PROJETO EDUCATIVO E CURRICULAR DE ESCOLA CONCEITOS, OPÇÕES, PRIORIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO EDUCATIVO E CURRICULAR DE ESCOLA CONCEITOS, OPÇÕES, PRIORIDADES"

Transcrição

1 PROJETO EDUCATIVO E CURRICULAR DE ESCOLA CONCEITOS, OPÇÕES, PRIORIDADES Ano Letivo 2014/2015

2 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.1 PROJETO EDUCATIVO O Projeto Educativo de uma escola é o conjunto de princípios, metas e objetivos que os vários membros de uma comunidade escolar se propõem levar por diante, enquanto tal, e que constituem um todo coerente, refletido e intencional. Por isso, é o Projeto Educativo que determina os valores que estão subjacentes ao currículo explícito e oculto, pressupondo modos de atuação (dos diferentes membros da comunidade educativa) congruentes com a sua filosofia. O Projeto Educativo é o grande construtor da autonomia face à norma, desenhando o rosto próprio de cada escola. É ele que estabelece padrões de referência para a vida da escola, para as suas iniciativas, projetos, actividades e ações; ele é fonte de motivação para os diferentes elementos da comunidade educativa, imprescindíveis à reflexão, concepção, execução e avaliação da acção da escola. Ele é o orientador da necessária auto-avaliação de procedimentos e da verificação do grau de cumprimentos de metas e objetivos estabelecidos em comum. Qualquer Projeto Educativo coloca, e procura responder, às questões Quem somos e onde estamos?, O que queremos, para onde queremos ir e como vamos?, De que meios dispomos?. No Projeto Educativo de uma escola estão explícitas a missão e visão da escola. A missão será a sua razão de ser, aquilo que justifica a sua existência continuada (EFQM), enquanto a visão será a imagem desejável e alcançável pela escola no futuro. Ambas constituem o modelo, a opção básica e a imagem de uma determinada instituição. Finalmente, torna-se importante distinguir o Projeto Educativo do Ideário Educativo na medida em que este é o conjunto dos princípios ideológicos que estão na base de determinada conceção de Homem, Educação e Escola, de acordo com as opções morais, religiosas, políticas, etc. da entidade titular da escola PROJETO CURRICULAR O Currículo Escolar é o conjunto de aprendizagens consideradas socialmente necessárias, a cada indivíduo ou sociedade, num tempo e num contexto e que cabe à escola organizar (Roldão, 1999). Tem, portanto, uma natureza histórico-social e é socialmente construído; define finalidades, intencionalidades, estrutura coerente e sequência organizadora do conjunto de aprendizagens e competências que cada cidadão deve possuir (Roldão, 1999). A operacionalização de um currículo implica o estabelecimento de programas de ação, a previsão de campos de desenvolvimento, metas curriculares, linhas de organização e métodos de aprendizagem. No entanto, estes são apenas instrumentos do currículo (Roldão, 1999). O Projeto Curricular de uma Escola é a forma particular como, em cada contexto, se reconstrói e se apropria um currículo face a uma situação real, definindo opções e intencionalidades próprias, e construindo modos específicos de organização e gestão curricular, adequados à consecução das aprendizagens que integrem o currículo para os

3 alunos concretos daquele contexto (Roldão, 1999). É o conjunto de decisões articuladas, partilhadas pela equipa de uma escola, tendentes a dotar de maior coerência a sua atuação, concretizando as orientações curriculares de âmbito nacional em propostas globais de intervenção pedagógico-didática adequadas a um contexto específico (Carmen e Zabala, 1991). Por isso, o Projeto Curricular de Escola é o local de confluência de um Projeto Educativo e de um Currículo Nacional, definindo as competências essenciais e transversais e os conteúdos a trabalhar em cada área curricular (sequencialmente e ampliando/enriquecendo o próprio Currículo Nacional), com vista à realização de prioridades previamente definidas Gestão Curricular A escola pode e deve ser lugar de decisão e gestão curricular. Isto significa que ela pode e deve pensar o que se ensina e o que se aprende, com como a sua prática pedagógica, devendo fazê-lo em dimensões complementares: Gerir um currículo educativo pressupõe: - Ter como ponto de partida um Projeto Educativo, com finalidades e metas, uma Missão e Visão, que dão sentido às atuações dos diferentes elementos da Comunidade Educativa. - Ter claro que o currículo e a sua gestão adequada a cada circunstância visam e têm o seu enfoque na formação, aprendizagem significativa e aquisição de competências pelos alunos; no desenvolvimento e expansão de conhecimento e saberes, na sua organização e divulgação. - A reflexão, o diálogo e a avaliação/aferição constantes entre os participantes dessa gestão (reconhecidos como interventores competentes), que se apropriam de um currículo definido a nível nacional e o flexibilizam e moldam de acordo com o Projeto Educativo específico da sua escola. - A autonomia da escola, as suas competências reflexivas e decisoras e o empenho das famílias, professores, alunos e auxiliares na sua implementação. Na sequência do D.L. 152/2013 (Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo) e da Portaria nº 59/2014, que consagram a autonomia pedagógica e organizativa das escolas de ensino particular e cooperativo, confere-se às escolas o direito de poderem tomar as suas próprias decisões nos domínios da oferta formativa, da gestão dos currículos, dos programas e actividades educativas, da avaliação ( ), bem como a capacidade de poderem proceder à gestão flexível do currículo, tendo em conta o seu projeto educativo e o correspectivo aprofundamento das obrigações de informação sobre a mesma Metas Curriculares As metas curriculares identificam a aprendizagem essencial a realizar pelos alunos em cada disciplina, por ano de escolaridade ou, quando isso se justifique, por ciclo, realçando o que dos programas deve ser objecto primordial de ensino. Sendo específicas de cada disciplina ou área disciplinar, as metas curriculares identificam os desempenhos que traduzem os conhecimentos a adquirir e as capacidades que se querem ver desenvolvidas, de acordo com uma ordem de progressão de aquisição. São um meio privilegiado de apoio à planificação e à organização do ensino,

4 constituindo-se como referencial para a avaliação interna e externa, com especial relevância para as provas finais de ciclo e exames nacionais. 2 PRESSUPOSTOS 2.1 DO PROJETO EDUCATIVO Uma Escola Católica O Colégio Nossa Senhora da Paz pretende ser um lugar de formação integral da pessoa mediante a assimilação sistemática e crítica da cultura, obedecendo sempre, implícita ou explicitamente, a uma determinada concepção de vida. O Colégio Nossa Senhora da Paz, como iniciativa/projeto de uma congregação religiosa, assume-se primordialmente como uma escola católica, tendo como referência a conceção cristã da realidade, centrada na pessoa e mensagem de Jesus Cristo. No projeto educativo de uma escola católica, Cristo é o fundamento; Ele revela e promove o sentido novo da existência e transforma-a, habilitando o Homem a viver de maneira divina, isto é, a pensar, querer e agir segundo o Evangelho, fazendo das bem-aventuranças a norma da vida. É precisamente pela referência explícita à visão cristã, que a escola é católica, porquanto os princípios evangélicos tornam-se nela normas educativas, motivações interiores e metas finais. A escola católica: - Quer estar comprometida na promoção do Homem Integral, porque em Cristo, o Homem perfeito, todos os valores humanos encontram a sua realização plena e, portanto, a sua humanidade; - Procura ajudar os alunos a realizar a síntese entre fé e vida e fé e cultura; - Ensina a dialogar com Deus nas várias situações da vida pessoal; estimula a superar o individualismo e a descobrir, à luz da fé, que cada um é chamado a viver de maneira responsável uma vocação específica em solidariedade com os outros homens; - Ensina a interpretar a voz do Universo que revela o Criador e, mediante as conquistas da ciência, a conhecer melhor tanto Deus como o Homem. A escola católica é hoje uma escola missionária, que pretende converter à fé mais do que conservar a fé ; - Procura levar os alunos a tomar consciência da sua responsabilidade na transformação do mundo; eles deverão ser agentes promotores de uma sociedade mais harmónica e fraterna Formação humana e espiritualidade Na escola católica a formação espiritual da criança/jovem deve ser inequívoca, até porque se considera que esta dimensão é fundante do ser humano, elemento substantivo da sua integralidade: o Homem é, por natureza, um ser espiritual. A espiritualidade é uma área específica do desenvolvimento humano, distinta da iniciação religiosa e da educação moral, mas em interação com ambas e a ambas servindo de alicerce. É um espaço que no viver humano se situa no

5 cruzamento da experiência interior do individuo com o mundo exterior, um espaço que permite construir uma identidade própria e entender o mundo em que se existe através de estruturas de significação. A espiritualidade é a base onde enraíza a vivência da religião; sem o desenvolvimento pleno desta dimensão do Ser as virtudes da fé, esperança e caridade não poderão crescer no interior da pessoa e serão sentidas como fenómenos externos incapazes de mobilizar uma vida. Todo o ser humano tem a necessidade e, por isso o direito a este crescimento espiritual, mesmo que não haja uma opção futura por uma religião. A dimensão espiritual do ser humano revela-se em diferentes manifestações, desde os tempos mais remotos: - a reflexividade, a capacidade de se pensar sobre o que se pensa (discernimento e espírito crítico). - a capacidade simbólica, de dar sentido e expressar. - a busca do que está para além do efémero e do transitório da existência (transcendente) - a oblatividade, a capacidade de amar desinteressadamente (o dom gratuito de si). Embora a primeira e principal responsabilidade da formação espiritual da criança caiba à sua família, a escola, na sua procura da formação integral daqueles que a transformam numa verdadeira comunidade educativa, e particularmente a escola católica, tem o dever de cooperar nesta formação Uma escola da Congregação das Irmãs de Santa Doroteia O Colégio Nossa Senhora da Paz é pertença de uma congregação religiosa, a das Irmãs de Santa Doroteia. Mais do que uma simples propriedade, recurso ou meio para esta congregação, o Colégio surge como um Projeto de vida e um Projeto comunitário. Um projeto que envolve uma comunidade religiosa que disponibiliza a sua vida para o serviço a uma comunidade educativa. Como centro educativo da congregação, é marcado pela história, pelas finalidades e missão que aquela assume e se propõe. O Instituto das Irmãs de Santa Doroteia foi fundado em Quinto-Génova em 1834 por Paula Frassinetti. Aquando da sua criação, a finalidade da Congregação era a educação, considerada em diferentes dimensões: educação feminina (escolas e colégios), catequeses paroquiais, reuniões e retiros para mulheres e raparigas, reuniões para rapazes, Obra de Santa Doroteia (que procurava refazer o tecido social através de uma rede simples e flexível de apoio a crianças e adolescentes pobres). ( A obra de Paula Frassinetti é claramente inovadora quer para a sua época quer para o seu espaço: a) Inovadora na sua finalidade transformadora A educação (formal) é considerada não um fim em si mesma mas um meio de promoção, uma promoção preventiva e dignificadora (considerada deste modo a partir da leitura da realidade que Paula Frassinetti faz, das necessidades específicas com que se depara). b) Inovadora nos seus destinatários As mulheres, as crianças, os mais pobres, as famílias. c) Inovadora nas estratégias utilizadas Na preferência manifestada pela educação personalizada; pelo modelo de uma relação de proximidade entre educando e educador, que usa como recurso fundamental o coração ; pela condenação do autoritarismo; pela

6 defesa do espírito de família e de serviço, e da simplicidade; pela vivência em conjunto de experiências significativas. As Constituições da Congregação resumem esta vocação educativa na expressão: Pela nossa vocação na Igreja somos enviadas a evangelizar através da educação, com preferência pela juventude e os mais pobres. Educar para nós significa deixar-nos possuir pela pedagogia do Evangelho que leva o Homem a descobrir que é amado por Deus, a acreditar nesse amor e a crescer como pessoa até à plenitude da maturidade em Cristo (C. 26). A intuição educativa de Paula Frassinetti baseia-se numa visão cristã do Homem, ser criado à imagem e semelhança de Deus, e procura: a) Ajudar ao despertar da consciência de que se é amado por Deus O Homem é criado por Deus e a tomada de consciência de que a vida de cada pessoa é expressão do amor criador de Deus está na base de toda a ação pedagógica de Santa Paula; b) Confirmar a palavra com o testemunho de vida (coerência entre discurso e postura, confirmação da palavra com a vida); c) Desenvolver a dimensão de serviço, servindo com alegria Colocar-se ao serviço do outro para o ajudar na busca da vida plena que Deus quer para todos; por seu lado, o educando torna-se sujeito do seu próprio desenvolvimento e colocando-se, também ele, ao serviço da comunidade; d) Estimular a prática da justiça A educação para a justiça é uma exigência do Evangelho e está comprometida com a transformação da sociedade que Deus, e o Homem, querem justa, solidária e fraterna; e) Favorecer o exercício da cidadania A prática educativa de Paula procura favorecer o desenvolvimento da pessoa humana em todas as suas dimensões, facilitando-lhe a formação da consciência crítica de cidadão, sem esquecer a sua individualidade própria; f) Cultivar o espírito de família que permite desenvolver o serviço da educação pela via do coração e do amor, respeitando o ritmo, a personalidade e as circunstâncias de vida de cada um e é caracterizado pela Simplicidade e reduz as distâncias, facilita o diálogo e a participação, favorece um relacionamento humano verdadeiro; g) Estimular o diálogo, que, com a sua estrutura plenamente humana é abertura ao novo, ao mais, ao ideal; o diálogo é a condição da educação e é, igualmente a condição do encontro com o Homem, com a natureza e com Deus; h) Unir a firmeza à suavidade: Use-se uma suave firmeza que não impede absolutamente de corrigir os defeitos ; ou A firmeza seja sempre temperada com a suavidade nos modos e nas palavras ; 2.2 DA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS A organização curricular pode ser feita segundo diferentes modelos, aos quais estão subjacentes conceções de educação, papéis atribuídos à escola e aos intervenientes no processo educativo também diferenciados: centrada

7 nas várias disciplinas (consideradas multidisciplinarmente, pluridisciplinarmente, interdisciplinarmente ou transdisciplinarmente), a partir de ideias-chave, a partir de temas/problemas, etc. (Leite, 2001). O modelo deve ser escolhido e adequado ao contexto específico de cada escola, tendo sempre como enfoque e ponto de partida os interesses e motivações dos alunos, tornando, por isso, as suas aprendizagens significativas. A construção de situações significativas de aprendizagem pressupõe que os alunos: - Compreendam e integrem o que aprendem, ou seja, para que servem os conteúdos programáticos e com que outras aprendizagens se relacionam. - Se sintam implicados nas situações de aprendizagem, as considerem interessantes, participem na sua escolha (dentro do que for possível). - Compreendam que com o seu contributo poderão aprender com sucesso. (Coll, 2001) Organização Curricular Integrada Só um projeto curricular integrado permite uma ação educativa baseada numa visão e missão globais prévias; ou seja, são cruciais na boa gestão do currículo os fatores de coerência de currículo : currículo nacional, currículo da escola, manuais escolares, conteúdos de aprendizagem, pedagogia, avaliação, devem estar alinhados uns com os outros e reforçar-se mutuamente. Por isso, pressupõe-se uma organização que privilegia o trabalho cooperativo entre todos os elementos da comunidade educativa. Esta, unida em verdadeiro espírito de família e de serviço, deve: - trabalhar de forma coerente e organizada a partir de valores e regras comuns; - experimentar o rigor e a exigência no dia-a-dia, inseridos numa verdadeira pedagogia do esforço, que procura promover e desenvolver as capacidades e competências de cada um, num processo contínuo; - desenvolver formas de relacionamento baseadas na frontalidade, sinceridade, lealdade e confiança mútua; partilhar experiências, a competência de trabalho em equipa e a efetiva implementação de projectos interdisciplinares; Esta visão da educação supõe, também, uma interação e cooperação particular com as famílias dos alunos; uma relação de abertura construtiva, na certeza de termos um projeto comum que é a vida de cada criança e jovem; uma relação frontal, colaborante, flexível, de coerência e firmeza; uma relação que privilegia o diálogo, a clareza e a cooperação. 3 - OPÇÕES E PRIORIDADES DO PROJETO EDUCATIVO E CURRICULAR MATRIZ IDENTITÁRIA 3.1 VALORES E FINALIDADES EDUCACIONAIS MISSÃO E VISÃO Para a comunidade educativa do Colégio Nossa Senhora da Paz a educação tem uma dimensão e uma finalidade integradoras e globalizantes: ela visa a formação e a promoção integral do indivíduo, da pessoa, como ser único. É o seu crescimento pleno, global e em processo contínuo, que deve ser visado por todos os elementos (sem exceção) da comunidade educativa.

8 Por isso, a educação é concebida como a atenção individualizada e personalizada relativamente ao crescimento de cada aluno, com a finalidade de promover a construção da sua autonomia (identidade pessoal e social) e sentido de responsabilidade; da sua competência global, valorizando as diferentes formas de conhecimento, comunicação e expressão; da sua curiosidade intelectual, gosto pelo saber, pelo trabalho e pelo estudo; da sua capacidade de intervenção e de fazer opções em função do bem comum, num verdadeiro espírito de cidadania e solidariedade à luz do Evangelho. Neste contexto, há uma clara valorização do ser e não do ter, com a consequente promoção de um verdadeiro sentido de justiça; do auto domínio, da serenidade, do respeito por si e pelos outros; da disponibilidade, paciência e encorajamento mútuo; do otimismo consciente e realista que contraria o ceticismo inoperante e a descrença desmotivante; do espírito crítico construtivo que visa a melhoria sistemática; do espírito de iniciativa e concretização, que pressupõe a aceitação, compreensão e integração das diferenças. Esta educação deve basear-se nos valores e intuições pedagógicas de Paula Frassinetti, fundadora da Congregação das Irmãs de Santa Doroteia e para quem é fundamental: - SER SIMPLES, aprender a ser PESSOA INTEIRA, vivendo na complexidade de forma reta, íntegra e radicada no essencial; - SER RELAÇÃO, aprender a ser PESSOA COMUNITÁRIA, próxima, capaz de dialogar, compreender, integrar a diferença, cooperar, trabalhar em equipa, a partir do verdadeiro sentido do outro; - SER DOM, aprender a ser PESSOA DOM, sensível à realidade, capaz de entrega e compromisso, com sentido do bem comum, dando-se constante, desinteressada e totalmente aos outros; - SER TRANSFORMAÇÃO, aprender a ser PESSOA AGENTE DE TRANSFORMAÇÃO do mundo na grande Família de Deus, construída na justiça e fraternidade universal; pessoa capaz de intervir na história pela presença, a palavra e ação; 3.2 OPÇÕES E PRIORIDADES OBJETIVOS, METAS E COMPETÊNCIAS As competências/conhecimentos que se seguem são aqueles considerados essenciais, no âmbito no Projeto Educativo do Colégio Nossa Senhora da Paz, e antes referidos. cruzados com os valores e metas educacionais previstos no currículo nacional. Trata-se de: - Competências gerais, a desenvolver desde o pré-escolar até ao final do ensino secundário, de forma articulada e priorizadas de acordo com as circunstâncias e os contextos; a elas se seguirão as competências específicas, visadas em cada uma das áreas curriculares e em cada um dos níveis de escolaridade ou ciclo, mas com a mesma finalidade: a formação integral dos alunos. - Competências orientadas para os processos e orientadas para os conteúdos ; de facto, torna-se prejudicial considerar as primeiras como independentes das segundas, ou os processos como independentes dos diferentes conteúdos e domínios de conhecimento onde são aplicados. A aprendizagem de competências faz-se a partir de e com os conhecimentos/conteúdos.

9 - Competências determinantes do currículo estabelecido (o que é ensinado), das metodologias de ensino (como se ensina ou se aprende) e da avaliação (o que é testado). - Competências-chave, na medida em que são benéficas para qualquer individuo e para a sociedade como um todo, capacitando-o para o trabalho socialmente integrado e, também, garantindo a sua independência e eficácia em contextos que lhe são familiares ou imprevisíveis, permitindo uma actualização constante do seu conhecimento e capacidades. Devem ser potencialmente benéficas para todos os membros da sociedade, relevantes para toda a população, independentemente do seu género, classe, raça, cultura, contexto familiar ou língua materna; adequadas aos valores éticos, económicos e culturais, bem como às convenções sociais; visam tornar todos os indivíduos membros funcionais de uma determinada comunidade. O que se desenha, portanto, é o perfil desejado para cada aluno, no final do Ensino Secundário, quando termina a sua vida no Colégio. Assim, no final do 12º Ano, o aluno que frequentou o Colégio Nossa Senhora da Paz deve ser capaz de: CONHECER E MOBILIZAR SABERES DIVERSOS PARA COMPREENDER E TRANSFORMAR A REALIDADE E PARA RESPONDER A PROBLEMAS - Interessar-se e questionar a realidade observada. - Diagnosticar situações, problemas e centros de interesse no contexto, manifestando envolvimento e curiosidade de saber mais. - Pôr em ação procedimentos e estratégias com vista à compreensão da realidade e à resolução dos problemas observados ou diagnosticados. - Identificar, construir e articular informação, saberes e conhecimento que permitam compreender a realidade e resolver problemas. - Mobilizar, operacionalizar e aplicar saber/conhecimento nos diferentes contextos da vida quotidiana. -Auto avaliar e reformular crítica e sistematicamente os procedimentos de aquisição de conhecimento e o próprio conhecimento. CONHECER E UTILIZAR CORRECTAMENTE A LÍNGUA PORTUGUESA PARA COMPREENDER E ESTRUTURAR A INFORMAÇÃO RECEBIDA DA REALIDADE, ESTRUTURAR O PENSAMENTO E COMUNICAR DE FORMA ADEQUADA - Conhecer a língua portuguesa respeitando todas as regras do seu funcionamento, potenciando toda a sua riqueza e história e promovendo o gosto pelo seu uso correto e adequado (literacia escrita e leitora). - Conhecer o vocabulário, gramática funcional e funções da linguagem, tendo consciência dos principais tipos de interacção verbal, de diferentes tipos de textos literários e não literários, das principais características dos diferentes estilos e registos de linguagem, e da diversidade das formas de linguagem e de comunicação em função do contexto. - Utilizar a língua visando a construção da identidade, a estruturação da informação e do pensamento; a expressão e interpretação de conceitos, pensamentos, sentimentos, factos e opiniões.

10 - Utilizar a língua portuguesa de forma adequada às situações de comunicação existentes em qualquer contexto ou área do saber, numa perspetiva de construção pessoal do conhecimento e interpretação do mundo e dos outros. - Utilizar a língua portuguesa em qualquer contexto de leitura, escrita, escuta e fala, oralmente e por escrito, de forma apropriada e criativa em todas as situações da vida social e cultural, controlando e adaptando a sua comunicação às exigências da situação. - Valorizar o diálogo crítico e construtivo, o gosto das qualidades estéticas e a vontade de as alcançar, e o interesse pela comunicação com os outros, tomando consciência do impacto da linguagem sobre eles e a necessidade de compreender e utilizar o sistema linguístico de uma forma positiva e socialmente responsável. -Auto avaliar e reformular crítica e sistematicamente a correção e a adequação dos desempenhos linguísticos, com vista à melhoria. CONHECER E UTILIZAR CORRETAMENTE A MATEMÁTICA, AS CIÊNCIAS E AS TECNOLOGIAS PARA COMPREENDER E ESTRUTURAR A INFORMAÇÃO RECEBIDA DA REALIDADE, ESTRUTURAR O PENSAMENTO E RESOLVER PROBLEMAS DIVERSOS - Conhecer, de forma sólida e consistente os números, as medidas, as estruturas, as operações fundamentais e as representações matemáticas de base, bem como compreender os termos e conceitos matemáticos e as questões às quais a matemática pode dar respostas (literacia matemática e numeracia). - Desenvolver e aplicar princípios, processos, raciocínios e modos matemáticos de pensamento (raciocínio lógico e espacial) e de representação (fórmulas, modelos, construções, gráficos, diagramas) para resolver problemas diversos da vida quotidiana. - Compreender uma demonstração matemática, comunicar em linguagem matemática e empregar as ferramentas auxiliares adequadas. - Conhecer os princípios básicos do mundo natural, os conceitos, princípios e métodos científicos fundamentais, da tecnologia e dos produtos e os processos tecnológicos, bem como o entendimento das repercussões da ciência e da tecnologia na natureza. - Reconhecer as características essenciais da pesquisa científica e ter a capacidade de comunicar as conclusões e o raciocínio que lhes subjaz. - Utilizar o acervo de conhecimentos e metodologias utilizados para explicar o mundo da natureza, a fim de colocar questões e de lhes dar respostas fundamentadas e aplicar esses conhecimentos e metodologias na resposta aos desejos e necessidades humanos. - Compreender as mudanças causadas pela actividade humana e a responsabilidade de cada indivíduo enquanto cidadão; compreender os avanços, as limitações e os riscos das teorias e aplicações científicas e da tecnologia nas sociedades em geral (no contexto da tomada de decisões e face aos valores, questões morais, cultura, etc.). - Utilizar e manusear instrumentos tecnológicos e máquinas, bem como dados científicos para atingir um objectivo ou chegar a uma decisão ou conclusão fundamentada. - Avaliar criticamente as questões éticas relativas à segurança, sustentabilidade e progresso científico e tecnológico, face ao próprio indivíduo, à família, à comunidade e aos problemas mundiais.

11 CONHECER E UTILIZAR CORRETAMENTE AS TECNOLOGIAS DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO.PARA OBTER, AVALIAR, ARMAZENAR, PRODUZIR, APRESENTAR, TROCAR E DIVULGAR INFORMAÇÕES, COMUNICAR E PARTICIPAR EM REDES DE COOPERAÇÃO - Conhecer a natureza, o papel que desempenham e as oportunidades que oferecem as tecnologias da sociedade da informação (TSI) em situações do quotidiano, na vida pessoal, social e no trabalho. - Conhecer as oportunidades e os riscos potenciais da Internet e da comunicação por meios electrónicos (correio electrónico, ferramentas de rede) para o trabalho, os tempos livres, a partilha de informação e a colaboração em rede, a aprendizagem e a investigação. - Conhecer o potencial das TSI para apoiar a criatividade e a inovação. - Conhecer as principais aplicações informáticas como processadores de texto, folhas de cálculo, bases de dados, armazenamento e gestão de informação, apresentações, etc. - Utilizar, de forma segura e crítica as tecnologias da sociedade da informação (TSI) no trabalho, nos tempos livres e na comunicação (competência digital ou literacia digital) e para apoiar o pensamento crítico, a criatividade e a inovação. - Investigar, coligir e processar informações complexas e usá-las de maneira crítica e sistemática, avaliando a sua pertinência, distinguindo o real do virtual, acedendo, pesquisando e usando serviços baseados na Internet. - Tomar consciência das questões ligadas à validade e à fiabilidade da informação disponível e aos princípios jurídicos e éticos relacionados com o uso interactivo das TSI. O uso das TSI exige uma atitude crítica e reflectida face à informação disponível e um uso responsável dos meios interactivos. - Auto avaliar e reformular crítica e sistematicamente a adequação dos desempenhos relativos à obtenção, processamento e divulgação da informação, com vista à melhoria. CONHECER E UTILIZAR ADEQUADAMENTE LINGUAGENS DAS DIFERENTES ÁREAS DO SABER CULTURAL E ARTÍSTICO PARA COMPREENDER, INTERPRETAR E EXPRESSAR O MUNDO - Construir uma consciência, sensibilidade e expressão culturais, apreciando a importância da expressão criativa de ideias, das experiências e das emoções num vasto leque de suportes de comunicação, incluindo a música, as artes do espectáculo, a literatura e as artes visuais. - Conhecer o património cultural local, nacional e europeu, as grandes obras da cultura, incluindo a cultura popular contemporânea, compreendendo a diversidade cultural e linguística na Europa e nas outras regiões do mundo, a necessidade de a preservar e a importância dos factores estéticos na vida quotidiana. - Conhecer e utilizar formas de comunicação diversificadas, adequando linguagens e técnicas aos contextos e necessidades, com vista à construção do saber cultural e artístico. - Apreciar e fruir obras de arte e de espectáculos, realizar-se pessoalmente através de múltiplas formas de expressão, utilizando as capacidades individuais.

12 - Confrontar os pontos de vista próprios sobre a criação e a expressão artística com os dos outros e de identificar e aproveitar oportunidades sociais e económicas na actividade cultural. -Auto avaliar e reformular crítica e sistematicamente a utilização adequada de linguagens culturais ou artísticas APRENDER A APRENDER PARA ADQUIRIR, PROCESSAR E ASSIMILAR NOVOS CONHECIMENTOS E APTIDÕES - Saber aprender de forma independente, autónoma e com autodisciplina. - Ser capaz de iniciar e prosseguir uma aprendizagem, de organizar a sua própria aprendizagem, através de uma gestão eficaz do tempo e da informação, tanto individualmente como em grupo. - Construir o seu próprio método de aprendizagem, identificando necessidades e oportunidades disponíveis apoiando-se nas experiências de vida e de aprendizagem anteriores a fim de aplicarem os novos conhecimentos e aptidões em contextos variados em casa, no trabalho, na educação e na formação. - Conhecer e compreender as suas estratégias de aprendizagem preferidas, os pontos fortes e fracos das suas aptidões e qualificações, procurando as oportunidades de educação e deformação e de orientação e/ou apoio disponíveis. - Ser capaz de ultrapassar os obstáculos e efectuar mudanças, com motivação e confiança, com vista a uma aprendizagem bem sucedida. - Gerir eficazmente a sua própria aprendizagem, perseverando e concentrando-se nela, reflectindo criticamente nos seus propósito e objectivos. - Auto- avaliar o seu próprio trabalho e pedir conselhos, informação e apoio, sempre que necessário. CONHECER E ADOTAR METODOLOGIAS PERSONALIZADAS E ADEQUADAS A OBJETIVOS PARA UM TRABALHO E APRENDIZAGEM CONSTANTES - Planear, organizar e implementar as atividades de aprendizagem ou com vista à aprendizagem. - Identificar, selecionar, confrontar e aplicar diferentes métodos de trabalho, adequando-os à especificidade de cada tarefa. - Pesquisar e selecionar informação de forma crítica, racional e em função dos objetivos definidos previamente, em fontes diversificadas e fidedignas, para a transformar em conhecimento mobilizável e operacionalizável. - Organizar e interpretar informação de forma crítica, em função de objectivos previamente estabelecidos e através da apropriação e reconstrução pessoal da mesma. - Comunicar, de formas diversificadas, o conhecimento resultante da interpretação e reconstrução da informação. - Exprimir dúvidas, dificuldades e procurar apoio. -Auto avaliar, ajustar e reformular crítica e sistematicamente os métodos de trabalho utilizados relativamente à sua forma de aprender e aos objetivos visados, bem como as aprendizagens obtidas a partir da informação, confrontando o conhecimento produzido com os objetivos visados e a perspetiva de outros.

13 CONHECER E ADOTAR ESTRATÉGIAS ADEQUADAS, REALIZAR ATIVIDADES DE FORMA AUTÓNOMA, RESPONSÁVEL E CRIATIVA PARA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E TOMADA DE DECISÕES RESPONSÁVEIS - Identificar situações problemáticas e pesquisar e selecionar informação com vista à resolução de situações problemáticas. - Organizar estratégias criativas e adequadas à resolução de problemas, com base na informação pesquisada. - Debater e confrontar a pertinência das estratégias adoptadas face ao problema com outras perspectivas, com vista à tomada de decisões adequadas. - Tomar decisões e propor intervenções, responsabilizando-se por elas. - Realizar tarefas por iniciativa própria, assumindo a sua integral responsabilidade, identificando, selecionando e aplicando métodos criativos e críticos para a sua realização. - Valorizar a dimensão do esforço, persistência, iniciativa e criatividade na realização de diferentes tarefas. - Auto avaliar e reformular crítica e sistematicamente as decisões e intervenções, com vista à melhoria dos processos de decisão. - Auto avaliar e reformular crítica, sistemática e progressivamente as formas de realização das tarefas no que se refere à autonomia, responsabilidade e criatividade. COOPERAR COM OS OUTROS EM PROJECTOS E TAREFAS COMUNS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA VERDADEIRA CIDADANIA - Desenvolver competências sociais/interpessoais e cívicas (responsabilidade, sentido ético) e de trabalho cooperativo (aprendizagem colaborativa, trabalho em rede), ou seja, todas as formas de comportamento que permitem ao indivíduo participar de forma eficaz e construtiva na vida social, em particular em sociedades heterogéneas, resolvendo conflitos quando necessário. - Conhecer e compreender os códigos de conduta e de boas maneiras geralmente aceites; as noções básicas de indivíduo, grupo, organização de trabalho, igualdade entre homens e mulheres e não discriminação, sociedade e cultura; as dimensões multicultural e socioeconómica das sociedades europeias e o modo como a identidade cultural nacional interage com a identidade. - Manifestar a competência de comunicar de maneira construtiva em diferentes meios, de demonstrar tolerância, de expressar e entender pontos de vista diferentes, de negociar, inspirando confiança e de suscitar empatia. - Manifestar sentido de responsabilidade, interesse e disponibilidade pela realização de tarefas que envolvam o bem comum/bem estar coletivo e sejam necessárias à construção de uma sociedade justa (verdadeira cidadania). - Manifestar flexibilidade e respeito pelo seu trabalho e pelo trabalho dos outros. - Manifestar a competência de saber lidar com o stress e a frustração e exprimir estes sentimentos de uma maneira construtiva, sendo capaz de distinguir entre a esfera privada e a esfera profissional, numa atitude de colaboração, de determinação e de integridade. - Conhecer acontecimentos contemporâneos, os principais eventos e tendências da história nacional, europeia e universal e desenvolver a consciência dos objectivos, dos valores e das políticas dos movimentos sociais e políticos.

14 - Manifestar sentimento de pertença a uma localidade, país, região e planeta, bem como o desejo de participar na tomada de decisões, compreendendo e respeitando valores comuns, necessários à coesão da comunidade. - Participar em atividades de grupo, respeitando princípios, normas, regras e critérios de atuação, convivência e de trabalho em diferentes contextos. - Comunicar, discutir e defender ideias próprias, dando a possibilidade de intervenção aos outros. - Auto avaliar, reformular e ajustar formas de atuação cooperativa, em função do grupo e de si. - TOMAR INICIATIVAS, DESCOBRIR OPORTUNIDADES, INOVAR, E ASSUMIR RISCOS PARA A BOA GESTÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS (EMPREENDEDORISMO) - Desenvolver e demonstrar espírito de iniciativa e dinamismo enquanto capacidade de passar das ideias aos actos e de aproveitar oportunidades. - Compreender, desenvolver e demonstrar criatividade, espírito de inovação e de assunção de riscos. - Compreender, desenvolver e demonstrar capacidades de gestão de projectos, procurando alcançar objectivos, através do planeamento, organização, gestão, liderança e delegação, análise, comunicação, balanço, avaliação e registo. - Desenvolver as capacidades de negociação e de trabalhar individualmente e em equipa. - Conhecer, reflectir e aplicar os valores éticos, morais e sociais que devem estar subjacentes à inovação e aproveitamento de oportunidades. - Reconhecer, com objectividade, pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e constrangimentos, auto avaliando, reformulando e ajustando, progressivamente, a sua atuação. UTILIZAR LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PARA COMUNICAR ADEQUADAMENTE EM SITUAÇÕES DO QUOTIDIANO E PARA APROPRIAÇÃO DE INFORMAÇÃO - Compreender, expressar e interpretar conceitos, pensamentos, sentimentos, factos, opiniões e textos orais e escritos em línguas estrangeiras para melhor conhecimento do mundo e para diversificação das fontes de saber cultural, científico e tecnológico. - Comunicar oralmente e por escrito utilizando as línguas estrangeiras, para alargar e/ou consolidar relações com parceiros estrangeiros. - Conhecer o vocabulário, a gramática funcional, os principais tipos de interacção verbal e dos registos de linguagem, bem como as convenções sociais, os factores culturais e a diversidade linguística. - Auto avaliar, reformular e ajustar, progressivamente, os desempenhos linguísticos em línguas estrangeiras quanto à adequação e eficácia. CONHECER E VALORIZAR A CULTURA E VISÃO CRISTÃS DO MUNDO PARA RECONHECER O FUNDAMENTO DA SUA DIGNIDADE E DA DOS OUTROS - Reconhecer, à luz da mensagem cristã, a dignidade da pessoa humana.

15 - Questionar-se sobre o sentido da realidade, equacionando respostas à questão do seu sentido, a partir da visão cristã do mundo e dos seus valores humanistas - Relacionar o fundamento religioso da moral cristã com os princípios, valores e orientações para o agir humano, propostos pela Igreja, organizando o seu próprio universo coerente de valores. - Mobilizar princípios e valores éticos para a orientação do comportamento em situações vitais do quotidiano, propondo soluções fundamentadas para situações de conflito/dilema de valores morais. - Relacionar-se com os outros com base nos princípios de cooperação e solidariedade, assumindo a alteridade e diversidade como fator de enriquecimento mútuo e reconhecendo a relatividade das convicções pessoais, como contributos de aproximação à verdade. - Identificar o núcleo central constitutivo da identidade do Cristianismo, particularmente do Catolicismo, bem como das principais confissões religiosas. - Assumir uma posição pessoal frente ao fenómeno religioso e à identidade das confissões religiosas, no respeito pelos valores fundamentais do diálogo e da tolerância. - Interpretar textos sagrados fundamentais de religiões não cristãs, extraindo significados adequados e relevantes, usando a Bíblia a partir do conhecimento da sua estrutura (interpretando textos fundamentais, extraindo significados adequados e relevantes). - Interpretar produções estéticas de temática cristã, de âmbito universal e local.

16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - Recomendação do Parlamento Europeu do Conselho da Europa sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida (2006) - European Framework of Key Competences describes the knowledge, skills and attitudes required for a successful life in a knowledge society. It is a basis for a coherent approach to competence development, in school and in vocational training. -COMMUNICATION FROM THE COMMISSION TO THE EUROPEAN PARLIAMENT, THE COUNCIL, THE EUROPEAN ECONOMIC AND SOCIAL COMMITTEE AND THE COMMITTEE OF THE REGIONS - Improving competences for the 21st Century: An Agenda for European Cooperation on Schools -Conference Board of Canada (1991) - Comissão Europeia - Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ), Conselho Nacional de Educação - Recomendação n.º 2/2012 Parecer sobre Proposta de Revisão da Estrutura Curricular para o ensino básico e secundário; -Conselho Nacional de Educação (2011) - Recomendação sobre O Estado da Educação A Qualificação dos Portugueses - Eurydice (2002) Key Competencies - A developing concept in general compulsory education CONCEITOS UTILIZADOS Resultados da aprendizagem - o enunciado do que um aprendente conhece, compreende e capaz de fazer aquando da conclusão de um processo de aprendizagem, descrito em termos de conhecimentos, aptidões e competência; Conhecimentos - o resultado da assimilação de informação através da aprendizagem. Os conhecimentos constituem o acervo de factos, princípios, teorias e praticas relacionado com uma área de trabalho ou de estudo. No âmbito do Quadro Europeu de Qualificações, descrevem se os conhecimentos como teóricos e/ou factuais; Aptidões - a capacidade de aplicar conhecimentos e utilizar recursos adquiridos para concluir tarefas e solucionar problemas. No âmbito do Quadro Europeu de Qualificações, descrevem se as aptidões como cognitivas (incluindo a utilização de pensamento lógico, intuitivo e criativo) e práticas (implicando destreza manual e o recurso a métodos, materiais, ferramentas e instrumentos); Competência - a capacidade comprovada de utilizar o conhecimento, as aptidões e as capacidades pessoais, sociais e/ou metodológicas, em situações profissionais ou em contextos de estudo e para efeitos de desenvolvimento profissional e/ou pessoal. No âmbito do Quadro Europeu de Qualificações, descreve se a competência em termos de responsabilidade e autonomia;

17 PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA PROJETO CURRICULAR DO JARDIM DE INFÂNCIA

18 1 O QUÊ?- PROJETO CURRICULAR DO JARDIM DE INFÂNCIA O Projeto Curricular é, no Jardim de Infância e no Colégio Nossa Senhora da Paz, constituído por um conjunto de princípios para apoio do Educador nas decisões sobre a gestão curricular e a sua prática, ou seja, para conduzir o processo educativo a desenvolver com cada grupo de crianças, em função da sua idade. Com base no conhecimento daquilo que se espera que seja o desenvolvimento da criança (psicologia do desenvolvimento) é traçado um percurso de formação. Para a sua construção deve ter-se em conta a faixa etária e o desenvolvimento das crianças, escutando os seus saberes, as suas necessidades e interesses, as suas características individuais e de grupo, o meio sócio-económico e cultural e o seu contexto. O Projeto Curricular de Grupo deve ser também fundamentado nos referenciais institucionais como o Projeto Curricular de Escola (opções, prioridades e competências), Projeto Educativo, Plano Anual de Actividades e o Regulamento Interno; e nos referenciais curriculares nacionais como as Orientações Curriculares e as Metas de Aprendizagem para o Pré-Escolar, definidas pelo Ministério da Educação. O Projeto Curricular de Grupo deve abranger, em todos os grupos de Jardim de Infância do Colégio, as seguintes Áreas de Conteúdo: 1.1 ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL Esta área deverá proporcionar ao grupo, de acordo com a sua fase de desenvolvimento, a aquisição de espírito crítico e a interiorização de valores espirituais, estéticos, morais e cívicos. Procura promover nas crianças atitudes e valores que lhes permitam tornar-se cidadãos conscientes e solidários, capazes da resolução dos problemas da vida. Favorece a sua inserção na sociedade como seres autónomos, livres e solidários, evidenciando que o ser humano se constrói em interacção social sendo influenciado e influenciando o meio que o rodeia. Motiva cada criança a vivenciar e explorar todos os valores culturais e tradicionais existentes na sociedade, ou seja, no seu meio envolvente. 1.2 ÁREA DE EXPRESSÃO E COMUNICAÇÃO A área de expressão e comunicação engloba as aprendizagens relacionadas com o desenvolvimento psicomotor e simbólico que determinam a compreensão e o progressivo domínio de diferentes formas de linguagem. Nesta área encontramos quatro vertentes: Expressão Motora; Expressão Dramática; Expressão Plástica e Expressão Musical. Cada uma é específica, contudo não podem ser referidas de forma separada, pois complementam-se. Todos estes domínios se referem à aquisição e à aprendizagem de códigos que são meios de relação com os outros, de recolha de informação e de sensibilização estética, indispensáveis para a criança representar o seu mundo interior e o mundo que a rodeia, desenvolvendo assim a sua imaginação, criatividade e proporcionando-lhe o contacto com várias formas de comunicação e expressão, novas experiências e descobertas.

19 1.3 ÁREA DE CONHECIMENTO DO MUNDO A criança aprende em interação com o mundo que a rodeia, tendo sempre curiosidade e desejo de saber mais, de compreender e dar sentido ao mundo, tarefa que é própria do ser humano. Por isso, é importante dar oportunidade à criança de contactar com novas situações que se tornam ocasiões de descoberta e de exploração do mundo. Assim pode-se dizer que todas as áreas de conteúdo constituem de certo modo formas de conhecimento do mundo, sensibilizando as crianças para tudo o que as rodeia, o meio envolvente, o meio natural. No Colégio Nossa Senhora da Paz pretende-se que estas áreas estejam naturalmente interligadas, articulando-se entre si de forma a construir um processo de ensino e a aprendizagem global e não estanque. Em cada uma delas poderemos encontrar intenções e actividades que lhes correspondem. O Projeto Curricular de Grupo é desenvolvido, realizado e avaliado através das planificações semanais e das suas respectivas avaliações, da responsabilidade da Equipa Pedagógica de cada turma. É sempre um documento aberto e flexível, na medida em que em qualquer momento podem surgir novas intenções ou atividades, a partir das necessidades e interesses das crianças. 2 O QUÊ? - COMPETÊNCIAS E PROJETOS CURRICULARES DE GRUPO Os Projetos Curriculares dos diferentes grupos etários podem ser tipificados e apresentados em teia ou por competências, como se poderá consultar no Anexo I-Jardim de Infância. 3 COMO? - METODOLOGIA DE PROJETO A metodologia pedagógica utilizada para implementação dos Projetos Curriculares de Grupo é, no Colégio Nossa Senhora da Paz, a Metodologia de Projeto (Ministério da Educação, 1998). Um projeto é um estudo em profundidade de um determinado tópico/tema, que uma ou mais crianças levam a cabo. É o ênfase que é dado à parte do currículo que incentiva as crianças a aplicar as suas capacidades emergentes em atividades informais e abertas que são destinadas a melhorar a sua compreensão do mundo em que vivem. Ao contrário da brincadeira espontânea, os projetos envolvem habitualmente as crianças num planeamento avançado e em várias atividades que requerem a manutenção de esforço em vários dias ou semanas. Um dos principais objetivos da educação é melhorar a compreensão dos alunos em relação ao mundo que os rodeia e fortalecer a sua vontade de continuarem a aprender (Katz, 1997). Trata-se de uma metodologia de trabalho que valoriza a criança como um ser capaz e competente para resolver problemas e ultrapassar etapas através de pesquisas e investigações que realiza. O trabalho de projeto funciona como uma forma de ensino aprendizagem ativa na qual o educador tem o papel de disponibilizar à criança uma interação com o ambiente, a sociedade, o meio, os objetivos e de a motivar para que seja ativa na construção do seu conhecimento.

20 Sendo uma das metodologias mais enriquecedoras na construção de conhecimento por parte das crianças, pode ser levada a cabo individualmente, em grupo, ou por toda a turma. Um projeto é a parte estruturada do currículo, podendo figurar entre muitas outras atividades disponíveis; muitos outros elementos do currículo pré-escolar habitual permanecem paralelos ao trabalho de projeto. Este difere das outras partes do currículo pelo facto de se basear nos planos e nas intenções individuais e de grupos, embora recorrendo habitualmente à orientação do professor. A abordagem de Projecto pressupõe uma grande implicação de todos os participantes, nomeadamente as crianças e toda a equipa pedagógica do Colégio Nossa Senhora da Paz que com elas trabalha direta ou indiretamente: Educadora, Auxiliares, Estagiárias e toda a Comunidade envolvente. Permite a participação ativa dos interessados, assim como a troca de experiências entre os intervenientes, sendo a função do Educador a de mediador em todo o processo (é ele quem possui as bases teóricas para a elaboração das intenções a serem desenvolvidas). As crianças são o motor do avanço ou estagnação do projecto, mas cabe ao Educador construir este processo de forma cativante e produtiva para o seu grupo. Com a implementação desta metodologia pretendemos, assim: Promover o envolvimento mental das crianças em tudo o que fazem (objetivos intelectuais) Que os adultos e crianças compreendam que a escola é vida (as experiências escolares são experiências da vida real, não são artificiais nem institucionais) Atingir um sentido de comunidade no grupo Encarar o ensino como um desafio e uma oportunidade ETAPAS Definição do Problema - As crianças fazem perguntas, questionam-se, despertam para novos interesses. Esta etapa, à semelhança da seguinte, é habitualmente registada na chamada TEIA DO PROJETO, onde as crianças registam o que sabem e não sabem, sobre aquilo que as interessou e querem trabalhar Planificação e lançamento do trabalho - Investigação sobre os percursos, espaços, recursos necessários para dar resposta às questões que surgem, refletindo-se sobre o que queremos fazer, com quem, com quê, onde e quando Execução - Concretização do que se pensou e decidiu anteriormente Avaliação/ Divulgação - Apresentação do Projeto, do conhecimento adquirido e mobilizado pelas crianças e avaliação de todo o trabalho realizado.

PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA CONCEITOS, OPÇÕES E PRIORIDADES

PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA CONCEITOS, OPÇÕES E PRIORIDADES PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA CONCEITOS, OPÇÕES E PRIORIDADES 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.1 - CURRÍCULO ESCOLAR É o conjunto de aprendizagens consideradas socialmente necessárias, a cada indivíduo ou sociedade,

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Introdução. 1.2 Escola Católica

Introdução. 1.2 Escola Católica Introdução A Escola Sagrada Família Externato é uma Escola Católica e é regida pelo Ideário das Escolas da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e o Estatuto da Associação Portuguesa

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

Planificação Anual Educação para a Cidadania

Planificação Anual Educação para a Cidadania Agrupamento de Escolas de Monforte Ano letivo - 2014-2015 Planificação Anual Educação para a Cidadania Departamento do 1º Ciclo Introdução Rua Professor Dr. Rosado Correia A escola ocupará sempre um papel

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 18 de Dezembro de 2006. sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida

RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 18 de Dezembro de 2006. sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida L 394/10 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.12.2006 RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 18 de Dezembro de 2006 sobre as competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

N.º de aulas (tempos letivos) 13 10 9. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. Desenvolvimento Programático

N.º de aulas (tempos letivos) 13 10 9. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. Desenvolvimento Programático Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código 403192 720-902 - Sines Ano letivo: 2014/201 Departamento: Ciências Humanas e Sociais Grupo disciplinar: 290 Disciplina: Educação Moral Religiosa Católica

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique...

O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique... Introdução O Projeto Educativo do Externato Infante D. Henrique......pressupõe a prévia aceitação de uma conceção do homem na qual se reveja a ideia da construção de uma sociedade livre, plural, geradora

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

N.º de aulas (tempos letivos) 12 10 10. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. - A Liberdade

N.º de aulas (tempos letivos) 12 10 10. Apresentação/Avaliação diagnóstica 1 - - Instrumentos de avaliação 1 1 1. - A Liberdade Escola Secundária com 3.º CEB Poeta Al Berto Código 03192 7520-902 - Sines Ano letivo: 201/2015 Departamento: Ciências Humanas e Sociais Grupo disciplinar: 290 Disciplina: Educação Moral Religiosa Católica

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS

DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS DESENVOLVIMENTO CURRICULAR EM COORDENAÇÃO COM O ENSINO BÁSICO MELHORIA DA QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS Divisão da Educação Pré-Escolar e Ensino Básico Ficha Técnica Título:

Leia mais

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO I Princípios Básicos - Todos os homens, têm direito a uma educação adequada e à cultura, segundo a capacidade de cada um, em igualdade de oportunidades e em relação a todos os níveis

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS INDICE 1- Caracterização do grupo 2- Tema do projeto pedagógico da sala dos Curiosos: A Brincar vamos descobrir

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica propõe que o aluno seja capaz de:

A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica propõe que o aluno seja capaz de: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Educação Moral e Religiosa Católica _ 6º Ano _ A Ano Letivo: 2011/2012 1. Introdução e Finalidades A disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica visa a

Leia mais

Projeto Curricular do 1.º Ciclo

Projeto Curricular do 1.º Ciclo Projeto Curricular do 1.º Ciclo Tema Felizes os que constroem a vida na verdade e no bem. INTRODUÇÃO Este ano letivo 2014/2015 ficou definido como tema geral Felizes os que constroem a vida na verdade

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia

Externato São Miguel Arcanjo. Projeto Curricular de Escola. Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Projeto Curricular de Escola Crescer Em Harmonia Externato São Miguel Arcanjo Lisboa Projeto Curricular de Escola 2 O valor das coisas não está No tempo em que elas duram,

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha?

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? VIII Jornadas da Infância do Centro de Apoio Social e Acolhimento C.A.S.A. Bernardo Manuel Silveira Estrela PRÁTICAS EDUCATIVAS:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLNAR: EMRC PLANIFICAÇÕES 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 8º Ano ANO 2008/2009 1/7 Módulo 1- O GOSTO PELA AVENTURA Tema 1 - A atracção ao desconhecido Experiência de aventuro. (Situações que exprimem experiências de aventura como a condução de veículos, iniciação

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia

Gláucia Cristina Negreiros Coordenação do Curso de Pedagogia Faculdades Integradas Mato - Grossenses de Ciências Sociais e Humanas Missão: Formar cidadãos, através da educação, para atuar de forma transformadora, ética e crítica, no contexto profissional e social

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

Associação Para o Desenvolvimento de Lagares

Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Associação Para o Desenvolvimento de Lagares Projecto Pedagógico 2010 / 2011 Educadora: Lígia Moreira Sala dos amiguinhos A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo da educação

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos

PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA. COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE PEDAGOGIA COMPONENTE CURRICULAR PERÍODO PROFESSOR (A) ANO/SEMESTRE Fundamentos Teórico-metodológicos 3º período Daniela Santana Reis 2012.1 da Educação Infantil CRÉDITOS

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO 171311 Sede Escola Secundária da Moita CRITÉRIOS DE AVALIAÇÂO 1.º CICLO Os Critérios de Avaliação para o 1.º ciclo do Ensino Básico foram definidos de acordo com as orientações do currículo nacional constituindo

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA 8ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Visual e Plástica - 8ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico ALE EXPRESSÃO DRAMÁTICA Proposta de Plano Anual 2014/2015 1. Introdução

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais