PLANOS DE SAÚDE. Em 50. Perguntas e Respostas. João Pessoa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANOS DE SAÚDE. Em 50. Perguntas e Respostas. João Pessoa"

Transcrição

1 PLANOS DE SAÚDE Em 50 Perguntas e Respostas João Pessoa 1

2 2

3 PLANOS DE SAÚDE Em 50 Perguntas e Respostas Raissa de S. Xavier V. Batista Unimed Federação Paraíba Apoio: Núcleo de Desenvolvimento Humano da Unimed João Pessoa 3

4 4

5 CONTRATAÇÃO DE PLANOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE 1. Como se classificam os planos de saúde? Dependendo da época da contratação, o plano de saúde pode ser classificado como não regulamentado, regulamentado ou adaptado. Quanto ao tipo de contratação, os planos se dividem em: individual ou familiar, coletivo empresarial e coletivo por adesão. Em relação à segmentação assistencial, os planos podem ser: ambulatorial, hospitalar, com ou sem obstetrícia, referência e odontológicos. No que tange à abrangência geográfica, os planos são considerados como: nacional, grupo de estados, estadual, grupo de municípios e municipal. No que se refere à acomodação, o atendimento pode ser em enfermaria (acomodação coletiva) ou em apartamento (acomodação individual). 2. O que são planos de saúde não regulamentados? São os planos de saúde celebrados antes da vigência da Lei Federal nº 9.656/98 (lei de regulamentação do setor), ou seja, são os contratos firmados antes de 1º de janeiro de O que são planos regulamentados? São os contratos firmados sob a égide da Lei Federal nº 9.656/98, ou seja, a partir de 1º de janeiro de

6 4. O que são planos adaptados? São contratos que, embora firmados antes da edição da Lei Federal nº 9.656/98, foram alterados, por meio de aditivo de adaptação, para que tenham todas as garantias trazidas pela regulamentação do setor. 5. O que são planos de saúde individuais ou familiares? Planos de saúde individuais ou familiares são aqueles contratados por pessoas naturais, com ou sem grupo familiar (beneficiário titular e dependentes). A extinção do vínculo do titular do plano não extingue o contrato, sendo assegurado aos dependentes já inscritos, o direito à manutenção das mesmas condições contratuais, com a assunção das obrigações decorrentes. 6. O que são planos de saúde coletivos empresariais? São planos de saúde cujo contratante é uma pessoa jurídica. A prestação dos serviços é destinada aos beneficiários vinculados à empresa, por relação empregatícia ou estatutária. O contrato firmado entre a operadora e a pessoa jurídica contratante poderá abranger ainda: os sócios da pessoa jurídica contratante; os administradores da pessoa jurídica contratante; os demitidos ou aposentados que tenham sido vinculados anteriormente à pessoa jurídica contratante; os agentes políticos; 6

7 os trabalhadores temporários; os estagiários e menores aprendizes; e o grupo familiar até o terceiro grau de parentesco consanguíneo, até o segundo grau de parentesco por afinidade, cônjuge ou companheiro dos beneficiários titulares. 7. O que são planos de saúde coletivos por adesão? São contratos celebrados pelas seguintes pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial: conselhos profissionais e entidades de classe, nos quais seja necessário o registro para o exercício da profissão; sindicatos, centrais sindicais e respectivas federações e confederações; associações profissionais legalmente constituídas; cooperativas que agreguem membros de categoriais ou classes de profissões regulamentadas; caixas de assistência e fundações de direito privado; órgão de representação dos estudantes de 1º e 2º graus e de nível superior. Poderá ainda aderir ao plano, desde que previsto contratualmente, o grupo familiar do beneficiário titular até o terceiro grau de parentesco consanguíneo, até o segundo grau de parentesco por afinidade, cônjuge ou companheiro. A Súmula Normativa nº 17/2011 da ANS permitiu a celebração de contratos coletivos por adesão com as associações comerciais, industriais e entidades similares. 7

8 8. Como poderá ocorrer a contratação de planos de saúde coletivos? A contratação de planos de saúde coletivos poderá ocorrer diretamente com a operadora ou com a participação de administradora de benefícios, na condição de estipulante do contrato. 9. Como a segmentação assistencial pode interferir no tipo de atendimento? Ao contratar um plano de saúde, o consumidor deve ficar atento ao tipo de atendimento que procura. Plano ambulatorial: prevê cobertura somente para consultas, exames e terapias. Plano hospitalar sem obstetrícia: a cobertura é apenas para internação sem cobertura para parto. Plano hospitalar com obstetrícia: possui cobertura para internação e para o parto. Plano ambulatorial + hospitalar sem obstetrícia: a cobertura compreenderá consultas, exames, terapias e internação. Plano ambulatorial + hospitalar com obstetrícia: a cobertura compreenderá consultas, exames, terapias e internação e parto. Plano referência: cobertura para consultas, exames, terapias, internação, parto e cobertura total após 24 horas da adesão ao plano acomodação em enfermaria. A cobertura odontológica pode ser oferecida adicionalmente em um plano de cobertura médico-hospitalar, exceto na segmentação referência. 8

9 10. O que é abrangência geográfica? É a área de atuação do plano, ou seja, o local onde a operadora deverá garantir os serviços contratados: Abrangência geográfica do Contrato Plano nacional Plano grupo de estados Plano estadual Plano grupo de municípios Plano municipal Área de Atuação do Plano (Local de Atendimento) Em todo o território nacional Em alguns estados Em um único estado Em alguns municípios de um ou mais estados Em um único município 11. Qual é a cobertura dos contratos de plano de saúde? A cobertura mínima obrigatória que os planos de saúde regulamentados ou adaptados devem oferecer está prevista numa listagem editada e periodicamente atualizada pela ANS, denominada de Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde. Para os contratos firmados antes de 1º de janeiro de 1999 (anteriores às regras da Lei nº 9.656/98), a cobertura é exatamente aquela que consta do contrato e as exclusões que estão nele relacionadas. 12. Qual a rede assistencial do plano de saúde? Cada plano de saúde possui a sua rede de prestadores (hospitais, clínicas, laboratórios e profissionais de saúde). Todas as operadoras são obrigadas a divulgar e manter atualizadas as suas redes de prestadores em seus sites na internet. 9

10 A rede de prestadores poderá sofrer mudanças, mas as operadoras têm obrigação de comunicar essas mudanças no seu site. 13. De quem é a responsabilidade pelo pagamento da mensalidade do plano de saúde? A regra varia de acordo com o tipo de contratação. Tipo de Contratação Individual ou Familiar Coletivo Empresarial Coletivo por Adesão Regra A cobrança da mensalidade será feita diretamente ao beneficiário titular, contratante do plano de saúde. O pagamento dos serviços prestados será de responsabilidade da pessoa jurídica contratante. A regra não se aplica aos entes da administração pública direta ou indireta e aos demitidos e aposentados. O pagamento dos serviços prestados será de responsabilidade da pessoa jurídica contratante. 14. O que é seleção de risco? São restrições discriminatórias para impedir o ingresso de beneficiários em um plano de saúde, seja em função da sua idade ou condição de saúde. A súmula normativa nº 27 da ANS assegura o direito a todos os consumidores de adquirir um produto, sendo vedada a não concretização da proposta de contratação de plano de saúde em virtude de seleção de risco. 10

11 CARÊNCIA 15. O que é carência? Carência é o período que deverá ser cumprido pelo beneficiário, após a celebração do plano de saúde, para ter direito ao acesso às coberturas contratadas. As regras de carência variam de acordo com o tipo de contratação do plano: Tipo de Contratação Individual ou Familiar Coletivo Empresarial Regra Poderá conter cláusula com exigência de cumprimento de prazos máximos de carência. Contrato com número de participantes 30 beneficiários: NÃO poderá ser exigido o cumprimento de prazos de carência, desde que o beneficiário formalize o pedido de ingresso em até 30 dias da celebração do contrato coletivo ou de sua vinculação à pessoa jurídica contratante. Contrato com número de participantes < 30 beneficiários: Poderá conter cláusula com exigência de cumprimento de prazos máximos de carência. 11

12 NÃO poderá ser exigido o cumprimento de prazos de carência, desde que o beneficiário ingresse no plano em até 30 dias da celebração do contrato coletivo. Coletivo por Adesão A cada aniversário do contrato será permitida a adesão de novos beneficiários sem o cumprimento de prazos de carência, desde que a proposta de adesão seja formalizada até 30 dias da data de aniversário do contrato. Afora essas hipóteses, é possível estabelecer prazos de carência. 16. Quais são os prazos máximos de carência? Os prazos máximos de carência estipulados em lei são: Cobertura Urgências e Emergências Demais Coberturas Parto a termo Prazo máximo de carência 24 horas 180 dias 300 dias LESÕES OU DOENÇAS PREEXISTENTES 17. O que é declaração de saúde? A declaração de saúde é um formulário disponibilizado pela operadora, parte integrante do contrato de plano de saúde, no qual o beneficiário ou seu representante legal deve consignar as 12

13 doenças ou lesões preexistentes que saiba ser portador ou sofredor no momento da contratação. Desta forma, se o beneficiário toma medicamentos regularmente, consulta médicos por problemas de saúde do qual conhece o diagnóstico, fez qualquer exame que identificou alguma doença ou lesão, esteve internado ou submeteu-se a alguma cirurgia, deverá declarar esta doença ou lesão. 18. O que são doenças e lesões preexistentes? Lesões ou doenças preexistentes são as patologias que o consumidor ou seu responsável saiba ser portador à época da contratação do plano de saúde. O beneficiário deverá informar à operadora de plano de saúde, quando expressamente solicitado na documentação contratual por meio da Declaração de Saúde, o conhecimento de doenças ou lesões preexistentes à época da adesão ao presente contrato, sob pena de caracterização de fraude. No período ininterrupto de 24 meses, a partir da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, será possível a suspensão da cobertura de procedimentos de alta complexidade, leitos de alta tecnologia e procedimentos cirúrgicos, desde que relacionados exclusivamente às doenças ou lesões preexistentes declaradas pelo beneficiário ou seu representante legal. Esse período denomina-se de Cobertura Parcial Temporária CPT. Findo o prazo de até 24 (vinte e quatro) meses da contratação ou adesão ao plano privado de assistência à saúde, a cobertura assistencial passará a ser integral, conforme a segmentação contratada e prevista na Lei n 9.656/1998. As regras de preexistência variam de acordo com o tipo de contratação do plano: 13

14 Tipo de Contratação Individual ou Familiar Coletivo Empresarial Coletivo por Adesão Regra Poderá conter cláusula de Cobertura Parcial Temporária para doenças ou lesões preexistentes. Prazo máximo de 24 meses Contrato com número de participantes 30 beneficiários: NÃO poderá haver cláusula de CPT, nos casos de doenças ou lesões preexistentes, desde que o beneficiário formalize o pedido de ingresso em até trinta dias da celebração do contrato coletivo ou de sua vinculação à pessoa jurídica contratante. Contrato com número de participantes < 30 beneficiários: Poderá conter cláusula de Cobertura Parcial Temporária para doenças ou lesões preexistentes: Prazo máximo de 24 meses Poderá conter cláusula de Cobertura Parcial Temporária para doenças ou lesões preexistentes: Prazo máximo de 24 meses 19. O que pode acontecer se o beneficiário não declarar uma doença ou lesão preexistente? Se o beneficiário deliberadamente omitir na declaração de saúde, doença ou lesão preexistente à contratação do plano pode se caracterizar fraude contratual, referente à omissão do conhecimento prévio da doença ou lesão, sujeitando-se à suspensão ou rescisão unilateral do contrato, após a abertura pela operadora de procedimento administrativo junto à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. 14

15 COBERTURA ASSISTENCIAL DO PARTO 20. Como se dá a cobertura do parto pelo plano de saúde? Para ter direito à cobertura do parto a termo pelo plano de saúde, a parturiente tem que ser beneficiária (titular ou dependente) de plano privado de assistência à saúde com segmentação hospitalar com obstetrícia ou referência e ter cumprido o prazo de carência de 300 (trezentos) dias. A contratação de plano de segmentação com obstetrícia pelo beneficiário-pai não garante a cobertura do parto, caso a mãe não seja beneficiária do mesmo plano ou, caso seja beneficiária, e não tenha cumprido a carência para parto. 21. Como se dá a cobertura do atendimento de urgência relacionada a parto, decorrente de complicação no processo gestacional? Dependendo do período de carência já cumprido, a cobertura observará as seguintes particularidades: 1. Caso a beneficiária já tenha cumprido o prazo de carência de 180 (cento e oitenta dias), o parto e a internação dele decorrente têm cobertura integral garantida; e 2. Caso a beneficiária ainda esteja cumprindo o prazo de carência de 180 (cento e oitenta dias): a. Deverá ser garantido o atendimento de urgência, limitado até as 12 (doze) primeiras horas, excetuando-se o plano referência, cuja cobertura é integral; b. Persistindo a necessidade de internação ou havendo a necessidade de realização de procedi- 15

16 mentos exclusivos de cobertura hospitalar para a continuidade do atendimento, a cobertura cessará; c. Uma vez ultrapassadas as 12 (doze) primeiras horas de cobertura, ou havendo necessidade de internação, a remoção da beneficiária ficará a cargo da operadora; d. Em caso de impossibilidade de remoção por risco de vida, a responsabilidade financeira da continuidade da assistência será negociada entre o prestador de serviços e a beneficiária. INSCRIÇÃO DE RECÉM-NASCIDO 22. Quando o recém-nascido pode ser inscrito no plano de saúde sem necessidade de cumprimento de prazo de carência? O recém nascido, filho natural ou adotivo de beneficiário(a) de plano de saúde, com segmentação COM OBSTETRÍCIA (ou plano referência) pode ser inscrito no plano de saúde, em até 30 (trinta) dias do nascimento ou adoção, independentemente do beneficiário ser o PAI ou a MÃE. O recém-nascido sob guarda ou tutela pode ser inscrito no plano de segmentação hospitalar com obstetrícia pelo responsável legal em até 30 (trinta) dias da tutela ou guarda. 23. Para que haja a inscrição do recém-nascido no plano é necessário que o parto tenha sido coberto pelo plano de saúde? A inscrição é independente do parto ter sido coberto pelo plano de saúde ou do cumprimento de quaisquer prazos de carência. 16

17 Em planos de segmentação hospitalar com obstetrícia, a inscrição de recém-nascido em até 30 (trinta) dias do nascimento ou adoção, mesmo que o parto não tenha sido coberto pela operadora, observa as seguintes regras: a. caso o beneficiário, pai ou mãe, ou responsável legal tenha cumprido o prazo de carência máximo de 180 (cento e oitenta) dias, o recém-nascido será isento do cumprimento de carências para cobertura assistencial; ou b. caso o beneficiário, pai ou mãe, ou responsável legal não tenha cumprido o prazo de carência máximo de 180 (cento e oitenta) dias, a cobertura assistencial a ser prestada ao recém-nascido seguirá o limite da carência já cumprida pelo beneficiário. 24. O recém-nascido está sujeito ao cumprimento de cobertura parcial temporária para doenças e lesões preexistentes? Não é possível a alegação de doença ou lesão preexistente quando dependente for inscrito nos primeiros trintas dias a contar: a. Do nascimento, no caso de recém-nascido filho natural do beneficiário, pai ou mãe, do plano privado de assistência à saúde com cobertura hospitalar com obstetrícia; b. Da guarda, ou tutela ou adoção, no caso de recém- -nascido de responsável legal beneficiário de plano privado de assistência à saúde com cobertura hospitalar com obstetrícia; c. Na hipótese de menor de 12 anos, da guarda, tutela ou adoção, ou do reconhecimento de paternidade, independentemente do tipo de segmentação contratada. Na hipótese de inscrição após o prazo de 30 dias, pode ocorrer 17

18 arguição de doença ou lesão preexistente, bem como a imposição de cobertura parcial temporária. PRAZOS MÁXIMOS DE ATENDIMENTO 25. Qual o prazo para garantir o atendimento assistencial? A operadora deverá garantir o acesso dos beneficiários aos serviços e procedimentos definidos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS, no município onde o beneficiário demandar o atendimento, desde que seja integrante da área geográfica de abrangência e da área de atuação do produto, nos seguintes prazos: Procedimento Consultas básicas (pediatria, clínica médica, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia) Consultas nas demais especialidades médicas Consulta / sessão com fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo, terapeuta ocupacional e fisioterapeuta Consulta e procedimentos realizados em consultório / clínica com cirurgião dentista Serviços de diagnóstico por laboratórios e análises clínicas em regime ambulatorial Demais serviços de diagnóstico e terapia em regime ambulatorial Procedimentos de alta complexidade (PAC) Atendimento em regime de hospital-dia Atendimento em regime de internação eletiva Prazodias úteis 7 dias 14 dias 10 dias 7 dias 3 dias 10 dias 21 dias 10 dias 21 dias 18

19 26. Existe alguma norma estabelecendo o prazo de consulta de retorno? O prazo de consulta de retorno fica a critério do profissional responsável pelo atendimento. REMOÇÃO 27. Estando o beneficiário DENTRO da área de atuação do plano contratado, quando as operadoras de planos privados de assistência à saúde devem garantir a remoção de seus pacientes? A remoção é obrigatória para os planos de saúde com segmentação hospitalar, para os beneficiários que já tenham cumprido o período de carência, nas seguintes situações: a) De hospital ou serviço de pronto atendimento vinculado ao SUS para hospital da rede credenciada da operadora; b) De hospital ou serviço de pronto atendimento não credenciado para hospital da rede credenciada da operadora; c) De hospital ou serviço de pronto atendimento credenciado para outro hospital da rede credenciada da operadora, apenas quando caracterizada pelo médico assistente, a falta de recursos para continuidade da atenção ao beneficiário na unidade de saúde de origem. 28. Estando o beneficiário FORA da área de atuação do plano contratado, quando as operadoras de planos privados de assistência à saúde devem garantir a remoção de seus pacientes? Apenas na hipótese de hospital ou serviço de pronto atendimento público ou privado NÃO credenciado para hospital da REDE CREDENCIADA apto a realizar o devido atendimento, nos casos em 19

20 que o evento que originou a necessidade do serviço tenha ocorrido DENTRO DA ÁREA DE ATUAÇÃO do plano e na indisponibilidade ou inexistência de prestador. 29. Em que situações não é obrigatória a remoção de beneficiários? De local público ou privado que NÃO seja unidade hospitalar ou pronto atendimento, ressalvadas as hipóteses de indisponibilidade ou inexistência de prestadores. De hospital ou pronto atendimento credenciado para hospital NÃO credenciado. MECANISMOS DE REGULAÇÃO 30. O que são mecanismos de regulação? São práticas de gerenciamento das ações visando à regulação de demanda da utilização dos serviços de saúde. Esses mecanismos tanto poderão ser utilizados através de ações de controle, ou regulação, tanto no momento da demanda quanto da utilização dos serviços assistenciais. 31. Quais mecanismos de regulação financeira podem ser utilizados pelas operadoras? Franquia valor estabelecido no contrato de plano de saúde, que a operadora não tem responsabilidade de cobertura, quer nos casos de reembolso ou nos casos de pagamento à rede credenciada. 20

21 Coparticipação a parte efetivamente paga pelo consumidor à operadora de plano privado de assistência à saúde referente à realização do procedimento. 32. Nos casos de internação, é possível a cobrança de coparticipação em forma de percentual? Não. No caso de internações, a operadora só pode estabelecer como fator moderador valores prefixados que não poderão sofrer indexação por procedimento ou patologia. Apenas as internações da saúde mental podem prever a cobrança de fatores moderadores em forma de percentual. REAJUSTE 33. Quando os contratos de plano de saúde podem sofrer reajuste? A lei prevê dois tipos de reajuste para os contratos de planos privados de assistência à saúde: reajuste anual e o reajuste por faixa etária. 34. Quais são as regras para aplicação do reajuste anual? As regras de reajuste anual variam de acordo com o tipo de plano contratado: Planos individuais / familiares: O percentual máximo de reajuste é definido anualmente pela ANS. Planos coletivos (empresariais ou por adesão) com menos de 30 vidas: os contratados que participam do pool de risco (agrupamento 21

22 de contratos) recebem reajuste único definido e divulgado, anualmente, pela operadora, com base em cálculo atuarial. Planos coletivos (empresariais ou por adesão) com 30 vidas ou mais: o percentual de reajuste é definido pela livre negociação entre a operadora e a pessoa jurídica contratante, em conformidade com as cláusulas previstas contratualmente. 35. Quais são as regras para aplicação do reajuste por faixa etária? As regras de reajustamento do contrato por mudança de faixa etária variam de acordo com a época de contratação do plano. Para os planos não regulamentados, a Súmula 3 da ANS estabeleceu que para fins de verificação da previsão de faixa etária, e desde que esteja prevista a futura variação de preço por faixa etária nos instrumentos contratuais, serão consideradas pela ANS as tabelas de venda. Para os planos contratados entre 1º de janeiro de 1999 (vigência da Lei nº 9.656/98) e 1º de janeiro de 2004 (Estatuto do Idoso) a variação está distribuída em 7 faixas; e para os contratos firmados após 1º de janeiro de 2004, a variação observa 10 (dez) faixas etárias. CONTRATAÇÃO FAIXA ETÁRIA OBSERVAÇÕES Até 2 de Janeiro de 1999 Entre 2 de Janeiro de 1999 e 1 de Janeiro de 2004 Não se aplica 0 a 17 anos 18 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 anos ou mais Deve seguir o que estiver escrito no contrato. A Consu 06/98 determina, também, que o preço da última faixa (70 anos ou mais) poderá ser, no máximo, seis vezes maior que o preço da faixa inicial (0 a 17 anos) 22

23 Após 1 de Janeiro de 2004 (Estatuto do Idoso) 0 a 18 anos 19 a 23 anos 24 a 28 anos 29 a 33 anos 34 a 38 anos 39 a 43 anos 44 a 48 anos 49 a 53 anos 54 a 58 anos 59 anos ou mais A Resolução Normativa (RN nº 63), publicada pela ANS em dezembro de 2003, determina, que o valor fixado para a última faixa etária (59 anos ou mais) não pode ser superior a seis vezes o valor da primeira faixa (0 a 18). A Resolução determina, também, que a variação acumulada entre a sétima e a décima faixas não pode ser superior à variação acumulada entre a primeira e a sétima faixas. REGRAS PARA MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE 36. O consumidor que contribui para o plano de saúde em decorrência de vínculo empregatício, tem direito à manutenção da sua condição de trabalho após a extinção do vínculo empregatício? Sim, desde que preencha os seguintes requisitos previstos na Lei Federal nº 9.656/98 e na RN/ANS nº 279/2011: O consumidor tem que ter contribuído para o pagamento do plano de saúde em decorrência do vínculo empregatício; Tem que haver a rescisão ou exoneração do contrato de trabalho sem justa causa ou a aposentação do consumidor. Assim, o direito à manutenção do beneficiário para ex-empregado só se aplica nos casos de ex-empregado demitido ou exonerado sem justa causa ou para aposentados, não abrangendo as hipóteses em que o empregado pede a demissão ou ingressou em Programa de Demissão Voluntária PDV. 23

24 37. O que se considera contribuição? Contribuição é qualquer valor pago pelo empregado, inclusive com desconto em folha de pagamento, para custear parte ou a integralidade da contraprestação pecuniária de seu plano privado de assistência à saúde oferecido pelo empregador em decorrência de vínculo empregatício, à exceção dos valores relacionados aos dependentes ou agregados e a coparticipação ou franquia paga única e exclusivamente em procedimentos, como fator de moderação, na utilização dos serviços de assistência médica. 38. Por quanto tempo o ex-funcionário demitido pode continuar vinculado ao plano de saúde? O período de manutenção da condição de beneficiário será de um terço do tempo de permanência no plano de saúde, com um mínimo assegurado de seis meses e um máximo de vinte e quatro meses. 39. Por quanto tempo o ex-funcionário aposentado pode continuar vinculado ao plano de saúde? O período de manutenção da condição de beneficiário para exfuncionário aposentado que contribuiu para o plano de saúde, em decorrência de vínculo empregatício, por dez anos ou mais será indeterminado. Se a contribuição for por período inferior a 10 (dez) anos, é assegurado o direito à manutenção como beneficiário, à razão de um ano para cada ano de contribuição. 24

25 40. De quem é a responsabilidade do pagamento da mensalidade do plano de saúde do ex-empregado demitido ou exonerado sem justa causa ou aposentado que continua vinculado ao plano de saúde coletivo empresarial? O demitido ou exonerado sem justa causa ou o aposentado terá que assumir o pagamento integral do plano, sendo, portanto, essa responsabilidade exclusivamente sua. 41. A manutenção da qualidade de beneficiário para exfuncionários demitidos (exonerados) ou aposentados é extensiva ao seu grupo familiar? Sim. A manutenção da qualidade de beneficiário é extensiva, obrigatoriamente a todo o grupo familiar inscrito quando da vigência do contrato de trabalho. Essa obrigatoriedade não impede que a condição de beneficiário seja mantida pelo ex-empregado individualmente, ou com parte do seu grupo familiar, sendo, ainda, possível a inclusão de novo cônjuge e filhos do ex-empregado no período de manutenção da condição de beneficiário. 42. O que ocorre em caso de morte do ex-funcionário demitido (exonerado) ou aposentado? O direito de permanência é assegurado aos dependentes cobertos pelo plano privado de assistência à saúde. 25

26 43. No caso de aposentado que continua trabalhando na mesma empresa, é garantido o direito de manter a sua condição de beneficiário como ex-funcionário? Sim. Ao empregado aposentado que continua trabalhando na mesma empresa é garantido o seu direito de manter sua condição de beneficiário. 44. No caso do aposentado que continua trabalhando na mesma empresa e vier a ser demitido, sem justa causa, será garantido ainda o direito de permanecer no plano como demitido? Sim. Em uma análise sistemática dos dispositivos legais, é possível concluir que a norma quis resguardar o direito do ex-empregado, que tendo contribuído para o plano privado de assistência à saúde, venha a se aposentar durante a relação empregatícia, garantindo, ainda ao empregado que se aposenta e continua trabalhando NA MESMA EMPRESA, e vem a ser demitido, o benefício do art. 31, no momento em que se desligar da empresa empregadora. Esse é o entendimento da Agência Nacional de Saúde Suplementar como se pode auferir da lâmina 14 da 4ª Reunião da Câmara Técnica da Regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656/98. A norma é clara, no sentido de que, o aposentado que continua trabalhando na MESMA empresa, poderá, após seu desligamento do trabalho, usufruir dos benefícios nos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de Por outro lado, se a aposentadoria não decorrer deste vínculo, não faz jus a permanecer no plano. 45. Se o empregado aposentado que continuou trabalhando na mesma empresa vier a falecer antes do exercício do direito de manutenção no plano como ex-funcionário, os dependentes terão esse direito? 26

27 Sim. O direito de manutenção é garantido aos dependentes do empregado aposentado que continuou trabalhando na mesma empresa e veio a falecer antes do exercício do direito previsto no art. 31 da Lei nº 9.656/ Se o empregado contribuía para o plano de saúde, mas no momento da demissão ou aposentadoria não esteja mais contribuindo, terá direito ao benefício? Sim. Ainda que o pagamento de contribuição não esteja ocorrendo no momento da demissão, exoneração sem justa causa ou aposentadoria são assegurados ao empregado os direitos previstos nos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656/1998, na proporção do período ou da soma dos períodos de sua efetiva contribuição para o plano privado de assistência à saúde. 47. Quando se inicia o prazo para que o ex-empregado demitido (exonerado) ou aposentado possa optar pela manutenção da sua qualidade de beneficiário do plano de saúde? O ex-empregado demitido ou exonerado sem justa causa ou aposentado poderá optar pela manutenção da condição de beneficiário no prazo máximo de 30 (trinta) dias, em resposta ao comunicado do empregador, formalizado no ato da comunicação do aviso prévio, a ser cumprido ou indenizado, ou da comunicação da aposentadoria. A contagem do prazo somente se inicia a partir da comunicação inequívoca do ex-empregado sobre a opção de manutenção da condição de beneficiário de que gozava quando da vigência do contrato de trabalho. A exclusão do beneficiário do plano somente deverá ser aceita pela operadora mediante a comprovação de que o mesmo foi comunicado da opção de manutenção da condição de beneficiário de que gozava quando da vigência do contrato de trabalho. 27

28 48. O que ocorre se a pessoa jurídica contratante tiver mudado de operadora de plano de saúde durante o período do vínculo empregatício? Serão considerados, para fins de aplicação dos direitos previstos nos arts. 30 e 31 da Lei nº 9.656/1998, os períodos de contribuição do ex-empregado demitido ou exonerado sem justa causa ou aposentado decorrentes da contratação do empregador com várias operadoras (somente se aplica aos contratos da cadeia de sucessão contratual que tenham sido celebrados após 1º de janeiro de 1999 ou tenham sido adaptados à Lei nº 9.656/1998). COBERTURA DE ATENDIMENTO NOS CASOS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA 49. Quais são as regras para cobertura assistencial no caso de procedimentos de urgência e emergência? A cobertura dos procedimentos de emergência 1 e urgência 2 que implicar em risco imediato de vida ou de lesões irreparáveis para o paciente, incluindo os resultantes de acidentes pessoais ou de complicações no processo gestacional, deverá reger-se pela garantia da atenção e atuação no sentido de preservação da vida, órgãos e funções, variando, a partir daí, de acordo com a segmentação de cobertura a qual o contrato esteja adscrito. 1 de emergência, como tal definidos os que implicarem risco imediato de vida ou de lesões irreparáveis para o paciente, caracterizado em declaração do médico assistente; 2 de urgência, assim entendidos os resultantes de acidentes pessoais ou de complicações no processo gestacional 28

29 Deverá garantir cobertura de urgência e emergência, limitada até as primeiras 12 (doze) horas de atendimento. PLANO AMBULATORIAL Quando necessária, para a continuidade do atendimento de urgência e emergência, a realização de procedimentos exclusivos da cobertura hospitalar, ainda que na mesma unidade prestadora de serviços e em tempo menor que 12 (doze) horas, a cobertura cessará, sendo que a responsabilidade financeira, a partir da necessidade de internação, passará a ser do contratante, não cabendo ônus à operadora. Devem oferecer cobertura aos atendimentos de urgência e emergência que evoluírem para internação, desde a admissão do paciente até a sua alta. O atendimento de urgência decorrente de acidente pessoal será garantido, sem restrições, após decorridas 24 (vinte e quatro) horas da vigência do contrato PLANO HOSPITALAR Atendimento de emergência efetuado no decorrer dos períodos de carência Deverá garantir cobertura de urgência e emergência, limitada até as primeiras 12 (doze) horas de atendimento. Quando necessária, para a continuidade do atendimento de urgência e emergência, a realização de procedimentos exclusivos da cobertura hospitalar, ainda que na mesma unidade prestadora de serviços e em tempo menor que 12 (doze) horas, a cobertura cessará, sendo que a responsabilidade financeira, a partir da necessidade de internação, passará a ser do contratante, não cabendo ônus à operadora. Os contratos de plano hospitalar, com ou sem cobertura obstétrica, deverão garantir os atendimentos de urgência e emergência quando se referirem ao processo gestacional. 29

30 Em caso de necessidade de assistência médica e hospitalar decorrente da condição gestacional de pacientes com plano hospitalar sem cobertura obstétrica ou com cobertura obstétrica porém ainda cumprindo período de carência a operadora estará obrigada a cobrir o atendimento limitado as 12 primeiras horas ou até que surja a necessidade de internação. O plano referência deverá garantir a cobertura integral, ambulatorial e hospitalar para urgência e emergência. Nos casos que houver cobertura parcial temporária para doenças ou lesões preexistentes, a cobertura do atendimento de urgência e emergência para essa doença ou lesão será igual àquela estabelecia para os planos ambulatoriais. 50. Nos casos de urgência e emergência em que o beneficiário esteja em carência, como deve a operadora proceder? A operadora deverá garantir a cobertura de remoção, após realizados os atendimentos classificados como urgência e emergência, quando caracterizada, pelo médico assistente, a falta de recursos oferecidos pela unidade para continuidade de atenção ao paciente ou pela necessidade de internação para os usuários portadores de contrato de plano ambulatorial. Quando não possa haver remoção por risco de vida, o contratante e o prestador do atendimento deverão negociar entre si a responsabilidade financeira da continuidade da assistência, desobrigando-se, assim, a operadora, desse ônus. Caberá a operadora o ônus e a responsabilidade da remoção do paciente para uma unidade do SUS que disponha de serviço de emergência, visando a continuidade do atendimento. Caberá a operadora o ônus e a responsabilidade da remoção do paciente para uma unidade do SUS que disponha dos recursos necessários a garantir a continuidade do atendimento. 30

31 Na remoção, a operadora deverá disponibilizar ambulância com os recursos necessários a garantir a manutenção da vida, só cessando sua responsabilidade sobre o paciente quando efetuado o registro na unidade SUS. Quando o paciente ou seus responsáveis optarem, mediante assinatura de termo de responsabilidade, pela continuidade do atendimento em unidade, a operadora estará desobrigada da responsabilidade médica e do ônus financeiro da remoção. 31

32 32 João Pessoa

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano De Saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e Aposentados

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano De Saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e Aposentados Cartilha de Extensão de Benefício do Plano De Saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e Aposentados JUNHO DE 2012 JUNHO / 2.012 1 ÍNDICE POR ASSUNTO ASSUNTO

Leia mais

Resolução Normativa nº279. Aposentados e Demitidos

Resolução Normativa nº279. Aposentados e Demitidos Resolução Normativa nº279 Aposentados e Demitidos Retrospectiva Lei nº 9656/98 Demitidos Art. 30 - Ao consumidor que contribuir para produtos de Planos Privados de Assistência à Saúde, em decorrência de

Leia mais

IMPACTO DAS RESOLUÇÕES NORMATIVAS 195, 200 e 204 EDITADAS PELA ANS

IMPACTO DAS RESOLUÇÕES NORMATIVAS 195, 200 e 204 EDITADAS PELA ANS IMPACTO DAS RESOLUÇÕES NORMATIVAS 195, 200 e 204 EDITADAS PELA ANS RN 195 Vigência: 03.11.2009 (alterada pelas RNs 200 e 204); Objetivos: a) classificar e disciplinar as características dos planos privados

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Diferenças entre planos individuais e coletivos Operadora: Caixa Seguradora Especializada em Saúde CNPJ: 13.223.975/0001-20 Nº de registro da ANS:

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed Fronteira Noroeste/RS Cooperativa de Assistência à Saúde Ltda. CNPJ.: 87.689.527/0001-53 Nº de registro na ANS: 352179 Site: www.unimed-fno.com.br Telefone: (55) 3512 5424 Manual de Orientação

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANO DE SAÚDE Operadora: S.P.A. SAÚDE Sistema de Promoção Assistencial CNPJ: 69.259.356/0001-40 Nº de registro na ANS: 32449-3 Nº de registro do produto: SPA GOLD

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: Unimed/RS Federação das Coop. Médicas do RGS Ltda. CNPJ.: 87.158.507/0001-56 Nº de registro na ANS: 367087 Site: www.unimedrs.com.br

Leia mais

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde

Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Operadora: A.P.O. Assistência Personalizada Odontológica CNPJ: 03.512.840/0001-21 Nº de registro na ANS: 41.112-4 Nº Reg. Produto: 444.220/03-2; 437.635/02-8; 437.630/02-7; 437.634/02-0; 476.056/16-5;

Leia mais

Lisa Gunn Coordenadora Executiva

Lisa Gunn Coordenadora Executiva Carta Coex 119/2011 São Paulo, 18 de maio de 2011. À Agência Nacional de Saúde Suplementar Aos Senhores Dr. Mauricio Ceschin Diretor Presidente Dra. Stael Riani Ouvidora Assunto: CP41 Contribuições do

Leia mais

Disposições Gerais CARTILHA DE ORIENTAÇÃO MANUTENÇÃO DE DEMITIDOS E APOSENTADOS INTERODONTO

Disposições Gerais CARTILHA DE ORIENTAÇÃO MANUTENÇÃO DE DEMITIDOS E APOSENTADOS INTERODONTO Disposições Gerais CARTILHA DE ORIENTAÇÃO MANUTENÇÃO DE DEMITIDOS E APOSENTADOS INTERODONTO 2 O aposentado e o ex-empregado, exonerado ou demitido sem justa causa, que contribuíam para o custeio do seu

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº xxx, de xx de xxxxxx DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº xxx, de xx de xxxxxx DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº xxx, de xx de xxxxxx DE 2016 Dispõe sobre a contratação de planos coletivos empresariais de planos privados de assistência à saúde por microempreendedores individuais e por

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº xxx, de xx de xxxxxx de 2017

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº xxx, de xx de xxxxxx de 2017 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº xxx, de xx de xxxxxx de 2017 Dispõe sobre a contratação de plano privado de assistência à saúde coletivo empresarial por empresário A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

TERMO ADITIVO (RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 279 ANS)

TERMO ADITIVO (RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 279 ANS) TERMO ADITIVO (RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 279 ANS) Contrato Coletivo Empresarial com até 29 (vinte e nove) beneficiários, e 30 (trinta) a 99 (noventa e nove) beneficiários e a partir de 100 (cem) beneficiários

Leia mais

APOSENTADOS E DEMITIDOS CARTILHA COM ORIENTAÇÕES

APOSENTADOS E DEMITIDOS CARTILHA COM ORIENTAÇÕES APOSENTADOS E DEMITIDOS CARTILHA COM ORIENTAÇÕES A BIOVIDA SAÚDE com o intuito de informar e orientar seus beneficiários quanto ao PLANO CONTINUIDADE, resolveu criar e divulgar essa cartilha com explicações

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 195, DE 14 DE JULHO DE 2009 Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados

Leia mais

TERMO ADITIVO (RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 279 ANS)

TERMO ADITIVO (RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 279 ANS) TERMO ADITIVO (RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 279 ANS) Contrato Coletivo Empresarial com até 29 (vinte e nove) beneficiários, e 30 (trinta) a 99 (noventa e nove) beneficiários e a partir de 100 (cem) beneficiários

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279. (arts. 30 e 31 da Lei nº 9.656)

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279. (arts. 30 e 31 da Lei nº 9.656) RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 (arts. 30 e 31 da Lei nº 9.656) Vigência: 1º de junho de 2012 Contribuição. Características: Independe de utilização Plano do empregado (titular) Pode ser descontinuada:

Leia mais

ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS RN 412/16 CANCELAMENTOS DE PLANOS DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS RN 412/16 CANCELAMENTOS DE PLANOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS RN 412/16 CANCELAMENTOS DE PLANOS DE SAÚDE Foi publicada no Diário Oficial da União - DOU de 11/11/16 a RN 412/16 que dispõe sobre a solicitação de cancelamento do contrato do

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 412, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 412, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 412, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2016 Dispõe sobre a solicitação de cancelamento do contrato do plano de saúde individual ou familiar, e de exclusão de beneficiário de contrato coletivo

Leia mais

Formulario-af.pdf 1 14/05/14 11:36

Formulario-af.pdf 1 14/05/14 11:36 Formulario-af.pdf 1 14/05/14 11:36 Formulario-af.pdf 2 14/05/14 11:36 Formulario-af.pdf 3 14/05/14 11:36 ANEXO CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde

Leia mais

Características dos Produtos e Planos. Contrato de Pré-Pagamento

Características dos Produtos e Planos. Contrato de Pré-Pagamento Características dos Produtos e Planos Contrato de Pré-Pagamento ESPECIFICAÇÕES Produto A Privativo (Individual) Este plano oferece cobertura AMBULATORIAL E HOSPITALAR com OBSTETRÍCIA; Abrangência Nacional;

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde Diferenças entre planos individuais e coletivos Operadora: MetLife Planos Odontológicos

Leia mais

MPS. Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde ANEXO I SÃO PAULO ANS N 31004-2 PLANOS ODONTOLÓGICOS

MPS. Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde ANEXO I SÃO PAULO ANS N 31004-2 PLANOS ODONTOLÓGICOS MPS ANEXO I Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde ANS N 31004-2 SÃO PAULO PLANOS ODONTOLÓGICOS 1 ANEXO I UNIODONTO DE SÃO PAULO SÃO PAULO PLANOS ODONTOLÓGICOS CNPJ: 51.701.878/0001-95

Leia mais

PLANO DE SAÚDE/ODONTOLÓGICO ALIANÇA ADMINISTRADORA

PLANO DE SAÚDE/ODONTOLÓGICO ALIANÇA ADMINISTRADORA PLANO DE SAÚDE/ODONTOLÓGICO ALIANÇA ADMINISTRADORA 1 O que é? 1.1 Por meio de acordo de parceria firmado entre o Ministério da Educação e a Aliança Administradora de Benefícios de Saúde LTDA., do qual

Leia mais

Características dos Produtos e Planos. Contrato de Pré-Pagamento

Características dos Produtos e Planos. Contrato de Pré-Pagamento Características dos Produtos e Planos Contrato de Pré-Pagamento ESPECIFICAÇÕES Produto A Privativo (Individual) Este plano oferece cobertura AMBULATORIAL E HOSPITALAR com OBSTETRÍCIA; Abrangência Nacional;

Leia mais

Para isso, é preciso saber o tipo de contratação do seu plano de saúde:

Para isso, é preciso saber o tipo de contratação do seu plano de saúde: A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) elaborou esta cartilha para explicar como você deve proceder para solicitar o cancelamento do plano de saúde individual ou familiar ou a exclusão do contrato

Leia mais

Proposta. Assistência Médica / Hospitalar Santa Casa Saúde SJC. 17 de Agosto de Revisão: 1/3Setor: Cadastro Data: 27/11/2014.

Proposta. Assistência Médica / Hospitalar Santa Casa Saúde SJC. 17 de Agosto de Revisão: 1/3Setor: Cadastro Data: 27/11/2014. Proposta Assistência Médica / Hospitalar Santa Casa Saúde SJC Revisão: 1/3Setor: Cadastro Data: 27/11/2014 17 de Agosto de 2016 Entidade: Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião CNPJ:

Leia mais

FORMULÁRIO DEMITIDO OU APOSENTADO (RN 279)

FORMULÁRIO DEMITIDO OU APOSENTADO (RN 279) FORMULÁRIO DEMITIDO OU APOSENTADO (RN 279) I EXCLUSÃO COM CIÊNCIA DO DIREITO DE MANUTENÇÃO DO PLANO COMO EX-EMPREGADO 1. DADOS DA OPERADORA OPERADORA Unimed Chapecó Coop. de Trab. Méd. da Reg. Oeste Catarinense

Leia mais

REAJUSTE DO PLANO DE SAÚDE LINCX E CAMPANHA DE ADESÃO

REAJUSTE DO PLANO DE SAÚDE LINCX E CAMPANHA DE ADESÃO REAJUSTE DO PLANO DE SAÚDE LINCX E CAMPANHA DE ADESÃO - 2017 Prezado Associado Como ocorre todos os anos, no mês de janeiro temos o reajuste do contrato do plano de saúde da APMP. De acordo com o estabelecido

Leia mais

Comunicado: Atualizações Legais do Plano de Saúde Decorrentes de Normas da ANS.

Comunicado: Atualizações Legais do Plano de Saúde Decorrentes de Normas da ANS. Joinville, 03 de maio de 2016. Ofício 567/2016 Comunicado: Atualizações Legais do Plano de Saúde Decorrentes de Normas da ANS. Prezado Cliente, Comunicamos as alterações abaixo, que passam a ser asseguradas

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES:

ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES: ADITIVO CONTRATUAL EXTENSÃO PARA COBERTURAS AMBULATORIAIS CONTRATO N CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATANTES: QUALIFICAÇÃO DA CONTRATADA: PROMED ASSISTÊNCIA MÉDICA LTDA., doravante denominada CONTRATADA,

Leia mais

ANEXO DO TERMO ADITIVO. a) DECLARAÇÃO EXPRESSA DE ACEITE DE CONTRIBUTÁRIO DESLIGADO E/OU EXONERADO SEM JUSTA CAUSA

ANEXO DO TERMO ADITIVO. a) DECLARAÇÃO EXPRESSA DE ACEITE DE CONTRIBUTÁRIO DESLIGADO E/OU EXONERADO SEM JUSTA CAUSA I - DESLIGADO E/OU EXONERADO SEM JUSTA CAUSA CONTRIBUTÁRIOS a) DECLARAÇÃO EXPRESSA DE ACEITE DE CONTRIBUTÁRIO DESLIGADO E/OU EXONERADO SEM JUSTA CAUSA Suplementar ANS, que ao Sr., Matrícula Golden Cross

Leia mais

Assunto: Comunicação sobre Resolução Normativa da Agência Nacional da Saúde Suplementar RN nº 412/2016, com vigência a partir de

Assunto: Comunicação sobre Resolução Normativa da Agência Nacional da Saúde Suplementar RN nº 412/2016, com vigência a partir de Brasília-DF, 25 de abril de 2017. Carta DIMC n. 105/2017 Ao Senhor JOSEMIR MARTINS DA SILVA Subsecretário de Assuntos Administrativos Ministério de Educação Com cópia para todas as Entidades Vinculadas

Leia mais

AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas. Tabela de preços 30 a 99 vidas plano com coparticipação

AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas. Tabela de preços 30 a 99 vidas plano com coparticipação AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas de preços 30 a 99 vidas Julho 2016 Amil 400 Amil 400 Amil 500 Amil 700 Faixa Etária Enfermaria Apartamento Apartamento Apartamento 00 a 18 anos 202,75 230,51 254,40 314,64

Leia mais

FAQ - RN 412, de 10 de novembro de 2016

FAQ - RN 412, de 10 de novembro de 2016 FAQ - RN 412, de 10 de novembro de 2016 Disposições Preliminares 1- Qual é o objeto de regulamentação da RN nº 412/2016? R: A RN 412 regulamenta o cancelamento do contrato de plano de saúde individual

Leia mais

PONTOS-CHAVE - SAÚDE SUPLEMENTAR. Apresentação

PONTOS-CHAVE - SAÚDE SUPLEMENTAR. Apresentação PONTOS-CHAVE - SAÚDE SUPLEMENTAR Apresentação Tendo por base os princípios da ética e da transparência, a CNseg, em parceria com as Federações Setoriais, desenvolveu este instrumento para colaborar com

Leia mais

Plano de saúde. aposentados e demitidos

Plano de saúde. aposentados e demitidos Plano de saúde aposentados e demitidos A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) foi criada em 2000 com a finalidade de regular o setor de planos privados de assistência à saúde. Essa cartilha tem

Leia mais

Segunda edição Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos

Segunda edição Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos Segunda edição Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS Temas A 04 Administradoras de Benefícios 10 Aposentados 16 Atrasos de Pagamento e Inadimplência

Leia mais

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME

Plano de Saúde Amil Empresarial ou PME AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS Tabelas 02 a 29 vidas Amil Saúde 400, 500, 700 para 02 a 29 vidas AMIL SAÚDE PARA EMPRESAS QUEM PODE SER DEPENDENTE = DEPENDENTES LEGAIS ATÉ O TERCEIRO GRAU DE PARENTESCO LIMITADOS

Leia mais

Os Pontos-Chave contêm importantes informações que visam facilitar a compreensão das principais características dos produtos comercializados pelo

Os Pontos-Chave contêm importantes informações que visam facilitar a compreensão das principais características dos produtos comercializados pelo Os Pontos-Chave contêm importantes informações que visam facilitar a compreensão das principais características dos produtos comercializados pelo mercado segurador. Para tanto, foram utilizados ícones

Leia mais

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca

Agenda Regulatória. Secretário Executivo da ANS. São Paulo, 05 de novembro de Debates GVSaúde João Luis Barroca Agenda Regulatória ANS Debates GVSaúde João Luis Barroca Secretário Executivo da ANS São Paulo, 05 de novembro de 2012 Evolução do Processo de Regulação Até 1997 1997 1998 1999 2000 Debates no Congresso

Leia mais

(CAPA) CARTILHA DA PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL

(CAPA) CARTILHA DA PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL (CAPA) CARTILHA DA PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Londrina-Pr O melhor plano para sua vida! Cartilha do Plano de Saúde CAAPSML 1 APRESENTAÇÃO O Plano de Saúde, gerenciado pela CAAPSML, é um

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 365, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 365, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 365, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a substituição de prestadores de serviços de atenção à saúde não hospitalares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde

Leia mais

MANUAL EMPRESARIAL BIOVIDA SAU DE

MANUAL EMPRESARIAL BIOVIDA SAU DE MANUAL EMPRESARIAL BIOVIDA SAU DE I ndice de Abertura Apresentação... Pág. 3 ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO Orientações Gerais... Pág. 4 1. Movimentação Cadastral... Pág. 4 2. Reajuste/Pool de Risco Exclusivo

Leia mais

Encontro Nacional Unimed de Vendas 19 de maio de 2016

Encontro Nacional Unimed de Vendas 19 de maio de 2016 Encontro Nacional Unimed de Vendas 19 de maio de 2016 CENTRAL NACIONAL UNIMED Dr. Aiodair Martins Junior Diretor Superintendente Unimed de Ribeirão Preto CONTRATOS COLETIVOS POR ADESÃO Conceito São contratados

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA- RN Nº 413, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2016.

RESOLUÇÃO NORMATIVA- RN Nº 413, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2016. RESOLUÇÃO NORMATIVA- RN Nº 413, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2016. Dispõe sobre a contratação eletrônica de planos privados de assistência à saúde. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

1. Art. 17, caput: Formas de comunicação ao beneficiário

1. Art. 17, caput: Formas de comunicação ao beneficiário Contribuições do SINOG Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo para discussão na 2ª reunião do Grupo Técnico da Regulamentação da Lei nº 13.003/2014. Contribuições sobre pontos relevantes

Leia mais

ANS divulga teto de reajuste autorizado para planos individuais

ANS divulga teto de reajuste autorizado para planos individuais ANS divulga teto de reajuste autorizado para planos individuais Publicado em: 03/06/2016 (ans.gov.br) A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fixou em até 13,57% o índice de reajuste a ser aplicado

Leia mais

MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE APÓS O DESLIGAMENTO DO EMPREGADO

MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE APÓS O DESLIGAMENTO DO EMPREGADO MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE APÓS O DESLIGAMENTO DO EMPREGADO PDVP 2017 Cemig D Cemig GT Cemig H EMPREGADOS APOSENTADOS PELO INSS QUE ADERIRAM AO PDVP 2017 1 O empregado aposentado pelo INSS que aderiu

Leia mais

COMISSÃO PARITÁRIA CUSTEIO DO PLANO DE SAÚDE ACT 2016/2017 (Continuação) 28/nov/2016

COMISSÃO PARITÁRIA CUSTEIO DO PLANO DE SAÚDE ACT 2016/2017 (Continuação) 28/nov/2016 COMISSÃO PARITÁRIA CUSTEIO DO PLANO DE SAÚDE ACT 2016/2017 (Continuação) 28/nov/2016 Planos de Saúde Beneficiários de Planos de Saúde Eu acho que estamos vivendo um momento crítico. Temos custos assistenciais

Leia mais

Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos

Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos Terceira edição 2016 Guia do Consumidor de Planos de Saúde Coletivos ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS ADMINISTRADORAS DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO Temas 02 Introdução 08 Administradoras de Benefícios 14 Aposentados

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE OS NOVOS PLANOS. A partir de que data os novos planos começarão a vigorar?

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE OS NOVOS PLANOS. A partir de que data os novos planos começarão a vigorar? PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE OS NOVOS PLANOS GERAIS A partir de que data os novos planos começarão a vigorar? Os novos planos passam a funcionar em 1º de janeiro de 2015. Como será a migração? A migração

Leia mais

MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE APÓS O DESLIGAMENTO DO EMPREGADO

MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE APÓS O DESLIGAMENTO DO EMPREGADO MANUTENÇÃO DO PLANO DE SAÚDE APÓS O DESLIGAMENTO DO EMPREGADO 1 O beneficiário de plano de saúde coletivo empresarial demitido ou exonerado sem justa causa e o aposentado pelo INSS tem direito a manter

Leia mais

Importante ressaltar que todos os procedimentos cobertos pelo Rol da Agencia Nacional de Saúde, constam em nossas apólices, conforme lei 9656/98.

Importante ressaltar que todos os procedimentos cobertos pelo Rol da Agencia Nacional de Saúde, constam em nossas apólices, conforme lei 9656/98. Manual de Orientação: UNIMED SAÚDE Produto: PLANO DE SAÚDE 1 - DESCRIÇÃO O contrato da UNIMED tem por objeto a cobertura de serviços de assistência médico hospitalar, de diagnóstico e terapia conforme

Leia mais

Quais os direitos e as obrigações nos planos de saúde?

Quais os direitos e as obrigações nos planos de saúde? Quais os direitos e as obrigações nos planos de saúde? No momento da escolha de um plano de saúde, é importante verificar se a empresa (operadora) está registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Oficina ANS realizada em Brasília

Oficina ANS realizada em Brasília Oficina ANS realizada em Brasília A Unimed Federação Minas marcou presença na Oficina de Regulação de Planos coletivos e outros temas, realizada pela ANS, em Brasília (DF), no dia 25 de maio, ocasião em

Leia mais

Reajuste anual de planos de saúde

Reajuste anual de planos de saúde Sindicato dos Laboratórios de Minas Gerais Nº : 204 Data: 08/06/2015 Fale conosco: (31) 3213-2738 - Fax (31) 3213-0814 - secretaria@sindlab.org.br - www.sindlab.org.br Reajuste anual de planos de saúde

Leia mais

NIP ASSISTENCIAL: CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS DÚVIDAS ANÁLISE FISCALIZATÓRIA. consumidor NIP. operadoras ANS

NIP ASSISTENCIAL: CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS DÚVIDAS ANÁLISE FISCALIZATÓRIA. consumidor NIP. operadoras ANS NIP ASSISTENCIAL: DADOS DE CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS DÚVIDAS NA ANÁLISE FISCALIZATÓRIA consumidor NIP operadoras ANS Objetivos da apresentação caracterizar as demandas NIP por classificação e subtemas

Leia mais

Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011. O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar

Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011. O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011 O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar A Saúde Privada no Brasil A Lei 9.656/98 Corrigiu distorções, introduziu regras e obrigações importantes

Leia mais

INSTRUMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE VIDAS Nº

INSTRUMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE VIDAS Nº INSTRUMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE 03-29 VIDAS Nº 1. DAS PARTES: 1.1. Celebra(m) o presente instrumento, na qualidade de CONTRATANTE, a pessoa jurídica abaixo qualificada: Razão Social Nome

Leia mais

Artigo 1º Esta resolução dispõe sobre a Administradora de Benefícios.

Artigo 1º Esta resolução dispõe sobre a Administradora de Benefícios. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 196, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a Administradora de Benefícios. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS, no uso das atribuições que lhes

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE COBRANÇA Perguntas e respostas frequentes

MANUAL PRÁTICO DE COBRANÇA Perguntas e respostas frequentes MANUAL PRÁTICO DE COBRANÇA 1 MANUAL PRÁTICO DE COBRANÇA É possível condicionar a nova contratação de plano ao pagamento da dívida pelo ex beneficiário contratante de plano individual/ familiar? Não. É

Leia mais

INSTRUMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Nº

INSTRUMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Nº INSTRUMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO DE PLANOS DE SAÚDE Nº 1. DAS PARTES: 1.1. Celebra(m) o presente instrumento, na qualidade de CONTRATANTE, a pessoa jurídica abaixo qualificada: Razão Social Nome Fantasia

Leia mais

Manual do Cliente. Unimed Litoral. Como usar melhor o seu Plano de Saúde

Manual do Cliente. Unimed Litoral. Como usar melhor o seu Plano de Saúde Manual do Cliente Unimed Litoral Como usar melhor o seu Plano de Saúde BOAS VINDAS Prezado Beneficiário É com muita alegria que recebemos você na Unimed Litoral. Por ser gerida por especialistas nos preocupamos

Leia mais

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO

CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado (a) Beneficiário (a), CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência à

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO COLETIVO POR ADESÃO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO COLETIVO POR ADESÃO CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO COLETIVO POR ADESÃO 1. Este instrumento é meu Contrato de Adesão (a "Proposta") aos contratos de plano de assistência à saúde e de plano de assistência odontológica, coletivos

Leia mais

SOLUÇÃO PROPOSTA 1. PREMISSAS

SOLUÇÃO PROPOSTA 1. PREMISSAS 19/06/2017 1 19/06/2017 2 19/06/2017 3 19/06/2017 4 SOLUÇÃO PROPOSTA 1. PREMISSAS A partir de uma análise criteriosa das informações fornecidas sobre as necessidades da empresa e sobre o perfil de sua

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA AUDIÊNCIA PÚBLICA

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Discutir a situação da pediatria no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS e na Saúde Suplementar. Brasília, DF, 27 de maio

Leia mais

Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente

Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente GRUPO DE TRABALHO SOBRE PLANOS ACESSÍVEIS Grupo de Trabalho coordenado pelo Ministério da Saúde Instituído pela Portaria GM/MS nº 1.482, de 04 de agosto

Leia mais

UNIMED PLENO. Cobertura Ambulatorial, Hospitalar e Obstétrica PME ENFERMARIA

UNIMED PLENO. Cobertura Ambulatorial, Hospitalar e Obstétrica PME ENFERMARIA UNIMED PLENO Cobertura Ambulatorial, Hospitalar e Obstétrica ENFERMARIA PME Operadora: Unimed Belo Horizonte Cooperativa de Trabalho Médico CGC: 16.513.178/0001-76 Produto: Unimed Pleno Empresarial Enfermaria

Leia mais

UNIMED PLENO. Cobertura Ambulatorial, Hospitalar e Obstétrica PME APARTAMENTO

UNIMED PLENO. Cobertura Ambulatorial, Hospitalar e Obstétrica PME APARTAMENTO UNIMED PLENO Cobertura Ambulatorial, Hospitalar e Obstétrica APARTAMENTO PME Operadora: Unimed Belo Horizonte Cooperativa de Trabalho Médico CGC: 16.513.178/0001-76 Produto: Unimed Pleno Empresarial Apartamento

Leia mais

* C) Para solicitar: no item 2 (Dados Cadastrais do Titular), independente de estarem assinaladas com *. - No item 3. Importante: Importante: *

* C) Para solicitar: no item 2 (Dados Cadastrais do Titular), independente de estarem assinaladas com *. - No item 3. Importante: Importante: * I * C) Para solicitar: no item 2 (Dados Cadastrais do Titular), independente de estarem assinaladas com *. No item 3 Importante: Importante: * Importante: CANCELAMENTO DO PLANO (titular e dependentes)

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO DA SAUDE E OS DMI. Ministro Paulo de Tarso Vieira Sanseverino Rio de Janeiro, novembro de 2016

JUDICIALIZAÇÃO DA SAUDE E OS DMI. Ministro Paulo de Tarso Vieira Sanseverino Rio de Janeiro, novembro de 2016 JUDICIALIZAÇÃO DA SAUDE E OS DMI Ministro Paulo de Tarso Vieira Sanseverino Rio de Janeiro, novembro de 2016 INTRODUÇÃO Tema A judicialização da saúde em relação aos Dispositivos Médicos Implantáveis (DMI)

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA REVISÃO CONTRATUAL DE AUMENTOS ABUSIVOS DOS PLANOS DE SAÚDE

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA REVISÃO CONTRATUAL DE AUMENTOS ABUSIVOS DOS PLANOS DE SAÚDE REVISÃO CONTRATUAL DE AUMENTOS ABUSIVOS DOS PLANOS DE SAÚDE A lei que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde é a 9.656, de 03 de julho de 1998. Plano Privado de Assistência à

Leia mais

AO NÃO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER

AO NÃO DECLARAR AS DOENÇAS E/OU LESÕES QUE O BENEFICIÁRIO SAIBA SER ANEXO CARTA DE ORIENTAÇÃO AO BENEFICIÁRIO Prezado(a) Beneficiário(a), A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), instituição que regula as atividades das operadoras de planos privados de assistência

Leia mais

Notificação de Intermediação Preliminar. Instrumento para solucionar conflitos entre beneficiários e Operadoras

Notificação de Intermediação Preliminar. Instrumento para solucionar conflitos entre beneficiários e Operadoras Notificação de Intermediação Preliminar Instrumento para solucionar conflitos entre beneficiários e Operadoras NIP NOTIFICAÇÃO DE INTERMEDIAÇÃO PRELIMINAR Toda demanda recepcionada pela ANS em todos os

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL (VALIDADE: 29/04/2012)

PROPOSTA COMERCIAL (VALIDADE: 29/04/2012) PROPOSTA COMERCIAL (VALIDADE: 29/04/2012) Florianópolis, 29 de Março de 2012 SINASEFE Sobre a Unimed A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede

Leia mais

COMISSÃO PARITÁRIA CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DE BENEFICIÁRIOS NO CORREIOSSAÚDE

COMISSÃO PARITÁRIA CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DE BENEFICIÁRIOS NO CORREIOSSAÚDE COMISSÃO PARITÁRIA CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DE BENEFICIÁRIOS NO CORREIOSSAÚDE 29 de novembro de 2016. Beneficiários do CorreiosSaúde BENEFICIÁRIOS COM DIREITO AO PLANO CORREIOSSAÚDE Titulares 1. Empregados

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, para tornar obrigatória a cobertura de assistência

Leia mais

Porque aderir ao Unafisco Saúde

Porque aderir ao Unafisco Saúde Porque aderir ao Unafisco Saúde O Unafisco Saúde foi fundado em 1992 por Auditores Fiscais do Sindifisco Nacional com o objetivo de oferecer os melhores serviços e benefícios para a categoria. A Instituição

Leia mais

Faça a sua adesão e tenha acesso ao que há de mais moderno em tecnologia de diagnósticos e tratamentos, pagando muito menos.

Faça a sua adesão e tenha acesso ao que há de mais moderno em tecnologia de diagnósticos e tratamentos, pagando muito menos. CRF-SP UNIMED FESP A parceria de sucesso entre a CRF-SP, UNIMED FESP e UNICONSULT - Administradora de Benefícios foi firmada para trazer a você, filiado do Conselho, todos os benefícios em saúde que você

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009.

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N.º 186, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre a regulamentação da portabilidade das carências previstas

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO CONDIÇÕES

CONTRATO DE ADESÃO CONDIÇÕES I - QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA CONTRATO DE ADESÃO CONDIÇÕES INSTITUIÇÃO BENEFICENTE CORONEL MASSOT IBCM, operadora de plano privado de assistência à saúde, doravante denominada simplesmente CONTRATADA,

Leia mais

ANEXO I (UTILIZAR PAPEL TIMBRADO DA OPERADORA) SOLICITAÇÃO DE IMPUGNAÇÃO

ANEXO I (UTILIZAR PAPEL TIMBRADO DA OPERADORA) SOLICITAÇÃO DE IMPUGNAÇÃO ANEXO I (UTILIZAR PAPEL TIMBRADO DA OPERADORA) SOLICITAÇÃO DE IMPUGNAÇÃO 1. OPERADORA: CNPJ: NOME DO RESPONSÁVEL: CARGO: E-MAIL: 2. UNIDADE PRESTADORA DE SERVIÇOS: 3.CÓDIGO DO BENEFICIÁRIO: 4. NÚMERO DA

Leia mais

Plano de saúde coletivo por adesão AGEMED

Plano de saúde coletivo por adesão AGEMED Plano de saúde coletivo por adesão AGEMED Com o objetivo de levar vantagens e alternativas de qualidade e economia, para os filiados da APUFCS e fortalecer nossas parcerias, a Agemed disponibiliza contratos

Leia mais

Mercado de Saúde Suplementar

Mercado de Saúde Suplementar Mercado de Saúde Suplementar A Federação Nacional de Saúde Suplementar É a entidade que representa vinte e três empresas entre seguradoras especializadas em saúde, medicinas de grupo e odontologias de

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA INCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS

TERMO DE ADESÃO PARA INCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS TERMO DE ADESÃO PARA INCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DADOS DA OPERADORA CONTRATADA Nome: UNIMED FEDERAÇÃO DO PARANÁ FEDERAÇÃO ESTADUAL DAS COOPERATIVAS MÉDICAS DO ESTADO DO PARANÁ Endereço: RUA ANTÔNIO CAMILO

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS, HOSPITALARES, DE DIAGNÓSTICO E OBSTETRÍCIA, COLETIVO POR ADESÃO

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS, HOSPITALARES, DE DIAGNÓSTICO E OBSTETRÍCIA, COLETIVO POR ADESÃO 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS, HOSPITALARES, DE DIAGNÓSTICO E OBSTETRÍCIA, COLETIVO POR ADESÃO Contrato nº 83149 1. CLÁUSULA PRIMEIRA DAS PARTES São partes deste contrato: a)

Leia mais

NOME COMERCIAL DO PLANO NA ANS. Referência Adesão Trad. 10 REF QC. Não Exato-Enfermaria. Exato Adesão Trad. 16 F AHO QC. Não Clássico-Apartamento

NOME COMERCIAL DO PLANO NA ANS. Referência Adesão Trad. 10 REF QC. Não Exato-Enfermaria. Exato Adesão Trad. 16 F AHO QC. Não Clássico-Apartamento Válida para o estado da Bahia 006246 SEGURADORA ESTIPULANTE SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE (00) (01) (02) (03) (04) ASSINALE ABAIXO O PLANO PRETENDIDO PLANOS Referência NOME COMERCIAL DO PLANO NA

Leia mais

VAL CORRETORA DE PLANOS DE SAÚDE ODONTO E SEGUROS

VAL CORRETORA DE PLANOS DE SAÚDE ODONTO E SEGUROS UNIMED NORTE NORDESTE AFFIX BENEFICIOS REAJUSTE MAIO\2017 Contrato de plano de saúde coletivo por adesão Unimed Norte Nordeste COD 0974 Administradora de Benefícios/Contratante: AFFIX Administradora de

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL / FAMILIAR PLANO AMBULATORIAL QUALITY (ANS n ) Ambulatorial

PLANO INDIVIDUAL / FAMILIAR PLANO AMBULATORIAL QUALITY (ANS n ) Ambulatorial PLANO INDIVIDUAL / FAMILIAR PLANO AMBULATORIAL QUALITY (ANS n 412843995) Ambulatorial CONTRA TO MODELO Pelo presente instrumento particular contratual e na melhor forma de direito, que entre si fazem de

Leia mais

As regras para COMPULSÓRIO, SUBSÍDIO e DESCONTO DE COPARTICIPAÇÃO mudaram:

As regras para COMPULSÓRIO, SUBSÍDIO e DESCONTO DE COPARTICIPAÇÃO mudaram: Renovação e reajuste do plano de saúde A renovação do contrato coletivo do Plano de Saúde foi concluída pela área de Remuneração e Relações Trabalhistas. Após pesquisa de mercado e estudo das propostas

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições Câmara Técnica 3ª reunião PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES Entidades que enviaram contribuições

Leia mais

Para trocar de plano de saúde sem cumprir nova carência, devem ser observadas as seguintes condições:

Para trocar de plano de saúde sem cumprir nova carência, devem ser observadas as seguintes condições: CARTILHA DA PORTABILIDADE DE CARÊNCIAS Quem tem direito a portabilidade de carências Para trocar de plano de saúde sem cumprir nova carência, devem ser observadas as seguintes condições: 1 - Ser beneficiário

Leia mais

Plano de saúde coletivo por adesão SINTUFSC - AGEMED

Plano de saúde coletivo por adesão SINTUFSC - AGEMED Plano de saúde coletivo por adesão SINTUFSC - AGEMED Com o objetivo de levar vantagens e alternativas de qualidade e economia para os filiados do SINTUFSC e fortalecer nossas parcerias, a Agemed disponibiliza

Leia mais

PME 10 A 29 VIDAS. CNU PME Básico. CNU PME Especial / /13-0. Nacional. Nacional R$ 164,62 R$ 213,23 R$ 197,55 R$ 255,87 R$ 223,23

PME 10 A 29 VIDAS. CNU PME Básico. CNU PME Especial / /13-0. Nacional. Nacional R$ 164,62 R$ 213,23 R$ 197,55 R$ 255,87 R$ 223,23 PME Salvador - BA Salvador PLANO DE SAÚDE COLETIVO EMPRESARIAL Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia SEM COPARTICIPAÇÃO PME 03 A 09 VIDAS PME 10 A 29 VIDAS PME 30 A 99 VIDAS FAIXA ETÁRIA REGISTRO ANS

Leia mais

TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto).

TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto). TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto). CONTRATADA: UNIMED MURIAÉ COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA., inscrita no CNPJ/MF nº 25.971.433/0001-15,

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CONTRATO DE ADESÃO A PLANO COLETIVO EMPRESARIAL DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CONTRATO DE ADESÃO A PLANO COLETIVO EMPRESARIAL DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CONTRATO DE ADESÃO A PLANO COLETIVO EMPRESARIAL DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA 1. Do tipo de contratação Trata-se de contrato de plano odontológico coletivo empresarial,

Leia mais

PLANOS EMPRESARIAIS. Soluções personalizadas para todo tipo de empresa. planos empresariais. saudesistema.com.br

PLANOS EMPRESARIAIS. Soluções personalizadas para todo tipo de empresa. planos empresariais. saudesistema.com.br S EMPRESARIAIS Soluções personalizadas para todo tipo de empresa planos empresariais saudesistema.com.br 31 3524-6410 2 A 29 VIDAS 180 Rede Ampla - com participação) até 18 anos 111,89 148,56 19 a 23 anos

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO E ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO APMP PLANO CONVENCIONAL ASSOCIADO TITULAR VERSÃO 3.0. Condições Gerais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO E ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO APMP PLANO CONVENCIONAL ASSOCIADO TITULAR VERSÃO 3.0. Condições Gerais SEGURO DE VIDA EM GRUPO E ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO APMP PLANO CONVENCIONAL ASSOCIADO TITULAR VERSÃO 3.0 Condições Gerais CNPJ 54.484.735/0001-49 Processos SUSEP VG nº 10.005288/99-11 e APC nº 10.005289/99-84

Leia mais