ATO NORMATIVO Nº 94 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATO NORMATIVO Nº 94 DE 14 DE OUTUBRO DE 2014."

Transcrição

1 ATO NORMATIVO Nº 94 DE 14 DE OUTUBRO DE REGULAMENTA A APLICAÇÃO DOS DISPOSITIVOS PREVISTOS NAS RESOLUÇÕES TJAL Nº 02/2014 E 18/2014, REVOGA OS ATOS NORMATIVOS Nº 12, DE 19 DE MARÇO DE 2014 E Nº 19, DE 6 DE MAIO DE 2014, ALTERA O ANEXO III, DE QUE TRATA O ART. 2º, DO ATO NORMATIVO Nº 40, DE 25 DE AGOSTO DE 2014 E ADOTA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o estabelecido no artigo 37 da Constituição Federal quanto aos princípios que regem a administração pública; CONSIDERANDO os indicadores de desempenho estabelecidos na Resolução TJAL nº 18/2014; CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer classes processuais, bem como a situação dos processos a serem considerados para os respectivos cálculos; CONSIDERANDO que a Resolução TJAL nº 02/2014 possibilita que a Presidência do Tribunal de Justiça de Alagoas resolva os casos omissos e edite atos que se tornem necessários à regulamentação e esclarecimentos dos dispositivos da norma; RESOLVE: Art. 1º A aplicação dos dispositivos da Resolução TJAL nº 02/2014 com as alterações da Resolução TJAL nº 18/2014 seguirão as regulamentações e orientações previstas neste Ato Normativo. 1º Os responsáveis pelo cadastro das classes processuais, assuntos e movimentos deverão dispensar especial atenção às Tabelas Processuais Unificadas do Poder Judiciário, porque para fins de levantamento de quantitativos serão observadas as orientações de aplicação de cada classe ou movimento. 2º As classes processuais e movimentos utilizados, as exclusões e situações de processos a serem considerados para o cálculo dos respectivos indicadores observarão o disposto no Anexo I, deste Ato Normativo. 3º O Anexo da Justiça Estadual, de que trata a Resolução nº 76, do Conselho Nacional de Justiça CNJ, e o Glossário de Metas Nacionais do Poder Judiciário poderão ser aproveitados, no que couber, para apuração dos dados correlatos aos critérios estabelecidos.

2 Art. 2º Os conceitos e pontuações relacionados no Anexo Único, da Resolução TJAL nº 18/2014, referem-se ao alcance das metas fixadas em cada graduação do respectivo indicador, não se tratando de nota ou conceito para o Juízo. Art. 3º As unidades jurisdicionais que não se enquadrem em quaisquer das categorias do Anexo II, da Resolução TJAL nº 02/2014, serão avaliadas de forma isolada, aplicando-se a pontuação referente aos indicadores de análise comparativa (média), discriminados no critério B, quando seu resultado for 5% melhor do que o apresentado no ano anterior. Art. 4º A Unidade Jurisdicional que apresente quantitativo de casos novos abaixo ou igual a 30% da média da categoria, nos termos do parágrafo único, do art. 6º, da Resolução TJAL nº 02/2014, terá os resultados majorados em 20%, da seguinte forma: cima. baixo. I - Indicadores que estimulem a diminuição do objeto em análise, a majoração será para II- Indicadores que estimulem o aumento do objeto em análise, a majoração será para Art. 5º Os quantitativos de servidores da secretaria para o cálculo dos indicadores do critério B, de que trata o Anexo Único, da Resolução TJAL nº 18/2014, serão todos aqueles que diretamente nela atuem, inclusive os que foram lotados no Juízo em decorrência de convênio realizado com o Poder Público, excluídos estagiários, assessor do juiz e o oficial de justiça. Parágrafo único. A informação do número de servidores da unidade deverá ser encaminhada em formulário próprio disponibilizado, pela Assessoria de Planejamento e Modernização do Poder Judiciário - APMP, e respondido pelo chefe de secretaria ou quem o esteja substituindo, nos primeiros 15 dias do último mês do período de aferição, sendo esse servidor responsável pela veracidade dessa informação. Art. 6º A Diretoria de Contabilidade e Finanças DICONF deverá adotar as providências necessárias quanto à programação de recursos que visem atender ao disposto na Resolução TJAL nº 02/2014, quanto ao auxílio em cursos de aperfeiçoamento, para os integrantes (magistrados e servidores ocupantes de cargos de provimento efetivos, estáveis e comissionados) do Juízo Proativo Padrão Excelência reconhecido. Art. 7º A organização da solenidade de reconhecimento das Unidades Jurisdicionais que ocorrerá no mês de dezembro de cada ano, caberá à Assessoria de Cerimonial que adotará as providencias necessárias à realização do evento a partir de informações quanto à estimativa de Juízos a serem reconhecidos com base em dados apurados até o mês de setembro do período de aferição, fornecidos pela APMP. Art. 8º As especificações da medalha Mérito Judiciário de que trata o art. 2º, do Ato Normativo nº 40, de 25 de agosto de 2014, passam a ser as dispostas no Anexo II deste Ato Normativo. Art. 9º Ficam revogados os Atos Normativos nº 12, de 19 de março de 2014 e nº 19, de 06 de maio de Art. 10. Este Ato Normativo passará a viger na data de sua publicação. Desembargador JOSÉ CARLOS MALTA MARQUES Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas

3 Anexo I Indicadores critérios A Indicadores Fórmulas Observações 1- Todos os processos, excluindo-se os recursos internos (embargos de declaração), as cartas precatórias e de ordem recebidas, os inquéritos policiais, os termos circunstanciados, os precatórios judiciais e as Requisições de Pequeno Valor (RPV s). 1) TAXA DE CONGESTIONAMENTO GERAL (CONHECIMENTO E EXECUÇÃO) 2) TAXA DE PRODUTIVIDADE DE JULGADOS DE CONHECIMENTO 1- (PROCESSOS BAIXADOS NO PERÍODO /NÃO BAIXADOS DO PERÍODO ANTERIOR AO BASE + CASOS NOVOS DO PERÍODO)*100 (QUANTITATIVO TOTAL DE JULGADOS DE CONHECIMENTO NO PERÍODO/QUANTITATIVO TOTAL DE PROCESSOS DISTRIBUÍDOS NO PERÍODO)* Para o levantamento dos processos não-baixados serão considerados os processos sobrestados ou suspensos e os arquivados administrativamente em razão de fazerem parte do estoque da vara, aplicando-se a mesma metodologia utilizada na apuração deste indicador no Sistema Justiça em Números. 3- Os movimentos a serem considerados são os relacionados no Anexo da Justiça Estadual, da Resolução 76 do CNJ, observando-se que no quantitativo de processos novos da unidade, serão considerados os processos entrados (aqueles entrados por distribuição e redistribuição menos os saídos por redistribuição). 4 - Para a informação de processos baixados, serão utilizados os baixados e arquivados definitivamente e os enviados para recurso, conforme disciplinado na referida norma do CNJ. 5 - Não serão considerados no cálculo, o quantitativo de processos que se encontram no 2º grau de jurisdição ou turma recursal. 1 - Para efeito de cálculo será considerado para o denominador o quantitativo de entrados por distribuição apenas. 2 - O Glossário da Meta Nacional do Judiciário será utilizado para conhecimento das classes de 1º grau e movimentos. 3 - Sentenças em embargos de declaração estão excluídas. 3) TAXA DE PROCESSOS BAIXADOS (QUANTITATIVO TOTAL DE PROCESSOS BAIXADOS NO PERÍODO DE AFERIÇÃO / QUANTITATIVO TOTAL DE PROCESSOS DISTRIBUÍDOS NO PERÍODO DE AFERIÇÃO)* Devem ser considerados todos os processos, excluindo-se: os recursos internos (embargos de declaração), as cartas precatórias e de ordem recebidas, os inquéritos policiais, os termos circunstanciados, os precatórios judiciais e as Requisições de Pequeno Valor (RPV s). 2 - Para o quantitativo de processos baixados no período será considerado o número de processos baixados ou arquivados definitivamente. 3 - Para o quantitativo de distribuídos serão considerados apenas o número de processos entrados por distribuição.

4 4) TAXA DE AGILIDADE NO JULGAMENTO Total de processos foram distribuídos e julgados dentro de 12 meses para JECC e 24 meses para as demais unidades judiciárias)/total de julgados. 1 - Classes de 1º grau e movimentos conforme Glossário da Meta 1 Nacional do Poder Judiciário. 2 - Sentenças em embargos de declaração estão excluídas. 5) TAXA DE PROCESSOS ANTIGOS QUANTITATIVO DE PROCESSOS PENDENTES DE JULGAMENTO ANTIGOS (a soma total dos pendentes de julgamento distribuídos até 5 anos anteriores ao início do período de aferição (VARAS) ou até 3 anos anteriores ao início do período de aferição (JECC) / TOTAL GERAL DE PENDENTES DE JULGAMENTO (Total geral de distribuídos e não julgados até o final do período de aferição) * Processos pendentes a serem considerados distribuídos até 5anos anteriores ao início do período de aferição (Varas) ou até 3 anos anteriores ao período da aferição(juizados). 2 - Como referência das classes de 1º grau e movimentos a serem utilizados será considerado o Glossário da Meta 1 Nacional do Poder Judiciário. 3 - Não serão considerados os processos suspensos ou sobrestados e arquivados administrativamente e demais exclusões indicadas no Glossário da Meta 1 Nacional do Judiciário. 6) TAXA DE PROCESSOS EM ANDAMENTO SEM MOVIMENTAÇÃO HÁ MAIS DE 100 DIAS (TOTAL DE PROCESSOS EM ANDAMENTO SEM MOVIMENTAÇÃO HÁ MAIS DE 100 DIAS NO FINAL DO PERÍODO DE AVALIAÇÃO / TOTAL DE PROCESSOS EM ANDAMENTO)*100 1 Todos os processos, excluindo-se os recursos internos (embargos de declaração), as cartas precatórias e de ordem recebidas, os inquéritos policiais, os termos circunstanciados, os precatórios judiciais e as Requisições de Pequeno Valor (RPV s). 2 - Não serão considerados os processos suspensos ou sobrestados e arquivados administrativamente. 1 - Quantitativo percentual de processos pendentes de julgamento das Metas Nacionais do Poder Judiciário será apurado de acordo com o disposto no atual glossário de metas do Poder Judiciário. 3 - Não serão considerados no cálculo, o quantitativo de processos que se encontram no 2º grau de jurisdição ou turma recursal. 7) Percentual de processos pendentes de julgamento das Metas Nacionais CNJ (somar todas as metas). Aplicação dos glossários das metas. 2 - Serão considerados na apuração a soma do quantitativo de processos da Meta (80% dos processos distribuídos até 31/12/2010(varas)) ou (100% dos processos distribuídos até 31/12/2011(Juizados Especiais)) + Meta 4 de 2014 (ações de improbidade administrativa e as ações penais relacionadas a crimes contra a administração pública, distribuídas até 31 de dezembro de 2012) + Meta 6 de 2014 (Identificar e julgar, até 31/12/2014, as ações coletivas distribuídas até 31/12/2011). 1 - Processos pendentes de julgamento das metas processuais Meta , Meta 4 de 2014, Meta 6 de 2014 consoante Glossário de Metas Nacionais do Poder Judiciário, 2 - observar as respectivas classes de 1º grau e movimentos e as exclusões estabelecidas no glossário. 3 - Não serão considerados os processos suspensos ou sobrestados e arquivados administrativamente (TOTAL DE PROCESSOS PENDENTES DE JULGAMENTO DAS METAS NACIONAIS NO FINAL DO PERÍODO DE AFERIÇÃO /

5 TOTAL DE PROCESSOS PENDENTES DE JULGAMENTO DAS METAS NACIONAIS NO FINAL DO ANO DE REFERÊNCIA DA RESPECTIVA META) * 100 Indicadores critérios B INDICADORES 1 TEMPO MÉDIO DE SENTENÇAS MENOR QUE A MÉDIA ENTRE AS UNIDADES DE MESMA CATEGORIA. No caso de unidade única indicador 5% melhor do que o apresentado no ano anterior ao do período aferido. Observações 1 - Contabilizado da distribuição do processo ou da distribuição da petição que se destina à formação da ação penal até a sentença. 2 - Serão considerados todos os movimentos contidos sob o código 193 Julgamento, consoante movimentos da Tabela Processual Unificada. 3 - Sentenças em embargos de declaração estão excluídas. 2 NÚMERO DE SENTENÇAS MAIOR QUE A MÉDIA ENTRE AS UNIDADES DE MESMA CATEGORIA. No caso de unidade única indicador 5% melhor do que ano anterior ao do período aferido. 3 QUANTIDADES DE DECISÕES INTERLOCUTÓRIAS MAIOR QUE A MÉDIA DAS UNIDADES DE MESMA CATEGORIA No caso de unidade única indicador 5% melhor do que ano anterior ao do período aferido. 4 ÍNDICE DE PROCESSOS CONCLUSOS HÁ MAIS DE 100 DIAS MENOR QUE 10% DO TOTAL DE CONCLUSOS. 5 Nº DE PROCESSOS JULGADOS POR Nº DE SERVIDORES (DA SECRETARIA) MAIOR QUE A MÉDIA DAS UNIDADES DE MESMA CATEGORIA. No caso de unidade única indicador 5% melhor do que o apresentado no ano anterior ao do período aferido. 6 Nº DE PROCESSOS BAIXADOS POR Nº DE SERVIDORES (DA SECRETARIA) MAIOR QUE A MÉDIA DAS UNIDADES DE MESMA CATEGORIA. (No caso de unidade única indicador 5% melhor do que o apresentado no ano anterior ao do período aferido) 1 - Serão considerados todos os movimentos contidos sob o código 193 Julgamento, consoante movimentos da Tabela Processual Unificada. 2 - Sentenças em embargos de declaração estão excluídas. Movimentos relativos à solução de incidentes, contidos nos ramos sob os códigos 3 Decisão, consoante movimentos da Tabela Processual Unificada. 1 Serão considerados todos os processos, excluindo-se os recursos internos (embargos de declaração), as cartas precatórias e de ordem recebidas, os inquéritos policiais, os termos circunstanciados, os precatórios judiciais e as Requisições de Pequeno Valor (RPV s). 2 - Não serão considerados os processos suspensos ou sobrestados e arquivados administrativamente. 1 - Serão considerados todos os movimentos contidos sob o código 193 Julgamento, consoante movimentos da Tabela Processual Unificada. 2 - Sentenças em embargos de declaração estão excluídas. 1 Serão considerados todos os processos, excluindo-se os recursos internos (embargos de declaração), as cartas precatórias e de ordem recebidas, os inquéritos policiais, os termos circunstanciados, os precatórios judiciais e as Requisições de Pequeno Valor (RPV s). 2 - Serão considerados os quantitativos de baixados e/ou arquivados definitivamente no período de aferição. Anexo II

6 MEDALHA MÉRITO JUDICIÁRIO JUÍZO PROATIVO PADRÃO EXCELÊNCIA Medalha na cor dourada brilhante, em metal, no formato circular, com setenta milímetros de diâmetro, e três milímetros de espessura. NA FRENTE: borda circundada de 10 milímetros, em alto relevo, trazendo os dizeres na borda superior em alto relevo: JUÍZO PROATIVO (caixa alta) e na inferior em alto relevo: PADRÃO EXCELÊNCIA (caixa alta) em fonte Century 5 mm. Nas laterais, com bordas raiadas (6 raios cavados de 3mm). Ao centro: símbolo do TJAL com 25mm de diâmetro, circundado de ramos, entrelaçados na base, com diâmetro de 45mm, em alto relevo. NO VERSO: Três lâminas de borda, com 2 mm cada, em alto relevo; dizeres em baixo relevo, na parte superior: RECONHECIMENTO (caixa alta) em fonte Century 4mm. Ao centro: logo do Poder Judiciário de Alagoas, em alto relevo, em sua aplicação horizontal; na base, os dizeres em baixo relevo: MÉRITO JUDICIÁRIO fonte Century 5 mm, tudo em dourado. Suporte para fita com 2,7 cm de largura. A medalha pende de fita em gorgorão ou em cetim para o pescoço de 80 cm de comprimento aberta, nas cores vermelho, branco, azul, branco e vermelho, sendo três cores e cinco listras, representando as cores da bandeira de Alagoas. As cores vermelhas e brancas com 4 milímetros de largura cada e a azul com 8 milímetros de largura, conforme figura abaixo.

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ.

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ. - 1 - ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ. O Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no uso das atribuições conferidas pelo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5 A REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5 A REGIÃO O, no uso de suas atribuições, Considerando as várias modificações legislativas que têm sido implementadas, nos últimos anos, especialmente a que ficou conhecida como Reforma do Poder Judiciário (Emenda

Leia mais

PROVIMENTO GERAL DA CORREGEDORIA APLICADO AOS JUÍZES E OFÍCIOS JUDICIAIS

PROVIMENTO GERAL DA CORREGEDORIA APLICADO AOS JUÍZES E OFÍCIOS JUDICIAIS Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS GC Gabinete da Corregedoria PROVIMENTO GERAL DA CORREGEDORIA APLICADO AOS JUÍZES E OFÍCIOS JUDICIAIS 2014 Corregedoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE PARTE I Da Natureza, Composição, Organização E Competência Do Cade 3 TÍTULO I Do Tribunal Administrativo De Defesa Econômica 3 CAPÍTULO

Leia mais

Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre

Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE REGIMENTO INTERNO Publicado no DJ nº 696-A de 06.12.1995 Edição revista, ampliada e atualizada Rio Branco - Novembro/2014 Organizado pela Gerência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO Aprovado pela Resolução Administrativa nº 1295/2008, com alterações dos Atos Regimentais

Leia mais

Normas da Corregedoria Geral da Justiça

Normas da Corregedoria Geral da Justiça Capítulo II Dos ofícios de justiça em geral Seção I Das atribuições 1. Aos ofícios de justiça serão atribuídos, de acordo com suas respectivas varas, os serviços do Cível, da Família e das Sucessões, da

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro Atualizado em 27/04/2011 CÓDIGO DE ORGANIZAÇÃO E DIVISÃO JUDICIÁRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Índice Disposições preliminares

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro Atualizado em 15/01/2015 CÓDIGO DE ORGANIZAÇÃO E DIVISÃO JUDICIÁRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Índice Disposições preliminares

Leia mais

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA REGIMENTO DO CREA-SE TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de Sergipe Crea-SE, é autarquia federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO Nº 171/2013-CONSEPE, de 5 de novembro de 2013. Aprova o Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL SUMÁRIO Apresentação...7 CAPÍTULO I CUSTAS PROCESSUAIS...8 1 Diretrizes gerais...8 1.1 Normatização...8 1.2 Arrecadação... 1.3

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS

MANUAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS MANUAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS INTRODUÇÃO Em decorrência da exigência legal contida no artigo 16 da Lei nº. 14.102, de 1º de julho de 2010, coube à Secretaria de Gestão de Pessoas elaborar

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Os MINISTROS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, DA FAZENDA e CHEFE DA CONTROLADORIA- GERAL DA UNIÃO, no uso da atribuição que lhes

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina APRESENTAÇÃO Senhores Juízes, Senhor Procurador Regional Eleitoral, tendo em vista que na sessão plenária do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, realizada em 7.12.2011, fui eleito para o honroso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SERGIPE

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SERGIPE REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SERGIPE TÍTULO I - DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º. Este Regimento estabelece a composição, a competência e o funcionamento do Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

RESOLUÇÃO 014/02 CAS. Considerando os dispositivos regimentais e os encaminhamentos feitos pela Direção Pedagógica;

RESOLUÇÃO 014/02 CAS. Considerando os dispositivos regimentais e os encaminhamentos feitos pela Direção Pedagógica; RESOLUÇÃO 014/02 CAS APROVA NORMAS DE CONTROLE E REGISTRO DA ATIVIDADE ACADÊMICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Considerando os dispositivos regimentais e os encaminhamentos feitos pela Direção Pedagógica; O

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro- Agrônomo, e dá outras providências. O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE Tribunal de Justiça Gerência de Contratação TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE PROCESSO Nº 0000403-14.2013.8.01.0000 REGIDO PELA LEI Nº 10.520/2002, DECRETOS 5.450/2005, 3.555/2000 E, SUBSIDIARIAMENTE,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO O atual Regimento Interno do CNE foi instituído por força da Portaria MEC nº 1.306 de 02/09/1999, resultante da homologação do Parecer CNE/CP nº 99, de julho de 1999. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO

ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO ESTUDO DE CASO A EXPERIÊNCIA DO BRASIL NA ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES NO SERVIÇO PÚBLICO 1. Introdução O presente estudo objetiva identificar a estrutura legal e os mecanismos institucionais

Leia mais

Regimento Acadêmico da Graduação - RAG

Regimento Acadêmico da Graduação - RAG Regimento Acadêmico da Graduação - RAG Resoluções atuais: Nº 36/1999 Altera o Regimento Acadêmico da Graduação (revogar) Nº 18/2002 Altera o Regimento Acadêmico da Graduação (revogar foi incorporada) Nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regimento Geral contém as disposições básicas sobre as atividades dos órgãos

Leia mais

Código de Conduta Ética do Servidor Público e da Alta Administração Estadual

Código de Conduta Ética do Servidor Público e da Alta Administração Estadual GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Código de Conduta Ética do Servidor Público e da Alta Administração Estadual ABRIL-2005 CONSELHO DE ÉTICA PÚBLICA ESTADO DE MINAS GERAIS G O V E R N O D O E S T A D O

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA OS CÁLCULOS NA JUSTIÇA FEDERAL 1 CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL Ministro FELIX FISCHER Presidente Ministro GILSON Langaro DIPP Vice-Presidente Ministro ARNALDO ESTEVES

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB TÍTULO I DA ADVOCACIA CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE ADVOCACIA

REGULAMENTO GERAL DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB TÍTULO I DA ADVOCACIA CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE ADVOCACIA DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB Dispõe sobre o Regulamento Geral previsto na Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994. O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições conferidas

Leia mais

DÍVIDA ATIVA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios

DÍVIDA ATIVA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios DÍVIDA ATIVA MANUAL DE PROCEDIMENTOS Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Impresso no Brasil MINISTRO

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES

MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES MANUAL DE CONDUTAS VEDADAS AOS SERVIDORES PÚBLICOS EM ELEIÇÕES 2 3 I Apresentação II Conceitos Fundamentais II.1. Direitos Políticos Perda e Suspensão dos Direitos Políticos II.2. Elegibilidade e Inelegibilidade

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS MEMBROS DOS CONSELHOS TUTELARES

GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS MEMBROS DOS CONSELHOS TUTELARES GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS MEMBROS DOS CONSELHOS TUTELARES Brasília - 2015 Secretaria de Direitos Humanos GUIA DE ORIENTAÇÕES PROCESSO DE ESCOLHA EM DATA UNIFICADA DOS

Leia mais

Subsídios ao Ministério Público para acompanhamento do

Subsídios ao Ministério Público para acompanhamento do 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 50 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Subsídios ao Ministério Público para acompanhamento do Fundo de Manutenção

Leia mais