FÓRUM DE REFLEXÃO SOBRE O SISTEMA FINANCEIRO SANTOMENSE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM DE REFLEXÃO SOBRE O SISTEMA FINANCEIRO SANTOMENSE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE"

Transcrição

1 BANCO CENTRAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE FÓRUM DE REFLEXÃO SOBRE O SISTEMA FINANCEIRO SANTOMENSE CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE S.TOMÉ E PRÍNCIPE E OS DESAFIOS DO SECTOR FINANCEIRO (Conclusões e Recomendações) São Tomé, 24 de Agosto de 2006

2 ENQUADRAMENTO Reconhecendo que se torna necessário responder os grandes desafios de expansão, modernização e consolidação que o sector financeiro santomense se confronta hoje e no futuro, particularmente num contexto em que se exige reforçar as bases estruturais de integração sócio-profisional da população, garantindo a elevação dos actuais níveis de bem-estar, mediante a promoção do sentido da interdependência que deve existir entre os sistemas político, económico e sócio-cultural; Atendendo que essa garantia só é possível se o progressivo fortalecimento do espaço de relação inter-institucional se traduzir na criação e consolidação das condições estruturais para atracção e reprodução de capital a partir da sustentabilidade de novos patamares de crescimento e de desenvolvimento, contrariando os actuais sinais de fragilidade e de informalidade que caracterizam actualmente o tecido empresarial, condicionando, não só o aumento da capacidade interna de produção dos bens e serviços comercializáveis e consequente processo de acumulação de ganhos de competitividade, como também a necessária articulação dos esforços entre a identificação das potencialidades em recursos naturais e a sua exploração, valorização e reprodução face aos objectivos de integração sócio-profissional em observância aos princípios de hierarquização e de mobilidade social; Exigindo que se deve ultrapassar os diferentes factores que têm vindo a condicionar a gestão do processo de desenvolvimento que se pode sintetizar São Tomé, 24 de Agosto de

3 nos seguintes indicadores, tais como: (i) a eficácia sectorial das medidas de políticas económicas e financeiras, nomeadamente quando se analisa a correlação entre carga fiscal, modernização técnica e tecnológica, alargamento da base tributária e as vantagens comparativas, quer no contexto dos mercados regionais, quer ao nível do comércio internacional; (ii) a evolução dos níveis sectoriais de produtividade de mão-de-obra e a sua articulação com a política de rendimento, quer no sector público, quer no sector privado; (iii) a emergência de novas zonas de parceria estratégica público/privada, onde a problemática de infraestruturação e de regionalização do sistema económico deva passar por uma lógica de planificação das iniciativas de investimento intersectorialmente estruturadas; Assumindo que com a realização deste Fórum, ficou marcado um ponto de referência a partir do qual se propõe institucionalizar um espaço, não só orientado para análise e discussão sobre a problemática de reorganização, expansão e modernização do sistema financeiro nacional, mas também, para introdução de um novo modelo de programação, prossecução e avaliação dos objectivos sectoriais de crescimento dos níveis de actividade económica cujo suporte passa a ser a garantia de uma visão integrada sobre a eficácia dos instrumentos de políticas económicas e financeiras; Cabendo apresentar as Conclusões e Recomendações deste Fórum, a partir da síntese das intervenções das distintas personalidades que representaram as Instituições Financeiras, para além de outros intervenientes que tiveram lugar durante o espaço de debate, constituindo-se como garantia da continuidade dos trabalhos que se exige durante os próximos doze meses, mediante a elaboração do plano de acção; São Tomé, 24 de Agosto de

4 CONCLUSÕES Nestes termos, cumpre-nos colocar em relevo as seguintes conclusões resumidas em Capítulos: I. ASPECTOS GERAIS; II. ASPECTOS NORMATIVOS E REGULAMENTARES; III. ASPECTOS OPERACIONAIS E DE GESTÃO DE RISCOS; IV. ASPECTOS DE RELAÇÕES INTER-INSTITUCIONAIS; V. ASPECTOS DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL. I. ASPECTOS GERAIS Este Fórum, ao passar a constituir-se como uma plataforma de diálogo construtivo em prol do crescimento e desenvolvimento sustentável, exige que esforços sejam desenvolvidos para uma melhor consolidação de informações que permitam identificar os factores que condicionam a sua evolução numa perspectiva previsional, captando os sinais que explicam a sua tendência actual; II. ASPECTOS NORMATIVOS E REGULAMENTARES Do conjunto das intervenções e contribuições, pode-se sintetizar sob forma de conclusões do Fórum, os seguintes problemas com que o sector Financeiro se debate: São Tomé, 24 de Agosto de

5 a) Proceder a revisão da Lei sobre o sistema financeiro, bem como desenvolver acções no sentido de harmonizar e publicar as diferentes Normas de Aplicação Permanente produzidas pelo Banco Central de S. Tomé e Príncipe, não só para funcionar como a fonte de direito positivo bancário por forma a responder as novas exigências que decorrem da evolução dos mercados monetário e cambial, como também para ultrapassar a actual situação de constrangimento de natureza jurídica para a emergência de novos produtos financeiros, incluindo à própria regulação dos mecanismos de competitividade entre as instituições financeiras que operam no país; b) Exigir que sejam observadas as condições legais de carácter prudencial em matéria de infra-estruturas tecnológicas de comunicação, de informação contabilística, e de análise de gestão, entre outras, criando assim as bases consideradas como estruturais para a própria previsibilidade dos riscos futuros, constitui requisito indispensável à minimização das potenciais ameaças inerentes ao funcionamento do sistema financeiro, elegendo como principal problema o próprio ambiente empresarial, quer pela sua estrutura sectorial e o seu grau de organização, quer pelo seu enquadramento jurídico e operacional; c) Reestruturar os dispositivos normativos para a concessão de Licenças aos bancos comerciais, seguradoras, casas de câmbios e demais intervenientes do sistema financeiro, além de um maior rigor no seguimento e controlo das actividades desenvolvidas pelas mesmas, a partir de uma permanente reanálise quanto a consistência dos Estudos de Viabilidade Económico, Financeiro e Social apresentados para o efeito; São Tomé, 24 de Agosto de

6 d) Desenvolver acções no sentido de introduzir na arquitectura jurídica nacional não só as legislações específicas em matéria de corrupção, branqueamento de capitais e crimes financeiros, mas também as normas que conformam as balizas operacionais de novos produtos financeiros, designadamente: (i) Mercado Monetário Inter-bancáro; (ii) Mercado de Títulos de Tesouro Público; (iii) Mercado Imobiliário; (iv) Micro-créditos; (v) Fundo de Pensões; (vi) Operações de Garantia sobre Títulos e Propriedades Fundiárias; (vii) Regulamentação de Depósito em moeda estrangeira pelos bancos comerciais no Banco Central; (viii) Regulamentação do Sistema de Compensação em moeda estrangeira; III. ASPECTOS OPERACIONAIS E DE GESTÃO DE RISCOS No que concerne aos aspectos operacionais de gestão de riscos, as conclusões se estruturam em torno das seguintes questões: a) Desenvolver acções no sentido de ultrapassar a actual situação de fraca correlação entre o aumento do número de instituições financeiras que operam no País e o nível de rentabilização do Capital no sector, o que exige que seja desenvolvido um esforço de análise muito mais profundo sobre os factores que têm vindo a condicionar a sua evolução, quer para agir, preventivamente, sobre o controlo dos potenciais riscos de insustentabilidade, quer para estruturar um novo ambiente de assumpção e gestão de riscos por parte dos Bancos; b) Proceder a uma melhor coordenação das diferentes Instituições responsáveis com o objectivo de ultrapassar o actual bloqueio que o mercado de seguros se confronta no desenvolvimento, pelo que sugere, São Tomé, 24 de Agosto de

7 por um lado, a regulamentação, publicitação, sensibilização e fiscalização da aplicação da Lei vigente por parte das entidades competentes e, por outro lado, a necessidade de uma melhor articulação entre o seu papel na promoção de poupanças e sua capacidade de instrumentalização na tomada e gestão de riscos de crédito por parte dos agentes económicos a partir da negociação de garantia pessoal quando se confrontam com a fraca capacidade de operacionalizar as garantias reais e comerciais; c) Garantir que haja uma coerente e consistente gestão dos recursos cambiais, no âmbito da regulação do mercado cambial (Lei Cambial), observando não só a limitada eficácia dos instrumentos de política face à contradição que decorre da relação entre o principio de obrigatoriedade de cobertura cambial por parte do Banco Central e o contexto de livre circulação de notas e moedas estrangeiras, como também analisar o grau de sustentabilidade do crescente nível de endividamento externo quando persistem os sinais de uma maior necessidade de importação e de exportação de capital, o que implica a necessidade de reformular o actual modelo de programação da balança cambial e consequente previsão quanto à eficácia dos instrumentos de política cambial, isto a partir das seguintes áreas de intervenção: (i) garantia do equilíbrio das contas externas a partir da inventariação detalhada das diferentes fontes de procura e oferta de moedas estrangeiras, quer em termos previsionais, quer em termos da sua execução; (ii) operacionalização do sistema informatizado de registos das operações cambiais, por forma a harmonizar o fluxo e consolidação de informação sobre a evolução do mercado cambial; (iii) elaboração da matriz que explicita a relação entre a evolução do mercado cambial e a capacidade estrutural de prosseguir os diferentes objectivos sectoriais considerados como estratégicos para o crescimento São Tomé, 24 de Agosto de

8 dos níveis de actividade económica; (iv) análise sobre a importância da moeda nacional (Dobras) no conjunto do sistema de troca, onde a convertibilidade se deva sintetizar na relação entre a capacidade de produção de bens e serviços internos, produção, mobilização e aplicação de poupança interna e a importância relativa de recursos nacionais no conjunto de investimento e de consumo total; d) Transformar o actual modelo de análise e decisão sobre a concessão de crédito com o objectivo de responder as novas exigências de expansão e modernização do tecido empresarial a partir dos seguintes parâmetros: (i) redimensionamento do papel do crédito concedido em moeda nacional, face ao actual peso de crédito concedido em moeda estrangeira; (ii) promoção de outras actividades económicas, nomeadamente agrícola e industrial, ultrapassando a actual concentração de crédito para habitação, comércio, serviços e consumo; (iii) introdução de uma nova metodologia de estudo e de análise sobre a viabilidade económica, financeira e social dos projectos de investimento que tenha em conta as bases estruturas de defesa de propriedade privada e a capacidade de garantia real; (iv) emergência de novos produtos financeiros, redefinindo a actual arquitectura jurídica e regulamentar, nomeadamente quanto aos registos, negociação e transmissibilidade de propriedade; (v) reajustamento do actual custos de registos e notariais, incluindo a própria articulação com o sistema tributário como forma de garantir a rentabilidade de capital; e) A necessidade de prosseguir os novos níveis de bancarização da economia como um instrumento que potencia a relação entre a repartição da quota de mobilização de poupança sob forma de Depósitos e a consequente capacidade marginal de financiamento de programas para a São Tomé, 24 de Agosto de

9 reestruturação, modernização e expansão do tecido empresarial, a partir do aumento do número de novos clientes, onde a problemática de competitividade entre as Instituições Financeiras passe, por um lado, pela harmonização das condições contratuais que servem de suporte às operações financeiras e, por outro, pela capacidade de promover ambiente de competitividade qualitativa dos produtos e serviços financeiros alternativos; f) O sector financeiro confronta-se actualmente, com os riscos de descapitalização pelo elevado nível dos encargos fiscais e notariais que só em parte pode ser reflectido nos custos de intermediação financeira, constituindo o inicio do processo de reajustamento da carga fiscal já anunciado pelo Governo, no sentido da sua diminuição e reforço da capacidade institucional e operacional de Administração fiscal para um efectivo alargamento da base tributária, constitui um sinal importante para o efeito, quer para que os encargos de natureza tributária e notarial excessivamente altos não condicione, negativamente, a necessidade do aumento de Capital Social através da incorporação das Reservas, quer na reestruturação das imobilizações face às exigências de prosseguir os novos níveis de rentabilidade de capital; g) Necessidade de promover um espaço de concertação e de coordenação entre o Banco Central e os Bancos Comerciais e Companhias Seguradoras, não só, um espaço de concertação sobre os critérios de cofinanciamento do programa integrado de infraestruturação quer para o domínio da comunicação inter-bancária, quer ao nível do sistema de meios de pagamentos (designadamente ATM), mas também, a criação de uma São Tomé, 24 de Agosto de

10 entidade gestora que assegure a sua operacionalização, expansão e manutenção; h) Torna-se indispensável que seja criada, a partir de um sistema de planeamento, uma rede integrada de projectos de investimento cuja aprovação, financiamento e implementação resulte de uma análise estruturada das respectivas condições de viabilidade, tomando como referência as condições infraestruturais e estruturais, quer para prosseguir os objectivos de descentralização do sistema económico, social e territorial e consequente maximização da capacidade de exploração dos recursos potenciais naturais e humanos -, quer para preencher as zonas de vantagens competitivas do país face aos espaços potenciais de integração nos mercados regionais e internacionais; i) Constata-se que tem vindo a existir a tendência de procura crescente de crédito em moeda estrangeira em detrimento do crédito concedido em moeda nacional, associada à uma excessiva concentração de interesse de financiamento no domínio de Habitação e de Comércio, o que não só tem produzido pouco impacto na instrumentalização de taxa de juros na mobilização e aplicação das poupanças em moeda nacional enquanto factor de promoção de investimento que se direccionam para produção nacional, como também não tem contribuído para a minimização de custos financeiros totais quando se toma em conta o valor de juros vencidos (taxa de juros negociados em moeda estrangeira) e os custos que resultam do custo de desvalorização da Dobras (riscos da diferença cambial) face aos custos financeiros (nível da taxa de juros negociado); São Tomé, 24 de Agosto de

11 j) Torna-se necessário que as Instituições Financeiras se associem na institucionalização de um quadro de apoio e de sensibilização em matéria de escolha dos produtos financeiros, garantindo que as condições de viabilidade dos projectos de investimento, observem as bases estruturais de funcionamento equilibrado do mercado cambial e o reforço do papel do mercado monetário, funcionando como alavanca de crescimento sustentável de novos níveis de actividade económica em articulação com a necessidade de valorização da moeda nacional; k) Necessidade de reconhecer que a complexidade inerente ao desenvolvimento da actividade de intermediação financeira - bancária e seguradora -, quando se analisa a problemática de gestão de recursos humanos de forma integrada, exige a criação e a consolidação de um espaço inter-bancário de formação e de aprendizagem dos quadros das instituições que intervenham no sistema, de modo a assegurar a elevação dos níveis actuais de competências técnicas; l) A necessidade de ultrapassar os actuais níveis de fragilidade e as vulnerabilidades que caracterizam o nosso sistema financeiro, exige-se que as instituições se reagrupem em associações dos Bancos e das Companhias Seguradoras para fazer face aos desafios tecnológicos e em matérias de previsibilidades dos factores geradores de perturbações cíclicas inerentes a economia em que estão inseridas, quer para fazer um exercício de análise sobre as dinâmicas de evolução dos diferentes mercados, quer para participar na estruturação de expectativas, contribuindo na avaliação e reajustamento dos programas financeiros que compete ao Banco Central propor para a negociação e execução; São Tomé, 24 de Agosto de

12 IV. ASPECTOS DE RELAÇÕES INTER-INSTITUCIONAIS a) Garantir o nível da eficácia das políticas monetária e cambial através de uma efectiva articulação com os objectivos de política fiscal correcta instrumentalização dos objectivos orçamentais e tributários -, potenciando não só a capacidade de intervenção do Governo nos domínios de infraestruturas económicas e sociais, na certeza de que passam a constituir as pré-condições para a promoção das iniciativas privadas e da estrutura de espaços de parcerias público/privadas, como também envolver a sociedade civil - designadamente os empresários e as associações -, num espaço alargado de debate sobre a relação que deve existir entre o exercício de cidadania, os objectivos e os instrumentos de crescimento económico, a funcionalidade dos mecanismos de redistribuição de rendimento social e prossecução de novos patamares de bem-estar, a previsibilidade do aumento da capacidade tributária marginal e a sustentabilidade da capacidade de endividamento interno e externo do Estado; b) Criação de um sistema transversal de informação estatística e comprometer todas os intervenientes enquanto actores económicos e financeiros na observância das regras de registo, tratamento, análise e divulgação, permitindo, não só que os diferentes centros que competem acompanhar e compreender os factores que explicam a articulação entre as dinâmicas do sector real e do sector financeiro, como também a garantia de uma maior eficácia das políticas económicas e financeiras, quer pela organização do sistema de contabilidade, quer pela observância do principio de previsibilidade e de instrumento de avaliação; São Tomé, 24 de Agosto de

13 c) Necessidade de proceder uma profunda análise do contexto em que se estruturam o segmento informal dos diferentes mercados, estabelecendo as balizas de regulação que servem de suporte às respectivas estruturação, expansão, funcionamento e consolidação dos mercados, particularmente quando se analisa os factores que explicam o actual nível de importância das actividades informais que envolvem as operações de intermediação monetária e os negócios cambiais no conjunto de fluxos de intermediação financeira e das formas organizacionais e empresariais que lhes servem de suporte, sugere que o papel da autoridade monetária, não só passa por uma estreita articulação com outras Instituições, como também pela profunda compreensão dos factores de desfuncionamento dos mecanismos de competitividade que caracterizam hoje o próprio sector financeiro, o que exige a realização de um estudo que tenha em conta a sua articulação entre o fundamento da informalidade do sistema económico e social que lhe serve de suporte e índices de competitividade e racionalidades que procura prosseguir; V. ASPECTOS DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL Existe a necessidade de elaborar e implementar um programa integrado de informação e de formação que contribua para promover a mudança de atitudes, quer sob forma de instrumentos de tomada de decisão, quer sobre a divulgação de factos que têm vindo a contribuir para a inviabilidade dos projectos sectoriais de investimento, quer ainda sobre os diferentes factores que contribuem para a persistência do nível ainda tão alto de riscos de créditos, condicionando a própria expansão dos níveis de intermediação financeira; São Tomé, 24 de Agosto de

14 RECOMENDAÇÕES A partir destas linhas de conclusões, o Fórum recomenda as seguintes vinte e uma Recomendações: Primeira, desenvolver esforços de coordenação inter-institucional com o objectivo de garantir a progressiva consolidação deste espaço de diálogo social, quer no interior do sector financeiro, quer a partir do envolvimento de todos os outros actores Instituições públicas e privadas não financeiras -, dando assim a continuidade na identificação dos problemas e equacionar um quadro harmonizado de soluções consideradas como estratégicas e consistentes, desenvolvendo as seguintes acções: (i) realizações de reuniões preparatórias para o próximo Fórum onde os assuntos e temas a serem abordados seriam distribuídos a cada interveniente para o efeitos de estudos e apresentação; (ii) avaliação do grau de implementação das medidas adoptadas e, consequente prossecução dos objectivos fixados pelo Fórum, no âmbito das reuniões Trimestrais entre as Instituições Financeiras; (iii) funcionamento de uma mesa de coordenação transitória dos trabalhos, presidida pelo Banco Central de S. Tomé e Príncipe e co-presidida pelo Banco Internacional de S. Tomé e Príncipe; (iv) elaboração dos Estatutos do Fórum para o efeito de aprovação do próximo Fórum; (v) elaboração dos Estatutos do Conselho Económico e Financeiro que tenha como competência a coordenação das medidas de políticas, particularmente na prossecução dos objectivos estratégicos que se enquadram nas relações entre S. Tomé e Príncipe com o Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional; São Tomé, 24 de Agosto de

15 Segunda, elaborar um plano integrado de oportunidades sectoriais de investimento, onde seja possível: (i) avaliar a importância relativa dos diferentes segmentos dos mercados potenciais; (ii) identificar os factores que condicionam a instrumentalização dos mecanismos de competitividade e de integração regional; (iii) definir as zonas de complementaridade entre os diferentes bens e serviços, reestruturando o sistema produtivo nacional; Terceira, garantir a suficiente celeridade na produção legislativa e a consequente reedificação da arquitectura legislativa e regulamentar que responda às novas exigências de regulação dos mercados, mediante as seguintes propostas de iniciativas legislativas: (i) proceder a revisão da Lei sobre o sistema financeiro no sentido de institucionalizar os Bancos Universais, harmonizar e publicar as diferentes Normas de Aplicação Permanente transformando-as como fonte de direito positivo bancário; (ii) promover os novos produtos financeiros, regulando os mecanismos de competitividade entre as instituições financeiras; (ii) fazer observar as condições legais de carácter prudencial, fiscalizando, designadamente, as condições de harmonização das tecnologias de comunicação, de informação contabilística e de análise de gestão, estruturando modelo de previsão e de prevenção dos riscos futuros; (iii) reestruturar os dispositivos normativos para a concessão de Licenças aos bancos comerciais, seguradoras, casas de câmbios e demais intervenientes do sistema financeiro; (iv) introduzir um maior rigor técnico no exercício de supervisão bancária e segurador, a partir de uma permanente reanálise quanto a consistência dos Estudos de Viabilidade Económico, Financeiro e Social apresentados para o efeito; (v) prosseguir as acções no sentido de aprovação e publicação das legislações específicas em matéria de corrupção, branqueamento de capitais e crimes São Tomé, 24 de Agosto de

16 financeiros, (vi) Conformar as balizas operacionais do Mercado Monetário Interbancário; incluindo o Mercado de Títulos de Tesouro Público; (vii) Organizar o Mercado Imobiliário em articulação com os mecanismos de concessão de micro-créditos; (viii) Institucionalizar o Fundo de Pensões; (ix) Estruturar as bases institucionais para facilitar as Operações de Garantia sobre Títulos e Propriedades Fundiárias; (x) Proceder a regulamentação de Depósito em moeda estrangeira pelos bancos comerciais no Banco Central, incluindo a própria regulamentação do Sistema de Compensação em moeda estrangeira; Quarta, reforçar o actual quadro de relação inter-institucional entre as Instituições financeiras, onde a harmonização do sistema de registo, consolidação, tratamento e divulgação de informação estatística permitam descobrir as tendências de evolução dos diferentes mercados e antever mudanças no futuro, mediante a co-responsabilização dos esforços entre os Bancos e as Companhias Seguradoras no sentido de: (i) propor as condições organizacionais, técnicas, tecnológicas que garantam a observância das balizas fundamentais para a progressiva consolidação do ambiente de confiança no sistema financeiro nacional; (ii) estruturar e fazer funcionar o modelo de previsão e programação monetária e cambial, avaliando os efeitos das decisões a serem tomadas hoje nestes domínios; (iii) elaborar os Estatutos da Sociedade Gestora das infra-estruturas interbancárias e de modernização do sistema de meios de pagamentos; Quinta, identificar os objectivos sectoriais e consequente ajustamento dos instrumentos de políticas considerados como estruturantes, a partir dos quais passam a ser possível envolver os actores políticos na produção dos consensos indispensáveis sobre a relação entre os objectivos estratégicos, os São Tomé, 24 de Agosto de

17 instrumentos de intervenção e as bases de avaliação, a partir das seguintes acções: (i) preencher as pré-condições para promover o real sentido de competitividade política, económica e social; (ii) garantir uma maior capacidade de identificação e de exploração dos recursos nacionais; (iii) promover a estrutura empresarial que torna possível transformar os recursos em bens e serviços comercializáveis; (iv) responder os desafios de integração regional e de internacionalização da economia santomense; (i) Sexta, proceder a harmonização das condições técnicas, tecnológicas e organizacionais para que seja garantida os registos das operações cambiais, bem como a análise das diferentes variáveis nível de competitividade dos produtos que o integra, o segmento dos clientes que procuram e os investidores que nela intervêm - que concorrem para o actual nível da sua informalidade se articula com a previsibilidade dos efeitos de afectação dos recursos disponíveis com os objectivos de crescimento e modernização de actividade económica, desenvolvendo as acções seguintes: (i) reflectir sobre a problemática do equilíbrio entre a oferta e procura cambial; (ii) analisar as diferentes variáveis nível de competitividade dos produtos que o integra, o segmento dos clientes que procuram e os investidores que nela intervêm - que concorrem para o actual nível da sua informalidade; (iii) proceder a devida articulação entre a formalização e licenciamento de actividade de intermediação monetária e cambial (combate ao informal) e estruturação dos mecanismos de previsibilidade dos efeitos de afectação dos recursos disponíveis; (iv) prosseguir os objectivos de crescimento e modernização de actividade económica; (v) operacionalizar os diferentes mecanismos para o efeito, equacionando consolidar as bases estruturais a partir das quais passam a ser sustentáveis as contas externas; (vi) analisar e intervir na consolidar as diferentes fases de integração económico e monetária numa São Tomé, 24 de Agosto de

18 das possíveis zonas económicas, exige uma correcta e continuada articulação entre o fortalecimento das economias nacionais e a consolidação do espaço comunitário; (vii) garantir o aumento dos fluxos de produtos comercializáveis; (i) Sétima, redefinir o actual quadro de instrumentalização das políticas monetária e cambial onde passa a ser possível redimensionar o papel da moeda nacional no crescimento dos níveis de actividade, quer através da limitação das necessidades de cobertura cambial ao custo de importação correspondente à dependência tecnológica, a partir das seguintes acções: (i) estabelecer e fazer cumprir o estrito limite do crédito em moeda estrangeira resultante da funcionalidade dos mecanismos de financiamento que decorrem da referida cobertura cambial; (ii) propor os termos de referência para o efeito da elaboração dos estudos de viabilidade dos projectos de investimentos que lhes servem de suporte, reflectindo as especificidades sectoriais; (i) Oitava, reflectir e formular propostas que visem desenvolver acções necessárias com vista a instrumentalização de medidas de políticas sectoriais que possam contribuir para o fortalecimento da capacidade de produção interna, em detrimento da quase total dependência externa da economia nacional, estabelecendo mecanismos de concepção, decisão e gestão de créditos que se enquadram no processo de modernização do tecido empresarial, particularmente para os sectores agro-pecuário e florestal, agroindustrial, pescas, turismo e construções, consubstanciado nos seguintes aspectos: (i) reflectir sobre a problemática de regionalização e de zonificação do sistema produtivo; (ii) proceder a selecção de produtos e consequente aproveitamentos das zonas de vantagens competitivas; (iii) São Tomé, 24 de Agosto de

19 estruturar o sistema de planeamento de produção interna e as necessidades de modernização de infra-estrutura e de estruturas tecnológicas; (iv) reflectir e regulamentar os aspectos ligados ao problemática de micro-créditos e a sua articulação com a estruturação dos pilares fundamentais da cultura associativista ao nível comunitário; (v) avaliar os impactos dos diferentes mecanismos que servem de suporte às políticas de subvenção de custos de investimento e de funcionamento; (vi) centralizar o fluxo de informação sobre as oportunidades de emprego e consequente consolidação do processo de profissionalização; (vii) institucionalizar o espaço de apoio ao desenvolvimento, cuja orgânica se traduza na gestão de relação entre as Instituições Financeiras, Estado e potenciais beneficiários; (i) Nona, institucionalizar a Central de Riscos e de Responsabilidade, criando uma base de dados sobre os níveis de endividamento das empresas e das famílias, quer a partir do sistema financeiro, quer através de outros mecanismos, tendo como zonas de intervenção as seguintes: (i) fortalecer as bases de intervenção nos domínios de estudos, análise e gestão de riscos sectoriais; (ii) garantir a padronização das regras de avaliação e concessão de crédito; (iii) fazer funcionar os mecanismos de co-financiamento de custos decorrentes da própria actividade de intermediação financeira; Décima, solicitar aos Tribunais, para que em tempo oportuno, sejam efectuadas as execuções das garantias reais constituídas no âmbito da gestão de riscos, desenvolvendo as seguintes acções: (i) diminuir o actual nível de crédito mal-parados no conjunto do sistema financeiro nacional; (ii) concorrer para restauração do suficiente ambiente de confiança entre os Bancos Comerciais, Clientes e os demais agentes económicos; São Tomé, 24 de Agosto de

20 Décima primeira, introduzir melhorias no actual modelo de programação financeira e consequente modernização dos instrumentos de controlo de evolução de conjuntura, mediante a garantia de articulação entre os objectivos que se enquadram no âmbito da disciplina orçamental e os que se inscrevem no quadro de expansão monetária a partir de: (i) redimensionar a eficácia dos actuais instrumentos de gestão de riscos de crédito; (ii) garantir o aumento dos actuais níveis de rentabilidade do capital, particularmente no sector agrícola; (iii) coordenar os efeitos de produtividade e valorização social do trabalho, enquanto bases estruturais para a promoção e aplicação de poupança interna; (iv) promover os mecanismos que concorrem para ajustar os actuais desequilíbrios entre a produção, consumo e investimento; Décima segunda, regulamentar a matéria relativa aos Depósitos em moeda estrangeira dos Bancos Comerciais junto do Banco central, desenvolvendo as seguintes acções: (i) operacionalizar os mecanismos de compensação em moeda estrangeira; (ii) fortalecer o actual quadro de regulação para operações em moeda nacional, analisando os actuais níveis de correlação com a taxa de juros; (i) Décima terceira, propor às Autoridades competentes, para o efeito de tomada de decisão, as alternativas possíveis quanto a regulamentação especifica sobre a matéria tributária que incide sobre a actividade bancária, garantindo a articulação entre o custo de intermediação financeira, prevenção e sustentabilidade de riscos, níveis de rentabilidade de capital do sector e a carga fiscal que incide sobre a actividade bancária, traduzidos nas seguintes áreas de reflexão e consequente formulação de propostas de reajustamento regulamentar: (i) clarificar os critérios que devem ser tomadas para a determinação da matéria colectável e o cálculo do imposto São Tomé, 24 de Agosto de

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão Capítulo VI Gestão Financeira e Patrimonial Artigo 18.º Princípios de Gestão 1. A gestão deve articular-se com os objectivos prosseguidos pela Câmara Municipal de Viseu, visando a promoção do desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

Contexto em que ocorreram as Negociacoes

Contexto em que ocorreram as Negociacoes Introducao Este Seminario enquadra-se num âmbito mais vasto, que é o de reforçar as capacidades técnicas e funcionais das instituições Superiores de Controlo (Tribunais de Contas), Parlamentos Nacionais

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique

Focus on Mozambique. Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique Focus on Mozambique Antonio Pinto de Abreu Bank of Mozambique CORPORATE GOVERNANCE NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Enfrentando a Crise Financeira Internacional: O Papel da Boa Governação Corporativa

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA (2º ano de formação) Página 1 de 6 Competências Gerais Usar os conceitos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020]

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] PREÂMBULO A Parceria Territorial Alentejo Central [2014-2020] resulta da dinâmica do Conselho de Cooperação para o acompanhamento à Iniciativa

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal

VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL. Associação Interprofissional. para a. Promoção dos Vinhos de Portugal VINIPORTUGAL Plano Estratégico 2012 / 2014 VINIPORTUGAL Associação Interprofissional para a Promoção dos Vinhos de Portugal I - PLANO ESTRATÉGICO (CORPORATE BUSINESS PLAN) Desenvolver e executar estratégias

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa

Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012. António de Sousa Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 António de Sousa Realidade: A literacia financeira dos portugueses Resultados do Inquérito do Banco de Portugal à População Portuguesa (2010):

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais