Cupins (Isoptera) da Fazenda Serrinha na região de Miracema do Tocantins-TO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cupins (Isoptera) da Fazenda Serrinha na região de Miracema do Tocantins-TO"

Transcrição

1 Cupins (Isoptera) da Fazenda Serrinha na região de Miracema do Tocantins-TO Julyana Flavia dos Santos Lima¹ PIBIC/UEG, Hélida Ferreira da Cunha² Universidade Estadual de Goiás-UnuCET, , Brasil Palavras-Chave: Miracema do Tocantins, cerrado, cupins, termitófilo 1 INTRODUÇÃO Existem atualmente espécies de térmites (LIMA & COSTA- LEONARDO, 2007) descritas no mundo, com a maior ocorrência nas regiões tropicais e subtropicais (PAES et al., 2001; ZORZENON et al., 1998), com algumas ocorrências em lugares desérticos e clima temperado. São particularmente evidentes e abundantes no Cerrado, onde algumas espécies podem alcançar densidades elevadas (DOMINGOS et al., 1986). Quando se explora um cupinzeiro, sempre se encontra animais além de cupins, ou termitófilos, alguns penetram acidentalmente, outros se estabelecem definitivos na sociedade (BARRETO & CASTRO, 2007). Segundo Costa-Lima (1939), termitófilos são considerados hóspedes e geralmente são aceitos pelos cupins, outros tolerados, intrusos e predadores, às vezes freqüentemente perseguidos ou parasitos (classificação de Wasmann). Alguns trabalhos citam presença de formigas (SANTOS et al., 2007) ácaros, aranhas, besouros, formigas e lagartas (CUNHA et. al. 2003). No Parque Estadual da Serra de Caldas Novas (GO), Cunha e Brandão (2000) encontraram ácaros, aranhas, besouros estafilinídeos, lagartas da família Geometridae e dez espécies de formigas nos maiores ninhos de Constrictotermes cyphergaster. Os cupins são muito conhecidos por sua importância econômica como pragas de madeira e de outros materiais celulósicos, mas em função da intricada interação com os aspectos físicos e biológicos do ecossistema, a extinção de suas espécies pode causar a eliminação de outras espécies que dependem desses insetos para sobreviver e se reproduzir. 1

2 O conhecimento da termitofauna no Brasil tem crescido nos últimos anos, mas ainda há lacunas importantes. Não se conhece trabalhos sobre Isoptera no estado do Tocantins, área de estudo do presente projeto. O objetivo geral foi fazer o levantamento da riqueza de cupins e de termitófilos que ocorrem no Cerrado de uma fazenda na região de Miracema do Tocantins-TO. 2 MATERIAIS E MÉTODOS O projeto foi executado na Fazenda Serrinha localizada 10 km ao sul de Miracema do Tocantins-TO. Localiza-se a uma latitude 09º34'02" sul e a uma longitude 48º23'30" oeste, a uma altitude de 197 metros e temperatura média anual de 35 C (IBGE, 2008). Registro fotográfico foi feito para facilitar a descrição da área de estudo. Os termitófilos encontrados no interior dos ninhos foram coletados ou fotografados caso coleta fosse inviabilizada. Os indivíduos encontrados foram coletados manualmente com pinça entomológica e armazenados em fracos plásticos contendo álcool 70% com etiquetas informativas: local, data e nome do coletor. Outros dados como descrição do microhábitat onde o individuo foi encontrado, comportamento dentre outros, foram anotados na caderneta de campo para posterior classificação de grupos tróficos. Na identificação dos espécimes foram usadas chaves de identificação, notas ou revisões de espécies e por comparação com espécimes mantidos em coleções zoológicas (UFG, UnB, MZUSP). Espécimes representantes de cada espécie serão depositados na Coleção Científica da UEG. Os dados da coleção foram registrados em computador e arquivados em arquivo digital para facilitar sua atualização. As áreas de coleta foram selecionadas de acordo com a diversidade de fitofisionomias do Cerrado na área da fazenda e conforme sua disponibilidade, as coletas foram feitas em áreas de formação aberta (pastagem e cerradão) e de formações florestais (veredas e matas). A estimativa é que em cada fitofisionomia de Cerrado, foram delimitadas dez parcelas de 10 m 2 (5 m x 2 m) dispostos à esquerda e à direita, alternadamente, com espaçamento de 10 m entre elas, dispostos em 2

3 faixas lineares e/ou paralelas. Foi mantido a distância de 50 m das bordas do fragmento para evitar o efeito de borda. No fragmento de Cerrado não houve dimensão para 10 parcelas supracitadas, foi feita coleta direta nos ninhos epígeos, arbóreos, solo, folhagem, madeira, etc. Esse método é uma adaptação dos métodos usados por DeSouza e Brown (1994), Jones e Eggleton (2000), Cunha et al. (2006) e Reis e Cancello (2007). O registro fotográfico das áreas de coleta, transectos e parcelas antes e depois da coleta foram feitos a fim de facilitar a descrição da área de estudo. Os cupins foram procurados em cada parcela durante 1 hora/ coletor, nos seguintes microhábitats: blocos escavados de solo, superfície do solo, madeira morta, ninhos hipógeos, ninhos epígeos, ninhos arborícolas, galerias de forrageamento, serapilheira, raízes de plantas, fezes de animais, frutos caídos no solo. Termitófilos encontrados no interior de ninhos epígeos também foram coletados e/ou fotografados, quando a coleta foi invibializada. Os indivíduos encontrados em cada colônia foram coletados manualmente com pinça entomológica e armazenados em frascos plásticos contendo álcool 70%. Cada frasco recebeu etiqueta de procedência com local, data, nome do coletor. A identificação dos espécimes foi feita com chaves de identificação (Constantino, 1999), notas ou revisões de espécies. Espécimes representantes de cada espécie foram depositados na Coleção Científica da UEG. Para as análises estatísticas, cada parcela foi considerada uma amostra independente. Os dados foram tabulados em forma de matriz de presença/ausência. O esforço de coletas foi estimado por curvas de acumulação de espécies, plotadas entre riqueza e número de amostras por parcela para cada fitofisionomia (BANDEIRA, 1989; CONSTANTINO, 1992; BANDEIRA et al., 1998; JONES E EGGLETON, 2000; CUNHA et al., 2006; REIS E CANCELLO, 2007). A comparação entre as diferentes fitofisionomias em termos de riqueza foi feita por aquele estimador de riqueza que melhor se ajustar à riqueza observada (SANTOS, 2003). A diversidade das espécies de cupins foi medida pelo índice de Shannon-Weaner e a eqüitabilidade pela relação H/Hmáx (BRANDÃO E SOUZA, 1998; CONSTANTINO, 1992; CUNHA et al., 2006). A similaridade entre as diferentes fitofisionomias foi feita pela análise de agrupamento, medida pelo 3

4 coeficiente de Sorensen (baseado na presença/ ausência das espécies) (FLORENCIO E DIEHL, 2006). 4 RESULTADO E DISCUSSÃO Na pastagem, encontramos doze gêneros de cupins da família Termitidae (Nasutitermitinae; Termitinae e Apicotermitinae): Grigiotermes sp, Anoplotermes sp, Aparatermes sp, Cornitermes snyderi, Syntermes molestus, Curvitermes sp, Armitermes sp 3, Microcerotermes sp, Nasutitermes sp 7, Nasutitermes sp 8, Dihoplotermes sp 2, Subulitermes sp, Embiratermes sp1. Os cupins foram encontrados em diferentes micro-hábitats (folhagens, troncos, serragens e trilhas em árvores). Houve repetição de espécies juntas no mesmo micro-habitat, como por exemplo, nos ninhos epígeos. Essa mesma ocorrência não significa que elas têm uma relação direta, mas tem a mesma preferência de habitat (LOBO et al., 2007). Nas veredas dezesseis espécies foram encontradas nas áreas de coleta: Embiratermes silvestrii; Termes bolivianus; Grigiotermes; Anoplotermes; Cavitermes; Armitermes cerradoensis; Atlantitermes stercophilus; Heterotermes longiceps; Heterotermes tenuis; Nasutitermes tatarendae; Nasutitermes sp1; Nasutitermes coxipoensis; Nasutitermes sp3; Natusitermes sp4; Nasutitermes indistinctus; Nasutitermes kemneri. Na Mata foram encontrados 15 espécies de térmites, distribuídos em vários micro-habitats, e na maioria no solo e troncos caídos. Poucos ninhos foram encontrados, e quando avistados eram arbóreos e fora da parcela demarcada. A listagem foi a seguinte: Termes bolivianus; Grigiotermes; Anoplotermes; Cavitermes; Armitermes; Atlantitermes stercophilus; Heterotermes longiceps; Nasutitermes tatarendae; Nasutitermes sp1; Nasutitermes coxipoensis; Nasutitermes sp3; Natusitermes sp4; Nasutitermes indistinctus; Nasutitermes kemneri. No cerrado 14 espécies foram encontradas. Houve menor numero de espécies encontradas, porém uma mesma espécie aparecia em quase todas as parcelas. As espécies encontradas foram: Embiratermes silvestrii; Rhynchotermes 4

5 diphyes; Anoplotermes; Ruptitermes; Velocitermes glabrinotus; Neocapritermes Araguaia; Aparatermes; Armitermes cerradoensis; Atlantitermes ocularissimus; Heterotermes longiceps; Nasutitermes sp1; Nasutitermes nigriceps; Nasutitermes sp2; Nasutitermes sp5. A soma total de morfoespécies é 50. No cerrado 14 espécies foram encontradas com 5 espécies exclusivas que só apareceram nessa fitofisionomia. Na Mata houve só 3 espécies exclusivas e nas veredas também com 5 exclusividades. Na tabela 1 mostra a quantidade de únicas espécies coletadas uma só vez, e duas vezes, e a riqueza de cada fitofisionomia. Tabela 1. Riqueza de espécies de cupins da Fazenda Serrinha, Miracema do Tocantins-TO Cerradão Pastagem Vereda Mata Total Amostras Parcelas Uniques Duplicates Riqueza ± 14 ± 2,38 13 ± 3,23 16 ± 2,05 26 ± 3,73 49 ± 4,58 desvio padrão Bootstrap ± 17,16 ± 16,94 ± 19,38 ± 33,61 ± 60,35 ± desvio padrão 1,33 1,26 1,45 1,57 0,88 Equitabilidade 0,905 0,947 0,945 0,985 0,925 Reis e Cancello (2007) tiveram o Nasutitermes como o mais freqüente e diversificado gênero do trabalho, e neste presente estudo houve o mesmo resultado, com esse gênero presente em todas as fitofisionomias. No trabalho de Florencio & Diehl (2006) foram encontrados em florestas remanescentes 6 gêneros em comum com nosso trabalho, que foram: Aparatermes, Nasutitermes, Grigiotermes, Ruptitermes, Neocapritermes. O Nasutitermes coxipoensis foram encontrados na Mata e na Vereda. Vasconcelos et.al. (2005) encontraram essa espécie em floresta de restinga. A espécie Atlantitermes stercophilus que apareceram também em Vereda e Mata, Heterotermes longiceps (em todas as fitofisionomias), Nasutitermes 5

6 ephratae (apenas na Mata), Nasutitermes kemneri (apenas vereda),tiveram presença no trabalho de Vasconcelos et.al.(2005) que foi feito em florestas de restinga do estado da Paraíba. Analisando todas as coletas feitas, observa-se que quanto mais parcelas realizadas, o numero de espécies aumenta (figura 1). Figura1. Curva de acumulação de espécies de cupins coletados em quarenta parcelas na Fazenda Serrinha, Miracema do Tocantins-TO. As barras verticais são os Intervalos de Confiança (± 95%) de cada valor estimado. Na figura 2, mostra também que quanto mais coletas, maior o número de espécies. Comparando a riqueza de Isoptera nas quatro fitofisionomias (figura 2) observa-se que a mata apresentou maior numero de espécies. Esse resultado pode ser pelo nível de degradação do ambiente, pois Mata é considerada mata virgem por nunca ter sido degradada e não ter passado por alterações antrópicas. As outras fitofisionomias já passaram por degradação, pois são usadas como ambientes para pastagem pelo gado. 6

7 Figura 2. Curva de acumulação de espécies de cupins coletados em quatro fitofisionomias na Fazenda Serrinha, Miracema do Tocantins-TO. As pastagens apresentaram menor riqueza, que também pode ser explicado pelo maior nível de degradação e ação antrópica (DESOUZA & BROWN, 1994). Na análise pelo índice de Similaridade de Sorensen, as pastagens apresentaram similaridade baixa com todas as fitofisionomias. As que se apresentaram mais semelhantes foram a mata e vereda com 0,428, mas ainda é um índice considerado baixo de similaridade (tabela 2). Pode-se concluir que existem poucas espécies em comum entre as quatro fitosionomias. A única espécie em comum entre as quatro foi o Anoplotermes sp. Tabela 4. Similaridade de Sorensen da riqueza de espécies de cupins entre as quatro fitofisionomias Cerrado Mata Vereda Cerrado Mata 0,3 Vereda 0,333 0,428 Pasto 0,148 0,102 0,137 7

8 Houve ocorrência de repetição de espécies juntas no mesmo microhabitat (podendo ou não ser inquilinismo), como por exemplo, nos ninhos epígeos. Essa mesma ocorrência não significa que elas têm uma relação direta, mas tem a mesma preferência de habitat (LOBO et al,2007). Na tabela 3 apresenta quais as espécies encontradas que foram vistas como inquilinos e as espécies que construíram ninho. Tabela 3. Informações de status, hábito alimentar, habitat e nidificação das morfoespécies encontradas. Hábito Morfoespécies Status alimentar Nidificação Habitat Embiratermes silvestrii? inquilino humívoro o Mata/ Vereda Rhynchotermes diphyes Folívoro solo Cerrado Termes bolivianus inquilino Xilófago o Mata/ Vereda Grigiotermes inquilino humívoro solo/ninho Mata/Vereda/ Pasto Mata/Vereda/ Anoplotermes inquilino humívoro solo/ninho Pasto/Mata Ruptitermes inquilino humívoro solo/ninho Cerrado/Mata Velocitermes glabrinotus construtor Folívoro ninho Cerrado Neocapritermes araguaia o Xilófago solo/madeira Cerrado Cavitermes o humívoro o Vereda Diversitermes sp2 construtor Xilófago ninho Mata Diversitermes sp1 construtor Xilófago ninho Mata Rhinotermes sp2 o Xilófago solo Mata Rhinotermes sp3 o Xilófago solo Mata 8

9 Rhinotermes sp1 Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação o Xilófago solo Mata Aparatermes inquilino humívoro solo Cerrado/Pastagem Coatitermes Armitermes cerradoensis? Armitermes sp2 Armitermes Atlantitermes stercophilus Atlantitermes sp1 Atlantitermes o construtor construtor construtor Xilófago Intermediári o Mata o ninho Cerrado/Vereda Intermediári o ninho Mata Intermediári o ninho Mata o humívoro solo Mata/Vereda o humívoro solo Mata ocularissimus construtor humívoro solo Cerrado Heterotermes longiceps construtor Xilófago madeira Heterotermes Cerrado/Mata/Vere tenuis construtor Xilófago madeira Mata/Vereda Nasutitermes tatarendae construtor Xilófago madeira Vereda Nasutitermes ephratae construtor Xilófago ninho/humus Mata Nasutitermes sp1 construtor Xilófago ninho/humus Nasutitermes da Cerrado/Mata/Vere coxipoensis construtor Xilófago ninho/humus Mata/Vereda Nasutitermes nigriceps construtor Xilófago ninho/humus Cerrado/Mata da 9

10 Nasutitermes sp2 construtor Xilófago ninho/humus Cerrado Nasutitermes sp3 construtor Xilófago ninho/humus Mata/Vereda Natusitermes sp4 construtor Xilófago ninho/humus Vereda Nasutitermes sp5 construtor Xilófago ninho/humus Cerrado/Mata Nasutitermes indistinctus construtor Xilófago ninho/humus Vereda Nasutitermes kemneri construtor Xilófago ninho/humus Vereda Nasutitermes.sp6 construtor Xilófago ninho/humus Mata Nasutitermes sp7 construtor Xilófago ninho/humus Mata Coptotermes inquilino Xilófago madeira Mata Dihoplotermes construtor humívoro ninho Mata Cornitermes snyderi Syntermes construtor Intermediári o ninho Pastagem molestus inquilino Folívoro solo Pastagem Curvitermes inquilino humívoro ninho Pastagem Armitermes sp 3 construtor Intermediári o ninho Pastagem Microcerotermes construtor Xilófago ninho Pastagem Nasutitermes sp 7 construtor Xilófago ninho/humus Pastagem Nasutitermes sp 8 construtor Xilófago ninho/humus Pastagem Dihoplotermes sp 2 construtor humívoro ninho Pastagem Subulitermes inquilino humívoro ninho Pastagem Embiratermes sp1 inquilino humívoro ninho Pastagem A coleta de termitófilos ocorreu apenas nas pastagens e veredas, que houve presença de ninhos epígeos nas parcelas. Nos pastos foram encontrados dos seguintes grupos: aranhas (Lycosidae, Theraphosidae), percevejos (Reduviidae sp 1, Reduviidae sp 2, Reduviidae sp3, Reduviidae sp 4), baratas (Blattellidae sp1, Blattidae sp 1), formigas (Camponotus sp.1, Odontomachus sp.1, Ectatoma sp., Pseudomrmex sp., Acanthostichus sp., 10

11 Solenopsis sp., Gnamptogenys sp.), besouros Elateridae (larva), Opiliões (Palpatores, Laniatores), Centopéias (Scutigeromorpha), Tesourinhas (Labiidae), Grilos (Gryllidae). E nas veredas ocorreram os grupos de termitófilos:tesourinhas (Dermaptera), Percevejos (Saldidae), formigas (Camponotus sp.1, Acromyrmex sp.1, Pheidole sp.1, Pseudomyrmex termitarius, Camponotus rufipes), borboleta (Larva de Lepidóptera), ácaro(acari), escorpiões (Scorpionida), aranhas (Lycosidae), Pseudoescorpião: (Chelonethida), piolho-de-cobra (Chordeúmida), barata (Blattidae), aranha (Theraphosidae, Thomisidae, Clubionidae), besouro (Larva de Coleóptera). Na tabela 4, apresenta a listagem de termitófilos encontrados com seus respectivos construtores de ninho do qual habitavam. Tabela 4. Termitófilos encontrados nos cupinzeiros Construtor do Ninho Termitófilo Rhinotermes sp. Larva de Lepidoptera 11

12 Cornitermes snyderi Nasutitermes sp. Microcerotermes sp. Embiratermes sp. Saldidae,Blattodea, Gastropoda, Larva de Coleoptera,Acari,Lycosidae Blattidae Reduviidae sp1. Reduviidae sp3. Gnamptogenys sp. Laniatores Labiidae Grylidae Palpatores Elateridae Chordeumida L ycosidae Solenopsis sp. Odontomachus sptheraphosidae Isopoda Camponotus sp1. Haplotaxida Scutigeromorpha Reduviidae sp4. Pseudomyrmex sp. Camponotus sp.;trachymyrmex sp.;pseudoscorpiones;idiopidae Pseudomyrmex sp. Theraphosidae Pseudomyrmex sp. Lycosidae Acanthostichus sp. Elateridae 12

13 Lycosidae Blattellidae Reduviidae Ectatoma sp4. sp. Laniatores Armitermes sp. Gastropoda A ocorrência de termitófilos nos cupinzeiros da pastagem e da vereda foi similar, mas na pastagem houve incidência de alguns grupos (Figura 3). Isopoda Orthoptera Opiliones Chilopoda Diplopoda Scorpionida vereda pasto Acari Lepidoptera Dermaptera Heteroptera Coleoptera Formicidae Aranae incidência de termitófilos nas parcelas Figura 3. Incidência de termitófilos nas parcelas de pastos e veredas na Fazenda Serrinha No total teve 38 grupos taxonômicos, em 20 ninhos, com repetições nas veredas e pastos. A ordem mais encontrada foram Formicidae, com maior prevalência nas duas fitofisionomias estudadas. Apenas um representante da classe Chilopoda foi encontrada. 13

14 Existem escassos trabalhos que apresentam a presença do mesmo, Carvalho (2005); Costa et al. (2009) encontrou, Scutigeromorpha, Camponotus sp, Acromyrmex sp., Solenopsis sp, Ectatoma sp., Odontomachus sp., Pseudomrmex sp., e Pheidole sp. Carvalho (2005) também registrou a presença de Scorpionida, Lycosidae, e Gryllidae, Theraphosidae. Acari, aranhas, também foram encontrados por Cunha et. al. (2003). Costa et al. (2009), apresentou ainda, Elateridae, mas neste presente trabalho só foi encontrado estágio larval do mesmo. No trabalho de Lopes & Oliveira (2005), apresentou Blattellidae nos interiores de cupinzeiro. Os artrópodes, Acanthostichus sp., Gnamptogenys sp., Elateriedae (larva), Palpatores, Thomisidae, Clubionidae, Laniatores, Labiidae, Chelonethida, Chordeúmida, Reduviidae sp., não foram encontrados na literatura disponível. Existem escassos estudos envolvendo termitófilos, para o apoio comparativo destes resultados. Mas com o grande número de grupos taxonômicos encontrados nos interiores dos cupinzeiros, a preservação desses locais é importante, pois se torna um nicho para vários tipos de vida, principalmente artrópodes. 4 CONCLUSÕES - Existem diferenças de riqueza de Isoptera entre mata, cerrado, vereda, e pastagens - Como as pastagens são muito degradadas, apresentou a menor riqueza - As fitofisionomias estudadas não apresentam similaridade significativa - Mais coletas devem ser feitas para obter uma curva de acumulação constante - A preservação dos cupinzeiros são importantes pois abrigam uma grande quantidade de termitófilos. 14

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARRETOS, L.S.; CASTRO, M.S. Ecologia de nidificação de abelhas do gênero Partamona (Hymenoptera: Apidae) na caatinga, Milagres, Bahia. Biota Neotropica, v.7, n.1, p , BRANDÃO, D., SOUZA, R. F. Effects of deforestation and implantation of pastures on the termite fauna in the Brazilian Cerrado region. Tropical Ecology, v. 39, n. 2, p , CARVALHO, R. A.; BRANDÃO, D Estudo sobre a fauna de invertebrados associada a ninhos de Cornitermes Cumulans (Kollar) no Parque Estadua das Emas, Mineiros, Goiás. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biologicas, UFG, titulo de mestre. CONSTANTINO, R. Abundance and diversity of termites (Insecta: Isoptera) in two sites of primary rain forest in Brazilian Amazonia. Biotropica, v. 24, n. 3, p , COSTA-LIMA, A Insetos do Brasil, 1º tomo. Esc. Nac. Agron., série didática. n.2, 470p COSTA, D. A.; CARVALHO, R. A.; FILHO, G. F. L.; BRANDÃO, D. Inquilines and invertebrate fauna associated with termite nests os Cornitermes cumulans (Isoptera, Termitidae) in the Emas Nacional Park, Mineiro, Goiás, Brazil. Sociobiology, v.53, n. 2, p , CUNHA, H. F., BRANDÃO, D. Invertebrates associated with the notropical termite Constrictotermes cyphergaster (Isoptera: Termitidae: Nasutitermitinae). Sociobiology, v. 37, n. 3B. p , CUNHA, H. F.; COSTA, D. A.; FILHO, K. E. S.; SILVA, L. O.; BRANDÃO, D. Relationship between Constrictotermes cyphergaster and Inquiline Térmites in the Cerrado (Isoptera: Termitidae). Sociobiology, v. 42, n.3, p. 1-10, CUNHA, H. F., COSTA, D. A., BRANDÃO, D. Termite (Isoptera) assemblages in some regions of the Goiás State, Brazil. Sociobiology, v.47, n.2, p , De SOUZA, O. F. F., BROWN Jr., V. K. Effects of habitat fragmentation on Amazonian termite communities. Journal of Tropical Ecology, v. 10, p , DOMINGOS, D.J. CAVENAGHI, T.M.C.M. GONTIJO, T.A. DRUMOND, M. CARVALHO, R.C.F. Composição de espécies, densidade e aspectos biológicos da fauna de térmitas de cerrado em Sete Lagoas - MG. Ciência e Cultura, v. 38, n. 1, p FLORENCIO, D. F. F.; DIEHL, E. Termitofauna (Insecta, Isoptera) em Remanescentes de Floresta Estacional Semidecidual em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Entomologia, v. 50, n. 4, p , IBGE, Estimativas preliminares das populações residentes, em 1º de julho de 2008, segundo os municípios. In: D.O.U. 29 de agosto de

16 JONES, D. T.; EGGLETON, P. Sampling termite assemblages in tropical forests: testing a rapid biodiversity assessment protocol. Journal of Applied Ecology, v. 37, p LIMA, J.T., COSTA-LEONARDO, A.M. Recursos alimentares explorados pelos cupins (Insecta: Isoptera). Biota Neotropical, v.7, n. 2, p , LOBO, Y. P. P.; OLIVEIRA DE, C. C. S.; CONSTANTINO, R. LIMA, H. S.; FRANCZAK, D. D.; MARIMON, B Associação de espécies de cupins ( Insecta, Isoptera) em campos de Murunduns no Parque Estadual do Araguaia ( MT). Anais do congresso de Ecologia do Brasil. 2p. LOPES, S. M.; OLIVEIRA, E. H. Espécie nova de Ischnoptera Burmeister, 1838 ( Blattaria: Blattellidae: Blattellinae) do estado de Goiás, Brasil, Coletada em ninho de cupim. Biota Neotropica, v.5, n.1, p.71-74, PAES, J.B., MORAIS, V.M., LIMA, C.R. Resistência Natural de nove madeiras do semi-árido Brasileiro a Cupins subterrâneos, em ensaio de preferência alimentar. Brasil Florestal, v 72, p , REIS, Y. T.; CANCELLO, E. M. Riqueza de cupins (Insecta, Isoptera) em áreas de Mata Atlântica primária e secundária do sudeste da Bahia. Sér. Zool. v. 97, n. 3, p , SANTOS, P.P.; VASCONCELLOS, A.; DELABIE, J.H.C. Uso de ninhos de Nasutitermes spp. ( isoptera; termitidae por formigas ( hymenoptera; Formicidae) na Bahia. Biológico, v. 69, n. 2, p , SANTOS, A. J. Estimativas de riqueza em espécies. In: CULLEN Jr., L., RUDRAN, R., VALLADARES-PADUA, C. (eds.). Métodos de estudos em Biologia da Conservação e Vida Silvestre. Curitiba-PR: Ed. da UFPR, p VASCONCELOS, A.; MÉLO, A. C. S.; SEGUNDO, E. M. V.; BANDEIRA, A. Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro. Sér. Zool. v. 95, n. 2, p ZORZENON, F. J., POTENZA, M. R. (coords.). Cupins: pragas em áreas urbanas. São Paulo, Instituto Biológico, (Boletim Técnico, 10). 16

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO Nina Maria Ornelas Cavalcanti Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida nina.moc@puccamp.edu.br

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS

IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS Leonardo Balestro Lopes Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida leonardo.bl@puc-campinas.edu.br

Leia mais

Capítulo 19. Padrões de. diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado

Capítulo 19. Padrões de. diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado Solos e paisagem Capítulo 19 Padrões de FOTO: REGINALDO CONSTANTINO diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado Reginaldo Constantino Departamento de Zoologia Universidade de Brasília Brasília,

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM.

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. Manoel Braga de BRITO 1 ; Raimunda Liége Souza de Abreu ; Basílio Frasco VIANEZ 3 1 Bolsista PIBIC/INPA/Fapeam;

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera

Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera Espécies de Cupins (Isoptera) registrados na região de Jirau, Porto Velho, RO. ISOPTERA KALOTERMITIDAE Táxon Nome popular Habitat Calcaritermes

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO Anais do XVIII Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 Anais do III Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação ISSN 2237-0420 24 e 25 de setembro de 2013 IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA

Leia mais

Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro

Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro 127 Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro Alexandre Vasconcellos 1, Ana Cerilza S. Mélo 2,3, Eusébio de M. Vasconcelos Segundo 1 & Adelmar G. Bandeira 1 1. Departamento de Sistemática

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

ESTADO ATUAL DO CONHECIMENTO SISTEMÁTICO E ECOLÓGICO SOBRE OS CUPINS (INSECTA. ISOPTERA) DO NORDESTE BRASILEIRO

ESTADO ATUAL DO CONHECIMENTO SISTEMÁTICO E ECOLÓGICO SOBRE OS CUPINS (INSECTA. ISOPTERA) DO NORDESTE BRASILEIRO ' Revista Nordestina de Biologia, 13(1/2): 37-45 28.xii.1999 ESTADO ATUAL DO CONHECIMENTO SISTEMÁTICO E ECOLÓGICO SOBRE OS CUPINS (INSECTA. ISOPTERA) DO NORDESTE BRASILEIRO Adelmar G. Bandeira1 Alexandre

Leia mais

RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Lucas Manuel Cabral Teixeira Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA João H. P. Giudice Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ci6encias da Vida

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução

MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES, CRISTIANE CIDÁLIA CORDEIRO E SUELLEN ARAÚJO. Introdução 1 TRABALHANDO AS BORBOLETAS E AS ABELHAS COMO INSETOS POLINIZADORES NAS AULAS PRÁTICAS DE DUCAÇÃO AMBIENTAL E ZOOLOGIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARIA INÊZ DA SILVA, MARIA DA CONCEIÇÃO TAVARES,

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes

Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes (Isoptera: Termitidae) de uma floresta de terra firme da Amazônia Central Juliana Schietti de Almeida Introdução

Leia mais

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades

PROJETO MORRO DO PILAR. Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas das cavidades PROJETO MORRO DO PILAR Considerações sobre os aspectos de cobertura vegetal para manutenção das condições microclimáticas e tróficas Belo Horizonte / MG Junho/2014 EMPRESA RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM 257 CAPÍTULO 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA

Leia mais

Térmitas Construtores de Ninhos Conspícuos em Duas Áreas de Mata Atlântica com Diferentes Níveis de Perturbação Antrópica

Térmitas Construtores de Ninhos Conspícuos em Duas Áreas de Mata Atlântica com Diferentes Níveis de Perturbação Antrópica January - February 2008 15 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Térmitas Construtores de Ninhos Conspícuos em Duas Áreas de Mata Atlântica com Diferentes Níveis de Perturbação Antrópica ALEXANDRE VASCONCELLOS

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

Frequência e riqueza de cupins em áreas de plantio de eucalipto no litoral norte da Bahia

Frequência e riqueza de cupins em áreas de plantio de eucalipto no litoral norte da Bahia Frequência e riqueza de cupins em áreas de plantio de eucalipto no litoral norte da Bahia Maria José Dias Sales (1), William Costa Matos (2), Yana Teixeira dos Reis (3) e Genésio Tâmara Ribeiro (3) (1)

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

Análise faunística comparativa de cupins inquilinos de Cornitermes cumulans em ambientes naturais e modificados

Análise faunística comparativa de cupins inquilinos de Cornitermes cumulans em ambientes naturais e modificados Análise faunística comparativa de cupins inquilinos de Cornitermes cumulans em ambientes naturais e modificados Antônio Carlos Agda Novaes 1 Acadêmicos: Cleomar Reis Batista 2 Susiane Reis Batista 3 RESUMO:

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Estudo Sistemático, Paleoecológico e Geocronológico de Invertebrados Fósseis da Gruta do Urso Fóssil, no Parque Nacional de Ubajara/CE, Brasil

Estudo Sistemático, Paleoecológico e Geocronológico de Invertebrados Fósseis da Gruta do Urso Fóssil, no Parque Nacional de Ubajara/CE, Brasil Ministério do Meio Ambiente - MMA Insituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade - SISBIO Parque Nacional de Ubajara Autorização para

Leia mais

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²;

Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; Implantação de espécies nativas em área de preservação no IFMG - Câmpus Bambuí José Augusto Melo de RESENDE¹; Maria Carolina Gaspar BOTREL²; ¹ Aluno do curso de Agronomia e bolsista do Programa Institucional

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

PADRÕES DE DIVERSIDADE DE CUPINS (ISOPTERA) EM ÁREAS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE NIQUELÂNDIA, GOIÁS

PADRÕES DE DIVERSIDADE DE CUPINS (ISOPTERA) EM ÁREAS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE NIQUELÂNDIA, GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA E EVOLUÇÃO PADRÕES DE DIVERSIDADE DE CUPINS (ISOPTERA) EM ÁREAS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE NIQUELÂNDIA,

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 3 - Número 2-2º Semestre 2003 Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE [1] Welber Eustáquio de Vasconcelos; [2] Érika

Leia mais

PRINCIPAIS BIOMAS BRASILEIROS

PRINCIPAIS BIOMAS BRASILEIROS PRINCIPAIS BIOMAS BRASILEIROS Biomas são grandes estruturas ecológicas com fisionomias distintas encontradas nos diferentes continentes, caracterizados principalmente pelos fatores climáticos (temperatura

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO

COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FENOLOGIA DE INSETOS EPIGEICOS EM FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA DO PARQUE ECOLÓGICO

Leia mais

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA Parte do estudo da ciência geográfica que combina elementos da botânica e geografia; Analisa características da vegetação partindo das características climáticas,

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS ECOLOGIA COMPORTAMENTAL DE Aratinga aurea (AVES: PSITTACIDAE) NA ÁREA URBANA DE MORRINHOS-GO. Graziele Alves Campos (UEG)1 grazicampos_graziele@hotmail.com Drielly Auxiliadora de Oliveira Coelho2 drika_lili@hotmail.com

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE FAUNA SUBPROGRAMA CONSERVAÇÃO DA ENTOMOFAUNA: CUPINS

UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE FAUNA SUBPROGRAMA CONSERVAÇÃO DA ENTOMOFAUNA: CUPINS UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE FAUNA SUBPROGRAMA CONSERVAÇÃO DA ENTOMOFAUNA: São Paulo Junho 2011 ÍNDICE GERAL 1. APRESENTAÇÃO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Pontos de Amostragem...4

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOSSANIDADE E BIOTECNOLOGIA APLICADA DISSERTAÇÃO Diversidade e Distribuição da Termitofauna no Ecótone Cerrado/Caatinga no Sul do Piauí Frente à

Leia mais

Revista de Biotecnologia INTERAÇÕES ENTRE CUPINS (ISOPTERA) E FORMIGAS (HYMENOPTERA) CO-HABITANTES EM CUPINZEIROS EPÍGEOS.

Revista de Biotecnologia INTERAÇÕES ENTRE CUPINS (ISOPTERA) E FORMIGAS (HYMENOPTERA) CO-HABITANTES EM CUPINZEIROS EPÍGEOS. 50 Revista de Biotecnologia Vol. 1, Nº. 1, Ano 2012 & Ciência Anna Carolina Prestes Universidade Estadual de Goiás (UEG) annacarolina.prestes@gmail.com INTERAÇÕES ENTRE CUPINS (ISOPTERA) E FORMIGAS (HYMENOPTERA)

Leia mais

Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL.

Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL. Dayane Rodrigues Gregorio ANÁLISE DA DIVERSIDADE E ABUNDÂNCIA DE SCARABAEIDAE (COLEOPTERA) NA MATA SÃO FRANCISCO, CORNÉLIO PROCÓPIO, PR - BRASIL. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANA-UENP Cornelio

Leia mais

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros DIFAP Rômulo Mello Coordenção Geral de Fauna CGFAU Ricardo Soavinski Coordenação de Conservação da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Thiago Santos Variação Temporal da Atividade de Forrageio de Cupins (Insecta, Isoptera) sobre Iscas de Papel Higiênico

Leia mais

PLANTIO DIRETO E A BIODIVERSIDADE DO SOLO

PLANTIO DIRETO E A BIODIVERSIDADE DO SOLO PLANTIO DIRETO E A BIODIVERSIDADE DO SOLO Marie L. C. Bartz Filha de Agricultor, Bióloga, Dra. em Agronomia Pesquisadora na UDESC e EMBRAPA e Assessora FEBRAPDP Especialidade: Biologia do Solo Ecologia

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil

Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Domínios Florestais do Mundo e do Brasil Formações Florestais: Coníferas, Florestas Temperadas, Florestas Equatoriais e Florestas Tropicais. Formações Herbáceas e Arbustivas: Tundra, Pradarias Savanas,

Leia mais

ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II

ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II Autor(a): Maria Inêz da Silva Coautor(es): Rayssa Batista, Alex Maciel, Ingridry Silva, Andiara Bandeira Email:

Leia mais

COMPOSIÇÃO FUNCIONAL DE CUPINS EM ÁREAS DE PASTAGEM ABANDONADA E EM SUCESSÃO SECUNDÁRIA DO PARQUE ESTADUAL ALTAMIRO DE MOURA PACHECO, GOIÁS, BRASIL

COMPOSIÇÃO FUNCIONAL DE CUPINS EM ÁREAS DE PASTAGEM ABANDONADA E EM SUCESSÃO SECUNDÁRIA DO PARQUE ESTADUAL ALTAMIRO DE MOURA PACHECO, GOIÁS, BRASIL Original Article 986 FUNCTIONAL COMPOSITION OF TERMITE SPECIES IN AREAS OF ABANDONED PASTURE AND IN SECONDARY SUCCESSION OF THE PARQUE ESTADUAL ALTAMIRO DE MOURA PACHECO, GOIÁS, BRAZIL COMPOSIÇÃO FUNCIONAL

Leia mais

COABITAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE FORMIGAS E CUPINS EM NINHOS. DE Cornitermes cumulans EM ÁREAS DE CERRADO E PASTAGEM NO BRASIL CENTRAL

COABITAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE FORMIGAS E CUPINS EM NINHOS. DE Cornitermes cumulans EM ÁREAS DE CERRADO E PASTAGEM NO BRASIL CENTRAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL COABITAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE FORMIGAS E CUPINS EM NINHOS DE Cornitermes cumulans EM ÁREAS DE CERRADO

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais