Espinocelular é a proliferação atípica de células espinhosas e pode dar metástase. Objetivo: Investigar a evolução dos pacientes com tumor de epiderme diagnosticados pelo HCSL entre 1996 e 2001, avaliando evolução da doença e fatores predisponentes. Método: Seleção aleatória de pacientes com diagnóstico prévio de tumor e aplicação de questionário. Resultados: Dentre 30 pacientes, 20 não foram contactados (faleceram, mudaram, negaramse a participar ou não estavam em condições). Dentre os 16 pacientes analisados, 14 apresentavam Carcinoma Basocelular, 1 o Carcinoma Espinocelular e 1 paciente apresentou os carcinomas espinocelular e basocelular (nenhum paciente apresentou melanoma), sendo 43.75% do sexo masculino e 56.25% do feminino. A média de idade atual foi de anos enquanto na época da retirada da lesão foi de anos. Ocorreu o predomínio da raça leucoderma (81.25%). Dentre as profissões 50% eram de exposição ao sol. Antes do aparecimento da doença 93.75% não fazia uso de protetor solar, mas este percentual caiu para 43.75% após o diagnóstico da doença, sendo que 93.75% das lesões eram em locais expostos ao sol. Ainda observamos que 18.75% dos pacientes eram tabagistas e 56.25% apresentaram recidiva. Como tratamento foi realizado cirurgia (em todos os pacientes), sendo que 1 paciente realizou radioterapia e outro paciente, associação de radioterapia e quimioterapia. Conclusão: Foi observado que 93.75% dos pacientes estudados

21 não usavam proteção solar antes do aparecimento da neoplasia, e, mesmo com o uso de proteção solar após o diagnóstico, houveram casos de aparecimento de outros tumores de pele, comprovando o efeito cumulativo do sol. Referências Bibliográficas: 1. Sampaio SAP, Riviti EA. Dermatologia. 2a. ed. São Paulo (SP): Artes Médicas; ESTUDO DA CORRELAÇÃO ENTRE O PADRÃO DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR E INFILTRADO LINFOCITÁRIO COM O PROGNÓSTICO DE NEOPLASIAS MALIGNAS DA EPIDERME Marina Moreira Costa *, Karina de Sousa Fonseca, Mirian F. B. Engelman, Adriana R. Anjos, Fiorita G. L. Mundim Serviço de Patologia do Hospital das Clínicas Samuel Libânio- FCM de Pouso Alegre- UNIVAS-MG Com. José Garcia, 914, apto 101 Medicina Pouso Alegre MG Introdução: Espinocelular:Quanto maior o número de células escamosas atípicas, maior malignidade do tumor. Pode ser classificado em: grau 1, 75% das células são diferenciadas; grau 2, mais de 50%; grau 3, mais de 25% e no grau 4, menos de 25%. A reação inflamatória é maior no grau 1 que nas formas mais malignas. Basocelular: É observado um infiltrado brando quando este carcinoma não é ulcerado, podendo até estar ausente. A reação inflamatória depende da extensão da ulceração. Quanto mais superficial o tumor, mais infiltrado inflamatório moderado.justificativa e Objetivos: Acompanhar a evolução dos pacientes com carcinoma de pele entre 1996 e 2001, analisando a presença de infiltrado, diferenciação celular e evolução do tumor. Métodos: Seleção de 17 pacientes com diagnóstico de tumor, avaliando o infiltrado e diferenciação celular, comparando com a evolução do paciente. Resultados: Dentre os 17 pacientes analisados, 41.1% são do sexo masculino e 58.9% do feminino. A média de idade da primeira lesão foi de 58 anos. De 20 lesões estudadas, 17 eram basocelular e 3, espinocelular. 8 pacientes encontram-se vivos e sem doença (sem outros tumores de pele), enquanto 9 pacientes estão vivos, porém continuam doentes (presença de outros tumores de pele). Em relação ao infiltrado, 8 lesões apresentaram infiltrado leve, 9 moderado e 3 acentuado. A penas 1 paciente apresentou metástase, evoluindo para óbito. Conclusão: Observamos que existe uma relação diretamente proporcional entre o número de recorrências e a intensidade do infiltrado (para os 2 tipos de tumores estudados). Em relação ao escamocelular,quanto maior a diferenciação do tumor (grau I), menor a intensidade do infiltrado (nos 2 casos entre os 3, com este diagnóstico), contradizendo a literatura. Outro aspecto observado, foi que quanto

22 mais superficial o basocelular, menor a intensidade do infiltrado; equivalendo a literatura.referência Bibliográfica: 1.Lever WF, Lever GS: Histopatologia da Pele, 7 ed. São Paulo (SP): Editora Manole Ltda 1991; 2: , , SÍNDROME DAS BANDAS DE CONTRIÇÃO CONGÊNITA (SBCC) Rodrigo Alvarenga Nunes*; Renata Alvarenga Nunes; Edegmar Nunes Costa Hospital de Acidentados Santa Isabel Avenida Paranaíba, 652 Centro Goiânia GO Justificativa e Objetivos - A síndrome das bandas de contrição congênitas é uma anomalia rara que se manifesta como bandas anulares concêntricas nas extremidades superiores ou inferiores e, às vezes, no tronco, que podem levar a amputações segmentares intra-uterinas ou ser acompanhadas de outras malformações ao nível dos pés. As contrições circulares podem ser superficiais ou profundas, podendo chegar ao osso e interferir com o retorno venoso e linfático, provocando edema acentuado distal à contrição. A etiologia é desconhecida, não é hereditária e os casos ocorrem esporadicamente. Fazendo-se inicialmente a liberação das bandas anulares e posterior correção cirúrgica da deformidade nos pés, quando necessário, obtém-se boa evolução, sem edema e sem necrose de pele, ao contrário de quando se inverte essa seqüência. O objetivo deste trabalho é demonstrar que a brida de constrição pode ser removida em um só tempo cirúrgico ao contrário do relatado na literatura médica que manda retirá-las em dois ou mais tempos cirúrgicos. Método - Em nosso estudo, 16 pacientes portadores da SBCC com idade de três dias aos quatro anos foram diagnosticados e tratados no período de março de 1987 a junho de Pesquisaram-se a história familiar, intercorrências ou uso de medicamentos na gestação, diagnósticos associados e padrão anatômico das bandas constritivas. Resultado No tratamento cirúrgico das bandas constritivas foi realizada sua ressecção, fazendo-se dissecção profunda e liberação do feixe vascular. A reconstrução tecidual foi feita com rotação de retalhos, obtidos através de zetaplastia realizada em um só tempo cirúrgico e os pontos, retirados após três semanas. A segunda banda constritiva, mais distal, quando presente, foi operada 60 dias após o tratamento da primeira. Conclusão - Nos 16 casos não foram constatados a ocorrência de história familiar pregressa, anormalidades na gestação ou uso de medicamentos e a evolução da remoção da brida em apenas um tempo cirúrgico foi satisfatória. Referências Streeter, G.L.: Focal deficiencies in fetal tissues. Contrib Embryol 22: 1-44, 1930; 02. Patterson, T.J.S.: Congenital ring-constriction. Br J Plast Surg 14: 1-31, 1961.

23 CALCINOSE PERITENDÍNEA DO TENDÃO CALCÂNEO ASSOCIADA À DERMATOMIOSITE. CORRELAÇÃO ENTRE RADIOGRAFIA CONVENCIONAL, ULTRA-SONOGRAFIA, RESSONÂNCIA MAGNÉTICA E MACROSCOPIA CIRÚRGICA. Rodrigo Alvarenga Nunes*; Renata Alvarenga Nunes; Edegmar Nunes Costa; Ana Cláudia Ferreira Costa; Márcio Martins Machado Centro de Diagnóstico do Hospital de Acidentados Santa Isabel Avenida Paranaíba, 652 Centro Goiânia GO Introdução - A calcinose intersticial é uma afecção incomum, na qual existe deposição de cálcio localizada ou disseminada na pele, tecido celular subcutâneo, músculos e tendões. Freqüentemente está associada a doenças do tecido conjuntivo, como esclerodermia e dermatomiosite. Relato do caso - Paciente FMS, sexo feminino, 15 anos de idade, em acompanhamento por dermatomiosite há 6 anos, referindo aumento progressivo de volume no contorno posterior do terço inferior da perna, associado a dor à deambulação. Ao exame físico observou-se aumento de volume localizado, adjacente ao contorno posterior do tendão calcâneo. Solicitada radiografia convencional (RX) que evidenciou calcificação, indo desde o nível da borda superior do osso calcâneo até a panturrilha. A ultra-sonografia (USG) demonstrou também calcificação de grande extensão. Na ressonância nuclear magnética (RNM) identificou-se calcificação de aspecto tubuliforme, posterior ao tendão calcâneo, desde o osso calcâneo até a panturrilha. Optou-se pela abordagem cirúrgica. Discussão - Durante a cirurgia foi identificada calcificação peritendínea de aspecto tubuliforme, adjacente ao contorno posterior do tendão calcâneo, indo desde próximo ao contorno superior do osso calcâneo até a junção miotendínea na panturrilha. A calcificação foi removida em toda sua extensão, evidenciando-se que ela não comprometia a substância do tendão calcâneo, a musculatura ou o subcutâneo, com resultado satisfatório. Mesmo sendo pouco usuais, as formas diversas de calcinose ocorrem e, a possibilidade de compararmos os achados dos RX, da USG, da RNM com aqueles da cirurgia, fornece uma oportunidade única de correlação imagem-patologia cirúrgica, enriquecendo a percepção anatômica e diagnóstica da calcinose. Referências Bibliográficas Rogers LF, Boles CA, Propeck P. The superficial soft tissues. In: Juhl JH, Crummy AB, Kuhlman JE, eds. Paul and Juhl s essentials

24 of radiologic imaging. 7 ed. Philadelphia, Pa: Lippincott - Raven, 1998: ; 02. Rogers LF. Diseases of the Joints. In: Juhl JH, Crummy AB, Kuhlman JE, eds. Paul and Juhl s essentials of radiologic imaging. 7 ed. Philadelphia, Pa: Lippincott - Raven, 1998 : HEPATITE AGUDA POR ROSUVASTATINA José Luiz Sebba de Souza; José Sebastião de Souza; Ana Carolina Reis Lemos*; Walter Takeiti Sasaki; Disciplina de Gastroenterologia da Faculdade de Medicina da UNIVÁS Av. Alfredo Custódio de Paula, 715 Medicina Pouso Alegre-MG Introdução-Os inibidores da hidroximetilglutaril-coa redutase (estatinas) são as drogas de escolha para o tratamento da hipercolesterolemia devido à sua alta eficácia e baixa toxicidade. A hepatotoxicidade por estatinas é rara, tem um mecanismo incerto, é usualmente dose-dependente e geralmente ocorre durante os primeiros 3 meses de tratamento. Relato do Caso- Paciente de 40 anos, sexo feminino, em uso de atorvastatina 20 mg/dia há 3 anos por dislipidemia mista com níveis prévios de transaminases normais, apresentou quadro assintomático de lesão hepatocelular aguda com predomínio de ALT: 979 U/ml (valor de referência até 41) sobre AST:606 U/ml (valor de referencia até 42) após 4 semanas de substituição por rosuvastatina 10 mg/dia. Sem história pregressa de etilismo, uso de drogas injetáveis, transfusão sanguínea ou exposição a outras medicações ou hepatotoxinas. Exame físico sem alterações. As sorologias para os vírus da hepatite B e C eram negativas, permanecendo negativas 3 meses após o quadro agudo. Apresentava sorologia compatível com contato prévio com o vírus da hepatite A. Ultrassom de abdome superior mostrava um fígado de tamanho normal sem sinais de hepatopatia crônica. A rosuvastatina foi substituída por ezetimibe, ocorrendo normalização das transaminases 3 meses após a substituição. Discussão- A rosuvastatina é uma nova estatina com propriedades farmacológicas diferentes: captação seletiva por células hepáticas, natureza hidrofílica e não metabolização pela isoenzima 3A4 do citocromo p450. Essas diferenças farmacocinéticas e farmacodinâmicas podem ser responsáveis pelo desenvolvimento de toxicidade hepática previamente não evidenciada com outra droga do grupo das estatinas no caso relatado. Referências- 1. Parra JL, Reddy R. Hepatotoxicity of hypolipidemic drugs. Clin Liver Dis 2003;7: Schacter M. Chemical, pharmacokinetic and pharmacodynamic properties of statins: an update. Fundam Clin Pharmacol 2005; 19(1): Shepherd J et at. Safety of rosuvastatin. Am J Cardiol 2004; 94(7):882-8.

25 O FONOAUDIÓLOGO COMO FACILITADOR DA RELAÇÃO MÃE-BEBE DE ALTO RISCO Maria de Fátima Prudente de Aquino*; Maria Consuêlo Passos Hospital das Clínicas Samuel Libânio (UTI Neonatal e Pediátrica), rua Comendador José Garcia,nº777, centro, , Pouso Alegre/MG. Programa de Estudos Pós- Graduados em Fonoaudiologia, PUC/SP. Justificativa: Nos primeiros momentos de vida, a presença afetiva da mãe é substrato emocional imprescindível para o desenvolvimento psíquico do bebê e a emergência de sua linguagem oral. Entretanto, em situações de risco do bebê, as mães se tornam vulneráveis emocionalmente, prejudicando o reconhecimento do bebê como filho que demanda seus cuidados. Esta pesquisa surgiu a partir da constatação de que muitas mães de RN internados na UTI apresentavam dificuldade de identificar a expressão corporal dos filhos e envolver-se sensorialmente com eles, durante a evolução clínica e no processo de habilitação para alimentação oral exclusiva. Objetivo: Estudar a mediação fonoaudiológica como uma forma de intervenção facilitadora da relação mãe-bebê de alto risco. Método: Estudo de Caso. Sujeitos, duas mães de recém-nascidos pré-termo internados na UTI. Foram utilizados como recursos: posicionamento correto do bebê; oferecimento de estímulos odoríferos e gustativos; elicitação de reflexos de alimentação e de proteção de vias aéreas; sucção-nutritiva através da técnica sonda-dedo, sucção-não-nutritiva; oferecimento do toque prazeroso; abertura suave da portinhola da incubadora e controle de luminosidade. Também foi oferecido acolhimento à mãe em suas angústias e receios, a partir do oferecimento de escuta e de informações solicitadas por elas. Conclusões: 1. A prematuridade interfere na condição materna de compreender as necessidades do bebê, acolhê-lo e devotar-se. 2. A mediação fonoaudiológica fortalece a autoconfiança materna e a capacidade de acolhimento do filho, contribuindo para que ela participe do trabalho fonoaudiológico voltado para a alimentação e audição dos bebês. 3. O fonoaudiólogo é o profissional capacitado para significar as expressões corporais do bebê, e, portanto, capaz de conduzir a mãe, se ela se dispuser a isto. Referências: 1. Leone CR, Ramos JLA e Vaz FAC. O Recém-nascido prétermo. In: Marcondes E, Vaz FAC, Ramos JLA e Okay Y. Pediatria Básica. 9ºed. São Paulo: Sarvier; p ; 2. Winnicott DW. A Criança e o seu mundo. 3º ed. Rio de Janeiro: Zahar; 1975.

26 CARCINOMA NEUROENDÓCRINO DO RETOSIGMÓIDE Virginio Cândido Tosta de Souza; Elisio Meireles de Miranda; Félix Carlos Ocariz Bazzano; Carlos Roberto Amorim; Nícolas Biagione Tiburzio*; Maria Cecília Ferraz de Arruda Sarti. Hospital das Clinicas Samuel Libânio - UNIVÁS R: Comendador José Garcia, 777 Centro Pouso Alegre, MG. Introdução: Os tumores neuroendócrinos quando primários de cólon tem seu diagnóstico realizado pelo estudo anatomo-patológico complementado com o imuno-histoquímico. Quandos oriundos de intestino posterior são mais raros e dificilmente se manifestam com sintomas endócrinos, uma vez que produzem poucos mediadores hormonais. Relato de Caso: paciente de 50 anos, masculino, com dor em hipogástico e enterorragia há 20 dias. Refere habito intestinal tendendo à diarréia e história familiar positiva para neoplasia de cólon. O exame proctológico plicoma e fissura sangrante, mucosa normal até 15cm, fezes bem constituídas sem muco ou sangue. Iniciada propedêutica com enema opaco que evidenciou falha de enchimento em cólon sigmóide, sendo então solicitado tomografia de abdome, CEA, RX de tórax e proposta sigmoidectomia. No intra-operatório evidencia se pelve congelada com metástases hepáticas e para-aorticas, ambas biopsiadas. Realizada transverstostomia em alça. O exame anatomo-patológico foi compatível com neoplasia maligna pouco diferenciada metastatica, sendo sugerido exame imuno-histoquímico que evidenciou carcinoma neuroendócrino de alto grau metastatico com foco primário em pulmão ou trato gastrointestinal. Discussão: Os tumores neuroendócrinos são tumores de incidência crescente e comportamento genético e histoquímico cada vez mais conhecido, o que os torna parte do diagnóstico diferencial dos quadros abdominais. Seu crescimento lento e baixo potencial metastático nem sempre são observados, sendo necessário o conhecimento de sua classificção e comportamento por parte do médico. Referências: Atasoy P, Bozdongan O, Ozturk S, Ensari A. Bcl2 expression and its correlation with neuroendocrine differenciation in colon carcinomas. Tumori 2004; 90(2): Shiiki S. Undifferentiated carcinoma (endocrine cell carcinoma) of the colon. Nippon Rinsho 2004; 62 (5): Moody TW, Chan D, Fahrenkrung J, Jensen RT. Neuropeptides as autocrine growth factors in cancer cells. Curr Pharm Des 2003; 9(6):

27 CARCINOMA BASOCELULAR DE MARGEM ANAL SIMULANDO TROMBO HEMORROIDÁRIO ROTO Virginio Cândido Tosta de Souza; Elisio Meireles de Miranda; Rogério Mendes Grande; Carlos Roberto Amorim; Nícolas Biagione Tiburzio; Maria Cecília Ferraz de Arruda Sarti*. Hospital das Clinicas Samuel Libânio - UNIVÁS R: Comendador José Garcia, 777 Centro Pouso Alegre, MG. Intodução: Carcinoma basocelular de margem anal é raro e faz diagnóstico diferencial tanto com patologias benignas como patologias malignas. Sua raridade e variedade terapêutica assim como características intrínsecas da doença a tornam de importante conhecimento. Relato de Caso: Paciente do sexo masculino, 77 anos, cardiopata, há 15 anos com prurido e secreção anal. Avaliado há 06 anos quando proposto tratamento cirúrgico para hemorróida mista. Retorna com persistência dos sintomas associado a nódulo anal, hematoquezia e diminuição do calibre das fezes, sem realizar tratamento proposto anteriormente. Ao exame proctológico evidenciou-se hemorróida de terceiro grau com trombo externo roto, retossigmoidoscopia normal até 18 cm. Proposto tratamento cirúrgico. No momento da cirurgia evidenciou-se úlcera rasa de fundo enegrecido em local de trombo roto descrito anteriormente. Realizou-se ressecção de úlcera com margens na suspeita de melanoma e hemorroidectomia. O estudo anátomo patológico evidencia hemorróida mista e carcinoma basocelular sólido, ulcerado, pigmentado, infiltrando derme e ressecado com margens livres. No segmento evoluiu com estenose cicatricial tratada com dilatação. Discussâo: O carcinoma basocelular perianal é raro, apresenta evolução lenta e acomete faixa etária elevada. No relato fez diagnóstico diferencial com melanoma e trombo hemorroidário, havendo ainda na literatura referência a carcinoma basalóide, doença de Paget e trichoepitelioma. Descreve-se uma maior agressividade destes quando de apresentação perianal. Dentre os procedimentos terapêuticos há consenso quanto a ressecção local, sendo descritas várias táticas de reconstrução e tratamentos alternantivos com o eletrocauterização e radioterapia. Referências: Gibson GE, Ahmed I. J Am Acad Dermatol (1): Paterson CA, Young-Fadok TM, Dozois RR. Basal cell carcinoma of the perianal region: 20 years experience 1999 Dis Colon Rectum; 42(9): Peiffert D et. al. Conservative treatament by irradiation of epidermoid carcinomas of the anal margin Int J Radiat Oncol Biol Phys; 39(1):57-66.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax 7º Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Legenda da Imagem 1: Radiografia de tórax em incidência póstero-anterior Legenda da Imagem 2: Radiografia de tórax em perfil Enunciado: Homem de 38 anos, natural

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES

CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES CÂNCER DE PULMÃO: TUMORES CARCINÓIDES Escrito por: Dr. Carlos Augusto Sousa de Oliveira 01. INTRODUÇÃO Os tumores carcinóides são incluídos em um grupo maior de neoplasias, os carcinomas neuroendócrinos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição

Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Tumor carcinoide de duodeno: um tumor raro em local incomum. Série de casos de uma única instituição Jaques Waisberg- Orientador do Programa de Pós Graduação do Instituto de Assistência Médica ao Servidor

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax

Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Imagem da Semana: Radiografia de Tórax Figura 1: Radiografia de tórax realizada em decúbito dorsal Enunciado MHS, sexo feminino, 63 anos, foi atendida no Centro de Saúde de seu novo bairro. Apresentava

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante

Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante Página 1 de 6 22/10/2009-11h42 Prótese de silicone tem prazo de validade; veja respostas sobre implante GABRIELA CUPANI da Folha de S.Paulo Nenhuma prótese de mama dura para sempre. Embora os especialistas

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso.

Tumor Desmoplásico de Pequenas Células Redondas: Relato de um caso. Everton Pereira D. Lopes² Eduardo M Pracucho¹ Ricardo de Almeida Campos² Karla Thaiza Thomal¹ Celso Roberto Passeri¹ Renato Morato Zanatto¹ 1-Departamento de Cirurgia Oncológica Aparelho Digestivo Alto

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas.

A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. A Enfermagem no Atendimento das Feridas Oncológicas. Tereza Giannini giannini.tereza@gmail.com sobenfee@sobenfee.org.br LESÕES NEOPLÁSICAS Lesões resistentes que se propagam no tecido epitelial devido

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO CABEÇA E PECOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL WALTER CANTÍDIO Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço TUMORES OSSEOS EM Geamberg Macêdo Agosto - 2006 TUMORES ÓSSEOS BÊNIGNOS OSTEOMA CONDROMAS

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome 32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome Enunciado Paciente masculino, de 52 anos, previamente hígido, procurou atendimento médico devido a dor abdominal em cólica iniciada há cerca de 18 horas, com

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Disciplina: Estomatologia METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Levantamentos Epidemiológicos Clássicos Exame Clínico Nível de Doença não detectada Exames Complementares

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pâncreas Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar SNC baixo grau Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Vulva Versão eletrônica atualizada em Julho de 2012 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: -

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

10h35 11h00 INTERVALO 10h15 10h45 INTERVALO. 11h55 12h25. 12h30 ALMOÇO 12h30 ALMOÇO. Moderadora: Drª Ada Almeida (PE)

10h35 11h00 INTERVALO 10h15 10h45 INTERVALO. 11h55 12h25. 12h30 ALMOÇO 12h30 ALMOÇO. Moderadora: Drª Ada Almeida (PE) SEXTA-FEIRA 17 DE SETEMBRO SÁBADO 18 DE SETEMBRO CURSO BI -RADS Coordenador: CURSO DE MAMA Coordenadora: Drª Norma Maranhão(PE) Moderador: Moderadora: Drª Ana Carolina Brandão (PE) 08h30 9h30 Aula Teórica

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral PARTE. Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos

Disciplina: Patologia Oral PARTE. Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos Graduação em Odontologia Disciplina: Patologia Oral PATOLOGIA ÓSSEA { 4 a PARTE Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos h t t p : / / l u c i n e i. w i k i s p a c e s. c o m Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide

Nota Técnica 125/2014. Betaterapia para tratamento de queloide 05/07/2014 Nota Técnica 125/2014 Betaterapia para tratamento de queloide SOLICITANTE :Dra. Luciene Cristina Marassi Cagnin Juíza de Direito de Itajubá - MG NÚMERO DO PROCESSO: 0324.14.007196-4 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX

[251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX [251] 114. AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE RADIOGRAFIAS DO TÓRAX a. CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS Exposição A aquisição adequada da radiografia de tórax é mais difícil que a de outras partes do corpo devido ao contraste

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS 4º E 5º PERÍODOS MATRIZ 2 4 º Período BIOLOGIA MOLECULAR - 2835 Introdução a Biologia Molecular. Estrutura

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia abdominal

Imagem da Semana: Ultrassonografia abdominal Imagem da Semana: Ultrassonografia abdominal Figura 1: US abdominal mostrando a bifurcação portal Figura 2: US abdominal mostrando a vesícula biliar Figura 3: US abdominal mostrando região do hipocôndrio

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM

Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis. Filipe Martinho, DVM Abordagem diagnóstica a casos oncológicos em Répteis Filipe Martinho, DVM III Congresso OMV - Novembro 2012 Oncologia e Répteis Aparentemente casos oncológicos são raros; Em colecções zoológicas até 23%

Leia mais