EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL."

Transcrição

1 EXERCÍCIOS ATO INFRACIONAL. 1.José foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. Durante o cumprimento da medida sócio-educativa, já tendo completado dezoito anos, praticou homicídio contra interno. Nesse caso: a) José será submetido a uma nova ação para apuração da prática de ato infracional. b) José será submetido ao Tribunal do Júri, independentemente de estar em cumprimento de medida sócio-educativa. c) José será submetido a outra ação para apuração da prática de ato infracional, com aplicação de pena privativa de liberdade consistente em reclusão. d) José aguardará o fim da medida sócio-educativa, quando então se iniciará a ação penal. 2.Luciano foi apreendido em razão da prática de ato infracional, sendo conduzido à presença da autoridade policial. Esta, após todas as formalidades legais, deixou de liberá-lo aos pais ou responsável, conduzindo o adolescente diretamente ao representante do Ministério Público. Considerando tal hipótese, assinale a alternativa correta. a) A conduta da autoridade policial foi correta, independentemente da gravidade do ato infracional. b) A conduta da autoridade policial foi correta, se, considerada a gravidade do ato infracional, deva o adolescente permanecer internado para decisão mais célere do Judiciário. c) A conduta da autoridade policial foi correta se, considerada a gravidade do ato infracional e sua repercussão social, o adolescente deve permanecer internado para garantia de sua segurança pessoal ou manutenção da ordem pública. d) A conduta da autoridade policial foi incorreta, porque o adolescente deve sempre ser liberado aos seus pais ou responsável, independentemente de outros fatores. 3.Assinale a alternativa incorreta. a) A jornada máxima a ser cumprida na medida sócio-educativa de prestação de serviços à comunidade é de seis horas semanais. b) Constitui uma das garantias do adolescente a defesa técnica por advogado. c) A medida sócio-educativa de semiliberdade observará também o princípio da brevidade. d) O fato de o adolescente completar dezoito anos não impõe a extinção da medida sócio-educativa de internação. 4.Analise as assertivas abaixo e assinale a alternativa correta. I. O Oferecimento de representação depende de prova pré-constituída da materialidade do ato infracional. II. Tratando-se de furto, poderá a autoridade policial, em caso de flagrante, deixar de lavrar o auto de apreensão, substituindo-o por boletim de ocorrência circunstanciada. III. Admite-se que a representação seja oferecida unicamente de forma escrita. a) Estão corretas as assertivas II e III. b) Estão corretas as assertivas I e III. c) Está correta somente a assertiva II. d) Está correta somente a assertiva I. 5.A internação-sanção será decretada: a) No início da ação sócio-educativa, quando for demonstrada a necessidade imperiosa da medida. b) Em razão da prática de ato infracional grave, como o roubo, por exemplo. c) Em razão do descumprimento reiterado e injustificado de medida anteriormente imposta. d) Por reiteração na prática de atos infracionais graves. - 1

2 6.Ao final da ação sócio-educativa, o Promotor de Justiça, em debates, propôs a aplicação de medida sócio-educativa de semiliberdade, cumulada com medida protetiva de colocação em família substituta. Tal requerimento, com relação à medida protetiva, é: a) Pertinente, uma vez que o princípio da proteção integral permite essa providência. b) Incorreto, uma vez que tal medida protetiva não pode ser aplicada em sede de ação sócioeducativa. c) Incorreto, uma vez que não é permitida a cumulação de medida sócio-educativa e qualquer medida protetiva. d) Correta, uma vez que às medidas sócio-educativas podem ser cumuladas quaisquer medidas protetivas. 7.José, nascido aos , pratica ato infracional às 23h30 do dia , consumando-o às 02 horas do dia seguinte. Considerando tal hipótese, analise a alternativa correta. a) José figurará como réu em ação sócio-educativa, na qual somente lhe poderá ser aplicada uma medida protetiva. b) José não poderá figurar como réu em ação sócio-educativa, devendo ser encaminhado ao Conselho Municipal de Direitos para providências. c) José figurará como réu em ação sócio-educativa, podendo lhe ser aplicada uma medida sócioeducativa. d) José não figurará como réu em ação sócio-educativa, devendo ser encaminhado ao Conselho Tutelar para aplicação de medida protetiva. 8.Analise as assertivas abaixo e assinale a alternativa correta. I. Pedro, com dezesseis anos, foi apreendido em razão da prática de ato infracional grave, oportunidade em que apresentou sua carteira de identidade. Não obstante inexistir qualquer dúvida a respeito de sua identidade, foi submetido a identificação compulsória pela autoridade policial. II. Qualquer adolescente, ao completar três anos de internação, deverá ser inserido em semiliberdade ou liberdade assistida, mesmo que tenha completado a idade de vinte e um anos. III. O representante do Ministério Público propôs a concessão de remissão como forma de exclusão do processo. Não concordando com tal providência, o Juiz designou audiência de apresentação para oitiva do adolescente. a) Todas as providências estão incorretas. b) As providências contidas nas assertivas I e II estão corretas. c) A providência contida na assertiva II está correta. d) As providências contidas nas assertivas I e III estão corretas. 9.Analise os enunciados abaixo e assinale a alternativa correta. I. Em razão da prática de ato infracional, Mário foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. Na sentença proferida, o magistrado fixou que a medida seja reavaliada anualmente. II. É permitido que o adolescente, internado há três anos, assim permaneça em razão de ser portador de doença mental. III. A autoridade judiciária poderá conceder remissão como forma de extinção ou suspensão do processo. a) Estão incorretas as providências contidas nas assertivas I e III. b) Estão incorretas as providências contidas nas assertivas II e III. c) Estão incorretas as providências contidas nas assertivas I e II. d) Estão incorretas as providências contidas nas assertivas I, II e III. 10.José, após ação sócio-educativa, foi inserido em medida sócio-educativa de internação, com prazo indeterminado. O prazo para interposição de recurso de apelação se iniciará: a) Após a intimação do defensor, somente. b) Após a intimação do defensor e do adolescente. - 2

3 c) Após a intimação do adolescente. d) Após a intimação do adolescente, pais e defensor. 11.Mário, após ação sócio-educativa, foi inserido em medida sócio-educativa de prestação de serviços à comunidade. O prazo para interposição de recurso de apelação se iniciará: a) Após a intimação do defensor. b) Após a intimação do defensor e do adolescente. c) Após a intimação do adolescente. d) Após a intimação do adolescente, pais e defensor. 12.O mandado de busca e apreensão será expedido: a) Quando o adolescente, devidamente notificado, não comparecer à audiência de apresentação. b) Quando o adolescente não for localizado para notificação e comparecimento à audiência de apresentação. c) Quando o adolescente não se apresentar perante o Ministério Público para ser por este ouvido. d) Quando a criança não comparecer a qualquer ato processual. 13.Analise as hipóteses abaixo e assinale a alternativa correta. I. A medida de liberdade assistida pode ser classificada como medida por tarefa. II. Segundo o princípio da incompletude institucional, a entidade de semiliberdade utilizará preferencialmente os recursos da comunidade para a gestão da medida. III. A entidade de abrigamento se destina à execução de programa sócio-educativo. a) Estão incorretas as hipóteses II e III. b) Estão incorretas as hipóteses I e II. c) Estão todas incorretas. d) Estão incorretas as hipóteses I e III. 14.A audiência em continuação, no procedimento para apuração de ato infracional: a) Será obrigatória, independentemente da confissão do adolescente, quando a autoridade vislumbrar a possível aplicação de medida sócio-educativa de internação ou semiliberdade. b) Não será obrigatória quando o adolescente confessar a prática de ato infracional grave. c) Não será obrigatória quando a autoridade vislumbrar a possibilidade de aplicação de semiliberdade. d) Será obrigatória, independentemente da confissão do adolescente, para qualquer medida sócioeducativa. 15.O relatório da equipe interprofissional: a) Deverá, necessariamente, estar juntado aos autos quando da audiência de apresentação. b) Deverá, necessariamente, estar juntado aos autos quando da audiência em continuação. c) Deverá ser apresentado ao Ministério Público quando da oitiva informal. d) É um documento sempre dispensável. 16.Analise as hipóteses abaixo e assinale a alternativa correta. I. Na audiência de apresentação, a autoridade judiciária poderá solicitar a opinião de profissional adequado. II. A internação provisória deverá ser cumprida em entidade de atendimento, sendo que as atividades pedagógicas somente terão início após a aplicação da medida de internação por meio da respectiva sentença. III. A medida sócio-educativa de internação não comporta prazo determinado. a) Estão corretas as hipóteses I e II. b) Estão corretas as hipóteses II e III. c) Estão corretas as hipóteses I e III. d) Todas as hipóteses estão corretas. - 3

4 17.Responda, considerando os prazos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente. I. O prazo mínimo da liberdade assistida é de seis meses. II. O prazo mínimo da internação provisória é de quarenta e cinco dias. III. O prazo máximo da internação-sanção é de três meses. a) Somente a assertiva I está correta. b) Somente a assertiva II está incorreta. c) Somente as assertivas I e II estão corretas. d) As assertivas I, II e III estão corretas. 18.Tício, em cumprimento de medida sócio-educativa de internação, praticou novo ato infracional dentro da entidade de atendimento. Após o trâmite da ação sócio-educativa, foi-lhe aplicada nova internação, com prazo indeterminado. Nesse caso: a) Completado o prazo máximo de três anos da primeira internação, o adolescente deverá ser liberado. b) O prazo máximo da internação será estendido para cinco anos. c) O prazo máximo de três anos foi reiniciado. d) O adolescente será encaminhado para o sistema prisional para cumprimento da pena. 19.Analise as assertivas abaixo e assinale a alternativa correta. I. A fiscalização das medidas sócio-educativas caberá sempre ao Executivo Estadual. II. O Habeas Corpus poderá ser utilizado como instrumento apto a corrigir situações de ilegalidade quando importem na restrição da liberdade do adolescente. III. O Juiz da Vara da Infância será competente par conhecer de Habeas Corpus impetrado por adolescente em razão de ato de autoridade policial que importar em indevida restrição da liberdade. a) Apenas as assertivas I e II estão corretas. b) Apenas as assertivas II e III estão corretas. c) Todas as assertivas estão corretas. d) Todas as assertivas estão incorretas. 20.Assinale a alternativa correta. a) Nos casos de ato infracional, a competência territorial será a da autoridade judiciária do lugar em que consumado o ato. b) A medida de internação comporta prazo determinado em todas as suas hipóteses. c) Receber visitas, ao menos diariamente, é um direito do adolescente em internação. d) A remissão, cumulada ou não com medida sócio-educativa, não prevalece para efeito de antecedentes. GABARITO. 1.B. 11.A. 2.C. 12.B. 3.A 13.D. 4.C. 14.A. 5.C. 15.B. 6.B. 16.C. 7.D. 17.B. 8.A. 18.C. 9.C. 19.B. 10.B. 20.D. TABELA DE PRAZOS ATO INFRACIONAL - 4

5 I PRAZO MÁXIMO: a) internação: 03 anos, com reavaliação fundamentada, no máximo, a cada seis meses. b) internação-sanção: 03 meses. c) internação provisória: 45 dias, dos quais no máximo cinco poderá permanecer em repartição policial. d) semiliberdade: 03 anos, com reavaliação fundamentada, no máximo, a cada seis meses. d) prestação de serviços à comunidade: seis meses, à proporção de oito horas semanais. e) apresentação ao Ministério Público de adolescente apreendido, quando não for possível apresentá-lo de imediato: 24 horas. f) debates orais em audiência 20 minutos para cada parte, prorrogável por mais dez. g) Recursos: 10 dias, à exceção dos embargos de declaração, que será de cinco dias. II PRAZO MÍNIMO: a) liberdade assistida: 06 meses. - 5

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão Ação Institucional Atividades associadas a criança/adolescente Fluxo Fatos concretos Referência legal Decisão Ações junto as famílias e comunidade Observações Indicação externa Alerta para guia (Curto-circuito)

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÕES DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Estatuto da Criança e do Adolescente Prof.: Luciano Alves Data: 03.12.

CURSO DE RESOLUÇÕES DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Estatuto da Criança e do Adolescente Prof.: Luciano Alves Data: 03.12. CURSO DE RESOLUÇÕES DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Estatuto da Criança e do Adolescente Prof.: Luciano Alves Data: 03.12.2010 Aula nº 2 MATERIAL DE APOIO MONITORIA 01) (Defensor Público DPE/SP 2010).

Leia mais

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS FASES PROCESSUAIS FASE POLICIAL OU INVESTIGATÓRIA Apreensão do adolescente pela prática de ato infracional Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) AUTO DE APREENSÃO Flagrante

Leia mais

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21

Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Sumário Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 15 Guia de leitura da Coleção... 17 Apresentação da 2ª edição... 19 Apresentação... 21 Capítulo I LIÇÕES PRELIMINARES... 23 1. Introdução... 23 2. Proteção

Leia mais

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS PROTETIVAS E MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS Ato Infracional: é tudo o que para um adulto seria crime ou contravenção penal. Se praticado por criança, serão aplicadas as medidas protetivas. Se for cometido

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Corregedoria Geral de Justiça

Corregedoria Geral de Justiça Corregedoria Geral de Justiça Manual de Orientações de Procedimentos para a Infância e Juventude Área Infracional TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO DO SUL Manual de Orientações de Procedimentos para

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02

ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLECENTE PROF. GUILHERME MADEIRA DATA 30.07.2009 AULA 01 e 02 TEMAS TRATADOS EM SALA ECA ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARTE CIVIL 1) Objeto art. 2º do ECA: a) Criança = 12 anos incompletos. b) Adolescente = 12 e 18 anos. Atenção: Pode o ECA ser aplicado à

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação O SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL A ADOLESCENTES

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05

AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 AULA 05 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 05 DO DIREITO À EDUCAÇÃO, À CULTURA, AO ESPORTE E AO LAZER

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Alfredo Kaefer) Autoriza o Poder Público a realizar a internação compulsória, para tratamento médico especializado, de crianças, adolescentes e adultos apreendidos em

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006

DIREITOS DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DO IDOSO. doutrina e legislação. Del Rey. Belo Horizonte, 2006 CARLOS CABRAL CABRERA Membro do Ministério Público do Estado de São Paulo. Professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da Universidade Paulista UNIP. ROBERTO MENDES DE FREITAS JUNIOR Membro

Leia mais

As atribuições do Conselho Tutelar

As atribuições do Conselho Tutelar As atribuições do Conselho Tutelar Marcia Ferreira Amendola* O Conselho Tutelar (CT) é um órgão permanente e autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2014 Dispõe sobre o Registro de Entidades não Governamentais e Inscrição de Programas, Projetos e Serviços de Atendimento, governamentais e não governamentais, que tenham por

Leia mais

COMO EQUACIONAR A FALTA DE VAGAS NA FUNDAÇÃO CASA?

COMO EQUACIONAR A FALTA DE VAGAS NA FUNDAÇÃO CASA? COMO EQUACIONAR A FALTA DE VAGAS NA FUNDAÇÃO CASA? Tem sido constante a consulta ao Centro de Apoio da Infância e Juventude a respeito da falta de vagas para internação - provisória 1 ou definitiva 2 -,

Leia mais

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema)

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema) Disciplina Processo Penal Aula 10 Professora Beatriz Abraão MODELO DE PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO E RAZÕES DE APELAÇÃO EM CASO DE CONDENAÇÃO POR CRIME COMUM Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da...

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Policial Federal e Polícia Civil 2011 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EXERCÍCIOS LISTA 2 DE EXERCÍCIO ECA 1. (UnB/CESPE 2009 DPE/AL Cargo: Defensor Público de 1.ª Classe) O MP ofereceu representação

Leia mais

PM/Bombeiro PR. sua vida privada; (Incluído pela Lei nº 12.010, de

PM/Bombeiro PR. sua vida privada; (Incluído pela Lei nº 12.010, de Título II Das Medidas de Proteção Capítulo I Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I - por

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 DJe de 17/06/2010 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE VARA CÍVEL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE PORTARIA N 001/2010 Dispõe quanto ao procedimento de habilitação de pretendentes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Gabinete do Desembargador Joás de Brito Pereira Filho

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Gabinete do Desembargador Joás de Brito Pereira Filho j,511. PODER JUDICIÁRIO HABEAS CORPUS N. 999.2011.000003-4/001 CAPITAL Relator : Desembargador Joás de Brito Pereira Filho Impetrante : Gustavo Botto Barros Felix (OAB/PB 11.593) Pacientes : C. M. dos

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 O Corregedor Nacional de Justiça, Ministro Gilson Dipp, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que durante as inspeções

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES OBJETIVAS

CADERNO DE QUESTÕES OBJETIVAS CADERNO DE QUESTÕES OBJETIVAS 1. Criança e adolescente são definidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente não mais pela situação em que se encontram, mas por serem titulares de direitos. Este entendimento

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC

PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC PROCESSO DE ESCOLHA DOS NOVOS MEMBROS DO CONSELHO TUTELAR PALMEIRA/SC 26/07/2015 Nome do Candidato: CADERNO DE PROVA INSTRUÇÕES GERAIS: Caro (a) Candidato (a): Leia com o máximo de atenção e siga as seguintes

Leia mais

ÉTICA PROFISSIONAL. venha a ser condenado. Nessa situação, deve-se aplicar pena de:

ÉTICA PROFISSIONAL. venha a ser condenado. Nessa situação, deve-se aplicar pena de: ÉTICA PROFISSIONAL 1. Pedro advogado foi constituído para defesa judicial dos interesses de Manoel. Ocorre que não fora estabelecido contrato escrito, consoante determina o art. 35 do CED, terminado o

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

NR 28 - Fiscalização e Penalidades

NR 28 - Fiscalização e Penalidades NR 8 Fiscalização e Penalidades 8. FISCALIZAÇÃO. 8.. A fiscalização do cumprimento das disposições legais e/ou regulamentares sobre segurança e saúde do trabalhador será efetuada obedecendo ao disposto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE SERGIPE ARQUIVO GERAL DO JUDICIÁRIO TABELA DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS UNIFICADA - JUSTIÇA ESTADUAL - 1º GRAU - MENOR INFÂNCIA E JUVENTUDE CLASSES CNJ Correspondente Código

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

Tema - adolescente em Conflito com a Lei. Enunciados deliberações da plenária

Tema - adolescente em Conflito com a Lei. Enunciados deliberações da plenária Tema - adolescente em Conflito com a Lei Enunciados deliberações da plenária 1 - Não é cabível aplicação de medida socioeducativa para portador de doença mental. Necessidade de atuação concreta do Ministério

Leia mais

1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER

1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER Tabela de honorários de advogados dativos - 2013 (Resolução-Conjunta TJMG/AGE/ OAB 001/2013) ANEXO I - PARTE ESPECIAL 1 - AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA OU QUE ASSUMAM ESTE CARÁTER Salvo outra disposição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ)

VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ) TAXA JUDICIÁRIA: Classes processuais - Justiça Estadual (1º GRAU) Cód. VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ) JUIZADOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE 547 Seção Cível 1385 Cartas 1450 Carta de

Leia mais

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta.

1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. 1. Em relação aos crimes contra a violência doméstica, analise as afirmações e em seguida assinale a alternativa correta. I. Por expressa determinação legal não se aplicam aos crimes praticados com violência

Leia mais

Da Atividade da Advocacia

Da Atividade da Advocacia Art. 1º São atividades privativas de advocacia: I - a postulação a qualquer órgão do Poder Judiciário e aos juizados especiais; (Vide ADIN 1.127-8) Exceções: 1)Justiça do Trabalho (art. 791 da CLT) Art.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais

ENUNCIADOS. Suspensão Condicional do Processo. Lei Maria da Penha e Contravenções Penais ENUNCIADOS Suspensão Condicional do Processo Enunciado nº 01 (001/2011): Nos casos de crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher não se aplica a suspensão condicional do processo. (Aprovado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados Necessidade de readequar o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) ao cotidiano Por Cristiane Aparecida de Oliveira Associada Criminalista de Almeida Guilherme Advogados Associados Considerações Iniciais

Leia mais

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão?

O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? PERGUNTAS FREQUENTES O que deve fazer uma mulher vítima de agressão? A mulher em situação de violência doméstica poderá comparecer a uma delegacia de Defesa da Mulher mais próxima à sua casa para registrar

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE, FAMÍLIA e SUCESSÕES.

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE, FAMÍLIA e SUCESSÕES. 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE, FAMÍLIA e SUCESSÕES. Autores: José Dantas de Paiva Breno Valério Fausto de Medeiros Elane Palmeira de Souza Colaborador: João Francisco de Souza Severino

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000029051 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0010102-10.2007.8.26.0302, da Comarca de Jaú, em que é apelante ROMILDO SEGUNDO

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 DIREITO ADMINISTRATIVO...17 Fernando Ferreira Baltar Neto e Ronny Charles Lopes de Torres 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo...17

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Bolsa Auxílio e da Família Acolhedora

CAPÍTULO I. Da Bolsa Auxílio e da Família Acolhedora Lei Nº:6.286/2013 DISPÕE SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE BOLSA AUXÍLIO PARA O ACOLHIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO PESSOAL E SOCIAL, INSERIDAS NO SERVIÇO DE ACOLHIMENTO EM FAMÍLIA ACOLHEDORA

Leia mais

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CADERNO COMPLETO

DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CADERNO COMPLETO DIREITO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CADERNO COMPLETO Atualizado em 27/10/2015 Direito da Criança e do Adolescente Professor Luciano Alves Rossato CERS 2015 AULA 1: 1. Direito da Criança e do Adolescente:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Cuida-se de agravo em execução penal interposto contra sentença que declarou extinta a punibilidade de Cosme Alexandre da Silva, por entender

Leia mais

TJ/RJ. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ANALISTA JUDICIÁRIO

TJ/RJ. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ANALISTA JUDICIÁRIO Edição 1ª 7 8 9 8 4 8 1 9 2 4 2 9 7 Inclui questões gabaritadas! TJ/RJ Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ANALISTA JUDICIÁRIO Data de fechamento desta edição: 08/08/2011 O conteúdo desta apostila é

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EDITAL CMDCA N 01/2015 PROVA OBJETIVA: 09 DE AGOSTO DE 2015 CARGO: CONSELHEIRO TUTELAR

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EDITAL CMDCA N 01/2015 PROVA OBJETIVA: 09 DE AGOSTO DE 2015 CARGO: CONSELHEIRO TUTELAR CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE EDITAL CMDCA N 01/2015 PROVA OBJETIVA: 09 DE AGOSTO DE 2015 CARGO: CONSELHEIRO TUTELAR Nome do Candidato (A) Assinatura INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

Cartilha da CRianca e do adolescente

Cartilha da CRianca e do adolescente Cartilha da CRianca e do adolescente Mais um dia vivido pela familia Brasilino Oi, pessoal, cheguei! Oi, filho, tudo bem? Hum... que cheiro bom! Tô morrendo de fome! Vou lá dentro lavar as mãos, guardar

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

PARA ENTENDER O EM PERGUNTAS E RESPOSTAS. 1ª Edição l Fortaleza - Ceará l 2015

PARA ENTENDER O EM PERGUNTAS E RESPOSTAS. 1ª Edição l Fortaleza - Ceará l 2015 PARA ENTENDER O 1ª Edição l Fortaleza - Ceará l 2015 REALIZAÇÃO: Centro de Defesa da Criança e do Adolescente CEDECA Ceará Rua: Deputado João Lopes, 83, Centro. Fortaleza- Ceará, CEP: 60.060-130 e-mail:

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS ACORDO JUDICIAL Firmado entre o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, através da Promotoria de Justiça de Defesa da Educação, e o Distrito Federal, por sua Secretaria de Estado de Educação,

Leia mais

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME 2ª Fase OAB/FGV Direito Processual Penal Monitoria Penal Karina Velasco EXERCÍCIO 1 O juiz, ao proferir sentença condenando João por furto qualificado, admitiu, expressamente, na fundamentação, que se

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 67/2007 Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO.

APROVEITO PARA INFORMAR QUE EM BREVE LANÇAREI PELA EDITORA FERREIRA - O LIVRO ESTATUTO DO IDOSO COMENTADO. PREZADO(A)S CANDIDATO(A)S, PRIMEIRAMENTE GOSTARIA DE PARABENIZAR A TODOS OS GUERREIROS E GUERREIRAS QUE PARTICIPARAM DO TÃO ESPERADO E CONCORRIDO CONCURSO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

APURAÇAO DE A TO INFRACIONAL JURISPUDENCIA

APURAÇAO DE A TO INFRACIONAL JURISPUDENCIA APURAÇAO DE A TO INFRACIONAL JURISPUDENCIA Artigo 103. Considera-se ato infracional a conduta descrita como crime ou contravenção penal. Delito de direção de veículo automotor considerado pelo STF como

Leia mais

A COMISSÃO ORGANIZADORA DO V CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE

A COMISSÃO ORGANIZADORA DO V CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE A COMISSÃO ORGANIZADORA DO V CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS DA INFÂNCIA E JUVENTUDE comunica que foram aprovadas as seguintes Teses e Práticas Exitosas após deliberação entre os Defensores Públicos

Leia mais

BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO

BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO BANCO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO Prática ADOLESCENTES INFRATORES: APOIO PARA REINSERÇÃO À COMUNIDADE. Área de Atuação: Políticas Sociais e Cidadãos Responsáveis: José Alexandre dos Santos e Franciely Priscila

Leia mais

Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec"

RtgukfípekcfcTgrûdnkec Página 1 de 8 Rtgukfípekc"fc"Tgrûdnkec" Ecuc"Ekxkn" Uudejghkc"rctc"Cuuupvqu"Lutîfkequ NGK"P "340625."FG"6"FG"OCKQ"FG"42330 Vigência Altera dispositivos do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941

Leia mais

Lei Federal n. 12.594/12. SINASE (Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo)

Lei Federal n. 12.594/12. SINASE (Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo) Lei Federal n. 12.594/12 SINASE (Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo) PRINCIPAIS ASPECTOS DA NOVA LEI PLANO MACROPOLÍTICO COMPETÊNCIAS UNIÃO(artigo 3º) a) Política Nacional e Plano Nacional

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aracaju-SE, junho de 2015 1 SUMÁRIO I - APRESENTAÇÃO... 3 II - PROCEDIMENTO NO SISTEMA INFORMATIZADO... 3 III - DO REGISTRO DA SITUAÇÃO

Leia mais

Concurso Público para Conselho Tutelar

Concurso Público para Conselho Tutelar Prefeitura Municpal de Teresópolis Conselheiro Tutelar Caderno: 1 Aplicação: Tarde Concurso Público para Conselho Tutelar LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1. A duração da prova é de 4 horas, já incluído

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em São Paulo - SP

Ministério Público Federal Procuradoria da República em São Paulo - SP Ofício Referência: Prot SIAPRO n. 08500.006741/2008-31 SR/DPF/SP Procedimento de Controle Externo n. 1.34.001.000452/2008-11(favor usar esta referência) São Paulo, 04 de junho de 2008. Ilmo. Sr. Corregedor

Leia mais

DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ANTONIO CEZAR LIMA DA FONSECA DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 3!! Edição Ampliada, revisada e atualizada de acordo com as Leis n~ 12.594/12 (SINASE), 12.696/12 (Conselho Tutelar), 12.852/13 (Estatuto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA Processo CG nº 681/2006. Procedimentos

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA Processo CG nº 681/2006. Procedimentos Projeto Paternidade Responsável. Procedimentos genitoras Primeira Etapa Convocação das 1) Seleção de escolas Verificar no material fornecido o nome do Dirigente Regional, com o qual será feito contato

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): Habeas Corpus impetrado por Anderson José Manta Cavalcanti, com pedido liminar, em favor de José Bispo dos Santos Neto, objetivando a declaração

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador

A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 A Identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1 - A identificação e o Registro Profissional do Trabalhador 1.1 Introdução 1.2 - Como adquirir 1.3 - O modelo 1.4 - A emissão 1.5 - A obrigatoriedade

Leia mais

FACULDADE FARIAS BRITO Curso de Direito Coordenação de Atividades Complementares Profa. Larissa Maia Nunes

FACULDADE FARIAS BRITO Curso de Direito Coordenação de Atividades Complementares Profa. Larissa Maia Nunes FACULDADE FARIAS BRITO Curso de Direito Coordenação de Atividades Complementares Profa. Larissa Maia Nunes RESOLVENDO QUESTÕES DA OAB Direito da Criança e do Adolescente Profa. Renata Neris 01. (OAB 2010.2)

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS DO ARAGUAIA - FACISA I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público

ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 33, de 15º DE DEZEMBRO DE 2008. Altera a Resolução n 25, de 03 de dezembro de 2007 O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício das atribuições

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE EXCELENTÍSSIMO DESEMBARGADOR COORDENADOR DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE AUDIÊNCIA CONCENTRADA AÇÃO DETERMINADA PELO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PARA A REVISÃO DA SITUAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM PROGRAMAS

Leia mais