OBSERVATÓRIO DOTURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVATÓRIO DOTURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL"

Transcrição

1 OBSERVATÓRIO DOTURISMO DE LISBOA Embora com a existência de diferenças de zona para zona, a hotelaria da amostra fixa da Região de Lisboa apresenta em 2006 uma recuperação na generalidade dos indicadores, que o mês de Fevereiro veio reforçar. Com efeito, valores globalmente positivos neste indicador, em conjunto com preços mais elevados, têm propiciado resultados económicos bastante interessantes quando comparados com o ano anterior. Em termos mais específicos, poder-se-á dizer que os indicadores por quarto disponível se têm mantido positivos em Lisboa (subida nas ocupações e preços) e na Costa Azul (subida das ocupações que compensou perdas nos preços). Já no Estoril (descidas nos preços não compensadas pela subida nas ocupações) e no Oeste e Leiria Fátima (descidas nas ocupações não compensadas por subidas nos preços das duas zonas), os resultados económicos acumulados por quarto vendido apresentamse globalmente inferiores a A partir deste número, o Observatório passará a incluir a divulgação de resultados para as categorias de 2 estrelas e de pensões, fruto da criação de uma amostra representativa da cidade de Lisboa no primeiro caso, e de outra amostra baseada nos associados do Turismo de Lisboa no segundo caso. Mais uma vez reforçamos o papel essencial que a colaboração das unidades presentes nestas duas novas amostras tem para o bom desenvolvimento destes estudos, pelo que publicamente agradecemos o seu inestimável apoio, sem igualmente não perder a oportunidade de lembrar aquelas que já há alguns anos nos acompanham em todos os estudos. ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL HOTELARIA DA COSTA AZUL 21 ÍNDICE LISBOA (VTQD-96) HOTELARIA DE LEIRIA FÁTIMA HOTELARIA DO OESTE ÍNDICES POR REGIÃO E OBJECTIVOS 2006 Índice Lisboa (VTQD-96): 1321 Este índice é baseado no valor médio de Vendas Totais por Quarto Disponível do ano de 1996 a preços correntes, ano zero da InfoGest Lisboa Cidade PERFIL DO VISITANTE ESTRANGEIRO INFOGOLFE

2 AEROPORTOS & CRUZEIROS AEROPORTOS CRESCIMENTO DE 6% OBSERVATÓRIO O movimento comercial de passageiros no Aeroporto de Lisboa registou um crescimento de 6,1% no número de passageiros em Fevereiro, face a igual período de 2005, fortalecendo ligeiramente a tendência anual que se situa agora em 5,5%. O número de voos cresceu 4,8%, situando-se a variação do acumulado de 2006 em +5,7%. TRÁFEGO COMERCIAL EM FEVEREIRO NÚMERO DE VOOS NÚMERO DE PASSAGEIROS Fevereiro Acumulado 2006 Fevereiro Acumulado Var% 06/ Var% 06/ Var% 06/ Var% 06/05 Lisboa ,8% ,7% ,1% ,5% Porto ,6% ,6% ,3% ,3% Faro ,1% ,5% ,4% ,4% P. Delgada 604-5,2% ,7% ,4% ,6% S. Maria ,1% ,2% ,4% ,3% Horta 246-8,6% 535-1,1% ,8% ,2% Flores 62-6,1% 132-2,9% ,6% ,3% Funchal ,0% ,3% ,8% ,1% Porto Santo ,3% ,4% ,9% ,5% Total Fonte: ANA Aeroportos CRUZEIROS NÚMEROS DE ÉPOCA BAIXA Em Fevereiro registou-se apenas uma escala de navios de cruzeiro no Porto de Lisboa, menos uma que no ano anterior. Em acumulado, o ano de 2006 exibe um crescimento neste indicador de 33,3% e de 27,8% no número de passageiros totais. MOVIMENTO DE CRUZEIROS NO PORTO DE LISBOA Fevereiro ACUMULADO ANUAL Var% Var% Nº de navios ,0% ,3% Nº Passageiros Totais ,2% ,8% Em Turnaround ,7% ,8% Em trânsito ,1% ,9% Fonte: Administração Porto de Lisboa

3 HOTELARIA DA REGIÃO DE LISBOA Médias Gerais em 41,12% 42,6% -3,5% 44,18% 39,2% 12,8% 41,78% 38,9% 7,4% Síntese 42,77% 40,1% 6,6% 36,02% 39,3% -8,3% 39,47% 36,7% 7,4% 40,15% 38,0% 5,7% Síntese 38,57% 37,8% 2,1% 38,58 37,71 2,3% 53,80 56,22-4,3% 120,62 112,98 6,8% Síntese 62,57 62,54 0,1% 39,59 37,45 5,7% 55,75 55,34 0,7% 121,24 109,20 11,0% Síntese 65,01 61,82 5,2% REGIÃO A RECUPERAR Contrariamente ao mês passado, as perdas nos hotéis de 3 estrelas da região, não impediram que, desta vez, o conjunto da amostra tenha passado a exibir acumulados de ocupação positivos. De resto, com a única excepção dos 4 estrelas em preço médio por quarto vendido, todos os outros indicadores nas outras categorias apresentam valores positivos, sendo em alguns casos bastante animadores, como por exemplo os hotéis de 5 estrelas. 15,86 16,07-1,3% 23,77 22,03 7,9% 50,40 43,95 14,7% Síntese 26,77 25,11 6,6% 14,26 14,71-3,1% 22,00 20,33 8,2% 48,68 41,49 17,3% Síntese 25,07 23,35 7,4% Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais 23 61,39 58,51 4,9% 85,99 90,94-5,4% 263,33 231,39 13,8% Síntese 113,85 110,83 2,7% 61,52 57,69 6,7% 89,39 91,83-2,7% 254,74 220,04 15,8% Síntese 116,38 109,88 5,9% 25,25 24,93 1,3% 37,99 35,63 6,6% 110,03 90,00 22,3% Síntese 48,70 44,49 9,4% 22,16 22,66-2,2% 35,28 33,74 4,6% 102,28 83,59 22,4% Síntese 44,89 41,51 8,1% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL VENDAS TOTAIS/QUARTO VENDIDO VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados AMOSTRA FIXA - REGIÃO DE LISBOA (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa Quartos Amostra Fixa Camas Amostra Fixa Esta amostra tem como base o Universo de Hotéis Full Service da Região de Lisboa, é fixa e composta exclusivamente por unidades em funcionamento há mais de 3 anos. a dimensão oficial das unidades segundo números publicados pelo DGT; totalidade dos quartos e camas ocupados indicados pelas unidades; receitas de quartos, a preços correntes, sem IVA e sem pequeno almoço; as receitas totais da operação, a preços correntes, sem IVA e sem receitas extraordinárias ou de operações financeiras;

4 HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA - LX OBSERVATÓRIO Médias Gerais em 54,40% 55,5% -2,0% 50,26% 44,9% 12,0% 43,15% 38,6% 11,6% Síntese 49,09% 45,2% 8,7% 50,95% 55,6% -8,4% 49,02% 43,1% 13,6% 41,87% 37,2% 12,7% Síntese 47,37% 43,9% 7,9% 40,75 39,36 3,5% 60,84 62,04-1,9% 120,71 119,47 1,0% Síntese 71,28 71,66-0,5% 41,18 37,99 8,4% 61,64 59,51 3,6% 123,44 116,78 5,7% Síntese 72,71 69,04 5,3% BOM COMPORTAMENTO São generalizados os valores comparativos positivos com 2005, havendo apenas excepção na ocupação e vendas por quarto disponível dos hotéis de 3 estrelas e nos resultados económicos por quarto vendido dos hotéis de 4 estrelas. Todos os indicadores acumulados estão confortavelmente dentro do positivo, sendo de realçar que os que dependem ao mesmo tempo da ocupação e dos preços praticados - os indicadores por quarto disponível -, estão situados nos +13,7% e +12,2% de variação, o que constitui um bom início de ano. 22,17 21,85 1,5% 30,58 27,84 9,8% 52,08 46,17 12,8% Síntese 34,99 32,36 8,1% 20,98 21,14-0,7% 30,22 25,68 17,7% 51,69 43,38 19,1% Síntese 34,45 30,31 13,7% Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais 56,42 55,96 0,8% 93,62 94,75-1,2% 232,86 230,41 1,1% Síntese 120,13 121,30-1,0% 57,15 53,57 6,7% 95,81 91,80 4,4% 226,41 219,58 3,1% Síntese 120,25 115,68 3,9% 30,69 31,06-1,2% 47,05 42,52 10,7% 100,47 89,05 12,8% Síntese 58,97 54,78 7,6% 29,12 29,80-2,3% 46,96 39,61 18,6% 94,81 81,58 16,2% Síntese 56,96 50,78 12,2% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL VENDAS TOTAIS/QUARTO VENDIDO VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados AMOSTRA FIXA - LISBOA LX (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa Quartos Amostra Fixa Camas Amostra Fixa Esta amostra tem como base o Universo de Hotéis da Zona, também é fixa e composta por unidades Full Service e Residenciais independentemente da sua data de abertura. a dimensão oficial das unidades segundo números publicados pelo DGT; totalidade dos quartos e camas ocupados indicados pelas unidades; receitas de quartos, a preços correntes, sem IVA e sem pequeno almoço; as receitas totais da operação, a preços correntes, sem IVA e sem receitas extraordinárias ou de operações financeiras;

5 HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA - XL Médias Gerais em 57,14% 55,9% 2,2% 51,12% 44,2% 15,6% 48,09% 37,9% 26,9% Síntese 51,76% 45,3% 14,2% 53,16% 53,0% 0,4% 49,75% 42,8% 16,2% 46,49% 37,5% 24,0% Síntese 49,75% 43,8% 13,5% 43,55 44,23-1,5% 61,56 60,97 1,0% 110,36 110,90-0,5% Síntese 67,63 66,28 2,0% 43,59 41,66 4,6% 62,00 59,15 4,8% 108,10 108,11 0,0% Síntese 67,59 64,26 5,2% UM BOM INÍCIO DE ANO Valores coerentes, quer com a amostra tradicional, quer com os que transitam de Janeiro, dão a esta amostra alargada da cidade de Lisboa um bom início de ano. Com efeito, os hotéis de 3 estrelas recuperaram para valores positivos de ocupação e, mesmo que isso possa ter sido feito à custa de menores resultados económicos por quarto vendido, foi possível manter os acumulados dentro dos valores de Janeiro, consolidando o que parece ser um bom primeiro trimestre. 24,89 24,73 0,7% 31,47 26,97 16,7% 53,07 42,02 26,3% Síntese 35,00 30,03 16,6% 23,17 22,07 5,0% 30,84 25,33 21,8% 50,25 40,52 24,0% Síntese 33,63 28,16 19,4% Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais 25 56,58 61,39-7,8% 92,75 91,49 1,4% 208,35 213,22-2,3% Síntese 108,72 107,34 1,3% 56,74 57,23-0,9% 94,93 89,11 6,5% 200,30 204,25-1,9% Síntese 108,64 103,60 4,9% 32,33 34,31-5,8% 47,42 40,47 17,2% 100,19 80,79 24,0% Síntese 56,27 48,63 15,7% 30,16 30,31-0,5% 47,23 38,16 23,8% 93,11 76,55 21,6% Síntese 54,05 45,40 19,0% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL VENDAS TOTAIS/QUARTO VENDIDO VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados AMOSTRA FIXA - LISBOA XL (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa Quartos Amostra Fixa Camas Amostra Fixa Esta amostra tem como base o Universo de Hotéis Full Service da Região de Lisboa, é fixa e composta exclusivamente por unidades em funcionamento há mais de 3 anos. a dimensão oficial das unidades segundo números publicados pelo DGT; totalidade dos quartos e camas ocupados indicados pelas unidades; receitas de quartos, a preços correntes, sem IVA e sem pequeno almoço; as receitas totais da operação, a preços correntes, sem IVA e sem receitas extraordinárias ou de operações financeiras;

6 HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA - XS E P OBSERVATÓRIO NOVAS AMOSTRAS - 2 ESTRELAS E PENSÕES O Observatório começou este ano a fazer a recolha de dados da InfoGest junto de unidades de duas estrelas e pensões, tendo conseguido construir amostras fixas e estatisticamente viáveis dentro da Cidade de Lisboa. Não existem, durante este ano, ainda resultados comparativos, mas já é possível às unidades e outros operadores começarem a ter uma ideia da evolução dos indicadores ao longo de Sendo esta a primeira vez que estes dados são publicados na RTL não podíamos perder a oportunidade de agradecer a todos a colaboração agora iniciada. LISBOA XS Médias Gerais em Síntese 56,59% - - Síntese 57,49% - - Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais PENSÕES Médias Gerais em Síntese 35,71% - - Síntese 35,44% - - Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais Síntese 51, Síntese 48, PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO Síntese 34, Síntese 33, PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO Síntese 29, Síntese 28, PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL Síntese 12, Síntese 12, PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL Síntese 69, Síntese 63, VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Síntese 36, Síntese 46, VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Síntese 39, Síntese 36, Síntese 13, Síntese 16, Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados A amostra de xs tem como base o Universo de Hotéis de 2 estrelas da Zona. A amostra de Pensões tem como base a lista de pensões membros do Turismo de Lisboa operando na cidade. Ambas são fixas e compostas exclusivamente por unidades em funcionamento há mais de 3 anos. a dimensão oficial das unidades segundo números publicados pelo DGT; totalidade dos quartos e camas ocupados indicados pelas unidades; receitas de quartos, a preços correntes, sem IVA e sem pequeno almoço; as receitas totais da operação, a preços correntes, sem IVA e sem receitas extraordinárias ou de operações financeiras.

7 HOTELARIA DO ESTORIL E COSTA AZUL ESTORIL Médias Gerais em 43,31% 33,1% 31,0% 38,52% 34,6% 11,2% 26,51% 26,1% 1,7% Síntese 38,24% 33,0% 15,8% 28,22% 25,3% 11,4% 27,10% 30,3% -10,7% 23,07% 23,8% -3,1% Síntese 26,90% 28,0% -4,0% 32,40 33,90-4,4% 43,86 44,80-2,1% 113,70 114,05-0,3% Síntese 46,65 49,12-5,0% 36,21 35,03 3,4% 44,60 48,48-8,0% 118,03 109,39 7,9% Síntese 50,10 52,04-3,7% BOAS OCUPAÇÕES A ocupação do Estoril recuperou de forma notável este mês das perdas que tinha apresentado em Janeiro, quase conseguindo anular esses resultados. Neste momento está apenas a 4% do ano passado, pouco mais de 1 pp, depois de ter apresentado mais de 27% no início do ano. De resto nos indicadores económicos a situação está mista, tal como no mês passado. Os hotéis de 4 estrelas exibem valores algo preocupantes, dado que são eles que têm puxado os acumulados para terreno negativo. Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais COSTA AZUL Médias Gerais em 43,02% 29,9% 43,9% 36,94% 24,9% 48,5% Síntese 39,12% 26,8% 45,8% 36,56% 29,9% 22,5% 26,87% 20,7% 29,7% Síntese 30,33% 24,3% 25,0% 38,93 40,36-3,5% 38,31 48,12-20,4% Síntese 38,55 44,75-13,9% 39,64 39,82-0,5% 42,97 48,72-11,8% Síntese 41,54 44,46-6,6% BONS RESULTADOS COM PREÇOS INFERIORES A Costa Azul manteve, essencialmente, o mesmo comportamento de Janeiro, com uma boa prestação. No entanto, apareceram deslizes para valores negativos nos preços médios e vendas totais por quarto vendido. E, sendo as perdas mensais algo importantes, os acumulados entram em perda. Apesar de se tratar de uma situação geral, é mais evidente nos hotéis de 4 estrelas, já que a quebra nos hotéis de 3 estrelas manteve os acumulados mais próximos da paridade, ou mesmo acima da linha, no caso das vendas totais. Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais 14,04 11,21 25,2% 16,90 15,52 8,9% 30,14 29,74 1,4% Síntese 17,84 16,22 10,0% 10,22 8,88 15,1% 12,08 14,71-17,9% 27,24 26,05 4,5% Síntese 13,48 14,59-7,6% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO 16,75 12,06 38,8% 14,15 11,97 18,2% Síntese 15,08 12,01 25,6% 14,49 11,89 21,9% 11,55 10,09 14,4% Síntese 12,60 10,79 16,8% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO 27 56,99 57,63-1,1% 77,31 85,07-9,1% 263,71 237,51 11,0% Síntese 87,79 93,59-6,2% 62,63 58,56 7,0% 74,96 96,81-22,6% 281,08 247,87 13,4% Síntese 93,62 104,39-10,3% PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL 55,69 56,48-1,4% 63,72 75,62-15,7% Síntese 60,57 67,32-10,0% 56,16 54,83 2,4% 74,60 79,52-6,2% Síntese 66,66 67,71-1,6% PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL 24,69 19,05 29,6% 29,78 29,47 1,0% 69,91 61,93 12,9% Síntese 33,57 30,91 8,6% 17,68 14,84 19,1% 20,31 29,38-30,9% 64,86 59,03 9,9% Síntese 25,18 29,26-13,9% VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados 23,96 16,88 41,9% 23,54 18,82 25,1% Síntese 23,69 18,06 31,1% 20,53 16,37 25,4% 20,05 16,47 21,7% Síntese 20,22 16,43 23,1% VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados AMOSTRA FIXA - ESTORIL (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa Quartos Amostra Fixa Camas Amostra Fixa A amostra do Estoril tem como base o Universo de Hotéis Full Service da Zona. A amostra da Costa Azul tem como base o Universo de Hotéis da Zona.Ambas são fixas e compostas exclusivamente por unidades em funcionamento há mais de 3 anos. a dimensão oficial das unidades segundo números publicados pelo DGT; totalidade dos quartos e camas ocupados indicados pelas unidades; receitas de quartos, a preços correntes, sem IVA e sem pequeno almoço; as receitas totais da operação, a preços correntes, sem IVA e sem receitas extraordinárias ou de operações financeiras. AMOSTRA FIXA - COSTA AZUL (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa Quartos Amostra Fixa Camas Amostra Fixa

8 HOTELARIA DE LEIRIA FÁTIMA E OESTE OBSERVATÓRIO PREÇOS A SUBIR, A DESCER Leiria Fátima manteve a ocupação dentro dos mesmos parâmetros que apresentou no mês passado. No entanto, de Janeiro para Fevereiro de 2005, estas tinham crescido significativamente, pelo que as comparações homólogas saem em perda. Nos indicadores económicos aparece um claro esforço de subida de preços, na linha do que já tinha acontecido em Janeiro. No entanto, os indicadores por quarto disponível sofrem com a quebra nas comparações com LEIRIA FÁTIMA Médias Gerais em 24,59% 38,7% -36,5% Síntese 25,67% 31,8% -19,3% Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais SUBIDA DE PREÇOS NÃO TEM COMPENSADO OCUPAÇÕES BAIXAS Podíamos transcrever os comentários do mês passado para este mês e caracterizar dessa forma o comportamento do Oeste em Fevereiro. Com efeito, continuam as perdas relativas de ocupação e os reforços nos preços praticados, que, em conjunto, implicam uma perda nos valores económicos por quarto disponível. Há aqui no entanto uma pequena desaceleração das perdas porque os valores de Fevereiro, sendo negativos, são menos penalizadores do que o que foram em Janeiro. OESTE Médias Gerais em Amostra 24,64% 29,3% -16,0% Amostra 20,23% 29,4% -31,2% Valores Máximos, Médios e Mínimos Mensais 39,48 37,46 5,4% Síntese 40,80 38,38 6,3% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO Amostra 57,16 51,71 10,5% Amostra 55,89 52,75 6,0% PREÇO MÉDIO POR QUARTO VENDIDO 9,71 14,51-33,1% Síntese 10,47 12,21-14,2% PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL Amostra 14,08 15,16-7,1% Amostra 11,31 15,51-27,1% PREÇO MÉDIO POR QUARTO DISPONÍVEL 61,01 54,83 11,3% Síntese 64,68 58,17 11,2% VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL Amostra 132,66 118,33 12,1% Amostra 138,83 114,12 21,6% VENDAS TOTAIS/QUARTO DISPONÍVEL 15,00 21,23-29,3% Síntese 16,61 18,51-10,3% Amostra 32,68 34,69-5,8% Amostra 28,08 33,55-16,3% Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados Nota: média dos dois mais altos, média geral e média dos dois mais baixos resultados AMOSTRA FIXA - LEIRIA FÁTIMA (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa 9 Quartos Amostra Fixa 599 Camas Amostra Fixa 1116 A amostra de Leiria Fátima tem como base o Universo de Hotéis de 3 estrelas da Zona. A amostra do Oeste tem como base o Mix das unidades da Zona e foi constituída com base numa proposta da Região de Turismo. Ambas são fixas e compostas exclusivamente por unidades em funcionamento há mais de 3 anos. a dimensão oficial das unidades segundo números publicados pelo DGT; totalidade dos quartos e camas ocupados indicados pelas unidades; receitas de quartos, a preços correntes, sem IVA e sem pequeno almoço; as receitas totais da operação, a preços correntes, sem IVA e sem receitas extraordinárias ou de operações financeiras. AMOSTRA FIXA - OESTE (Nº OFICIAIS DA DGT PARA O ANO) Total Hotéis Amostra Fixa 13 Quartos Amostra Fixa 980 Camas Amostra Fixa 1951

9 ÍNDICES POR REGIÃO OBJECTIVOS 2006 EM RECUPERAÇÃO Recuperação sistemática, com uma ou outra excepção, parece ser o aspecto geral dos quadros de Índices. Com efeito, exceptuando apenas alguns indicadores em Leiria Fátima e Costa Azul, todos os percursos são em crescendo, mantendo este comportamento já há alguns meses. A continuar a este ritmo, a linha de equivalência - o referencial 1000 obtido em poderá ser atingido pelos Índices que ainda não o fizeram dentro de pouco tempo, dando continuidade à recuperação iniciada em finais de Do mesmo modo os valores dos Objectivos, mesmo mantendo-se abaixo do percurso ideal, mantêm um sentido de crescimento, na sequência do que vêm apresentando nos últimos meses. LISBOA CIDADE VALORES DE Índice Ocupação/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 1014 Índice PMQV/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 968 Índice VTQD/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 970 ESTORIL E SINTRA O Objectivo para era de: 55,87% O valor atingido foi de: 55,49% - -0,68% abaixo do objectivo VALORES DE PREÇO MÉDIO QUARTO VENDIDO - ADR 29 Índice Ocupação/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 957 Índice PMQV/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 1002 Índice VTQD/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 975 COSTA AZUL Objectivo para era de: 82,66. O valor atingido foi de: 72,78, -13,59% abaixo do objectivo. O crescimento mensal necessário para atingir o objectivo era em Dezembro de 2003: 0,31. O crescimento mensal necessário para atingir o objectivo é actualmente de: 1,30. Até Dezembro de 2006 este indicador terá que crescer: 17,9%. VALORES DE VENDAS TOTAIS QUARTO DISPONÍVEL Índice Ocupação/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 891 Índice PMQV/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 993 Índice VTQD/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 895 LEIRIA E FÁTIMA Índice Ocupação/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 942 Índice PMQV/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 1045 Índice VTQD/LX - (1000, Média de 2003) - Valor em : 948 Todos os índices são a média móvel a 12 meses a preços correntes em função dos resultados acumulados do ano Objectivo para era de: 74,06. O valor atingido foi de: 65,14, -13,69% abaixo do objectivo. O crescimento mensal necessário para atingir o objectivo era em Dezembro de 2003: 0,28. O crescimento mensal necessário para atingir o objectivo é actualmente de: 1,17. Até Dezembro de 2006 este indicador terá que crescer: 18,0%. Percurso linear para atingir o objectivo. Valor inicial de Dezembro de 2003 Percurso real, valores mensais com base nos últimos doze meses Percurso linear para atingir o objectivo partindo do valor real actual Cada valor corresponde à média móvel a 12 meses a preços correntes do indicador no mês de referência.

10 PERFIL DO VISITANTE ESTRANGEIRO OBSERVATÓRIO ESTRANGEIROS Todos os anos, o Observatório determina o perfil dos visitantes da Região de Lisboa, a partir de dados obtidos nos inquéritos mensais de motivação, que são realizados numa amostra representativa de unidades hoteleiras. Os resultados de 2005, baseados em entrevistas a hóspedes da hotelaria, foram os que a seguir se apresentam. ALEMANHA FRANÇA - 90,1% viaja acompanhado, normalmente por familiares (60,5%). - Em média é acompanhado por 2,7 pessoas - A estadia média em Portugal é de 5,5 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,6 dias - É do sexo masculino (58,9%) - A sua idade média é de 44,7 anos. - É casado (65,7%) e tem um agregado familiar de 2,7 pessoas. - Possui grau académico (60,2%) - Utiliza a agência de viagens (45,7%), ou é ele próprio a organizar a viagem (30,0%) - Utiliza o avião (82,6%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (72,8%), embora os negócios sejam também importantes (24,3%). O segmento MICE motivou 4,7%. ESPANHA - 87,5% viaja acompanhado, normalmente por familiares (55,9%). - Em média é acompanhado por 2,9 pessoas - A estadia média em Portugal é de 4,6 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,2 dias - É do sexo masculino (60,3%) - A sua idade média é de 41,3 anos. - É casado (59,6%) e tem um agregado familiar de 2,9 pessoas. - Possui grau académico (51,6%) - É ele próprio a organizar a viagem (43,0%), ou utiliza a agência de viagens (28,2%) - Utiliza o automóvel (49,1%) ou o avião (32,0%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (70,7%), embora os negócios sejam também importantes (26,7%). O segmento MICE motivou 5,1%. - 83,8% viaja acompanhado, normalmente por familiares (57,9%). - Em média é acompanhado por 2,0 pessoas - A estadia média em Portugal é de 5,5 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,6 dias - É do sexo masculino (68%) - A sua idade média é de 44,3 anos. - É casado (70,0%) e tem um agregado familiar de 2,6 pessoas. - Possui grau académico (64,2%) - Utiliza a agência de viagens (35,4%), é ele próprio a organizar a viagem (29,7%), ou a empresa (24,5%) - Utiliza o avião (95,5%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (67,3%), embora os negócios sejam também importantes (31,5%). O segmento MICE motivou 2,9%. REINO UNIDO - 90,9% viaja acompanhado, normalmente por familiares (54,1%). - Em média é acompanhado por 3,1 pessoas - A estadia média em Portugal é de 6,0 dias - A estadia média em Lisboa é de 5,0 dias - É do sexo masculino (65,1%) - A sua idade média é de 44,3 anos. - É casado (64,4%) e tem um agregado familiar de 2,6 pessoas. - Possui grau académico (62,2%) - Utiliza a agência de viagens (38,2%), ou é ele próprio a organizar a viagem (30,1%) - Utiliza o avião (95,3%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (71,7%), embora os negócios sejam também importantes (27,0%). O segmento MICE motivou 9,2% e o golfe 12,1%. - 88,2% viaja acompanhado, normalmente por familiares (61,5%). - Em média é acompanhado por 2,5 pessoas - A estadia média em Portugal é de 5,5 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,5 dias - É do sexo masculino (58,3%) - A sua idade média é de 47,9 anos. - É casado (66,8%) e tem um agregado familiar de 2,4 pessoas. - Possui grau académico (50,4%) - Utiliza a agência de viagens (45,8%), ou é ele próprio a organizar a viagem (33,0%) - Utiliza o avião (71,6%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (75,2%), embora os negócios sejam também importantes (23,5%). O segmento MICE motivou 2,8%. ITÁLIA - 90,3% viaja acompanhado, normalmente por familiares (64,3%). - Em média é acompanhado por 2,9 pessoas - A estadia média em Portugal é de 5,3 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,3 dias - É do sexo masculino (56,5%) - A sua idade média é de 44,9 anos. - É casado (70,4%) e tem um agregado familiar de 2,8 pessoas. - Possui grau académico (58,4%) - Utiliza a agência de viagens (56,8%), ou é ele próprio a organizar a viagem (26,3%) - Utiliza o avião (87,8%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (78,4%).

11 REGIÃO DE LISBOA BRASIL - 90,6% viaja acompanhado, normalmente por familiares (76,4%). - Em média é acompanhado por 2,8 pessoas - A estadia média em Portugal é de 6,4 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,5 dias - A sua idade média é de 45,3 anos. - É casado (71,9%) e tem um agregado familiar de 2,9 pessoas. - Possui grau académico (63,4%) - Utiliza a agência de viagens (48,7%), ou é ele próprio a organizar a viagem (37,0%) - Utiliza o avião (94,9%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (76,1%). ESTADOS UNIDOS - 96,4% viaja acompanhado, normalmente por familiares (75,8%). - Em média é acompanhado por 2,6 pessoas - A estadia média em Portugal é de 6,1 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,7 dias - A sua idade média é de 51,6 anos. - É casado (72,2%) e tem um agregado familiar de 2,5 pessoas. - Possui grau académico (65,9%) - Utiliza a agência de viagens (71,1%) - Utiliza o avião (97,6%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (87,8%). BENELUX - 91,2% viaja acompanhado, normalmente por familiares (59,8%). - Em média é acompanhado por 2,3 pessoas - A estadia média em Portugal é de 5,3 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,6 dias - É do sexo masculino (62,2%) - A sua idade média é de 42,3 anos. - É casado (65,7%) e tem um agregado familiar de 2,6 pessoas. - Possui grau académico (66,9%) - Utiliza a agência de viagens (41,4%), ou é ele próprio a organizar a viagem (32,2%) - Utiliza o avião (94,5%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (71,7%), embora os negócios sejam também importantes (27,0%). O segmento MICE motivou 3,6%. ESCANDNÁVIA - 89,9% viaja acompanhado, normalmente por familiares (59,8%). - Em média é acompanhado por 2,2 pessoas - A estadia média em Portugal é de 5,5 dias - A estadia média em Lisboa é de 4,8 dias - É do sexo masculino (54,9%) - A sua idade média é de 44,4 anos. - É casado (59,9%) e tem um agregado familiar de 2,5 pessoas. - Possui grau académico (68,6%) - Utiliza a agência de viagens (45,9%), ou é ele próprio a organizar a viagem (29,7%) - Utiliza o avião (95,8%). - O seu principal motivo de viagem é o Lazer (71,7%), embora os negócios sejam também importantes (25,8%). O segmento MICE motivou 5,9% e o golfe 17,9%. 31 PERFIL POR NACIONALIDADES Viaja Acompanhado EUA 96,4% BNL 91,2% Outr 91,0% GBR 90,9% BRA 90,6% ITA 90,3% Estr. 90,1% ESC 89,9% FRA 88,2% ESP 87,5% ALE 83,8% Média de acompanhantes GBR 3,1 Outr 2,9 ITA 2,9 ESP 2,9 BRA 2,8 Estr 2,7 EUA 2,6 FRA 2,5 BNL 2,3 ESC 2,2 ALE 2,1 % mais de 10 acompanhantes Outr 24,4% GBR 15,1% Estr. 14,3% EUA 14,2% FRA 13,3% ITA 12,6% ESP 12,1% ESC 9,4% BRA 8,8% BNL 6,0% ALE 4,0% % acompanhados por família BRA 76,4% EUA 75,8% ITA 64,3% FRA 61,5% Estr. 60,5% BNL 59,8% ALE 57,9% ESP 55,9% Outr 56,6% GBR 54,1% ESC 51,0% Estadia média em Portugal (dias) BRA 6,35 EUA 6,07 GBR 5,93 Outr 5,73 Estr. 5,52 ESC 5,51 ALE 5,49 FRA 5,48 BNL 5,33 ITA 5,28 ESP 4,64 Estadia média em Lisboa (dias) GBR 5,01 ESC 4,81 EUA 4,69 Outr 4,67 ALE 4,61 Estr. 4,57 BNL 4,57 BRA 4,54 FRA 4,53 ITA 4,25 ESP 4,16 % Sexo Masculino ALE 68,0% GBR 65,1% BNL 62,2% ESP 60,3% Outr 59,1% Estr. 58,9% FRA 58,3% ITA 56,5% ESC 54,9% EUA 51,5% BRA 49,8% Média de idades ESP 41,3 BNL 42,6 Outr 43,8 GBR 44,3 ALE 44,3 ESC 44,4 Estr. 44,7 ITA 44,9 BRA 45,3 FRA 47,9 EUA 51,6 % com mais de 65 anos BNL 4,1% ESP 5,7% ALE 5,9% GBR 7,0% ESC 7,0% ITA 7,6% Outr 7,7% Estr. 9,3% BRA 9,4% FRA 14,6% EUA 25,7% % Casados EUA 72,2% BRA 71,9% ITA 70,4% ALE 70,0% FRA 66,8% Estr. 65,7% BNL 65,7% Outr 64,9% GBR 64,4% ESC 59,9% ESP 59,6% % licenciados ou mais ESC 68,6% BNL 66,9% EUA 65,9% ALE 64,2% BRA 63,4% GBR 62,2% Outr 61,3% Estr. 60,2% ITA 58,4% ESP 51,6% FRA 50,4% Média de elementos agregado familiar ESP 2,9 BRA 2,9 ITA 2,8 Outr 2,7 Estr. 2,7 BNL 2,6 GBR 2,6 ALE 2,6 ESC 2,5 EUA 2,5 FRA 2,4 % utilização de Agência de viagens EUA 71,1% ITA 56,8% Outr 52,2% BRA 48,7% ESC 45,9% FRA 45,8% Estr. 45,7% BNL 41,4% GBR 38,2% ALE 35,4% ESP 28,2% % organização individual da viagem ESP 43,0% BRA 37,0% BNL 32,2% FRA 33,0% GBR 30,1% Estr. 30,0% ESC 29,7% ALE 29,7% ITA 26,3% Outr 22,7% EUA 16,3% % utilização do avião EUA 97,6% Outr 96,3% ESC 95,8% ALE 95,5% GBR 95,3% BRA 94,9% BNL 94,5% ITA 87,8% Estr. 82,6% FRA 71,6% ESP 32,0% % motivação lazer EUA 87,8% ITA 78,4% BRA 76,1% FRA 75,2% Estr. 72,8% ESC 71,7% GBR 71,7% BNL 71,1% ESP 70,7% Outr 67,8% ALE 67,3% % motivação negócios ALE 31,5% Outr 28,7% GBR 27,0% BNL 27,0% ESP 26,7% ESC 25,8% Estr. 24,3% FRA 23,5% ITA 17,5% BRA 16,0% EUA 9,5% % motivação MICE GBR 9,2% Outr 6,6% ESC 5,9% ESP 5,1% Estr. 4,7% BNL 3,6% ALE 2,9% FRA 2,8% BRA 2,1% ITA 1,7% EUA 1,5%

12 INFOGOLFE Ocupação em Fevereiro Volt. Possível Total Sócio Não Sócio ,5% ,9% ,1% ,2% ,3% ,9% Variação -13,8% -22,8% 0,5% -30,4% Resultados em Fevereiro por volta GreenFee Receita total Realizada Não Sócio Realizada ,60 24,51 32, ,16 35,03 34,41 Variação -37,0% -30,0% -4,5% OBSERVATÓRIO Ocupação de Janeiro a Fevereiro Volt. Possível Total Sócio Não Sócio ,3% ,6% ,6% ,1% ,9% ,1% Variação -11,4% -13,2% 4,5% -22,0% QUEBRAS GENERALIZADAS Este mês não teve o mesmo comportamento que se verificou em Janeiro e apresentou quebras generalizadas que poderão ter sido consequência de condições atmosféricas adversas. Com efeito não só a ocupação, como os valores económicos são de perda e em alguns caso de importante valor. Ainda estamos nos primeiros meses do ano e também naqueles em que os efeitos adversos do tempo mais se fazem sentir. É, portanto, possível que nos próximos meses se assista a uma recuperação dos índices desta actividade, mais coincidentes com a boa classificação que a zona tem nos mercados golfistas. VOLTAS POR CAMPO EM FEVEREIRO PERCENTAGEM ABSOLUTA SÓCIO/NSÓCIO R/Sócios R/n Sócios Resultados de Janeiro a Fevereiro por volta GreenFee Receita total Realizada Não Sócio Realizada ,63 29,67 34, ,84 35,54 40,73 Variação -25,0% -16,5% -15,5% NÚMERO DE VOLTAS POR MÊS RECEITA POR VOLTA REALIZADA Realizadas Possíveis NÚMERO DE VOLTAS EM FEVEREIRO POR NACIONALIDADE Nº DE VOLTAS ACUMULADO EM FEVEREIRO % POR NACIONALIDADES COMPOSIÇÃO DA AMOSTRA 9 buracos 18 buracos Total Campos Amostra Fixa ,0% 92,3% 82,4% Campos de Golfe disponíveis na Região de Lisboa (9 e 18 buracos). - capacidade máxima de saídas indicadas pelos campos para o mês; - número de saídas e nacionalidades fornecidos pelos campos; - receitas de Fee, sem IVA; - receitas Totais, sem IVA. LEGENDA: VP/Dia VR/Dia VSR/Dia VnSR/Dia Voltas possíveis, por dia Voltas realizadas, por dia Voltas de sócios realizadas, por dia Voltas de não sócios realizadas, por dia P-Portugal; GB-Grã-Bretanha; IR-Irlanda; E-Espanha; D-Alemanha; F-França; Bx-Benelux; EUA-Estados Unidos; Esc-Escandinávia; Out-Outras Nações. UMA PUBLICAÇÃO DO TURISMO DE LISBOA EDIÇÃO E PRODUÇÃO LPMCom Tel Fax

OBSERVATÓRIO. de LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL

OBSERVATÓRIO. de LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO AEROPORTOS E CRUZEIROS REGIÃO DE LISBOA HOTELARIA DA CIDADE DE LISBOA HOTELARIA DO ESTORIL OBSERVATÓRIO doturismo de LISBOA No mês de Outubro, fruto dos valores obtidos na hotelaria de 3 estrelas de Lisboa e de Leiria Fátima, assistiu-se a um agravamento dos níveis de ocupação na Região, quer

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa DO TURISMO DE LISBOA DADOS Maio RECUPERAÇÃO No mês de Maio, os principais indicadores analisados registam sinais positivos de recuperação em todas as unidades hoteleiras. Destacam-se as unidades de quatro

Leia mais

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos DO TURISMO DE LISBOA DADOS Março PERFORMANCE POSITIVA No primeiro trimestre de, a capital portuguesa continuou a demonstrar uma boa pectivas são igualmente positivas para o futuro vindo a verificar nos

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE AGOSTO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos nesta

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Lisboa, 30 de julho de 2014 ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Grande Lisboa puxou o mês A AHP Associação da Hotelaria de Portugal

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

tal como o número de escalas de navios de cruzeiro, nos primeiros quatro meses do ano. 25 melhores destinos da TripAdvisor e em artigos

tal como o número de escalas de navios de cruzeiro, nos primeiros quatro meses do ano. 25 melhores destinos da TripAdvisor e em artigos DO TURISMO DE LISBOA DADOS abril COMPORTAMENTO POSITIVO Apesar do actual contexto de abrandamento No entanto, destaca-se o facto de o número de económico, visível nos resultados da hotelaria passageiros

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE FEVEREIRO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE FEVEREIRO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE FEVEREIRO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de maio 2015 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS evolução em

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de fevereiro 2015 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS evolução

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de agosto ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS TAX FREE SHOPPING

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA DO TURISMO DE LISBOA DADOS DEZEMBRO SINAIS DE ABRANDAMENTO A performance da hotelaria da Cidade, Grande Lisboa e Região mostrou uma tendência do as iniciativas de animação que, por norma, de austeridade

Leia mais

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO:

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO: ENQUADRAMENTO: O Observatório do Turismo de Lisboa é uma estrutura interna da Associação Turismo de Lisboa, criada em 1999. A ATL é uma associação privada de utilidade pública, que conta actualmente com

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de abril 2015 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS EVOLUÇÃO

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE SETEMBRO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE SETEMBRO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE SETEMBRO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP Venda de voos pelas agências portuguesas acaba 2010 a cair, mas ainda fica acima de 2009 A venda de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas, um mercado que em 2008 ultrapassou os 900

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de janeiro 2015 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de abril ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS TAX FREE SHOPPING

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de setembro 2015 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS tax free

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

INQUÉRITO MOTIVACIONAL CIDADE DE LISBOA

INQUÉRITO MOTIVACIONAL CIDADE DE LISBOA INQUÉRITO MOTIVACIONAL 2014 CIDADE DE LISBOA INTRODUÇÃO Nos últimos anos, o Turismo de Lisboa tem vindo a realizar o Inquérito Motivacional, junto de turistas nacionais e estrangeiros que se tenham hospedado

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO Observatório D O T U R I S M O D E L I S B O A Dados de dezembro 2014 ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA

DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA Elaborado por: Cristina Curto Caria Coordenado por: Teresinha Duarte Seetteembrro..2004

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir 14 de junho de 2013 Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2013- Dados preliminares Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir No 1º trimestre de 2013 foram licenciados 4,3

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE Índice 1. Evolução do número de prestadores habilitados para a prestação do Serviço de Acesso à Internet... 3 2. Número de clientes

Leia mais

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 Data Tema Acontecimento 21/02 Economia 01/03 Preços 01/03 Economia 01/03 Emprego 02/03 Indústria 03/03 Economia INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060221-2/d060221-2.pdf

Leia mais

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA HÓSPEDES HOTELARIA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA (NUTSII) (Fonte: INE, PORTUGAL) HOLANDA Hóspedes hotelaria - AM Lisboa 82.600 78.557 75.546 76.601 75.636 74.305

Leia mais

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu

Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu Portugal e Espanha: Comparações no contexto europeu A Península Ibérica em Números 2010 Os Institutos Nacionais de Estatística de Espanha e de Portugal publicam a 7ª edição de A Península Ibérica em Números/La

Leia mais

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Setor do Turismo I. Estrutura e dinâmica do setor II. III.

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO

ESTATÍSTICAS DO TURISMO ESTATÍSTICAS DO TURISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Resultados Provisórios Julho de 2014 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado do Turismo MEIOS DE HOSPEDAGEM DO PARANÁ 2000 2007 HOTELARIA O segmento hoteleiro provoca no turismo um efeito multiplicador na geração de empregos (diretos e indiretos)

Leia mais

Principais Resultados Preliminares: Temos 110 038 alojamentos

Principais Resultados Preliminares: Temos 110 038 alojamentos 3 de Junho de 211 CENSOS 211 Resultados Preliminares Principais Resultados Preliminares: Somos 246 12 residentes e 82 73 famílias Temos 11 38 alojamentos e 98 85 edifícios Os resultados preliminares dos

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 214 vai movimentar o Turismo Brasileiro 9 dias O estudo As empresas Principais conclusões a 9 dias da Copa 1 principais emissores 1 Desempenho das cidades-sede Chegadas internacionais

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise Movimento de Turistas - Ano de 2009 Breve análise Base de dados Não nos sendo possível saber a taxa de ocupação das unidades hoteleiras do concelho, foi elaborada esta breve análise, unicamente, com base

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ACTIVIDADES DOS TURISTAS E INFORMAÇÃO REGIÃO DE LISBOA

INQUÉRITO ÀS ACTIVIDADES DOS TURISTAS E INFORMAÇÃO REGIÃO DE LISBOA INQUÉRITO ÀS ACTIVIDADES DOS TURISTAS E INFORMAÇÃO REGIÃO DE LISBOA 2011 ÍNDICE: 1. Introdução Pág 3 2. Resumo dos principais resultados Pág 4 3. Características da amostra Pág 6 a. Género Pág 6 b. Idade

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010]

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010] A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] Ficha Técnica TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] EDIÇÃO INAC Instituto

Leia mais

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA SGPS SA Sociedade Aberta Capital Social Eur 84.000.000 Rua Ribeiro Sanches, 65 Número Fiscal 502 437 464 Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Lisboa,

Leia mais

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro

Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro Como a Copa do Mundo 2014 vai movimentar o Turismo Brasileiro O estudo Destaques Os 10 principais emissores 10 Chegadas internacionais Viagens domésticas Cidades sedes Viagens dos brasileiros ao exterior

Leia mais

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 30 de abril de 2015 Viagens turísticas dos residentes com ligeiro aumento No 4º trimestre de 2014 os residentes em Portugal realizaram cerca de 4,0

Leia mais

Estágios Desportivos - Participantes

Estágios Desportivos - Participantes Estágios Desportivos - Participantes 1 Com o apoio de: Índice 2 1 Análise Síntese 4 2 Resultados 6 3 Metodologia 19 Contextualização do Projecto 3 O grupo Controlinveste pretendeu realizar um inquérito

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

3-5 TURISMO. Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria. Anuário Estatístico do Município de Belém-2012 3-5 TURISMO 1 3-5 TURISMO Os dados sistematizados nesta seção referemse fundamentalmente à entrada e procedência de estrangeiros e aos índices de hotelaria.

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO bservatório D T U R I S M D E L I S B A Dados de fevereiro ANÁLISES DESTA EDIÇÃ EVLUÇÃ DS MERCADS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFGLFE E CRUZEIRS TAX FREE SHPPING EVLUÇÃ EM

Leia mais

Estatísticas de Licenciamento Municipal em Lisboa 2010:2ºTrimestre

Estatísticas de Licenciamento Municipal em Lisboa 2010:2ºTrimestre Estatísticas de Licenciamento Municipal em Lisboa 2010:2ºTrimestre Relatório produzido em Setembro de 2010 Principais destaques: No 1º semestre de 2010 foram emitidas 9 licenças para construção de novos

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 8 Agosto 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

97% dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel

97% dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel 97% dos indivíduos com idade entre os 10 e os 15 anos utilizam computador, 93% acedem à Internet e 85% utilizam telemóvel De acordo com o Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da pelas

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO

ANÁLISES DESTA EDIÇÃO bservatório D T U R I S M D E L I S B A Dados de agosto ANÁLISES DESTA EDIÇÃ EVLUÇÃ DS MERCADS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFGLFE E CRUZEIRS TAX FREE SHPPING EVLUÇÃ EM ÍNDICE

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Indíce. Gráfico XII: Comparação da situação das sub-acções com o período homólogo de 2008

Indíce. Gráfico XII: Comparação da situação das sub-acções com o período homólogo de 2008 Indíce 1. Característica básica...1 Gráfico I: Distribuição em sexo Gráfico II: Distribuição em cidadãos e turistas Gráfico III: Distribuição em idade Gráfico IV: Distribuição dos turistas 2. Resultado

Leia mais