MARLOS JOSÉ PORTELA RÊGO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS - (BPF)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARLOS JOSÉ PORTELA RÊGO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS - (BPF)"

Transcrição

1 MARLOS JOSÉ PORTELA RÊGO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS - (BPF) RECIFE/PE 2008

2 MARLOS JOSÉ PORTELA RÊGO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS - (BPF) Monografia apresentada à Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA, como parte das exigências para a obtenção do título de Especialista em Gestão da Qualidade Vigilância Sanitária em Alimentos. Orientadora: Profª. Dra. Irineide Teixeira de Carvalho - UFRPE RECIFE/PE 2008

3 Ficha catalográfica preparada pelo setor de classificação e catalogação da Biblioteca Orlando Teixeira da UFERSA R343b Rego, Marlos José Portela. Boas práticas de fabricação na indústria de pescados: BPF / Marlos José Portela Rego. - Mossoró: f. il. Monografia (Especialização em Gestão de Qualidade e Vigilância Sanitária em Alimentos) Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Irineide Teixeira Cavalcanti. 1. Pescados. 2. Boas Praticas de Fabricação. 3.Indústria. I.Título. CDD: 597 Bibliotecária: Margareth M. Figueiredo Dias Furtado CRB

4 MARLOS JOSÉ PORTELA RÊGO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS - (BPF) Monografia apresentada à Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA, como parte das exigências para a obtenção do título de Especialista em Gestão da Qualidade Vigilância Sanitária em Alimentos. Orientadora: Profª. Dra. Irineide Teixeira de Carvalho - UFRPE APROVADA em 29/03/2008 BANCA EXAMINADORA Profª. D. Sc. Irineide Teixeira de Carvalho (UFRPE) Orientadora e Presidente da banca Prof. M. Sc. Alexandro Íris Leite (UFERSA) Primeiro membro Prof. D. Sc. Jean Berg Alves da Silva (UFERSA) Segundo membro RECIFE/PE 2008

5 RESUMO Esta revisão bibliográfica aborda a utilização das Boas Práticas de Fabricação (BPF) na indústria de alimentos. As BPF, requisito básico para implantação do plano de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC), foram revisadas dentro de um dos setores alimentícios pioneiros nesta tecnologia no país, o setor de pescados. Será descrito o histórico e a aplicabilidade deste programa na indústria de beneficiamento de pescados nacional como também uma análise dos principais pontos das boas práticas no segmento, tais como: qualidade da água, condição de limpeza, prevenção de contaminação cruzada, higiene e saúde dos manipuladores, controle integrado de pragas (CIP) e sanitização, visando desta forma, explicar o significativo crescimento do setor, associado ao incremento de tecnologias de qualidade exigidas pelos órgãos reguladores e mercados consumidores. Palavras chaves Boas Práticas de Fabricação, indústria e pescados.

6 ABSTRACT This bibliography revision approach the use of Good Manufaturing Pratices (GMP) in the food industries. The PP, basic requirement to introduce the Hazard Analysis and Critical Control Points (HACCP), were reviewed on the first food section in this technologies on Barzil, the fishes industries. Will be decrypted the historic points and application of this program in the national manufactory fishes industry and too an analysis of main points the GP in this segment, like for example: wather qualify, clear condition, prevention of mix contamination, worker hygiene and heath, plague control and hygienization, aimed, explain the main of segment growth with the technologic quality added demanded for the regulated organizations and market consumer. Key-words: Good Manufaturing Pratices, Industries and fishes

7 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO GERRAL OBJETIVO ESPECÍFICO METODOLOGIA REVISÃO DE LITERATURA Pescado Sistema APPCC (HACCP) Histórico Sistema APPCC (HACCP) e seus pré-requisitos Boas Práticas de Fabricação (BPF) Definição de termos PRINCIPAIS ASPECTOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS Qualidade da água Características físicas... 20

8 Características químicas Características microbiológicas Medidas de controle Procedimentos de monitoramento Ações corretivas Registros Condições de limpeza e armazenamento Cloro na indústria de pescados Procedimentos de monitoramento Ações corretivas Registros Prevenção de contaminação cruzada Medidas de controle Procedimentos de monitoramento Registros Higiene e saúde dos manipuladores Importância do exame médico-laboratorial Medidas de controle Procedimentos de monitoramento Ações corretivas Registros Controle integrado de pragas e sua legislação Legislação para controle de pragas urbanas... 36

9 Medidas de controle Procedimento de Monitoramento Ações Corretivas Registros Sanitização CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - DEMONSTRATIVO DA PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PESCADOS NOS PERÍODO DE LISTA DE TABELAS TABELA 1 - NÍVEIS DE CLORO LIVRE PADRÃO EM CADA ETAPA DIÁRIA. 24

10 9 1. INTRODUÇÃO Os incrementos de tecnologias na produção de alimentos se tornaram um dos principais focos das empresas dessa área. Para atender as exigências do mercado nacional e internacional, as indústrias introduziram novas tecnologias com o objetivo de agregar qualidade aos produtos. A indústria de pescados foi uma das pioneiras na implantação de um dos mais eficientes programas de qualidade e alimentos: o APPCC (Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle). Esse Programa tem como requisito a implementação de etapas fundamentais como as Boas Práticas de Fabricação (BPF) e o Procedimento Padrão de Higiene Operacional (PPHO). Por esse motivo, o pescado nacional vem atingindo grande ascensão na produção, tanto na extrativista quanto nos cultivos. A aplicação dessa conduta redeu as empresas do setor a aceitação nos mais exigentes mercados internacionais e refletiu como importante fator no saldo da balança comercial nacional. Cabe ao Poder Público a definição de regulamentos claros e adequados, bem como a verificação e fiscalização do seu cumprimento. Por outro lado, é obrigação das empresas fabricantes o cuidado rigoroso com a qualidade e com a segurança de seus processos e produtos. No Brasil, os regulamentos e a fiscalização do seu cumprimento são elaborados e executados pelos órgãos de vigilância sanitária e serviços de inspeção de nível federal, estadual e municipal (REGO, 2005). O programa de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC), conhecido internacionalmente pela sigla em inglês HACCP (Hazard Analysis and Critical Control Points), vem em encontro com a necessidade de produzir alimentos mais seguros, já que é uma maneira sistematizada de estabelecer pontos de monitoramento em uma linha específica de produção, a fim de garantir a segurança do produto final. Usando um conceito que combina princípios de microbiologia de alimentos, de controle de qualidade e de avaliação dos riscos durante a obtenção de um alimento o mais seguro possível, desenvolveu-se o sistema HACCP (SANTOS, 2006). E para implantação de tal sistema são necessários pré-requisitos efetivamente já instalados. As Boas Práticas de Fabricação (BPF) são certamente uma das peças chave para um sistema de segurança alimentar bem sucedido. Segundo Ventura (2005), no Brasil ocorre uma contraditória realidade estatística do consumo percapito de pescados, que gira em torno de 7 kg, contra os 13 kg tomados como

11 10 referência pelas instituições de saúde. No entanto, os cuidados com a qualidade do pescado nacional devem ser freqüentemente revisados com o objetivo de serem oferecidos produtos com idoneidade microbiológica para consumo saudável. As BPF, enquanto conjunto, são a ferramenta mais poderosa no controle e prevenção de contaminações, misturas e falhas que podem ocorrer em um produto para a saúde humana. Deve ser utilizada de forma clara e transparente no processo de fabricação dos produtos, através dos seus componentes fundamentais e princípios mínimos básicos para a obtenção da qualidade assegurada. Este trabalho discernira sobre os principais itens das BPF na indústria de pescados. São eles: qualidade da água; condição de limpeza e armazenamento; prevenção de contaminação cruzada; higiene e saúde dos manipuladores; controle integrado de pragas (CIP); e sanitização. Esses são, certamente, os principais itens para se oferecer um pescado com qualidade e segurança ao consumidor.

12 11 2. OBJETIVO GERAL O presente trabalho tem o objetivo de aprofundar os estudos sobre a implantação e a utilização das BPF, especificamente na indústria de pescados, a fim de levantar as particularidades de tal requisito neste setor que já se encontra com significativos avanços tecnológicos. 3. OBJETIVO ESPECÍFICO Revisaremos as BPF como componentes da garantia da qualidade que assegura que os produtos submetidos ao regime da vigilância e inspeção sanitária sejam consistentemente produzidos e controlados com padrões de qualidade apropriados para o uso pretendido e requerido no ato de registro junto aos órgãos de controle e fiscalização do setor. Esse estudo, não se restringe simplesmente a uma indústria de pescados ou a apenas um segmento da atividade, mas sim, ao contexto generalista do setor, levantando os principais itens referentes ao beneficiamento industrial de pescados. Ou seja, serve como instrumento introdutório de estudos para profissionais e estudantes aspirantes a ingressar nesta atividade. 4. METODOLOGIA Notadamente desde a implantação das BPF no Brasil ocorreu uma grande demanda na adesão de tal programa, atingindo principalmente as indústrias de alimentos. Considerando os princípios básicos do programa,, especialistas em qualidade de alimentos se encarregaram em adaptá-lo para cada setor e produto industrializado formando uma enorme cadeia de estudos e materiais disponíveis para consulta. No entanto, diante da necessidade de materiais cada vez mais especializados nos setores alimentícios revisão literárias consolidativas auxiliam cada vez mais profissionais e acadêmicos a objetivarem seus estudos.

13 12 O presente trabalho foi elaborado através de pesquisas aprofundadas em artigos, monografias, legislações, livros correlatos e manuais técnicos em Boas Práticas de Fabricação e Controle de Qualidade em Alimentos. Consolidamos no material pesquisado os itens referentes às BPF na Indústria de Pescados, procurando formular uma revisão objetiva e didática sobre o setor, contendo as principais informações que um estudioso em qualidade em pescados possa desfrutar. 5. REVISÃO DE LITERAURA 5.1. Pescado Segundo Medeiros (2004), os lipídeos de pescado, além de fonte energética, são ricos em ácidos graxos poliinsaturados ù3, especialmente, EPA (ácido eicosapentaenóico) e DHA (ácido docosahexaenóico) que apresentam efeitos redutores sobre os teores de triglicerídeos e colesterol sangüíneo, reduzindo consideravelmente os riscos de incidência de doenças cardiovasculares como arteriosclerose, enfarto do miocárdio, trombose cerebral, etc. Diante desses fatores, a demanda mundial por este tipo de alimento está em grande ascensão, o que leva ao incremento de tecnologias que vão desde a captura ou cultivo, até a industrialização e comercialização. De acordo dados da Food and Agriculture Organization (FAO, 2008), o Brasil é um dos países que mais aumentou a produção de pescados em um período de quinze anos, como comprova as informações demonstradas, abaixo, na figura 1:

14 13 Quantidade em toneladas Milhões Figura 1 - Demonstrativo da produção brasileira de pescados nos período de Fonte: FAO, Tendo como base a definição do RIISPOA, que descreve o pescado como sendo a denominação genérica que compreende peixes, crustáceos, moluscos, anfíbios, quelôneos e mamíferos de água doce ou salgada usados na alimentação humana, é possível considerá-lo um alimento de alta digestibilidade, no entanto é também um produto dos mais perecíveis. A partir do momento que é retirado da água inicia-se uma série de modificações e alterações que podem impedir sua comercialização tanto como alimento de consumo direto, quanto como matéria prima para ser industrializada (MEDEIROS, 2004). E de acordo com dados históricos, este foi o primeiro gênero alimentício a ter sido implementado o sistema APPCC, no Brasil, no início da década de Anos Sistema APPCC (HACCP) Histórico O Programa de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC ou HACCP- Hazard Analysis and Critical Control Points) teve uma das primeiras aplicações durante o Império Romano, envolvendo a produção de vinho. Notava-se que, quando vinhos mantidos em jarras de chumbo eram consumidos, era comum ocorrer o envenenamento das pessoas, o que nunca ocorria com o vinho conservado em jarras de barro. Assim, passou-se a estocar o vinho somente em jarras de barro (FRANCO; LANDGRAF, 2004).

15 14 O sistema APPCC é baseado em um sistema de engenharia conhecido como Análise dos Modos e Efeitos de Falha, do inglês (Failure, Mode and Effect Analysis - FMEA), onde se observa, em cada etapa do processo, aquilo que pode sair errado, juntamente com as prováveis causas e efeitos. A partir daí, estabelecem-se os mecanismos de controle (SEBRAE/SENAI, 2000). O programa, como se conhece atualmente, foi criado há cerca de 40 anos pelas indústrias químicas da Grã-Betânha. Nos anos 50, 60 e 70 o sistema foi empregado pela Comissão Americana de Energia Atômica para o planejamento de usinas nucleares de modo a torná-las seguras para os 200 anos seguintes No final dos anos 60, a National Aeronautics and Space Administration (NASA), nos Estados Unidos, sugeriu que o sistema fosse empregado na produção de alimentos para os vôos espaciais, afim de minimizar as chances de ocorrências de doenças de origem alimentar nos tripulantes desses vôos (FRANCO; LANDGRAF, 2004). A Companhia Pillsbury foi escolhida para desenvolver sistemas de controle mais efetivos para o processamento dos alimentos, de modo a garantir um suprimento de alimentos seguro para o programa espacial da NASA. Após intensa avaliação, concluiu-se que seria necessário estabelecer controle em todas as etapas de preparação do alimento, incluindo matéria-prima, ambiente, processo, pessoas, estocagem, distribuição e consumo. Em 1993, a Comissão Codex Alimentarius incorporou o Guildelines for the Application of the HACCP System e no mesmo ano, no Brasil, o SEPES/MAARA (atual MAPA-Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) que estabeleceu normas e procedimentos para a implantação do sistema APPCC nos estabelecimentos de pescados e derivados. Em 1998, portarias do MAPA estabeleceram manuais de procedimento para implantação do sistema na Produção de Bebidas e Vinagres, e Indústria de Produtos de Origem Animal (SEBRAE/SENAI, 2000). Segundo Martins (2004), o sistema é recomendado por organismos internacionais como a Organização Mundial do Comércio (OMC), Food and Agriculture Organization (FAO) Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura e Organização Mundial da Saúde (OMS) e já é exigido por alguns segmentos do setor alimentício da Comunidade Econômica Européia e dos Estados Unidos. Desde 1986, que o Comitê do Codex Alimentarius recomenda às empresas alimentares a aplicação de sistemas de controle baseados nos princípios do sistema HACCP (VAZ et al.,2000).

16 Sistema APPCC e seus pré-requisitos O APPCC é um sistema planejado para proporcionar a produção de alimentos microbiologicamente seguros, mediante a análise dos perigos referentes às matérias-primas, ao processamento e ao abuso por parte do consumidor. É um método pró-ativo e sistemático para controlar perigos nos alimentos. O sistema APPCC enfatiza a qualidade de todos os ingredientes e de todas as etapas de processamento, estabelecendo como premissa que produtos seguros serão resultados de ingredientes e processos controlados. Deste modo, o sistema tem a intenção de controlar os organismos no momento da produção e do preparo, já que atua de forma preventiva. Desse modo, também é resultado da aplicação do bom senso e de princípios técnicos e científicos. Portanto, antes que um programa APPCC exista, alguns pré-requisitos que devem ser implantados (JAY, 2005). As Boas Práticas de Fabricação (BPF) e os Procedimentos Padrões de Higiene Operacional (PPHO) são pré-requisitos fundamentais que devem ser adotados em todas as etapas do processamento dos estabelecimentos produtores de alimentos a fim de garantir a qualidade higiênico-sanitária e a conformidade dos alimentos com a legislação (ANVISA, 2004). Eles são capazes de controlar muitos perigos identificados. São considerados como pontos de controle (PC), qualquer ponto, operação, procedimento ou etapa do processo que podem afetar a segurança do alimento e que devem ser controlados prioritariamente por programas e procedimentos pré-requisitados (BPF e PPHO). Porém, aqueles PCs que não são controlados através desses programas, devem ser considerados pelo sistema APPCC. (SEBRAE/SENAI, 2000). Outros requisitos são também de significativa importância para um sistema APPCC eficaz: 1. Comprometimento da direção - a fim de que ela participe do processo, explique metas e objetivos e forneça recursos humanos e materiais (VAZ et al. 2000). 2. Coordenador para o programa - devem ser delegadas responsabilidades para um profissional competente e treinado para liderar o programa (GUIA, 2000). A liderança é fundamental para que os empregados compreendam os objetivos do programa e desejem fazer seu trabalho da melhor forma possível. 3. Formação da equipe - o grupo que irá participar da elaboração, implantação e controle do programa HACCP deverá ser composto por pessoas de diversas qualificações e formações.

17 16 Devem estar incluídos aqueles que irão analisar os perigos, os que irão monitorar os pontos críticos de controle, os que supervisionarão as operações nos pontos críticos de controle, os que farão testes laboratoriais e os que farão as verificações de monitoramento (FRANCO; LANDGRAF, 2004). 4. Treinamento de toda a equipe - na implantação do Plano, a empresa deve garantir condições para que todas as pessoas sejam capacitadas, para facilitar a participação nos treinamentos necessários. Tudo isso, para garantir o desempenho adequado em cada função. A empresa deve incluir no Plano APPCC, um Programa de Capacitação Técnica que preveja a capacitação contínua, de forma a propiciar a atualização e a reciclagem dos envolvidos (MAPA, 1998). Deve-se ressaltar que o sistema HACCP deve ser desenvolvido para cada uma das linhas de processamento, de uma unidade, de uma dada empresa. Assim sendo, ele é exclusivo, não podendo ser importado de outras unidades e/ou empresas, nem adquirido sobre forma de pacotes prontos para serem empregados. Um plano imposto por fontes externas será mal recebido, errôneo e/ou incompleto, independente do especialista que o desenvolveu (FRANCO; LANDGRAF, 2004) Boas Práticas de Fabricação (BPF) As BPF, foco principal do nosso estudo, devem ser implantadas primeiramente, como forma de viabilizar o plano APPCC, já que trata-se de um pré-requisito fundamental, que assegura a integridade e a eficiência, e tem como objetivo garantir a segurança dos alimentos. Os seguintes aspectos devem ser contemplados no Programa de Boas Práticas de Fabricação: Edificações, instalações, equipamentos, móveis e utensílios; Higienização de instalações, equipamentos, móveis e utensílios; Controle integrado de vetores e pragas urbanas; Abastecimento de água; Manejo de resíduos; Manipuladores; Matérias-primas, ingredientes e embalagens;

18 17 Preparação do alimento; Armazenamento e transporte; Exposição ao consumo do alimento preparado; Documentação e registros; Responsabilidade técnica (RDC nº. 216 ANVISA, 2004). Os serviços de alimentação também devem dispor de Manual de Boas Práticas e de Procedimentos Operacionais Padronizados (POP). Esses documentos devem estar acessíveis aos funcionários envolvidos e disponíveis à autoridade sanitária, quando requerido. Os POP devem conter as instruções seqüenciais das operações e a freqüência de execução, especificando o nome, o cargo, e/ou a função dos responsáveis pelas atividades. Os POP devem estar relacionados aos seguintes itens: a) Higienização de instalações, equipamentos e móveis; b) Controle integrado de vetores e pragas urbanas; c) Higienização do reservatório; d) Higiene e saúde dos manipuladores. Devemos salientar a importância dos Procedimentos Padrões de Higiene Operacional (PPHO) que representam um programa escrito a ser desenvolvido, implantado, monitorado e verificado pelos estabelecimentos Definição de Termos Antes de abordar a aplicação das BPF é necessário que os termos usualmente empregados, sejam definidos para serem usados de maneira correta. Perigo é definido como sendo uma contaminação inaceitável de natureza biológica, química ou física e/ou crescimento ou sobrevivência inaceitável de microrganismos de interesse para a segurança (ou deterioração) e/ou produção inaceitável ou persistência nos alimentos de produtos do metabolismo microbiano (toxinas, enzimas, aminas biogênicas) (SANTOS, 2006).

19 18 Risco é uma estimativa da probabilidade de ocorrência de um perigo ou de uma seqüência de perigos. A princípio, o risco pode ser matematicamente quantificado, mas na prática utiliza-se a experiência e o bom senso para avaliá-lo. O grau de risco decorrente de um perigo pode ser determinado como alto, moderado, baixo ou desprezível (SANTOS, 2006). Severidade é a magnitude de um perigo ou o grau de conseqüências que podem resultar quando existe um perigo (FRANCO; LANDGRAF, 2004). Ponto de Controle qualquer etapa específica do processamento de um alimento em que a perda de controle não gere riscos inaceitáveis à saúde (SANTOS, 2006). Ponto Crítico de Controle (PCC) qualquer etapa ou procedimento de um sistema alimentar em que deva haver um controle e um perigo possa ser minimizado ou prevenido. Ação corretiva procedimentos a serem seguidos quando ocorre um desvio do processo ou uma não-conformidade. Monitoramento seqüência planejada de observações ou medidas de limites críticos realizada com o intuito de produzir registros preciosos que garantam a segurança do produto. Verificação métodos, procedimentos e testes utilizados para determinar se o sistema APPCC está em conformidade com o plano APPCC. Plano APPCC documento escrito que esboça os procedimentos formais a serem seguidos de acordo com estes princípios gerais. Validação elemento de verificação baseado na coleta e avaliação de informações técnicas e científicas que determinam se o plano APPCC, quando corretamente implantado, controlará efetivamente os perigos (JAY, 2005).

20 19 6. PRINCIPAIS ASPECTOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDÚSTRIA DE PESCADOS Este item visa descrever os principais tópicos da BPF dentro da indústria de pescados, com revisões e adaptações de conceitos para a atividade em questão e correlacionar a legislação em vigor Qualidade da água Segundo Rêgo (2005), a água é um dos principais componentes nos processos operacionais das indústrias de alimentos. Ela é usada com funções de aquecimento e resfriamento, assim como para limpeza e sanitização de equipamentos, produtos e instalações. A água é aceita como potável quando está de acordo com padrões microbiológicos e físico-químicos estabelecidos pela Portaria n.º1.469, de 29 de dezembro de 2000 (BRASIL, 2001). Pode ser originada de várias fontes (rios, poços, nascentes, etc.) e, na maioria dos casos, deverá ser tratada antes do uso. O gelo para utilização da indústria deverá ser fabricado com água potável de acordo com os padrões de identidade e qualidade vigentes, os mesmos estão localizados em um silo separado, com restritas entradas de funcionários e um rígido controle da suas características originais (NETO, 2005). A maioria das indústrias de processamento de pescados realiza o monitoramento a cada duas horas conforme as normas da empresa. Neste sentido, é de extrema importância levantar algumas características da água para que se possa realizar o seu devido acompanhamento.

21 Características físicas! Cor A cor da água resulta principalmente dos processos de decomposição ocorridos no meio ambiente. A cor pode ocorrer também devido à presença de íons metálicos como ferro e manganês, plâncton e despejos industriais.! Turbidez A turbidez refere-se à suspensão de materiais de qualquer natureza na água.! Sabor e odor A água pura não produz sensação de odor ou sabor nos sentidos humanos. Os produtos que conferem odor ou sabor à água são usualmente originados de matéria orgânica ou da atividade biológica de microrganismos, ou ainda de fontes industriais de poluição Características químicas! Dureza A dureza da água é causada pelos sais de cálcio e magnésio lixiviados pela água, em seu caminho através do solo. Na maioria das vezes, a presença destes sais não tem significado sanitário, ou seja, a água é potável (NETO, 2005).! Acidez/pH A acidez total representa os teores de dióxido de carbono livre, ácidos minerais e orgânicos e, ainda, sais de ácidos fortes, os quais por dissociação liberam íons hidrogênio para a solução. Pode ser dividida em acidez orgânica, pela presença de CO2, e a acidez mineral, devido a ácidos orgânicos e minerais oriundos de resíduos industriais (ANDRADE; MACÊDO, 1996). O CO2 dissolvido na água à torna corrosiva a alguns equipamentos e utensílios, a maior parte das reações químicas que ocorrem durante o processamento e estocagem de alimentos é profundamente alterada pela variação da concentração hidrogeniônica do meio. Esta concentração é um fator de influência na qualidade e segurança dos alimentos. Portanto, a

22 21 medida adequada de ph é de grande importância em várias operações com alimentos. Recomenda-se que, no sistema de distribuição, o ph da água seja mantido na faixa de 6,0 a 9,5 (BRASIL, 2001). O ideal é que a indústria utilize água com ph próximo de 8, 3, por não conter mais o gás carbônico.! Alcalinidade A alcalinidade representa o teor de carbonatos, bicarbonatos e hidróxidos. Ela é comumente encontrada nas águas naturais sob a forma de carbonato de sódio e bicarbonato de cálcio e magnésio. A alcalinidade cáustica, causada por hidróxidos, é uma característica indesejável, por ser indicativa de poluição.! Cloretos Os cloretos, normalmente, estão presentes nas formas de cloreto de cálcio, de magnésio e de ferro. Quando em concentrações elevadas, estes íons podem provocar corrosão tipo fratura em tubulações de caldeiras e equipamentos de aço inoxidável, em indústrias de alimentos, penetrando na estrutura do aço, que é o óxido de cromo (Cr2CO3). Além disso, formam incrustações em pisos, paredes e equipamentos (ANDRADE; MACÊDO, 1996) Características microbiológicas! Determinação do número mais provável de coliformes totais e coliformes fecais O grupo de bactérias coliformes compreende os bastonetes Gram. negativos, aeróbios e anaeróbios facultativos, não formadores de esporos capazes de fermentar a lactose produzindo ácido e gás quando incubados a 32ºC - 35ºC em 48 horas. Tipicamente, os gêneros mais comuns são Escherichia, Enterobacter, Klebsiella e Citrobacter. A presença de qualquer um desses gêneros em alimentos, relacionada ao número presente, é sugestivo de condições ou práticas não sanitárias durante a produção, processamento ou estocagem. De acordo com os padrões de potabilidade da água para consumo humano (Brasil, 2001), a água tratada no sistema de distribuição (reservatórios e rede) deve apresentar ausência em 100 ml de Escherichia coli ou coliformes termotolerantes. A citada Portaria define coliformes

23 22 termotolerantes como um subgrupo das bactérias do grupo coliforme que fermentam a lactose a 44,5ºC + 0,2ºC em 24 horas; tendo como principal representante a Escherichia coli. Em relação aos coliformes totais, esta portaria determina o padrão de ausência em 100 ml em 95% das amostras examinadas no mês.! Contagem de bactérias heterotróficas De acordo com a Portaria n.º.469, de 29 de dezembro de 2000, que estabelece os procedimentos e responsabilidades relativas ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, em 20% das amostras mensais para análise de coliformes totais nos sistemas de distribuição, deve ser efetuada a contagem de bactérias heterotróficas, e uma vez excedidas 500 unidades formadoras de colônias (UFC) /ml, devem ser providenciadas imediata coleta, inspeção local e, se constatada irregularidade, outras providências cabíveis (BRASIL, 2001) Medidas de controle Na sua grande maioria, as indústrias de pescados tomam algumas medidas visando a prevenção de contaminação nesta que é uma das principais matérias-primas da atividade. São elas: a) Cloração da água; b) Manutenção e substituição de encanamento; c) Sistemática de higienização de reservatórios de água a cada seis meses, ou quando necessário Procedimento de monitoramento Dentre os métodos de monitoramento da água e o controle do cloro residual livre, temos os de rápida execução onde os mais utilizados atualmente nas indústrias são: o disco aferidor do cloro residual e o uso de equipamentos como o clororímetro que mede através de coleta de amostra e adição de reagente específico o nível residual de cloro na amostra.

24 23 A inspeção de drenos, encanamentos e reservatórios também deve ser rotineira no monitoramento da qualidade da água na indústria Ações corretivas Deverá sempre ser realizada na constatação de algum problema na produção, efetuandose, mais comumente, as seguintes medidas: a) Parada na produção; b) Contatar terceiros responsáveis por processos de higienização de reservatórios; c) Eliminação dos produtos; d) Correção do sistema de encanamentos; e) Aumento do teor de cloração Registros Todos os registros e análises da água de abastecimento deverão ser arquivados e guardados por um período mínimo de 2 (dois) anos (SANTOS, 2006). Nos registros devem conter: a) Mapa de cloração e ph de água (Anexo); b) Controle de analises da água: podendo ser realizado a cada 3 (três) meses por empresa terceirizada, cuja envia relatório das análises.; c) Registro de sanitização dos reservatórios de água: geralmente realizado a cada 6 (meses) ou quando necessário por empresa terceirizada ou pela própria indústria, cuja envia relatório das condições dos reservatórios. Cada etapa diária deverá ser atentar para os níveis de cloro residual diferenciando de acordo com os níveis prováveis de contaminação, segundo demonstra a tabela abaixo:

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE...

POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... POP 01 (Potabilidade da Água) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA. Código: POP - 01 Página: 2 de 6 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos a serem

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO BASEADO NA RESOLUÇÃO RDC N o 216 / MS / ANVISA BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO SIM NÃO NA(*) 4.1 EDIFICAÇÃO, INSTALAÇÕES,

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99

ROTEIRO DE INSPEÇÃO FÁBRICA DE PALMITO EM CONSERVA Resolução RDC 18/99, RDCn 81/03, Res. 07/00. Port.n 04/99 Res. 326/99 SECETAA MUCPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de nteresse da Saúde Subgerência de Alimentos OTEO DE SPEÇÃO FÁBCA DE PALMTO EM COSEVA esolução DC 18/99, DCn 81/03,

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO - RDC No- 218, DE 29 DE JULHO DE 2005 (*) DOU 01-08-2005 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Higiênico-Sanitários para Manipulação de Alimentos e Bebidas Preparados com Vegetais.

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE

REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE AS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS E DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS FABRICANTES DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Definir os

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas

Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Boas práticas na cadeia produtiva de bebidas não alcoólicas Agosto de 2010 Curso Teórico-Prático de Análises Microbiológicas de Àgua e Bebidas não Alcoólicas Palestrante Juliane Dias Gonçalves Eng de Alimentos,

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios

Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 55 ISSN 0103-6068 Dezembro, 2003 Princípios de Higiene Pessoal para Manipuladores da Indústria de Latícinios Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 http://wwwanvisagovbr/legis/resol/2002/275_02rdchtm ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 DOU de 23/10/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos;

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos; RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRONIZADO P O P P O P DEFINIÇÃO É uma descrição detalhada de todas as operações necessárias para a realização de uma atividade. É um roteiro padronizado para realizar uma atividade.

Leia mais

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1

30/8/2010 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 São conjunto de princípios e regras que ajudam a reduzir, prevenir e evitar os perigos dos alimentos. BPF_ BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO Parte 1 Condutas para o Controle Higiênico-Sanitário de Alimentos

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divisão de Produtos Relacionados à Saúde Portaria CVS 5, de 09 de abril de 2013 DOE de 19/04/2013 - nº.

Leia mais

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL

AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÕES DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DA PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO EM UM EVENTO COMERCIAL Deijiane de Oliveira

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO APÊNDICE A LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS UTILIZADA NA COLETA DE DADOS, BASEADA NA RDC nº 275/2002 E NA RDC nº 216/2004, DA ANVISA LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS

VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS 1 VIGILÂNCIA SANITÁRIA AS EXIGÊNCIAS PARA ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM ALIMENTOS O sr. Generoso é proprietário de um estabelecimento há mais de 15 anos que dentre outras atividades também manipula alimentos.

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

MÁRCIO ROGÉRIO MORAES MACHADO

MÁRCIO ROGÉRIO MORAES MACHADO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ MÁRCIO ROGÉRIO MORAES MACHADO AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE HIGIENE NA MANIPULAÇÃO DE ALIMENTOS DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PR

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS NUMERO: /ANO A- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1- RAZÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF)

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto. de Eng. Química e de Eng. de Alimentos EQA 5221 - Turma 945 Higiene e Legislação de Alimentos INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) As BPF têm

Leia mais

Segurança de Alimentos: visão e legislação

Segurança de Alimentos: visão e legislação S & S Consultoria Implementação em Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos Segurança de Alimentos: visão e legislação Nut. Dra. Sabrina Bartz Introdução O mundo tem 7 bilhões de pessoas e a garantia

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE 1 ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE RESUMO Karla Braga Lobo Liberato 1 Maria Consuelo Landim 2 Eveline de Alencar Costa 3 A

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06

ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LANCHONETE E SIMILARES Portaria SMS-G N 1210/06 SECRETARIA MUICIPAL SAUDE Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Alimentos ROTEIRO COMÉRCIO VAREJISTA - LACHOETE E SIMILARES Portaria SMS-G

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA

PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO PROPOSTA DE TEXTO DE PORTARIA DEFINITIVA O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. RESPOSTA TÉCNICA Título Higiene e segurança de alimentos Resumo Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. Palavras-chave

Leia mais

MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA

MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA MN-353.R-0 - MANUAL DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE ÁGUA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2.918, de 06 de julho de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de 1993 1. OBJETIVO Orientar

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ

Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Página 1 de 6 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Zentrifix KMH - Código interno do produto: 051 - Nome da empresa: MC-Bauchemie Brasil Indústria e Comércio Ltda - Endereço: Rua

Leia mais

Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002

Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no DOU de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 001 / REV. 00 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Higiene e Saúde do Pessoal POP - PRIMATO 001 / REV. 00 HIGIENE E SAÚDE DO PESSOAL Toda e qualquer forma de manipulação de ingredientes que na sua junção

Leia mais

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA A FABRICAÇÃO DE BEBIDAS E VINAGRES, INCLUSIVE VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO, RELATIVO ÀS CONDIÇÕES HIGIÊNICAS E SANITARIAS, DIRIGIDO A ESTABELECIMENTOS ELABORADORES

Leia mais

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB)

ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) ALIMENTO SEGURO: PERCEPÇÃO DOS MANIPULADORES DE CALDO DE CANA DE AÇÚCAR COMERCIALIZADO NO BAIRRO DE MANGABEIRA, JOÃO PESSOA (PB) FRANÇA PIRES 1, Vanusia Cavalcanti GOMES 2, Erika Adriana de Santana LIRA

Leia mais

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004

Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 Resolução - RDC nº 216, 15 de setembro de 2004 DISPÕE SOBRE REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto:

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto: Desde sua fundação, aliada aos princípios e entendimentos ecológicos de seus proprietários, fruto do envolvimento com agricultura e agropecuária e no cumprimento das Leis Ambientais, a RB Alimentos tem

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007

Ana Lúcia de Freitas Saccol. Santa Maria, julho de 2007 Ana Lúcia de Freitas Saccol Santa Maria, julho de 2007 Ingestão de alimentos ou água contaminados Estão independente de toda a tecnologia OMS + de 60% das DTA são provocadas por agentes microbiológicos

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 título: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis e a Lista

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE VIGILÂNCIA SANITÁRIA de ALIMENTOS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS I - INTRODUÇÃO O Manual de Boas Práticas

Leia mais

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09 UNIDO IV Documentos de Trabajo Montevideo, 5 al 7 de octubre de 2009 ATUALIZAÇÃO DE BPF (RES. GMC Nº 56/96)

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS SUPERFÍCIES EM CONTATO COM ALIMENTOS

HIGIENIZAÇÃO DAS SUPERFÍCIES EM CONTATO COM ALIMENTOS A palavra "higienização" vem do grego hygieiné que significa "saúde". A higienização é um processo que consiste na remoção de materiais indesejados nas superfícies em contato direto ou indireto com os

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA GRANJAS AVÍCOLAS: Sant Ana do Livramento-RS Cidade Símbolo de Integração Brasileira com os Países do Mercosul" Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento- SMAPA- SIM- Serviço de Inspeção Municipal NORMAS

Leia mais