=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A SA-8000 COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE" name="description"> =)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A SA-8000 COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE">

A SA-8000 COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SA-8000 COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL"

Transcrição

1 ! "#$ " %'&)(*&)+,.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?<>=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A SA-8000 COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL Phablo Lucas Pettersen Pereira (UFES) Marta Monteiro da Costa Cruz (UFES) Tendo em vista os problemas sociais encontrados na sociedade e considerando a dificuldade de resolução desta situação por parte do governo, ações de cunho social tem sido cobradas de outros agentes, dentre os quais as empresas estão inseriddas. Recebendo crescentes cobranças da sociedade e diante da situação competitiva do mundo globalizado, as empresas têm buscado encontrar diferenciais que lhe permitam manter e agregar parceiros e valor ao seu negócio, considerando seus stakeholders (partes interessadas)este artigo abordou sobre a crescente utilização de sistemas de gestão baseados em normas certificáveis, passando por normas de qualidade, meio ambiente e de segurança e saúde ocupacional, mas focando na responsabilidade social, um assunto cada vez mais emergente em todo o planeta, e em uma de suas iniciativas mais reconhecidas atualmente: a norma internacional SA-8000, reconhecida mundialmente através de seu sistema de gestão e de seu processo de certificação. O trabalho foi fruto de uma ampla pesquisa bibliográfica e de documentos, que mostraram a responsabilidade social, um dos pilares do desenvolvimento sustentável, como um tema emergente e cada vez mais reconhecido pela sociedade.a norma, que é baseada em nove requisitos (trabalho infantil, trabalho forçado, saúde e segurança ocupacional, liberdade de associação e direito à negociação coletiva, discriminação, práticas disciplinares, jornada de trabalho, remuneração e sistema de gestão), tem se mostrado como uma reconhecida ferramenta para introduzir a responsabilidade social no contexto empresarial, tendo em vista que enfatiza principalmente a preocupação para com o publico interno da empresa: os funcionários. Além disso, a SA-8000 demonstra ter o caráter sistêmico e periódico necessário, que o diferencia e o destaca perante as práticas empresariais que são baseadas no assistencialismo ou filantropia, que colaboram, mas não garantem a permanência das ações para resolução dos problemas.o trabalho abordou de forma aprofundada as características da norma e de seu sistema de gestão. Além disso, esclareceu sobre seu processo de certificações, relatando a distribuição de certificados por países e por tipo de indústria.de

2 acordo com o artigo, a SA-8000 pareceu ser capaz de proporcionar resultados satisfatórios para a empresa e para os envolvidos, colaborando assim para que a empresa melhore sua performance social e empresarial, contribuindo para melhoria das condições sociais encontradas, não somente nas indústrias e países que dela se utilizam, mas também em toda a sociedade. Palavras-chaves: Gestão empresarial, sistemas de gestão, responsabilidade social, SA

3 1. Introdução Recebendo crescentes cobranças da sociedade e diante da situação competitiva do mundo globalizado, as empresas têm buscado encontrar diferenciais que lhe permitam manter e agregar parceiros e valor ao seu negócio. Como a tecnologia tem se desenvolvido cada vez mais, muitas vezes equiparando empresas, produtos e serviços fornecidos, as mudanças no conceito recente de competitividade têm levado empresas a se preocupar com o respeito que suas marcas possuem e conquistam junto as diversas partes interessadas (chamados stakeholders), quer sejam eles clientes, fornecedores, parceiros, empregados, sindicatos, governo, Organizações Não-Governamentais (ONGs), comunidade, consumidores, etc. Associando as cobranças e pressões recebidas da sociedade com a necessidade de obter diferencial competitivo perante seus públicos, algumas empresas já visualizaram um perfeito encaixe para atendimento de ambas, buscando cada vez mais, realizar ações e esforços para serem consideradas junto à sociedade, como empresas socialmente responsáveis. Segundo Pfeifer (2003), a responsabilidade social empresarial está fortemente embasada no conceito de desenvolvimento sustentável, cujo tripé está referenciado simultaneamente à sustentabilidade sócio-econômica e ambiental, proporcionando desenvolvimento socialmente justo, economicamente eficaz e ambientalmente correto. No mundo de negócios globalizado, que já considerou e mobilizou empresas a adotarem Sistemas de Gestão baseados em aspectos de qualidade (ISO9001), meio ambiente (ISO14001) e saúde e segurança no trabalho (OHSAS18001, BS8800), os aspectos de Responsabilidade Social tem ganhado força e padrões Internacionais tais como o AA1000 e a norma SA8000 (e até mesmo a Norma Brasileira de Responsabilidade Social NBR16001), estão se juntando às outras ferramentas e iniciativas, para aplicação da Responsabilidade Social no meio empresarial. Segundo o Instituto Ethos de Responsabilidade Social, Responsabilidade Social é uma forma de gestão pautada num comportamento ético e transparente da empresa com os públicos com que ela se relaciona, utilizando estratégias que levem em conta o desenvolvimento sustentável da sociedade. No entanto, Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável são temas amplos e multidisciplinares que devem ser muito bem entendidos antes de sua aplicação. Considerando a amplitude do tema, a recente incorporação da Responsabilidade Social de forma estratégica na Gestão das empresas (tentando retirar das ações sociais o caráter exclusivamente assistencialista e amador) e as inúmeras dúvidas e receios do empresariado, é que se torna necessário estudar como têm se dado à adoção desta nova forma de gestão empresarial. Este artigo aborda sobre a utilização de um sistema de gestão da responsabilidade social, especificamente analisando a norma internacional SA-8000 como ferramenta. Desta forma, espera-se não somente contribuir para o aumento do conhecimento sobre o tema e sobre a norma, mas principalmente mobilizar empresas e outros agentes a considerar o assunto responsabilidade social na gestão empresarial, de forma a buscar melhoria de desempenho de forma socialmente responsável. 2. Sistema de Gestão como Estratégia Empresarial Antes de iniciarmos um maior aprofundamento referente ao tema Responsabilidade Social, é interessante conhecer como se iniciou e através de quais conceitos e ferramentas as empresas 3

4 começaram e continuam a adotar Sistemas de Gestão baseados em normas que permitem a verificação (auditoria) por Organismos Externos à Organização, conferindo certificados de conformidade reconhecidos nacional e mundialmente. Devido às grandes transformações advindas do recente mundo globalizado, as empresas privadas começaram a perceber o nível crescente de exigências por parte de seus consumidores, clientes, e da sociedade como um todo, quando da aquisição de produtos e serviços. Considerando o mercado altamente competitivo que caracteriza os diversos setores da economia, as empresas passaram a buscar ferramentas que oferecessem aos clientes os requisitos e diferenciais que os mesmos buscavam. Assim, aspectos relativos à qualidade, meio ambiente, saúde e segurança no trabalho e mais recentemente responsabilidade social, tornaram-se gradativamente pauta em reuniões gerenciais e em ações estratégicas de empresas de todo o mundo. A qualidade foi o primeiro quesito a ser considerado, passando por programas de controle da qualidade (tais como o TQC Total Quality Control) e de gerenciamento da qualidade (tais como o TQM Total Quality Management). Segundo Felipe (2001, p.15), a busca por uma gestão capaz de atender a filosofia da qualidade total, fez com que surgisse no mundo dos negócios, sistemas de gestão que atendessem as mais diversas exigências das partes interessadas (stakeholders). O sistema de gestão da qualidade foi também o primeiro a ser considerado pelo meio empresarial, obtendo grande reconhecimento através da série ISO9000, que proporciona certificação através da ISO9001, atualmente na versão Após a qualidade, foram criados sistemas de gestão para atender a outras questões importantes para o dia a dia das empresas tais como meio ambiente (através da ISO14000, com certificação ISO14001), saúde e segurança ocupacional (através da OHSAS18001) e responsabilidade social (SA8000). Com o reconhecimento das 4 normas e de seus sistemas de gestão, muitas empresas já se utilizam da integração de duas ou mais delas, visando uma gestão integrada que proporcione resultados satisfatórios para os aspectos envolvidos. Neste contexto, é importante citar conclusões encontradas em Porter (1998), Donaire (1995), Tachizawa (2001) e Silva (2002), apud Alberton (2003), de que a rentabilidade, bem como a vantagem competitiva das empresas, são fortemente influenciadas pela capacidade dessas de antecipar-se e reagir frente às mudanças sociais e políticas que ocorrem no ambiente dos negócios. A adoção de sistemas de gestão baseados em normas passíveis de certificação, é uma tentativa de antecipação e de reação das empresas, para as mudanças que o mundo dos negócios tem observado, embasada no aumento da conscientização da sociedade. 4. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social De acordo com Estes (1997, apud Paczkowski, 2003), no decorrer dos últimos duzentos anos, a obsessão pelo lucro e os prejuízos causados à sociedade e ao meio ambiente levaram a uma redefinição dos objetivos, direitos e deveres do meio empresarial. Este processo, juntamente com outros fatores, tais como as dificuldades de muitos governos em atender as demandas sociais existentes, tem levado a uma redefinição de papéis em diversos setores da sociedade. A intervenção empresarial no processo social é um processo antigo, porém foram sempre baseadas em ações paliativas e emergenciais, tais como o assistencialismo, que geralmente é constituído por doações e trabalho voluntário, sendo praticado até os dias atuais por muitas empresas (GARCIA, 2004). 4

5 As ações de responsabilidade social podem incluir práticas de filantropia empresarial ou assistencialismo, porém não deve se restringir a elas. Muito mais do que fazer assistencialismo, é necessária a realização de ações concretas que realmente possam provocar mudanças definitivas. De acordo com Kraemer (2004), nos últimos anos perceberam-se grandes progressos na área de gerenciamento e relatório ambiental, ocorrendo mais recentemente, o mesmo processo quanto à conscientização sobre responsabilidade social e o conceito de sustentabilidade. Buffara (2003), afirma que o consumidor, como um agente independente, está cada vez mais interessado por essas questões, o que leva a crer que elas venham a se tornar uma regra no mercado global. O processo de intervenção social empresarial recebeu opções e novo fôlego nos últimos anos, tornando-se um campo em crescente expansão. Segundo Garcia (2004), o campo da intervenção social nos dias atuais é constituído por um conjunto de práticas bastante diferenciadas, disputadas por agentes igualmente diversos. Neste contexto, recentemente foram criadas normas e padrões no sentido de disseminar e padronizar em todo o mundo, os conceitos relativos à responsabilidade social nas empresas. Dentre as ferramentas e iniciativas que podem ser citadas estão: norma internacional de responsabilidade social SA-8000, o padrão AA1000 (AccountAbility 1000), GRI (Global Reporting Initiative) para relatórios de sustentabilidade, Global Compact (programa desenvolvido pela Organização das Nações Unidas) e o Livro Verde na Europa. No Brasil, destacam-se o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social (Instituto Ethos) como colaboradores no desenvolvimento de indicadores e práticas de responsabilidade social. Mais recentemente, foi lançada a norma brasileira de responsabilidade social ABNT NBR 16001: Responsabilidade social - Sistema da gestão Requisitos, que ainda não tem sido largamente utilizada no mercado. A ISO (International Organization for Standardization) já tentou criar uma norma única e mundial de certificação social, porém as tentativas ainda não se consolidaram. Os trabalhos atuais parecem estar mais próximos de chegar a um consenso, para que em breve tenhamos uma norma ISO social: a ISO Dentre os benefícios citados por Lisboa Neto (2003) para as empresas que se preocupam com o social, pode-se citar a valorização da imagem, a difusão da marca, a fidelidade dos clientes, aumento nas vendas e retorno para os acionistas, além da colaboração para amenizar desigualdades sociais existentes nos dias de hoje. Melo Neto e Froes (2001, apud Pfeifer, 2003) ainda relacionam benefícios tais como contribuição decisiva para sustentabilidade e desempenho empresarial, melhoria do clima organizacional, fortalecimento da marca, motivação dos colaboradores, melhoria de relações e maior fidelidade dos clientes. 5. Norma SA-8000 Embora os problemas em relação às condições de trabalho nas empresas seja um assunto antigo, apenas recentemente, com a globalização e o avanço da velocidade e da qualidade de informação, é que se tem observado a necessidade de agir com responsabilidade social para com os funcionários, tendo em vista que os abusos cometidos podem rapidamente chegar ao conhecimento das pessoas em qualquer parte do mundo, podendo causar prejuízos à imagem da empresa ou ao seu produto ou serviço fornecido. 5

6 Desenvolvida pela Social Accountability International (SAI), organização não-governamental, internacional e multi-stakeholder, com sede em Nova York nos Estados Unidos, a SA8000 (Social Accountability 8000) é uma norma internacional que busca garantir os direitos básicos dos trabalhadores. Foi inicialmente lançada em 1997 e atualmente se encontra na versão A primeira empresa certificada na SA8000 foi a Avon em 1998, sendo a empresa paulista De Nadai, a primeira empresa brasileira, em janeiro de 2000 (MUELLER, 2003). A SA8000 recebeu críticas e até mesmo resoluções contestando sua necessidade e rejeitando sua eficácia em fornecer avanços reais nos objetivos de responsabilidade social das empresas (ZUCKERMAN, 1998, p.24). No entanto, com o passar dos anos, a norma tem se tornado um padrão reconhecido e utilizado mundialmente. De acordo com Leipziger (2003, p.166), as empresas que hoje adotam a SA8000 estarão à frente das outras no mercado cada vez mais competitivo, quando surgirem as novas legislações que obriguem as empresas a tornarem-se mais socialmente responsáveis. A norma é aplicável às organizações de qualquer localidade, indústria ou tamanho e especifica requisitos de responsabilidade social que possibilitam as empresas desenvolver, manter e executar políticas e procedimentos com o objetivo de gerenciar aqueles temas os quais ela possa controlar ou influenciar. Além disso, permite às empresas, demonstrar para as partes interessadas que as políticas, procedimentos e práticas estão em conformidade com os requisitos da norma SA8000 (SA8000: 2001). A norma possui 9 requisitos: trabalho infantil, trabalho forçado, saúde e segurança no trabalho, liberdade de associação e direito à negociação coletiva, discriminação, práticas disciplinares, jornada de trabalho, remuneração e sistema de gestão. A SA8000 é estruturada em moldes similares à ISO9000 (Sistema de Gestão da Qualidade) e à ISO (Sistema de Gestão Ambiental). Seu método independente de verificação usa elementos chave a partir da certificação de sistemas de gestão largamente aceitos nos programas da ISO (International Organization for Satandardization), O fato da SA8000 seguir o padrão da ISO9000 e da ISO14000 facilita a implantação por empresas que já conhecem esse sistema (INDICADORES ETHOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL, 2005). Segundo Zuckerman (2000, p.75), embora os promotores da SA8000 afirmem que a norma foi baseada no modelo de sistema de gerenciamento da ISO9000, a SA8000 difere desta última tendo em vista que, além dos requisitos de sistema de gestão, também inclui requisitos de performance. Além disso, outras diferenças também são apontadas entre as normas ISO e a norma SA8000: Normas ISO Norma SA8000 Critérios de sistema de gestão Critérios de desempenho e sistemas de gestão Padrões desenvolvidos primeiramente em âmbito nacional e, após, harmonizado. Norma mundial desde o início Foco menor nas entrevistas com trabalhadores Entrevistas com trabalhadores constituem evidência e foco central na auditoria Em geral, cada seção da norma é diversa. As partes da norma se relacionam entre si Fonte: Leipziger (2003, p.19) Tabela 1 Diferenças entre as Normas ISO e a norma SA8000 6

7 Existem duas formas de comprometimento com a norma. A primeira é direcionada a empresas de varejo, que devem assumir o compromisso de fazer negócios apenas com fornecedores socialmente responsáveis, que sejam certificados pela Social Accountability International (SAI). A segunda forma é direcionada às empresas da Indústria que devem passar por uma rigorosa auditoria independente para obter a certificação (GUIA DE COMPATIBILIDADE DE FERRAMENTAS DO INSTITUTO ETHOS, 2005). A norma exige que a empresa cumpra a legislação nacional e outras que lhe sejam aplicáveis, inclusive os compromissos voluntariamente assumidos. No Brasil, em particular, deve-se dar especial atenção às leis da Constituição da República Federativa do Brasil, às leis que compõem a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), às normas regulamentadoras (NRs) destinadas à Segurança e Medicina do Trabalho e ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) (Mueller, 2003). Além disso, a empresa deve respeitar convenções e recomendações internacionais, tais como as da Organização Internacional do Trabalho e das Nações Unidas. Quando a empresa se deparar com diferentes documentos sobre o mesmo assunto aplicáveis, deve ser aplicada a disposição que for mais rigorosa (SA8000, 2001). A SA 8000 constitui um instrumento de informação extremamente importante para o consumidor globalizado, que faz questão de saber como o produto ou serviço que estão adquirindo foram produzidos ou conduzidos, rejeitando aqueles que possuem práticas contrárias aos princípios de responsabilidade social, visto que atualmente os fatores determinantes da sua escolha vão além de preço e qualidade (KRAEMER, 2004). Outro dado importante é que outras partes interessadas aos negócios também começam a valorizar a certificação SA8000. Por exemplo, o FTSE4Good, fornecedor de índice de investimento socialmente responsável, com base em Londres, lançou um novo conjunto de critérios cobrindo padrões de trabalho na cadeia de fornecimento, baseados nas principais convenções da Organização Internacional do Trabalho (ILO), as quais se dirigem à igualdade, discriminação, trabalho forçado, trabalho infantil, e representação dos trabalhadores. As empresas que estão conformes com o padrão SA8000 estão automaticamente consideradas conformes com o critério mínimo do FTSE4Good, Leipziger (2003, p.32) relata que o comprometimento com a SA8000 não tem sido encontrado apenas no setor privado, mas também de governos e agências multilaterais. O processo de certificação é realizado por empresas acreditadas pela SAI. As empresas pretendentes à acreditação, devem estar alinhadas aos critérios da SAI para poderem estar capacitadas e autorizadas a certificar empresas em conformidade com o padrão SA

8 Figura 1 Certificações SA8000 por países, dados até 30/09/2006 Fonte: acesso em 10/03/2007 Na figura 1, apresenta-se a distribuição de certificações por país, onde se observa o destaque de países como Itália, Índia, China, Brasil e Paquistão, na busca pela aplicação da responsabilidade social em suas empresas, através da norma SA8000. No total, aproximadamente 1112 empresas estão certificadas em todo o mundo. Deste total, aproximadamente 98 empresas certificadas encontram-se no Brasil. Outro ponto importante a ser ressaltado é que a SA8000 já é adotada em 57 países (dados consolidados até 30/09/2006, acessados em no dia 10/03/2007). Embora seja louvável a intenção e o esforço destas empresas e destes países na promoção da responsabilidade social empresarial, ressalta-se a necessidade de expansão deste universo de empresas e de países utilizando a SA8000, tendo em vista as desigualdades sociais existentes em todo o planeta. Na figura 2, pode-se visualizar a distribuição de certificações, por tipo de indústria. Das 1112 empresas certificadas, 36 são do setor de construção, sendo apenas sete delas no Brasil e uma delas apenas no estado do Espírito Santo. Atualmente, 71 indústrias estão representadas com empresas certificadas em todo o mundo. 8

9 Figura 2 SA-8000 Certified Facilities by Industry, dados até 30/09/2006 Fonte: acesso em 10/03/2007 O setor mais representado em certificações SA-8000 é o de aparelhos (com 17,1%), seguido pela indústria têxtil (com 8,29%). A indústria da construção está entre as 10 indústrias com mais certificações (com 2,89%). O certificado tem validade de 3 anos e as empresas certificadas devem se submeter às auditorias periódicas de manutenção a cada seis meses. Segundo Cooney (2004, p.319), além do comprometimento com a norma ser avaliado sistematicamente, a SA8000 possui um sistema de auditoria de credibilidade. Para obter orientação quanto à interpretação da norma, as empresas podem e devem consultar o documento guia da SA8000, em sua última versão de 2004, que auxilia no entendimento da norma SA8000 e na sua implementação, atravessando os nove elementos da norma e interpretando-os de acordo com a intenção original com que foram criados. O Guia também traz exemplos de métodos para verificação da conformidade. Desta forma, pode ser usado tanto pelas empresas que almejam a implementação e certificação SA8000 quanto pelos auditores que realizam a avaliação de conformidade. De acordo com Leipziger (2003, p.9), as empresas de todo o mundo estão descobrindo que a SA8000, além de ser benéfica para a sociedade, melhorando as condições no ambiente de trabalho, também gera benefícios para as empresas, dentre os quais estão: Maior retenção funcional e melhoria do desempenho, proporcionando melhoria da moral e da disposição dos funcionários, redução de custos com recrutamento e com treinamento de pessoal novo; Elevação da qualidade do produto e produtividade, através da melhoria das condições de segurança de fabricação, conduzindo a um ambiente de trabalho mais seguro e eficiente, 9

10 além do aumento da satisfação do funcionário para a produção do produto ou serviço ; Melhoria do gerenciamento, tendo em vista a necessidade de sistematização de procedimentos, definição de responsabilidades e treinamentos; Melhoria na administração da cadeia de fornecimento, eliminando-se os fornecedores que apresentarem mau desempenho em responsabilidade social; Proteção da reputação, tendo em vista que a implementação cuidadosa da SA8000 pode evitar multas, má exposição e perda de negociações que poderiam resultar de problemas ou violações; Desenvolvimento de novos mercados e nova clientela, considerando o destaque e diferencial obtido pela empresa certificada SA8000 dentro de um mercado cada vez mais saturado e competitivo. 6. Conclusões Este artigo abordou sobre a crescente utilização de sistema de gestão baseados em normas certificáveis, focando na responsabilidade social, um assunto cada vez mais emergente em todo o mundo, e em uma de suas iniciativas mais reconhecidas atualmente em todo o mundo. A SA-8000 é uma norma internacional, reconhecida mundialmente através de seu processo de certificação, que baseada em nove requisitos (trabalho infantil, trabalho forçado, saúde e segurança ocupacional, liberdade de associação e direito à negociação coletiva, discriminação, práticas disciplinares, jornada de trabalho, remuneração e sistema de gestão), tem se mostrado como uma ferramenta potencial para introduzir a responsabilidade social no contexto empresarial, tendo em vista que enfatiza principalmente a preocupação para com o publico interno da empresa: os funcionários. Além disso, a SA-8000 demonstra ter o caráter sistêmico e periódico necessário, que o diferencia e o destaca perante as práticas empresariais que são baseadas no assistencialismo ou filantropia, que colaboram, mas não garantem a permanência das ações para resolução dos problemas. O artigo demonstrou que a SA-8000 possui semelhanças e diferenças positivas em relação às normas ISO. Além disso, mostrou que os critérios da SA-8000 já tem sido reconhecidos por partes interessadas, dentre elas investidores. O trabalho também relatou a distribuição atual de certificações SA-8000, por países, demonstrando destaque para Itália, Índia, China, Brasil e Paquistão, e por setor de atuação, mostrando destaque das indústrias de aparelhos e têxtil. De acordo com as informações do artigo, a SA-8000 pareceu ser uma ótima ferramenta para introdução de um sistema de gestão da responsabilidade social, capaz de proporcionar resultados satisfatórios para a empresa e para os envolvidos, colaborando assim para que a empresa melhore sua performance empresarial e contribua para melhoria das condições sociais encontradas, não somente nas indústrias e países que dela se utilizam, mas também em toda a sociedade. Referências ALBERTON, A. Meio Ambiente e Desempenho Econômico-Financeiro: O impacto da ISO14001 nas empresas brasileiras Tese. (Doutorado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. BUFFARA, L. C. B. Desenvolvimento sustentável e responsabilidade social: um estudo de caso no grupo O Boticário Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. 10

11 COONEY, S. A broader role for the commonwealth in eradicating foreign sweatshops? Melbourne University Law Review, Erradicating Foreign Sweatshops, vol.28, p , FELIPE, D. L. Os sistemas Integrados de Gestão (ISO9000, ISO14000, OHSAS18001) como indicadores de responsabilidade social (SA8000) em processos produtivos de indústrias de confecções no Espírito Santo Brasil Dissertação (Mestrado Em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. GARCIA, J. O Negócio do Social. Ciências Sociais passo-a-passo nº 40, Editora Jorge Zahar, Rio de Janeiro, 2004, 61 p. IDOWU, S. O. & TOWLER, B. A. A comparative study of the contents of corporate social responsibility reports of UK companies. Management of Environmental Quality: An International Journal, vol.15, nº 4, p , INSTITUTO ETHOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guia de Compatibilidade de Ferramentas, INSTITUTO ETHOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial, KRAEMER, M. E. P. Responsabilidade Social uma alavanca para a sustentabilidade Disponível em acesso em 14/03/2005. LEIPZIGER, D. SA8000 O Guia definitivo para a nova norma social. Ed. Qualitymark, Rio de Janeiro, p. LISBOA NETO, H. Organização das informações do balanço social em instituição financeira como instrumento de gestão de sua responsabilidade social Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. MUELLER, A. A utilização dos indicadores de responsabilidade social corporativa e sua relação com os stakeholders Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. OLIVEIRA, M. A. L. de. SA8000: O modelo ISO 9000 aplicado à responsabilidade social. Ed. Qualitymark, Rio de Janeiro, PACZKOWSKI, S. Desenvolvimento de um procedimento de avaliação de práticas de responsabilidade social das organizações produtivas Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. PFEIFER, M. Responsabilidade Social Empresarial - uma inserção do serviço social Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis. SAI - Social Accountability International. SA SAI, Nova York, ZUCKERMAN, A. Certification and testing schemes abound Proliferating programs cover software to social accountability. World Trade, p.74-75, janeiro ZUCKERMAN, A. Do we really need a social accountability standard? Purchasing, p.24-25, Outubro último acesso em março de último acesso em março de

A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO EMPRESARIAL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa

Responsabilidade Social Corporativa Responsabilidade Social Corporativa João Paulo Vergueiro jpverg@hotmail.com Stakeholders GOVERNOS ORGANISMOS INTERNACIONAIS FORNECEDORES CONCORRENTES INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO ACIONISTAS PROPRIETÁRIOS EMPRESA

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres

GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres GEOGRAFIA, MEIO AMBIENTE E CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Henrique Elias Pessoa Gutierres Nas últimas décadas, o mundo tem testemunhado o desenvolvimento da consciência ambiental em diferentes setores da sociedade,

Leia mais

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 Hall Consult Produtos/ Serviços:

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS CURSO AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE: CONTEXTOS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Ana Júlia Ramos Pesquisadora Sênior AIII CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL: RAC Modelos Internacionais de Normas

Leia mais

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES

PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES PRINCÍPIOS E NORMAS DE CONDUTA EMPRESARIAL NA RELAÇÃO DE FURNAS COM SEUS FORNECEDORES Outubro/2009 1/8 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. ABRANGÊNCIA 3. OBJETIVOS 4. CÓDIGO DE CONDUTA EMPRESARIAL 4.1 NORMAS DE CONDUTA

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO. Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL: CUMPRIMENTO ÀS NORMAS OU DIFERENCIAL DE MERCADO Ariane Mendes, Danielle Rodrigues, Débora Bianco 1, Ana Cabanas n 1,n Faculdade Anhanguera de São José/ Pós-graduação em

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL, SUSTENTABILIDADE E SUAS NORMAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL, SUSTENTABILIDADE E SUAS NORMAS RESPONSABILIDADE SOCIAL, SUSTENTABILIDADE E SUAS NORMAS Alessandra Cabral Nogueira Lima Ariadne Cedraz Léa Monteiro Rocha Luciana Cristina Andrade Costa Franco Tássia Luana Alves Andrade Silva Os primeiros

Leia mais

Ferramentas normativas de Responsabilidade Social

Ferramentas normativas de Responsabilidade Social Ferramentas normativas de Responsabilidade Social A presente pesquisa busca apresentar algumas ferramentas normativas de Responsabilidade Social descrevendo a sua finalidade, como e por quem ela tem sido

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Questionário para Instituidoras

Questionário para Instituidoras Parte 1 - Identificação da Instituidora Base: Quando não houver orientação em contrário, a data-base é 31 de Dezembro, 2007. Dados Gerais Nome da instituidora: CNPJ: Endereço da sede: Cidade: Estado: Site:

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa

Responsabilidade Social Corporativa Responsabilidade Social Corporativa João Paulo Vergueiro jpverg@hotmail.com Por que? O cliente quer; O acionista presta atenção; A academia estuda; A opinião pública divulga; E economia exige a diferenciação.

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos

ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos FUNDAÇÃO VANZOLINI ABNT NBR 16001:2004 Responsabilidade social Sistema da gestão Requisitos 1 Das 100 maiores economias do mundo, 51 são empresas 1 2 5 11 14 23 24 25 27 28 29 31 37 38 40 42 43 PAÍS/EMPRESA

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

Jornada da Indústria pela Sustentabilidade FIESP 7/11/2013. Ferramentas para gestão responsável com ênfase na ISO 26000

Jornada da Indústria pela Sustentabilidade FIESP 7/11/2013. Ferramentas para gestão responsável com ênfase na ISO 26000 Jornada da Indústria pela Sustentabilidade FIESP 7/11/2013 Ferramentas para gestão responsável com ênfase na ISO 26000 Grandes desafios globais da humanidade Mudanças climáticas Água potável para todos

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E A ADOÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

A RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E A ADOÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL A RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E A ADOÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL RESUMO: Nos primórdios das organizações o único objetivo era voltado apenas para a obtenção de lucro sem dar importância à

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO

CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO CONTABILIDADE AMBIENTAL COMO FONTE DE INFORMAÇÃO MARIA ROSANA DANTAS LOPES RESUMO Este trabalho teve como objetivo mostrar a importância da contabilidade como fonte de informação de uma empresa, e o seu

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial O Grupo Atlas Copco Código de Conduta Empresarial Índice O Grupo Atlas Copco 1 Primeiro na Mente Primeiro na Escolha 2 Valores Fundamentais 3 Relações 4 Sociedade e o ambiente 5 Colaboradores 6 Clientes

Leia mais

ENGENHEIRO DE TUBULAÇÃO NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

ENGENHEIRO DE TUBULAÇÃO NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENGENHEIRO DE TUBULAÇÃO NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO DA DISCIPLINA Esta disciplina tem o objetivo de fornecer aos participantes informações sobre normas

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo

RESPONSABILIDADE SOCIAL. Roberta Dalvo RESPONSABILIDADE SOCIAL Roberta Dalvo Objetivo: Histórico e definições Panorama Social Oportunidades para as empresas (Vantagem Competitiva) Pesquisa realizada pelo Instituto Ethos/Valor Casos de sucesso

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO

APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO MODELO INTEGRADO DE GESTÃO - UM ESTUDO DE CASO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICABILIDADE DA ESPECIFICAÇÃO PAS 99:2006 COMO

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Formação/titulação DOUTORA

Formação/titulação DOUTORA TÍTULO DO PROJETO: IMERSÃO NA RESPONSABILIDADE SOCIAL: AÇÕES PARA REDESENHAR A GESTÃO ADMINISTRATIVA! Instituição proponente: Campus Universitário: Departamento ou unidade: UNEMAT SINOP CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

EXERCÍCIO E7 (individual)

EXERCÍCIO E7 (individual) PCC-2530 Sistemas de Gestão da Qualidade nas Empresas da Construção Civil Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Sistemas de Gestão Integrada: Segurança do Trabalho, Qualidade, Ambiente e Responsabilidade

Leia mais

Os programas de Responsabilidade Social voltados para o publico interno de uma empresa de grande porte. Ruam Melro 1. Ediene do Amaral Ferreira 2

Os programas de Responsabilidade Social voltados para o publico interno de uma empresa de grande porte. Ruam Melro 1. Ediene do Amaral Ferreira 2 Os programas de Responsabilidade Social voltados para o publico interno de uma empresa de grande porte. Ruam Melro 1 Ediene do Amaral Ferreira 2 Resumo A responsabilidade social é um assunto com muito

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO CANA SUL 2008 RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO SETOR SUCROALCOOLEIRO Maria Luiza Barbosa Campo Grande, 23 de agosto de 2008 RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL É a forma de gestão que se define pela

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: UMA ANÁLISE EM INDÚSTRIAS MOVELEIRAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

RESPONSABILIDADE SOCIAL: UMA ANÁLISE EM INDÚSTRIAS MOVELEIRAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA RESPONSABILIDADE SOCIAL: UMA ANÁLISE EM INDÚSTRIAS MOVELEIRAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Cristiane Maria Cutas (UDESC) crnety@hotmail.com Alexandre Borges Fagundes (PPGTE/UTFPR) alexandre.fagundes@udesc.br

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como:

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como: Balanced Scorecard Inicialmente desenvolvido pelo Dr. Robert Kaplan e David Norton - Harvard, o Balanced Scorecard é uma filosofia prática e inovadora de gestão da performance das empresas e organizações.

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 7. TIPOS DE CERTIFICAÇÃO continuação

NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 7. TIPOS DE CERTIFICAÇÃO continuação NORMALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 7 TIPOS DE CERTIFICAÇÃO continuação Índice 1. Tipos de certificação - continuação...3 1.1. Sistema da Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001)... 3 1.2. Segurança da

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

Palavras-chaves: Reclamação, Avaliação da Conformidade, Satisfação do Consumidor. II Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia SEGeT 2005 50

Palavras-chaves: Reclamação, Avaliação da Conformidade, Satisfação do Consumidor. II Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia SEGeT 2005 50 Avaliação do sistema de tratamento de reclamações e denúncias sobre produtos, processos e serviços no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Resumo: Este trabalho teve como finalidade

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN

GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA. Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN GESTÃO DE PESSOAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL: CRIANDO VALOR PARA O NEGÓCIO Profa. MARIA ELIZABETH PUPE JOHANN Maio de 2007 LEMBRANDO ESTRATÉGIAS... APARENTE PARADOXO: POR QUE A RICA SOCIEDADE AMERICANA

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Economia,Mercado e Empresas de Construção Civil: a sustentabilidade na prática. Paulo Itacarambi Instituto Ethos Setembro de 2008

Economia,Mercado e Empresas de Construção Civil: a sustentabilidade na prática. Paulo Itacarambi Instituto Ethos Setembro de 2008 Economia,Mercado e Empresas de Construção Civil: a sustentabilidade na prática Paulo Itacarambi Instituto Ethos Setembro de 2008 Paulo Itacarambi SBCS08 1 Como Alcançar o Desenvolvimento Sustentável? Políticas

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

cadernos Desenvolvimento sustentável petrobras Em nome do futuro Ano 9 N o 10 dezembro 2009

cadernos Desenvolvimento sustentável petrobras Em nome do futuro Ano 9 N o 10 dezembro 2009 cadernos petrobras Ano 9 N o 10 dezembro 2009 Desenvolvimento Em nome do futuro Cuidando do presente para garantir o futuro Desenvolvimento é um dos dez valores com que a Petrobras trabalha para transformar

Leia mais

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09

Filmes. Na mídia... Gestão de RH. Responsabilidade Social Empresarial. Prof. Rafael Marcus Chiuzi. Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Gestão de RH Prof. Rafael Marcus Chiuzi Responsabilidade Social Empresarial Filmes Sesi responsabilidade social Duração: 2 09 Na mídia... Empresa socialmente responsável. Responsabilidade social corporativa.

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Comunicação Institucional Visão de Futuro

Comunicação Institucional Visão de Futuro Comunicação Institucional Visão de Futuro Organograma Presidente Comunicação Institucional Assistente Imagem Corporativa e Marcas Comitê Estratégico Imprensa Planejamento e Gestão Atendimento e Articulação

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Companhia Energética de Minas Gerais S.A (Cemig),

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Consultoria ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Demonstre o seu compromisso com a qualidade e a satisfação dos seus clientes O Sistema de Gestão da Qualidade tem a função de suportar o alinhamento

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética

3. O Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética A implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma NBR ISO/IEC 17025 no Laboratório de Eletromagnetismo e Compatibilidade Eletromagnética da Universidade Federal de Santa Catarina. Eduardo

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina SIGA: TMBAGEP*14/05 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais