FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DA VIAGEM DE ESTUDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DA VIAGEM DE ESTUDOS"

Transcrição

1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DA VIAGEM DE ESTUDOS Resumo Adriana Maria Wan Stadnik, Ms., UTFPR, FPRG, CBG Nara Rejane Cruz de Oliveira, Ms., UNICSUL O trabalho reflete criticamente sobre a formação continuada do professor de educação física, a partir de duas viagens de estudo (2005 e 2006), nas quais algumas das importantes funções do lazer visto que as viagens foram realizadas nas férias, ou seja, no tempo disponível dos professores como descanso, diversão e desenvolvimento, caminharam juntas, e de maneira significativa, sendo compartilhadas por um grupo de professores latino-americanos. A formação continuada de professores insere-se numa plataforma da formação de adultos, compreendida em função do desenvolvimento global, promovendo condições facilitadoras de crescimento pessoal, social e profissional, levando à auto-realização, sem esquecer os conhecimentos adquiridos e histórias individuais que influenciam fortemente a forma de participação, interpretação e avaliação dos acontecimentos. Relativamente ao lazer, acreditamos que ele pode/deve ser um espaço para o desenvolvimento real do indivíduo em todas as suas dimensões. Relativamente às viagens de estudos na formação continuada de professores, consideramos que o adulto, em constante processo de formação, necessita de metodologias diferenciadas/inovadoras para desenvolver-se, visto que este processo está intimamente relacionado a tudo aquilo a que ele atribui valor, à sua vontade, raramente a uma obrigação trata-se de um processo bastante diferenciado da educação infantil, trata-se da formação de adultos. Essas viagens de estudo tiveram como tema central a educação física, na perspectiva da educação não-formal, ênfase na ginástica e percorreram três festivais artístico-esportivos (Alemanha, Dinamarca e República Tcheca), visitas a escolas e centros de treinamento (Dinamarca e República Tcheca). As impressões desses profissionais, a relevância desse tipo de ação e as sugestões para estudos futuros são levantadas e analisadas neste trabalho. O estudo é de caráter qualitativo, amparado em entrevistas com os participantes e revisão de literatura. Os relatos sugerem que as viagens organizadas de estudo em educação física, na formação continuada de professores, conduzem ao positivo desenvolvimento pessoal, profissional e social. Palavras-chave: viagens de estudo, formação continuada, professores de educação física.

2 848 Introdução A idéia de viagens de estudo organizadas para a formação continuada de professores de educação física, surgiu de encontros do Grupo de Pesquisa em Ginástica Geral da Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas. Muitos dos professores integrantes do grupo já carregavam consigo experiências internacionais em eventos da ginástica geral, contudo, integrando grupos de demonstração e não como professores/profissionais-pesquisadores. Nos anos de 2005 e 2006, foram realizadas duas viagens intituladas de Study Tour. O primeiro foi para a Alemanha e Dinamarca e o segundo para Dinamarca e República Tcheca, ambos com a finalidade de participarmos de diferentes eventos esportivos e de ginástica, mas principalmente conhecer e pesquisar a realidade e organização da educação física e esportes nestes países, além de promover um intercâmbio cultural. Como participantes nos dois anos consecutivos, abordamos nesta pesquisa a temática da formação continuada por percebermos que tais viagens têm colaborado significativamente neste processo de desenvolvimento dos profissionais envolvidos. Todos os participantes dessas duas viagens de estudo são profissionais formados, em sua maioria na área da educação física, que desenvolvem trabalhos na área de gestão, desenvolvimento, práticas e teorias da ginástica, especialmente. Segundo Camilo Cunha (1999, p.113), o debate e a necessidade de valorizar a formação contínua 1 nasce pela tomada de consciência das transformações sociais, científicas, econômicas, políticas... e pela constatação que os saberes não são eternos. Essa consciência, associada à constatação de que inúmeras vezes os sistemas educativos são incapazes de darem respostas às exigências da sociedade, onde aparecem constantemente novos valores, gera a necessidade da educação contínua. Ainda conforme Camilo Cunha (1999), a formação continuada de professores insere-se numa plataforma da formação de adultos, compreendida em função do desenvolvimento global, promovendo condições facilitadoras de crescimento pessoal, social e profissional, levando à auto-realização, não esquecendo os conhecimentos adquiridos e as histórias individuais que influenciam fortemente a forma de participação, interpretação de vida e avaliação dos acontecimentos. 1 Esse autor é português e portanto utiliza-se da palavra contínua, formação contínua, enquanto nós, brasileiros, utilizamos formação continuada.

3 849 Essas questões ficam muito claras durante o desenvolvimento da pesquisa, pois cada pesquisado percebe a viagem de estudo, ou o resultado dessa viagem, de uma forma diferente. Contudo, aparecem também muitas convergências, o que é natural por tratar-se de um grupo com vários interesses comuns. Associada a esta formação continuada, a experiência dos Study Tours foi desenvolvida no contexto da educação não formal. Para Stadnik, et al (2006), é amplamente reconhecido que três tipos de educação fazem parte da educação integral do ser humano: a educação formal (por exemplo, a escola); a educação informal (por exemplo, os meios de comunicação); e a educação não formal, compreendendo a participação social aberta em atividades lúdicas, voluntárias, desinteressadas, libertárias e prazerosas, podendo ser o momento para a abertura de uma vida cultural intensa. Assim, associamos esta experiência de educação não formal nos Study Tours também ao lazer, considerando que, algumas das importantes funções do lazer, como prazer, descanso, diversão e desenvolvimento (MELO E ALVES JÚNIOR, 2003; MARCELLINO, 1995; CAMARGO, 1998; LOMBARDI, 2005), ocorreram simultaneamente. Segundo Melo e Alves Júnior (2003), as atividades de lazer podem ser consideradas atividades culturais em seu sentido mais amplo, englobando interesses diversos do ser humano, suas diversas linguagens e manifestações. Tais atividades podem ser efetuadas no tempo livre das obrigações e necessidades físicas; entretanto, o lazer não deve ser pensado exclusivamente como oposição ao trabalho, pois trabalho e lazer não são dimensões opostas na vida do ser humano. Porém, para estes autores, os momentos de lazer devem ter uma organização diferente de tempo, em que o grupo possa ter liberdade de escolha, havendo tempo suficiente para as pessoas desfrutarem das atividades realizadas. Acreditamos que as relações entre formação continuada, educação não formal e lazer caminham juntamente com a experiência das viagens de estudo, fato este percebido por meio das entrevistas com os participantes. Essas associações que realizamos passaram a fazer sentido, não apenas para as duas pesquisadoras envolvidas neste trabalho, mas sim para o grupo todo, como experiência pessoal e coletiva.

4 850 Objetivo Geral Refletir criticamente sobre a formação continuada do professor de educação física, a partir da experiência de duas viagens de estudo. Metodologia Em 2005, coletamos os dados via , através da pergunta geradora: Como foi a experiência de participar do Study Tour?, feita aos participantes. As respostas obtidas foram analisadas utilizando o método de análise proposto por Bardin (1977). Após a pré-análise e a exploração do material, seis categorias de análise foram delimitadas: oportunidade de participação; impressão positiva; prazer da convivência em grupo; ampliação de conhecimentos; aumento da motivação profissional; expectativas para o futuro. Em 2006, realizamos entrevistas estruturadas (Ruqoy, 1997) gravadas em meio digital, pois como foram duas entrevistadoras, optamos pelo método das entrevistas estruturadas por considerá-lo mais confiável, obrigando, dessa forma, a realização das mesmas perguntas, sem interpretações prévias a todos os participantes. Essas entrevistas cobriam um campo em torno das motivações dos participantes para integrar a viagem, se conseguiram descansar, se divertir, se perceberam desenvolvimento (pessoal, profissional e/ou social), as contribuições dadas e recebidas em relação ao grupo, resultados dessa experiência e aplicações futuras. Nesta segunda viagem, optamos pela investigação interpretativa, centrada na significação, por parte dos próprios indivíduos pesquisados, sobre os fenômenos. Afinal, (...) estudamos problemas da dinâmica humana e social. Um mundo que age e reage. E, portanto, não podemos utilizar a mesma lógica que rege o mundo natural (positivista) 2. Segundo Erickson (1986), o termo interpretativo refere-se a toda uma família de pesquisa participante e observativa, especialmente por ser mais inclusivo que outros (ex. etnografia), estar afastado daquela conotação de pesquisa qualitativa como não quantitativa, e porque a investigação 2 Dito por Francisco Carreiro da Costa durante uma palestra sobre a Investigação na Educação Física, em Braga, no Auditório do Instituto de Estudos da Criança, em dezembro de 2005.

5 851 interpretativa coloca o seu centro de interesse no significado humano, na vida social e na elucidação e exposição por parte do pesquisador dos dados recolhidos durante o trabalho de investigação. O que faz com que um estudo seja interpretativo é o foco substantivo e intencional nos significados e nas ações dos sujeitos pesquisados e não o procedimento de recolha de dados, que é uma técnica de pesquisa e não um método. O critério básico de validação utilizado neste tipo de estudo é o significado imediato e local das ações (o ponto de vista dos investigados), distinguindo a pesquisa interpretativa (participativaobservativa) de outros tipos de investigação observativa, onde a pesquisa interpretativa é freqüentemente confundida com uma descrição densa e/ou rica. Isto porque éramos, ao mesmo tempo, pesquisadoras e participantes das viagens de estudo, entrevistando e, simultaneamente, vivenciando todas as situações pelas quais o grupo passou, visto que tomamos parte no grupo, inferindo, portanto, nas ações, decisões, resultados, entre outros. Fomos pesquisadoras-participantes. Neste sentido, Bogdan & Biklen (1994) referem que, na investigação qualitativa, o investigador é o principal instrumento de recolha de dados e o sentido que investigador e investigado atribuem ao mundo e as questões nas quais estão envolvidos direta ou indiretamente, o modo de entendimento do mundo, o que é ou não importante, o que faz o mundo funcionar, entre outras características desse tipo de estudo, conduzem à fundamentação teórica deste tipo de abordagem. Nos dois anos (2005 e 2006) a amostra foi composta pelo número total de participantes nas viagens de estudo. As experiências dos Study Tours Formação e Lazer O primeiro Study Tour ocorreu em 2005, com um grupo de 20 professores, sendo 3 homens e 17 mulheres, entre brasileiros, peruanos e argentinos. O roteiro incluiu um grande festival de ginástica, esportes e outras práticas na Alemanha e visitas a escolas, universidades e centros esportivos na Dinamarca. Ao término da viagem, reunimos um grupo de quatro pesquisadoras brasileiras para avaliar os resultados dessa primeira incursão pelo universo da educação física e da ginástica (STADNIK, ET AL, 2005). Percebemos, por meio da pergunta geradora, que o primeiro sentimento a que quase todos os pesquisados se referiram foi o de agradecimento pela oportunidade de participar de uma viagem de estudo como esta. Na seqüência, apareceram os sentimentos e impressões positivas em relação ao enriquecimento pessoal, social e profissional, como a convivência agradável do grupo, a ampliação de

6 852 conhecimentos teóricos e práticos, além do aumento da motivação para desenvolver os trabalhos nos seus próprios países demonstrando boas expectativas para o futuro. Stadnik et al (2005, p.224) relatam que, as expectativas de muitos integrantes do grupo é a de que mais projetos como este Study Tour sejam organizados e que eles possam mais uma vez ter a oportunidade de participar, pois consideraram extremamente positivo este formato de estudo, em que se une o lazer e o aprendizado de maneira tão prazerosa. Baseando-se nesta experiência, seus resultados satisfatórios e a necessidade de conhecer cada vez mais novos caminhos para a teoria e a prática da educação física e da ginástica, em 2006, um novo Study Tour foi proposto, sendo realizado no período de 27 de junho a 10 de julho. O roteiro incluiu Dinamarca e República Tcheca, contanto com um grupo de 14 integrantes, composto por brasileiros e peruanos, sendo 13 mulheres e 1 homem. Desta vez, a pesquisa ficou sob a responsabilidade de apenas duas pesquisadoras do grupo inicial, dado a impossibilidade das demais em participar desta viagem. Elaboramos um protocolo de entrevista com 12 diferentes perguntas, baseadas no referencial teórico do lazer e do desenvolvimento e socialização de adultos, além de questionamentos fundamentados na nossa própria percepção da realidade e necessidades comuns ao grupo. Esse protocolo envolveu questões sobre a motivação das pessoas para participar desse tipo de atividade: descobrimos que a maioria das pessoas baseou-se, principalmente, em motivações profissionais para compor o grupo; suas relações com as funções do lazer, em que consideramos mais abrangentes o descanso, a diversão e o desenvolvimento pessoal, social e profissional: verificamos que a maior parte das pessoas percebe que descansou, não tanto fisicamente, porém no sentido da alteração da rotina, da mudança de ambiente, como muitos consideraram, um descanso diferente. Quanto à diversão, todos foram unânimes em dizer que se divertiram. Quanto ao desenvolvimento, quase todos relacionam os três tipos pessoal, social e profissional, numa cadeia seqüencial, inter-relacionada, acreditando desenvolver-se integralmente e positivamente. Quando perguntados sobre a questão do estudo neste tipo de viagem, ou seja, se estudaram alguma coisa neste tempo: a primeira reação da maioria foi a de se justificar, dizendo que estudar lendo livros ou atividades semelhantes não, mas sentiam ter estudado de uma outra forma. Esta situação nos remete à constatação de que ainda somos muito ligados ao estudo como uma atividade formal de educação, esquecendo-se muitas vezes de que ele ocorre também de outras maneiras, como alguns notaram e admitiram durante o discurso, que acabaram estudando.

7 853 Pensamos que esta idéia está relacionada à questão da educação (processo escolar educação formal) e/ou, muitas vezes, à falta de percepção das diferenças apresentadas entre a educação infantil e a formação de pessoas adultas, como o nosso caso: a formação continuada de professores. Estávamos numa viagem de estudos, e mesmo não sendo uma consideração unânime, muitos dos nossos entrevistados pareciam apresentar dúvidas quanto ao fato de estarem ou não estudando, ainda que, ao longo da conversa, fossem demonstrando claramente que integravam um processo de ensinoaprendizagem. Neste sentido, Alves-Pinto, 2001; Amiguinho, 1997; Camilo Cunha, 1999; Canavarro, 2003; Marcelo, 1999; Sarmento; 2002, entre outros, afirmam que a formação continuada de professores (desenvolvimento pessoal, profissional e social) e, conseqüentemente a mudança do professor, bem como a inovação, é um processo de aprendizagem e desenvolvimento no qual os professores participam como pessoas adultas. Recentemente, muitos autores têm reconhecido a necessidade de se estudar o processo de aprendizagem dos professores como pessoas adultas e não como uma cópia do modelo de ensino-aprendizagem aplicado às crianças e jovens. A adesão dos adultos a processos que colaborem no seu desenvolvimento é voluntária e deve partir da ação concreta do ator social, que é neste caso o professor, em desenvolvimento (Sarmento, 2002). Continuando nossa pesquisa, perguntamos sobre a contribuição individual para com o grupo e, na seqüência sobre a contribuição do grupo para com a pessoa: observamos que, em geral, as pessoas foram bastante modestas, talvez tímidas ou pouco perceptivas em seu relato sobre a contribuição dada ao grupo, mas, em contrapartida, mais soltas, falantes e sem poupar elogios quando falando da contribuição do grupo para consigo. Esse fato não ocorre com tanta clareza quando as entrevistas são realizadas com as pessoas envolvidas na organização direta da viagem, pensamos que isso ocorra porque as pessoas que têm uma função clara no grupo sentem-se mais confortáveis em falar sobre o assunto, já aquelas que se sentem apenas como integrantes do grupo, sem função definida, para além de sua participação, parecem esforçar-se para não atrapalhar, muitas vezes sem perceber que sua verdadeira importância está em ser parte do grupo. Outra questão levantada foi sobre os estudos, aplicação prática, teórica, contatos profissionais, sociais, entre outros, como resultado da participação na viagem de estudos: sem exceção, todos os participantes conseguiram visualizar, com bastante facilidade, uma aplicação futura,

8 854 em diferentes níveis, como resultado da sua participação na viagem. Para as pessoas que já haviam participado do primeiro Study Tour, perguntamos também que resultados concretos foram detectados: da mesma forma, sem dificuldades, foram unânimes na detecção de resultados positivos, envolvendo os três aspectos do desenvolvimento, o pessoal, o social e o profissional, com ênfase no profissional. Finalmente, para algumas pessoas que foram antes do grupo e para aqueles que ficaram depois de encerrado o período do Study Tour, questionamos sobre que tipo de atividade desenvolveu neste período sem o grupo: falaram de amigos que tinham feito no exterior, em experiências anteriores e na oportunidade de visitá-los; na vontade de conhecer mais os locais em que estivemos, agora com cunho exclusivamente turístico; na oportunidade de unir esse período de estudos com as férias pessoais e ficar aproveitando essa temporada. É importante esclarecer que a análise acima exposta (Study Tour 2) se trata apenas de uma préanálise, pois nosso estudo ainda encontra-se em andamento, contudo achamos importante relatá-la por percebermos que ela contém indícios fundamentais para o enriquecimento deste artigo. Na seqüência, apresentamos um relato da participação do grupo latino-americano nas duas viagens. O relato, mesmo que resumido, fundamenta-se em demonstrar um número acentuado de oportunidades de desenvolvimento pessoal, profissional e social a que o grupo foi submetido, além do prazer, da mudança de paisagem e da diversão, constantes nossas pesquisas demonstraram isso. Um relato das duas viagens 2005 Study Tour I Alemanha e Dinamarca: a primeira participação do grupo foi no International Deutsches Turnfest, em Berlim, na Alemanha e depois uma visita à Dinamarca. O Deutsches Turnfest é um grandioso e tradicional evento de Ginástica e Esportes na Alemanha, organizado pelo Deutsche Turn Bund, associação esportiva alemã. É realizado a cada quatro desde 1860, em diferentes cidades do país, contando com a participação de milhares de pessoas. Essa foi a primeira edição aberta ao público internacional (3 mil estrangeiros e cerca de 94 mil alemães inscritos). A principal contribuição que se tem na participação em um evento como este, é o estudo in loco sobre as diversas possibilidades de organização de eventos, abrangendo atividades tão diversas, nas quais podemos vivenciar o sentido mais amplo do termo cultura corporal e sua importância para o desenvolvimento humano, que no Brasil tanto discutimos.

9 855 Para exemplificar, segue-se uma descrição sucinta de algumas das atividades oferecidas no evento, de acordo com o Internationale Deutsches Turnfest (2005): - Competições nacionais de ginástica; - Competições amistosas; - Atividades esportivas; - Fórum científico; - Turnfest Akademie (600 workshops); - Shows; - Cerimônias de abertura e encerramento; - Clínicas coreográficas; - Música e Dança; - Pavilhão infantil; - Pavilhão 50 plus; - Jogos e gincanas; - Feira esportiva; - Passeios turísticos. Após participarmos do Internationale Deutsches Turnfest, seguimos para a Dinamarca, onde, a convite da Associação Dinamarquesa de Ginástica e Esporte DGI, visitamos várias cidades, cobrindo quase todas as regiões do país. Pudemos conhecer a estrutura e organização da educação física, ginástica e esportes, por meio de visitas a centros esportivos, escolas, universidades, num intenso intercâmbio. Tivemos a oportunidade de participar de palestras, aulas, workshops, além de ministrarmos nas diferentes cidades um workshop de ritmos latino americanos, envolvendo danças típicas do Brasil, Argentina e Peru. A estrutura educacional do país é bastante diferenciada, oportunizando aos jovens, além da escola tradicional, que no país é gratuita, uma opção paga a partir dos 15 anos de idade. São as escolas livres, a maior parte delas relacionada às artes (música, dança), esportes e ginástica. Cada uma apresenta uma especificidade, mas em geral abrangem várias atividades. Existem dois tipos: para jovens de 15 a 18 anos e para jovens de 18 a 30 anos. Elas objetivam proporcionar uma formação mais completa, um período longe dos pais e um tempo de reflexão antes da escolha de uma profissão (em especial aquelas dedicadas aos mais novos), o contato com novas pessoas, aprendizado para a vida e preparação para o engajamento social, cultural e político em suas comunidades. Pudemos perceber como essa organização educacional realmente é favorável ao desenvolvimento do país e à formação pessoal dos jovens. Educação e cultura são entendidas como chave para o desenvolvimento e o esporte aparece como um dos principais eixos. As escolas também possuem um sistema de intercâmbio recebendo alunos de outros países e encaminhando os seus, especialmente na faixa etária entre 18 e 30 anos. Nosso roteiro começou em NorthJutland, na escola de esportes de Bronderslev. Depois, seguimos para Viborg, para uma folk high school, escola tradicional de ginástica e esportes. De lá, fomos para a segunda maior cidade dinamarquesa, Odense, onde ficamos instalados em grupos nas residências de ex-atletas da Seleção Dinamarquesa de Ginástica de Demonstração. Na seqüência, fomos para Ollerup, a mais forte e tradicional escola de ginástica da Dinamarca. Seu fundador foi Niels Bukh, o criador do

10 856 Método Dinamarquês de Ginástica. Finalmente, a capital Copenhagen foi nossa última visita. Estivemos na sede da DGI (Associação Dinamarquesa de Ginástica) e conhecemos de perto sua estrutura, bem como a da ISCA (International Sports and Culture Association) e a da IASFA (International Academy Sports for All) Study Tour II Dinamarca e República Tcheca: o segundo Study Tour contou com um grupo de 14 pessoas sendo apenas 1 homem, entre brasileiros e peruanos. A finalidade desta segunda viagem foi a participação em dois grandes eventos esportivos nestes países, além da visita a um Camping de Ginástica no interior da República Tcheca, no Centro Esportivo em Zinkovy. Nossa primeira atividade foi a participação no Landsstaevne, um festival esportivo não competitivo bastante tradicional na Dinamarca, realizado em um Camping. Tem como característica marcante as grandes apresentações, especialmente as de ginástica geral, nas suas mais variadas formas. Apesar da ginástica ter destaque, várias outras atividades esportivas e de recreação são realizadas. Este evento acontece desde 1858, a cada 4 anos. É organizado pela Associação Dinamarquesa de Esportes e Tiro (que possui em média de membros no país). O diferencial deste evento é que se trata de um festival de esportes sem premiações, pois não há competição. Ou seja, são atividades para todos, de todas as idades. Cada edição é realizada em uma cidade do país. Neste ano contemplou a cidade de Haderslev, na região Sul do país. O evento de 2006 contou com uma média de inscritos (participantes ativos), além das pessoas que participaram somente dos workshops ou como espectadoras das diversas apresentações (público rotativo), contabilizando cerca de pessoas. A programação do evento, semelhante à do Deutsches Turnfest (com exceção das competições) numa escala menor, envolve workshops diversos, cerimônias e muitas apresentações, além de espaços destinados às mais variadas atividades, para todas as idades, por exemplo: cerimônias de abertura e encerramento, atividades atléticas, de fitness, ginástica, dança, atividades para terceira idade, infantis, jogos e brincadeiras, modalidades esportivas diversas, conferências, além das atividades que aconteciam na tenda internacional, na qual os grupos de diversos países se apresentavam ou ministravam workshops de atividades corporais típicas de seus países. A comunidade participa da elaboração da programação, por meio de reuniões coletivas nas associações esportivas regionais. Assim, a demanda de atividades respeita o que vem sendo desenvolvido e propicia também o surgimento de atividades novas e diferentes.

11 857 Apesar de ser um festival tradicional, os dinamarqueses primam pela participação internacional, como forma de intercâmbio com outras culturas. Na edição 2006, foram 21 países participando. A filosofia do evento é o desenvolvimento de atividades esportivas para todos, o encontro social e a relação com a natureza. Para os dinamarqueses, que passam boa parte do ano sem poder desenvolver atividades ao ar livre por causa do frio intenso, aproveitar 5 dias de vida ao ar livre em Camping, com encontros e atividades diversas, voltadas para o lazer, é algo extremamente agradável e que faz parte da cultura do país. Um festival como esse é a combinação de tradições culturais. Porém, para os organizadores, é importante adaptar a tradição para os novos desejos da juventude. É necessária também a preocupação com a transição das atividades adultas para a nova geração. Isso faz com que o evento se mantenha vivo, preservado pela história e pelas boas memórias que ficam em seus participantes. Afinal, nas palavras do presidente da ISCA, Anders Bulow (2006), são as memórias do Landsstaevne que fazem o evento sobreviver. A segunda etapa da viagem de estudos foi nossa visita à República Tcheca. Seguimos para Praga, a capital do país para nossa primeira atividade: a participação no Slets. O Slets, maior festival de ginástica e esportes da República Tcheca, é promovido pela Sokol (a palavra significa águia, em alusão aos princípios de liberdade), a maior Associação Tcheca de Esportes para Todos, sendo também a maior organização do país (a segunda é a Organização Folclórica). Para compreendermos melhor o Slets, necessário se faz compreendermos melhor a filosofia da Sokol. De acordo com a Czech Sokol Organization (1998, 2006), esta vai além do desenvolvimento esportivo para todos: propõe o oferecimento à população de uma gama de atividades voltadas para o desenvolvimento da Educação Física, o desenvolvimento humano, buscando o divertimento e uma relação estreita entre o esporte e a cultura, pautada em valores como a liberdade, a democracia, equidade e justiça social, valores humanos considerados prioritários. A Sokol é a segunda mais antiga organização esportiva da Europa, existindo desde 1862, sendo inclusive premiada e reconhecida pela UNESCO pelo desenvolvimento da educação física e esportes. Assim, o Slets pode ser considerado um evento símbolo e síntese dos ideais desta organização. O evento é um espetáculo inesquecível, tanto pelo número de participantes que assistem às apresentações, quanto pelo número de participantes nas coreografias apresentadas. A estimativa da organização do evento é de que o Slets reúne mais de pessoas, a maioria fazendo parte dos variados grupos que se apresentam. Além de diversas atividades que acontecem em vários locais da

12 858 cidade, em palcos montados especialmente para tal, as apresentações de ginástica geral de grande área são o ponto alto do evento. Algumas coreografias chegam a ter pessoas. O local de apresentação também é um espetáculo: o estádio construído em Praga no ano de 1926 (para pessoas). Nos últimos três dias, estivemos na região da Bohemia, no Centro Esportivo e de Treinamento de Zinkovy, onde fomos recebidos pelo presidente da SPV (Ceská Asociace Sport pro Vsechny, ou Associação Tcheca de Esporte para Todos), cujo lema central é Vida é Movimento (SPV, s/d, p. 3). Neste local, que fica numa região campestre, com lago, muito verde, perto de um castelo do século XVIII, ministramos workshops e participamos de palestras, espetáculo, e mostra de vídeo. Conhecemos todo o centro e, depois, fomos conduzidos a um belo passeio pela região, que é muito rica em vidro e cristais, cerveja pilsen, pastagens, castelos e hotéis campestres. Nossa viagem encerrou-se em Praga, onde cada um dos participantes brasileiros e peruanos seguiu seu destino. Alguns de volta ao Brasil e ao Peru, outros passeando pela Europa. Considerações finais A partir das pesquisas realizadas com os grupos participantes do Study Tour 2005 e 2006, consideramos que a educação formal não detém o monopólio da formação. É possível aprender, e significativamente, em atividades de educação não formal aliada ao lazer, como foi o caso das viagens de estudos. Essas foram experiências enriquecedoras e gratificantes para todos os pesquisados. De formas diferentes, porém positivas, os pesquisados afirmaram que se divertiram, descansaram e se desenvolveram. Já afirmava o sociólogo francês da área do lazer, Dumazedier (1994), sobre suas próprias pesquisas empíricas, que as respostas são discutíveis, mas não podem ser ignoradas. Portanto, conscientes de que restam inúmeras dúvidas, sugerimos novas e contínuas pesquisas na área. Aliás, como comentado anteriormente, a nossa própria pesquisa está em andamento, está é uma prévia, uma análise inicial, que não gostaríamos de deixar de compartilhar. Acreditamos que a finalidade da pesquisa é propor novas reflexões sobre a temática. Afinal, segundo Minayo (1994), o ciclo da pesquisa termina com um produto provisório, capaz sempre de dar origem a novas interrogações.

13 859 Baseando-se nas nossas experiências pessoais e nas pesquisas até aqui desenvolvidas, sugerimos as viagens de estudo na formação continuada de professores de educação física. Referências ALVES-PINTO. Socializações e Identidades Docentes. In: TEIXEIRA, Manuela (org.). Ser Professor no Limiar do Século XXI. Porto: ISET, AMIGUINHO, Abílio. Viver a Formação. Construir a Mudança. Lisboa: Educa, CANAVARRO, Ana Paula. Práticas de Ensino da Matemática: duas professoras, dois currículos. Tese de doutorado. Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2003 (material não publicado). BULOW, Anders. International Sports and Culture Association: ISCA. Landsstaevne. Haderslev, Dinamarca: junho, 2006 (Palestra). CAMARGO, Luiz Octávio. Educação para o lazer. São Paulo: Moderna, CAMILO CUNHA, António Unidade e diversidade na formação dos professores de Educação Física: estudo das representações de professores e formadores. Tese de Doutorado. Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, Braga, Portugal, 1999 (material não publicado). CARVALHO, Beatriz; PESTANA, Laís. A terceira idade e a ginástica geral: a realidade de um turnfest. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE GINÁSTICA GERAL, 3., 2005, Campinas. Anais. Campinas, SP: SESC-SP, UNICAMP, ISCA, pp CZECH SOKOL ORGANIZATION. Sokol: past and present. Prague: G Art, Sokol: modern organisation for all-round development of man. Prague: Sokol, DUMAZEDIER, Joffre. A revolução cultural do tempo livre. São Paulo: Studio Nobel, ERICKSON, Frederick. Qualitative Methods in Research on Teaching. In: WITTROCK, Merlin. Handbook of Research on Teaching. New York: Macmillan. pp , INTERNATIONALE DEUTSCHES TURNFEST. Festprogramm. Berlim: DTB, LOMBARDI, Maria Ivone Lazer como prática educativa: as possibilidades para o desenvolvimento humano. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005 (material não publicado).

14 860 MARCELO, Carlos. A Formação de Professores: Novas Perspectivas Baseadas na Investigação Sobre o Pensamento do Professor. In: NÓVOA, António (coord.). Os Professores e sua Formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, MARCELLINO, Nelson C. Lazer e Educação. 3.ed. Campinas,SP: Papirus, MELO, Victor A. de; ALVES JÚNIOR, Edmundo D. Introdução ao lazer. Barueri, SP: Manole, MINAYO, Maria Cecília de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, RUQUOY, Danielle. A Pesquisa Quakitativa em Ciências Sociais, SARMENTO, Teresa. Histórias de Vida de Educadoras de Infância. Tese de doutoramento. Lisboa: IIE. SPT, Ceská Asociace Sport pro Vsechny. Czech Association Sports for All. Ceská Asociace Sport pro Vsechny. Praha, s/d. STADNIK, Adriana; CAMILO CUNHA, António; PEREIRA, Beatriz. A educação não formal (pelo lazer) e sua contribuição ao currículo escolar. In: COLÓQUIO SOBRE QUESTÕES CURRICULARES, 7., COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO, 3., 2006, Braga, Portugal. Livro de resumos. Braga: CIED, Universidade do Minho, p.310. STADNIK, Adriana; COSTA, Alessandra; CARVALHO, Beatriz; OLIVEIRA, Nara. Uma viagem de estudos pelo universo da ginástica: relato de experiência. In: FÓRUM INTERNACIONAL DE GINÁSTICA GERAL, 3., 2005, Campinas. Anais. Campinas, SP: SESC-SP, UNICAMP, ISCA, pp

GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS: um olhar sobre o contexto europeu e o seu movimento de esporte para todos na atualidade

GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS: um olhar sobre o contexto europeu e o seu movimento de esporte para todos na atualidade ARTIGOS Motrivivência Ano XVIII, Nº 27, P. 19-32 Dez./2006 GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS: um olhar sobre o contexto europeu e o seu movimento de esporte para todos na atualidade Nara Rejane Cruz de Oliveira

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT)

A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) A PRÁTICA DE PROJETOS ESCOLARES COMO MEIO DE APRENDIZAGEM: UMA EXPERIENCIA EM BARRA DO GARÇAS (MT) Rosinei Borges de Mendonça UFMT-Araguaia rosineibm@gmail.com Adriana Queiroz do Nascimento UFMT-Araguaia

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

DIMENSÕES PEDAGÓGICAS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

DIMENSÕES PEDAGÓGICAS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR DIMENSÕES PEDAGÓGICAS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Prof. Ms Alex.Pina de Almeida Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ Professor Dr. Antonio Jorge Gonçalves Soares Faculdade

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS 1 ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS Kárita Cabral Machado FEF/UFG RESUMO O objetivo do presente estudo foi identificar a relação entre a educação física e as artes circenses, do

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE. Palavras-chave: Dança; Expressão Corporal; Cultura; Educação.

SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE. Palavras-chave: Dança; Expressão Corporal; Cultura; Educação. SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE REZENDE, Cláudia Moraes. SANTOS, Silvânia Silva. BRAIT, Lilian Ferreira Rodrigues. MACÊDO, Keila Márcia Ferreira.

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

ATIVIDADES LÚDICAS PARA IDOSOS: REDISCUTINDO NA PRÁTICA O CONCEITO DE ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM.

ATIVIDADES LÚDICAS PARA IDOSOS: REDISCUTINDO NA PRÁTICA O CONCEITO DE ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM. ATIVIDADES LÚDICAS PARA IDOSOS: REDISCUTINDO NA PRÁTICA O CONCEITO DE ENSINO POR COMPETÊNCIAS NA FORMAÇÃO DO TÉCNICO EM ENFERMAGEM. Isabel Cristina Adão (1); Ernani Coimbra de Oliveira(2); (1,2,)Instituto

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA

O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA O ESPAÇO COLETIVO ESCOLAR DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA EM COMUNIDADES DE PRÁTICA Eduardo Gomes Vieira Vicentino Prefeitura da Cidade de São Paulo vicentinoe@yahoo.com.br Nielce Meneguelo Lobo da Costa Universidade

Leia mais

O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO

O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO O DIA DO BIS NAS AULAS DE RECREAÇÃO Profª Tatyanne Roiek Lazier 1 Prof. Esp. Cleber Mena Leão Junior (ABRE) 2 O objetivo principal deste estudo foi propor a inserção de um dia em que as crianças possam

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A MODELAGEM COMO INSTRUMENTO MOTIVADOR À APRENDIZAGEM. Jozeildo José da Silva 1 MECM/UEPB

A MODELAGEM COMO INSTRUMENTO MOTIVADOR À APRENDIZAGEM. Jozeildo José da Silva 1 MECM/UEPB V ENCONTRO PARAIBANO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 2008, Campina Grande. Anais... A MODELAGEM COMO INSTRUMENTO MOTIVADOR À APRENDIZAGEM Resumo Jozeildo José da Silva 1 MECM/UEPB Neste trabalho será relatada

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL

O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL Graziany Penna Dias Resumo: O presente texto teve por objetivo discutir o papel da animação cultural no campo do lazer. Entendemos que esta discussão se fazer importante já

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul

Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul PROGRAMA GUIA ESPM-Sul Programa de Acompanhamento Discente e Excelência Profissional Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul Pensamento ESPM. São Paulo, 25/04/2014.

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EDUCANDO A PARTIR DE PROJETOS: ELABORAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Shirley Teixeira Barros shirlinha@uft.edu.br UFT Dayse Suelle Silva Carvalho daysesuellesc@hotmail.com UFT Carmem Lucia Artioli Rolim carmem.rolim@uft.edu.br

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB Edital Pibid n 061 /2013 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

Palavras-chave: cultura, esporte, lazer, jogos cooperativos.

Palavras-chave: cultura, esporte, lazer, jogos cooperativos. PROJETO CAIC DAS 16h : CULTURA, ESPORTE E LAZER PARA OS FILHOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UEPG MATRICULADOS NA ESCOLA REITOR ÀLVARO AUGUSTO CUNHA ROCHA - CAIC Área Temática: Cultura Sonia Aparecida Gomes dos

Leia mais

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA

REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA REPENSANDO O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA ESCOLA PÚBLICA: DA TEORIA À PRÁTICA MARIA ANDRÉIA SILVA LELES (UNEC- CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA). Resumo As variadas metodologias do ensino aprendizagem

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR (DIFFERENT METHODS OF TEACHING PHYSICAL EDUCATION SCHOOL) Camila Martins Ferreira; Andréia Cristina Metzner Centro Universitário UNIFAFIBE

Leia mais

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores.

Palavras chave: Interdisciplinaridade; Ciências da Natureza; Formação de professores; Concepções de professores. INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA: DIFICULDADES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO BÁSICA, DA REDE PÚBLICA BRASILEIRA, PARA A IMPLANTAÇÃO DESSAS PRÁTICAS. GIMENEZ DA SILVA AUGUSTO, THAÍS

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

POSSIBILIDADES DA GINÁSTICA GERAL NO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE MUZAMBINHO- MG

POSSIBILIDADES DA GINÁSTICA GERAL NO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE MUZAMBINHO- MG POSSIBILIDADES DA GINÁSTICA GERAL NO ENSINO FUNDAMENTAL NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE MUZAMBINHO- MG BIANCA TIBÚRCIO¹, FELIPE CÉSAR M. ROCHA², IEDA M. S. KAWASHITA³ IFSULDEMINAS Campus Muzambinho MG Brasil

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA Tamara Biasi Donadel 1 Eduarda Virginia Burckardt 2 Resumo: O ato de brincar está presente na história da humanidade, ficando exposto as modificações ocorridas

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Os caminhos para a formação de professores

Os caminhos para a formação de professores Os caminhos para a formação de professores Formar os professores é a principal função do coordenador pedagógico. Veja as melhores estratégias para cumprir essa missão Gustavo Heidrich (gustavo.oliveira@abril.com.br)

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES Autor(es) KELLY CRISTINA SILVA COTA Co-Autor(es) CAROLINE MANESCO

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Márcia Adriana Rosmann 1 Francieli da Veiga dos Santos 2 Palavras-chaves: Formação. Informação. Comunicação. Escola. A escola de Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ 1 EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Renise Bastos Farias Dias (UFAL) renisebastos@gmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa de campo, de análise quantitativa, realizada

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal.

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. André Jonatas Barbosa EMEF Gal. Júlio Marcondes Salgado Resumo Este trabalho tem por objetivo relatar

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVANÇANDO

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLETINDO SOBRE A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOCENTE Thais Messias MORAES; Humberto Luís de Deus INÁCIO Faculdade de Educação Física/UFG - thaismemo@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

Experimentação Esportiva

Experimentação Esportiva Experimentação Esportiva Aula 2 O Movimento e o Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar o desenvolvimento e o amadurecimento dos aspectos motores. 2 Relacionar os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Apresentação do Professor. Ludicidade. Pedagogia. Ementa. Contextualização. Teleaula 1

Apresentação do Professor. Ludicidade. Pedagogia. Ementa. Contextualização. Teleaula 1 Ludicidade Teleaula 1 Prof. Me. Marcos Ruiz da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação do Professor Marcos Ruiz da Silva Graduado em Educação Física UEL Especialista em Educação

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Ministro da Educação Fernando Haddad. Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário Executivo José Henrique Paim Fernandes Secretária de Educação Especial Claudia Pereira Dutra MINISTÉRIO

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA

EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA EM RITMO DE TABUADA: A MIDIA MUSICAL COMO ESTRATÉGIA PARA ENVOLVER ESTUDANTES À ESCOLA E AO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA Marisa Aguetoni Fontes, Universidade de Lisboa / Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador

O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador Luciane de Fatima Bertini Cármen Lúcia Brancaglion Passos Introdução A formação dos professores para

Leia mais