Conselho Nacional de Justiça Secretaria- Geral. Metas Prioritárias 2010 Glossário e Esclarecimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conselho Nacional de Justiça Secretaria- Geral. Metas Prioritárias 2010 Glossário e Esclarecimentos"

Transcrição

1 Conselho Nacional de Justiça Secretaria- Geral Metas Prioritárias 200 Glossário e Esclarecientos Agosto/200

2 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Suário Introdução...3 Versões...4 Orientações Gerais...6 Meta Prioritária...7 Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Meta Prioritária Contatos...35 Anexo I Concretização da Meta

3 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Introdução Este docuento se destina a avaliar as etas prioritárias de 200, escolhidas pelos Presidentes dos Tribunais brasileiros no 3º Encontro Nacional do Judiciário e 26 de fevereiro de 200. O objetivo é esclarecer as etas quanto a seu conteúdo e identificar os critérios de cupriento que serão aplicados aos tribunais por ocasião das análises periódicas e final. Introdução 3

4 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Versões Versão Autor/Revisor Data Revisão.0.0 Paulo C. de A. Silva Filho 04/03/200 Versão inicial.0. Paulo C. de A. Silva Filho 05/03/200 Correção das etas 2 e 7 para esclarecer critérios e perguntas diversas para os segentos..0 Grupo de análise 2/03/200 Correção de etas.. Grupo de análise 6/03/200 Correção.2.0 Workshop 8/03/200 Inclusão da sugestão dos gestores.2. Workshop 8/03/200 Correção.2.2 Paulo C. de A. Silva Filho Marivaldo Dantas.2.3 Counicação Social/CNJ 23/03/200 Revisão ortográfica 9/03/200 - Inclusão de tabelas do TSE - Inclusão de perguntas segentadas (cível e criinal) nas etas e 2 - Inclusão do glossário da ação prioritária de divulgação dos 00 aiores deandantes do Judiciário.2.4 Marivaldo Dantas 23/03/200 Retificação das tabelas do TSE na eta Paulo C. de A. Silva Filho 25/03/200 - Retificação das fórulas de cálculo do grau de cupriento das etas 2 e 3 - Retificação da lista de classes excluídas na eta 3 - Inclusão de link na introdução para acesso à resolução do TSE relativa a classes.2.6 Paulo C. de A. Silva Filho 20/04/200 - Inclusão de capítulo orientações gerais - Inclusão de esclareciento na eta 3 - Retificação da descrição do conjunto de classes sob o código 07 das Metas e 2 - Correção da fórula da eta 0 - Acrescentado esclareciento quanto à eta 3 nas instâncias de revisão - Acrescentado esclareciento quanto à data de referência da eta 2 quanto a ações penais.2.7 Paulo C. de A. Silva Filho 26/04/200 - Supressão da inclusão de atos infracionais coo classificáveis coo ritos criinais nas etas e 2 - Excluída a enção à inclusão de dados da eta nas respostas da eta Paulo C. de A. Silva Filho 28/05/200 - Inclusão do anexo I, destinado a instruentalizar a realização da eta Marivaldo Dantas de Araújo 04/06/200 - Inclusão do tero circunstanciado (classe 278) nas etas e 2. - Correção do local e que deve ser contabilizadas as onitórias não ebargadas na Meta - Correção das referências às perguntas pertinentes à correção do saldo da eta 3 no que concerne aos processos suspensos e sobrestados, que passou a ser P3.7, P3.8, P3.9 e P Inclusão de fórulas de cálculo do grau de cupriento parcial da eta 6 para o prieiro seestre, dividindo por 2 o consuo do ano de referência.2.0 Paulo C. de A. Silva Filho 6/06/200 Correção do critério de cupriento da Meta 4.2. Grupo de acopanhaento das etas 07/07/200 - Correção e esclareciento das perguntas a sere utilizadas para exclusão e inclusão de processos nos casos de sobrestaento, recurso de pronúncia e retorno por anulação na Meta 2 - Mudança da periodicidade de levantaento da eta 5 - Retificação das perguntas P8.7 e P8.8 da Meta 8, para evitar duplicidade de contabilização 4 Versões

5 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 - Retificação do Anexo I.2.2 Grupo de acopanhaento das etas.2.3 Grupo de acopanhaento das etas.2.4 Grupo de acopanhaento das etas 5/07/200 - Alteração da data de referência da pergunta P5., referente à eta 5 6/07/200 - Supressão da consideração dos dados relativos a prédios no levantaento do cupriento da eta 6 8/08/200 - Retificação do suário - Retificação do texto das orientações gerais - Acrescentar os tribunais eleitorais da incidência da eta 5 - Retificação dos prazos da P5. (eta 5) - Correção do núero da classe do tero circunstanciado nas etas e 2 - Retificação do últio esclareciento da eta 6 - Alterar a periodicidade de prestação de inforações da eta 7 e o critério de cupriento Versões 5

6 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Orientações Gerais Os dados relativos ao cupriento das etas serão inseridos pelos tribunais por eio de sistea que será disponibilizado no sítio eletrônico do Conselho Nacional de Justiça, especificaente no link As credenciais de acesso (login e senha) são as esas do sistea de acopanhaento de dados da Meta de Nivelaento 2 de Os dados da Meta de Nivelaento 2 de 2009 deverão continuar sendo inseridos no sistea de acopanhaento da Meta 2, localizado no link Os dados deverão ser inseridos pelos tribunais até o dia 5 de cada ês. Ebora fixado esse prazo, não haverá bloqueio de preenchiento, as apenas a consolidação dos dados para efeitos estatísticos. Os ovientos e classes processuais a que se refere o presente docuento pode ser identificados neste endereço eletrônico: option=co_content&view=article&id=7684&iteid=927&nutab=. As classes da Justiça Eleitoral fora publicadas pela Resolução TSE e pode ser acessadas e: confignae=legislacaoeleitoral&docbinkey= Orientações Gerais

7 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Meta Prioritária Julgar quantidade igual à de processos de conheciento distribuídos e 200 e parcela do estoque, co acopanhaento ensal. Esclareciento da Meta As tabelas abaixo indica as classes dos processos que deve ser considerados no cálculo do volue distribuído e do volue de julgaento. Por julgaento, deve ser entendida a prieira decisão tendente a por fi ao processo na instância sob análise. São ovientos coputáveis na lista, desde que seja o prieiro praticado no processo e na instância : todos os contidos sob o código 93 da tabela de ovientos, à exceção dos ovientos 98, 87, 200 e 0953; todos os ovientos contidos sob o código 33; 944; 373; e 374. Inclue-se na eta todos os processos que ostenta ou estão sob os raos das seguintes classes da tabela de classes unificada que não tivere sido julgados na instância: Identificador Classe/Rao Exceções 0969 Incidentes cíveis dos Juizados da Infância e da Juventude 026 Petição cível e Juizados da Infância e da Juventude 386 Processo de Conheciento e Juizados da Infância e da Juventude 436 Processos Cautelares e Juizados da Infância e da Juventude 0979 Petição infracional e Juizados da Infância e da Juventude 464 Processo de Apuração de Ato Infracional e Juizados da Infância e da Juventude 25 Incidentes de outros procedientos e Processo Cível e do Trabalho 070 Incidentes trabalhistas de outros procedientos e Processo Cível e do Trabalho 75 Processo cautelar e Processo Cível e do Trabalho 07 Procediento de Conheciento e Processo Cível e do Trabalho 229 Ipugnação ao cupriento de sentença 098 Ipugnação ao cupriento de decisão, 4, 08², 29¹, 397, 23 Meta Prioritária 7

8 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 69³ Ebargos e Processo de Execução e Processo Cível e do Trabalho 65 Insolvência civil e Processo Cível e do Trabalho 97 Recursos e Processo Cível e do Trabalho 689, 203, 204, 22, Medidas cautelares e Processo Criinal 303 Medidas garantidoras e Processo Criinal 269 Medidas preparatórias e Processo Criinal 727 Petição e Processo Criinal 28 Procediento cou e Processo Criinal 284 Processo especial e Processo Criinal 278 Tero Circunstanciado 36 Questões e processos incidentes e Processo Criinal 42 Recursos e Processo Criinal 7, Processo Militar 5 Superior Tribunal de Justiça 047, 020, 023, 024, 02, 022, 042, 028, 040, 677, 045 ¹ O procediento de recuperação judicial deve ser considerado pendente até a prolação da decisão que defere a recuperação judicial (art. 52 da Lei n.º.0/2005), que, provavelente, será u oviento de CONCESSÃO. ² A falência deve ser considerada coo pendente até a prolação da decretação da falência (oviento 202) ou da denegação desse pedido (oviento 208). ³ Os ebargos entra na eta quando autuados e separado do processo principal No caso da Justiça Eleitoral, toando por base a tabela de classes publicada pelo TSE, inclue-se na eta os processos das seguintes classes : Denoinação da Classe Sigla Código Cautelar inoinada AC Ação de Ipugnação de Mandato Eletivo AIME 2 Ação de Investigação Judicial Eleitoral AIJE 3 Ação Penal Eleitoral AP 4 Ação Rescisória AR 5 8 Meta Prioritária

9 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Agravo de Instruento AI 6 Apuração de Eleição AE 7 Conflito de Copetência CC 9 Ebargos à Execução EE 3 Exceções Exc 4 Habeas Corpus HC 6 Habeas Data HD 7 Mandado de Injunção MI 2 Mandado de Segurança MS 22 Pedido de Desaforaento PD 23 Petição Pet 24 Prestação de Contas¹ PC¹ 25¹ Reclaação Rcl 28 Recurso contra Expedição de Diploa RCED 29 Recurso Eleitoral RE 30 Recurso Criinal RC 3 Recurso Especial Eleitoral REspe 32 Recurso e Habeas Corpus RHC 33 Recurso e Habeas Data RHD 34 Recurso e Mandado de Injunção RMI 35 Recurso e Mandado de Segurança RMS 36 Recurso Ordinário RO 37 Registro de Candidatura RC 38 Representação Rp 42 Revisão Criinal RvC 43 Suspensão de Segurança/Liinar SS 45 ¹ Co relação às prestações de contas iniciadas e 200, só deve ser contabilizadas as prestações de contas de partidos (ordinárias) e as dos candidatos eleitos nas eleições de 200. As prestações de contas de candidatos não eleitos das eleições de 200 não deverão ser contabilizadas no côputo de processos ingressados e 200, para fins da eta, e razão de que seu protocolaento ocorre soente e novebro/200, sendo virtualente ipossível seu julgaento até 3/2/200. As onitórias não ebargadas (classe 40) deve ter a classe evoluída para a de cupriento de sentença, saindo da eta por eio de sua contabilização Meta Prioritária 9

10 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 na pergunta P.3, tal coo se tivesse havido u julgaento. Deve ser incluídos os dados de julgaentos de processos das etas 2 (2009 e 200). Não deve ser incluídos dados de julgaentos havidos e processos que já recebera decisão tendente à solução do processo na instância (ex.: sentenças ou acórdãos e ebargos de declaração ou e recursos internos esses estão excluídos). Não é considerada julgaento a decisão que deterina a pronúncia de réu e procediento de copetência do júri No caso de ações cuuladas de dearcação e divisão, a sentença hoologatória da dearcação já exclui da eta Na segentação dos processos criinais e não criinais, os processos a sere contados coo criinais são aqueles cujas classes estão sob os raos dos códigos 268 e 028, consideradas as inclusões e exclusões das tabelas acia Questionário Periodicidade: ensal. Segentos Id. Seg. Tribunais vinculados S2. STJ, TSE, TJs, TREs, TJMs,TRFs S2.2 TST, TRTs S2.3 STM Perguntas Id. Pergunta Segento P. Núero total de processos de conheciento não criinais novos ingressados no ês de referência P.2 Núero total de processos de conheciento criinais novos ingressados no ês de referência P.3 Núero total de processos de conheciento não criinais até então não julgados na instância que, no ês de referência, recebera prieiro ou único julgaento e 200 P.4 Núero total de processos de conheciento criinais até então não julgados na instância que, no ês de referência, recebera prieiro ou único julgaento e 200 Escopo das perguntas S2., S2.2 S2., S2.3 S2., S2.2 S2., S2.3 As perguntas serão segentadas por instância, no caso de tribunais que tê instância originária e recursal, e únicas no caso dos tribunais superiores. 0 Meta Prioritária

11 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Critério de Cupriento Para cada segento e instância, o grau de cupriento será dado: Copetência Grau de Cupriento Não criinal Criinal GC etanc = GC etac = P.3 P. P.4 P.2 O grau de cupriento total da eta será dado por: GC eta = P.3 P.4 P. P.2, e que é ês de referência. A eta estará cuprida se o grau de cupriento for aior que. Meta Prioritária

12 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Meta Prioritária 2 Julgar todos os processos de conheciento distribuídos (e º grau, 2º grau e tribunais superiores) até 3/2/2006 e, quanto aos processos trabalhistas, eleitorais, ilitares e da copetência do tribunal do Júri, até 3/2/2007. Esclareciento da Meta As tabelas abaixo indica as classes dos processos que deve ser considerados no cálculo do acervo da eta e do volue de julgaento. Por julgaento, deve ser entendida a prieira decisão tendente a por fi ao processo na instância sob análise. São ovientos coputáveis na lista, desde que seja o prieiro praticado no processo e na instância : todos os contidos sob o código 93 da tabela de ovientos, à exceção dos ovientos 98, 87, 200 e 0953; todos os ovientos contidos sob o código 33; 944; 373; e 374. Inclue-se na eta todos os processos não julgados na instância que ostenta ou estão sob os raos das seguintes classes da tabela de classes unificada: julgados na instância: Identificador Classe/Rao Exceções 0969 Incidentes cíveis dos Juizados da Infância e da Juventude 026 Petição cível e Juizados da Infância e da Juventude 386 Processo de Conheciento e Juizados da Infância e da Juventude 436 Processos Cautelares e Juizados da Infância e da Juventude 0979 Petição infracional e Juizados da Infância e da Juventude 464 Processo de Apuração de Ato Infracional e Juizados da Infância e da Juventude 25 Incidentes de outros procedientos e Processo Cível e do Trabalho 070 Incidentes trabalhistas de outros procedientos e Processo Cível e do Trabalho 75 Processo cautelar e Processo Cível e do Trabalho 07 Procediento de Conheciento e Processo Cível e do Trabalho 229 Ipugnação ao cupriento de sentença, 4, 08², 29¹, 397, 23 2 Meta Prioritária 2

13 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/ Ipugnação ao cupriento de decisão 69³ Ebargos e Processo de Execução e Processo Cível e do Trabalho 65 Insolvência civil e Processo Cível e do Trabalho 97 Recursos e Processo Cível e do Trabalho 689, 203, 204, 22, Medidas cautelares e Processo Criinal 303 Medidas garantidoras e Processo Criinal 269 Medidas preparatórias e Processo Criinal 727 Petição e Processo Criinal 28 Procediento cou e Processo Criinal 278 Tero circunstanciado 284 Processo especial e Processo Criinal 36 Questões e processos incidentes e Processo Criinal 42 Recursos e Processo Criinal 7, Processo Militar 5 Superior Tribunal de Justiça 047, 020, 023, 024, 02, 022, 042, 028, 040, 677, 045 ¹ O procediento de recuperação judicial deve ser considerado pendente até a prolação da decisão que defere a recuperação judicial (art. 52 da Lei n.º.0/2005), que, provavelente, será u oviento de CONCESSÃO. ² A falência deve ser considerada pendente até a prolação da decretação da falência (oviento 202) ou da denegação desse pedido (oviento 208). ³ Os ebargos entra na eta quando autuados e separado do processo principal No caso da Justiça Eleitoral, toando por base a tabela de classes publicada pelo TSE, inclue-se na eta 2 os processos das seguintes classes : Denoinação da Classe Sigla Código Cautelar inoinada AC Ação de Ipugnação de Mandato Eletivo AIME 2 Ação de Investigação Judicial Eleitoral AIJE 3 Meta Prioritária 2 3

14 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Ação Penal Eleitoral AP 4 Ação Rescisória AR 5 Agravo de Instruento AI 6 Apuração de Eleição AE 7 Conflito de Copetência CC 9 Ebargos à Execução EE 3 Exceções Exc 4 Habeas Corpus HC 6 Habeas Data HD 7 Mandado de Injunção MI 2 Mandado de Segurança MS 22 Pedido de Desaforaento PD 23 Petição Pet 24 Prestação de Contas PC 25 Reclaação Rcl 28 Recurso contra Expedição de Diploa RCED 29 Recurso Eleitoral RE 30 Recurso Criinal RC 3 Recurso Especial Eleitoral REspe 32 Recurso e Habeas Corpus RHC 33 Recurso e Habeas Data RHD 34 Recurso e Mandado de Injunção RMI 35 Recurso e Mandado de Segurança RMS 36 Recurso Ordinário RO 37 Registro de Candidatura RC 38 Representação Rp 42 Revisão Criinal RvC 43 Suspensão de Segurança/Liinar SS 45 Não se inclue na eta os processos referidos suspensos (ovientos 395, 002, 06, 07, 264, 05, 25, 025) e aqueles que ingressare e tal situação durante o ano de 200 deve ser excluídos da eta por eio de sua contabilização na pergunta P2.7, P2.8, P2.9, P2.7 e P2.8 As onitórias não ebargadas (classe 40) deve ter a classe evoluída para a de cupriento de sentença, saindo da eta por eio de sua contabilização na pergunta P2.7 Não deve ser incluídos dados de julgaentos havidos e processos que já 4 Meta Prioritária 2

15 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 recebera decisão tendente à solução do processo na instância (ex.: sentenças ou acórdãos e ebargos de declaração ou e recursos internos esses estão excluídos). Não é considerada julgaento a decisão que deterina a pronúncia de réu e procediento de copetência do júri Havendo recurso e face da decisão que pronunciou o réu, e procedientos da copetência do júri, o processo passa a ser considerado sobrestado, na prieira instância, devendo ser contabilizado na pergunta P2.9 no ês e que isso ocorrer No caso de ações cuuladas de dearcação e divisão, a sentença hoologatória da dearcação já exclui da eta No caso de anulação de julgaento ou e qualquer outra situação de enquadraento nos critérios da eta (ex.: recebiento de outro juízo), o processo deve ser incluído na eta por eio das perguntas P2.4, P2.5, P2.6, P2.5 e P2.6 Na segentação dos processos criinais e não criinais, os processos a sere contados coo criinais são aqueles cujas classes estão sob os raos dos códigos 268 e 028, exceto os da classe 282, consideradas as inclusões e exclusões das tabelas acia A data de referência da eta 2 para processos criinais, seja couns ou ilitares, é a data da distribuição da petição que se destina à foração da ação penal, ainda que ela ainda não tenha sido recebida. Questionário As perguntas serão feitas por segento, confore tabela abaixo, e por instância (º grau cou, juizados, turas recursais e tribunais). Id. Pergunta Per. Segento P2. Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006 e que não fora nela julgados até 3/2/2009 P2.2 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006 e que não fora nela julgados até 3/2/2009, excluídos os de classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe P2.3 Núero total de processos da classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originariaente dessa classe que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que não fora nela julgados até 3/2/2009 única única única STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs Meta Prioritária 2 5

16 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 P2.4 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006 e que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P2.5 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006, excluídos os de classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe, e que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P2.6 Núero total de processos de conheciento da classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P2.7 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006 e que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios da eta, que não por julgaento, no ês de referência P2.8 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006, excluídos os de classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe, e que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios da eta, que não por julgaento, no ês de referência ensal ensal ensal ensal ensal P2.9 Núero total de processos de conheciento da ensal classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios da eta, que não por julgaento, no ês de referência STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs 6 Meta Prioritária 2

17 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 P2.0 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006 e que, no ês de referência, fora nela julgados pela prieira ou única vez no ano de 200 P2. Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2006 e que, no ês de referência, fora nela julgados pela prieira ou única vez no ano de 200, excluídos os de classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe P2.2 Núero total de processos de conheciento da classe 282 (ação penal de copetência do júri) e aqueles recursais e processos que era originalente dessa classe que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que, no ês de referência, fora nela julgados pela prieira ou única vez no ano de 200 P2.3 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que não fora nela julgados até 3/2/2009 P2.4 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que não fora nela julgados até 3/2/2009 P2.5 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P2.6 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P2.7 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios da eta, que não por julgaento, no ês de ensal ensal ensal STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs STJ, TRFs, TJs única TSE, TST, TREs, TRTs, TJMs única STM, TSE, TREs, TJMs ensal TSE, TST, TREs, TRTs, TJMs ensal STM, TSE, TREs, TJMs ensal TSE, TST, TREs, TRTs, TJMs Meta Prioritária 2 7

18 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 referência P2.8 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios da eta, que não por julgaento, no ês de referência P2.9 Núero total de processos de conheciento não criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que, no ês de referência, fora nela julgados pela prieira ou única vez no ano de 200 P2.20 Núero total de processos de conheciento criinais que ingressara na instância entre 0/0/2006 e 3/2/2007 e que, no ês de referência, fora nela julgados pela prieira ou única vez no ano de 200 Escopo das perguntas ensal STM, TSE, TREs, TJMs ensal TSE, TST, TREs, TRTs, TJMs ensal STM, TSE, TREs, TJMs As perguntas serão segentadas por instância, no caso de tribunais que tê instância originária e recursal, e únicas no caso dos tribunais superiores. Critério de Cupriento STJ, TRFs e TJs GC eta2 = P2. P2.4 P2.0 P2. P2.2 P2.7 P2.2 P2.5 P2.8 P2.3 P2.6 P2.9 TST e TRTs GC eta2 = P2.3 P2.9 P2.5 P2.7 STM 8 Meta Prioritária 2

19 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 GC eta2 = P2.4 P2.20 P2.6 P2.8 TSE, TREs e TJMs GC eta2 = P2.3 P2.5 P2.9 P2.20 P2.7 P2.4 P2.6 P2.8, e que é o ês de referência. A eta será cuprida se o grau de cupriento for igual a (00% de julgaento do acervo da eta 2). Meta Prioritária 2 9

20 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Meta Prioritária 3 Reduzir e pelo enos 0% o acervo de processos na fase de cupriento ou de execução e, e 20%, o acervo de execuções fiscais (referência: acervo e 3/2/2009). Esclareciento da Meta Meta não aplicável às execuções criinais e, por isso, não é aplicável à Justiça Militar da União e dos Estados A saída do processo da eta 3 soente ocorrerá quando baixado o processo de execução (oviento 22) Pode ser considerados coo baixados aqueles processos e que pende o pagaento exclusivaente de custas processuais e favor do Poder Público e peritos cujo pagaento deve ser feito pelo Poder Público Pode ser considerados coo baixados aqueles processos e que pende o pagaento exclusivaente de valores inscritos e precatórios Pode ser considerados coo baixados aqueles processos que fora reetidos a outros tribunais, co a pertinente baixa no tribunal de orige. As execuções da Justiça do Trabalho, se não fore exclusivaente fiscais, deve ser consideradas coo não fiscais Inclue-se na eta todos os processos que ostenta ou estão sob os raos das seguintes classes da tabela de classes unificada: Identificador Classe/Rao Exceções 430 Processo de execução dos Juizados da Infância e da Juventude 55 Procediento de cupriento de sentença/decisão 58 Processo de execução e Processo Cível e do Trabalho 020 Execução e ação rescisória 023 Execução e andado de segurança 024 Execução e edida cautelar 02 Execução e sentença estrangeira 022 Execução e sentença estrangeira contestada 229, , 65 No caso da Justiça Eleitoral, considerando a tabela de classes publicada pelo TSE, inclui-se na eta 3 a classe 5 Execução Fiscal. Não se inclue na eta os processos anteriorente referidos suspensos (ovientos 395, 002, 06, 07, 264, 05, 25, 025) e as execuções fiscais que estão arquivadas provisoriaente há enos de 5 (cinco) anos (oviento 245). Caso algu processo entre e tais situações ou saia de tais situações durante o ano, deve ser contabilizados nas 20 Meta Prioritária 3

21 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 perguntas P3.7 e P.38 (entrada na eta) e P3.9 e P3.0 (saída da eta). No caso de expedição de título da dívida ativa se prévio início de execução ou cupriento, sequer se deve contabilizar o processo e que esse título foi expedido coo incluído nesta eta Outros tipos de arquivaentos provisórios que não os previstos na Lei de Execuções Fiscais não deve ser coputados para exclusão da eta. O fato de execuções istas tere as verbas não fiscais quitadas não altera a natureza da execução A eta 3 é aplicável tabé às instâncias de revisão quanto às execuções originárias. Os recursos e face de execuções de instâncias inferiores são considerados processos de conheciento e deve ser coputados, confore o caso, nas etas e 2. O arquivaento de processos judiciais e razão da expedição de certidão de crédito não exclui o processo da eta 3. Questionário Id. Pergunta Per. P3. Núero total de processos de execução não fiscais ainda não baixados definitivaente (oviento 22) no dia 3/2/2009 P3.2 Núero total de processos de execução fiscal ainda não baixadas definitivaente (oviento 22) no dia 3/2/2009 P3.3 Núero total de processos de execução não fiscais novos iniciados no ês de referência. P3.4 Núero total de processos de execução fiscal novos iniciados no ês de referência P3.5 Núero total de processos de execução não fiscais baixados definitivaente no ês de referência. P3.6 Núero total de processos de execução fiscal baixados definitivaente no ês de referência. P3.7 Núero total de processos de execução não fiscais que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P3.8 Núero total de processos de execução fiscais que entrara na eta por saíre de situação de suspensão ou por passare a se enquadrar nos critérios da eta, no ês de referência P3.9 Núero total de processos de execução não fiscais que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios da eta, que não por julgaento, no ês de referência P3.0 Núero total de processos de execução fiscais que saíra da eta por suspensão ou não enquadraento nos critérios única única ensal ensal ensal ensal ensal ensal ensal ensal Meta Prioritária 3 2

22 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 da eta, que não por julgaento, no ês de referência Escopo das perguntas As perguntas serão segentadas por instância, no caso de tribunais que tê instância originária e recursal, e únicas no caso dos tribunais superiores. Critério de Cupriento Abrangência Para cada segento, o grau de cupriento será dado pela seguinte fórula: Tipo de execução Não Fiscais Fiscais Grau de cupriento GC eta3nf = GC eta3f = 0. P P3.2 P3.5 P3.3 P3.6 P3.4 P3.7 P3.8 P3.9 P3.0 GC eta3 = 0. P3. P3.3, e que é o ês de referência. P3.7 P3.5 P3.6 P P3.2 P3.4 P3.8 A eta estará cuprida se o grau de cupriento for igual ou aior que. P Meta Prioritária 3

23 Glossário das Metas Prioritárias 200 Versão.2.4 Agosto/200 Meta Prioritária 4 Lavrar e publicar todos os acórdãos e até 0 dias após a sessão de julgaento. Esclareciento da Meta Os dados sepre referentes às publicações de acórdãos produzidos no ês de referência, ainda que as publicações seja feitas no ês seguinte ao de referência. O prazo de 0 dias é corrido, contando-se do dia útil seguinte ao da sessão de julgaento. Para efeitos da eta 4, considera-se a data de disponibilização e diário da justiça eletrônico coo data de publicação. Inclue-se na eta todos os processos judiciais que ostente classes aplicáveis a instâncias colegiadas e e que fora praticadas as seguintes ovientações de fora colegiada: Identificador Movientações/Rao de Movientações Exceções 98 Acolhiento de Ebargos de Declaração 87 Acolhiento e parte de Ebargos de Declaração 20 Concessão co resolução do érito 24 Concessão e parte co resolução do érito 242 Conheciento e parte e não-proviento 240 Conheciento e parte e proviento 24 Conheciento e parte e proviento e parte 900 Declaração de copetência e conflito e conflito co resolução do érito 22 Denegação co resolução do érito 96 Extinção da execução ou do cupriento da sentença 973 Extinção da punibilidade co resolução do érito 466 Hoologação de transação 220 Iprocedência co resolução do érito 200 Não-acolhiento de ebargos de declaração 239 Não-proviento 90 Negação de seguiento 29 Procedência Meta Prioritária 4 23

Metas Nacionais do Poder Judiciário 2014

Metas Nacionais do Poder Judiciário 2014 - 2014 Glossários e Esclarecimentos Versão 2 - Março / 2014 Secretaria- Geral Departamento de Gestão Estratégica Metas Nacionais do Poder Judiciário 2014 Glossários e Esclarecimentos Versão 2 Março / 2014

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011

CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011 CNJ REDUZ PRESSÃO SOBRE TRIBUNAIS E JUÍZES EM 2.011 Mariana Ghirello Todo ano, o Conselho Nacional de Justiça se reúne com os presidentes dos Tribunais de Justiça para identificar as necessidades do Poder

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL - 2ª REGIÃO OFÍCIO CIRCULAR Nº T2-OCI-2010/00037 Rio de Janeiro, 25 de março de 2010. Senhor(a) Juiz(a), No 3º Encontro Nacional do Poder Judiciário, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça e ocorrido no último

Leia mais

RESOLUÇÕES: Dispõe sobre as classes processuais e as siglas dos registros processuais no âmbito da Justiça Eleitoral.

RESOLUÇÕES: Dispõe sobre as classes processuais e as siglas dos registros processuais no âmbito da Justiça Eleitoral. RESOLUÇÕES: 22.676 - PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 19.864 CLASSE 19ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre as classes processuais

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Classificação: Docuento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 20/203-BNDES Rio de Janeiro, 7 de aio de 203 Ref.: Produto BNDES Autoático Ass.: Prograa BNDES para o Desenvolviento da Indústria Nacional

Leia mais

Metas Nacionais do Poder Judiciário 2015

Metas Nacionais do Poder Judiciário 2015 Departamento de Gestão Estratégica Metas Nacionais do Poder Judiciário 2015 Glossários e Esclarecimentos Justiça Estadual Versão 1.1 Março / 2015 Sumário Introdução e Orientações Gerais... 3 Controle de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS UNIFICADA - JUSTIÇA ESTADUAL - 1º GRAU - MENOR INFÂNCIA E JUVENTUDE CLASSES CNJ Correspondente Código

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica inistério de inas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 319, DE 26 DE SETEBRO DE 2008. Estabelece o procediento de aprovação dos projetos de geração, transissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

2015> > Metas da Justiça Federal

2015> > Metas da Justiça Federal 2015> > > Glossário das Metas da Justiça Federal. Compõe-se das Metas aprovadas no Plano Estratégico da Justiça Federal para o período 2015-2020, dentre as quais, as metas aprovadas no VIII Encontro Nacional

Leia mais

= PIB Dados D PJ PIB G 1

= PIB Dados D PJ PIB G 1 ANO-BASE 2003 1. INSUMOS, DOTAÇÕES E GRAUS DE UTILIZAÇÃO DESPESAS 1.1. DESPESA DA JUSTIÇA FEDERAL SOBRE O PIB G 1 DPJ PIB Dados D PJ PIB G 1 1ª Região 735.982.911 418.705.626.864 0,176% 2ª Região 433.545.338

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR Este questionário objetiva diagnosticar a realidade dos tribunais em relação às aprovadas no II Encontro Nacional do Judiciário, bem como subsidiar medidas concretas a serem

Leia mais

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa

Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Segurança do Paciente e Qualidade e Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Outubro / 2013 ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE Desafios Globais para a Segurança do Paciente

Leia mais

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil

2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil 2 O Preço Spot de Energia Elétrica do Brasil Inicialente, vai se expor de ua fora uita sucinta coo é criado o preço spot de energia elétrica do Brasil, ais especificaente, o CMO (Custo Marginal de Operação).

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 23ª VARA FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUÍZA FEDERAL TITULAR DRA. MARIA AMELIA ALMEIDA SENOS DE CARVALHO JUÍZA FEDERAL SUBSTITUTA DRA. LUCIANA DA CUNHA VILLAR

Leia mais

Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho. Manual de Orientações do 2º Grau

Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho. Manual de Orientações do 2º Grau Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho Manual de Orientações do 2º Grau Versão 3.0 06/06/2011 laboração: Comitê Gestor Nacional do Sistema e-gestão Desembargadora Ana Paula Pellegrina Lockmann TRT 15ª

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as Tabelas de Custas e a Tabela de Porte de Remessa e Retorno dos Autos e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS

GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS GABINETE DA CORREGEDORIA SETOR DE CORREIÇÃO/2014 3º JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DO RIO DE JANEIRO JUIZ FEDERAL TITULAR DR. MARCO FALCÃO CRITSINELIS Partindo de levantamentos realizados no questionário da

Leia mais

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 2-11 JUSTIÇA 1 2-11 JUSTIÇA

Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 2-11 JUSTIÇA 1 2-11 JUSTIÇA Anuário Estatístico do Município de Belém 2011 2-11 JUSTIÇA 1 2-11 JUSTIÇA Nesta seção, encontram-se variáveis a respeito do movimento eleitoral do município como eleitores por sexo, faixa etária e zona

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. Vigência Regulamento Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no

Leia mais

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou?

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? O Conselho Superior da Justiça do Trabalho editou a nova Resolução 136/2014, revogando a Resolução 94/2012 que regulamenta o sistema PJe-JT

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO: DIREITO ELEITORAL - TEORIA E EXERCÍCIOS TREs. 3º Simulado de Direito Eleitoral para TREs. PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: 1. Os Simulados de Direito Eleitoral para TREs serão com base em Provas da FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC); 2. Estamos ministrando o CURSO DE DIREITO ELEITORAL para TREs Teoria e Exercícios, iniciado

Leia mais

Portes dos Tribunais em Tecnologia da Informação e Comunicação - 2014

Portes dos Tribunais em Tecnologia da Informação e Comunicação - 2014 Portes dos Tribunais em Tecnologia da Informação e Comunicação - 2014 Resolução 90 Base de Cálculo Resolução 90 Exemplo dos Cálculos dos Portes Nível dos Portes - Consolidado Nível dos Portes - Tribunais

Leia mais

Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02. *Cristiane Pederzolli Rentzsch*

Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02. *Cristiane Pederzolli Rentzsch* Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02 *Cristiane Pederzolli Rentzsch* I - Introdução II - A Meta 02 III - Experiência da 17ª Vara da SJDF IV - Conclusão V - Agradecimentos I. Introdução O Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.

VALOR ATUAL IGPM ACUMULADO CORREÇÃO PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2. 2 0 0 7 PARTE GERAL: 1 - Ações de Jurisdição Contenciosa ou que assumam este caráter: 2.084,74 3,8476 80,21 2.164,95 2 - Recursos: A) interposição de qualquer recurso 1.042,37 3,8476 40,11 1.082,47 B)

Leia mais

Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho

Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho de Orientações do 1º Grau (Incluídas as regras de negócio das informações extraídas do PJe-JT) Versão 1.0 22/07/2015 Revisão e Atualização: Comitê Gestor Nacional

Leia mais

CLIPPING DE NOTÍCIAS DO PODERJUDICIÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA CONSELHOS TRIBUNAIS SUPERIORES

CLIPPING DE NOTÍCIAS DO PODERJUDICIÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA CONSELHOS TRIBUNAIS SUPERIORES CLIPPING DE NOTÍCIAS DO PODERJUDICIÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA CNJ CONSELHOS http://www.cnj.jus.br/ 12/08/2014 II Encontro Nacional debate formação de servidores do Judiciário (http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/29333-ii-encontronacional-debate-formacao-de-servidores-do-judiciario)

Leia mais

1ª. Reunião de Análise Estratégica - 2012. Núcleo de Gestão Estratégica. Manaus, 05 de março de 2012

1ª. Reunião de Análise Estratégica - 2012. Núcleo de Gestão Estratégica. Manaus, 05 de março de 2012 1ª. Reunião de Análise Estratégica - 2012 Núcleo de Gestão Estratégica Manaus, 05 de março de 2012 Objetivos Divulgar os resultados da Metas Nacionais de 2011 e apresentar os desafios para 2012. Calendário

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR

OS PRIMEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA MANUTENÇÃO DOUGLAS LINO MARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR OS PRIEIROS PASSOS DA CONFIABILIDADE NA ANUTENÇÃO DOUGLAS LINO ARCHALEK ENGº ELETRICISTA - UTFPR ANTONIO WOTECOSKI ENGº ELETRICISTA - UTFPR APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES E QUESTIONAENTOS O PRIEIRO PASSO EXEPLO

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 94 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 94 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 94 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014. REGULAMENTA A APLICAÇÃO DOS DISPOSITIVOS PREVISTOS NAS RESOLUÇÕES TJAL Nº 02/2014 E 18/2014, REVOGA OS ATOS NORMATIVOS Nº 12, DE 19 DE MARÇO DE 2014 E Nº 19,

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

SIDAP 1º INSTÂNCIA. Resolução CNJ 65 Padronização do número dos Processos Judiciais

SIDAP 1º INSTÂNCIA. Resolução CNJ 65 Padronização do número dos Processos Judiciais SIDAP 1º INSTÂNCIA Resolução CNJ 65 Padronização do número dos Processos Judiciais ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. RESOLUÇÃO Nº 65/2008 - OBJETIVOS DA NUMERAÇÃO PADRONIZADA... 3 3. NUMERAÇÃO PADRONIZADA

Leia mais

MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau

MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau MANUAL DA VERSÃO 1.4.7.4 1º Grau Equipe de elaboração: DESEMBARGADOR RICARDO ANTONIO MOHALLEM TRT 3ª REGIÃO JUÍZA GISELA AVILA LUTZ TRT 1º REGIÃO ANTONIO CARLOS DOS SANTOS TRT 7ª REGIÃO NADJA MARIA PRATES

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO

SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO SUMÁRIO NOTA DO AUTOR À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 PREFÁCIO... 17 INTRODUÇÃO... 19 Capítulo I FLEXIBILIZAÇÃO... 21 1.1. Definição... 21 1.2. Flexibilização da norma... 23 1.3. Flexibilizar a interpretação e

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região;

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002. CONSIDERANDO as conclusões apresentadas pelo Fórum de Juízes Distribuidores da 2ª Região; CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 001 DE 13 DE MARÇO DE 2002 A Excelentíssima Doutora MARIA HELENA CISNE CID, Corregedora- Geral da Justiça Federal da 2ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis

Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis BPM Day Serra Gaúcha 2013 Carolina Möbus Volnei Rogério Hugen O Poder Judiciário De acordo com o fundamento do Estado, o Poder Judiciário tem a Missão

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Projeto de Lei do Senado/Câmara n o de CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Seção I - Da Mediação Judicial

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008

LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 LEITURA E INTERPRETAÇÃO NBR ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO Instrutora: Noe: Márcia Assunção Foração: Graduada e Pós-graduada... Exp. Profissional:... 10 anos Objetivo do curso: Disseinar a interpretação dos

Leia mais

Recebimento da Documentação e da Proposta 18 /12 /2013 às 10:00 h

Recebimento da Documentação e da Proposta 18 /12 /2013 às 10:00 h 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO CONCORRÊNCIA nº 003/2013 Regido pela Lei nº 8.666/1993, pela Lei Copleentar nº 123/2006 Tipo: Menor Preço Objeto: Contratação de

Leia mais

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social

Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social Plano de ação setorial de racionalização das TIC no Horizonte 2012-2016 Versão de Trabalho Dezebro 2014 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação setorial de

Leia mais

ANEXO IV TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS - ÁREA- FIM

ANEXO IV TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS - ÁREA- FIM TABELA DE TEMPORALIDADE E DE DOCUMENTOS - ÁREA- FIM 700 ATIVIDADES JUDICIÁIS DE 1ª INSTÂNCIA 710 VARAS DO TRABALHO 710.1 - Alvará de Seguro Desemprego Original - Requerente Até retirada Via - Pasta 2 anos

Leia mais

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0 Sistema Nacional de Bens Apreendidos Manual do Usuário Versão 1.0 Brasília, 2009 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA NACIONAL DE BENS APREENDIDOS... 3 1.1- SNBA Versão 1.0... 3 1.2- Habilitação e Perfis de Acesso...

Leia mais

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica

Índice de Custo Benefício (ICB) de Empreendimentos de Geração Termelétrica Índice de Custo Benefício (ICB) de Epreendientos de Geração Terelétrica Metodologia de Cálculo Leilões de Copra de Energia Elétrica Proveniente de Novos Epreendientos de Geração Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério dos Negócios Estrangeiros Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério dos Negócios Estrangeiros Horizonte 2012-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação sectorial

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério da Solidariedade e da Segurança Social Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Horizonte 2012-2016 Grupo de Projeto para as Tecnologias de Inforação e Counicação 1 Título: Plano de ação sectorial de racionalização das TIC no Ministério

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE MATO GROSSO 04.101.01 PROC. ADM. N. 1108/2010 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N. 013/2011 PARA INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE TELEFONIA VOIP COM FORNECIMENTO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

1 Apresentação... 2. 2 Tabelas Processuais Unificadas... 2. 3 Objetivos... 3. 4 Tabela de Assuntos Processuais... 4. 4.1 Estrutura...

1 Apresentação... 2. 2 Tabelas Processuais Unificadas... 2. 3 Objetivos... 3. 4 Tabela de Assuntos Processuais... 4. 4.1 Estrutura... 0 Sumário 1 Apresentação... 2 2 Tabelas Processuais Unificadas... 2 3 Objetivos... 3 4 Tabela de Assuntos Processuais... 4 4.1 Estrutura... 4 4.2 Orientações específicas para a utilização da Tabela de

Leia mais

IMPLEMENTAR METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROCESSOS DE TRABALHO NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

IMPLEMENTAR METODOLOGIA DE GESTÃO DE PROCESSOS DE TRABALHO NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO . Escopo ou finalidade do projeto O projeto visa implantar método de gestão de processos de trabalho em 00% das prestadoras de jurisdição de º grau, tendo como base o Sistema Normativo do Poder Judiciário

Leia mais

ANEXO Matriz dos Indicadores

ANEXO Matriz dos Indicadores ANEXO Matriz dos Indicadores Indicador IE 01 - Confiança no Poder Judiciário Objetivo: Relativo à visão - OBTER O RECONHECIMENTO DA SOCIEDADE SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DO PJERJ PARA O EXERCÍCIO DEMOCRÁTICO

Leia mais

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13

SUMÁRIO. Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 SUMÁRIO Nota do autor... 9 Apresentação e estrutura do livro... 11 Lista de Abreviaturas de Termos Processuais e Legais... 13 Parte I DIREITO MATERIAL... 17 Abuso do poder econômico... 17 Captação ilícita

Leia mais

Introdução Origem e Utilização

Introdução Origem e Utilização Precatórios Introdução Origem e Utilização PRECATÓRIOS: ORIGEM E UTILIZAÇÃO Descrição e Histórico Precatórios: são ordens judiciais de pagamento objeto de decisões finais proferidas contra entidades governamentais

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

O INDICADOR ESTATÍSTICO DA CARGA DE TRABALHO DO RELATÓRIO JUSTIÇA

O INDICADOR ESTATÍSTICO DA CARGA DE TRABALHO DO RELATÓRIO JUSTIÇA O INDICADOR ESTATÍSTICO DA CARGA DE TRABALHO DO RELATÓRIO JUSTIÇA EM NÚMEROS DO CNJ APONTA A NECESSIDADE DA EQUALIZAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO NOS TRIBUNAIS PARA CONCRETIZAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO

Leia mais

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos

2007.2. Como o Pensamento Sistêmico pode Influenciar o Gerenciamento de Projetos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE CENTRO DE INFORMÁTICA CIN GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 2007.2 Coo o Pensaento Sistêico pode Influenciar o Gerenciaento de Projetos TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Guia de Homologação

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Guia de Homologação Guia de Homologação Brasília Junho de 2011 Sumário CONSELHO 1Apresentação... 3 2Histórico... 4 3Visão Geral... 5 3.1Histórico... 5 3.2Escopo do Sistema... 5 3.3Justificativas e Benefícios do Projeto...

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER

1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER Tabela de honorários de advogados dativos - 2013 (Resolução-Conjunta TJMG/AGE/ OAB 001/2013) ANEXO I - PARTE ESPECIAL 1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER Salvo outra disposição

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ), no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º DE DE 2015 Regula o procedimento a ser adotado nas medidas assecuratórias em matéria processual-penal e as providências a serem adotadas quando decretada a perda de bens móveis ou imóveis

Leia mais

PROVIMENTO nº 42/2013-CGJ

PROVIMENTO nº 42/2013-CGJ PROVIMENTO nº 42/2013-CGJ O Excelentíssimo Senhor Desembargador SEBASTIÃO DE MORAES FILHO, Corregedor Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, previstas nos artigos

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

JUR. 04 GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO

JUR. 04 GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO 1 de 15 GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO MACROPROCESSO ASSESSORIA TÉCNICA PROCESSO GESTÃO DO CONTENCIOSO FECOMERCIO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos no Brasil

Gerenciamento de Riscos no Brasil Gerenciaento de Riscos no Brasil Patricia Fernanda Toledo Barbosa CVISS/NUVIG/ANVISA Estrutura da apresentação A Vigilância Sanitária e a Anvisa Conceitos e ferraentas e gerenciaento de risco Contexto

Leia mais

INDICE. Sistema VEC Vara das Execuções Criminais /Implementação da Resolução 46 CNJ

INDICE. Sistema VEC Vara das Execuções Criminais /Implementação da Resolução 46 CNJ Versão 1.0.4 INDICE 1 OBJETIVO... 2 2 CADASTRO DE ROTEIRO DE PENAS... 3 3 CADASTRO DE HABEAS CORPUS... 8 4 CADASTRO DE MANDADO DE SEGURANÇA... 16 5 SOBRE A MOVIMENTAÇÃO DO PROCESSO... 22 6 CADASTRO DE

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI » Pedro Henrique Meira Figueiredo NOVO CPC: PERSPECTIVAS PARA A JUSTIÇA BRASILEIRA DO SÉCULO XXI O ano de 2010 marcou a comunidade jurídica com a divulgação dos tão esperados anteprojetos do novo Código

Leia mais

Brasília, junho de 2014

Brasília, junho de 2014 ORIENTAÇÕES PARA NOTIFICAÇÃO E GERENCIAMENTO DOS DADOS NO SISTEMA NOTIVISA PARA NÚCLEOS DE SEGURANÇA DO PACIENTE (NSP) E COORDENAÇÕES DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasília, junho de 2014 NOTIVISA EVENTOS ADVERSOS

Leia mais

GUIA RÁPIDO PRODUTIVIDADE MAGISTRADOS SEGUNDO GRAU

GUIA RÁPIDO PRODUTIVIDADE MAGISTRADOS SEGUNDO GRAU MESA DIRETORA DO TJBA DES. MARIO ALBERTO HIRS Presidente DES. ESERVAL ROCHA 1º Vice-presidente DESA. VERA LÚCIA FREIRE DE CARVALHO 2ª Vice-presidente DESA. IVETE CALDAS SILVA FREITAS MUNIZ Corregedora-geral

Leia mais

PREGÃO (ELETRÔNICO) N. 56/2011

PREGÃO (ELETRÔNICO) N. 56/2011 PREGÃO (ELETRÔNICO) N. 56/2011 O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL - TRE/RS, por interédio de sua Seção de Licitações, tendo e vista os atos constantes no processo adinistrativo eletrônico

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES Agrupadores JUIZ E SEUS ASSISTENTES»Processos com pedido liminar ou de antecipação de tutela não apreciado GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE DIRETOR E SEUS ASSISTENTES»Processos com Petições Avulsas»Processos

Leia mais

Instrução Normativa nº 03, de 11 de setembro de 2006.

Instrução Normativa nº 03, de 11 de setembro de 2006. Instrução Normativa nº 03, de 11 de setembro de 2006. Dispõe sobre o Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos Eletrônicos do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (e-doc). O Juiz-Presidente

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 59, DE 14 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre alterações no Manual de Atribuições da Seção Judiciária do Paraná e estabelece outras providências. O VICE-PRESIDENTE, NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DO

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF

DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL DE CRÉDITOS FISCAIS DOS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE FARMÁCIA PRF/CFF-CRF PORTARIA Nº 1907 Ementa: Regulamenta no âmbito do CRF/SC o Programa de Recuperação Judicial e Extrajudicial de Créditos Fiscais dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia PRF/CFF-CRF. A Presidente do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual do Servidor (2º Grau) Versão 2.0 Diretoria da Tecnologia da Informação 1 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PJe Manual

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 007/2012/CPL-GERAL/CML/SEMAD/PVH PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO-RO

CONCORRÊNCIA Nº 007/2012/CPL-GERAL/CML/SEMAD/PVH PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO-RO CONCORRÊNCIA Nº 7/212/CPL-GERAL/CML/SEMAD/PVH PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO-RO CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PARQUE DAS ÁGUAS

Leia mais

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013 Para adquirir a apostila 160 Questões Fundamentadas Do Regimento Interno do TRT Bahia 5ª Região - Art. 1º ao 72 acesse o site www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4

Leia mais

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br.

a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. Apresentação a) identificação da unidade judiciária: Vara Criminal da Comarca de Montenegro/RS b) e-mail para contato e envio de informações: alat@tj.rs.gov.br. c) nome do trabalho/projeto: Sistema para

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

ESTADO DO TOCANTINS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO NACIONAL PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO LEI N.º 2.178, DE 02 DE JUNHO DE 2.014. *VERSÃO IMPRESSA ASSINADA Dispõe sobre o Programa de Recuperação e Estímulo à Quitação de Débitos Fiscais REFIS PORTO 2014 e dá outras providências. Eu, PREFEITO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS, PARA INGRESSO NA CARREIRA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 03/2013

CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS, PARA INGRESSO NA CARREIRA DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 03/2013 PONTO 1 Direito Penal Conceito de Direito Penal. História do Direito Penal. História do Direito Penal Brasileiro, Doutrinas e Escolas Penais. Sistemas Penitenciários. Direito Processual Penal Princípios

Leia mais

INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO

INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO INFOJUD, RENAJUD E BACENJUD INSTRUMENTOS DE EFETIVIDADE DA JURISDIÇÃO I PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE MAGISTRADOS FÓRUM BRIC Exchange Program for Judges BRIC Forum Marivaldo Dantas de Araújo Juiz de Direito

Leia mais

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I DISPONIBILIZAÇÃO: sexta-feira, 12 de abril de 2013 PUBLICAÇÃO: segunda-feira, 15 de abril de 2013 Senhores(as) Usuários(as), A Seção I do Diário da Justiça Eletrônico

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público

ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 33, de 15º DE DEZEMBRO DE 2008. Altera a Resolução n 25, de 03 de dezembro de 2007 O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais