Ferramentas para Desenvolvimento de Multimídia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferramentas para Desenvolvimento de Multimídia"

Transcrição

1 Ferramentas para Desenvlviment de Multimídia Aplicativs Fechads Para s prfissinais das áreas de aplicaçã de tecnlgia multimídia, as ferramentas que requerem menr curva de aprendizad (ist é, sã de aprendizad mais fácil) sã s aplicativs fechads. Tipicamente, sã usads para a criaçã de material, cm s editres de sm, de música, de imagens e de animações. Esses prgramas nrmalmente apresentam interfaces gráficas fáceis de usar, através das quais usuári trabalha pr mei de manipulaçã direta de representações gráficas ds elements da aplicaçã, auxiliad pr recurss cm cardápis, caixas de diálg e mensagens de ajuda. Ist trna seu aprendizad mais fácil, permitind que s desenvlvedres alcancem rapidamente uma alta prdutividade. Embra algumas ferramentas, mais simples e especializadas, sejam peráveis exclusivamente através de interfaces gráficas, a tendência das ferramentas prfissinais é dispr de algum tip de linguagem de prgramaçã. Esta linguagem pde ser específica da ferramenta, u derivada de alguma linguagem de prgramaçã usual; ns ambientes Windws, muitas ferramentas têm linguagens de prgramaçã derivadas d Basic. A linguagem permite que usuáris avançads cdifiquem tarefas cmplexas na frma de pequens prgramas. Algumas ferramentas dispõem d recurs de captura de macrs: elas permitem que uma seqüência de ações d usuári seja capturada na frma de códig da linguagem de prgramaçã. Ferramentas de Autria A prduçã prfissinal de multimídia nã se presta à utilizaçã de ferramentas puramente visuais. Pr utr lad, aprendizad de ambientes baseads em linguagens algrítmicas é lng e difícil, só send justificável n cas de desenvlviment de aplicativs cmplexs, cm requisits pesads de desempenh. Os desenvlvedres desse tip de prdut precisam dminar também muitas técnicas de engenharia de sftware, além ds detalhes geralmente já bastante cmplexs ds ambientes de prgramaçã. Uma sluçã intermediária é frnecida pelas ferramentas de autria, nas quais parte da interface de usuári pde ser gerada pr manipulaçã direta. Uma linguagem de prgramaçã pde ser usada para prgramar as ações crrespndentes às slicitações d usuári. Pde ser também admitida a integraçã de móduls escrits em linguagem de prgramaçã cnvencinal. Ferramentas de autria geralmente partem de uma metáfra básica: títul em prduçã é encarad cm um cnjunt de slides, um dcument, um livr, u algum utr mdel cnceitual familiar para a mairia das pessas. Naturalmente, a metáfra é apenas um pnt de partida para a intrduçã ds cnceits, e as ferramentas de autria utilizam s recurss infrmátics para ferecer pssibilidades muit além das ferramentas manuais. A distinçã entre ferramentas de autria e ambientes de prgramaçã nã é absluta. Para cada faixa de prduts existe uma gama de ferramentas mais adequadas. A esclha crreta da ferramenta de autria é um fatr fundamental para sucess de um prjet de multimídia. Hipertext e hipermídia sã desenvlvids mediante us de pactes de sftware baseads em linguagens de prgramaçã cm Java e a Hypertext Markup Language (HTML), que criam hiperlinks para utras partes de um dcument u para utrs dcuments e arquivs de multin1ídia. Hipertext e dcuments em hipermídia, pr iss, pdem ser prgramads para permitir que um leitr navegue pr um banc de dads em multimídia seguind uma sucessã de hiperlinks a lng de váris arquivs de multimídia. Os sites de rede na Internet sã um exempl cnhecid desta tecnlgia. Prtant, us de sftware de hipertext e hipermídia em navegadres de rede e utrs prgramas prpicia um ambiente para apresentações interativas de multimídia nline. Classificaçã de Ambientes Multimídia Segund grau de interatividade tems: Títuls Aplicativs cm interface multimídia Sites Marcel Musci 8

2 Títuls Os prduts que se enquadram nesta categria se cmprtam mais cm dcuments d que cm prgramas. Meis de cnsulta e pesquisa de dcuments digitais: Visualizadres (viewers). Navegadres (brwsers). Títuls lineares Títuls hipermídia Títuls lineares Apresentaçã d material segue rdem pré-determinada e seqüencial. Usuári final tem alguns pucs cntrles, semelhantes as ds equipaments analógics (avançs, retrcess, avanç rápid, etc.). Títuls hipermídia A rdem de visualizaçã é determinada pel usuári final. O usuári dispõe de cntrles para navegaçã nã-seqüencial. Utilizam indicações visuais (sinais gráfics cm text sublinhad e imitações de btões). Os sinais gráfics permitem seguir referências, pesquisar assunts e utilizar índices, além de nã abrir mã ds cntrles lineares nrmais. Derivam d cnceit de hipertexts: encadeament de referências permite a cnsulta nãseqüencial de uma base de infrmações de text. A hipertext, a hipermídia acrescenta gráfics, imagens, sm e animações. Aplicativs cm Interface Multimídia Geralmente dispnibilizads em CD-ROM Desenvlvids em ambientes nrmais de prgramaçã de aplicativs gráfics, cm Visual Basic e Delphi. Jgs Aplicativs educacinais básics (Prgramas para ensin de primeir e segund graus) Sites Sã títuls de hipermídia clcads em um servidr da WWW e visualizads remtamente, em uma máquina cliente, através de um prgrama navegadr (brwser). Escrits em HTML. Existe uma página inicial / Navegaçã é realizada pr hiperlinks. Cntém material multimídia. Os navegadres pdem aceitar a reprduçã de nvas frmas de material multimídia, pr mei de suplements (plug-ins). Autria de Títuls Autria de Títuls Lineares Caracterizaçã Ferramentas para a autria de títuls lineares permitem, geralmente, apresentações cm avançs manuais, cm as usadas em palestras, u avançs autmátics, cm nas demnstrações em feiras. Pde ser cnveniente gerar versões em víde das apresentações autmáticas; n capítul sbre Víde, será discutid cm se pde fazer iss. As ferramentas mais recentes suprtam a tecnlgia OLE, que permite a inclusã nas apresentações de bjets criads pr grande númer de aplicativs. Iss inclui nã só bjets de imagem, sm e animaçã, cm bjets de estrutura cmplexa, tais cm text cm frmat, planilhas u diagramas de cntrle de prjets. Os bjets pdem ser embutids n crp ds títuls, u pdem tmar a frma de referências a arquivs externs, que evita s incnvenientes assciads a arquivs de grandes dimensões. Os bjets OLE pdem ser editads in lc, através da invcaçã da ferramenta que riginalmente s criu. Marcel Musci 9

3 Sã exempls de ferramentas para autria de títuls lineares: PwerPint, da Micrsft, rientad para slides; Acrbat Writer, da Adbe, rientad para dcumentaçã n-line. O Pwerpint A metáfra básica d PwerPint é cnjunt de slides u transparências. O PwerPint é muit usad para a prduçã de slides em filme ftgráfic e de transparências em acetat. Entretant, à medida que s sistemas de prjeçã de víde gerad pr cmputadr se trnam mais barats, ele é cada vez mais usad para a criaçã de apresentações n-line. Apresentações autmáticas para quisques também pdem ser criadas cm ele. Um títul d PwerPint é rganizad cm um cnjunt de slides que fazem parte de um shw. A apresentaçã pde ser cntrlada manualmente, u pde ser autmatizada. N md de avanç autmátic, pde-se esclher intervals de temp e métds de transiçã entre slides. Material gráfic pde ser criad através de um editr gráfic intern, u imprtad de utrs aplicativs gráfics. Material multimídia é incluíd através de bjets OLE. Pde-se gravar uma narraçã, u adicinar um fund musical prveniente de uma trilha de CD. Animações de text e de transições pdem ser criadas internamente. Recurss rudimentares de navegaçã nã-linear pdem ser incluíds, permitind-se a inclusã de btões de navegaçã e palavras sensíveis. A apresentaçã pde ser feita através d própri PwerPint, u de utilitáris de apresentaçã independente. É pssível também cnverter títul em frmats aprpriads para apresentaçã através da WWW. Tela d PwerPint A figura acima mstra uma apresentaçã trabalhada n PwerPint, cnfigurada para apresentaçã autmática, cm intervals de 5 segunds para cada slide. Fi esclhid um efeit de transiçã entre slides e um sm de passagem de slide. A apresentaçã inclui tant elements gráfics imprtads cm desenhads internamente. Marcel Musci 10

4 O Adbe Acrbat Uma alternativa para distribuiçã n-line de apresentações u qualquer tip de dcument é us d frmat PDF, definid pela Adbe. Este frmat permite que a apresentaçã u dcument seja visualizad de frma próxima à de um dcument impress, desde que leitr tenha instalad Adbe Acrbat Reader, que pde ser baixad gratuitamente d síti da Adbe. O PDF (Prtable Dcument Frmat) é um frmat padrã para distribuiçã e trca segura e cnfiável de dcuments eletrônics. É um frmat de arquiv universal que preserva as fntes, figuras, gráfics e layut d dcument riginal, independentemente d aplicativ e platafrma usads para criá-l. Os arquivs Adbe PDF sã cmpacts e cmplets e pdem ser cmpartilhads, exibids e impresss pr qualquer usuári d sftware gratuit Adbe Acrbat Reader. É pssível cnverter qualquer dcument para frmat PDF, que permite a prfissinais de negócis, engenharia e criaçã criar, distribuir e trcar dcuments PDF de frma segura e cnfiável. O sftware de geraçã ds dcuments é Adbe Acrbat Writer. Ferramentas auxiliares permitem que s aplicativs de criaçã ds dcuments gerem arquivs desse frmat através ds cmands de impressã; arquivs de impressã gerads em frmat Pstscript pdem ser cnvertids diretamente. Autria de Títuls Hipermídia Caracterizaçã As ferramentas para a autria de títuls hipermídia adicinam as recurss de integraçã de material em multimídia s recurss de navegaçã nã-linear característics d hipertext. Até há pucs ans, ainda eram cmuns sistemas de hipertext pur, tais cm Gpher, da Internet. A partir da difusã ds ambientes gráfics, trnu-se cmum adicinar as ambientes de hipertext suprte a recurss gráfics, que permitiam inclusive a exibiçã de text cm frmat (fntes, estils etc.) e, psterirmente, a inclusã de elements de multimídia. Recurss de hipertext incluem a capacidade de especificar cntrles de navegaçã, através ds quais s usuáris pdem percrrer títul de frma nã-sequencial. Os cntrles de navegaçã pdem tmar a frma de btões, palavras sensíveis (ht wrds) u pnts sensíveis (ht spts) em imagens. O resultad de um cntrle de navegaçã pde ser um salt para utra página, usad quand se quer percrrer títul seguind determinads assunts, e nã a rdem das páginas; u pde ser surgiment de uma janela temprária (pp-up wíndw), recurs muit usad para definições de terms. O sucess da WWW cm rede mundial de hipermídia transfrmu a linguagem HTML em linguagem padrã de hipertext. Discutirems a seguir alguns aspects e algumas ferramentas para autria em HTML. Hipermídia HTML A linguagem HTML é um tip de linguagem de marcaçã (mark-up language), ist é, um frmat de text que cntém palavras-chaves indicadras de frmat tipgráfic. A HTML nã é uma linguagem de prpriedade particular, mas deriva da SGML (slandard generalized mark-up language), uma linguagem padrnizada para intercâmbi de dads tipgráfics entre múltiplas platafrmas. É mais d que uma linguagem de marcaçã de dcuments lineares, prque inclui um padrã de inclusã de referências a utrs arquivs em HTML; cnjunt ds arquivs cnstitui um hiperdcument. O arquiv referenciad pde ser também um entre diverss frmats suprtads de arquiv de material multimídia. As referências em HTML pdem apntar para arquivs lcais, que permite sua utilizaçã em hiperdcuments lcais, tais cm sistemas de ajuda e manuais de referência. Além diss, se cmputadr estiver cnectad à Internet, pde- se usar referências n frmat URL ( universaj resurce lcalr), que lcaliza s arquivs em qualquer sistema servidr, através d endereç que este pssui na rede. A cntrári de sistemas anterires de hipertext, a WWW permite a interligaçã de dcuments entre múltipls cmputadres, de diferentes ambientes peracinais, e em escala mundial. Marcel Musci 11

5 A cnsulta as hiperdcuments, pr utr lad, é feita através de um navegadr (brwser). Os navegadres geralmente existem em versões transprtadas para múltiplas platafrmas. É pssível, prtant, criar hiperdcument em uma platafrma e visualiza-la em utras. A reprduçã d material multimídia, entretant, depende de que navegadr suprte s frmats apresentads de imagem, áudi e víde. Send a HTML uma linguagem em que tdas as infrmações estã em frmat text, s hiperdcuments pdem ser editads pr um editr de texts qualquer. O cresciment explsiv da WWW faz cm que a exprtaçã de arquivs em frmat HTML esteja dispnível em muitas ferramentas, cm s aplicativs d Micrsft Office. O Micrsft Wrd, pr exempl, pde ser usad cm editr de HTML, permitind uma transiçã mais fácil de frmats de dcuments própris para ediçã, cm frmat DOC, para frmats de dcuments visualizáveis através de navegadres. Nte-se, entretant, que existem muitas diferenças entre s frmats mais adequads para impressã e para visualizaçã n-line. A cntrári d que acntece quand se usa frmat PDF, transprte para HTML requer cnsiderável trabalh de ediçã para que sua leitura se trne cnfrtável. Esta ediçã pde ser feita através de ferramentas cm FrntPage Editr, da Micrsft, e Dreamweaver, da Macrmedia. O FrntPage Editr é geralmente usad assciad a FrntPage Explrer, para autria de sítis WWW. Entretant, ele pde ser usad para a ediçã de páginas HTML isladas. O FrntPage Editr permite que autr trabalhe de frma quase visual; cm mstrad na figura, FrntPage Editr prcura apresentar a página cm seria vista em um navegadr. <HTML> <B> <Hl>ARCOMOV/X</Hl> </B><P> Este dcument é um guia de utilizaçã d sistema ARCOMOV/X, versã 2.3. Ele explica, em linhas gerais, prcessament de sinais para cbertura de uma área de interesse definida pel usuári.<p><p><b> </B> <B> <H4>Quem deve ler este manual</h4></b> Este dcument deve servir de referência para s usuáris d sistema <B>ARCOMOV/X </B>que sã s respnsáveis pela análise e prjet da implantaçã de <B>Estações Rádi Base (ERB),</B> visand a cbertura de uma área de interesse pels sinais transmitids. <P><P><B> </B> <B> <H4> Índice</H4> </B> <A HREF = "arc0.htm">apresentaçã </A> <P> <A HREF = "arcl.htm">visã Geral d Sistema </A> <P> <A HREF = "arc2.htm">base de Dads e Ambiente Operacinal</A> <P> <A HREF = "arc3.htm">utilizand ARCOMOV/X</A> <P> <A HREF = "arc4.htm">utilizand Módul Banc de Dads</A> <P> <A HREF = "arc5.htm">visualizand s Mapas Gerads pel ARCOMOV/X</A> <P> <A HREF = "arc6.htm">desenhand um Mapa ARCOMOV/X</A><P> <A HREF = "arc7.htm">respnsabilidade Técnica</A> <P> <P> </HTML> Hipertext em HTML Visualizaçã de HTML em um navegadr Marcel Musci 12

6 Tela d FrntPageEditr Cm a HTML tem evluçã muit rápida, nem tds s recurss da linguagem sã suprtads diretamente pel FrntPage Editr. Pr iss, ele ferece também uma visã que permite a autr trabalhar diretamente em HTML. Tela d Dreamweaver Na figura acima vê-se a mesma página HTML dentr d Macrmedia Dreamweaver. Esta ferramenta pertence à família d Macrmedia Directr. Marcel Musci 13

7 Finalmente, é imprtante ntar que, quand recurss mais recentes u avançads da linguagem sã usads, s diverss navegadres visualizam de frma diferente a mesma página. Pr iss, autr deve definir quais s navegadres preferenciais para visualizaçã d títul, infrmand ist na página inicial (hme page) d hiperdcument. De preferência, deve-se também indicar a resluçã mínima da tela que permitirá a visualizaçã adequada. O Macrmedia Directr Nas ferramentas vistas até agra, papel da multimídia é suplementar. Em um hiperdcument HTML, pr exempl, material de multimídia é representad pr arquivs separads, em geral prduzid cm ferramentas distintas de criaçã, e ligad às páginas HTML através de referências externas. Quand navegadr encntra elements de multimídia, ele deve chamar suplements própris u cntrles de tecnlgia OLE para reprduçã d respectiv material. A linguagem HTML nã trata de aspects ligads a temp, cm a seqüência e sincrnizaçã ds elements de multimídia. Tela d Macrmedia Directr O Directr da Macrmedia é uma ferramenta atualmente muit ppular para desenvlviment de títuls em hipermídia baseads em cmbinações ricas de material multimídia sincrnizad. Na figura acima vê-se um títul que faz parte d própri tutrial distribuíd junt cm a ferramenta; este títul particular ensina cm utilizar s recurss de animaçã bidimensinal d Directr. Usa-se uma metáfra baseada em teatr: s elements de text, gráfics e multimídia fazem parte de um elenc (cast) e sã clcads em um palc (stage), que representa a janela nde a apresentaçã será exibida. Diverss recurss, cm marcadres e uma linguagem de script (Ling), permitem a navegaçã nã-linear, intrduzind s elements de hipermídia. O element central d Directr é a partitura (scre), que é mstrada na figura. A partitura determina s pnts de temp que cada element d elenc aparece e desaparece. Elements d elenc pdem ser repetids em diferentes papéis (sprites), que atuam de frma independente. A partitura pde cnter quadrs-chave, que servem de base para a animaçã pr mei de técnicas de interplaçã. Os títuls prduzids cm Macrmedia Directr pssuem um frmat de autria de prpriedade da Macrmedia (frmat DIR). Para distribuiçã, pdem ser prduzids em diverss frmats, inclusive arquivs executáveis (frmat EXE), frmats de víde digital e frmats para distribuiçã através da Internet ("Shckwave mvie"), que pdem ser reprduzids em flux cntínu. Marcel Musci 14

8 Autria de Aplicativs cm Interface Multimídia Caracterizaçã As ferramentas para autria de aplicativs cm interface multimídia se distinguem pelas seguintes características: cnstruçã visual da interface de usuári, criand-se s cntrles de usuári através de ferramentas de desenh e frmuláris; mecanisms para inclusã de material multimídia na interface; pssibilidade de prgramaçã textual em uma linguagem de prgramaçã simples, que permita a criaçã de prcediments de respsta às ações d usuári sbre a interface; mecanism de temp de execuçã distribuíd cm aplicativ. Exempls de ferramenta de cnstruçã de aplicativs cm interface multimídia: Visual Basic, da Micrsft Uma ferramenta muit difundida para criaçã de miniaplicativs é Visual Basic, da Micrsft. Apresenta-se cm um ambiente de cnstruçã visual de interfaces de usuári. Os cntrles sã clcads em frmuláris (frms). Os cntrles têm prpriedades descritas através d preenchiment de tabelas, e cmprtament descrit pr sub-rtinas em linguagem Basic, assciadas as events ds cntrles. A linguagem utilizada acrescenta a Basic tradicinal muits utrs recurss, inclusive cnstruções de prgramaçã estruturada e, nas versões recentes, de prgramaçã rientada a bjets. Tela d Visual Basic 6.0 O Visual Basic tem um ambiente de desenvlviment frmad pr múltiplas janelas. A interface de usuári é criada mntand-se em um quadr de desenh cntrles que sã esclhids entre s dispníveis na paleta de cntrles. Os cntrles d Visual Basic têm arquitetura aberta: sã nrmalmente prgramads em C+ + u n própri Visual Basic, dentr de um padrã de prgramaçã basead na tecnlgia OLE. Ist permite desenvlviment de cntrles capazes de prcessaments cmplexs, inclusive de multimídia. Biblitecas de cntrles para fins especializads sã ferecidas n mercad de ferramentas de sftware. Os cntrles mais antigs, de 16 bits, utilizam frmat VBX; s cntrles atuais, cncrdantes cm a tecnlgia OLE, têm frmat OCX. Marcel Musci 15

9 Autria de Sítis Visã geral D pnt de vista d ambiente peracinal, um síti WWW é uma cleçã de arquivs, rganizads em uma estrutura de pastas, que cntém páginas de hipertext e utrs materiais vinculads a estas páginas. A figura abaix mstra uma visã de pastas de um síti em desenvlviment. Pssíveis materiais cnstituintes de um síti incluem: páginas de hipertext; material gráfic e de multimídia, vinculad a estas páginas; utrs tips de dcuments, distribuíds através d síti; arquivs de trabalh usads pel sftware servidr d síti; váris tips de sftware que cnferem interatividade a páginas d síti, chamads de códig ativ. Na figura acima aparecem arquivs cm hipertext (HTM) e imagens (GIF, JPG). As páginas pdem ser visitadas seguind-se uma estrutura de navegaçã realizada através das hiperligações (hypelinks). Tipicamente, as hiperligações internas de um síti sã expressas de frma relativa (baseadas na estrutura interna de pastas d síti). As hiperligações externas sã expressas de frma absluta, através de um endereç URL cmplet, que cntém nme d servidr. Nrmalmente, a primeira página visitada de um síti é a página inicial (hme page). Um síti pde pertencer a um ds seguintes tips de rede: à Wrld Wide Web, quand síti é acessível através da Internet; a uma "intranet", quand síti só fr acessível através da rede interna de uma rganizaçã. Geralmente, um síti pde ser transfrmad em um títul hipermídia lcal, distribuíd, pr exempl, através de um CD. Nesta transfrmaçã, s arquivs de trabalh d servidr sã eliminads, permanecend restante da estrutura de arquivs e de hiperligações. Marcel Musci 16

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

PDF Livre com o Ghostscript

PDF Livre com o Ghostscript PDF Livre cm Ghstscript Um tutrial para criaçã de um geradr de arquivs PDF em Windws, basead em ferramentas gratuitas. Márci d'ávila, 05 de mai de 2004. Revisã 8, 20 de setembr de 2007. Categria: Text

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE

MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE MODELO DE PROGRAMAÇÃO DO WINDOWS AZURE DAVID CHAPPELL OUTUBRO DE 2010 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO Pr que criar um nv mdel de prgramaçã?... 3 Três regras d mdel de prgramaçã d Windws

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 18/10/2014 a 30/11/2014 Carg: Agente de Api Técnic Taxa de Inscriçã: R$ 55,00 Salári/Remuneraçã: R$ 958,76 Nº Vagas: 12 Data da Prva: 01/02/2015

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Resumo Detalhado de Competências

Resumo Detalhado de Competências Resum Detalhad de Cmpetências Índice Dads Pessais Pagina 1 Resum da Experiência Pagina 1 Tecnlgias Pagina 2 Experiência Prfissinal Pagina 4 Frmaçã Académica e Prfissinal Pagina 4 Línguas Página 5 Dads

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Ciências Cntábeis Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 01

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 Manual d Usuári Interface d cliente Cpyright 2012 BradNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 INDICE INDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 REQUISITOS MÍNIMOS... 3 BENEFÍCIOS... 3 APLICAÇÕES... 4 INICIANDO O APLICATIVO...

Leia mais

ESCOPO DETALHADO - CO 137-012 - Modelos 3D e Vinhetas Animadas

ESCOPO DETALHADO - CO 137-012 - Modelos 3D e Vinhetas Animadas ESCOPO DETALHADO - CO 137-012 - Mdels 3D e Vinhetas Animadas Cntrataçã de prdutra para desenvlviment ds mdels 3D das marcas e das vinhetas de animaçã 3D O Cmitê Ri 2016 pretende cm este prcess seletiv

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

Win Seta para baixo Win Seta para cima Win Shift Seta para baixo Win Shift Seta para cima Win Seta para direita Win Seta para esquerda Win Shift

Win Seta para baixo Win Seta para cima Win Shift Seta para baixo Win Shift Seta para cima Win Seta para direita Win Seta para esquerda Win Shift ATALHOS DO WINDOWS 1.1 Mvend e redimensinand a janela que está ativa 1.2 Win + Seta para baix Restaura a janela ativa (se estiver maximizada) u miniminiza (se estiver restaurada). Win + Seta para cima

Leia mais

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184

Disciplina: Programação III Conteúdo: Programação Orientada a Objetos Linguagem JAVA Página: 184 Cnteúd: Prgramaçã Orientada a Objets Linguagem JAVA Página: 184 3.12 COMPONENTES GUI E O TRATAMENTO DE EVENTOS Origem: Capítul 11 Cmpnentes GUI: Parte 1. Livr: Java Cm Prgramar, Deitel & Deitel, 6ª. Ediçã;

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do conversor RS232/RS485 (PMC712) com controladores HI. HI Tecnologia. Documento de acesso público Ntas de Aplicaçã Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm cntrladres HI HI Tecnlgia Dcument de acess públic ENA.00034 Versã 1.00 setembr-2010 HI Tecnlgia Utilizaçã d cnversr RS232/RS485 (PMC712) cm

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Procedimentos para o uso de TI no DRH

Procedimentos para o uso de TI no DRH Prcediments para us de TI n DRH As clabradres d DRH Cm parte das diretrizes divulgadas através d memrand nº 243/2008-SAM01, e visand melhrias na manutençã de cmputadres, segurança das infrmações e cntrle

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

SMART Document Camera-

SMART Document Camera- Especificações SMART Dcument Camera- Mdel SDC-450 Especificações físicas Tamanh Dbrada Instalada Pes Tamanh para remessa Pes para remessa 25,4 cm L 7 cm A 30,5 cm P (10" L 2 3/4" A 12" P) 20,3 cm L 55

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

REQUISITOS DE DESEMPENHO DA SOLUÇÃO artº 3º C E. Baixos constrangimentos e largura de banda aceitável para o utilizador.

REQUISITOS DE DESEMPENHO DA SOLUÇÃO artº 3º C E. Baixos constrangimentos e largura de banda aceitável para o utilizador. Dispnível n prdut Dispnível após Serviçs de custmizaçã/ adaptaçã Dispníveel após Serviçs de desenvlviment/ integraçã Ntas explicativas (se necessári) Arquitectura Tecnlógica artº 2 C E a. Cnstituiçã de

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL

GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL A Indra, através das Cátedras de Tecnlgias Acessíveis que prmve em clabraçã cm a Fundaçã Adecc e diversas universidades espanhlas, apiu desenvlviment em cnjunt cm a Universidade

Leia mais

Conteúdo Programático: Autodesk AutoCAD 2013 Avançado - 3D. Conteúdo Programático da Etapa Presencial:

Conteúdo Programático: Autodesk AutoCAD 2013 Avançado - 3D. Conteúdo Programático da Etapa Presencial: Cnteúd Prgramátic: Autdesk AutCAD 2013 Avançad - 3D Cnteúd Prgramátic da Etapa Presencial: Line - Melhrias Preview em Prperties Melhrias n Array Viewprts n Layut e Mdel Quick View Drawings Editr de Hachura

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION

WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION WINDOWS AZURE E ISVS UM GUIA PARA OS RESPONSÁVEIS PELAS DECISÕES DAVID CHAPPELL JULHO DE 2009 PATROCINADO PELA MICROSOFT CORPORATION SUMÁRIO ISVs e cmputaçã em nuvem... 2 Breve visã geral d Windws Azure...

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 23/11/2014 a 18/12/2014 Carg: Técnic de Nível Superir: Administraçã Taxa de Inscriçã: R$ 60,00 Salári/Remuneraçã: R$ 4.232,00 Nº Vagas: 02 Data

Leia mais

Usar um dispositivo Android

Usar um dispositivo Android Andrid Cntrle e cmand Transfrme Andrid em um eficiente cntrle remt para uma máquina Linux. pr Dmitri Ppv Usar um dispsitiv Andrid para acessar e cntrlar máquinas Linux remtas nã é uma ideia nva, e uma

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM INFORMÁTICA I N S T R U Ç Õ E S

CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM INFORMÁTICA I N S T R U Ç Õ E S 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO CONCURSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS LUZIÂNIA CADERNO DE PROVA NÍVEL SUPERIOR EM INFORMÁTICA I N S T R U Ç Õ E S Verifique

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

AutoCad Básico 2011 3D

AutoCad Básico 2011 3D Fne: +61 3031-6515 www.mcrsftware.cm.br AutCad Básic 2011 3D Autdesk AutCAD Básic 2011 3D Objetiv Técnic: Este treinament tem pr bjetiv capacitar alun nas técnicas de mdelagem 3D tant de arquitetura cm

Leia mais

- Documentação, Informática e Desenvolvimento, Lda.

- Documentação, Informática e Desenvolvimento, Lda. - Dcumentaçã, Infrmática e Desenvlviment, Lda. Impressã de Cartões A impressã de cartões de identificaçã é feita através d prgrama DcbCard chamad pel módul de Empréstims na Ediçã de Leitres. Utiliza as

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Controle de Atendimento de Cobrança

Controle de Atendimento de Cobrança Cntrle de Atendiment de Cbrança Intrduçã Visand criar um gerenciament n prcess d cntrle de atendiment de cbrança d sistema TCar, fi aprimrad pela Tecinc Infrmática prcess de atendiment, incluind s títuls

Leia mais