IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO DA FAUNA DE TERMITÓFILOS (FORMIGAS) DE NINHOS EPÍGEOS E/OU ARBORÍCOLAS Leonardo Balestro Lopes Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida Luciane Kern Junqueira Ecologia, Biologia Molecular e Filogenia de Cupins e Formigas Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida Resumo: Os cupins constroem ninhos, nos quais podem coabitar diferentes espécies de organismos. Os coabitantes podem ser espécies de cupins construtoras e/ou inquilinas ou ainda outros organismos, neste caso chamados de termitófilos. Sendo que dentre os termitófilos mais comumente registrados estão as formigas. O presente trabalho teve por objetivo conhecer e descrever as comunidades de formigas que ocorrem em ninhos epígeos em três áreas de estudo. Para tanto, dentro de dois polígonos de 100m², um localizado em Campinas e outro em Sousas, São Paulo todos os ninhos de cupins encontrados foram numerados, georreferenciados, medidos (altura em relação à linha do solo e o valor total da circunferência das porções superior, médio e inferior) e coletados em suas diferentes porções. Foram também realizadas coletas em Ilha Comprida, litoral de São Paulo. Neste local os pontos de coleta foram selecionados com base na presença dos cupinzeiros próximos ao trajeto percorrido pelos pesquisadores. O material foi levado para laboratório e as espécies de formicídeos identificadas. A riqueza de formigas em Campinas foi de 17 espécies, sendo os táxons mais abundantes Camponotus (28%) e Pseudomyrmex termitarius (13,1%). Quando avaliada a presença de formigas nos diferentes níveis dos cupinzeiros, 25,3% das formigas foram encontradas na porção superior dos ninhos, 31,3% na porção média e 43,2% na inferior. Para a região de Sousas a riqueza de formicídeos foi de 18 espécies, com os táxons Camponotus (42%) e Pseudomyrmex termitarius (21%) sendo os mais abundantes. A porção superior do cupinzeiro apresentou 27,6% das ocorrências de formigas, a porção média 32,7% e a inferior 39,6% Em Ilha Comprida, apenas cinco espécies de formicídeos foram identificadas, Pachycondyla sp.3, Pachycondyla sp.4, Solenopsis sp.2, Wasmannia sp. e Wasmannia sp.2. Apenas Solenopsis sp.2 foi encontrada em mais de um ninho. Palavras-chave: Formigas, Cupins, Inquilinos. Área do Conhecimento: Ciências Biológicas Ecologia Aplicada 1. INTRODUÇÃO Dentre os insetos, as formigas são consideradas o grupo mais comum e bem distribuído de todos, pois ocorrem em praticamente todos os habitats terrestres. São considerados insetos eussociais, pois apresentam castas e vivem em colônias, que se estabelecem em uma grande variedade de locais, como cavidades em plantas, galerias em madeira, ninhos construídos por elas mesmas, assim como ninhos construídos por outros organismos, como os cupins [18]. As interações de coabitação entre formigas e cupins, vêm sendo estudadas por diversos pesquisadores no decorrer dos anos, como o exposto em alguns trabalhos relatados a seguir. [15] avaliou a presença de inquilinos em ninhos de Cornitermes spp. em um fragmento de floresta amazônica em Manaus, com o objetivo de determinar uma possível seletividade por inquilinos que favoreçam a defesa do ninho. Dos 15 cupinzeiros de C. cumulans coletados, seis possuíam a colônia da espécie construtora e todos possuíam cupins inquilinos, porém, não foi relatado um mecanismo de seleção de inquilinos por parte do gênero Cornitermes sp.. Dentre os inquilinos estão representantes dos gêneros Heterotermes sp., Apicotermitinae sp., Amitermes sp., Neocapritermes sp., Spinitermes sp., Termes sp.,

2 Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN Anhagatermes sp., Cornitermes sp., Cyrilliotermes sp., Embiratermes sp. e Syntermes sp.. 3. MATERIAL E MÉTODOS [6] estudaram as relações entre espécies de cupins construtores e inquilinos com o objetivo avaliar se estas espécies utilizam fontes alimentares diferentes. Foram coletados onze cupinzeiros em Sete Lagoas, Minas Gerais, em região de Cerrado e alimentados com isótopos estáveis de carbono e nitrogênio. Em laboratório, duas amostras de cada ninho foram separadas, uma para identificação taxonômica e outra para análise isotópica, sendo as espécies construtoras Constrictotermes cyphergaster e Velocitermes heteropterus. Concluiuse que houve uma baixa sobreposição alimentar Área de estudo O presente trabalho foi realizado em três áreas distintas: Área 1: localizada em Campinas, São Paulo, próxima ao Aeroporto Internacional de Viracopos, é um descampado com a presença de equinos e bovinos em propriedade particular. Área 2: localizada em Sousas, São Paulo, é um local de pastagem com o relevo íngreme em propriedade particular. Área 3: localizada na Ilha Comprida, litoral Sul de São Paulo, é uma região de restinga as margens de pequenas estradas de terra locais (Figura 1). [2] investigaram os invertebrados inquilinos e termitófilos encontrados em ninhos de Cornitermes cumulans. As coletas dos ninhos (N=145) foram realizadas em duas áreas do bioma de Cerrado em Mineiros, Goiás. Foram encontrados artrópodes pertencentes as classes Arachnida, Chilopoda, Diplopoda e Insecta. Entre os formicídeos da classe Insecta foram registrados os gêneros Acromyrmex sp., Blepharidatta sp,, Brachymyrmex sp., Camponotus sp., Carebara sp., Cephalotes sp., Crematogaster sp., Ectatoma sp., Hypoponera sp., Mycocepurus sp., Neivamyrmex sp., Odontomachus sp., Oligomyrmex sp., Pheidole sp., Pseudomyrmex sp., Solenopsis sp., Thaumatomyrmex sp., Tranopelta sp. e Wasmannia sp.. [14] identificaram a mirmecofauna associada aos ninhos arbóreos de cupins do gênero Nasutitermes em Ilhéus, Bahia. Todos os ninhos coletados foram classificados como (a) ativos, (b) inativos e (c) decadentes. Foram coletados 34 ninhos que continham ao todo 54 espécies de formigas. Uma relação inversamente proporcional pode ser estabelecida quanto à altura do ninho e a riqueza de formicídeos, bem como a preferência das formigas por ninhos abandonados. Dos formicídeos encontrados, 28 foram classificados como forrageadores e 26 como formadores de colônias (mais frequentes em ninhos abandonados). 2. OBJETIVOS O presente trabalho teve como objetivo conhecer e descrever as comunidades de formigas que coabitam os ninhos de cupins em diferentes biomas. Figura 1: Imagens das Áreas 1, 2 e 3, respectivamente da margem superior para a margem inferior, nas quais foram coletadas os ninhos de cupins utilizados para o presente estudo Coletas Nas áreas de Campinas e Souzas foram delimitados dois polígonos de 100 m² dentro dos quais os ninhos de cupins foram numerados, georreferenciados, avaliados quanto altura em relação a linha do solo e circunferência das porções superior, média e inferior e fotografados. Feito isso, os ninhos foram quebrados com uma picareta em diferentes porções e os fragmentos recolhidos em sacos plásticos separadamente, numerados, identificados e transportados para o Laboratório de Ecologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. As coletas na Área 3 foram realizadas em janeiro de 2015, das 08h00min às 17h30min. Os pontos de coleta foram

3 selecionados com base na presença dos cupinzeiros próximos ao trajeto percorrido pelo grupo de pesquisadores. Os procedimentos de coleta e armazenagem foram os mesmos descritos para as Áreas 1 e 2. Todas as coletas estão regulamentadas através da licença ICMBIO/SISBIO nº , obtida pela pesquisadora Luciane Kern Junqueira junto ao IBAMA Triagens Nos materiais das Áreas 1 e 2 já armazenados no Laboratório, foi realizada uma triagem e seleção dos frascos que continham formicídeos. Para tanto, os frascos foram abertos e seu conteúdo depositado em placas de petri com álcool 70%. Posteriormente, os indivíduos foram visualizados sob estereomicroscópio Carl Zeiss Stemi DV4, em aumento de 8x a 32x. Somente as amostras com formicídeos foram separadas e os indivíduos foram preparados para a montagem da coleção seca e posterior identificação. O material obtido na Área 3 foi despejado em bandejas separadas de acordo com a porção e o número do ninho e, com pincéis e pinças, os indivíduos presentes foram recolhidos e colocados em uma placa de petri e depois armazenados em frasco de vidro do tipo tampa batoque, ambos com álcool 80%. Cada frasco foi identificado externamente com uma etiqueta contendo o número do ninho e a porção da amostra (superior, média ou inferior). Internamente foram colocadas etiquetas de papel vegetal com porção e número do ninho. O banco de dados (em planilha Excel) foi organizado em formato digital, com todos os dados obtidos e as observações realizadas nas três áreas de estudo Organização da coleção de formicídeos Foram confeccionadas caixas de madeira compensada com dimensões de aproximadamente 30 x 30 x 9,5 cm, com prancha interna de isopor de 2,7 cm de altura, coberta com papel milimetrado. No interior das caixas foi armazenada a coleção seca de formicídeos. Posteriormente, alguns indivíduos de cada amostra de formiga foram selecionados de acordo com o estado de conservação. Os exemplares selecionados foram secos em temperatura ambiente por alguns minutos. A seguir, foram cortados triângulos e inseridos em alfinetes entomológicos em uma altura padrão. Após a secagem das formigas e a preparação dos alfinetes, os indivíduos foram colados nos triângulos entomológicos com cola comum diluída em água e identificados com etiquetas contendo o georreferenciamento da área de coleta, data, nome do coletor e número da amostra (Figura 2). Por fim, a coleção foi identificada com a numeração da área. Figura 2. Etapas da montagem e organização da coleção seca de formicídeos Identificação taxonômica das formigas Para a identificação taxonômica das espécies de formicídeos foram utilizadas as chaves dicotômicas para gênero do livro Introducción a las Hormigas de la Región Neotropical [9]; chaves dicotômicas interativas disponibilizadas na Web por sites acadêmicos confiáveis e amplamente utilizados por pesquisadores, tais como [10] e [8] e, por fim, trabalhos como Synonymic list of Neotropical Ants (Hymenoptera: Formicidae [4], além de artigos e consulta, se necessário, aos especialistas da área. 4. RESULTADOS Ao final do trabalho, foi possível identificar formicídeos em 73 ninhos, sendo 39 correspondentes a Área 1, 28 a Área 2 e seis a Área 3. Dos ninhos habitados na Área 1, 29 (74,3%) possuíam apenas uma espécie de formiga, nove (23,1%) possuíam duas espécies e apenas um (2,5%) apresentou três espécies de formigas. Na Área 2, 16 (57,1%) ninhos possuíam uma espécie de formiga, dez (35,7%) apresentavam duas espécies e dois (7,1%) apresentavam três espécies. Já para a área 3, apenas um ninho (16,6%) apresentou mais de uma espécie de formiga (Figura 3). Figura 3. Frequência (%) de ninhos de cupins com uma, duas ou três espécies de formigas coabitantes nas diferentes áreas estudadas. As subfamílias encontradas na Área 1 foram Formicinae, Ponerinae, Pseudomyrmecinae e Myrmici-

4 nae. A riqueza de formigas foi de 17 espécies, sendo os táxons mais abundantes Camponotus (28%) e Pseudomyrmex termitarius (13,1%), e os menos abundantes Atta sexdens, Centromyrmex sp., Monomorium floricola, Nylanderia sp., Pachycondyla sp., Paratrechina sp., Pheidole oxyops, Pseudomyrmex sp. e Tetramorium sp. com 0,8% de ocorrência cada. Quando avaliada a presença de formigas nos diferentes níveis do cupinzeiro, 25,3% das formigas foram encontradas na porção superior, 31,3% na porção média e 43,2% na inferior (Tabela 1). Na Área 2 foram encontradas as mesmas subfamílias e a riqueza de formicídeos foi de 18 espécies, sendo os táxons mais abundantes Camponotus (42%) e Pseudomyrmex termitarius (21%), e os menos abundantes Atta sp., Brachimyrmex sp., Cephalotes pusillus, Pachycondyla sp.2, Pheidole sp.2, Pheidole sp.3, Pheidole sp.4, Solenopsis invicta e Solenopsis sp., todas com 2% de ocorrência. Em relação a ocorrência das formigas nas diferentes porções dos ninhos, foram observadas 27,6% na porção superior, 32,7% na porção media e 39,6 na inferior (Tabela 2). Tabela 1. Riqueza de formigas nos ninhos de cupins da Área 1, em Campinas, São Paulo. Tabela 2. Riqueza de formigas nos ninhos de cupins da Área 2, em Sousas, São Paulo.

5 Na Área 3 apenas duas subfamílias foram encontradas, Ponerinae e Myrmicinae, sendo a segunda a mais abundante, com três espécies identificadas, Solenopsis sp.2, Wasmannia sp. e Wasmannia sp.2. Da subfamília Ponerinae foram identificadas as espécies Pachycondyla sp.3 e Pachycondyla sp.4 (Tabela 3). Tabela 3. Riqueza de formigas nos ninhos de cupins da Área 3, em Ilha Comprida, São Paulo. 5. DISCUSSÃO A espécie de cupim Cornitermes cumulans foi a mais abundante nas Áreas 1 e 2 [16] [1]/Este fato e a alta presença de Pseudomyrmex termitarius em ambas as áreas corroboram o sugerido por [12] de que esta espécie se apresenta como coabitante majoritário em cupinzeiros de C. cumulans. De acordo com [10] o comportamento de P. termitarius quando em contado com Cornitermes snyderi sugere que esta formiga busque evitar confrontos mantendo distância da espécie de cupim da qual é inquilina. No presente trabalho, 12,4% e 26,5% dos ninhos da Área 1 e 2, respectivamente, estavam coabitados por indivíduos do gênero Camponotus. A alta ocorrência deste gênero pode ser um indicativo de que Camponotus não apresenta ameaça aos cupins, como o sugerido pelos autores [7] e [3]. Já [11] observaram conflito entre Cornitermes snyderi e Camponotus sp., indicando que esta coabitação se baseia na ausência de contato entre cupins e formigas no mesmo ninho. De acordo com [13], organismos que coabitam os cupinzeiros normalmente não são encontrados por todo o ninho, mas em algumas porções. Destaca-se que nas áreas 1 e 2 a maior parte das formigas que coabitavam os cupinzeiros estavam na porção inferior do ninho, provavelmente devido as temperaturas mais elevadas nas porções superior e média durante as horas de maior exposição ao sol, pois, de acordo com [5] o cupinzeiro apresenta um microclima interno. As formigas do gênero Pachycondyla foram encontradas sempre solitárias, sugerindo que não há coabitação com os cupins, mas sim um comportamento predatório, já que de acordo com [17] as formigas desta subfamília são consideradas predadoras vorazes e extremamente comuns em ambientes tropicais. AGRADECIMENTOS Agradecemos à Pontifícia Universidade Católica de Campinas pela bolsa concedida, aos pesquisadadores do laboratório de Isoptera do Museu de Zoologia de USP e aos demais colaboradores. REFERÊNCIAS [1] CAVALCANTI, N.M.O.; JUNQUEIRA, L.K. Identificação da entomofauna co-habitante em ninhos de cupins epígeos de Campinas e região. Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica, Disponível em: 2_17117_ _resesu.pdf. Acesso em: 05 de jul [2] COSTA, D.A.; CARVALHO, A.C.; FILHO, G.F.L.; BRANDÃO, D. Inquilines and Invertebrate Fauna Associated With Termite Nests of Cornitermes cumulans (Isoptera, Termitidae) in the Study Area Sampling. Sociobiology, v. 53, n. 2B, p , [3] DUTRA, C.C.; GALBIATI, C. Comportamento de formigas (Hymenoptera: Formicidae) inquilinas de cupins (Isoptera: Termitidae) em pastagem. EntomoBrasilis, v. 2, n. 2, p , [4] FERNÁNDEZ, F., SENDOYA, S. (2004). List of neotropical ants (Hymenoptera: Formicidae). Biota Colombiana, 5, 3 93p. [5] FERREIRA, E. V. O.; MARTINS, V.; JUNIOR, A. V. I.; GIASSONU, E.; NASCIMENTO, P. C. Ação dos térmitas no solo. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.5, p , [6] FLORENCIO, D.F.; ARAÚJO, A.P.A.; DESOUSA, O.; SILVA, I.R. Coexistência Entre Construtores E Inquilinos De Cupinzeiros Via Baixa Sobreposic. Soil Biology, p. 1 3, [7] LEPONCE, M.; ROISIN, Y.; PASTEELS, J.M. Community interactions between ants and arborealnesting termites in New Guinea coconut plantations. Insectes Sociaux, v. 46, n. 2, p , 1999.

6 [8] Key to Costa Rican Oontomachus Disponível em: <http://academic.evergreen.edu/projects/ants/gener a/odontomachus/key.html#bm400> [9] PALACIO, E.E., FERNÁNDEZ, F. (2003). Clave para las subfamilias y géneros. Introducción a las hormigas de la región Neotropical, p. [17] SUJII, E.R.; GARCIA, M.A.; FONTES, E.M.G.; O'Nell, R.J. Pachycondyla obscuricornis as natural enemy of the spittlebug Deois flavopicta. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, v. 39, n. 6, p , [18] TRIPLEHORN, C.A.; JOHNSON, N.F. Estudo dos Insetos. Cengage Learning, [10] Pheidole Working Group Disponível em: <http://academic.evergreen.edu/projects/ants/pheido leworkinggroup/index.htm> [11] PRESTES, AC.; CUNHA, H.F. Interações entre cupins (Isoptera) e formigas (Hymenoptera) cohabitantes em cupinzeiros epígeos. Revista de Biotecnologia Ciência, v. 1, p , [12] REDFORD, K.H. The Termitaria of Cornitermes cumulans (Isoptera, Termitidae) and Their Role in Determining a Potential Keystone Species. Biotropica, v. 16, n. 2, p , [13] ROSA, C.S. Interações entre cupins (Insecta: Isoptera) e termitófilos. Minas Gerais: Universidade Federal de Viçosa, [14] SANTOS, P.P.; VASCONCELLOS, A.; JAHYNY, B.; DELABIE, J.H.C. Ant fauna (Hymenoptera, Formicidae) associated to arboreal nests of Nasutitermes spp: (Isoptera, Termitidae) in a cacao plantation in southeastern Bahia, Brazil. Revista Brasileira de Entomologia, v. 54, n. 3, p , [15] SANTOS, T. Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera : Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Disponível em: <http://pdbff.inpa.gov.br/cursos/efa/livro/2006/pdfs/pf thiago.pdf>. Online. Acesso em: 10 jun [16] SENCI, M.C.G.; JUNQUEIRA, L.K. Identificação da entomofauna co-habitante em ninhos de térmitas do gênero Cornitermes em Campinas, São Paulo. Anais do XVII Encontro de Iniciação Científica, Disponível em: <https://www.puccampnas.edu.br/websist/rep/sic08/resumo/ _10133_ _resahy.pdf> Acesso em: 05 de jul

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO Nina Maria Ornelas Cavalcanti Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida nina.moc@puccamp.edu.br

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO Anais do XVIII Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 Anais do III Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação ISSN 2237-0420 24 e 25 de setembro de 2013 IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Cupins (Isoptera) da Fazenda Serrinha na região de Miracema do Tocantins-TO

Cupins (Isoptera) da Fazenda Serrinha na região de Miracema do Tocantins-TO Cupins (Isoptera) da Fazenda Serrinha na região de Miracema do Tocantins-TO Julyana Flavia dos Santos Lima¹ PIBIC/UEG, Hélida Ferreira da Cunha² Universidade Estadual de Goiás-UnuCET, 75000-000, Brasil

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Theobroma cacao, Hymenoptera, Formicidae. INTRODUÇÃO A Cabruca como refúgio para a biodiversidade de formigas da Mata Atlântica Ana Lúcia Biggi de Souza 1, Maria Adonay Melo Nogueira, Elmo Borges de Azevedo Koch, Alexandre dos Santos Rodrigues, Elienai Oliveira

Leia mais

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

Revista de Biotecnologia INTERAÇÕES ENTRE CUPINS (ISOPTERA) E FORMIGAS (HYMENOPTERA) CO-HABITANTES EM CUPINZEIROS EPÍGEOS.

Revista de Biotecnologia INTERAÇÕES ENTRE CUPINS (ISOPTERA) E FORMIGAS (HYMENOPTERA) CO-HABITANTES EM CUPINZEIROS EPÍGEOS. 50 Revista de Biotecnologia Vol. 1, Nº. 1, Ano 2012 & Ciência Anna Carolina Prestes Universidade Estadual de Goiás (UEG) annacarolina.prestes@gmail.com INTERAÇÕES ENTRE CUPINS (ISOPTERA) E FORMIGAS (HYMENOPTERA)

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA João H. P. Giudice Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ci6encias da Vida

Leia mais

Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes

Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes (Isoptera: Termitidae) de uma floresta de terra firme da Amazônia Central Juliana Schietti de Almeida Introdução

Leia mais

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO.

Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica em Morrinhos, GO. 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenação de Pesquisa www.ueg.br Estrutura de Comunidades de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) de um Remanescente de Mata Atlântica

Leia mais

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL

COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL COMUNIDADE DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) NA ÁREA URBANA DO MUNICÍPIO DE PINHALZINHO, SANTA CATARINA, BRASIL RESUMO Fábio Zanella Farneda 1 Junir Antonio Lutinski 2 Flávio Roberto Mello Garcia 2,3

Leia mais

Capítulo 19. Padrões de. diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado

Capítulo 19. Padrões de. diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado Solos e paisagem Capítulo 19 Padrões de FOTO: REGINALDO CONSTANTINO diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado Reginaldo Constantino Departamento de Zoologia Universidade de Brasília Brasília,

Leia mais

COABITAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE FORMIGAS E CUPINS EM NINHOS. DE Cornitermes cumulans EM ÁREAS DE CERRADO E PASTAGEM NO BRASIL CENTRAL

COABITAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE FORMIGAS E CUPINS EM NINHOS. DE Cornitermes cumulans EM ÁREAS DE CERRADO E PASTAGEM NO BRASIL CENTRAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL COABITAÇÃO E INTERAÇÃO ENTRE FORMIGAS E CUPINS EM NINHOS DE Cornitermes cumulans EM ÁREAS DE CERRADO

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura

Alterações físicas no solo do cerrado por formigas. Resumo - Estudos atribuem às formigas e aos cupins a responsabilidade pela formação de estrutura Santos, F.A.M., Martins, F.R. & Tamashiro, J.Y. (orgs.). Relatórios da disciplina BT791 - Graduação em Biologia, IB, UNICAMP 34 Alterações físicas no solo do cerrado por formigas Adriano A. Mariscal 1,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM.

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. Manoel Braga de BRITO 1 ; Raimunda Liége Souza de Abreu ; Basílio Frasco VIANEZ 3 1 Bolsista PIBIC/INPA/Fapeam;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO NILTON LINS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COM ÊNFASE EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS Diversidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) associadas na serapilheira da população de palmeiras (Palmae)

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Santos, Márcia P. C. J.; Carrano-Moreira, Alberto F.; Torres, Jorge B.

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Lucas Manuel Cabral Teixeira Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga.

PALAVRAS-CHAVE: Formicidae; ecologia; comunidade; caatinga. CARACTERIZAÇÃO DA MIRMECOFAUNA (HYMENOPTERA - FORMICIDAE) ASSOCIADA À VEGETAÇÃO PERIFÉRICA DE INSELBERGS (CAATINGA - ARBÓREA - ESTACIONAL - SEMI- -DECÍDUA) EM ITATIM - BAHIA - BRASIL 33 Gilberto Marcos

Leia mais

MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS

MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS MARIA DE FÁTIMA SOUZA DOS SANTOS COMUNIDADE DE FORMICIDAE (INSECTA: HYMENOPTERA) ASSOCIADA AOS AMBIENTES HOSPITALARES NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA-MG. Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como

Leia mais

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil.

House Infesting Ants (Hymenoptera: Formicidae) in the City of Manaus, Amazonas, Brazil. LEVANTAMENTO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: AMAZONAS, BRASIL. Ana Paula Coelho MARQUES 1, 2, Rosaly ALE-ROCHA 1, José Albertino RAFAEL 1 RESUMO - Apresenta-se os resultados do levantamento de formigas que infestam

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA FLORESTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL EFEITO DE BORDA

Leia mais

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M.

INTRODUÇÃO FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE. Pereira, M. P. S. 1 Queiroz, J. M. 2 Valcarcel, R. 2 Nunes, A J.M. FAUNA DE FORMIGAS NO BIOMONITORAMENTO DE AMBIENTES DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO EM REABILITAÇÃO NA ILHA DA MADEIRA, RJ. 1 Acadêmico de engenharia florestal, UFRuralRJ, Seropédica, RJ. 2 Departamento de Ciências

Leia mais

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil

ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município de Três Rios, RJ, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) ARTIGO Mirmecofauna associada à arborização urbana no município

Leia mais

Análise faunística comparativa de cupins inquilinos de Cornitermes cumulans em ambientes naturais e modificados

Análise faunística comparativa de cupins inquilinos de Cornitermes cumulans em ambientes naturais e modificados Análise faunística comparativa de cupins inquilinos de Cornitermes cumulans em ambientes naturais e modificados Antônio Carlos Agda Novaes 1 Acadêmicos: Cleomar Reis Batista 2 Susiane Reis Batista 3 RESUMO:

Leia mais

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução

Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 239 Influência da altitude e cobertura vegetal na riqueza de formigas do Parque Nacional do Caparaó Sabrina Soares Simon 1, Sara Deambrozi Coelho

Leia mais

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL

OCCURRENCE OF ANTS IN A PERIPHERAL URBAN HOSPITAL AREA IN UBERABA/BRAZIL SaBios: Rev. Saúde e Biol., v.8, n.1, p.17-113, jan./abr., 213 ISSN:198-2 OCORRÊNCIA DE FORMIGAS EM UMA ÁREA URBANA PERI- HOSPITALAR DE UBERABA/BRASIL Afonso Pelli 1, Maxelle Martins Teixeirai 1, Maria

Leia mais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais

Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais April - June 2002 187 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Diversidade de Formigas (Hymenoptera: Formicidae) da Serapilheira em Eucaliptais (Myrtaceae) e Área de Cerrado de Minas Gerais CIDÁLIA G.S. MARINHO

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

Proposta de Plano de Controle de Pragas fitófagas na área do empreendimento do Aproveitamento Hidrelétrico Santo Antônio.

Proposta de Plano de Controle de Pragas fitófagas na área do empreendimento do Aproveitamento Hidrelétrico Santo Antônio. Proposta de Plano de Controle de Pragas fitófagas na área do empreendimento do Aproveitamento Hidrelétrico Santo Antônio. Introdução Diversos grupos de insetos podem se tornarem pragas fitófagas, principalmente

Leia mais

PREFERÊNCIA DE CUPINS POR TAMANDUÁS NATIVOS E CATIVOS (PILOSA, MYRMECOPHAGIDAE)

PREFERÊNCIA DE CUPINS POR TAMANDUÁS NATIVOS E CATIVOS (PILOSA, MYRMECOPHAGIDAE) 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UnU de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Ciências Biológicas Modalidade Licenciatura PREFERÊNCIA DE CUPINS POR TAMANDUÁS NATIVOS E CATIVOS (PILOSA, MYRMECOPHAGIDAE)

Leia mais

COLEÇÃO DIDÁTICA. Parte do conteúdo da apostila Técnicas de coleta, preparação e conservação de insetos (Profª Maria Christina de Almeida)

COLEÇÃO DIDÁTICA. Parte do conteúdo da apostila Técnicas de coleta, preparação e conservação de insetos (Profª Maria Christina de Almeida) 1 COLEÇÃO DIDÁTICA Parte do conteúdo da apostila Técnicas de coleta, preparação e conservação de insetos (Profª Maria Christina de Almeida) I. Material de coleta (Pranchas 1 e 2): 1) -Pinças grandes e

Leia mais

ESTADO ATUAL DO CONHECIMENTO SISTEMÁTICO E ECOLÓGICO SOBRE OS CUPINS (INSECTA. ISOPTERA) DO NORDESTE BRASILEIRO

ESTADO ATUAL DO CONHECIMENTO SISTEMÁTICO E ECOLÓGICO SOBRE OS CUPINS (INSECTA. ISOPTERA) DO NORDESTE BRASILEIRO ' Revista Nordestina de Biologia, 13(1/2): 37-45 28.xii.1999 ESTADO ATUAL DO CONHECIMENTO SISTEMÁTICO E ECOLÓGICO SOBRE OS CUPINS (INSECTA. ISOPTERA) DO NORDESTE BRASILEIRO Adelmar G. Bandeira1 Alexandre

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS

REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas REDUÇÃO DE CUSTOS NO COMBATE ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS EM PLANTIOS FLORESTAIS Wilson Reis Filho 1 Mariane Aparecida Nickele 2 Entre os 15 gêneros existentes

Leia mais

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae)

Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 189 Composição, Resgate, Realocação e Sobrevivência de uma População de Dinoponera Lucida Emery (Hymenoptera: Formicidae) R. A. Ferreira 1 ;

Leia mais

Inicialmente tem-se de reunir e preparar todo o material para a realização deste projeto.

Inicialmente tem-se de reunir e preparar todo o material para a realização deste projeto. Como fazer uma coleção científica de insetos Uma ferramenta útil para estudar insetos é fazer uma coleção científica. Para recolher insetos para coleção é fundamental conhecer os seus hábitos e comportamentos,

Leia mais

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1

ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 733 ESPÉCIES DE FORMIGAS QUE INTERAGEM COM AS SEMENTES DE Mabea fistulifera Mart. (EUPHORBIACEAE) 1 Ethel Fernandes de Oliveira Peternelli 2, Terezinha Maria Castro Della Lucia 2 e Sebastião Venâncio Martins

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Almeida Reis, Marcelo de; Zanetti, Ronald; Soares Scolforo, José Roberto; Ferreira, Maria Zélia Amostragem de formigas-cortadeiras

Leia mais

Colheita, secagem e montagem de material de herbário

Colheita, secagem e montagem de material de herbário Colheita, secagem e montagem de material de herbário 1. Colheita de material Para iniciar a colheita do material de herbário, é necessário levar para o campo: livro de campo (para fazer as anotações necessárias

Leia mais

CASSIANO SOUSA ROSA INTERAÇÕES INTER-ESPECÍFICAS EM CUPINZEIROS

CASSIANO SOUSA ROSA INTERAÇÕES INTER-ESPECÍFICAS EM CUPINZEIROS CASSIANO SOUSA ROSA INTERAÇÕES INTER-ESPECÍFICAS EM CUPINZEIROS Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Entomologia, para obtenção do

Leia mais

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae)

Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd (Mimosaceae) and ants (Hymenoptera: Formicidae) Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Avaliação de Mutualismo entre Acacia mangium Willd (Mimosaceae) e Formigas (Hymenoptera: Formicidae). Evaluation of mutualism between Acacia mangium Willd

Leia mais

CÓDIGO DE BARRA DE DNA NA IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES DE CUPINS COABITANTES DE NINHOS EPÍGEOS

CÓDIGO DE BARRA DE DNA NA IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES DE CUPINS COABITANTES DE NINHOS EPÍGEOS CÓDIGO DE BARRA DE DNA NA IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES DE CUPINS COABITANTES DE NINHOS EPÍGEOS Amanda Ferreira David Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida Amanda.fd@puccamp.edu.br Edmilson

Leia mais

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007.

Recebido para publicação em 28/10/2005 e aceito em 20/04/2007. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 17, n. 3, p. 197-204, jul-set, 2007 197 ISSN 0103-9954 FAUNA DE FORMIGAS COMO FERRAMENTA PARA MONITORAMENTO DE ÁREA DE MINERAÇÃO REABILITADA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ,

Leia mais

PAULO FELLIPE CRISTALDO MECANISMOS DE DEFESA EM NINHOS DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA)

PAULO FELLIPE CRISTALDO MECANISMOS DE DEFESA EM NINHOS DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) PAULO FELLIPE CRISTALDO MECANISMOS DE DEFESA EM NINHOS DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação em

Leia mais

COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO

COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESTUDOS EM RECURSOS NATURAIS COMUNIDADES DE TÉRMITES EM PLANTAÇÕES DE EUCALIPTO

Leia mais

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA

WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA. RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE DE FORMIGAS (Hymenoptera: Formicidae) À INTENSIDADE DE USO DA TERRA NA FLORESTA AMAZÔNICA LAVRAS - MG 2014 WILLIAN LUCAS PAIVA DA SILVA RESPOSTA DA COMUNIDADE

Leia mais

Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos*

Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos* Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos* Alessandra Carneiro - alecarneiro-bio@uol.com.br Carlos Eduardo Beserra Nobre cebnobre@gmail.com Rafael Vieira Nunes rafavnunes@gmail.com

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO DA FAUNA DE FORMIGAS (HYMENOPTERA, FORMICIDAE) EM BORDAS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS DO NORTE DE MATO GROSSO, BRASIL JAMES MACHADO BILCE 1, SOLANGE APARECIDA ARROLHO DA SILVA

Leia mais

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução

Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica. Introdução II SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2013 233 Competição e Adaptação: Questões Filogenéticas sobre a Distribuição Geográfica Sabrina Soares Simon 1 & Sara Soares Simon 2 1 Mestrado em

Leia mais

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e

Jardel Boscardin a, Ervandil Corrêa Costa b, Juliana Garlet c, Augusto Bolson Murari d, Jacques Hubert Charles Delabie e http://revistas.unlp.edu.ar/index.php/domus/issue/current/showtoc AUGMDOMUS, 3:10-19, 2011 Asociación de Universidades Grupo Montevideo ISSN:1852-2181 Avaliação comparativa de iscas atrativas a partir

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of

de eucalipto e vegetação nativa no município de and native vegetations in the municipality of Diversidade de formigas (formicidae) em áreas de eucalipto e vegetação nativa no município de Capitão, Rio Grande do Sul Fabiane Rodrigues da Silva Fröhlich 1, Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen 2,

Leia mais

Contribuição para o conhecimento de duas espécies de cupim do Vale do Paraíba (Estado de São Paulo) 1

Contribuição para o conhecimento de duas espécies de cupim do Vale do Paraíba (Estado de São Paulo) 1 Contribuição para o conhecimento de duas espécies de cupim do Vale do Paraíba (Estado de São Paulo) 1 FRANCISCO A. M. MARICON1 2, ZILKAR C. MARANHÃO 3 AILTON R. MONTEIRO 2 e 1 Trabalho realizado com auxílio

Leia mais

Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro

Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro 127 Cupins de duas florestas de restinga do nordeste brasileiro Alexandre Vasconcellos 1, Ana Cerilza S. Mélo 2,3, Eusébio de M. Vasconcelos Segundo 1 & Adelmar G. Bandeira 1 1. Departamento de Sistemática

Leia mais

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil

ARTIGO. Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento de Floresta Estacional Semidecídua no Noroeste do estado de São Paulo, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Diversidade de Formicidae (Hymenoptera) em um fragmento

Leia mais

PALESTRA PERSPECTIVA DA CONTRIBUIÇÃO DE FORÍDEOS PARASITÓIDES NO MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

PALESTRA PERSPECTIVA DA CONTRIBUIÇÃO DE FORÍDEOS PARASITÓIDES NO MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS PALESTRA XVIII Simpósio de Mirmecologia 177 PERSPECTIVA DA CONTRIBUIÇÃO DE FORÍDEOS PARASITÓIDES NO MANEJO DE FORMIGAS CORTADEIRAS M.A.L. Bragança Universidade Federal do Tocantins, Rua 7, Qd. 15 s/n o,

Leia mais

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto unesp Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu. 1. Introdução Os cupins são considerados pragas em plantações florestais em toda a região tropical, sendo

Leia mais

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil

Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação Ambiental em Poxoréu, Mato Grosso, Brasil Floresta e Ambiente 2015; 22(1):88-98 http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.0049 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo Original Formigas (Hymenoptera: Formicidae) Bioindicadoras de Degradação

Leia mais

Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera

Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera Anexo VI Lista de espécies registradas de cupins: Isoptera Espécies de Cupins (Isoptera) registrados na região de Jirau, Porto Velho, RO. ISOPTERA KALOTERMITIDAE Táxon Nome popular Habitat Calcaritermes

Leia mais

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest.

Introdução. Keywords: Eremanthus erythropappus; plant ants; ground-dwelling ants; altitudinal forest. Lundiana 9(1):41-47, 2008 2009 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Associação de Eremanthus erythropappus (DC.) McLeish (Asteraceae) com formigas e sua relação com a mirmecofauna do

Leia mais

TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE)

TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) TAXA DE PARASITISMO DE FORÍDEOS (DIPTERA: PHORIDAE) EM SAÚVAS Atta laevigata E A. sexdens (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) Layara Alexandre Bessa 1,3, Hellen Cássia Moreira Silva 1,3, Lívia do Carmo Silva 1,3,

Leia mais

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 3 - Número 2-2º Semestre 2003 Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE [1] Welber Eustáquio de Vasconcelos; [2] Érika

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia APORTE DE MATERIAL VEGETAL SOBRE O SOLO EM UMA FLORESTA SEMIDECIDUA AO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO Ândrea Carla

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO LEVANTAMENTO DE FORMICÍDEOS DE FRAGMENTO DE FLORESTA ATLÂNTICA NO MUNICÍPIO DE ENG. PAULO DE FRONTIN, RJ (HYMENOPTERA,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera:

Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Avaliação comparativa de iscas atrativas na amostragem de formigas (Hymenoptera: Formicidae) numa parcela de floresta plantada de Eucalyptus grandis, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil Jardel Boscardin

Leia mais

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM 257 CAPÍTULO 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA

Leia mais

ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO. Relatório Trimestral de Andamento de Atividades Julho, Agosto, Setembro de 2011.

ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO. Relatório Trimestral de Andamento de Atividades Julho, Agosto, Setembro de 2011. ARQUEOLOGIA PREVENTIVA NAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA UHE SANTO ANTONIO Relatório Trimestral de Andamento de Atividades Julho, Agosto, Setembro de 2011. Processo IPHAN nº 01410.000024/2008-65 Portaria IPHAN

Leia mais

RESUMOS DE PLANO DE TRABALHO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO ENSINO MÉDIO PIBIC-EM / CNPq / PUC-Campinas Ciclo 2013/2014

RESUMOS DE PLANO DE TRABALHO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO ENSINO MÉDIO PIBIC-EM / CNPq / PUC-Campinas Ciclo 2013/2014 RESUMOS DE PLANO DE TRABALHO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO ENSINO MÉDIO PIBIC-EM / CNPq / PUC-Campinas Ciclo 2013/2014 ESTUDO SOBRE ALTERNATIVAS NANOTECNOLÓGICAS PARA PROCESSOS DE REMEDIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini

ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini ANÁLISE DE INTERAÇÕES COMPETITIVAS ENTRE FORMIGAS EM Syzygium cumini Lucena, R.C. (1) ; Vieira, L.A.F. (1) raissa.lucen@gmail.com (1) Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa PB, Brasil. RESUMO

Leia mais

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1

Jardel Boscardin 1, Ervandil Corrêa Costa 1, Jacques Hubert Charles Delabie 2 1 ENTOMOTROPICA Vol. 29(3): 173-182. Diciembre 2014. ISSN 1317-5262 Relação entre guildas de formigas e a qualidade ambiental em Eucalyptus grandis submetido a diferentes controles de plantas infestantes

Leia mais

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal

FORMIGAS. Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 13 FORMIGAS Ana Gabriela Delgado Bieber Olivier Pierre Gabriel Darrault Cíntia da Costa Ramos Keyla Karla Melo Inara R. Leal 257 INTRODUÇÃO Todas as espécies de formigas pertencem à família Formicidae,

Leia mais

LAÍS DE SOUZA LIMA O PAPEL ECOLÓGICO DOS CUPINS (INSECTA:ISOPTERA)

LAÍS DE SOUZA LIMA O PAPEL ECOLÓGICO DOS CUPINS (INSECTA:ISOPTERA) Faculdade de Ciências da Educação e Saúde - FACES Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas LAÍS DE SOUZA LIMA O PAPEL ECOLÓGICO DOS CUPINS (INSECTA:ISOPTERA) Brasília 2012 O PAPEL ECOLÓGICO DOS CUPINS

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.14. Programa de Salvamento de Germoplasma Vegetal no Canteiro de Obras e Áreas de Apoio Relatório Semestral EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

Térmitas Construtores de Ninhos Conspícuos em Duas Áreas de Mata Atlântica com Diferentes Níveis de Perturbação Antrópica

Térmitas Construtores de Ninhos Conspícuos em Duas Áreas de Mata Atlântica com Diferentes Níveis de Perturbação Antrópica January - February 2008 15 ECOLOGY, BEHAVIOR AND BIONOMICS Térmitas Construtores de Ninhos Conspícuos em Duas Áreas de Mata Atlântica com Diferentes Níveis de Perturbação Antrópica ALEXANDRE VASCONCELLOS

Leia mais

Gustavo de Oliveira Schmidt

Gustavo de Oliveira Schmidt Gustavo de Oliveira Schmidt ECOLOGIA DA NIDIFICAÇÃO DE FORMIGAS (HYMENOPTERA: FORMICIDAE) EM INDIVÍDUOS PÓS- REPRODUTIVOS SECOS DE ACTINOCEPHALUS POLYANTHUS (ERIOCAULACEAE) EM AMBIENTES DE RESTINGA, FLORIANÓPOLIS,

Leia mais

Frequência e riqueza de cupins em áreas de plantio de eucalipto no litoral norte da Bahia

Frequência e riqueza de cupins em áreas de plantio de eucalipto no litoral norte da Bahia Frequência e riqueza de cupins em áreas de plantio de eucalipto no litoral norte da Bahia Maria José Dias Sales (1), William Costa Matos (2), Yana Teixeira dos Reis (3) e Genésio Tâmara Ribeiro (3) (1)

Leia mais

FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae)

FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae) FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae) F.A.M. Mariconi* F.I. Geraldi** C.J. Biondo** J.L. Donatoni** A.I. Clari** F.Y. Arashiro**

Leia mais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais

Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Universidade de Brasília Disciplina: Ecologia de Campo Professor: Guarino R. Colli Riqueza e abundância de gêneros de formigas em um gradiente de variáveis ambientais Projeto Individual Aluna: Ana Carolina

Leia mais

Manoel Fernando Demétrio

Manoel Fernando Demétrio UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENTOMOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. BIODIVERSIDADE DE FORMIGAS DE SERAPILHEIRA DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DA BODOQUENA MS.

Leia mais

PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS)

PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS) PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS) Francisco José Zorzenon Pesquisador Científico Ana Eugênia Carvalho Campos-Farinha Pesquisador Científico

Leia mais

A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta

A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta A diversidade beta de formigas na copa das árvores é maior que no folhiço da floresta Felipe Cito Nettesheim INTRODUÇÃO O DIVERSIDADE Riqueza Abundância DIVERSIDADE Riqueza Abundância Número de espécies

Leia mais

^ r ii 'U, ALGUNS ASPECTOS ATUAIS DA BIOLOGIA. E CONTROLE DECUPINS. fl' EDITORES: EVONEO BERTI FILHO ^ LUIZ ROBERTO PONTES.

^ r ii 'U, ALGUNS ASPECTOS ATUAIS DA BIOLOGIA. E CONTROLE DECUPINS. fl' EDITORES: EVONEO BERTI FILHO ^ LUIZ ROBERTO PONTES. 1, 'U, I h ' - if *1 ^ r ii # ALGUNS ASPECTOS ATUAIS DA BIOLOGIA. E CONTROLE *% DECUPINS EDITORES: EVONEO BERTI FILHO ^ LUIZ ROBERTO PONTES I' fl' 'W J FEALQ f^l^ i ALGUNSASPECTOSATUAIS DA Biologm e Controle

Leia mais