PROCESSAMENTO TÉRMICO DE PURÊ DE BANANA (Musa cavendishii, Lamb.) EM EMBALAGENS FLEXÍVEIS ESTERILIZÁVEIS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSAMENTO TÉRMICO DE PURÊ DE BANANA (Musa cavendishii, Lamb.) EM EMBALAGENS FLEXÍVEIS ESTERILIZÁVEIS 1"

Transcrição

1 PROCESSAMENTO TÉRMICO DE PURÊ DE BANANA (Musa cavendishii, Lamb.) EM EMBALAGENS FLEXÍVEIS ESTERILIZÁVEIS 1 CARVALHO FILHO 2, Celso Duarte & MASSAGUER 3, Pilar Rodrigues RESUMO O objetivo deste trabalho foi estabelecer as condições de processo térmico de purê de banana, variedade "nanica", em bolsas esterilizáveis porção individual (130 x 170mm). Os frutos foram selecionados, aquecidos a 98 C/5min. para inativação enzimática, separadas as sementes e fibras num despolpador com malha de 0,08cm de diâmetro e depois o purê foi embalado nas bolsas sob um vácuo de 25mmHg, resultando em média 2,7ml de ar residual por bolsa. Em seguida as bolsas foram processadas sem agitação e em posição horizontal numa autoclave horizontal, a 115 C/158KPa, com imersão total de água quente. O tempo de manutenção do processo foi de 7,5min. Inicialmente foi utilizado o Clostridium butyricum como microrganismo alvo do processo, entretanto, observou-se que esta bactéria apresentara uma resistência térmica em purê de banana (ph 4,6) um pouco menor que o valor estimado para o Clostridium

2 botulinum, D115=0,183min. e D115=0,236min respectivamente, sendo assim, o C. botulinum foi escolhido como microrganismo alvo da esterilização do produto. O valor de F 121,1 C aplicado foi de 0,64min. para causar 12 reduções decimais, calculado segundo PFLUG (1985) para um ph de 4,6, e verificado pelo método geral. Este valor somente foi considerado para a fase de aquecimento, deixando a letalidade do resfriamento (0,34min.), que foi realizada com água à temperatura ambiente, como segurança de processo. Nos testes de penetração de calor foram encontrados os valores médio de fh=6,8min; jh=0,48; fc=17,4min. e jc=1,3 demonstrando assim, que o produto é altamente condutivo. Nenhuma alteração no produto nem nas embalagens foi notada após a aplicação do ensaio de esterilidade comercial em 36 bolsas processadas contendo purê de banana, confirmando assim, a eficácia do tratamento térmico aplicado. Palavras-chave: purê de banana, Clostridium butyricum, Clostridium botulinum, bolsas esterilizáveis e autoclave rotativa SUMMARY THERMAL PROCESSING OF BANANA PUREE (Musa cavendishii, Lamb.) IN RETORTALE POUCHES. The aim of this work was to establish thermal processing conditions for banana puree in retor pouches (130 x 170mm). The fruits were selected, blanched in boiling water for 5min., finished (0,033 inch) mesh and vacuum-packaged in 25mmHg with 2,7ml residual air/pouch. After the pouches were processed without agitation in horizontal position at 115 C/158 Kpa over-

3 pressure in water total immersion. The holding process time was 7,5min. Initially Clostridium butyricum was used as target organism for the thermal process, however the banana puree is situated in ph limit area of (4,6) for low acid foods, favouring the Clostridium botulinum growth. Its heat resistance was estimated through of the equation 1 (PFLUG, 1985) and compared with C. butyricum. Though the D 115 C values for C. butyricum and C. botulinum were similar (0,183 min and 0,236 min, respectively), C. botulinum higher compared to C. butyricum. The F 121,1 C applied was 0,64 min to obtain 12 decimal reductions calculated by PFLUG (1985) and verified by the general method. This value was only considerated for the heating phase. The value of F 121,1 C = 0,27 min (29,5%) determinated for cooling phase, was used as safety factor. Average values of the heating rate rate parameter fh and the lag factor were: fh=6,8min. and jh=0,48. For the cooling phase the average values were: fc=17,4min. and jc=1,3. After 15 days/37 C incubation, no abnormal conditions were noted in the 36 processed pouches. This is an indicative that the process was satisfactory from the microbiological standpoint. Key words: banana puree, Clostridium butyricum, Clostridium botulinum, retor pouch, rotative retort. 1 INTRODUÇÃO Segundo DE MARTIN et al. (1990) a banana consumida, crua

4 ou processada, é um alimento altamente energético (cerca de 100 calorias por 100g de polpa), cujos hidratos de carbono (em torno de 22%) são facilmente assimiláveis. Contém vitaminas C, A, B1 e B2, e pequenas quantidades de D e E, e uma maior percentagem de potássio, fósforo, cálcio e ferro, quando comparada com a maçã ou laranja. Considerando estas características, juntamente com a importância do aproveitamento dos excedentes de produção não exportáveis e não comercializáveis da fruta "in natura", o purê de banana merece atenção especial dentre os diversos produtos obtidos da banana, pois serve como matéria prima para a elaboração de um grande número de produtos, tais como: néctares, doces de massa, geléias, sorvetes, iogurtes, bolos, pudins, gelatinas e outros. O purê de banana geralmente é comercializado em embalagens flexíveis de tamanho institucional, conhecidas como "Bag-in-Box", e pequena quantidade em embalagens metálicas para o varejo, CHIQUITA BRAND (1994). A vantagem da utilização de embalagens não metálicas para o acondicionamento deste tipo de produto pode ser confirmado por estudos realizados por SEKHAR et al (1991), pois foi demonstrado que produtos com um conteúdo rico em nitrato, como é o caso do purê de banana, são considerados como aceleradores do potencial de corrosão da camada de estanho das latas. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi a determinação das condições ótimas de processamento do purê de banana em bolsas flexíveis esterilizáveis (130 x 170mm), em autoclave rotativa ALLPAX, a fim de produzir um produto

5 microbiologicamente estável. 2.1 Alimento utilizado 2 MATERIAL E MÉTODOS O alimento processado nas bolsas esterilizáveis (B.E.) foi um purê de banana, livre de qualquer conservante químico. O mesmo foi preparado a partir de frutos da variedade nanica (Musa cavendishii, Lamb.), por ser a mais cultivada na região de Campinas, de fácil aquisição, por apresentar melhores características de forma, tamanho, aroma e sabor e por apresentar custo extremamente baixo, quando comparado a um meio de cultura utilizado como um simulador de alimento, além de sua característica de consistência adequada para este tipo de embalagem Processamento do purê de banana Inicialmente, os cachos adquiridos, em fase de desenvolvimento conhecida como 3/4 gorda (36mm), ficaram acondicionados em caixas, que geralmente são usadas no transporte dos mesmos, e expostos à temperatura ambiente até adquirir uma coloração amarela uniforme, indicando assim, o grau de maturação normalmente conhecido como ponto 6 (totalmente amarelo) de acordo com o Banana Ripening Manual (1956), DE MARTIN et. al. (1990). A primeira etapa do processamento foi a lavagem dos frutos, em banho de imersão com água clorada, com 5-10 ppm de cloro livre, para a redução da carga microbiana e das

6 impurezas mais grosseiras. Em seguida, os frutos foram descascados manualmente e submetidos a uma seleção, na qual os defeitos apresentados foram removidos e os frutos que apresentassem sérias danificações foram eliminados. Em seguida estes frutos foram cortados no sentido longitudinal e sofreram um branqueamento (98 C por 5 minutos) para promover uma inativação enzimática. Antes de ser embalado e processado termicamente, foi medido o ph. Decorrido o tempo do branqueamento, os frutos passaram por um despolpador horizontal, com peneira de furos de 0,84mm de diâmetro, para eliminação de fibras e das pequenas sementes dos frutos, e logo depois o purê foi colocado manualmente nas bolsas, através da utilização de um saco usado em confeitarias. Este sistema foi adotado para evitar a contaminação da área de selagem das bolsas com o purê de banana, e não comprometer o fechamento das mesmas Determinação da viscosidade As características reológicas do alimento foram determinadas por meio da variação de sua viscosidade aparente, em função da taxa de deformação e da característica como um fluído nãonewtoniano, em três diferentes temperaturas: 30, 45 e 75 C. Foi usado um viscosímetro rotacional BROOKFIELD (Brookfield Engineering Laboratories, Massachusetts USA), modelo LVT, para determinar a variação da tensão de cisalhamento e da viscosidade aparente em função da taxa de deformação aplicada Determinação da carga microbiana inicial do purê de banana

7 A determinação da população inicial de microrganismos existente no purê de banana, antes de ser processado, foi de grande importância para o estabelecimento das condições de processamento do alimento. Foram efetuadas contagens, em cinco repetições, dos grupos de bactérias mais prováveis de contaminação neste tipo de produto, tais como: mesófilos aeróbios, mesófilos esporulados anaeróbios e termófilos esporulados aeróbios. 2.2 Adaptação da autoclave para processar B.E. A autoclave utilizada neste estudo para processar as bolsas, foi uma ALLPAX de imersão total, escala piloto (ALLPAX Products, InCl, USA) contendo uma cesta, rotativa, horizontal, descontínua, operada por um microcomputador (IBM PS/2) e que utiliza água quente com sobrepressão de vapor como meio de aquecimento. Os controles foram monitorados e alterados automaticamente pelo programa "Control View" (Allen Bradley - USA). O processamento das bolsas foi realizado de maneira estática (sem agitação) na temperatura de ajuste de 115 C com 158 Kpa de sobrepressão, através da injeção de ar comprimido, e por imersão em água aquecida com vapor. Para o confinamento das B.E., foi colocado no interior do cesto no tanque de trabalho da autoclave (com 800mm de comprimento x 600mm de largura x 580mm de altura), um conjunto de bandejas confeccionadas em aço inox perfurado; com 2,0mm de espessura; 565mm de largura x 700mm de comprimento; 48% de área aberta, para permitir a circulação do meio de aquecimento, entre elas, e suportar o peso das bolsas sem sofrer deformações, e furos redondos com 8mm de diâmetro dispostos na forma hexagonal (ver Figura 2). Em

8 seguida foi feito um estudo distribuição de temperatura dentro da autoclave que teve como o objetivo avaliar a influência das modificações realizadas no interior da autoclave através da introdução de um sistema de confinamento para processar B.E., ou seja, a localização da zona de aquecimento mais lento durante o processamento térmico.

9 2.3 Embalagem utilizada A embalagem utilizada nesta pesquisa foi uma bolsa esterilizável para porção individual (130 x 170mm), multilaminar com polipropileno 50 µm camada interna, camada intermediária de folha de alumínio 7 µm, camada externa de náilon 15 µm e poliester 12 µm, produzida pela TOYO SEIKAN (Toyo Seikan Kaisha, Ltda Japan.). A seladora utilizada foi uma MINIVAC CV 18 (Selovac Ind.Com. Ltda) de impulso elétrico, escala laboratório, que foi operada com um tempo de solda de 5,67 segundos e vácuo de 25mmHg, para bolsas contendo 130g de purê de banana, produzindo 2,7ml de ar residual/bolsa, CARVALHO FILHO (1996). 2.4 Estabelecimento do valor de F requerido

10 Para se estabelecer as melhores condições de processamento das bolsas esterilizáveis, e visando obter um purê de banana microbiologicamente estável, foram de fundamental importância a realização dos testes de penetração de calor, no conjunto bandeja / embalagem / alimento, e a determinação da resistência térmica do microrganismo alvo do processo Resistência térmica do Clostridium butyricum em purê de banana Inicialmente, o microrganismo escolhido como indicador da esterilização do purê de banana foi o C. butyricum (18851 CDC/Atlanta-USA), pois trata-se de uma bactéria do grupo dos anaeróbios butíricos mesófilos, não proteolíticos, mas que causam, com mais frequência, deterioração dos alimentos meio ácidos e ácidos a partir da fermentação de açúcares, amido e pectina. Como o purê de banana natural possui um ph entre 4,5 a 4,7 e é rico em carboidratos, este microrganismo encontrou um substrato ideal para seu desenvolvimento. Na produção de esporos foi empregado um método baseado numa série de transferências progressivas de uma suspensão de células, em meio de infusão de fígado (DIFCO), que foram cultivadas até se conseguir esporulação abundante, Reed et.al. (1951), citado por PFLUG (1990). A partir da suspensão de esporos obtida anteriormente, foi feita sua quantificação em cada ensaio de determinação da resistência térmica realizado (No). A suspensão foi diluída até e foi transferida para tubos com meio fluido tioglicolato, aplicando a técnica do NMP, série de três tubos. Estes tubos, já contendo a suspensão de esporos, foram aquecidos a 60 C/10min. MORTON et al. (1990), para ativação térmica

11 dos esporos, e em seguida foram selados com VASPAR estéril e incubados a 30 C por 2-7 dias. Para avaliar a capacidade de crescimento do C. butyricum no purê de banana na forma natural (ph 4,6), tubos contendo purê de banana estéril foram inoculados com a suspensão de esporos ativada, estratificados com VASPAR estéril, incubados a 30 C e observados diariamente por 10 a 15 dias. Foi utilizado o método do NMP com série de três tubos, em meio fluído tioglicolato, para os testes de resistência térmica feitos com esporos de C. butyricum 18851, trabalhando com um inóculo de aproximadamente 2,15 x 10 6 esporos/g de purê. Após a homogeneização do produto inoculado, foi transferido assepticamente 0,5 ml para tubos Pyrex 13x100mm, com rosca, e feito um aquecimento destes tubos em banho de óleo de temperatura controlada e com agitação, produzido pela Precision Scientific, USA. O valor D utilizado como parâmetro de resistência térmica, foi determinado para as temperaturas de 92, 95 e 98 C, com duas repetições para cada temperatura, em quatro tempos diferentes. O cálculo do valor de D foi efetuado através da Equação 1, a cada tempo/temperatura, e depois foi calculado o valor de D médio de cada temperatura. A determinação do valor da resistência relativa z foi efetuado por regressão linear de log D vs. temperatura, onde a recíproca negativa da inclinação, calculada por regressão, foi considerado como sendo o valor de z.

12 A contagem da população inicial (No) e dos esporos sobreviventes (Nf) foi feita em NMP, série de três tubos, usando meio fluído tioglicolato e com incubação a 30 C durante 7 dias. Para se verificar o tempo necessário para a amostra de purê de banana atingir a temperatura desejada, atraso térmico, foram aquecidos a 95 e 98 C tubos das mesmas dimensões contendo purê de banana e o tempo foi registrado no momento em que se atingiu a temperatura de ajuste Resistência térmica do C. butyricum x Clostridium botulinum Com os valores de No, carga microbiana inicial do purê de banana determinada antes de ser embalado, e a determinação do valor da resistência térmica (D) do microrganismo escolhido como alvo do processo (Clostridium butyricum), tentou-se estabelecer o valor de Fo requerido através da Equação 2. onde, D é o número, em minutos, das reduções decimais; No é o número de microrganismos existentes no purê de banana, antes de ser embalado; Nf é a população final depois do processo, ou seja, a probabilidade de um esporo viável sobreviver por embalagem. No entanto, após a obtenção dos resultados da resistência térmica do C. butyricum no purê de banana, observou-se que

13 esta era inferior à resistência estimada para o C. botulinum. Como o purê de banana estava situado na faixa limite de ph (4,6) para alimentos de baixa acidez, tornando-o favorável ao crescimento do C. botulinum, achou-se prudente usar o C. botulinum como microrganismo indicador da esterilização do produto. Para esta determinação foi aplicada uma redução logarítmica nos esporos (Log No Log Nf) de 12D segundo o critério de PFLUG (1990), ou seja, a probabilidade (Nf) de sobrevivência de um esporo viável de C. botulinum por embalagem processada foi de 10 9, considerando o No = O valor de D foi calculado a partir da Equação 3, PFLUG (1985), para uma temperatura de processo de 115 C e um produto com ph = 4,6. onde: 4,6 ph 6,0 e 220 F T 255 F Sabe-se que a resistência térmica dos microrganismos é inerente a cada produto testado. O valor calculado, conforme Equação 3, serviu apenas de comparação com a resistência térmica do C. butyricum. Foi também determinado o valor de F 250 para o purê de banana com ph 4,6 e processado a 121,1 C (250oF) pela Equação 3. Este recurso facilitou a programação do aquisitor de dados utilizado (DORIC 245A), que forneceu os valores de letalidade integrada com frequência de 30 em 30 segundos até se chegar ao valor de F 250 requerido de 0,64min., para estas

14 condições estabelecidas. No momento em que foi registrada esta letalidade pelo DORIC 245A, a fase de aquecimento foi interrompida e foi então iniciada a fase de resfriamento. A letalidade integrada do processo, somente considerou a fase de aquecimento, deixando a letalidade da fase de resfriamento como segurança do mesmo Penetração de calor nas B.E. com purê de banana As embalagens contendo 130g de purê de banana foram dispostas horizontalmente sobre as bandejas, num total de 6 bolsas, localizadas na região onde o conjunto autoclave/bandejas apresentou aquecimento mais lento. Através de um termopar de agulha tipo T, com 11,25cm de comprimento, os dados de tempo e temperatura foram adquiridos até 1 C de diferença, com relação à temperatura de processo, e foram obtidos de 1 em 1 minuto, durante um período de 30 minutos, após o tempo de subida e estabilização da temperatura (Figura 3). 2.5 Ensaio de esterilidade comercial

15 Este ensaio foi realizado com o objetivo de se verificar se o processamento térmico aplicado foi eficiente, nas condições previamente estabelecidas, até atingir o F requerido do processo. Após o processamento térmico, 36 B.E. foram incubadas a 37 C por 15 dias, para que se pudesse verificar a ocorrência de possíveis alterações, tais como: vazamentos, modificações nas características sensoriais e, principalmente, estufamento das embalagens. Antes e após o período de incubação, foi feita a medida do ph e observação microscópica. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Viscosidade do purê de banana Os resultados confirmam que o modelo da lei da potência, amplamente usado para descrever o índice de comportamento reológico "n" de purês e sucos de frutas, pode ser aplicado para o purê de banana natural como alimento de alta viscosidade, pois o mesmo quando submetido à diferentes temperaturas apresentou uma variação muito pequena: 0,195; 0,230; 0,208 para 30, 45 e 75 C, respectivamente. 3.2 Determinação da carga microbiana do purê de banana O número total de bactérias mesófilas aeróbias encontradas no purê de banana natural, antes de ser embalado, foi relativamente constante, apresentando 4,5 x 10 3 células por grama do produto, como valor médio de 5 repetições.

16 Não foram detectados esporulados mesófilos anaeróbios nem termófilos aeróbios pelo metodo empregado. Entretanto, YOKOYA (1969) encontrou uma faixa de 2 a 70 esporos de termóflios aeróbios em cada 100g da banana in natura de 5 variedades diferentes, inclusive a nanica. 3.3 Adaptação da autoclave e ensaio de distribuição de calor A adaptação do sistema de confinamento das bolsas no cesto da autoclave ALLPAX, com espaçadores de 40 mm, para o processamento das bolsas esterilizáveis foi comprovadamente eficiente, conforme resultados dos ensaios de distribuição de temperatura no equipamento que identificou o conjunto de bandejas de topo como a região de aquecimento mais lento CARVALHO FILHO et al (1995). Entretanto, estes valores não alteraram o padrão de aquecimento da autoclave, e o equipamento foi de acordo com as sugestões da NPFA (1985) para o processamento térmico de alimentos. 3.4 Resistência térmica do C. butyricum O C. butyricum cresceu e se desenvolveu facilmente em todos os tubos que foram inoculados, contendo purê de banana. O emprego da técnica do Número Mais Provavel (NMP), usando série de três tubos com meio fluído tioglicolato, apresentou uma suspensão de esporos com 4,6 x 10 9 NMP de esporos/ml, após uma incubação de 7 dias, onde os tubos positivos apresentaram turvamento do meio e produção de gás em menos de 48 horas.

17 O resultado do atraso térmico ("lag"), necessário para o purê de banana atingir a temperatura de ajuste nos tubos Pyrex 13 x 100 mm, foi de 3,4 min. A Tabela 1 apresenta os valores D médios, com suas respectivas temperaturas, usados no cálculo do valor de z que, através de uma regressão linear, foi determinado em 15,8 C, com um coeficiente de correlação de 0,9963 (Figura 2). Apesar de parecer um valor elevado, este trabalho confirma a tendência encontrada por LEITÃO et. al. (1977) onde o valor de z para Bacillus stearothermophilus em purê de banana natural (ph 4,7) também foi alto (17 C) quando comparado com valores encontrados em outros tipos de alimentos, entretanto, não foram indicadas as razões destes resultados. Ainda na Tabela 1, foi estimado, a partir da "curva fantasma" TDT por extrapolação, o valor de D do C. butyricum de 0,183 min. para a temperatura de ajuste de 115 C, temperatura estabelecida para o processamento térmico do purê de banana em bolsas esterilizáveis.

18 3.5 Resistência térmica do C. butyricum x Clostridium botulinum O objetivo desta análise foi comparar a resistência térmica do C. botulinum, estimada para um produto com ph de 4,6 e processado a 115 C (239 F), com a resistência térmica do C. butyricum determinada nesta pesquisa. Para a determinação dos valores de F e D do C. botulinum no purê de banana (ph 4,6) foi empregada a equação referida no ítem (eq. 3), que é aplicada para produtos com a composição semelhante àqueles produtos analisados por XEZONES e HUTCHINGS (1965), no qual, o purê de banana se encaixa perfeitamente. Observou-se que, apesar dos valores de D 115 C encontrados para C. butyricum e para C. botulinum serem bastantes semelhantes (0,183min. e 0,236min., respectivamente), o C. botulinum apresentou uma resistência térmica ligeiramente maior que a do C. butyricum. Sendo assim, resolveu-se utilizar o C. botulinum como microrganismo indicador de esterilidade do purê de banana. 3.6 Ensaios de penetração de calor nas B.E. contendo purê de banana Para os parâmetros de aquecimento foram encontrados valores médios de fh=6,8 min. e jh=0,48. Para as taxas de resfriamento os valores médios foram: fc=17,4 min. e jc=1,3. Num trabalho realizado por SPINAK e WILEY (1982) foram encontrados valores médios semelhantes aos mencionados anteriormente, com fh=10,3min., jh=1,2, fc=12,5min. e jc=1,4

19 para bolsas com 20mm de espessura, contendo purê de banana processadas em autoclave FMC vertical por imersão em água com sobrepressão. Ficou determinado que a bolsa de aquecimento mais lento estava localizada no fundo do cesto, no bloco de topo. 3.7 Ensaio de esterilidade comercial Após o período de incubação por 15 dias/37 C, nenhuma alteração foi notada nas bolsas processadas com o purê de banana, tais como: estufamento, vazamento, odor estranho ou alteração no ph. Isto indica que o tratamento térmico aplicado no produto foi satisfatório sob o ponto de vista da estabilidade microbiológica. Vale ressaltar que os parâmetros cor, aroma e gosto foram avaliados de maneira subjetiva, sem aplicação de análise sensorial. 4 CONCLUSÃO A aplicação de umf 121,1 C de 0,64min. na esterilização do purê de banana natural (ph 4,6) em bolsas esterilizáveis porção individual (130 x 170mm), foi o suficiente para garantir um produto microbiologicamente estável, comprovado pelas análises microbiológicas pós-processo e pelo ensaio de esterilidade comercial, além de apresentar um produto visualmente atraente. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

20 (1) CARVALHO FILHO,C.D.; CRISTIANINI,M. e MASSAGUER,P.R. Distribuição de temperatura em autoclave rotativa ALLPAX adaptada para o processamento de bolsas flexíveis esterilizáveis: efeito do tamanho das embalagens e do espaçamento entre bandejas. I Congresso Ibero- Americano de Engeharia de Alimentos FEA/UNICAMP, 5 a 9/11/95, Campinas-SP. (2) CARVALHO FILHO, C.D. Utilização do bioteste com esporos de Bacillus subtilis na avaliação da integridade asséptica de embalagens flexíveis esterilizáveis. Campinas: UNICAMP, Tese (Mestrado em Ciência de Alimentos) - Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas, (3) CHIQUITA BRANDS, Inc. Banana Puree. Processed Fruit Ingredients Division (4) DE MARTIN, Z.; TRAVAGLINI, D.A.; OKADA, M.; QUAST,D.G. e HASHIZUMET, T. Processamento: produtos, caracterização e utilização. Série Frutas Tropicais no3- Banana. ITAL, Campinas, (5) LEITÃO, F.F.M.; FALOMIR, C.A.O.; CIAMPI, C. e QUAST, D.G. Resistência térmica de Bacillus stearothermophilus FS 1518 e Clostridium PA 3679 em purê de banana natural. Coletânea do Instituto de Tecnologia de Alimentos n.2, vol. 8 p , (6) MORTON, V.N. ; SCOTT, D.T.; BERNARD, D.T. e WILEY, R.C. Effect of heat and ph on Toxigenic Clostridium butyricum. Journal of Food Science. v.55 n.6, p , 1990.

21 (7) NPFA. Guidelines for thermal process development for foods packages in flexible containers. National Food Processors Association, Washington, (8) PFLUG, I. J. Microbiology and Engineering of Sterilization Processes. 7oed (9) PFLUG, I.J.; ODLAUG, T.E. e CHRISTENSEN, R. Computing a minimum public health sterilizing value for food with ph values from 4.6 to 6.0. Journal of Food protection. v. 48,n. 10, p , october, (10) SEKHAR, N. R; MAHADEVIAH, M. e GOWRAMMA, R. V. Studies on the suitability of retor pouches for packing banana puree and ivy gourd. Indian Food Packer. v.45, n.5, (11) SPINAK, H.S. e WILEY, R.C. Comparisons of the general and Ball formula methods for retort pouch process calculations. Journal of Food Science v.47, p , 1982 (12) XEZONES, H. e HUTCHINGS, I.J. Thermal resistance of Clostridium botulinum (62A) spores as affected by fundamental food constituents. Food Technology p , june,1965. (13) YOKOYA, F. e CRUVINEL, A.M. Fontes de contaminação microbiana na industrialização da banana: I - matéria-prima. Coletânea do Instituto de Tecnologia de Alimentos-ITAL. vol.3, p.17-28, 1969/70.

22 AGRADECIMENTOS À CAPES pela concessão de bolsa de estudos e auxílio financeiro à pesquisa. 1 Recebido para publicação em 09/04/97. Aceito para publicação em 30/09/97. Parte do trabalho de tese para obtenção do título de Mestre em Ciência de Alimentos na FEA/UNICAMP. 2 Universidade do Estado da Bahia/FAMESF-DAZ Juazeiro/BA. 3 Universidade Estadual de Campinas/FEA. C.P Campinas/SP.

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor

Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor 30 Capítulo 3 - Métodos de Conservação de Alimentos: Uso de Calor O suprimento de alimentos para humanidade necessita ocorrer diariamente, no entanto, a produção de alguns produtos e matéria prima é sazonal.

Leia mais

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos

Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais Controle do crescimento de micro organismos nos alimentos Introdução Os micro organismos estão diretamente

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na

29/8/2011. Eduardo Amaral de Toledo. Mauá da Serra PR. Supervisor da Qualidade. II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e Indicadores na II Workshop de Microbiologia Deteriorantes e indicadores de higiene Deteriorantes e Indicadores na Indústria de Cereais Eduardo Amaral de Toledo Supervisor da Qualidade SL Alimentos e Cereais Ltda Mauá

Leia mais

A importância do tratamento térmico adequado em produto alimentício industrializado e acondicionado em embalagem pouch

A importância do tratamento térmico adequado em produto alimentício industrializado e acondicionado em embalagem pouch A importância do tratamento térmico adequado em produto alimentício industrializado e acondicionado em embalagem pouch Lucas Arthur Rodrigues, INVENSYS Rubens Gedraite, CEUN-IMT Leo Kunigk,CEUN-IMT Ricardo

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode

Leia mais

VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO

VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO A VAPOR ÚMIDO Profª. Drª.Thereza Christina Vessoni Penna Professora Titular do Departamento de Tecnologia Bioquímico Farmacêutica Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

VALIDAÇÃO DE UM SOFTWARE DE PREDIÇÃO DA PRESSÃO INTERNA DURANTE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO DE ALIMENTOS

VALIDAÇÃO DE UM SOFTWARE DE PREDIÇÃO DA PRESSÃO INTERNA DURANTE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO DE ALIMENTOS VALIDAÇÃO DE UM SOFTWARE DE PREDIÇÃO DA PRESSÃO INTERNA DURANTE PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO DE ALIMENTOS CAMILA B. KAIHATU 1 ; MARIA ISABEL BERTO 2 ; ALFREDO A. VITALI 3 Nº 10207 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR

ESTERILIZAÇAO PELO CALOR Faculdade de Farmácia da UFMG ESTERILIZAÇÃO NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ESTERILIZAÇAO PELO CALOR CALOR SECO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano ABRIL 2010 Mecanismo de destruição de microrganismos pelo

Leia mais

OPERAÇÃO DO PROCESSAMENTO TÉRMICO EM ALIMENTOS

OPERAÇÃO DO PROCESSAMENTO TÉRMICO EM ALIMENTOS OPERAÇÃO DO PROCESSAMENTO TÉRMICO EM ALIMENTOS A história da eliminação dos microrganismos nos alimentos preparados iniciou-se com Nicholas Appert, um confeiteiro francês que colocou alimentos em garrafas

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA. Em resumo: 30/3/2011 TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA. Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos

ESTERILIZAÇÃO TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA. Em resumo: 30/3/2011 TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA. Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos PRINCÍPIOS DE PROCESSAMENTO TÉRMICO ESTERILIZAÇÃO Accácia Júlia Guimarães Pereira Messano 2011 TERMINOLOGIA ESTERILIZAÇÃO: inativação ou eliminação

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO POR CALOR E A CI ÉTICA DE MORTE MICROBIA A por Gerson Roberto Luqueta

ESTERILIZAÇÃO POR CALOR E A CI ÉTICA DE MORTE MICROBIA A por Gerson Roberto Luqueta ESTERILIZAÇÃO POR CALOR E A CI ÉTICA DE MORTE MICROBIA A por Gerson Roberto Luqueta Introdução: Embora a esterilização por calor não seja nenhuma novidade aos profissionais mais experientes, tenho observado

Leia mais

Using Numerical Simulations in the Evaluation of Food Thermal Process

Using Numerical Simulations in the Evaluation of Food Thermal Process Using Numerical Simulations in the Evaluation of Food Thermal Process Pedro E. D. Augusto COTUCA, FEA UNICAMP Marcelo Cristianini FEA UNICAMP Thermal Process The most effective and used method for guarantee

Leia mais

PROCESSAMENTO ASSÉPTICO

PROCESSAMENTO ASSÉPTICO Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos PRINCÍPIOS DE PROCESSAMENTO TÉRMICO Comparação entre processos de esterilização ESTERILIZAÇÃO CONVENCIONAL EM AUTOCLAVES (APERTIZAÇÃO) (PROCESSO NÃO

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR EXPERIMENTAL EM CUPCAKE DE CHOCOLATE RESFRIADO A TEMPERATURA AMBIENTE

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR EXPERIMENTAL EM CUPCAKE DE CHOCOLATE RESFRIADO A TEMPERATURA AMBIENTE DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR EXPERIMENTAL EM CUPCAKE DE CHOCOLATE RESFRIADO A TEMPERATURA AMBIENTE DETERMINATION OF EXPERIMENTAL CONVECTIVE HEAT-TRANSFER COEFFICIENT

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS C. R. RODRIGUES VELOSO 1, R. GEDRAITE 2 1 Bolsista PIBIC FAPEMIG/UFU, discente do curso de Engenharia Química 2 Professor da Faculdade de

Leia mais

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA

SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA SEGURANÇA MICROBIOLÓGICA DE RESÍDUO DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE BATATA Gilsimeire Rodrigues MORAIS* 1 ; Maria Raquel Hidalgo CAMPOS** 2 ; Thaísa Anders Carvalho SOUZA* 3 ; Tiago DIAS** 4 ; Luciana de Oliveira

Leia mais

Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira

Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira Aumento da conservação dos alimentos Relação tempo x temperatura Fatores intrínsecos e extrínsecos relacionados com os M.O. ph Efeito do calor sobre o alimento Outros

Leia mais

TRATAMENTO TÉRMICO. 1- Introdução

TRATAMENTO TÉRMICO. 1- Introdução TRATAMENTO TÉRMICO Prof. Roberto de Oliveira Roça Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial Fazenda Experimental Lageado, Caixa Postal, 237. F.C.A. - UNESP - Campus de Botucatu CEP 18.603-970

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base em conceitos e metodologias introdutórios relativos à engenharia genética, julgue os itens a seguir. O alto rendimento de um processo fermentativo está diretamente relacionado

Leia mais

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO?

06/10/2014 UM POUCO DA HISTÓRIA CONSERVAÇÃO DOS ALIMENTOS O QUE SÃO MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO? UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ UM POUCO DA HISTÓRIA Os alimentos nem sempre estiveram tão disponíveis quanto estão nos dias atuais. 2 UM POUCO DA HISTÓRIA A conservação de alimentos remonta a épocas

Leia mais

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS

REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS REDUÇÃO DA ATIVIDADE DE ÁGUA EM MAÇÃS FUJI COMERCIAL E INDUSTRIAL OSMO-DESIDRATADAS Marina Massarollo (UNICENTRO), Vivian Buriol (UNICENTRO), Katielle R. V. Córdova (Orientadora), e-mail: kvcordova@hotmail.com

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR

INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR INSTRUÇÕES DE USO EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO SOLIDOR Importador: Lamedid Comercial e Serviços Ltda. Endereço: Av. Gupê, nº 10767 Galpão 20, Bloco IV Jardim Belval Município: Barueri SP -CEP: 06422-120

Leia mais

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares*

Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Efeito da embalagem na conservação de produtos minimamente processados Nilda de Fátima Ferreira Soares* Os produtos minimamente processados são geralmente reconhecidos como alimentos submetidos a pequenas

Leia mais

REOLOGIA DE POLPA DE MANGA E AJUSTE DOS PARÂMETROS REOLÓGICOS EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA

REOLOGIA DE POLPA DE MANGA E AJUSTE DOS PARÂMETROS REOLÓGICOS EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA ISSN: 1517-8595 37 REOLOGIA DE POLPA DE MANGA E AJUSTE DOS PARÂMETROS REOLÓGICOS EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA José Raniere Mazile Vidal Bezerra 1, Alexandre José de Melo Queiroz 2, Carlos Alberto Gasparetto

Leia mais

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA)

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA) ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

PGA I Processamento de Pêssego em Calda

PGA I Processamento de Pêssego em Calda Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Engenharia Alimentar PGA I Processamento de Pêssego em Calda Janeiro de 2008 Elaborado por: João Santos nº 3641 Ruben Ferreira nº 3710

Leia mais

Processamento de Ketchup

Processamento de Ketchup LICENCIATURA EM ENGENHARIA ALIMENTAR PGA I - 2ºANO 2007/2008 Processamento de Ketchup Daniela Lucas - Nº 20503012 Elisa Santos Silva Nº 3705 Ângela Doro Nº 3763 Índice Introdução pag 3 Etapas do processo

Leia mais

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO Obrigatória no Brasil para todo o leite Todos os derivados devem ser fabricados a partir de leite pasteurizado Tecnologia obrigatória em todo

Leia mais

Determinação da Eficácia de Sistemas de Barreira Estéril contra desafios microbianos durante transporte e armazenamento

Determinação da Eficácia de Sistemas de Barreira Estéril contra desafios microbianos durante transporte e armazenamento Determinação da Eficácia de Sistemas de Barreira Estéril contra desafios microbianos durante transporte e armazenamento Hartmut Dunkelberg, MD; Ulrich Schmelz, MD Tradução livre:rosana Sampaio Objetivo.

Leia mais

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2)

LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) LIGANTES ASFÁLTICOS PARA PAVIMENTAÇÃO ENSAIOS E CLASSIFICAÇÕES (PARTE 2) Pavimentação NATURAIS ROCHAS ASFÁLTICAS XISTOS E ARENITOS LAGOS ASFÁLTICOS LIGANTES BETUMINOSOS PETRÓLEO ALCATRÃO SÓLIDOS OXIDADOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBI- OLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE CATANDUVA-SP Mariane L. ESPERANDIO Discente FACULDADE DE TECNOLOGIA TECMED Mario A.VERGANI Discente

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE CONSERVAS DE COGUMELOS COMESTÍVEIS

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE CONSERVAS DE COGUMELOS COMESTÍVEIS Ministério da Agricultura e do Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROCESSAMENTO DE CONSERVAS DE COGUMELOS COMESTÍVEIS Documentos n o 43 ISSN - 1516-8247

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Ecozink ML. Descrição:

Ecozink ML. Descrição: Ecozink ML Descrição: Ecozink ML é um processo isento de complexantes ou quelantes, indicado para banhos de zinco alcalino sem cianeto. Ecozink ML opera com dois aditivos que proporciona grande eficiência

Leia mais

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta

Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta Procedimentos e técnicas de esterilização de instrumentos cirúrgicos Por Gerson Roberto Luqueta Introdução Nos últimos tempos a esterilização de instrumentos cirúrgicos tem sido alvo de discussão em vários

Leia mais

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos

Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano em alimentos Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Fatores intrínsecos e extrínsecos que interferem no crescimento microbiano

Leia mais

15/08/2010. www.baumer.com.br. Eng. Gerson R. Luqueta

15/08/2010. www.baumer.com.br. Eng. Gerson R. Luqueta Autoclaves para laboratório de microbiologia de alimentos: critérios técnicos para aquisição, utilização e manutenção para a garantia da qualidade laboratorial Proibida a reprodução total ou parcial sem

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

AVALIAÇÃO DE AGENTES PRESERVANTES DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO NO PROCESSO DE SECAGEM DE MAÇÃ

AVALIAÇÃO DE AGENTES PRESERVANTES DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO NO PROCESSO DE SECAGEM DE MAÇÃ AVALIAÇÃO DE AGENTES PRESERVANTES DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO NO PROCESSO DE SECAGEM DE MAÇÃ Sérgio Henriques Saraiva 1, Lílian Bozzi Zeferino 1, Mateus da Silva Junqueira 1, Luís César da Silva 1, Luciano

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS DE TRATAMENTOS TÉRMICOS EM ALIMENTOS SÓLIDOS ENLATADOS

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS DE TRATAMENTOS TÉRMICOS EM ALIMENTOS SÓLIDOS ENLATADOS MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS DE TRATAMENTOS TÉRMICOS EM ALIMENTOS SÓLIDOS ENLATADOS Aline Inácio Alves 1, Sérgio Henriques Saraiva 1, Salatir Rodrigues Junior 1, Mateus da Silva Junqueira 1, Luciano

Leia mais

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização.

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Uma laboratório de microbiologia destina-se principalmente em

Leia mais

UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RS DBQ DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E QUÍMICA CURSO - QUÍMICA INDUSTRIAL DE ALIMENTOS

UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RS DBQ DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E QUÍMICA CURSO - QUÍMICA INDUSTRIAL DE ALIMENTOS UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RS DBQ DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E QUÍMICA CURSO - QUÍMICA INDUSTRIAL DE ALIMENTOS Capítulo 1 - Tecnologia de Frutas e Hortaliças 1 A AGROINDÚSTRIA

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO

CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Sala de Preparo e Esterilização Equipe: Carla, Marcela e Maria Cristina 6º Período de Enfermagem UNIS Sala de preparo A

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

ESTUDO PARA FIXAR VALOR DE D EM ESTERILIZAÇÃO POR AUTOCLAVE

ESTUDO PARA FIXAR VALOR DE D EM ESTERILIZAÇÃO POR AUTOCLAVE ESTUDO PARA FIXAR VALOR DE D EM ESTERILIZAÇÃO POR AUTOCLAVE SALMAZO NETTO, Fernando Lima, SOUZA, Andréa Cristiane de fersalmazo@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: A esterilização por

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS

BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS BOAS PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE VEGETAIS CENCI, S. A. ; GOMES, Carlos Alexandre Oliveira ; ALVARENGA, André Luis Bonnet ; JUINIOR, Murillo Freire. Boas Práticas de Processamento Mínimo de Vegetais

Leia mais

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO

Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO 426 Eixo Temático ET-09-009 - Energia ESTUDO DA TERMOFLUIDODINÂMICA DE UM SECADOR SOLAR DE EXPOSIÇÃO DIRETA: MODELAGEM E SIMULAÇÃO Maria Teresa Cristina Coelho¹; Jailton Garcia Ramos; Joab Costa dos Santos;

Leia mais

RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL

RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL RECUPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS NA PRODUÇÃO DE ETANOL Hugo Perazzini 1*, Maisa Tonon Bitti 1 1. Graduado em Engenharia Química

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Processamento, avaliação da cor e rendimento da farinha de banana verde.

Processamento, avaliação da cor e rendimento da farinha de banana verde. IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de Dezembro de 2011 Processamento, avaliação da cor e rendimento da farinha de banana verde. Laura COSTA VITOI NASCIMENTO¹,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE CALIBRAÇÃO NA GRANDEZA TEMPERATURA

OTIMIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE CALIBRAÇÃO NA GRANDEZA TEMPERATURA VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil OTIMIZAÇÃO

Leia mais

3. Procedimento e Montagem Experimental

3. Procedimento e Montagem Experimental 3. Procedimento e Montagem Experimental O presente trabalho é uma continuação da pesquisa iniciada por Leiroz [14]. A seção de testes usada para nosso estudo de deposição de parafina sob condições de escoamento

Leia mais

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR

1. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO DO CALOR UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FACULDADE DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: BROMATOLOGIA 2º/ 4 O PROFA. IVETE ARAKAKI FUJII. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE PELO MÉTODO DO AQUECIMENTO DIRETO- TÉCNICA GRAVIMÉTRICA COM EMPREGO

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência.

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. União deslizante de duplo lábio: maior segurança e facilidade de trabalho. O anel

Leia mais

Linhas gerais da fabricação do saquê

Linhas gerais da fabricação do saquê Resultados da aprendizagem Linhas gerais do conhecimento de como fazer saquê. Consulte o Capítulo 8 para detalhes das diferenças entre os tipos. Conhecimento de Koji e seu papel Conhecimento de shubo /

Leia mais

PROBLEMAS TECNOLOGIA ALIMENTAR II

PROBLEMAS TECNOLOGIA ALIMENTAR II UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Engenharia Alimentar PROBLEMAS DE TECNOLOGIA ALIMENTAR II Compilação feita por: Doutora Margarida Vieira Engª Paula Cabral 1. TRANSFERÊNCIA DE CALOR

Leia mais

CONTROLE E TESTES LIMPEZA ESTERILIZAÇÃO DOCUMENTAÇÃO. SeleçÃo. Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212

CONTROLE E TESTES LIMPEZA ESTERILIZAÇÃO DOCUMENTAÇÃO. SeleçÃo. Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212 SeleçÃo Indicadores Quimico de Limpeza M0100-810-101 M0100-810-201 M0100-810-112 M0100-810-212 CONTROLE E TESTES Dispositivos de Desafio e Suportes M0102-800-111 M0102-800-102 M0102-800-116 Indicadores

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Introdução. Equipamentos necessários para produção de cerveja

Introdução. Equipamentos necessários para produção de cerveja Introdução O objetivo deste manual é demonstrar a construção dos equipamentos básicos para produção caseira de cerveja, sem a necessidade de ferramentas profissionais e utilizando materiais encontrados

Leia mais

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método

METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS. Tipo de amostra Análises SIF - Método CQ - Método METODOLOGIAS UTILIZADAS PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Tipo de amostra Análises SIF Método CQ Método Água M 04 Contagem de Clostridium perfringens Membrana Filtrante M 08 Contagem de Coliforme Total Membrana

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS

ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos ULTRA-SOM NA PRESERVAÇÃO E PROCESSAMENTO DOS ALIMENTOS Ricardo Aranha 20703040 Ana Ferreira 20803028

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE.

ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. ESTUDO DA SECAGEM DE MAMÃO FORMOSA DESIDRATADO OSMOTICAMENTE. Anastácia Maria Mikaella Campos NOBREGA 1, Maria Elita Martins DUARTE 2, Renata Duarte ALMEIDA 3, Suellton Rodrigues ANDRÉ 4. 1 Departamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR COMPUTACIONAL PARA EVAPORADOR DE SUCO DE LARANJA

DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR COMPUTACIONAL PARA EVAPORADOR DE SUCO DE LARANJA DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR COMPUTACIONAL PARA EVAPORADOR DE SUCO DE LARANJA 1 Daiana Wischral, 2 Marco Aurélio Praxedes, 1 Talita Oliva dos Santos 1 Discente do curso de Engenharia de Alimentos 2 Professor

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA Hector Reynaldo Meneses Costa CEFET-RJ/DEPES Ari Sauer Guimarães UFRJ/PEMM/COPPE Ivani

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS

MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS MISTURADORES E AGITADORES ALIMENTÍCIOS A mistura de um produto alimentício pode ser definida como uma operação durante a qual se efetua a combinação uniforme de vários componentes de uma formulação. A

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP: L 20 Página 1 de 7 1. Identificação do Equipamento: Autoclave 1.1 Setor Alocado: Setor de Microbiologia. 1.2 Assistência Técnica: Gerência de Engenharia e Patrimônio. Ramal: 2017, 2008 e 2142. 1.3.1

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000

DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000 DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000 Incorporado com avançada tecnologia de detecção de vazamentos, o ITDVGH 6000 é o nosso novo produto com as funções de fácil operação, função estável e aparência

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015 MONITORAMENTO DA MATURAÇÃO PÓS-COLHEITA DE TOMATE VERDE MADURO DOS GRUPOS ITALIANO PIZZADORO E SALADETE ALAMBRA ANJOS, Valéria Delgado de A 1 ; ZANINI, Juliana Salvetti 2 ; ABRAHÃO, Roberta Maria Soares

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

!"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12

!!!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + !! (, -./. (!!0!!!!% (0 !0!!12 !"!"!! #$ % $ % & ' ()# * * '* + "!! (, -./. (!!0"!"!!!% (0 "!0"!!12 !"+RDC Nº 274, de 22/09/2005, estabelece o regulamento técnico para águas envasadas e gelo #$%!RDC Nº 275, de 22/09/2005, estabelece

Leia mais

ANEXO II. Item Quant. Unidade Descrição

ANEXO II. Item Quant. Unidade Descrição ANEXO II Aquisição de gêneros alimentícios para alimentação escolar para consumo e uso nas Escolas da Rede Municipal de Ensino, nas Escolas Filantrópicas e nos Programas AABB Comunidade e Ações Complementares,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais