A ÉTICA NA ENFERMAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ÉTICA NA ENFERMAGEM"

Transcrição

1 A ÉTICA NA ENFERMAGEM Os enfermeiros são profissionais de saúde constantemente chamados a intervir e a tomar decisões, no sentido de preservar a saúde, combater a doença, ajudar a nascer e a morrer. A ética na Enfermagem Em saúde e como não poderia deixar de ser em enfermagem, não existem cuidados sem uma componente ética, onde se apela aos valores humanísticos, encontrando-se estes no centro da sua existência e da sua atividade. Desde sempre, a enfermagem teve a responsabilidade de cuidar dos indivíduos, quando as suas condições e recursos os impossibilitam de tomar conta de si mesmos. O que significa ter presente que cada pessoa tem uma forma particular de viver essa experiência de doença, respeitando-a seja qual for a sua condição. E ainda, que a saúde dos indivíduos esteja seriamente afetada, o cuidar nunca pode implicar a negação de nenhuma das componentes da pessoa. 2

2 Ora a enfermagem é uma profissão que concretiza a sua ação na relação com pessoas e essa relação com o Outro questiona-me, esvazia-me de mim mesmo e não cessa de esvaziar-me, descobrindo-me possibilidades sempre novas. no meu agir, chegando até dar voz àqueles que a não têm. Uma ação em enfermagem, só é ética na medida em que implica uma relação com o outro. Assim, a bioética em enfermagem ultrapassa o domínio tradicional da ética médica para desempenhar um papel de clarificação dos valores humanísticos, que transcendem os próprios limites das profissões ligadas à saúde, podendo ser encarada como a consciência dos homens na medida em que os leva a refletir sobre a sua relação com o outro, na sua conduta, no seu modo de agir... Com o objetivo de os tornar mais Humanos. A moral na Enfermagem A enfermagem, pressupõe um código moral único, em que o bem e o mal e o caminho a seguir estão previamente estabelecidos, marcado pelo respeito pelos múltiplos códigos morais próprios a cada ser humano, pois o bem e o mal relativizam-se e concretizam-se em cada situação. Partindo desta premissa e acreditando em valores morais e éticos como o respeito pelas pessoas, a dignidade humana, a compaixão, os Direitos do Homem, proclamados em 1948, assim como os Direitos dos Doentes, a unicidade de cada ser nas suas vivências irei refletir com os leitores como vivo o ser enfermeiro, numa dimensão ética. O cuidar e a Enfermagem Ser enfermeiro é acima de tudo salvaguardar os direitos do doente, é promover, aumentar a sua auto-estima, estabelecer uma relação empática onde ele volte a sentir-se amado respeitado,... Enfim sentir-se pessoa. Para atingir esses objetivos, é necessário passar pelo cuidar, razão da existência da enfermagem. Cuidar é preservar a vida... É dar qualidade existência do doente e ao seu projeto de vida. É promover que cada um atinja o máximo de conforto possível em cada momento. A enfermagem sempre significou cuidar, sempre existiu, porque há que preservar a vida e a humanidade... o que não é tarefa simples. Organizou-se e profissionalizou-se, com o objetivo de cuidar das pessoas, para que estas mantivessem, recuperassem ou 3

3 melhorassem o seu estado de saúde ao maior grau de independência e bem-estar possíveis, dentro dos seus limites. A compaixão na Enfermagem Cuidar é o...ideal moral da enfermagem e a sua finalidade é a proteção, promoção e preservação da dignidade humana..., é um momento de aprendizagem e de crescimento do eu de cada um, sendo necessário compaixão. Compaixão não significa que se adote um comportamento imbuído de sacrifício, de pena, dando tudo e caindo na auto resignação. Compaixão significa sair de mim mesmo, ir ao encontro do doente levando-o a um bem-estar, de modo que a pessoa se sinta amada, cuidada, aceite, compreendida, valorizada... Em harmonia com a vida. Compaixão é por assim dizer, um comportamento que vai além do vivido para se definir como sentido. É uma... relação vivida em solidariedade com a condição humana, compartilhando alegrias, tristezas, dores e realizações... enfatizando a humanização. Esta dimensão ética da enfermagem a compaixão atinge o seu auge no cuidar, que traduz um compromisso entre o enfermeiro e o doente criando a possibilidade de dar e receber a que muitos autores chamam de, cuidar/cuidado. Muitos autores definem ainda esta forma de cuidar, como um processo entre seres humanos, implicando um compromisso moral de proteção da dignidade humana e preservação da própria humanidade, no qual o enfermeiro tem diferentes maneiras de manifestar tais como: Passar tempo com aquele que sofre, presença autêntica junto daquele que sofre, confortar o outro física e emocionalmente, tocar o outro, de forma individualizada e carinhosa, demonstrar (verbal e não verbalmente) interesse, preocupação e compreensão por aquele que sofre e escutar deixando-o expressar os seus sentimentos. A compreensão do homem e do enfermeiro A enfermagem prima pelo cuidar e Cuidar implica compreender o Homem como um ser-no-mundo, não como algo especial mas como alguém que está aberto à compreensão, lançado a um número indefinido de possibilidades, tentando apreender e compreender o mundo enquanto se compreende a si mesmo. 4

4 Cuidar de uma pessoa, passa indiscutivelmente por uma compreensão e reflexão da sua singularidade e unicidade, que é o seu existir-no-mundo, enquanto dá e recebe, desenvolve e estabelece relações com-o-outro e com-o-mundo... agindo e reagindo! Este nosso ser-no-mundo está envolto numa afetividade que nos...põe perante o fato do nosso modo originário de captar e compreender o mundo ser algo, cujos fundamentos nos escapam, mas por outro lado, permite à pessoa consciencializar-se da sua existência, vivendo sentidamente cada situação presente revivendo afetivamente recordações do passado e antecipando com emoção o futuro... Espera-se assim do enfermeiro, muito mais do que um ser entre-os-outros, para se afirmar pela proximidade de um ser-com-os-outros, cuidando numa abrangência intersubjetiva, onde quem cuida e quem é cuidado se distanciam por presenças muito próprias. Para tal, espera-se do enfermeiro, uma postura consciente, competente, confiante, envolvente (...) procurando encontrar os seus propósitos e valores, participando na criação de condições imediatas (...) ao cuidar autêntico, numa de relação cuidador- cuidado Carlos Freitas Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica 5

ÉTICA NO CUIDAR EM ENFERMAGEM: UMA PROPOSTA A SER CONSTRUÍDA NA GRADUAÇÃO

ÉTICA NO CUIDAR EM ENFERMAGEM: UMA PROPOSTA A SER CONSTRUÍDA NA GRADUAÇÃO ÉTICA NO CUIDAR EM ENFERMAGEM: UMA PROPOSTA A SER CONSTRUÍDA NA GRADUAÇÃO Chirlaine Cristine Gonçalves 1 Celênia Souto Macêdo 2 Isabella Maria Filgueira Guedes Piancó 3 Isabella Barros Almeida 4 Francisco

Leia mais

ESCOLA e FAMÍLIA DUAS REALIDADES, UM MESMO OBJETIVO.

ESCOLA e FAMÍLIA DUAS REALIDADES, UM MESMO OBJETIVO. ESCOLA e FAMÍLIA DUAS REALIDADES, UM MESMO OBJETIVO. Mariluci Daneluz 1 RESUMO: Neste trabalho pretende-se abordar os benefícios da participação da família na busca de alternativas para amenizar as dificuldades

Leia mais

docente na Educação Infantil. 1 Agradeço a leitura e as sugestões dos professores da Universidade Federal de Minas Gerais Isabel de

docente na Educação Infantil. 1 Agradeço a leitura e as sugestões dos professores da Universidade Federal de Minas Gerais Isabel de Relações entre crianças e adultos na Educação Infantil Iza Rodrigues da Luz 1 Universidade Federal de Minas Gerais/ Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Infância e a Educação Infantil izaluz@yahoo.com.br

Leia mais

ÉTICA E CIDADANIA 1 INTRODUÇÃO

ÉTICA E CIDADANIA 1 INTRODUÇÃO SIEGEL, N. Fundamentos da Educação: Temas transversais e Ética. Indaial/SC: Ed.ASSELVI, 2005. Unidade 2 P. 35-57 Curso: Pedagogia Ano/Semestre: 2011/1 Período: 4º Disciplina: Ética e Educação Professor(a):

Leia mais

PAPEL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA POLÍTICA DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR

PAPEL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA POLÍTICA DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR PAPEL DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA POLÍTICA DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR Roberta Araújo Mota * Cileide Guedes de Melo Martins * Renata Meira Véras # RESUMO. O interesse por este tema surgiu a partir de uma

Leia mais

fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos

fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos 1 fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos apresentação Estar em grupo nos dá a sensação de estarmos mais vivos. Pelo

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS ÉTICA Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia Zélia de

Leia mais

subsidiam o alcance de determinados objetivos de cuidado mais subjetivos (MEIER, 2004, p. 30).

subsidiam o alcance de determinados objetivos de cuidado mais subjetivos (MEIER, 2004, p. 30). 12 1 INTRODUÇÃO O cuidado faz parte da vida do ser humano desde os primórdios da humanidade, como resposta ao atendimento às necessidades na dimensão ontológica ou espiritual, visto que a vida do ser humano

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO. RESUMO: Ao falarmos do campo do cuidado e da ética nos

O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO. RESUMO: Ao falarmos do campo do cuidado e da ética nos O CUIDADO COMO A BASE ÉTICA NA CONSTITUIÇÃO DO SER HUMANO Vera Lucia C. Marinho de Carvalho 1 RESUMO: Ao falarmos do campo do cuidado e da ética nos referimos a uma atitude e a um tipo de olhar. Trata-se

Leia mais

O SER-PARA-A-MORTE EM HEIDEGGER

O SER-PARA-A-MORTE EM HEIDEGGER O SER-PARA-A-MORTE EM HEIDEGGER Rodrigo Duarte * Gilzane Naves ** RESUMO Este artigo tem por objetivo situar o problema do ser-para-a-morte em Martin Heidegger na perspectiva da investigação fenomenologica-existencial.

Leia mais

Prefácio. Parte 1: Gestão. Em busca de sentido Enxergar um significado maior na vida aproxima o tema da espiritualidade do mundo do trabalho

Prefácio. Parte 1: Gestão. Em busca de sentido Enxergar um significado maior na vida aproxima o tema da espiritualidade do mundo do trabalho Nome: Qual é a tua obra? Autor: Mario Sergio Cortella Prefácio Às vezes temos a ânsia de sermos algo que não tivemos sequer tempo ou maturidade para desenvolvermos, mas na verdade é que hoje estamos na

Leia mais

GUIAS ORIENTADORES DE BOA PRÁTICA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE INFANTIL E PEDIÁTRICA

GUIAS ORIENTADORES DE BOA PRÁTICA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE INFANTIL E PEDIÁTRICA GUIAS ORIENTADORES DE BOA PRÁTICA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE INFANTIL E PEDIÁTRICA ENTREVISTA AO ADOLESCENTE PROMOVER O DESENVOLVIMENTO INFANTIL NA CRIANÇA G U I A O R I E N T A D O R D E B O A P R Á T I C

Leia mais

A construção social e psicológica dos valores

A construção social e psicológica dos valores A construção social e psicológica dos valores Prof. Dr. Ulisses F. Araújo, Universidade de São Paulo A discussão sobre a construção social e psicológica dos valores, neste texto, localiza-se na intersecção

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO X AUTO- REALIZAÇÃO HUMANA

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO X AUTO- REALIZAÇÃO HUMANA ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO X AUTO- REALIZAÇÃO HUMANA Silvinha Moretti Instituto Catarinense de Pós-Graduação ICPG Gestão Estratégica de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE SUELI RIBEIRO DE SOUZA OKAMOTO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE SUELI RIBEIRO DE SOUZA OKAMOTO 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE SUELI RIBEIRO DE SOUZA OKAMOTO O JOGO POPULAR COMO CONTEÚDO DE ENSINO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Orientador Prof. Dr. Orlando Mendes

Leia mais

O Faz de Conta e o Desenvolvimento Infantil

O Faz de Conta e o Desenvolvimento Infantil 1 O Faz de Conta e o Desenvolvimento Infantil Elisangela Modesto Rodrigues de Oliveira 1 Juliana de Alcântara Silveira Rubio 2 Resumo A finalidade deste trabalho é mostrar a importância da brincadeira

Leia mais

Recorte da Pesquisa realizada como Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Enfermagem O Processo do Cuidar na Enfermagem Oncológica.

Recorte da Pesquisa realizada como Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Enfermagem O Processo do Cuidar na Enfermagem Oncológica. - 696 - VIVENCIANDO O COTIDIANO DO CUIDADO NA PERCEPÇÃO DE ENFERMEIRAS ONCOLÓGICAS 1 LIVING FULLY THE DAILY LIFE OF CARE IN THE VIEW OF ONCOLOGICAL NURSES VIVIENDO EL COTIDIANO DEL CUIDADO EN LA PERCEPCIÓN

Leia mais

Guia de Orientações Metodológicas Gerais

Guia de Orientações Metodológicas Gerais Guia de Orientações Metodológicas Gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Fundamental Programa de Formação de Professores Alfabetizadores Guia de Orientações Metodológicas Gerais JANEIRO 2001

Leia mais

Conhecendo o Programa A União Faz a Vida

Conhecendo o Programa A União Faz a Vida Conhecendo o Programa A União Faz a Vida COLEÇÃO DE EDUCAÇÃO COOPERATIVA 2 Programa A União Faz a Vida APRESENTAÇÃO 5 HISTÓRICO DO PROGRAMA 6 OBJETIVO DO PROGRAMA 7 PRINCÍPIOS 7 CONTRIBUIÇÃO PARA A EDUCAÇÃO

Leia mais

O LÍDER E SUA INFLUÊNCIA NA MOTIVAÇÃO DA EQUIPE. Clélia Maria Diniz Carvalho Souza

O LÍDER E SUA INFLUÊNCIA NA MOTIVAÇÃO DA EQUIPE. Clélia Maria Diniz Carvalho Souza 1 O LÍDER E SUA INFLUÊNCIA NA MOTIVAÇÃO DA EQUIPE Clélia Maria Diniz Carvalho Souza 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO LIBERTAS CONSULTORIA E TREINAMENTO CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE

Leia mais

ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO CLIENTE ONCOLÓGICO: reflexões junto à equipe

ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO CLIENTE ONCOLÓGICO: reflexões junto à equipe ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO CLIENTE ONCOLÓGICO: reflexões junto à equipe Cleonice Antonieta Costa* Wilson Danilo Lunardi Filho** Narciso Vieira Soares*** Resumo O presente relato refere-se a uma prática

Leia mais

OS SABERES MOBILIZADOS PELO BOM PROFESSOR NA VISÃO DE ALUNOS CONCLUINTES DO CURSO DE DIREITO

OS SABERES MOBILIZADOS PELO BOM PROFESSOR NA VISÃO DE ALUNOS CONCLUINTES DO CURSO DE DIREITO OS SABERES MOBILIZADOS PELO BOM PROFESSOR NA VISÃO DE ALUNOS CONCLUINTES DO CURSO DE DIREITO Adilson José Ribeiro 1 - FURB Rita Buzzi Rausch 2 - FURB Resumo O presente artigo apresenta os resultados de

Leia mais

AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS E O DESENVOLVIMENTO AFETIVO E INTELECTUAL DA CRIANÇA

AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS E O DESENVOLVIMENTO AFETIVO E INTELECTUAL DA CRIANÇA AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS E O DESENVOLVIMENTO AFETIVO E INTELECTUAL DA CRIANÇA Eliana de Sousa Alencar* 1 Introdução A dimensão afetiva é um importante fator a ser considerado quando pretendemos compreender

Leia mais

A PERDA DA DIMENSÃO CUIDADORA NA PRODUÇÃO DA SAÚDE: UMA DISCUSSÃO DO MODELO ASSISTENCIAL E DA INTERVENÇÃO NO SEU MODO DE TRABALHAR A ASSISTÊNCIA

A PERDA DA DIMENSÃO CUIDADORA NA PRODUÇÃO DA SAÚDE: UMA DISCUSSÃO DO MODELO ASSISTENCIAL E DA INTERVENÇÃO NO SEU MODO DE TRABALHAR A ASSISTÊNCIA 1 A PERDA DA DIMENSÃO CUIDADORA NA PRODUÇÃO DA SAÚDE: UMA DISCUSSÃO DO MODELO ASSISTENCIAL E DA INTERVENÇÃO NO SEU MODO DE TRABALHAR A ASSISTÊNCIA Emerson Elias Merhy - Prof. do DMPS/FCM/UNICAMP Quem tem

Leia mais

TECENDO DIÁLOGOS, RESSIGNIFICANDO SABERES: O TORNAR-SE PROFESSOR (A)

TECENDO DIÁLOGOS, RESSIGNIFICANDO SABERES: O TORNAR-SE PROFESSOR (A) TECENDO DIÁLOGOS, RESSIGNIFICANDO SABERES: O TORNAR-SE PROFESSOR (A) Neide Cavalcante Guedes 1 Base de Pesquisa FORMAR/UFPI A possibilidade de protagonizar a própria vida pressupõe, dentre outras coisas,

Leia mais

A Educação Geográfica e sua contribuição para a formação socioambiental ética do alunado: no lugar resgatando valores

A Educação Geográfica e sua contribuição para a formação socioambiental ética do alunado: no lugar resgatando valores 22 2 A Educação Geográfica e sua contribuição para a formação socioambiental ética do alunado: no lugar resgatando valores Nesse primeiro capítulo visamos discutir a contribuição da Geografia Escolar para

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS

CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS Proposta Definitiva, Novembro de 2004 CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS As cidades representadas no 1º Congresso Internacional das Cidades Educadoras, que teve lugar em Barcelona

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 1 INTRODUÇÃO Enquanto aluna do curso de pós-graduação em Educação Física Escolar e atuando

Leia mais

O QUE É MESMO O ATO DE AVALIAR A APRENDIZAGEM? Cipriano Carlos Luckesi

O QUE É MESMO O ATO DE AVALIAR A APRENDIZAGEM? Cipriano Carlos Luckesi O QUE É MESMO O ATO DE AVALIAR A APRENDIZAGEM? Cipriano Carlos Luckesi A avaliação da aprendizagem escolar se faz presente na vida de todos nós que, de alguma forma, estamos comprometidos com atos e práticas

Leia mais