Carregamento automatizado de Bases de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carregamento automatizado de Bases de Dados"

Transcrição

1 Carregamento automatizado de Bases de Dados André Neiva de Lemos nº Trabalho realizado sob a orientação de João Paulo Ribeiro Pereira Engenharia Informática 2014/2015

2

3 Carregamento automatizado de Bases de Dados Relatório da UC de Projeto Licenciatura em Engenharia Informática Escola Superior de Tecnologia e Gestão André Neiva de Lemos 2014/2015 iii

4 A Escola Superior de Tecnologia e Gestão não se responsabiliza pelas opiniões expressas neste relatório. iv

5 Certifico que li este relatório e que na minha opinião, é adequado no seu conteúdo e forma como demonstrador do trabalho desenvolvido no âmbito da UC de Projeto. João Paulo Ribeiro Pereira Orientador Certifico que li este relatório e que na minha opinião, é adequado no seu conteúdo e forma como demonstrador do trabalho desenvolvido no âmbito da UC de Projeto. Arguente Aceite para avaliação da UC de Projeto v

6 vi

7 Dedicatória Este projeto é dedicado aos meus pais que com grande esforço possibilitaram a realização desta etapa importante da minha vida e ao meu irmão. À minha família, por sempre me apoiar. Aos meus amigos, que sempre me apoiaram ao longo de todo o percurso académico. vii

8 viii

9 Agradecimentos Queria agradecer especialmente ao meu orientador, Professor João Paulo Ribeiro Pereira, pelo tempo dispensado e pela total disponibilidade na ajuda da realização deste trabalho, queria também agradecer á Professora Luísa Jorge pela total disponibilidade que sempre teve para comigo. Agradeço também a todos os professores que tive nas diferentes cadeiras ao longo do curso, pelos conhecimentos transmitidos, que me ajudaram na realização deste projeto. ix

10 x

11 Resumo O presente projeto teve como objetivo o desenvolvimento de uma aplicação de Carregamento automatizado de Base de Dados. A aplicação foi implementada em C#, tendo sido, realizado uma análise detalhada às funcionalidades a implementar recorrendo a diagramas de caso de uso e diagramas de sequência. Foi utilizada a linguagem de programação C# para criar a aplicação, no que diz respeito a base de dados foi implementada no MySQL. A aplicação disponibiliza ao utilizador fazer o carregamento de ficheiros para a base de dados e contem também a opção de por a aplicação a funcionar de forma autónoma. Ao nível de informações a aplicação permite fazer pesquisa de produtos na base de dados e fornece informações relativamente a integridade e dados redundantes, permite também exportar uma tabela da base de dados para um ficheiro Excel. Palavras-chave: Carregamento, BasedeDados, C#, MySQL, Autónoma. xi

12 xii

13 Abstract This project aimed at developing an automated loading application database. The application was implemented in C # and was conducted a detailed analysis of the features to be implemented using use case diagrams, sequence diagrams and diagrams entity / relationship. It was used the C # programming language to create the application, with respect to database was implemented in MySQL. The application provides the user to load files to the database and also contains the option for the application to work independently. At the application level information allows product search in the database and provides information on the integrity and redundant data, allows you to download a table from database to Excel file. Keywords: Loading, database, C#, MySQL xiii

14 xiv

15 Conteúdo 1 Introdução Enquadramento Objetivo Estrutura do Documento Descrição do problema Modelo de Desenvolvimento Utilizado Identificação de Requisitos Analise Detalhada Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso do Utilizador Diagramas de Sequência Diagramas de Entidade/Relação (ER) Desenho Proposta de Solução Solução dos Problemas Ferramentas UML C# (CSharp) MySQL MySQL Workbench Enterprise Architect Código Open-Source Implementação Funcionalidades Interfaces Interface Principal Interface dos Ficheiros Interface Ficheiros TXT Interface Ficheiros PDF Interface Ficheiros CSV Interface Ficheiros XML Interface Ficheiros HTML Interface Forma Autónoma Iniciar Forma Autónoma Agendar Carregamento Ver Agenda xv

16 5.2.6 Interface Informações Pesquisar Produto Dados Duplicados Ver Tabelas Exportar a Base de dados Testes Testes Realizados Conclusões Conclusões Trabalho Futuro A Manual de Utilização... 1 A.1 Menu Principal... 1 A.1.1 Tipo de Ficheiros... 2 A Carregar Ficheiro TXT... 2 A Carregar Ficheiro HTML... 3 A.1.2 Agendar Carregamento... 4 A Iniciar Forma Autónoma... 5 A Agendar Carregamento... 5 A Ver Agenda... 6 A.1.3 Informações da Base de Dados... 7 A Pesquisar Produto... 7 A Dados Duplicados... 8 A Ver Tabelas... 9 A Exportar a Base de dados

17 Lista de Figuras Figura.1 Modelo Cascata Figura.2 Casos de Uso Utilizador Figura.3 Diagrama de Sequência Carregar Ficheiro Figura.4 Diagrama de Sequência Pesquisar Produto Figura.5 Diagrama de Sequência Agendar Carregamento da Base de Dados Figura.6 Diagrama de Sequência Verificar Agenda Figura.7 Diagrama de Sequência Iniciar Forma Autónoma Figura.8 Diagrama de Sequência Informações da Base de Dados Figura.9 Diagrama de Sequência Informações da Base de Dados Figura.10 Modelo ER Figura.11 Layout da Aplicação Figura.12 Interface Principal Figura.13 Interface Ficheiros Figura.14 Interface Ficheiros TXT Figura.14 Interface Ficheiros PDF Figura.14 Interface Ficheiros CSV Figura.14 Interface Ficheiros HTML Figura.14 Interface Ficheiros XML Figura.19 Forma Autonoma Figura.20 Iniciar Forma Autónoma Figura.21 Agendar Carregamento Figura.22 Agenda Figura.23 Informações Figura.24 Pesquisar Produto Figura.25 Dados Duplicados No table of figures entries found. xvii

18 xviii

19 Lista de Abreviações TXT- é a extensão de um ficheiro de texto. PDF- Portable Document Format, Formato Portátil de Documento. CSV- Comma Separated Values, Valores separados por vírgula. HTML - Hypertext Markup Language, Linguagem de Marcação de Hipertexto. XML - Extensible Markup Language, Linguagem de marcação extensível. C# CSharp, Linguagem de programação; SQL Structured Query Language, Linguagem de consulta estruturada; MySQL Sistema de gestão de base de dados; UML Unified Modeling Language; Linguagem unificada de modelação; SI Sistema de Informação; xix

20 xx

21 Capítulo 1 1 Introdução 1.1 Enquadramento O trabalho apresentado neste relatório foi desenvolvido no âmbito da unidade curricular de Projeto do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Informática do Instituto Politécnico de Bragança, tendo como orientador o professor João Paulo Pereira. Com a evolução da tecnologia, o dia-a-dia do ser humano está em constante mudança, cada vez mais as atividades que estava habituado a realizar com recurso a meios físicos estão a ser simplificadas com recurso aos sistemas de informação que tem ao seu dispor. Estas tarefas vão do simples enviar de um correio eletrónico em vez de recorrer ao correio comum até à própria gestão da vida pessoal, que passa já pelos meios eletrónicos e pela internet, assim como a gestão de negócios e atividades, e todas as vantagens que essa prática proporciona. Hoje em dia um organismo público ou privado recorre aos sistemas de informação para obter melhores resultados tanto a nível funcional como financeiro. No caso da aplicação de Carregamento da Base de Dados, a utilização da aplicação permite otimizar os seus serviços, proporcionar ao utilizador maior facilidade nas tarefas relativas as funções que desempenham, divulgação de informações úteis ao utilizador relativamente a dados redundantes e integridade. 21

22 1.2 Objetivo O objetivo principal deste projeto foi o de criar uma aplicação que permita o carregamento de uma base de dados a partir de vários suportes. A aplicação deverá reconhecer o formato do ficheiro e importar os dados para uma base de dados. Deverá também suportar funções de alerta relativamente a informações relevantes notificando o utilizador sobre dados redundantes, integridade, etc. A aplicação deverá também permitir uma calendarização para qua a aplicação funcione de forma autónoma. 1.3 Estrutura do Documento Para melhor orientação, o relatório está dividido em sete capítulos e está estruturado da seguinte forma: O 1º Capítulo apresenta o motivo da realização deste trabalho e expõe os objetivos propostos. No 2º Capítulo é apresentado o modelo que foi seguido na implementação do SI, os passos realizados e as tecnologias usadas através dos diagramas de caso de uso e de sequência. O 3º Capítulo apresenta a proposta de solução que foi encontrada para a realização da aplicação. O 4º Capítulo apresenta as ferramentas utilizadas para a realização do projeto. O 5º Capítulo apresenta a implementação, explicando as funcionalidades implementadas. O 6º Capítulo apresenta os testes que foram realizados a aplicação após a sua conclusão. O 7º Capítulo apresenta as Conclusões, e ainda o trabalho futuro. 22

23 Capítulo 2 2 Descrição do problema 2.1 Modelo de Desenvolvimento Utilizado O modelo de desenvolvimento a seguir é um passo importante no caminho para um sistema de informação sólido e com as características e funcionalidades que se necessita. Para isso estes modelos apresentam diferentes maneiras de abordar o desenvolvimento de um Sistema de Informação, apresentando diferentes metodologias e fases. O modelo de desenvolvimento do Sistemas de Informação escolhido para o desenvolvimento do presente projeto foi o Modelo em Cascata (Waterfall Model). (figura.1) Este é um modelo tradicional de DSI em que as tarefas são executadas sequencialmente, ou seja, apenas quando uma tarefa está concluída é que se inicia a próxima. [1] Está estruturado nas seguintes etapas: Identificação de Requisitos Análise Detalhada Desenho Implementação Testes 23

24 As principais vantagens do uso deste modelo de desenvolvimento de Sistemas de Informação são: Processo de desenvolvimento estruturado Fácil utilização Fácil interpretação e compreensão Visão clara da estrutura do projeto Como todos os modelos de desenvolvimento também existem algumas desvantagens: Este modelo não suporta iterações do desenvolvimento Os requisitos têm que ser definidos inicialmente, tornando-se difícil de os alterar durante o processo. [2] Figura.1 Modelo em Cascata. 24

25 Nos subcapítulos seguintes são abordadas com mais detalhe as fases seguidas no desenvolvimento da aplicação Identificação de Requisitos Depois de analisar alguns dos requisitos para a aplicação e tendo uma ideia de como deverá funcionar o carregamento da base de dados, cheguei aos requisitos fundamentais para a aplicação. Assim decidi elaborar um menu inicial onde o utilizador terá 3 opções. A primeira opção será fazer o carregamento de um ficheiro individualmente, a segunda opção será agendar o carregamento automático, ou seja por a aplicação a funcionar de forma autónoma, a terceira opção será recolher informações sobre a base de dados. 1ª Opção, ira aparecer um outro menu onde o utilizador deverá selecionar o tipo de ficheiro que pretende importar para a base de dados, apos selecionar o tipo de ficheiro terá de selecionar para qual a base de dados que pretende importar a informação ou criar uma nova, em seguida devera selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o endereço para o ficheiro, após selecionar o ficheiro deverá verificar se o ficheiro contém a informação correta para importar ou seja ver se o nome das tabelas e campos da base de dados existem, para finalizar terá de importar a informação. 2ª Opção, irá aparecer um menu, onde o utilizador irá ter três opções. A primeira opção será de por a aplicação a funcionar de forma autónoma, onde apenas terá de selecionar o tipo de produto que pretende importar. A segunda será introduzir uma data e o tipo de produto e a aplicação irá funcionar de forma autónoma na data marcada, porém a aplicação a funcionar de forma autónoma não ira verificar se existem produtos semelhantes na base de dados nem se o cabeçalho da tabela se encontra correto. A terceira será ver a agenda de carregamentos, onde pudera ver os próximos carregamentos bem como eliminar um carregamento marcado. 25

26 3ª Opção, o utilizador neste caso encontra-se no menu de informações, onde poderá optar por pesquisar um produto na base de dados para ver as suas características, optar por recolher informações da base de dados relativamente a dados redundantes ou integridade ou optar por fazer uma exportação da base de dados para um ficheiro Excel Analise Detalhada Nesta fase de desenvolvimento, optei por uma análise com recurso a diagramas de Caso de Uso para descrever as interações do utilizador da aplicação com o sistema, diagramas de Sequencia para descrever com mais detalhe os casos de uso mais relevantes e ainda diagrama de entidade/relação (ER) para definir as tabelas e campos necessários na construção da base de dados Diagramas de Caso de Uso Estes diagramas servem para identificar as fronteiras do sistema e descrever os serviços ou casos de uso que devem ser disponibilizados para o utilizador do sistema conhecido como ator. São utilizados para definir os requisitos funcionais do sistema. [3] Elementos que compõem estes diagramas: Casos de Uso Atores Mensagens Relacionamentos De seguida são apresentados os Diagramas de Casos de Uso que foram utilizados para definir as interações que o utilizador da aplicação terá com o sistema assim como uma breve explicação. 26

27 Casos de Uso do Utilizador O utilizador da aplicação tem à sua disponibilidade uma consulta de informações relativamente aos produtos bem com a base de dados. Pode também fazer o carregamento de ficheiros neste caso terá que selecionar o tipo de Produtos a importar, selecionar o ficheiro e em seguida fazer o upload do ficheiro, e ainda tem a possibilidade de fazer a aplicação de forma autónoma para este tem duas possibilidades a primeira é simplesmente iniciar a aplicação de forma autónoma selecionado apenas o tipo de produto e a segunda possibilidade a agendar uma data para que a aplicação funcione de forma autónoma. Contém ainda uma funcionalidade que permite ao utilizador exportar a base de dados. Estas são as interações por parte do utilizador com a aplicação como podemos verificar na seguinte figura. (figura 2). Figura.2 Casos de Uso Utilizador. 27

28 Diagramas de Sequência O Diagrama de Sequência é uma das ferramentas UML usadas para representar interações entre objetos de um cenário prático, realizadas através de procedimentos ou funções. Este diagrama é construído a partir do Diagrama de Casos de Usos e define a sequência de operações de um dado caso de uso. [4] Elementos que compõe estes diagramas: Atores Objetos Gate Fragmento Linha de vida Em seguida são apresentados alguns diagramas de sequência relativos aos casos de uso mais importantes. Figura.3 Diagrama de Sequência Carregar Ficheiro. 28

29 Figura.4 Diagrama de Sequência Pesquisar Produto. Figura.5 Diagrama de Sequência Agendar Carregamento da Base de Dados. 29

30 Figura.6 Diagrama de Sequência Verificar Agenda. Figura.7 Diagrama de Sequência Iniciar Forma Autónoma. 30

31 Figura.8 Diagrama de Sequência Informações da Base de Dados. Figura.9 Diagrama de Sequência Exportar Tabela da Base de Dados. 31

32 Diagramas de Entidade/Relação (ER) O modelo ER é um modelo usado na engenharia de software para definir de maneira sistemática um processo de negócio, este é modelado em entidades (tabelas) que possuem atributos e se encontram ligadas por relacionamentos que expressam as dependências entre si. É este modelo que suporta e define as tabelas e dependências da base de dados que se vai utilizar. Em seguida apresento o modelo ER da aplicação este será apenas um exemplo pois a aplicação cria as tabelas consoante a informação que se encontre nos ficheiros a importar. Figura.10 Modelo ER. 32

33 2.1.3 Desenho Nesta fase de desenvolvimento da aplicação, procura-se transformar os resultados da análise de requisitos numa solução capaz de ser facilmente interpretada pelo programador do sistema. O desenho deve ser eficiente ou seja o sistema deve ser capaz de efetuar as funções de maneira rápida e eficaz e flexível permitindo alterar e incorporar novas funcionalidades e requisitos sempre que necessário. Figura.11 Layout da Aplicação. 33

34 34

35 Capítulo 3 3 Proposta de Solução Neste capítulo é apresentada a solução proposta para a resolução dos problemas apresentados no capítulo anterior. 3.1 Solução dos Problemas A ferramenta utilizada para a construção da aplicação foi o C# porque já tinha trabalhado com esta ferramenta e sabia que iria ser bastante útil. As funcionalidades implementadas para a resolução do problemas passaram por: Carregar um ficheiro TXT para a base de dados; Carregar um ficheiro CSV para a base de dados; Carregar um ficheiro PDF para a base de dados; Carregar um ficheiro XML para a base de dados; Carregar um ficheiro HTML para a base de dados; Implementar Timers; Ligações a Base de Dados; Criar tabelas na base de dados a partir de um ficheiro; Em relação a base de dados optei pelo MySQL porque tem interface gráfica intuitiva, Configuração fácil e bom desempenho e estabilidade. 35

36 36

37 Capítulo 4 4 Ferramentas Esta secção tem como objetivo dar a conhecer e apontar algumas das características que marcam as linguagens de modelação e programação que foram utilizadas no desenvolvimento da Aplicação. 4.1 UML A Unified Modeling Language é uma linguagem que utiliza notação padrão para especificar, construir, visualizar e documentar sistemas de informação. O UML por ser uma linguagem de conceitos simples, facilita o desenvolvimento de um Sistema de Informação. Permite integrar os aspetos da natureza organizacional que constituem o negócio e os elementos de natureza tecnológica, que constituirão o sistema de informação, ajudando a dominar a complexidade das regras associadas às necessidades do sistema que se pretende implementar assim como definir os processos e fluxos informativos. Faz uso de um conjunto de símbolos padrão que funcionam como um meio de comunicação entre os diversos elementos do processo, clientes, gestores e programadores. No âmbito deste projeto foram desenvolvidos diagramas de caso de uso e diagramas de sequência que foram apresentados posteriormente neste documento. 37

38 4.2 C# (CSharp) C# (CSharp) é uma linguagem de programação orientada a objetos criada pela Microsoft, faz parte da sua plataforma.net. A sua sintaxe orientada a objetos foi baseada no C++ mas inclui muitas influências de outras linguagens de programação, como Object Pascal e Java. 4.3 MySQL O MySQL é um sistema de gestão de base de dados. Algumas das suas características são: Software pouco exigente a nível de recursos de hardware Interface gráfica intuitiva Configuração fácil Bom desempenho e estabilidade Software de uso livre No desenvolvimento deste projeto foi usado o sistema de gestão de base de dados MySQL, por ser bastante robusto e eficiente assim como de fácil utilização por ter na minha opinião, um interface user friendly e por já ter sido usado anteriormente no desenvolvimento de trabalhos em outras unidades curriculares garantindo assim um maior à vontade na sua utilização. 38

39 4.4 MySQL Workbench MySQL Workbench é uma ferramenta de desenho visual de base de dados que integra desenvolvimento, administração, desenho de base de dados, criação e manutenção num ambiente integrado de desenvolvimento para o sistema de base de dados MySQL. É uma ferramenta oficial disponibilizada pela MySQL de uso gratuito e está disponível para os três principais sistemas operativos, Windows, Linux e MAC OS. 4.5 Enterprise Architect O Enterprise Architect foi a ferramenta escolhida na elaboração dos diagramas UML utilizados no desenvolvimento da Aplicação. É uma ferramenta excecional com diversas funcionalidades ao nível do desenho de SI, é estável e tem uma interface fácil de utilizar. A única desvantagem é que esta é uma aplicação paga, tendo neste projeto sido utilizada uma versão de teste. 4.6 Código Open-Source Foi utilizado código Open-Source apenas para fazer a conversão do ficheiro PDF para ficheiro TXT e para ler ficheiros HTML porque o C# não possui nenhuma libraria para tal. using itextsharp.text.pdf; PdfReader reader = new for (int page = 1; page <= reader.numberofpages; page++) { ITextExtractionStrategy its = new itextsharp.text.pdf.parser.locationtextextractionstrategy(); string s = PdfTextExtractor.GetTextFromPage(reader, page, its); s = Encoding.UTF8.GetString(ASCIIEncoding.Convert(Encoding.Default, Encoding.UTF8, Encoding.Default.GetBytes(s))); Text = text + s; richtextbox1.text = text; using HtmlAgilityPack; HtmlAgilityPack.HtmlDocument doc = new HtmlAgilityPack.HtmlDocument(); doc.load(url); 39

40 40

41 Capítulo 5 5 Implementação Neste subcapítulo é apresentada a implementação da Aplicação. São descritas as funcionalidades que foram implementadas, linguagens utilizadas na codificação e a base de dados. 5.1 Funcionalidades Quanto às funcionalidades que foram implementadas, destacam-se as funcionalidades de carregamento de forma autónoma onde a aplicação reconhece o formato do ficheiro e faz o seu carregamento, destaca-se também as funcionalidades para ler o ficheiro e reconhecer que na base de dados se encontra um produto idêntico e ainda verifica se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao da base de dados, contem ainda funcionalidades para agendar uma data para fazer o seu carregamento, contem uma funcionalidade para fazer a pesquisa do ficheiro na base de dados, bem como as funcionalidades de informação da base de dados e ainda uma funcionalidade que exporta a base de dados para um ficheiro Excel. 41

42 5.2 Interfaces Interface Principal No interface principal temos três opções cada uma destas opções enviam o utilizador para um interface diferente, a primeira opção é para fazer o carregamento manualmente ou seja o utilizador terá de selecionar o ficheiro, selecionar o tipo de produto e em seguida fazer o upload, a segunda opção é para o utilizador agendar o carregamento de forma autónoma, ver agenda de carregamentos ou por a aplicação em modo autónomo, a terceira opção é relativa a informações a cerca dos produtos e da base de dados. Figura.12 Interface Principal. 42

43 Interface dos Ficheiros Caso o utilizador selecione a primeira opção (Carregar Ficheiros) será enviado para este interface, neste interface o utilizador apenas terá de escolher o formato do ficheiro que pretende fazer o upload. Figura.13 Interface Ficheiros Interface Ficheiros TXT Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o caminho para o ficheiro, após o utilizador clicar em Verificar Ficheiro a aplicação irá ler o ficheiro, verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois irá criar uma DataTable com a informação do ficheiro txt, quando clicar em Importar Dados irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, e irá transportar a informação da DataTable para a Base de Dados, para finalizar a aplicação irá mover o ficheiro para uma pasta com a data e hora do seu upload. 43

44 Figura.14 Interface Ficheiros TXT Interface Ficheiros PDF Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o caminho para o ficheiro, após o utilizador clicar em Verificar Ficheiro a aplicação irá ler o ficheiro e fazer a conversão do ficheiro PDF para um ficheiro TXT, após criar o ficheiro TXT a aplicação irá ler o ficheiro, verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois irá criar uma DataTable com a informação do ficheiro txt, quando clicar em Importar Dados irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, e irá transportar a informação da DataTable para a Base de Dados, para finalizar a aplicação irá mover o ficheiro para uma pasta com a data e hora do seu upload. 44

45 Figura.15 Interface Ficheiros PDF Interface Ficheiros CSV Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o caminho para o ficheiro, após o utilizador clicar em Verificar Ficheiro a aplicação irá ler o ficheiro, verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois irá criar uma DataTable com a informação do ficheiro CSV, quando clicar em Importar Dados irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, e irá transportar a informação da DataTable para a Base de Dados, para finalizar a aplicação irá mover o ficheiro para uma pasta com a data e hora do seu upload. 45

46 Figura.16 Interface Ficheiros CSV Interface Ficheiros XML Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida terá duas opções, a primeira opção será selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o caminho para o ficheiro, após o utilizador clicar em Verificar Ficheiro a aplicação irá ler o ficheiro, verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois irá criar uma DataTable com a informação do ficheiro XML, quando clicar em Importar Dados irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, e irá transportar a informação da DataTable para a Base de Dados. A segunda opção será introduzir o endereço da pagina web, a aplicação ira ler a pagina e criar uma nova pagina no computador contento toda a informação da pagina web, em seguida irá ler o ficheiro e verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois cria uma DataTable com a informação do ficheiro XML, em seguida irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, para finalizar a aplicação irá mover o ficheiro para uma pasta com a data e hora do seu upload. 46

47 Figura.17 Interface Ficheiros XML Interface Ficheiros HTML Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida terá duas opções, a primeira opção será selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o caminho para o ficheiro, após o utilizador clicar em Verificar Ficheiro a aplicação irá ler o ficheiro, verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois irá criar uma DataTable com a informação, quando clicar em Importar Dados irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, e irá transportar a informação da DataTable para a Base de Dados. A segunda opção será introduzir o link da pagina web, a aplicação ira ler a pagina e criar uma nova pagina no computador contento toda a informação da pagina web, em seguida irá ler o ficheiro e verificar se não existem produtos repetidos e se o cabeçalho do ficheiro é idêntico ao cabeçalho da tabela, depois cria uma DataTable com a informação, em seguida irá criar uma tabela caso não exista no MySQL, para finalizar a aplicação irá mover o ficheiro para uma pasta com a data e hora do seu upload. 47

48 Figura.18 Interface Ficheiros HTML Interface Forma Autónoma Neste interface o utilizador poderá optar por uma de três opções a primeira opção será simplesmente clicar no botão Iniciar Carregamento Automático onde terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar e a aplicação irá funcionar de forma autónoma ate o utilizador clicar no botão Parar Carregamento Automático quando o utilizador parar a forma autónoma a aplicação irá informar o utilizador de quantos ficheiros fez o upload para a Base de dados. A segunda opção o utilizador irá introduzir uma data e hora e o tipo de produtos a importar e a aplicação nessa data ira funcionar de forma autónoma durante 1 minuto, a aplicação irá informar o utilizador de quantos ficheiros fez o upload para a Base de dados. A terceira opção será para o utilizador ver a agenda onde poderá ver os próximos carregamentos e ainda poderá eliminar os que entender. 48

49 Figura.19 Forma Autónoma Iniciar Forma Autónoma Neste interface o utilizador terá de selecionar que tipo de produtos pretende importar para a base de dados e a aplicação ira verificar se existem ficheiros numa pasta previamente defina, caso existam ira fazer a importação dos dados para a base de dados. Figura.20 Iniciar Forma Autónoma. 49

50 Agendar Carregamento Neste interface o utilizador terá de selecionar uma data, uma hora, e o tipo de produto que pretende carregar, aplicação guarda os dados inseridos numa tabela. Figura.21 Agendar Carregamento Ver Agenda Neste interface o utilizador pode ver os próximos carregamentos, onde a aplicação vai verificar na base de dados se existem carregamentos agendados e ainda tem a possibilidade de eliminar um carregamento simplesmente selecionando a data e clicar em Remover carregamento, que será eliminado através da referência. 50

51 Figura.22 Agenda Interface Informações Neste interface o utilizador terá quatro opções a primeira será fazer uma pesquisa de produtos na Base de dados através da referência do produto, a segunda será receber informações sobre dados redundantes e integridade da base de dados, a terceira será para ver a base de dados, e a quarta opção será para exportar a tabela do tipo de produto que pretender para um ficheiro Excel. 51

52 Figura.23 Informações Pesquisar Produto Neste interface o utilizador deve introduzir o tipo de produto que pretende pesquisar e em seguida introduzir a referência do produto, onde a aplicação ira a base de dados buscar as informações. Figura.24 Pesquisar Produto. 52

53 Dados Duplicados Neste interface o utilizador apenas deve selecionar o tipo de produtos que pretende verificar e a aplicação irá verificar se existem produtos repetidos na base de dados. Figura.25 Dados Duplicados Ver Tabelas Neste interface o utilizador apenas deve selecionar o tipo de produtos que pretende ver e a aplicação irá mostrar a sua tabela da base de dados. 53

54 Figura.26 Tabela de Produtos da Base de dados Exportar a Base de dados Neste interface o utilizador apenas deve selecionar o tipo de produtos que pretende exportar para um ficheiro Excel. Figura.27 Exportar Base de Dados. 54

55 Capítulo 6 6 Testes Neste capítulo é apresentado os teste que foram realizados a aplicação. 6.1 Testes Realizados Nesta fase todas as funcionalidades da aplicação foram testadas para garantir o seu pleno funcionamento e para certificar que os requisitos identificados tinham sido abrangidos. Foram efetuados três diferentes testes. 1º Teste, foi testado o carregamento manual dos vários tipos de ficheiros, bem como foi testada a inserção de endereços de páginas web. 2ºTeste, foi testada a funcionalidade autónoma para garantir que a aplicação esta a funcionar corretamente e também foi testado o agendamento de carregamentos. 3ºTeste, foram elaborados testes relativamente as informações da base de dados, e foi ainda testado todas as ligações e redireccionamentos presentes nos diferentes interfaces para garantir a perfeita interligação entre estes. 55

56 56

57 Capítulo 7 7 Conclusões 7.1 Conclusões A realização deste projeto permitiu-me aprofundar conhecimentos nas tecnologias ligadas a aplicação bem como conhecer algumas novas funcionalidades das ferramentas utilizadas. A aplicação conta com diversas funcionalidades de carregamento da base de dados, recolha de informação. Os objetivos principais deste projeto foram alcançados. Na minha opinião a aplicação está bem concebido e as funcionalidades que foram implementadas estão a funcionar corretamente. 7.2 Trabalho Futuro Para trabalho futuro seria interessante abranger mais ficheiros para alem dos cinco já implementados de maneira a tornar a aplicação uma ferramenta bastante útil para os utilizadores, e ainda melhorar as informações podendo implementar mais funcionalidades acerca das informações fornecidas sobre a base de dados. 57

58 Referências bibliográficas [1] consultado em Novembro de 2014 [2] consultado em Novembro de 2014 [3] consultado em Novembro de 2014 [4] consultado em Dezembro de 2014 [5] consultado em Dezembro de 2014 [6] consultado em Fevereiro de 2015 [7] consultado em Fevereiro de 2015 [8] consultado em Março de 2015 [9] consultado em Abril de 2015 [10] consultado em Abril de 2015 [11] consultado em Março de 2015 [12] consultado em Março de 2015 [13] consultado em junho de 2015 [14] consultado em junho de 2015 [15] consultado em Agosto de 2015 [16] consultado em Setembro de 2015 [17] consultado em Setembro de 2015 [18] consultado em Setembro de

59 Anexo A A Manual de Utilização A.1 Menu Principal Neste menu o utilizador tem três opções disponíveis. A primeira opção permite carregar os dados de um ficheiro para a base de dados manualmente, a segunda permite por a aplicação a funcionar de forma autónoma, e a terceira permite verificar informação acerca da base de dados. Figura.28 Menu Principal. A1

60 A.1.1 Tipo de Ficheiros Neste menu o utilizador terá de selecionar que tipo de ficheiro pretende carregar para a base de dados. Figura.29 Tipo de Ficheiro. A Carregar Ficheiro TXT Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o caminho para o ficheiro, após o utilizador clicar em Importar Ficheiro a aplicação irá ler o ficheiro e importar os dados para a base de dados Base de Dados. 2

61 Figura.30 Ficheiro TXT. A Carregar Ficheiro HTML Neste interface o utilizador terá de selecionar o tipo de produtos que pretende carregar ou criar um novo tipo de produtos em seguida terá duas opções, a primeira opção será selecionar o ficheiro no computador ou introduzir o endereço da página web, em seguida irá Importar Dados e a aplicação ira enviar os dados para a Base de Dados. A3

62 Figura.31 Ficheiro HTML. A.1.2 Agendar Carregamento Neste Interface o utilizador terá três opções disponíveis a primeira será por a aplicação a funcionar de forma autónoma, a segunda será agendar um carregamento e a terceira será ver agenda de carregamentos. Figura.32 Menu Agenda. 4

63 A Iniciar Forma Autónoma Neste interface o utilizador terá de selecionar que tipo de produtos pretende importar para a base de dados. Figura.33 Forma Autónoma. A Agendar Carregamento Neste interface o utilizador terá de selecionar uma data, uma hora, e o tipo de produto que pretende carregar, e a aplicação irá funcionar de forma autónoma na data inserida. A5

64 Figura.34 Agendar Carregamento. A Ver Agenda Neste interface o utilizador pode ver os próximos carregamentos e ainda tem a possibilidade de eliminar um carregamento simplesmente selecionando a data e clicar em Remover carregamento. Figura.35 Agenda. 6

65 A.1.3 Informações da Base de Dados Neste menu o utilizador terá quatro opções a primeira será pesquisar um produto na base de dados, a segunda será ver se existem produtos duplicados, a terceira será ver a base de dados, e a quarta opção é para converter a base de dados para um ficheiro Excel. Figura.36 Informações da Base de Dados. A Pesquisar Produto Neste interface o utilizador deve introduzir o tipo de produto que pretende pesquisar e em seguida introduzir a referência do produto. A7

66 Figura.37 Pesquisar Produto. A Dados Duplicados Neste interface o utilizador apenas deve selecionar o tipo de produtos que pretende verificar. Figura.38 Dados Duplicados. 8

67 A Ver Tabelas Neste interface o utilizador apenas deve selecionar o tipo de produtos que pretende ver. Figura.39 Tabela de Produtos da Base de dados. A Exportar a Base de dados Neste interface o utilizador apenas deve selecionar o tipo de produtos que pretende exportar para um ficheiro Excel. Figura.40 Exportar Base de Dados. A9

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais

Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais Portal Web para empresa de materiais de construção civil CasaMais Gilberto Leonel Dias Pereira nº 26634 Trabalho realizado sob a orientação de: Professor João Paulo Ribeiro Pereira Informática de Gestão

Leia mais

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE]

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] 2015 FEP Centro de Documentação, Informação e Arquivo (CDIA) [GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] Documento de apoio na utilização do Endnote. ÍNDICE ÍNDICE... 1 BREVE INTRODUÇÃO... 2 O

Leia mais

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática

Sobre o Livro... XV. FCA Editora de Informática Índice Sobre o Livro... XV Capítulo 1 Configurar o Excel... 1 1.1 Iniciar o Excel... 1 1.2 Ambiente de trabalho... 3 1.3 Personalização do ambiente de trabalho... 6 1.3.1 Opções da interface do utilizador...

Leia mais

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios

GereComSaber. Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software. Sistema de Gestão de Serviços em Condomínios Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática 3ºAno Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/2010 GereComSaber Sistema de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Curso de Eng. Informática Linguagens de Programação. C Sharp University Data Processing. (C Sharp Universidade de Processamento de Dados) Docente:

Curso de Eng. Informática Linguagens de Programação. C Sharp University Data Processing. (C Sharp Universidade de Processamento de Dados) Docente: Trabalho elaborado por: Carlos Palma nº5608 Curso de Eng. Informática Linguagens de Programação C Sharp University Data Processing (C Sharp Universidade de Processamento de Dados) Docente: José Jasnau

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Manual de Utilização. GESTOR DE METADADOS DOS AÇORES (GeMA) Setembro de 2015. Versão 4.0

Manual de Utilização. GESTOR DE METADADOS DOS AÇORES (GeMA) Setembro de 2015. Versão 4.0 Manual de Utilização GESTOR DE METADADOS DOS AÇORES (GeMA) Setembro de 2015 Versão 4.0 FICHA TÉCNICA TÍTULO: Manual de Utilização do Gestor de Metadados dos Açores (GeMA) AUTORIA: Grupo de Trabalho INSPIRE

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Manual de Integração

Manual de Integração Manual de Integração Versão 3.10 Conteúdo 1 Obtendo e Instalando o Emissor... 4 1.1 Obtendo o instalador... 4 1.2 Instalando o JAVA e o Framework.NET 2.0... 4 1.3 Instalando o Emissor... 5 2 Padrões de

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 10-07-2009 Controlo do Documento Autor

Leia mais

RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa

RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa RENT versão desktop Manual de Utilizador para empresa @ Copyright 2015 Desenvolvido pela Dória Software versão manual 1.3 Última atualização 23.03.2015 Sobre o RENT I. O que é o RENT? RENT- Registo Nominal

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

www.enviarsms.smsvianetportugal.com Descrição de Como Utilizar

www.enviarsms.smsvianetportugal.com Descrição de Como Utilizar www.enviarsms.smsvianetportugal.com Descrição de Como Utilizar Este interface de utilizador, do serviço www.smsvianetportugal.com, permite a ceder à mesma conta de cliente, que através do interface simplesms.smsvianetportugal.

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Internet Explorer. *

Leia mais

BACKUP E RESTORE BACKUP (NO MOODLE DO ANO PASSADO) HTTPS://MOODLE.ESTGV.IPV.PT/201314

BACKUP E RESTORE BACKUP (NO MOODLE DO ANO PASSADO) HTTPS://MOODLE.ESTGV.IPV.PT/201314 BACKUP E RESTORE BACKUP (NO MOODLE DO ANO PASSADO) HTTPS://MOODLE.ESTGV.IPV.PT/201314 Nota importante: O backup não deve incluir os utilizadores, visto que os alunos inscritos na U.C. em 2014-2015 são

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO -ZIMBRA- Ajuda na configuração e utilização do cliente de correio eletrónico

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO -ZIMBRA- Ajuda na configuração e utilização do cliente de correio eletrónico MANUAL DE CONFIGURAÇÃO -ZIMBRA- Ajuda na configuração e utilização do cliente de correio eletrónico Índice Autenticação Pela Primeira Vez... 3 Utilização do Zimbra... 4 Como Aceder... 4 Como fazer Download

Leia mais

Universidade do Minho. Serviços de Documentação. Guia do Utilizador. http://www.myendnoteweb.com

Universidade do Minho. Serviços de Documentação. Guia do Utilizador. http://www.myendnoteweb.com Universidade do Minho Serviços de Documentação http://www.myendnoteweb.com ÍNDICE 1. O EndNote Basic... 2 2. Acesso e Registo no EndNote Basic... 3 3. Página principal... 5 4. Minhas referências... 6 5.

Leia mais

Disponibilização da v4.12 do ETPOS, alterações e procedimentos

Disponibilização da v4.12 do ETPOS, alterações e procedimentos Introdução... 3 Comunicação dos elementos dos documentos de transporte... 3 Licenciamento via sms... 4 Configuração do ETPOS... 5 Dados para autenticação no Portal da AT... 5 Criação de uma nova série

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

[Documentação da Plataforma MY.IPLEIRIA.PT dos Estudantes do IPLeiria]

[Documentação da Plataforma MY.IPLEIRIA.PT dos Estudantes do IPLeiria] [Documentação da Plataforma MY.IPLEIRIA.PT dos Estudantes do IPLeiria] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 19-10-2010 Controlo do Documento Autor

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801)

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) UTILIZAÇÃO DE APLICATIVOS BASE E CALC DO PACOTE BROFFICE.ORG PARA CRIAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PEQUENO PORTE Wílson Luiz Vinci 1 Marcelo Gonçalves

Leia mais

Manual de Registo de Certificados no. Microsoft Windows

Manual de Registo de Certificados no. Microsoft Windows Manual de Registo de Certificados no Microsoft Windows Manual de Registo de Certificados no Microsoft Windows Página 2 de 12 CONTROLO DOCUMENTAL REGISTO DE MODIFICAÇÕES Versão Data Motivo da Modificação

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Download. Instalaça o. Geral

Download. Instalaça o. Geral Download Não estou a conseguir fazer o download da versão demo do produto. Há outra forma de o obter? Sim, com certeza. Por favor, envie uma solicitação para algum dos meios de suporte disponíveis no nosso

Leia mais

RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES, SUPLEMENTOS E DOS PONTOS DECORRENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES, SUPLEMENTOS E DOS PONTOS DECORRENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES, SUPLEMENTOS E DOS PONTOS DECORRENTES DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO UTILIZADOR 1 RECOLHA DE INFORMAÇÃO DE REMUNERAÇÕES E DE DESEMPENHO MANUAL DO UTILIZADOR

Leia mais

Andreia Mota (ci05010) Diana Campos (ci05016) Rita Guimarães (ci05036)

Andreia Mota (ci05010) Diana Campos (ci05016) Rita Guimarães (ci05036) Andreia Mota (ci05010) Diana Campos (ci05016) Rita Guimarães (ci05036) Sistemas Computacionais e de Comunicação Trabalho nº1 OpenOffice Vs. Windows Licenciatura em Ciência da Informação Porto

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 09-06-2010 Controlo do Documento Autor

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Acesso à plataforma File Sender

Acesso à plataforma File Sender Acesso à plataforma File Sender Autor: ENSP - Gabinete de Informática Data: 15/12/2014 Objetivo: Descrever os procedimentos para o processo de acesso ao serviço de envio de ficheiros de grandes dimensões

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio Manual SM Contratos & Avenças Versão 2.8.4 Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio 1 Índice SoftSolutions, Lda 2000/2012. Todos os direitos reservados...3 Todos os direitos reservados...3

Leia mais

Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22

Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22 Manual de Utilizador MDDE Plug-in (Windows) 1 of 22 Marca do Dia Eletrónica (MDDE) A Marca De Dia Eletrónica (MDDE) é um serviço, concebido por CTT e MULTICERT, que coloca uma "estampilha eletrónica" num

Leia mais

Introdução à aplicação Web

Introdução à aplicação Web Introdução à aplicação Web A aplicação Web SanDisk +Cloud é uma interface com base na Web para aceder ao seu conteúdo e gerir a sua conta. Com a aplicação Web poderá reproduzir música, ver filmes, ver

Leia mais

SIQuant GeoQuality DGNToShapefile Converter

SIQuant GeoQuality DGNToShapefile Converter SIQuant GeoQuality DGNToShapefile Converter v.1.2.1.0 Manual do Utilizador 2005-2007 Copyright SIQuant 2005, 2006, 2007. Todos os direitos reservados. O sistema SIQuant GeoQuality é licenciado pela empresa

Leia mais

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt 1 Índice Menu e-mail marketing...03 Conteúdo da mensagem...04 Listas de contatos...15 Ações de e-mail marketing...19 Perguntas frequentes...26 2

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE 2 EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor 20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor Versão 1.0 Índice I. Começar a utilizar o 20 Aula Digital... 4 1. Registo... 4 2. Autenticação... 4 2.1. Recuperar palavra-passe... 5 II. Biblioteca...

Leia mais

P2D PRONTUÁRIO UNIVERSAL SISTEMA OFICIAL DO CBO CERTIFICADO PELO CFM-SBIS

P2D PRONTUÁRIO UNIVERSAL SISTEMA OFICIAL DO CBO CERTIFICADO PELO CFM-SBIS P2D PRONTUÁRIO UNIVERSAL SISTEMA OFICIAL DO CBO CERTIFICADO PELO CFM-SBIS Estamos comprometidos a ajudá-lo a criar um fluxo de trabalho prático com o P2D. Para tanto, preparamos essas 10 dicas com as melhores

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE Biblioteca ANACOM - Manual do utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 3 Pesquisa simples... 3

Leia mais

Rock In Rio - Lisboa

Rock In Rio - Lisboa Curso de Engenharia Informática Industrial Rock In Rio - Lisboa Elaborado por: Ano Lectivo: 2004/05 Tiago Costa N.º 4917 Turma: C Gustavo Graça Patrício N.º 4757 Turma: C Docente: Professora Maria Estalagem

Leia mais

1.2.4. Organizar a estrutura do site

1.2.4. Organizar a estrutura do site 1.2.4. Organizar a estrutura do site 1 Organizar a estrutura do site A organização da estrutura do site passa pela definição das ligações entre as páginas que o compõem Esta organização deve ser intuitiva

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Como funciona a MEO Cloud?

Como funciona a MEO Cloud? Boas-vindas O que é a MEO Cloud? A MEO Cloud é um serviço da Portugal Telecom, lançado a 10 de Dezembro de 2012, de alojamento e sincronização de ficheiros. Ao criar uma conta na MEO Cloud fica com 16

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007

( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Tutorial JUDE ( JUDE Community 5.1 2006/2007 ) Por Denize Terra Pimenta Outubro/2007 Ferramenta CASE UML Índice Introdução... 2 Download e Instalação... 2 Apresentação da Ferramenta... 2 Salvando o Projeto...

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Office Web Apps para Professores Passo-a-passo

Office Web Apps para Professores Passo-a-passo Office Web Apps para Professores Passo-a-passo Usar o Office Web Apps no Windows Live Para usar o Office Web Apps no Windows Live precisa de ter uma conta Microsoft, Windows Live ou Office 365 um endereço

Leia mais

Manual de Autenticação na Plataforma

Manual de Autenticação na Plataforma Manual de Autenticação na Plataforma Índice 1. Autenticação na Plataforma... 3 1.1 Autenticação Via Certificado... 3 1.2 Autenticação Via Cartão de Cidadão... 3 2. Autenticação Via Certificado... 4 2.1

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Tutorial: Do YouTube para o PowerPoint

Tutorial: Do YouTube para o PowerPoint Autor: João Pina aragaopina@gmail.com 01-03-2010 OBJECTIVOS No final deste tutorial será capaz de: A. Retirar vídeos do YouTube; B. Converter os vídeos num formato passível de ser integrado em PowerPoint;

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Poderá instalar o ZSRest APP diretamente através da Play Store do equipamento.

Poderá instalar o ZSRest APP diretamente através da Play Store do equipamento. 1 ZSRest APP 2 Este manual serve para o ajudar na configuração e utilização da aplicação ZSRest APP. Poderá instalar o ZSRest APP diretamente através da Play Store do equipamento. Inicialização: Ao iniciar

Leia mais

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application

Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Office 365 Manual Outlook 365 Web Application Requisitos para usar o Office 365: Ter instalado pelo menos a versão 7 do Internet Explorer, Mozilla Firefox 15, Google Chrome 21 ou Safari no Mac. O que é

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

Manual de Utilização COPAMAIL. Zimbra Versão 8.0.2

Manual de Utilização COPAMAIL. Zimbra Versão 8.0.2 Manual de Utilização COPAMAIL Zimbra Versão 8.0.2 Sumário ACESSANDO O EMAIL... 1 ESCREVENDO MENSAGENS E ANEXANDO ARQUIVOS... 1 ADICIONANDO CONTATOS... 4 ADICIONANDO GRUPOS DE CONTATOS... 6 ADICIONANDO

Leia mais

POSTOUCH. Manual Software

POSTOUCH. Manual Software POSTOUCH Manual Software Introdução Introdução POS TOUCH é uma solução direcionada a pequenos postos de venda, que tem necessidade de criação de muitos talões de uma forma linear e rápida. A solução implementa

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

O que é a assinatura digital?... 3

O que é a assinatura digital?... 3 Conteúdo O que é a assinatura digital?... 3 A que entidades posso recorrer para obter o certificado digital e a chave privada que me permitem apor assinaturas eletrónicas avançadas?... 3 Quais são os sistemas

Leia mais

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário

Sistemas Enturma: Manual de Ferramentas do Usuário versão do manual: 1 1 Apresentação A evolução da tecnologia vem provocando uma revolução no ensino. O acesso à Internet e a disseminação do uso do computador vêm mudando a forma de produzir, armazenar

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF)

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) Sessão Prática II JPA entities e unidades de persistência 1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) a) Criar um Web Application (JPAsecond) como anteriormente:

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

Adenda R4. Entidades Adjudicantes. Uma Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001

Adenda R4. Entidades Adjudicantes. Uma Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 Adenda R4 Entidades Adjudicantes Uma Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 Índice 1. Introdução 2. Novas Funcionalidades anogov R4 3. Novas Abordagens anogov R4 4. Novas Soluções anogov R4+ 5. Índice

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Manual de Integração

Manual de Integração Manual de Integração Versão 1.0 Conteúdo 1 Obtendo e Instalando o Conhecimento de Transporte... 4 1.1 Obtendo o Instalador... 4 1.2 Instalando Componentes... 4 1.3 Instalando o CT-e... 4 2 Padrão de Pastas

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais