Relatório Anual 2008 DOCUMENTO APROVADO NA XXXIX REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA - DIA 25/03/2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual 2008 DOCUMENTO APROVADO NA XXXIX REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA - DIA 25/03/2009"

Transcrição

1 DOCUMENTO APROVADO NA XXXIX REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA - DIA 25/03/2009 1

2 SUMÁRIO 1 MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO 2 CONHEÇA O SISTEMA SOFTEX 3 DESTAQUES DIRETRIZES ESTRATÉGICAS 5 RESULTADOS CONTRIBUIÇÕES DOS AGENTES 7 PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO QUEM É QUEM NO SISTEMA SOFTEX Anexo: Estrutura Organizacional-Administrativa (Organograma) 2

3 1. MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Na perspectiva da administração da SOFTEX, o ano de 2008 foi o primeiro no qual foram planejadas e executadas ações sob sua inteira responsabilidade. No período anterior, esta administração deu continuidade a iniciativas planejadas e iniciadas anteriormente e teve o Relatório Anual 2007 aprovado pelo Conselho de Administração. O presente é agora apresentado. Nele estão descritos os projetos iniciados em 2008 bem como relatadas as evoluções de iniciativas que, iniciadas anteriormente, tiveram prosseguimento no período em questão. Os resultados alcançados são medidos, à luz das propostas aprovadas bem como dos indicadores de desempenho adotados. São comparadas metas estabelecidas no inicio de 2008 com os resultados alcançados em 31 de dezembro de 2008, permitindo ao leitor uma avaliação do desempenho de cada iniciativa gerenciada pela SOFTEX. Como poderão ser vistas, houve conquistas, indicando resultados positivos dos projetos. Mas também são identificados alguns pontos que mereceram, e ainda merecem atenção. Nesses casos, a Diretoria considera-os oportunidades de melhorias em Referimo-nos especialmente à sustentabilidade da instituição a médio-longo prazo. A SOFTEX ainda convive com dificuldades em ter assegurados recursos para sustento de suas atividades meio, isto é, para viabilizar suas responsabilidades administrativas básicas. A estratégia adotada para mitigar riscos tem sido em primeiro lugar, a adoção de rigoroso controle de gastos nas atividades administrativas em geral, como bem pode ser visto nos demonstrativos financeiros. E, em segundo lugar, com as entidades parceiras, apoiadoras dos projetos em curso, a inclusão de valores nos orçamentos dos projetos que possam cobrir parte dos custos com a gestão SOFTEX desses mesmos projetos. O Balanço de 2008 é apresentado, devidamente auditado por empresa independente contratada, cujo parecer é exibido além de contar com o Parecer do Conselho Fiscal. Os números apresentados mostram ao leitor a realidade dos resultados financeiros alcançados. Significa dizer que A SOFTEX tem crescido e se legitimado como entidade de apoio ao setor de software e serviços no país. Mas evidencia vulnerabilidade com que a entidade convive em sua sustentabilidade econômico-financeira. O presente relatório foi organizado de maneira a facilitar o entendimento do leitor sobre os resultados que têm sido colhidos, os principais dos quais são objeto da sessão destaques no preâmbulo do texto. Os detalhes de cada projeto e demais atividades estão apresentadas sob as respectivas diretrizes estratégicas que os respaldam. Além disso, alguns anexos complementam o documento com informações relevantes sobre o que foi realizado em 2008 e que não poderia ser enquadrado no logo na abertura dos Agentes SOFTEX prosseguem atuando como parceiros naturais das ações SOFTEX. Outras entidades e pessoas físicas como: representantes de outras entidades parceiras da SOFTEX, professores universitários, profissionais diversos e independentes, executivos de empresas brasileiras e multinacionais de TI, tiveram em 2008 oportunidade ímpar de se envolverem com a Sociedade SOFTEX no seu processo de planejamento estratégico para o período Assim foi que, usando tecnologia IBM de 3

4 colaboração, Idea Factory, modelada na Web 2, que foi concebido e montado pela SOFTEX o que se convencionou chamar Concerto de Idéias, um modelo interativo de consulta à comunidade, objetivando captar idéias previamente divididas por área de atuação da SOFTEX capazes de enriquecer o elenco de ações e projetos concebidos para o próximo período. O resultado da experiência foi considerado bom, excedendo as expectativas. Registrou-se o envolvimento de 330 pessoas de diversas regiões do país, foram captadas, debatidas, avaliadas e votadas 130 idéias e, dentre essas, absorvidas mais de 20 que agora, de alguma forma, estão incorporadas aos projetos em estudo para Significa dizer que a SOFTEX entende haver maior legitimidade nas novas ações que propõe desenvolver no período , pois o significativo número representantes do setor, participantes da iniciativa, via Concerto de Idéias 2008, a conferem. Finalmente, há que se registrar que a SOFTEX passou a integrar um com outras entidades do setor, como ABES, ASSESPRO, BRASSCOM, FENAINFO, SUCESU, um fórum de debates para o encaminhamento de questões, proposições e sugestões aos poderes constituídos visando formulação de novas políticas de apoio ao setor. Significa dizer que a SOFTEX inaugurou em 2008 uma nova atividade, cumprindo uma de suas importantes diretrizes estratégicas, como entidade gestora que é do Programa SOFTEX: Apoiar a formulação de políticas de interesse da IBSS. As realizações relatadas neste documento permitem identificar os acertos, como também acenar para novas iniciativas em 2009 objetivando sustentabilidade e melhorias constantes no esforço para fortalecimento da indústria nacional de software e serviços. Arnaldo Bacha de Almeida Vice Presidente Executivo SOFTEX Waldemar Alberto Borges Rodrigues Presidente - SOFTEX 4

5 2. CONHEÇA O SISTEMA SOFTEX O Sistema SOFTEX é uma rede dedicada ao apoio às empresas da indústria brasileira de software e serviços, baseada nas diretrizes do programa SOFTEX. O sistema tem abrangência nacional e é composto por: Sociedade SOFTEX Criada em dezembro de 1996, a Sociedade SOFTEX tem o objetivo de executar, promover, fomentar e apoiar atividades de inovação e desenvolvimento científico e tecnológico de geração e transferência de tecnologias e notadamente de promoção do capital humano, através da educação, cultura e treinamento apropriados, de natureza técnica e mercadológica em tecnologia de software e suas aplicações, visando o desenvolvimento socioeconômico brasileiro, através da inserção o país na economia mundial. A sociedade SOFTEX é, desde sua criação, a gestora do Programa para Promoção da Excelência do Software Brasileiro o Programa SOFTEX, um programa prioritário do MCT para fins de aplicação dos incentivos da Lei 8248, a chamada Lei de Informática. A sociedade SOFTEX é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), sediada em Campinas, SP, e reúne 20 agentes ativos em todo o país. Agentes SOFTEX Os agentes são os braços operacionais do Sistema SOFTEX. Eles prestam apoio consultivo e operacional às empresas desenvolvedoras de software em todo o Brasil, atuando em articulação com a iniciativa privada, governos estaduais e municipais, universidades e instituições de fomento e financiamento. Em alinhamento com a diversidade inerente ao país, os agentes SOFTEX estão organizados sob diversas estruturas como associações de empresas, institutos de pesquisa e incubadoras de tecnologia. Com entornos privilegiados universidades, centros de pesquisa, parques tecnológicos, pólos industriais - e notável capacidade de articular parcerias, os agentes de articular parcerias, os agentes oferecem vários produtos e serviços orientados para o desenvolvimento da indústria brasileira de software. Essa oferta é definida por cada agente de acordo com as necessidades de cada região e sempre com foco em capacitação, investimentos e apoio a empreendedores. O sistema SOFTEX conta com 22 agentes distribuídos nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. É aos agentes que estão ligadas as empresas associadas do Sistema SOFTEX. Consulte a lista completa e atualizada de agentes no portal SOFTEX Empresas associadas Empresas, de alguma forma, afiliadas aos Agentes SOFTEX, na forma de empresas associadas ou incubadas. Normalmente em proximidade geográfica com o agente ao qual estão ligadas, as empresas associadas são beneficiárias e, em alguns casos, agentes das ações SOFTEX, incluindo consultorias, capacitações, eventos, disseminação de qualidade e de informações. História O Sistema SOFTEX advém da criação do programa SOFTEX e ambos remontam à década de 90. As ações do sistema são centradas na ampliação da competitividade da indústria brasileira de software e serviços e na sua participação no mercado nacional e internacional. Ao longo desses 13 anos, a Sociedade SOFTEX implementou diversos projetos e ações inovadoras para a Indústria Brasileira de Software e Serviços Correlatos, entre outras ações. Foi a Sociedade SOFTEX que introduziu no país o conceito de empreendorismo, disseminou a cultura de planejamento de negócios nas pequenas e médias em 5

6 presas, induziu a formação dos principais consórcios de exportação hoje existentes e, juntamente com o BNDES, formulou o Prosoft, a única linha de financiamento específica para empresas de software e serviços correlatos disponível no Brasil. Apoios - O Sistema SOFTEX conta com apoio institucional e financeiro de entidades, como: APEX-BRASIL, ABDI, ABNATEL, BNDES, BRASSCON, CNPq, FINEP, FRENTE PARLAMENTAR DE INFORMÁTICA, SEPIN/MCT, ABES, ABINEE, ASSESPRO, ANPROTEC, SEBRAE, SBC, FENAINFO, FENADADOS, BID. 6

7 3. DESTAQUES 2008 Confira os principais resultados do Sistema SOFTEX em MPS-BR. Em 27OUT2008 com a presença de 85 profissionais da área de Qualidade e Engenharia de Software foi realizado o Seminário Internacional do MPS.BR (SI-MPS.BR), em Campinas, com a participação de representes do BID Banco Interamericano de Desenvolvimento e de entidades empresariais de 04 países da América Latina: Colômbia ESI Center Sinertic Andino; Perú Câmara de Comércio de Lima; México CANACINTRA e Uruguai CUTI (Câmara Uruguaya de TI). O seminário internacional foi encerrado com o painel LAC-SW-MODEL sobre a melhoria da qualidade dos processos de software nas pequenas e médias empresas (PME) da América Latina e Caribe. O evento foi um marco que simbolizou o início das ações de internacionalização do Modelo MPS, a partir da América Latina. A Sociedade SOFTEX participou em 2008 de importantes eventos internacionais na área de Qualidade e Engenharia de Software apresentando trabalhos sobre o Programa MPS.BR e o Modelo MPS, com o propósito de dar maior visibilidade internacional à esta iniciativa do Brasil em qualidade de software e serviços de TI e exibindo resultados alcançados. No Segundo semestre de 2008 a Sociedade SOFTEX publicou em Português, Espanhol e Inglês as principais lições aprendidas na: (i) gestão do programa MPS.BR; (ii) organização de grupos de empresas no programa MPS.BR; (iii) implementação do modelo MPS em empresas; (iv) avaliação MPS ( tanto em livro e na seção Acesso Rápido em ), intitulada MPS.BR: Lições Aprendidas, cujos organizadores foram Ana Regina Cavalcanti da Rocha e Kival Chaves Weber. Nesse mesmo período também foi publicado em Português os resultados da pesquisa imps2008 ( tanto em livro e na seção Acesso Rápido em ) intitulada imps: Resultados de Desempenho de Organizações que Adotaram o Modelo MPS, um trabalho de autoria de Guilherme Horta Travassos e Marcos Kalinowski. ASSOCIATIVISMO Em dezembro de 2008 foi lançado o Programa de Associativismo Empresarial, com destaque para os modelos de Consórcio de Empresas, Joint-Ventures e Fusões e Aquisições. O programa gerou grande repercussão em âmbito nacional, sinalizando sua importância e aderência ao atual momento vivido pelas empresas brasileiras de software e serviços relacionados. 7

8 PSI-SW Os resultados de exportação foram 60% maiores que os previstos para Novo projeto para o biênio , denominado BRAZIL-IT, consolidado e em fase de análise pela APEX-BRASIL, prevê recursos da ordem de R$ 30 milhões. Número de Portfólios de Soluções Verticais (PSV s) foram ampliados de 10 para 15. A incorporação de iniciativas regionais como Actminds e Curitiba Offshore Center e novas ações inovadoras, também marcaram o período de Ao fim do período o programa PSI-SW contava com um total de 128 empresas; foi reforçada a gestão do PSI-SW, através de novo projeto aprovado pela ABDI, o PAIIPME, que aloca recursos da União Européia. E, finalmente, cabe destacar as negociações com o Ministério da Cultura para implementar o projeto BRGames, destinado à exportação de jogos eletrônicos. PROIMPE Em 2008, as atividades do PROIMPE se desenvolveram de forma efetiva e constante. Não foi possível eliminar completamente o atraso das atividades relativo a 2007, mas houve sensível aceleração das atividades em Destaque para a conclusão do modelo de governança para seis setores econômicos (autopeças, confecções, agricultura orgânica, pequenos hotéis e pousadas, gráficas, madeiras e móveis). O Modelo de Governança é um documento que orienta os micro e pequenos empresários a especificar, adquirir, implementar e operar a TI em seus negócios. Destaque-se também para identificação, análise e especificação de soluções de TI mais demandadas pelos micro e pequenos empresários dos seis setores econômicos, visando o desenvolvimento de soluções completamente aderentes a suas necessidades. POLÍTICAS PÚBLICAS Em 2008 a SOFTEX passou a colaborar estreitamente nas articulações com entidades do setor, tas como ABES, ASSESPRO, BRASSCOM, FENAINFO, SUCESU, um fórum de debates para o encaminhamento de proposições e sugestões aos poderes constituídos visando formulação de novas políticas de apoio ao setor. Significa dizer que a SOFTEX inaugurou em 2008 uma nova atividade, cumprindo uma de suas importantes diretrizes estratégicas, como entidade gestora que é do Programa SOFTEX: Apoiar a formulação de políticas de interesse da IBSS. Ao final de 2008, todos entendimentos haviam sido concluídos e estabelecidas as formas de atuação conjunta, principalmente junto ao Congresso Nacional e ao Poder Executivo da república. 8

9 CAPACITAÇÃO A Sociedade SOFTEX iniciou importante ação nova na área de desenvolvimento de recursos humanos para setor. O principal destaque em 2008 foi a operacionalização do segundo projeto piloto de capacitação de recursos humanos para TIC s, que na verdade se desdobra em sub-projetos sendo executados pelos agentes SOFTEX em diferentes regiões do Brasil, com a previsão de formar cerca de 1500 pessoas, aumentando a quantidade e a qualidade dos profissionais disponíveis para desenvolvimento de software no país. Em 2008, a Sociedade SOFTEX prosseguiu monitorando o desenvolvimento do projeto FORSOFT, gerenciado pela BRASSCOM, com recursos do MCT repassados pela SOFTEX. O projeto, não concluído em 2008, prossegue e deve ter sua conclusão em julho de FUNDING O destaque em 2008 é relacionado com o Prosoft, reformulado em meados de 2007, mas cujos efeitos práticos da mudança foram efetivamente observados ao longo de A área encerrou o ano com 35 Planos de Negócios analisados, 23 deles encaminhados ao BNDES e 21 contratados, somando R$ 227,8 milhões. Consolidou-se, portanto, uma variação positiva de 912,44% em relação ao ano de 2007, proporcionada principalmente pela inclusão de empresas de grande porte na carteira de análises da SOFTEX. Também merece destaque em 2008 a realização da primeira operação do Prosoft-Empresa com uma empresa do Nordeste. OBSERVATÓRIO SOFTEX Durante 2008, a equipe do Observatório SOFTEX validou e analisou dados reunidos de fontes diversas sobre o setor brasileiro de software e serviços de TI, aprimorou terminologias, metodologias e conceitos, criando versão preliminar do primeiro volume da Publicação Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva e selecionando as tabelas e os quadros a serem incluídos no site da Sociedade SOFTEX, em espaço referente a dados sobre o setor. De janeiro a junho, realizou a 1a Pesquisa Junto às Empresas Filiadas ao Sistema SOFTEX e a entidades parceiras e organizou painéis com especialistas sobre automação financeira, TI no agronegócios e TV Digital. Promoveu ciclo de debates no IBGE, com o objetivo de analisar os dados obtidos desta fonte e realizou o II Painel de Compromisso, no intuito de apresentar e discutir a versão preliminar dos capítulos que compõem a Publicação mencionada. 9

10 4. DIRETRIZES ESTRATÉGICAS As ações promovidas estão aqui descritas, de acordo com as diretrizes estratégicas que as orientam, isto é: 1. Disseminar e auxiliar a implantação das melhores práticas na Indústria Brasileira de Software e Serviços: atividades de promoção das melhores práticas qualidade, associativismo, gestão, entre outras nas empresas brasileiras de software e serviços, aderentes aos padrões internacionais. 2. Apoiar a criação e o desenvolvimento de oportunidades de negócios para a Indústria Brasileira de Software e Serviços: atividades que ampliem e consolidem a participação das empresas brasileiras de software e serviços nos mercados nacional e internacional. 3. Apoiar a capacitação de recursos humanos para a Indústria Brasileira de Software e Serviços: atividades de capacitação gerencial, mercadológica e técnica dos profissionais nas (e para as) empresas brasileiras de software e serviços. 4. Apoiar a alavancagem de recursos financeiros para a Indústria Brasileira de Software e Serviços: atividades de articulação e apoio às empresas brasileiras de software e serviços para captação de recursos voltados ao desenvolvimento de tecnologias e negócios. 5. Produzir e disseminar informação qualificada para a Indústria Brasileira de Software e Serviços: atividades de obtenção, geração, análise e disponibilização de informações sobre a Indústria de Software e Serviços no Brasil e no mundo. 6. Apoiar a formulação de políticas de interesse da Indústria Brasileira de Software e Serviços: ações que promovam a participação do Sistema SOFTEX na formulação e execução de políticas para o setor. 7. Apoiar o empreendedorismo na Indústria Brasileira de Software e Serviços: atividades relacionadas à criação de empresas brasileiras de software e serviços. 10

11 5. RESULTADOS 2008 Conheça a seguir os resultados dos trabalhos realizados em 2008, aqui confrontados com as metas, associadas às diretrizes estratégicas, previstas no Plano de Trabalho 2007: Diretriz Estratégica 1 - Disseminar e auxiliar a implantação das melhores práticas Projeto/Ação AÇÃO 1: Ampliar a disseminação do Modelo MPS.BR, visando a consolidação do modelo no Brasil Metas para 2008 Resultados/Status Meta 1: Implementação do modelo em 100 empresas 76 empresas iniciaram implementação em 2008 Meta 2: 85 empresas avaliadas Meta 3: 700 participantes em cursos oficiais. Meta 4: 100 consultores aprovados em cursos oficiais, sendo 10 na área de Aquisição. 123 empresas avaliadas. 774 profissionais nos cursos oficiais MPS.BR: 504 no C1-Introdução; 109 no C2Implementação; 30 no C3-Avaliação e 131 no C4-Aquisição. Foram aprovados 137 consultores sendo: 74 em Implementação 47 em Avaliação 16 em Aquisição Resultado adicional dentro desta ação: imps Trata-se de um estudo estruturado em 2008 sobre resultados de desempenho das organizações que adotaram o modelo MPS, em categorias tais como custo, prazo, qualidade, satisfação do cliente, ROI e satisfação com o modelo MPS, realizado (anualmente, a partir de 2008) pelo Grupo de Engenharia de Software Experimental da COPPE/UFRJ em conjunto com SOFTEX. Em OUT2008, publicação em Português dos resultados da pesquisa imps2008 ( tanto em livro e na seção Acesso Rápido em ) intitulada imps: Resultados de Desempenho de Organizações que Adotaram o Modelo MPS / Guilherme Horta Travassos e Marcos Kalinowski. Campinas,SP: SOFTEX, p. Elaborar, editar e disponibilizar documento I MPS 2008, sob forma de livro e eletronicamemte. Publicado em Outubro de 2008, em Português os resultados da pesquisa, disponibilizados na seção de Acesso Rápido em i MPS: Resultados de Desempenho de Organizações que Adotaram o Modelo MPS, Guilherme Horta Travassos e Marcos Kalinowski Campinas,SP: SOFTEX, pág. ISBN

12 AÇÃO 2: Capacitação e fomento ao associativismo das PMEs. Meta 1: Dois a cinco modelos de assciativismo desenvolvidos. Meta 2: Três consultorias capacitadas a aplicar os modelos desenvolvidos. Meta 3: Cinco grupos reunidos em torno de um dos modelos de associativismo com apoio da SOFTEX; Outros Resultados Dessa Ação em 2008 Desenvolvidos 3 modelos de associativismo que serão apoiados e incentivados pela SOFTEX: Consórcios de empresas, JointVentures, Fusões e Aquisições. Identificadas duas consultorias capacitadas. Elaborado, para publicação em 2009, o comunicado com critérios para credenciamento de novas consultorias. Meta não alcançada em função do Lançamento oficial do programa ter ocorrido somente 09/DEZ2008. Meta 4: Realização de 05 seminários para empresários de TI, comunidade de negócios e comunidade acadêmica. Realizado 01 seminário em Dez de 2008 e construída a programação calendário para realização de mais 09 edições do evento em diversas cidades do Brasil. Criar o Modelo de Negócios para o Programa de Associativismo Empresarial SOFTEX. Elaborado o Modelo de Negócios para o Programa de Associativismo Empresarial SOFTEX. 12

13 AÇÃO 3: Disseminação de práticas de internacionalização e localização de software (I&L) Meta 1) um Centro de Referência Nacional e de assistência técnica em I&L; Meta 2) desenvolvimento de um programa de formação e certificação profissional em I&L; Este projeto teve seu início postergado para o primeiro semestre de Meta 3) capacitação e certificação de 20 especialistas. Meta 4) desenvolvimento e implementação de uma página Web para a disseminação de conhecimento de I&L; Diretriz Estratégica 2 - Apoiar a criação e o desenvolvimento de oportunidades de negócios. Projeto/Ação Metas para 2008 Resultados/Status AÇÃO 1: Aumentar a participação das empresas brasileiras de software e serviços no mercado interno. Novo projeto de aumento da participação das empresas brasileiras de software e serviços implantado até dezembro de Projeto TI em Cadeias Produtivas Diversas elaborado e discutido com o SEBRAE. Aguardando o momento de ser efetivamente apresentado. AÇÃO 2: Dar continuidade ao PSI-SW Meta 1: US$ 50 milhões em exportações Exportação em 2008 ultrapassou a US$ 80 milhões Fundamentado na sinérgica reunião de empresas em segmentos de mercados verticais, integrado à ações horizontais em mercados específicos e ações de promoção de imagem, o PSI SW é uma ação do sistema SOFTEX, em parceria com a Apex Brasil, com foco em exportação. No ano de 2008, seu quarto ano de funcionamento, as empresas do PSI SW geraram um volume de venda da ordem de US$ 80 milhões, superando novamente a meta estabelecida em 60%. Durante o ano de 2008 foram realizados 44 eventos de promoção comercial voltados às verticais e mercados alvo do projeto, 7 missões prospectoras/ Meta 2: 120 empresas participando do projeto. Meta 3: 34 eventos realizados. Meta 4: 6 missões prospectoras/empresariais 128 empresas aderiram ao projeto 44 eventos realizados 7 missões realizadas 13

14 empresariais e 6 estudos de mercado focados, buscando levantar maiores informações sobre mercados de interesse das empresas do projeto. O segundo semestre de 2008 foi um período dedicado ao replanejamento. As verticais existentes tiveram sua estratégia reavaliada e novas verticais foram criadas a partir de respostas obtidas em função de edital convocatório apresentado pela SOFTEX ao mercado. Todos os empresários participantes do projeto foram convidados a participar do planejamento, respondendo um questionário, e posteriormente participando de reunião de validação da proposta consolidada antes do encaminhamento à Apex. Todas as informações obtidas nas reflexões conjuntas e nos estudos realizados, subsidiaram a revisão estratégica do projeto e geraram ações inovadoras no novo projeto de exportação proposto à Apex Brasil com vistas ao período Meta 5: 8 pesquisas de mercado realizadas. Meta 6: 10 reuniões de divulgação Meta 7: 20% de aumento no número de empresas exportadoras. 6 pesquisas de mercado foram realizadas 13 reuniões de divulgação realizadas (Road-show) e 2 webconferences para difusão de informações sobre o mercado (Angola e Panamá) Realizado Para aprimorar o processo de gestão do projeto e buscar um maior envolvimento das empresas localizadas em locais distantes fisicamente de onde se encontram a maioria da empresas e consultores - São Paulo, a SOFTEX apresentou proposta de Apoio Institucional ao PSI SW no edital realizado pela ABDI, com recursos da União Européia (PAIIPME) e foi contemplada. Com estes recursos adicionais, toda uma proposta de regionalização do projeto está sendo levada a cabo. Outra ação de reforço ao projeto foi apresentada em conjunto com a ABRAGAMES à Secretaria de Áudio Visual do Ministério da Cultura, para a realização do concurso de games jogáveis que irá premiar com a participação em feira internacional do PSI SW os 10 melhores demos apresentados. AÇÃO 3: Dar continuidade aos projetos do PROIMPE (Programa de Estímulo ao Uso da Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas sob responsabilidade da Softex Meta 1: Implementação do modelo de governança em empresas. Meta 2: Elaboração de proposta de criação de novas linhas visando a maior facilidade, porte e características das empresas Meta 3: elaboração de modelo de governança para MPE de seis setores Trabalho em andamento. Efetiva implementação a ser iniciada em abril de 2009 Parcialmente concluído. Será finalizado no primeiro semestre de 2009 Concluído 14

15 econômicos Concluído Meta 4: Treinamento de 24 consultores multiplicadores Meta 5: Treinamento de 360 consultores implementadores Meta 6: Desenvolvimento de 18 novas soluções de TI adequadas às MPE integrantes de seis setores econômicos, a serem selecionados no âmbito do projeto. Em andamento Em andamento Em andamento Meta 7: Realização de campanha de comunicação em nível nacional, para sensibilização das MPE para o uso de TI. Meta 8: Desenvolvimento de 18 novas soluções de TI adequadas às MPE s integrantes de seis setores econômicos, a serem selecionados no âmbito do projeto. Meta 9: Realização de campanha de comunicação em nível nacional, para sensibilização das MPE para o uso de TI. Meta 10: Realização de 90 palestras de sensibilização e orientação. Em andamento Em andamento Em andamento Obs. A maioria das metas do Proimpe dizem respeito ao final do projeto, previsto para 15

16 2009. AÇÃO 4: Implantação de Tecnologia da Informação nas Micro e Pequenas Empresas AÇÃO 5: Consolidação dos Soluções Verticais PSV s Portfólios de Meta 1: 10 PSV s e dois grupos empresariais com ofertas de valor ao exterior definidas e atualizadas durante todo o ano Projeto apresentado ao MCT e aprovado no fim de Aguardando recebimento dos recursos previstos para o mês de março de 2009 para inicio efetivo. Meta 2: Exportações de software e serviços na ordem de US$ 80 milhões entre o período do projeto (1º de Abril de 2008 a 30 de setembro de 2009). Meta 3:Realização de vinte palestras sobre o mercado de software e serviços para os 10 segmentos econômicos objetos do foco dos PSV s. Meta 4: Aumentar para 120 o número de empresas integrantes do PSI-SW, hoje em número de 93 empresas. AÇÃO 6: Apoio à Informatização de Empresas em Geral. -Programa de Apoio à Informatização lançado e operando no Nordeste e no Centro-Oeste. Meta 1: 200 empresas atendidas em 2008 e em Projeto adiado para 2009 Meta 2: 5 milhões em operações realizadas em 2008 e 35 milhões em 2009 Meta 3: Programa de Apoio à Informatização articulado e preparado para lançar em 2009 no sul e no sudeste. Meta 4: Articulação com pelo menos duas empresas fabricantes de equipamentos (microcomputadores) no sentido de oferecer 16

17 condições especiais para empresas associadas ao sistema Softex. Obs.Data prevista para mensuração do indicador: fim de cada ano. Diretriz estratégica 3 - Apoiar a capacitação de recursos humanos Projeto/Ação Metas para 2008 AÇÃO 1: Implantar o curso de formação de programadores de nível médio Meta: Curso ofertado em 20 cidades brasileiras e alunos matriculados AÇÃO 2: Formação de Programadores e Técnicos de TI (acompanhamento do Projeto ForSoft/Brasscom) Meta 1: Realização de reuniões do comitê gestor do projeto Resultados/Status Atrasos no Forsoft e o inicio do Piloto 2 apenas no 2o. Semestre de 2008 fizeram com que esta ação fosse postergada para 2009 Reuniões em 12/fev, 11/abr, 16/mai, 26/jun, 17/jul, 18/set e 19/dez Meta 2: Visita nas ONGs onde os alunos estão sendo formados Visitas realizadas ao longo do ano Meta 3: Cerimônia de divulgação dos resultados obtidos, possivelmente em conjunto com a formatura dos primeiros alunos aprovados Cerimônia de Formatura simbólica realizada em 10/nov no MCT. Algumas turmas concluirão o Estágio Obrigatório em maio/2009 Postergado pela Brasscom para 2009 Meta 4: Relatório Geral com recomendações para execução em maior escala Brasscom articulou com MCT e MTE. Softex continua aguardando a resolução de algumas pendências pela Brasscom Previsão entre 250 e 350 alunos Busca de parceiros para continuidade do Projeto Meta 5 : INDICADORES Quantidade de alunos concluindo o 17

18 curso Em apuração Quantidade de alunos contratados AÇÃO 3: Seleção e Acompanhamento de Novos projetos de Formação de RH Meta 1: Elaboração e Divulgação de chamada para os Agentes Softex Publicada em 01/fev Meta 2:Constituição de Comitê de Avaliação de Projetos Constituído em Abril Meta 3: Seleção de Projetos Resultado divulgado em 19/jun Meta 4: Contratação de Projetos e Auditoria Independente Auditoria selecionada em 11/jul. Projetos contratados em julho. Meta 5: Constituição de Comitê de Acompanhamento dos Projetos Constituído em Julho Meta 6: Reuniões do Comitê de Acompanhamento Reuniões em 25/jul e 29/out. Novas reuniões previstas para 2009 Meta 7: INDICADORES Quantidade de projetos apoiados e volume contrapartidas Quantidade de entidades e empresas envolvidas. Quantidade de vagas previstas para formação de alunos 8 projetos - Repasses de R$ 1,4 milhões e contrapartidas de R$ 2 milhões 14 proponentes e 38 apoiadores 1500 vagas concluídas, com diferentes graus de detalhamento Panorama das carências de Profissionais de TI nas diferentes regiões Pesquisas de satisfação junto aos alunos AÇÃO 4: Criação de uma Rede Nacional de Teleconferência para o setor de TIC Meta 1: Reuniões com a RNP para macro- Em andamento Contatos preliminares realizados 18

19 definição do projeto Aguardando resposta a consulta submetida ao Conselho da RNP postergado para 2009 Meta 2 : Detalhamento do Projeto Meta 3: Captação de Recursos e Parceiros AÇÃO 5: Formação de Gestores de Negócios Internacionais Meta: Captação de Recursos e Parceiros Não realizado. Sugerida realização em INDICADORES Nr. de alunos graduados/ Nr. Total de alunos inscritos Ação 6: SOFTEX-RHEX Meta 1: Reuniões para macro-definição do projeto e identificação de parceiros Não realizado. Sugerida realização em 2009 Meta 2:Detalhamento do Projeto Meta 3: Captação de Recursos e Parceiros AÇÃO 7: Seminário sobre Formação de RH em TICs Meta 1: Macro-definição do seminário com base em informações do SIBSS Meta 2:Detalhamento do Seminário Não realizado. Sugerida realização em 2009, como fechamento dos novos Projetos de Formação de RH (Ação 3 acima) Meta 3:Realização do Seminário AÇÃO 8: Projetos Cooperados de Formação para a Indústria Meta: Captação de recursos de pelo menos 2 empresas investindo recursos da Lei de Informática direcionados para o PPI Softex Não realizado Diretriz Estraégica 4 - Apoiar a alavancagem de recursos financeiros Projeto/Ação AÇÃO 1: PROSOFT/BNDES Divulgação das linhas de financiamento e apoio para empresas interessadas em apresentar projetos Metas para 2008 Meta 1: Aumento de 20% no volume de recursos repassados para as empresas Meta 2: Realizar pelo menos 2 operações do Prosoft-Exportação. Resultados/Status Crescimento de 912% (aumento de 43% na quantidade de PN enviados) Realizada 1 operação (uma segunda operação não foi enquadrada) 19

20 Meta 3: Realizar pelo menos 1 operação com valor superior a R$ 10 milhões Realizada 1 operação com valor superior a R$ 200 milhões Percentual de 91% (21 em 23 projetos) Meta 4: Aumentar o percentual de aprovação de planos enviados pela Softex AÇÃO 2: Consultoria/Assessoria em obtenção de recursos e financiamentos diversos (que não Prosoft/BNDES) Meta 1: Manutenção do Hot site de Funding com informações atualizadas e expansão das informações existentes Meta 2: Aproximação com a Finep visando participação no Venture Fórum e apoio para o CRIATEC. Meta 3: Aproximação com a Bovespa visando divulgação de informações relacionadas com IPOs e mercado de balcão Meta 4: Incluir informações sobre fusões e aquisições nos eventos de divulgação do PROSOFT/BNDES Em andamento Em andamento Não realizado Em andamento Em andamento Em andamento Meta 5: Buscar aproximação com parceiros internacionais Meta 6:Missão exploratória para evento de Venture Capital nos EUA, avaliando a possibilidade de planejar uma caravana de empresas em 2009 Em andamento Meta 7: Trabalho de divulgação com todos os agentes do Sistema Softex AÇÃO 3: Curso de elaboração de Plano de Negócios Meta1: Reuniões para macro-definição do projeto e identificação de parceiros Não realizado. Sugerida realização em

21 Meta 2: Detalhamento do Projeto Meta 3: Captação de Recursos e Parceiros AÇÃO 4: Estudo de viabilidade de um fundo de investimento para as empresas que obtiveram o Prosoft. Meta 1:Reuniões para macro-definição do projeto e identificação de parceiros Não realizado Meta 2:Detalhamento do Projeto Meta 3: Resultado do Estudo de Viabilidade Diretriz Estratégica 5 - Produzir e disseminar informação qualificada Projeto/Ação OBSERVATÓRIO SOFTEX Metas para 2008 Resultados/Status Conceber, implantar e gerenciar um Sistema de Informações sobre Software e Serviços de T.I. -Edição 2008 da Publicação concluída. Lançamento agendado para Junho de Finalização do Site Observatório SOFTEX, programada para o primeiro semestre de Estudo Outsourcing 6. Estudo concluído. CONTRIBUIÇÕES DOS AGENTES SOFTEX As ações realizadas pelos agentes SOFTEX constituem contribuições relevantes e essenciais para a eficácia do Programa SOFTEX. São eles os que interfaceiam 21

22 diretamente as empresas, objeto das ações do Sistema, e que bem conhecem os pontos fracos e fortes de seu conjunto de afiliadas. Este relatório considera dados colhidos junto aos 11 agentes que enviaram o relatório de atividades de 2008, entretanto quando for o caso, serão considerados os mesmos dados informados pelos Agentes nos anos anteriores. O Sistema SOFTEX encerrou o ano de 2008 com um total de 20 Agentes ativos (não foram considerados os agentes suspensos em 2008 ADETEC/Londrina e GENESS/Florianópolis). 45% dos Agentes ativos apresentaram o relatório anual de atividades. Com base nas informações recebidas, verificamos que o número de empresas associadas a Sistema SOFTEX teve um crescimento na ordem de 7,95% em relação ao ano anterior, encerrando o ano de 2008 com aproximadamente empresas associadas e uma previsão de 1425 empresas para 2009, conforme quadro. Evolução das empresas Associadas ao Sistema SOFTEX Com relação às atividades desenvolvidas na área de Capacitação, verificamos uma atuação significativa dos Agentes envolvidos, com a implementação de aproximadamente 45 cursos e a realização de 50 Seminários, Workshops e palestras, contando com a participação de pessoas, considerando apenas os pólos de atuação dos Agentes que enviaram as informações, quais sejam: ACATE/Florianópolis, AEPOLO/Caxias do Sul, 22

23 APETI/S.J. do Rio Preto, CITS/Curitiba, FUMSOFT/Belo Horizonte, ITS/São Paulo, NÚCLEO CAMPINAS, RIOSOFT/Rio de Janeiro e SOFTSUL/P. Alegre. Já na área de Funding, os Agentes atenderam aproximadamente 120 empresas, sendo que 40 tiveram os projetos encaminhados para as mais variadas fontes como BNDES, SEBRAE, FINEP, etc. 23

24 24

25 25

26 26

27 27

28 28

29 29

30 30

31 7. PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO

32 32

33 33

34 34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 43

44 44

3 Apresentação 4 Definindo competências 5 Competências SOFTEX 13 O Sistema SOFTEX 15 Agentes regionais SOFTEX. 01100110100Sumário01

3 Apresentação 4 Definindo competências 5 Competências SOFTEX 13 O Sistema SOFTEX 15 Agentes regionais SOFTEX. 01100110100Sumário01 3 Apresentação 4 Definindo competências 5 Competências SOFTEX 13 O Sistema SOFTEX 15 Agentes regionais SOFTEX 01100110100Sumário01 2 Apresentação Este documento apresenta os resultados do mapeamento das

Leia mais

Atividades da SOFTEX. Desenvolvimento de Mercado (interno e externo) para empresas nacionais. Associativismo Empresarial. Qualidade e Competitividade

Atividades da SOFTEX. Desenvolvimento de Mercado (interno e externo) para empresas nacionais. Associativismo Empresarial. Qualidade e Competitividade Atividades da SOFTEX Desenvolvimento de Mercado (interno e externo) para empresas nacionais Associativismo Empresarial Qualidade e Competitividade Capacitação & Ensino Brasília, 29 de outubro de 2009 Inovação

Leia mais

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva I Seminário Internacional Software e Serviços de TI Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva Arnaldo Bacha de Almeida Vice-presidente Executivo (CEO) Softex Associação para Promoção

Leia mais

TI TI A INDÚSTRIA DE

TI TI A INDÚSTRIA DE DETI A INDÚSTRIA O BRASIL NO MUNDO 3º maior Mercado de Computadores 5 maior 250 milhões 40,9 milhões 81,5 milhões Mercado de celulares Celulares Conexões Banda Larga Usuários de Internet Fonte: ABINEE,

Leia mais

Relatório Anual 2010

Relatório Anual 2010 Relatório Anual 2010 (MAR 2011) DOCUMENTO APROVADO NA XLV REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SOFTEX EM 06/04/2011 SOFTEX - Relatório Anual 2010 Página 1 SUMÁRIO 1. MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO... 3 2.

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX

EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX Campinas 16 de abril de 2009. EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM CRIAÇÃO DE PORTAL WEB, PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROJETO PORTAL DA SOCIEDADE SOFTEX A convida empresas especializadas em

Leia mais

TRINO POLO APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA SERRA GAÚCHA. 06 de junho 2013

TRINO POLO APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA SERRA GAÚCHA. 06 de junho 2013 TRINO POLO APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA SERRA GAÚCHA 06 de junho 2013 O TRINO POLO A estruturação do Trino Polo iniciou em meados de 2002. É uma iniciativa que visa desenvolver o setor de informática

Leia mais

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Sumário Sobre a SOFTEX Principais indicadores Parte 1 IBSS Parte 2 NIBSS Parte 3 Capacitações e competências Parte 4 Cenários,

Leia mais

Software e Serviços de TI:

Software e Serviços de TI: Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Fumsoft, BH, 31/07/2012 Sumário Sobre a SOFTEX Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS) Software e Serviços

Leia mais

4 Conheça o Sistema SOFTEX 6 Destaques 2007 8 O plano de trabalho 2007 12 Dimensões estratégicas de atuação do Sistema SOFTEX

4 Conheça o Sistema SOFTEX 6 Destaques 2007 8 O plano de trabalho 2007 12 Dimensões estratégicas de atuação do Sistema SOFTEX 4 Conheça o Sistema SOFTEX 6 Destaques 2007 8 O plano de trabalho 2007 12 Dimensões estratégicas de atuação do Sistema SOFTEX 13 Agentes SOFTEX 14 Dimensão 1 Apoio a negócios 14 PROIMPE 15 Funding: disseminando

Leia mais

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado Alexandre J. Beltrão Moura Vice-presidente alex@nac.softex.br Coimbra, 07 de Abril de 2004 Apresentação de Hoje

Leia mais

Expansão do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2012-2015)

Expansão do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2012-2015) Expansão do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2012-2015) Projeto 2.04 do PBQP Software Ciclo 2012 1. Introdução 2. Dados do Projeto 3. Resultados Propostos 4. Produtos Esperados

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO: Introdução: Objetivo e Metas do MPS.BR (Propósito, Subprocessos e Resultados) Resultados Alcançados Dez2003 Set2006 Conclusão: MPS.BR Um Programa

Leia mais

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE)

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) PROIMPE Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) OBJETIVOS PRINCIPAIS Estimular a inclusão digital das MPE (Inclusão Empresarial); Promover o aumento da

Leia mais

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008 APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP Junho/2008 Foco Estratégico 1.Aumento da participação de mercado com os produtos atuais. 2.Conquista e manutenção

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012.

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012. Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs Campinas, 21 de dezembro de 2012. 2º CHAMADA EDITAL DE SELEÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIO À OPERAÇÃO DOS PORTFÓLIOS DE

Leia mais

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação Título da apresentação DEFINIÇÃO: É um sistema de resolução de problemas técnico-gerenciais e tecnológicos que visa incrementar a competitividade e promover a cultura exportadora empresarial e estrutural

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Jorge Cysne Alexandre Galindo Roteiro - Panorama do Setor de TI - Principais Realizações - Caracterização do APL - Plano de Desenvolvimento do APL Panorama

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro l MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Modelo MPS 3. Programa MPS.BR: Resultados Alcançados (2004-2008) e Resultados Esperados (2004-2010) 4. MPS.BR Lições Aprendidas

Leia mais

Consolidação do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2008-2011)

Consolidação do Programa MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro (2008-2011) Projeto 2.01 do PBQP Software Ciclo 2011 1. Introdução 2. Objetivos e Justificativa 3. Metodologia de Execução 4. Resultados Obtidos 5. Aplicabilidade dos Resultados 6. Características Inovadoras 7. Conclusão

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil l Programa MPS.BR e Modelo MPS: Contribuições para a Evolução da Qualidade de Software no Brasil SUMÁRIO 1. Introdução: Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR: Resultados Esperados, Resultados

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

APL-TIC/SC. PLATIC 2004-2008 e PLATIC 2010-2013. Valéria Arriero Pereira, M.Eng. Outubro, 2009

APL-TIC/SC. PLATIC 2004-2008 e PLATIC 2010-2013. Valéria Arriero Pereira, M.Eng. Outubro, 2009 APL-TIC/SC PLATIC 2004-2008 e PLATIC 2010-2013 Valéria Arriero Pereira, M.Eng. Outubro, 2009 Consolidação do APL-TIC/SC Ano 2000 Projeto Gargalos Prospecção de demandas para as Cadeias Produtivas de SC.

Leia mais

Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI

Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI Programa de Promoção da Economia Criativa Cooperação Samsung, Anprotec & CCEI 14 de setembro 2015 CHAMADA NACIONAL PARA SELEÇÃO DE INCUBADORAS Resultado do acordo de cooperação firmado entre a SAMSUNG,

Leia mais

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES

NOSSA MISSÃO NOSSA ASPIRAÇÃO NOSSOS CLIENTES NOSSA MISSÃO Estimular e apoiar as organizações para o desenvolvimento e evolução de sua gestão, por meio da disseminação dos Fundamentos e Critérios de Excelência, para que se tornem sustentáveis, cooperativas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Ricardo A.C. Saur Diretor Executivo Montevideo, 5 de junho de 2007

Ricardo A.C. Saur Diretor Executivo Montevideo, 5 de junho de 2007 Ricardo A.C. Saur Diretor Executivo Montevideo, 5 de junho de 2007 Sociedade Civil sem fins lucrativos (OSCIP) Missão: promover a exportação brasileira de software e serviços correlatos, liderando a inserção

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 2015

SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO 2015 Realização: ANPROTEC Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Francilene Procópio Garcia Presidente Jorge Luis Nicolas Audy Vice-Presidente Francisco

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D

ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D ESTRATÉGIAS DO MCTI PARA INCENTIVAR A INOVAÇÃO EM TI: Startups e Centros de P&D 1. DESAFIOS de formular uma política pública 2. Programa Start-Up Brasil 3. Ação de Atração de Centros Globais de P&D JOSE

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Seminário de Oportunidades

Seminário de Oportunidades Seminário de Oportunidades José Antonio Antonioni Diretor de Qualidade e Competitividade SOFTEX Coordenador Nacional RELAIS SOFTEX/BRASIL Campinas: 18 de Agosto de 2011 Rio de Janeiro: 19 de Agosto de

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo Organização e Realização Perfil do Público Alvo Empresários e executivos de MPE de Software e Serviços

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC

10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC 10 anos do Parque Tecnológico da UFRJ XV Encontro da Rede de Incubadoras, Parques e Polos Tecnológicos do Estado do Rio de Janeiro ReINC Data: 17 e 18 de setembro de 2013 Local: Parque Tecnológico da UFRJ

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Resultados Alcançados: Dez2003 Mai2007 3. Conclusão José Antonio Antonioni Coordenador Geral da SOFTEX Associação para Promoção

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar

Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar Criada em 1991, por um grupo de representantes dos setores público e privado, a FNQ é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é disseminar os Fundamentos da Excelência em Gestão para organizações

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Contatos Luiz

Leia mais

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA

NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ESTRATÉGICA NOTÍCIAS ACONTECE NOS ESCRITÓRIOS SETORIAIS DE GESTÃO ES- TRATÉGICA Escritório Setorial de Gestão Estratégica da Diretoria Administrativa

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste

Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste Secretaria de Estado para o Desenvolvimento da Ciência

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012 FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA OS PROGRAMAS DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMA

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Categoria Franqueador Pleno

Categoria Franqueador Pleno PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social EDACOM TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMATICA LTDA Nome fantasia EDACOM

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

O MERCADO DE TI NO BRASIL E NO MUNDO

O MERCADO DE TI NO BRASIL E NO MUNDO O MERCADO DE TI NO BRASIL E NO MUNDO Mercado Global de TI ferramenta de aplicaçao de políticas públicas do setor de TI MERCADO GLOBAL DE TI 2 Mercado Global de TI ACATE Florianópolis SC AEPOLO Caxias do

Leia mais

Fundo Criatec II. Press Release. 1 O Projeto CRIATEC do BNDES. 2 O Fundo CRIATEC I. 3 O Fundo Criatec II. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013

Fundo Criatec II. Press Release. 1 O Projeto CRIATEC do BNDES. 2 O Fundo CRIATEC I. 3 O Fundo Criatec II. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013 1 O Projeto CRIATEC do BNDES Fundo Criatec II Press Release Rio de Janeiro, 14 de novembro de 2013 Em Dezembro de 2006, a Diretoria do BNDES aprovou a criação do Programa CRIATEC, focado no apoio às empresas

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

TECNOLOGIA PARA UM MUNDO MELHOR

TECNOLOGIA PARA UM MUNDO MELHOR TECNOLOGIA PARA UM MUNDO MELHOR Garantir que todas as pessoas tenham oportunidade de utilizar equipamentos e redes de comunicação digital é uma das principais formas de contribuir para o desenvolvimento

Leia mais

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA Programa Estratégico de SOFTWARE E SERVIÇOS de TI 1. PANORAMA DO MERCADO 2. COMPARATIVOS INTERNACIONAIS 3. VISÃO DA POLÍTICA 4. PRINCIPAIS MEDIDAS E PROGRAMAS MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 2015

TERMO DE REFERÊNCIA 2015 TERMO DE REFERÊNCIA 2015 Realização: ANPROTEC Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Francilene Procópio Garcia Presidente Jorge Luis Nicolas Audy Vice-Presidente Francisco

Leia mais

Qualidade - é com isto que se desenvolve!

Qualidade - é com isto que se desenvolve! Qualidade - é com isto que se desenvolve! Dilma Viana EQPS Belém Novembro/2006 Agenda O Projeto Motivadores Equipe de Trabalho e Base Técnica Realizações O PARASO O que falta? Categoria Conscientização

Leia mais

Termo de Referência do Programa para Promoção da Excelência do Software Brasileiro

Termo de Referência do Programa para Promoção da Excelência do Software Brasileiro Anexo Termo de Referência do Programa para Promoção da Excelência do Software Brasileiro Programa SOFTEX Brasília, novembro de 2006 Sumário Apresentação 1. Caracterização da Indústria de Software e Serviços

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho l MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho SUMÁRIO 1. Introdução Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR Resultados Esperados, Resultados Alcançados e

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo

Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo ANEXO 4: Proposta para Cooperação MERCOSUL/UE no âmbito do Projeto RECyT da Escola Virtual da Sociedade da Informação Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo Proposta

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios Números Curitiba 1.828.092 habitantes TaxaCrescimentoPopulação: 1,8% (8 anos) TaxaCrescimentoAnualPIB: 3,8% (5 anos) PIB 2008 (estimado): R$ 39,2 bi (US$ 20 bi) 5º PIB do Brasil PIB per Capita: R$ 21.447

Leia mais

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação ENAServ 2014 Encontro Nacional do Comércio Exterior de Serviços Sergio Paulo Gallindo São Paulo, 29 de maio de 2014 Porque Internacionalizar?

Leia mais

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS

Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde/CNS Comissão Nacional de Ética em Pesquisa 256ª Reunião Ordinária CNS Jorge Alves de Almeida Venancio 09/04/2014

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais