Estatísticas de Seguros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatísticas de Seguros"

Transcrição

1 Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension Funds Supervisory Authority

2 Ficha Técnica Propriedade e Edição Instituto de Seguros de Portugal Av. da República, n.º Lisboa Portugal Telefone: Endereço electrónico:

3 Capítulo I Mercado Segurador Número de empresas de seguros a operar em Portugal (Quadro 1) Distribuição percentual do número de empresas de seguros (Gráfico 1) Número de empresas de seguros, distribuído pelos grupos de ramos Não Vida (Quadro 2) Delegações das empresas de seguros (Gráfico 2) Empresas de seguros nacionais, autorizadas a operar no estrangeiro (Quadro 3) Empresas de seguros estrangeiras, autorizadas a operar em Portugal (Quadro 4) Distribuição dos prémios de seguro directo por canais de distribuição (Quadro 5) Canais de distribuição Vida (Gráfico 3) Canais de distribuição Ramos Não Vida (Gráfico 4) Número de apólices e respectivos capitais ou rendas seguros (Quadro 6) Número de trabalhadores das empresas de seguros (Quadro 7) Número de mediadores inscritos e respectivas remunerações (Quadro 8) Mediadores, dispersão geográfica (Gráfico 5) Capítulo II Contas Anuais Activo Líquido do conjunto das empresas (Quadro 9.1) Passivo e Capital Próprio do conjunto das empresas (Quadro 9.2) Conta Técnica Vida do conjunto das empresas (Quadro 9.3) Seguros de Vida (Quadro 9.3.1) Seguros de Vida Ligados (Quadro 9.3.2) Operações de Capitalização (Quadro 9.3.3) Contratos de Investimento (Quadro 9.3.4) Gestão dos Fundos de Pensões (Quadro 9.3.5) Conta Técnica Não Vida do conjunto das empresas (Quadro 9.4) Acidentes e Doença (Quadro 9.4.1) Acidentes de Trabalho (Quadro ) Acidentes Pessoais (Quadro ) Pessoas Transportadas (Quadro ) Estatísticas de Seguros 3

4 Doença (Quadro ) Contratos de Prestação de Serviços Acidentes e Doença (Quadro ) Incêndio e Outros Danos em Coisas (Quadro 9.4.2) Incêndio e Elementos da Natureza (Quadro ) Agrícola Incêndio (Quadro ) Agrícola Colheitas (Quadro ) Pecuário (Quadro ) Roubo (Quadro ) Cristais (Quadro ) Deterioração de Bens Refrigerados (Quadro ) Avaria de Máquinas (Quadro ) Riscos Múltiplos Habitação (Quadro ) Riscos Múltiplos Comerciantes (Quadro ) Riscos Múltiplos Industrial (Quadro ) Riscos Múltiplos Outros (Quadro ) Outros Danos em Coisas Outros (Quadro ) Automóvel (Quadro 9.4.3) R. Civil Veículos Terrestres a motor (Quadro ) Veículos Terrestres (Quadro ) Mercadorias Transportadas (Quadro ) Pessoas Transportadas (Quadro ) Marítimo e Transportes (Quadro 9.4.4) Embarcações Marítimas, Lacustres e Fluviais (Quadro ) R. Civil Embarcações Marítimas, Lacustres e Fluviais (Quadro ) Mercadorias Transportadas (Quadro ) Pessoas Transportadas (Quadro ) Aéreo (Quadro 9.4.5) Aeronaves (Quadro ) R. Civil Aeronaves (Quadro ) Estatísticas de Seguros 4

5 Mercadorias Transportadas (Quadro ) Mercadorias Transportadas (Quadro 9.4.6) Responsabilidade Civil Geral (Quadro 9.4.7) Produtos (Quadro ) Profissional (Quadro ) Exploração (Quadro ) Caçadores (Quadro ) Outros (Quadro ) Diversos (Quadro 9.4.8) Crédito (Quadro ) Caução (Quadro ) Perdas Pecuniárias Diversas (Quadro ) Protecção Jurídica (Quadro ) Assistência (Quadro ) Diversos Outros (Quadro ) Conta Não Técnica do conjunto das empresas (Quadro 9.5) Capítulo III Prémios, Custos e Provisões Técnicas Prémios, custos com sinistros, custos de exploração e provisões técnicas Acidentes e Doença (Quadro 10) Incêndio e Outros Danos (Quadro 11) Automóvel (Quadro 12) Marítimo e Transportes (Quadro 13) Aéreo (Quadro 14) Mercadorias Transportadas (Quadro 15) Responsabilidade Civil Geral (Quadro 16) Diversos (Quadro 17) Montante dos gastos com o pessoal (Quadro 18) Distribuição dos gastos com o pessoal (Gráfico 6) Estatísticas de Seguros 5

6 Capítulo IV Ramo Vida Vida, excepto op. de capitalização e seguros complementares, seguro directo (Quadro 19) Individual (Quadro 20) Grupo (Quadro 21) Rendas vitalícias, seguro directo contratos de seguro (Quadro 22) Rendas certas, seguro directo contratos de seguro (Quadro 23) Rendas sobrevivência, seguro directo contratos de seguro (Quadro 24) Outras rendas, seguro directo contratos de seguro (Quadro 25) Temporários, seguro directo contratos de seguro (Quadro 26) Mistos, seguro directo contratos de seguro (Quadro 27) Vida inteira, seguro directo contratos de seguro (Quadro 28) Tipo Universal Life, seguro directo Individual (Quadro 29) Tipo Universal Life, seguro directo Grupo (Quadro 30) Capitais diferidos com contra seguro Individual (Quadro 31) Capitais diferidos com contra seguro, seguro directo Grupo (Quadro 32) Capitais diferidos sem contra seguro, seguro directo Individual (Quadro 33) Tipo PPR, seguro directo (Quadro 34) Operações de capitalização, seguro directo (Quadro 35) Seguros complementares, seguro directo (Quadro 36) Indicadores seguro directo (Quadro 37) Número de pessoas expostas ao risco e mortalidade por sexo Rendas vitalícias imediatas provenientes de fundos de pensões (Quadro 38) Seguros em caso de vida Individual e Grupo (Quadro 39) Seguros em caso de morte Individual e Grupo (Quadro 40) Capítulo V Acidentes de Trabalho Prémios, custos de exploração, custos com sinistros e provisões técnicas (Quadro 41) Informação geral seguro directo (Quadro 42) Indicadores seguro directo (Quadro 43) Estatísticas de Seguros 6

7 Estrutura dos custos com sinistros, montantes pagos seguro directo (Quadro 44) Número de sinistros conjunto (Quadro 45) Montantes pagos conjunto (Quadro 46) Provisão para sinistros líquida de reembolsos conjunto (Quadro 47) Número de sinistros encerrados no exercício, por duração de incapacidade (Quadro 48) Número de pensionistas e montante das pensões pagas, surgidos no exercício (Quadro 49) Mortalidade dos pensionistas (Quadro 50) Remaridação dos pensionistas (Quadro 51) Capítulo VI Doença Prémios, custos de exploração, custos com sinistros e provisões técnicas (Quadro 52) Informação geral seguro directo (Quadro 53) Indicadores seguro directo (Quadro 54) Montantes pagos e provisão para sinistros, por cobertura, de seguro directo (Quadro 55) Capítulo VII Automóvel Prémios, custos de exploração, custos com sinistros e provisões técnicas (Quadro 56) Informação geral seguro directo (Quadro 57) Indicadores seguro directo (Quadro 58) Número de sinistros e montantes pagos, por tipo de cobertura e dano (Quadro 59) Número de sinistros, conjunto (Quadro 60) Montantes pagos, conjunto (Quadro 61) Provisão para sinistros, conjunto (Quadro 62) Parque Automóvel seguro, por distrito e categoria de veículo (Quadro 63) Parque Automóvel seguro, concentração por distrito (Gráfico 7) Parque Automóvel seguro, por categoria de veículo e ano de construção (Quadro 64) Capítulo VIII Outros Ramos Número de apólices, capitais seguros e número de sinistros (Quadro 65) Estatísticas de Seguros 7

8 Prémios, custos de exploração e custos com sinistros (Quadro 66) Indicadores seguro directo (Quadro 67) Capítulo IX Resseguro Resseguro aceite Prémios, custos com sinistros, custos de exploração e provisões (Quadro 68) Prémios, custos e provisões, por ramos de Não Vida (Quadro 69) Resseguro cedido Prémios, custos com sinistros, custos de exploração e provisões (Quadro 70) Capítulo X Investimentos Investimentos das empresas de seguros (Quadro 71) Dispersão dos investimentos por classe de activos (Gráfico 8) Rendibilidade dos investimentos (Quadro 72) Activos representativos das provisões técnicas (Quadro 73) Cobertura das provisões técnicas (Quadro 74) Investimentos por sector económico do emitente (Quadro 75) Investimentos por sector geográfico do emitente (Quadro 76) Capítulo XI Solvência Margem de solvência, por grupo de actividade (Quadro 77) Capítulo XII Principais rubricas de Balanço e de Ganhos e Perdas das Empresas de Seguros Activo (Quadro 78) Passivo (Quadro 79) Conta técnica Vida (Quadro 80) Conta técnica de Não Vida (Quadro 81) Conta não técnica (Quadro 82) Estatísticas de Seguros 8

9 Capítulo I Mercado Segurador

10

11 Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal 2009 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento Empresas de seguros de direito português Empresas de seguros Empresas de resseguro Mútuas Sucursais de empresas de seguros estrangeiras Sediadas na União Europeia Sediadas noutros países Em regime de livre prestação de serviços Gráfico 1 Distribuição percentual do número de empresas de seguros 100% 80% 60% 40% 20% 0% Empresas de direito português Sucursais de empresas estrangeiras Vida Não Vida Mistas Em regime de livre prestação de serviços Estatísticas de Seguros Mercado 11

12 Quadro 2 Número de empresas de seguros, distribuído pelos grupos de ramos Não Vida 2009 Empresas de seguros Empresas de resseguro Mútuas Sucursais sediadas fora da EU Acidentes e Doença Acidentes de Trabalho Doença Incêndio e Outros Danos Riscos Múltiplos Habitação Riscos Múltiplos Comerciantes Riscos Múltiplos Industrial Automóvel Marítimo e Transportes Aéreo Mercadorias Transportadas R. Civil Geral Diversos Crédito Caução Assistência Gráfico 2 Delegações das empresas de seguros Menos de 30 Entre 30 e 60 Entre 60 e 90 Mais de 90 Estatísticas de Seguros Mercado 12

13 Quadro 3 Empresas de seguros nacionais, autorizadas a operar no estrangeiro 2009 Em regime de estabelecimento Número Prémios (milhares de euros) Em regime de livre prestação de serviços Número Prémios (milhares de euros) Alemanha Áustria Bélgica Dinamarca 0 3 Espanha Finlândia 0 0 França Grécia 0 1 Holanda Irlanda 0 3 Itália Luxemburgo Macau Noruega 0 1 Polónia Reino Unido Suécia 0 1 Total % no total da Produção 0,99% 0,05% Quadro 4 Empresas de seguros estrangeiras, autorizadas a operar em Portugal 2008 Alemanha Áustria Bélgica Dinamarca Espanha Estados Unidos da América Finlândia França Holanda Hungria Irlanda Itália Liechtenstein Luxemburgo Malta Noruega Reino Unido Suécia Suiça Total Em regime de estabelecimento Em regime de livre prestação de serviços Estatísticas de Seguros Mercado 13

14 Quadro 5 Distribuição dos prémios de seguro directo por canais de distribuição Mediadores Venda directa 2009 Telefone / Outros Bancos Outros Balcões Internet Vida (Excluíndo PPR) 42,2% 49,9% 7,7% 0,0% 0,2% PPR 66,5% 29,4% 3,9% 0,0% 0,2% Acidentes e Doença 5,3% 84,7% 8,8% 0,1% 1,2% Acidentes de Trabalho 1,8% 88,9% 8,8% 0,0% 0,5% Doença 8,4% 80,6% 9,1% 0,1% 1,7% Incêndio e Outros Danos 5,9% 82,9% 10,6% 0,1% 0,5% Riscos Múltiplos 6,7% 83,8% 9,0% 0,1% 0,5% Automóvel 2,8% 85,2% 7,5% 4,0% 0,5% Marítimo e Transportes 0,9% 60,4% 33,4% 0,0% 5,3% Aéreo 0,7% 83,0% 14,7% 0,0% 1,7% Mercadorias Transportadas 2,3% 87,7% 9,4% 0,0% 0,6% R. Civil Geral 2,5% 85,2% 11,8% 0,0% 0,5% Diversos 1,1% 70,5% 18,8% 6,6% 3,0% Gráfico 3 Canais de distribuição (Vida) Vida (Excluíndo PPR) PPR 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Mediadores Bancos Mediadores Outros Balcões Telefone/Internet Outros Gráfico 4 Canais de distribuição (Ramos Não Vida) Acidentes e Doença Incêndio e Outros Danos Automóvel Marítimo e Transportes Aéreo Mercadorias Transportadas R. Civil Geral Diversos 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Mediadores Bancos Mediadores Outros Balcões Telefone/Internet Outros Estatísticas de Seguros Mercado 14

15 Quadro 6 Número de apólices e respectivos capitais ou rendas seguros, existentes no final do exercício Vida (1) N.º Apólices Capitais Seguros (milhões ) N.º Apólices Capitais Seguros (milhões ) Vida não ligados Vida ligados Contratos de investimento Não Vida Acidentes Incêndio e Outros Danos Incêndio e Elementos da Natureza Outros Danos em Coisas Automóvel R. C. Veículos Terrestres Veículos Terrestres Mercadorias Transportadas Pessoas Transportadas Marítimo, Aéreo e Transportes Mercadorias Transportadas R. Civil Geral Crédito e Caução Assistência, Protecção Jurídica e Outros (1) Não inclui operações de capitalização Quadro 7 Número de trabalhadores das empresas de seguros Empresas de seguros Empresas de seguros de direito português Empresas de seguros Empresas de resseguro Mútuas Sucursais de empresas de seguros estrangeiras Sediadas na União Europeia Sediadas noutros países Estatísticas de Seguros Mercado 15

16 Quadro 8 Número de mediadores inscritos no final do exercício e respectivas remunerações 2009 N.º Mediadores Remunerações (milhares ) Agentes Pessoas Singulares Pessoas Colectivas Corretores de Seguros Pessoas Singulares 1 55 Pessoas Colectivas Mediadores de Seguros Ligados Mediadores de Seguros Ligados Mediadores de Resseguros Total Gráfico 5 Mediadores, dispersão geográfica Menos de 500 Entre 500 e 1000 Entre 1000 e 2000 Mais de 2000 Estatísticas de Seguros Mercado 16

17 Capítulo II Contas Anuais

18

19 Quadro 9.1 Activo Líquido do conjunto das empresas Caixa e seus equivalentes e depósitos à ordem ,7% Investimentos em filiais, associadas e empreendimentos conjuntos ,6% Activos financeiros detidos para negociação ,1% Activos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,4% Derivados de cobertura ,5% Activos financeiros disponíveis para venda ,0% Empréstimos concedidos e contas a receber ,1% Depósitos junto de empresas cedentes ,2% Outros depósitos ,0% Empréstimos concedidos ,9% Contas a receber ,6% Outros ,5% Investimentos a deter até à maturidade ,5% Terrenos e edíficios ,1% Terrenos e edíficios de uso próprio ,9% Terrenos e edifícios de rendimento ,5% Outros activos tangíveis ,0% Inventários ,6% Goodwill ,7% Outros activos intangíveis ,0% Provisões técnicas de resseguro cedido ,5% Ramo Vida ,9% Provisão matemática ,5% Provisão para sinistros ,4% Provisão para participação nos resultados ,6% Provisão para compromissos de taxa Provisão para estabilização de carteira Provisão para prémios não adquiridos ,9% Prov. técnica relativa a seg. vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador de seguro Outras provisões técnicas Ramos Não Vida ,4% Provisão para prémios não adquiridos ,4% Provisão para sinistros ,3% Provisão para participação nos resultados ,6% Outras provisões técnicas Activos por benefícios pós emprego e outros benefícios de longo prazo ,5% Outros devedores por operações de seguros e outras operações ,0% Contas a receber por operações de seguro directo ,0% Contas a receber por operações de resseguro ,2% Contas a receber por outras operações ,1% Activos por impostos e taxas ,0% Activos por impostos (e taxas) correntes ,8% Activos por impostos diferidos ,2% Acréscimos e diferimentos ,5% Outros elementos do activo ,7% Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Total do Activo Líquido ,5% Estatísticas de Seguros Contas Anuais 19

20 Quadro 9.2 Passivo e Capital Próprio do conjunto das empresas Provisões técnicas ,6% Ramo Vida ,7% Provisão matemática ,5% Provisão para sinistros ,0% Provisão para participação nos resultados ,7% Provisão para participação nos resultados a atribuir ,2% Provisão para participação nos resultados atribuída ,7% Provisão para compromissos de taxa ,7% Provisão para estabilização de carteira ,5% Provisão para prémios não adquiridos ,0% Provisão para riscos em curso Provisão técnica relativa a seguros de vida em que o risco de investimento é suportado pelo tomador de seguro ,0% Outras provisões técnicas ,4% Ramos Não Vida ,2% Provisão para prémios não adquiridos ,5% Provisão para sinistros ,6% De acidentes de trabalho ,7% De outros ramos ,1% Provisão para participação nos resultados ,0% Provisão para desvios de sinistralidade ,7% Provisão para riscos em curso ,8% Provisão para envelhecimento ,0% Outras provisões técnicas Passivos financeiros da componente de depósito de contratos de seguro e de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ,7% Outros passivos financeiros ,3% Derivados de cobertura ,9% Passivos subordinados ,9% Depósitos recebidos de resseguradores ,8% Outros ,9% Passivos por benefícios pós emprego e outros benefícios de longo prazo ,9% Outros credores por operações de seguros e outras operações ,3% Contas a pagar por operações de seguro directo ,3% Contas a pagar por operações de resseguro ,2% Contas a pagar por outras operações ,2% Passivos por impostos e taxas ,1% Passivos por impostos (e taxas) correntes ,4% Passivos por impostos diferidos ,8% Acréscimos e diferimentos ,9% Outras provisões ,4% Outros elementos do passivo ,4% Passivos de um grupo para alienação classificado como detido para venda Total do Passivo ,0% Capital ,7% (Acções Próprias) ,0% Outros instrumentos de capital ,1% Reservas de reavaliação Por ajustamentos no justo valor de activos financeiros Por revalorização de terrenos e edifícios de uso próprio ,1% Por revalorização de outros activos tangíveis ,0% Por revalorização de activos intangíveis ,0% Por ajustamentos no justo valor de instrumentos de cobertura em coberturas de fluxos de caixa Por ajustamentos no justo valor de cobertura de investimentos líquidos em moeda estrangeira De diferenças de câmbio ,4% Reserva por impostos diferidos Outras reservas ,6% Resultados transitados ,3% Resultado do exercício Total do Capital Próprio ,9% Total Passivo e Capital Próprio ,5% Estatísticas de Seguros Contas Anuais 20

21 Quadro 9.3 Conta Técnica Vida do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,4% Prémios brutos emitidos ,8% Prémios de resseguro cedido ,3% Provisão para prémios não adquiridos (variação) ,4% Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) ,1% Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços ,7% Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,2% Montantes pagos ,4% Montantes brutos ,2% Parte dos resseguradores ,8% Provisão para sinistros (variação) ,3% Montante bruto ,2% Parte dos resseguradores Provisão matemática, líquida de resseguro ,4% Montante Bruto ,1% Parte dos resseguradores Participação nos resultados a atribuir ,3% Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,5% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro Custos e gastos de exploração líquidos ,9% Custos de aquisição ,3% Custos de aquisição diferidos (variação) ,5% Gastos administrativos ,2% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,8% Rendimentos ,7% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,9% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,1% Gastos financeiros De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,8% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,6% Outros Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,4% De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber ,1% De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado ,7% De outros Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,3% De activos e passivos financeiros detidos para negociação De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,7% Diferenças de câmbio Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,9% De activos disponíveis para venda ,8% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado 1 70 De investimentos a deter até à maturidade 4 83 De Outros ,0% Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,8% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico Estatísticas de Seguros Contas Anuais 21

22 Quadro Conta Técnica dos Seguros de Vida do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,4% Prémios brutos emitidos ,8% Prémios de resseguro cedido ,3% Provisão para prémios não adquiridos (variação) ,4% Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) ,1% Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,3% Montantes pagos ,5% Montantes brutos ,3% Parte dos resseguradores ,8% Provisão para sinistros (variação) ,7% Montante bruto ,3% Parte dos resseguradores Provisão matemática, líquida de resseguro ,3% Montante Bruto ,3% Parte dos resseguradores Participação nos resultados a atribuir ,2% Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,4% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro Custos e gastos de exploração líquidos ,2% Custos de aquisição ,6% Custos de aquisição diferidos (variação) ,7% Gastos administrativos ,7% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,8% Rendimentos ,9% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,6% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,8% Gastos financeiros ,9% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,0% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,9% Outros ,4% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber ,0% De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros ,8% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,6% De activos e passivos financeiros detidos para negociação ,6% De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,1% Diferenças de câmbio Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,0% De activos disponíveis para venda ,0% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado 1 70 De investimentos a deter até à maturidade 4 83 De Outros ,0% Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,7% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico Estatísticas de Seguros Contas Anuais 22

23 Quadro Conta Técnica dos Seguros de Vida Ligados do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,7% Prémios brutos emitidos ,7% Prémios de resseguro cedido ,3% Provisão para prémios não adquiridos (variação) Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,2% Montantes pagos ,6% Montantes brutos ,6% Parte dos resseguradores Provisão para sinistros (variação) Montante bruto Parte dos resseguradores Provisão matemática, líquida de resseguro ,4% Montante Bruto ,4% Parte dos resseguradores 4 0 Participação nos resultados a atribuir ,2% Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,4% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro ,6% Custos e gastos de exploração líquidos ,2% Custos de aquisição ,4% Custos de aquisição diferidos (variação) Gastos administrativos ,6% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,0% Rendimentos ,6% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,4% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,0% Gastos financeiros ,2% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,3% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,5% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,6% De activos disponíveis para venda ,6% De empréstimos e contas a receber De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos e passivos financeiros detidos para negociação ,4% De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas Diferenças de câmbio 14 0 Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Perdas de imparidade (líquidas reversão) De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico ,2% Estatísticas de Seguros Contas Anuais 23

24 Quadro Conta Técnica das Operações de Capitalização do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,6% Prémios brutos emitidos ,6% Prémios de resseguro cedido Provisão para prémios não adquiridos (variação) Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,1% Montantes pagos ,5% Montantes brutos ,5% Parte dos resseguradores Provisão para sinistros (variação) Montante bruto Parte dos resseguradores Provisão matemática, líquida de resseguro ,7% Montante Bruto ,7% Parte dos resseguradores Participação nos resultados a atribuir Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,0% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro Custos e gastos de exploração líquidos ,9% Custos de aquisição ,7% Custos de aquisição diferidos (variação) ,5% Gastos administrativos ,1% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido Rendimentos ,2% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,7% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,5% Gastos financeiros ,9% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,4% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,2% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,6% De activos disponíveis para venda ,6% De empréstimos e contas a receber De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos e passivos financeiros detidos para negociação ,7% De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas Diferenças de câmbio Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,0% De activos disponíveis para venda ,0% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,1% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico Estatísticas de Seguros Contas Anuais 24

25 Quadro Conta Técnica dos Contratos de Investimento do conjunto das empresas Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços ,7% Custos e gastos de exploração líquidos ,2% Custos de aquisição ,8% Gastos administrativos ,2% Rendimentos ,3% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,1% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,8% Gastos financeiros De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,1% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,5% Outros Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,8% De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber 4 0 De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado ,7% De outros ,7% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,1% De activos e passivos financeiros detidos para negociação De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,1% Diferenças de câmbio Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,0% De activos disponíveis para venda ,0% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico ,0% Quadro Conta Técnica referente à gestão dos Fundos de Pensões do conjunto das empresas Custos e gastos de exploração líquidos ,1% Custos de aquisição ,9% Gastos administrativos ,2% Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,5% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico ,7% Estatísticas de Seguros Contas Anuais 25

26 Quadro 9.4 Conta Técnica Não Vida do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,3% Prémios brutos emitidos ,7% Prémios de resseguro cedido ,6% Provisão para prémios não adquiridos (variação) ,1% Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) ,1% Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços ,3% Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,5% Montantes pagos ,5% Montantes brutos ,1% Parte dos resseguradores ,4% Provisão para sinistros (variação) Montante bruto Parte dos resseguradores Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,9% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro (variação) ,1% Custos e gastos de exploração líquidos ,0% Custos de aquisição ,6% Custos de aquisição diferidos (variação) Gastos administrativos ,6% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,5% Rendimentos ,3% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,6% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,0% Gastos financeiros ,4% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,4% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,7% Outros ,4% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber 28 1 De investimentos a deter até à maturidade ,8% De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros ,5% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,5% De activos e passivos financeiros detidos para negociação ,2% De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,3% Diferenças de câmbio ,8% Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas ,1% Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,2% De activos disponíveis para venda ,8% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros ,7% Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,6% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico ,8% Estatísticas de Seguros Contas Anuais 26

27 Quadro Conta Técnica de Acidentes e Doença do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,7% Prémios brutos emitidos ,1% Prémios de resseguro cedido ,0% Provisão para prémios não adquiridos (variação) ,8% Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) ,8% Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços ,3% Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,3% Montantes pagos ,4% Montantes brutos ,1% Parte dos resseguradores ,0% Provisão para sinistros (variação) ,1% Montante bruto ,6% Parte dos resseguradores ,7% Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,2% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro (variação) Custos e gastos de exploração líquidos ,1% Custos de aquisição ,4% Custos de aquisição diferidos (variação) ,7% Gastos administrativos ,7% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,5% Rendimentos ,2% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,4% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,5% Gastos financeiros ,8% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,5% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,9% Outros ,0% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber 18 0 De investimentos a deter até à maturidade ,9% De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros ,4% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,4% De activos e passivos financeiros detidos para negociação ,7% De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,8% Diferenças de câmbio Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas ,5% Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,6% De activos disponíveis para venda ,5% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros ,0% Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,6% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico Estatísticas de Seguros Contas Anuais 27

28 Quadro Conta Técnica de Acidentes de Trabalho do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,3% Prémios brutos emitidos ,5% Prémios de resseguro cedido ,2% Provisão para prémios não adquiridos (variação) Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) ,7% Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,0% Montantes pagos ,8% Montantes brutos ,6% Parte dos resseguradores ,9% Provisão para sinistros (variação) ,2% Montante bruto Parte dos resseguradores ,5% Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,6% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro (variação) Custos e gastos de exploração líquidos ,7% Custos de aquisição ,1% Custos de aquisição diferidos (variação) Gastos administrativos ,5% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,2% Rendimentos ,7% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,0% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,0% Gastos financeiros ,5% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,7% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,7% Outros ,9% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros ,1% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas ,8% De activos e passivos financeiros detidos para negociação ,1% De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas ,8% Diferenças de câmbio Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas ,0% Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,2% De activos disponíveis para venda ,9% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro ,7% Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico Estatísticas de Seguros Contas Anuais 28

29 Quadro Conta Técnica de Acidentes Pessoais do conjunto das empresas Prémios adquiridos líquidos de resseguro ,4% Prémios brutos emitidos ,8% Prémios de resseguro cedido ,4% Provisão para prémios não adquiridos (variação) ,1% Provisão para prémios não adquiridos, parte de resseguradores (variação) ,2% Comissões de contratos de seguro e operações considerados para efeitos contabilísticos como contratos de investimento ou como contratos de prestação de serviços Custos com sinistros, líquidos de resseguro ,9% Montantes pagos ,0% Montantes brutos ,6% Parte dos resseguradores ,1% Provisão para sinistros (variação) ,7% Montante bruto ,3% Parte dos resseguradores Participação nos resultados atribuída, líquida de resseguro ,0% Outras provisões técnicas, líquidas de resseguro (variação) Custos e gastos de exploração líquidos ,5% Custos de aquisição ,9% Custos de aquisição diferidos (variação) ,8% Gastos administrativos ,9% Comissões e participação nos resultados de resseguro cedido ,6% Rendimentos ,8% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,2% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas Outros ,3% Gastos financeiros ,9% De juros de activos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,5% De juros de passivos financeiros não valorizados ao justo valor por via de ganhos e perdas ,4% Outros ,4% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros não valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos disponíveis para venda De empréstimos e contas a receber 18 0 De investimentos a deter até à maturidade De passivos financeiros valorizados a custo amortizado De outros ,4% Ganhos líquidos de activos e passivos financeiros valorizados ao justo valor através de ganhos e perdas De activos e passivos financeiros detidos para negociação De activos e passivos financeiros classificados no reconhecimento inicial ao justo valor através de ganhos e perdas Diferenças de câmbio 7 0 Ganhos líquidos pela venda de activos não financeiros que não estejam classificados como activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas 44 8 Perdas de imparidade (líquidas reversão) ,1% De activos disponíveis para venda ,3% De empréstimos e contas a receber valorizados a custo amortizado De investimentos a deter até à maturidade De Outros ,5% Outros rendimentos/gastos técnicos, líquidos de resseguro Ganhos e perdas de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizados pelo método da equivalência patrimonial Ganhos e perdas de activos não correntes (ou grupos para alienação) classificados como detidos para venda Resultado Técnico ,5% Estatísticas de Seguros Contas Anuais 29

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2009 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 16 25 6 47

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2009 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 16 25 6 47 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 29 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 22 52 3 87 Empresas de seguros de direito português 6 25 6 47 Empresas de seguros 6

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2010 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2010 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46 Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal 21 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 21 5 12 83 Empresas de seguros de direito português 15 24 7 46 Empresas de seguros

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 (atualizado em 23 de janeiro de 2014) No ano de 2013 o volume da produção de seguro direto em Portugal foi ligeiramente superior a 13 mil milhões de euros,

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 1. Enquadramento da Atividade Macroeconomia A economia europeia vive uma das maiores crises da sua história,

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 (atualizado em 15 de janeiro de 2015) No ano de 2014, o volume da produção de seguro direto em Portugal foi de 14,3 mil milhões de euros, refletindo

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 ÍNDICE 1. Enquadramento macroeconómico... 2 2. Atividade da empresa... 3 3. Perspetivas para 2014... 5

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014

ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014 ACP MOBILIDADE, Sociedade de Seguros de Assistência, S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2014 ÍNDICE 1. Enquadramento macroeconómico... 2 2. Atividade da empresa... 3 3. Políticas de gestão de risco...

Leia mais

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo

CASA DO POVO DA ALAGOA. Demonstrações Financeiras e Anexo CASA DO POVO DA ALAGOA Demonstrações Financeiras e Anexo em 31 de Dezembro de 2014 BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 RUBRICAS ACTIVO Euros DATAS 31-12-2014 31-12-2013 Activo não corrente Activos fixos

Leia mais

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013

BALANÇO EM 31 de Dezembro de 2013. NOTAS 31 Dez 2013 Entida:ANIPB - Associação Nacional s Industriais Prefabricação em Betão BALANÇO EM 31 Dezembro 2013 Nº Contribuinte: 0084421 RUBRICAS 31 Dez 2013 31 Dez 2012 ATIVO Ativo Não Corrente Ativos Fixos Tangíveis

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado)

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO EXERCÍCIO DE 2011 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (Montantes em Euros, excepto

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A.

Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Via Directa - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Via Directa 2008 Índice 2 Índice 3 4 12 18 66 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

EUROP ASSISTANCE. Companhia Portuguesa de Seguros, S.A.

EUROP ASSISTANCE. Companhia Portuguesa de Seguros, S.A. EUROP ASSISTANCE Companhia Portuguesa de Seguros, S.A. Relatório e Contas do Exercício de 2010 ORGÃOS SOCIAIS Assembleia Geral Presidente Vice-Presidente Secretário Giovanni Maria Incisa di Camerana Rui

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2008 Índice 2 Índice 3 4 8 14 65 70 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013 RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013 Fevereiro de 2014 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE ÓRGÃOS SOCIAIS... 5 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 7 I. A DINÂMICA DOS MERCADOS...

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012 Março de 2013 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE I. A DINÂMICA DO MERCADO... 5 A. ECONOMIA INTERNACIONAL... 5 B. ECONOMIA NACIONAL... 5

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES.Nº 83/99 GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS BÁSICOS PRELIMINARES SOBRE SEGUROS PARA O ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Recomendação Nº

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ISII - Inquérito sobre Investimento Internacional Maio 2012 Lisboa, 2012 www.bportugal.pt ÍNDICE I Introdução 1 II Enquadramento legal 2 III Contatos 2 IV Página Inicial 3

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A.

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. INTRODUÇÃO A GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. (ex GAN PORTUGAL VIDA Companhia de Seguros, S.A.) foi constituída em 1991 com um capital social inicial de 1.5. contos, sendo

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação

Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n. º 5/2008 Deveres de Informação (Revoga o Regulamento da CMVM nº 4/2004 e altera os Regulamentos da CMVM nºs 7/2001

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Introdução aos seguros

Introdução aos seguros Universidade Técnica de Lisboa ISEG Introdução aos seguros O equíbrio financeiro e os rácios nas empresas de seguros Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Mestrado em Ciências Actuarias Ano Lectivo

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2009 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2009 Índice 2 Índice 3 4 12 18 85 90 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

ÍNDICE FICHA TÉCNICA. Relatório e Contas 2010 Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Relatório e Contas 2010 1

ÍNDICE FICHA TÉCNICA. Relatório e Contas 2010 Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Relatório e Contas 2010 1 Relatório e Contas 2010 Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Relatório e Contas 2010 1 Relatório e Contas 2010 Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Índice Órgãos Sociais 9 Assembleia Geral

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Relatório do Mercado de Seguros de 2013 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de 2014 1

Leia mais

ÍNDICE FICHA TÉCNICA RELATÓRIO E CONTAS. Allianz Portugal Companhia de Seguros, S. A.

ÍNDICE FICHA TÉCNICA RELATÓRIO E CONTAS. Allianz Portugal Companhia de Seguros, S. A. FICHA TÉCNICA RELATÓRIO E CONTAS 2011 Allianz Portugal Companhia de Seguros, S. A. Relatório e Contas 2010 1 Relatório e Contas 2011 Allianz Portugal FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA Índice Órgãos Sociais Corpos

Leia mais

Demonstrações financeiras

Demonstrações financeiras EMOSE EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS, S.A. Demonstrações financeiras 31 de Dezembro de 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Página BALANÇO 1 CONTA DE GANHOS E

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira

1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira ANÁLISE DE FLUXOS A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ESTGV-IPV Mestrado em Finanças Empresariais 1. O Fluxo de Caixa para á Análise Financeira A análise baseada nos fluxos visa ultrapassar algumas das limitações

Leia mais

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229 Relatório do Auditor Independent sobre informações financeiras resumidas Para: Acionistas da Companhia Ônix SEGUROS SA Relatório sobre as informações financeiras resumidas Informações financeiras resumo

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

Global Alliance Seguros, S.A.

Global Alliance Seguros, S.A. Global Alliance Seguros, S.A. Relatório e contas Índice 1. Relatório de Gestão 3 2. Relatório do Conselho de Administração 4 3. Aprovação da Administração 6 4. Relatório do Conselho Fiscal 8 5. Relatório

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais