O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006"

Transcrição

1 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

2 Índice 1. - Introdução 2. Oferta 3. Procura Taxas de Ocupação-Cama Estimativa de Dormidas 3.3. Proveitos Médios 4. - Conclusões 5. - Conceitos 6. - Anexos 2

3 1. Introdução Neste relatório apresenta-se uma síntese dos principais resultados do inquérito realizado, em 2006, às unidades do Turismo no Espaço Rural (TER). Com o objectivo de melhorar a informação relativa a este segmento de mercado, em 2006, efectuaram -se algumas alterações metodológicas: Procedeu-se a uma actualização do ficheiro de inquirição que permitiu retirar do mesmo as unidades que encerraram. Passou a integrar-se a modalidade Hotel Rural conforme previsto no artº 4º do Decreto-Lei nº 169/97 onde se refere a inclusão destes empreendimentos turísticos no âmbito do Turismo no Espaço Rural. Assim sendo, alerta-se para que as comparações com os anos anteriores seja efectuada com alguma cautela tendo em conta que os valores correspondentes ao total do TER, em anos anteriores, não incluíam os hotéis rurais. 3

4 2. Oferta As unidades inscritas no Turismo no Espaço Rural que servem de base a esta análise distribuemse por seis modalidades: Turismo de Habitação, Turismo Rural, Agroturismo, Casas de Campo, Turismo de Aldeia e Hotéis Rurais. % de Estabelecimentos por Modalidade Casas de Campo 22,6% Turismo de Aldeia 0,7% Hotel Rural 1,8% Turismo de Habitação 22,9% Agro- Turismo 13,6% Turismo Rural 38,3% No final de 2006 existiam 1012 estabelecimentos, que ofereciam uma capacidade global de 5537 quartos e camas. As modalidades de Turismo Rural e Turismo de Habitação em conjunto representam mais de 50% da oferta total do número de estabelecimentos. 4

5 % DE ESTABELECIMENTOS POR NUTS II R.A. Madeira 4,8% R.A. Açores 7,3% Algarve 3,0% Alentejo 16,1% Norte 44,5 Lisboa 2,6% Centro 21,7% A análise por regiões NUTS II revela que, o Norte é a região com maior capacidade de alojamento (4809 camas, a que correspondem 2490 quartos distribuídos por 450 unidades de alojamento), seguida da Região Centro, com 2354 camas, a que correspondem a 1191 quartos distribuídas por 220 unidades de alojamento. A distribuição regional da oferta de unidades TER mostra a sua incidência nas regiões com menor peso na oferta turística, o que poderá traduzir-se em pólos potenciadores da diversificação da nossa procura turística. 5

6 3. Procura 3.1 Taxas de Ocupação-Cama Em 2006, a taxa média de ocupação-cama no país foi de 14,3%, superior à registada no ano anterior em 0,7 p.p.. Comparativamente a 2005, apenas se registaram decréscimos nas regiões do Cento e Madeira. Uma análise à variação das taxas de ocupação-cama por modalidades, entre 2006 e 2005, mostra que apenas se registou um ligeiro decréscimo, de 0,4 p. p., no Turismo de Habitação. (%) TAXAS DE OCUPAÇÃO-CAMA 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Em termos mensais e à semelhança do ano anterior, também em 2006 foram os meses de Agosto e de Julho que apresentaram as maiores taxas de ocupação com, respectivamente, 30,6% e 20,8%. A Região Autónoma da Madeira e as regiões do Algarve e de Lisboa, apesar de representarem pouco mais de 10% em termos de oferta, registaram, em 2006, as maiores taxas de ocupação, 26,5%, 29,8% e 42,5%, respectivamente. 6

7 O gráfico seguinte apresenta a evolução das taxas médias anuais de ocupação-cama registadas ao longo dos anos. (%) 20,0 TAXAS DE OCUPAÇÃO 15,0 10,0 5,0 0, Entre 1999 e 2004, verificou-se uma tendência negativa na evolução das taxas médias anuais de ocupação-cama, que apresentou um agravamento a partir de No entanto, em 2005 e 2006 registou-se uma inflexão dessa tendência. 3.2 Estimativa de Dormidas Em 2006, a estimativa das dormidas para o total do País atingiu os 499,3 milhares, dos quais 52,2% corresponderam a dormidas de nacionais. ESTIMATIVAS DE DORMIDAS Total do País Var.% % do Total (2006/05) Dormidas de Nacionais ,0 52,2 53,3 Dormidas de Estrangeiros ,0 47,8 46,7 Total Geral ,3 100,0 100,0 7

8 Entre 2005 e 2006, registou-se um aumento de 10,3% no total de dormidas, determinado apenas pela subida das dormidas de estrangeiros (+13,0%), porquanto as dormidas de nacionais subiram apenas 8,0%. A análise por regiões NUTS II, revela que apenas a Região Centro apresentou uma variação homóloga negativa das dormidas, de 12,7%. (%) ESTIMATIVA DE DORMIDAS Nacionais e Estrangeiros Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Nacionais Estrangeiros Observando o comportamento da procura ao longo do ano, verifica-se que é na época de Verão que o mercado externo apresenta valores superiores aos registados pelas dormidas de nacionais. Os principais mercados emissores de dormidas foram a Alemanha e o Reino Unido que totalizaram cerca de 20% das dormidas de estrangeiros. Em termos regionais, estes dois mercados apresentaram preferências distintas, enquanto os turistas oriundos da Alemanha preferiram o Alentejo, os do Reino Unido procuraram mais a região do Norte. Uma análise aos dois principais mercados emissores revela que enquanto os turistas da Alemanha preferiram as Casas de Campo, a maior parte dos do Reino Unido procuraram o Turismo Rural. 8

9 ESTIMATIVA DE DORMIDAS Por Países de Residência Holanda 5% Reino Unido 6% França 4% Outros 7% EUA 3% Espanha 6% Portugal 52% Bélgica 3% Alemanha 14% Em 2006, o Turismo Rural foi a modalidade com o maior número de dormidas, tendo ainda sido a preferida tanto pelos estrangeiros como pelos nacionais. Graficamente, a evolução observada nas dormidas, tendo em conta as diferentes modalidades do TER, distribuiu-se da seguinte forma: Turismo de Habitação ESTIMATIVA DE DORMIDAS Por modalidades Turismo Rural Agroturismo Casas de Campo Turismo de Aldeia

10 3.3 Proveitos Médios Os proveitos médios por dormida mais elevados ocorreram nos Hotéis Rurais mantendo se sempre em posição de liderança ao longo de todo ano, em especial no mês de Agosto onde atingiu o seu valor máximo de 48,26, seguido de Agro-Turismo que atingiu o valor de 36,81. O Turismo de Habitação em Julho atingiu o valor de 32,31, seguido das Casas de Campo que em Outubro atingiu o seu máximo valor de 37,06. 60,00 Proveitos Médios por Dormida 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Turismo de Habitação Turismo Rural Agro-Turismo Casas de Campo Turismo de Aldeia Hotel Rural Fonte: ITP 10

11 4. Conclusões Em 2006, a modalidade de hospedagem que apresentou maior número de estabelecimentos foi o Turismo Rural (38,3%), seguindo-se o Turismo de Habitação (22,9%). A taxa média de ocupação-cama do total do País, registou o valor de 14,3% que correspondeu a um acréscimo homólogo de 0,7 pontos percentuais. Para o total de dormidas em unidades de TER, os valores estimados apontam para um acréscimo, no confronto com 2005, de 10,3%. As dormidas de nacionais em 2006, registaram um aumento homólogo de 8,0%, enquanto as dormidas de estrangeiros um aumento de 13,0%. Relativamente às dormidas de estrangeiros os principais mercados emissores foram a Alemanha e o Reino Unido que totalizaram cerca de 20% das dormidas de estrangeiros. Em 2006, os proveitos médios por dormida mais elevados foram registados nos Hotéis Rurais (40,33 ) e a modalidade Turismo Rural apresentou o valor mais baixo (26,13 ). 11

12 6. Conceitos O Turismo no Espaço Rural - Conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação em empreendimentos de natureza familiar, realizados e prestados a turistas, mediante remuneração, no espaço rural. Os empreendimentos de turismo no espaço rural podem ser classificados numa das seguintes modalidades de hospedagem: turismo de habitação, turismo rural, agro turismo, turismo de aldeia, casas de campo e hotéis rurais. O Turismo de Habitação - Serviço de hospedagem de natureza familiar prestado em casas antigas particulares que pelo seu valor arquitectónico, histórico ou artístico sejam representativas de uma determinada época nomeadamente os solares e casas apalaçadas. O Turismo Rural - Serviço de hospedagem de natureza familiar prestado em casas rústicas particulares que pela sua traça, materiais construtivos e demais características se integram na arquitectura típica regional. O Agroturismo - Serviço de hospedagem de natureza familiar prestado em casas particulares integradas em explorações que permitam aos hóspedes o acompanhamento e conhecimento da actividade agrícola ou a participação nos trabalhos aí desenvolvidos, de acordo com as regras estabelecidas pelo responsável. Casa de Campo - Casa particular situada em zonas rurais que presta um serviço de hospedagem, quer seja ou não utilizada como habitação própria dos seus proprietários, legítimos possuidores ou detentores que, pela sua traça, materiais construtivos e demais características, se integra na arquitectura e ambiente rústico próprios da zona e local onde se situa. O Turismo de Aldeia - Serviço de hospedagem prestado num conjunto de, no mínimo, cinco casas particulares que pela sua traça, materiais de construção e demais características integram-se na arquitectura típica local, situadas numa aldeia e exploradas de forma integrada, quer sejam ou não utilizadas como habitação própria dos seus proprietários, legítimos possuidores ou detentores. 12

13 Hotel Rural - Estabelecimento hoteleiro situado em zona rural, e fora da sede de concelho cuja população, de acordo com o último censo realizado, seja superior a habitantes, destinados a proporcionar, mediante remuneração, serviços de alojamento e outros serviços acessórios ou de apoio, com fornecimento de refeições. Deve ocupar a totalidade de um ou mais edifícios que, pela sua traça arquitectónica, materiais de construção, equipamento e mobiliário, respeitem as características dominantes da região em que se situe. Não pode possuir menos de 10 quartos ou suites nem mais de 30. Taxa de ocupação-cama - indicador que permite avaliar a capacidade de alojamento média utilizada durante o período de referência. Corresponde à relação entre o número de dormidas e o número de camas existentes no período de referência, considerando como duas as camas de casal. Dormida - permanência num estabelecimento que fornece alojamento considerada em relação a cada indivíduo, e por um período compreendido entre as 12 horas de um dia e as 12 horas do dia seguinte. Proveitos Totais (nos Estabelecimentos Hoteleiros) - Compreende todos os proveitos resultantes da actividade do estabelecimento hoteleiro. Inclui os proveitos de aposento, os proveitos de restauração e outros proveitos decorrentes da própria actividade (ex.: aluguer de salas, lavandaria, tabacaria, telefone, etc..). 13

14 7. Anexos 14

15 Q. 1 U N ID A D E S D O T U R IS M O N O E S P A Ç O R U R A L ( O f e r t a ) T u r i s m o d e H a b ita ç ã o T u r is m o R u r a l A g r o t u r is m o C a s a s d e C a m p o T u r i s m o d e A ld e ia H o t e l R u r a l ( % ) ( ) T o t a l E s ta b e le - c im e n to s Q u a r to s C a m a s E s ta b e le - c im e n to s Q u a r to s C a m a s E s t a b e le - c im e n to s Q u a r to s C a m a s E s ta b e le - c im e n t o s Q u a r to s C a m a s E s ta b e le - c im e n to s Q u a r to s C a m a s E s ta b e le - c im e n to s Q u a r to s C a m a s E s ta b e le - c im e n to s Q u a r to s C a m a s N o r te C e n tro L is b o a A le n t e jo A lg a r v e R.A. M a d e ir a R.A. A ç o r e s T o t a l G e r a l F o n te :IT P Turismo de Habitação Turismo Rural Agroturismo Casas de Campo Turismo de Aldeia Hotel Rural Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos (%) ( ) Total Norte 48,7 47,6 47,8 51,8 52,4 51,1 37,0 35,3 35,3 31,9 31,5 31,4 42,9 27,2 8,1 50,0 55,8 52,6 44,5 45,0 44,3 Centro 24,6 26,1 26,0 22,7 22,3 22,8 21,0 23,4 23,3 19,2 14,2 14,0 14,3 41,6 12,3 5,6 4,7 4,8 21,7 21,5 21,7 Lisboa 5,6 5,6 5,5 3,1 2,9 2,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 5,6 2,9 3,0 2,6 2,6 2,6 Alentejo 9,9 10,5 10,5 12,4 12,6 13,0 36,2 35,4 35,4 1,9 9,3 19,2 28,6 20,0 2,8 33,3 32,6 35,4 16,1 18,2 18,5 Algarve 1,7 1,7 1,7 4,4 4,2 4,4 2,2 2,9 2,9 2,6 3,7 3,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 3,0 3,0 3,0 R.A. Madeira 4,7 4,0 4,0 2,1 1,7 1,7 1,4 0,3 0,3 11,8 17,2 17,7 0,0 0,0 0,0 5,6 4,1 4,2 4,8 4,5 4,6 R.A. Açores 4,7 4,5 4,4 3,6 3,9 4,0 2,2 2,7 2,7 19,7 14,2 14,2 14,3 11,2 3,3 0,0 0,0 0,0 7,3 5,3 5,4 Total Geral 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte:TP Turismo de Habitação Turismo Rural Agroturismo Casas de Campo Turismo de Aldeia Hotel Rural (%) ( ) Total Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Estabelecimentos Norte 25,1 25,7 26,6 44,7 42,0 40,9 11,3 12,5 12,8 16,2 10,7 11,0 0,7 1,4 1,4 2,0 7,7 7,3 100,0 100,0 100,0 Centro 25,9 29,5 29,6 40,0 37,4 37,3 13,2 17,3 17,3 20,0 10,1 10,0 0,5 4,4 4,4 0,5 1,3 1,4 100,0 100,0 100,0 Lisboa 50,0 52,8 52,7 46,2 40,1 40,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 3,8 7,0 7,1 100,0 100,0 100,0 Alentejo 14,1 14,1 14,0 29,4 25,1 24,9 30,7 31,0 30,8 20,9 16,1 16,0 1,2 2,5 2,4 3,7 11,1 11,7 100,0 100,0 100,0 Algarve 13,3 14,0 13,9 56,7 51,2 52,0 10,0 15,9 15,8 20,0 18,9 18,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 100,0 100,0 100,0 R.A. Madeira 22,4 21,7 21,4 16,3 13,3 13,1 4,1 1,2 1,2 55,1 58,2 58,7 0,0 0,0 0,0 2,0 5,6 5,6 100,0 100,0 100,0 R.A. Açores 14,9 20,3 20,0 18,9 26,4 26,3 4,1 8,1 8,2 60,8 40,5 40,7 1,4 4,7 4,8 0,0 0,0 0,0 100,0 100,0 100,0 Total Geral 22,9 24,3 24,6 38,3 36,0 35,4 13,6 15,9 16,1 22,6 15,2 15,4 0,7 2,3 2,3 1,8 6,2 6,1 100,0 100,0 100,0 Fonte:TP

16 Q.2 TAXAS DE OCUPAÇÃO MENSAIS POR NUTS JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ANO (%) Norte ,0 4,5 3,2 8,5 6,4 8,7 13,5 25,5 12,1 7,3 4,7 9,7 8, ,0 4,5 4,4 5,6 5,8 8,8 14,0 27,8 11,4 6,2 1,9 7,0 8,5 Centro ,4 8,2 5,3 12,1 8,0 10,0 14,6 23,5 11,7 8,6 5,8 10,7 10, ,0 7,1 12,8 10,0 8,7 12,4 16,0 27,8 9,2 6,2 4,8 11,3 10,9 Lisboa ,2 27,3 44,6 52,7 45,8 42,1 47,3 61,2 47,1 42,3 22,3 39,4 42, ,1 10,8 17,6 43,2 24,9 20,4 38,6 41,1 25,8 10,3 10,7 7,8 22,1 Alentejo ,9 13,5 19,0 25,7 27,9 26,2 31,9 35,9 15,8 12,9 9,4 23,3 20, ,0 5,8 14,2 10,4 21,9 22,0 23,3 29,8 10,8 20,6 9,6 6,2 15,3 Algarve ,0 13,4 12,0 42,2 34,4 40,0 48,2 51,4 37,9 21,6 19,4 23,9 29, ,0 5,7 12,4 19,2 27,6 29,4 31,4 59,3 33,3 18,6 18,0 17,4 22,6 R. A. Açores ,6 2,6 4,4 8,5 13,8 22,8 35,8 56,4 24,9 12,9 4,2 3,2 15, ,0 4,1 7,0 10,6 10,9 13,5 27,7 44,2 28,0 13,7 15,1 7,7 15,4 R. A. Madeira ,7 25,9 35,2 45,7 35,5 26,3 26,1 31,9 16,8 17,1 12,9 26,8 26, ,7 23,0 35,9 27,5 28,6 29,6 39,3 43,6 34,0 30,7 22,0 19,1 29,2 Total ,5 9,0 10,0 17,0 14,8 15,9 20,8 30,6 15,6 11,1 7,4 14,0 14, ,3 7,4 11,8 11,7 13,0 15,1 20,7 32,2 15,8 12,9 7,6 9,4 13,6 Q.3 TAXAS DE OCUPAÇÃO MENSAIS POR MODALIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ANO (%) Turismo de Habitação ,5 4,3 7,0 10,6 10,6 10,3 16,6 26,2 16,4 9,1 4,3 7,4 10, ,0 4,6 8,3 10,1 12,5 10,3 17,1 26,8 15,3 9,7 6,0 9,0 10,7 Turismo Rural ,8 7,4 5,6 12,4 10,5 13,1 18,5 29,5 13,9 8,9 5,0 10,5 11, ,7 7,4 9,0 8,7 10,9 12,4 15,3 31,0 13,1 7,8 5,5 9,4 11,4 Agroturismo ,5 6,1 6,2 13,3 8,8 13,4 18,7 24,8 11,7 7,4 5,4 13,5 10, ,2 8,3 9,8 14,2 13,0 16,1 24,6 28,4 17,9 14,3 8,4 6,8 14,1 Casas de Campo ,2 12,5 16,2 26,9 24,4 20,6 23,5 34,5 15,3 12,8 8,2 16,3 18, ,6 10,8 25,3 18,0 21,9 26,7 32,1 41,7 19,1 26,2 17,0 10,8 21,7 Turismo de Aldeia ,2 6,5 3,8 8,6 6,2 12,8 14,6 22,6 10,2 7,5 4,9 10,6 9, ,1 5,1 26,0 28,6 4,6 16,1 39,5 85,5 40,5 20,0 7,4 28,9 18,3 Hotel Rural ,0 21,0 26,0 32,1 30,0 29,1 35,6 44,8 26,4 24,3 30,3 34,2 28, ,2 31,1 21,6 31,1 33,1 38,9 44,7 54,3 43,8 43,4 36,4 37,3 38,8 Total ,5 9,0 10,0 17,0 14,8 15,9 20,8 30,6 15,6 11,1 7,4 14,0 14, ,3 7,4 11,8 11,7 13,0 15,1 20,7 32,2 15,8 12,9 7,6 9,4 13,6 16

17 Q.4 TAXAS DE OCUPAÇÃO-CAMA POR ANOS E MODALIDADES (%) Turismo de Habitação 18,6 18,4 14,8 12,8 11,0 10,7 10,3 Turismo Rural 17,9 16,6 14,8 12,2 10,4 11,4 11,6 Agroturismo 16,5 20,3 17,4 13,2 12,9 14,1 10,9 Casas de Campo 19,0 20,6 30,1 27,1 18,5 21,7 18,3 Turismo de Aldeia 15,5 11,9 18,3 9,2 Hotel Rural 28,3 Total 17,9 18,2 17,5 14,7 12,2 13,6 14,3 Q.5 ESTIMATIVA DE DORMIDAS POR NUTS II E MESES, SEGUNDO O MERCADO DE ORIGEM 2006 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ANO Nacionais Norte Estrangeiros Total Nacionais Centro Estrangeiros Total Nacionais Lisboa Estrangeiros Total Nacionais Alentejo Estrangeiros Total Nacionais Algarve Estrangeiros Total Nacionais R. A. Açores Estrangeiros Total Nacionais R. A. Madeira Estrangeiros Total Nacionais Total Geral Estrangeiros Total

18 Q.6 ESTIMATIVA DE DORMIDAS POR NUTS II E MESES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ANO Norte Var. % 13,1 12,5-15,5 74,2 35,9-0,6-2,4-2,0 21,4 17,8 145,5 30,5 12, Centro Var. % -21,8 12,7-58,4 24,8-20,5-19,8-8,6-21,9 2,1 8,2-18,5 4,6-12, Lisboa Var. % 95,1 206,8 49,4 18,6 19,7 85,6-13,0 16,7 10,5 121,9 17,4 183,4 34, Alentejo Var. % 102,5 96,9 63,1 132,8 27,0 36,6 6,4 5,8 11,4-42,8-28,9 113,8 24, Algarve Var. % -70,5 107,8-8,5 99,0 10,5 14,8 6,7-19,5-18,5-0,9 14,6-3,6 3, R. A. Açores Var. % -25,0-13,6-7,3 23,0 85,7 218,0 30,0 24,8 29,5 20,2-50,4-39,4 29, R. A. Madeira Var. % 27,3 39,1 17,7 107,0 68,4 13,8-18,2-18,6-40,9-33,1-43,5 66,0 7, Total Geral Var. % 12,1 39,2-2,9 69,5 22,6 18,7-0,7-4,5 7,0-6,7-5,6 37,2 10,3 Q.7 ESTIMATIVA DE DORMIDAS POR PAÍS DE RESIDÊNCIA E POR NUTSII 2006 Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira Total Portugal Alemanha Bélgica Brasil Espanha EUA França Holanda Reino Unido Outros Total de Estrangeiros Total Geral

19 Q.8 ESTIMATIVA DE DORMIDAS POR PAÍS DE RESIDÊNCIA E POR MODALIDADES 2006 Turismo de Habitação Turismo Rural Agroturismo Casas de Campo Turismo de Aldeia Hotel Rural Total Geral Portugal Alemanha Bélgica Brasil Espanha EUA França Holanda Reino Unido Outros Total de Estrangeiros Total Geral

20 Q. 9 ESTIMATIVAS DE DORMIDAS POR MODALIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ANO 2006 TH Norte TR AT CC TA HR TH Centro TR AT CC TA HR TH Lisboa TR HR TH Alentejo TR AT CC TA HR TH Algarve TR AT CC TH R. A. AçoresTR AT CC TA TH R. A. Madeira TR AT CC HR TH Total Geral TR AT CC TA HR (TH-Turismo de Habitação; TR-Turismo Rural; AT-AgroTurismo; CC-Casas de Campo; TA.- Turismo de Aldeia; HR - Hotel Rural) 20

21 Q.10 Proveitos Médios por Dormida 2006 Euros JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ ANO Turismo de Habitação 29,75 28,17 32,16 23,79 34,19 35,13 32,31 27,59 33,58 30,96 31,65 26,74 30,50 Turismo Rural 27,30 20,84 17,66 21,13 25,93 27,52 24,97 29,88 33,63 26,46 29,94 28,34 26,13 Agro-Turismo 24,25 25,77 27,14 20,46 25,21 27,27 27,01 36,81 33,79 32,74 30,37 23,58 27,87 Casas de Campo 29,19 24,29 19,51 18,22 19,96 19,02 21,92 21,80 33,35 37,06 27,99 25,41 24,81 Turismo de Aldeia 22,56 20,85 17,03 24,24 22,97 21,15 23,38 26,93 23,98 21,37 22,01 22,03 22,38 Hotel Rural 34,28 34,96 32,76 45,26 35,06 40,41 44,32 48,26 42,86 42,57 41,03 42,14 40,33 21

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 2 - setembro 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 1.1. Número total de hóspedes 1.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 1.3. Hóspedes por país de origem

Leia mais

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL

2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL 2. A OFERTA E A PROCURA TURÍSTICA NO NORTE DE PORTUGAL A análise realizada tem como base principal as estatísticas oficiais e alguns dados quantitativos de elaboração própria. Focamos a atenção nas mudanças

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global

boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística 2. Capacidade de alojamento na hotelaria global boletim trimestral - edição especial - n.º 0 - abril 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no Aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Movimento mensal

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Barómetro Turismo Alentejo

Barómetro Turismo Alentejo Barómetro Turismo Alentejo Janeiro 2012 METODOLOGIA TOP DORMIDAS JANEIRO 2012 Inicia-se este ano de 2012 com alterações na metodologia do Barómetro, incluindo a sistemática comparação dos dados de 2012

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013

Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Estatísticas do Turismo 2013 24 de junho de 2014 Não residentes foram cruciais para o crescimento da atividade turística em 2013 Em 2013, de acordo com os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo,

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA

4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA 4. CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA NOÇÃO E FORMAS DE PROCURA A procura turística é tida como uma importante componente do sistema turístico, que pode ser traduzida como o conjunto de bens e serviços

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global

indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global boletim trimestral - n.º 4 - março 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Capacidade de alojamento na Hotelaria Global 2. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de

Leia mais

2013 4º Trimestre. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo

2013 4º Trimestre. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo Sumário Executivo Na presente informação, divulgam-se os preços médios de Aposento (b&b), Meia Pensão (h&b) e Pensão Completa (f&b) praticados ao balcão, no 4.º Trimestre de 2013, pelos hotéis e pousadas,

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013. Presidente António dos Reis Duarte. Editor Instituto Nacional de Estatística

Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013. Presidente António dos Reis Duarte. Editor Instituto Nacional de Estatística Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Cidade de Lisboa, nº 18, Cx. Postal 116, Praia Tel.: +238

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA

DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA DIRECÇÃO GERAL DO TURISMO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE ESTUDOS E ESTRATÉGIA TURÍSTICOS DIVISÃO DE RECOLHA E ANÁLISE ESTATÍSTICA Elaborado por: Cristina Curto Caria Coordenado por: Teresinha Duarte Seetteembrro..2004

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012

Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 Lisboa, 4 de fevereiro de 2013 Associação da Hotelaria de Portugal divulga indicadores de novembro de 2012 TAXA DE OCUPAÇÃO QUARTO SOBE 10,64%, NO PORTO, e 5,75% EM LISBOA COM BOM DESEMPENHO DE TODAS AS

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS

RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2005 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS

ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Lisboa, 30 de julho de 2014 ASSOCIAÇÃO DA HOTELARIA DE PORTUGAL: INDICADORES DE MAIO MARCADOS POR EVENTOS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Grande Lisboa puxou o mês A AHP Associação da Hotelaria de Portugal

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA RECUPERAÇÃO. desta edição. Dados da Hotelaria Cidade de Lisboa Grande Lisboa Região de Lisboa DO TURISMO DE LISBOA DADOS Maio RECUPERAÇÃO No mês de Maio, os principais indicadores analisados registam sinais positivos de recuperação em todas as unidades hoteleiras. Destacam-se as unidades de quatro

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos

vindo a verificar nos últimos tempos. As pers- próximo, estando prevista, a título de exemplo, náuticos internacionais que se realizam nos DO TURISMO DE LISBOA DADOS Março PERFORMANCE POSITIVA No primeiro trimestre de, a capital portuguesa continuou a demonstrar uma boa pectivas são igualmente positivas para o futuro vindo a verificar nos

Leia mais

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014 verão 2014 Índice Sumário Executivo Perspetivas de evolução da procura para o verão 2014 NUTS II NUTS II por Mercados Perspetivas de evolução da procura para o inverno 2014/15 NUTS II 2 Sumário Executivo

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Animação turística/turismo de Natureza no Algarve

Animação turística/turismo de Natureza no Algarve Animação turística/turismo de Natureza no Algarve António Almeida Pires Faro, 20 de Dezembro de 2010 Dormidas no Algarve em 2009 2.500.000 2.307.254 N.º de dormidas 2.000.000 1.500.000 1.000.000 500.000

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014

Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 Procura Turística dos Residentes 4º Trimestre de 2014 30 de abril de 2015 Viagens turísticas dos residentes com ligeiro aumento No 4º trimestre de 2014 os residentes em Portugal realizaram cerca de 4,0

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios)

CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) 08 de novembro de 2011 Censos 2011 21 de março de 2011 CENSOS 2011: Parque habitacional (Resultados pré-provisórios) Dada a importância que o tema reveste, no quadro da preparação dos resultados provisórios

Leia mais

TURISMO NA REGIÃO DO NORTE DE PORTUGAL

TURISMO NA REGIÃO DO NORTE DE PORTUGAL TURISMO NA REGIÃO DO NORTE DE PORTUGAL EDIÇÃO 009 Ficha Técnica Título Turismo na Região do Norte de Portugal Edição Observatório das Dinâmicas Regionais do Norte (Centro de Avaliação de Políticas e Estudos

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Funchal, 1999 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 4 2.1. DEFINIÇÃO DO UNIVERSO

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem

Edifícios Licenciados e Concluídos Diminuem Construção: Obras licenciadas e concluídas 1 13 de Setembro de 2007 e Concluídos Diminuem No 2º trimestre de 2007, foram licenciados mais de 11 mil edifícios e concluídos mais de 6,5 mil edifícios. Estes

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Superintendencia de Investimentos em Pólos Turisticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Pesquisa SETUR Maio, 2014 1 DESEMPENHO DA HOTELARIA

Leia mais

ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS - MOVIMENTAÇAO DE HÓSPEDES

ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS - MOVIMENTAÇAO DE HÓSPEDES ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS - MOVIMENTAÇAO DE HÓSPEDES EM 2009, AS ENTRADAS DE TURISTAS NOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS DIMINUIRAM 0,9% FACE AO ANO ANTERIOR. NO ENTANTO, NESSE MESMO PERIODO AS DORMIDAS

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

Estatísticas Vitais 2014

Estatísticas Vitais 2014 Estatísticas Vitais 214 3 de abril de 215 Manteve-se o saldo natural negativo e a diminuição do número de casamentos Em 214 registaram-se 82 367 nascimentos com vida de crianças cujas mães eram residentes

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise

Movimento de Turistas - Ano de 2009. Breve análise Movimento de Turistas - Ano de 2009 Breve análise Base de dados Não nos sendo possível saber a taxa de ocupação das unidades hoteleiras do concelho, foi elaborada esta breve análise, unicamente, com base

Leia mais

turismo no litoral versus turismo no interior português. o destino turístico serra da estrela

turismo no litoral versus turismo no interior português. o destino turístico serra da estrela turismo no litoral versus turismo no interior português. o destino turístico serra da estrela 1 resumo: abstract: 1 71 turismo no litoral versus turismo no interior português. o destino turístico serra

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO S R REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO SALÁRIO MÍNIMO (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Outubro de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir

Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir 14 de junho de 2013 Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2013- Dados preliminares Obras licenciadas e concluídas continuaram a diminuir No 1º trimestre de 2013 foram licenciados 4,3

Leia mais

TURISMO RURAL U.C. Desenvolvimento Rural

TURISMO RURAL U.C. Desenvolvimento Rural U.C. Desenvolvimento Rural Trabalho realizado por: Alexandre Verde, nº18296 José Nunes, nº32240 1 INTRODUÇÃO Com este trabalho pretendemos mostrar o que é o turismo rural, e a sua importância para o desenvolvimento

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

MarketView Mercado Turístico

MarketView Mercado Turístico CB RICHARD ELLIS neoturis MarketView Mercado Turístico www.cbre.eu/research Julho 2011 PANORAMA TURÍSTICO GERAL EM PORTUGAL Indicadores Turísticos 2009 vs. 2010 Passageiros Oferta Camas Dormidas Proveitos

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DE LISBOA ANÁLISES DESTA EDIÇÃO DADOS DE AGOSTO 2014 EVOLUÇÃO DOS MERCADOS INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO DO TURISMO DE LISBOA DADOS DE AGOSTO ANÁLISES DESTA EDIÇÃO EVOLUÇÃO DOS MERCADOS > Dados da Hotelaria > Cidade de Lisboa > Região de Lisboa INFOGOLFE E CRUZEIROS INDÍCES POR REGIÃO Os dados contidos nesta

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012

Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 Anuário das Estatísticas do Turismo 2012 1 Índice CAPÍTULO I Séries Internacionais e Nacionais 2003 a 2012 6 Fluxos Turísticos Internacionais 7 O Turismo na Economia Nacional 16 O Alojamento Turístico

Leia mais

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22

O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 31 de julho de 2014 Gastos Turísticos Internacionais 2013 O gasto médio diário dos não residentes entrevistados que visitaram Portugal foi 100,22 O gasto médio diário per capita (GMD pc ) dos visitantes

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013

Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel ANÁLISE SINTÉTICA DA SITUAÇÃO DO SETOR AUTOMÓVEL EM PORTUGAL 2012-2013 Abril 2013 1 MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL EM 2012 De acordo

Leia mais

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO Local: Auditório do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz Organização: APDC Direito do Consumo Data: 09 de Fevereiro de 2006 pelas 16 horas Palestra:

Leia mais

Termas em Portugal. A oferta e a procura 2011

Termas em Portugal. A oferta e a procura 2011 A oferta e a procura 2011 Índice Sumário Executivo Oferta nos estabelecimentos termais Motivação da procura Inscrições e sazonalidade da procura Inscrições e proveitos - termalismo clássico Proveitos médios

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO TURISMO

ESTATÍSTICAS DO TURISMO ESTATÍSTICAS DO TURISMO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Resultados Provisórios Julho de 2014 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Famílias. Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003. Principais Resultados

Famílias. Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003. Principais Resultados Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 Principais Resultados NOTA METODOLÓGICA (SÍNTESE) O Inquérito à Utilização de Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial

Suíça. Mercado em Ficha. Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial Espace Mittelland 1,7 M hab (1º) Nordwestschweiz 1,0 M hab (5º) Ostschweiz 1,1 M hab (4º) Mercado emissor de 12,1 milhões de turistas em 2010, com 1,6% da quota mundial 10.º mercado da procura externa

Leia mais

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E

Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E 20 de Setembro, de 2010 TRANSPORTES EM FOCO Setembro de 2010 Transporte aéreo de passageiros em e na / Transporte Aéreo de Passageiros em quebra generalizada na Europa E em No contexto da crise económica

Leia mais

2012 Anual. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo

2012 Anual. Preços médios ao Balcão. Sumário Executivo Sumário Executivo Na presente informação, divulgam-se os preços médios de Aposento (b&b), Meia Pensão (h&b) e Pensão Completa (f&b) praticados ao balcão, no ano de 2012, pelos hotéis e pousadas, bem como

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais