Dados Internacionais de Catalogação na Publicação CIP Roberta Amaral Sertório Gravina, CRB-8/9167. Terracota Editora. 241 p. ; 14x21cm.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados Internacionais de Catalogação na Publicação CIP Roberta Amaral Sertório Gravina, CRB-8/9167. Terracota Editora. 241 p. ; 14x21cm."

Transcrição

1

2 copyright 2014 Carlos Augusto Baptista de Andrade, Guaraciba Micheletti, organização Todos os direitos autorais dos textos publicados neste livro estão reservados aos autores e foram cedidos para uso da Editora Terracota Ltda., exclusivamente para a publicação desta obra. E o conteúdo desses textos é de inteira responsabilidade de seus autores. Capa Sonia Sueli Berti-Santos Diagramação Ricardo Silva Revisão Metodológica Editor responsável Claudio Brites Conselho Editorial Ana Lúcia Tinoco Cabral (UNICSUL-Br) Anna Christina Bentes (UNICAMP-Br) Armando Jorge Lopes Univ. Eduardo Mondlane Moçambique Benjamim Corte-Real Univ. Nacional de Timor-Leste Timor-Leste Cláudia Maria de Vasconcellos (USP-Br) Guaraciaba Micheletti (UNICSUL/USP-Br) Maria da Graça Lisboa Castro Pinto (Univ. do Porto-Pt) Maria João Marçalo (Univ. de Évora-Pt) Maria Valiria Aderson de M. Vargas (USP e UNICSUL-Br) Moisés de Lemos Martins (Univ. do Minho Portugal) Sueli Cristina Marquesi (PUC/SP e UNICSUL-Br) Regima Helena Pires Brito (Univ. Mackenzie) Vanda Maria da Silva Elias (PUC/SP-Br) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação CIP Roberta Amaral Sertório Gravina, CRB-8/9167 C129 Cadernos de linguística: pesquisa em movimento: discurso, estilo e construção de sentidos / Carlos Augusto B. Andrade, Guaraciaba Micheletti (Orgs.). Volume 2 São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul; Terracota Editora, p. ; 14x21cm. ISBN: Linguística 2. Análise do discurso I. Micheletti, Guaraciaba II. Andrade, Carlos Augusto B. CDD 410 CDU 81 Todos os direitos desta edição reservados à Terracota Editora Avenida Lins de Vasconcelos, CEP São Paulo - SP - Tel. (11)

3 Carlos Augusto Baptista de Andrade Guaraciba Micheletti (Orgs.) Cadernos de Linguística: pesquisa em movimento Discurso, Estilo e Construção dos Sentidos volume 2 Terracota São Paulo

4

5 Sumário Apresentação 7 Parte 1 Sentido e expressividade no poema Notícia do sábado magro, de Lêdo Ivo 12 Luci Cleide Cardoso (Universidade Cruzeiro do Sul) As vozes ressonantes na poesia de Ferreira Gullar 37 Alessandra Ferreira Ignez e Thaís Cunha Pilôto Bitencourt (Universidade Cruzeiro do Sul) O fenômeno intertextual e os Cavaleiros do Apocalipse, de Adalgisa Nery 64 Mônica dos Santos França (Universidade Cruzeiro do Sul) Dialogismo na canção Cotidiano de Chico Buarque de Holanda 82 Elisabeth da Silva Lettra Lopes e Sonia Sueli Berti-Santos (Universidade Cruzeiro do Sul) Parte 2 A adaptação de Nelson Rodrigues literário para a linguagem audiovisual 105 Daniel De Thomaz (Universidade Presbiteriana Mackenzie) Relações dialógicas e a constituição de sentido entre textos literários, em oito trechos do primeiro capítulo, da primeira parte da obra A misteriosa chama da rainha Loana, de Umberto Eco 123 Elinaldo Soares de Sousa e Sonia Sueli Berti-Santos (Universidade Cruzeiro do Sul) Variação, situacionalidade e intencionalidade no gibi Chico Bento 145 Arlete Mascarenhas dos Santos e Manoel Francisco Guaranha (Universidade Cruzeiro do Sul) O dialogismo existente no enunciado verbo-visual acerca da denúncia de racismo na obra de Monteiro Lobato 161

6 Vania Maria Medeiros de Fazio Aguiar (Universidade de Taubaté) A responsabilidade enunciativa nas telenovelas 183 João de Oliveira (Universidade de Taubaté) Discurso publicitário: dialogismo e verbo-visualidade em propaganda do sabonete Lux 200 Sandra Maria Silva de Medeiros (Universidade Cruzeiro do Sul) Sobre os organizadores 234 Sobre os autores 235

7 Apresentação Como o título da coleção indica: Cadernos de Linguística: pesquisa em movimento, trata-se da divulgação de trabalhos de docentes e discentes que se dedicam à pesquisa. Neste número II, Discurso, estilo e construção de sentidos, os artigos tratam basicamente de textos que abordam produções relacionadas direta ou indiretamente a áreas artísticas. Na primeira parte agrupamos composições que se voltam à esfera literária; na segunda, estão os textos que se constroem a partir das linguagens verbal e visual. Sempre que se pretende fazer a apresentação de livro constituído por uma coletânea nos defrontamos com o como fazê-lo de modo orgânico e que o leitor possa, num primeiro momento, ter ideia do que lhe poderá trazer a leitura. Sem dúvida, trata-se de um gênero espinhoso. Por mais que se pretenda ser preciso e, ao mesmo tempo, botar água na boca do leitor, fica-se devendo alguma coisa. Parece-nos que, ainda, não se encontrou uma receita mais adequada e, enquanto isso não acontece, vamos à descrição que se mostra o caminho tradicional e mais seguro. Compõem a primeira parte quatro textos que analisam poemas sob uma perspectiva dos estudos estilístico-discursivos, ou seja, buscam seu instrumento de análise nas categorias focalizadas pela estilística tradicional, a estilística do enunciado, mas voltam-se também para uma estilística da enunciação. Em Sentido e expressividade no poema Notícia do sábado magro, de Lêdo Ivo, Luci Cleide Cardoso salienta a harmoniza- 7

8 ção entre os níveis sonoro, sintático e semântico, que constroem uma teia por meio da qual é possível surpreender as inquietações de um eu lírico e do enunciador empírico que, ao refletir sobre a existência, preconiza o viver intensamente o presente. A autora nota, ainda, que o poeta vale-se de um procedimento muito utilizado por autores modernos e contemporâneos, a intertextualidade, trazendo, neste poema, um forte diálogo com a Bíblia. A heterogeneidade discursiva, que diz respeito a um fenômeno da linguagem relativo à inscrição do outro no dizer de um enunciador, pode evidenciar-se no discurso por meio de traços linguísticos de forma marcada ou não marcada. Assim, Alessandra Ferreira Ignez e Thaís Cunha Pilôto Bitencourt apontam como em Muitas vozes, de Ferreira Gullar, a heterogeneidade é evidenciada no discurso por meio de algumas escolhas linguísticas operadas por aquele que enuncia. Nesse poema, o eu manifesto traz na essência de seu discurso o fazer poético, que em sua concepção é um arrastar de vozes em alarido, revelando por meio da metalinguagem no plano enunciativo a pluralidade de vozes presentes na tessitura poética. Em O fenômeno intertextual e os Cavaleiros do Apocalipse, de Adalgisa Nery, Mônica dos Santos França traz a obra de autora pouco estudada e menos ainda conhecida pelos brasileiros. O poema escolhido para este trabalho (parte da dissertação de Mestrado da autora) mostra como o tema da destruição, recorrente na poesia de Nery, se desenvolve a partir de uma relação com o Apocalipse bíblico. França focaliza a analogia com os quatro eventos que se encontram em os Cavaleiros do Apocalipse e aponta, também, a necessidade de um leitor atento e cúmplice para a constituição dos sentidos que emanam do poema. 8

9 Já em Dialogismo na canção Cotidiano de Chico Buarque de Holanda, Elisabeth da Silva Lettra Lopes e Sonia Sueli Berti-Santos procuram esmiuçar campos semânticos, descrever e analisar marcas e articulações enunciativas que caracterizam o(s) discurso(s) e dão indícios de sua heterogeneidade constitutiva, assim como, a dos sujeitos aí instalados. E, também, ultrapassando a necessária análise dessa materialidade linguística, identificam o gênero a que pertencem os textos e os gêneros discursivos que nele se articulam. Buscam, seguindo uma das características de uma teoria/análise dialógica do discurso, não aplicar conceitos a fim de compreender como os discursos revelam a forma de produção de sentido de um determinado discurso, a partir do ponto de vista dialógico. Na segunda parte, temos seis textos em que se faz presente o diálogo entre a linguagem verbal e a visual. Talvez, melhor referência seja mencionar que se trata de composições em que, de um modo ou de outro, as duas linguagens são tratadas em paralelo como no caso da adaptação ou se associam para a composição de um todo significativo. Daniel De Thomaz focaliza A adaptação de Nelson Rodrigues literário para a linguagem audiovisual, propondo identificar as mutações presentes na passagem do texto literário ao fílmico e ao televisual. O autor salienta que, muitas vezes, a essência é mantida, mas aspectos do texto de partida, tais como aqueles que sofreram deslocamentos de tempo e espaço ou apropriação ideológica, são alterados de forma significativa, constituindo assim, senão uma coautoria, uma nova obra, independente e original nascida dessa relação intertextual entre livro e filme. E, é com esse olhar que analisa a adaptação da obra de Nelson Rodrigues. As Relações dialógicas e a constituição de sentido entre tex- 9

10 tos literários, em oito trechos do primeiro capítulo, da primeira parte da obra A misteriosa chama da rainha Loana, de Umberto Eco são o objeto de reflexão de Elinaldo Soares de Sousa e Sonia Sueli Berti-Santos. Nesse estudo, os autores investigam, nos recortes de A misteriosa chama da rainha Loana, de Umberto Eco, as relações dialógicas existentes entre textos literários, buscando estabelecer os sentidos emprestados ao enunciado. Arlete Mascarenhas dos Santos e Manoel Francisco Guaranha realizam uma análise da primeira história em quadrinhos de Maurício de Souza dedicada ao personagem Chico Bento. Na análise, os autores apontam como aspectos da fala das personagens contribuem para construir o contexto situacional da enunciação e para revelar a intencionalidade do quadrinista de produzir um ethos do modo de ser caipira com o qual tanto o público rural quanto o urbano se identificam. Ao traçar um percurso de leitura que vai do texto ao discurso, buscam contribuir para o desenvolvimento de estratégias de leitura crítica e mostrar como diferentes modos de falar devem ser vistos como diferentes modos de apreensão da realidade e não simples desvios da norma-padrão. As relações entre diferentes linguagens também é o tema de O dialogismo existente no enunciado verbo-visual acerca da denúncia de racismo na obra de Monteiro Lobato. Nesse estudo, focaliza-se Vania Maria Medeiros de Fazio Aguiar analisa uma charge de 12 de setembro de 2012 veiculada pelo jornal Folha de S.Paulo, referente à denúncia da existência de palavras que remetem ao racismo no livro Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, publicado em 1933, observando, por meio da materialidade verbo-visual, o tom crítico do discurso, envolvendo o leitor presumido e o contexto sócio-histórico. João de Oliveira trata de A responsabilidade enunciativa nas 10

11 telenovelas. O autor parte de uma reflexão sobre o poder discursivo presente nessas narrativas e, a seguir, aborda questões relativas à responsabilidade enunciativa, observando as vozes que se presentificam no processo de constituição desse gênero. Oliveira busca, também, frente à enunciação coletiva que compõe esse produto cultural midiático, estabelecer paralelos entre algumas características que compõem o gênero. Por fim, em Discurso publicitário: dialogismo e verbo-visualidade em propaganda do sabonete Lux, Sandra Maria Silva de Medeiros analisa uma propaganda do sabonete Lux de Luxo, de 1973, observando sua materialidade linguística e visual e as relações dialógicas que se estabelecem para cumprir seu papel de convencimento do enunciatário. Consideramos que o papel desta coleção é apresentar o resultado de estudos que vêm se desenvolvendo no âmbito mais amplo da Linguística, mas, especialmente, aqueles que focalizam a estrutura dos discursos sob diversos pontos de vista. Assim, neste número apresentamos artigos que se detêm no estilo e na construção do sentido de textos com vieses artísticos, sejam eles literários ou não. Guaraciaba Micheletti Carlos Andrade Dezembro de

12 Sentido e expressividade no poema Notícia do sábado magro, de Lêdo Ivo Luci Cleide Cardoso Introdução Neste trabalho, analisamos o poema Notícia do sábado magro, do escritor Lêdo Ivo, nascido na cidade de Maceió, conhecido como o mais prolífico e versátil de sua geração (VILLAÇA, 1976) a geração de 45 período em que se destacaram outros autores de expressão como: Guimarães Rosa, João Cabral de Melo Neto, Ferreira Gullar, Clarice Lispector, dentre outros. A geração de 45 é reconhecida pela renovação de valores estéticos e por voltar-se para o reconhecimento da importância da palavra escrita e a releitura dos costumes regionalistas, além do desenvolvimento de traços formalizantes, sem deixar de expressar as questões políticas, as contradições internas do homem e os problemas sociais (CANDIDO, 1998). A tradição literária alinha-se ao contexto e à linguagem poética daquele momento. Com relação à linguagem poética de Lêdo Ivo, pela fertilidade de expressão e por seus abundantes jogos metafóricos, muitos críticos relacionam alguns de seus poemas ao surrealismo, 1 uma visão limitadora dos autores que empregam a tradi- 1 As características deste estilo: uma combinação do representativo, do abstrato, do irreal e do inconsciente. Entre muitas das suas metodologias estão a colagem e a escrita automática. Segundo os surrealistas, a arte deve libertar-se das exigências da lógica e da razão e ir além da consciência cotidiana, procurando expressar o mundo do inconsciente e dos sonhos. A escrita automática procura buscar o impulso criativo artístico através do acaso e do fluxo de consciência 12

13 ção da imagem. 2 Segundo Assis Brasil (2007, p. 146), as melhores ponderações sobre as obras de Lêdo Ivo falam em belezas desconhecidas e no enriquecimento de nossa língua, mas não ressaltam supostas representações do inconsciente ou uma escrita desprovida de planejamento. As constâncias que permitem atribuir maiores contornos ao estilo desse autor estão relacionadas ao eixo temático: a mulher ; o mítico ; a vida e a morte e o espaço essas também são palavras recorrentes no poema do autor. Segundo Baudelaire, para adivinhar a alma de um poeta [...] procuremos em suas obras qual é a palavra ou quais são as palavras que nelas figuram com maior frequência (apud BRASIL, 2007, p. 153). Certos elementos linguísticos são empregados de modo reiterado nesse poema, constituindo-se marcas e impressões inconfundíveis aos olhos do leitor. Percebe-se um enunciador que centraliza a enunciação em si mesmo, ou seja, é a sua concepção de mundo que está privilegiada no texto. A relação com o tu e o ele aquele de quem se fala bem como, com o tempo e o espaço discursivo é determinada na dependência do eu. As abstrações de tempo e espaço relacionam-se à constante preocupação do enunciador com o decorrer da vida e a busca por algo que possa dar sentido à existência. O único tu presente nesse texto é a mulher, inserida na enunciação por meio de processo metonímico e figuras metafóricas, ela é marcada de maneira implícita. Focalizamos uma estilística do enunciado, os elementos bádespejado sobre a obra. Procura-se escrever no momento, sem planejamento, de preferência como uma atividade coletiva que vai se completando (BRETON, 2001). 2 T. E. Hulme dizia que a poesia, lançando mão de imagens e de metáforas teria maiores possibilidades de exprimir o que realmente se desejava por parte do autor. Para os poetas imagistas, a poesia associada fortemente à imagem e aos recursos metafóricos teria uma abrangência de sentido muito maior do que a poesia limitada ao recurso vocabular. A metáfora produz também uma imagem (fonte: unl.pt/invest/edtl/verbetes/i/imagismo.htm, acesso em: 22 ago. 2014). 13

14 sicos de um estilo encontram-se primordialmente nos estratos lexicais e sintáticos, por isso, em nossa análise, eles terão maior relevo, ainda que os associemos, por vezes, a um estrato sonoro. É por meio da estilística que podemos observar o modo como certas escolhas linguísticas atribuem emotividade e expressividade a um enunciado. E mais, é a Estilística Estrutural que permite, em contexto, atribuir valor expressivo a determinado enunciado desprendendo-o de questões ideológicas relacionadas ao autor. Desenvolvemos, então, a análise do poema, baseados nos estudos de Martins (2008) e Riffaterre (1971). Também empreendemos outras obras voltadas para o estudo da poesia e da estilística, como: Goldstein (2003), Micheletti (2006, 2011, 2012), Câmara Júnior (1978) e Monteiro (1991). Optamos pela análise de Notícia do sábado magro tendo como norte teórico de nossa abordagem, inicialmente, Michael Riffaterre (1971) e Nilce Sant Anna Martins (2008). O objetivo é observar a maneira como certas estruturas linguísticas atribuem sentido e expressão ao poema. Optamos em analisar os níveis lexical e sintático, por vezes associados ao sonoro, para reconhecer traços próprios do enunciador. O estilo em função do contexto linguístico e do leitor Para Riffaterre (1971, p ) o estilo resulta da forma da mensagem alicerçada sobre alguns procedimentos decorrentes de uma convergência (paralelismo, colocação de elementos linguísticos equivalentes fônicos e semânticos em posições equivalentes), e outros decorrentes dum contraste de signos. 14

15 Os signos 3 possuem valor resultante de oposição e interação com outros signos, não existindo valor absoluto e por si só. É por meio do contexto 4 que atualizamos seu valor expressivo. Para tanto, Riffaterre (1971, p ) entende o estilo como um reforço (emphasis) expressivo, afetivo ou estético acrescentado à informação transmitida pela estrutura lingüística, sem alteração de sentido. [...] Vale dizer que a linguagem exprime e o estilo realça. Ponto também importante na obra de Riffaterre é o destaque dado ao leitor: é necessário que ele se sinta atraído pela leitura, com esse intuito, criam-se elementos imprevisíveis no texto, impedindo que o leitor preveja quaisquer traços importantes. A previsibilidade conduz a uma leitura superficial, enquanto o contrário requer maior atenção. O autor destaca a importância do leitor da mesma forma que o coenunciador na análise do discurso. O estudo do estilo é definido em função do leitor, entretando, vale ressaltar novamente que, o julgamento do leitor é provocado por estímulos presentes no texto. São os elementos marcados que permitem ao leitor reconhecer um estilo e limitar a liberdade de atribuição de significados. Como podemos observar, os estudos estilísticos voltam-se para a compreensão e interpretação de um texto por meio do material linguístico, o que não significa que o analista desconsidere as questões ideológicas, pelo contrário, elas estão inseridas 3 Segundo Benveniste (1988): elemento primordial do sistema linguístico, constituído por um significante e um significado cuja ligação deve ser reconhecida como necessária, sendo esses dois componentes consubstanciais em com o outro. 4 O autor distingue dois tipos de contexto interior e exterior do processo estilístico: o microcontexto, que é formado pelos elementos não marcados no texto. E o macrocontexto, que precede o processo estilístico e é exterior a ele. É o responsável por reforçar o efeito estilístico do processo, bem como equilibrar os efeitos de contraste, restabelecendo o nível do contexto como um todo. 15

16 em todo discurso. Um texto está constantemente em diálogo com outros textos e os signos são flexíveis, interagem com o conhecimento do leitor e recebem novos valores de expressividade e afetividade. Nosso intuito não é o de limitar a investigação a uma única linha teórica, mesmo porque combiná-las amplia as possibilidades de compreensão e interpretação. A intenção é a de verificar alguns usos expressivos da linguagem no material gramatical utilizado na composição do texto, isso nos possibilitará reconhecer traços próprios e inconfundíveis do enunciador e, ainda, suas intencionalidades para com as pessoas, o tu, o ele aquele de quem se fala e o enunciatário, são essas características, juntas, que evidenciam o estilo do autor. O aspecto sonoro, lexical e frasal A estilística fônica ou fonoestilística que estabelece relação entre a sonoridade e a construção de sentido desperta geralmente no leitor, impressões e sensações relacionadas às figuras de som (aliteração, assonância, onomatopeia) e rimas. Corroborando com essa construção teórica, Nilce Sant Anna Martins (2008, p ) aduz: A fonoestilística trata dos valores expressivos de natureza sonora observáveis nas palavras e nos enunciados. [...] Além de permitir a oposição de duas palavras função distintiva a matéria fônica desempenha uma função expressiva que se deve a particularidades da articulação dos fonemas, às suas qualidades de timbre, altura, duração, intensidade. Os sons da língua como outros sons de seres podem provocar-nos uma sensação de agrado ou desagrado e ainda sugerir ideias, impressões. [...] Evidentemente, essas impressões e sugestões oferecidas pela matéria fônica são recebidas de maneira 16

17 diversa conforme as pessoas. São os artistas que trabalham com a palavra, poetas e atores, os que melhores apreendem o potencial de expressividade dos sons e que deles extraem um uso mais refinado. Quanto à estilística da palavra, dedica-se ao estudo dos aspectos expressivos do léxico relacionados aos seus elementos semânticos e morfológicos, esses, por sua vez, indissociáveis dos aspectos sintáticos e contextuais. São amplas as possibilidades de análise nesse segmento. Observam-se as palavras lexicais e gramaticais, o emprego de determinadas classes e os seus valores semânticos ligados à referencialidade e à figurativização promovida pelo usuário que a tornam plurissignificativa. O uso de metáforas, metonímias e de figuras tidas como figuras de pensamento como as de oposição, o emprego de sinônimos e antônimos, e a exploração de homonímia e polissemia criam notáveis campos significativos, organizando o sentido textual. Notamse os morfemas que a compõem e que, muitas vezes, criam combinações inusitadas, causadoras de um estranhamento para o leitor. As flexões constituem um campo fértil da expressividade, tanto em relação aos nomes como ao verbo. Este, em suas variações de modo-tempo, número-pessoa e mesmo na polivalência de suas formas nominais se prestam à descrição, registro e avaliação dos fatos mais diversos. Verificam-se os usos geográficos e histórico-sociais das palavras [...] Tudo isso num nível estrutural mais amplo que a frase (MICHELETTI, 2006, p. 25). Ressalta-se que os atos de fala são resultados da combinação de palavras segundo as normas da língua, apenas hipoteticamente se separa léxico e gramática e mesmo as palavras, com significado extralinguístico, só resultam em efeito de sentido no enunciado porque se compõem com outro elemento gramatical. Por fim, observamos com relação ao nível frasal a manifestação e organização do pensamento em unidades de sentido 17

18 maiores ou menores. Segundo Bally (apud FLORES, 2009, p. 126), a frase é a forma mais simples possível de manifestação do pensamento, e ele acrescenta: Pensar, explica o autor, é reagir ao mundo por constatação, apreciação ou vontade. Assim, a partir do uso de frases, o falante atualiza as estruturas formais da língua, enunciando julgamentos de fato, de valor e de vontade. A frase, ou o enunciado, é produto de uma intenção do falante, uma reação ao mundo tal como ele é percebido por esse sujeito. A frase é composta pelo dictum e pelo modus. O dictum corresponde à representação da parte intelectual do pensamento do falante, à parte formal do enunciado. O modus, por sua vez, é a parte mais essencial do enunciado, no qual a subjetividade do falante é explicitada. Quanto à organização do pensamento, podemos relacioná -la às frases inorgânicas e orgânicas. A primeira exige maior contribuição do leitor para atribuição de sentido, pois o pensamento não é transmitido de forma completa. Nas frases orgânicas são produzidas inúmeras expressões por meio de combinações variadas, desde períodos simples meramente justapostos para formação de estrofes, versos e parágrafos, os quais conduzem o leitor ao ritmo e a outros aspectos emocionais, até chegar à frase mais longa, que exige do autor uma postura mais reflexiva, com usos mais comuns de conectores e frases de períodos complexos. E, ainda, no interior das frases, é relevante investigar a ordem dos termos, pois tais posições demonstram a intencionalidade e o valor emocional que o autor quis transmitir por meio do enunciado. As pausas são outro elemento que merece abordagem, pois de sua combinação com a sonoridade determinase o ritmo e, por meio dos sinais gráficos, revelam-se sentidos precisos (exclamar, interrogar, interromper, declarar), sentidos esses mensurados pelo analista. 18

19 O estudo do poema que segue abarca todos os aspectos apontados. Partimos de suas estruturas, ou seja, de todas as marcas convergentes elencadas por Riffaterre, com o objetivo de demonstrar possíveis interpretações e, consequentemente, mostrar a expressividade. O autor combina os vários níveis sonoro, lexical, sintático e semântico para construir um poema repleto de movimento, imagens e plurissignificados, é o realce, mas também se constitui intencionalidade do enunciador para com o enunciatário, voltada para o convencimento sobre a importância de se viver intensamente o agora sem ater-se às coisas materiais, juntos, todos esses traços atribuem contornos próprios ao autor. O estilo no poema Notícia do sábado magro O título do poema é bastante expressivo. Sábado é, no calendário, o último dia da semana, dia de descanso e observância religiosa entre os judeus e algumas seitas cristãs. Magro, por outro lado, se refere ao que é pouco rendoso, diz-se do tempo ou dos dias, em que é proibido pela Igreja comer carne 5 (hoje é dia de magro). O sábado magro representa o sábado que antecipa o sábado gordo (é o sábado anterior à terça-feira de carnaval), é um dia abençoado, que antecede os dias de comemoração da festa pagã e suas penitências (quarta-feira de cinzas e sábado de aleluia). Por conseguinte, ainda temos a notícia, que é o informe simultâneo do sábado magro, descrição de um dia determinado, vivenciado pelo enunciador. Um dos traços que salta aos olhos numa primeira leitura é a sugestão que fica de um movimento espiralado que, se obser- 5 Fonte: acesso em: 3 out

20 vado mais de perto, nota-se ter origem no ritmo construído por versos em redondilha maior, com rimas toantes e consoantes, distribuídos em quartetos. Os aspectos fônicos em confluência com a sintaxe e a seleção de palavras constituem um texto conciso, com movimento pulsante por meio do qual o enunciador celebra a vida sem se esquecer da morte. Convida-se o enunciatário a viver o presente. Vejamos o poema: Bailemos todos, que a noite dura apenas um suspiro, e só temos um minuto para gastar nossas vidas. Bailemos. Benditos sejam cegos, loucos e mendigos, que, embora não bailem nunca, vão ganhar o Paraíso. Tudo agora se assemelha ao sonho de nossa infância: entre fanfarras e gritos, máscaras em negro e branco. No turbilhão dos bailantes, benditos sejam palhaços que não foram convidados para este sábado magro. E também sejam benditos as cartomantes e o mágicos. Bailemos todos, que a vida não passará deste sábado. No império do calafrio, benditos sejam os amantes, bêbedos e saltimbancos. E bendita seja a infância. Bailemos: a vida é breve. Cantemos: a saia é leve. Bebamos: é de cevada o sonho de nossa treva. Uma nova fantasia à luz purpúrea se talha. No escuro já se costura nossa futura mortalha (IVO, 1960, p. 77). As expressões bailemos e benditos sejam constituem o principal campo semântico do poema, que reiteradas em diferentes pontos, reforçam o convite feito ao enunciatário para integrarse ao movimento (da dança, da vida) e não pensar no amanhã (carpe diem). Popularmente, o bailado surgiu como uma dança realizada em festas organizadas em frente às igrejas católicas, isto é, era um momento especial que reunia a comunidade para celebra- 20

21 ção e comunhão. Por essa razão, sem qualquer coincidência, temos o esquema rítmico da redondilha maior, muito apreciado na composição de canções por poetas de todas as épocas por sua característica de ser memorável. Assim, dispõe-se do ritmo breve e cadenciado dos versos, aliado ao significado primeiro da palavra bailemos, o que nos permite imaginar a comunhão entre os homens. Ainda, por meio de bailemos e benditos sejam, o enunciador constitui duas situações discursivas. Na primeira, que se refere ao bailemos, evoca-se o enunciatário para, em comunhão com o enunciador, praticar a ação de dançar, isto é, viver o presente com intensidade, logo após, por meio de orações coordenadas explicativas (Bailemos todos [oração coordenada assindética], [porque] a noite/ dura apenas um suspiro,/ e [porque] só temos um minuto/ para gastar nossas vidas), o enunciador explica ao enunciatário porque bailar ou viver é tão imprescindível. Na segunda situação, Benditos Sejam, o enunciador se posiciona na condição de observador ou aquele que roga bênçãos a uma categoria de sujeitos (Benditos sejam/ cegos, loucos e mendigos,/ que, embora não bailem nunca,/ vão ganhar o Paraíso). Nota-se um eu parte do discurso, com presença marcada pela flexão verbal, e um enunciador que observa e descreve uma situação da qual não é parte, fala-se de alguém e não com um interlocutor. A primeira estrofe Bailemos todos, que a noite/ dura apenas um suspiro,/ e só temos um minuto/ para gastar nossas vidas é um único período, composto por quatro orações, distribuídas em quatro versos. Tal estrutura sintática impõe pouca suspensão de voz ao leitor e atribui ao enunciado um efeito lacônico, aliada a entoação constante, temos uma brevidade que corrobora para a importância do não desperdício do tempo. A 21

22 combinação de elementos no nível da palavra (suspiro/minuto/ vida) e da oração é determinante um para o outro e juntos corroboram para a construção do efeito de sentido. Nos versos enumerados de 1 a 4, observamos a assonância de /ô/; aliteração de /m/ e /n/; aliteração da sibilante /s/, sempre na primeira ou na última sílaba e aliteração das oclusivas /t/, /d/ e /p/, nas silabas tônicas. As combinações desses sons sugerem deslizares repetidos seguidos de pausas (batidas), pode-se supor algo muito próximo à dança em rodopios, em que os pés dos bailantes deslizam e pausam para acertar o movimento circular: Bailemos todos/ que a noite dura/ apenas um suspiro/e só temos um minuto/ para gastar nossas vidas, temos sons de sopros seguidos de oclusivos. A sensação do bailar é sempre provocada pela marca dos passos dos dançarinos e seu movimento repetido. A palavra suspiro significa uma respiração forte e prolongada e também remete a ideia de um som doce e melodioso, como o de certos instrumentos musicais, existe nesta palavra uma harmonia imitativa que reforça ainda mais a questão da dança. Nos versos de 5 a 8, os sons reforçam o aspecto semântico das palavras benditos (abençoado) e paraíso (vida eterna). As nasais /ē/ e /ã/ imprimem prolongamento ou duração e junto às sibilantes /s/ e /z/, sugerem o próprio transcorrer da vida. A rima toante Benditos e mendigos interna e rica, valoriza e atribui certo efeito musical lembra sons dos instrumentos musicais remetendo ao movimento de dança. Bailemos. Benditos sejam cegos, loucos e mendigos, que, embora não bailem nunca, 22

23 vão ganhar o Paraíso. A estrofe é composta por dois períodos, mas é o primeiro que exige uma pausa mais forte na voz, reforçando o sentido do verbo, Bailemos, no imperativo afirmativo. O enunciador faz um convite, não há o autoritarismo de um imperativo, posto o emprego da primeira pessoa do plural, nós, o que o inclui a ação, como alguém que compartilha com o enunciatário da mesma necessidade. Em Bailemos e Benditos sejam, há uma espécie de jogo, construído pelo poeta. Como já mencionamos, temos duas situações discursivas: a primeira é marcada pela presença do eu no enunciado; e na segunda há apenas a presença daqueles de quem se fala. O sujeito da enunciação parece estabelecer dois universos discursivos, um voltado para a ação que se deve praticar (vamos bailar), onde é necessário aproveitar a vida e não perder tempo; e o outro, é voltado para uma suposta salvação, existe uma categoria de sujeitos especiais, abençoados, que por tal condição, possivelmente, não precisam participar do bailado nunca, ou seja, já aproveitam cada minuto da vida intensamente. A expressão bailemos (nós e todos) é um convite à diversão, à comunhão entre os homens, enquanto benditos sejam (eles) palavras recorrentes no livro sagrado dos cristãos, a Bíblia, em Jó 1; 2 Coríntios e; 1 Pedro 1, sempre referindo-se à Santíssima Trindade lembram os excluídos dessa reunião pagã louco, palhaços, cegos, bêbado, mágicos, amantes, mendigo, cartomantes e saltimbancos razão que lhes garante entrada no paraíso, o reino dos céus. O enunciador seleciona uma categoria de sujeitos que não está limitada ou adequada ao tipo de vida social a que a maior 23

24 parte das pessoas está submetida. Todos são benditos por essa condição, de viver num mundo mais prazeroso, alegórico ou irreal, podemos perceber um tom de humor, irônico, por parte do enunciador, pois, esses benditos são desprendidos de questões sagradas, ao contrário, vivem de maneira mais livre ou menos regrada. Nesse benditos notamos, na verdade, certa leveza diante do inexorável. Assim, entre viver intensamente e resignar-se a uma vida inexpressiva, que lhe garantirá prazer apenas após a morte, o enunciador convida o enunciatário a viver o aqui e agora. É o pensamento do carpe diem que predomina no discurso: 24 carpe diem quam minimum credula postero (colha o dia, confia o mínimo no amanhã). Esta frase foi tirada de versos latinos do poeta Horácio, interessado no epicurismo e no estoicismo (nas suas Odes, I, 11, 8 A Leuconoe ). Ela resume o poema que a precede e no qual Horácio busca persuadir Leuconoe a aproveitar o momento presente e dele retirar todas as suas alegrias, sem se inquietar nem com o dia nem com a hora de sua morte. 6 O sábado magro antecede dias de comemoração, não há que se pensar em penitências, portanto, que se baile agora e se deixe o amanhã para depois, é o que o enunciador transmite em seus versos. Na terceira estrofe, versos de 9 a 12, verificamos uma fusão: entre o real e o irreal, Tudo agora se assemelha (parece, mas não é); entre o que se desejava antes e se tem agora, ou ainda, aquilo que se imaginava quando criança e se vê concretizado agora, ao sonho de nossa infância. Aqui, sonho, pode significar o que se sonha 7 enquanto dormimos, ou o que se deseja, nesse caso 6 Fonte: acesso em: 16 jun Associação de imagens, frequentemente desconexas ou confusas, que se formam no espírito da pessoa enquanto dorme (fonte: sonho, acesso em: 4 nov. 2014).

25 enquanto criança. Tudo agora se assemelha ao sonho de nossa infância: entre fanfarras e gritos, máscaras em negro e branco. Assim como no poema Janela sem traves, verificamos a duplicidade de sentidos permeando o discurso do enunciador. O enunciado disposto após os dois pontos, versos 11 e 12, pode corresponder a algo meramente imaginativo, ligado ao sonho, ou pode designar o que se presencia no momento da enunciação, relacionando-se a Tudo agora. Os vocábulos opostos: tudo agora x sonho; fanfarras x gritos; negro x branco, também reforçam a afirmação anterior sobre estarmos diante de um sujeito ambíguo. Máscaras em negro e branco possui sentido duplo. A máscara pode corresponder ao artefato para disfarce (neste caso imaginamos um pierrô), ou a aparência enganosa que, associada às cores triste (negro) ou inocente e pura (branco) estabelece relações entre pessoas que demonstram estar felizes, mas, em seu interior carregam tristeza, e aquelas que apresentam uma feição triste, todavia, estão felizes ou em paz consigo mesmas. Como a própria personagem de carnaval pierrô (palhaço x triste), entre uma coisa e outra nem todos são o que aparentam. O enunciador refere-se ao momento presente como o propício para se viver com alegria, assim como imaginávamos na infância, ademais, nada é real, tudo pode ser ilusório e incerto. A prevalência dos sons nasais /m/, /n/ e /ã/ e a aliteração da sibilante /s/ (Tudo agora se assemelha/ ao sonho de nossa infância:/ entre fanfarras e gritos,/ máscaras em negro e branco) - corrobora para esse aspecto velado, que sugere algo 25

26 distante e não muito claro, dominante nessa estrofe (assemelha/ sonho/ infância/ fanfarras/ mascaras/ branco). Os dois pontos (entoação descendente), impõem uma quebra, que somada à aliteração da constritiva /R/, predominante nos dois versos finais, voltam a harmonizar a estrofe com as anteriores, por sugerir impacto de algo duro, sólido, todavia solto, o que correspondente ao movimento dos pés dos bailantes aliado aos instrumentos musicais. Nos versos 13, 14, 15 e 16, reproduzem-se sons de batidas, marcadas por meio das oclusivas /t/, /p/, /b/ e /d/; duradouros, por intermédio das nasais; e contínuos ou fechados, ocasionados pela vogal /ô/ (turbilhão/ dos / bailantes / benditos / palhaços / convidados / para / este / sábado), temos a continuidade da dança, notando-se a confluência entre o nível da palavra, da sintaxe e do som. Ainda nesse trecho, existe semelhança entre o movimento que tais fonemas impõem a essa estrofe (espiralado) e o próprio significado etimológico da palavra turbilhão: vento impetuoso que sopra redemoinhando (CUNHA, 2010), Martins (2008, p. 47) descreve essa relação como transferência sonora: ocorre pela sugestão de impressões sensoriais não auditivas através de sons linguísticos. Associado a dança, temos o mesmo movimento circular e repetido: No turbilhão dos bailantes, benditos sejam palhaços que não foram convidados para este sábado magro. Destaca-se nessa estrofe a palavra palhaços. É possível pensá-lo no poema não apenas como se referindo a um cômico que diverte, mas, naquela pessoa que faz disparates (bobo) ou 26

27 que não merece consideração, um ser depreciado. A ausência do artigo (os) atribui generalidade a estas pessoas. Todos são abençoados, mas a nenhum se fez o convite para participar do sábado magro (dia de comemoração que antecede o carnaval). Pensando neste dia e na ocasião, seria pertinente a presença de palhaços entre a dança dos bailantes? Palhaços entretêm o público, todos se voltam à presença deles, na dança há comunhão entre pares ou grupo. Na quinta estrofe, versos 17 a 20, nota-se primeiro a inversão sintática sejam benditos ao invés de benditos sejam, já regularmente empregado, há uma quebra de expectativa. Com a posição do adjetivo, valoriza-se na verdade, a ideia de que, também, mágicos e cartomantes merecem ser abençoados, como os demais sujeitos. Ao iniciar o período com E, maiúsculo, temos mais um efeito, que é a alta intensidade afetiva, com valor similar ao das interjeições. E também sejam benditos as cartomantes e o mágicos. Bailemos todos, que a vida não passará deste sábado. Cartomantes e mágicos integram o grupo de pessoas não convencionais enumeradas pelo enunciador. Ambos têm como singularidade revelar aquilo que está oculto. São pessoas sensitivas, aliás, esta é a relação comum entre todos os sujeitos enumerados pelo enunciador, louco, palhaços, cegos, bêbado, mágicos, amantes, mendigo, cartomantes e saltimbancos, estão à margem das convenções sociais, podem buscar e alcançar tudo o que lhes proporcionar satisfação, prazer ou liberdade (um mundo de sensações). Existem relações entre os versos 1/2/3/4 e 19/20. O parale- 27

28 lismo sintático entre os versos 1 e 19 (Bailemos todos, que a noite / Bailemos todos, que a vida), ressalta a importância do convite do enunciador. Noite e vida se combinam enquanto espaços de tempo, noite é a ausência de luz entre o crepúsculo da tarde e o da manhã e vida é o tempo que decorre entre o nascimento e a morte. Os limites temporais são curtos para aproveitar a existência, portanto, viva-se o momento, este sábado. Não é possível desprezar o pensamento do carpe diem que se infere do poema. Bailemos todos, que a noite dura apenas um suspiro, e só temos um minuto para gastar nossas vidas. Bailemos todos, que a vida não passará deste sábado. A vírgula, no verso 2, antes do e, encadeado no verso seguinte, coordena orações de sujeitos diferentes: o todos, empregado nos versos 1 e 19, é diferente de nós que conjuga o verbo temos (no verso 3) e representa a união de um eu a outra pessoa do discurso, sugere-se a presença de um tu. Nossas, no feminino, designa: o ato de possuir algo pelas pessoas que falam 8, neste caso, se refere a um eu acrescido de alguém. Com efeito, temos a vida de todos, que dura um suspiro e não passará deste sábado, e temos vidas do eu com a outra pessoa, que só tem um minuto para serem gastas juntas, é possível inferir que se trata da vida do enunciador com alguém do sexo feminino, a amada. Temos a sugestão de um tu, talvez feminino, marcado pela escolha pronominal. Pensamos na mulher porque existe uma relação semântica entre os versos 3/4, 10, 27/28 e 31/32 aliada a um processo metonímico no verso 26: 8 Fonte: acesso em: 5 nov

29 3. e só temos um minuto 4. para gastar nossas vidas. ao sonho de nossa infância: Cantemos: a saia é leve. Bebamos: é de cevada o sonho de nossa treva. No escuro já se costura nossa futura mortalha. Observamos a palavra todos, como referência a sujeitos não específicos e não discriminados (comunhão universal), por outro lado, temos um eu somado a outro(s), com quem se compartilha uma vida em comum. O verso 26 permite pressupor um outro, mulher, em metonímia: cantemos porque a saia é leve - a parte, a saia, representa o todo, a mulher. O artigo definido a também é importante, pois agrega especificidade e determina o gênero, feminino, não é qualquer saia, é a saia, acessório feminino, da mulher. Na sexta estrofe, percebemos elementos que sugerem movimentos corpóreos sensoriais: contração da pele e músculos + embriaguez + a exibição de si mesmo: No império do calafrio (contrações)/ benditos sejam os amantes (pessoas que se amam)/ bêbados (que se embriagam por prazer) e saltimbancos (que se exibem por satisfação). Temos uma referência ao sexo a algo físico e sensorial. O enunciador também faz alusão à inocência: E bendita seja a infância, mais uma vez, emprega-se o E no início do período causando ao verso um efeito próximo ao da interjeição, exprime-se algo relacionado ao sentimento, uma condição passada é retomada. Na infância a satisfação se configura de modo inocente, no presente o prazer está relacionado ao sexo e aos sentidos. Nos versos 25 a 28 destacamos a entoação empreendida pelo enunciador. Com a utilização dos dois pontos ao invés da conjunção explicativa porque tem-se, além do efeito conci- 29

30 são, uma sensível suspensão de voz na melodia da frase não concluída (CUNHA, 1990, p. 602) para, após, anunciar uma consequência do que foi dito. Repare-se que essa suspensão de voz produz uma quebra e conduz a um efeito de atenção, reflexão. O enunciatário pode ponderar sobre a relevância de cada ação, voltada ao convite, enumerada nos versos Bailemos:/ Cantemos:/Bebamos: 25. Bailemos: a vida é breve. 26. Cantemos: a saia é leve. 27. Bebamos: é de cevada 28. o sonho de nossa treva. Há uma mudança na assonância, de /a/ predominante nos versos anteriores para /e/ e /é/, que destacam os sons oclusivos e constritivos de /b/, /t/, /d/ e /l/, aliada às rimas consoantes e toantes, causam a sensação de alerta, atenção. Existem, ainda, certa estridência e pausas fortes, essas ocasionadas não só pelas oclusivas tônicas, mas também pelos pontos finais. Isso se coaduna com o nível sintático da estrofe, que substitui a conjunção pela entoação melódica dos dois pontos. Nível fônico e nível sintático rompem o movimento espiralado dos versos anteriores, pondo em relevo algo semelhante a um staccato. Em sonho de nossa treva, imaginamos o fim do dia, do sábado magro, com a chegada do anoitecer ou da semana santa que acaba ao aparecer da aleluia. 9 Mas, além disso, existe a ligação do sonho com outra dimensão, não consciente, que somada à treva intensifica o sentido de morte, finitude da vida. Existe uma ligação paradigmática, um jogo, entre os versos a vida é breve e a saia é leve, em cruz, podemos estabelecer 9 Fonte: acesso em: 6 nov

31 relações sintáticas entre vida e leve, bem como, entre saia e breve. Esse cruzamento reforça o pensamento do carpe diem e o próprio convite, na medida em que a saia (roda, dança, prazer) pode relacionar-se à vida. Nos versos finais, vida e morte coexistem, essa estrofe se assemelha a chamada chave de ouro do soneto, porque ocorre uma espécie de fechamento, mais uma vez, a seleção de palavras (purpúrea, escuro e mortalha) sugere impressões sensoriais relacionadas, especialmente, com a visão, são cores e formas, que remetem às cerimônias fúnebres: 29. Uma nova fantasia 30. à luz purpúrea se talha. 31. No escuro já se costura 32. nossa futura mortalha. Além da rima consoante interna (costura/futura) e da rima consoante externa (talha, mortalha), ambas ricas, temos a assonância de /u/, que aliada à aliteração da vibrante /R/, das oclusivas /p/, /t/ e da labiodental /f/, sugerem a ideia de pancadas e fechamento, de morte, Há um movimento, um deslizar, associado à tristeza. A mesma relação paradigmática, dos versos 25 e 26, pode ser percebida na última estrofe do poema, entre os versos Uma nova fantasia e nossa futura mortalha, bem como em à luz purpúrea se talha e No escuro já se costura. A fantasia, no sentido de obra de arte, pode ser talhada. A mortalha possui dupla conotação, relacionada à fantasia de carnaval e a evento fúnebre, à morte. Entretanto, pensando no fim reservado a todo homem, talhar a fantasia pode referir-se a obra que precede o enterro: o caixão ou túmulo. Sob essa dualidade semântica das palavras fantasia, talha, costura e mortalha, aliadas às cores e 31

32 tons, purpúrea e escuro, o enunciador constrói um efeito bastante impactante, a vida e a morte fluem juntas. O poema inteiro é construído por meio de quebras, o enjambement é um recurso bastante explorado e faz com que o sentido de cada verso se complete no verso seguinte, encadeando-os sintaticamente. Essa quebra alia-se ao nível semântico, às palavras que acentuam o ritmo sugestivo do bailado, além de gerar jogos que possibilitam duplos sentidos. O enunciador informa simultaneamente o que vê no sábado magro, e de forma subjetiva, explora a questão da finitude da existência humana, expondo a importância de se experimentar intensamente tudo que a vida pode oferecer sem pensar no amanhã colha o dia, confia o mínimo no amanhã. Por fim, verificamos um poema que privilegia a comunhão, por meio do convite direcionado ao enunciatário. O enunciador constrói um discurso voltado para suas experiências, se incluindo como sujeito da enunciação por intermédio de um eu eloquente e sensitivo. O tu está implícito, e é a questão sensorial que interliga todos os estratos. Considerações finais Em Notícia do sábado magro existem duas situações discursivas, numa o enunciador faz um convite ao enunciatário para viver a vida com intensidade sem pensar no amanhã e na outra, com uma ponta de ironia, ele descreve um grupo de pessoas que sabem viver intensamente. O paralelismo sintático é retomado para ressaltar o convite feito ao enunciatário, mas, o movimento é mais importante, pois representa o aspecto espiralado da dança que se assemelha ao fluir da vida. A relação 32

33 com o tu é construída de modo metafórico. O enunciador busca por algo, quer o prazer físico ou espiritual, valorizado pela comunhão e pelo pensamento do carpe diem. Percebe-se um estilo lacônico e paratático, valorizado pelo emprego do enjambement e de justaposições de versos. Nota-se, ainda, a combinação de frases curtas com a forma clássica quarteto, redondilha, rimas toantes e consoantes sintonizadas à experiência dinâmica e ao ritmo de vida do homem moderno. Há uma harmonização do nível sonoro com o nível sintático e semântico, pois, se por um lado é preciso ser prático para transmitir a mensagem, por outra tal mensagem precisa ser valiosa, reflexiva, profunda. Em suma, quando se deduz que o tempo é precioso, na verdade, o enunciador está sugerindo que se deve viver com mais intensidade e prazer, buscar sentido à vida cuja única certeza é a morte. Apura-se um enunciador que dispõe das estruturas linguísticas para criar um universo próprio, voltado para suas concepções e inquietações. O que fica é um estilo marcado por uma linguagem altamente figurada povoada por metáforas e metonímias por frases breves entrecortadas nos versos pelo uso frequente do enjambement, por uma revisitação aos clássicos da literatura ocidental. A intertextualidade com o texto sagrado da mitologia cristã (a Bíblia) também se faz presente para ressaltar a comunhão, o convite que é feito ao enunciatário para viver intensamente de maneira simples, como o fazem os cegos, os loucos, os mendigos, os mágicos, as cartomantes, os amantes, os saltimbancos... a maneira de experimentar a realidade é voltada para aspectos emocionais, propiciados pelo modo particular como cada um sente a realidade à sua volta sem apegar-se a coisas materiais e 33

34 convenções do mundo moderno. Referências ALMEIDA, Leda Maria de. Entrevista: sou um poeta geográfico. In: Labirinto de águas: imagens literárias e biográficas de Lêdo Ivo. Maceió, AL: Edições Catavento, ARISTÓTELES. Arte poética. São Paulo: Martin Claret, BENVENISTE, Emile. Problemas de Linguística geral II. Campinas, SP: Pontes, Problemas de Linguística geral I. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, BRASIL, Assis. A trajetória poética de Lêdo Ivo. Rio de Janeiro: Topbooks, BRETON, André. Manifestos do surrealismo. Rio de Janeiro: Nau, CÂMARA JÚNIOR, Joaquim Mattoso. Contribuição à estilística portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, CAMPOS, Haroldo de. Poética sincrônica; O samurai e o kakemono; Diacronia e sincronia. In: A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, CANDIDO, Antonio. Iniciação à literatura brasileira. 2. ed. São Paulo: Humanitas: FFLCH/USP, Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Nacional, CHARAUDEAU, Patrick. Dicionário de Análise do Discurso. Trad. Fabiana Komesu. 3. ed. São Paulo: Contexto,

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM

Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM Exercícios Questões Inéditas Modelo ENEM 1. Psicologia de um vencido Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, A influência má dos signos

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa Leia as questões da prova e, em seguida, responda-as preenchendo os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). Texto 1 Januária 08 Toda gente homenageia Januária na janela Até o mar faz maré cheia Pra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Língua Portuguesa RESOLUÇÃO

Língua Portuguesa RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO/2009 CADERNO 2 Respostas da 2. a Fase Língua Portuguesa RESOLUÇÃO FGVS-2.ªFase/2.ºCad-Língua Portuguesa-Resolução-manhã 2 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto para responder às questões de

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO?

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? Fábia da Silva de Oliveira Educadora do Ensino Fundamental I na Escola La Salle, Águas Claras/DF, Pedagoga com

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Antonio Manzatto J. Décio Passos José Flávio Monnerat. a força dos pequenos. teologia do Espírito Santo

Antonio Manzatto J. Décio Passos José Flávio Monnerat. a força dos pequenos. teologia do Espírito Santo Antonio Manzatto J. Décio Passos José Flávio Monnerat a força dos pequenos teologia do Espírito Santo Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

Barroco Simbolismo Cruz e Souza Modernismo 2ª fase Cecília Meireles Drummond

Barroco Simbolismo Cruz e Souza Modernismo 2ª fase Cecília Meireles Drummond O CÓDIGO DAS ÁGUAS Lindolf Bell, Timbó, 1938 Gênero: Poesia lírica 34 poemas, divididos em cinco partes: Poemas, Desterro, Minifúndio, Poema do Andarilho, Poemas Finais Publicação 1984 Literatura Catarinense

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO PROVA COMENTADA PELOS 1 Lya Luft apresenta, no 1º parágrafo do texto, sua tese acerca do que venha a ser o posicionamento ideal da família:...família deveria ser careta., i.e., humana, aberta, atenta,

Leia mais

1. De que modo a imagem coopera na. 2. O texto Pruébala durante um mês. Si

1. De que modo a imagem coopera na. 2. O texto Pruébala durante um mês. Si o 6 o e 7 a n os n o ve mb r o/ 20 4 desenvolva... pense... pratique... 10 Observe a imagem e recorra a seus estudos de espanhol para responder às questões 1 e 2. Pruébala durante um mês Si no te convence,

Leia mais