AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5"

Transcrição

1 AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 5

2 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

3 Atenção Primária à Saúde e/ou Atenção Básica No Brasil, observa-se mudanças na concepção de APS desde a NOB 1996: Responsabilização dos governos municipais pela Atenção Básica; Institui o Piso de Atenção Básica (PAB) repasse fundo a fundo per capita (R$23,00 habitante/ano) e incentivos financeiros para o Programa de Saúde da Família (PSF) e Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). A Atenção Básica é um conjunto de ações, de caráter individual e coletivo, situadas no primeiro nível de atenção dos sistemas de saúde, voltadas para a promoção da saúde, a prevenção de agravos, o tratamento e a reabilitação. (MS, 1996)

4 Programa Saúde da Família (PSF) PSF Implantação inicial como mais um programa voltado para extensão de cobertura assistencial; Características de seletividade nos serviços ofertados e focalização ao priorizar populações em situação de maior risco social (programa para pobres?); A partir de 1997: estratégia estruturante dos sistemas municipais de saúde, visando reorientar o modelo assistencial e imprimir uma nova dinâmica na organização dos serviços e ações de saúde; Gradualmente foi ganhando importância na Política Pública de Saúde Nacional.

5 Pactos pela Saúde Atenção básica é entendida como um conjunto de ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação de saúde nos âmbitos individual e coletivo realizadas por meio de trabalho em equipe e dirigidas a populações de territórios delimitados (MS, 2006). Saúde da Família assumida como estratégia prioritáriacentralidade na família e direcionada para a comunidade.

6 Equipe Saúde da Família (ESF) Unidade de Saúde da Família (USF) porta de entrada preferencial ao sistema local e ordenadora dos demais serviços A ESF deve: conhecer as famílias do seu território de abrangência; identificar os problemas de saúde e as situações de risco existentes na comunidade; elaborar programação de atividades para enfrentar os determinantes do processo saúde/doença; desenvolver ações educativas e intersetoriais relacionadas com os problemas de saúde identificados; prestar assistência integral às famílias sob sua responsabilidade no âmbito da Atenção Básica.

7 Princípios da ESF Caráter substitutivo ao modelo assistencial de APS no país: programas de saúde pública atendimento à demanda espontânea Universalidade Integralidade Equidade Intersetorialidade: trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins territorialização adscrição de clientela equipe multiprofissional demanda estruturada responsabilização e vínculo: participação na dinâmica social das famílias assistidas e da comunidade participação social - participação da comunidade no planejamento, execução e avaliação das ações

8 Objetivos da ESF Possibilitar ações de prevenção de doenças, promoção da qualidade de vida e recuperação da saúde das pessoas de forma integral e contínua. Gerar práticas de saúde que integrem ações individuais e coletiva.

9 Como cumprir os objetivos? Criando vínculos de co-responsabilidade entre profissionais de saúde e população, facilitando a identificação e o atendimento aos problema de saúde da comunidade. Utilizando o enfoque de risco como método de trabalho, visando adequação de recursos às necessidades locais.

10 O que exige para funcionar? Profissional com visão sistêmica e integral do indivíduo, da família e da comunidade na qual esta família está inserida. Prática humanizada, competente e resolutiva. Permanente interação com comunidade, mobilizando-a e estimulando sua participação.

11 COMO SE ESTRUTURA O PSF? Territorialização e cadastramento da clientela. Mapeamento da área de atuação. Ampliação/facilitação do acesso. Acolhimento e vínculo. Estratificação de risco. Trabalho em equipe multiprofissional. Resolutividade.

12 TERRITORIALIZAÇÃO E CADASTRAMENTO DA CLIENTELA Área de abrangência previamente definida. Cadastramento e o acompanhamento da população adscrita a esta área. Uma equipe se responsabilizará preferencialmente por até pessoas. ACS: até 750 pessoas.

13 SIAB FICHA A Cadastramento das famílias

14

15 MAPEAMENTO DA ÁREA Trabalhar com território implica em um processo de coleta e sistematização de dados demográficos, socioeconômicos, políticos culturais, epidemiológicos e sanitários, identificados por meio do cadastramento e devem ser interpretados e atualizados periodicamente pela equipe. O mapa é um desenho que representa no papel o que existe naquela localidade e é uma ferramenta indispensável para o trabalho da equipe.

16 MAPEAMENTO DA ÁREA Marcar barreiras geográficas que dificultam o caminho das pessoas até os serviços de saúde; Conhecer a realidade da comunidade e planejar como resolver os problemas de saúde com mais eficácia; Planejar e otimizar as visitas domiciliares; Identificar com símbolos situações de risco; Identificar com símbolos os grupos prioritários: gestantes, crianças, idosos, hipertensos, diabéticos, pessoas acamadas, pessoas com deficiência, usuário de drogas, pessoas com hanseníase ou tuberculose.

17 EXEMPLO DE MAPA

18 EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Equipe mínima: 1 Médico. 1 enfermeiro. 1 auxiliar de enfermagem. Agentes Comunitários de Saúde (ACS). Outros profissionais podem ser incorporados às equipes ou formar equipes de apoio. Saúde Bucal NASF

19 PROCESSO DE TRABALHO EM USF Trabalho em equipe. Organização da demanda. Atenção domiciliar. Grupos operativos. Educação permanente em saúde. Alimentação e análise de banco de dados (SIAB).

20 ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE Conhecer a realidade das famílias pelas quais é responsável, por meio de cadastramento e diagnóstico de suas características sociais, demográficas e epidemiológicas. Identificar os principais problemas de saúde e situações de risco aos quais a população que ela atende está exposta.

21 ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE Prestar assistência integral, respondendo de forma contínua e racionalizada à demanda, organizada ou espontânea: Na USF. Na comunidade. No domicílio. Acompanhar atendimento nos serviços de referência ambulatorial ou hospitalar.

22 ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE Elaborar, com a participação da comunidade, um plano local para enfrentar os determinantes do processo saúde-doença. Desenvolver ações educativas e intersetoriais para enfrentar os problemas de saúde identificados.

23 ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO Realizar consultas na unidade de saúde. Assistir pessoas que necessitem de cuidados de enfermagem, no domicílio. Supervisionar o trabalho do Agente Comunitário de Saúde e do Auxiliar de Enfermagem.

24 ATRIBUIÇÕES DO ACS Realizar mapeamento de cada micro-área. Cadastrar as famílias. Visitar cada domicílio pelo menos um vez por mês. Estimular a comunidade para práticas que proporcionem melhores condições de saúde e de vida. Fazer a ligação entre as famílias e o serviço de saúde.

25

26 ORGANIZAÇÃO DA DEMANDA Desafogar unidade de demanda espontânea: Organizando fluxo de demanda. Fazendo abordagem coletiva de grupos humanos prioritários. Monitoramento de doenças crônicas. Elaboração de protocolos clínicos e de consulta de enfermagem.

27 ATENÇÃO DOMICILIAR Permite monitoramento da situação de saúde de cada família. Realizada cotidianamente pelo ACS. Resultado de cada visita é encaminhado à equipe para condução de casos. Consultas médicas e de enfermagem são então agendadas. Pacientes com dificuldade de locomoção. Grupos de risco.

28 GRUPOS OPERATIVOS Organizado a partir da lógica de: Ciclos de vida: Adolescentes, gestantes, idosos... Patologias referidas: Hipertensão, diabetes... Tem por objetivo permitir expressão de sentimentos e trocas de experiências ou vivências.

29 GRUPOS OPERATIVOS Não é simples. Deve utilizar elementos da cultura local. Mobilizar e sensibilizar comunidade sobre cuidados de saúde e situações que com ela interferem: Saneamento. Alcoolismo e drogas. Práticas de exercícios...

30 METODOLOGIA PARA GRUPOS OPERATIVOS Teatro, vídeos, literatura de cordel. Gincanas, programas de rádio. Grupos de auto ajuda. Oficinas ou dinâmicas de grupo. Trabalhos artesanais. Mutirões, passeatas. Caminhadas. Bailes.

31 RESULTADOS ESPERADOS Prestar atendimento de bom nível. Evitar internações desnecessárias. Impacto nos indicadores de saúde. Resolubilidade de 85% dos problemas de saúde em sua comunidade. Melhorar a qualidade de vida da população por ela assistida. Satisfação de usuário e profissionais.

32

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 4. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 4. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 4 Profª. Lívia Bahia Atenção Básica e Saúde da Família Programa de Agentes Comunitários de Saúde PACS Existente desde o início da década de 1990, porém

Leia mais

O Programa Saúde da Família nasceu oficialmente no Brasil em1994, fundamentado em algumas experiências municipais que já estavam em andamento no

O Programa Saúde da Família nasceu oficialmente no Brasil em1994, fundamentado em algumas experiências municipais que já estavam em andamento no O Programa Saúde da Família nasceu oficialmente no Brasil em1994, fundamentado em algumas experiências municipais que já estavam em andamento no País. O PSF Surge como uma proposta ousada para a reestruturação

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 3. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 3. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 3 Profª. Lívia Bahia Atribuições comuns a todos os profissionais da Atenção Básica: Manter atualizado o cadastramento das famílias e dos indivíduos no

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 Política Nacional de Atenção Básica Portaria nº 648/GM de 28 de Março de 2006 ! A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde no âmbito individual e coletivo que abrangem a promoção

Leia mais

As atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família, de saúde bucal e de acs

As atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família, de saúde bucal e de acs Anexo I As atribuições dos profissionais das Equipes de Saúde da Família, de saúde bucal e de acs As atribuições globais abaixo descritas podem ser complementadas com diretrizes e normas da gestão local.

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO ENFERMAGEM DISCIPLINA: ENFERMAGEM DA FAMÍLIA 5º SEMESTRE

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO ENFERMAGEM DISCIPLINA: ENFERMAGEM DA FAMÍLIA 5º SEMESTRE ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO ENFERMAGEM DISCIPLINA: ENFERMAGEM DA FAMÍLIA 5º SEMESTRE POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA - BRASIL PORTARIA GM/MS 648 ( 28 DE MARÇO DE 2006):

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE

POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE POLÍTICAS PÚBLICAS ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE CONCEITO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE (APS) A APS é a atenção à saúde essencial baseada em - métodos e tecnologias, cientificamente fundamentados e socialmente

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo

O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo O papel da Secretaria de Estado da Saúde no apoio e na articulação dos municípios para qualificar a Atenção Básica no Estado de São Paulo 31º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

Leia mais

Aula 04 SEÇÃO 1 CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF)

Aula 04 SEÇÃO 1 CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) Aula 04 Programa de Saúde da Família (PSF) Nessa aula iremos conhecer as principais características do programa de saúde da família (PSF). Seus princípios, regras e os profissionais envolvidos no processo.

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO ADMINISTRATIVO I ADMINISTRATIVO II COMUNITÁRIO DE SAÚDE DE COMBATE A ENDEMIAS ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ATRIBUIÇÕES Executar tarefas auxiliares de escritórios e secretária envolvendo registros,

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 22 Profª. Tatiane da Silva Campos PORTARIA Nº 648,

Leia mais

É a estratégia que o Ministério da Saúde escolheu para reorientar o modelo assistencial do SUS a partir da atenção básica.

É a estratégia que o Ministério da Saúde escolheu para reorientar o modelo assistencial do SUS a partir da atenção básica. Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 2. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 2. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 2 Profª. Lívia Bahia Política Nacional da Atenção Básica Aprovada pela portaria 2.488, de 21 de Outubro de 2011; A Atenção Básica caracteriza-se por um

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 001/2018 CADERNO DE QUESTÕES. 2 de 6 ASSINATURA PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVISA NOVA ESTADO DE MINAS GERAIS

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO Nº 001/2018 CADERNO DE QUESTÕES. 2 de 6 ASSINATURA PREFEITURA MUNICIPAL DE DIVISA NOVA ESTADO DE MINAS GERAIS 2 de 6 QUESTÃO 01 O que fica estabelecido entre os artigos 196 à 200, da Constituição Federal do Brasil 1988? Assinale a alternativa correta a) A saúde é um dever de todos e um direito do Estado. b) A

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Contextualização da Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde 1999 - Fundação Nacional de Saúde inicia o processo de descentralização para os municípios

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Carlos Leonardo F. Cunha

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Carlos Leonardo F. Cunha ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Carlos Leonardo F. Cunha Reflexão Individual O que representa a Estratégia Saúde da Família para o SUS? Processo Histórico da Estratégia Saúde da Família Surgimento nos anos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: Carlos Leonardo Cunha

POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: Carlos Leonardo Cunha POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA: PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO Carlos Leonardo Cunha POLÍTICA NACIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PNAB)-PORTARIA/GM Nº 648 DE 28/03/06 Definição expressa do MS de revitalizar a

Leia mais

Nadja Salgueiro da Silva Gerente do Núcleo de Ações Programáticas de Saúde da Família- NAPSF

Nadja Salgueiro da Silva Gerente do Núcleo de Ações Programáticas de Saúde da Família- NAPSF Secretaria de Estado da Saúde SESAU Coordenadoria Geral de Atenção Básica CGAB Departamento de Atenção Básica DAB Núcleo de Ações Programáticas Saúde da Família NAPSF Nadja Salgueiro da Silva Gerente do

Leia mais

Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF.

Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF. Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF. Caruaru PE Jaboatão - PE João Pessoa - PB Santa Rita - PB Maceió - AL Parnaíba PI Cabo de Santo Agostinho PE Teresina PI Parnamirim - RN Natal - RN Paulista - PE Arapiraca

Leia mais

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

NOTA TÉCNICA 41 /2012. Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). NOTA TÉCNICA 41 /2012 Institui a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). INTRODUÇÃO As doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TERESINA Ayla Maria Calixto de Carvalho Alba Alves Costa Marques Telma Maria Evangelista

Leia mais

04/10/2016. Relatório Dawson Atenção Primária à Saúde. Declaração de Alma-Ata Atenção Primária à Saúde Declaração de Alma-Ata

04/10/2016. Relatório Dawson Atenção Primária à Saúde. Declaração de Alma-Ata Atenção Primária à Saúde Declaração de Alma-Ata Relatório Dawson - 1920 Trabalho precursor para as Redes de Atenção à Saúde! Pontos essenciais: Nutricionista Fernando B. Peixoto CrN3: 41101 Mestrando em Saúde na Comunidade FMRP/USP Pós-Graduado em Atenção

Leia mais

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana

Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo. Carmen L. A. de Santana Exemplos de integração socio -sanitárias em atenção básica: a experiência de São Paulo Carmen L. A. de Santana 2014 Princípios do SUS 1) 1) 3) 4) 5) Acesso universal, Equidade da oferta de serviços, Descentralização,

Leia mais

ESTRUTURA DO SETOR DE SAÚDE BRASILEIRO. Laís Caroline Rodrigues Economista Residente Gestão Hospitalar

ESTRUTURA DO SETOR DE SAÚDE BRASILEIRO. Laís Caroline Rodrigues Economista Residente Gestão Hospitalar ESTRUTURA DO SETOR DE SAÚDE BRASILEIRO Laís Caroline Rodrigues Economista Residente Gestão Hospitalar residecoadm.hu@ufjf.edu.br Organizações de Saúde São Unidades de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

REFEITURA MUNICIPAL DE BRAZOPOLIS EDITAL

REFEITURA MUNICIPAL DE BRAZOPOLIS EDITAL ANEXO II - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGOS REQUISITOS ATRIBUIÇÕES Agente Comunitário de Saúde 1º Grau Completo e residir no bairro a que concorre Realização do cadastramento das Famílias; Participação na

Leia mais

Introdução

Introdução 1. 2. 3. 4. Introdução A estratégia Saúde da Família Os princípios organizativos da estratégia Saúde da Família A reorganização da Atenção Primária a partir da Saúde da Família Introdução A Atenção Primária

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Questões para discussão No seu municipio como está organizada a gestão da AB e da vigilância? 1. São uma coordenação única ou coordenações diferentes? 2.

Leia mais

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012

Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica. Setembro, 2012 Linhas gerais e desafios da Política Nacional da Atenção Básica Portaria 2488 Setembro, 2012 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. AAtençãoBásica é oprimeiropontodeatençãoàsaúde

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARANI

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARANI LEI Nº. 871 DE 16 MARÇO DE 2018. Altera o Anexo II, do Art. 11, da Lei 05/1.995, que dispõe sobre o Plano de Carreira e vencimentos dos Servidores Públicos Municipais de Guarani, criando cargos efetivos

Leia mais

ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO

ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO ATRIBUTOS E PROCESSO DE TRABALHO PNAB 2017 TERRITORIALIZAÇÃO A desconformidade entre as estruturas da demanda e da oferta na atenção primária à saúde ESTRUTURA DA DEMANDA Condições agudas Condições crônicas

Leia mais

Estratégia Saúde da Família. CSEGSF/TEIAS Escola Manguinhos

Estratégia Saúde da Família. CSEGSF/TEIAS Escola Manguinhos Estratégia Saúde da Família CSEGSF/TEIAS Escola Manguinhos Teias Escola Manguinhos, 2012 OUTUBRO, 2014 Saúde da Família Princípios e Diretrizes Universalidade Descentralização Hieraquização Integralidade

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde de Matelândia-PR Enfª Clenice Bado Relato de Experiência

Secretaria Municipal de Saúde de Matelândia-PR Enfª Clenice Bado Relato de Experiência ACOLHIMENTO AOS USUÁRIOS NO MUNICÍPIO DE MATELÂNDIA Secretaria Municipal de Saúde de Matelândia-PR Enfª Clenice Bado Relato de Experiência Matelândia está localizado no oeste do Paraná, as margens da BR

Leia mais

Caderno de Prova. Agente Comunitário de Saúde. Município de Balneário Camboriú Secretaria de Administração. Edital n o 04/2007

Caderno de Prova. Agente Comunitário de Saúde. Município de Balneário Camboriú Secretaria de Administração. Edital n o 04/2007 Município de Balneário Camboriú Secretaria de Administração Edital n o 04/2007 Caderno de Prova A Agente Comunitário de Saúde Dia: 29 de março de 2008 Horário: das 16:30 às 18:30 h Duração: 2 (duas) horas,

Leia mais

Linha de Cuidados. Mila Lemos Cintra

Linha de Cuidados. Mila Lemos Cintra Linha de Cuidados Mila Lemos Cintra Assistência à Saúde Ainda há uma prática: Centrada no ato prescritivo procedimento Dimensões biológicas Centrado em exames e medicamentos Custo elevado Assistência à

Leia mais

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo

Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió Prof.: Rafael Azeredo Teste Legislação do SUS Concurso Saúde Maceió -2012 Prof.: Rafael Azeredo 1. Pode-se classificar com Região de Saúde segundo o decreto 7508/11 a alternativa: a) Acordo de colaboração firmado entre entes

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL N. 002/2018

PROJETO DE LEI MUNICIPAL N. 002/2018 PROJETO DE LEI MUNICIPAL N. 002/2018 ALTERA A REDAÇÃO DO ART. 2 DA LEI MUNICIPAL N 2.263 DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS ANTONIO CARLOS DAMIN, PREFEITO MUNICIPAL DE PLANALTO, Estado

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO EDITAL: Nº 001/2017 DATA DA PROVA: 20/04/2018 CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (NÍVEL FUNDAMENTAL)

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO EDITAL: Nº 001/2017 DATA DA PROVA: 20/04/2018 CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (NÍVEL FUNDAMENTAL) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO EDITAL: Nº 001/2017 DATA DA PROVA: 20/04/2018 CARGO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (NÍVEL FUNDAMENTAL) Candidato(a): Assinatura do Candidato(a): Avaliação será uma prova objetiva

Leia mais

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado

Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança. PMAQ Processo de trabalho ofertas para o cuidado Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Gestão da Atenção Básica Atenção Básica na Atenção Integral à Saúde da Criança PMAQ Processo de trabalho

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA NOVA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA NOVA ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA NOVA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO LEI Nº 0568/2017 LEI Nº 0568/2017 LAGOA NOVA (RN) 16 DE MARÇO DE 2017 Institui a Premiação Financeira

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica Conceito Atenção Básica A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção, proteção, diagnóstico,

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013

PARECER CREMEC N.º 26/ /12/2013 PARECER CREMEC N.º 26/2013 06/12/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 10924/2013 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DOS MÉDICOS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PARECERISTA:

Leia mais

Curso Especialização em Saúde Pública

Curso Especialização em Saúde Pública Curso Especialização em Saúde Pública Curso Especialização em Saúde Pública Inserido na política de saúde do Estado do Paraná/SESA Perspectiva de uma Gestão Pública voltada para resultados Consonância

Leia mais

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2010 Edital de Concurso Público Nº 01.01/2010 ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS AGENTE COM. DE SAÚDE: Emprego: Agente Comunitário de Saúde Atribuições da função - utilizar instrumentos

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS

Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família. Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS Núcleo de Atenção Integral na Saúde da Família Coordenação da Política Nacional de Promoção da Saúde/SE Coordenação de Gestão da Atenção Básica/SAS SUS - Princípios Gerais 1 - A Saúde Como Direito de Todos

Leia mais

Relatório Prestação de Contas Setembro 2012

Relatório Prestação de Contas Setembro 2012 CONTRATO DE GESTÃO Nº 42/2012 MOGI DAS CRUZES Relatório Prestação de Contas Setembro 2012 Período 20 de agosto a 19 de setembro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Unidades de Saúde do Programa de Saúde da Família...

Leia mais

Lei nº 8.005, de 09 de junho de Cria cargos públicos e vagas na SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, para execução de atividades do Programa de Saúde

Lei nº 8.005, de 09 de junho de Cria cargos públicos e vagas na SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, para execução de atividades do Programa de Saúde Lei nº 8.005, de 09 de junho de 2008. Cria cargos públicos e vagas na SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, para execução de atividades do Programa de Saúde de Família (PSF), Programa de Agentes Comunitários

Leia mais

A organização da atenção à saúde

A organização da atenção à saúde A organização da atenção à saúde Modelos de Atenção à Saúde Consiste na organização das ações para a intervenção no processo saúde-doença, articulando os recursos físicos, tecnológicos e humanos, para

Leia mais

CARLOS CÉSAR DE ALBUQUERQUE

CARLOS CÉSAR DE ALBUQUERQUE Portaria nº 1886/GM Em, 18 de dezembro de 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas

Leia mais

Alexandre de Araújo Pereira

Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA / SAÚDE DA FAMÍLIA: CO-RESPONSABILIDADE NO TERRITÓRIO III MOSTRA NACIONAL DE III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA BRASÍLIA 08/2008 Alexandre de Araújo Pereira

Leia mais

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal

Capítulo 2. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. Rosane Lowenthal Capítulo 2 Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental Rosane Lowenthal SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LOWENTHAL, R. Estratégia de Saúde da Família e a saúde mental. In: Saúde mental

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br Uso de Geotecnologias na Atenção Primária do Município do Rio de Janeiro Thiago Virgilio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA 1. O programa de internato é desenvolvido em tempo integral, oito horas diárias,

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Milene Zanoni da Silva Vosgerau AULAS ANTERIORES Evolução das Políticas de Saúde no Brasil SUS Sistema Único de Saúde NOB NOAS Pacto pela Saúde

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1

RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1 RELATÓRIO FINAL DA 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BARRA DO PIRAI DIA 07 DE JUNHO DE 2014 ATENÇÃO BÁSICA GRUPO 1 1) Atenção domiciliar aos pacientes em dificuldades de locomoção dependente de ventilação

Leia mais

AÇÕES DE MEDICINA NO ESTADO E O PAPEL DO MÉDICO NO PSF. Geraldo Magela Miranda

AÇÕES DE MEDICINA NO ESTADO E O PAPEL DO MÉDICO NO PSF. Geraldo Magela Miranda POLÍTICA DE SAÚDE: AÇÕES DE MEDICINA NO ESTADO E O PAPEL DO MÉDICO NO PSF Geraldo Magela Miranda TERESINA Equipes de Saúde da Família: 233 Saúde Bucal: 162 ACS: 1.437 PIAUÍ Equipes de Saúde da Família

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A Atenção Primária à Saúde (APS) está sendo desenvolvida e reconhecida no mundo, por mais de três décadas, como uma estratégia capaz de estruturar redes

Leia mais

100 QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA PARA AGENTE COMUNITÁRIO

100 QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA PARA AGENTE COMUNITÁRIO Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

1.4 Centro/Departamento/Coordenação de origem: CCME - Coordenação do curso de Medicina-UFMA Pinheiro

1.4 Centro/Departamento/Coordenação de origem: CCME - Coordenação do curso de Medicina-UFMA Pinheiro 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1 Título: EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA A MELHORA DA QUALIDADE DE VIDA DA COMUNIDADE 1.2 Área temática Principal: ( ) Comunicação ( ) Educação ( ) Direitos Humanos

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

SAÚDE COLETIVA. Professor: Hugo Pascoal

SAÚDE COLETIVA. Professor: Hugo Pascoal SAÚDE COLETIVA Professor: Hugo Pascoal História natural da doença Fase Inicial (ou de suscetibilidade) nesta fase ainda não há doença propriamente dita, mas existe o risco de adoecer. Fase Patológica Pré-clínica

Leia mais

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Mônica Sampaio de Carvalho Rogério Carvalho Santos Leandro Dominguez Barretto Secretaria Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HELLEN RIBAS TON ESTRATEGIA SAÚDE DA FAMILIA NO MUNICIPIO DA LAPA: O TRABALHO DO ENFERMERO Lapa 2011 2 HELLEN RIBAS TON ESTRATEGIA SAÚDE DA FAMILIA NO MUNICIPIO DA LAPA:

Leia mais

AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS INSERIDAS NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF)

AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS INSERIDAS NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Antonio Nascimento Araujo Ericarla Castro Corrêa José Vitor Vieira Ferreira

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira

POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL. Prof. Domingos de Oliveira POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL Prof. Domingos de Oliveira DIRETRIZES E POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL A Política de Saúde Mental instituída no Brasil através da Lei Federal No 10.216/01, tem como premissa fundamental

Leia mais

Núcleo e Apoio à Saúde da Familia - NASF

Núcleo e Apoio à Saúde da Familia - NASF Núcleo e Apoio à Saúde da Familia - NASF Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) Política Nacional de Atenção Básica (PNAB) regulamentada pela Portaria 648, de 28 de março de 2006, que estabeleceu a

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS TEMÁTICA CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO DE RELATO Inclui relatos sobre práticas na elaboração e acompanhamento dos Instrumentos: 1.A FERRAMENTAS DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Educação permanente em saúde no tratamento supervisionado da tuberculose: um estudo descritivo

Educação permanente em saúde no tratamento supervisionado da tuberculose: um estudo descritivo Educação permanente em saúde no tratamento supervisionado da tuberculose: um estudo descritivo Áurea Cristina Accacio de Oliveira 1, Marilda Andrade 1 1 Universidade Federal Fluminense RESUMO O Estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA 1. O programa de internato é desenvolvido em tempo integral, oito horas diárias,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS. Mar/2012

CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO. Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS. Mar/2012 CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DE SÃO PAULO Implicações na prática da Assistência à Saúde no SUS Mar/2012 O SUS HOJE IDSUS aponta problemas de acesso e de qualidade do sistema na maioria

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

O papel da Atenção Básica no pré-natal, parto e puerpério. Departamento de Atenção Básica Ministério da Saúde

O papel da Atenção Básica no pré-natal, parto e puerpério. Departamento de Atenção Básica Ministério da Saúde O papel da Atenção Básica no pré-natal, parto e puerpério Departamento de Atenção Básica Ministério da Saúde Rede Cegonha - Diretrizes Acolhimento e classificação de risco, ampliação do acesso e melhoria

Leia mais

MUNICÍPIO DE CURVELO MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2012 ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

MUNICÍPIO DE CURVELO MG CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS EFETIVOS EDITAL 1/2012 ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Auxiliar de Saúde Bucal Executar a limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização de instrumentais, equipamentos odontológicos e do ambiente de trabalho; realizar ações de promoção e prevenção em saúde

Leia mais

BOX Nº 3 - É BOM SABER GESTÃO FINANCEIRA DO SUS

BOX Nº 3 - É BOM SABER GESTÃO FINANCEIRA DO SUS BOX Nº 3 - É BOM SABER GESTÃO FINANCEIRA DO SUS Estas leis estabeleceram as formas de repasse dos recursos financeiros a serem transferidos para Distrito Federal, Estados e Municípios, baseados nos seguintes

Leia mais

ÁLVARO MELO Prefeito KÁTIA BETINA RIOS Secretária Municipal de Saúde RENILDO MANOEL Diretor de Atenção a Saúde MYRNA PIMENTEL VILLAS BÔAS Assessora

ÁLVARO MELO Prefeito KÁTIA BETINA RIOS Secretária Municipal de Saúde RENILDO MANOEL Diretor de Atenção a Saúde MYRNA PIMENTEL VILLAS BÔAS Assessora ÁLVARO MELO Prefeito KÁTIA BETINA RIOS Secretária Municipal de Saúde RENILDO MANOEL Diretor de Atenção a Saúde MYRNA PIMENTEL VILLAS BÔAS Assessora da APS População: 18.331 Urbana: 8.956 Rural: 9.375 7ª

Leia mais

PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica

PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011 PROGRAMA DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Contratualização

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF)

ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) Leane Leitão Claudio de Sousa (1); Jully Robéria Elias Guedes (1); Karolyne Morato Ferreira (2); Luciara Satiro de Brito (3); Larissa Nogueira

Leia mais

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS TEXTOS DIDÁTICOS DO CEMED Nº 2.c Compreendendo o SUS e a Assistência Farmacêutica Módulo 2 Tema 8 Aula Expositiva 6 O Núcleo de Apoio à Saúde da Família e suas funções na ABS Simone Alves do Vale Secretaria

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Política Nacional de Atenção Básica - PNAB A Atenção Básica é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem promoção, prevenção,

Leia mais

Ferramentas de Monitoramento da Demanda e sua Função no Aperfeiçoamento da Rede: PROMEUS. Juliane Dias Assessora Técnica Médica

Ferramentas de Monitoramento da Demanda e sua Função no Aperfeiçoamento da Rede: PROMEUS. Juliane Dias Assessora Técnica Médica Ferramentas de Monitoramento da Demanda e sua Função no Aperfeiçoamento da Rede: PROMEUS Juliane Dias Assessora Técnica Médica Fundação Hospitalar Getúlio Vargas Fundação Hospitalar Getúlio Vargas Compromisso

Leia mais

SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ] Nutricionista Entrevistado(a) CRN- RT / QT

SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ] Nutricionista Entrevistado(a) CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A

Leia mais

Lei nº 516, de 26 de Agosto de 2010.

Lei nº 516, de 26 de Agosto de 2010. Lei nº 516, de 26 de Agosto de 2010. Estado de Minas Gerais INSTITUI E REGULAMENTA O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA PSF E DE SAÚDE BUCAL, DEFININDO SEU QUADRO DE CARGOS E AS CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FARMÁCIA E SERVIÇO SOCIAL NO PET- SAÚDE UEPG/SMS-PG

EXPERIÊNCIA DA ATUAÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FARMÁCIA E SERVIÇO SOCIAL NO PET- SAÚDE UEPG/SMS-PG 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPERIÊNCIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMÓPOLIS DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS CNPJ: /

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMÓPOLIS DE MINAS ESTADO DE MINAS GERAIS CNPJ: / LEI COMPLEMENTAR Nº 91, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2019. Dispõe sobre a alteração do quadro de pessoal constante da Lei Complementar nº 83, de 06 de agosto de 2018 e estabelece outras providências. A Câmara

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO CONHECIMENTOS GERAIS (10 QUESTÕES): SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO ESF EDITAL Nº 001/2019 ANEXO I PROGRAMA DE PROVA SISTEMA UNICO DE SAÚDE Legislação do SUS Participação da Comunidade e

Leia mais

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica

Oficina Processo. de Trabalho na. Atenção Básica Oficina Processo de Trabalho na Atenção Básica O que esperamos? Proporcionar que gestores aprofundem o debate sobre alguns temas que são caros na qualidade da Atenção Básica, a partir do processo de trabalho

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 812 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015.

LEI MUNICIPAL Nº. 812 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015. LEI MUNICIPAL Nº. 812 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015. INSTITUI E REGULAMENTA O PROGRAMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ESF E DE SAÚDE BUCAL, DEFININDO SEU QUADRO DE CARGOS E AS CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

a)situação problema e/ou demanda inicial que motivou ou requereu o desenvolvimento desta atividade:

a)situação problema e/ou demanda inicial que motivou ou requereu o desenvolvimento desta atividade: TÍTULO DA PRÁTICA: Melhoria na qualidade das informações geradas pelo ACS no Sistema Cadastral Familiar e melhor conhecimento da população das equipes de Saúde da Família. CÓDIGO DA PRÁTICA: T3 1 2 3 4

Leia mais

ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA. ALCOOLISMO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA. ALCOOLISMO Aula 5. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM DEPENDÊNCIA ALCOOLISMO Aula 5 Profª. Tatiane da Silva Campos uma política nacional de atenção à saúde, de forma relacionada ao consumo de álcool, implica na implementação da assistência, ampliando

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários

SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: o vínculo e o diálogo necessários II Mostra Nacional de Saúde Família 01º a 03 de junho de 2004 Diretrizes da política de saúde mental do MS Redução Progressiva dos Leitos

Leia mais

Processo de Trabalho no contexto da Atenção Básica de Boa Vista

Processo de Trabalho no contexto da Atenção Básica de Boa Vista Processo de Trabalho no contexto da Atenção Básica de Boa Vista Encontro Estadual para fortalecimento da Atenção Básica Roraima. Junho - 2018 População: 320. 022 habitantes 34 unidades básicas de saúde

Leia mais

15 Congresso de Iniciação Científica CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ADSCRITA A QUATRO UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA

15 Congresso de Iniciação Científica CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ADSCRITA A QUATRO UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA 15 Congresso de Iniciação Científica CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ADSCRITA A QUATRO UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Autor(es) MICHELE CAMPAGNOLI LUIZ HENRIQUE DA SILVA Orientador(es)

Leia mais

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE

ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE ENFERMAGEM LEGISLAÇÃO EM SAÚDE Sistema Único de Saúde - SUS: Constituição Federal, Lei Orgânica da Saúde - Lei nº 8.080 de 1990 e outras normas Parte 18 Profª. Tatianeda Silva Campos PORTARIA Nº 373, DE

Leia mais

15 Congresso de Iniciação Científica CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ADSCRITA A QUATRO UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA

15 Congresso de Iniciação Científica CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ADSCRITA A QUATRO UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA 15 Congresso de Iniciação Científica CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ADSCRITA A QUATRO UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Autor(es) MICHELE CAMPAGNOLI LUIZ HENRIQUE DA SILVA Orientador(es)

Leia mais