LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO."

Transcrição

1 LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de Engenharia Florestal; Campus de Gurupi; PIVIC/CNPq 2 Orientador(a) do Curso de Engenharia Florestal; Campus de Gurupi; 3 Co-orientador(a) do Curso de Engenharia Florestal; Campus de Gurupi; RESUMO Os cupins são insetos que vivem em colônias construindo ninhos, chamados de termiteiros ou cupinzeiros e os seus ninhos são importantes para manter a colônia protegida e, adequada para o desenvolvimento dos indivíduos. Entretanto, do ponto de vista econômico, esses inseto causam prejuízos à sociedade, devido o grande poder de deterioração nas estruturas residenciais a base de madeira, como vigas, caibros, ripas, forros, mobiliários, dentre outros. O objetivo deste trabalho foi realizar um levantamento e identificações de quais espécies de cupins estão atacando as residências no município de Gurupi TO. De posse de um mapa da região e baseando-se nos pontos cardeais, foram selecionados quatro bairros e, de forma aleatória, escolhidas 20 residências para visitação in loco. Durante as visitas, um questionário é aplicado com o morador, seguido da coleta dos cupins para posterior identificação das espécies predominante na região. Os resultados indicaram que a região Norte da cidade de Gurupi, em especial, o bairro Vila Nova, apresentou a maior incidência de residências com presença de cupins e que o Nasutitermes sp. foi o gênero de cupins com maior ocorrência em todos os bairros pesquisados. Palavras-chave: Térmitas; Residências; Levantamento; Identificação; Gurupi-TO. INTRODUÇÃO A madeira sempre foi utilizada pelo homem desde os seus ancestrais. Hoje não é muito diferente, sendo empregada com frequência e em larga escala, nas construções de imóveis, móveis e utensílios domésticos, e a sua demanda a cada ano se eleva tanto a nível nacional e internacional. Entretanto, a madeira, por ser um material biológico está bastante sujeita ao ataque de organismos xilófagos como os cupins.

2 Em geral os cupins são conhecidos por causa de seus hábitos alimentares e modos de construção de galerias, trazendo prejuízos de ordem econômica, tais como: degradação de culturas (cana de açúcar, plantios florestais, etc.), madeiras e derivados de celulose, redução das áreas de pastagem através de construção de montículo, além do aspecto visual, provocando danos nas áreas urbanas principalmente na destruição de móveis em geral: portas, portais, caibros e forro em madeira, entre outros. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi verificar e identificar quais a espécies de cupins estão atacando residências nos bairros do município de Gurupi TO. MATERIAL E MÉTODOS De posse de um mapa da cidade de Gurupi- TO foram escolhidos, baseando-se pelos pontos cardeais quatro bairros. Depois de selecionados, foram escolhidas aleatoriamente 20 residências por bairro (Figura 01) onde foram realizadas visitas in loco e entrevistas com o morador mediante a aplicação de um questionário. Representa o conjunto de residências de uma das quadras selecionadas de caráter aleatório no bairro selecionado. Residências assinaladas com um X na cor amarela representa os locais das vistorias. Fonte: Elaborado pelo autor Figura 01: Fluxograma adotado na realização das vistorias

3 Coleta e Identificação dos cupins Em todas as visitas in loco quando confirmado a presença de cupins, exemplares dos indivíduos eram coletados utilizando pinça entomológica, acondicionados em frascos contendo álcool a 70% e transportados para o laboratório de Acarologia da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Para a observação e identificação dos insetos foi utilizada uma lupa Nikon SMZ 800 PHOTO/BINO e a chave ilustrada para identificação de cupins elaborada por Constantino (1995). RESULTADOS E DISCUSSÃO A Figura 02 ilustra o percentual de cupins encontrados por região e a sua classificação quanto ao seu habitat: cupins subterrâneos, cupins de madeira seca e cupins de madeira úmida. Figura 02: Percentual de térmitas encontrados segundo as regiões gurupienses De acordo com a Figura 02 observa-se que nas regiões que realizaram a pesquisa não foram encontrados nenhum indicativo quanto a presença de cupins de madeira seca. O maior percentual se destaca aos cupins de madeira úmida, em especial o bairro Vila Nova, que apresentou uma quantidade de infestação de 50% de cupins de madeira úmida e 10% de cupins subterrâneos. Tal infestação elevada ocorreu também devido a presença de árvores no quintal destas residências, principalmente

4 mangueiras, abacateiros e cajueiros, em que os cupins utilizavam o seu tronco e parte dos galhos como abrigo. No bairro Waldir Lins foi encontrado nas residências cerca 5% de cupins subterrâneos. e 40% de cupins de madeira úmida. Novamente observou-se a presença de algumas árvores frutíferas que o inseto estava alojado, com maior predominância nas mangueiras. Quanto ao bairro Sol Nascente, os levantamentos realizados deixam claro que os cupins madeira úmida são predominantes, registrando-se uma presença de 30% nas casas vistoriadas, enquanto os cupins subterrâneos foram encontrado em apenas 10%. Já no bairro Pedroso não foram encontrados indicativos da presença de cupins de madeira seca e subterrâneos, registrando apenas a ocorrência de 20% de cupins de madeira úmida. 4.1 Espécies Encontradas Cupins de madeira úmida A figura 03 apresenta um exemplar coletado durante as visitas, o que pode ser observado quanto as suas características corporais, isto é, o formato da cabeça, identificado como sendo Nasutitermes sp. Tal inseto foi encontrado com maior predominância nos bairros Vila Nova, Sol Nascente e Waldir Lins. Fonte: Imagem feita pelo autor com uso de uma lupa Nikon SMZ 800 PHOTO/BINO Figura 03: Cupim de madeira úmida.

5 LITERATURA CITADA BOLETIM TÉCNICO. Instituto Biológico. São Paulo: Instituto Biológico. Periodicidade Irregular, agosto de ELEOTÉRIO, E.S.R. Levantamento e identificação de cupins (insecta: isoptera) em área urbana de Piracicaba, SP, p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba SP, FONTES, L. R. Cupins em áreas urbanas. In: BERTI FILHO, E. (Ed.) & FONTES, L. R. (Ed.). Alguns Aspectos Atuais da Biologia e Controle de Cupins. Piracicaba: FEALQ, p ZANETTI, Ronald... [et al]. Manejo Integrado de Cupins. Lavras: UFLA, 2002.

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 3 - Número 2-2º Semestre 2003 Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE [1] Welber Eustáquio de Vasconcelos; [2] Érika

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM.

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. Manoel Braga de BRITO 1 ; Raimunda Liége Souza de Abreu ; Basílio Frasco VIANEZ 3 1 Bolsista PIBIC/INPA/Fapeam;

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO Adriana Cavalcante Conceição 1 ; Renato da Silva Vieira 2 ; Edy Eime Pereira Baraúna 3 ; Cândida Pereira da Silva

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO FIGURA 1. Indivíduo arbóreo da espécie Munguba com o estado fitossanitário comprometido. FIGURA 2. Vista da parte aérea demonstrando a ausência de folhas.

Leia mais

A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins-

A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Faculdade de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- Francisco Tarcísio Moraes Mady Introdução

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.125-139 125 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.125-139 125 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.1, p.125-139 125 ISSN 0103-9954 LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA - SP SURVEY AND IDENTIFICATION OF TERMITES

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO Anais do XVIII Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 Anais do III Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação ISSN 2237-0420 24 e 25 de setembro de 2013 IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Universidade Federal do Tocantins Campus de Gurupi. EXEMPLO DO USO DO PROCAD-CAPES PARA A NUCLEAÇÃO DE PPGs. Prof. Renato de Almeida Sarmento

Universidade Federal do Tocantins Campus de Gurupi. EXEMPLO DO USO DO PROCAD-CAPES PARA A NUCLEAÇÃO DE PPGs. Prof. Renato de Almeida Sarmento Universidade Federal do Tocantins Campus de Gurupi EXEMPLO DO USO DO PROCAD-CAPES PARA A NUCLEAÇÃO DE PPGs Prof. Renato de Almeida Sarmento Resumo O que é o PROCAD? O cenário em 2007 CASADINHO - CNPq PROCAD

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO Nina Maria Ornelas Cavalcanti Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida nina.moc@puccamp.edu.br

Leia mais

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço:

ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA. Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: IMOVEL: 1. Endereço: ANEXO II - LAUDO DE VISTORIA Vistoria realizada em: / / Responsável Técnico: CARACTERIZAÇÃO DO BEM IMOVEL: 1. Endereço: 2. Proteção legal: Tombamento Municipal Tombamento Estadual Tombamento Federal Preservado

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF -

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - ALERTA PROTEF PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO (Thaumastocoris peregrinus) (HEMIPTERA: THAUMASTOCORIDAE): AMEAÇA ÀS FLORESTAS DE EUCALIPTO BRASILEIRAS Prof.

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA III Congresso Brasileiro Gestão Ambiental LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA Kacieny Sousa Oliveira Intituto Feral do Pará Campos Conceição do

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Notas de Aula de ENT 115 Manejo Integrado de Pragas Florestais 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins ou térmitas são insetos da ordem Isoptera, que contêm cerca de 2.750 espécies descritas no mundo. Mais

Leia mais

L C F 5 8 1. Recursos Florestais TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS

L C F 5 8 1. Recursos Florestais TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS 1990-177.400m³ L C F 5 8 1 CONSTRUÇÃO 0,1 5,3 MOIRÕES 16,9 ESTACAS CRUZETAS OUTROS 24,5 DORMENTES 53,2 POSTES CONSTRUÇÃO 15,0% 2010-1.300.000m³

Leia mais

CUPINS (Insecta: Isoptera) NA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ZONA 1 DE MARINGÁ-PR

CUPINS (Insecta: Isoptera) NA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ZONA 1 DE MARINGÁ-PR Rodríguez, Suárez, Horta e Jácome 87 CUPINS (Insecta: Isoptera) NA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ZONA 1 DE MARINGÁ-PR Felipe Galvão Duarte * Gessé Almeida Santos ** Fábio Rogério Rosado *** Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto unesp Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu. 1. Introdução Os cupins são considerados pragas em plantações florestais em toda a região tropical, sendo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS Elinalva Silva de Lira 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 ; Ana Paula Vieira da Silva 1 1 Bolsistas do Programa de Extensão Oficinas comunitárias

Leia mais

ANTONIO PAULINO DE MELLO

ANTONIO PAULINO DE MELLO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA - CAMPUS I CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA E BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ANTONIO PAULINO DE MELLO CUPINS EM EDIFICAÇÕES

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D O S A Ç O R E S D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S

U N I V E R S I D A D E D O S A Ç O R E S D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S U N I V E R S I D A D E D O S A Ç O R E S D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S A t é r m i t a d e m a d e i r a s e c a n o A r q u i p é l a g o d o s A ç o r e s : D e t e r m

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

RESISTÊNCIA DA MADEIRA DE QUATRO ESSÊNCIAS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA A Coptotermes gestroi (WASMANN, 1896)

RESISTÊNCIA DA MADEIRA DE QUATRO ESSÊNCIAS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA A Coptotermes gestroi (WASMANN, 1896) RESISTÊNCIA DA MADEIRA DE QUATRO ESSÊNCIAS UTILIZADAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA A Coptotermes gestroi (WASMANN, 1896) Felipe Marauê Marques Tieppo 1, Henrique Trevisan 2, Acacio Geraldo de Carvalho 3. RESUMO

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins de Madeira Seca - Biologia O Cryptotermes brevis, chamado popularmente de cupim de madeira seca, é um cupim que encontra-se normalmente restrito à peça atacada. Ele não tem capacidade

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins são insetos sociais que apresentam castas reprodutoras e não reprodutoras, vivendo em colônias permanentes chamadas de termiteiros ou cupinzeiros. São mastigadores

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Sanidade Florestal e a busca pela sustentabilidade da produção. Pesq. Everton P. Soliman Sanidade Florestal - Tecnologia Edival VIII Simpósio Sobre Técncias de Plantio

Leia mais

FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae)

FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae) FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae) F.A.M. Mariconi* F.I. Geraldi** C.J. Biondo** J.L. Donatoni** A.I. Clari** F.Y. Arashiro**

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA João H. P. Giudice Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ci6encias da Vida

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM 257 CAPÍTULO 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA

Leia mais

FIGURA 2. Modelo do efeito da injúria provocada por insetos sobre a produção.

FIGURA 2. Modelo do efeito da injúria provocada por insetos sobre a produção. 1 COEITOS BÁSICOS DO MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS O Manejo Integrado de Pragas (MIP) é uma filosofia de controle de pragas que procura preservar e incrementar os fatores de mortalidade natural, através do

Leia mais

MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS

MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS unesp 15a. Reunião Técnica PROTEF Abr/2010 MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu O que é manejo integrado de pragas (MIP)? A filosofia e metodologia

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO A caatinga é um bioma que se concentra na região nordeste do Brasil. Ocupando

Leia mais

LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA, SP

LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA, SP LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM ÁREA URBANA DE PIRACICABA, SP ELIANE SANTOS DA ROCHA ELEOTÉRIO Bióloga Orientador: Prof. Dr. EVÔNEO BERTI FILHO Dissertação apresentada à Escola

Leia mais

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( )

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( ) Corretor: Seguro novo Nº apólice anterior: Possui outros seguros da mesma área? Recursos para a condução de floresta: Próprio Financiado Especificação do financiamento para condução da floresta? DADOS

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

Preservação Documental

Preservação Documental Preservação Documental O acesso e a preservação são duas funções vitais dos Centros de Documentação, mas muitas vezes são antagônicas. A primeira, entendida aqui como a possibilidade de consulta, como

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

FUPEF 2. COLETA DE DADOS

FUPEF 2. COLETA DE DADOS 1 LAUDO TÉCNICO PARA CARACTERIZAÇÃO DE MADEIRAS DO GÊNERO Eucalyptus Solicitante: Mademape Indústria Madeireira Ltda. Endereço: Avenida Ricieri Bernardi, nº 635 Campo do Fundo Campina Grande do Sul - Paraná

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS MORADORES DE BELÉM-PA SOBRE A ARBORIZAÇÃO DE RUAS COM MANGIFERA INDICA L.

PERCEPÇÃO DOS MORADORES DE BELÉM-PA SOBRE A ARBORIZAÇÃO DE RUAS COM MANGIFERA INDICA L. PERCEPÇÃO DOS MORADORES DE BELÉM-PA SOBRE A ARBORIZAÇÃO DE RUAS COM MANGIFERA INDICA L. Dâmaris Araújo da Silva (*), Daniela Biondi, Angeline Martini. *Universidade Federal do Paraná e damarislevita11@yahoo.com.br.

Leia mais

Centro-Sul Brasileiro

Centro-Sul Brasileiro Centro-Sul Brasileiro 1. (UFSC - 2010) Gráfico elaborado a partir de dados do IBGE, Anuário Estatístico do Brasil, jan. 2001. (Adaptado) Com base no gráfico acima, Brasil: Valor da produção industrial,

Leia mais

A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada.

A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada. Madeira Certificada A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada. Considerando uma área equivalente a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

Contribuição para o conhecimento de duas espécies de cupim do Vale do Paraíba (Estado de São Paulo) 1

Contribuição para o conhecimento de duas espécies de cupim do Vale do Paraíba (Estado de São Paulo) 1 Contribuição para o conhecimento de duas espécies de cupim do Vale do Paraíba (Estado de São Paulo) 1 FRANCISCO A. M. MARICON1 2, ZILKAR C. MARANHÃO 3 AILTON R. MONTEIRO 2 e 1 Trabalho realizado com auxílio

Leia mais

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica

Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica Recomendação Técnica da ABCVP Prazos de Assistência Técnica A ABCVP (Associação Brasileira de Controle de Vetores e Pragas) é uma entidade que congrega como associados representantes de empresas privadas

Leia mais

SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA

SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA SEMINÁRIO PRÁTICAS A EVITAR EM ENGENHARIA CIVIL E GEOLOGIA DE ENGENHARIA Laboratório Regional de Engenharia Civil Ponta Delgada 06 de Dezembro de 2013 Catarina Amaral Catarina Amaral 1 INTRODUÇÃO Assuntos:

Leia mais

Palavras-chave: Arborização; inventário ambiental; manejo; patrimônio arbóreo; radiofreqüência

Palavras-chave: Arborização; inventário ambiental; manejo; patrimônio arbóreo; radiofreqüência Projeto de Gestão da Arborização no Campus da Universidade de São Paulo baseado em um Modelo de Inventário Ambiental utilizando Identificação por Radiofrequência Brenda Bogatzky Ribeiro Corrêa * Márcia

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística do Trecho Urbano do Rio Piracicaba e Entorno.

Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística do Trecho Urbano do Rio Piracicaba e Entorno. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO FLORESTAL Proposta de Adequação Ambiental e Paisagística

Leia mais

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO MODELO DE LAUDO LAUDO TÉCNICO I - PREÂMBULO Aos onze dias do mês de maio do ano de dois mil e seis, em atendimento a solicitação do Comandante da Polícia Militar, deslocamos até o município de Matinho

Leia mais

O PROBLEMA DE FUNGOS E INSETOS XILÓFAGOS NO MUSEU DE ARTE SACRA DE SALVADOR BA

O PROBLEMA DE FUNGOS E INSETOS XILÓFAGOS NO MUSEU DE ARTE SACRA DE SALVADOR BA 1 O PROBLEMA DE FUNGOS E INSEOS XILÓFAGOS NO MUSEU DE ARE SACRA DE SALVADOR BA Sérgio Brazolin (1) Antonio adeu de Lelis (2) Gonzalo A. Carballeira Lopez (3) e Francisco Portugal Guimarães (4) RESUMO Este

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES Proteção Manejo Proteção PPA RELATÓRIO DE ATIVIDADES Monumento Natural das Árvores Fossilizadas Janeiro/Fevereiro/Março RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MISSÃO: Realizar a gestão da UC visando a conservação

Leia mais

Traça dos livros. Baratas: Introdução

Traça dos livros. Baratas: Introdução Traça dos livros As traças dos livros, também chamadas de traças prateadas, pertencem à Ordem Thysanura e são insetos que se alimentam de substâncias ricas em proteínas, açúcar ou amido, sendo muito comuns

Leia mais

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Edson Tadeu Iede Susete R.C. Penteado Wilson Reis Filho Riscos de introdução de pragas florestais no Brasil Mercado globalizado Aumento do

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS

FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS Monografia apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO - UTF/BRA/081/BRA

ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO - UTF/BRA/081/BRA FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais