2 N8 - Setembro Cadernos link - Entrevista. Fotografia: Alfredo Rocha

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 N8 - Setembro 2006. Cadernos link - Entrevista. Fotografia: Alfredo Rocha"

Transcrição

1 Para José Alves Marques, é fundamental que as empresas que enveredarem pela implementação de sistemas de cartões inteligentes para os seus clientes definam uma arquitectura aberta e coerente e evitem os sistemas proprietários, reduzindo assim o investimento e maximizando o uso do sistema. 2 N8 - Setembro 2006 Cadernos link - Entrevista Fotografia: Alfredo Rocha

2 Smart Cards Uma visão adequada dos processos negócio alicerçada numa Arquitectura Empresarial e num profundo conhecimento da engenharia de interoperação são o segredo do sucesso de um projecto de Smart Cards. Entrevista a José Alves Marques O s Smart Cards são um dos mais sérios candidatos à dinamização de áreas tão diversas como os pagamentos, transportes, a mobilidade e o turismo. À medida que vão surgindo casos de sucesso dentro e fora de Portugal, o seu papel na sociedade assume cada vez mais importância. Em entrevista, José Alves Marques, Presidente do Conselho de Administração da link consulting, fala-nos sobre o conceito e os objectivos desta tecnologia, e sobre o papel de evangelização e dinamização que a link está a desempenhar neste mercado. Como surgiu este conceito e o que levou a link a ser uma das early adopters deste tipo de tecnologia? Em termos de conceito, os Smart Cards nasceram na link devido à competência core de interligação de sistemas, com base na optimização de processos. Nós temos uma competência nuclear na engenharia, capaz de fazer com que sistemas diferentes e tecnologias independentes consigam comunicar e interligarem-se em soluções informáticas e electrónicas. A solução SmartCITIES surgiu porque havia na link um conhecimento significativo em sistemas embarcados e uma área de competência à volta dos cartões electrónicos que há alguns anos eram praticamente instrumentos de I&D, e não ainda sistemas facilmente integráveis em aplicações. Porquê esta nova vaga de soluções baseadas em Smart Cards? A maioria das pessoas vê os Smart Cards como uma mera evolução dos cartões magnéticos. Nós acreditamos que os cartões inteligentes são na realidade máquinas informáticas, computadores, com processamento e memória, e que apesar de hoje em dia serem limitadas, têm um enorme potencial de desenvolvimento como todas as tecnologias baseadas na electrónica digital. Quase podemos fazer uma analogia com o aparecimento do computador pessoal nos anos 80, uma pequena máquina que ninguém na altura previa que iria ter a mesma capacidade de processamento dos computadores da altura que custavam milhões de dólares. Um dos aspectos fundamentais na potenciação dos Smart Cards é o de poder ser inserido em sistemas com capacidade de comunicação o que alarga a aplicabilidade a uma miríade de soluções. E qual foi o grande empurrão para a dinamização deste mercado? Deu-se a feliz coincidência de haver um projecto europeu cujo objectivo era o desenvolvimento de sistemas de bilhética electrónica com recurso a cartões electrónicos sem contacto. O ICARE foi o primeiro projecto iniciado por grandes operadores de transportes europeus que pretendiam ter parceiros tecnológicos e abordar os operadores portugueses para que estes participassem no projecto. Penso que foi uma feliz coincidência, que reforça a minha convicção de que a raiz de projectos de grande sucesso é haver uma competência tecnológica e existirem clientes altamente motivados para resolver um problema de negócio com real importância nas operações e actividade económica das suas empresas. A vantagem de um projecto destes ter logo um contexto europeu foi também muito importante porque sucede Entrevista - Cadernos link N8 - Setembro

3 com frequência em Portugal, um bom projecto ficar limitado a um só cliente. Quais são as evoluções possíveis? O modelo tradicional consistia em adquirir uma rede de equipamentos de venda de bilhetes a um fornecedor, que eventualmente tinha boas ofertas em algumas máquinas e não tão boas noutras. No entanto, as especificações e o software eram normalmente fechados e proprietários, o que se não impedia, pelo menos tornava difícil qualquer tentativa de evolução nos sistemas adquiridos e sobretudo na integração de novos tipos de sistemas no esquema de utilização do Smart Card. Os clientes devem adquirir este tipo de sistemas sob a forma de plataformas abertas, que não fiquem dependentes de um determinado fabricante, conseguindo então usar os melhores equipamentos e soluções de software de determinados fornecedores e, futuramente, conseguir uma evolução com o mesmo fornecedor ou com outro, uma vez que tenham garantido que o equipamento e software são abertos. Como resultado, os custos de investimento tendem a diminuir conseguindo-se uma melhor gestão, apenas possível se existirem standards de informação, explicitando como o cartão funciona e como comunica com os diversos tipos de leitores. 4 N8 - Setembro 2006 Cadernos link - Entrevista Os Smart Cards Contactless são importantes para evangelizar esta tecnologia? Os Smart Cards Contactless estão na base de tudo o que tem que ver com Bilhética Inteligente. O número de pessoas que têm de entrar nos transportes públicos, autocarros, metro, comboios é de tal maneira elevado que não era viável obrigar os utentes a introduzir o cartão num leitor para entrar, pois o tempo de entrada de cada cliente seria incomportável. O facto de o Smart Card ser contactless é um aspecto fundamental da tecnologia, que dá resposta a esta necessidade de negócio. No caso dos transportes, devido à forma como os processos de validação pelos clientes à entrada do transporte foi modelizada, recorreu-se à tecnologia contactless de proximidade (6 a 10 cm). A evolução contínua nas comunicações de proximidade, cada vez mais sofisticadas, permitem uma maior distância e maior débito. Algumas tecnologias contactless e RFID de maior distância estão disponíveis e a sua aplicação depende não só da eficácia da tecnologia, mas também da sua adequabilidade aos processos de negócio em causa. Ainda nesse sentido, o facto de serem plataformas abertas, que podem ser utilizadas por vários fabricantes, vai dinamizar o mercado? (A eterna questão da concorrência) Claramente. Pela forma como a nossa mensagem tem sido entendida e aceite pelo mercado, é evidente que estamos a criar a possibilidade deste mercado se tornar muito mais concorrencial, o que em si é também um dos nossos objectivos em benefício dos nossos clientes. Ter soluções com a possibilidade de interligar virtualmente com qualquer outra aplicação é uma abordagem muito importante. O que a link defende é que, se já existir uma rede que use cartões inteligentes por um custo marginal, em relação ao investimento global, pode usar os cartões num conjunto mais alargado de outros serviços. E isso é uma abordagem bastante mais interessante do que a de um fabricante que tenha como abordagem aquela em que o cliente tem de deitar todos os equipamentos fora e comprar uma rede totalmente nova. Por exemplo, não faz sentido um serviço público que queira disponibilizar outros serviços aos munícipes, fazer um investimento de raiz se já tivesse feito parte do investimento pelo sistema de transportes. Se conseguirmos aproveitar sistemas que já existem, o investimento torna-se mais aliciante do ponto de vista de custos. O SmartCITIES é um conceito bastante completo. Fale-me um pouco desta vossa oferta. Dentro da visão SmartCITIES, possuímos ofertas de consultadoria e de produtos de software. Na primeira distinguimos entre o SmartCITIES Business Consulting, que define globalmente uma solução de negócio e de arquitectura

4 Fotografia: Alfredo Rocha para um operador de transportes a partir de um conhecimento profundo dos processos de negocio, seja região metropolitana ou novo serviço, e o SmartCITIES Technical Consulting que consiste na especificação técnica do modo como todas as peças destes sistemas funcionam umas com as outras. Em termos de produtos? Em termos de produtos temos essencialmente três grandes sub-grupos de oferta: SmartCITIES Embedded software software que é colocado em todos os equipamentos terminais da rede e que garante a independência dos fabricantes de hardware e a interoperação. SmartCITIES Card Management Systems sistema central e de integração em que toda a informação e processos de gestão dos Smart Cards convergem, e que inclui módulos desde a gestão, emissão e personalização dos cartões, gestão dos catálogos de títulos, gestão das transacções de carregamento e validação, compensação de receitas, tratamento e recuperação de cartões, gestão da segurança global, carregamento dos cartões via Internet e telemóveis, entre outros. SmartCITIES SiGO Gestão Operacional paralelamente, e porque além dos processos comerciais, que são suportados pela solução de Smart Card, não são os únicos críticos para os nossos clientes, desenvolveram-se ainda módulos de software de apoio aos processos operacionais, e integração dos mesmos, cobrindo funcionalidades como sejam: integração com planeamento, gestão de pessoal, gestão de viaturas, gestão de ocorrências de negócio - suportados em ferramentas de workflow e integração empresarial. A link também teve um papel muito importante no Cartão Lisboa Viva. Como encara a participação da empresa neste projecto. Este projecto veio no momento certo, tendo-se iniciado em 2000 com o lançamento do Cartão LisboaViva no projecto no Metropolitano, reforçado em 2003 com o desenvolvimento do SIIT (Sistema de Informação Intermodal de Transportes) e lançamento do cartão 7 Colinas e culminando em final de 2005 com o pagamento e carregamento dos passes nas ATMs, o que tem um grande impacto no dia-a-dia das pessoas. Antigamente haviam filas enormes para o pagamento dos passes, existindo locais obrigatórios onde tinham de ser comprados. Com este projecto, conseguimos acabar com todas essas filas. E este é apenas um dos canais alternativos de venda que estão em curso. A visão da link em construir uma arquitectura aberta e globalizante, permitirá a toda a região, e não só aos operadores de transportes tirar reais benefícios da utilização do cartão. Estão já em funcionamento carregamentos via Internet (com base na solução NetStarter), via Multibanco e também via Payshop. Todos estes canais alternativos permitem não só racionalizar os custos dos operadores, mas também oferecer canais de distribuição alternativos a outros serviços, o que poderá ter um enorme impacto na vida dos cidadãos e na racionalização dos diversos serviços citadinos. Que vantagens vê que os operadores retiram destes sistemas? A interligação dos sistemas de bilhética com todos os outros sistemas dos operadores permite não só tratar informação muito mais rica e fiável, mas também ter uma oferta comercialmente mais integrada, uma vez que o veículo é o cartão. Agora é também possível cruzar as operações do dia-a-dia, entre outros dados. Também se pode resolver um problema que é crónico - a forma como se faz repartição de receitas entre os vários operadores. Antigamente era feito através de estatísticas e de amostragens, o que fazia com que os operadores discutissem se o que recebiam era ou não válido. Considera que é a altura certa para apostar neste tipo de solução, nomeadamente através de tecnologias como o CALYPSO? Qual a vossa abordagem em termos de oferta? A nossa oferta nasceu claramente alinhada com a tecnologia CALYPSO, e também por isso somos uma das empresas com maior conhecimento da tecnologia e sua aplicação. No entanto, como defendemos a interoperabilidade a todos os níveis, também suportamos outras tecnologias como a MIFARE, da Philips, e mesmo outras tecnologias de RFID inclusivamente a NFC (Near Field Communication). A nossa visão consiste em gostarmos de entender o processo de negócio muito bem. Saber de uma ponta à outra o que significam processos de negócios de emissão de bilhetes, de alteração de tarifários, de ligação desta informação com os sistemas centrais, de pagamentos das redes alargadas e de repartição de receitas, entre outras. Temos trabalhado muito com o CALYPSO, e somos uma das referências de implementação desta tecnologia, nomeadamente na região de Lisboa e internacionalmente. Curiosamente, mesmo nos clientes que usam CALYPSO, defendemos que o software e o sistema em geral deve manterse totalmente aberto e no limite poder usar algum cartão MIFARE. Este é por exemplo importante para um cliente de uma região que implemente CALYPSO, mas que precise de interoperar com alguma região ou cidade adjacente que já tenha o seu sistema baseado em MIFARE. O projecto que a link levou a cabo na ATLX, entidade responsável pelo turismo na região de Lisboa, é um claro exemplo dessas potencialidades e de um verdadeiro caso de sucesso. A nossa participação foi uma forma de demonstrar a uma entidade que já tinha um cartão, mas de outro tipo, que se fizesse o projecto da nossa forma, iria ter um custo marginal e iria aumentar a potencialidade dos sistemas face ao investimento que foi feito de raiz. Penso que este foi um projecto interessante que mostra realmente a nossa capacidade e a mais valia para o cliente. E está apenas no início. Esse cartão pode ser promovido, levando a imagem de Portugal para fora de portas, sendo vendido e carregado na Internet, por exemplo. Um turista que quisesse comprar um produto, teria acesso a uma panóplia de opções, de locais onde podia ir e de descontos, o que pode ser muito interessante. Falámos na zona turística, mas o cartão, à medida que vai adquirindo maiores capacidades, pode armazenar mais informação podendo ser utilizado em diversas áreas, como por exemplo, facilitar o acesso aos transportes públi- Entrevista - Cadernos link N8 - Setembro

5 cos, ter aspectos de identificação que pudessem estar lá colocados em algumas áreas. Tudo com vista a facilitar a vida das pessoas. Que outros exemplos de aplicações poderia citar? São diversas as áreas potenciais. Por exemplo a questão dos estudantes e da sua segurança torna-se possível saber quando está na escola, quando sai ou quando entra. Não custa muito mais colocar este tipo de informação no cartão. Ou eventualmente, utentes de determinados serviços que poderiam ter informação colocada no cartão. Quais são as necessidades das empresas quando contactam a link para fazer uma implementação deste tipo? Existe um número significativo de entidades que, neste momento, vem ter com a link com o intuito de montar um sistema novo. A nossa experiência em termos dos projectos que levámos a cabo em operadores nacionais torna-se aqui uma das nossas principais mais- -valias. Para adoptar um projecto deste tipo, as operadoras de transportes têm de abordar diversas tecnologias, heterogéneas, que não dominam. Esta é uma área relativamente nova, em que têm pouca experiência, e uma das primeiras perguntas que nos fazem é: que arquitectura global é que vocês propõem?. Depois apresentam-nos as várias condicionantes, sendo o meio físico uma delas. Às vezes é um problema só de uma empresa, outras é de uma área metropolitana, com contornos mais políticos em que a Câmara ou as Associações da Câmara à volta de uma área metropolitana sentem o problema e querem resolvê-lo. A nossa metodologia é fundamental para sistematizar um processo desta natureza que envolve por vezes mais de 2 dezenas de stake-holders empresariais, institucionais, governamentais e outros, e que deve ter por isso fundações fortes. A link tem tido um grande papel a nível de evangelização deste tipo de tecnologias. Considera esta como uma das vossas grandes mais-valias? Acho que um dos factores que contribuiu para este nosso papel foi o facto de a link ter alguma dimensão e um leque de ofertas variado. A link Um bom projecto de Smart Cards tem de ser baseado em standards abertos e seguir práticas que criem níveis de independência do hardware e interoperabilidade entre operações. tem uma grande prática de consultoria e de visão de como se organiza uma empresa em termos de sistemas de informação, o que constitui uma base sólida para a nossa oferta SmartCITIES. Particularizámos a visão da arquitectura empresarial para a realidade dos transportes e da bilhética. Como tal, temos actualmente uma capacidade de explicar a visão do problema junto dos clientes, falando-lhes dos seus processos de negócio normais e não discutir os aspectos técnicos das soluções (o que é um erro cometido com alguma regularidade). Conseguimos relacionar este factor com a visão dos processos e de como as soluções funcionam, o que nos permitiu explicar melhor o conceito e desenvolver algumas perspectivas de ligação, sem esquecer dos importantíssimos componentes de tecnologia que devem sempre garantir a interoperabilidade total. E qual tem sido a receptividade? Tem sido bastante boa. Temos tido intervenções em dois tipos de situação, que revelam que há apetência para esta abordagem: uma é por parte de clientes de áreas metropolitanas que ainda não têm nada mas que querem começar projectos deste tipo, que percebem que têm mais-valias em fazer o plano de arquitectura antes de começar a implementação. Outra é de clientes que eventualmente fizeram já parte dos sistemas, ou que tem sistemas da geração anterior, e que, quando começam a operar, sentem que existem muitos aspectos que têm dificuldade em gerir, chamando-nos então para propor uma visão da evolução. Como é encarado Portugal no panorama internacional do e-ticketing? Ao contrário de outros sectores em que Portugal está atrasado, estamos à frente da média europeia em termos destas tecnologias, o que pode ser explicado por Portugal ter duas grandes áreas metropolitanas. Estamos francamente no pelotão da frente. O nosso país é visto hoje em dia como uma referência. Um local em que houve capacidade de serem feitos trabalhos de consultoria e de tecnologias e que serve de exemplo para demonstrações interessantes do que significa esta tecnologia. Alguém que queira usar a tecnologia percebe que, para o fazer e para resolver completamente o problema, tem de ter a capacidade de interagir com os seus fornecedores de serviço, fazer o esforço para entender a situação e crescer com ela, acompanhando a evolução ao invés de exigir simplesmente o produto como chave-na-mão, em que tenha de estar tudo feito e pronto a usar sem qualquer preocupação prévia sobre a sua adequabilidade. O facto da link ter referências e conhecimento em tantas áreas e em tecnologias diferentes, também lhe permite disponibilizar uma oferta mais completa e integrada que a da vossa concorrência? O posicionamento de que estamos a falar, que consiste no facto de querermos construir uma plataforma de sistema aberto para bilhética que interliga com tudo, é uma oferta que não há muita gente no Mundo a fazer. De uma maneira geral, grande parte das entidades que estão neste negócio da Bilhética, têm uma estratégia retrógrada e querem vender máquinas (torniquetes, máquinas de venda, validadores e portas). É muito interessante ver a forma como ganhámos um projecto em Bruxelas, que é o centro da Europa, e isso ter despoletado uma interessante discussão em torno da questão se esse projecto originaria uma reestruturação de todos os transportes Belgas. Quais as regiões em que estão a apostar? Além dos mercados Israelita e Brasileiro, onde já estamos há alguns anos, estamos a discutir vários outros projectos na Europa Central e de Leste, zonas em que a organização dos transportes é uma questão relativamente Fotografia: Alfredo Rocha 6 N8 - Setembro 2006 Cadernos link - Entrevista

6 recente. Como registaram algum atraso e não passaram por tecnologias intermédias, podem ser regiões em que este tipo de projectos possa rapidamente evoluir adoptando as mais recentes tecnologias. Temos as referências de Israel, que é um país altamente tecnológico, pelo que é interessante que tenham percebido a nossa mensagem. Também porque têm vários fornecedores de equipamento e entenderam que seria útil ter uma abordagem independente antes de avançar. O Brasil é um país com muito potencial dado existir muito a fazer em termos de transportes urbanos. Acabámos por começar em Porto Alegre, uma das duas regiões modelo de referência no Brasil paralelamente com Curitiba, e, actualmente, estamos muito entusiasmados com essa área. Adicionalmente, a própria forma como, em parceria com o cliente e com a Universidade Católica de Porto Alegre, está a ser desenvolvido o projecto, é em si uma inovação, uma vez que há um compromisso mútuo de deixar no cliente know-how que lhe permita fazer evoluir o sistema, que em condições normais viverá durante mais de 10 anos. Acha que aquela velha máxima, de que o que vem de Portugal não é bom ainda persiste? Em alguns casos sim. Por exemplo, na questão do bilhete de identidade electrónico, existiu esse sentimento. A link tem vários exemplos de sucesso na utilização destas tecnologias, mas quanto ao cartão electrónico, ninguém nos consultou, optando provavelmente por contactar entidades estrangeiras, ou mesmo, no caso das nacionais, empresas que embora sendo referências em algumas áreas não têm a experiência nem a visão incluída na abordagem da link. Há momentos em que uma credencial ou alguém com nome internacional é preferível, pois se é internacional deve ser bom, ou então, alguém que tenha uma referência de já ter feito algo idêntico nos EUA. Os portugueses organizam-se muito pouco para pensar em negócios de maior escala, porque têm a ideia de que, como é um país muito pequenino, as portas estão fechadas. Mas se vários interesses portugueses se organizassem e tentassem, em conjunto, criar projectos, as coisas poderiam ter uma dimensão mais interessante. Se cada um ficar por si, é mais difícil. Como estão os planos de internacionalização da link? A internacionalização é uma das grandes prioridades da link. Trata-se de uma visão que temos há vários anos. O país é relativamente pequeno, assim como o número de clientes com problemas relativamente sofisticados que tenham necessidade de trabalhar com empresas de alta tecnologia numa relação de proximidade. Como tal, estamos fortemente empenhados na internacionalização. Estamos a apostar no espaço europeu em várias frentes, não só no SmartCITIES, mas também no estabelecimento de parcerias diversas. Para o efeito, considerámos a possibilidade de estabelecermos escritórios locais, onde tal instalação se revele relevante para se atingir os objectivos de negócio. Apostámos também no Brasil, devido à movimentação de grandes empresas portuguesas lá, nomeadamente a PT. Hoje em dia já trabalhamos com muitos operadores de telecomunicações e com operadores das áreas de transportes, continuando por isso a ser uma referência para nós. O Brasil tem uma economia interessantíssima, tem grandes oportunidades mas também grandes riscos do ponto de vista de funcionamento e de câmbio. No entanto, tivemos uma fase de aprendizagem e actualmente já trabalham lá 47 pessoas. Queremos também apostar em Africa, embora tenha um número de oportunidades mais reduzido. Temos casos como a Banca e Homebanking, e áreas como a Internet e os ISPs. O sector dos transportes também está a começar a desenvolver-se e pode vir a tornar-se numa área muito interessante. A internacionalização é uma ambição e, se tivermos oportunidade de noutros países ir mais longe, como foi o caso de Israel, não vamos deixá-la cair, embora tenha de ser uma estratégia faseada e de acordo com a capacidade de investimento global que temos. Globalmente, no grupo AITEC, atingimos um total de 25% de vendas internacionais, sendo o nosso objectivo para este ano 30%. Entrevista - Cadernos link N8 - Setembro

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

5º Encontro Transportes em Revista

5º Encontro Transportes em Revista 5º Encontro Transportes em Revista Transportes factor de inclusão social António Proença Administrador-Delegado 1 O que é a OTLIS? É um ACE (Agrupamento Complementar de Empresas) formado por 7 Operadores

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Inovar com o Sistema VIVA

Inovar com o Sistema VIVA Inovar com o Sistema VIVA Novas Soluções de Venda de Títulos de Transporte OTLIS, ACE / Miguel Brito da Silva Agenda 1. O Consórcio OTLIS 2. O Sistema VIVA 3. Desafios OTLIS VIVA: melhorar a experiência

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com BPN Imofundos. António Coutinho Rebelo. Presidente. www.bpnimofundos.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com BPN Imofundos António Coutinho Rebelo Presidente www.bpnimofundos.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

A Gestão da experiência do consumidor é essencial

A Gestão da experiência do consumidor é essencial A Gestão da experiência do consumidor é essencial Sempre que um cliente interage com a sua empresa, independentemente do canal escolhido para efetuar esse contacto, é seu dever garantir uma experiência

Leia mais

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade.

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade. Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora www.omnitrade.pt Quality Media Press O que representa a empresa o mercado português? R.

Leia mais

Entrevista com i2s. Luís Paupério. Presidente. www.i2s.pt. (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com i2s. Luís Paupério. Presidente. www.i2s.pt. (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com i2s Luís Paupério Presidente www.i2s.pt (Basada en oporto) Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente Joaquim Pedro Valente de Almeida Com quality media press para LA VANGUARDIA www.dva.pt (en construcción) Ver http://www.afia-afia.pt/assoc13.htm

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO?

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Saber se o email é mais ou menos apropriado para o seu negócio depende do tipo de produto ou serviço que vende,

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS?

PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS? PORQUÊ O PHC ENTERPRISE CS? Um ERP, como qualquer software, pode vir em várias medidas. Quer se chamem soluções, serviços, formatos, ou gamas como no caso da PHC, existem diversas possibilidades para uma

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda.

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A é uma software house criada em 2006. A Ilustratown tem por objetivo o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar?

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? QUESTÕES COLOCADAS PELO JORNALISTA MARC BARROS SOBRE O PROTOCOLO ENTRE A FNABA E O TURISMO DE PORTUGAL Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? Com propostas para fazer e

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 SUMÁRIO 1.OS CINCO PONTOS DE CONSENSO E TRÊS CENÁRIOS APRESENTADOS A SEGUIR FORAM NEGOCIADOS APÓS

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

PUB. Interface. Banca &Seguros

PUB. Interface. Banca &Seguros Interface Banca &Seguros PUB DOSSIER Marketing Bancário: focos em tempo de crise RADAR Sistema financeiro no triângulo estratégico DOSSIER Tecnologias de informação e gestão de fraude Tendências Mobilidade

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

Entrevista com GVA-Consultimo. Maria Inácia Reynolds Oliveira. Diretora Geral. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso

Entrevista com GVA-Consultimo. Maria Inácia Reynolds Oliveira. Diretora Geral. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso Entrevista com GVA-Consultimo Maria Inácia Reynolds Oliveira Diretora Geral Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso O sector imobiliário em Portugal: análise evolução recente O sector Imobiliário

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA.

BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. BLUEWORKS MEDICAL EXPERT DIAGNOSIS, LDA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A BlueWorks Medical Expert Diagnosis, Lda. é uma start-up de Coimbra que se dedica ao desenvolvimento

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas)

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

A PHC atingiu recentemente os 400 clientes Licença Garantida. No mercado há pouco mais de um ano, a modalidade que permite os clientes PHC renovarem a licença do seu software por três anos já representa

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 1. ENQUADRAMENTO Nos últimos 3 anos e meio a Câmara Municipal de Lisboa vem desenvolvendo uma estratégia para a valorização económica da cidade e captação de investimento (http://www.cm-lisboa.pt/investir)

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa

Do Projecto de Obra Pública. ao Programa de Desenvolvimento Regional: Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa : Reflexões em torno do caso do Novo Aeroporto de Lisboa José Manuel Viegas CESUR- Instituto Superior Técnico; e TIS.pt, consultores em Transportes Inovação e Sistemas, s.a. Workshop APDR Impacto dos Aeroportos

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19.

1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA FERROVIÁRIA... 20.19. ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 1 ARQUITECTURA DO PRODUTO - MODULARIZAÇÃO E SISTEMAS DE PLATAFORMAS NA INDUSTRIA

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal Ref.: MTKD-CT-2004-014312 Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal por Suhita Osório-Peters CEIFA ambiente Lda Sessão de Divulgação do 7º Programa-Quadro de ID&T Lisboa, 20 de Outubro

Leia mais

Módulo 2. As Empresas e as Redes Sociais

Módulo 2. As Empresas e as Redes Sociais Módulo 2 As Empresas e as Redes Sociais Introdução Eco sistemas de negócio Aplicações de negócio Construir uma empresa Tácticas/ Estratégias Segmentação Gestão - Profissionais Custo Gestão de tempo ROI

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Amigo varejista, Boa leitura e aproveite para promover melhorias em sua loja! Conheça o Instituto Redecard:

Amigo varejista, Boa leitura e aproveite para promover melhorias em sua loja! Conheça o Instituto Redecard: Mercearia Amigo varejista, A partir deste mês outubro - o Tribanco traz novidades no Projeto Capitão Varejo, pois conta agora com a parceria do Instituto Redecard. Juntos, irão levar até você mais informação

Leia mais

Pretendemos aqui analisar as melhores peças publicitárias concebidas e produzidas para o meio rádio.

Pretendemos aqui analisar as melhores peças publicitárias concebidas e produzidas para o meio rádio. Televisão Acção Especial / Brand Entertainment Nesta categoria pretendemos premiar as acções comerciais que, extravasando o âmbito do spot convencional, utilizam de forma criativa o meio televisão e também

Leia mais

LOCALIZAÇÃO. Av. D. João II 4.47.01 D RC C, 1990-098 Parque das Nações, Lisboa, Portugal

LOCALIZAÇÃO. Av. D. João II 4.47.01 D RC C, 1990-098 Parque das Nações, Lisboa, Portugal LOCALIZAÇÃO Av. D. João II 4.47.01 D RC C, 1990-098 Parque das Nações, Lisboa, Portugal Exportech a empresa EXPORTECH A EMPRESA A Exportech Portugal é uma empresa de Importação e Exportação que actua no

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt

Paulo Alves / CEO. paulo.alves@proside.pt Paulo Alves / CEO paulo.alves@proside.pt Sistemas Integrados de Atendimento O que fazemos A Empresa Concepção, Arquitectura e Implementação de Sistemas de Informação; Consultoria Tecnológica de Sistemas

Leia mais

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo Tecnologias na Contabilidade 1 SUMÁRIO 1. Introdução Impacto das Novas 2. Impacto das Novas Tecnologias na Economia e na Sociedade a) A Empresa na Hora b) A Empresa On-line c) A informação Empresarial

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Newsletter 2. Estudo multicanal da ActOne ABRIL 2012

Newsletter 2. Estudo multicanal da ActOne ABRIL 2012 Newsletter 2 ABRIL 2012 Estudo multicanal da ActOne DIMs, emails, telefone, internet, sites, congressos, iphone, livros, vídeos, artigos, visitas, multicanal, marketing digital, email marketing, e-detailing

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa

Melhor Comunicação com o serviço UCoIP. Uma nova visão da Identidade Corporativa Melhor Comunicação com o serviço UCoIP Uma nova visão da Identidade Corporativa O que irá aprender A Importância do novo conceito UCoIP nas comunicações empresariais de amanhã. Um único endereço para todas

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

A sua empresa precisa de mudar a imagem?

A sua empresa precisa de mudar a imagem? Precisa de um site? A sua empresa precisa de mudar a imagem? Pretende divulgação? Estamos ao seu dispor para resolver estas questões!! Comunicação Publicidade Promoção de Produtos Pacotes Internet Precisa

Leia mais