SER NA PERSPECTIVA DO OUTRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SER NA PERSPECTIVA DO OUTRO"

Transcrição

1 SER NA PERSPECTIVA DO OUTRO Julci Stefano Becker 1 Aloísio Ruedell 2 Resumo: Uma das principais contribuições das filosofias da existência, para o pensamento humano, foi sua discussão sobre a questão do outro, de tal forma que ainda não tinha sido considerado no racionalismo e no idealismo clássicos. Gabriel Marcel investiga o ser existencial a partir da encarnação, na opacidade do ser enquanto ligado a um corpo, e as relações que o fazem Mitsein, ser com o outro. Segundo Marcel, o outro se apresenta a mim como um tu, com o qual, pelas minhas experiências, constituo a minha individualidade como Meinheit. O tu constitui-se em mim como mistério que me faz ser um eu e, na intersubjetividade do eu-tu, o nós. Numa relação de reciprocidade, o eu faz emergir o outro e o outro faz emergir o eu. É esta a questão assumida na presente discussão: como se entende a relação com o outro na perspectiva das filosofias da existência ou do existencialismo, sobretudo a partir de Gabriel Marcel, complementado pelo pensamento personalista de Emmanuel Mounier. Palavras-chave: Existência. O outro. Relação. Uma das principais contribuições das filosofias da existência, para o pensamento humano, foi sua discussão sobre a questão do outro, de tal forma que ainda não tinha sido considerado no racionalismo e no idealismo clássicos. Já havia, em verdade, inúmeras questões sobre problemas referentes ao conhecimento, ao mundo, ao eu, à alma e ao corpo, à matéria e ao espírito, a Deus e à vida futura..., mas, em nenhuma abordagem, ouviu-se falar da relação com outrem. As interrogações sobre esse tema começaram a surgir com o pensar da existência, do sujeito humano como indivíduo concreto. Portanto, é esta a questão que assumimos para a presente discussão: o tema do outro visto a partir das filosofias da existência ou do existencialismo, sobretudo, a partir de Gabriel Marcel e de Emmanuel Mounier. É oportuno referir também, de início, os sociologismos e os coletivismos do século XIX, com importantes contribuições para a organização social e política. Em suas discussões, porém, não há lugar para temas como a natureza da relação ou a relação entre uma existência 1 Bolsista da CAPES; Graduado em Filosofia, Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências UNIJUÍ RS. 2 Doutor em Filosofia pela PUC/RS; Professor no Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências - UNIJUÍ.

2 2 e outra. O existencialismo, por sua vez, alerta para o perigo de alienação, quando as relações apenas são estabelecidas ao nível da organização social. Nesse caso, as estruturas institucionais tendem a abafar o sentido da existência pela abstração e pela objetivação. Marcel, entretanto, diz: vamos nos interrogar sobre o ser, enquanto ser-no-mundo 3 (1953, p ), a partir da encarnação 4 (1969, p.15-16). Olhando para a história, segundo Marcel, a tragédia da Primeira Guerra Mundial revolucionou com a idéia do ser. Apontou um ser de dores e alegrias, descobrimentos e decepções, não podendo mais se contentar com as formas abstratas, que até então o satisfaziam. Pois, essa época traz a experiência profunda do mim mesmo (1953, p.202). No ato da interrogação sobre o que é o ser, surge a consciência do transcender e o sentido da investigação sobre o nós. Nessa questão não se aceita mais uma resposta ancorada no eu. Há, pois, um despertar, cada vez maior, para o sentido histórico da existência. A experiência nos faz perceber que viemos depois de outros, dos quais temos recebido muito (...), e que, em relação a outros seres, também viemos antes (1953, p.204). Essa dupla experiência, de antes e depois, lembra a complexidade das relações e a situação dos sujeitos. Segundo Marcel, na medida em que, pela minha própria experiência, me elevar a uma percepção verdadeiramente concreta, estarei em condições de ascender a uma compreensão afetiva do outro, da experiência do outro (Marcel, 1953, p.206). As filosofias da existência não criam um conceito metafísico do ser, do somos, em oposição ao eu penso, como o fez Descartes e como, posteriormente, foi adotado por Nietzsche, ao afirmar: o inferno são os outros ou dizendo: deixamos de amar suficientemente o nosso conhecimento, desde que aos outros o comunicamos (Apud Mounier, 1963, p.138). Para Marcel, que se aproxima do pensamento de Kierkegaard, a relação do somos é carregada de subjetividade e de comunicação, pela via da interioridade. O eu penso da modalidade idealista, que se aparta dos outros como objetos, transforma-se agora num eu que sente, vive, existe em situação, numa relação de necessidade dos outros. Marcel, portanto, questiona a possibilidade de o ser se identificar com a subjetividade. Seria, então, o ser intersubjetividade? O filósofo investiga a questão, e lembra que a intersubjetividade se constitui com a presença do ego, concebido como um entre os outros. Mas, esse um entre os outros não é entendido no sentido numérico, de unidade, e sim como elemento ou força constitutiva do outro. Concretamente, afirma o autor: Não me preocupo 3 No sentido da nossa maneira específica de existir (Marcel, 1953, 197) 4 Para Marcel, a encarnação é a situação de um ser que se apresenta ligado a um corpo. Constituindo a Meinheit, unidade indivisível: eu sou meu corpo ( ). No entanto, não me permite dizer que só sou meu corpo; bem como, que o corpo é só meu. Transcende a oposição na a relação sujeito-objeto.

3 3 pelo ser, senão na medida em que tomo consciência, mais ou menos distinta, da unidade subjacente que me une a outros seres, cuja realidade presencio (Marcel, 1953, p.214). Consciente da vulnerabilidade do ser, Marcel diz que os seres são os companheiros de rua que, num obscuro domínio, me ajudam a abrir caminhos. É uma afirmativa que aponta para a maneira humilde e o caráter inesgotável com que o ser se revela na intersubjetividade. O existencialismo rompe o olhar do homem para o outro (pessoa ou mundo), como um sujeito olhando para seu objeto. Em vez disso, agora o universo passa a ser visto como um conjunto de relações de forças vivas, onde os papéis não conseguem ser definidos pelo homem, mesmo que este ocupe uma posição de superioridade frente à natureza (Stefanello, 1976, p.11). A dimensão dialogal do ser humano face ao mundo estabelece uma relação de participação e a consciência do sentido do sentimento (Marcel, 1953, p.115). Para Marcel, não existe a tradicional relação entre o ativo e o passivo. Participar significa simplesmente receber uma parte, um fragmento de um todo dado. Por isso, é impossível participar com todo nosso ser numa empresa, ou numa aventura, sem experimentar, em certa medida, o sentimento de ser arrastado; e esta, sem dúvida, é a condição indispensável que permite ao homem resistir a uma fadiga em que sucumbiria se estivesse só (Marcel, 1953, p ). A encarnação é, segundo Marcel, o ponto central da investigação filosófica (1969, p.15). O homem, pois, é corpo, sem, contudo, ser reduzido ao corpo; transcendendo a possibilidade de ser simplesmente um objeto, é a corporeidade que lhe permite estabelecer relações e buscar a complementação na concretização do ser. Dessa forma, o homem não caminha sozinho no desvelar de seu ser: O eu faz emergir o outro e o outro faz emergir o eu (Stefanello, 1976, p.58-65), estabelecendo uma relação de amor, um elo intersubjetivo entre eu e tu (Marcel. 1953, p.187). O eu não é uma entidade monádica, que fecha ou isola o ser em si mesmo (1976, p.58). Nunca transita sozinho, mas existe com outros corpos; é um ser com. No dizer de Heidegger, o Sein (ser) é um Mitsein (ser-com), ou o Dasein um Mit-dasein (Apud Mounier, 1963, p.140). Trágico é o ser-com enquadrar-se ou ser enquadrado no horizonte do ter, da posse, sujeito às coisas (Marcel, 1969, p ). O existente não pertence a ninguém em particular, mas se se liberta de alguém é para cair na escravidão do outro e, sobretudo, dos outros. Escravatura tanto mais degradante quanto os senhores me sujeitam à sua própria degradação e não à sua glória (Mounier, 1963, p ).

4 4 Segundo Marcel, a degradação pela escravatura do ter é recíproca, na proporção da submissão e da dominação. Tanto o senhor quanto o escravo estão degradados em seu ser. Degradados em relação ao mistério do ser, considerando que este [...] é algo a que estou ligado, não parcialmente, por algum aspecto determinado e especializado, mas inteiramente, enquanto realizo uma unidade que, por definição, nunca pode apreender-se a si próprio, podendo somente ser objeto de criação e de fé. O mistério faz desaparecer a fronteira entre o em-mim e o perante mim (Marcel, 1951, p.81). Na mesma direção aponta o pensamento de Mounier, ao ponderar sobre o outro e o corpo do outro: O outro não é esse corpo que está perante mim, objeto entre os objetos: esse corpo é um corpo, assim separado de qualquer outra relação, não é o corpo do outro, não me dá o outro. O outro não é em mim a minha representação do outro: é um objeto subtilizado, mas ainda um objeto (Mounier, 1963, p.141). Há um caráter de indefinição do corpo, em virtude da corporeidade do ser: Situação fundamental, que a rigor não pode ser dominada, nem medida, mas somente analisada. É precisamente esta impossibilidade que afirmo quando declaro, confusamente, que sou meu corpo. Quer dizer: não posso me tratar distinto do corpo. [...] se não na condição de um objeto (Marcel, 1969,16). Importante questionamento sobre o outro encontramos em Sartre, quando este afirma que o ser do outro se constitui em ameaça para mim. O homem sem apoio e sem ajuda - diz Sartre - está condenado a inventar o homem a cada instante (Sartre, 1987, p.9). Diante disso, o solipsismo, comenta Mounier, não pode ser evitado, a não ser numa relação de ser a ser, ou seja, de sujeito a sujeito. Há necessidade de um cogito relativo ao outro, que, no entender de Sartre, mais não é do que o cogito cartesiano examinado mais de perto. Ele nos convida a uma mudança de atitude, porque normalmente se considera o outro como aquele que eu vejo, ou seja, como objeto, reduzido a ser-visto-por-outro, assumindo a pré-concepção de estar para o outro.

5 5 Pensamos sempre o outro, como aquele que eu vejo. Ora ele é também aquele que me vê. Vejo o outro-objeto, mas ao mesmo tempo sou visto pelo outro-sujeito, ou seja [...] como um objeto. Experimento o servisto-como-objeto em sentimentos como vergonha, a timidez, o embaraço, geralmente em todas as experiências diante-do-outro, em que sinto tornar-me objeto, e objeto dependente (Mounier, 1963, p.142). Essas experiências demonstram ou apontam para o outro como sujeito. Pois, não posso ser objeto para um objeto, e sim apenas para um sujeito. O ser-visto-por-outro é uma experiência irredutível, e não pode ser deduzida nem do outro-objeto, nem do meu sersujeito. Implica o outro-sujeito. Originalmente, o outro é, assim, aquele que me olha (Mounier, 1963, p ). Mas, apesar de, teoricamente, nos referirmos ao outro como sujeito de relações, particularmente, sujeito de um olhar, a experiência é de um objeto que me invade, um objeto que me rouba o mundo, e meu ser e meu universo são também ameaçados como objeto. Neste ser-para-o-outro, em que me torno diante dele, sou-o, mas não posso dispor dele (Mounier, 1963, p.144). Não sou mais um para si, um ser humano consciente e prospectivo, mas um em si, uma existência imobilizada e indisponível. Daí a afirmação de Sartre: O meu pecado original é a existência do outro e O inferno são os outros. (Apud, Mounier, 1963, p.145). Diante dessa experiência de ameaça, as reações podem ser diversas. O sujeito pode assumir uma postura defensiva ou também partir para o ataque. Uma das primeiras defesas, segundo Mounier, é o sentimento de pudor. Nesse sentimento, eu me retenho, resguardo, evito ser reduzido ao olhar do outro, para ser reconhecido como puro sujeito. No entanto, argumenta Mounier, a verdadeira defesa é partir ao ataque, com o objetivo de reconquistar-se como sujeito e readquirir a liberdade. O ideal consiste em atingir o outro na sua própria alteridade, na sua liberdade, não como objeto, mas como ser-observante, esvaziando-o de seu poder de perturbação. É esse diz Mounier o ideal do amor (Mounier, 1963, p.147). Consiste na procura da liberdade enquanto liberdade, e não na procura da posse de um corpo. O outro como objeto não basta para provocar o amor. Este só pode nascer do desejo de outrosujeito, sujeito de liberdade. Mas, não basta reencontrar a liberdade do outro, é preciso que, paradoxalmente, se torne minha prisioneira. Ou, como diz Mounier: que o outro se atole na minha liberdade, e que livremente venha, pois como liberdade o quero possuir (147). Peço que seja objeto, mas o quero como sujeito. Objeto porque fascina, despertando para a comunhão dos corpos, ou o impossível, a comunhão das almas (Mounier, 1963, p.148).

6 6 Tarefa fundamental pode ter aí a força do desejo sexual, quando me faço carne na presença da carne do outro, para tentar apropriar-me da sua carne. Porquanto, primitivamente, ele não é carne. É ser situado, vestido não só com seus fatos, mas com mil vínculos individuais e sociais. É preciso que eu o dispa. (...) A posse é assim uma tentativa dupla e de recíproca encarnação (Mounier, p.149). Será, porém, mais uma tentativa malograda, se me mantiver como senhor. Pois, mantendo-me como senhor da vitória, pelos seus próprios processos, não possuo mais do que o despojo, e não outro. De outro lado, sou tanto menos senhor quanto mais me deixo envolver a mim próprio. Em suma, na perspectiva existencialista, não se admite atingir o outro como objeto, perante um eu sujeito. Antes, reconhece-se o outro como uma presença, e o ato de amor é constituído da relação intersubjetiva de um eu e de um tu 5 (Zilles, 1995, p.66-72). A consciência do ser, no horizonte do mistério, fora do horizonte do problema e do ter, é heterocêntrica. O homem compreende-se a si mesmo a partir dos outros, ou experiência o seu valor na medida em que é amado (Stefanello, 1976, p.60). Evita-se, aqui, a expressão na medida em que é valorizado, de modo a evitar a mercantilização das relações. No mais, o amor é a experiência que fundamenta e reconhece o ser-com. É por este que o outro emerge no amor, penetra na sua existência e desperta o ser. A minha relação subjetiva emerge o Outro para crescer, engajar-se e colocar-se a caminho do ser. Concomitantemente, ao fazer emergir o outro como ser, emerge também o eu. Importa, porém, perguntar: Para o eu fazer emergir o outro, quem garante ao eu conferir o ser a si próprio? Respondendo com Marcel: somos seres encarnados, tanto o eu como o outro estão encarnados neste mundo. Ora, para alguém surgir ou perceber-se na sua situação concreta, precisa espelhar-se no outro, ser integrado por ele. Assim, o eu como ser (sou ou sendo) traz consigo o Outro. Isso equivale a afirmar, que é o Outro (o Tu), que desperta o Eu a ser. Já discutimos sobre a importância da concepção e do tratamento entre os dois pólos, do eu e do outro, para que o ser seja humano, ou, segundo Marcel, se identifique com o ser encarnado 6. Nessa parte do texto, o desafio é investigar o teor da relação que une a ambos: o eu e o outro. Gabriel Marcel, para zelar pela relação que ambos, o eu e o outro estabelecem, usa os termos precisos do Eu - Tu. Justifica-se esse procedimento, porque, 5 Marcel trata o Outro como Tu, concebendo-o como liberdade, não como natureza. Tratar do outro como Ele seria reduzi-lo a uma natureza de objeto animado ou funcional (Etre et Avoir, apud, Becker, 2005, 78). 6 Situação em que o ser se apresenta ligado a um corpo (Marcel, 1969, p.15).

7 7 quando trato o outro como ele, reduzo-o a uma natureza: um objeto animado que funciona desta e não daquela maneira. Ao contrário, tratando o outro como tu, trato-o e concebo-o como liberdade; apreendo-o como liberdade, porque também é liberdade e não apenas natureza. Ainda mais: ajudo-o de algum modo a ser libertado... (1935, p. 154). A compreensão do outro não deve estar reduzida a uma idéia dentro de mim. Numa comunicação entre nós (eu-tu), ambos mergulhados numa esfera na qual deixam de ser iguais a outros um para o outro. Na relação com o tu, não almejo captar a idéia dele, mas a própria pessoa, que se me revela. Este encontro se estabelece na liberdade e na espontaneidade. Não se estabelece frente a frente com o outro, mas dentro de ambos. Em decorrência do grau de compreensão do outro, sintetizo o mesmo no seu ser misterioso. Sendo o tu um mistério em mim, o que me faz ser um eu? Entende-se que, na transcendência, não desaparece a individualidade do eu e do tu. Cada qual é livre, num ato de dois sujeitos, no âmbito da intimidade, na qual um terceiro, em primeiro momento, pode ser um intruso. Porém, na abertura para a participação e o aprofundamento da relação, o nós (= eu - tu) cria uma unidade, comparável a um terceiro sujeito: o Eu coletivo ou intersubjetivo. Para Stefanello (1976, p.70-74) somente no amor se compreende a plenitude de tal relação. Pois, no amor não existe objeto, na hipótese de existir a possibilidade de um possuir o outro, teríamos uma relação de objetos, algo que acontece somente na relação de sujeitos. Sendo subjetivo, por se referir a um sujeito, e intersubjetivo por se referir à relação entre sujeitos. Referências bibliográficas BECKER, Julci Stefano. Gabriel Marcel e a intersubjetividade participativa na relação Eu- Tu. In: MAAS, Adriana (org). Linguagem, Escrita e Mundo. Ijuí: Unijuí, 2005, p MARCEL, Gabriel. El Mistério del Ser. Buenos Aires, Ed. Sudamericana, Diário Metafísico. Madrid: Ediciones Guadarrama, Os homens contra o homem. Porto: Editora Educação Nacional. s/d. MOUNIER, Emmanuel. Introdução aos existencialismos. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1963.

8 8 SARTRE, Jean Paul. O Existencialismo é um humanismo. In. Os Pensadores, SP: Nova Cultural, 1987, p ZILLES, Urbano. Gabriel Marcel e o existencialismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, STEFANELLO, Antoninho Pegoraro. O homem, um ser em transito perspectiva de Gabriel Marcel. Dissertação de Mestrado, Santa Maria: UFSM, RUEDELL, Aloísio. Lições políticas para a América Latina. Um estudo do pensamento político E. Mounier. Canoas: La Salle, 1985.

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O MUNDO É A CASA DO HOMEM

O MUNDO É A CASA DO HOMEM O MUNDO É A CASA DO HOMEM Nichan Dichtchekenian Há dois motivos principais que me levam a fazer esta apresentação: O primeiro é fazer um esclarecimento e uma defesa da Fenomenologia, buscando, este esclarecimento,

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

FILOSOFIA NA PEDAGOGIA E AÇÃO ESCOLAR

FILOSOFIA NA PEDAGOGIA E AÇÃO ESCOLAR FILOSOFIA NA PEDAGOGIA E AÇÃO ESCOLAR Julci Stefano Becker 1 Resumo: A pesquisa em questão traz uma reflexão sobre a importância do papel da filosofia na formação pedagógica e ação escolar dos professores.

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Princípios de Fé Estudo 1

Princípios de Fé Estudo 1 Estudo 1 1 Tema: A fé e a comunhão Texto Base: o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com

Leia mais

Roteiro 15. O Corpo Físico. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 15. O Corpo Físico. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 15 O Corpo Físico FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivo Analisar as principais considerações filosóficas, científicas

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

novas atitudes para uma nova vida!

novas atitudes para uma nova vida! novas atitudes Gálatas 5.13-26 22 Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei. 24 Os que pertencem

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus

1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva somos curados por Deus SEMINÁRIO DE VIDA NO ESPÍRITO Tema geral: Cura Interior Autor: Pe. Fernando PREGAÇÃO: Tema: Curados para Amar Senhor se queres podes me curar Mt. 8, 1-4 1º. Pregação: Tema: Desde o pecado de Adão e Eva

Leia mais

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA INTRODUÇÃO Irmãos! A bíblia nos ensina que Deus nos chama a realizar, a ser, a conhecer e a alcançar muitas coisas, tais como, realizar a obra de Deus, a ser santos,

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Alegoria da Caverna. Platão

Alegoria da Caverna. Platão Alegoria da Caverna Platão Imagina homens que vivem numa espécie de morada subterrânea em forma de caverna, que possui uma entrada que se abre em toda a largura da caverna para a luz; no interior dessa

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

4º Congresso de Mulheres 2014 - MEUC.

4º Congresso de Mulheres 2014 - MEUC. 4º Congresso de Mulheres 2014 - MEUC. Introdução ao tema geral: Silêncio. Mirian Christen Silêncio! No mundo agitado, complexo, barulhento, em que vivemos, parece que não há lugar para o silêncio. No nosso

Leia mais

A Lei de Trabalho Elaboração: www.searadomestre.com.br João 5:17 Meu Pai trabalha até agora e eu também. LE 677. Por que provê a Natureza, por si mesma, a todas as necessidades dos animais? Tudo em a Natureza

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

PROLEGÔMENOS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA EXISTENCIALISTA Prolégomènes à une pratique éducative exitentialiste

PROLEGÔMENOS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA EXISTENCIALISTA Prolégomènes à une pratique éducative exitentialiste Prolegômenos para uma prática educativa existencialista PROLEGÔMENOS PARA UMA PRÁTICA EDUCATIVA EXISTENCIALISTA Prolégomènes à une pratique éducative exitentialiste Abdeljalil Akkari * Peri Mesquida **

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty 1

Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty 1 399 Estudos de Psicologia Comunicação 1997, 2(2), breve 399-405 C O M U N I C A Ç Ã O B R E V E Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty 1 Ana Regina de

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé!

Orar é uma atividade regular na vida de Jesus, um hábito, uma disciplina, um vínculo. Essa passagem é pedagógica e ilustra uma vida de fé! Faculdades EST- Pastoral Universitária Culto de Abertura do Semestre 2013/2 Prédica sobre Lucas 11.1-13 Pastora Iára Müller Leitura de Lucas 11.1-13 O tema da oração e da persistência em orar sempre volta

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE "EMANUEL"

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE EMANUEL Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7.14 Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão

Leia mais

ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO

ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO ENFOQUE HOLÍSTICO DA DOENÇA E DA SAÚDE: UMA POSSIBILIDADE DE INTEGRAÇÃO A PARTIR DA ESCUTA DO CORPO Prof. Ms. Andrea Simone Schaack Berger * A natureza, por si própria, quando a deixamos operar, tira-se

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES SÓCRATES 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROFESSOR DANILO BORGES 1. (Unicamp 2013) A sabedoria de Sócrates, filósofo ateniense que viveu no século V a.c., encontra o seu ponto de partida

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

O Sofrimento humano.

O Sofrimento humano. Clamo a Deus por socorro; clamo a Deus que me escute... O meu coração medita, e o meu espírito pergunta: Irá o Senhor rejeitar-nos para sempre? Jamais tornará a mostrar-nos o seu favor? Desapareceu para

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

Corpo e Corporeidade: uma leitura fenomenológica

Corpo e Corporeidade: uma leitura fenomenológica Corpo e Corporeidade: uma leitura fenomenológica Ari Rehfeld Publicado na Revista de Psicologia do Instituto de Gestalt de São Paulo, nr 1 2004, apresentado na IV Jornada Paulista de Gestalt É muita pretensão

Leia mais

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Você não sofre porque tem uma programação mental, você sofre porque sua programação

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor)

Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor) Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor) Prof. Plinio Corrêa de Oliveira Hoje em dia, quando se fala da escravidão de amor a Nossa Senhora, há uma estranheza muito

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

oda ALEGRIA da nossa vocação

oda ALEGRIA da nossa vocação oda ALEGRIA da nossa vocação Ao chamar-vos, Deus diz-vos: És importante para mim, Eu amote; conto contigo. (Papa Francisco) Não fostes vós que me escolhestes; fui Eu que vos escolhi. (Jo 15, 16) Acreditamos

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F

DEUS INFINITO Autor: Marília Mello Intro: F C/E B/D Db C F C/E B/D Db C F DUS INFINITO utor: Marília Mello Intro: F / /D Db F / /D Db F m b F Senhor eu te apresento o meu coração m b F u coloco toda minha vida em tuas mãos b /b m Dm Porque sei que tudo sabes de mim, Senhor b

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

1 Narcóticos Anónimos (Texto Básico, página 17).

1 Narcóticos Anónimos (Texto Básico, página 17). Serei um adicto? Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1994 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados. Só tu podes responder a esta pergunta. Isto

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes PROGRAMA PATHWORK DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL PATHWORK - RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO HELPERSHIP FORMAÇÃO HELPER Coordenadora do PPTP HELPERSHIP MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES COSTA MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

A continuidade da vida Roteiro 3

A continuidade da vida Roteiro 3 A continuidade da vida Roteiro 3 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo II A Morte e seus Mistérios Objetivos

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos

Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos Modelos entrevistas com intelectuais das Ciências Humanas e Filósofos ENTREVISTA PETER SINGER. - SELEÇÃO DE TRECHOS Fonte: Portal da Revista Época. Disponível em http://revistaepoca.globo.com/revista/epoca/0,,edg74453-5856-421,00.html

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel

QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel QUESTÕES ELABORADAS A PARTIR DO TEXTO O CARISMA FUNDADOR Discurso de Chantilly Pe. Henri Caffarel 1. Pe. Caffarel afirma que carisma fundador é muito mais do que uma simples boa idéia. Então, o que ele

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia

Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia 1 Resenha de Fundamentação Existencial da Pedagogia Luís Washington Vita (1955) DELFIM SANTOS, Fundamentação Existencial da Pedagogia, Limeira, Letras da Província, 1951-115; Revista Brasileira de Filosofia

Leia mais

Ciência, Filosofia ou Religião?

Ciência, Filosofia ou Religião? Ciência, Filosofia ou Religião? Obra de Rodin permite refletir sobre tríplice aspecto do Espiritismo Décio landoli Junior Estava eu visitando o museu de Rodin em Paris, quando deitei meus olhos sobre a

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa

Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa Faculdade de Ciências Humanas FUMEC Curso de Psicologia Abordagem Centrada na Pessoa ACEITAÇÃO Ruy Miranda 1. O que é aceitação? Aceitar significa receber. Uma pessoa recebe a outra, abre as portas para

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

MULHERES QUE AMAM DE MAIS

MULHERES QUE AMAM DE MAIS ROBIN NORWOOD MULHERES QUE AMAM DE MAIS Tradução de Isabel Alves k Índice Agradecimentos........................................ 9 Prefácio............................................... 11 Introdução............................................

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais