Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório do Mercado de Seguros de 2013"

Transcrição

1 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de

2 Estrutura Introdução Contexto Macroeconómico Prémios Brutos Emitidos Quota do Mercado Resultado do Exercício Investimentos Mediação de Seguros Fundos de Pensões Conclusão Indicadores Provisórios do Mercado Perspectivas do ISSM 2

3 Introdução O Relatório do mercado de seguros constitui um instrumento de avaliação do desempenho anual dos operadores, nomeadamente, seguradoras, resseguradora, entidades gestoras de fundos de pensões complementares e mediadores de seguros. A avaliação acima referida, destaca o crescimento dos prémios Brutos emitidos, a taxa de cedência, custos com sinistros, resultado do exercício e investimentos durante o exercício de

4 Contexto macroeconómico Em 2013 a economia moçambicana foi assolada por ocorrência de factores climatéricos adversos que influênciaram o desempenho global e as projecções inicialmente feitas do crescimento económico, tendo no mesmo ano atingido uma taxa de 7.4%. 4

5 Contexto macroeconómico Nº Indicadores Produto Interno Bruto (milhões de meticais) 364, , Taxa de Crescimento (%) População (milhões) Taxa de Inflação Média Anual (%) Taxa de Câmbio (MT/USD) ,9 6 Prémios Brutos Emitidos (milhões de meticais) 4, , , = (6/1) Taxa de Penetração (%) = (6/3) Prémios per Capita (meticais)

6 Evolução do PIB 6

7 Evolução do Mercado O mercado segurador moçambicano caracterizou-se pelo aumento do número de operadores autorizados a exercer a sua actividade no País: de 14 para 16 seguradoras, 1 resseguradora, 5 entidades gestoras de fundos de pensões, de 47 para 56 corretores; e de 267 para 295 agentes e promotores. 7

8 Nº Número de Seguradoras 1 EMPRESA MOCAMBICANA DE SEGUROS,S.A 2 SEGURADORA INTERNACIONAL DE MOCAMBIQUE, S.A 3 GLOBAL ALLIANCE-SEGUROS,S.A 4 HOLLARD MOCAMBIQUE,COMPANHIA DE SEGUROS,S.A 5 MOCAMBIQUE COMPANHIA DE SEGUROS 6 COMPANHIA DE SEGUROS DA AFRICA AUSTRAL,S.A VIDA 7 HOLLARD VIDA COMPANHIA DE SEGUROS,S.A * 8 REAL-COMPANHIA DE SEGUROS,SA 9 COMPANHIA DE SEGUROS INDICO,S.A 10 NICO VIDA-MOCAMBIQUE DE SEGUROS, S.A * 11 TRANQUILIDADE MOCAMBIQUE, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. 12 TRANQUILIDADE MOCAMBIQUE, COMPANHIA DE SEGUROS VIDA, S.A. * 13 PHOENIX SEGUROS, S.A 14 DIAMOND SEGUROS, S.A SEGURADORA 15 FIDELIDADE SEGURADORA, S.A.-VIDA * 16 FIDELIDADE SEGURADORA, S.A.-NAO VIDA TOTAL RAMO NAO-VIDA CUMULATIVO * * * * * * * * * * * *

9 Número de resseguradoras RAMO RESSEGURADORA VIDA NÃO VIDA CUMULATIVO EMPRESA MOÇAMBICANA DE RESSEGUROS, SA * 9

10 Prémios Brutos Emitidos (Não Vida) Em 2013, os prémios brutos emitidos dos ramos Não Vida tiveram um crescimento de 32.9% em relação ao ano anterior, atingindo um montante global de 6.131,4 milhões de meticais (USD milhões) contra 4.614,5 milhões de meticais (USD 138,0 milhões), em

11 Quota do mercado dos ramos Não Vida

12 Evolução do Mercado Prémios Brutos Emitidos ( Vida) Em 2013 os prémios brutos emitidos do ramo Vida alcançanram 941,8 milhões de meticais (USD 28,2 milhões), representando um crescimento de 22.7%, em relação ao ano de 2012 que foi de 767,3milhões de meticais (USD 22,9 milhões). 12

13 Quota do mercado do Ramo Vida 13

14 Evolução do Mercado Taxa de crescimento O Total dos prémios brutos emitidos (Vida e Não Vida) em 2013 foi de 7.073,2 milhões de meticais (USD 203,1 milhões), contra 5.381,80 milhões de meticais (USD 160,9 milhões) em 2012, o que respresentou um crescimento na ordem de 31,4%. Este nível de desempenho global do mercado, resultou numa taxa de penetração de 1,5% em 2013, contra 1,3% em

15 Evolução de Prémios Brutos Emitidos ( ) 15

16 Prémios Brutos Emitidos Peso de cada ramo na carteira de seguros Globalmente, o mercado reflecte acentuado domínio de seguros dos ramos Não Vida, com 86,7% de toda a carteira contra 13.3% do ramo Vida. Nos ramos Não Vida, o seguro Automóvel domina o mercado, com um total de 2.206,6 milhões de meticais (USD 66.0 milhões) correspondente a 31,0% do total dos PBE. A tabela seguinte descreve os outros ramos 16

17 Prémios Brutos Emitidos (milhões de meticais) Peso de cada ramo na carteira de seguros Seguradoras TOTAL Peso VIDA % Acidentes de Trabalho % Acidentes Pessoais % Incêndio 1, % Automóvel 2, % Maritimo % Aéreo % Transportes % Respons. Civil Geral % Diversos % Total Não Vida 6, % Total(Vida +Não Vida) 7, % 17

18 Evolução do Mercado- Resseguro (Taxa de Cedência) RAMOS Vida Não Vida Ac. de Trabalho Ac. Pessoais Incêndio Automóvel Marítimo Aéreo Transportes Resp. Civil Geral Diversos

19 Evolução do Mercado- Resseguro (Taxa de Cedência) 19

20 Custos com Sinistros (em % dos prémios adquiridos líquidos de resseguro) Ramos Total Não Vida

21 Evolução do mercado Resultados O resultado líquido do exercício, em 2013, situou-se em 738,7 milhões de meticais (USD 22.0 milhões) contra 586,3 milhões de meticais (USD 17.5 milhões) em O rácio resultado/capital (rendibilidade do capital) apresentado pelo mercado, na sua globalidade, em 2013 foi de 15.4% contra 14,1%, tendo havido uma variação de 1.3%. Esta variação mostra que o mercado regista retorno dos investimentos. 21

22 Investimentos (em Milhões) Variação ,0 Mts ,0 Mts 26.5% 526,5 USD 416,2 USD -- Edifícios Activos Disponíveis para Venda Caixa e seus equivalentes Empréstimos e contas a receber Outros Activos 26% 14% 16% 7% 37% 22

23 Provisões Técnicas (em milhões) Variação 9,371.5 Mts 6,523.9 Mts 43.6% USD USD -- Grau de cobertura das provisões técnicas face aos investimentos Variação 188.0% % % Nível aceitável 23

24 Evolução do Mercado (Mediação) Foram autorizados a operar no mercado: 56 corretoras, 25 agentes e 270 promotores Prémios Brutos Emitidos (em milhões ) Variação 2,898.4 Mts 2,764.6 Mts 5.0% 86.7 USD 82.7 USD -- Os PBE angariados pela mediação de seguros representam 41,0% dos PBEs pelo mercado. 24

25 Mediação de Seguros 25

26 Evolução do Mercado Fundos de Pensões 26

27 Fundos de Pensões 4 Fundos Fechados: Aeroportos de Moçambique, INAGRICO, MOZAL, Banco de Moçambique. 1 Fundo Aberto: Fundo aberto da Global Alliance 5 Entidades gestoras: Kuhanha, Global Alliance, Nico, Standart Bank e Moçambique Previdente. 27

28 Evolução do Mercado (Fundo de pensões) Nº de Contribuintes dos Fundos de Pensões = 3,699 Total de Contribuições = milhões de meticais (USD 5.1 milhões) 28

29 Composição dos Activos dos Fundos de Pensões (em milhões de meticais) MAPA DE COMPOSIÇÃO DOS ACTIVOS DOS FUNDOS RÚBRICAS TOTAL Obrigações / Outros títulos Obrigações Titulos de Dívida Publica Outros Títulos Depósitos bancários /Outros depósitos Depósito a prazo Depósitos em bancos Outros depósitos TOTAL

30 Conclusão Os prémios brutos emitidos em 2013 totalizaram 7,073.2 milhões de meticais, representando uma taxa de crescimento de 31%; A taxa de penetração de seguros na economia cresceu de 1.3% para 1.5%, em 2013; Verificou-se o domínio dos ramos Não Vida no mercado com 86.7% contra 13.3% do ramo Vida; A mediação de seguros angariou 2,898.4 milhões de meticais, o que representa 41% do total dos PBE. 30

31 Indicadores Provisórios do Mercado 31

32 Prémios Brutos Emitidos até III Trimestre de 2014 Acumulado III trimestre II Trimestre I Trimestre TOTAL Não Vida Vida , , , , , , , , ,

33 EMOSE SIM GA HOLLARD MCS AUSTRAL REAL INDICO TM PHOENIX DIAMOND Quota do Mercado dos Ramos Não Vida no III Trimestre de % 25% 17% 19% 5% 4% 4% 5% 1% 0% 0% 33

34 EMOSE SIM GA HOLLARD NICO TM Quota do Mercado do Ramo Vida no III Trimestre de % 36% 22% 8% 4% 2% 34

35 Prémios Processados por via de Mediadores de Seguros em milhões de meticais Ano Vida Não Vida Total , ,

36 Quota do Mercado no III Trimestre de 2014 Outros 21% Nacional Brokers 19% Skydoo 10% Getcore 25% Poliseguros 11% AON 14% 36

37 Perspectivas do ISSM Plano Estratégico; Acções de educação do consumidor; Capacitação institucional; Acções de supervisão baseada no risco. 37

38 MUITO OBRIGADA Francelina Nhamona 38

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR

RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR RELATÓRIO AGREGADO DO SECTOR SEGURADOR IIIº Trimestre 2011 Banco de Cabo Verde Departamento de Supervisão e Estabilidade das Instituições Financeiras Área de Supervisão do Sector Segurador Avenida Amílcar

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012 RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO Exercício de 2012 Março de 2013 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE I. A DINÂMICA DO MERCADO... 5 A. ECONOMIA INTERNACIONAL... 5 B. ECONOMIA NACIONAL... 5

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido

Leia mais

BOLETÍM ESTATÍSTICO ANUAL DO SETOR DE SEGUROS DO MERCOSUL

BOLETÍM ESTATÍSTICO ANUAL DO SETOR DE SEGUROS DO MERCOSUL MERCOSUL/ SGT Nº 4/CS Página 1 de 9 BOLETÍM ESTATÍSTICO ANUAL DO SETOR DE SEGUROS DO MERCOSUL SUMARIO DE TÉRMOS Empresa em efetivo funcionamento: Empresa que comercializou seguros no ano de referência

Leia mais

Órgãos Sociais Eleitos para o triénio 2012-2014

Órgãos Sociais Eleitos para o triénio 2012-2014 RELATÓRIO E CONTAS 2012 Órgãos Sociais Eleitos para o triénio 2012-2014 Assembleia Geral Presidente Dr. António Pedro de Sá Alves Sameiro Vice-Presidente Luis Filipe Rodrigues Secretário INSS Conselho

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Pauta da apresentação 1º Estrutura do Setor 2º Representação Institucional do Setor 3º Arrecadação Visão por

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO 1. Evolução dos fundos de pensões 2. Composição das carteiras 2 SUMÁRIO Nos primeiros nove meses de 2015, ocorreu a extinção de três

Leia mais

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 ESTABILIDADE E SUPERVISÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Capítulo 2 - Estabilidade e Supervisão do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro O Banco de Cabo Verde tem, de entre as suas

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229 Relatório do Auditor Independent sobre informações financeiras resumidas Para: Acionistas da Companhia Ônix SEGUROS SA Relatório sobre as informações financeiras resumidas Informações financeiras resumo

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

Contexto em que ocorreram as Negociacoes

Contexto em que ocorreram as Negociacoes Introducao Este Seminario enquadra-se num âmbito mais vasto, que é o de reforçar as capacidades técnicas e funcionais das instituições Superiores de Controlo (Tribunais de Contas), Parlamentos Nacionais

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Órgãos Sociais Eleitos para o triénio 2009-2011

Órgãos Sociais Eleitos para o triénio 2009-2011 RELATÓRIO E CONTAS 2011 Órgãos Sociais Eleitos para o triénio 2009-2011 Assembleia Geral Presidente Dr. António Pedro de Sá Alves Sameiro 1º Secretário Instituto Nacional de Segurança Social 2º Secretário

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR CÁLCULO E REPORTE DAS PROVISÕES TÉCNICAS COM BASE EM PRINCÍPIOS ECONÓMICOS Com a presente Norma Regulamentar estabelece-se o regime de cálculo das provisões técnicas segundo

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA página 3.1. Indicadores Gerais 40 3.1.1. Volume de Negócios 40 3.1.2. Valor Acrescentado Bruto 40 3.2. Capitais Próprios 41 3.3. Indicadores de Rendibilidade

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011

ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 1. Enquadramento da Atividade Macroeconomia A economia europeia vive uma das maiores crises da sua história,

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO SETOR FINANCEIRO 2014 SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO Tendo reestruturado recentemente o seu portefólio no setor financeiro, o Grupo Américo Amorim concentra

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola

Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Segurador e de Fundos de Pensões em Angola Abril 2012 kpmg.co.ao KPMG Angola 2 Section or Brochure name Índice 1. Prefácio e Agradecimentos 3 2. Metodologia do Estudo

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO 2 PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR 3 4 PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Seguros Gerais 14 Milhões de Automóveis Segurados 7 Milhões

Leia mais

Demonstrações financeiras

Demonstrações financeiras EMOSE EMPRESA MOÇAMBICANA DE SEGUROS, S.A. Demonstrações financeiras 31 de Dezembro de 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINDO A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Página BALANÇO 1 CONTA DE GANHOS E

Leia mais

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 (atualizado em 23 de janeiro de 2014) No ano de 2013 o volume da produção de seguro direto em Portugal foi ligeiramente superior a 13 mil milhões de euros,

Leia mais

MultiCare - Seguros de Saúde, S.A.

MultiCare - Seguros de Saúde, S.A. MultiCare - Seguros de Saúde, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas MultiCare 2007 Índice 2 Índice 3 4 16 17 18 20 23 24 46 50 Órgãos Sociais Relatório do Conselho

Leia mais

Introdução aos seguros

Introdução aos seguros Universidade Técnica de Lisboa ISEG Introdução aos seguros O equíbrio financeiro e os rácios nas empresas de seguros Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Mestrado em Ciências Actuarias Ano Lectivo

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (EMPRESAS DO SECTOR SEGURADOR -- DECRETO-LEI n o 94-B/98 de 17 de Abril) 01 N o DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 1 IRC ANEXO

Leia mais

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005

Fidelidade Mundial - Seguros. Relatório e Contas 2005 Fidelidade Mundial - Seguros Relatório e Contas 2005 Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2005 ìndice 2 Índice 3 4 26 39 96 136 159 Orgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração Demonstrações

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Release de Resultado Janeiro/08

Release de Resultado Janeiro/08 PORTO SEGURO anuncia lucro líquido de R$10,0 milhões ou R$0,13 por ação em janeiro de 2008 São Paulo, 17 de Março de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados de janeiro de 2008. As

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2007 Índice 2 Índice 3 4 28 29 31 34 35 37 40 41 107 174 Relatório

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

EMOSE Empresa Moçambicana de Seguros, S.A.

EMOSE Empresa Moçambicana de Seguros, S.A. EMOSE Empresa Moçambicana de Seguros, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MENSAGEM DO PRESIDENTE À semelhança do ano anterior, o desempenho da EMOSE em 2008, foi assinalado mais uma vez pelos bons resultados

Leia mais

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A.

Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Companhia de Seguros Fidelidade-Mundial, S.A. Relatório e Contas 2010 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2010 Índice 2 Índice 4 36 37 43 234 273 293 Relatório do Conselho

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL

A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL A REGULAMENTAÇÃO E SUPERVISÃO BANCÁRIA EM PORTUGAL I. Os Objectivos da Regulamentação e Supervisão Prudenciais II. O Modelo Institucional da Supervisão em Portugal III. A Evolução da Regulamentação Bancária

Leia mais

Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros

Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO

Leia mais

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP 6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP i. Fundo de Garantia Automóvel Actividade Desenvolvida Em 2007 foram participados ao Fundo de Garantia Automóvel 5 515 acidentes, menos 12,8% do que em 2006. É de assinalar

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A.

Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Fidelidade Mundial - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2006 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas Fidelidade Mundial 2006 Índice 2 Índice 3 4 27 40 104 144 167 Órgãos Sociais Relatório

Leia mais

Evolução das Aplicações Financeiras (R$ Milhões) 634,6

Evolução das Aplicações Financeiras (R$ Milhões) 634,6 Evolução do Patrimônio Líquido (R$ Milhões) 598,3 Evolução das Aplicações Financeiras (R$ Milhões) 634,6 Participação no Mercado Prêmios de Resseguro Total do Grupo Riscos Financeiros (%) 38,6% 61,4% 104,3

Leia mais

CAPITULO VI1 O SECTOR SEGURADOR: Ehm~uçÁO E PERSPECTNAS 1. História recente da Actividade Seguradora

CAPITULO VI1 O SECTOR SEGURADOR: Ehm~uçÁO E PERSPECTNAS 1. História recente da Actividade Seguradora CAPITULO I PREPARA~AOEE~ECU~;AOD~~PROGRA~~~ASDE PRIVATIZAÇÕES 1996-1999 1. Introdução 2. Enquadramento Legal e Regulamentar 3. Estadio do Processo em 1995 - Breve Síntese 4. Programa de Privatizações para

Leia mais

Cadastro das Principais

Cadastro das Principais 46 Cenário Econômico Cadastro das Principais Corretoras de Seguros Primeiras conclusões Francisco Galiza O estudo ESECS (Estudo Socioeconômico das Corretoras de Seguros), divulgado pela Fenacor em 2013,

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 (atualizado em 15 de janeiro de 2015) No ano de 2014, o volume da produção de seguro direto em Portugal foi de 14,3 mil milhões de euros, refletindo

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2014

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2014 RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2014 Fevereiro de 2015 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE ÓRGÃOS SOCIAIS... 5 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 7 I. A DINÂMICA DOS MERCADOS...

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013

RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013 RELATÓRIO E CONTAS Exercício de 2013 Fevereiro de 2014 Lusitania, Companhia de Seguros, SA Página 2 ÍNDICE ÓRGÃOS SOCIAIS... 5 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 7 I. A DINÂMICA DOS MERCADOS...

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais