GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta)"

Transcrição

1 Colégio Paulo VI Ano lectivo 2011/ º Ano - Teste de Filosofia Tema: O que é a filosofia? / O discurso filosófico Teste n.º 1 90 min.# Nome Número Turma Professor Encarregado de Educação Classificação Observações Lê o enunciado com atenção e responde apenas ao que é perguntado GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta) Tipo 1 Questões de Interpretação de argumentos 1. TEXTO: Nas sociedades atuais, uma pessoa pode sentir-se solitária e estar imersa num oceano de humanidade. Isto sucede, em boa medida, devido a fato de a sociedade urbana ser móvel e fragmentada e já não existir uma rede estreita de familiares, parentes e amigos íntimos. [adaptado de Paul Martin, Pessoas Felizes] Qual das seguintes opções é a conclusão do argumento anterior? A. Na sociedade atual já não existe uma rede estreita de familiares, parentes e amigos íntimos. B. A sociedade urbana é móvel e fragmentada. C. Nas sociedades atuais, uma pessoa pode sentir-se solitária e estar imersa num oceano de humanidade. D. A sociedade urbana é móvel e fragmentada e já não exsite uma rede estreita de familiares, parentes e amigos íntimos. 2. TEXTO: Os circuitos cerebrais associados ao processamento do ódio não têm as mesmas consequências em pessoas que estão deprimidas, na medida em que essas pessoas desenvolvem sentimentos de auto-desprezo e raiva de si mesmos. O cérebro dessas pessoas também tem níveis de atividade que manifestam um desacoplamento do circuito neuronal. [adaptado Scientific American, Out 2011]. Qual é a ideia que é suportada por razões no texto anterior? A. Os circuitos cerebrais associados ao processamento do ódio não têm as mesmas consequências em pessoas que estão deprimidas.

2 B. As pessoas deprimidas desenvolvem sentimentos de auto-desprezo e raiva de si mesmos. C. O cérebro das pessoas deprimidas tem níveis de atividade que manifestam um desacoplamento do circuito neuronal. D. A depressão está associada ao funcionamento do cérebro. Tipo 2 Questões de completar argumentos 3. TEXTO: Há perguntas às quais se pode responder por meio de processos comprovados, que incluem olhar e ver, medir, ou aplicar regras que, perante a experiência, verificamos que funcionam. Contudo, isso não sucede na investigação filosófica, visto que ( ) [Adaptado de Simon Balckburn, Pense]. Qual das seguintes opções completa logicamente o texto? A. Pensar e fazer filosofia fazem parte da natureza humana. B. Todos os homens são filósofos. C. A filosofia é uma atividade a priori. D. A filosofia é uma ciência que resolve problemas fundamentais desconcertantes. 4. TEXTO: Se as pessoas defenderem ideias coerentes e bem fundamentadas, não serão vítimas fáceis do dogmatismo. Ora, há quem não seja uma vítima fácil do dogmatismo, pelo que podemos dizer que há quem defenda ideias coerentes e bem fundamentadas. Independentemente do argumento ser ou não válido, qual das seguintes opções representa a forma do argumento anterior? A. Se P, então Q. Não Q, logo P. B. Se P, então Q. Q, logo P. C. Se P, então Q. Não Q, logo não P. D. Se P, então Q. Q, logo não P. Tipo 3 Questões de avaliação de argumentos 5. TEXTO: Uma investigação desenvolvida pela Universidade de Newcastle e publicada na revista The Lancet provou que a toma regular de aspirina pode contribuir para reduzir em cerca de metade o cancro hereditário, na medida em que os cientistas descobriram que pelo menos 30% dos doentes que não tomavam aspirina vieram a sofrer da doença, contra os 15% que tomavam o medicamento. Aquilo que se constatou foi que embora todos quer os que tomavam aspirina, quer os que não o faziam tenham desenvolvido pólipos precursores do cancro, os que #2

3 tomavam o fármaco não chegaram a desenvolver realmente a doença. Qual das opções anteriores avalia melhor o argumento anterior? A. O argumento é dedutivamente válido. B. O argumento é não dedutivamente válido. C. O argumento é sólido, mas não é cogente. D. O argumento é cogente, mas não é válido. 6. TEXTO: «O presidente americano George Bush argumentou uma vez que o papel do vice-presidente é o de apoiar as políticas do presidente, concordando ou não com elas, porque ninguém quer meter golos na própria baliza» [Anthony Weston, A Arte de Argumentar]. Que tipo de argumento é sugerido no excerto anterior? A. Um argumento baseado em condicionais. B. Um argumento baseado em exemplos. C. Um argumento por redução ao absurdo. D. Um argumento por analogia. GRUPO II (2 x 20 pontos) «Como sugeriu António Sérgio, a filosofia fácil corresponde a cultura falsa. O homem do senso comum, que vive sem filosofia, prefere a cultura falsa. Aceita crenças simplórias ou vulgarizações deturpantes e, ingenuamente, aceita teorias e ideias sem compreender os problemas que as desencadeiam. A filosofia, por seu lado, não é fácil porque exige uma análise cuidada e consciente dos problemas. Além disso, a filosofia não nos permite a aceitação dogmática e acrítica de ideias.» 1 Indica uma característica e um dos elementos da filosofia presentes neste texto. - a filosofia como atividade crítica, racional, antidogmática 2 Realiza a negação da proposição Os homens do senso comum vivem sem filosofia. - Há homens do senso comum que não vivem sem filosofia #3

4 GRUPO III (2 x 30 pontos) «Podemos começar a duvidar se o que dizemos é «objetivamente» verdadeiro ou apenas o resultado da nossa própria perspetiva, ou o que a situação nos parece. Ao pensar sobre isto, confrontamo-nos com categorias como conhecimento, objetividade, verdade, e podemos querer pensar sobre elas. Nesse ponto estamos a refletir sobre conceitos, processos e convicções que normalmente nos limitamos a usar. Estamos a olhar para os andaimes do nosso pensamento e a fazer a nossa engenharia conceptual.» [Simon Blackburn, Pense] 1 A partir do texto anterior, prova que a filosofia é uma atividade importante. - sendo uma atividade concetual, obriga-nos a conhecer os conceitos, como o texto refere, os andaimes ou fundamentos do nosso próprio pensamento A nossa visão do mundo e o modo como orientamos a nossa vida depende dos conceitos e crenças que usamos para o compreender e explicar 2 Apresenta uma razão que prove que a filosofia não se limita apenas «a olhar para os andaimes do nosso pensamento e a fazer a nossa engenharia conceptual». - A filosofia não é apenas uma análise de conceitos, ela visa mudar realmente a nossa vida, e determinar o modo como vivemos; assim, tem uma dimensão prática #4

5 GRUPO IV (40 pontos) «A filosofia recusa-se a aceitar qualquer crença que as provas experimentais e o raciocínio não mostrem que não é verdadeira. [ ] A filosofia tenta nada tomar como garantido e nada aceitar por fé. Dedica-se à investigação persistente e de espírito aberto, para descobrir se as nossas crenças são justificadas, e até que ponto o são. Deste modo, a filosofia impede-nos de nos afundarmos na complacência mental e no dogmatismo em que todos os seres humanos têm tendência para cair.» Jerome Stolnitz Avalia o argumento anterior, assumindo uma posição pessoal. A resposta será classificada segundo os seguintes parâmetros: 1. O texto apresenta a posição a defender 2. O texto apresenta uma ou duas boas razões a apoiar a tese defendida 3. O texto apresenta uma linguagem clara e rigorosa 4. O texto revela criatividade Total: 200 pontos O Professor: João Fonseca #5

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015 A avaliação deve reflectir a Matemática que todos os alunos devem saber e ser capazes de

Leia mais

Tópico para o exame de admissão 2016

Tópico para o exame de admissão 2016 . INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-ISCED/Luanda DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE FILOSOFIA Tópico para o exame de admissão 2016 1. EMERGÊNCIA DE FILOSOFIA As diversas maneiras de definir

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Olá, amigo concurseiro. Após uma certa ausência, vamos a mais um tópico importante de Raciocínio Lógico.

Olá, amigo concurseiro. Após uma certa ausência, vamos a mais um tópico importante de Raciocínio Lógico. Olá, amigo concurseiro. Após uma certa ausência, vamos a mais um tópico importante de Raciocínio Lógico. Haverá momentos em que a Lógica Proposicional sofrerá algumas limitações. Quando certos tipos de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

É POSSÍVEL EMPREENDER MEU SONHO? Vanessa Rosolino People Coaching & Desenvolvimento Organizacional

É POSSÍVEL EMPREENDER MEU SONHO? Vanessa Rosolino People Coaching & Desenvolvimento Organizacional É POSSÍVEL EMPREENDER MEU SONHO? Vanessa Rosolino People Coaching & Desenvolvimento Organizacional Empreendedores são aqueles que entendem que há uma pequena diferença entre obstáculos e oportunidades

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

Filosofia, investigação e ensino na universidade

Filosofia, investigação e ensino na universidade Filosofia, investigação e ensino na universidade Desidério Murcho King s College London desiderio.murcho@kcl.ac.uk I Congresso Internacional sobre Filosofia na Universidade VI Simpósio Sul Brasileiro sobre

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar 5 CAPÍTULO 5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I: GESTÃO EDUCACIONAL O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar Introdução A compreensão deste capítulo está diretamente relacionada ao entendimento

Leia mais

RIQUEZA, SAÚDE, FAMA, FORTUNA, AMOR, E TUDO O QUE POSSAMOS DESEJAR.

RIQUEZA, SAÚDE, FAMA, FORTUNA, AMOR, E TUDO O QUE POSSAMOS DESEJAR. Este segredo dá a você tudo o que deseja, felicidade, amor, saúde, dinheiro, paz espiritual, não há nada que você não possa conseguir se aprender a aplicar o segredo em sua vida diária -Bob Proctor- O

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE LETRAS EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA 2014/1 PROVA 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE LETRAS EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA 2014/1 PROVA 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE LETRAS EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA 2014/1 PROVA 1 INSTRUÇÃO GERAL: Esta prova contém duas partes, assim organizadas: Parte

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

APOSTILA DE LÓGICA. # Proposições Logicamente Equivalentes. # Equivalências Básicas

APOSTILA DE LÓGICA. # Proposições Logicamente Equivalentes. # Equivalências Básicas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CÂMPUS APODI Sítio Lagoa do Clementino, nº 999, RN 233, Km 2, Apodi/RN, 59700-971. Fone (084) 4005.0765 E-mail: gabin.ap@ifrn.edu.br

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Técnicas de Comunicação Oral e Escrita

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Técnicas de Comunicação Oral e Escrita FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG Técnicas de Comunicação Oral e Escrita Uberlândia / 2014 Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br roblematizando... Qual a importância

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Será que a minha mente está dentro da minha cabeça? (questões de filosofia da mente e Inteligência Artificial)

Será que a minha mente está dentro da minha cabeça? (questões de filosofia da mente e Inteligência Artificial) FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DO PORTO Será que a minha mente está dentro da minha cabeça? (questões de filosofia da mente e Inteligência Artificial) Sofia Miguens Universidade do Porto - MLAG O que

Leia mais

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência

Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Os Sete Termos Sinônimos de Deus Satisfazem a Necessidade que o Mundo Tem de um Novo Sistema de Referência Joel Jessen Traduzido para o Português do Brasil por Guita R. Herman a partir da versão inglesa

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

OBS.: o tema está articulado ao Saber V enfrentar as incertezas.

OBS.: o tema está articulado ao Saber V enfrentar as incertezas. Aventura do Espírito : a Sociologia e a formação de jovens no Ensino Médio Rosemary de Oliveira Almeida - UECE Felícia Maria de Sousa Lima - Escola de Ensino Médio Liceu Vila Velha Judas Tadeu Pereira

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

O Princípio do Foco. Texto Base

O Princípio do Foco. Texto Base O Princípio do Foco Texto Base Há uma lei universal invariável determinando que todas as coisas fluem para a direção da sua atenção. Ou seja: onde estiver seu foco, estarão ali, sua energia, sua fé, sua

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação INGLÊS 3º Ciclo - 8.º Ano de Escolaridade Despacho Normativo

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

As evidências do cotidiano

As evidências do cotidiano Para que filosofia? Autora: Marilena Chauí Fonte: Convite à Filosofia As evidências do cotidiano Em nossa vida cotidiana, afirmamos, negamos, desejamos, aceitamos ou recusamos coisas, pessoas, situações.

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins

Lógica Indutiva. Aula 4. Prof. André Martins Lógica Indutiva Aula 4 Prof. André Martins É uma bruxa? Lógica Clássica (Dedutiva) Na Lógica Clássica, determinamos a veracidade de proposições a partir de outras proposições que julgamos verdadeiras.

Leia mais

A natureza da filosofia e o seu ensino

A natureza da filosofia e o seu ensino A natureza da filosofia e o seu ensino Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br Universidade Federal de Santa Catarina 12 de Dezembro de 2007 Idéias principais Compreender

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR 1 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR Sidney Maia Rodrigues 1 Sumário: 1. Introdução; 2. Revisão da literatura; 3. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO A educação é uma atividade humana com limitado referencial teórico, ou seja,

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Transtorno Bipolar UHN. Bipolar Disorder - Portuguese. Informação para pacientes e seus familiares

Transtorno Bipolar UHN. Bipolar Disorder - Portuguese. Informação para pacientes e seus familiares Transtorno Bipolar Bipolar Disorder - Portuguese UHN Informação para pacientes e seus familiares Leia esta brochura para saber: o que é o transtorno bipolar quais são as suas causas os sinais ou sintomas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

Aos Leitores. Os autores

Aos Leitores. Os autores Aos Leitores Com o presente volume de Razões em Jogo, conclui-se uma proposta de leitura do Programa de Introdução à Filosofia da actual Reforma Educativa. Esta interpretação volta a assumir claramente

Leia mais

O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular Universidade Clássica de Lisboa Faculdade de Letras Departamento Filosofia Mestrado SEMINÁRIO DE ORIENTAÇÃO I Ano lectivo 2004-2005 O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Fundamentos da Argumentação

Fundamentos da Argumentação Fundamentos da Argumentação Roteiro 1. O que é um argumento? 2. Conceitos úteis para entender argumentos 3. Esquemas de argumentação 4. Tipos de diálogos 5. Sobre a falação de bobagens (On Bullshit) Renato

Leia mais

Quantificadores. Quantificador Universal. Quantificador Existencial. Seja um conjunto não vazio e ) uma propriedade associada aos elementos.

Quantificadores. Quantificador Universal. Quantificador Existencial. Seja um conjunto não vazio e ) uma propriedade associada aos elementos. Quantificadores Seja um conjunto não vazio e ) uma propriedade associada aos elementos. Quantificador Universal Se é verdade que todos os elementos de possuem tal propriedade, podemos afirmar que: Todo

Leia mais

Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem

Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem A FRAGMENTAÇÃO E O REDUCIONISMO DO SABER: A DESESTRUTURAÇÃO DO CIENTISTA CRÍTICO E REFLEXIVO Lafity dos Santos Silva 1 Como definirmos o

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Mudança é a parte mais constante de nossa existência: nosso pâncreas substitui a maioria

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

O pensar é inevitável!

O pensar é inevitável! O PENSAR O pensar é inevitável! Pensar e ser inteligente não são opções intelectuais do homem pensante mas frutos de uma produção inevitável, contínua e espontânea de pensamentos nos bastidores da psique

Leia mais

Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica.

Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica. Azevedo, C. et al. (1996) Metodologia científica. Porto: s/ed. (pp.15-28) Aquisição de aptidões para realizar investigação científica. Valoriza-se a pesquisa em detrimento da assimilação acrítica. Aprender

Leia mais

A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1)

A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1) A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1) LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Alfabeto 3. Fórmulas bem formadas (FBF) 4. Exemplos

Leia mais

Primeira Parte: Aprender a Relacionar-se. Capítulo Três: A Relação Consigo Mesmo

Primeira Parte: Aprender a Relacionar-se. Capítulo Três: A Relação Consigo Mesmo A ARTE DE VIVER A RELAÇÃO por Jorge Waxemberg Copyright 1992 por Jorge Waxemberg Tradução - Equipe da ECE - Editora de Cultura Espiritual Direitos para a língua portuguesa adquiridos pela ECE Primeira

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

George Vittorio Szenészi

George Vittorio Szenészi A Semana > Entrevista N Edição: 2173 01.Jul.11-21:00 Atualizado em 07.Jul.11-15:47 George Vittorio Szenészi "Inteligência sem emoção não funciona" O psicoterapeuta diz como a capacidade de lidar bem com

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO

PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO 6 PRINCÍPIOS PARA VOCÊ LEVAR SUA VIDA AO PRÓXIMO NÍVEL LUIZ FELIPE CARVALHO Súmario Introdução 03 #1 Desenvolva-se Pessoalmente 05 #2 Pratique Autoconhecimento 07 #3 Seja Líder de Si Mesmo 08 #4 Controle

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS / SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO SEMESTRAL DE MATEMÁTICA:LÓGICA MATEMÁTICA

PROCESSAMENTO DE DADOS / SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO SEMESTRAL DE MATEMÁTICA:LÓGICA MATEMÁTICA PROCESSAMENTO DE DADOS / SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO SEMESTRAL DE MATEMÁTICA:LÓGICA MATEMÁTICA EQUIPE DE MATEMÁTICA 1) Sejam as proposições: p : Marcos é alto. q : Marcos é elegante. r : Marcos é inteligente.

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS

ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS ENSINO DE FILOSOFIA: SUA HISTÓRIA E A INTESDISCIPLINARIDADE EM AULAS DE 45 MINUTOS SEMANAIS Frederico Silva Lopes AGUIAR; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia (FaFil) - Universidade

Leia mais

Revista labor n.4 v.1 ano 2010 ISSN: 19835000

Revista labor n.4 v.1 ano 2010 ISSN: 19835000 Como mudar o mundo sem tomar o poder. How to change the world without taking the power Elisabeth Sekulic Thobani 1 O livro Como mudar o mundo sem tomar o poder, do sociólogo e filósofo irlandês, John Holloway,

Leia mais

A DANÇA NA PERSPECTIVA EMANCIPATÓRIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A DANÇA NA PERSPECTIVA EMANCIPATÓRIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA A DANÇA NA PERSPECTIVA EMANCIPATÓRIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gizéli Servo 1, Neusa Dendena Kleinubing 2 RESUMO: O presente artigo traz reflexões acerca das contribuições da prática da dança no processo

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

É possível não crer em Deus?

É possível não crer em Deus? É possível não crer em Deus? Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br Adriana Pizzutti dos Santos É possível não crer em Deus? Adriana Pizzutti dos Santos Ateísmo Ateu é quem não crê na existência

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

2ª AVALIAÇÃO PRODUÇÃO DE TEXTO

2ª AVALIAÇÃO PRODUÇÃO DE TEXTO 2avaliação de redação.prevestibular.1bim-mf 2ª AVALIAÇÃO PRODUÇÃO DE TEXTO Duração da prova: 1h 30min UNIDADE: PROFESSOR(A): 1º BIMESTRE/2013 ALUNO(A): Nº TURMA: 3ª Série - Pré-Vestibular Ensino Médio

Leia mais

O setor de psicologia do Colégio Padre Ovídio oferece a você algumas dicas para uma escolha acertada da profissão. - Critérios para a escolha

O setor de psicologia do Colégio Padre Ovídio oferece a você algumas dicas para uma escolha acertada da profissão. - Critérios para a escolha O setor de psicologia do Colégio Padre Ovídio oferece a você algumas dicas para uma escolha acertada da profissão. - Critérios para a escolha profissional a) Realização Pessoal Que você se sinta feliz

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS. Ensino fundamental 1º ANO

GUIA PARA OS PAIS. Ensino fundamental 1º ANO GUIA PARA OS PAIS Ensino fundamental 2015 Apresentação O Colégio Itamarati foi fundado em 1988 e desenvolve um trabalho centrado na capacidade de aprendizagem do aluno, em sintonia com as formulações mais

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A

Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Disciplina de Psicologia B 12 o Ano Turma A Resolução da Ficha Formativa de Trabalho de Grupo nº1 1 Desde a antiguidade que a psicologia era entendida, morfologicamente, como no estudo da alma e da mente,

Leia mais

A TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA COMO PROCEDIMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DO DISCURSO

A TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA COMO PROCEDIMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DO DISCURSO A TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA COMO PROCEDIMENTO DO DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA DO DISCURSO ALBUQUERQUE, Alex da Cruz (G/FACINAN) SILVA, Daniele Alves da (G/FACINAN) CAPUCI, Jussara Melo de Castro (G/FACINAN)

Leia mais

Gestão do risco / Rentabilidade das explorações

Gestão do risco / Rentabilidade das explorações Gestão do risco / Rentabilidade das explorações Biossegurança / Boas práticas na exploração pecuária CAP, 14 de Abril de 2010 Lisboa Objectivo Rentabilidade da exploração pecuária Alimentos seguros www.rd.com

Leia mais

Prefácio Não é o amor indefinível, uma questão de sentimento, não de pensamento? Pior: aprofundar essa emoção extremamente espontânea e misteriosa não é correr o risco de expulsar sua magia? E assim acabar

Leia mais

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. Carolina de Paula Machado 1 A análise semântica de uma palavra, que não se paute por uma visão formal,

Leia mais

Raciocinar em Matemática Significado e importância

Raciocinar em Matemática Significado e importância Significado e importância Programa de Formação Contínua em Matemática para professores dos 1º. e 2º. ciclos do Ensino Básico da Escola Superior de Educação de Setúbal, 2010/2011 Raciocínio matemático:

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL. Facilitando a Vida. Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida.

USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL. Facilitando a Vida. Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida. 1 USE A LEI DA ATRAÇÃO PARA TER UMA VIDA FÁCIL Facilitando a Vida Este exercício foi desenhado para ajuda-lo a atingir seus objetivos na vida. É um exercício muito simples e uma poderosa ferramenta para

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

FERNANDA APARECIDA FERREIRA DIMAS FELIPE DE MIRANDA DEMONSTRAÇÕES EM GEOMETRIA EUCLIDIANA:

FERNANDA APARECIDA FERREIRA DIMAS FELIPE DE MIRANDA DEMONSTRAÇÕES EM GEOMETRIA EUCLIDIANA: FERNANDA APARECIDA FERREIRA DIMAS FELIPE DE MIRANDA DEMONSTRAÇÕES EM GEOMETRIA EUCLIDIANA: Uma seqüência Didática como recurso metodológico para seu ensino 2008 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FILOSOFIA PARA A EDUCAÇÃO. Dermeval Saviani*

CONTRIBUIÇÕES DA FILOSOFIA PARA A EDUCAÇÃO. Dermeval Saviani* CONTRIBUIÇÕES DA FILOSOFIA PARA A EDUCAÇÃO Dermeval Saviani* O tema deste artigo, tal como formulado pelo Comitê Editorial do INEP, "Contribuições das ciências humanas para a educação: a filosofia", já

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais