PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica"

Transcrição

1 PMAQ Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade da Atenção Básica

2 Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011

3 PROGRAMA DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Contratualização Desenvolvimento Avaliação Externa Re-Contratualização Comunidade e Controle Social acompanham o processo Equipe declara adesão e Contratualiza c/ Município Município Adere e Contratualiza Cadastramento no Programa Informa e Pactua Cooperação no CGR e na CIB com Definição de Competências Estaduais Ministério da Saúde Equipes e SMS aplicam instrumento de Auto-avaliação Monitoramento Indicadores Compostos (SMS, CGR, SES e MS) Pactuação nos CGR e na CIB da Estruturação e Lógica de Apoio Institucional e Educação Permanente (Apoio do CGR, COSEMS, Estado e MS) Aplicação de Instrumentos de Avaliação (Gestão, UBS, Equipe Usuários) Incluindo Visita da Equipe de Avaliação Externa Certificação de cada Equipe Ofertas de Informação para Ação Sequencia no Monitoramento dos Indicadores Re-Contratualização Singular com Incremento de Qualidade Nova Auto-avaliação considerando o pactuado no incremento da qualidade Nova visita de Certificação TEMPOS -Ao Aderir receberá 20% do Componente de Qualidade do PAB Variável -Período de 6 meses para solicitar Avaliação Externa Certificação Período de 18 meses para nova certificação

4 AVALIAÇÃO 1- Uso de instrumento de autoavaliação (AMAQ), para que a própria equipe avalie o trabalho que desenvolve (10% da nota de avaliação); 2- Desempenho em resultados em 24 indicadores de saúde (SIAB/SISAB) firmados no momento que a equipe entrou no Programa (20% da nota de avaliação); 3- Desempenho nos padrões de qualidade verificados por avaliadores externos (entrevistas/indicadores) que visitaram os profissionais de saúde/equipe (70% da nota de avaliação).

5 Classificação de Desempenho das equipes de Atenção Básica : Desempenho Insatisfatório: Resultado menor do que: Média* -1 desvio padrão (DP) Desempenho Regular: Média* -1DP < Resultado < Média Desempenho Bom: Média* < Resultado < Média +1DP Desempenho Ótimo: Resultado > Média* +1DP Perde os 20% do Componente de Qualidade e Assume Termo de Ajustamento (para 1 ano) Mantem os 20% do Componente e Assume Termo de Ajustamento (para 1 ano) Recebe 60% do Componente de Qualidade Recebe 100% do Componente de Qualidade insatisfatório regular bom ótimo Média - 1 DP Média Média + 1 DP

6 Função dos Indicadores do PMAQ Dois conjuntos de indicadores com funções distintas: Indicadores de Desempenho: vinculados à certificação externa e cálculo do incentivo financeiro do componente de Qualidade do PAB-variável; Indicadores de Monitoramento: a serem acompanhados de forma regular para complementação de informações sobre a oferta de serviços e resultados alcançados por cada equipe, sem, no entanto, influenciar na pontuação atribuída à certificação de qualidade.

7 Indicadores do PMAQ por Área e Função USO ÁREA Avaliação de Desempenho Monitoramento TOTAL Atenção à saúde da Mulher Atenção à Saúde Infantil Controle da Hipertensão Arterial e Diabetes Atenção à Saúde Bucal Produção Geral Vigilância em Saúde 2 2 Atendimento em Saúde Mental 4 4 TOTAL

8 Indicadores PMAQ: Saúde da Mulher Desempenho: 1.1 Proporção de gestantes cadastradas pela Equipe de Atenção Básica; 1.2 Média de atendimentos de pré-natal por gestante cadastrada; 1.3 Proporção de Gestantes que iniciaram o pré-natal no 1º trimestre; 1.4 Proporção de Gestantes com o pré-natal em dia; 1.5 Proporção de Gestantes com vacina em dia; 1.6 Razão entre exames citopatológicos do colo do útero na faixa etária de 15 anos ou mais. Monitoramento: 1.7 Proporção de gestantes acompanhadas por meio de visitas domiciliares.

9 Indicadores PMAQ: Saúde da Criança Desempenho: 2.1 Média de Atendimentos de Puericultura; 2.2 Proporção de crianças menores de 4 meses com aleitamento exclusivo; 2.3 Proporção de Crianças menores de 1 ano com vacina em dia; 2.4 Proporção de crianças menores de 2 anos pesadas; 2.5 Média de consultas médicas para menores de 2 anos; 2.6 Média de consultas médicas para menores de 5 anos. Monitoramento: 2.7 Proporção de crianças com baixo peso ao nascer; 2.8 Proporção de crianças menores de um ano acompanhadas no domicílio; 2.9 Cobertura de crianças menores de 5 anos de idade no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN).

10 Indicadores PMAQ: Controle de Diabetes Mellitus e Hipertensão Arterial Sistêmica Desempenho: 3.1 Proporção de diabéticos cadastrados; 3.2 Proporção de hipertensos cadastrados; 3.3 Média de atendimentos por diabético; 3.4 Média de atendimentos por hipertenso. Monitoramento: 3.5 Proporção de diabéticos acompanhados no domicílio; 3.6 Proporção de hipertensos acompanhados no domicílio.

11 Indicadores PMAQ: Saúde Bucal Desempenho: 4.1 Média da ação coletiva de escovação dental supervisionada; 4.2 Cobertura de primeira consulta odontológica programática; 4.3 Cobertura de 1ª consulta de atendimento odontológico à gestante; 4.4 Razão entre Tratamentos Concluídos e Primeiras Consultas Odontológicas Programáticas. Monitoramento: 4.5 Média de instalações de próteses dentárias; 4.6 Média de atendimentos de urgência odontológica por habitante; 4.7 Taxa de incidência de alterações da mucosa oral.

12 Indicadores PMAQ: Produção Geral Desempenho: 5.1 Média de consultas médicas por habitante; 5.2 Proporção de consultas médicas para cuidado continuado/ programado; 5.3 Proporção de consultas médicas de demanda agendada; 5.4 Proporção de consulta médica de demanda imediata. Monitoramento: 5.5 Proporção de consultas médicas de urgência com observação; 5.6 Proporção de encaminhamentos para atendimento de urgência e emergência; 5.7 Proporção de encaminhamentos para atendimento especializado. 5.8 Proporção de encaminhamentos para internação hospitalar; 5.9 Média de exames solicitados por consulta médica básica; 5.10 Média de atendimentos de enfermeiro; 5.11 Média de visitas domiciliares realizadas pelo ACS por família cadastrada; 5.12 Proporção de acompanhamento das condicionalidades de saúde nas famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família

13 Indicadores PMAQ: Tuberculose e Hanseníase Monitoramento: 6.1 Média de atendimentos de tuberculose; 6.2 Média de atendimentos de hanseníase.

14 Indicadores PMAQ: Saúde Mental Monitoramento: 7.1 Proporção de atendimentos em Saúde Mental, exceto usuários de álcool e drogas; 7.2 Proporção de atendimentos de usuário de álcool; 7.3 Proporção de atendimentos de usuário de drogas; 7.4 Taxa de prevalência de alcoolismo.

15 Ficha de Qualificação dos Indicadores Proporção de Gestantes que iniciaram o pré-natal no 1º trimestre Conceito: percentual de gestantes cadastradas que iniciaram o pré-natal no 1º trimestre, em determinado local e período. Método de cálculo: Nº gestantes cadastradas que iniciaram o pré-natal no 1º trimestre X 100 Nº total de gestantes cadastradas Fontes: Numerador: Relatório SSA2 do SIAB Denominador: Relatório SSA2 do SIAB. Periodicidade: Mensal

16 Ficha de Qualificação dos Indicadores Proporção de crianças menores de 2 anos pesadas Conceito: percentual de crianças menores de 2 anos pesadas entre as acompanhadas no domicílio, em determinado local e período. Método de cálculo: Nº de menores de 2 anos*pesadas, em dado local e período X 100 Nº de menores de 2 anos** acompanhados no mesmo local e período Fontes: Numerador: Relatório SSA2 do SIAB Denominador: Relatório SSA2 do SIAB. Periodicidade: Mensal

17 Ficha de Qualificação dos Indicadores Média de atendimentos por hipertenso Conceito: proporção da população cadastrada pela equipe de Atenção Básica com acesso a tratamento odontológico Método de cálculo: Nº de primeiras consultas odontológicas programáticas, em determinado local e período X 100 População cadastrada no mesmo local período Fontes: Numerador: Relatório PMA2 do SIAB. Denominador: Relatório SSA2 do SIAB. Periodicidade: Mensal

18 Ficha de Qualificação dos Indicadores Cobertura de primeira consulta odontológica programática Conceito: número médio de atendimentos na população hipertensa, residente em determinado local e período. Método de cálculo: Nº de atendimentos médicos e de enfermeiro para hipertensos, em determinado local e período X 100 Nº de hipertensos cadastrados no mesmo local e período Fontes: Numerador: Relatório PMA2-Complementar do SIAB. Denominador: Ficha A do SIAB. Periodicidade: Mensal

19 Ficha de Qualificação dos Indicadores Proporção de consultas médicas de demanda agendada. Conceito: proporção de consultas médicas de demanda agendada realizadas nas unidades básicas de saúde em relação ao total de consultas médicas básicas. Método de cálculo: Nº consultas médicas básicas de demanda agendada, em determinado local e período X 100 Nº total de consultas médicas básicas no mesmo local e período Fontes: Numerador: Relatório PMA2-Complementar do SIAB. Denominador: Relatório PMA2-Complementar do SIAB. Periodicidade: Mensal

20 Ficha de Qualificação dos Indicadores Média de atendimentos de tuberculose. Conceito: número médio de atendimentos para pessoas com tuberculose cadastradas, em determinado local e período. Método de cálculo: Nº de atendimentos médicos e de enfermeiro para pessoas com tuberculose, em determinado local e período Nº de pessoas com tuberculose cadastradas no mesmo local e período Fontes: Numerador: Relatório PMA2-Complementar do SIAB. Denominador: Relatório SSA2 do SIAB. Periodicidade: Mensal

21 Ficha de Qualificação dos Indicadores Proporção de atendimentos de usuário de álcool. Conceito: percentual de atendimentos de usuário de álcool sobre total de atendimentos realizados por médico e enfermeiro. Método de cálculo: Nº de atendimentos de usuário de álcool, em determinado local e período X 100 Nº total de atendimentos de médico e de enfermeiro no mesmo local e período Fontes: Numerador: Relatório PMA2-Complementar do SIAB. Denominador: Relatórios PMA2 e PMA2-Complementar do SIAB. Periodicidade: Mensal

22 REFERÊNCIAS - Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.654, de 19 de julho de Institui, no âmbito do sistema único de saúde, o programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica. Diário Oficial da União jul 20; seção1.p MANUAL INSTRUTIVO PMAQ

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE A ATENÇÃO AO PRÉ- NATAL E PUERPÉRIO

QUESTIONÁRIO SOBRE A ATENÇÃO AO PRÉ- NATAL E PUERPÉRIO QUESTIONÁRIO SOBRE A ATENÇÃO AO PRÉ- NATAL E PUERPÉRIO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS

Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS Cadastro metas para Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde - Prioridades e Objetivos Estado: GOIAS PACTO PELA VIDA PRIORIDADE: I - ATENCAO A SAUDE DO IDOSO. OBJETIVO: PROMOVER A FORMACAO

Leia mais

Cartilha PMAQ - Programa Nacional de Melhoria e da Qualidade da Atenção Básica. Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso

Cartilha PMAQ - Programa Nacional de Melhoria e da Qualidade da Atenção Básica. Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso Superintendência de Atenção à Saúde. Coordenadoria de Atenção Primária 1 Cartilha PMAQ - Programa Nacional de Melhoria e da Qualidade da Atenção Básica Material

Leia mais

Brasília - DF - Versão Julho/2012 -

Brasília - DF - Versão Julho/2012 - Brasília - DF - Versão Julho/2012-2 ALTERAÇÕES NO MANUAL INSTRUTIVO 1. Mudança no Título dos Indicadores 1.4 INDICADOR: Proporção de gestantes com pré natal no mês 1.6 INDICADOR: Razão entre exames citopatológicos

Leia mais

Nota Metodológica da Certificação das Equipes de Atenção Básica Participantes do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica

Nota Metodológica da Certificação das Equipes de Atenção Básica Participantes do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Nota Metodológica da Certificação das Equipes de Atenção Básica Participantes do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO Sumário Lista de Abreviações...

Leia mais

Bolonha, fevereiro de 2014

Bolonha, fevereiro de 2014 Bolonha, fevereiro de 2014 Portaria n.º 1654, de 19 de Julho de 2011. Objetivo principal Induzir a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção básica, com garantia de um padrão de qualidade

Leia mais

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica Diretrizes : Envolver, mobilizar e responsabilizar o gestor federal, gestores estaduais, municipais e locais, equipes e usuários

Leia mais

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe

Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Lista de documentos para comprovação das ações pela equipe Tabela 1: Documento para comprovação das ações das equipes de AB Módulo Módulo Documento Documento que conste o CNES da UBS, o código de área

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ)

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO ANEXO FICHA DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Departamento de Atenção Básica/MS. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ. Outubro 2013

Departamento de Atenção Básica/MS. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ. Outubro 2013 Departamento de Atenção Básica/MS Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade PMAQ Outubro 2013 1 Desafios : I - Precariedade da rede física, com parte expressiva dos estabelecimentos de saúde

Leia mais

Usos e Potencialidades da Informação na Gestão

Usos e Potencialidades da Informação na Gestão Usos e Potencialidades da Informação na Gestão Sistema de Monitoramento e Avaliação Objetivo Descrever a elaboração do Sistema de monitoramento e avaliação da ESF INSTITUIÇÕES CONVENIADAS 70 ESF UNIFESP

Leia mais

APSUS. Atenção Primária à Saúde de Qualidade em Todo o Paraná. Março 2012

APSUS. Atenção Primária à Saúde de Qualidade em Todo o Paraná. Março 2012 APSUS Atenção Primária à Saúde de Qualidade em Todo o Paraná Março 2012 Missão Organizar as ações e serviços de Atenção Primária à saúde em todos os municípios do Paraná para a promoção do cuidado da população

Leia mais

OS ESPAÇOS COLETIVOS, A TERRITORIALIZAÇÃO E A

OS ESPAÇOS COLETIVOS, A TERRITORIALIZAÇÃO E A OS ESPAÇOS COLETIVOS, A TERRITORIALIZAÇÃO E A IMPLANTAÇÃO DAS LINHAS DE CUIDADO EM SÃO BERNARDO DO CAMPO Curso: Redes de Urgência e Emergência no SUS Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo Departamento

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DO ACESSO E DA QUALIDADE DA ATENÇÃO BÁSICA (PMAQ) MANUAL INSTRUTIVO Sumário Lista de Abreviações...

Leia mais

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica PMAQ. Oficinas PROVAB Maio e Junho 2013

Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica PMAQ. Oficinas PROVAB Maio e Junho 2013 Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica PMAQ Oficinas PROVAB Maio e Junho 2013 Cadastramento no Programa PMAQ - Programa Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade FASE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR II MARIANE CASTRO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR II MARIANE CASTRO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR II MARIANE CASTRO DA SILVA RELATÓRIO FINAL: Experiências em Serviço da Rede Básica ESF Cruzeiro do Sul PORTO

Leia mais

Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante. II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009

Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante. II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009 Papel das Unidades Básicas Casa da Gestante II Encontro das Casas da Gestante do Rio Grande do Sul SES/RS Dezembro 2009 Alguns dados: Ao analisar os dados de nascimento e óbitos dos RN residentes em Canoas

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER Departamento de Ações Programáticas Estratégicas -DAPES Área Técnica de

Leia mais

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PACTO DE APRIMORAMENTO DA GESTÃO ESTADUAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Gestão proposta pelo SUAS pauta-se no Pacto Federativo onde devem ser atribuídas e detalhadas as competências e responsabilidades

Leia mais

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde

O ESTADO DO PARÁ 8 m acrorregiões macrorregiões d e de saúde 23 regiões de saúde Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado de Saúde Pública Diretoria de Políticas de Atenção Integral a Saúde Oficina de Trabalho "Troca de Experiências em Carreiras, Remuneração por Desempenho e

Leia mais

CRONOGRAMA DA ODONTOLOGIA PARA O ANO 2015 CRONOGRAMA DE ATENDIMENTO ODONTOLOGIA DRA. SANDRA ROCHA DIA DA SEMANA MANHÃ TARDE

CRONOGRAMA DA ODONTOLOGIA PARA O ANO 2015 CRONOGRAMA DE ATENDIMENTO ODONTOLOGIA DRA. SANDRA ROCHA DIA DA SEMANA MANHÃ TARDE CRONOGRAMA DA ODONTOLOGIA PARA O ANO 2015 CRONOGRAMA DE ATENDIMENTO ODONTOLOGIA DRA. SANDRA ROCHA 5 FICHAS (ÁREA 056) 5 FICHAS (ÁREA 058) EXTRA MURO PSE GESTANTES AGENDADAS ÁREAS: 056/058/ 100-01,100-02,100-03,100-04

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria 2.488 de 21 de Outubro de 2011; Define e dispõem sobre:

Política Nacional de Atenção Básica. Portaria 2.488 de 21 de Outubro de 2011; Define e dispõem sobre: Portaria 2.488 de 21 de Outubro de 2011; Define e dispõem sobre: -Princípios, diretrizes gerais e funções nas Redes; -Responsabilidades de todas as esferas de governo; -Infraestrutura e sistema logístico

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família Conceitos, metodologia de cálculo e metas de acompanhamento Patrícia

Leia mais

Instrumento de Monitoramento da Vigilância do Óbito MIF/Materno, Infantil e Fetal 2013. DIRES: Microrregião: Macrorregião:

Instrumento de Monitoramento da Vigilância do Óbito MIF/Materno, Infantil e Fetal 2013. DIRES: Microrregião: Macrorregião: GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Instrumento de Monitoramento da Vigilância do Óbito MIF/Materno, Infantil e Fetal 2013 Município: População: DIRES: Microrregião: Macrorregião:

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

Instrutivo do Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB

Instrutivo do Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO Instrutivo do Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB BRASÍLIA-DF

Leia mais

Programa Saúde na Escola

Programa Saúde na Escola Encontro com Referencias Estaduais de Alimentação e Nutrição Programa Saúde na Escola Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição / Departamento de Atenção Básica/ Secretaria de Atenção à Saúde Ministério

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000 PROJETO DE LEI DO PLANO PLURIANUAL Projeto de Lei: Dispoe sobre o Plano Plurianual para o periodo 2015/2018 A CAMARA MUNICIPAL decreta: Art. 1o. Esta lei institui o Plano Plurianual para o quadrienio 2015/2018

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica 2012 Ed. Premium, SAF Sul, Quadra 2, Lotes 5/6, Bloco II, Subsolo CEP: 70.070-600 Brasília-DF www.saude.gov.br/dab 2012

Leia mais

Definir e padronizar os procedimentos para o processo de cadastrar e acompanhar Programas Sociais.

Definir e padronizar os procedimentos para o processo de cadastrar e acompanhar Programas Sociais. Código: MAP-SEPSO-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaboração: Secretaria de Programas Sociais Aprovação: Presidência 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos para o processo de cadastrar

Leia mais

SEMINÁRIO DE ATENÇÃO BÁSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/SAS/MS 05 DE JULHO DE 2012

SEMINÁRIO DE ATENÇÃO BÁSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/SAS/MS 05 DE JULHO DE 2012 SEMINÁRIO DE ATENÇÃO BÁSICA DO ESTADO DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/SAS/MS 05 DE JULHO DE 2012 Melhoria do Acesso e Qualidade: FORTALECIMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Política Nacional de Atenção

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DO SUS

A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS E DESAFIOS PARA A GESTÃO DO SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EM SAÚDE - DCEBAS A CERTIFICAÇÃO NA ÁREA DA SAÚDE: DCEBAS - AVANÇOS

Leia mais

LEI Nº. 3698 DE 21 DE MAIO DE 2012.

LEI Nº. 3698 DE 21 DE MAIO DE 2012. LEI Nº. 3698 DE 21 DE MAIO DE 2012. Dispõe sobre a implantação no Município do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) sobre a Criação da Gratificação de Desempenho por metas

Leia mais

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013 Saúde Março 2013 ADESÕES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA Guia de Sugestões de Atividades para a Semana Saúde na Escola disponível em: www.saude.gov.br/pse CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão - 20/02

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas Educação e Saúde no Brasil Sem Miséria Eixos de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL - 2014 A MODELAGEM DA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL 1. A análise de situação de saúde 2. A escolha do modelo de 3. A definição do

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL Município: Prefeito: Endereço da Prefeitura: São José do Rio Preto Valdomiro Lopes da Silva Junior

Leia mais

O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos!

O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos! O mundo inteiro vai ver o seu município com bons olhos! Metodologia do Selo UNICEF Município Aprovado 2009-2012 Realização Parcerias O Selo UNICEF Município Aprovado O QUE O SELO UNICEF REPRESENTA PARA

Leia mais

Prêmio Brasil Sorridente

Prêmio Brasil Sorridente Prêmio Brasil Sorridente Florianópolis/SC Departamento de Saúde Bucal Prefeitura Municipal de Florianópolis Prefeito Municipal: Dário Elias Berger Secretário da Saúde: João José Cândido da Silva Secretário

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Passo a Passo das Ações do Departamento de Atenção Básica

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Passo a Passo das Ações do Departamento de Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE Passo a Passo das Ações do Departamento de Atenção Básica Brasília-DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Passo a Passo das Ações do

Leia mais

Cartão Nacional de Saúde - CNS

Cartão Nacional de Saúde - CNS Ministério da Saúde Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde - SIS Cartão Nacional de Saúde - CNS (modelo provisório do Cartão) OBJETIVOS - quanto ao usuário construção de base de dados de histórico

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42

Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42 PORTARIA Nº 154, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF Publicada no D.O.U. nº 43, de 04/03/2008, Seção 1, fls. 38 a 42 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Sistema de Informação da Atenção Básica Situação de Saúde desde 1998 Notas Técnicas

Sistema de Informação da Atenção Básica Situação de Saúde desde 1998 Notas Técnicas Sistema de Informação da Atenção Básica Situação de Saúde desde 1998 Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB e gerados a partir

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.3 CTA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.3 CTA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 3.3 CTA DEZEMBRO/2012 JANEIRO/2013 Relatório da Variável 1 Justificativas Indicador 1: Proporção de unidades de saúde da família com comissões de prontuários implantadas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTSAB Nº 05/2014 Porto Alegre, 22 de setembro de 2014. Atribuições da Enfermagem na realização de coordenação e desenvolvimento de educação em saúde. I RELATÓRIO: O presente parecer visa atender

Leia mais

Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses

Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses Monitoramento da Implementação da Lei de Conflito de Interesses AGOSTO/2015 Plano de Monitoramento 246 Órgãos e entidades do Poder Executivo Federal acompanhados Indicadores (periodicidade mensal, quadrimestral

Leia mais

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012

Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Processo de contratualização ao PMAQ 1º Ciclo 2011/2012 Departamento de Atenção Básica e Gestão do Cuidado. Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo/SP São Bernardo do Campo/SP População IBGE (estimativa

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS

QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS QUESTIONÁRIO SOBRE ATENÇÃO À SAÚDE DOS IDOSOS Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AO ESTUDANTE PAAE EDITAL Nº 007/2015

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA PROGRAMA DE ASSITÊNCIA E APOIO AO ESTUDANTE PAAE EDITAL Nº 007/2015 Loteamento Espaço Alpha (BA522) Bairro: Limoeiro- CEP 42.808-590 Camaçari-BA Telefax: (71) 3649-8600 E-mail: camacari@ifba.edu.br Site: www.camacari.ifba.edu.br POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFBA

Leia mais

Ministério da Saúde PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011

Ministério da Saúde PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Assistência à Saúde e Assistência Social no Sistema Prisional

Assistência à Saúde e Assistência Social no Sistema Prisional Assistência à Saúde e Assistência Social no Sistema Prisional Garantindo a universalidade, a integralidade e a equidade da saúde e da assistência social no sistema prisional Sistema Prisional e CNJ Vetores

Leia mais

Decreto nº 192, de 06 de agosto de 2014.

Decreto nº 192, de 06 de agosto de 2014. GOVERNO DO MUNICÍPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO Decreto nº 192, de 06 de agosto de 2014. Altera o Decreto nº 394/2012, estabelecendo Novo Quadro de Metas, Ações e Critérios para avaliação

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA

SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA SERVIÇO SOCIAL E A MEDICINA PREVENTIVA NOSSA CASA A importância do Trabalho em Equipe Multidisciplinar Assistente Social Enfermeira Técnicos de enfermagem Fisioterapeuta Nutricionista Médico Psicólogo

Leia mais

I- DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I- DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS/UFT CENTRO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO SELEÇÃO PÚBLICA DE TUTORES PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA BOLSISTA

Leia mais

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE CURITIBA - JULHO 213 CONTEXTO 22 CONTRATO DE GESTÃO E O IDQ Objetivo de incentivar qualidade e produtividade Componente

Leia mais

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil...

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Encontramos diversidade nas estruturas, modo de organização e escopo das ações de APS... O registro de campo como instrumento de pesquisa percepção dos entrevistadores

Leia mais

Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae

Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Dados Pessoais Nome: Aline Lemes de Souza. Filiação: Antonio Lemes de Souza e Celestia Baron. Nascimento: 31/08/1988 - Modelo/SC

Leia mais

Desafios Metodológicos no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade

Desafios Metodológicos no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade Desafios Metodológicos no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade A experiência da academia na execução da etapa de avaliação externa do PMAQ Márcia H. Baldani Pinto UEPG - PR Política Nacional

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO QUANTO À VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

QUESTIONÁRIO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO QUANTO À VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL QUESTIONÁRIO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO QUANTO À VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] Questionário [ ] Entrevistador (bolsista): [ ] Pesquisador

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Territórios de atuação do PGI no Pará

Territórios de atuação do PGI no Pará Projeto - Pará Territórios de atuação do PGI no Pará Itaituba 97 mil Habitantes - Distrito de Miritituba - Distrito de Campo Verde Barcarena 99 mil Habitantes - Vila Itupanema - Vila Nova / Vila União

Leia mais

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1 Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Monitoramento e Avaliação do Programa de Expansão e Consolidação

Leia mais

NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014

NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014 NOTA TÉCNICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB Outubro/2014 Recomendações do TelessaúdeRS/UFRGS e SES-RS sobre o uso do SIA, SIAB e/ou SISAB durante o processo de implantação do e-sus AB Atualmente,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 2.1

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 2.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ÁREA PROGRAMÁTICA 2.1 Setor de Sistemas de Informação Coordenador: Silvio Maffei Consultora: Paola Dias CTA MAIO / JUNHO / JULHO 2013 1 SUMÁRIO 1- APRESENTAÇÃO... pg 03 2- RESULTADOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO O CONCEITO ATENÇÃO BÁSICA A ATENÇÃO BÁSICA CARACTERIZA-SE POR UM CONJUNTO DE AÇÕES DE SAÚDE, NO ÂMBITO INDIVIDUAL E COLETIVO, QUE ABRANGE A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO

Leia mais

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo:

Nome da Unidade de Atenção Básica: Tipo da Unidade: Número do CNES: Data da Visita: Emissor do Questionário: Número do Protocolo: ASPECTO DO FORMULÁRIO: ACESSIBILIDADE NA UNIDADE DE SAÚDE 1) SOBRE ACESSIBILIDADE NAS DEPENDÊNCIAS DA UNIDADE: a) A unidade tem acessibilidade em todos os ambientes? (i) Onde não há? b) Todas as entradas

Leia mais

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA)

EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) EQUIPE DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) - FEAM - QUADRO DE INDICADORES E METAS DA DIRETORIA DE QUALIDADE E GESTÃO AMBIENTAL (DQGA) FEAM CÓD OBJETIVO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO PENAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS PENITENCIÁRIOS DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO PENAL POLÍTICA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE PRISIONAL A Política de Atenção

Leia mais

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde

ANEXO. Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde ANEXO Relatório de Indicadores de Monitoramento e Avaliação do Pacto pela Saúde PACTO PELA VIDA 2008. PRIORIDADE OBJETIVO META FÓRMULA DE CÁLCULO FONTE I. Atenção à Saúde do Idoso. i. Identificar pessoas

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você LINHAS GERAIS DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Ampliação do Financiamento da AB Programa de Requalificação das UBS Ampliação do Acesso Melhoria da Qualidade da AB Ações

Leia mais

Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente - PROQUALIS - ICICT/FIOCRUZ Abril 2011

Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente - PROQUALIS - ICICT/FIOCRUZ Abril 2011 Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente - PROQUALIS - ICICT/FIOCRUZ Abril 2011 PROQUALIS Criado em janeiro e formalizado em abril de 2009, pela Portaria n. o 005/Icict/2009.

Leia mais

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ

USO DO HIPERDIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Dr. EDSON AGUILAR PEREZ Dr. EDSON AGUILAR PEREZ QUADRO ATUAL HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO-TRANSMISSÍVEIS APRESENTANDO A MAIOR MAGNITUDE ELEVADO NÚMERO DE CONSULTAS DE ROTINA, DE EMERGÊNCIA E URGÊNCIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 309/2015 CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 309/2015 CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 309/2015 CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o controle sanitário

Leia mais

DIVULGAÇÃO. Radios locais Carro de som Edital publicado no jornal Tribuna do Noroeste, edição de de de 2009

DIVULGAÇÃO. Radios locais Carro de som Edital publicado no jornal Tribuna do Noroeste, edição de de de 2009 DIVULGAÇÃO Radios locais Carro de som Edital publicado no jornal Tribuna do Noroeste, edição de de de 2009 ORGANOGRAMA CMS Secretário FMS Sub-Secretaria ASSESSORÍA TÉCNICA CHEFE DE GABINETE COORDENADORÍA

Leia mais

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015.

DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. DECRETO Nº 50/2015. DE 14 DE AGOSTO DE 2015. Regulamenta a concessão de incentivo financeiro, Prêmio Variável de Qualidade e Inovação, do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e os Registros de Câncer Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS RCBP e Vigilância de DCNT Ferramenta para vigilância e monitoramento das neoplasias

Leia mais

Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE

Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE ABRANGÊNCIA Extensão territorial:8.514.876,59 9 km 2 Alcance: 5.570 municípios, 26 estados, DF e escolas técnicas federais.

Leia mais

EDITAL Nº 14/2013 PROGRAMA AMAZÔNIA 2020 SANTANDER/PROPEG/ACI-UFAC

EDITAL Nº 14/2013 PROGRAMA AMAZÔNIA 2020 SANTANDER/PROPEG/ACI-UFAC EDITAL Nº 14/2013 PROGRAMA AMAZÔNIA 2020 SANTANDER/PROPEG/ACI-UFAC A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal do Acre - UFAC, no uso de suas atribuições legais, torna público o

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito

SISVAN WEB. Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito SISVAN WEB Informações Gerais para Navegar no Acesso Restrito Este documento tem o objetivo de orientar a navegação pelo ambiente restrito do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Web. Aqui

Leia mais

Reunião ampliada - COSEMS. Oficina de Planejamento. Assessoria de Planejamento e Gestão

Reunião ampliada - COSEMS. Oficina de Planejamento. Assessoria de Planejamento e Gestão Reunião ampliada - COSEMS Oficina de Planejamento Assessoria de Planejamento e Gestão ASPECTOS RELEVANTES NESSA AGENDA Instrumentos do ciclo de Planejamento do SUS e sua relação com as responsabilidades

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA PMCMV Fundo de Arrendamento Residencial - FAR PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL: ALPHA.

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO

PROGRAMA DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO PROGRAMA DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO Diretoria de Recursos Próprios Diretor: Dr. Paulo Vasques Superintendente: Dr. Pinheiro Dantas PROGRAMA DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO Equipe: Dra. Ana

Leia mais

O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais O Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Betânia Peixoto Brasília, Junho de 2013 Público Alvo e Requisitos Exigidos Gestores / Coordenadores de ONGs ou OSCIPs; Secretários ou técnicos de secretarias

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014

RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CONSUNI Nº 28/2014 Cria o Laboratório de Análises Clínicas e Ensino em Saúde, Órgão Complementar do Instituto de Ciências Biológicas, e aprova

Leia mais

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS HISTÓRICO DO PETI PETI Contexto histórico

Leia mais

Este procedimento tem por objetivo descrever a sistemática do monitoramento, mensuração e inspeção do Sistema de Gestão de SMS da SMART EXPRESS.

Este procedimento tem por objetivo descrever a sistemática do monitoramento, mensuração e inspeção do Sistema de Gestão de SMS da SMART EXPRESS. 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo descrever a sistemática do monitoramento, mensuração e inspeção do Sistema de Gestão de SMS da SMART EXPRESS. Nas inspeções, procura-se identificar, registrar

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais