SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros"

Transcrição

1 SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão do Instituto de Seguros de Portugal. Em termos acumulados verificou-se uma redução de 6,2% face ao período homólogo de Esta diminuição foi mais elevada no ramo Vida (-6,8%), do que nos ramos Não Vida (-4,7%). Contudo, é de realçar que as entregas para seguros de Vida PPR atingiram nos primeiros nove meses do ano perto de 2 mil milhões de euros, representando um crescimento na ordem dos 60% face ao ano anterior. Nos ramos Não Vida registou-se uma quebra mais acentuada na produção do ramo Automóvel (-7,9%) e da modalidade de Acidentes de (-9,4%), atenuada em certa medida pelo crescimento dos ramos Doença (+2,5%), Incêndio (+3,2%) e Responsabilidade Civil Geral (+4%). Custos No que respeita aos custos, é de salientar o acréscimo de 0,4 % registado nos ramos Não Vida, no quadro dos quais se verificou um aumento de 4,2% nos montantes pagos, que atingiram quase 2 mil milhões de euros. O ramo Vida, por sua vez, apresentou um decréscimo de -11,3% fruto, essencialmente, da diminuição dos resgates. A taxa de sinistralidade, resultante do quociente entre os custos e os prémios emitidos, apresentou um agravamento face a igual período de 2008, provocado essencialmente pelos ramos Doença e Automóvel. Neste último ramo, a conjugação da diminuição nos prémios e do incremento dos custos conduziu a uma taxa de sinistralidade na ordem dos 76%, bastante superior aos valores obtidos nos últimos anos (tipicamente abaixo dos 70%). Na modalidade de Acidentes de a taxa de sinistralidade continuou a apresentar valores elevados, na ordem dos 80%. Provisões Relativamente às responsabilidades das empresas de seguros, enquanto no ramo Vida se continuou a assistir a um aumento das, nomeadamente face à evolução positiva dos seguros PPR, nos ramos Não Vida ocorreu um ligeiro decréscimo. O valor global das das empresas de seguros cresceu cerca de 5,8% face ao ano anterior, ultrapassando os 50 mil milhões de euros. Em termos de cobertura das, o quociente entre os activos afectos e as responsabilidades manteve a tendência de crescimento verificada desde o início do corrente ano, facto este influenciado positivamente no último trimestre pela evolução do valor das aplicações em instrumentos de dívida, derivada sobretudo do decréscimo do nível dos spreads de crédito. Os activos afectos à cobertura das atingiam no final de Setembro de cerca de 52,4 mil milhões de euros. De referir que os s afectos às das empresas de seguros apresentam uma maturidade média de cerca de 6 anos, tendo o seu valor sido positivamente influenciado pelo decréscimo das yields to maturity ocorrido neste período. A evolução positiva dos s contribuiu igualmente para o incremento da taxa de cobertura da margem de solvência. 1

2 À semelhança dos trimestres anteriores, em Setembro de, continuou a assistir-se a uma quebra na produção de seguro directo. O montante global de prémios atingiu os 9,85 mil milhões de euros, o que representa um decréscimo de 6,2% face ao período homólogo de Esta situação deveu-se à contracção verificada quer na produção do ramo Vida (-6,8%), quer na dos ramos Não Vida (-4,7%), conforme se constata no seguinte quadro: Produção de seguro directo em Portugal Valores em 10 3 Euro Set-07 Set-08 Set-09 Total Ramo Vida Ramos Não Vida Em termos de estrutura da carteira não se registaram alterações significativas face ao período homólogo do ano anterior. Ao longo de cada trimestre verifica-se uma produção tipicamente constante nos ramos Não Vida cerca de 1 milhar de milhões de euros. A volatilidade da produção global deve-se à evolução do ramo Vida. 2

3 Os custos de seguro directo, actividade em Portugal, apresentaram um decréscimo de 8,7% face ao trimestre homólogo, evolução justificada pelo decréscimo registado pelo ramo Vida (-11,3%). Nos ramos Não Vida, os custos verificaram um acréscimo de 0,4%. Custos de seguro directo em Portugal Valores em 10 3 Euro Set-07 Set-08 Set-09 Total Ramo Vida Ramos Não Vida Tal como na produção, é o ramo Vida que condiciona a tendência da evolução dos custos, sendo que, para o conjunto dos ramos Não Vida, o seu valor apresenta alguma estabilidade, ao longo dos trimestres, na ordem dos 660 milhões de euros. No período em análise, a produção de seguro directo do ramo Vida, actividade em Portugal, registou um decréscimo, na ordem dos 500 milhões de euros, resultante da redução verificada na produção de Contratos de Investimento (cerca de 19%). Esta quebra foi atenuada pelo crescimento de cerca de 17% dos contratos de seguro de vida não ligados a fundos de. Produção de seguro directo em Portugal Valores em 10 3 Euro Set-08 Set-09 Total Contratos de Seguro Contratos de Investimento

4 É de realçar que o volume de prémios nos seguros PPR aproximou-se dos 2 mil milhões de euros, representando um crescimento de cerca de 60% face a Setembro de As alterações verificadas na produção do ramo Vida implicaram uma redução de cerca de 9 pontos percentuais no peso relativo dos Contratos de Investimento (66,0% em Setembro de 2008). Tal como referido anteriormente, os custos de seguro directo do ramo Vida, actividade em Portugal, diminuíram significativamente em relação ao período homólogo, conforme se constata no seguinte quadro: Custos de seguro directo em Portugal Set-08 Valores em 10 3 Euro Set-09 Total Contratos de Seguro Montantes pagos Variação da provisão para sinistros Contratos de Investimento

5 Esta evolução é explicada, em grande parte, pelo comportamento dos resgates verificado em 2008, que naquele período representavam cerca de 71% dos custos, tendo a percentagem de resgates nos primeiros nove meses de sido inferior à apurada no período homólogo do ano anterior (8,5% face a 12,1% em 2008). Refira-se que no caso dos seguros PPR este indicador é habitualmente inferior, tendo apresentado um valor de 6,6%, no período em análise. Analisando períodos homólogos, verifica-se que a produção de seguro directo dos ramos Não Vida, actividade em Portugal, tem vindo a registar uma tendência decrescente. De salientar, no entanto, o crescimento dos ramos Doença, Incêndio e e Responsabilidade Civil Geral, por contraposição do ramo Automóvel e da modalidade de Acidentes de que têm registado decréscimos sucessivos. Produção de seguro directo em Portugal Valores em 10 3 Euro Set-07 Set-08 Set-09 Total Acidentes de Doença Incêndio e Automóvel Restantes Ramos Acidentes Pessoais e Pessoas Transportadas Transportes e Mercadorias Transportadas Responsabilidade Civil Geral Diversos Contratos de Prestação de Serviços

6 A estrutura de prémios dos ramos Não Vida manteve-se estável, à semelhança do que tem vindo a verificarse nos nove primeiros meses dos últimos anos. De salientar, contudo, a perda de peso do ramo Automóvel (45,1%, 42,6% e 41,2% nos primeiros semestres de 2007, 2008 e, respectivamente) e o incremento do peso do ramo Doença (10,9%, 11,9% e 12,8% no mesmo período). Nos três primeiros trimestres de, assistiu-se a um ligeiro aumento de 0,4% dos custos de seguro directo, actividade em Portugal, evolução idêntica à verificada nos anos anteriores (aumentos de 2,3% em 2008 e 0,7% em 2007). Saliente-se a inversão no sentido da evolução dos custos verificada na modalidade de Acidentes de que se mostrou crescente nos últimos anos, tendo apresentado um decréscimo de 8,9% em. No seguro Automóvel ocorreu exactamente o oposto, tendo-se constatado um aumento 3,5% nos custos. Refira-se, contudo, que, em termos de períodos homólogos, a diminuição que se verificou em 2008 se deveu exclusivamente à diminuição da variação da provisão para sinistros, uma vez que os montantes pagos relativamente a sinistros do seguro Automóvel tem vindo a aumentar nos últimos anos. 6

7 Custos de seguro directo em Portugal Valores em 10 3 Euro Set-07 Set-08 Set-09 Total Montantes pagos Acidentes de Doença Incêndio e Automóvel Restantes Ramos Acidentes Pessoais e Pessoas Transportadas Transportes e Mercadorias Transportadas Responsabilidade Civil Geral Diversos Contratos de Prestação de Serviços Variação da provisão para sinistros Acidentes de Doença Incêndio e Automóvel Restantes Ramos Acidentes Pessoais e Pessoas Transportadas Transportes e Mercadorias Transportadas Responsabilidade Civil Geral Diversos A estrutura dos custos de seguro directo dos ramos Não Vida tem permanecido idêntica ao longo dos trimestres, conforme se pode constatar no gráfico seguinte. Refira-se, contudo, que nos primeiros nove meses de, a modalidade de Acidentes de apresentou uma perda de peso no conjunto dos custos dos ramos Não Vida de cerca de 2 pontos percentuais face ao mesmo período de Por contrapartida, Doença e Automóvel aumentaram os seus pesos em 1,5 e 1,3 pontos percentuais, respectivamente. 7

8 Conforme se pode constatar no gráfico seguinte, apesar da diminuição verificada na produção, o rácio de sinistralidade (custos / prémios brutos emitidos) do terceiro trimestre de apresentou uma redução de cerca de 6 pontos percentuais face ao período homólogo, devido à quebra ocorrida nos custos no trimestre em análise. Em termos acumulados, para os nove meses decorridos, este rácio apresentou um valor na ordem dos 68% (65% em igual período de 2008 e 63% em 2007). 8

9 A produção de seguro directo de Acidentes de, actividade em Portugal, apresentou, em Setembro de, o valor mais baixo dos últimos anos, traduzindo uma quebra de cerca de 9,4% face ao período homólogo de O rácio de sinistralidade do terceiro trimestre, verificou uma quebra de 7 pontos percentuais, conforme se pode verificar no gráfico seguinte, devido à diminuição de cerca de 16% dos custos face ao trimestre homólogo. 9

10 Apesar da diminuição dos custos acumulados, não se assistiu, contudo, à melhoria do rácio de sinistralidade referente aos nove meses em análise, dado que esta redução de 8,9% não foi suficiente para compensar o efeito inverso associado ao decréscimo verificado nos prémios. Este rácio apresentou, neste período, um valor de 80% (face a 79% e 77% em 2008 e 2007, respectivamente). 10

11 Em relação ao terceiro trimestre, a produção de seguro directo do ramo Doença registou, pela primeira vez nos últimos anos, uma ligeira quebra. No entanto, em termos acumulados, constatou-se, nestes primeiros nove meses de, um crescimento de 2,5% face ao mesmo período do ano anterior. No trimestre em análise, constata-se que a conjugação do aumento dos custos em cerca de 9% e a referida diminuição verificada na produção originou um agravamento no rácio de sinistralidade de 10 pontos percentuais. Tendo em consideração que os custos de seguro directo do ramo em análise tiveram uma evolução superior à registada pela respectiva produção (crescimento de 11,7% nos custos ), o rácio de sinistralidade para o período em análise aumentou cerca de 6 pontos percentuais, situando-se nos 78,7%. 11

12 Nos três trimestres em análise, a produção de seguro directo do ramo Incêndio e registou um crescimento de 3,2%. Considerando que este é um ramo composto por diversas modalidades, torna-se conveniente analisar o impacto que algumas delas têm na variação global. Assim, em termos relativos, embora metade das modalidades tenham apresentado um decréscimo nos prémios brutos emitidos, o peso destas modalidades na produção total do ramo é baixo, tendo sido largamente compensado pelo crescimento verificado em Riscos Múltiplos Habitação (3,8%), que representa 51% da produção do ramo. Saliente-se ainda o crescimento verificado na modalidade Agrícola Incêndio, que apesar de ser pouco representativa no total do ramo em análise, viu a sua produção duplicar em relação ao período homólogo. No terceiro trimestre de verificou-se um decréscimo significativo nos custos face ao trimestre homólogo (-41%), que conduziu a uma diminuição do rácio de sinistralidade para perto de metade do verificado em

13 Esta quebra veio registar uma inversão na evolução dos custos. Efectivamente, estes apresentaram uma tendência de crescimento até ao final do primeiro semestre, sendo que, relativamente aos nove primeiros meses de, registaram um decréscimo, ainda que muito ligeiro, de 0,7%. Em consequência, tanto desta diminuição como também do aumento da produção, o rácio de sinistralidade acumulado apresentou uma redução de 2 pontos percentuais. É de notar que a sinistralidade deste ramo, pela natureza dos riscos que o compõem, apresenta um comportamento volátil, tendo o seu rácio acumulado vindo a registar alternadamente quebras e acréscimos (41% em 2006, 39% em 2007, 53% em 2008 e 51% em ). 13

14 O ramo Automóvel tem vindo a registar uma diminuição progressiva dos prémios brutos emitidos de seguro directo, tendo, em Setembro de, apresentado um decréscimo de 7,9% (face a 7% no ano anterior). No trimestre em análise, constata-se que a conjugação do aumento dos custos em cerca de 4% e a diminuição de cerca de 5% verificada na produção originou um agravamento no rácio de sinistralidade de 6 pontos percentuais. Refira-se que, em termos acumulados, este rácio, considerando o decréscimo verificado na produção e o aumento registado nos custos, situou-se nos 76%, bem acima dos valores registados nos últimos anos (tipicamente abaixo dos 70%). 14

15 1. Evolução trimestral da cobertura das Durante os três primeiros trimestres de verificou-se um aumento do valor afectas à representação das das empresas de seguros na ordem dos 7,7%. Este comportamento resulta essencialmente da recuperação verificada nos mercados financeiros no período em apreço. Comparando valores de Setembro de com Dezembro de 2008, o rácio de cobertura das provisões técnicas cresceu 3 pontos percentuais no ramo Vida e manteve-se inalterado nos ramos Não Vida, ambos se situando acima dos 100% de cobertura, conforme se constata nos quadros seguintes: Valores em Provisões técnicas do ramo Vida 10 3 Euros Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Total Activos Total PT Vida excluindo ligados e PPR PPR Ligados Cobertura das PT Vida 100% 101% 101% 102% 104% Provisões técnicas de seguros Não vida Valores em 10 3 Euros Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Total Activos Total PT Acidentes de Outros seguros não vida Cobertura das PT Não vida 104% 110% 106% 107% 110% 15

16 2. Evolução trimestral da composição s No período em análise as carteiras de afectas à representação das das empresas de seguros sob supervisão do ISP apresentaram um acréscimo na ordem dos 9% no ramo Vida e de 0,7% em Não Vida. Ao longo dos últimos meses a estrutura s Vida e Não Vida manteve-se estável, verificando-se todavia um reforço do em instrumentos de dívida por contrapartida de disponibilidades. Em 30 de Setembro de os montantes aplicados em instrumentos de dívida representam cerca de 83% do total de s em Vida e 62% em Não Vida. Composição de seguros Vida Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Total activos (10 3 Euros) Dívida Pública 20% 19% 20% 19% 19% Obrigações Privadas 65% 60% 61% 64% 64% Acções 2% 2% 2% 2% 2% Fundos de 7% 9% 8% 7% 8% Imóveis 0% 0% 0% 0% 0% Outros 6% 10% 9% 8% 8% Composição de seguros Não vida Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Total activos (10 3 Euros) Dívida Pública 26% 24% 25% 25% 25% Obrigações Privadas 36% 35% 35% 36% 37% Acções 4% 5% 4% 5% 5% Fundos de 7% 7% 6% 6% 7% Imóveis 12% 11% 11% 11% 11% Outros 15% 19% 19% 17% 15% 16

17 No final de Setembro de a composição das carteiras dos activos das, dividida em carteira Vida excluindo seguros ligados, Seguros e operações ligadas e carteira Não Vida, era a seguinte: Composição s em Vida Ligados Não Vida Total Total activos (10 3 Euros) % % % % Dívida Pública % % % % Obrigações Privadas % % % % Acções % % % % Fundos de % % % % Imóveis % 959 0% % % Depósitos remunerados % % % % Disponibilidades à vista % % % % Derivados % % 63 0% % Empréstimos % 14 0% % % Créditos sobre resseguradores % % % % Outros activos aceites % % % % Os valores mobiliários apresentam uma dispersão geográfica bastante elevada, com os emitentes nacionais a representar 28,9% do total, enquanto os provenientes da União Europeia, excluindo Portugal, atingem os 49,6%. Apresenta-se seguidamente a dispersão do em função do sector económico do emitente. Importa destacar a relevância das emissões provenientes do sector financeiro (cerca de 72% dos s), resultante do papel que o sector bancário assume como intermediário no financiamento de uma parte relevante dos agentes económicos: Aplicações por sector económico em (Acções e Obrigações Privadas) Vida Ligados Não Vida Total Sector Económico Actividades Financeiras 73% 71% 66% 72% Produção e dist. de electricidade, gás e água 0% 1% 0% 1% Produtos Consumíveis 4% 1% 6% 3% Comunicações 2% 3% 4% 2% Industria 1% 3% 2% 2% Materiais básicos 1% 0% 1% 0% Asset Backed Securities 7% 2% 7% 5% Mortgage Securities 2% 0% 3% 1% Produção e dist. de combustíveis 4% 3% 6% 4% Outras actividades 3% 3% 3% 3% 17

18 3. Evolução dos riscos de taxa de A exposição ao risco de taxa de juro, quando medida pela duração média dos títulos de dívida (dívida pública, dívida de entidades privadas e produtos estruturados) existentes nas carteiras das empresas de seguros, tem-se mantido relativamente estável ao longo dos últimos 9 meses, apenas se notando um acréscimo de sensibilidade ao risco nos produtos estruturados. A maturidade média residual das mesmas aplicações decresceu no referido período, excepto nos produtos estruturados. O rating médio, indicador do risco de crédito das aplicações em instrumentos de dívida, tem-se mantido praticamente estável em AA, 5 níveis acima do nível investment grade (BBB), embora se observe um ligeiro decréscimo durante os dois últimos trimestres do período em análise. O rendimento das aplicações neste tipo de instrumentos, medido pela yield to maturity, cresceu ligeiramente durante o primeiro semestre (excluindo a dívida pública), reflectindo o acréscimo dos spreads praticados no mercado para a dívida privada neste período. Todavia, no último trimestre do período em análise as yields to maturity observadas decresceram, reflectindo a redução acumulada do nível dos spreads de crédito entre os 50% e os 70% 1, invertendo a tendência verificada ao longo de 2008 e no primeiro semestre de, especialmente nas maturidades abaixo dos 10 anos. Os gráficos seguintes identificam a estrutura das aplicações em dívida e o spread médio ponderado, em função da maturidade, onde se verifica o nível dos spreads dos s das empresas de seguros face à yield curve publicada pelo Banco Central Europeu 2. No final do terceiro trimestre de observa-se uma distribuição de maturidades das aplicações em instrumentos de dívida idêntica à existente em Dezembro de 2008, destacando-se, no entanto, um acréscimo nas maturidades até aos 8 anos, tendência já observada desde finais de Março deste ano. Pode-se verificar ainda que os níveis médios dos spreads de crédito a que as empresas de seguros se encontram expostas continuam a diminuir face aos máximos observados em Dezembro de 2008, com o consequente impacto positivo no valor destes activos nas carteiras. 1 Spread entre a Euro benchmark curve e a Euro Composite (AA) BVF curve [Bloomberg] 2 AAA-rated euro area central government bonds 18

19 Em Setembro de a maturidade média das aplicações em instrumentos de dívida era de 6 anos e a taxa de rendimento médio destes activos correspondia a 3,2%, ligeiramente inferior à taxa de rendimento do mercado deste tipo de instrumentos com rating equivalente (AA) e a mesma maturidade (3,6%) 3. O risco de preço, medido através da volatilidade anual média da variação dos preços das acções e unidades de participação em fundos de em cada data de referência, sofreu no segundo semestre de 2008 uma subida importante, fruto da instabilidade vivida nos mercados accionistas internacionais. Esta subida continuou a sentir-se no primeiro semestre de, embora de forma menos acentuada, tendose mantido durante o terceiro trimestre deste ano. As carteiras de s das empresas de seguros evidenciaram ao longo do último ano os seguintes níveis de volatilidade: Risco de preço (volatilidade) Set-08 Dez-08 Mar-09 Jun-09 Set-09 Vida (excluindo ligados) Acções 43,67 45,59 47,26 44,5 47,56 Fundos de 18,15 16,7 11,67 13,05 15,45 Ligados Acções 45,1 49,34 42,3 42,97 55,61 Fundos de 14,23 11,96 13,77 22,11 21,74 Não vida Acções 42 43,97 45,26 45,04 45,06 Fundos de 11,22 9,64 6,47 9,33 8,77 3 Fonte: Bloomberg, EUR Composite (AA) BFV Curve 19

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO 1. Evolução dos fundos de pensões 2. Composição das carteiras 2 SUMÁRIO Nos primeiros nove meses de 2015, ocorreu a extinção de três

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

OS INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES

OS INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES 6 OS INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES 6 OS Conjuntura internacional INVESTIMENTOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES 6.1. Introdução Em 2008, a turbulência nos

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO Em termos acumulados, a produção de seguro directo das empresas de seguros sob supervisão do ISP verificou um aumento de 13,7% face a 2009, praticamente explicado pelo ramo Vida. O ramo Automóvel

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 1º Trimestre de 2014 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos Centro de documentação No decurso de 2012, desenvolveram-se várias ações que visaram, mais uma vez, incrementar a qualidade e quantidade dos recursos documentais, atualizar, diversificar e melhorar os

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP 6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP i. Fundo de Garantia Automóvel Actividade Desenvolvida Em 2007 foram participados ao Fundo de Garantia Automóvel 5 515 acidentes, menos 12,8% do que em 2006. É de assinalar

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional: Ponto de Situação e Análise dos Principais Riscos

Sistema Financeiro Nacional: Ponto de Situação e Análise dos Principais Riscos Sistema Financeiro Nacional: Ponto de Situação e Análise dos Principais Riscos Sumário Executivo Ao longo do ano de 2011 o sistema bancário português desenvolveu a sua atividade num enquadramento macroeconómico

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento

Relatório Semestral de Acompanhamento 4.º relatório semestral Relatório Semestral de Acompanhamento 1º semestre 2012 Município de Mondim de Basto julho de 2012 1 ÍNDICE I. Introdução...3 II. Execução do Plano de Contenção de Despesa Corrente...4

Leia mais

Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Relatório do Mercado de Seguros de 2013 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de 2014 1

Leia mais

RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR

RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR IIIº Trimestre 2011 Banco de Cabo Verde Departamento de Supervisão e Estabilidade das Instituições Financeiras Área de Supervisão do Sector Segurador Avenida Amílcar

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Relatório e Contas 2012 Caixa Central

Relatório e Contas 2012 Caixa Central Relatório e Contas 2012 Caixa Central Página 1 Relatório e Contas 2012 Caixa Central Página 2 Análise Financeira Relatório e Contas 2012 Caixa Central Página 3 Análise Financeira Demonstração de Resultados

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

OS FUNDOS DE PENSÕES

OS FUNDOS DE PENSÕES 5 OS FUNDOS DE PENSÕES 5. OS FUNDOS DE PENSÕES 5.1. Mercado de fundos de pensões 5.1.1. Nota introdutória Previamente à apresentação dos factos mais relevantes da actividade dos fundos de pensões durante

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

Estatísticas Vitais 2014

Estatísticas Vitais 2014 Estatísticas Vitais 214 3 de abril de 215 Manteve-se o saldo natural negativo e a diminuição do número de casamentos Em 214 registaram-se 82 367 nascimentos com vida de crianças cujas mães eram residentes

Leia mais

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005

INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 Data Tema Acontecimento 21/02 Economia 01/03 Preços 01/03 Economia 01/03 Emprego 02/03 Indústria 03/03 Economia INE divulgou Síntese Económica de Conjuntura 4.º Trimestre 2005 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060221-2/d060221-2.pdf

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais

Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos. Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas Sociais Artig tigo 4º_ página 67 A mortalidade por VIH/SIDA em Portugal: alterações da estrutura etária Autora: Maria dos Anjos Leitão de Campos Instituto Nacional de Estatística / Departamento de Estatísticas

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais